Você está na página 1de 58

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Departamento de Estruturas e Fundações

ES-012
Estruturas Pré-moldadas de Concreto

Prof. João Carlos Della Bella

4º Ciclo - 1999
Tópicos
1. Sistemas Estruturais e Peças Usuais
2. Projeto de Vigas, Pilares, Escadas.
3. Projeto dos Elementos para Pisos.
4. Peças Compostas.
5. Ligações e Elementos de Fundação.
6. Estabilidade Global sob a ação de Forças
Horizontais.
7. Esforços e Situações Presentes Durante as Fases de
Manuseio e Montagem.
8. Aspectos do Processo de Fabricação, Transporte e
Montagem.
1. Sistemas Estruturais e Peças Usuais
– 1.1 Introdução

– Estrutura Pré-moldada
– Estrutura composta por elementos pré-moldados.

– Elemento Pré-moldado
– Elemento executado fora do local de utilização
definitivo na estrutura.

– Local de Pré-moldagem
» Canteiro ou
» Fábrica (Pré-fabricados)
Exemplos:

1) Blocos de Alvenaria.
Exemplos:

2) Postes.
Exemplos:

3) Estacas de Fundação.
Exemplos:

4) Tubos e Galerias de Águas e Esgotos.


Exemplos:

5) Vigas de Pontes.
Exemplos:

6) Telhas de Cobertura.
Exemplos:

7) Galpões Industriais.
Exemplos:

8) Edifícios Multipisos.
Vantagens do Emprego de E.P.C.
• Re-utilização de formas.
• Otimização da forma das peças com o objetivo de
redução de volume (Vigas de Pontes).
• Redução ou eliminação do cimbramento.
• Produção industrializada com melhores condições
de controle de qualidade.
• Rapidez de construção (Montagem).
• Canteiro de obra reduzido.
• Uso extensivo de concretos de melhor qualidade
(Resistência, Homogeneidade, Compacidade).
• Uso extensivo de protensão:
– Aderência inicial: Produção em fábrica.
– Aderência final: Produção no canteiro.
Características Específicas das E.P.C.
• Exigem mão de obra especializada tanto na
fabricação como na montagem.
• Exigem grande integração entre os profissionais de:
– Arquitetura.
– Sistemas auxiliares elétricos, hidráulicos e mecânicos.
– Estrutura.
– Gerente de Fabricação.
– Gerente de Montagem.
• Exigem especial atenção do engenheiro estrutural
com relação aos aspectos de:
– Estabilidade global das estruturas sob a ação de
cargas verticais e horizontais.
– Detalhes de ligação dos elementos.
– Esforços durante a desforma, estocagem, transporte e
montagem dos elementos.
– Adequação das peças à disponibilidade dos
equipamentos de fabricação, transporte e lançamento
das mesmas.
Desenhos do Projeto Estrutural
• Desenhos Gerais de Montagem:
– Plantas
Desenhos do Projeto Estrutural
• Desenhos Gerais de Montagem:
– Cortes
Desenhos do Projeto Estrutural
• Desenhos Gerais de Montagem:
– Detalhes de ligação
Desenhos do Projeto Estrutural
• Desenhos de Forma de Cada Peça
Desenhos do Projeto Estrutural
• Desenhos de Armadura de Cada Peça
Normas de Referência
• NBR-9062 - Projeto e Execução de Estruturas de
Concreto Pré-moldado.
• CEB-FIP MODEL CODE 1990
Bibliografia
• Kim S. Elliott - Multi-Storey Precast Concrete Framed
Structures - Blackwell Science (1996).
• Prestressed Concrete Institute - Manual for Structural
Design of Architectural Precast Concrete (1989).
1.2 Peças Usuais para Pisos
a) Viga e Bloco
– Uso em pequenas edificações residenciais e
comerciais (Vãos de 3m a 5m).
1.2 Peças Usuais para Pisos

