Você está na página 1de 19

PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 20-02-18 1º AULA

Pq Psicologia? Compreender o outro, ouvir o outro. A psicologia tem interesse pelos processos
mentais e comportamentais.

A psicologia é uma ciência. Ciência é diferente do senso comum.


PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 26-02-18 2ª AULA.

(Percepção)

CORPO E ALMA. Corpo morre, alma sai? Ou Corpo morre, alma morre?
Médicos estudam o corpo. (Fisiologia)

LIVRO IMPORTANTE COMO MARCO NA PSICOLOGIA: ELEMENTOS DA PSICOFÍSICA.

PSYCHE – Alma ou espirito. Parte imaterial do ser, pensamentos, sentimentos, desejos,


sensações e irracionalidades.

LIVRO: PSICOLOGIAS CAPÍTULO 2 – BOCK (todo o conteúdo é encontrado nos capítulos 1 até o
4 do livro PSICOLOGIAS)

GRÉCIA ANTIGA

Pré-Socráticos. Preocupanse em definir a relação do homem com o mundo. Por meio da


percepção.

Sócrates (469-399 aC.). Fala da razão como essência humana. Estudo da consciência.

Platão (427-343 aC.). Alma imortal quando separada do corpo. As ideias formam o mundo
(Idealista).

Aristóteles (384-322 aC.) A matéria já é dada a percepção (Materialismo).

IDADE MÉDIA – SEC. 15 a SEC. 17

Santo Agostinho. Manifestação divina no homem pela razão (Idealista).

São Tomas de Aquino. O Homem busca percepção através de Deus em sua existência
(Materialista).

Renascimento. Sistematização do conhecimento Cientifico.

Rene Decartes (1596-1659) Filosofo – Separa mente e corpo. Possibilita estudos de anatomia
com o corpo morto sem alma.
FINAL DO SÉC. XIX

Estudo dos cérebro, nervos e órgãos dos sentidos (fisiologistas). Desde o renascimento Sec. 15.

Gustav Fechner (1801-1887) Filosofo e Físico. Interesse na relação entre estimulação física e
sensação.
Em 1860, Fechner publica Elementos da psicofísica, mostrando que é possível procedimentos
experimentais e matemáticos para se estudar a mente humana.

Wilhelm Wundt, Médico fisiologista Alemão. Estabeleceu a identidade independente da


psicologia.
Em 1879 funda o primeiro laboratório de psicologia do mundo, confirmando a psicologia, o
estatuto de Ciência Plena.

PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA.


Forma de conhecer o mundo Empírico;
Estudo sistemático baseado em pesquisas;
Compreende a experiência subjetiva, pessoal, existência de um “EU” individual, privado;
Razão na construção do conhecimento.

A EXPERIENCIA É SUBJETIVA (PARTICULAR, CADA INDIVÍDUO DETÉM A SUA)


A psicologia é uma Ciência pois envolve objetividade. Mas como se somos subjetivos? Através
do controle, método e tentativa, ocorre a objetividade.

As escolas lutam para não serem subjetivas.


PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 27-02-18 - 3ª AULA.

O que é a psicologia? É a ciência que estuda o comportamento e processos mentais. O que ela
estuda? O desenvolvimento humano, comportamento, aprendizagem, percepção, consciência,
memória, temperamento, linguagem, motivação, emoção, inteligência, personalidade,
comportamento social, comportamento anormal etc.

Onde se aplica? Industrias, educação, hospitais, consultórios, administração, publicidade,


Marketing, etc.

O que faz da psicologia uma ciência?


* Usa diretrizes lógicas para avaliar evidências;
* Usa técnicas de raciocínio para verificação de seus princípios;
* Usa métodos científicos.

Objetivos, prescrição, descrição, explicação, acúmulo de campo integrado e corrente de


conhecimento.

Procedimentos: Observação, experimentação e acompanhamento sistemático para reunir


dados que possam ser verificados\validados.

Final do Sec. 19
Início do Sec. 20

Edward Tichener -> Lider do movimento chamado estruturalismo. Discípulo de Windt

Entende que a psicologia deve estudar a consciência humana, em especial as


experiências sensoriais.
Deve usar trabalhos e estudos introspectivos analíticos de laboratório;
Deve analisar processos mentais e seus elementos, descobrir conexões e combinações
localizadas no sistema nervoso, as estruturas a eles relacionadas;
Utiliza o método de integração formal;
Exclui estudos em crianças e animais, pois não podiam ser treinados.

