Você está na página 1de 25

A ESTRUTURA DAS SESSÕES DE TERAPIA COGNITIVA

A Terapia Cognitiva segue um modelo diretivo, isto é, as sessões são previamente estruturadas,
de modo que o terapeuta segue um roteiro durante os atendimentos. Este roteiro é composto dos
seguintes elementos básicos: rapport, ponte com a sessão anterior, revisão das tarefas de casa da
sessão anterior, atualização, estabelecimento de uma agenda para a sessão, abordagem dos
tópicos da agenda: verificação de humor, educação do cliente sobre o modelo cognitivo,
educação do cliente sobre o seu transtorno, uso de técnicas e estratégias cognitivo-
comportamentais, enquadramento, indicação de novas tarefas de casa, resumo da sessão e
feedback. De acordo com as características de cada sessão, alguns elementos são omitidos.

A PRIMEIRA SESSÃO:
Fazem parte da primeira sessão os seguintes elementos: rapport, atualização do estado do
cliente, estabelecimento de uma agenda para a sessão, abordagem dos tópicos da agenda:
verificação de humor, educação do cliente sobre o modelo cognitivo, enquadramento, indicação
das tarefas de casa, resumo da sessão e feedback.

Rapport:
Tem como objetivo quebrar o gelo no início da relação, pois visa a criação de um clima
favorável para o desenvolvimento da entrevista, através de um tema amistoso que interesse ao
entrevistado.
É através do rapport que serão criadas as condições para a construção do vínculo
terapeuta e cliente.
Portanto, evite começar a sessão indo diretamente ao assunto.

Atualização do estado do cliente:


Revisar o problema apresentado como motivo da consulta (queixa para a terapia). Está no
prontuário do cliente, mas é importante o próprio terapeuta ouvir diretamente do cliente o que o
trouxe à terapia. Deve-se fazer uma atualização do seu estado (o que mudou: aumentou ou
diminuiu, e o que permaneceu da mesma forma em relação ao problema), desde a triagem ou do
psicodiagnóstico até a consulta de hoje.
A estrutura das sessões em Terapia Cognitiva
É relevante investigar neste momento as expectativas que o cliente tem em relação ao
processo terapêutico, para saber se o que ele espera da terapia é possível de ser alcançado.
Lembre-o que a terapia é focal e que serão tratados os motivos apresentados para a consulta.
Isto evita criar expectativas irrealistas no cliente.

Estabelecimento de uma agenda para a sessão:


Através da agenda, o terapeuta define, juntamente com o cliente, um roteiro para a sessão
terapêutica, do tipo:
a) Você já me falou sobre o que lhe trouxe à terapia (atualização do estado do cliente), agora eu
preciso saber como você está se sentindo hoje (verificação do humor).

b) Eu preciso informar-lhe sobre como funciona a terapia cognitiva (educação do cliente


sobre o modelo cognitivo) e detalhes sobre o atendimento (enquadramento).

c) Eu vou lhe passar algumas tarefas para você fazer em casa (tarefa de casa), e, no final, eu
vou relembrar o que falamos (resumo) e vou querer saber o que você achou da terapia
(feedback).

Inclusão de itens complementares da agenda. Se o terapeuta, ao tomar contato com o


caso através do prontuário do cliente (na entrevista de triagem e/ou no processo
psicodiagnóstico) e/ou se durante a atualização o cliente relatou alguma coisa que precise de um
maior esclarecimento, o terapeuta pode incluir mais este item na agenda para ser investigado
durante a sessão.
Tem alguma coisa que você gostaria de acrescentar à nossa agenda de hoje? Em função
da resposta do cliente, o terapeuta deve incluir na agenda o assunto proposto. Porém, se o
terapeuta não tem condição de responder nesta sessão, ele anota a pergunta e se prontifica a
incluí-la na agenda da próxima sessão.

Em seguida, o terapeuta passa a cumprir os itens incluídos na agenda (abordagem dos


itens da agenda).

2
A estrutura das sessões em Terapia Cognitiva
Verificação do humor:
A avaliação do humor do cliente deve ser feito em todas as sessões.
Além do relato subjetivo (Como você está se sentindo hoje?), deve-se monitorar de forma
objetiva o estado afetivo do cliente, seja através de inventários padronizados e/ou de escalas.

