Você está na página 1de 35

Unidade I

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE
RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

Prof. Carlos Ibanez


Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Unidade I
 O que é conflito?
 O que é solução de conflito?
 Negociação.
 Conciliação.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Conflitos
 Indissociáveis do cotidiano:
 relações familiares;
 relações profissionais;
 relações sociais;
 relações acadêmicas.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Conflitos
 Exercem influências significativas:
 desenvolvimento humano;
 desenvolvimento social;
 desenvolvimento material.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Conflitos
 Exercem influências significativas:
 desenvolvimento humano:
 novos olhares sobre o mundo;
 adaptações psicológicas;
 novo ideal de ser humano (Paideia).
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Conflitos
 Perspectiva do Direito:
 Fatos originando normas?
 Normas regulando fatos?
 Teoria do conflito?
Interatividade

Assinale a alternativa incorreta:


a) Conflitos são fenômenos indissociáveis
do existir humano.
b) Conflitos não são fenômenos de interesse
para o Direito.
c) Conflitos são responsáveis por profundas
mudanças sociais.
d) Conflitos estão presentes em todas as
áreas do desenvolvimento.
e) Direito Natural versus Direito Positivo é
exemplo de conflito no Direito.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Solução de conflitos – Pressupostos


 Objetivos precisos:
 clareza de objetivos = interesses.
 falta de objetivos = impulsividade.
 Vontade:
 presença da vontade = autonomia.
 ausência da vontade = heteronomia.
 Ação (comportamentos).
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Conflito na perspectiva do Direito.


Disputa de recursos econômicos limitados
para atendimento de interesses.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Modos de soluções de conflitos:


 Autotutela;
 Autocomposição;
 Jurisdição.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Modos de soluções de conflitos


 Autotutela:
 não admitida pelo Direito por, via de
regra, prevalecer a vontade do mais
forte pelo emprego da força;
 exercício da força é prerrogativa
do Estado;
 exceção: legítima defesa.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Modos de soluções de conflitos


 Autocomposição:
 negociação;
 conciliação;
 mediação;
 arbitragem.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Modos de soluções de conflitos


 Jurisdição:
 heterocomposição.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Os modos de soluções de conflitos


baseados na autocomposição entre as
partes recebem a denominação de
“Métodos Alternativos de Resolução de
Conflitos” ou “Métodos Alternativos de
Sol ção de Conflitos” (MASC)
Solução (MASC).
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Características da autocomposição:
 predomínio do diálogo;
 ausência de confrontação;
 procura por solução consensual, rápida
e duradoura;
 via de regra, presença de intermediador
independente e imparcial;
 versam sobre direitos disponíveis.
Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos

Características do intermediador:
 habilidade para negociar;
 habilidade em ouvir e compreender
as partes;
 não necessariamente com
formação jurídica;
 comportamento ético indiscutível.
Interatividade

Assinale a alternativa incorreta:


Compõem Métodos Alternativos de
Resolução de Conflitos aceitos pelo Direito.
a) Negociação.
b) Mediação.
Mediação
c) Conciliação.
d) Arbitragem.
e) Autotutela.
O que é conflito de interesses?

 Pretensões resistidas entre partes


que possuem interesses
mutuamente conflitantes.
 Abordagem tradicional: interesses
indicam posses de recursos limitados,
disputados de modo competitivo. Para
alguém ganhar, alguém precisa perder.
 No processo judicial, uma parte
ganha na exata proporção em que a
outra perde.
 Nos Métodos Alternativos de Resolução
de Conflitos, a solução pode ser
consensual, em que ambas as
partes ganham.
Autocomposição versus
heterocomposição

 Autocomposição: forma pacífica de


solução de controvérsias pelas partes,
podendo ser auxiliadas por um terceiro
participante, imparcial e independente.
O terceiro participante está ausente na
negociação direta entre as partes
partes.
 Heterocomposição: ocorre quando a
solução do conflito é entregue ao Juiz ou
ao Árbitro, este último livremente
escolhido pelas partes e cuja sentença
é vinculante
vinculante.
MASC – conceituação

 São meios para soluções de disputas


com as partes não conceituadas como
adversárias, mas com interesses
conflitantes. A litigância, característica
do processo judicial, está ausente.
 Têm seus requisitos e exigências
determinadas pelo Estado.
 Sua razão de ser repousa na celeridade
da solução e na possibilidade de o
processo permanecer restrito às partes,
sem publicidade.
Negociação

Processo em que partes apresentam


interesses divergentes e conflitantes e
buscam solução que as satisfaçam:
 aspectos psicológicos, como honra e
imagem pessoal, são separados da
delimitação dos problemas;
 o foco da negociação é a identificação e
solução dos interesses reais;
 o requisito da negociação é soma maior
que zero (ganhos para todos);
 os critérios de negociação são objetivos
e utilitaristas.
Conceituações

