Você está na página 1de 82

IMUNOLOGIA

Estudo das defesas do organismo contra agentes estranhos


A capacidade de reconhecer e responder às
substâncias estranhas é fundamental ao
funcionamento do sistema imune
• A palavra imunidade (do inglês, immunity), que
se refere a todos os mecanismos utilizados pelo
corpo como proteção contra agentes ambientais
que são estranhos ao corpo, surgiu do termo
latino immunis, que significa “isento”. Os agentes
ambientais podem ser microrganismos ou seus
produtos, ali- mentos, substâncias químicas,
fármacos, polén, ou pelo ani- mal e diminutas
escamas dos pelos ou penas de animais. A
imunidade pode ser natural ou adquirida.
Características da resposta imune

 Reconhecimento imunológico: a presença de uma infecção deve ser detectada

 Funções imune efetoras: conter a infecção, eliminá-la por completo

 Regulação imune: capacidade do sistema imune de se autorregular

 Memória imunológica: proteger o indivíduo contra recorrência de uma doença


por um mesmo patógeno
• A imunidade natural ou inata é conferida
por diversos compo- nentes celulares e
subcelulares que o indivíduo já possui ao
nascer. Eles estão sempre presentes e
disponíveis, à menor sinalização, para
proteger o indivíduo dos desafios por
invasores estranhos.
• Os elementos do sistema imunológico natural ou
inato incluem a superfície do corpo e os
componentes internos, como a pele, as
membranas mucosas e o reflexo da tosse; to- dos
constituem barreiras eficazes contra agentes
ambientais. A influência química, como pH e
ácidos graxos secreta-dos, também constitui
barreiras eficazes contra a invasão de muitos
microrganismos. Outro elemento não celular do
siste- ma imunológico natural é o sistema
complemento.
• A imunidade adquirida, em termos evolucionistas,
surgiu relati- vamente tarde e está presente apenas nos
vertebrados. Embora o indivíduo já nasça com a
capacidade de desenvolver uma res- posta imunológica
contra uma substância estranha, o número de células B
e T disponíveis para dar início a esta resposta deve ser
aumentado antes que o animal seja considerado imune
àquela substância. Este aumento é alcançado após o
contato com o an- tígeno através da ativação dos
linfócitos que apresentam recep- tores específicos para
o antígeno.
MECANISMO DE DEFESA EXTERNO
MECANISMOS DE DEFESA INTERNOS

MICRO-ORGANISMOS ROMPEM MECANISMOS DE DEFESA EXTERNO

MECANISMOS DE DEFESA INTERNOS

Defesa inata pre-existente no indivíduo age em


minutos

Componentes: células fagocíticas e Natural Killer (NK)


Células Sanguíneas
Granulócitos – contém grande grânulos no seu citoplasma.
Com base na sua coloração distingue-se

Neutrófilos – lilás -(leucócitos


polinucleados – PMNs) : são
móveis e fagocíticos
Basófilos – azul- liberam
histaminas importantes na alergia e
inflamação
Eosinófilos – vermelho-
produzem substâncias para os
helmintos e participam de reações
de hipersensibilidade
GRANULÓCITOS – (células sanguíneas brancas) que são os NEUTRÓFILOS, EOSINÓFILOS E
BASÓFILOS
- Possuem grânulos densamente corados em seu citoplasma (também
chamados de leucócitos polimorfonucleares devido a forma do seu núcleo)
- Vida relativamente curta
(alguns dias)

- Produzidos durante a
resposta imune,
deixando o sangue e
migrando para os locais
de infecção ou
inflamação
Os neutrófilos são fagócitos ativos que utilizam uma variedade de receptores
de superfície para reconhecer bactérias e outros agentes infecciosos no local
da inflamação.
A liberação da arilsulfatase e da
histaminase pelos eosinófilos nos
Os eosinófilos associam-se locais de reação alérgica modera os
às reações alérgicas, efeitos potencialmente prejudiciais dos
às infecções parasitárias e mediadores inflamatórios vasoativos.
à inflamação crônica. O eosinófilo também participa em
Os eosinófilos desenvolvem- outras respostas imunológicas e
se e amadurecem na medula fagocita os complexos antígeno-
óssea. Uma vez liberados da anticorpo. Portanto, a contagem de
medula óssea, eles circulam eosinófilos nas amostras de sangue
no sangue periférico e, em de indivíduos com alergias e infecções
seguida, migram para o tecido parasitárias geralmente é alta. Os
conjuntivo. Os eosinófilos são eosinófilos são importantes na defesa
ativados pelas interações com do hospedeiro contra parasitos
os anticorpos IgG, IgA ou IgA helmínticos.
secretora.
Os basófilos estão funcionalmente relacionados com os
mastócitos do tecido conjuntivo,
TIPOS DE CÉLULAS DO SISTEMA IMUNE
MACRÓFAGOS – residem na maioria dos tecidos corporais e são a forma
madura dos monócitos, que circulam no sangue e migram continuamente nos
tecidos, onde se diferenciam