O mais utilizado é o Inventário de Depressão de Beck (BDI), mas costuma-se utilizar também o
inventário de ansiedade e o de desamparo de Beck.

Nos casos de depressão, deve-se fazer, pelo menos, três testagens com o BDI ao longo da
terapia (na segunda sessão, no meio e no fim do processo terapêutico).

Outra forma de avaliação é através de escalas que avaliam a intensidade dos estados afetivos de
tristeza (triste, pra baixo, infeliz, aborrecido, chateado, magoado, etc.), raiva (com raiva, com
ódio, furioso, irritado, etc.) e ansiedade (ansioso, nervoso, preocupado, temeroso, assustado,
tenso, etc.).

Outros estados afetivos relatados pelo cliente também podem ser avaliados, tipo: sinto-me
envergonhado, embaraçado, humilhado, decepcionado, frustrado, invejoso, ciumento, culpado,
ferido, desconfiado, inseguro, medroso, vulnerável, etc.

Pode-se utilizar uma medida simplificada que varia de 0 a 100.


Pergunta-se ao cliente: De 0 a 100, o quanto você se sente triste agora? E repete-se a pergunta
para raiva e ansiedade: De 0 a 100, o quanto você se sente raivoso(a) agora? E De 0 a 100, o
quanto você se sente ansioso(a) agora?

Outra maneira de avaliar o humor é através de escalas categóricas: nada ou muito pouco (até
20%), um pouco (21 a 40%), moderadamente (41 a 60%), muito ou bastante (61 a 80%) e
intensamente (80 a 100%).

3
A estrutura das sessões em Terapia Cognitiva
Apresente uma folha com as seguintes questões e peça para que o cliente assinale um x na
coluna que representa como ele se sente em relação a cada um dos afetos avaliados (tristeza,
raiva, ansiedade ou outro afeto relevante):

4
O quanto nada ou um pouco moderadament muito ou intensament
você se muito (21 a e (41 a 60%) bastante e (80 a
sente...? pouco 40%) (61 a 100%)
(até 20%) 80%)
Triste
Raivoso(a)
Ansioso(a)
(Outro
afeto
relevante)
É necessário que o terapeuta faça esta avaliação através da escala de 0 a 100 ou da escala
categórica em todas as sessões, mesmo que utilize o BDI. Esta informação é importante para
acompanhar sistematicamente a evolução do caso.

Educação do cliente sobre o modelo cognitivo:


Ao longo do processo terapêutico, o terapeuta vai ensinando paulatinamente ao cliente
como funciona o modelo cognitivo: são os nossos pensamentos que provocam nossas emoções
e determinam os nosso comportamentos.
Na primeira sessão, o terapeuta faz uma pequena exposição do modelo, utilizando um
exemplo do cliente.
Eu gostaria que você me contasse uma situação recente em que você se sentiu particularmente
desconfortável (ou triste, aborrecido, ansioso, etc.)? Nesta fala do cliente, o terapeuta procura
identificar os seguintes itens: a situação (ex: Foi na escola, durante a aula de estatística, o
professor perguntou qual resposta eu dei ao exercício e a minha resposta estava errada), o(s)
pensamento(s) (Eu sou incompetente, isso é difícil demais para a minha cabeça, eu não tenho
capacidade para o estudo), os afetos (Fiquei nervosa e triste comigo mesma) e o(s)
comportamento(s) do cliente (Eu abaixei a cabeça e não consegui mais acompanhar a aula).
Veja o organograma abaixo:
PENSAMENTO EMOÇÃO
SITUAÇÃO Eu sou Nervosismo e tristeza.
Resposta incompetente,
errada na Isto é muito difícil COMPORTAMENTO
aula de para mim, Abaixar a cabeça e não
estatística. Não tenho acompanhar mais a aula.
capacidade para o
estudo.
Resumo do modelo:
São os pensamentos da pessoa em uma determinada situação que desencadeiam as emoções que
ela sente e as reações que ela tem (seus comportamentos).
Nas próximas sessões, o modelo será ampliado, com a inclusão da distinção entre os
pensamentos da crença central (Eu sou incompetente) e dos pensamentos automáticos (Isso é
difícil demais para a minha cabeça, eu não tenho capacidade para o estudo), que sevem de
base para a crença central.
Este conjunto de pensamentos forma o Esquema Cognitivo, que será apresentado através do
Mapa Cognitivo, que vamos aprender mais adiante e do preenchimento do Diário de
Pensamentos Disfuncionais.

