Você está na página 1de 1

Pesquisa de fungos dermatófitos em amostras de solo de parques

recreacionais da cidade de Ilhéus, Bahia

1Maria José Santos de Jesus, 2Zulane Lima Sousa


1
Discente do Curso de Biomedicina da Faculdade Madre Thais; maryabiomed@hotmail.com; 2Docente do Curso de
Biomedicina da Faculdade Madre Thais; zulanelima@hotmail.com;

Resumo

O solo é composto por diversos tipos de micro-organismos, dentre eles os fungos,


que desempenham um importante papel na decomposição de matéria orgânica. Solo
de parques recreacionais contaminados por micro-organismos patogênicos podem
potencialmente disseminar doenças aos seus frequentadores, dado que, essas
áreas estão sempre à disposição de cachorros, gatos e outros animais
transmissores de doenças. Dentre os principais fungos que compõe a microbiota do
solo, estão os dermatófitos. Estes fungos são especializados em degradar a
queratina presente em substratos humanos e animais (unha, pelos e cabelos) e a
utilizam como fonte de nutrientes para o seu desenvolvimento, causando infecções
denominadas dermatofitoses. Os dermatófitos estão distribuídos entre os gêneros
Trichophyton, Microsporum e Epidermophyton. O quadro clínico das dermatofitoses
vai depender do local da lesão e do tipo de fungo causador da micose. Geralmente
se caracteriza por lesões superficiais, com bordas descamativas, circulares,
pruriginosas e eritematosas. Em relação à frequência, as dermatofitoses são mais
vista em crianças, uma vez que as mesmas estão mais expostas ao solo de
parquinhos e terem um maior contato com animais domésticos. Com base nessa
perspectiva, este estudo objetivou pesquisar fungos dermatófitos em amostras de
solo de parques recreacionais da cidade de Ilhéus, Bahia. Foram coletadas três
amostras de solo de cada um dos oito parques recreacionais localizados em
diferentes zonas da cidade. Para o isolamento dos fungos foi utilizada a metodologia
de iscas de unhas e cabelos descrita por Vambreuseghem (1952), com algumas
modificações. Foram pesados 15 gramas de solo de cada amostra e distribuído em
placas de Petri contendo Ágar Sabouraud com Cloranfenicol, adicionados 3 mL de
água destilada estéril e fragmentos de unha e fios de cabelos foram distribuídos
entre os quatro pontos da placa. Após 15 a 20 dias de incubação a 25-28ºC, foram
realizados os repiques dos micro-organismos para posteriormente realizar a
descrição macro-morfológica dos fungos. Das 24 amostras analisadas, apenas
7,14% dos fungos encontrados estão associados com dermatofitoses. Os outros
92,85% pertencem à classe dos fungos saprófitas do solo, mas que podem causar
dermatomicoses em pessoas com o sistema imunológico comprometido. Os
resultados do presente estudo corroboram com outros trabalhos que demonstram a
prevalência de fungos saprófitas presente em solos de locais públicos, salientando a
necessidade de cuidados especiais com os frequentadores desses locais, sobretudo
com as crianças, dado o risco de contrair micoses cutâneas.

Palavras-chave: Dermatófitos. Solo. Micoses cutâneas. Micoses oportunistas

Agência Financiadora: Faculdade Madre Thaís.

____________________________________________________________________________________________________
06 a 09 de novembro de 2018