Você está na página 1de 36

Departamento de Serviços / Jani Stenberg

9.10.2006

Equipamento de Diagnóstico

WinEEM3

MANUAL DO USUÁRIO

Equipamento de Diagnóstico WinEEM3 MANUAL DO USUÁRIO SisuDiesel é uma marca mundi al do grupo AGCO

SisuDiesel é uma marca mundial do grupo AGCO Corporation

Equipamento de Diagnóstico WinEEM3 MANUAL DO USUÁRIO SisuDiesel é uma marca mundi al do grupo AGCO

2

Índice

2 Índice

ÍNDICE

GERAL

Seção

Página

Título

1

3

1. HISTÓRICO

3

1.1

Objetivo do Sistema

2

4

2. FERRAMENTA DE SERVIÇOS

4

2.1

Pré-requisitos para o Adaptado USB

3

4

3. INSTALANDO A “FERRAMENTA DE SERVIÇOS”

4

3.1

Instalando o “Software Ferramenta de Serviços” em seu Laptop

4

5

4. CONECTANDO O LAPTOP AO ECU DO MOTOR

5

4.1 Conectando o Equipamento

6

4.2 Conectando ao ECU

5

11

5. MENSAGENS DE FALHAS

11

5.1 Registro de Falhas

12

5.2 Entrar no Registro de Falhas do ECU

14

5.3 Zerar o Registro de Falhas

15

5.4 Reiniciar o Contador de Falhas

15

5.5 Falha Ativo

17

5.6 Registro de Encerramento do ECU

6

18

6. PERFIL DE CARGA

7

19

7. ACOPLAMENTO DO ECU E MÓDULO ID

8

20

8. AJUSTAR HORAS DO MOTOR

9

21

9. RESTRIÇÕES DE DESVIO (“BYPASS”)

10

23

10. CONFIGURAÇÕES DO APLICATIVO

11

24

11. TESTES DE MOTOR

24

11.1 Teste de Funcionamento (“Run-up”)

25

11.2 Teste de Compressão

26

11.3 Teste de Alta Pressão

27

11.4 Teste de Corte do Cilindro

28

11.5 Teste do Atuador

12

29

12. OSCILOSCÓPIO

13

31

13. CARREGANDO O NOVO SOFTWARE

14

32

14. APÊNDICE 1: CÓDIGO DE FALHAS

15

36

15. APÊNDICE 2: REGISTRO DE ENCERRAMENTO

Seção 1 – Histórico 3

Seção 1 – Histórico

3

1. HISTÓRICO

A nova linha de motores Citius com Common Rail Bosch e o novo Sisutronic EEM3 (Gerenciamento Eletrônico

de Motor), da Sisu Diesel Inc., oferece a possibilidade de efetuar on-line um diagnóstico do motor, pequenos ajustes, teste de componentes e a reprogramação da Unidade de Controle do Motor (ECU).

Para isso, são necessários um laptop e a ferramenta de serviços WinEEM3s.

1.1 Objetivo do Sistema

Para que o pessoal de serviços possa efetuar diagnósticos de falhas rápidos e corretos, bem como realizar ajustes de motor específicos para o cliente, a Sisu Diesel Inc. desenvolveu uma ferramenta de serviços.

A ferramenta de serviços é uma solução que permite ao pessoal autorizado efetuar:

• Diagnósticos de falhas de forma “rápida” e precisa.

• Atualização de software e hardware “no campo”.

• “Ajuste fino”, da velocidade do motor – marcha-lenta baixa e alta.

• “Registro”, e mostrar códigos de falha e registro de encerramentos.

• “Registro”, e mostrar parâmetros selecionados do motor, p/ex., velocidade do motor, carga do motor, temperatura do líquido de arrefecimento, etc.

• “Acoplamento”, módulo-ID e ECU.

• “Ajuste”, horas de operação (somente adicionando).

• “Testes”; teste de Funcionamento (injetores), teste de Compressão, teste de Alta pressão (bomba de alta pressão), teste de corte de Cilindro, teste de Atuador.

4

Seção 2 – Ferramenta de Serviços / Seção 3 – Instalando a “Ferramenta de Serviços”

4 Seção 2 – Ferramenta de Serviços / Seção 3 – Instalando a “Ferramenta de Serviços”

2. FERRAMENTA DE SERVIÇOS

2.1 Pré-requisitos para o Adaptador USB

• O usuário precisa de um laptop com processador de 133 MHz (recomendado 266 ou mais).

• Windows ® 98, Windows ® ME, Windows ® 2000 ou Windows ® XP.

• 32 MB RAM (recomendado 64 MB RAM).

• 30 MB de espaço livre no disco rígido.

• Porta USB disponível.

• Drive de CD-Rom. Consulte fig. 1 A e B:

A 8366 62493 adaptador CAN (USB)

B 8370 62634 programa WinEEM3s

C 8368 62480 Adaptador para conector do veículo (não para tratores Valtra, MF ou CNH)

D 8368 62483 Cabo de extensão (C = 5m)

Fig. 1

Fig. 1

3. INSTALANDO A “FERRAMENTA DE SERVIÇOS”

3.1 Instalando o “Software Ferramenta de Serviços” em seu Laptop

1. Insira o CD ROM EEM3 da ferramenta de serviços em seu drive.

2. Rode o arquivo setup.exe. Siga as instruções na tela até que a instalação esteja concluída.

3. Reinicie seu computador.

4. Conecte o adaptador USB à porta USB do seu laptop.

5. Inicie o programa WinEEM3s clicando duas vezes sobre o ícone do WinEEM3s.

6. Clique sobre “ECU status” para conectar à ECU.

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor 5

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

5

. CONECTANDO O LAPTOP À ECU DO MOTOR

4.1 Conectando o Equipamento

1. Encontre o conector de diagnósticos de veículo, ou use o adaptador para o conector do veículo (este pode ser utilizado sempre, se a localização do conector de diagnósticos não for conhecida). Veja figuras. 1 C e D.