Itens complementares da agenda:

Neste momento, deve-se abordar com o cliente os itens acrescidos à agenda pelo próprio
terapeuta ou por solicitação do cliente.
Neste ponto, o terapeuta pede informações, esclarecimentos, aprofundamento de alguns
assuntos, exploração de assuntos não mencionados, mas que estão relacionados ao problema do
cliente.
Deve o terapeuta atender às solicitações do cliente, explicando o processo, dirimindo as
dúvidas, respondendo, dentro do possível, às questões apresentadas pelo cliente.

Enquadramento:
O enquadramento refere-se ao contrato de trabalho estabelecido entre o terapeuta e o
cliente e equivale à configuração do campo de atuação do psicólogo, com o estabelecimento de
parâmetros básicos. Ele funciona como um elemento ordenador que propõe normas que regem
qualquer tipo de tarefa entre duas pessoas, pois estabelece os limites da identidade e das
possibilidades de ação.
Estes referenciais possibilitam ao psicólogo perceber aspectos latentes da conduta do
entrevistado, principalmente através das dificuldades do cliente de compreender e / ou respeitar
o enquadramento e o contrato de trabalho. Isto é também associado às emoções que as atitudes
do entrevistado despertam no psicólogo.
Neste contrato de trabalho, são definidos: especificações das sessões: o horário (evitar
atrasos), o tempo de duração da sessão (50 minutos) e de todo o processo terapêutico
(inicialmente, está previsto pra se encerrar no final do semestre letivo), o lugar (sala do SPA),
faltas (depois de duas faltas sem justificativa o cliente é desligado da terapia), os honorários
(geralmente é cobrado R$ 5,00 por sessão, que o cliente paga ao completar quatro sessões, isto
é R$ 20,00, sendo que nos casos em que o cliente não tem condições a secretária Fátima faz a
revisão deste valor, podendo dar um desconto ou tornar o atendimento gratuito), os objetivos
(qual é o foco do atendimento), os papéis dos participantes (do terapeuta e do cliente) e as
responsabilidades do profissional e do cliente (quanto ao respeito, liberdade, integridade e
dignidade) e o aspecto do sigilo (em termos de confiança, intimidade e confidencialidade) e
encerramento e devolução das informações ao final do processo.

Tarefas de casa:
O terapeuta deve partilhar com o cliente a responsabilidade pela terapia e um dos
caminhos é a tarefa de casa.

Alguns clientes têm resistência quanto à palavra tarefa, pois se recordam de experiências
desagradáveis em relação às tarefas escolares. Se isto for detectado, é necessário incluir este
item (dificuldade em relação à tarefa) na agenda da próxima sessão.

São diversas as opções de atividades para serem cumpridas como tarefa de casa:
monitorar os pensamentos, pensar amanhã como foi a sessão terapêutica de hoje, fazer uma lista
com assuntos a serem incluídos na agenda da próxima sessão, biblioterapia (leitura de textos
sobre o problema enfrentado pelo cliente, de livros sobre o modelo cognitivo, de livros leigos
ou da própria literatura que aborde o seu problema, etc.), fazer uma lista de atividades
prazerosas ou que o cliente realiza com competência, fazer uma atividade física específica que
lhe dê prazer (caminhar, passear, andar de bicicleta, nadar, pescar, dançar, etc.) e outros.
No monitoramento dos pensamentos, é importante que o cliente aprenda desde o início em dar
atenção especial aos seus pensamentos. Para isto, quando ele se sentir desconfortável ou com
alguma sensação desagradável, é preciso que ele identifique os elementos básicos do modelo
cognitivo, respondendo às perguntas:
O que está acontecendo comigo? (situação);
Quais são os pensamentos que vêm à minha cabeça neste momento? (pensamento);
O que eu estou sentindo agora? (afeto e emoção);
O que eu fiz diante desta situação? (comportamento: resposta adaptativa).

Monitorar os pensamentos é a ferramenta chave para o desenvolvimento da Terapia Cognitiva.

