Você está na página 1de 14

g1’18// ​vem e verás

GUIÃO DOS BDS


2
dia 2

convite//promessa

Relação com o Em Ventoscão, com Penaleve, que precisa de ajuda para


imaginário descobrir os seus sonhos, e de força para resistir aos ventos

Relação com a vida expectativas, sonhos

Texto bíblico No dia seguinte, João encontrava-se de novo ali com dois dos seus discípulos.
inspirador Então, pondo o olhar em Jesus, que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus!»
Ouvindo-o falar desta maneira, os dois discípulos seguiram Jesus. Jesus
voltou-se e, notando que eles O seguiam, perguntou-lhes: «Que pretendeis?»
Eles disseram-lhe: «Rabi - que quer dizer Mestre - onde moras?» Ele
respondeu-lhes: «Vinde e vereis.» Foram, pois, e viram onde morava e ficaram
com Ele nesse dia. Eram as quatro da tarde.”

Teatro A história do senhor Penaleve

Conhecemos um ventoscão chamado Penaleve que passava por um problema


grave até ao dia em que conheceu o Gambozino Amarelo.
O Penaleve tinha o costume, como era bastante comum entre a gente da sua
terra, de colocar os seus sonhos mais importantes num papel e colá-lo na testa
para que todos pudessem ver… Era uma tradição antiga para que os amigos
pudessem conhecer os seus desejos e, assim, ajudar a alcançar. O grande
problema desta gente eram os Sopradores, um conjunto de criaturas irritantes
que achavam graça ao vento e o faziam soprar ainda mais. Ora, assim, os
sonhos nunca se aguentavam muito tempo presos na testa… e os ventoscões
viviam muito tristes por isso.
Arejado conta-nos que tinha dois sonhos principais: um era querer ser o tipo
mais cool da cidade, aquele para quem todas as miúdas olhavam e os rapazes
invejavam; outro era o poder ser verdadeiro e ele próprio, sem medo do que os
outros pudessem pensar dele (?)

Fala-nos do seu professor que muitas vezes lhes tinha falado sobre a
importância de definir os seus desejos e sonhos, mas que nunca ninguém tinha
conseguido ir muito longe no combate contra os ventos. Falava-se que um dia
Alguém viria ensinar a superar o vento.
Conta então, já sem confusão, sobre o dia em que, às quatro da tarde, viu pela
primeira vez o Gambozino Amarelo… mas a única coisa que consegue adiantar
sobre a sua descrição é que “era… um gambozino… amarelo!”
Ganhou coragem para falar com Ele e foi conhecer a sua casa… estava muito
nervoso e tinha na sua cabeça muitas coisas para lhe dizer e muitas (falsas)
imagens de como seria este G.A.; mas que tudo foi diferente e bem melhor do
que esperava. Aquele dia foi o mais importante da sua vida.
Até aquele dia sonhava muito e sonhava acordado… queria ser o maior da
Ventoscânia: o tipo mais importante, mais respeitado de todos… sonhava ser X
e Y. Mas logo isso passava: porque ‘os ventos iam e vinham quando lhes
apetecia’ e os seus sonhos voavam como folhas de papel… Mas quando
conheceu o GA aprendeu a dar importância aos sonhos certos, a ‘atar
chumbinhos’ nos que podiam ir mais longe: por si próprios e não pela força
vento.

Exposição breve + Discussão da história; ​Há sonhos que não faz mal deixar voar; há
outros que que devemos agarrar melhor
+ A importância da imagem;
+ A memória do dia mais marcante de sempre;
+ A passagem das expectativas para a decisão de ir atrás d’Ele.
+ Que sonhos é que tens, Gambozino?

3
+ Todos os sonhos que tens são iguais? São ao mesmo nível? Importam
o mesmo? “Ser como o Ronaldo” valerá o mesmo que querer “ser
bom”? Ou serão dois tipos de Bom diferentes?
+ Quais são os sonhos importam?

Dinâmica + Jogar com o peso dos sonhos e das expectativas…


+ Por um lado podemos ir pelo ‘o que espero deste campo?’
+ Por outro talvez valha a pena uma estratégia que ajude a partilhar os
meus sonhos… e a perceber que uns pesam mais que outros… Um
‘jogo’ que ajude a perceber que uns são atacados pelos ventos da
Ventoscânia e outros são tão pesados (=consistentes) que os ventos
malditos deste planeta não podem afectar.

