Você está na página 1de 266

Matemática I

Matemática

© SENAI-SP, 2007

• Trabalho organizado a partir de seleção de textos sobre Matemática extraído da Internet pela Escola
SENAI José Polizotto para os cursos de Aprendizagem industrial.

Composição Ivan Augusto de Rossi (CFP 9.27)

Material extraído da intranet das seguintes unidades de ensino:

SENAI.SP. DMD. Noções de conjunto – Números Naturais. Por Hideo Kumayama et alii. 3ª ed. São

Paulo, 1990. 56p. (Matemática III, 9)


SENAI-SP. DMD. Números inteiros. Por Hideo Kumayama et alii. 3a ed. São Paulo, 1990. (Matemática

III, 10).
SENAI-SP. DMD. Números racionais. Por Hideo Kumayama et alii. 3a ed. São Paulo, 1990. (Matemática

III, 11).
SENAI.SP. DMD. Razões trigonométricas. Por Hideo Kumayama et alii. 3a ed. São Paulo, 1990.

49p. (Matemática ll,7).


SENAI - SP. DMD. Medidas e figuras geométricas – Por Hideo Kumayama et alii. 3ª ed. São Paulo,

1990 42p (Matemática III,8 )


SENAI.SP. DMD. Noções de geometria. Por Hideo Kumayama et alii. 3a ed. São Paulo, 1990. 48p.

(Matemática l, 4).
SENAI-SP. Matemática. Por Dirceu Della Coleta e outros. 2a ed. Rio de Janeiro, SENAI-DN, 1988. 136p

(Mecânica Geral, 1).


SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Unidade de Gestão Corporativa SP
Av. Paulista, 1313 - Cerqueira César
São Paulo - SP
CEP 01311-923

Telefone (0XX11) 3146-7000


Telefax (0XX11) 3146-7230
SENAI on-line 0800-55-1000

E-mail senai@sp.senai.br
Home page http:// www.sp.senai.br
Matemática Aplicada 1

Sumário

Conjuntos numéricos
Números naturais 05
Sistema de numeração decimal – base 10 10
Leitura de número natural 12
Operações e propriedades 14
Expressões aritméticas 27
Sistema de numeração binário – base 2 29
Conjunto dos números inteiros relativos positivos e negativos 35
Operações 39
Propriedades da adição em Z 42
Propriedades da subtração 44
Multiplicação 46
Divisão 51
Potenciação 53
Radiciação 59
Expressões 61
Números racionais absolutos 67
Transformação da forma decimal em fração 73
Adição e subtração 83
Propriedade da adição e subtração 86
Multiplicação 87
Propriedades da multiplicação 89
Divisão 93
Propriedades da divisão 96
Potenciação 96
Propriedades da potenciação 102
Radiciação 106
Números irracionais 109
Conjunto dos números reais 112
Operações em R 113
SENAI
Matemática Aplicada 1

Noções de radicais 115


Propriedades dos radicais 120
Operações com radicais – adição e subtração 124
Multiplicação 126
Potenciação 129
Radiciação de radicais 130
Divisão 132
Racionalização de denominadores 133

Noções de geometria
Conceitos fundamentais 137
Ângulos 145
Medidas 159
Medidas de comprimento 160
Perímetro de figuras planas 165
Superfície 169
Volume 182
Capacidade 192
Massa 194
Massa específica 196

Regra de três simples


Razão 203
Proporção 211
Regra de três 217
Porcentagem 230
Teorema de Tales 235

Triângulo retângulo
Trigonometria 243
Relação de Pitágoras 244
Relações trigonométricas no triângulo retângulo 248
Aplicações práticas de trigonometria 254

SENAI
Matemática Aplicada 1

Números naturais

Correspondência um a um

Observe os conjuntos abaixo:

A → conjunto de carteiras
B → conjunto de alunos

Vamos estabelecer uma correspondência entre esses conjuntos, por meio de uma linha,
de modo que cada aluno tenha uma carteira ou que cada carteira seja de um aluno.

Note que sobrou uma carteira, isto é, uma carteira não está em correspondência com
aluno. Neste caso dizemos que não há correspondência um a um.

SENAI 5
Matemática Aplicada 1

Agora, observe esta outra situação:

Veja que cada carteira está associada a um aluno e cada aluno está associado a uma
carteira. Logo, há uma correspondência um a um.

A correspondência um a um também é chamada de correspondência biunívoca e


pode ser estabelecida entre mais de dois conjuntos.

Observe que cada carteira corresponde a um aluno e cada aluno corresponde a uma
cadeira e vice-versa. Portanto existe correspondência um a um entre os conjuntos A, B e
C.

Note que os conjuntos A, B, e C têm o mesmo número de elementos, ou seja, 3. Os


conjuntos que têm o mesmo número de elementos são chamados eqüipotentes.

Faça o exercício no seu caderno.

1
a) Entre quais dos conjuntos abaixo é possível estabelecer uma correspondência
biunívoca?
b) Quais são os conjuntos eqüipotentes?
A = conjuntos das vogais
B = conjunto dos dias da semana
C = conjunto dos dedos de uma das mãos
D = conjunto dos jogadores de um time de futebol de salão

6 SENAI
Matemática Aplicada 1

O número natural

Observe os conjuntos abaixo.

Note que existe uma propriedade comum entre eles. É a quantidade de elementos:
um. Veja estes outros conjuntos.

Neles a quantidade de elementos é três. Esta mesma quantidade de elementos dos


conjuntos é que dá a idéia de número natural.

Para representar essa idéia, usamos palavras ou símbolos gráficos. Veja os


exemplos abaixo.

1 = I = um dois = 2 = II III = 3 = três

São palavras: um, dois, três, etc. São símbolos gráficos: I, 1, II, III, 3, etc. Portanto, o
número é idéia de quantidade e o numeral é a palavra ou o símbolo gráfico.

SENAI 7
Matemática Aplicada 1

Na prática, costumamos usar a palavra número, quando o mais correto seria numeral.
Assim, é comum se escrever, por exemplo, o número é 5, no lugar de o numeral é 5.
Vamos ver agora, o conjunto dos números naturais. Ele é representado pela letra N:

N = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, ... }

Quando o zero não pode fazer parte do conjunto de números naturais, representamos o
conjunto por N*. Portanto, N* é o conjunto dos números naturais, excluindo-se o zero.

N* = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, ... }

Representação na reta
Em uma reta, vamos tomar um ponto como origem e marcar outros pontos de modo que
fiquem, todos a mesma distância uns dos outros. Assim:

Agora, vamos considerar o conjunto dos números naturais

N = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, ... }

E associar, a partir de uma das divisões, cada número com um ponto.

Esta é a representação gráfica dos números naturais.


Observe na reta numerada, que:
• Zero é o menor dos números naturais;
• Todo número natural tem um sucessivo: 1 é o sucessivo de zero, 2 é o sucessivo
de 1, o sucessivo de 10 é 11, etc.;
• Todo número natural exceto o zero, tem um antecessor: 1 é o antecessor de 2, 2 é
o antecessor de 3, etc.;
• Os números 3 e 4 ou então 6, 7 e 8 são chamados consecutivos;
• A sucessão dos números naturais é infinita, não existe maior dos números
naturais.

8 SENAI
Matemática Aplicada 1

Note também que, na reta numerada, um número é maior do que os que antecedem e é
menor do que os que sucedem.

Para indicar maior e menor em Matemática são usados sinais de desigualdade:

> → maior < → menor

Assim:
• 3 maior que 2 pode ser escrito: 3 > 2
• 5 menor que 6 pode ser escrito: 5 < 6

Esses símbolos podem aparecer combinados com o de igualdade:

≥ → maior ou igual ≤ → menor ou igual

Veja os exemplos:
3 – 2 maior ou igual a 1 pode ser escrito: 3 – 2 ≥ 1.
5 + 1 menor ou igual a 8 pode ser escrito: 5 + 1 ≤ 8

Faça os exercícios no seu caderno.

2 Represente, na reta numérica, os números naturais menores que 10

3 Escreva, em ordem decrescente, os números naturais maiores do que 5 e menores


do que 12

4 Substitua o com os símbolos < ou >.


a) 5 8
b) b) 101 100
c) c) 0 3
d) d) 51 49

SENAI 9
Matemática Aplicada 1

Sistema de numeração decimal – base dez

Sistema de numeração é o conjunto de regras para representação dos números.

No sistema de numeração decimal são usados dez símbolos ( algarismos ): 0, 1, 2, 3, 4,


5, 6, 7, 8, 9. Com eles representamos qualquer número.

Vamos, por exemplo, usar o sistema decimal para contar os elementos do conjunto
abaixo.

Separando os elementos em grupos de dez, temos:

observe que o conjunto tem três grupos de 10 e mais 6 elementos. Portanto, esse
conjunto tem 36 elementos.

Como, para contar, juntamos grupos de dez, dizemos que a base do sistema é dez.
Poderíamos ter juntado grupos de dois, três, quatro, etc. Neste caso teríamos base dois,
base três, base quatro, etc.

O sistema de numeração mais usado é o decimal. A base desse sistema é dez, isto é:
dez unidades de uma ordem formam uma ordem imediatamente superior. Ordem é a
posição que um algarismo ocupa em um número.
10 SENAI
Matemática Aplicada 1

Veja, no número abaixo, a ordem dos algarismos.

Cada grupo de três algarismos de um número forma uma classe. As classes são
contadas da direita para a esquerda e a última pode ter um ou dois algarismos. Na
figura abaixo temos o nome das classes.

Após a classe dos milhões, temos a base dos bilhões, a dos trilhões, etc.

Veja agora o nome que cada algarismo recebe, conforme a sua ordem.

Cada algarismo que compõe um número possui dois valores: um absoluto e outro
relativo.

Valor absoluto é o que ele representa sozinho. Veja:

SENAI 11
Matemática Aplicada 1

Valor absoluto: 6
Valor absoluto: 5
Valor absoluto: 4
Valor absoluto: 3

Valor relativo é o valor de posição, conforme a sua ordem: unidade, dezena, centena,
etc. Veja:

Valor relativo: 6
Valor relativo: 50 ou 5 dezenas
Valor relativo: 400 ou 4 centenas
Valor relativo: 3000 ou 3 milhares

Faça os exercícios no seu caderno.

5 A classe que pertencem as unidade de:


a) 7ª ordem?
b) 5ª ordem?
c) 2ª ordem?
d) 6ª ordem?

6 Dê o valor absoluto e o valor relativo dos algarismos 1 e 5 do número 13508.

Leitura de um número natural


É muito importante saber a leitura dos números para se poder escrever corretamente
quantidades por extenso.

Para fazer a leitura dos número tomamos como base as suas classes. Veja:

Portanto, escrevendo a forma de se ler desse número, temos:

12 SENAI
Matemática Aplicada 1

12 594 386 = doze milhões quinhentos e noventa e quatro mil trezentas e oitenta e seis
unidades.

Observação
A palavra unidades, no final da leitura, pode ser suprimida.

Faça o exercício no seu caderno.

7 Escreva como se lêem os números


a) 8 654
b) 15 162
c) 935
d) 3 018 005
e) 345 663

Observe, agora, o número 5 396. Já vimos que ele é composto por:

5 milhares + 3 centenas + 9 dezenas + 6 unidades

Podemos também escrever esse número assim:

5 x 1000 + 3 x 100 + 9 x 10 + 6
ou
5 x 103 + 3 x 102 + 9 x 101 + 6 x 100

Essa maneira de escrever um número, como acima, chama-se forma polinômica.

Veja como fica o número 12 905 escrito na forma polinômica:

12 905 = 1 x 104 + 2 x 103 + 9 x 102 + 0 x 101 + 5 100

Faça o exercício em sem caderno.

8 Escreva os números abaixo sob forma polinômica.


a) 85
b) 104
c) 1 985
d) 10 320

SENAI 13
Matemática Aplicada 1

Operações e propriedades

Adição
Observe a operação abaixo.
5
+2
7

Esta operação chama-se adição. Pela adição fazemos dois ou mais números dados
corresponder a um só. Estes são os nomes dos termos da adição:

Em 5 + 2 = 7,
5 é chamado de parcela
2 é chamado de parcela
e 7 é chamado soma ou total.

Propriedades da adição
• Comutativa
A ordem das parcelas não altera a soma.
5+2=7
2+5=7
Portanto, 5 + 2 = 2 + 5.

• Fechamento
A soma de dois números naturais é um número natural.
5+2=7
5e2∈N
7 também ∈ N.

• Elemento neutro
Zero é o elemento neutro da adição.
3+0=0+3=3
Adicionando-se zero a qualquer número, obtém-se o próprio número.

• Associativa
Para adicionar três parcelas, pode-se associar as duas primeiras à terceira ou a primeira
às duas últimas. Veja:
( 3 + 5 ) + 2 = 8 + 2 = 10, ou 3 + ( 5 + 2 ) = 3 + 7 = 10

14 SENAI
Matemática Aplicada 1

Subtração
Observe a operação abaixo
5
-2
3
Esta operação chama-se subtração.

Em 5 – 2 = 3, esses são os nomes dos termos:


5 é chamado minuendo
2 é chamado subtraendo
e 3 é chamado resto ou diferença.

Propriedades da subtração
• Comutativa
A subtração não é comutativa.
5–2=3
2–5=?
Portanto, 5 – 2 ≠ 2 – 5.

• Fechamento
A subtração de dois números naturais nem sempre dá, como resultado, um número
natural.
5–4=1 → 5 ∈ N, 4∈N e 1∈N

5–5=0 → 5 ∈ N, 0∈N

5–6=? → 5 ∈ N, 6∈N e ?∉N

Portanto, a propriedade de fechamento não existe na subtração.

• Elemento neutro
Como a subtração não é comutativa, também não é valida a propriedade do elemento
neutro. Veja:
3–0≠0–3

• Associativa
Na subtração não é valida a propriedade associativa.
(8–4)–2=4–2=2

SENAI 15
Matemática Aplicada 1

8–(4–2)=8–2=6
Portanto ( 8 – 4 ) – 2 ≠ 8 – 4 ( 4 – 2 )
Observe que
• na adição, quando da soma subtrairmos uma das parcelas, encontramos a outra
parcela .

• a adição e a subtração são operações inversas.

7–2=5
5+2 =7
7–5=2

Faça o exercício no seu caderno.

9 Substitua o valor do nas adições abaixo.


a) 15 + = 25
b) + 30 = 45
c) 20 + 12 =

Na subtração, é valida a seguinte relação:


Minuendo = resto + subtraendo
Veja porquê:

10 → minuendo 7
- 3 → subtraendo + 3
7 → resto 10

Usando essa relação, podemos calcular qualquer um dos termos da subtração.

Exemplo:
Como calcular o valor do nas operações?
a) - 4 = 11 b) 15 - = 11
= 11 + 4 15 = 11 +
= 15 = 15 – 11
=4

16 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

10 Calcule o valor do nas subtrações abaixo.


a) 35 – 15 =
b) 20 - =8
c) - 8 = 15

11 Em cada operação abaixo escreva o nome dos termos


a) 15 – 8 = 7
b) 28 + 12 = 40

12 Escreva o nome da propriedade que está sendo usada.


a) 5 ∈ N e 6 ∈ N → ( 5 + 6 ) ∈ N
b) 5 + 0 = 0 + 5 = 5
c) ( 4 + 8 ) + 3 = 4 + ( 8 + 3 )
d) 8 + 2 = 2 + 8

13 Calcule o valor do nas operações abaixo.


a) - 25 = 30
b) 18 + = 27
c) 40 - = 16
d) + 30 = 42
e) 90 + 15 =
f) 17 - =9

14 Qual é o valor do minuendo, sabendo-se que a diferença é 11 e o subtraendo é 35?

Multiplicação
A multiplicação é uma adição de parcelas iguais. Veja:
8 + 8 + 8 + 8 = 32

Encontramos o mesmo resultado se fizermos:


4 x 8 = 32

A operação 4 x 8 = 32 é chamada de multiplicação. Ela pode também ser indicada por:


4 . 8 = 32. Portanto, os sinais . e x, indicam a multiplicação.

Em 4 x 8 = 32 estes são os nomes dos termos:

SENAI 17
Matemática Aplicada 1

4 é chamado multiplicando,
8 é chamado multiplicador
e 32 é chamado produto.

O multiplicando e o multiplicador também são chamados de fatores.

Propriedades da multiplicação
• Comutativa
A ordem dos fatores não altera o produto.
Veja:
2 x 8 = 16
8 x 2 = 16
Portanto, 2 x 8 = 8 x 2.

• Fechamento
O produto de dois números naturais é sempre um número natural.
8 x 2 = 16
8e2∈N
Logo, 16 também ∈ N.

• Elemento neutro
O elemento neutro da multiplicação é 1.
5x1=1x5=5
Multiplicando-se qualquer número por 1, obtém-se o próprio número.

• Associativa
Quando se multiplicam três fatores, pode-se associar os dois primeiros ao terceiro ou
o primeiro aos dois últimos. Veja:
( 5 x 2 ) x 3 = 10 x 3 = 30 ou 5 x ( 2 x 3 ) = 5 x 6 = 30

• Distributiva
Para se multiplicar um fator por uma adição ou subtração, pode-se multiplicar esse
fator pelos termos da adição ou subtração, adicionando-se ou subtraindo-se os
resultados. Assim:
3 x ( 4 + 2 ) – 3 x 4 + 3 x 2 = 12 + 6 = 18

3 x ( 5 – 1 ) = 3 x 5 – 3 x 1 = 15 – 3 = 12

18 SENAI
Matemática Aplicada 1

2 x ( 5 + 4 – 2 ) = 2 x 5 + 2 x 4 – 2 x 2 = 10 + 8 – 4 = 14

( 3 + 8 ) x 5 = 5 x 8 + 5 x 3 = 40 + 15 = 55

Divisão
Observe:

A operação efetuada chama-se divisão. Geralmente, a divisão é indicada por : ou ÷


Assim:
8 : 2 ou 21 ÷ 4
Veja os nomes dos termos da divisão.

Dividendo → ← divisor
Resto → ← quociente

Quando o resto é zero, dizemos que a divisão é exata. Se o resto for diferente de zero,
a divisão não é exata. O resto na divisão sempre deve ser menor que o divisor.

Propriedades da divisão
Na divisão não existem propriedades:
• comutativa
• fechamento
• elemento neutro
• associativa

Faça o exercício no seu caderno.

15 Dê todos os restos possíveis numa divisão onde o divisor é:


a) 7
b) 5
c) 3
d) 8

SENAI 19
Matemática Aplicada 1

Observe que em uma multiplicação, quando dividimos o produto por um dos fatores,
encontramos o outro fator

10 : 2 = 5

2 x 5 = 10

10 : 5 = 2

A multiplicação e a divisão e a divisão exata são operações inversas.


Observe também que na divisão exata, vale a relação:
Dividendo = quociente x divisor
→ 8=2x4

E quando não é exata, é valida a relação:


Dividendo = quociente x divisor + resto
→ 21 = 4 x 5 + 1 = 21

O zero nunca pode ser o divisor.

Com essas informações, podemos calcular qualquer termo de uma divisão, como no
exemplo abaixo

Como calcular o valor do nas divisões?


a) :5=7 b) 45 : =3
=7x5 3x = 45
= 35 = 45 : 3
= 15

Faça os exercícios no seu caderno.

16 Calcular o valor do nas divisões.


a) : 15 = 6
b) 54 : =9
c) 360 : = 45

17 Calcular o dividendo, sabendo-se que o divisor é 8, o quociente é 10 e o resto é 6.

20 SENAI
Matemática Aplicada 1

18 Escreva o nome da propriedade que esta sendo usada.


a) 5 x 8 = 8 x 5
b) 5 ∈ N, 4 ∈ N, 5 x 4 ∈ N
c) 1 x 8 = 8 x 1 = 8
d) 3 x 5 = 5 x 3
e) 9 x ( 5 + 3 ) = 9 x 5 + 9 x 3
f) ( 18 – 6 ) x 3 = 18 x 3 – 6 x 3
g) 7 x ( 6 x 5 ) = ( 7 x 6 ) x 5
h) ( 5 + 6 ) x 4 = 5 x 4 + 6 x 4
i) 3x(5–4)=3x5–3x4
j) 4x1=1x4=4

19 Determine o valor do nas operações.


a) : 31 = 186
b) 36 : =6
c) x 9 = 45
d) 8 x =72
e) 64 : =4
f) x 7 = 63

20 Resolva os problemas escrevendo, em primeiro lugar, a sentença com o .


a) Sabendo-se que o produto é 108 e um dos fatores é 12, determine o outro fator.
b) Calcule o divisor sabendo que o dividendo é 106, o quociente é 26 e o resto é 2.