 Negociação direta entre as partes:


ausência do negociador (não abordada
nesta disciplina).
 Negociação indireta: presença do
negociador com o objetivo de facilitar o
entendimento e a composição entre
as partes.
 Negociador: personagem imparcial,
independente e com habilidade na
condução de negociações.
Conceituações

Importância da negociação:
 prevenir agravamento de conflitos,
evitando o ingresso excessivo de ações
no Judiciário;
 preservar a harmonia social com Justiça;
 alcançar soluções satisfatórias para as
partes que não sejam de soma zero (o
vencedor obtém vantagens econômicas
na exata proporção que o vencido
as perde).
Dispositivos legais

Regulamento da Negociação
 Regem a negociação as regras e
princípios que se aplicam a qualquer
negócio jurídico, como a boa-fé na
negociação, objeto lícito e possível,
agente capaz etc., e que se encontram
expressas em diversos artigos do
Código Civil vigente.
Interatividade

Assinale a opção que não corresponde


ao Método Alternativo de Resolução
de Conflitos:
a) Jurisdição.
b) Arbitragem.
c) Conciliação.
d) Negociação.
e) Mediação.
Conciliação

Procedimento autocompositivo, judicial ou


extrajudicial, em que as partes buscam
solução rápida e efetiva para conflito que
não decorre de relações sistemáticas e
repetidas ao longo do tempo.
Juizados especiais cíveis e criminais – art.
2° da Lei 9.099/1995: “O processo orientar-
se-á pelos critérios da oralidade,
simplicidade, informalidade, economia
processual e celeridade, buscando, sempre
que possível
possível, a conciliação ou a transação”
transação”.
Conciliação versus mediação

A doutrina distingue a conciliação da


mediação enfatizando que, na conciliação,
o conciliador pode apresentar apreciação
do mérito ou recomendação de solução
valorizada como “justa”.
Na mediação, apreciação de mérito ou
recomendação de solução específica não
são cabíveis.
Formas de conciliação

Facultativa ou obrigatória.
 Facultativa: as partes tomam a iniciativa
de formular acordo, que o Juiz
simplesmente homologa.
 Obrigatória: vincula o Juiz à sua
proposição – CPC, art. 447: “Quando o
litígio versar sobre direitos patrimoniais
de caráter privado, o juiz, de ofício,
determinará o comparecimento das
partes ao início da audiência de
instrução e julgamento. Parágrafo único.
Em causas relativas à família, terá lugar
igualmente a conciliação, nos casos e
para os fins em que a lei
consente a transação”.
Momentos da conciliação

Preventiva: designada em audiência


preliminar, com renúncia à demanda (CPC –
art. 331, §1°).
No decorrer do processo:
 audiência inicial no Procedimento
Sumário – art. 277: “O juiz designará a
audiência de conciliação a ser realizada
no prazo de trinta dias (...)”;
 anterior ao início da instrução no
Procedimento Ordinário – art. 448 – ou,,
opcionalmente, no recebimento de
embargos – art. 740).
Constituição Federal, art. 98

I. Juizados especiais, providos por juízes


togados, ou togados e leigos,
competentes para a conciliação, o
julgamento e a execução de causas
cíveis de menor complexidade e
infrações penais de menor potencial
ofensivo (…);
II. Justiça de paz, remunerada, composta
de cidadãos eleitos pelo voto direto,
universal e secreto, com mandato de
quatro anos e competência para (...)
( )e
exercer atribuições conciliatórias, sem
caráter jurisdicional, além de outras
previstas na legislação.
Atribuições do conciliador

 Buscar o entendimento e a composição


entre as partes.
 Sugerir opções e opinar sobre as
soluções até a eleição da mais adequada.
 Apresentar
p ese ta comportamento
co po ta e to educado e
disposição para ouvir e entender os
questionamentos e interesses das partes.
 Ser imparcial, independente, agir com
equidade e não impor suas convicções
pessoais às soluções
p ç disponíveis.
p
 Valer-se da objetividade e utilitarismo
(adequação ao caso com maximização de
resultados).
Aplicabilidade da conciliação

 Direitos disponíveis (art. 331 da Lei


8.952/1994, que altera dispositivos do
Código de Processo Civil sobre o
processo de conhecimento e o
processo cautelar).
 Crimes de menor potencial ofensivo, que
são aqueles com penas de até dois anos
(Juizados Especiais Criminais – Lei
9.099/1995 – art. 3°).
Aplicabilidade da conciliação

Exemplo clássico da aplicabilidade da


conciliação encontra-se na atuação do
Procon.
Interatividade

De acordo com a Lei 8.952/1994, no âmbito


judicial, a tentativa de conciliação deve ser
proposta em estágio(s) ______ à fase de
instrução.
a) posterior.
b) intermediário.
c) anterior.
d) posterior ou anterior.
e) anterior, intermediário ou posterior.
ATÉ A PRÓXIMA!