2. Conecte o cabo D9 (figura 2).

Veja figuras. 1 C e D . 2. Conecte o cabo D9 (figura 2). Figura 2
Veja figuras. 1 C e D . 2. Conecte o cabo D9 (figura 2). Figura 2

Figura 2

Figura 3

3. Conecte a outra extremidade ao adaptador USB no seu laptop (figura 3).

6

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

6 Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

Localização do conector de diagnósticos:

• Valtra:

• Steyr:

• Tratores MF:

• Colheitadeiras MF:

• Colheitadeiras Sampo-Rosenlew:

Na cabine, atrás do lado direito do painel

Na cabine do lado direito

Na cabine do lado direito do painel

No lado esquerdo, no painel de distribuição dos fios (conector D9), figura 2

Atrás da porta direita da cabine (conector D9), veja figura abaixo

porta dire ita da cabine (conector D9), veja figura abaixo • Equipamentos florestais Valmet: • Equipamentos

• Equipamentos florestais Valmet:

• Equipamentos Lännen:

Utilize o adaptador para o conector do veículo, veja figura 1C

Na cabine, atrás da placa do lado direito do painel

4.2 Conectando à ECU

1. Ligue o computador.

2. Ligue a ignição.

3. Inicialize o programa EEM3 clicando duas vezes sobre o ícone “WinEEM3s”.

3. Inicialize o programa EEM3 clicando duas vezes sobre o ícone “WinEEM3s”. 4. Aparecerá a janela
Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor 7

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

7

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor 7 5. Selecione o tipo de

5. Selecione o tipo de interface. Recomenda-se selecionar “USB”.

o tipo de interface. Recomenda-se selecionar “USB”. 6. Clique em “ECU Status”. Aparecerá a próxima figura.

6. Clique em “ECU Status”. Aparecerá a próxima figura.

8

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

8 Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

7. Agora clique em Work ONLINE para entrar no sistema.

7. Agora clique em Work ON LINE para entrar no sistema. 1. Modo online/offline 2. Número

1. Modo online/offline

2. Número de especificação do motor

3. Número de série do motor

4. Versão atual do software

5. Conexão com o ECU (ok ou não)

6. Informações sobre hardware e software. Número de série do ECU. Versões, etc.

7. Faça o download do software. (arquivos HEX. Complete o arquivo com todos os parâmetros.)

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor 9

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

9

8. Agora você chegou na página principal do sistema

A página principal mostra várias informações do motor.

A página principal mostra várias informações do motor. 1. Pressão de entrada do filtro de combustível

1. Pressão de entrada do filtro de combustível

2. Aumento da pressão no coletor de admissão

3. Pressão do óleo no motor

4. Consumo instantâneo de combustível (l/h)

5. Tensão da bateria, medida no terminal do ECU

6. Motor funcionando / parado

7. Horas de funcionamento do motor

8. Torque real do motor

9. Carga do motor em porcentagem (0-100%)

10. Queda real de rotação %

11. Temperatura do líquido de arrefecimento

12. Temperatura do ar comprimido no coletor

13. Temperatura interna da ECU

14. Temperatura do combustível no filtro de combustível

15. Porcentagem das válvulas de aceleração

16. Botão para desligamento fácil do motor

17. Quantidade de injeção (miligramas / curso).A linha vermelha indica a quantidade máxima nesta rotação e a verde é a real

18. Rotação real de do motor

19. Solicitação de rotação do motor vinda do veículo. A linha vermelha indica a rotação máxima de e a verde é a real

vermelha indica a rotação máxima de e a verde é a real (Verde) A função está

(Verde)

A função está LIGADA e OK

(Amarelo)

A função está em MODO de espera

(Vermelho)

A função está falhando

10

Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor

10 Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor
10 Seção 4 – Conectando o Laptop à ECU do Motor 1. Estas luzes mostram quais

1. Estas luzes mostram quais entradas digitais estão ativadas.

2. Luz de alerta de troca de óleo do motor. (Após a troca de óleo você deve reajustar a luz a partir do botão Configurações).

3. Luz sinalizadora da bomba de elevação.

4. Luz sinalizadora do aquecedor de ar de admissão.

5. Em alguns casos de falha o EEM reduz a potência e a rotação máxima do motor para evitar danos graves. A luz sinalizadora mostra se alguns destes modos de redução está ativo.

9. Clique sobre a guia “Configurations”, e surgirá na tela uma página como a da figura abaixo.

e surgirá na tela uma página como a da figura abaixo. 1. Clique no registro Shutdown.

1. Clique no registro Shutdown.

2. Clique no registro Error.

3. Mostra uma ilustração do perfil de carga.

4. Ajuste do tempo de funcionamento do ECU.

5. Ajuste do tempo de desvio (máx. 200h).

6. Mostra os parâmetros do ECU que podem ser modificados.

7. Zera a luz indicadora de troca de óleo do motor e ajusta as horas até a próxima troca.

8. Modos de teste de motor.

9. Monitoramento do consumo de combustível.

10. Ajuste manual do número de série do motor.

11. Após substituir o ECU, o acoplamento do ECU com o módulo ID pode ser feito clicando-se aqui.

Seção 5 – Mensagens de Falhas 11

Seção 5 – Mensagens de Falhas

11

5. MENSAGENS DE FALHAS

5.1 Registro de Falhas

O sistema permite a leitura do registro de falhas do ECU desde o último reajuste.