Potenciação
Potenciação é a multiplicação de fatores iguais. Assim:
34
1 x4
32x4
3 x4
33 ={
34
fatores iguais potenciação

Note que a potenciação é uma forma mais simples de se escrever um produto de


fatores iguais.

Os termos da potenciação chamam-se base, expoente e potência. Veja quais são eles
na representação.

expoente

Base →
4 ← potência

3 = 81
SENAI 21
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício em seu caderno

21 Resolva os exercícios conforme o exemplo


Exemplo: a) 24 = 2 x 2 x 2 x 2 = 16
c) 82
d) 103
e) 55

Veja agora que acontece com as potenciações em que o expoente ou a base são zero
ou um.

Qualquer número diferente de zero elevado a zero é igual a 1


30 = 1; 140 = 1; 1580 = 1

Caso o expoente seja um, a potência será a própria base.


21 = 2; 41 = 4; 81 = 8

Se a base for zero, qualquer que seja o expoente, diferente de zero, a potência será
zero.
03 = 0 x 0 x 0 = 0 portanto 03 = 0
05 = 0 x 0 x 0 x 0 x 0 = 0 portanto 05 = 0

Quando a base é 1, a potência será sempre 1. Assim,


11 = 1; 13 = 1; 1 15 = 1; 1 1000 = 1

Faça o exercício no seu caderno.

22 Dê o valor das potências:


a) 61 =
b) 10 =
c) 60 =
d) 51 =
e) 08 =
f) 101 =
g) 100 =
h) 02 =

22 SENAI
Matemática Aplicada 1

Observe as potenciações abaixo:

101 = 10 102 = 100 103 = 1000 104 = 10000

Note que todas possuem base 10 e, para essas potenciações, existe uma regra prática
para se encontrar o resultado: quando a base é 10, a potência é igual a 1, seguido de
zeros conforme o número do expoente.

Faça o exercício no seu caderno.

23 Calcule as potências.
a) 105 =
b) 106 =
c) 108 =

Propriedades da potenciação
• Multiplicação
Para multiplicar potências com a mesma base, conserva-se a base e adicionam-se os
expoentes. Veja:
25 x 22 = 25 + 2 = 27

32 x 3 x 33 = 32+1+3 = 36

• Divisão
Para dividir potências com a mesma base, conserva-se a base e subtraem-se os
expoentes.
25 : 22 = 25-2 = 23

34 : 3 = 34-1 = 33

• Potência de potência
( 23 )2 chama- se potência de potência. Dizemos que 2 está elevado ao expoente 3 e
essa potência, ( 23 ), está elevada ao expoente 2. Como potenciação é uma
multiplicação de fatores iguais, temos:

( 23 )2 = 23 x 23 = 23+3 = 26

SENAI 23
Matemática Aplicada 1

Veja que, multiplicando-se os expoentes, encontramos diretamente o expoente 6 do


resultado. Então, para resolver uma potência de potência, só é preciso multiplicar os
expoentes e conservar a base.

( 2 3 )2 = 2 6
2
a) Observe que 2 3 = 29 pois 32 = 9

Faça o exercício em seu caderno.

24 Resolva as potências aplicando as propriedades


a) 33 x 32 =
b) 46 : 42 =
c) 52 x 50 x 51 =
d) 35 : 35 =
e) ( 3 2 )5 =
f) ( 3 2 )2 =

• Distributiva em relação à multiplicação


Observe a operação abaixo.
( 2 x 3 )2 =

Ela indica a potência de um produto. Podemos nela aplicar a propriedade distributiva


Assim:
( 2 x 3 )2 = 22 x 32
Note que, para isso, cada fator é elevado à potência indicada.

Faça o exercício no seu caderno.

25 Aplique a propriedade distributiva.


a) ( 3 x 4 )2 =
b) ( 5 x 2 )3 =
c) ( 3 x 5 x 2 )2 =

. Distributiva em relação à divisão


Essa propriedade é semelhante à distributiva em relação à multiplicação. Veja:
( 12 : 3 )2 = 122 : 32

24 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

26 Aplique a propriedade distributiva.


a) ( 15 : 5 )2 =
b) ( 24 : 4 )3 =
c) ( 4 : 2 )5 =

Radiciação
Radiciação é a operação inversa da potenciação. Veja:
23 = 8 → 3 8 = 2
Eis os nomes dos componentes da radiciação:

radical

8 =2
Índice →
3 ← raiz


radicando

Portanto, a raiz de um número é um número que, quando elevado ao índice indicado,


dá como o resultado o radicando.

2
9 = 3 pois 32 = 9

Não é usual colocar-se o índice 2 no radical. Quando não há índice indicado no radical,
a raiz é quadrada.

Exemplo
a) 16 = 4 pois 42 = 16
b) 3
27 = 3 pois 33 = 27
c) 36 = 6 pois 62 = 36
d) 3
125 = 5 pois 53 = 125
e) 5
32 = 2 pois 25 = 32
f) 3
1 = 1 pois 13 = 1
g) 5
0 = 0 pois 05 = 0

Podemos calcular a raiz exata de um número natural, quando ela existe, fazendo o
seguinte:
SENAI 25
Matemática Aplicada 1

. decompomos o número em fatores primos;


. escrevemos os fatores primos em produto de potências, onde o expoente seja igual ao
índice;
. multiplicamos as bases do produto de potências, obtendo a raiz.

Exemplos
a) 3 64
Decompondo 64 em fatores primos e escrevendo-os em produto de potências, onde o
expoente é igual ao índice, temos:

64 2⎫
32 2⎪⎬ 3
2 ⎫
16 2⎪⎭ ⎪ 3 3
⎬ 2 . 2 logo
3
3
64 = 2 3 .2 3 . = 2 . 2 = 4
8 2⎫ 3 ⎪
⎪ 2 ⎭
4 2⎬
2 2⎪⎭
1

b) 225 =
225 3⎫
⎬ 2 ⎫
75 3⎭ 3 ⎪ 2 2
25 5⎫ 2 ⎬ 3 . 5 logo 225 = 32 . 5 2 = 3 . 5 = 15
⎬ 5 ⎪
5 5⎭ ⎭
1

Faça o exercício no seu caderno.

27 Calcule as raízes abaixo.


a) 5 32 =
3
b) 27 =
c) 144 =
4
d) 81 =
3
e) 125 =
f) 324 =

Nem todos os números possuem raiz exata, como os que foram vistos nos exercícios
anteriores. Aqueles em que a raiz é exata chamam-se números quadrados perfeitos.

26 SENAI
Matemática Aplicada 1

Veja agora: qual é a raiz quadrada de 6?


Sabe-se que:
22 = 4
32 = 9
Portanto, a raiz quadrada de 6 é um número que fica entre 2 e 3. Isto é, 2 por falta e 3
por excesso.

Isso também pode ser escrito:


6 ≈ 2 por falta
6 ≈ 3 por excesso.

Faça os exercícios em seu caderno.

28 Determine as raízes abaixo, por falta.


a) 8
b) 12
3
c) 9

29 Determine as raízes abaixo por excesso.


a) 15
3
b) 18
c) 3

Expressões aritméticas

Uma expressão aritmética é composta por números, sinais de uma operação e sinais de
agrupamento.

Os sinais de agrupamento são:


( ) parênteses
[ ] colchetes
{ } chaves

Veja como é uma expressão aritmética:


( 9 – 5 ) + 6 + ( 10 : 5 ) x 2

Resolver uma expressão aritmética é calcular o seu valor numérico.

SENAI 27
Matemática Aplicada 1

Para resolver uma expressão, é preciso seguir algumas regras. Faça as operações na
seguinte ordem:
1°) potenciação e radiciação
2°) multiplicação e divisão
3°) adição e subtração
e na ordem que aparecerem.

Se na expressão existirem sinais de agrupamento, faça as operações dentro desses


sinais, na seguinte ordem:
1°) parênteses
2°) colchetes
3°) chaves

Veja como ficaria resolvida a expressão aritmética que você viu anteriormente:
{ ( 9 – 5 ) + [ 6 + ( 10 : 5 ) x 2 ] } =

Existem sinais de agrupamento. Resolvendo as operações dos parênteses, temos:


{4+[6+4]}=

Como existem ainda colchetes na expressão, resolve-se o que está nos colchetes.
{ 4 + 10 } =

Finalmente, resolve-se dentro das chaves.


14

Note que, ficando um só número no sinal de agrupamento, esse sinal deixa de existir na
expressão.

28 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

30 Resolva as expressões:
a) 5 + 3 x 4 – 6 =

b) 7 + ( 3 + 1 ) x ( 2 + 3 ) =

c) ( 12 + 3 ) – ( 4 + 8 ) =

d) 51 – [ ( 7 – 3 ) x 4 + 5 x ( 4 – 3 ) ] =

e) [ 7 + ( 18 + 5 x 6 ) : 16 – 2 ] =

f) 14 + { 8 – [ ( 48 – 3 ) – ( 38 + 1 + 5 ) ] } – 1 =

g) 18 – { 15 – [ 7 x 3 – ( 15 – 18 : 6 ) ] + 1 } =

h) { 5 + [ 43 : ( 32 – 1 ) + 15 x 3 ] } : ( 6 – 2 )2 =

i) 25 + ( 17 – 32 ) + 51 =

Sistema de numeração binário – base 2

Hoje, um dos meios de comunicação é o computador. A ciência que racionaliza a


comunicação através do computador é a informática.

Assim como, no decorrer do tempo, o homem inventou inúmeros códigos para se


comunicar, criou também o computador, uma máquina que geralmente utiliza dois
símbolos para se comunicar com o mundo.

Esses símbolos podem ser:


0 → que representa não passagem de corrente elétrica ( desligado )
1 → que representa passagem de corrente elétrica ( ligado )

Combinando estes dois símbolos ( 0 e 1 ), os computadores conseguem, entre outras


coisas; fazer cálculos matemáticos, emitir textos, fazer diagnósticos científicos,
desenhar, etc.

SENAI 29
Matemática Aplicada 1

À codificação através do 0 e 1 chamaremos de codificação no sistema binário.

Estudaremos como representar os números neste sistema. No sistema de numeração


binário utilizamos os dígitos 0 e 1 para representar os números. “Arranjando” os dígitos
0 e 1 quantas vezes se fizeram necessárias teremos:

Com 1 algarismo: 0 e 1
Com 2 algarismos: 10 e 11
Com 3 algarismos: 100, 101, 110 e 111
Com 4 algarismos: 1000, 1001, 1010, 1011, 1100, 1101, 1110 e 1111
Com 5 algarismos: 10000, 10001, 10010, 10011, 10100, 10101, 10110, 10111, 11000,
11001, 11010, 11011, 11100, 11101 e 11111.

Excluindo o zero, podemos observar que existem:


1 número com 1 digito → 21-1 = 20 = 1
2 números com 2 dígitos → 22-1 = 21 = 2
4 números com 3 dígitos → 23-1 = 22 = 4
8 números com 4 dígitos → 24-1 = 23 = 8
16 números com 5 dígitos → 25-1 = 24 = 16

Assim, se quisermos saber quantos números existem com 8 dígitos, basta elevar 2 ao
expoente 7, assim:
28-1 = 27 = 128

Logo, existem 128 números com 8 dígitos.

Para associar os números no sistema binário com os seus equivalentes no sistema


decimal basta fazer a seguinte correspondência:

0 → 0 1000 → 8 10000 → 16
1 → 1 1001 → 9 10001 → 17
10 → 2 1010 → 10 10010 → 18
11 → 3 1011 → 11 10011 → 19
100 → 4 1100 → 12 10100 → 20
101 → 5 1101 → 13 10101 → 21
110 → 6 1110 → 14 10110 → 22
111 → 7 1111 → 15 10111 → 23

30 SENAI
Matemática Aplicada 1

Observe que os números do sistema decimal que são potência de 2 têm seus
equivalentes no sistema binário formado pelo 1 seguidos de zeros ( o número de zeros
é igual ao expoente da potência de 2 do seu equivalente decimal ).

Mudança de base
Mudar um número na base 2 ( sistema binário ) para base 10 ( sistema decimal ) ou
vice-versa chamamos de mudança de base.

Para transformar número na base 2 para base 10, decompomos o número na base 2 e
determinamos os equivalentes na base decimal (que será de potência de 2 ). A soma
dessas potências de 2 será o número na base de 10.

Exemplos
a) ( 1111 )2
decompondo temos:
( 1111 )2 = 1000 + 100 + 10 + 1

1000 → 23 = 8
100 → 22 = 4
10 → 21 = 2
1
1→20= ( 1111 )2 = 15
15

Observação
Veja a tabela de correspondência de números na base 2 e na base 10.
b) ( 1100 )2 = 1000 + 100
1000 → 23 = 8
4
100 → 22 = ( 1100 )2 = 12
12

c) ( 11011 )2 = 10000 + 1000 + 10 + 1


10000 → 24 = 16
1000 → 23 = 8
10 → 21 = 2
1
1 → 20 = ( 11011 )2 = 27
27

SENAI 31
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício em seu caderno.

31 Transforme em base 10
a) ( 11111 )2
b) ( 10010 )2
c) ( 1011 ) 2
d) ( 10111 )2
e) ( 1001 )2
f) ( 110111 )2

Como o resto da divisão de um número na base 10 por 2 é 0 ou 1, para transformar o


número na base 10 para base 2 fazemos o seguinte:
• dividimos o número por 2
• o quociente dessa divisão dividimos por 2, e assim sucessivamente, até obter o
quociente zero.

O número formado pelos restos ( escrito do último para o primeiro ) é a representação


deste número na base 2.

Exemplos
a)

13 = ( 1101 )2

Lembre-se que 1:2 dá quociente 0 e resto 1.

b)

21 = (10101)2

32 SENAI
Matemática Aplicada 1

c)

16 = ( 10000 )2

Faça o exercício no seu caderno.

32 Transforme em base 2.
a) 15
b) 33
c) 23
d) 19
e) 11
f) 32

SENAI 33
Matemática Aplicada 1

Números inteiros relativos

Conjunto dos números inteiros relativos positivos e negativos

Já estudamos o conjunto dos números naturais (N)


N = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6...}.

A subtração no conjunto dos números naturais não era possível quando o primeiro
termo da subtração era menor do que o 2o termo. Assim:
5 - 7 = ? 3 - 4 = ?

Para tornar possível a subtração nas situações acima foi criado o conjunto dos
números inteiros relativos (Z).

Z = {...-3, -2, -1, 0, +1, +2, +3...}. Os números -1, -2, -3... são os números
inteiros negativos e os números +1, +2, +3... são os números inteiros positivos. O
zero não é positivo nem é negativo.

É conveniente conhecer os sub-conjuntos de Z que seguem:


Z * = {...-3, -2, -1, +1, +2, +3, +4...}
conjunto dos números inteiros diferente de zero;

Z *− = {-1, -2, -3...}


conjunto dos números inteiros negativos;

Z *+ = {+1, +2, +3...}


conjunto dos números inteiros positivos;

Z − = {..., -3, -2, -1, 0}


conjunto dos números inteiros não positivos;

Z + = {0, +1, +2, +3, ...}

conjunto dos números inteiros não negativos,

SENAI 35
Matemática Aplicada 1

Como os números inteiros não negativos têm o mesmo comportamento dos números
naturais, para facilitar o estudo podemos estabelecer as igualdades:

+1 = 1 +2 = 2 +3 = 3 +4 = 4 etc.

Logo, todo número positivo poderá ser escrito sem o sinal +.

Assim, podemos estabelecer o diagrama abaixo:

Faça os exercícios no seu caderno.

1 Escreva os conjuntos abaixo.


a) Z +
b) Z −
c) Z *
d) Z *−
e) Z *+
f) Conjunto dos números inteiros maiores do que - 5 e menores do que + 5.
g) Conjunto dos números inteiros menores do que 4.
h) Conjunto dos números inteiros maiores do que -7.

2 Substitua o Δ por ∈ ou ∉.
a) – 5 Δ Z
b) +4 Δ Z −
c) - 4 Δ Z *−
d) 0 Δ Z*
e) - 3 Δ Z *−
f) + 7 Δ Z *−

36 SENAI
Matemática Aplicada 1

Representação do conjunto Z na reta numérica

Podemos representar o conjunto Z na reta numérica. Veja:

Faça o exercício no seu caderno.

3 Na reta numérica abaixo, escreva os números inteiros correspondentes aos pontos


A, B, C, D e E.

Oposto ou simétrico
Números inteiros situados à mesma distância do zero são chamados opostos ou
simétricos. Assim:

O oposto de -3 é +3
O oposto de -4 é +4
O oposto de +5 é -5
O oposto de +49 é -49
O oposto de 0 é 0
O oposto de +150 é -150

Você pôde observar que para obter o oposto de um número basta trocar o seu sinal.

Valor absoluto ou módulo


O valor absoluto de um número inteiro é dado pela distância do zero ao número.
Assim:

O valor absoluto de -5 é 5 e indica-se | -5 | = 5.


O valor absoluto de +5 é 5 e indica-se |+5 | = 5.
Observe que +5 e -5 têm o mesmo valor absoluto, que é 5.
O valor absoluto de zero é zero e indica-se | 0 | = 0.

SENAI 37
Matemática Aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

4 Dê o oposto dos números inteiros abaixo conforme o exemplo.


a) +5 → -5
b) -3
c) +1
d) 0
e) -7

5 Determine o valor absoluto conforme o exemplo.


a) | -3| = 3
b) | -4|
c) |+1|
d) | -10|
e) |+10|

Comparação
Na reta numérica, os números inteiros aparecem em ordem crescente da esquerda
para direita. Na reta numérica abaixo

podemos observar que :


+4 é maior do que +2 ( indica-se +4 > +2 )
+3 é maior do que zero ( indica-se +3 > 0 )
+1 é maior do que -5 ( indica-se +1 > -5 )
zero é maior do que -4 ( indica-se 0 > -4 )
-2 é maior do que -5 ( indica-se -2 > -5 )

Com base nessas afirmações podemos concluir que:

• Zero é menor do que qualquer número inteiro positivo:


0 < +3 0 < +4 0 < +20

• Zero é maior do que qualquer número inteiro negativo:


0 > -1 0 > -4 0 > -120,

38 SENAI
Matemática Aplicada 1

• Qualquer número inteiro positivo é maior do que qualquer número inteiro negativo:
+5 > -3 +2 > -152 +8 > -1

• Entre dois números inteiros negativos o maior é o de menor valor absoluto:


-2 > -6 porque | -2| < | -6 |

Faça os exercícios no seu caderno.

6 Substitua o pelos símbolos > ou < tornando verdadeiras as sentenças.


a) +5 +2
b) +6 0
c) +3 +7
d) 0 +8
e) -2 +5
f) +1 -15
g) –12 -3
h) -1 -20

7 Escreva em ordem crescente os seguintes números inteiros:


a) -5, +2, -3, -1, +3, +4
b) 0, -52, +12, +49, -35, +4

8 Escreva em ordem decrescente os seguintes números inteiros:


a) +7, +4, -8, -42, +42, 0
b) -6, +6, +4, 0, -9, -20

Operações

Adição
Para adicionar números inteiros consideraremos os seguintes casos:
10) As parcelas têm sinais iguais.
Neste caso, conservamos o sinal comum e adicionamos os valores absolutos das
parcelas.

SENAI 39
Matemática Aplicada 1

Exemplos
a) (+5) + (+7) = + (5 + 7) = +12 = 12

conserva-se o sinal

b) (-5) + (-7) = - (5 + 7) = -12

conserva-se o sinal

c) (+3) + (+8) + (+4) = + (3 + 8 + 4) = +15 = 15

d) (-3) + (-8) + (-4) = - (3 + 8 + 4) = -15

20) Duas parcelas de sinais diferentes.


Neste caso, subtraímos os valores absolutos e colocamos o sinal da parcela com
maior valor absoluto.

Exemplos
a) (+10) + (-7) = + (10 - 7) = +3 = 3

10 > 7, sinal do 10

b) (-10) + (+7) = - (10 - 7) = -3

10 > 7, sinal do 10

c) (+12) + (-17) = - (17 - 12) = -5

17 > 12

d) (-12) + (+17) = + (17 - 12) = +5 = 5

17 > 12

40 SENAI
Matemática Aplicada 1

30) Mais que duas parcelas de sinais diferentes.