LIVRO: CAPÍTULO 2 BACK - CAPÍTULO 1 DVIDOFF

William James (1842-1910) Líder do movimento chamado Funcionalismo. Criou o sistema a


partir da observação de si mesmo e dos outros.

Se opunha ao estruturalismo, tendo este como artificial, limitado e inexato. Para ele a
consciência é pessoal e única. Está continuamente em mudanças e evolui o tempo todo. É
sensitiva nas escolhas, ajuda as pessoas em sua adaptação;
Tem interesse nos processos mentais, em especial no modo de funcionamento;
Faz estudos com crianças e animais simples;
Utiliza o método de interpretação informal (auto observação e auto relato) associado a
métodos mais objetivos (livres de deformação), como o experimental.
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 6-03-18 - 4ª AULA

Terceiro movimento da psicologia no século XX

Behaviorismo (1923) foco no comportamento (não estruturado cognitivo).


- Movimento norte americano que substituiu o funcionalismo;
- John Watson (1878-1958) Psic Animal;
- Inspirados nos estudos de Thorndike (associacionismo);
-Critica os estruturalismo e funcionalismo em função do método de introspecção;
-Psicologia deve estudar eventos ambientais e comportamentais observáveis.

ESTIMULAÇÃO ---- EXIBE ---- RESPOSTA DO COMPORTAMENTO

Para Behaviorismo, a caixa preta (parte cognitiva) não pode ser acessada. Pois a experiência é
mais importante do que a hereditariedade.

- Abandono da introspecção

Métodos: Descrição, explicação, controle, predição do comportamento.


- comportamento de animais

Associa os estimulas na resposta (devo pesquisar sobre comportamento conforme resposta).

Quarto movimento – Gestalt - foco no cognitivo.


Líderes do movimento: Marx Wertheimer, Wolfgang Kohler, Kurt Kaffka.

- Ocorre na Alemanha em paralelo ao Behaviorismo;


- Contra a pratica de reduzir experiências complexas a elementos simples;
- Em 1960 foi publicado um relatório de estudos sobre o movimento aparente. Ex.: Cinema.

- Para compreender a ilusão (experimento usado com duas lâmpadas e uma barra ao centro da
qual ao apagar e acender de lâmpadas de maneira consecutivas, fazia se ter uma falsa ilusão
de movimento na barra ao centro) é preciso considerar todos os elementos que interagem na
situação. Inclusive o funcionalismo fisiológico do olho e o cérebro. As pessoas interpretam
dados sensoriais, conferindo significado a eles. A partir de sua experiência subjetiva.

ESTÍMULO ------ SENTIR ------- RESPOSTA


PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 13-03-18 - 5ª AULA

Quinto Movimento

Início do século 20

Sigmundo Freud (1856-1939) Médico vienense especializado no sistema nervoso, em


particular desordem neuróticas. Sintomas físicos x Terapia psicológica (Hipinose, método de
conversação, associação livre ).

Busca tornar conscientes conteúdos inconsciente. Estuda leis e determinantes de


personalidade normal e anormal, aspectos importantes da personalidade, elabora métodos de
tratamento – Escuta, análise e auto observação.

Processo de organizar e interpretar dados sensórias recebidos (sensações) para


desenvolvimentos, a consciência do ambiente que nos cerca e de nós mesmos. (Davidoff 1983:
211).

A percepção, não é um espelho de realidade (Davidoff 1983: 212).

Sensações: Codificação da energia física do ambiente em sinais nervosos – São os dados


sensoriais recebidos.

Sentidos: Visão, audição, tato (somato sensorial) paladar e olfato ( químicos) propoceptivos.

Como formulamos nossas representações do mundo exterior? Detecta a energia física do


ambiente e codifica em sinais nervosos (sensações)
- Seleciona, organiza, interpreta sensações. Processos de percepção.
- processamento de baixo para cima (receptores sensoriais levam as sensações para o cérebro)
- Processamento de cima para baixo ( Formação da percepção a partir das sensações +
experiências+ expectativas. Etc.)