É possível ver uma breve descrição de cada código de falha pressionando, a partir da página principal, a guia:

“File” -> “Show error description” e a janela de descrições de Falhas aparece

description” e a janela de descrições de Falhas aparece Se quiser mais informações sobre o código

Se quiser mais informações sobre o código da falha, vá até uma linha como as apresentadas acima e dê um duplo clique sobre a mesma com o botão esquerdo do mouse. Então se chega à resolução de problemas.

12

Seção 5 – Mensagens da Falhas

12 Seção 5 – Mensagens da Falhas

5.2 Acesse o Registro de Falhas do ECU

• Para acessar o Registro de Falhas do ECU

Pressione a guia “Errors” e a seguir pressione o botão “Show ECU error log”.

e a seguir pressione o botão “Show ECU error log”. 1. Horas de funcionamento do motor

1. Horas de funcionamento do motor quando a falha ocorreu.

2. Identificação da Falha (SPN e FMI).

3. Estado da falha atual Ativa / Inativa.

4. O contador conta quantas vezes o código de falha esteve ativo.

5. Descrição da falha. (Clique uma vez com o botão esquerdo do mouse acima do texto para ver telas como a que aparece abaixo. Se clicar duas vezes, irá para a resolução de problemas).

Seção 5 – Mensagens de Falhas 13

Seção 5 – Mensagens de Falhas

13

O sistema lhe permite:

• Ler o registro de falhas desde o último reajuste.

• Salvar o registro de falhas em um arquivo de texto (nomedoarquivo.txt).

o registro de falhas desde o último reajuste. • Salvar o registro de falhas em um

14

Seção 5 – Mensagens da Falhas

14 Seção 5 – Mensagens da Falhas

5.3 Limpar o Registro de Falhas

• Limpar o Registro de Falhas do ECU ->Pressione o botão “Clear ECU error log”.

Limpar o Registro de Falhas • Limpar o Registro de Falhas do ECU ->Pr essione o
Seção 5 – Mensagens de Falhas 15

Seção 5 – Mensagens de Falhas

15

5.4 Zerar o Contador de Falhas

• Zerar os contadores de falhas.

Pode-se zerar o contador de falhas pressionando-se o botão “Reset error counters” na página de falhas.

5.5 Falha Ativa

error counters” na página de falhas. 5.5 Falha Ativa 1. Se uma falha ativa ocorrer, a

1. Se uma falha ativa ocorrer, a página principal mostrará algumas informações em botões / ícones vermelhos.

2. Alarme dado pelo ECU e uma ou mais falhas estão ativas.

3. Em alguns casos a falha causa alguma redução nas funções do ECU. Neste caso a falha ativa causou uma redução na quantidade de injeção.

16

Seção 5 – Mensagens da Falhas

16 Seção 5 – Mensagens da Falhas

• Para obter informações desta falha ativa deve-se acessar o registro de falhas conforme descrito anteriormente. As janelas serão semelhantes às que aparecem abaixo. Neste caso o sensor de temperatura do coletor causou a falha.

caso o sensor de temperatura do coletor causou a falha. • Se precisar de informações precisas

• Se precisar de informações precisas sobre os códigos de falhas ou se quiser revisar a situação, consulte o capítulo 5.2.

• Para mais explicações sobre os códigos de falha, consulte o Apêndice 1.

Seção 5 – Mensagens de Falhas 17

Seção 5 – Mensagens de Falhas

17

5.6 Registro de Encerramento do ECU

As informações sobre os encerramentos de ECU estão disponíveis no botão “Configurations”.

Pressione "Configurations" ->"Shutdown Log" -> se necessário pressione "Save to file".

-> se necessário pressione "Save to file". 1. Ao clicar aqui, o usuário pode ir diretamente

1. Ao clicar aqui, o usuário pode ir diretamente ao documento, onde os motivos do encerramento estão explicados.

Para mais explicações sobre os códigos de falha, consulte o Apêndice 2.

18

Seção 6 – Perfil de Carga

18 Seção 6 – Perfil de Carga

6. PERFIL DE CARGA

Uma apresentação gráfica com os dados do perfil de carga está disponível na ECU. Também está disponível em formato de tabela.

Clique na guia “Configurations” -> “Load profile”. Se necessário, clique em “Save to file”.

profile”. Se necessário, clique em “Save to file”. Esta informação também pode ser salva em um

Esta informação também pode ser salva em um arquivo de texto, convertida e apresentada em Excel.

Seção 7 – Acoplamento ECU e Módulo ID 19

Seção 7 – Acoplamento ECU e Módulo ID

19

7. ACOPLAMENTO ECU E MÓDULO ID

A partir da guia “Configurations” é possível acoplar a ECU e o Módulo ID. Esta operação deve ser feita, se o ECU for trocado por um de outro motor. Se você trocar um ECU por uma nova peça sobressalente, então esta operação não será necessária.

Pressione o botão “Couple ECU with the engine” após trocar o ECU. Portanto, o número de série do motor deve ser o mesmo.

o botão “Couple ECU with the engine” após troc ar o ECU. Portanto, o número de

20

Seção 8 – Ajustar Horas do Motor

20 Seção 8 – Ajustar Horas do Motor

8. AJUSTAR HORAS DO MOTOR

Se necessário, pode-se corrigir as horas corretas do motor no ECU através desta operação. Esta operação deve ser feita, somente se trocar tanto o ECU e o módulo ID.