Neste caso, podemos adicionar as duas primeiras parcelas e o resultado à terceira
parcela, e assim sucessivamente.

Exemplos
a) (-5) + (-3) + (+4) =

(-8) + (+4) = -4

b) (+5) + (-3) + (+4) =

(+2) + (+4) = +6 = 6

c) (+5) + (-3) + (-4) =

(+2) + (-4) = -2

d) (-5) + (+3) + (-4) =

(-2) + (-4) = -6

Faça o exercício no seu caderno.

9 Efetue as adições abaixo.


a) (+10) + (+13) =
b) (-8) + (-22) =
c) (+8) + (-2) =
d) (-9) + (+16) =
e) (+27) + (-3) =
f) (+8) + (-32) =
g) (-12) + 0 =
h) (+7) + 0 =
i) (-5) + (-12) + (-3) =
j) (+7) + (+11) + (+15) =
l) (-8) + (-12) + (+25) =
m) (+13) + (-8) + (-22) =

SENAI 41
Matemática Aplicada 1

Propriedades da adição em Z
A adição em Z apresenta as seguintes propriedades:

− Fechamento
A adição de dois números inteiros resulta em um número inteiro. Assim:

(+5) + (-8) = -3
+5 ∈ Z e -8 ∈ Z; então, -3 ∈ Z

Generalizando, se a ∈ Z e b ∈ Z, então a + b ∈ Z.

− Comutativa
A ordem das parcelas não altera a soma. Assim:

( +15) + (-18) = - 3 ⎫


( −18 ) + ( +15) = - 3⎪⎭
logo (+15) + (-18) = (-18) + (+15)

Generalizando, a + b = b + a .

− Associativa
Para calcular a soma de três parcelas podemos associar as duas primeiras parcelas ou
as duas últimas parcelas sem que o resultado se altere. Assim:

[(+5) + (-3)] + (-7) = (+2) + (-7) = -5


(+5) + [(-3) + (-7)] = (+5) + (-10) = -5

Logo, [(+5) + (-3)] + (-7) = (+5) + [(-3) + (-7)]


e, generalizando, (a + b) + c = a + (b + c).

− Elemento neutro
Zero é o elemento neutro da adição. Assim:

0 + ( +7) = 7⎫


( +7) + 0 = 7⎪⎭
0 + (+7) = (+7) + 0 = 7

Generalizando: a + 0 = 0 + a = a .

42 SENAI
Matemática Aplicada 1

− Elemento simétrico ou oposto


A soma de dois números inteiros simétricos é igual a zero. Assim:

(+12) + (-12) = 0

Generalizando, a + (-a) = 0.

Faça o exercício no seu caderno.

10 Escreva o nome da propriedade aplicada.


a) (+9) + (-3) = (-3) + (+9)
b) (-7) + 0 = -7
c) (-15) + (+15) = 0
d) [(-3) + (-6)] + (+15) = (-3) + [(-6) + (+15)]
e) (-20) + (-4) = (-4) + (-20)
f) 0 + (+11) = 11

Subtração
Calcular (+12) - (+3) é procurar um número que adicionado ao +3 resulte em +12.
O número procurado é +9, pois (+9) + (+3) = +12. Então, podemos escrever: (+12)
- (+3) = +9.

Também sabemos que (+12) + (-3) = +9. Podemos observar que (+12) - (+3) =
(+12) + (-3) = +9.

Generalizando, a diferença entre dois números inteiros é igual à soma do minuendo


com o oposto o subtraendo.

Exemplos
a) (+9) - (+7) = (+9) + (-7) = +2
b) (-10) - (-6) = (-10) + (+6) = -4
c) (+15) - (-7) = (+15) + (+7) = +22
d) (-19) - (+5) = (-19) + (-5) = -24

SENAI 43
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

11 Efetue as subtrações abaixo.


a) (+6) - (+3) =
b) (-7) - (-4) =
c) (-8) - (+1) =
d) (+8) - (-1) =
e) (+15) - (-12) =
f) (-12) - (+15) =
g) (-16) - (-4) =
h) (+1) - (-21) =
i) 0 - (+25) =
j) (-32) - 0 =
l) 0 - (-32) =
m) (+20) - (+20) =

Propriedades da subtração
− Fechamento
A subtração de dois números inteiros resulta em um número inteiro. Assim:

(+12) - (-8) = (+12) + (+8) = +20


+12 ∈ Z e -8 ∈ Z; então + 20 ∈ Z

Generalizando, se a ∈ Z e b ∈ Z, então a - b ∈ Z.

Não valem as propriedades comutativa e associativa na subtração. Também não existe


elemento neutro na subtração.

− Adição algébrica
A adição e a subtração entre números inteiros pode ser transformada numa única
operação denominada adição algébrica, cujo resultado chama-se soma algébrica.

Exemplos
a) (+13) + (-5) = 13 - 5 = 8
b) (-13) + (-5) = -13 - 5 = -18
c) (-13) + (+5) = -13 + 5 = -8
d) (+13) - (-5) = (+13) + (+5) = 13 + 5 = 18
e) (-13) - (+5) = (-13) + (-5) = -13 - 5 = -18

44 SENAI
Matemática Aplicada 1

Observe que, na adição, eliminamos os parênteses e o sinal da operação (+); na


subtração, a transformamos em adição e eliminamos os parênteses e o sinal da
operação (+).

Assim, podemos concluir que adição algébrica é uma forma simplificada de se


apresentar a adição de números inteiros, onde são omitidos o sinal da operação (+) e
os parênteses.

Exemplos
a) 5 - 8 = -3
b) -7 - 3 = -10
c) -4 - 7 - 1 = -12
d) -6 + 5 - 9 = - 1 - 9 = -10

Para calcular a soma algébrica de adição com várias parcelas de sinais diferentes
podemos agrupar as parcelas positivas e as parcelas negativas e, depois, efetuar a
adição.

Exemplos
a) 5 - 3 - 7 + 2 - 1 =
1 +4
542 2 - 3 - 7 - 1 =
3

7 - 11 = -4

b) - 7 - 3 + 5 - 2 + 4 - 8 =
1+452+4
34 - 7 - 3 - 2 - 8 =

9 - 20 = -11

Faça o exercício no seu caderno.

12 Calcule as somas algébricas.


a) 7 - 5 =
b) -2 - 3 + 7 + 1 - 4 + 10 =
c) -12 + 3 =
d) 15 - 20 - 5 + 13 - 1 =
e) 4 + 3 + 8 - 6 - 2 - 13 =
f) -5 - 3 - 2 - 7 + 13 =
g) 9 - 12 - 3 + 2 - 1 + 7 =
h) 8 + 2 - 6 - 1 + 3 - 15 =
i) -10 + 3 - 2 - 1 + 6 + 9 - 5 =
SENAI 45
Matemática Aplicada 1

j) -20 + 10 + 30 + 40 - 1 =
l) 1 - 4 - 5 + 6 + 3 - 11 + 7 =
m) 7 - 9 + 1 - 6 + 2 - 4 =

Numa adição algébrica, duas parcelas simétricas podem ser canceladas.

Exemplos
a)

b)

Faça o exercício no seu caderno.

13 Calcule as somas algébricas, utilizando o cancelamento quando possível.


a) 8 - 2 - 5 + 1 + 2 - 8 - 1 =
b) 4 - 7 + 4 - 5 - 16 + 5 + 16 =
c) -3 + 9 - 7 + 3 - 12 + 12 =
d) -10 - 52 + 6 + 10 + 52 =
e) -251 + 36 + 251 - 36 =
f) 1 - 1 + 3 - 2 + 2 - 3 + 6 - 3 =

Quando cancelamos todas as parcelas, a soma algébrica é zero.

Multiplicação

Ao multiplicar dois números inteiros devemos observar os sinais dos fatores.

Para multiplicar dois números inteiros de sinais iguais multiplicam-se os valores


absolutos e dá-se ao resultado o sinal positivo (+).

Exemplos
a) (+4) . (+5) = +(4 . 5) = +20 = 20
b) (+3) . (+7) = +21 = 21
c) (-4) . (-5) = +20 = 20
d) (-3) . (-7) = +21 = 21

Observe que o produto de dois números inteiros de sinais iguais é um número positivo.
Assim, temos:
46 SENAI
Matemática Aplicada 1

(+).(+) = + (-).(-) = +

Para multiplicar dois números de sinais diferentes multiplicam-se os valores absolutos


e dá-se ao resultado o sinal negativo ( - ).

Exemplos
a) (-7) . (+3) = - (7 . 3) = -21
b) (+7) . (-3) = -21
c) (+4) . (-5) = -20

Observe que o produto de dois números inteiros de sinais diferentes é um número


negativo. Assim, temos:
(-).(+) = - (+).(-) = -

O produto de um número inteiro por zero é zero. Assim:


(+36) . 0 = 0
( -36) . 0 = 0

Faça o exercício no seu caderno.

14 Calcule os produtos:
a) ( -6) . ( -4) =
b) (+6) . (+4) =
c) 5 . ( -7) =
d) ( -8) . 9 =
e) ( -7) . (+4) =
f ) 12 . 3 =
g) ( -25) . 2 =
h) -6 . ( -7) =
i ) (+15) . (+2) =
j) ( -3) . ( -11) =
l) ( -7) . (+2) =
m) (+8) . 0 =

SENAI 47
Matemática Aplicada 1

Para efetuar uma multiplicação com vários fatores, observe os exemplos abaixo:

a) (+3) . (+2) . (+1) . (+5) =

(+6) . (+5) = +30


Todos os fatores são positivos, o resultado será positivo.

b) (+3) . (-2) . (-1) . (+5) =

(-6) . (-5) = +30


Dois fatores negativos, o resultado será positivo.

c) (+3) . (-2) . (-1) . (-5) . (-2) . (+3) =

(-6) ⋅ (+5) ⋅ (-6) =

(-30) ⋅ (-6) = +180


Quatro fatores negativos, o resultado será positivo.

d) (+3) ⋅ (+2) ⋅ (+1) ⋅ (-5) =

(+6) ⋅ (-5) = -30


Um fator negativo, resultado será negativo.

e) (+3) . (-2) . (-1) . (-5) =

(-6) . (+5) = -30

Três fatores negativos, o resultado será negativo.

Nos exemplos acima pudemos observar que:


• quando o número de fatores negativos for par, o resultado será positivo;
• quando o número de fatores negativos for ímpar, o resultado será negativo.

48 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

15 Calcule os produtos:
a) (-2) . (+5) . (+3) . (-1) . (-1) =
b) (+4) . (+3) . (+5) . (-3) . (-2) =
c) (+7) . (+1) . (+2) . (+1) . (+3) =
d) (-2) . (-2) . (-2) . (-2) . (-2) =
e) (-2) . (-2) . (-2) . (-2) =
f) (-3) . (+3) . (-2) . (-5) =
g) (+4) . (-2) . (+3) . (+1) =
h) (-5) . (-1) . (+3) . (+2) =

Observação
Quando um dos fatores for igual a zero, o resultado será zero. Assim:
(-3) . (-5) . (+10) . 0 . (-8) = 0

Propriedades da multiplicação
− Fechamento
O produto de dois números inteiros é sempre um número inteiro. Assim:
(+5) . (-7) = -35
+5 ∈ Z e -7 ∈ Z; então, -35 ∈ Z.

Generalizando, se a ∈ Z e b ∈ Z, então a . b ∈ Z.

− Comutativa
A ordem dos fatores não altera o produto. Assim:
( −3) ⋅ (-8) = 24 ⎫

⎬ (-3) . (-8) = (-8) . (-3)
(-8) ⋅ (-3) = 24 ⎪⎭

Generalizando, a . b = b . a.

− Associativa
Para determinar o produto de três números inteiros podemos associar os dois
primeiros ou os dois últimos. Assim:

[(-8) . (-2)] . (+3) = (+16) . (+3) = 48


(-8) . [(-2) . (+3)] = (-8) . (-6) = 48
[(-8) . (-2)] . (+3) = (-8) . [(-2) . (+3)]
Generalizando, a . (b . c) = (a . b) . c.
SENAI 49
Matemática Aplicada 1

− Elemento neutro
O número 1 é o elemento neutro da multiplicação. Assim:
(-5) . 1 = 1 . (-5) = -5
Generalizando, a . 1 = 1 . a = a.

− O zero na multiplicação
O produto de um número por zero é zero. Assim:
(+8) . 0 = 0 . (+8) = 0
Generalizando, 0 . a = a . 0 = 0.

− Distributiva da multiplicação em relação à adição e à subtração

Observe os exemplos abaixo:

a) (-3) . [(-2) + (+6)] = (-3) . (+4) = -12


ou: (-3) . (-2) + (-3) . (+6) = (+6) + (-18) = -12
então: (-3) . [(-2) + (+6)] = (-3) . (-2) + (-3) . (+6) = -12

b) (-5) . [(-4) - (+2)] = (-5) . [- 4 - 2] = (-5) . (-6) = +30


ou: (-5) . (-4) - (-5) . (+2) = (+20) - (-10) = 20 + 10 = 30
então: (-5) . [(-4) - (+2)] = (-5) . (-4) - (-5) . (+2) = 30

Podemos generalizar assim:


a . (b + c) = a . b + a . c
(b + c) . a = a . b + a . c
a . (b - c) = a . b - a . c
(b - c) . a = a . b - a . c

Faça os exercícios no seu caderno

16 Escreva o nome das propriedades aplicadas.


a) (+5) . (-9) = (-9) . (+5)
b) (-15) . 1 = 1 . (-15) = - 15
c) [(-3) . (+2)] . (-7) = (-3) . [(+2) . (-7)]
d) 4 . (-5 + 2) = 4 . (-5) + 4 . 2
e) (-8 - 3) . (-7) = (-8) . (-7) - 3 . (-7)
f) a . b = b . a
g) a . 1 = 1 . a = a
h) a . (b . c) = (a . b) . c
50 SENAI
Matemática Aplicada 1

17 Calcule aplicando a propriedade distributiva, conforme os exemplos.


a) 5 . (-8 + 7) = 5 . (-8) + 5 . 7 =
-40 + 35 = - 5
b) 4 . (a - b) = 4a - 4b
c) 12 . (5 + 4) =
d) p . (x + y) =
e) 2 . (a - b) =

Divisão
Para dividir dois números inteiros de sinais iguais, dividem-se os valores absolutos e
dá-se ao resultado o sinal positivo (+).

Exemplos
a) (+36) : (+2) = +(36 : 2) = +18 = 18
b) (-36) : (-2) = +(36 : 2) = + 18 = 18
c) (+27) : (+3) = +9 = 9
d) (-27) : (-3) = +9 = 9

Observe que o quociente entre dois números de sinais iguais resulta em um número
positivo (+). Assim, temos:
(+) : (+) = + (-) : (-) = +

Para dividir dois números inteiros de sinais diferentes dividem-se os valores absolutos
e dá-se ao resultado o sinal negativo ( - ).

Exemplos
a) (-36) : (+2) = -(36 : 2) = -18
b) (+36) : (-2) = -(36 : 2) = -18
c) (+27) : (-3) = -9
d) (-27) : (+3) = -9

Observe que o quociente entre dois números de sinais diferentes resulta em número
negativo ( - ). Assim, temos:
(+) : ( - ) = - ( - ) : (+) = -

SENAI 51
Matemática Aplicada 1

Zero dividido por um número inteiro diferente de zero é zero.

Exemplos
a) 0 : (-47) = 0
b) 0 : (+35) = 0

Observação
Não se divide por zero!

Faça o exercício no seu caderno.

18 Calcule os quocientes.
a) (+42) : (+7) =
b) (-42) : (-7) =
c) (+54) : (-6) =
d) (-54) : (+6) =
e) 39 : (-13) =
f) (-75) : 3 =
g) 0 : (-16) =
h) (-26) : 1 =
i) (-56) : (-7) =
j) (+64) : (+4) =
l) -35 : 5 =
m) 0 : 23 =

Potenciação
Potenciação é uma outra forma de representar multiplicação de fatores iguais.

Exemplos
a) (+5)2 = (+5) . (+5) = +25
b) (-2)3 = (-2) . (-2) . (-2) = -8
c) (-3)2 = (-3) . (-3) = +9
d) (+6)3 = (+6) . (+6) . (+6) = +216
e) (-2)4 = (-2) . (-2) . (-2) . (-2) = +16
f) (-2)5 = (-2) . (-2) . (-2) . (-2) . (-2) = -32

52 SENAI
Matemática Aplicada 1

Os elementos de uma potenciação chamam-se: base, expoente e potência. Assim:


(-2)5 = -32
-2 é a base 5 é o expoente -32 é a potência

Faça os exercícios no seu caderno.

19 Calcule as potências, transformando-as em produto de fatores iguais.


a) (+2)2 =
b) (+2)3 =
c) (+2)4 =
d) (+2)5 =
e) (-2)2 =
f) (-2)3 =
g) (-2)4 =
h) (-2)5 =
i) (+3)2 =
j) (+3)3 =
l) (+3)4 =
m) (+3)5 =
n) (-3)2 =
o) (-3)3 =
p) (-3)4 =
q) (-3)5 =

Observe que o resultado da potenciação será negativa só quando a base for negativa
e o expoente for ímpar.

Exemplos
a) (-2)3 = -8
b) (-2)5 = -32
c) (-3)5 = -243

20 Calcule as potências:
a) (+5)2 =
b) (-5)2 =
c) (-5)3 =
d) (+4)2 =
e) (-4)2 =

SENAI 53
Matemática Aplicada 1

f) (-4)3 =
g) (+7)2 =
h) (-7)2 =
i) (-2)7 =

Agora, veja as situações abaixo.

52 = 5 . 5 = 25

(+5)2 = (+5) . (+5) = +25

(-5)2 = (-5) . (-5) = +25


-52 = -(5 . 5) = -25

(-5)3 = (-5) . (-5) . (-5) = -125

-53 = -(5 . 5 . 5) = -125

Observe que:

(+5)2 = 52 = 25

(-5)3 = -53 = -125

(-5)2 = +25
(-5)2 é diferente de -52
-52 = -25

Faça o exercício no seu caderno.

21 Calcule:
a) (-6)3 =
b) -63 =
c) (-5)4 =
d) -54 =
e) (-8)2 =
f) -82 =

54 SENAI
Matemática Aplicada 1

Potências especiais
Zero elevado a qualquer expoente diferente de zero é igual a zero.
a) 02 = 0
b) 05 = 0
c) 012 = 0

1 elevado a qualquer expoente é igual a 1.


a) 12 = 1
b) 15 = 1
c) 123 = 1

Qualquer número elevado ao expoente 1 é igual a este número.


a) (-15)1 = -15
b) (+15)1 = +15
c) 01 = 0
d) 11 = 1

Observe que número sem o expoente é igual a potência de expoente 1.

Qualquer número, diferente de zero, elevado ao expoente zero é igual a 1.


a) (-20)0 = 1
b) (+20)0 = 1
c) 10 = 1

A potência de base 10 é igual ao algarismo 1 seguido de zeros. O número de zeros é


igual ao expoente.
a) 103 = 1000 (o expoente é 3, logo é 1 seguido de três zeros).
b) 104 = 10000 (o expoente é 4, logo é 1 seguido de quatro zeros).

Faça o exercício no seu caderno.

22 Determine as potências:
a) (-17)0 =
b) 06 =
c) 60 =
d) (-6)0 =
e) 17 =
f) (+12)1 =

SENAI 55
Matemática Aplicada 1

g) (-12)1 =
h) (+12)0 =
i) 105 =
j) 102 =
l) (-10)3 =
m) (-10)4 =

Propriedades da potenciação
As propriedades da potenciação em N também são válidas quando a base da potência
é número inteiro.

− Produto de potências de mesma base


Para multiplicar potências de mesma base, conserva-se a base e somam-se os
expoentes.

Exemplos
a) (-5)6 . (-5)2 = (-5)6 + 2
= (-5)8
b) (+2)3 . (+2)2 = (+2)3 + 2
= (+2)5
c) (-3)4 . (-3) = (-3)4 + 1
= (-3)5

Faça o exercício no seu caderno.

23 Aplicar a propriedade do produto de potências de mesma base.


a) (-2)2 . (-2)4 =
b) (-2) . (-2)3 =
c) (+6)2 . (+6)3 =
d) a2 . a3 =
e) a2 . a4 . a =
f) b3 . b4 =
g) x 2 . x 2 . x 2 =
h) x 5 . x 4 =
i) (+5)2 . (+5)3 . (+5) =

− Potência de potência
Para elevar uma potência a um expoente conserva-se a base e multiplica-se os
expoentes.