As falhas de percepção podem ocorrer em qualquer ponto, entre a capitação sensorial e a


interpretação perceptiva
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 14-03-18 - 6ª AULA

Limiares.
Existimos num mar de energia, mas somos cegos e surdos para certos tipos de energia. Ex.:
Raio X, ondas de radio, Ultra violeta, infravermelho, ondas sonoras de frequência mais alta ou
mais baixa)
A psicologia estuda a maneira vcomo essa energia física se relaciona com a nossa experiência
psicológica.
Os psicólogos medem o limiar absoluta pelo registo da estimulação necessária para detecção
de 50% das ocasiões.
Limiar absoluta é a estimulação mínima necessária para detectar um estímulo específico (luz,
som, pressão, gosto, odor). É o ponto em que detectamos um estimulo na metade das
ocasiões.
Os teóricos de detecta cão de sinais procuram compreender porque as pessoas reagem de
maneira diferentes aos mesmo estímulos e pq as relações das mesmas pessoas variam com as
mudanças das circunstancias.

Estimulação subliminar. São os estímulos que estão abaixo do limiar. Podemos processar
informações sem ter consciência disto.

Nossa sensibilidade pode decrescer diante de um estimulo inalterável. Isto é, depois da


exposição constante ao estimulo, nossas células nervosas disparam com menos frequência.

Atenção seletivas. Significa que a qualquer momento focalizamos nossa percepção em apenas
um aspecto limitado de tudo que somos capazes de experimentar.

Aspectos que influenciam nossa percepção:

Motivações;
emoções;
Valores;
Objetivos;
Interesses;
Expectativas;
História de vida ( Experiências anteriores, memoria e aprendizado)

Fisiologia da percepção
Os sistemas sensórias detectam a informação, convertem-na (ou fazem transdução) em
impulsos nervosos, processam parte dela, e mandam a maior parte para o cérebro via fibras
nervosas.
- Detecção;
- Transdução;
- Transmissão;
- Processamento.

Desenho de uma célula nervosa no caderno.


Neurotransmissores, transportam a informação.
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 19-03-18 - 7ª AULA

Livros: Rapaport Cap 1 - Gomes filho paginas 17-37 - Bock cap 2 todo do livro
“psicologias” - Davidoff Percepção

Gestalt, psicologia da forma. Relação sujeito-objeto na recepção fisiologia + subjetividade.

Experimento de ilusão de ótica. A primeira sensação já é de forma, global, unificada. A figura


total é vista pela relação reciproca das várias partes dentro do todo.

Não vemos partes isoladas, mas relações, uma parte depende da outra. As partes são
inseparáveis do todo (são outra coisa, fora deste todo). A percepção é resultado de uma
sensação global.

Atribui ao sistema nervoso central um dinamismo auto regulador que em busca de


estabilidade tende a organizar formas em “todas” coerentes e unificados.

Toda forma percebida esta relacionada a forças integradoras do processo fisiológico central.

ORGANIZAÇÕES – são espontâneas e não arbitrárias, independente da vontade e do


aprendizado.

FORÇAS EXTERNAS – constituídas pela estimulação da retina, através da luz. Proveniente do


objeto exterior (origem do objeto que olhamos).

FORÇAS DE ORGANIZAÇÃO PERCEPTIVA DA FORMA


UNIDADE – Um único elemento ou parte de um “todo”.

SEGREGAÇÃO – capacidade perceptiva de separar identificar, evidenciar ou detectar, unidades


formais em um todo compositivo ou em partes desse todo.

UNIFICAÇÃO DA FORMA – consiste na igualdade ou semelhança dos estímulos produzidos pelo


campo visual, pelo objeto. Se verifica quando estão presentes no objeto ou composição,
fatores de harmonia, equilíbrio, ordenação visual e coerência da linguagem.

LEI FIGURA FUNDO


Sempre que olhamos em torno de nós, tendemos a ver objetos (ou figuras), contra o fundo
(ou plano). O mesmo objeto pode ser visto como figura ou como fundo. Depende de como
você dirige sua atenção.
LIVRO DAVIDOFF 223

PRINCIPIOS QUE REGEM FORÇAS INTERNAS DE ORGANIZAÇÃO

Existem certas constantes na maneira como as forças internas se estruturam ou ordenam nas
formas percebidas.
FORÇAS

- De segregação: agem em virtude da desigualdade de estímulos;

- De unificação: agem em virtude da igualdade de estímulos (ou semelhanças).

Para haver a formação de unidade é necessário que haja uma descontinuidade de estimulação
(ou contraste).
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 20-03-18 - 8ª AULA

ESTRATÉGIAS DE PROCESSAMENTO PARA INTERCEPÇÃO A INFORMAÇÃO VISUAL

- constâncias – oferecer estabilidade ao mundo perceptual os objetos olhados de diferentes


ângulos, distancias ou condições diferentes de iluminação, continuam sendo percebidos como
tendo a mesma forma, tamanho e cor.