Procurar estabelecer, em conjunto com o cliente (ele deve concordar com a tarefa, pois,
caso ele discorde da atividade, esta deixa de atingir seu objetivo colaborativo),
aproximadamente quatro tarefas de casa por sessão.
As tarefas de casa devem ser registradas por escrito pelo cliente e anotadas pelo
terapeuta.

Resumo:
O terapeuta faz uma breve síntese de tudo o que ocorreu na sessão e reforça os pontos
importantes. Deve incluir também as tarefas de casa que o cliente concordou em realizar
durante a semana.
Nas próximas sessões, o terapeuta pode compartilhar com o cliente a responsabilidade
pela realização do resumo e até pedir que o cliente resuma, sozinho, a sessão.

Feedback:
É importante de ser realizado, pois transmite a idéia de que o terapeuta se incomoda com
o que o cliente pensa, sendo esta uma oportunidade para que ele se expresse livremente.
Para o terapeuta, é uma chance de resolver quaisquer mal-entendidos.
De modo geral, o feedback deve revelar a opinião do cliente em relação aos aspectos
positivos e negativos da sessão e o seu grau de adesão ao processo (o quanto ele se dedica, está
empenhado e envolvido na terapia).
Neste sentido, algumas questões podem orientar o feedback:
O que você vivenciou hoje aqui que é importante para você se lembrar?
Quanto você sentiu que poderia confiar no seu terapeuta?
Houve qualquer coisa que incomodou você durante a terapia hoje?
Quão propenso você está a fazer as tarefas de casa?

DA SEGUNDA SESSÃO EM DIANTE:


Fazem parte da segunda sessão os seguintes elementos: rapport, ponte com a sessão
anterior, revisão das tarefas de casa da sessão anterior, atualização, estabelecimento de uma
agenda para a sessão, abordagem dos tópicos da agenda: verificação de humor, educação do
cliente sobre o modelo cognitivo, educação do cliente sobre o seu transtorno, indicação de
novas tarefas de casa, resumo da sessão e feedback.

Rapport:
O rapport deve ser breve e continuar o processo de vinculação iniciado na primeira
sessão.

Ponte com a sessão anterior:


No início da sessão, retomar com o cliente os principais pontos abordados na sessão
anterior. Sobre o que falamos na sessão anterior? O que foi importante para você? O que você
aprendeu sobre si mesmo na sessão passada?

Revisão das tarefas de casa da sessão anterior:


Recorde com o cliente as tarefas de casa passadas na sessão anterior, uma a uma.
Questione o cliente:
Que tarefa de casa você fez?
Houve alguma que você não fez?
Por quê?
Como se sentiu ao realizar a tarefa?
O que você pensou sobre a tarefa?
Como você acha que se saiu em relação às tarefas?
O que você aprendeu com as tarefas de casa?

Caso identifique alguma dificuldade em relação às tarefas da sessão anterior, o terapeuta pode
incluir este item na agenda desta sessão.

Atualização do estado do cliente:


O objetivo é obter uma compreensão do sujeito que abranja o período entre esta e a
sessão anterior. Como foi a sua semana? Houve algo que lhe incomodou durante a semana?
Como esteve o seu humor nos últimos dias comparando com outras semanas?

Estabelecimento de uma agenda para a sessão:


Estabelecer um roteiro com o cliente para a sessão. Hoje nossa sessão será bastante
variada.
Vamos fazer a verificação do seu humor, como na semana passada.
Vamos conversar sobre o modelo cognitivo, sobre o seu problema, uso de técnicas e estratégias
cognitivo-comportamentais, estabelecer as tarefas de casa para a próxima semana e finalizar
com o resumo e o feedback desta sessão.
Inclusão de novos itens complementares da agenda, que serão abordados antes da
educação do cliente sobre o modelo cognitivo e sobre seu problema. Há algum assunto que
você gostaria de incluir na agenda? Eu (o terapeuta) gostaria de que você me falasse um pouco
sobre um assunto importante (por exemplo: sua vida escolar, namoro, atividades de lazer,
família, emprego, etc.).

Verificação do humor:

Fazer a avaliação do estado afetivo do cliente, utilizando as escalas de 0 a 100 ou as


escalas categóricas.
No caso de depressão, incluir nesta sessão a avaliação através do inventário de Beck, o
BDI.

Itens complementares da agenda:


Abordar com o cliente cada um dos temas incluídos na agenda pelo próprio terapeuta ou
por solicitação do cliente.