56 SENAI
Matemática Aplicada 1

Exemplos
a) [(+2)3 ]4 = (+2)3 . 4
= (+2)12
b) [(-3)2 ]3 = (-3)2 . 3
= (-2)6
c) [(+5)4 ]0 = (+5)4 . 0
= (+5)0 = 1
d) {[(-2)3 ]2 }2 = (-2)3 . 2 . 2
= (-2)12

Faça o exercício no seu caderno.

24 Aplicar a propriedade da potência de potência.


a) [(-3)3 ]2 =
b) [(+3)4 ]2 =
c) [(-5)2 ]2 =
d) [(+6)2 ]3 =
e) [(-7)3 ]3 =
f) (a2)4 =
g) (b3)4 =
h) [(x2)2 ]2 =
i) [(p3)1 ]2 =

− Quociente de potências de mesma base


Para dividir potências de mesma base conserva-se a base e subtraem-se os
expoentes.

Exemplos
a) (+5)6 : (+5)4 = (+5)6 - 4
= (+5)2
b) (+2)5 : (+2)4 = (+2)5 - 4
= (+2)1 = +2
c) (-3)7 : (-3)3 = (-3)7 - 3
= (-3)4
d) p5 : p2 = p5 - 2
= p3

p ≠ 0 ( lembre-se que o divisor deve ser diferente de zero )

SENAI 57
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

25 Aplicar a propriedade do quociente de potências de mesma base.


a) (-2)6 : (-2)2 =
b) (+5)4 : (+5)3 =
c) (-3)7 : (-3)4 =
d) (+7)3 : (+7) =
e) (-2)10 : (-2)2 =
f) (+3)5 : (+3)2 =
g) a5 : a2 = a ≠ 0
3
h) b : b = b ≠ 0
i) x6 : x3 = x ≠ 0

Observe que esta propriedade só vale quando o primeiro expoente for maior ou igual
ao segundo expoente.

− Potência de um produto
A potência de um produto é igual a cada um dos fatores elevado ao expoente do
produto.

Exemplos
a) [(+2) . (-5)]2 = (+2)2 . (-5)2
b) [(-3) . (+4)]3 = (-3)3 . (+4)3
c) [(-5) . (-3)]2 = (-5)2 . (-3)2

Faça o exercício no seu caderno.

26 Aplicar as propriedades de potências:


a) [(+3) . (+7)]3 =
b) [(-3) . (+2)]2 =
c) (a . b)2 =
d) [(+5) . (-3)]2 =
e) [(-6) . (-2)]3 =
f) (x . y)3 =
g) [(-2) . (-5)]4 =
h) [(+2) . (-6)]5 =
i) (p . q)4 =

58 SENAI
Matemática Aplicada 1

Radiciação
A radiciação é a operação inversa da potenciação.

Observe que: (+2)3 = 8 então 3


8 = 2
(-2)3 = -8 então 3
-8 = -2

Observe que, quando o índice é ímpar, a raiz tem o mesmo sinal do radicando.

Agora veja as situações abaixo:

(+5)2 = 25 e (-5)2 = 25

Existem dois números que, elevados ao quadrado, dão 25. Para diferenciá-los
indicaremos assim:

(+5)2 = 25 então 25 = 5
(-5 )2 = 25 então - 25 = -5

Observe que para indicar a raiz quadrada negativa colocamos o sinal menos ( - )
antes do radical.
a) - 36 = -6
b) - 9 = -3
c) - 4 = -2

Quando não colocamos sinal antes do radical, convencionamos que a raiz quadrada é
positiva.
a) 36 = 6
b) 9 = 3
c) 4 = 2

Não podemos calcular a raiz, em Z, quando o índice for par e o radicando, negativo.

Exemplos
a) - 25 = ?
Não existe um número inteiro que elevado a 2 dê -25.

4
b) - 16 = ?
Não existe um número inteiro que elevado a 4 dê -16.

SENAI 59
Matemática Aplicada 1

Para calcular a raiz de um número fazemos o seguinte:


• Decompomos o número em fatores primos.
• Escrevemos o número em produto de potência de expoente igual ao índice.
• Quando necessário, aplicamos a propriedade da potência de um produto.

Veja os exemplos que seguem.

a) 25 = 25 5 ⎫ 2
⎬ 5 = 25
5 5 ⎭
1 25 = 5

b)
4
16 = 16 2 ⎫

8 2 ⎪ 4
⎬ 2 = 16
4 2 ⎪

2 2 ⎭
4
1 16 = 2

3
c) 64 = 64 2 ⎫
⎪ 3
32 2 ⎬ 2

16 2 ⎭
23 . 23 = 43 = 64
8 2 ⎫
⎪ 3
4 2 ⎬ 2

2 2 ⎭
3
1 64 = 4

3
d) - 216 = 216 2 ⎫
⎪ 3
108 2 ⎬ 2

54 2 ⎭
23 . 33 = (2 . 3)3 = 63 = 216
27 3 ⎫
⎪ 3
9 3 ⎬ 3

3 3 ⎭
3
1 - 216 = -6

Observe que se não for possível transformar em potências onde o expoente é igual ao
índice não existe a raiz em Z.

60 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

27 Calcule as raízes.
a) 49 =
3
b) 125 =
3
c) - 125 =
d) 64 =
e) 225 =
f) 144 =
g) - 64 =
3
h) 1000 =

Expressões

Eliminação de parênteses
Numa expressão com números inteiros podem ocorrer situações em que aparecem os
sinais + ou - antes dos parênteses. Nessas situações, podemos recorrer à regra dos
sinais da multiplicação e eliminar os parênteses.

Exemplos
a) +(-5) = -5 é o mesmo que +1 . (-5) = -5
b) +(+5) = +5 é o mesmo que +1 . (+5) = +5
c) -(-5) = +5 é o mesmo que -1 . (-5) = +5
d) -(+5) = -5 é o mesmo que -1 . (+5) = -5

Observe que:
+(+) dá +
- (+) dá -
- ( - ) dá +
+( - ) dá -

SENAI 61
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

28 Elimine os parênteses e calcule conforme o exemplo.


a) (+5) - (-3) + (-7) - (+2) + (+4) =

Eliminando os parênteses:
= + 5 + 3 - 7 - 2 + 4 =

Agrupando os positivos e os negativos:

= 1
54+2+3
344 - 1
722 =
-3

= 12 - 9 = 3

b) (-6) - (-1) - (+4) + (-4) - (-5) + (+3) =


c) (+7) + (-3) - (-2) + (+6) - (+4) - (-1) =
d) (-5) - (-2) + (-7) - (+8) - (-3) + (-5) =
e) (+7) - (+5) + (-5) - (-7) - (-4) =
f) (-4) - (-1) + (-1) + (-1) - (+1) - (-5) + (-5) =

Agora, observe as seguintes situações:


- (5 + 2 - 3 - 6) e + (-4 + 3 - 2 - 6)

Nessas situações, podemos recorrer á propriedade distributiva da multiplicação.

Exemplos
a) - (5 + 2 - 3 - 6) = - 5 - 2 + 3 + 6 é o mesmo que:
- 1 . (5 + 2 - 3 - 6) = - 5 - 2 + 3 + 6
b) + (-4 + 3 - 2 - 6) = - 4 + 3 - 2 - 6 é o mesmo que:
+ 1 . (-4 + 3 - 2 - 6) = - 4 + 3 - 2 - 6

62 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

29 Elimine os parênteses e calcule conforme o exemplo.

a) (- 4 + 3 - 2 - 6) - (5 + 2 - 3 - 6) =
Eliminando os parênteses:
= - 4 + 3 - 2 - - 5 - 2 + 3 + =

Cancelando os simétricos e agrupando os positivos e os negativos:


= 3 + 3 - 4 - 2 - 5 - 2 =
= + 6 - 13 = - 7

b) + (5 - 6 + 3) - (- 2 + 6 - 7) =
c) - (4 - 7 + 5) + (- 3 - 4 + 2) =
d) (- 7 + 2) - (- 9 - 1) + (- 6 + 5 - 3) =
e) 12 - (4 - 3 + 5) + (- 3 - 7) =
f) 1 - (- 8 + 5 - 2) - (+ 6 - 9) =

Expressões envolvendo operações com números inteiros


Para resolver expressões envolvendo números inteiros devemos observar a seguinte
ordem:
10) Efetuam-se potências e raízes na ordem em que aparecem.
20) Efetuam-se as multiplicações e as divisões na ordem em que aparecem.
30) Efetuam-se as adições e as subtrações na ordem em que aparecem.

Exemplos
a) 5 - 2 . (-3) + 12 : (-4) =

= 5 + 6 - 3 =
= 11 - 3 = 8
b) 12 + 4 - 20 : (-4) + 3 . (-5) =

= 12 + 4 + 5 - 15 =
= 21 - 15 = 6
c) 14 : (-2) - 5 - 36 : 3 =

= -7 - 5 - 12 = -24

SENAI 63
Matemática Aplicada 1

d) (-6)2 : (-9) + 42 . (-1) + 8 =


= (+36) : (-9) + 42 . (-1) + 8 =
= -4 -42 + 8 =
= -46 + 8 = -38

Faça o exercício no seu caderno.

30 Calcule as expressões.
a) 20 - 48 : (-6) + 5 . (-6) =
b) -5 + 7 . (-3) - 56 : 8 + 1 =
c) (-24) : (-3) + 6 . (-9) =
d) 9 + 27 : (-3) - 5 . (+6) - 20 =
e) (-3)2 . 2 - 36 : (-9) + 12 =
f) 4 . (-2)3 + 10 - 50 . (-7) + 2 =
g) 7 - (-5)2 + (-3)3 . 2 - 36 : (-2)2 =
h) 3 64 - (-2)3 . [10 - 2 . (5 - 6)] =

Expressões envolvendo parênteses e colchetes


Nas expressões em que aparecem ( ) e [ ] devemos obedecer à seguinte ordem:
10) Calcular as expressões entre os parênteses ( ).
20) Calcular as expressões entre os colchetes [ ].
Em cada uma das etapas, deve ser observada a ordem das operações.

Exemplos
a) 20 - [15 + (- 7 - 3)] + 6 =
= 20 - [15 + (- 10)] + 6 =
= 20 - [15 - 10] + 6 =
= 20 - [5] + 6 =
= 20 - 5 + 6 = 21
b) - 12 + [24 - (19 - 3 . 4) - 2] =
= - 12 + [24 - (19 - 12) - 2] =
= - 12 + [24 - 7 - 2] =
= - 12 + 15 = 3
c) (-5)2 - [- 13 - 2 . (5 - 8)] =
= (-5)2 - [- 13 - 2 . (-3)] =
= (-5)2 - [- 13 + 6] =
= (-5)2 - [-7] =
= (-5)2 + 7 =
= 25 + 7 = 32

64 SENAI
Matemática Aplicada 1

d) (7 - 9)3 - 3 . [13 - (4 - 7)3 ] =


= (-2)3 - 3 . [13 - (-3)3 ] =
= (-2)3 - 3 . [13 - (-27)] =
= (-2)3 - 3 . [13 + 27] =
= (-2)3 - 3 . 40 =
= (-2)3 - 120 =
= - 8 - 120 = -128

Faça o exercício no seu caderno.

31 Calcule as expressões.
a) 4 + (5 . 8 - 64) : (-3) =
b) 10 + 2 . (- 2 + 3 - 5) =
c) 2 - 42 : [- 2 + 3 . (5 - 2)] =
d) 5 - 2 . [- 3 - (4 - 1)] + 3 =
e) [24 : (-10 + 23)] - 11 =
f) 52 - 32 - ( 3
-8 )
+ 5 . ( -1 ) =

SENAI 65
Matemática Aplicada 1

Números racionais

Números racionais absolutos

Dada uma fração irredutível, se multiplicarmos o numerador e o denominador por todos


os números naturais, diferentes de zero, obteremos o conjunto de todas as frações
equivalentes à fração dada.

Por exemplo:
⎧ 5 10 15 20 ⎫
a) ⎨ , , , , . . . . . .⎬
⎩2 4 6 8 ⎭

As frações
5 10 15 20
, , , , etc.
2 4 6 8
representam o mesmo número racional absoluto porque são frações equivalentes.

Outros exemplos:
⎧3 6 9 12 ⎫
b) ⎨ , , , , . . . . .⎬
⎩1 2 3 4 ⎭

As frações
3 6 9 12
, , , , etc.
1 2 3 4
representam o mesmo número racional absoluto porque são frações equivalentes.

⎧0 0 0 0 ⎫
c) ⎨ , , , , . . . . .⎬
⎩1 2 3 4 ⎭

As frações
0 0 0 0
, , , , etc.
1 2 3 4
representam o mesmo número racional absoluto porque são frações equivalentes.

SENAI 67
Matemática Aplicada 1

a
Generalizando, podemos representar um número racional absoluto na forma
b
onde a ∈ N e b ∈ N*.

Representaremos o conjunto dos números racionais absolutos por Q + .

Noções de número racional

Se aos números racionais absolutos diferentes de zero atribuirmos os sinais + e - ,


obteremos os números racionais positivos e negativos.

Exemplos
5 1 3 8 10
+ ; - ; + ; + ; -
3 4 7 2 2

O conjunto formado por todos os números racionais positivos, os negativos e o zero


chama-se conjunto dos números racionais e é indicado por Q.

Como fizemos em Z, os números positivos podem ser escritos sem o sinal +.

a
• Qualquer número racional pode ser representado sob a forma
b

onde a ∈ Z e b ∈ Z* .

Exemplos
2 - 5 - 6 5
; ; ;
3 4 - 1 - 3
a
• Quando, no número racional escrito sob a forma de fração , o a for múltiplo do
b
b, este número é equivalente a um número inteiro.

Exemplos
10
a) = 5
2
20
b) - = - 10
2
0
c) =0
12
5
d) =1
5

68 SENAI
Matemática Aplicada 1

4
e) - = -1
4

Assim podemos estabelecer o diagrama

Pelo diagrama podemos dizer que:


• todo número natural é número inteiro, e que
• todo número inteiro é número racional.

Os números racionais podem ser representados sob a forma decimal.

Para se obter a representação decimal dos números racionais dividimos o numerador


pelo denominador.

Exemplos

5 5 2
a) = 2,5
2 10 2,5
0

4 4,0 5
b) - = - 0,8
5 0 0,8

3 3,0 25
c) - = - 0,12
25 50 0,12
0

SENAI 69
Matemática Aplicada 1

5 5, 3
d) = 1,666...
3 20 1,666
20
20
2

5 5 6
e) = 0,8333...
6 20 0,8333
20
20
2

Observe que, quando o esto começa a repetir, o algarismo do quociente também


começa a repetir. Esta repetição é representada por reticências (...).

Faça o exercício no seu caderno.

1 Escreva os números racionais sob forma decimal.


11
a) =
2
7
b) =
5
1
c) - =
8
11
d) - =
20
1
e) =
3
1
f) - =
3
4
g) - =
9
7
h) - =
6

70 SENAI
Matemática Aplicada 1

Quando transformamos um número da forma fracionária para a forma decimal ocorrem


três situações:

1a) O resultado é exato.

Exemplos
5
a) = 2,5
2
4
b) - = - 0,8
5
3
c) - = - 0,12
25

Neste caso chamaremos de decimal exato.


a
2 ) O resultado não é exato e um ou mais algarismos começam a se repetir
indefinidamente, logo após a vírgula.

Exemplos
5
a) = 1,666...
3
1
b) - = - 0,333...
3
5
c) = 0,454545.. .
11

O número racional que na forma decimal apresenta essa situação é chamado de


dízima periódica simples. O número formado pelo algarismo que se repetem é o
período.

Exemplos
- 1,666... é o 6 que se repete, logo o período é 6.
0,454545... é o 45 que se repete, logo o período é 45.

Também podemos representar dízimas periódicas simples assim:


- 1,666... = 1,6 o ponto ( . ) significa que 6 é o período.
__
0,454545... = 0, 45 o traço ( ) significa que 45 é o período.

SENAI 71
Matemática Aplicada 1

3a) O resultado não é exato e ocorre a repetição de um ou mais algarismos


indefinidamente, mas entre a vírgula e o período existem algarismos que não se
repetem.

Exemplos
11
a) = 1,8333 ...
6
47
b) - = - 0,5222...
90

101 ___
c) = 0, 102
990

O número racional que na forma decimal apresenta essa situação é chamado de


dízima periódica composta. Na dízima periódica composta, a parte decimal que
se repete recebe o nome de período e a parte decimal que não se repete recebe o
nome de parte não periódica.

Faça os exercícios no seu caderno.

2 Classifique os números racionais que seguem em decimal exato, dízima periódica


simples e dízima periódica composta.

a) 0,25

b) 0,252525...

c) - 5,333...

d) 4,5333...

e) 5,2

__
3 Qual é o período do número 5, 42 ?

4 Quais são o período e a parte não periódica do número 0,5232323...?

72 SENAI
Matemática Aplicada 1

Transformação da forma decimal em fração

Decimal exato
Para transformar um número racional de forma decimal exata em fração fazemos o
seguinte:
• Colocamos, no numerador da fração, o número decimal sem a vírgula.
• Colocamos, no denominador da fração, o algarismo 1 seguido de tantos zeros
quantas forem as casas decimais do número.

Exemplos
25 25 : 5 5 : 5 1
a) {=
0, 25 = = =
1{
00 100 : 5 20 : 5 4

2 casas 2 zeros

b) 15 15 : 5 3
5 =
1, { = =
1{
0 10 : 5 2

1casa 1 zero

5 5 : 5 1
c) {=
0, 005 = =
1 000
{ 1000 : 5 200

3 casas 3 zeros

- 375 - 375 : 5 - 75 : 5 - 15
d) - 3,75 = = = =
100 100 : 5 20 : 5 4

Faça o exercício no seu caderno.

a
5 Escreva sob a forma os números decimais:
b

a) 0,5

b) 3,2

c) 1,25

d) - 0,45

e) 3,125

f) - 0,016

g) 2,05

h) 0,025

SENAI 73
Matemática Aplicada 1

Dízima periódica simples


Para transformar uma dízima periódica simples em fração fazemos o seguinte:
• Colocamos o período da dízima no numerador.
• Colocamos, no denominador, tantos noves quantos forem os algarismos do
período.
• Se a dízima apresentar a parte inteira diferente de zero devemos colocá-la antes
da fração, obtendo, assim, um número misto. Se for necessário, a transformamos
em fração imprópria.

Exemplos

a)

Observe que o período 5 tem um algarismo.

36 : 9 4
b) = =
99 : 9 11
Observe que o período 36 tem dois algarismos.

c) 108 108 : 3 36 : 3
{ =
5, 324 = 5 = 5 = 5
333 333 : 3 111 : 3
12 197
= 5 ou
37 37
Observe que o período 324 tem 3 algarismos.

Faça o exercício no seu caderno.

a
6 Escreva sob a forma as dízimas periódicas simples:
b

a) 0,333...

b) - 2,666...

c) 4,060606...

d) 0,4

e) 0,242424...

f ) 0, 513

74 SENAI
Matemática Aplicada 1

Dízima periódica composta


Para transformar uma dízima periódica composta em fração fazemos o seguinte:
• Colocamos no numerador a parte não periódica seguida do período e subtraímos a
parte não periódica.
• colocamos no denominador tantos noves quantos forem os algarismos do período,
seguidos de tantos zeros quantos forem os algarismos da parte não periódica.
• Se apresentar parte inteira diferente de zero, esta deve ser colocada antes da
fração, obtendo-se assim um número misto. Se for necessário, transformá-lo em
fração imprópria.

Exemplos
83 - 8 75 75 : 3 25 : 5 5
a) 0,8333... = = = = =
90 90 90 : 3 30 : 5 6
Observe que a parte não periódica 8 tem um algarismo e o período 3 tem um
algarismo.

136 - 1 135 135 : 5 27 : 9 3


b) 2,1363636 ... = 2 =2 =2 =2 =2
990 990 990 : 5 198 : 9 22
Observe que a parte não periódica 1 tem um algarismo e o período 36 tem 2
algarismos.

