Você está na página 1de 13

Ciência, Tecnologia e Sociedade

Aula 4 – Hobsbawn

Vitor Vieira Vasconcelos

BC0602
Fevereiro de 2017
Conteúdo
 Recapitulação das aulas anteriores
 A Era dos Extremos
 Efeitos sociais do desenvolvimento
tecnológico
O que vimos até o momento
 Definição de Ciência, Tecnologia e Sociedade
 Modelo linear e circular de desenvolvimento científico,
tecnológico, econômico e social
 Participação popular nas políticas de C&T
 Controvérsias e Paradigmas Científicas
 Robert Merton
• Ethos Científico
o Universalidade
o Comunismo
o Desinteresse
o Ceticismo Organizado
• Totalitarismo e Democracia no desenvolvimento científico
• Protestantismo e Desenvolvimento da Ciência
• Efeito Mateus na Ciência
Eventos Extraclasse

 Palestra: “Paradigmas conflictivos en la construcción


de conocimiento para la gestión de riesgos y
adaptación al cambio climático en ciudades”
• 13 de março, 17:00
• Alfa 1, Auditório, Campus SBC, UFABC
• Palestrante: Fernando Aragón (IPCC)
As Eras de Eric Hobsbawn
• das Revoluções (1789-1848)
o Revolução Industrial
o Revolução Francesa
• do Capital (1848-1875)
o Economia liberal
• dos Impérios (1875-1914)
o Grandes potências e Colonialismo
• dos Extremos (1914-1991)
o das Catástrofes (1914-1950)
 Guerras Mundiais
 Crise de 1929

o Dourada (1950-1970)
o Desmoronamento (1970-1991)
O Aprendiz de Feiticeiro

 Poema escrito por Johann Wolfgang von Goethe, em


1797.
 Orquestrado pelo compositor Paul Dukas em 1890
 Curta metragem de animação da Disney em 1940
 Relançado em 2000 ao fim da animação Fantasia

https://youtu.be/cqyVZK5yN1E
O Aprendiz de Feiticeiro
 Menção no “Manifesto Comunista”, de Karl Marx e
Friedrich Engels (1848):
“A moderna sociedade burguesa, com suas relações de
produção, de troca e de propriedade, sociedade que
conjurou gigantescos meios de produção e troca,
assemelha-se ao feiticeiro que perdeu o controle dos
poderes infernais que pôs em movimento com suas
palavras mágicas.”
 Como Eric Hobsbawn interpreta a história do
“Aprendiz de Feiticeiro”?
Conclusão da Era dos Extremos

 Não se atreve a tentar prever o que será o século XXI


• Era de incertezas de valores e instituições
• Não se sabe o que virá:
o Teoria do Caos
o Novas descobertas científicas

 Forças geradas pela economia tecnocientífica tem


risco de destruir as fundações materiais da vida
humana
Riscos de Colapso no Século XXI
 Catastrofe:
• Global: matar a maior parte da vida na terra, mas permite
recolonização
• Existencial: extinção da humanidade
 Possíveis riscos?
• Pandemias geneticamente modificadas
• Guerras mundiais (nucleares, biológicas, nanotecnológicas)
• Acidentes científicos (física quântica, nanotecnologia)
• Inteligência artificial
• Modificação da espécie humana (genética, cyborgs)
• Mudanças Climáticas
• Geo-engenharia
BOSTROM, Nick; CIRKOVIC, Milan M. Global catastrophic risks. Oxford University Press, 2011
COTTON-BARRAT, Owen, et al. (2016) Global Catastrophic Risks. Global Challenges Foundation. Available at:
http://globalprioritiesproject.org/wp-content/uploads/2016/04/Global-Catastrophic-Risk-Annual-Report-2016-FINAL.pdf
HAWKING, Stephen. Life in the Universe. Public Lecture. 2016. Available at: http://www.hawking.org.uk/life-in-the-universe.html
Visões criticadas de ciência
 Ateórica
• Descobertas por acaso, sem levar em conta o
contexto educacional do cientista
 Rígida
• Só haveria um método científico
 Ahistórica
• Sem considerar o contexto social passado
(causas e limitações)
 Acumulativa linear
• Ignora crises científicas e revoluções paradigmáticas
CEREZO, J. A. L. et al. Introdução aos estudos CTS. Cadernos de Ibero-América. Ed. OEI, v. 1, p. 172, 2003.
Visões criticadas de ciência
 Individualista
• Esquece a comunidade científica no entorno do
pesquisador
 Elitista
• A ciência só deve ser tratada por
“mentes previlegiadas”
 Socialmente neutra
• Objetivos e valores do cientísta
• Financiamento da pesquisa

CEREZO, J. A. L. et al. Introdução aos estudos CTS. Cadernos de Ibero-América. Ed. OEI, v. 1, p. 172, 2003.
O que faria um programa forte de
desenvolvimento científico
 Causalidade
 Imparcialidade
 Não tomar partido entre:
 Verdade ou falsidade
 Racionalidade ou irracionalidade
 Êxito ou fracasso
 Simetria
 Explicar o que é verdadeiro
 Refutar o que é falso
 Reflexividade
 Possível de ser analisado sociologicamente
Bloor, D. (1976/1992) Conocimiento e imaginario social. Barcelona, Gedisa, 1998
12
Dúvidas?
Comentários?

Obrigado!