Clique na guia -> “Configurations” -> “Set Engine Hours” -> “Click, type or scroll the hours you want” ->clique em “Set Hours” -> clique em “Close”. Nota! Só é possível adicionar.

t he hours you want” ->clique em “Set Hours” -> clique em “Close”. Nota! Só é
Seção 9 – Restrições de Desvio (Bypass) 21

Seção 9 – Restrições de Desvio (Bypass)

21

9. RESTRIÇÕES DE DESVIO (BYPASS)

Se o módulo ID for substituído, você deve utilizar esta operação. De outra forma o motor não irá operar corretamente até que seja colocada uma peça de reposição nova. O tempo máximo de desvio é de 200 h e só pode ser utilizado por uma vez. Após a utilização desse tempo, o ECU deve ser substituído por outro novo. Pode-se obter o código no departamento de serviço da SisuDiesel, ou usar o código de desvio geral. Caso seja utilizado o código geral, o tempo de desvio é de 50 h. Se as 50 h não forem suficientes, pode-se solicitar o código de desvio para mais 150 h pois o tempo máximo é de 200 h. Ao receber o código de desvio da SisuDiesel, proceda conforme segue:

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Bypass restrictions” -> “Read code from file” -> pressione “Open” -> pressione “Set bypass in ECU” -> pressione “Close”. O código de falha ainda está ativo, mas o motor funcionará normalmente.

in ECU” -> pressione “Close”. O código de falha ainda está ativo, mas o motor funcionará

22

Seção 9 – Restrições de Desvio (Bypass)

22 Seção 9 – Restrições de Desvio (Bypass)

Se utilizar o código geral de desvio, faça o seguinte:

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Bypass restrictions” -> “Set general bypass code in ECU” -> pressione “Close”.

” -> “Bypass restrictions” -> “Set general bypass code in ECU” -> pressione “Close”.
Seção 10 – Configurações do Aplicativo 23

Seção 10 – Configurações do Aplicativo

23

10. CONFIGURAÇÕES DO APLICATIVO

Ajustes pequenos da marcha lenta e marcha lenta elevada são possíveis. Pode-se ajustar ambas as rotações em ± 50 rpm. Isto só pode ser feito de acordo com os boletins de serviço. Você pode fazer isto na página “Singles”.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Application settings” -> “Type the speed you want” -> pressione“Apply” -> pressione “Close”.

Nota! Digitar “-50” reduz a rotação em 50 rpm. Digitar “50” aumenta a rotação em 50 rpm a partir da velocidade original.

a rotação em 50 rpm a partir da velocidade original. Na página “Options” é possível conectar

Na página “Options” é possível conectar / desconectar vários tipos de opções.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Application settings” -> “Click the option on/off you want”” -> pressione“Apply” -> pressione “Close”.

n settings” -> “Click the option on/off you want”” -> pressione“Apply” -> pressione “Close”.

24

Seção 11 – Testes de Motor

24 Seção 11 – Testes de Motor

11. TESTES DO MOTOR

Nota! Antes de testar o motor, a temperatura do líquido de arrefecimento deve estar acima de 50ºC.

11.1 Teste de Funcionamento (“Run-Up”)

Desvios na capacidade de potência de cilindros individuais são identificados pelo teste de “run-up”. Para isto, os cilindros são desligados seqüencialmente quando o motor está funcionando. O motor é acelerado a partir da marcha lenta baixa por um número de segmentos com uma quantidade fixa de combustível. Este teste ajuda a descobrir injetores em mau estado ou gastos.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Run-up test” -> selecione “Automatic” ou “Manual” -> pressione “Start” - > leia a advertência -> pressione “Yes” -> espere até que o programa execute o teste -> se necessário pressione “Save to file” -> pressione “Close”.

pressione “Save to file” -> pressione “Close”. Antes do início de cada teste aparece uma página

Antes do início de cada teste aparece uma página de advertência como esta acima.

Seção 11 – Testes de Motor 25

Seção 11 – Testes de Motor

25

Seção 11 – Testes de Motor 25 11.2 Teste de Compressão O teste de compressão determina

11.2 Teste de Compressão

O teste de compressão determina os desvios na compressão para cilindros individuais com o motor sendo acionado pelo motor de partida, sem habilitar a medição de combustível. Este teste ajuda a descobrir cilindros em mau estado ou com vazamento.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Compression test” -> pressione “Start” -> acione o motor de partida e pare quando o programa solicitar -> se necessário pressione “Save to file” -> pressione “Close”.

e pare quando o programa solicitar -> se necessário pressione “Save to file” -> pressione “Close”.
e pare quando o programa solicitar -> se necessário pressione “Save to file” -> pressione “Close”.

26

Seção 11 – Testes de Motor

26 Seção 11 – Testes de Motor

11.3 Teste de Alta Pressão

O teste de alta pressão verifica o desempenho da bomba do tubo de distribuição. Durante o primeiro teste a pressão é aumentada até o nível máximo, o tempo de elevação é medido. Durante o segundo teste, o fornecimento é interrompido, o tempo de queda de pressão é medido. O teste é feito com etapas variadas na rotação do motor. Este teste ajuda a descobrir se a bomba de alta pressão está em mau estado ou gasta e necessita substituição.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “High pressure test” -> pressione “Start” -> espere até que o programa execute o teste -> se necessário pressione “Save to file” -> pressione “Close”.

até que o programa execute o teste -> se necessário pressi one “Save to file” ->
até que o programa execute o teste -> se necessário pressi one “Save to file” ->
Seção 11 – Testes de Motor 27

Seção 11 – Testes de Motor

27

11.4 Teste de Corte do Cilindro

O teste de corte do cilindro fornece ao avaliador a condição de desligar um cilindro específico enquanto o motor está funcionando, para detectar um cilindro com desempenho inadequado. O corte do cilindro pode ser necessário se nenhuma falha elétrica for detectável, e o motor não desempenha conforme o esperado em um cilindro, p.ex., devido a problemas hidráulicos no funcionamento de um bico.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Cylinder cut out test” -> selecione automático ou manual -> pressione “Start” -> espere até que o programa execute o teste -> pressione “Close”.

ou manual -> pressione “Start” -> espere até que o programa execute o teste -> pressione

28

Seção 11 – Testes de Motor

28 Seção 11 – Testes de Motor

11.5 Teste do Atuador

O aquecedor da grade, a bomba elevadora ou o atuador MPROP podem ser testados alterando-se o estado do atuador.