06 - 0 6 1
c) 3,0666... = 3 =3 =3
90 90 15

_ 253 - 25 228 : 3 76 : 2 38 : 2 19
d) 0,25 3 = = = = =
900 900 : 3 300 : 2 150 : 2 75

Faça o exercício no seu caderno.

a
7 Escreva sob a forma as dízimas periódicas compostas:
b

a) 0,3555...

b) 2,0444...

c) 0,375

d) 2,4666...
__
e) 0,5 13
__
f ) 1,6 27

SENAI 75
Matemática Aplicada 1

Representação na reta numérica

Os números racionais podem ser representados na reta numérica. Assim:

Oposto ou simétrico

Já vimos, no conjunto Z, que:


• oposto de +3 é -3
• oposto de -5 é 5
• oposto de 0 é 0

Do mesmo modo temos que:


3 3
• oposto de - é +
4 4

7 7
• oposto de - é +
3 3

• oposto de 2,5 é -2,5

Generalizando temos: se a é um número racional, o oposto de a é -a.

Faça o exercício no seu caderno.

8 Dê o oposto dos números racionais abaixo.


1
a) -
2
3
b)
5

c) - 1,25

d) 0,6
1
e) -2
4

76 SENAI
Matemática Aplicada 1

Valor absoluto ou módulo

Observe a reta numérica abaixo.

Veja que -2,5 e +2,5 estão à mesma distância do zero, logo têm os módulos iguais.
Indicaremos do mesmo modo que em Z.

|-2,5| = 2,5 |+2,5| = 2,5

Como o módulo de um número positivo e o módulo de um número negativo não têm


sinais, podemos dizer que módulo de um número racional é sempre um número
racional absoluto.

Faça o exercício no seu caderno.

9 Escreva os valores correspondentes aos módulos abaixo.


3
a) -
7

5
b) +
6

c) 0

d) - 0,25

1
e) -
2

10
f) +
7

g) - 15

SENAI 77
Matemática Aplicada 1

Comparação

Para comparar números racionais podemos observar as posições que estes ocupam
na reta numérica. Os números crescem da esquerda para a direita. Observe a reta
numérica:

Veja que:
1 1 1
0< - <0 -2,5 < -
2 2 2

7 5
- < 4,5 < 4,5
2 2

Faça os exercícios no seu caderno.

10 Observe a reta numérica dada anteriormente e escreva em ordem crescente os


números:

3 5 9 3
; - ; - 2,5; ; - e 0
4 4 4 2

11 Observe a reta numérica e escreva em ordem decrescente os números:

3 7 5 5
- 4,5; 4,5; 0; - ; - ; ; e
2 2 2 4

12 Copie no caderno substituindo o Δ pela palavra maior ou menor (observe a reta


numérica).

a) Qualquer número positivo é Δ que zero.

b) Qualquer número negativo é Δ que zero.

c) Qualquer número negativo é Δ que qualquer número positivo.

d) Entre dois números negativos o Δ será o que possuir o maior valor absoluto.

a c
Dois números racionais e são equivalentes se:
b d
a.d=b.c

78 SENAI
Matemática Aplicada 1

Exemplos
5 15
a) = porque 5 . 9 = 3 . 15
3 9
3 12
b) = porque 3 . 4 = 1 . 12
1 4

Para comparar dois números racionais positivos


a c
e
b d

podemos fazer o seguinte:


• multiplicar o numerador da 1a fração pelo denominador da 2a fração;
• multiplicar o numerador da 2a fração pelo denominador da 1a fração;
• comparar os resultados.

Exemplos
5 4
a) > pois 5.5>4.3
3 5
7 5
b) < pois 7.4<5.6
6 4

Faça o exercício no seu caderno.

13 Substitua o Δ pelo sinal > ou < tornando verdadeiras as sentenças.


5 8
a) Δ
7 11
8 7
b) Δ
9 8
3 5
c) Δ
2 4
3 5
d) Δ
4 7
10 11
e) Δ
9 8
7 9
f) Δ
6 8

Para comparar dois números racionais negativos


a c
e
b d
SENAI 79
Matemática Aplicada 1

podemos fazer o seguinte:


• compararmos os valores absolutos dos números racionais;
• se, na comparação, o valor absoluto da 1a fração for menor do que o valor absoluto
da 2a fração, conclui-se que a 1a fração é maior do que a 2a fração.

Lembremos que, dados dois números racionais negativos, o número de menor valor
absoluto é maior do que o número de maior valor absoluto.

Exemplos
6 7
a) - e -
5 6

Comparando os valores absolutos,

6 7
> pois 6.6>5.7
5 6

6 7
Logo: - <-
5 6

3 6
b) - e -
7 13

Comparando os valores absolutos,

3 6
< pois 3 . 13 < 7 . 6
7 13

3 6
Logo: - >-
7 13

Faça o exercício no seu caderno.

14 Substitua o Δ pelo sinal < ou > tornando verdadeiras as sentenças.


5 8
a) - Δ -
7 11
9 3
b) - Δ -
13 5
21 5
c) - Δ -
7 2

80 SENAI
Matemática Aplicada 1

3 4
d) - Δ -
2 3
7 9
e) - Δ -
6 8
12 4
f) - Δ -
11 3

a
Outro modo de comparar números racionais sob a forma é a seguinte:
b
• Se forem positivos com denominadores iguais, comparamos os numeradores.

Exemplos
3 5
a) < pois 3<5
4 4
7 5
b) > pois 7>5
6 6

• Se forem negativos com denominadores iguais, atribuímos o sinal negativo aos


numeradores e os comparamos.

Exemplos
3 5
a) - >- pois -3 > -5
4 4
7 5
b) - <- pois -7 < -5
6 6

• Se os denominadores forem diferentes reduzimos ao mesmo denominador e


recaímos nos casos anteriores.

Exemplos
11 7
a) e
6 4

• Reduzindo ao mesmo denominador:


mmc ( 6, 4 ) = 12
11 ( 12 : 6 ) .11 22
= =
6 12 12
7
=
( 12 : 4 ) . 7 = 21
4 12 12

SENAI 81
Matemática Aplicada 1

22 21 11 7
> logo >
12 12 6 4
13 7
b) - e -
8 3
• Reduzindo ao mesmo denominador:
mmc ( 8, 3 ) = 24

-
13
=-
( 24 : 8 ) . 13 = - 39
8 24 24

-
7
=-
( 24 : 3 ) . 7 = - 56
3 24 24
39 56 13 7
- >- logo - >-
24 24 8 3

Este processo é trabalhoso, porém será útil para ordenar números racionais
a
escritos sob a forma .
b

Outro exemplo:
Escrever em ordem crescente os números racionais:

5 3 7 7
, , e
6 4 8 12

Observe que, reduzindo ao mesmo denominador, basta comparar os numeradores.

Então, vamos reduzi-los ao mesmo denominador:

5 3 7 7
, , ,
6 4 8 12

mmc ( 6, 4, 8, 12 ) = 24

(24 ⋅ 6) ⋅ 5 (24 ⋅ 4) ⋅ 3 (24 ⋅ 8) ⋅ 7 (24 ⋅ 12) ⋅ 7


; ; ;
24 24 24 24

20 18 21 14 14 18 20 21 7 3 5 7
, , , → < < < logo < < <
24 24 24 24 24 24 24 24 12 4 6 8

82 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

15 Escreva na ordem crescente os números racionais:


3 1 5 3
a) ; - ; 0 ; ; -
4 2 6 4
7 2 7 1
b) ; - ; ; -
8 3 12 2

Operações

Nas operações com números racionais levamos em consideração as regras estudadas


em números decimais, frações e números inteiros.

Adição e subtração
a
Para efetuar adição e subtração de números racionais (sob a forma ) consideramos
b
as seguintes situações:

• Os denominadores são iguais:


Conserva-se o denominador comum e adicionam-se ou subtraem-se os
numeradores.

Exemplos
5 1 5 + 1 6 3
a) + = = =
8 8 8 8 4
11 10 11 − 10 1
b) − = =
4 4 4 4
3 2 -3 − 2 -5 5
c) - − = = =-
7 7 7 7 7
5 ⎛ 1⎞ -5 1 -5 + 1 -4 4
d) - − ⎜- ⎟ = + = = =-
9 ⎝ 9⎠ 9 9
{ 9 9 9

eliminando os parênteses

SENAI 83
Matemática Aplicada 1

Se aparecer número misto na operação, é conveniente transformá-lo em fração


imprópria.

Exemplos transformando em fração imprópria


64444744448
⎛ 2 ⎞ ⎛ 1⎞ 2 1 3 x 1+ 2 3 x 2 +1 5 7 12
a) ⎜ + 1 ⎟ - ⎜ - 2 ⎟ = +1 +2 = + = + = =4
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3⎠ 134 42434
3 3 3 3 3 3

eliminando os parênteses

5 ⎛ 3⎞ ⎛ 7 ⎞ 5 3 7 5 3 15 5 - 3 + 15 17 1
b) + ⎜− ⎟ - ⎜- 1 ⎟ = − +1 = − + = = =2
8 ⎝ 8⎠ ⎝ 8 ⎠ 8 8 8 8 8 8 8 8 8

Faça os exercícios no seu caderno.

16 Calcule a soma ou a diferença conforme o caso.


⎛ 5 ⎞ ⎛ 4 ⎞
a) ⎜ - ⎟+⎜ - ⎟=
⎝ 11 ⎠ ⎝ 11 ⎠

⎛ 7 ⎞ ⎛ 2 ⎞
b) ⎜ + ⎟−⎜ - ⎟=
⎝ 15 ⎠ ⎝ 15 ⎠

⎛ 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞
c) ⎜ + ⎟ + ⎜ - ⎟ =
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠

⎛ 1 ⎞ ⎛ 5 ⎞
d) ⎜ − ⎟−⎜ - ⎟=
⎝ 6 ⎠ ⎝ 6 ⎠

⎛ 5 ⎞ ⎛ 7 ⎞
e) ⎜ - 1 ⎟ + ⎜+ ⎟=
⎝ 9 ⎠ ⎝ 9 ⎠

⎛ 9 ⎞ ⎛ 7 ⎞
f) ⎜−1 ⎟ − ⎜+ ⎟=
⎝ 13 ⎠ ⎝ 13 ⎠

17 Calcule o valor das expressões:


8 ⎛ 7 4 ⎞
a) −⎜ + ⎟=
15 ⎝ 15 15 ⎠

1 ⎛ 2 1 ⎞
b) + ⎜1 −3 ⎟=
5 ⎝ 5 5 ⎠

4 ⎛ 5 7 ⎞
c) - −⎜ - ⎟=
9 ⎝ 9 9 ⎠

1 ⎛ 4 1⎞
d) 3 − ⎜- - ⎟=
7 ⎝ 7 7⎠

84 SENAI
Matemática Aplicada 1

• Os denominadores são diferentes:


Neste caso devemos reduzir ao mesmo denominador.

Exemplos
eliminando os parênteses
64748
⎛ 5 ⎞ ⎛ 3 ⎞ 5 3 - 10 + 9 1
a) ⎜ − ⎟+⎜ + ⎟=− + = =−
⎝ 6 ⎠ ⎝ 4 ⎠ 6 4 1412 243 12

reduzindo ao mesmo denominador


mmc (6,4) = 12
⎛ 7 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 7 2 7 5 7 + 15 22 4
b) ⎜ + ⎟ - ⎜- 1 ⎟ = +1 = + = = =2
⎝ 9 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 9 3 9 3 9 9 9
mmc (9,3) = 9
⎛ 5 ⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 3 ⎞ 5 1 3 - 20 - 8 + 9 19
c) ⎜ - ⎟ + ⎜- ⎟ - ⎜- ⎟=− − + = =−
⎝ 6 ⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 8 ⎠ 6 3 8 24 24
mmc (6, 3, 8) = 24
⎛ 1⎞ 5
- (+ 2) + ⎜ - ⎟ =
1 2 1 15 - 24 - 4 13 1
d) 1 - - = =- = -1
4 ⎝ 3⎠ 4 1 3 12 12 12
mmc (4, 3) = 12
2
Observe que 2 = .
1

Faça os exercícios no seu caderno.

18 Calcule as diferenças ou somas:


⎛ 5 ⎞ ⎛ 1 ⎞
a) ⎜ - ⎟+⎜ - ⎟=
⎝ 6 ⎠ ⎝ 4 ⎠

⎛ 6 ⎞ ⎛ 1 ⎞
b) ⎜ − ⎟−⎜ - ⎟=
⎝ 7 ⎠ ⎝ 14 ⎠

⎛ 1 ⎞ ⎛ 1 ⎞
c) ⎜ + ⎟ + ⎜ - ⎟ =
⎝ 3 ⎠ ⎝ 6 ⎠

d) ( − 2 ) − ⎛⎜ + 3 ⎞
⎟=
⎝ 8 ⎠

⎛ 2 ⎞ ⎛ 7 ⎞
e) ⎜ + 1 ⎟+⎜ + ⎟=
⎝ 9 ⎠ ⎝ 6 ⎠

f) ( − 0,5 ) − ⎛⎜ + 1 ⎞
⎟=
⎝ 5 ⎠

SENAI 85
Matemática Aplicada 1

19 Calcule o valor das expressões.


⎛ 2 4 ⎞ ⎛ 5 3 ⎞
a) ⎜ - ⎟-⎜ - + ⎟=
⎝ 3 5 ⎠ ⎝ 6 10 ⎠

b) ⎛⎜ 3 - 1 ⎞⎟ - ⎛⎜ 2 - 7 ⎞⎟ =
⎝ 4 ⎠ ⎝ 8 ⎠

c) (0,2 - 0,3 ) - ⎛⎜1 1⎞


- ⎟=
⎝ 3 2⎠

d) ⎛⎜ 0,8 - 4 ⎞⎟ - ⎛⎜ 0,5 - 3 ⎞⎟ =
⎝ 5 ⎠ ⎝ 10 ⎠

Propriedade da adição e subtração


− Fechamento
⎛ 3 ⎞ ⎛ 1⎞ 2 3 1 2
⎜+ ⎟ + ⎜- ⎟ = + ∈ Q, - ∈ Q e ∈Q
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5⎠ 5 5 5 5

Generalizando:
a ∈ Q, b ∈ Q então a + b ∈ Q

− Comutativa

⎛ 3 ⎞ ⎛ 1⎞ 2 ⎫
⎜+ ⎟ + ⎜- ⎟ = ⎪
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5⎠ 5 ⎪ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 3 ⎞
⎬ ⎜+ ⎟ + ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ + ⎜+ ⎟
⎛ 1 ⎞ ⎛ 3 ⎞ 2 ⎪ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5⎠ ⎝ 5⎠ ⎝ 5 ⎠
⎜− ⎟ + ⎜+ ⎟= ⎪
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ 5 ⎭

Generalizando:
a+b=b+a

− Associativa
⎡⎛ 3 ⎞ ⎛ 1 ⎞⎤ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 7
⎢⎜ - ⎟ + ⎜ + ⎟⎥ + ⎜ − ⎟ = ⎜− ⎟ + ⎜− ⎟=−
⎣⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠⎦ ⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠ 8

⎛ 3 ⎞ ⎡⎛ 1 ⎞ ⎛ 5 ⎞⎤ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 4 ⎞ 7
⎜- ⎟ + ⎢⎜ + ⎟ + ⎜ − ⎟⎥ = ⎜ − ⎟ + ⎜− ⎟=−
⎝ 8 ⎠ ⎣⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠⎦ ⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠ 8

⎡⎛ 3 ⎞ ⎛ 1 ⎞⎤ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎡⎛ 1 ⎞ ⎛ 5 ⎞⎤
⎢⎜ − ⎟ + ⎜ + ⎟⎥ + ⎜ − ⎟ = ⎜− ⎟ + ⎢⎜ + ⎟ + ⎜ − ⎟⎥
⎣⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠⎦ ⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠ ⎣⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠⎦

86 SENAI
Matemática Aplicada 1

Generalizando:
(a + b) + c = a + (b + c)

− Elemento neutro
⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 5
⎜- ⎟+0 = 0+⎜ - ⎟=−
⎝ 9 ⎠ ⎝ 9 ⎠ 9

Generalizando:
a+0=a e 0+a=a

− Oposto ou simétrico
5 ⎛ 5 ⎞
+⎜ - ⎟=0
8 ⎝ 8 ⎠

⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞
⎜- ⎟ + ⎜+ ⎟=0
⎝ 8 ⎠ ⎝ 8 ⎠

Generalizando:
a + (-a) = 0 e -a + a = 0
Para qualquer número racional a, existe o oposto que é -a.

Observe que a subtração é fechada em Q.

⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 2 3 5 2
⎜− ⎟ − ⎜- ⎟= − ∈ Q, - ∈Q e ∈Q
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠ 7 7 7 7

Generalizando:
se a ∈ Q e b ∈ Q, então a - b ∈ Q.

Multiplicação
Na multiplicação em Q, valem as mesmas regras de sinais usadas em Z.

Assim temos:
O produto de dois números racionais de sinais iguais é positivo.

(+) . (+) = + e (-).(-)=+

O produto de dois números de sinais diferentes é negativo.

SENAI 87
Matemática Aplicada 1

( - ) . (+) = - e (+) . ( - ) = -

a
Para multiplicar números racionais (na forma ) fazemos o seguinte:
b
• multiplicamos os numeradores
• multiplicamos os denominadores
• colocamos o sinal de acordo com a regra

Exemplos
⎛ 2 ⎞ ⎛ 1 ⎞ 2 .1 2
a) ⎜ - ⎟.⎜ + ⎟=− =−
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 5 . 3 15

⎛ 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 3 . 2 6 3
b) ⎜ + ⎟.⎜ + ⎟ = + = =
⎝ 4 ⎠ ⎝ 5 ⎠ 4 . 5 20 10

⎛ 1 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 15 5 1
c) ⎜ − 1 ⎟.⎜ - ⎟ = ⎜ - ⎟.⎜ - ⎟ = + = =1
⎝ 2 ⎠ ⎝ 6 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 6 ⎠ 12 4 4

d) ( − 0,2 ) . ⎛⎜ + 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞
⎟=⎜ - ⎟.⎜ + ⎟ = −
6
=−
3
⎝ 4 ⎠ ⎝ 10 ⎠ ⎝ 4 ⎠ 40 20

⎛ 5 ⎞ 4 ⎛ 5 ⎞ 20 10 1
e) 4 . ⎜ - ⎟ = . ⎜- ⎟ = − =− = −3
⎝ 6 ⎠ 1 ⎝ 6 ⎠ 6 3 3

Na multiplicação podemos simplificar o numerador de uma fração com o denominador


da outra fração.

Exemplos

4 . 2 8 2
a) - =- = −2
1 . 3 3 3

⎛ 15 ⎞ 15 7
b) ⎜ - 8 ⎟ . - = −1
⎝ ⎠ 8 8

Observe que a simplificação na própria fração é válida.

88 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

20 Calcule os produtos:
⎛ 5 ⎞ ⎛ 2 ⎞
a) ⎜ + ⎟.⎜ - ⎟=
⎝ 6 ⎠ ⎝ 3 ⎠

⎛ 5 ⎞ ⎛ 4 ⎞ ⎛ 3 ⎞
b) ⎜ − ⎟.⎜ + ⎟.⎜ − ⎟=
⎝ 8 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 10 ⎠

⎛ 3 ⎞ ⎛ 6 ⎞
c) ⎜ − ⎟ . ⎜ - ⎟ =
⎝ 4 ⎠ ⎝ 5 ⎠

⎛ 7 ⎞ ⎛ 6 ⎞ ⎛ 1 ⎞
d) ⎜− ⎟.⎜ − ⎟.⎜ − ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 4 ⎠

⎛ 1 ⎞ ⎛ 3 ⎞
e) ⎜ − 2 ⎟.⎜ + ⎟=
⎝ 2 ⎠ ⎝ 5 ⎠

f) ( + 0,2 ) . ⎛⎜ + 10 ⎞ ⎛ 3 ⎞
⎟.⎜ - ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠

⎛ 18 ⎞
g) ⎜ + ⎟.( - 3 )=
⎝ 21 ⎠

⎛ 6 ⎞ ⎛ 5 ⎞
h) ⎜− ⎟ . ( − 14 ) . ⎜ − ⎟=
⎝ 7 ⎠ ⎝ 12 ⎠

21 Calcule o valor das expressões:


3 ⎛ 5 ⎞ ⎛ 3 ⎞
a) +⎜ − ⎟.⎜ - ⎟=
4 ⎝ 6 ⎠ ⎝ 5 ⎠

⎡ 3 ⎛ 5 ⎞⎤ ⎛ 3 ⎞
b) ⎢ + ⎜− ⎟⎥ . ⎜ − ⎟=
⎣ 4 ⎝ 6 ⎠⎦ ⎝ 5 ⎠

⎡ 3 ⎛ 5 ⎞⎤ ⎛ 3 ⎞
c) ⎢ . ⎜ − ⎟⎥ + ⎜ − ⎟=
⎣ 4 ⎝ 6 ⎠⎦ ⎝ 5 ⎠

3 ⎡⎛ 5 ⎞ ⎛ 3 ⎞⎤
d) . ⎢⎜ − ⎟-⎜ - ⎟⎥ =
4 ⎣⎝ 6 ⎠ ⎝ 5 ⎠⎦

Propriedades da multiplicação
− Fechamento
⎛ 5 ⎞ ⎛ 1⎞ 5 5 1 5
⎜+ ⎟ . ⎜- ⎟ = − + ∈Q, - ∈Q e - ∈Q
⎝ 3 ⎠ ⎝ 2⎠ 6 3 2 6

SENAI 89
Matemática Aplicada 1

Generalizando:
se a ∈ Q e b ∈ Q, então a . b ∈ Q.