IDEIA: A BALANÇA DOS SONHOS (em equipa)


- Apresenta-se uma caixa com terra. Dentro da caixa, escondidas na terra,
estarão bolas
- As bolas têm (a) cores, (b) pesos e (c) nomes diferentes
- Bolas pesadas = sonhos consistentes; bolas leves = sonhos passageiros
- Os g1s escolhem as bolas que mais gostarem (cada um só pode escolher 3
bolas)
- Depois, cada g1 tem que pesar os seus sonhos, para saber se eles têm ou não
consistência

O QUE FIZEMOS, DE FACTO


Em pequenos grupos, os participantes foram convidados e responder a 3
questões:
(1) Que sonhos tenho?
(2) Será que os meus sonhos têm futuro?
(3) O que posso fazer para realizar os meus sonhos?

4
dia 3

Identidade

Relação com o Em Canhanho Remoto com o Sr. Catarata, que ajuda a conhecer
imaginário a história do G.A.

Relação com a vida A vida em casa

Texto bíblico Jesus entrou em Jericó e atravessava a cidade. Havia lá um homem rico
inspirador chamado Zaqueu, chefe de cobradores de impostos. Queria ver quem era
Jesus, mas como era muito baixo não conseguia, por causa da multidão. Correu
então adiante do povo, subiu a uma figueira brava e ficou à espera que Jesus
por ali passasse para o ver. Quando Jesus lá chegou, olhou para cima e
disse-lhe: "Zaqueu, desce depressa, porque hoje preciso de ficar em tua casa."
Ele desceu imediatamente e recebeu Jesus com alegria. Ao verem isto,
começaram todos a criticar e a dizer que Jesus tinha ido para casa de um
homem de má fama. Então Zaqueu pôs-se de pé e falou assim: "Escuta-me,
Senhor! Vou dar aos pobres metade de todos os meus bens e às pessoas a
quem prejudiquei vou dar-lhes quatro vezes mais." Jesus então declarou: "Hoje
entrou a salvação nesta casa, pois este homem também é descendente de
Abraão. Na verdade, o Filho do Homem veio buscar e salvar os que estavam
perdidos."
Lucas 19, 1-10

Teatro O Sr. Catarata conta-nos a história do Ancião Zaqueu,


quando este era ainda um jovem

Zaqueu, quando era jovem, vivia na região de ​Champinhão Blão​. Naquela


região, todas as pessoas eram azuis, excepto Zaqueu e a sua família, que eram
verdes. Revoltado, com isso, Zaqueu desenvolveu um péssimo hábito:
vandalizar cogumelos​. Às vezes pintava graffitis em cogumelos; outras vezes
roubava-os e levava-os para casa.
Um dia, Zaqueu ouviu dizer que um tal G.A. vinha visitar Champinhão Blão.
Disfarçando-se com um casacão azul, Zaqueu esgueirou-se pelas ruas e
escondeu-se em cima do Grande Cogumelo Azul, à espera que G.A. passasse.
À volta do G.A, havia uma multidão de criaturas azuis. De repente, o G.A. viu
Zaqueu e disse-lhe: «Zaqueu, desce daí! Quero ir visitar a tua casa».
Zaqueu sentiu muita vergonha: Jesus ia descobrir a verdade! Apesar da
vergonha, Zaqueu aceitou. Quando G.A. entrou em sua casa, viu todos aqueles
cogumelos azuis. Arrependido, Zaqueu decidiu mudar de hábitos.

Dinâmica Cartão Gê
Cada g1 terá que preencher um ​cartão de identidade ​(= ​cartão gê​).
(a) g1 em casa
(b) g1 nas aulas
(c) g1 com os amigos
(d) principais talentos: desporto, artes, estudo, cozinha, comunicar
(e) coisa mais fixe/ difícil que já aconteceu

O QUE FIZEMOS, DE FACTO


Cada participante recebeu uma folha recortada em forma de rosto. Cada
animador tinha uma folha A3 com várias palavras/ expressões: umas tinham que
ver com qualidades; outras, com medos; outras, com aspectos a melhorar.
Cada participante deveria escolher algumas palavras da lista e escrevê-las no
verso do rosto. Depois, podiam ainda decorar o seu rosto a gosto. No final, os
participantes falavam sobre o que tinham escrito.

5
dia 4

resistências

Relação com o Em Sofázilândia com o Primo Melrão, um Pássaro Inchado que


imaginário desaprendeu a voar por excesso de peso

Relação com a vida O que não me deixa ser quem sou/ o meu pecado

Texto bíblico «Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, disse-lhe: ‘Filho, vai hoje
inspirador trabalhar na vinha.’ Mas ele respondeu: ‘Não quero.’ Mais tarde, porém,
arrependeu-se e foi. Dirigindo-se ao segundo, falou-lhe do mesmo modo e ele
respondeu: ‘Vou sim, senhor.’ Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade ao pai?»
Responderam eles: «O primeiro.»

