Você está na página 1de 4

1

 28-09-2017 - Acareação.

 Quando duas pessoas narram o fato de forma diferente, Art. 229


CPP; Fere Direito ao Silêncio não produzir prova contra si mesmo;
acusado. Acusado/Testemunha, Testemunha/Testemunha.
Testemunhas presenciais, para ver se uma reconhece que a outra se
equivocou por exemplo.

 Ofendido: Não, Normalmente com Testemunhas a Acareação; quando


feita, na prática não traz resultados, Autoridade Policial ou Judicial pode
produzir a Acareação. Procedimento Art 229, Parágrafo Único, explicar
pontos divergentes.

 Precatória: Não é possível, usar esse meio de prova por Carta


Precatória.

 Reconhecimento de Pessoas e Coisas: Diligência mesmas provas


Testemunhais; sentidos, normalmente na fase do Inquérito Policial.
Detenção rapidamente.

 Procedimento Formalidades Legais: Deve-se observar


procedimentos, Sob pena de Nulidade. Descrever detalhadamente do
Acusado; Auto de Reconhecimento Positivo ou Negativo.

 Art. 226 CPP: Pode se Repetir em Juízo; Acusado não pode se


recusar ao reconhecimento, não fere o Princípio da
AutoIncriminação. Ficar parado nada mais o Acusado.
2

 Bafômetro: Sim Se Aplica o Direito de Não Produzir Prova Contra


si mesmo, Médico porém pode Fazer Exame Clínico, “pupila
dilatada” prova técnica, porém mais válida.

 Pessoa a ser Reconhecida se não estiver Detida: Caberá Coerção a


comparecer.

 Reconhecimento de Objetos: Mesmo procedimento reconhecimento


de pessoas, descrição e comparação de vários outros objetos para
reconhecer.

 Reconhecimento Fotográfico: Não há nada na Lei; Não se aplica


muito, devido à mudança fisionomia de pessoas, a menos que haja
arquivos atualizados; meio sem valor.

 STF: Não precisa desprezar mas precisa estar corroborado com


outras provas,

 Busca E Apreensão: Diligências diferentes

 Busca: Se Destina encontrar Pessoas ou Coisas; poderá ser


Determinada De Ofício pela Autoridade Administrativa (Policial) ou
Judicial ou A Pedido (Requerimento pelas Partes).

 Apreensão: Sucesso da Busca que nem sempre ocorre

 Quando Busca Domicílio: Somente Autoridade Judiciária.


3

 Corpo: Ambas Autoridades.

 Investigação: Art 6º CPP; Local Crime; Peritos, Tudo que interesse


prática do Crime, Não É Busca;

 Busca Domiciliar CF:

 Art 5 XI – CF88: A Casa é o Asilo Inviolável do Indivíduo, Ninguém


nela pode penetrar sem o consentimento do morador, Salvo;

 Hipóteses:

 01-) Flagrante Delito: Evitar Continuidade do Delito.


 02-) Desastre: Prédio pegando fogo por exemplo.
 03-) Para Prestar Socorro: Pessoa Desmaiada por exemplo.
 04-) Durante o Dia por Determinação Judicial: Mandado Judicial E
de Dia; sempre.

 Autoridade Policial Não Expede Mandado de Busca Só por Ordem


Judicial CF.

 Art. 241 CPP: Quando a Própria Autoridade Policial ou Judiciária não a


Realizar Pessoalmente;

Tgp
Percias exme cpo dlto
4

Interrogatório
Confissão
Ofendido
Delação premiada