FUNÇÕES:
- engolfar e matar micro-
organismos invasores

- induzem inflamação

- secretam proteínas de
sinalização que ativam outras
células

- células limpadoras do
organismo, eliminando células
mortas e restos celulares
Linfócitos:
São células, normalmente, encontradas no sangue. Atua no processo de
defesa imune do organismo como célula mediadora, célula de memória e de
identificação de substâncias estranhas.

- Plasmócitos: (linfócitos B)

•Células do conjuntivo que participam do mecanismo da resposta imune,


através da síntese de imunoglobulinas (anticorpos).
•Numerosos em locais sujeitos à penetração de bactérias (intestino). São
abundantes nas inflamações crônicas
Os linfócitos são as
principais células
funcionais do
sistema linfático ou
imune.
Célula matadora natural (NK)

são linfócitos grandes (não são


células fagocíticas) capazes de
reconhecer e matar células
indesejadas, por contato, como
células tumorais e células
infectadas com vírus
Mastócitos:

Célula globosa, grande, sem prolongamentos e repleta de


grânulos que dificultam, pela sua quantidade, a visualização
do núcleo. Os grânulos são constituídos de histamina
(substância envolvida nos processos de alergia). Esta última
substância é liberada em ocasiões de penetração de certos
antígenos no organismo e seu contato com os mastócitos,
desencadeando a conseqüênte reação alérgica.
Mastócitos – diferenciam-se nos tecidos

- coordena respostas alérgicas


- Atuam na proteção das superfícies internas do organismo contra os
patógenos e vermes parasíticos
CÉLULAS DENDRÍTICAS

possuem longos
processos
semelhantes a dedos,
os dendritos
- Células imaturas migram da medula óssea para a corrente sanguínea para entrar
nos tecidos

- Capturam substâncias particuladas por fagocitose e ingerem fluído extracelular


por pinocitose. Degradam o patógeno que capturam

PRINCIPAL FUNÇÃO – células apresentadoras de antígeno (APCs) , ativam os


linfócitos T

Formam ligação entre a resposta imune inata e a resposta imune adaptativa.

Obs. Macrófagos tb atuam como APC.


MEDIADORES QUÍMICOS

• São moléculas de natureza variada que modulam a


inflamação.

• Controle da intensidade da reação;

• Induzem seus efeitos através da ligação a receptores


específicos;

• Origem: plasma, células, tecido lesionado;


• Aminas vasoativas
– Depósitos celulares pré-formados;

– Mediadores iniciais da inflamação;

• Metabólitos do ácido araquidônico (natureza lipídica)


– Produzido pelas ações das fosfolipases A2 sobre os
fosfolipídeos da membrana;
Aminas vasoativas

• Histamina

age nos vasos sanguíneos


– Dilatação vascular,

– Aumento da permeabilidade vascular


Histamina
• Fonte:
– Mastócitos (predominantemente),

– Basófilos,

– Plaquetas;

• Liberada após trauma físico, ligação de anticorpos


aos mastócitos e sistema complemento (C3a e C5a);
Histamina
• Principais funções
– Vasodilatação (arteríolas);

– Permeabilidade vascular (vênulas);

– Aumento dos espaços entre células endoteliais;


Metabólitos do Ácido Araquidônico
• Modulam respostas inflamatórias e
imunológicas;

• Estímulos mecânicos, químicos e físicos;

• Produzem prostaglandinas e leucotrienos;

• Corticosteróides inibem a fosfolipase A2;


Prostaglandinas
• Produzidas por:
– Mastócitos,
– Macrófagos,
– Células endoteliais;

