Você está na página 1de 4

O FECHAMENTO DE UM CICLO É SEMPRE UMA

OPORTUNIDADE DE RENASCIMENTO INTERIOR

A vida é a nossa grande mestra. Tudo o que nos acontece, está de algum modo
nos favorecendo, seja para nos melhorarmos, seja para nos despertarmos da
nossa zona de conforto, ou mesmo para adquirirmos alguma habilidade ou
mudarmos algum aspecto. O proposito é sempre o aprimoramento.

Geralmente, nos sentimos propensos ou motivados a realizar mudanças


significativas em nossas vidas quando estamos insatisfeitos, quando as condições
em que vivemos não correspondem mais as nossas expectativas.

Não há necessidade de datas para nos renovarmos. Tem certos momentos na vida
que por si mesmos são verdadeiros marcadores que sinalizam o fechamento de
um ciclo, quer aceitemos ou não.

Precisamos desenvolver nossa "escuta interior" e através da nossa capacidade de


compreensão, termos lucidez e sensibilidade para aceitarmos que algo já se
deteriorou. A partir desta percepção, é possível nos reposicionarmos e nos
readaptarmos para darmos boas vindas ao "novo", com suas infinitas
possibilidades. Muitas vezes, a vida não convida, mas intima a atualizações
necessárias para nosso próprio progresso, enviando-nos sinais que muitas vezes
recusamos admitir e que tem um proposito maior: passar para uma etapa
seguinte. Não estamos atentos a estas leituras ambientais ou simplesmente as
ignoramos, pois não nos interessa sair de nossa comodidade, da nossa zona de
conforto, mesmo que deteriorada. Estamos ali, agarrados a qualquer custo.
Precisamos nos desvencilhar do que se deteriorou, seguir adiante e confiar na
generosidade da vida.

Quando a vida nos sinaliza que um ciclo está se fechando, aceite o fato e
aproveite para renovar suas esperanças, oportunizando-se a gestar novos
propósitos e projetos de vida. Uma readaptação nem sempre é um processo fácil,
visto que dispendemos muita energia emocional na reorganização do "caos"
interno. Por outro lado, este é também um momento rico para iniciarmos o
precioso movimento de auto avaliação e para revalidar o lugar que ocupamos ou
que desejamos ocupar no mundo.

Quando um ciclo se fecha, é porque necessitamos realizar algum aprendizado


naquele contexto, para passarmos para a etapa seguinte. Os processos
transitórios da vida não são exatamente efêmeros, mas são etapas
potencialmente criativas.

Vida é fluxo, é movimento; é a negação da estagnação das nossas crenças e


percepções arcaicas como verdades absolutas que caíram por terra. Nada é
definitivo, muito menos de nossa propriedade. Acreditamos que coisas e pessoas
são nossas. Na vida não existem garantias, nem datas de validade.

Com o advento de uma nova fase, Iniciam-se novas oportunidades. Em contato


com contingencias que proporcionam agora o florescer de uma nova consciência,
nos será permitida uma maior lucidez dos fatos. Tudo isto nos oportunizará criar
a realidade que tanto desejamos e que somos diretamente responsáveis. Este
movimento criativo nos permite reflexões verdadeiras e profundas que nos levam
a dar novos significados a nossa existência, se abrirmos mão do que se foi e
darmos as boas vindas as novas possibilidades.

A nossa vida hoje é consequência de atitudes, ações, palavras e pensamentos do


passado. Sendo assim, façamos valer uma realidade diferente hoje através de
uma postura diferente agora. Precisamos eliminar aspectos, coisas e posturas
que não nos proporcionam crescimento, que nada nos adiciona e que podem até
nos criar empecilhos.

Necessário é reciclar o nosso lixo emocional, transmutar sentimentos negativos e


aprender a lidar melhor com nossas inquietações e limitações para entrarmos
mais leves em um novo ciclo de vida. Para que haja renovação verdadeira, de
dentro para fora, é indispensável reavaliar a nossa percepção dos fatos, mas o
principal de tudo para qualquer primeiro passo é nos aceitarmos como somos,
momento este de "insights" para toda mudança verdadeira, pois a partir da auto
aceitação, poderemos promover as mudanças que forem necessárias. Portanto,
desnue-se interiormente, retire suas mascaras, se olhe de frente.
As vezes precisamos mudar rotas e trajetórias, provenientes das nossas
reavaliações daquilo que já não nos serve mais. Mas nada foi perdido de todo:
tornamo-nos mais vividos, mais capazes e aprimorados.

Em cada etapa da vida apostamos naquela realidade e investimos o melhor que


podemos nela. Quando nos deparamos com algumas circunstancias,
vislumbramos o quanto agora tudo o que foi vivido não faz mais sentido: neste
momento nos damos conta que estamos em uma nova etapa de vida. A nossa
maior conquista é transmutar a própria vida em constante processo de evolução e
recriação de nós mesmos, colocando em pratica os valores que precisamos
alimentar, nos aprimorando em todas as perspectivas e principalmente
aprendendo com os erros do passado.

Somos seres itinerantes na trajetória da vida e estamos aqui para aprender, para
evoluir. Só poderemos renascer para uma nova realidade se tivermos a
capacidade simbólica de nos despojarmos do passado, aceitar as mortes
simbólicas dos ciclos que é a própria sabedoria da vida. Recriar-se. Renascer.
reinventar-se. Superar-se.

Nós, indivíduos eternos do devir, estamos sempre em processo de reflexão acerca


das nossas vivencias para obter a sabedoria que precisamos e que neste mundo
nunca basta. As reflexões devem ser continuas como meio preventivo para não
nos depararmos com crises que poderiam ser evitadas, quando tentamos de
alguma forma nos agarrar a algo que já se foi. O fechamento de um ciclo nos
oportuniza revisar, ressignificar e dar um novo sentido à própria vida, colocando
em pratica um novo projeto de acordo com a nossa realidade e necessidades.

Permanecer em um ciclo que já se fechou é altamente desgastante, além de se


pagar um alto preço por isto. Estar aberto, disponível e receptivo para novas
oportunidades e experiencias é o que a vida nos propõe ao fim de cada etapa.

Muitas vezes não estamos vivendo, mas vivenciando uma sobrevida, e não é isto o
que queremos. Queremos ter uma vida plena e de qualidade, portanto deixar ir o
que já está carcomido não é sinal de covardia, e sim de coragem. Coragem para
dar um novo passo. Coragem para continuar a ter fé na vida, apesar de tudo.

Para refletir:

Que possamos olhar os problemas como desafios, a dor como meio de


aprendizado, as mudanças como oportunidade de transformação, a insatisfação
como eterna busca. Todo processo pode ser fácil ou difícil, penoso ou desafiador,
de possibilidades e aprimoramentos. Depende de como você percebe cada
acontecimento. E com o fechamento de ciclos não é diferente, pois ele nos
oportuniza uma nova vida.

Bem vindos à renovação.