- percepção de profundidade e distancia – a retina registra imagens em duas dimensões.


Esquerda, direita, em cima e em baixo. A percepção é tridimensional devido a indicadores que
nos permitem ver a profundidade.

INDICADORES MONOCULARES DE PROFUNDIDADE

A) Tamanho conhecido;
B) Luz e sombra;
C) Gradiente e textura;
D) Pespectiva aérea;
E) Interposição.

Comparamos a imagem de retina com lembraças de experiências anteriores, contrastando


dimensões como tamanho, forma, acuidade e integridade
LIVRO DAVIDOFF

INDICADORES DE MOVIMENTO

A) O próprio corpo
B) Indicador monocular de distancia em função da velocidade do objeto. Ex.: estrada

INDICAÇÕES PCTÓRICAS

Imagem tridimensional -> possui informação sobre distancia.

GESTALT

Escola de psicologia experimental

Inicio + - 1910 Universidade de Frankfurt, Alemanha.

Com estudos do movimento aparente.


Pesquisadores: Max, Wolfgang e Kurt

Contribuições: Principal teoria da forma, estudos de percepção, linguagem, inteligência e


aprendizagem.

MOTIVAÇÃO DINAMICA DE GRUPOS: Por que algumas formas agradam mais?

PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 26-03-18 - 9ª AULA

Gestalt – abordagem que exige o conhecimento do objeto\acontecimento etc. com um todo


formado por partes “interatuantes” , que podem ser isolados e vistos como inteiramente
independentes, e depois reunidas no todo. É impossível modificar qualquer unidade do
sistema\objeto\situação etc. sem que com isso se modifique também o todo.

PRINCIPIOS

FECHAMENTO – existe uma tendência psicológica de unir intervalos e estabelecer ligações –


tende a formar todos fechados

PREGNANCIA DA FORMA

Tendência das forças de organização se dirigem para condições dadas no sentido de clareza,
unidade, boa Gestalt (forma).

CONTINUIDADE – Boa continuação

Impressão visual de como as partes se sucedem de forma coerente, sem quebras ou


interrupções em sua trajetória.

AGRUPAMENTO – tendência a dinâmica de constituir unidades.

Proximidade – elementos próximos tendem a ser vistos juntos e constituem um todo ou


unidades no todo

Semelhança - condições iguais (estímulos semelhantes) tendem ser vistos agrupados, como
unidades. Ex.: forma, cor, brilho, peso, direção, etc.
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 27-03-18 - 10ª AULA

Movimento new look in perception

ANOS 30 - Teoria das emoções centradas nos conteúdos psicológicos.

ANOS 40 – Surge o movimento na psicologia social (J. Brumer) interesse no impacto de fatores
internos cognitivos e motivacionais sobre a percepção.

O movimento buscava uma integração entre os processos emocionais cognitivos, as reações


psicológicas e o aspecto da avaliação dos estudos emocionais

INFLUENCIAS

Psicanalise

Psicodiagnóstico de Rorschach (teste projetivo)

Técnicas de apuração de influencia: tempo de reação diante de estímulos apresentados. Todos


em condição de exposição rápida.

MECANISMOS VERIFICADOS:

 Orientação afetiva do preceptor (Maior ou menor rapidez)


 Resistência diante de estímulos ameaçadores (defesa)
 Hipnoses do preceptor diante de estímulos ambíguos será próxima de seus valores
dominantes
 Expectativas podem levar a distorções

FATORES QUE INFLUENCIAM A PERCEPÇÃO.

 Personalidade
 Emocionais
 Motivacionais
 Inconscientes
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 16-04-18 - 1ª AULA

PRIMEIRA AULA APÓS AS PROVAS.

PROCESSOS PSICOLOGICOS 1

- Consciência – estado normal da vigília. Vários sistemas registram processam informações,


controlam o comportamento.

- Estados alterados de consciência como doenças deliberados (cânticos, jejuns, respiração


rápida, rodopios, concentração intensa, fumo, ingestão de drogas)

- Funções receptivas/operações: incluem conhecimento dos pensamentos, emoções,


sensações, imagens e semelhantes.

- Funções ativas/operações: planejamento, inicio e acompanhamento de atos e outros


controles do comportamento.

A consciência [e influenciada por subsistemas cerebrais paralelos que estão baseadas as


lembranças, emoções, sonhos e pensamentos.

A atenção direciona a consciência, capta estímulos e leva alguns à consciência.