Pressione a guia -> “Configurations” -> “Actuator test” -> selecione o modo aquecedor da grade (grid heater), bomba elevadora (lift pump) ou MPROP -> pressione “On” -> pressione “Close”.

da grade (grid heater), bomba elevadora (lift pump) ou MPROP -> pressione “On” -> pressione “Close”.
Seção 12 – Osciloscópio 29

Seção 12 – Osciloscópio

29

12. OSCILOSCÓPIO

A ferramenta de serviço WinEEM3 oferece possibilidades de fazer o acompanhamento on-line das medições:

• Pode-se selecionar simultaneamente oito parâmetros que se queira oscilar.

• Mostrar a medição graficamente.

• Configurar a escala.

• Registrar a medição, salvar o arquivo de texto, converter e apresentar em Excel.

• Imprimir o gráfico.

Pressione a guia:

• “Oscilloscope”

• “Start”

• “Select parameters”

• “Show graph”

• “Setup” para construir sua escala

• “Log to file” para registrar as medições

• “Stop” e salvar o arquivo como arquivo.txt

• “Close”

• “Log to file” para registrar as medições • “Stop” e salvar o arquivo como arquivo.txt

30

Seção 12 – Osciloscópio

30 Seção 12 – Osciloscópio
30 Seção 12 – Osciloscópio Também é possível ler os resultados dos arquivo do os ciloscópio

Também é possível ler os resultados dos arquivo do osciloscópio e ver os gráficos posteriormente, no modo OFF LINE.

Seção 13 – Baixar Novos Softwares 31

Seção 13 – Baixar Novos Softwares

31

13. CARREGAR NOVO SOFTWARE

Você pode carregar um novo software para o ECU quando tiver um arquivo de software fornecido pela SisuDiesel. Trata-se de um arquivo binário com extensão .hex. Pressione o botão “Download New Software” da página inicial -> pressione “Open” -> espere até que o programa carregue o novo software. Isto leva alguns minutos -> após baixar desligue a ignição e em seguida ligue-a -> pressione “ECU status” -> dê a partida no motor.

após baixar desligue a ignição e em seguida ligue-a -> pressione “ECU status” -> dê a
após baixar desligue a ignição e em seguida ligue-a -> pressione “ECU status” -> dê a

32

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

32 Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

14. APÊNDICE 1 CÓDIGOS DE FALHAS

Tabela 1. Códigos de falhas EEM3 com bombas de alta pressão Bosch (CP1H e CP3).

 

P&D Sisu Diesel

 
  Versão 1.2.0.0

Versão 1.2.0.0

 
 

CÓDIGOS DE FALHAS EEM3

 

SISU FC

SPN

FMI

Redução

combustível

/ rotação

ENCER-

RAMENTO

 

DESCRIÇÃO DA FALHA

   

110

110

4

FL1-{}-

 

Defeito no sensor da temperatura de arrefecimento BAIXO

   

111

110

3

FL1

   

Defeito no sensor da temperatura de arrefecimento ALTO

TEMPERATURA

112

110

16

FLm

   

Temperatura de arrefecimento ALTA

DE ARREFECI-

113

110

0

FLm

 

SDd

Temperatura de arrefecimento ALTA, ALARME

MENTO

109

110

2

FL1

   

Temperatura de arrefecimento SEM SINAL

251

174

4

FL1

   

Falha no sensor de temperatura do combustível BAIXO

 

252

174

3

FL1

   

Falha no sensor de temperatura do combustível ALTO

TEMPERATURA

DO

           

253

174

16

FL1

   

Temperatura do combustível ACIMA DO NORMAL.

COMBUSTÍVEL

261

174

2

FL1

   

Temperatura do combustível SEM SINAL

114

105

4

FL1

   

Falha no sensor de temperatura do coletor de admissão BAIXO

 

115

105

3

FL1

   

Falha no sensor de temperatura do coletor de admissão ALTO

TEMPERATURA DO AR DE ENTRADA

116

105

16

FL1

   

Temperatura do coletor de admissão ACIMA DO NORMAL

(>90

O

C)

 

117

105

2

FL1

   

Sensor de temperatura do coletor de admissão SEM SINAL

96

100

4

FL1

   

Falha no sensor de pressão do óleo BAIXO

 

97

100

3

FL1

   

Falha no sensor de pressão do óleo ALTO

92

100

16

FL1 / SL1

 

Pressão do óleo ACIMA DO NORMAL (9,5 bar / 30°C)

PRESSÃO DO

98

100

18

     

Pressão do óleo BAIXA

ÓLEO

99

100

1

 

SDd

Pressão do óleo BAIXA, ALARME

95

100

31

FL1

   

Falha no sensor de pressão do óleo

SENSORES DO MOTOR

93

100

2

FL1

   

Pressão do óleo SEM SINAL

100

102

4

FL1

   

Falha no sensor de pressão do compressor BAIXO

 

101

102

3

FL1

   

Falha no sensor de pressão do compressor ALTO

102

102

18

FL1 / SL1

 

