Você está na página 1de 3

Ezequiel 3:1-27 Comentado e Interpretado

(vv 1-3) O Senhor deu o Livro de Ezequiel para que o comesse. Esta ação teve um
significado especial. Ezequiel tinha que saber a mensagem antes que ele pudesse
falar ao povo de Israel e, então, ele tinha que comer o rolo (aceitar a mensagem),
em preparação para o seu trabalho missionário para aquela nação obstinada. A
mensagem no livro foi uma tarefa difícil para o profeta de Deus, mas sua tarefa era
falar a mensagem para os israelitas, não importa o que
acontecesse. Ezequiel obedeceu a Deus e ele pôde assim abrir a boca com
confiança. Ele comeu o rolo, engoliu a seco e levou-o para o seu estômago, que,
por sua vez, tornou-se parte dele. A mensagem no livro era terrível. Mas, ao passo
que ele comia, tinha um gosto doce. Era como o sabor do mel. Ezequiel teria
muitos inimigos e as pessoas se recusariam ao que ele falasse contra elas e seus
pecados. Mas é um prazer servir a Deus, e que o prazer desse serviço seria muito
maior, comparado aos problemas que ele enfrentaria. Uma tarefa pode ser difícil
ou dolorosa, mas é uma alegria de fazer o que Deus quer.

(vv. 4-7) O Senhor envia agora Ezequiel para falar com os israelitas rebeldes. Se o
Senhor havia mandado Ezequiel para os estrangeiros, pessoas de outras
nacionalidades que não o povo escolhi de Javé, estes teriam ouvido ao profeta
divino. Ezequiel não entendia bem sua missão profética-sacerdotal, e mesmo que
seus ouvintes também não entendessem suas mensagens, eles ainda aceitariam
(acreditariam) na mensagem de Deus. No entanto, o povo do próprio Deus não
quis ouvir Ezequiel, eles eram muito teimosos, não quiseram ouvir a Deus porque
tinham se afastado muito Dele. Esta situação era horrível para eles mesmos, como
para o profeta. O povo de Deus eram ainda pior do que as nações ao redor deles,
que não tinham pacto algum com o Divino. Parece que Ezequiel tinha falhado em
sua tarefa. Mas isso não é verdade. Sua tarefa era para falar as palavras de Deus
e ele não era responsável pelos resultados.

(vv. 8-11) O povo de Javé era cabeça dura, eram teimosos. Eles haviam fechado
suas mentes, em outras palavras, pois nem sequer queriam ouvir. E eles se
opõem a Ezequiel e recusam-se a ouvir sua mensagem de salvação. Então, Deus
prometeu fazer Ezequiel tão teimoso quanto, em persistir em sua missão profética.
Ezequiel seria forte e não iria falhar. Ezequiel iria declarar a mensagem de Deus
pela força do Senhor. As pessoas não seriam capaz de parar Ezequiel. A palavra
do Senhor teve de se tornar parte de Ezequiel e só assim ele poderia ir e falar aos
obstinados da casa de Israel. Ele tinha que pensar na mensagem do Senhor, tinha
que acreditar que isso era verdade. Se ele não tivesse a certeza da mensagem,
ele não poderia falar então com confiança. Mas, quando ele teve certeza da
mensagem, então pôde falar com a autoridade de Deus.

(vv. 12-14) Essa primeira visão termina agora. O Espírito levantou Ezequiel. Tudo
o que ele tinha visto começou a se mover. Ele ouviu os sons altos como de uma
voz atrás dele. Disse, “Louvai a glória de Deus”. Os querubins estavam louvando a
Deus, que estava em Seu trono. Louvado seja Deus, porque a glória pertence
somente a Ele! Como a visão mudou, Ezequiel ouviu os sons das asas dos
querubins. As rodas também fizeram um barulho alto ao passo que se moviam.
Ezequiel deve dizer ao povo a mensagem de que Deus havia dado a ele; essa
mensagem era sobre o juízo de Deus contra os israelitas pecadores. Eles sofrem
um terrível castigo por causa de suas más obras e não por culpa, ou descuido
divino. Ezequiel não queria fazer o que Deus lhe tinha dito, mas ele sabia que
devia fazê-lo. Isso o perturbou e o deixou com raiva. Ele estava insatisfeito com o
que tinha ouvido, pois sabia que as pessoas não quiseram ouvir sua pregação.
Eles não iriam aceitar o que ele tinha a dizer, mesmo que envolvesse a salvação
deles. Deus estava com Ezequiel e ele sentiu que o poder de Deus estava
segurando sua mão direita, sabendo que ele deve ir para o povo. Agora, ele não
podia mais evitar a tarefa.