Educação do cliente sobre o modelo cognitivo:

Aprofundar o entendimento sobre o modelo cognitivo.


Nesta e nas próximas sessões, o modelo será ampliado, com a inclusão da distinção entre os
pensamentos da crença central (Ninguém me ama) e dos pensamentos automáticos (Meus pais
gostam mais do meu irmão do que de mim, eu não tenho amigos, eu não consigo arranjar
namorado), que sevem de base para a crença central.

Ensinar o cliente a preencher o Diário de Pensamentos Disfuncionais, que consiste em


uma ficha que o terapeuta entrega ao cliente para que este preencha com detalhes a respeito do
seu problema, informando a data e a hora em que ocorreu tal situação, o(s) pensamento(s)
automático(s), a(s) emoção(ções) desencadeada(s) e a sua resposta(s) comportamental(is),
conforme o modelo abaixo:

DIÁRIO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS:

Instrução: quando você perceber que o seu humor está piorando, pergunte a si mesmo O que
está passando pela minha cabeça agora? E assim que possível, anote o pensamento ou imagem
na coluna Pensamento Automático e complete o quadro abaixo:
Data e Situação Pensamento Emoção Comportamento
hora automático
(PA)
Que evento real, Que Que emoção O que você fez?
fluxo de pensamento(s) você sentiu
pensamentos, e/ou imagem(ns) neste
sensações físicas, passou pela sua momento?
devaneios ou cabeça? E o (tristeza,
recordações levou à quanto você raiva,
emoção acreditou em ansiedade,
desagradável? cada um no etc.) e qual a
momento? intensidade?
12/03/2008 Conversando ao Ele não está Triste: 80% Fingi que tinha que
às 10:30 celular com o interessado no Rejeitada: desligar
amigo César que eu digo. 90%
60%

A partir da semana seguinte, o terapeuta ensinará a responder a seus pensamentos automáticos,


através do questionamento da validade de tais pensamentos. O cliente será ensinado a enfrentar,
através de respostas adaptativas, seus pensamentos disfuncionais. Pode-se utilizar de perguntas
do tipo:
1) Qual a evidência de que o pensamento é verdadeiro?
2) Há uma explicação alternativa?
3) O que é o pior que poderia acontecer? Eu poderia superar isso? Qual é o resultado mais
realista?
4) Qual é o efeito de eu acreditar no pensamento automático? Qual poderia ser o efeito de eu
mudar o meu pensamento?
5) O que eu deveria fazer em relação a isso?
6) Se _______ (nome do(a) amigo(a)) estivesse na situação e tivesse esse pensamento , o que
eu diria a ele(a)?

O cliente também é ensinado a identificar distorções cognitivas.


Estas respostas adaptativas e o resultado de sua utilização, sendo que ambas serão
acrescentadas como colunas à direita do quadro do Diário de Pensamentos Automáticos,
conforme modelo em anexo.
O Mapa Mental deve ser utilizado para representar graficamente a organização dos
pensamentos na construção dos Esquemas Cognitivos, de acordo com o modelo:
Situação: Comportamento:
Conversa entre Crença central: Permanecer calada
colegas de Eu sou inadequada durante a conversa
classe

PA 3: eu não sei
PA 1: Eu só
me expressar bem
falo besteira
verbalmente
PA 2: Eles acham
que sou tola

.
Educação do cliente sobre o seu problema:

Logo no início do tratamento, o cliente é informado de que a terapia tem uma função
pedagógica destinada a ensiná-lo a detectar e a reduzir os seus sintomas. Neste sentido, é função
do terapeuta informar ao cliente sobre o seu problema, ajudando-o a conhecer-se melhor.

Para isto, o terapeuta deve preparar um material bibliográfico (folhetos explicativos) sobre o
problema do seu paciente.

Este texto, formulado com base na literatura científica da área (CID-10, DSM IV-R, entre
outros) e escrito em linguagem adequada ao nível de compreensão do cliente, será entregue a
ele para que este o leia (como tarefa de casa) e o discuta nas sessões.