Pressão do compressor BAIXA

PRESSÃO DO

276

102

31

   

Queda de pressão do coletor de admissão muito ALTA na partida

COMPRESSOR

103

102

16

FL1 / SL1

 

Pressão do compressor ACIMA DO NORMAL

104

102

2

FL1

   

Pressão do compressor SEM SINAL

 

263

157

4

FL2 / SL2

 

Falha no sensor de pressão do tubo de distribuição BAIXO

 

264

157

3

FL2 / SL2

 

Falha no sensor de pressão do tubo de distribuição ALTO

PRESSÃO DO

TUBO DE

           

265

157

16

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição ACIMA DO NORMAL

DISTRIBUIÇÃO

266

157

2

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição SEM SINAL

94

190

16

 

FC

 

Sinal de rotação do motor ACIMA DO NORMAL

SENSOR GERAL

269

9090

31

FL1 / SL1

 

Falha na avaliação do sinal de rotação do motor

DE ROTAÇÃO

271

9070

31

FL1 / SL1

 

Sinal de rotação na partida TPU

SENSOR DE

272

9071

31

FL1 / SL1

 

Sinal de rotação na partida, muitos pulsos de ruído

ROTAÇÃO NA

273

9072

31

FL1 / SL1

 

Sensor de rotação na partida, reverso conectado

PARTIDA

281

9080

31

FL1 / SL1

 

Sinal de rotação do came APS

 

282

9081

31

FL1 / SL1

 

Sinal de rotação do came TPS

SENSOR DE

ROTAÇÃO DO

283

9082 31

 

FL1 / SL1

 

Sensor de rotação do came, reverso conectado

CAME

284

9083 31

 

FL1 / SL1

 

Não foi encontrado nenhum sinal de rotação do came

           

DETECTOR DE

121

97

31

FL1 / SL1

Água no combustível

ÁGUA NO

COMBUSTÍVEL

291

94

4

FL1

   

Falha no sensor de pressão do filtro de combustível BAIXO

PRESÃO DO

292

94

3

FL1

   

Falha no sensor de pressão do filtro de combustível ALTO

FILTRO DE

COMBUSTÍVEL

           

293

94

2

FL1

 

Pressão do filtro de combustível SEM SINAL

(esfs_s_def_uc)

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas 33

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

33

22

1136

3

   

Falha no sensor de temperatura do ECU ALTO

   

20

1136

16

FL1

SDd

Temperatura da ECU ACIMA DO NORMAL >115OC

TEMPERATURA

21

1136

4

   

Falha no sensor de temperatura do ECU BAIXO

DO ECU

23

1136

2

   

Temperatura do ECU SEM SINAL

471

9010

4

   

Falha no sensor de pressão ambiente BAIXO

PRESSÃO

           

472

9010

3

   

Falha no sensor de pressão ambiente ALTO

AMBIENTE

           

473

9010

16

   

Pressão ambiente ACIMA DO NORMAL

(eaps_s_def_uc)

474

9010

2

   

Pressão ambiente SEM SINAL

211

9021

4

FL1

 

Falha na alimentação 1 5Vcc BAIXO

 

212

9021

3

FL1

 

Falha na alimentação 1 5Vcc ALTO

ALIMENTAÇÃO

DE REFERÊNCIA

213

9022

4

FL1

 

Falha na alimentação 2 5Vcc BAIXO

           

214

9022

3

FL1

 

Falha na alimentação 2 5Vcc ALTO

5Vdc

215

9023

4

FL1

 

Falha na alimentação 3 5Vcc BAIXO

216

9023

3

FL1

 

Falha na alimentação 3 5Vcc ALTO

 

141

9006

31

A

 

CAN do veículo desligada

CAN DO VEÍCULO (CAN B)

           

CAN DO

DIAGNÓSTICO DO ECU

143

9008

31

CAN do Módulo ID desligado (ECU para ID)

MÓDULO ID (CAN

A)

10

629

10

FL2 / SL2

 

Falha na Verificação EEPROM

EEPROM

221

9025

31

FL2 / SL2

SNA

Campo de encerramento do auto-teste, vigia

CAMPO DE

           

222

9026

3

FL2 / SL2

SNA

Campo de encerramento do auto-teste, verificação da tensão do processador ALTO

ENCERRAMEN-

TO DO AUTO- TESTE

223

9027

4

FL2 / SL2

SNA

Campo de encerramento do auto-teste, verificação da tensão do processador BAIXO

231

9033

31

   

Encerramento do ECU não funciona

RELÉ PRINCIPAL

           

DEFEITO NO

 

233

9034

31

Encerramento do ECU não funcionou na última vez

RELÉ PRINCIPAL

DO ECU

235

9030

6

   

Curto-circuito ao TERRA, Relé Principal 1 da ECU

CURTO-

236

9031

6

   

Curto-circuito ao TERRA, Relé Principal 2 do ECU

CIRCUITO AO TERRA DO RELÉ

           

237

9032

6

Curto-circuito ao TERRA, Relé Principal 3 do ECU

PRINCIPAL

241

9030

3

   

Curto-circuito com BAT+, Relé Principal 1 do ECU

CURTO-

242

9031

3

   

Curto-circuito com BAT+, Relé Principal 2 do ECU

CIRCUITO COM A BATERIA DO RELÉ PRINCIPAL

243

9032

3

   

Curto-circuito com BAT+, Relé Principal 3 do ECU

245

9035

31

   

Recuperação normal

CONCEITO DE

246

9036

31

   

Reinício total após três recuperações dentro de 2 segundos

RECUPERAÇÃO

248

9024

18

   