Teatro Hoje estamos na Sofázilândia, uma terra bastante confortável, cheia de criaturas
invulgares. Conhecemos o Arranca, um Pássaro Balofo, e o seu irmão Acelera,
o Pássaro mais lento da cidade.
Os dois irmãos tinham problemas semelhantes: um rabo muito pesado para se
levantar e uma barriga demasiado grande para que as asas conseguissem
levantar voo. Mas viviam muito pouco preocupados com isso, já que o seu
desporto favorito era o ​Esparreburguer,​ que consistia em estar sentado e comer
hambúrgueres… se possível a fazer nada mais.
O Pai, um outro pássaro igualmente elegante, necessita da ajuda de ambos
para uma missão bastante simples: levantar o rabo do ninho/sofá e ir fazer ….
Ambos odiarão a ideia: Arranca dirá que não lhe apetece ir, que não quer ir, mas
na verdade, foi capaz de largar o sétimo hambúrguer e, com ajuda de uma grua,
levantar o rabo e fazer o recado ao pai.
O segundo, o Acelera, sempre muito rápido a responder, dirá que sim mas, na
verdade, não vai.

Exposição breve + Os meus impedimentos:


+ quais são as coisas que fazem pesar o meu rabo e não me
deixam levantar?
+ quais são as coisas que pesam na minha barriga e não me
deixam voar e agir
+ quais são os hambúrgueres que me distraem do essencial?

Dinâmica DINÂMICA EM DOIS MOMENTOS


1. DURANTE O BDS
Havia 6 características negativas (+1 extra), representadas por uma cor:
- preguiça
- conflituosidade
- teimosia
- ‘ter a mania’ (que se é bom)
- egoísmo
- pensar mal dos outros

Dois animadores fizeram pequenos sketches a representar cada uma


das características, e apresentaram-nos a todo o grupo. Em seguida, os
participantes juntaram-se em equipa. O animador tinha consigo 7
molhos de guitas pintadas (cada molho > uma cor > uma característica).
Cada participante deveria escolher as ‘guitas’ correspondentes e
explicar por que motivo as tinham escolhido. No final, cada um atava as
suas guitas como pulseiras.

6
2. DURANTE A MISSA
No início da missa, os participantes receberam 2 pulseiras, uma em
cada pulso. Após a homilia, cada um foi convidado a pensar em 2
pessoas do campo: (a) uma a quem quisessem pedir desculpa; (b) outra
a quem quisessem agradecer. Depois de alguns momentos de silêncio,
cada um, à vez, foi convidado a ir ter com essas duas pessoas, e cada
uma desapertava-lhe uma pulseira.
No final, recolheram-se as várias pulseiras e todas foram queimadas
como ‘incenso’.

7
dia 5

conhecer Jesus

Relação com o A caminho de São Longínquo, vão encontrando pessoas a quem


imaginário o G.A. tinha ajudado

Relação com a vida exemplos de vida

Texto bíblico Jesus levantou-se muito antes de nascer o dia, saiu de casa e foi para um lugar
inspirador isolado, onde ficou em oração. Simão foi com os companheiros à procura dele e,
quando o encontraram, disseram-lhe: «Andam todos à tua procura!» Jesus
disse-lhes: «Vamos a outras povoações das redondezas para eu lá também
pregar, pois foi para isso que eu vim.» Jesus andava por toda a Galileia,
pregava nas suas sinagogas e expulsava espíritos maus.
Veio depois um homem com lepra procurar Jesus e pediu-lhe de joelhos: «Se
quiseres, podes curar-me. da lepra.» Jesus teve muita pena dele, estendeu a
mão, tocou-lhe e disse: «Quero, sim! Estás curado..» E naquele mesmo instante
a lepra desapareceu e ficou curado.
Marcos 1, 35-42

Teatro Os extraordinários eventos a caminho de São Longínquo


[Trata-se de um BDS que se estende ao longo do dia inteiro, com 3 momentos
(+ missa). Há marcas amarelas espalhadas pelo caminho, que são indícios da
passagem do G.A.]
De manhã, na roda, o Aprendiz aparece para dizer que encontrou marcas
amarelas no caminho. Juntos, todos decidem segui-las: quem sabe se elas não
nos vão conduzir até ao G.A.?