• Função:
– Vasodilatação,
– Diminuição da agregação plaquetária,
– Aumenta a permeabilidade vascular (edema);
Citocinas

São pequenas proteínas que incluem moléculas como:

- Interleucina-1β (IL-1 β), IL-6 (macrófagos, neutrófilos, células


epiteliais)
- TNF-α (fator de necrose tumoral (potente ativador do endotélio)
(produzida por macrófagos, células dendríticas
- Quimiocina CXCL8 (IL-8)

Interleucinas – moléculas que atuam nos leucócitos

Quimiocinas – citocinas quimioatraentes


QUIMIOCINAS

Quimiocinas CC (com duas cisteínas adjacentes)


Quimiocinas CXC (cisteína separada por aminoácido)
A CXCL8 – promovem migração dos neutrófilos

ATUAM EM DIFERENTES GRUPOS DE RECEPTORES


INTERFERONS

Infecção celular por vírus induz a produção de proteínas chamadas interferons


(interferem na replicação viral)

Interferon-α (IFN-α)
Interferon-β (IFN-β)

Secretados por células infectadas

Indução de um estado de resistência à replicação viral


Célula infectada produz interferon por poucas horas

Interferon age sobre uma célula não infectada por ligação a um receptor
em sua superfície

Induz a célula a sintetizar uma outra proteína na célula

Degradação do mRNA viral por ribonucleases


SISTEMA IMUNE INATO

Proteínas efetoras circulantes

• Complemento: destruição de micro-organismos, opsonização


de micro-organismos, ativação de leucócitos

• Proteína C-reativa (pentraxina) (produzida pelo fígado) :


Opsonização de micro-organismos e ativação do complemento
PROTEÍNAS DE FASE AGUDA

Lectina – liga a manose – opsonização e ativação de complemento

Proteína C-reativa – opsonização e ativação de complemento


IMUNIDADE INATA

SISTEMA DO COMPLEMENTO –
proteínas plasmáticas, que quando
ativadas, recobre os
micro-organismos (opsonização) que
são reconhecidos pelos macrófagos,
levando à fagocitose e destruição Reações inflamatórias
SISTEMA DO COMPLEMENTO

Proteínas
plasmáticas, que
quando ativadas,
recobre os
micro-organismos
que são
reconhecidos
pelos macrófagos,
levando à
fagocitose e
destruição
Sistema imune inato
Sistema imune inato – repertório limitado e invariável de receptores que
reconhecem os micro-organismos

Os receptores de reconhecimento de patógenos dos macrófagos, dos neutrófilos e das


células dendríticas reconhecem moléculas simples e padrões regulares de estruturas
celulares conhecidas como PADRÕES MOLECULARES ASSOCIADOS AOS PATÓGENOS
(PAMPs), presentes nos microrganismos e não nas células do próprio corpo.

Os receptores são os RECEPTORES DE RECONHECIMENTO DE PADRÕES (PRRS),


montando ataque contra invasores
Micro-organismos podem evoluir mais rapidamente do que seus hospedeiros e células do
sistema imune inato reconhecem estruturas moleculares sem alterações durante a evolução

PRRs PAMPs
(células do hospedeiro) (micro-organismos)
Reconhecem bactérias por meio de receptores que ligam aos
constituintes de muitas superfícies bacterianas
Receptor de glicano

Receptor de manose

Receptor de varredura
(ligam a ligantes como
ácido lipoteicóicos de
bactérias G+

Receptor semelhante ao Toll


– receptor para
lipopolissacarídeo
(bactérias G-)

Receptor CD14 (G-)


Ativação do macrófago

– engolfa e degrada bactéria

- secretam proteínas chamadas citocinas e quimiocinas ,


ativando a inflamação

Citocinas – afetam comportamento das células vizinhas

Quimiocinas – atraem células portadoras de receptores de


quimiocinas (neutrófilos e monócitos) da corrente
sanguínea para o tecido infectado
Além da fagocitose, macrófagos e neutrófilos produzem outros produtos tóxicos que
são liberados (e podem causar lesão para hospedeiro !!!)
Agentes infecciosos que causam doenças ou danos aos tecidos –
micro-organismos patogênicos

Agentes que causam doença: vírus, bactérias, fungos,


protozoários e helmintos (vermes)