Tensão de alimentação do sensor de água no combustível ABAIXO DO NORMAL

ALIMENTAÇÃO DO DETECTOR DE ÁGUA NO COMBUSTÍVEL

249

9024

16

   

Tensão de alimentação do sensor de água no combustível ACIMA DO NORMAL

18

168

0

   

Tensão da bateria MUITO ALTA (>36,0 V)

   

17

168

1

   

Tensão da bateria MUITO BAIXA (<6,5V)

TENSÃO DA

           

371

168

18

   

Tensão da bateria ABAIXO DO NORMAL (<7.8V)

BATERIA

372

168

16

   

Tensão da bateria ACIMA DO NORMAL

19

168

2

   

Tensão da bateria SEM SINAL

 

80

91

4

IDLE

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 1 BAIXO (MARCHA LENTA)

VÁLVULA DE

81

91

3

NEUTRO

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 1 ALTO (MARCHA LENTA)

ACELERAÇÃO 1

FUNÇÕES DE MONITORAMENTO DA ECU

82

9140

4

NEUTRO

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 2 BAIXO (MARCHA LENTA)

VÁLVULA DE

83

9140

3

NEUTRO

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 2 ALTO (MARCHA LENTA)

ACELERAÇÃO 2

84

9141

4

NEUTRO

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 3 BAIXO (MARCHA LENTA)

VÁLVULA DE

85

9141

3

NEUTRO

 

Falha no sensor da válvula de aceleração 3 ALTO (MARCHA LENTA)

ACELERAÇÃO 3

146

898

4

A

 

Rotação solicitada fora da faixa BAIXO (<500 rpm)

SOLICITAÇÃO DE

147

898

3

A

 

Rotação solicitada fora da faixa ALTO (>3000 rpm)

ROTAÇÃO DO

MOTOR (CAN)

381

157

1

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição BAIXA

 

382

157

0

 

SDi

Pressão do tubo de distribuição ALTA

383

9150

16

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição, desvio Negativo

384

9150

18

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição, desvio Positivo

MONITORAMENT O DA PRESSÃO DO TRILHO

385

9150

5

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição, Vazamento detectado durante marcha lenta baixa

386

9150

8

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição, Vazamento detectado por equilíbrio de quantidade

   

387

9150

31

FL2 / SL2

 

Pressão do tubo de distribuição, Vazamento detectado durante excesso de rotação

391

9151

31

FL2 / SL2

 

PRV reconhecido como ABERTO

VÁLVULA DE

           

ALÍVIO DE

392

9151

7

FL2 / SL2

PRV está prendendo.

PRESSÃO

34

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

34 Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

441

9152

31

 

Pressão do filtro de combustível, flutuante

MONITORAMEN-

 

442

9153

31

 

Sensor de pressão do filtro de combustível, Contato frouxo

TO DA PRESSÃO DO FILTRO DE COMBUSTÍVEL (esfs_s_def_uc)

445

94

16

 

Pressão do filtro de combustível ACIMA DO NORMAL

446

94

18

FL1 / SL1

Pressão do filtro de combustível ABAIXO DO NORMAL

421

9174

6

 

Controle MPROP, Curto-circuito com o terra

 

422

9174

3

 

Controle MPROP, Curto-circuito com BAT+

MPROP

423

9174

5

 

Controle MPROP, Circuito aberto

424

9174

31

 

Controle MPROP, Temperatura excessiva

 

311

9131

6

FL2 / SL2

Válvula solenóide 1, Curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

   

312

9131

3

FL2 / SL2

Válvula solenóide 1, Curto-circuito entre cabos (Banco desligado)

VÁLVULA SOLENÓIDE 1 DO INJETOR (CIL 1/6) (CIL 1 / 4)

313

9131

5

FL2 / SL2

Válvula solenóide 1, CIRCUITO ABERTO

314

9131

31

FL2 / SL2

Válvula solenóide 1, Falha de deterioração rápida (Banco desligado)

315

9131

12

FL2 / SL2

Válvula solenóide 1, Falha de deterioração rápida (Banco desligado)

 

321

9132

6

FL2 / SL2

Válvula solenóide 2, Curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

 

322

9132

3

FL2 / SL2

Válvula solenóide 2, Curto-circuito entre cabos (Banco desligado)

VÁLVULA SOLENÓIDE 2 DO INJETOR (CIL 5/6) (CIL 2 / 4)

323

9132

5

FL2 / SL2

Válvula solenóide 2, CIRCUITO ABERTO

324

9132

31

FL2 / SL2

Válvula solenóide 2, Falha de deterioração rápida (Banco desligado)

ESTÁGIO DE POTÊNCIA DO INJETOR

325

9132

12

FL2 / SL2

Válvula solenóide 2, falha no nível de corrente (Banco desligado)

 

331

9133

6

FL2 / SL2

Válvula solenóide 3, curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

 

332

9133

3

FL2 / SL2

Válvula solenóide 3, Curto-circuito entre cabos (Banco desligado)

VÁLVULA SOLENÓIDE 3 DO INJETOR (CIL 3/6) (CIL 4 / 4)

333

9133

5

FL2 / SL2

Válvula solenóide 3, CIRCUITO ABERTO

334

9133

31

FL2 / SL2

Vál. solenóide 3, Falha de deterioração rápida (Banco desl)

335

9133

12

FL2 / SL2

Vál. solenóide 3, falha no nível de corrente (Banco desligado)

 

341

9134

6

FL2 / SL2

Vál. solenóide 4, Curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

 

342

9134

3

FL2 / SL2

Vál. solenóide 4, Curto-circuito entre cabos (Banco desligado)

VÁLVULA SOLENÓIDE 4 DO INJETOR (CIL 6/6) (CIL 3 / 4)

343

9134

5

FL2 / SL2

Válvula solenóide 4, CIRCUITO ABERTO

 

344

9134

31

FL2 / SL2

Vál. solenóide 4, Falha de deterioração rápida (Banco deslig.)

