Você está na página 1de 17

Controladores Lógicos Programáveis

Assunto 1 – Introdução aos sistemas


automatizados

Prof. Diogo Roberto R. Freitas

sites.google.com/site/diogoroberto
Principais Grandezas Elétricas e Magnéticas
GRANDEZA UNIDADE SÍMBOLO
Tensão (v, fem) volt V
Corrente Elétrica (𝐼, 𝑖) ampere A
Resistência Elétrica (𝑅) ohm 
Condutância (𝜎) siemens S
Potência (𝑃) watt W
Energia (𝐸) joule J
Frequência (𝑓) hertz Hz
Carga Elétrica (𝑄) coulomb C
Capacitância (𝐶) farad F
Indutância (𝐿) henry H
Intensidade de Campo Magnético (𝐻) ampere/metro A/m
Fluxo Magnético (Φ) weber Wb
Densidade de Fluxo Magnético (𝐵) tesla T (Wb/m2)

Prof. Diogo Roberto 2


sites.google.com/site/diogoroberto
Principais multiplicadores

PREFIXO FATOR MULTIPLICADOR SÍMBOLO


tera 1012 ( x 1000000000.000) T
giga 109 ( x 1000000000) G
mega 106 ( x 1000000) M
kilo 103 ( x 1000) k
mili 10-3 ( x 0,001) m
micro 10-6 ( x 0,000001) 
nano 10-9 ( x 0,000000001) n
pico 10-12 ( x 0,000000000001) p

Prof. Diogo Roberto 3


sites.google.com/site/diogoroberto
Revolução industrial
 O desenvolvimento das máquinas a vapor nos séculos XVIII e XIX
levou à revolução industrial, onde moinhos movidos por rodas
d’água, animais ou vento foram substituídos.

Fonte: http://www.kiwionrails.net/Trains/Valve_&_Piston_Layout_&Movement2.jpg
O que precisa ser
medido nestas
máquinas?

Fonte: http://s.hswstatic.com/gif/steam-boiler-ft-a.gif

Prof. Diogo Roberto 4


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: https://i.ytimg.com/vi/ESfSG2OlQYQ/hqdefault.jpg
Século XX
 Desenvolvimento da eletrônica e computação
 Redes industriais
 Controle de processos

Prof. Diogo Roberto 5


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: T. R. Kuphaldt, Lessons In Industrial Instrumentation, 2016.
Indústria 4.0

Prof. Diogo Roberto 6


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: http://www.engineersjournal.ie/wp-content/uploads/2014/05/Domhnall_Carrol-006.jpg
Rede elétrica inteligente (smart grid)

Prof. Diogo Roberto 7


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: https://smartgridtech.files.wordpress.com/2012/05/sg-nature.jpg
Internet das coisas (IOT)

Prof. Diogo Roberto 8


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: https://www.hindawi.com/journals/ijdsn/2012/387192.fig.002.jpg
CLP
 CLP – Controlador Lógico Programável (ou PLC – Programmable
Logic Controller)
 Definição segundo a norma IEC 61131-1:2003
 Sistema eletrônico digital, projetado para uso em ambiente
industrial, que usa uma memória programável para armazenar
instruções que implementam funções específicas tais como
lógica, sequenciamento, temporização, contagem e aritmética,
para controlar, por meio de entradas e saídas digitais e
analógicas, vários tipos de máquinas e processos. O CLP e seus
periféricos são projetados para que sejam facilmente integrados
a um sistema de controle industrial e facilmente usado em todas
suas funções.

Prof. Diogo Roberto 9


sites.google.com/site/diogoroberto
CLP – Histórico
 Surgiu por volta do final da década de 60 como uma solução para
evitar alterações trabalhosas e demoradas nos circuitos de controle de
processos de fabricação de carros.
 Quando um novo modelo de carro era produzido era preciso parar a
fábrica por quase um mês para “reprogramar” os circuitos de
controle, que eram baseados em lógica de relés.
 O implantação do CLP reduziu o tempo de parada para
aproximadamente uma semana.
 Atualmente os CLPs podem controlar diversos equipamentos e
possuem canais de comunicação com outros sistemas de controle de
processos conhecidos como supervisórios.

Prof. Diogo Roberto 10


sites.google.com/site/diogoroberto
Diagrama básico de um CLP

Prof. Diogo Roberto 11


sites.google.com/site/diogoroberto
Exemplo de CLP em um sistema industrial

Prof. Diogo Roberto 12


Fonte: robosapi.com/assets/images/workshops/plc_scada/plc-scada-tutorial.jpg
sites.google.com/site/diogoroberto
Exemplo de CLP em um sistema industrial
 JEMA – Japan Electrical Manufacturers' Association

Prof. Diogo Roberto 13


sites.google.com/site/diogoroberto Fonte: jema-net.or.jp/BK_English_141001/standard/opcn_e/img/OPCN01_e.gif
Elementos de um sistema de medição
 Processamento de sinal: melhora a qualidade da saída do transdutor, seja
aumentando ou diminuindo sua amplitude ou removendo interferências e ruídos.
 Dispositivo de exibição ou gravação: tela ou impressora para apresentar ou
registrar o resultado medido pelo sistema.
 Canal de comunicação: o sistema pode ter um canal de comunicação para acesso
remoto da medição. Pode ser com ou sem fio.
 Obs.:
 Transdutor: sensor + conversor
 Transmissor: transdutor + processamento de sinal

Prof. Diogo Roberto 14


sites.google.com/site/diogoroberto
Prof. Diogo Roberto 15
sites.google.com/site/diogoroberto
Exemplo prático
 Montar um sistema de medição de temperatura usando Arduino e
LM35 ou TMP36. Exibir a temperatura em um display de 16 x 2
caracteres.

 Arduino + LM35
 http://blog.vidadesilicio.com.br/arduino/basico/lm35-medindo-
temperatura-com-arduino/
 Arduino + display
 http://blog.filipeflop.com/display/controlando-um-lcd-16x2-
com-arduino.html
 Dicas:
 Os programas precisam ser modificados para trabalharem
juntos.

Prof. Diogo Roberto 16


sites.google.com/site/diogoroberto
Referências

 C. L. Franchi, V. L. A. Camargo, Controladores Lógicos


Programáveis – Sistemas Discretos, 2008.
 program-plc.blogspot.com, Basic PLC Programming. Disponível em
program-plc.blogspot.com.br/2012/03/free-plc-book.html. Acessado
em 21 ago. 2017.
 International Electrotechnical Commission (IEC). IEC 61131-1 –
Programmable controllers – Part 1: General information. 2003.

Prof. Diogo Roberto 17


sites.google.com/site/diogoroberto