b) Pré-laje Treliçada
– Vãos : 4,5m a 7,5m
1.2 Peças Usuais para Pisos
b) Pré-laje Treliçada
1.2 Peças Usuais para Pisos
b) Pré-laje Treliçada
1.2 Peças Usuais para Pisos
b) Pré-laje Treliçada
1.2 Peças Usuais para Pisos

c) Viga e Pré-laje
– Vãos: 18m a 21m
1.2 Peças Usuais para Pisos
c) Viga e Pré-laje
1.2 Peças Usuais para Pisos

d) Painéis Duplo T ou p
– Vãos: 14,5m a 24m
1.2 Peças Usuais para Pisos

e) Lajes Alveolares
– Vãos: 7m a 22,5m
1.3 Peças Usuais para Coberturas
a) Telha W
– Vãos de até 25m
1.3 Peças Usuais para Coberturas

b) Telha Y
1.4 Vigas Portantes e de Travamento
a) Viga Centrais para Pisos
1.4 Vigas Portantes e de Travamento
a) Viga Centrais para Pisos

h
1.4 Vigas Portantes e de Travamento

b) Viga de Fachada para Pisos


1.4 Vigas Portantes e de Travamento
b) Viga de Fachada para Pisos
1.4 Vigas Portantes e de Travamento
b) Viga de Fachada para Pisos
1.4 Vigas Portantes e de Travamento

c) Vigas Calhas
para Cobertura
1.5 Pilares
Usualmente:
– quadrados ou
– retangulares

Menor dimensão ≥ 30cm


1.5 Pilares
1.6 Blocos ou Sapatas em forma de taça
1.6 Blocos ou Sapatas em forma de taça
1.6 Blocos ou Sapatas em forma de taça
1.6 Blocos ou Sapatas em forma de taça
1.7 Escadas
1.7 Escadas
1.8 Fechamentos Laterais para Galpões
• Painéis duplo T ou p
1.8 Fechamentos Laterais para Galpões

• Painéis Alveolares
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade
Global sob Ação das Cargas Verticais e
Horizontais
a) Estruturas Articuladas não Contraventadas
– Pilares em balanço, engastados na base são
responsáveis pela estabilidade (Forças horizontais e
Efeitos de 2ª ordem)
– Este tipo de estrutura apresenta o sistema de
montagem mais simples.
– Sua altura máxima recomendada é da ordem de 10m
em função dos grandes momentos induzidos na
fundação e das grandes dimensões resultantes para
os pilares.
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
a) Estruturas Articuladas não Contraventadas

2ªOrdem

M
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais

b) Estruturas Aporticadas
São providenciadas ligações rígidas entre vigas e
pilares, em geral junto às fachadas, onde podem ser
colocadas vigas de maior rigidez.

M
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
b) Estruturas Aporticadas

As lajes trabalham como vigas-parede horizontais,


ligando os elementos articulados aos pórticos
de contraventamento.
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais

Exemplo
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
b) Estruturas Aporticadas

Os pórticos de contraventamento são responsáveis pela


resistência de todas as cargas horizontais e do efeito de
2ª ordem de todas as cargas verticais.

Planta
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
b) Estruturas Aporticadas

Elevação
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais

c) Estruturas Contraventadas
São estruturas onde estão presentes paredes ou caixas
de contraventamento, paredes estas estrategicamente
colocadas junto a caixas de escadas, caixas de
elevadores, fachadas.
Estas paredes podem ser compostas por:
– Alvenaria de blocos
– Painéis alveolares
– Painéis sólidos
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
c) Estruturas Contraventadas
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
c) Estruturas Contraventadas

Para maiores alturas são


recomendadas
paredes em balanço,
sólidas ou alveolares,
e caixas em balanço
1.9 Sistemas Estruturais para Estabilidade Global sob Ação das
Cargas Verticais e Horizontais
c) Estruturas Contraventadas