A fim de identificar transtornos mentais, pode-se consultar o quadro a seguir:


Transtorno Conteúdo do pensamento típico
Depressão Visão negativa de si mesmo, do mundo e do futuro
Transtorno de ansiedade Medo de risco físico ou psicológico
generalizada
Transtorno de pânico Medo de acidente físico ou psicológico iminente

Transtorno alimentar Medo descontrolado de não ser fisicamente atraente


Hipocondria Preocupação com distúrbio médico insidioso sério
Transtorno de personalidade anti- Sensação de ser tratado de maneira injusta e de ter
social direito à sua parte justa, não importa por quais meios
Distúrbios médicos nos quais os Sensação de dor intolerável e impotência para
pacientes apresentam queixas de controlá-la
dor em graus significativos

Uso de técnicas e estratégias cognitvo-comportamentais:

As técnicas empregadas na Terapia Cognitiva são muito diversificadas e requerem um


estudo especial para que a escolha da técnica e a sua execução com o cliente seja produtiva.
Deve-se buscar estas técnicas e estratégias em manuais de terapia.

Entre as técnicas especificamente cognitivas, destacam-se:


O diário de pensamentos disfuncionais para identificação e registro de auto-observação,
Técnica de distanciamento para analisar uma situação semelhante a do cliente que ocorre com
uma pessoa próxima,
Técnica de busca de interpretações alternativas com o intuito de buscar outras explicações
sobre o problema,
Técnica de reatribuição através da qual o cliente é ensinado a atribuir realisticamente a
responsabilidade a fatores externos a si,
Técnica da flecha descendente através da qual o terapeuta faz perguntas sobre o que aconteceria
se o pensamento fosse verdadeiro,
O questionamento socrático em que o terapeuta contesta a lógica dos pensamentos automáticos,
A técnica da auto-revelação permite ao terapeuta partilhar sua experiência pessoal em relação
ao problema com o cliente, entre outras.
As técnicas comportamentais mais utilizadas são:
A exposição gradual,
A modelação,
Os experimentos comportamentais,
O relaxamento,
O planejamento de atividades,
As tarefas graduadas,
O desenvolvimento e o treinamento de habilidades sociais.

São empregadas, também, técnicas experienciais, do tipo role playing, a dramatização de


uma situação emocionalmente significativa, e a visualização de memórias antigas na presença
do afeto.

Podem ser utilizadas técnicas de outras abordagens teóricas, como:


A aplicação de questionários, escalas, inventários, testes psicométricos e técnicas projetivas.

Dependendo do caso, pode-se pedir para que o cliente trabalhe um sonho significativo ou faça
um exercício de cadeira vazia.

Cabe ao clínico escolher a melhor técnica ou estratégia que considera produtiva para o seu
cliente.

Tarefa de casa:

Ao final de cada sessão, será discutida com o cliente uma lista de atividades a serem
realizadas fora da terapia, nos moldes apresentados na primeira sessão.

Resumo:
Concluir o trabalho com uma síntese do que foi realizado na sessão é uma das
características da terapia cognitiva. Paulatinamente, esta atividade se tornará cada vez mais uma
responsabilidade do cliente.

Feedback:
É necessário, em cada sessão, ouvir do próprio cliente o que ele achou daquela sessão, o
que é obtido através do feedback.

POSTURA DO TERAPEUTA COMO FACILITADOR DO PROCESSO


TERAPÊUTICO:

Alguns cuidados do terapeuta quanto à sua postura durante o processo terapêutico são
importantes para o bom andamento da terapia.
Este cuidado manifesta-se através da sua aparência, que deve ser sóbria, seja no vestir, em
termos da suas roupas, adereços, maquiagem, etc. e nos seus gestos, que devem ser apropriados
para o setting terapêutico.
O clínico deve manter o interesse, e não guiar o cliente, acompanhando a sua fala com
locuções apropriadas (É, sim, entendo, hum...hum, etc.), mantendo o contato visual, fazendo
assentimentos com a cabeça, etc.
A fim de facilitar o processo, o terapeuta deve estimular a fala para aprofundar os temas:
retomar colocações feitas pelo cliente, utilizando, se possível, as mesmas palavras e entonação,
pedir para que explique melhor o que disse (como assim..?o que você quer dizer com...),
resumir a fala do entrevistado, etc.
Respeitar os silêncios é um dos segredos preciosos da terapia. Eles podem representar um
momento de reflexão, no qual o cliente está em processo interno de elaboração, necessitando de
tempo para isto; todavia pode também precisar de um apoio do terapeuta nesta elaboração;
portanto, espere. Mas o silêncio pode indicar o esgotamento do assunto, sendo que neste caso o
clínico deve interferir, buscando retomar a fala.
A empatia é uma ferramenta útil à terapia, pois auxilia não apenas na compreensão do
problema, mas na solidificação do vínculo terapeuta cliente. É preciso que o clínico se ponha no
lugar do cliente para poder entender o problema apresentado do ponto de vista do seu
protagonista em vez de tentar analisar a situação como um mero observador.
Pôr à luz os conteúdos não-verbais de natureza latente. Atenção aos gestos, movimentos
corporais, postura, tiques, cacoetes, movimento dos olhos, sobrancelhas, mãos, braços, pés,
pernas, etc., enquanto o cliente fala. Da sua fala, atente para os sinais paralingüísticos, tais
como entonação, pausas para a escolha das palavras, alterações no ritmo da fala, uso de
linguagem estereotipada, atos falhos, etc. Estes indicadores são muitas vezes reveladores de
informações úteis a serem checadas com o cliente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Estas são algumas orientações que vão ajudar o terapeuta, principalmente o iniciante, a
atuar de maneira mais segura na condução do processo terapêutico seguindo um modelo
cognitivista.
Como sugestão, é importante que o clínico procure complementar as informações aqui
expostas com uma sólida formação em psicopatologia, um aprofundamento na compreensão dos
conteúdos cognitivos, em especial, a identificação das crenças, e, por fim, ampliar o seu
domínio no uso das técnicas e estratégias de intervenção.

REFERÊNCIAS:
ABREU, C. N. & ROSO, M. (Orgs.) Psicoterapias Cognitiva e construtivista. Porto alegre:
Artes Médicas, 2003.
BECK, A. et. al. Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
BECK, J. Terapia cognitiva: Teoria e prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
BECK, A. et. al. Terapia cognitiva dos transtornos da personalidade. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1993.
ANEXO: Quadro completo do Diário de Pensamentos Disfuncionais
Instrução: quando você perceber que o seu humor está piorando, pergunte a si mesmo O que está passando pela minha
cabeça agora? E assim que possível, anote o pensamento ou imagem na coluna Pensamento Automático e complete o
quadro abaixo:

Data e Situação Pensamento Emoção Comportamento Resposta Resultado


hora automático Adaptativa
Que evento real, Que Que emoção O que você fez? Que distorção O quanto
fluxo de pensamento(s) você sentiu cognitiva você você acredita
pensamentos, e/ou imagem(ns) neste utilizou? agora em
sensações passou pela sua momento? Resposta às cada
físicas, cabeça? E o (tristeza, perguntas abaixo pensamento
devaneios ou quanto você raiva, para compor a automático?
recordações acreditou em ansiedade, resposta ao(s) Que emoção
levou à emoção cada um no etc.) e qual a pensamento(s) você sente
desagradável? momento? intensidade? automático(s)? agora?
Quanto você O que você
acredita em cada fará?
resposta?
12/03/2008 Conversando ao Ele não está Triste: 80% Fingi que tinha Catastrofização PA: 30%
às 10:30 celular com o interessado no Rejeitada: que desligar 1) ele já fez isto
amigo César que eu digo. 60% 90% antes (90%) Tristeza:
2) ele está 40%
preocupado com Rejeição:
outra coisa (50%) 50%
3) ele não quer
minha amizade
(30%). Eu não
superaria isto
(60%). Pode ser
impressão minha
(40%)
4) eu vou perder
o amigo (75%) e
Insistir na
amizade (50%)
5) eu deveria
falar pra ele o que
penso (80%)
6) você está
enganado (90%)
Acrescentar
outro fato
Acrescentar
outro fato
Pode-se utilizar de perguntas do tipo: 1) Qual a evidência de que o pensamento é verdadeiro? 2) Há uma explicação
alternativa? 3) O que é o pior que poderia acontecer? Eu poderia superar isso? Qual é o resultado mais realista? 4)
Qual é o efeito de eu acreditar no pensamento automático? Qual poderia ser o efeito de eu mudar o meu pensamento? 5)
O que eu deveria fazer em relação a isso? 6) Se _______ (nome do(a) amigo(a)) estivesse na situação e tivesse esse
pensamento , o que eu diria a ele(a)?