ATENÇÃO – é o processo psíquico que permite concentrar a atividade mental sobre um fato
determinado.
Exame de atenção:

- capacidade de concentração

- tempo de concentração

- numero de objetos que toca a atenção simultaneamente

- tempo que demora para iniciar a atenção

DISTRAÇÃO – Impossibilidade de manter constante a atenção ou atenção concentrada em


algo, menos redor (desatenção seletiva)
“Não é possível prestar atenção ou um grande numero de estímulos ao mesmo tempo”
LER LIVRO SIMOES E TIEDEMAN (1985 PAG 60)

Ex.: Leitura/música, TV/telefone, aula/WhatsApp


Vigilância – estado de atenção mantida. Ex.: teste do relógio de Mackworth

Avaliação do desempenho após + - 20 min dependerá da tarefa do estado de excitação do


sujeito.

ATENÇÃO SELETIVA – Possibilidade de escolha a que queremos prestar atenção. Ex.: visão –
seleção – posicionamento dos olhos orientação dos olhos, cabeça, corpo (região central x
periferia)

ATENÇÃO DIVIDIDA – refere-se a situação as quais o observador presta atenção,


simultaneamente a duas ou mais estímulos. Para dividir a atenção entre os estímulos é
preciso que estes tenham algo que os diferencie. Quanto maior a diferença, mais fácil será
dividir a atenção entre eles. Ex.: fenômenos da “reunião social”

- Atenção centrada na conversa de uma pessoa, a pesar de inúmeras pessoas falarem ao


mesmo tempo.

- Foco na informação dependerá do interesse.

- Algumas informações capitadas podem não ser levadas a consciência.

ALGUNS TRANSTORNOS DA ATENÇÃO

APROSENCIA – ausência de atenção. Ex.: demências graves.

HIPOPROSENCIA – atenção espontânea exagerada. Ex.: mania.

DISTRAIBILIDADE – Atenção excitável, inconstante. Ex.: síndrome dipecinética.

TRANSTORNOS RELACIONADOS A PERCEPÇÃO

- Ilusões – engano (latim)

- Alucinações – privado de razão, enlouquecido

- Percepção deformada do objeto, distorção da realidade.


PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 30-04-18 - ª AULA

(baseado no livro psicologias “bock” cap. A evolução da ciência PSC.

Memória

Percebemos as coisas do mundo de acordo com mossas experiências anteriores, tanto


pessoais quanto da humanidade. Memória um processo básico vital para processamento do
material percebido. Como depende,os da linguagem para decodificar que percebemos,
precisamos ter armazenado em nosso repertorio dos signos de nossa cultura. Tb memória é
peculiar no ser humano. Por um lado trata de um processo biológico com seus limites, por
outro lado, tratasse de um processo social, cultural histórico.

Livro bock (a evolução da vivência psicológica)

O esquecimento uma forma de proteger nossa dinâmica de armazenamento de fatos


importantes que e merecem ser lembrados.

Memória é a aquisição, formação, conservação evocação de informações.

Aquisição tb chamada de aprendizagem so se grava que foi aprendido.

Evocação tb chamada de recordação, recuperação , lembrança. Só lembramos que gravamos,


que foi aprendido.

O passado, nossas memórias, nossos esquecimentos voluntarios, nao so nos dizem que
somos, mas tb nos permitem projetar rumo ao futuro. Nos dizem quem poderemos ser.
Izquierdo. Pag. 9

Esquecimento é um processamento ativo, uma pratica da memória. Na verdade algumas


memórias não são esquecidas, mas guardadas num lugar de difícil acesso. São esquecimentos
voluntários que evitamos recordar (repressão).

O esquecimento um fenonemo psicológico possui um papel adaptativo. Só conservamos uma


fração de todas as informações que passamos pela memória de trabalho e uma fração ainda
menor de tudo que conservamos por um curto ou longo período de tempo.

Esquecimento pode envolver uma perda real da memória. O processo de habituação ou


extinção por supressão que pode ser reversível pela evocação.

Misturas de memórias de vários tipos e\ou misturas de memórias antigas com outras sendo
adquiridas ou evocadas no momento.
Memórias falsas podem ser elaboradas devido a repetição de evocação de diversas misturas
de memórias, somada a extinção parcial da maioria delas.

“a memória é a função psicológica que garante o elo temporal da vida psíquica, pois reflete o
passado no presente e permite a perspectiva do futuro.