− Comutativa

⎛ 2 ⎞ ⎛ 4 ⎞ 8 ⎫
⎜- ⎟ ⋅ ⎜- ⎟=+ ⎪
⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠ 15 ⎪
⎛ 2 ⎞ ⎛ 4 ⎞ ⎛ 4 ⎞ ⎛ 2 ⎞
⎬ ⎜- ⎟ ⋅ ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ ⋅ ⎜- ⎟
⎛ 4 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 8 ⎪ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠
⎜- ⎟ ⋅ ⎜- ⎟=+ ⎪
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 15 ⎭

Generalizando:
a.b=b.a

− Associativa
⎡⎛ 5 ⎞ ⎛ 1 ⎞⎤ ⎛ 7 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 7 ⎞ 35
⎢⎜ + ⎟ . ⎜ − ⎟⎥ . ⎜ − ⎟ = ⎜− ⎟.⎜− ⎟=
⎣⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎦ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 6 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 12

⎛ 5 ⎞ ⎡⎛ 1 ⎞ ⎛ 7 ⎞⎤ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 7 ⎞ 35
⎜ + ⎟ . ⎢⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟⎥ = ⎜ + ⎟.⎜+ ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎣⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎦ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 4 ⎠ 12

Generalizando:
(a . b) . c = a . (b . c)

− Elemento neutro
O elemento neutro na multiplicação é o número 1.

⎛ 3 ⎞ 3 ⎛ 3 ⎞ 3
1. ⎜ - ⎟ = - e ⎜- ⎟ .1 = −
⎝ 4 ⎠ 4 ⎝ 4 ⎠ 4

Generalizando:
a=a.1=a

O zero na multiplicação
⎛ 6 ⎞ ⎛ 6 ⎞
0.⎜ + ⎟= 0 ⎜+ ⎟.0 = 0
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠

Generalizando:
0.a=a.0=0

90 SENAI
Matemática Aplicada 1

Distributiva da multiplicação em relação à adição e subtração

2 5 2 1 10 2 12 4
. + . = + = =
3 7 3 7 21 21 21 7

2 ⎛ 5 1⎞ 2 5 2 1 4
. ⎜ + ⎟ = . + . =
3 ⎝ 7 7⎠ 3 7 3 7 7

Generalizando:
a . (b + c) = a . b + a . c
a . (b - c) = a . b - a . c

− Inverso ou recíproco
⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 15
⎜− ⎟ . ⎜- ⎟=+ =1
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 15

(+ 4 ) . ⎛⎜ + 1⎞
⎟=+
4
=1
⎝ 4⎠ 4

Generalizando:
⎛ a ⎞ ⎛ b ⎞ ab
⎜ ⎟.⎜ ⎟= =1 aeb≠0
⎝ b ⎠ ⎝ a ⎠ ba
ou
1 a
a. = =1 a≠0
a a

a b
Para qualquer número racional , diferente de zero, existe o inverso que é .
b a
Exemplos
3 4
a) O inverso de + é +
4 3
5 2
b) O inverso de - é −
2 5
1
c) O inverso de -7 é −
7

SENAI 91
Matemática Aplicada 1

Observe que:
• zero não tem inverso
• inverso de 1 é 1
• um número racional e seu inverso têm o mesmo sinal.

Faça os exercícios no seu caderno.

22 Dê o inverso de:
4
a) - →
5
3
b) + →
2

c) - 2 →
8
d) - →
3
3
e) - →
8

f) + 10 →
1
g) - →
5

h) - 1 →

23 Aplique a propriedade comutativa, sem efetuar os cálculos.


⎛ 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞
a) ⎜ − ⎟.⎜+ ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎝ 7 ⎠

24 Aplique a propriedade distributiva, sem efetuar os cálculos.


⎛ 1 2 ⎞ ⎛ 7 ⎞
a) ⎜ − + ⎟.⎜+ ⎟=
⎝ 4 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠

As palavras de, da, das e dos podem ser utilizadas para indicar uma multiplicação.

Exemplos
2 1 2 1 2
a) de = . =
3 5 3 5 15

92 SENAI
Matemática Aplicada 1

b)

c)

d)

Faça os exercícios no seu caderno.

25 Calcule:
3 5
a) de
4 6
5
b) da metade de 90 minutos
6
2 5
c) dos de 48h
5 8
1 2
d) dos de 36 polegadas
3 3

26 Resolva:
1
Um operário recebe R$ 18.000,00 e gasta de aluguel.
3
Quanto ele gasta de aluguel?

Divisão
a
Para dividir números racionais (na forma ) multiplicamos a primeira fração pelo
b
inverso da segunda fração.

SENAI 93
Matemática Aplicada 1

Exemplos
⎛ 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 15 7
a) ⎜ − ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ . ⎜- ⎟ = = +1
⎝ 4 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 4 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 8 8

⎛ 7 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 7 ⎞ ⎛ 3 ⎞ 21 1
b) ⎜ − ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ . ⎜- ⎟ = + = 2
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 10 10

⎛ 4 ⎞ ⎛ 1 ⎞ ⎛ 9 ⎞ ⎛ 3 ⎞ 27 2
c) ⎜ + 1 ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜ + ⎟ . ⎜- ⎟ = - = -5
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 1 ⎠ 5 5

d)

⎛ 9 ⎞ ⎛ 9 ⎞ ⎛ 1 ⎞
e) ⎜ + ⎟ : (+2 ) = ⎜+ ⎟ . ⎜+ ⎟ = +
9
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 10

É conveniente lembrar que não se divide por zero!

Faça os exercícios no seu caderno.

27 Efetue as divisões.
⎛ 4 ⎞ ⎛ 2 ⎞
a) ⎜ − ⎟ : ⎜− ⎟=
⎝ 5 ⎠ ⎝ 7 ⎠

⎛ 2 ⎞
b) (− 3) : ⎜− ⎟=
⎝ 5 ⎠

⎛ 3 ⎞ ⎛ 1⎞
c) ⎜ + ⎟ : ⎜− ⎟ =
⎝ 2 ⎠ ⎝ 3⎠

⎛ 2 ⎞
d) ⎜ − ⎟ : (+ 3 ) =
⎝ 5 ⎠

⎛ 6 ⎞ ⎛ 7 ⎞
e) ⎜ + ⎟ : ⎜+ ⎟=
⎝ 7 ⎠ ⎝ 5 ⎠

⎛ 1⎞ ⎛ 9 ⎞
f) ⎜+ 2 ⎟ : ⎜+ ⎟=
⎝ 4⎠ ⎝ 5 ⎠

28 Calcule o valor das expressões.

a) ⎛⎜ −
4 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞
⎟ + ⎜- ⎟ : ⎜- ⎟ =
⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 6 ⎠

b) ⎛⎜ −
4 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞
- ⎟ : ⎜- ⎟ =
⎝ 5 3 ⎠ ⎝ 6 ⎠

94 SENAI
Matemática Aplicada 1

⎛ 2 ⎞ ⎛ 1 ⎞
c) (− 2 ) : ⎜+ ⎟ - (- 0,5 ) : ⎜ + ⎟ =
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠

. (- 2 )
2 1 1
d) + : =
5 5 3

Um outro modo de indicar a divisão é assim:

Faça o exercício no seu caderno.

29 Calcule os valores de:


1
-
a) 4 =
3
-
5

1
b) =
2
-
5

1 1
-
c) 2 3 =
1
6

-5
d) =
2
3

3
e) 4 =
2

5 2
-
f) 6 3 =
3 1
-
4 2

SENAI 95
Matemática Aplicada 1

Propriedades da divisão
− Fechamento
Q* é fechado para a divisão.

⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 10
⎜+ ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜ + ⎟ . ⎜- ⎟ = -
⎝ 3 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 9

2 3 10
+ ∈ Q* − ∈ Q* e - ∈ Q*
3 5 9

Generalizando:
se a ∈ Q* e b ∈ Q*, então a : b ∈ Q*.

− Distributiva à direita
⎛ 5 1⎞ 1 ⎛ - 15 + 4 ⎞ ⎛ 1 ⎞ ⎛ 11 ⎞ ⎛ 1 ⎞ 22 11
⎜- + ⎟ : - = ⎜ ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ : ⎜- ⎟ = + =
⎝ 4 3⎠ 2 ⎝ 12 ⎠ ⎝ 2⎠ ⎝ 12 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 12 6

⎛ 5 1⎞ ⎛ 1⎞ 5 ⎛ 1⎞ 1 ⎛ 1 ⎞
⎜- + ⎟ : ⎜- ⎟ = - : ⎜- ⎟ + : ⎜- ⎟
⎝ 4 3⎠ ⎝ 2⎠ 4 ⎝ 2⎠ 3 ⎝ 2 ⎠

Generalizando:
(a + b) : c = a : c + b : c
(a - b) : c = a : c - b : c

Potenciação
Para estudar a potenciação com os números racionais consideramos as seguintes
situações:
• Expoente inteiro positivo, diferente de 1
• Expoente 1
• Expoente inteiro negativo
• Expoente zero

96 SENAI
Matemática Aplicada 1

A potência de expoente inteiro diferente de 1 representa um produto de fatores iguais.

Exemplos
2
⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 25
a) ⎜ - ⎟ = ⎜- ⎟.⎜ - ⎟=+
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 9
3
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 8
b) ⎜ - ⎟ = ⎜- ⎟.⎜ - ⎟.⎜ - ⎟=-
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 27
3
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 8
c) ⎜ + ⎟ = ⎜+ ⎟.⎜ + ⎟.⎜ + ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 27
2
⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 25
d) ⎜ + ⎟ = ⎜+ ⎟.⎜ + ⎟=
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 9

e) ( - 0,2 )2 = ( - 0,2 ) . ( - 0,2 ) = 0,04


4
⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ 1
f) ⎜ + ⎟ = ⎜ + ⎟.⎜ + ⎟.⎜ + ⎟.⎜ + ⎟ =
⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 16
3
⎛ 1⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 125
g) ⎜ - 1 ⎟ = ⎜ - ⎟.⎜ - ⎟.⎜ - ⎟=-
⎝ 4⎠ ⎝ 4 ⎠ ⎝ 4 ⎠ ⎝ 4 ⎠ 64

Generalizando:
n
⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞⎛ a ⎞⎛ a ⎞⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞
⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ⎜ ⎟ ... ⎜ ⎟
⎝ b ⎠ ⎝4
1
b ⎠⎝ b ⎠⎝ b ⎠⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠
4444 42444444 3

n fatores

A potência de expoente 1 é igual à base.

Exemplos

a) ( 0,25 )1 = 0,25
1
⎛ 3 ⎞ 3
b) ⎜ + 1 ⎟ = +1
⎝ 4 ⎠ 4
1
⎛ 5 ⎞ 5
c) ⎜ − ⎟ =−
⎝ 8 ⎠ 8

SENAI 97
Matemática Aplicada 1

A potência de expoente zero e base diferente de zero é igual a 1.

Exemplos
0
⎛ 3 ⎞
a) ⎜ + ⎟ =1
⎝ 7 ⎠
0
⎛ 3 ⎞
b) ⎜ − ⎟ =1
⎝ 7 ⎠

c) ( - 1,25 )0 = 1

A potência de base zero e expoente diferente de zero é zero.

Exemplos

a) 05 = 0

b) 01 = 0

c) 015 =0

Faça o exercício no seu caderno.

30 Calcule as potências.
2
⎛ 2 ⎞
a) ⎜ + ⎟ =
⎝ 7 ⎠
2
⎛ 3 ⎞
b) ⎜ − 1 ⎟ =
⎝ 5 ⎠
0
⎛ 3 ⎞
c) ⎜ − ⎟ =
⎝ 4 ⎠
2
⎛ 2 ⎞
d) ⎜ − ⎟ =
⎝ 7 ⎠
4
⎛ 3 ⎞
e) ⎜ − ⎟ =
⎝ 4 ⎠

f) (− 1 )3 =
1
⎛ 3 ⎞
g) ⎜ + ⎟ =
⎝ 4 ⎠

98 SENAI
Matemática Aplicada 1

3
⎛ 1 ⎞
h) ⎜ + ⎟ =
⎝ 3 ⎠
5
⎛ 1 ⎞
i) ⎜− ⎟ =
⎝ 2 ⎠

j) 05 =
1
⎛ 3 ⎞
l) ⎜− ⎟ =
⎝ 4 ⎠

m) 110 =

Observe que:
• A potência de base negativa e expoente ímpar é negativa.
• A potência de base positiva é sempre positiva.
• A potência de base negativa e expoente par é positiva.
• A potência de base 1 é igual a 1.

Para o estudo da potência de expoente negativo introduziremos um outro modo de


indicar o inverso de um número racional, diferente de zero.

Indicaremos o inverso do número racional

−1
a ⎛ a ⎞ b
por ⎜ ⎟ ou a≠0 e b≠0
b ⎝ b ⎠ a

Assim temos:
−1
⎛ 5 ⎞ 3
a) ⎜ ⎟ =
⎝ 3 ⎠ 5
−1
⎛ 5 ⎞ 3
b) ⎜ − ⎟ =-
⎝ 3 ⎠ 5
−1
⎛ 1 ⎞ 5
c) ⎜ + ⎟ = =5
⎝ 5 ⎠ 1

d) (− 5 )−1 = − 1
5

e) (+ 5 )−1 = + 1
5

SENAI 99
Matemática Aplicada 1

Do mesmo modo indicaremos o inverso de

n −n n
⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞ ⎛ b ⎞
⎜ ⎟ por ⎜ ⎟ ou ⎜ ⎟
⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠ ⎝ a ⎠

Assim temos:
-2 2
⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞
a) ⎜ + ⎟ = ⎜+ ⎟
⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠
3
⎛ 1⎞
b) (− 5 )-3 = ⎜− ⎟
⎝ 5⎠
-2 2
⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞
c) ⎜ − ⎟ = ⎜− ⎟
⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠
-3
⎛ 1⎞
d) ⎜ + ⎟ = (+ 5 )3 = 53
⎝ 5⎠

Observe que para transformar uma potência de expoente negativo em positivo basta
inverter a base.

Para efetuar uma potenciação com expoente negativo, transformamos em expoente


positivo e representamos em produto de fatores iguais.

Exemplos
-2 2
⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ 9
a) ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ . ⎜ ⎟ =
⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ 4

O produto de fatores iguais pode ser calculado mentalmente.


-2 2
⎛ 2 ⎞ ⎛ 3 ⎞ 9
b) ⎜ - ⎟ = ⎜- ⎟ =
⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠ 4
-3 3
⎛ 6 ⎞ ⎛ 5 ⎞ 125
c) ⎜ + ⎟ = ⎜ + ⎟ =
⎝ 5 ⎠ ⎝ 6 ⎠ 216
-3 3
⎛ 2 ⎞ ⎛ 1⎞
d) ( - 2 )
1
= ⎜- ⎟ = ⎜− ⎟ = -
-3

⎝ 1 ⎠ ⎝ 2⎠ 8
-2
⎛ 1⎞
e) ⎜ − ⎟ = (- 5 ) = 25
2

⎝ 5⎠

100 SENAI
Matemática Aplicada 1

3
⎛ 1⎞
f) ( + 4 )-3 = ⎜+ ⎟ =
1
⎝ 4⎠ 64

Observe que quando transformamos em expoente positivo conservamos o sinal da


base.

Faça o exercício no seu caderno.

31 Calcule as potências.
−3
⎛ 2 ⎞
a) ⎜ - ⎟ =
⎝ 3 ⎠
−2
⎛ 4 ⎞
b) ⎜ + ⎟ =
⎝ 5 ⎠
−3
⎛ 1⎞
c) ⎜ - ⎟ =
⎝ 3⎠

d) ( - 4)−1 =
−3
⎛ 2 ⎞
e) ⎜ + ⎟ =
⎝ 3 ⎠
−2
⎛ 1⎞
f) ⎜ - ⎟ =
⎝ 3⎠

g) ( - 3)−3 =
−1
⎛ 5 ⎞
h) ⎜ - ⎟ =
⎝ 2 ⎠
−2
⎛ 4 ⎞
i) ⎜- ⎟ =
⎝ 5 ⎠

j) ( + 3)−2 =
−3
⎛ 1⎞
l) ⎜ + ⎟ =
⎝ 3⎠
−1
⎛ 1⎞
m) ⎜ - ⎟ =
⎝ 4⎠

SENAI 101
Matemática Aplicada 1

Propriedades da potenciação
− Produto de potências de mesma base.
p q p + q
⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞
⎜ ⎟ . ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ (b ≠ 0)
⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠

Exemplos
2 4 2 + 4 6
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞
a) ⎜ - ⎟ . ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠
3 3 + 1 4
⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞
b) ⎜ + ⎟ . ⎜+ ⎟ = ⎜+ ⎟ = ⎜+ ⎟
⎝ 6 ⎠ ⎝ 6 ⎠ ⎝ 6 ⎠ ⎝ 6 ⎠
2 3 2 + 3 5
⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞
c) ⎜⎜ ⎟⎟ . ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ (y ≠ 0 )
⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠
n p n + p
⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞
d) ⎜⎜ ⎟⎟ . ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ (y ≠ 0 )
⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠
8 -5 8 + (-5 ) 3
⎛ 4 ⎞ ⎛ 4 ⎞ ⎛ 4 ⎞ ⎛ 4 ⎞
e) ⎜ - ⎟ . ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠

− Quociente de potências de mesma base.


p q p - q
⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞ ⎛ a ⎞
⎜ ⎟ : ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟ (a ≠ 0 e b ≠ 0)
⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠

Exemplos
5 2 5 - 2 3
⎛ 3 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 3 ⎞
a) ⎜ - ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠
6 3 6 - 3 3
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞
b) ⎜ + ⎟ : ⎜+ ⎟ = ⎜+ ⎟ = ⎜+ ⎟
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠
6 2 6 - 2 4
⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞
c) ⎜⎜ ⎟⎟ : ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ (y ≠ 0 e x ≠ 0)
⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠
n p n - p
⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞ ⎛ x ⎞
d) ⎜⎜ ⎟⎟ : ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟ (y ≠ 0 e x ≠ 0)
⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠
5 -2 5 - (-2 ) 7
⎛ 7 ⎞ ⎛ 7 ⎞ ⎛ 7 ⎞ ⎛ 7 ⎞
e) ⎜ - ⎟ : ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟ = ⎜- ⎟
⎝ 9 ⎠ ⎝ 9 ⎠ ⎝ 9 ⎠ ⎝ 9 ⎠

102 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

32 Aplique as propriedades do produto ou quociente conforme o caso.


2 4
⎛ 5 ⎞ ⎛ 5 ⎞
a) ⎜ − ⎟ . ⎜− ⎟ =
⎝ 6 ⎠ ⎝ 6 ⎠
5 3
⎛ 4 ⎞ ⎛ 4 ⎞
b) ⎜ + ⎟ : ⎜+ ⎟ =
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠
4
⎛ 3 ⎞ ⎛ 3 ⎞
c) ⎜ + ⎟ . ⎜+ ⎟=
⎝ 5 ⎠ ⎝ 5 ⎠
6
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞
d) ⎜ − ⎟ : ⎜− ⎟=
⎝ 7 ⎠ ⎝ 7 ⎠
5 5
⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞
e) ⎜ + ⎟ . ⎜ + ⎟ =
⎝ 2⎠ ⎝ 2⎠
3 2
⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞
f) ⎜+ ⎟ : ⎜+ ⎟ =
⎝ 5⎠ ⎝ 5⎠

⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞
g) ⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟ =
⎝ 3⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 3⎠
p q
⎛ 2 ⎞ ⎛ 2 ⎞
h) ⎜ − ⎟ : ⎜− ⎟ =
⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠

i) a 2 . a3 . a =

j) a 7 : a5 = (a ≠ 0)

− Potência de potência
q
⎡⎛ a ⎞ p ⎤ ⎛ a ⎞
p.q

⎢⎜ ⎟ ⎥ = ⎜ ⎟ (b ≠ 0)
⎢⎣⎝ b ⎠ ⎥⎦ ⎝ b ⎠

Exemplos
5
⎡⎛ 2 ⎞ 2 ⎤ ⎛ 2 ⎞
2.5
⎛ 2 ⎞
10
a) ⎢⎜ − ⎟ ⎥ = ⎜− ⎟ = ⎜- ⎟
⎢⎣⎝ 3 ⎠ ⎥⎦ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 3 ⎠
4
⎡⎛ x ⎞ 2 ⎤ ⎛ x ⎞
2.4
⎛ x ⎞
8
(y ≠ 0 )
b) ⎢⎜⎜ ⎟⎟ ⎥ = ⎜⎜ ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟
⎢⎣⎝ y ⎠ ⎥⎦ ⎝ y ⎠ ⎝ y ⎠
2
⎡⎛ 5 ⎞ 3 ⎤ ⎛ 5 ⎞
3.2
⎛ 5 ⎞
6
c) ⎢⎜ ⎟ ⎥ = ⎜ ⎟ = ⎜ ⎟
⎣⎢⎝ 4 ⎠ ⎥⎦ ⎝ 4 ⎠ ⎝ 4 ⎠

SENAI 103
Matemática Aplicada 1

( ) ⎤⎥⎦
2
d) ⎡ a 3
2
= a 3 . 2 . 2 = a 12
⎢⎣

Faça o exercício no seu caderno.