(vv. 15-17) Ezequiel tinha voltado para Tel-Abib cidade onde ele morava com os
exilados. Não demorou uma semana para pensar sobre a visão. Levou todo esse
tempo para ele se recuperar depois dessa experiência sobrenatural. A visão que
ele tinha visto o preocupava bastante e o terror da mensagem era quase demais
para ele. O profeta ficou sentado incapaz de dizer qualquer coisa. No final da
semana, o Senhor falou a Ezequiel, fazendo-o sentinela para os israelitas.
Naqueles dias, um sentinela era um tipo especial de guarda que ficava na parede
de uma cidade. Seu trabalho era para observar inimigos e outros perigos; se ele
visse qualquer perigo para a cidade, o mesmo deveria avisar as pessoas. Esse
perigo pode ser de um exército que se aproximava, ou pode ser um problema
dentro da cidade, como um incêndio. O Senhor quer falar para Ezequiel sobre os
perigos que podem acontecer durante seu ministério sacerdotal. Como um
sentinela para o povo, ele tinha que soar o alarme, ou seja, tinha que fazer as
pessoas conscientes do perigo, tinha de dizer às pessoas o que Deus tinha dito.

(vv. 18-19) Ezequiel devia ouvir o Senhor e então avisar o povo. Ele foi o
responsável pela tarefa que Deus lhe deu. Se ele não avisasse o povo, então Deus
iria culpá-lo pelos resultados, seria “culpado de sangue”. Se ele fez se papel de
avisar o povo, então ele estava sem culpa, caso não aceitassem sua mensagem.
Ele tinha que dizer ao homem ímpio para mudar a forma como viva. O ímpio
morreria se ele não mudasse seu estilo de vida. A morte do ímpio seria o resultado
do próprio pecado do homem. Mas se esse mesmo homem ímpio fizesse
mudanças em sua forma de viver, então ele iria viver pela sua própria justiça. No
entanto, se Ezequiel não avisasse-o, o homem iria morrer. Mas Deus iria culpar
Ezequiel pela morte do ímpio, pois não ouviu a mensagem para ficar sabendo da
iniquidade das suas ações. Todas as pessoas são responsáveis pelo que fazem.
Elas são responsáveis por seus próprios atos, se essas ações são boas ou más.
Mas a responsabilidade de Ezequiel foi declarar a mensagem de Deus. Quando
Deus o enviou, Ezequiel tinha que avisar as pessoas. Se Ezequiel não o fizesse
isso, Deus iria culpá-lo também.

(vv. 20-23) Uma boa pessoa pode mudar e fazer coisas más. Essa pessoa vai
morrer por causa desses maus atos. As boas obras do passado não vai salvar
essa pessoa. Essa pessoa vai morrer pelo que fez nos seus últimos dias de vida.
Se Ezequiel não tinha avisado a pessoa de seus atos iníquos, então ele (Ezequiel)
seria o culpado por essa morte. Talvez a pessoa não agisse assim quando
Ezequiel o avisou. Em seguida, Ezequiel não era o culpado por tal morte. Mas
Deus não quer que a pessoa sofra. Então, Deus estava enviando Ezequiel a fim de
dar a essa pessoa iníqua uma outra oportunidade, uma oportunidade de se
arrepender. Se essa pessoa desse as costas ao pecado, então viveria. Ezequiel
sabia que Deus estava lá porque ele sentiu o Seu poder e ouviu Deus falar. Então,
Ezequiel saiu para a planície, então a glória de Deus apareceu para ele como tinha
feito antes no rio Quebar. Desta vez, ele não viu a visão vindo em sua direção.
Mas, como antes, ele caiu com o rosto no chão, e, embora tivesse visto antes, o
efeito foi tão grande que caiu de medo ao ver a glória de Deus.

(v. 24) O Espírito de Deus veio a Ezequiel e levantou-o e falou com ele. Disse a
Ezequiel o que fazer e o que iria acontecer, disse mais a Ezequiel para fechar-se
em sua própria casa. Ele não devia sair, não poderia continuar com seus deveres
diários. O Espírito disse a ele que os exilados iriam amarrá-lo e que não seria
capaz de se mover, não seria capaz de deixar sua casa. Sua casa seria como uma
prisão para ele.

(vv. 26-27) Deus só permitiria Ezequiel falar o que Deus disse a ele. Ele podia
dizer mais nada, uma vez que Deus faria dele mudo. Ele não seria capaz de ter
uma conversa com as pessoas, não seria capaz de discutir ou argumentar.
Quando Ezequiel falou, os resultados não eram problema seu. Ele era apenas um
agente do Senhor. Tudo o que ele disse era a mensagem do Senhor. As pessoas
eram responsáveis por suas próprias ações. Eles poderiam escolher ouvir ou
poderiam recusar-se a ouvir. Deus fez Ezequiel ficar mudo por 7 anos. Esse
período continuou até os babilônios destruíram Jerusalém. Mas, durante esse
período, Ezequiel teve de falar muitas mensagens de Deus. Ele permaneceria em
sua casa, exceto quando Deus o levou.
https://bibliotecabiblica.blogspot.com/2013/04/ezequiel-31-27-comentado-e-
interpretado.html