Você está na página 1de 9

Aula 01 – Conjuntos Prof.

Maurício Guy de Andrade Matemática e Estatística

Introdução

Teoria dos Conjuntos iniciou-se no fim do século XIX pelo matemático russo Georg Cantor. Conjuntos
não podem ser definidos, mas entende-se por conjunto toda lista de objetos, símbolos que seja bem
definida.

Conceitos primitivos:

- Conjunto

- Elemento

- Pertinência

Coleção de objetos: conjunto

Objetos da coleção: elementos

Se o elemento está presente, então ele pertence. (pertinência)

Dados um elemento x (de algum conjunto X) e um conjunto Y arbitrários, a relação entre x e Y ́e a


RELACAO DE PERTINENCIA. Se x é um dos elementos do conjunto Y então dizemos que x pertence a
Y e escrevemos x ∈ Y. Se x não ́e um dos elementos do conjunto Y então dizemos que x não
pertence a Y e escrevemos x ∉ Y.

Exemplos: Considerando os exemplos anteriores, temos:

Fulano ∈ A , Ciclano ∉ A .

Símbolos

- O elemento 1(um) pertence ao conjunto A: 1∈A


- O elemento 3 não pertence ao conjunto A: 3∉A
- Existe algum: ∃
- Qualquer que seja: ∀
- Tal que: |
Conjuntos importantes:
- Conjunto vazio: não possui nenhum elemento. É representado por ∅ ou { }.
- Conjunto unitário: possui um único elemento.

Representações
Um conjunto pode ser representado por chaves.
Ex: A = {–1, 0, 1}

Indicando uma propriedade que caracterize cada um de seus elementos:

Ex: A=x∈Z |−2<x<2

Por meio de uma figura fechada. (Diagrama de Venn-Euler)

Conjuntos Iguais

A=B

Subconjuntos

O conjunto A é subconjunto de B se todo elemento de A é elemento de B. Representa-se A⊂B(A


está contido em B). Ou B ⊃ A e dizemos que B contém A.

Propriedades:
Sendo A, B e C conjuntos quaisquer, tem-se:
-A⊂A
- ∅⊂ A
- (A⊂B e B⊂A)⇔A=B
- (A⊂B e B⊂C)=>A⊂C
Conjunto das partes
É o conjunto cujos elementos são os subconjuntos de A. É representado por P(A).
Propriedade: se o conjunto A possui n elementos, então P(A) possui 2n elementos, ou seja, o
conjunto A possui 2n subconjuntos.
Dado um conjunto X, indica-se por P(X) o conjunto cujos elementos s˜ao os subconjuntos
de X. P(X) ´e chamado o CONJUNTO DAS PARTES de X.
Afirmar que A ∈ P(X) ´e o mesmo que dizer que A ⊂ X . P(X) = { A ; A ⊂ X } .
P(X) nunca ´e vazio, pois φ ∈ P(X) e X ∈ P(X) (propriedades 1 e 2 acima).
Exemplos:

Se X = { 4, F, E }, temos:

P(X) = { φ , {4} , {F} , {E } , {4, F} , {4, E } , {F, E } , {4, F, E } = X } .

P( φ ) = { φ } .

Q ∈ P(IR) , pois Q ⊂ IR .
Operações com Conjuntos

União
Intuitivamente, unir dois ou mais conjuntos significa agrupá-los com intuito de torná-los um só
Definição:
Dados dois conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto união de A e B por:
A∪B= {xx∈A ou x∈B}

- A∪∅ = A (elemento neutro);


- A∪A = A (recíproca)
- A∪B=B∪A (comutativa)
- A∪(B∪C)=(A∪B)∪C (associativa)
Exemplos:

Dados os conjuntos A = {0, 1, 2, 3, 4}, B = {1, 3, 5, 7} e C = {5, 6, 7, 8, 9}, vamos obter:


a) A ∪ B.
b) A ∪ B ∪ C.