33 Aplique a propriedade da potência de potência.

a) [(− 2) ] 2 3
=
3
⎡⎛ 5 ⎞ 4 ⎤
b) ⎢⎜ + ⎟ ⎥ =
⎢⎣⎝ 6 ⎠ ⎥⎦
−3
⎡⎛ 2 ⎞ − 2 ⎤
c) ⎢⎜ + ⎟ ⎥ =
⎢⎣⎝ 5 ⎠ ⎥⎦

d) (a )
3 5
=
5
⎡⎛ 1 ⎞ 3 ⎤
e) ⎢⎜ − ⎟ ⎥ =
⎢⎣⎝ 5 ⎠ ⎥⎦
−1
⎡⎛ 4 ⎞ 5 ⎤
f) ⎢⎜ − ⎟ ⎥ =
⎢⎣⎝ 3 ⎠ ⎥⎦
4
⎡⎛ x ⎞2 ⎤
g) ⎢⎜⎜ ⎟⎟ ⎥ =
⎢⎣⎝ y ⎠ ⎥⎦

( ) ⎤⎥⎦
0
h) ⎡ b 2
3
=
⎢⎣

− Potência de um produto
p p p
⎡⎛ a ⎞ ⎛ c ⎞⎤ ⎛ a ⎞ ⎛ c ⎞
⎢⎜ ⎟ . ⎜ ⎟⎥ = ⎜ ⎟ . ⎜ ⎟ (b e d ≠ 0)
⎣⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠⎦ ⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠

Exemplos
2 2 2
⎡⎛ 5 ⎞ ⎛ 7 ⎞⎤ ⎛ 5 ⎞ ⎛ 7 ⎞
a) ⎢⎜ − ⎟ . ⎜+ ⎟⎥ = ⎜− ⎟ . ⎜+ ⎟
⎣⎝ 6 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎦ ⎝ 6 ⎠ ⎝ 2 ⎠
3 3 3
⎡ 1 ⎛ 3 ⎞⎤ ⎛1⎞ ⎛ 3 ⎞
b) ⎢ . ⎜− ⎟⎥ = ⎜ ⎟ . ⎜− ⎟
⎣ 2 ⎝ 5 ⎠⎦ ⎝2⎠ ⎝ 5 ⎠

104 SENAI
Matemática Aplicada 1

− Potência de um produto de potências


p
⎡⎛ a ⎞ n ⎛ c ⎞ ⎤
m
⎛ a ⎞
n.p
⎛ c ⎞
m.p

⎢⎜ ⎟ . ⎜ ⎟ ⎥ = ⎜ ⎟ . ⎜ ⎟ (b e d ≠ 0)
⎢⎣⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠ ⎥⎦ ⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠

Exemplos
5
⎡⎛ 3 ⎞ 2 ⎛ 2 ⎞ ⎤
3
⎛ 3 ⎞
2.5
⎛ 2 ⎞
3.5
⎛ 3 ⎞
10
⎛ 2 ⎞
15
a) ⎢⎜ + ⎟ . ⎜− ⎟ ⎥ = ⎜+ ⎟ . ⎜− ⎟ = ⎜+ ⎟ . ⎜− ⎟
⎢⎣⎝ 5 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎥⎦ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 7 ⎠ ⎝ 5 ⎠ ⎝ 7 ⎠
2
⎡⎛ 1 ⎞ 3 ⎛ 1 ⎞ ⎛ 5 ⎞⎤
2
⎛ 1⎞
3.2
⎛ 1⎞
2.2
⎛ 5 ⎞
1. 2

b) ⎢⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟ ⎜. + ⎟⎥ = ⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟ . ⎜+ ⎟
⎢⎣⎝ 2 ⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎥⎦ ⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 2 ⎠
6 4 2
⎛ 1⎞ ⎛ 1⎞ ⎛ 5 ⎞
= ⎜− ⎟ . ⎜− ⎟ . ⎜+ ⎟
⎝ 2⎠ ⎝ 3⎠ ⎝ 2 ⎠

− Potência de um quociente
p p p
⎡⎛ a ⎞ ⎛ c ⎞⎤ ⎛ a ⎞ ⎛ c ⎞
⎢⎜ ⎟ : ⎜ ⎟⎥ = ⎜ ⎟ : ⎜ ⎟ (b, c e d ≠ 0)
⎣⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠⎦ ⎝ b ⎠ ⎝ d ⎠

Exemplos
2 2 2
⎡⎛ 2 ⎞ ⎛ 1 ⎞⎤ ⎛ 2 ⎞ ⎛ 1⎞
a) ⎢⎜ − ⎟ : ⎜ − ⎟⎥ = ⎜− ⎟ : ⎜− ⎟
⎣⎝ 9 ⎠ ⎝ 5 ⎠⎦ ⎝ 9 ⎠ ⎝ 5⎠
3 3 3
⎡⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞⎤ ⎛ 3 ⎞ ⎛ 5 ⎞
b) ⎢⎜ + ⎟ : ⎜+ ⎟⎥ = ⎜+ ⎟ : ⎜+ ⎟
⎣⎝ 2 ⎠ ⎝ 4 ⎠⎦ ⎝ 2 ⎠ ⎝ 4 ⎠

Faça o exercício no seu caderno.

34 Aplique a propriedade do produto ou quociente de potências.


2
⎡⎛ 1 ⎞ ⎛ 1 ⎞⎤
a) ⎢⎜ − ⎟ . ⎜ − ⎟⎥ =
⎣⎝ 3 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎦
2
⎡⎛ 1 ⎞ 2 ⎤
b) ⎢⎜ − ⎟ . (− 2 ) ⎥ =
3

⎢⎣⎝ 3 ⎠ ⎥⎦
2
⎡⎛ 2 ⎞ ⎛ 5 ⎞⎤
c) ⎢⎜ + ⎟:⎜+ ⎟⎥ =
⎣⎝ 3 ⎠ ⎝ 7 ⎠⎦

d) (a . b . c )3 =

SENAI 105
Matemática Aplicada 1

e) [(− 2). (− 3) ] 2 3
=
3
⎡⎛ 3 ⎞ 2 ⎛ 1 ⎞⎤
f) ⎢⎜ − ⎟ : ⎜ + ⎟⎥ =
⎢⎣⎝ 5 ⎠ ⎝ 2 ⎠⎥⎦

Radiciação
Do mesmo modo que fizemos com os números inteiros, trataremos a radiciação como
inversa da potenciação.

Exemplos
3
⎛ 2 ⎞ 8 8 2
Se ⎜ + ⎟ = + então 3 =
⎝ 3 ⎠ 27 27 3

3
⎛ 2 ⎞ 8 8 2
Se ⎜ − ⎟ = - então 3 − =−
⎝ 3 ⎠ 27 27 3

Observe que a raiz de índice ímpar tem o mesmo sinal que o radicando.

Lembremos que quando o índice é par indicamos as raízes assim:

25 = 5 e − 25 = −5
↑ ↑
raiz positiva raiz negativa

A mesma notação é válida para os números racionais.

9 3 9 3
= e − =−
25 5 25 5
↑ ↑
raiz positiva raiz negativa

Como um número racional elevado a um expoente par é um número positivo ou zero,


não se define em Q raiz de índice par e radicando negativo.

Exemplos

4
a) - ∈Q
9

b) − 16 ∈ Q

106 SENAI
Matemática Aplicada 1

Para descobrir o número que elevado ao índice seja igual ao radicando, podemos
decompor o numerador e o denominador em fatores primos e escrever em produto de
potências de modo que o expoente seja igual ao índice.

Exemplos
3
8 23 ⎛ 2 ⎞ 2
a) 3 - = 3 - = 3 ⎜- ⎟ = -
27 3 3
⎝ 3 ⎠ 3

8 2 ⎫ 27 3 ⎫
⎪ 3 ⎪
4 2 ⎬ 8=2 9 3 ⎬ 27 = 33
2 2 ⎪⎭ 3 3 ⎪⎭
1 1

4
81 34 ⎛ 3 ⎞ 3
b) 4 = 4 = 4 ⎜ ⎟ =
16 2 4
⎝ 2 ⎠ 2

81 3 ⎫ 16 2 ⎫
27 3 ⎪ 8 2 ⎪
9 3
⎬ 81 = 34
4 2
⎬ 16 = 24
⎪ ⎪
3 3 ⎭ 2 2 ⎭
1 1
2
225 15 2 ⎛ 15 ⎞ 15
c) = = ⎜ ⎟ =
49 7 2
⎝ 7 ⎠ 7

225 3

75 3
⎪ 32
25 5⎬ 225 = 32 . 52 = (3 . 5)2 = 152
5 5⎪ 52
1 ⎭

49 7 ⎫

7 7 ⎬ 49 = 72


1
2
625 25 2 ⎛ 25 ⎞ 25
d) = = ⎜ ⎟ =
729 27 2
⎝ 27 ⎠ 27

625 5

125 5
⎪ 52
25 5⎬ 625 = 52 . 52 = (5 . 5)2 = 252
5 5⎪ 52
1 ⎭

SENAI 107
Matemática Aplicada 1

729 3
243 3 ⎫ 32
81 3⎪ 729 = 32 . 32 . 32 = (3 . 3 .3)2 = 272
27 3⎬ 32
9 3

3
1
3
⎭ 32

Faça o exercício no seu caderno.

35 Calcule as raízes.

49
a) =
25

b) 0,25 =

16
c) 4 =
81

1
d) 3 =
1000

27
e) 3 - =
125

0
f) 5 =
3

108 SENAI
Matemática Aplicada 1

Números reais

Números irracionais

Já estudamos os conjuntos numéricos

N = {0, 1,2,3, ... }


Z = {... , -2, -1, 0,1,2, ... }
a ∗
Q = Conjunto dos números que podem ser escritos sob a forma , a ∈Z e b ∈ Z
b

Lembre-se que a representação decimal dos números racionais será decimal exata ou
dízima periódica (simples ou composta).

Exemplos
3
a) = 0,6
5
5
b) - = - 2,5
2
1
c) = 0,25
4
2
d) = 0,666...
3
5
e) - = - 0,8333
6
15
f) = 1, 36
11

SENAI 109
Matemática Aplicada 1

E os números em que a representação decimal não é exata nem periódica?

Exemplos
a) 5,020020002...
b) 0,12131415...

Esses números são chamados de números irracionais. Existem números irracionais


que podem ser representados com radical e outros que recebem símbolos especiais.

Exemplos
2 , -3 4 , 5 2 , 5
-2,- 2 ,π

É importante lembrar que nem todos os números que vêm sob radical são números
irracionais.

Exemplos
4 = 2 ∈Q

25 5
= ∈Q
9 3
3 25 = 3.5 = 15 ∈ Q

Números negativos dentro de um radical de índice par não são números irracionais.

Exemplos
a) − 4 ∉ conjunto dos números irracionais
b) −5 ∉ conjunto dos números irracionais

Esses tipos de número são chamados números complexos, que poderão ser objeto de
estudo no 2o grau ou no curso superior, que os utilizam.

Nesta unidade, representaremos os conjuntos dos números irracionais por


Q (Q ”barra”)

110 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

1 Substitua o Δ pelos símbolos ∈ ou ∉ .


a) 5 Δ N

b) -5 Δ N

c) 0,2 Δ N

1
d) ΔN
2

e) 0 Δ N

f) -5 Δ Z

g) 5 Δ Z

h) 0,2 Δ Z

1
i) ΔZ
2

j) 0ΔZ

l) 5ΔQ

m) -5 Δ Q

n) 0,2 Δ Q

o) 2,333... Δ Q

p) 0 Δ Q

q) 2 ΔQ

r) 2 ΔQ

s) −2 ΔQ

t) 4
−3 ΔQ

2
u) ΔQ
3

SENAI 111
Matemática Aplicada 1

Conjunto dos números reais

Da união do conjunto dos números racionais (Q) com o conjunto dos irracionais,
surge um importante conjunto: os números reais (R).

Portanto,
QU {irracionais} = R

Mostrando em diagramas os conjuntos até aqui citados, temos:

Podemos também representar o conjunto dos números reais na reta numerada. Cada
número real corresponde a um ponto da reta. Assim:

Lembre-se que 3 ≈ 1,73 ; 2 ≈ 1,41 e π ≈ 3,14

Quando aparecer escrito R ∗ , leia-se conjunto dos números reais sem o zero. Logo
R ∗ = R -{0}

Representaremos o conjunto dos números reais não negativos por R + e o conjunto dos
números reais não positivos por R − .Se aparecer R ∗+ ou R ∗− leia-se respectivamente:
conjunto dos números reais positivos e conjunto dos números reais negativos.
Veja a representação desses conjuntos na reta numérica:

112 SENAI
Matemática Aplicada 1

Comparação de números reais

Os números reais aparecem na reta numérica em ordem crescente da esquerda para a


direita, isto é, quanto mais à direita estiver o número real na reta numérica, maior ele
será.

Veja:

1
0< ; - 2 < 0; -2< - 3 ; 2 2 > 2;
2

-1< 0; - 3<- 2; 2> 2.

Faça o exercício no seu caderno.

2 Observe a reta numérica dada anteriormente e substitua o Δ pelos símbolos


> ou <.
3
a) - Δ 0
2
b) - 2 Δ -2

c) -2 2 Δ 2

d) 0 Δ 2 2
3
e) 2 2 Δ
2
1 1
f) - Δ
2 2

Operações com R

Em R valem as operações e as propriedades estudadas em Q. Dentre as propriedades


da multiplicação estudadas em Q, convém lembrar a propriedade distributiva da
multiplicação em relação à adição e à subtração:
a . (b + c) = ab + ac
(b + c) .a = ab + ac

SENAI 113
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

3 Aplique a propriedade distributiva, conforme o exemplo.


a) 5 (x + y) = 5x + 5y
b) 2 (a + b) =
c) -2 (a + b) =
d) 5 (x - y - a) =

Também convém lembrar as propriedades da potenciação

2
a p .a q = a p+ q 5 .5 = 5 2 +1 = 5 3

n 4
(a m .b ) p = a mp .b np (5 3 .3 2 ) 2 =5 6 .3

7 5 :7 3 = 7 5 − 3 = 7 2
a p :a q = a p− q (a ≠ 0)

2 .3
(5 2 ) 3 = 5 = 56
(a p ) q = a p.q

4 4 4
(2.3) = 2 .3
(a.b) p = a p .b p
2
p ⎛3⎞ 32
⎛a⎞ ap ⎜ ⎟ =
⎜ ⎟ = p (b ≠ 0) ⎝5⎠ 52
⎝b⎠ b
mp
⎛ am ⎞p a 4
⎜⎜ ⎟⎟ = (b ≠ 0) ⎛ 52 ⎞
2
5
⎝ bn ⎠ b np ⎜⎜ 2 ⎟⎟ = 6
⎝3 ⎠ 3
−p p
⎛a⎞ ⎛b⎞ −2 2
⎜ ⎟ =⎜ ⎟ (a e b ≠ 0) ⎛3⎞ ⎛2⎞
⎝b⎠ ⎝a⎠ ⎜ ⎟ =⎜ ⎟
⎝2⎠ ⎝3⎠

Faça os exercícios no seu caderno.

4 Aplique as propriedades da potenciação.


a) a 2 .a 3 =

b) a 5 :a 2 0 = (a ≠ 0)

c) a −2 = (a ≠ 0)
4
d) (a 2 .b 3 ) =

114 SENAI
Matemática Aplicada 1

e) (a 2 ) 5 =
−3
⎛x⎞
f) ⎜⎜ ⎟⎟ = (x e y ≠ 0)
⎝y⎠
2
⎛a⎞
g) ⎜ ⎟ = (b ≠ 0)
⎝b⎠
5
⎛ x2 ⎞
h) ⎜⎜ 3 ⎟ =
⎟ (y ≠ 0)
⎝y ⎠
−2
⎛ 1⎞
i) ⎜ ⎟ = (a ≠ 0)
⎝a⎠

5 Decomponha as potências em potências de expoente 2, conforme o exemplo.


a) 2 6 = 2 2 .2 2 .2 2
4
b) 5 =
c) 3 8 =
4
d) 7 =

6 Decomponha os números e escreva-os em produto de potências de expoente 2.


a) 64 =
b) 225 =
c) 625 =
d) 144 =

Noções de radicais.

Observe a representação abaixo;

4 3 52
O nome de cada elemento que nela aparece é:
4 ⇒coeficiente
3 ⇒índice
⇒radical
52 ⇒radicando

SENAI 115
Matemática Aplicada 1

No radicando 52, o 5 é chamado base do radicando e 2 é o expoente do radicando.


Você deverá conhecer bem esses nomes porque vamos usá-los freqüentemente nesta
unidade.

Veja o exemplo abaixo;

6 ⇒ coeficiente
5 ⇒ radical
6 3 35 ⇒ radicando
3 ⇒ base do radicando

Quando não há número diante do radical, isto é, quando não há coeficiente, é como
se o coeficiente fosse 1.

Exemplo
o expoente do radicando é 2
o radicando é 8 2
2
8 o índice é 2
o coeficiente é 1

O índice e o radicando não podem ser qualquer número. O índice deve ser um número
natural maior ou igual a 1.Quando for 1, é o mesmo que o próprio radicando: 4 2 =2.
O radicando depende do índice: se for índice par, o radicando deve pertencer a R + ;se
for ímpar, deve pertencer a R.

Exemplos
4
a) 2 4 é par 2 ∈ R+
b) 3
-2 3 é impar -2 ∈ R
c) 5
3 5 é ímpar 3 ∈ R

Transformação de radicais em potência com expoente fracionário


Observe o radical abaixo e a sua transformação em expoente fracionário.

3 2
5 =5 2
3

Dessa forma, podemos transformar qualquer radical indicado numa potência com
expoente fracionário.

116 SENAI
Matemática Aplicada 1

Veja o que acontece com os elementos, quando fazemos essa transformação:


• a base do radicando é a base da potência
• expoente do radicando é o numerador do expoente fracionário
• índice é o denominador do expoente

Exemplos
1

a) 3=3 2

b) 83 = 8 2
2
2
⎛2⎞ ⎛ 2⎞3
c) 3 ⎜ ⎟ =⎜ ⎟
⎝3⎠ ⎝ 3⎠
2
2
⎛1⎞ ⎛1⎞2 1
d) ⎜ ⎟ =⎜ ⎟ =
⎝2⎠ ⎝ 3⎠ 3
3
5
e) 23 = 25
4
4
⎛1⎞ ⎛ 1⎞3
f) 3 − ⎜ ⎟ =⎜− ⎟
⎝2⎠ ⎝ 2⎠

g) 5 2 =52=5
4
4 2
⎛ 2⎞ ⎛ 2 ⎞2 ⎛ 2 ⎞
h) ⎜ ⎟ =⎜ ⎟ =⎜ ⎟
⎝ 3⎠ ⎝ 3 ⎠ ⎝3⎠

Transformação de potência com expoente fracionário em radical


É a operação contrária à realizada anteriormente. Veja:

3
5 = 52
2
3

a base da potência é a base do radicando


o numerador do expoente fracionário é o expoente do radicando
o denominador do expoente fracionário é o índice do radical

SENAI 117
Matemática Aplicada 1

Exemplos:
1

a) 2 4 = 4 2

1
1
⎛ 1⎞3 ⎛ 1⎞ 1
b) ⎜ ⎟ = 3 ⎜ ⎟ = 3
⎝5⎠ ⎝5⎠ 5

2
2
3 3
c) 2 3 = 2 = 4
1
3
d) 4 3
= 41 = 3
4
1

e) 5 4 =
4
51 = 4
5
2
5
f) 10 5 = 10 2

1
1
⎛ 1⎞2 ⎛ 1⎞ 1
g) ⎜ ⎟ = 2 ⎜ ⎟ =
⎝4⎠ ⎝4⎠ 4

5
5
⎛ 3 ⎞3 ⎛3⎞
h) ⎜ ⎟ = 3 ⎜ ⎟
⎝8⎠ ⎝8⎠

Faça os exercícios no seu caderno.