NOTA: ​todas as personagens têm um lenço amarelo, que é o que desencadeia


as conversas com o Aprendiz.

PRIMEIRA PARAGEM
O monge guna que rega flores e toma conta de criancinhas
- No primeiro posto, os g1s encontram uma pessoa estranha: um homem com
hábito de monge, mas com um rosto com marcas de ‘guerra’ (cicatrizes, brincos,
pala num olho). Para além disso, o homem tem um regador na mão e rega
florinhas. À sua volta há criancinhas a brincar, felizes e pacíficas. O monge tem
um lenço amarelo.
- O Aprendiz aproxima-se e fala com o monge e começam a falar.

Tópicos da vida do monge (que fala com voz rouca e queixo descaído - os
últimos vestigios dos velhos hábitos):
+ Chama-se Arnaldo
+ Antes, tinha tido uma vida do piorio. Fazia contrabando com os pássaros
inchados, roubava, …
+ Chegou até a ir para a prisão
+ Tinha uma raiva constante: chegaram até a dar-lhe uma vacina, mas nunca
resultou
+ Depois de conhecer o G.A., tudo mudou
+ Agora cuidava de crianças e tinha um pequeno jardim

SEGUNDA PARAGEM
A mãe coelha que conta como um dos seus filhos foi ressuscitado
- No segundo posto (depois do almoço), os g1s vêem uma senhora coelha a
atravessar o caminho com a sua ninhada
- Todos levam um lenço amarelo ao pescoço
- O Aprendiz pergunta-lhe se conhece o G.A. e é então que a senhora conta a
sua história

8
Tópicos da vida da senhora coelha ​(que segura o filho-ressuscitado ao colo e
faz-lhe festas no pêlo enquanto fala)
+ Chama-se Felicidade Fecunda
+ Só teve uma ninhada
+ O mais novo nasceu muito doente e frágil. Nem cenouras comia
+ No início das febres, pensou que fossem os dentes a nascer, mas não: era
pior
+ Mandou o marido pedir ajuda
+ Apareceu-lhe aquele G.A.: muito alto e amarelo
+ Salvou-lhe o filho. É por isso que, agora, todos usam um lenço amarelo lá em
casa

Terceira paragem:
Dois amigos insólitos: um peixe e um pescador que jogam às cartas
- No terceiro posto (à hora do lanche), os g1s descobrem duas personagens
incríveis, sentadas a uma mesa, a jogar às cartas. Ambas têm um lenço
amarelo, e é por isso que o Aprendiz se aproxima.
- O pescador está sentado com uma rede e uma cana de pesca ao seu lado, e
ainda com um regador.
- O peixe tem os pés metidos num alguidar com água, e ainda uma linha com
anzol a fazer de cachecol. De tempos a tempos, para não secar, é regado pelo
pescador.
- Os 2 estão a jogar ao peixinho.

Tópicos da vida de ambos


+ O pescador (Júlio Traineira) conta que um dia, estava a pescar, e sentiu a
linha puxar: era o maior peixe que alguma vez tinha pescado
+ O peixe (Vladimir Salgado) diz que viu o melhor isco de sempre e que nem
pensou segunda vez
+ Quando subiu à tona e ficaram face a face, viram um brilho amarelo intenso:
Vladimir não quis lutar contra Júlio; Júlio não quis comer Vladimir
+ As pessoas estranharam aquela amizade: nunca tal se tinha visto
+ O G.A. mudou a vida de ambos

Dinâmica DINÂMICA DA 1ª PARAGEM


Conversar com um amigo sobre um disparate e uma coisa boa
que tenhamos feito.

DINÂMICA DA 2ª PARAGEM
Conversar com alguém que ainda não conhecíamos bem sobre
quem somos, sobre a nossa família, etc.

9
dia 6

seguir Jesus

Relação com o Em Wanabínia com Igor Aparente, o camaleão que precisa de


imaginário ​ ​parecer
aprender a diferença entre ​ser e

Relação com a vida os heróis a quem queremos seguir

Texto bíblico Quando se punha a caminho, alguém correu para Ele e ajoelhou-se,
inspirador perguntando: «Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?» Jesus
disse: «Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão um só: Deus. Sabes os
mandamentos: ​Não mates, não cometas adultério, não roubes, não levantes
falso testemunho,​ não defraudes, ​honra teu pai e tua mãe.​ »
Ele respondeu: «Mestre, tenho cumprido tudo isso desde a minha juventude.»
Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele e disse: «Falta-te apenas uma
coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro
no Céu; depois, vem e segue-me.» Mas, ao ouvir tais palavras, ficou de
semblante anuviado e retirou-se pesaroso, pois tinha muitos bens.