345

9134

12

FL2 / SL2

Vál. solenóide 4, falha no nível de corrente (Banco desligado)

 

351

9135

6

FL2 / SL2

Vál. solenóide 5, Curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

 

352

9135

3

FL2 / SL2

Válvula solenóide 5, Curto-circuito entre cabos (Banco deslig.)

VÁLVULA SOLENÓIDE 5 DO INJETOR (CIL 2/6) (CIL 1 / 4)

353

9135

5

FL2 / SL2

Vál. solenóide 5, CIRCUITO ABERTO

354

9135

31

FL2 / SL2

Vál. solenóide 5, Falha de deterioração rápida (Banco deslig.)

355

9135

12

FL2 / SL2

Vál. solenóide 5, falha no nível de corrente (Banco desligado)

 

361

9136

6

FL2 / SL2

Vál. solenóide 6, Curto-circuito ao TERRA (Banco desligado)

 

362

9136

3

FL2 / SL2

Vál. solenóide 6, Curto-circuito entre cabos (Banco desligado)

VÁLVULA SOLENÓIDE 6 DO INJETOR (CIL 4/6) (CIL 1 / 4)

363

9136

5

FL2 / SL2

Válvula solenóide 6, CIRCUITO ABERTO

364

9136

31

FL2 / SL2

Vál. solenóide 6, Falha de deterioração rápida (Banco deslig.)

365

9136

12

FL2 / SL2

Vál. solenóide 6, falha no nível de corrente (Banco desligado)

 

451

9230

31

FLf / SLf

Especificações do motor não coincidem

   

452

9231

31

FLf / SLf

Número de série do motor não coincide

453

9233

31

FLf / SLf

Módulo ID ausente

454

9234

31

FLf / SLf

ID não compatível com a ECU atual

455

9235

31

FLf / SLf

Falha na memória do módulo ID

456

9235

3

 

Módulo ID, tensão de alimentação ALTA (>32,0V)

457

9235

4

 

Módulo ID, tensão de alimentação BAIXA (>8,0V)

MÓDULO ID

458

9235

16

 

Módulo ID, Temperatura ALTA (>95°C)

DIAGNÓSTICO DO MÓDULO ID

459

9236

31

 

Falha na memória adicional do módulo ID

461

9237

31

 

Módulo ID, vigia zerado

 

462

9238

31

 

Módulo ID, zeragem perda parcial

 

463

9239

31

FLf / SLf

Perda das especificações do motor

464

9240

31

FLf / SLf

Perda do número de série do motor

465

9241

31

 

Módulo ID ausente, desvio (by pass) ativo

466

9242

31

 

Tempo de desvio (bypass) gerado expirou

467

9243

31

 

Tempo máximo de desvio (bypass) da ECU expirou

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas 35

Seção 14 – Apêndice 1: Códigos de Falhas

35

       

TODAS AS

 

186

9306

31

Falha de entrada do PTO

APLICAÇÕES

APLICATIVOS

     

Configuração incorreta da entrada digital-{}-

TODAS AS

185

9305

31

APLICAÇÕES

       

TODAS AS

193

9312

31

Entrada de controle de torque

APLICAÇÕES

 

FL1

=

Limite de combustível 1, 75% da potência nominal

FL2

=

Limite de combustível 2, 50% da potência nominal

FLm

=

Limite de combustível por parâmetro (map)

FLf

=

Limite de combustível fixado, 50 mg

FC

=

Corte de combustível até zero

SL1

=

Limite de rotação 1, 1800 rpm

SL2

=

Limite de rotação 2, 1500 rpm

SLp

=

Limite de velocidade por parâmetro

SLf

=

Limite de velocidade fixado, 1500 rpm

A

=

Solicitação analógica de rotação está ativa

SDd

=

Encerramento atrasado

SDi

=

Encerrar imediatamente

SNA

=

Não é permitido iniciar

36

Seção 15 – Apêndice 2: Registro de Encerramento

36 Seção 15 – Apêndice 2: Registro de Encerramento

15. APÊNDICE 2: REGISTRO DE ENCERRAMENTO

REGISTRO DE ENCERRAMENTO EEM3

Informações comuns do registro de encerramento

O sistema EEM3 possui um registro que indica o motivo do encerramento do motor. O registro está localizado no eeprom, onde 10 passos dos mais recentes motivos de encerramento se encontram armazenados. O motivo mais antigo de encerramento sai do registro, caso o registro já contenha 10 passos de motivos de encerramento quando surgir um novo motivo. Caso o motivo mais recente de encerramento seja igual ao motivo anterior, não será escrito um novo motivo. Ao invés do novo motivo, o contador anterior de registros é acrescido de 1. O valor máximo do contador é de 255. Após esse número um novo motivo será introduzido.

Códigos de registro de encerramento do EEM3.

Motivo

Explicação:

1

Chave de ignição DESLIGADA

2

Comando “Stop Engine” acima de CAN (serviço KWP 2000)

3

Rotação do motor abaixo do limite de encerramento (400 rpm) = Sobrecarga

4

Comando “Control Stop” (conectado)

5

Tempo expirado da mensagem CAN “Engine_specs”

6

Encerramento automático por marcha lenta baixa (opcional)

7

Encerramento para proteção do motor – código de falha (também aparece o número FC)

8

Encerramento não controlado (Exemplo: Desligamento da alimentação)

9

Software carregado durante o funcionamento do motor