Diferentes ciclos de vida requerem uma gama de mecanismos


imunes inato e adaptativo distintos para destruí-los
INFLAMAÇÃO
Liberação de citocinas, quimiocinas (citocinas quimioatraentes),
mediadores inflamatórios

Inflamação (latim, inflamare = atear fogo)

Atração de neutrófilo e proteínas plasmáticas


Resposta inflamatória é a reação vascular e celular frente à presença de micro-
organismos invasores, irritantes inanimados como estilhaço ou injúria

3 papéis importantes
Oferecer células e moléculas ao sítio de infecção

A resposta inflamatória também limita os efeitos do agente por confiná-lo isolando do tecido

Formação de coágulo sanguíneo (com formação de pus (células inflamatórias, células teciduais
mortas, microrganismos)

Reparo tecidual

Sem a inflamação, as infecções prosseguiriam sem controle e as feridas não


cicatrizariam

As inflamações são designadas pelo nome do tecido em que ocorrem seguidas do sufixo
ite, exemplos, miocardite, encefalite, amigdalite, faringite, sinusite, pancreatite, artrite....
Respostas inflamatórias são caracterizadas por:
RESPOSTA INFLAMATÓRIA – 4 MUDANÇAS NOS VASOS SANGUÍNEOS
1º - aumento do diâmetro vascular que leva aumento do fluxo sanguíneo local,
causando calor e vermelhidão (rubor)
2º - mudanças nas células endoteliais (revestem os vasos sanguíneos) -
expressam moléculas de adesão celular que permite ligação dos leucócitos
circulantes
3º - aumento da permeabilidade vascular (ATIVAÇÃO ENDOTELIAL)
– saída de fluido e de proteínas do sangue para o tecidos
- Causa do inchaço (EDEMA) E DOR!!!

4º - coagulação no local da infecção prevenindo difusão do patógeno


MOLÉCULAS DE ADESÃO
Moléculas de adesão celular
importantes para
recrutamento dos leucócitos
- selectinas
(endotélio)

- Moléculas de
adesão
intercelulares
(ICAMs) do
endotélio permitem
forte adesão com as
proteínas integrinas
dos leucócitos
ATIVAÇÃO DO ENDOTÉLIO É DIRIGIDA POR INTERAÇÕES COM A

CITOCINA DOS MACRÓFAGOS, PRINCIPALMENTE O TNF-α (fator de

necrose tumoral), os quais induzem a rápida externalização de

grânulos contendo selectina-P pré formada (minutos). Após duas

horas, está presente a selectina-E


Após a aderência na superfície endotelial, os leucócitos migram pela parede do
vaso, espremendo-se entre as células ao nível das junções intercelulares. Este
movimento dos leucócitos é chamado de diapedese. A migração dos leucócitos
é orientada pelas quimiocinas produzidas nos tecidos extravasculares, as quais
estimulam a movimentação dos leucócitos em direção a seus gradientes
químicos.
Migração: os leucócitos migram
pelas fendas entre os
endoteliócitos, graças a
movimentos amebóides que
realizam (diapedese).
Primeiramente, a célula emite
um pseudópodo (estrutura
semelhante a pé) e, depois, o
corpo celular.
A MIGRAÇÃO DOS LEUCÓCITOS PARA DENTRO DO TECIDO É CONHECIDO COMO
EXTRAVASAMENTO

As mudanças são induzidas por mediadores inflamatórios liberados como


consequência do reconhecimento do patógeno pelo macrófago
FEBRE
RESPOSTA SISTÊMICA (resposta do corpo como um todo) à invasão
microbiana (bactérias ou vírus)

Resultado de produtos liberados pelos micróbios ou pelas células do hospedeiro

Aumento da produção de produtos pirogênicos (substância indutora da febre)

Elevação da taxa metabólica

Hipotálamo – (controle da temperatura corporal) – desajuste deste


controle por endotoxinas
Pirógeno endógeno – produzidas pelas células fagocíticas

Pirógenos exógenos – fonte exógena – LPS de bactérias

Febre benéfica??? – aumenta atividade de células fagocíticas e


a velocidade de indução das respostas inflamatórias e imune
que apresentam efeito antimicrobiano

As temperaturas elevadas inibem ou destroem os microrganismos

ENTRETANTO, as altas temperaturas necessárias para matar os micro-organismos


não são atingidas!!!!!!!!

Você também pode gostar