Costuma-se analisar a memória em 3 dimensões: fixação, evolução e reconhecimento.

Fixação – capacidade de gravar os dados. A qualidade da fixação depende de uma série de


fatores. Como interesse, atenção, compreensão, conhecimento prévio, quantidade de
informação (volume), via sensorial envolvida na percepção, condições físicas e emocionais,
semelhança e diferença de dados, numero de repetições no tempo e tempo dentre o qual se
pretende fixar.

Evocação – capacidade de atualizar dados já fixados.

Esquecimento – designação dada a impossibilidade de evocar.

Reconhecimento – capacidade de recordar uma imagem.

“existe um processo de tradução entre a realidade das experiências e a formação da memória


respectiva, o outro entre esta e a correspondente evocação”. Esquierdo 2002 pag 17

a imensa maioria de tudo aquilo que aprendemos, de todas as inúmeras memorias que
formamos na vida, se extingue” Esquierdo 2002 pag. 18

Tipos de memória

Função -> memória de trabalho

Conteúdo -> declarativas -> episódicas.

 Procedurais - semânticas.

Duração -> curta

->longa
PROCESSOS PSICOLOGICOS - PROFESSORA PAULA RABELLO - 7-05-18 - ª AULA

Tipos de memória: segunda função

Memória de trabalho – é breve e fugaz, serve para gerenciar a realidade e determinar o


contexto em que fatos, acontecimentos ou outras informações ocorrem. Decidem se vale a
pena ou não fazer nova memória disso ou se já costa nos arquivos.

Mantem a informação sendo processada durante segundos a poucos minutos

Estado de animo, depressão etc. pode pertubar a memoria de trabalho.

As possibilidades de nova aprendizagem dependerá das conexões de memória de trabalho


com os demais membros.

-> declarativas

Tipos de memoria de curto%¨%$%&& conteúdo -> proceduais

Ambas podem ser divididas em: Implicitas (adquiridas sem perceber) Explicitas (adquiridas
pela intervenção conciencia)

Memórias declarativas – registramos fatos, mementos e acontecimentos (podemos declarar e


relatar como as adquirimos)

Episódicas – são ?? autotugraficas???, referentes a eventos aos quais assistimos ou


participamos.

Semânticas – são referentes a conhecimentos conscientes, conhecimento da língua materna,


psicologia &**¨%$$%

Podem ser associados a memorização de um poema, o ato de

Cheirar uma flor, etc. Ex.: um curso de inglês.

Memórias procedurais ou memorias de procedimentos – memorias de capacidade ou


habilidades motoras e sensórias. É o que chamamos de HÁBITOS, andar de bicicleta, saltar,
nadar, soletrar, etc.

São em geral adquiridas de maneira implícita, mais ou menos automáticas. Sem que se
perceba com clareza que esta aprendendo.

* memoria de curta ou longa duração de acordo com o tempo que duram

É o processo de fixação definitiva de uma memoria que depende de vários fatores internos e
externos.

* memoria de curta duração – duram poucas horas, tempo necessário para que memoria de
loga duração se consolidem.

* memoria remota (longa duração) – são memorias que duram muitos meses ou anos. Ex.:
memorias da infância.
As memorias explicitas, (exceto a de trabalho) podem durar minutos, dias, horas, dias, meses,
anos, décadas.

As memorias implícitas geralmente duram toda vida

As memorias declarativas de longa duração levam tempo para serem consolidadas.

(importância das primeiras horas)

Amnésias ou perda de memória, costumam falhar primordial ou exclusivamente memórias


declarativas episódicas e explicitas.

Semanticas, adiquiridas de forma explicita, exceto na fase terminal da doença de alzalmier ou


em estágios avançados da doença de Parkinson

Alteração de memoria

-> junto a fixação e a evocação

- amnésia (abolição da memoria)

- hipomésia (enfraquecimento)

- disnésia (designação geral das perturbações de fixação e\ou evocação)

-> quanto ao reconhecimento as mais habituais são:

- agnosias (transtornos de reconhecimento da imagem sem que haja defeitos sensoriais e


quando o objeto é familiar aos pacientes)

- paramésias (também denominadas alucinações da memoria, porque as imagens criandas


pela fantasia são equivocadamente aceitas como recordações reais)

Um exemplo comum são os fenonemos “já visto” (de já vu) e “nunca visto “ (jamais vi).

Izquierdo, Ivan (2002) – memória.

Cunha, Jurema Alcides - Psicoldiagnóstico V

Você também pode gostar