Teatro O Igor Aparente vê passar diante de si 3 pessoas diferentes. Vê um wanabita


inteligentíssimo e tenta imitá-lo. Vê depois uma wanabita lindíssima e tenta ser,
também ele, lindo de morrer. Finalmente, vê passar um futebolista e tenta
imitá-lo, sempre sem sucesso. Ao vê-lo assim desesperado, o Aprendiz
pergunta-lhe o que se passa. Igor desabafa que não sabe o que deve fazer para
viver e ser feliz como aquelas pessoas que ele admira. O Aprendiz convida-o a ir
à procura do Gambozino Amarelo.

Exposição breve + Seguir Jesus significa fazer as coisas à sua maneira e não apenas
imitar tudo como Ele fez; o mesmo com os santos, ..

Dinâmica QUEM SÃO OS MEUS HERÓIS


Formam-se novos grupos. Cada grupo tem que partilhar entre si sobre:
(a) quem são os meus heróis?
(b) o que faz deles pessoas especiais?
(c) será que, para seguir o meu herói, devo deixar de ser quem sou?

10
dia 7

comunidade

Relação com o No Reino das formigas Gêgontes, que precisam de redescobrir o


imaginário valor da comunidade e da amizade

Relação com a vida Os verdadeiros amigos

Texto bíblico Um dia, em que ele estava ensinando, achavam-se sentados perto dele fariseus
inspirador e doutores da lei, vindos de todas as aldeias da Galiléia, da Judéia e de
Jerusalém; e o poder do Senhor estava com ele para curar. Vieram uns homens,
trazendo um paralítico em um leito, e procuravam introduzi-lo e pô-lo diante de
Jesus. Não achando por onde introduzi-lo por causa da multidão, subiram ao
eirado e, por entre os ladrilhos, o desceram no colchão para o meio de todos,
diante de Jesus. Vendo este a fé que eles tinham, disse: Homem, são
perdoados os teus pecados.
Começaram os escribas e os fariseus a discorrer, dizendo: Quem é este que
profere blasfêmias? Quem pode perdoar pecados senão só Deus?
Mas Jesus, percebendo-lhes os pensamentos, disse-lhes: Que discorreis nos
vossos corações?
Qual é mais fácil, dizer: Perdoados são os teus pecados; ou dizer: Levanta-te e
anda? Para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra autoridade para
perdoar pecados-disse ao paralítico: A ti te digo: Levanta-te, toma o teu leito e
vai para tua casa. Imediatamente se levantou diante deles, tomou o leito em que
jazia e partiu para sua casa, glorificando a Deus.
Todos ficaram atônitos, glorificaram a Deus e encheram-se de temor, dizendo:
Hoje vimos coisas extraordinárias.
Lucas 5,12-26

Teatro A história das formigas campistas


Duas formigas gêgontes (o Godofredo e o Segismundo) decidem ir acampar. À
noite, quando chegam ao acampamento, cada uma monta a sua tenda e vão
dormir. De repente chega outra formiga (Patafofa) e pede ajuda ao Godofredo.
Ao ver o estado de Patafofa, Godofredo recebe-o, mas não tem comida para lhe
dar.
Entretanto, começa a chover (​baldes de água​) e Godofredo tem que se sacrificar
para ir até à tenda de Segismundo. Por já ser muito tarde, Segismundo não
queria responder. Enquanto isso, Godofredo continua a sofrer à chuva. Só ao
fim de algum tempo é que Segismundo responde e dá algo para comer.

Dinâmica Bom ou Mau amigo?


Três animadores representaram 3 pequenos sketches em que se
mostravam 3 situações em que alguém era ​mau amigo​: (a) aconselhava
a mentir; (b) fazia intrigas; (c) convencia a fazer disparates.
Depois de assistirem aos pequenos sketches, os participantes
juntaram-se por equipas, e cada equipa teve que reflectir sobre os
exemplos que viram:
(a) o que aconteceu?
(b) o que faz um verdadeiro amigo?

11
dia 8

cruz

Relação com o Em Bufaria, a tentar salvar os habitantes do planeta Gê do


imaginário Horrível P.U.M.

