Você está na página 1de 2

 

Os   problemas   do   nosso   tempo   que   neste   momento   me   preocupam   são   os  


imprevisíveis   efeitos   genéticos   da   precipitação   radioativa   e   um   artigo   sobre   o  
aterrador,  o  louco  e  o  onipotente  casamento  das  altas  finanças  com  a  hierarquia  
militar   na   América   -­‐   "Juggernaut,   the   Warfare   State",   de   Fred   J.   Cook,   em   um  
número   recente   da   revista   Nation.   Estas   preocupações   influenciam   o   tipo   de  
poesia  que  escrevo?  Sim,  mas  de  uma  forma  indireta.  Não  fui  abençoada  com  a  
língua   de   um   Jeremias,   se   bem   que   visões   do   apocalipse   também   me   façam  
perder  várias  noites  de  sono.  Meus  poemas  não  são  sobre  Hiroshima,  mas  sobre  
uma   criança   que   dedo   após   dedo   se   vai   formando   no   escuro.   Não   são   sobre   o  
terror   do   aniquilamento   em   massa,   mas   sobre   o   luar   desolado   iluminando   um  
teixo  em  um  cemitério  não  muito  distante  daqui.  Não  sobre  os  testamentos  dos  
argelinos   torturados,   mas   sobre   os   pensamentos   noturnos   de   um   cirurgião  
exausto.    Em  certo  sentido,  estes  poemas  são  deflexões.  Não  creio  que  sejam  uma  
escapatória.   Para   mim,   os   verdadeiros   problemas   do   nosso   tempo   são   os  
problemas   de   todos   os   tempos   -­‐   o   sofrimento   e   o   espanto   do   amor;   a   criação   sob  
todas   as   suas   formas   -­‐   quer   se   trate   de   filhos,   pães,   quadros   ou   edifícios;   e   a  
conservação   da   vida   das   pessoas,   em   todas   as   partes   do   mundo,   propósito   do  
qual   ninguém   pode   se   descomprometer   incovando   as   abstrações   hipócritas   da  
"paz"ou  dos  "inimigos  implacáveis".  Não  me  parece  que  uma  "poesia  de  grandes  
ideais"   despertasse   em   mais   leitores   um   interesse   mais   profundo   que   as  
manchetes  dos  jornais.  E  a  menos  que  o  poema  em-­‐cima-­‐do-­‐acontecimento  nasça  
de  emoções  mais  enraizadas  na  carne  do  que  uma  ilusória  filantropia  universal,  a  
menos  que  seja,  de  fato,  esse  unicórnio  que  é  um  verdadeiro  poema,  corre  o  risco  
de  ir  parar  no  lixo  tão  depressa  como  os  jornais  propriamente  ditos.    Os  poetas  
que   me   cativam   são   os   que   se   deixam   dominar   pelo   poema   como   pelo   próprio  
ritmo   da   respiração.   Os   seus   melhores   poemas   não   parecem   construções  
artesanais,   mas   seres   nascidos   de   uma   só   vez,   feitos   de   uma   peça   só;   certos  
poemas  dos  Life  Studies  de  Robert  Lowell,  por  exemplo;  os  poemas  de  estufa  de  
Theodore   Roethke;   alguns   poemas   de   Elizabeth   Bishop   e   boa   parte   dos   de   Stevie  
Smith   ("A   arte   é   esquiva   como   um   gato   e   não   tem   nada   a   ver   com   civilização").  A  
grande  utilidade  da  poesia  é  sem  dúvida  o  prazer  que  proporciona  -­‐  e  não  a  sua  
influência   como   propaganda   religiosa   ou   política.   Certos   poemas   e   versos   são  
para   mim   tão   densos   e   milagrosos   como   devem   ser   os   altares   das   igrejas   e   as  
cerimônias  de  consagração  das  rainhas  para  os  devotos  de  outras  imagens  bem  
diferentes.  Não  me  aflige  que  os  poemas  só  alcancem  um  número  muito  pequeno  
de   pessoas.   Mesmo   assim,   já   conseguem   ir   surpreendentemente   longe   -­‐   viajam  
entre  estranhos,  alguns  chegam  até  a  dar  a  volta  ao  mundo.  Vão  mais  longe  que  
as  palavras  de  um  professor  na  sala  de  aula  ou  as  receitas  de  um  médico;  mais  
longe  até,  com  um  pouco  de  sorte,  que  o  tempo  de  uma  vida.  

 
 
Sylvia  Plath,  1962  
 
 
 
("Context"   Em:   Johnny   Panic   and   the   Bible   of   Dreams,   publicado   em   Portugal  
pela  Relógio  D'água,  com  tradução  de  Ana  Luísa  Faria)  
 
Apud  Laura  Erber,  Facebook,  3  de  abril  de  2014.  

Interesses relacionados