Solução:
a) A ∪ B = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 7}
b) A ∪ B ∪ C = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}

Exemplo:

Números Naturais (N): 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, ....
Números Inteiros (Z): ..., –8, –7, –6, –5, –4, –3, – 2, –1, 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, .....
Números Racionais (Q): 1/2, 3/4, 0,25, –5/4,
Números Irracionais (I): √2, √3, –√5, 1,32365498...., 3,141592....

Podemos concluir que o conjunto dos números reais é a união dos seguintes conjuntos:

N U Z U Q U I = R ou Q U I = R

Interseção

Intuitivamente, um elemento faz parte da interseção de dois ou mais conjuntos, se ele pertence a
todos esses conjuntos ao mesmo tempo.
Definição: Dados dois
conjuntos A e B, representa-se e define-se o conjunto interseção de A e B por:
A ∩ B = {x  x ∈ A e x ∈ B}
Para três conjuntos arbitrários A, B e C, valem as seguintes propriedades:
-A∩∅=∅
- A ∩ A = A (recíproca)
- A ∩ B = B ∩ A (comutaXva)
- A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C (associaXva)
Exemplos:
Dados os conjuntos A = {0, 1, 5}, B = {0, 2, 5, 7}, C = {4, 6, 7, 9} e D = {0, 1, 6}, vamos obter:
a) A ∩ B.
b) A ∩ C.
c) A ∩ B ∩ D.

Solução:

a) A ∩ B = {0, 5}
b) A ∩ C = Ø
c) A ∩ B ∩ D = {0}

Diferença entre conjuntos

Dados dois conjuntos A e B, define-se o conjunto diferença A - B por:


A – B = {x  x ∈ A e x ∉ B}

Para a diferença entre conjuntos, valem as seguintes propriedades:


-A–∅=A
-∅–A=∅
-A–A=∅

Exemplo 1:
Dados os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {2, 4, 6}, obtenha:
a) A – B.
b) B – A.

Solução:
a) A – B = {1, 2, 3, 4, 5} – {2, 4, 6} = {1, 3, 5}
b) B – A = {2, 4, 6} – {1, 2, 3, 4, 5} = {6}
Exemplo 2:
Se A = {x natural, menor que 10 / x é par} e B = {x natural, menor que 10 / x é primo}. Determine A –
B e B – A.
Respostas:
a) A – B = {0, 4, 6, 8}
b) B – A = {3, 5, 7}

Complementar de um conjunto
Dados dois conjuntos A e V tais que A ⊂ V, representa-se o complementar de A em relação a V por
CVA, A¯¯¯ ou A'. Por definição, CVA = V – A.

São válidas as seguintes propriedades:


- CV=(A∪B)=CVA∩CVB
- CV(A∪B)=CVA∩CVB

Exemplo:

Dados os conjuntos X = {1, 2, 4}, Y = {1, 2, 3, 4, 5}, X ⊂ Y. Obter CYX.


CYX = Y – X = {1, 2, 3, 4, 5} – {1, 2, 4} = {3, 5}

Princípio da inclusão e exclusão (para dois conjuntos)


Princípio que serve para calcular o número de elemento da união de dois conjuntos A e B, em função
do número de elementos de A, de B e de A interseção B.

n(A∪B)=n(A)+n(B)−n(A∩B)

Onde:
n(A) = número de elementos do conjunto A;
n(B) = número de elementos do conjunto B;
n(A ∩ B) = número de elementos da interseção;
n(A ∪ B) = número de elementos da união.
Exemplo:
Sejam A = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7} e B = {4, 5, 6, 7, 8, 9}, temos:
- A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
- A ∩ B = {4, 5, 6, 7}
Podemos comprovar pelo princípio da inclusão e exclusão que:
n(A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B)
9 = 7 + 6 – 4 (verdadeiro)
Exercícios

1. Numa turma de 42 alunos, o professor perguntou: “Quem é torcedor do Flamengo?” 36


levantaram o braço. A seguir, perguntou: “Quem é nascido na cidade do Rio de Janeiro?” 28
levantaram o braço. Sabendo que nenhum aluno deixou de levantar o braço, vamos determinar
quantos alunos são flamenguistas e cariocas.
Solução
Flamenguistas: F
Cariocas: C
n(F U C) = 42 (total de alunos)
n(F) = 36; n(C) = 28; n(F∩C) = x
Pelo PIE, temos:
42 = 36 + 28 – x
42 = 64 – x; assim, x = 22
Logo; n(F ∩ C) = x = 22