Relação com a vida lidar com situações difíceis

Texto bíblico «Em verdade, em verdade vos digo: quem não entra pela porta no redil
inspirador das ovelhas, mas sobe por outro lado, é um ladrão e salteador. Aquele
que entra pela porta é o pastor das ovelhas. 3​​ A esse o porteiro abre-a e
as ovelhas escutam a sua voz. E ele chama as suas ovelhas uma a uma
pelos seus nomes e fá-las sair. Depois de tirar todas as que são suas,
vai à frente delas, e as ovelhas seguem-no, porque reconhecem a sua
voz. Mas, a um estranho, jamais o seguiriam; pelo contrário, fugiriam
dele, porque não reconhecem a voz dos estranhos.»

Teatro Vemos vários dos habitantes do planeta Gê. De repente, o Horrível PUM
aparece, disfarçado de Gambozino Amarelo. Entusiasmados, os habitantes
aproximam-se dele. Porém, o PUM começa a espalhar boatos para pôr os
habitantes uns contra os outros. Quando o Aprendiz chega, vê os habitantes de
Gê à briga e pergunta-lhes porque estão em conflito. Quando lhe dizem: ​foi o
G.A.,​ o Aprendiz desconfia. O G.A. não faria uma coisa dessas.

Dinâmica Saber falar das dificuldades


Pedimos a 4 animadores que dessem um pequeno testemunho de dificuldades
que atravessaram na vida: (a) a separação dos pais; (b) um acidente grave; (c) a
morte de um familiar; (d) a doença de uma pessoa amiga.
Depois de ouvirem, cada participante foi convidado a pensar nas suas próprias
situações de sofrimento e de dificuldade, em silêncio.
Finalmente, cada equipa foi convidada a pintar um pedaço grande de papel de
cenário. Cada participante podia assim tentar expressar os seus sentimentos
não por palavras mas apenas por cores e formas.
Com os papéis pintados, forrámos a cruz da capela.

12
dia 9

ressurreição

Relação com o Em Champinhão Blão, onde todas as criaturas estão reunidas


imaginário para homenagear a vida do G.A.

Relação com a vida O que é a felicidade?

Texto bíblico Nesse mesmo dia iam dois dos discípulos para uma aldeia chamada Emaús, a
inspirador cerca de onze quilómetros de Jerusalém. Pelo caminho conversavam a respeito
de tudo o que sucedera. No meio da conversa, Jesus aproximou-se e pôs-se a
caminho com eles. Mas os seus olhos estavam incapazes de o reconhecer.
Jesus perguntou-lhes: «Que é que vão a discutir pelo caminho?» Eles pararam,
com ar muito triste. Um deles, que se chamava Cléofas, respondeu: «Os nossos
chefes dos sacerdotes e as nossas autoridades entregaram Jesus para ser
condenado à morte e pregaram-no numa cruz. E nós esperávamos que fosse
ele quem viria libertar Israel! Mas com todas estas coisas, já lá vão três dias
desde que isto aconteceu».
Jesus, por fim, disse-lhes: «Mas que falta de entendimento e que lentidão a
vossa para acreditar em tudo o que os profetas disseram! Então o Messias não
tinha que sofrer tudo isso antes de ser glorificado?» E pôs-se a explicar-lhes o
que acerca dele se dizia em todas as Escrituras.
Quando chegaram à aldeia para onde iam, eles convenceram Jesus a fica com
eles: «Fica connosco, porque já se está a fazer tarde; já é quase noite.» Jesus
entrou e ficou com eles. Quando estavam à mesa, pegou no pão, deu graças a
Deus, partiu-o e dividiu-o com eles. Foi nessa altura que se lhes abriu o
entendimento e o reconheceram, mas nisto ele desapareceu.
Lucas 24, 13-31 (com alguns cortes)

Teatro A alegria dos habitantes do planeta Gê


Na manhã após a Grande Batalha de Bufaria, os vários habitantes reúnem-se
em Champinhão Blão. Todos, à sua maneira, recordam com gratidão o que o
Gambozino Amarelo fez por eles.

Dinâmica Reler o campo


Em conjunto, fizemos uma releitura do campo, cruzando o imaginário com as
actividades e os acontecimentos do campo. Depois, em equipa, os participantes
partilharam entre si o que mais os marcou no campo e porquê.

13
dia 10

envio

Relação com o Num quarto normal, a aprender a ser Gambozino no dia-a-dia


imaginário

Relação com a vida Viver no dia-a-dia

Dinâmica QUIZ DOS SANTOS


Num tom leve e animado, fizemos um pequeno ​quiz sobre as vidas dos
santos, e cantámos algumas das músicas.

14