2. (UFF) Os conjuntos não-vazios M, N e P estão, isoladamente, representados abaixo. Considere a


seguinte figura que estes conjuntos formam.
A região hachurada pode ser representada por:

a) M ∪ (N ∩ P)
b) M – (N ∪ P)
c) M ∪ (N – P)
d) N – (M ∪ P)
e) N ∪ (P ∩ M)

Solução
Opção (B). Os elementos da região hachurada pertencem a M e não pertencem a N∪P.

03. (UnB) Dado o conjunto {a, b, c, d, e, f, g} o número máximo de subconjuntos distintos é:

a) 21
b) 128
c) 64
d) 32
e) 256

Resposta: 27= 128

04. (ESAL) Foi consultado um certo número de pessoas sobre as emissoras de TV que habitualmente
assistem. Obteve-se o resultado seguinte: 300 pessoas assistem ao canal A, 270 pessoas assistem o
canal B, das quais 150 assistem ambos os canais A e B e 80 assistem outros canais distintos de A e B.
O número de pessoas consultadas foi:

a) 800
b) 720
c) 570
d) 500
e) 600
Resposta: D (500) Resolução: 300-150= 150 (canal A); 270 -150= 120 (canal B) e 80 de outros, sendo
150+120+150+80=500

05. (UF - Uberlândia) Num grupo de estudantes, 80% estudam Inglês, 40% estudam Francês e 10%
não estudam nenhuma dessas duas línguas. Nesse grupo, a porcentagem de alunos que estudam
ambas as línguas é:

a) 25%
b) 50%
c) 15%
d) 33%
e) 30%

Resposta: E (30%)

6. Os senhores A, B e C concorriam à liderança de certo partido político. Para escolher o líder, cada
eleitor votou apenas em dois candidatos de sua preferência. Houve 100 votos para A e B, 80 votos
para B e C e 20 votos para A e C. Em consequência:

a) venceu A, com 120 votos.


b) venceu A, com 140 votos.
c) A e B empataram em primeiro lugar.
d) venceu B, com 140 votos.
e) venceu B, com 180 votos.

Resposta: Votos recebidos pelo candidato A = 100 + 20 = 120


Votos recebidos pelo candidato B = 100 + 80 = 180
Votos recebidos pelo candidato C = 80 + 20 = 100

Portanto, letra e

7. Considerando que A U B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8}, A ∩ B = {4, 5} e A – B = {1, 2, 3}, determine o


conjunto B.

Resposta:

Resolveremos o exercício com o auxílio dos Diagramas de Venn. Observe:

A U B = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8}
A ∩ B = {4, 5}
A – B = {1, 2, 3}
O conjunto B é formado pelos seguintes elementos: {4, 5, 6, 7, 8}.

8. Dados os conjuntos A = {0, 1}, B = {0, 1, 2} e C = {2, 3}, determine (A U B) ∩ (B U C).

Resposta: A = {0, 1}
B = {0, 1, 2}
C = {2, 3}

A U B = {0, 1, 2}

B U C = {0, 1, 2, 3}

(A U B) ∩ (B U C) = {0, 1, 2}

9. Considerando os conjuntos U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6}, A = {1, 2}, B = {2, 3, 4}, C = {4, 5} determine (U –
A) ∩ (B U C).

Resposta: U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6}
A = {1, 2}
B = {2, 3, 4}
C = {4, 5}

(U – A) ∩ (B U C)

(U – A) → {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6} – {1, 2} → {0, 3, 4, 5, 6}

(B U C) → {2, 3, 4} U {4, 5} → {2, 3, 4, 5}

(U – A) ∩ (B U C) = {0, 3, 4, 5, 6} ∩ {2, 3, 4, 5}

(U – A) ∩ (B U C) = {3, 4, 5}