7 Substitua o Δ pelo número que representa cada elemento indicado.

3
a) 52
coeficiente: Δ
índice: Δ
radicando: Δ
expoente do radicando: Δ

3
b) 2
coeficiente: Δ
índice: Δ
radicando: Δ
expoente do radicando: Δ

118 SENAI
Matemática Aplicada 1

2 1
c)
3 4
coeficiente: Δ
índice: Δ
radicando: Δ
expoente do radicando: Δ

3
⎛2⎞
d) 8 ⎜ ⎟
⎝3⎠
coeficiente: Δ
índice: Δ
radicando: Δ
expoente do radicando: Δ

8 Escreva sob forma de potência com expoente fracionário:


a) 7

2
b) 3
5

4
c) 23

3
⎛ 1⎞
d) ⎜ ⎟
⎝2⎠

3
⎛ 1⎞
e) 4 ⎜ ⎟
⎝6⎠

f) 82

2
⎛3⎞
g) ⎜ ⎟
⎝5⎠

SENAI 119
Matemática Aplicada 1

9 Escreva sob forma de radical:


2
⎛ 2⎞3
a) ⎜ − ⎟ =
⎝ 7⎠
1
5
b) 4 =
4
⎛ 4⎞3
c) ⎜ ⎟ =
⎝5⎠
1
2
d) 0,4
3
⎛ 7 ⎞4
e) ⎜ ⎟ =
⎝ 16⎠
1
⎛ 2⎞2
f) ⎜ ⎟ =
⎝9⎠
5
⎛ 4 ⎞3
g) ⎜ − ⎟ =
⎝ 5⎠
1
h) (− 8)3 =

Propriedades dos radicais

As propriedades que estudaremos são usadas nas operações com radicais. Por isso é
muito importante que você as conheça bem.

Primeira propriedade
A raiz de um produto é igual ao produto das raízes dos fatores.

Exemplos

a) 4 x9 = 4 x 9 =2x3=6
3 3
b) 3
8 x27 x64 = 3
8 x 3
27 x 3
64 = 23 x 3
33 x 4 3 = 2 x 3 x 4 = 24
c) 4 x16 = 4 x 16 = 2 x 4 = 8

d) 3
125 x216 = 3
5 3 x 2 3 x3 3 = 3
53 x 3
23 x 3
3 3 = 5 x 2 x 3 = 30

120 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

10 Aplique a propriedade da raiz de um produto e calcule:

a) 16 x81 =
b) 25 x 49 =
3
c) 27 x8 x125 =
3
d) 1000 x8 =
e) 625 x16 =
f) 49 x 4 x9 =

Segunda propriedade
A raiz de um quociente é igual ao quociente da raiz do dividendo pela raiz do divisor.

Veja os exemplos abaixo.

a) 36 : 4 = 36 : 4 = 6 : 2 = 3
3
8 23 23 2
b) 3 = 3 = =
27 33 3
33 3

7 7 7 7 7
c) = = = = Observe que 7 é um número irracional
24
2
16 24 2 4

Faça o exercício no seu caderno.

11 Aplique a propriedade da raiz de um quociente e calcule:

25
a) =
36

5
b) =
64
c) 4 : 25 =

49
d)
64

SENAI 121
Matemática Aplicada 1

Terceira propriedade
Multiplicando-se ou dividindo-se o índice do radical e o expoente do radicando por um
mesmo número inteiro, positivo e diferente de zero, o valor aritmético do radical não se
altera. Veja:
4 6
a) 23 = 26 = 2 9 = ... (multiplicando)
18 9 3
b) 36 = 33 = 31 = 3
3 (dividindo)

Essa propriedade é muito importante porque permite a simplificação de radicais,


dividindo o índice e o expoente do radicando por um mesmo número. Observe;

18
3 6 = 18 :6 3 6:6 = 3
31 = 3
3

Quando se dividem o índice e o expoente pelo mesmo número e o índice torna-se 1, o


radical desaparece.
Assim:

6
3 18 = 6 :6
3 18 :6 = 3 3 = 3 3 = 27

Faça o exercício no seu caderno.

12 Simplifique os radicais, dividindo o índice e o radicando por um mesmo número.


6
a) 22 =
9
b) 36 =

c) 62 =
3
d) 56 =
4
e) 72 =
6
f) 74 =

Veja outro caso de simplificação que é muito usado no cálculo de radicais.

Trata-se de tirar um ou mais fatores do radical. Assim:

3 3
5 3 x2 = 53 x 3
2 (propriedade do produto)
3 3
Simplificando 5 , obtemos 5.
Portanto,
122 SENAI
Matemática Aplicada 1

3 3
5 3 x2 = 53 x 3
2 =5 3
2

Note que o radicando 5 3 x 2 é um número fatorado, isto é, representado na forma de


seus fatores primos. Logo, se aparecer um só número como radicando, é preciso
fatorá-lo e verificar se é possível simplificar esse radical.

Vamos, por exemplo, simplificar 48 . Para isso, seguimos os passos abaixo:

1o) Fatoramos o radicando.

48 2
24 2
12 2
6 2
3 3
1 48 = 2 x 2 x 2 x 2 x 3

2o) Agrupamos de dois em dois os fatores iguais. Neste caso, agrupamos de dois em
dois porque a raiz é quadrada. Se a raiz fosse cúbica, agruparíamos de três em
três.

3o) Aplicamos a propriedade do produto.

48 = 2 2 x 2 2 x3 = 22 x 22 x 3 =2x2x 3 =4 3

Veja outros exemplos de simplificação de radicais.

a) 50 = 5 2 x2 = 52 x 2 =5 2
3 3 3
b) 3
200 = 2 3 x5 2 = 23 x 52 = 2 3
25

c) 12 = 2 2 x3 = 22 x 3 2 3

d) 34 x45 = 3 2 x3 2 x 4 2 x 4 2 x 4 = 3 2 x 3 2 x 4 2 x 4 2 x 4 =3x3x4x4x2= 288


5 5
e) 5
2 8 x3 2 x3 3 = 5
2 8 x3 5 = 5
2 5 x 2 3 x3 5 = 5
25 x 5
23 x 3 5 =2 x 23 x 3 = 2 x 3
5
23 = 6 5
8

SENAI 123
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

13 Simplifique os radicais.

a) 75 =

b) 27 =
3
c) 48 =
4
d) 48 =
3
e) 2 4 x5 3 =

f) 3 2 5 x7 2 =

Operações com radicais

Adição e subtração
Para efetuar adição e subtração de radicais, é preciso saber o que são radicais
semelhantes.

Os radicais são chamados semelhantes quando na forma simplificada possuem o


mesmo índice e o mesmo radicando. Veja:

a) 3 , 5 3 , 2 3 são semelhantes
b) 5 , -2 5 , -4 5 são semelhantes
3
c) 8, 8 não são semelhantes
d) 15 , 7, 9 não são semelhantes

Às vezes, os radicais não são, aparentemente, semelhantes; mas, por meio da


simplificação eles se revelam semelhantes. Veja:

4 3, 12 , 27

124 SENAI
Matemática Aplicada 1

Como os radicandos 12 e 27 podem ser fatorados, vamos fatorá-los.

12 2 27 3 Portanto temos:
6 2 9 3
3 3 3 3 12 = 2 2 x 3
1 1 27 = 3 2 x 3

Ou seja:

a) 12 = 2 2 x3 = 22 x 3 =2. 3

b) 27 = 3 2 x3 = 32 x 3 = 3 . 3

Portanto 4 3 , 12 , 27 são semelhantes.

Faça o exercício no seu caderno.

14 Escreva, ao lado de cada série de radicais, se eles são semelhantes ou não


(simplifique-os quando possível).

a) 3;- 3;2 3
b) 2 ; 18
3 3
c) 3; 3;5 3

5 3
d) ; 5;- 5
2 2
e) 48 ; 75 ; 12

f) 3
−8 ;3 8 ; 43 8

Somente podem ser adicionados e subtraídos radicais semelhantes. Para adicionar e


subtrair radicais, operamos os coeficientes e conservamos o radical comum. Assim:

a) 2 3 + 3 3 = (2+3) 3 = 5 3
3 3
b) 2-4 2 + 2 3 2 = (1-4+2) 3 2 = -1 3 2 = - 3 2

c) 2 3 + 12 = 2 3 + 2 2 x 3 =2 3 +2 3 = (2+2) 3 = 4 3

d) 14 - 12 = radicais não semelhantes.

SENAI 125
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

15 Faça as operações indicadas.

a) 2 3 3 -4 3 3 =

b) 5+ 5+ 5=

c) 4 3 7 -3 3 7 - 3 7 =

d) 2 + 8 -2 2 =

e) 48 + 75 - 12 =
f) 4 18 -3 8 =

g) 2 3 2 + 3 16 - 3 250 =

h) 3
3 - 3 81 + 3 24 =

Multiplicação
Para efetuar a multiplicação de radicais é preciso observar se os índices são iguais.
Sendo iguais, conservamos o índice, multiplicamos os coeficientes e os radicandos,
simplificando-os quando for possível. Assim:

a) 2 3 x 4 2 = (2 x 4) 3.2 = 8 6

b) 3
5 x 3
3 x2 3
2 = (1 x 1 x 2) 3
5 x3 x2 = 2 3 30
3
c) 3 3
9 x 3
2 x2 3
18 = (3 x 2) 3
9 . 2 . 18 = 6 3
324 = 6 33 . 3 . 22 =
3 3
6 33 x 3
3 x 22 = 6 x 3 3
3 x 3
4 = 18 3
12

Faça o exercício no seu caderno.

16 Efetue as multiplicações.

a) 2 x 5 =

b) 6 x 3 =
3 3
c) 7 14 x 2 3 =

2 5
d) x =
3 4

1 3
e) . =
2 2
3 3 3
f) 2 4 x3 2 x4 5 =

126 SENAI
Matemática Aplicada 1

Para multiplicar radicais com índices diferentes, é preciso reduzi-los ao mesmo


índice. Vamos ver como reduzimos ao mesmo índice os radicais:

4
8 , 3
32 , 2

1o) Calcular o mmc entre os índices.

2-3-4 2
1-3-2 2
1-3-1 3
1-1-1 12

O mmc 12 será o novo índice dos radicais.

12
, 12
, 12

2o) Dividir o novo índice pelo índice anterior do radical e multiplicar o resultado pelo
expoente do radicando. O resultado será o novo expoente do radicando. Assim:

12 : 2 = 6 e 6x1=6
12 : 3 = 4 e 4x2=8
12 : 4 = 3 e 3x1=3

A base do radicando sempre permanece a mesma. Portanto,

8 , 3 32 , 4 2

reduzidos ao mesmo índice mudam para

12
86 , 12
38 , 12
23

SENAI 127
Matemática Aplicada 1

Veja outros exemplos de redução ao mesmo índice.

4
a) 23 ; 6 5
mmc(4 , 6) = 12

3
b) 22 ; 2 ; 6
10
mmc (3, 2, 6) = 6

Faça o exercício no seu caderno.

17 Reduza ao mesmo índice:


3
a) 5 ; 52
3 6
b) 22 ; 3 ; 10 5

c) 5
3 ; 4 2 5 ; 10 5

d) 6
5 ; 3 32 ; 9 25

Vamos agora fazer a operação abaixo:

3
5 x 2

Reduzindo ao mesmo índice, temos:

6 6
53 x 22

Resolvendo os radicandos e multiplicando os radicais, temos:

6 6 6 6
125 x 4 = 125 x 4 = 500

128 SENAI
Matemática Aplicada 1

Outros exemplos:

5 2 x 33 3 = (5 x 3 ) 6
23 x 6
3 2 = 15 6
8 x 9 = 15 6
72

reduzindo ao mesmo índice

b) 2 4
2 x 6
2 x 5 = (2 x 5) 12
23 x 12
2 2 = 10 12
8 x 4 = 10 12
32

6 6
c) 2 x3 4 = 23 x 42 = 6
8 x 16 = 6
128 ,
6 6
fatorando: 26 x 2 = 26 x 6
2 =2 6
2

Faça o exercício no seu caderno.

18 Resolva as multiplicações:
a) 2 4 3 x 5 6 =
3
b) 4 x 4
2 =
3
c) 5 2 x 3x4 =
6
d) 2 3
5 x3 42 =

Potenciação
A potenciação de radicais é semelhante à multiplicação. Veja como resolvemos
(2 3
22 ). 3

Como potência é um produto de fatores iguais, temos:

(2 3
22 ) 3
=2 3
22 x 2 3
22 x 2 3
22 = 8 3
26

Mas observe que o resultado seria o mesmo se o coeficiente fosse elevado ao


expoente indicado e o expoente do radicando multiplicado pela potência indicada.
Assim:

(2 3
22 )=2 3
3 3
22 x 3 = 8 3
26

Outros exemplos:

a) ( 32 )=
4
2
3 8 = 2 :2 3 8 : 2 = 1 3 4 = 3 4 = 81

SENAI 129
Matemática Aplicada 1

b) (3 4
5 ) 3
= 33 4
5 3 = 27 4
125

c) (
3
22 ) 2
=
3
24 = 3 2 3 . 2 = 3
23 . 3
2 =2 3
2

d) (3 3
2 )
3
2
= 32 3
26 = 9 3 :3
2 6 :3
=9 1
2 2 = 9 . 22 = 9 . 4 = 36

Faça o exercício no seu caderno.

19 Resolva as potências:

a) (3
5 ) 2
=

b) (3 3
2 )
2
=

c) (
4
53 ) 2
=

d) (3 5 )
2
=

e) (2 5 )
3
=

f) (3 4
33 )
2
=

Radiciação de radicais
Observe a operação abaixo:

3
5

Esse tipo de operação é chamado de radiciação de radicais ou raiz de raiz.

Para efetuá-la, colocamos o radicando sob um radical. O índice desse radical é o


produto dos índices dos radicais anteriores. Assim:

3 3 3 . 2
5 = 6
5 porque 5 = 5

130 SENAI
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

20 Escreva num só radical e simplifique-os quando for possível.

a) 4
3 =

3
b) 7 =

3
c) 4 =

d) 2 =

e) 4 3
5 =

3
f) 8 =

Veja outro caso de radiciação de radicais:

3
2 3

Note que é preciso introduzir o fator 2 dentro da raiz quadrada para que essa
radiciação fique como as anteriores. E para introduzir um fator dentro do radical,
basta elevá-lo ao índice desse radical. Assim:

Veja outro exemplo:

= 18
64 . 32 = 18 2048

SENAI 131
Matemática Aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

21 Escreva num só radical.

a) 5 2 =

b) 4 6 =

3
c) 2 5 =

d) 3 4 2 =

Divisão
A divisão também só pode ser efetuada se os radicais possuírem o mesmo índice. Veja
os exemplos:

a) 8 : 4 = 8:4 = 2

b) 12 3
6 :3 3
2 = (12 : 3) 3
6:2 = 4 3
3

Quando os índices forem diferentes devemos reduzi-los ao mesmo índice. Assim:


6 6
a) 3
4 : 2 = 42 : 23 = 6
16 : 8 = 6
2

b)

Faça o exercício no seu caderno.

22 Efetue as divisões:
3 3
a) 12 : 4 =
4
b) 18 6 : 94 3 =

c) 10 6 :5 5 =

d) 6 5 :4 7 =
3
e) 2 : 5 =
4 6
f) 2 : 2 =

132 SENAI
Matemática Aplicada 1

Racionalização de denominadores

Observe a expressão abaixo:

3
2 5

É uma fração em que o denominador é um número irracional. Às vezes, para facilidade


de cálculo, é conveniente racionalizar esse denominador.

Racionalizar o denominador significa transformá-lo em número racional, isto é, fazer


desaparecer a raiz do denominador.
Para isso, usamos a seguinte propriedade das frações: multiplicando-se ou dividindo-
se o numerador e o denominador por um mesmo número diferente de zero, o valor
da fração não se altera.

Portanto para tornar um denominador irracional em racional, multiplicamos o


numerador e o denominador por um fator racionalizante (FR). O fator racionalizante é
um número que, multiplicado pelo denominador irracional, o transforma em racional.
Veja alguns exemplos:

Observe que, após a multiplicação do denominador pelo fator racionalizante, o índice e


o expoente tornam-se iguais.

Para descobrir o fator racionalizante vamos estabelecer algumas regras práticas:


• Quando denominador é do tipo a , o fator racionalizante é a .

Exemplos
5
a) ⇐ FR é 3 porque 3 . 3 = 32 = 3
3

-3 2
b) ⇐ FR é 5 porque 5 . 5 = 52 = 5
5

SENAI 133
Matemática Aplicada 1

• Quando o denominador é do tipo b a , o fator racionalizante é a .

Exemplo

5
⇐ FR é 5 pois 3 5 . 5 =3 5 2 = 3 . 5 = 15
3 5


p p
Quando o denominador é do tipo a q ou b a q , o fator racionalizante é
p − q
ap

Exemplos
2
a) ⇐ FR é 5
25 − 3 = 5
2 2 porque 5
23 . 5
22 = 5
25 = 2
5 3
2
7
b) ⇐ FR é 3
53 −1 = 3
5 2 porque 3 3
51 . 3
52 = 3 3
5 3 = 3 . 5 = 15
3
3 5

Faça o exercício no seu caderno.

23 Determine o fator racionalizante e justifique, conforme o exemplo.


5
a) ⇐ FR é 7 porque 7 . 7 = 72 = 7
7
3
b)
2

5 2
c)
3 3
−3
d)
3
52
1
e)
2
3
f)
2 2

5
Veja como se faz para racionalizar a expressão :
3

134 SENAI
Matemática Aplicada 1

O fator racionalizante é 3 . Multiplicando-se o numerador e o denominador por esse


fator temos:

5 5x 3
=
3 3x 3

Efetuando-se a multiplicação no denominador temos:

5 3 5 3 5 3
= =
3x 3 3 2 3

A racionalização pode ser feita de uma só vez. Assim:

5 5 3 5 3 5 3
= = =
3 3x 3 3 2 3

6
As vezes é possível simplificar a expressão. Veja como racionalizar :
5 3

6 6 3 6 3 6 3 6 3 2 3
= = = = =
5 3 5 3x 3 5x 3 2 5x3 15 5

Outros exemplos de racionalização.

2 2 5 2 5 2 5
a) = = =
5 5x 5 5 2 5

3 3.3 22 33 4 3 3
4
b) = = =
3
2 3
2 . 1 3
2 2 3
2 3 2

3 3 . 3 32 3 3
9 3/ 3
9 3
9
c) = = = =
4 3
3 4 3 1
3 . 3
3 2
4 3
3 3 4 . 3/ 4

1 1. 3
92 3
81 3
33 . 3 3
33 3 3
d) = = = =
3
9 3
9 . 3
9 2 3
9 3 9 9

3/ 3 3 3
3
= =
9/ 3 3

SENAI 135
Matemática Aplicada 1

Se for possível, é melhor fatorar o radicando e escrevê-lo em forma de potência. Veja


como fica o último exercício, resolvendo-o assim.

1 1
=
3
9 3
32 radicando fatorado

Agora multiplicando pelo fator racionalizante, temos:

3
1 3
3 3 3
3
= = =
3
3 2 3
32 x 3 3
3
3 3
3

Faça o exercício no seu caderno.

24 Racionalize as frações:
10
a) =
10
9
b) =
3 3
−3
c) =
3
52
3
d) =
8
−1
e) =
5 6
8
f) =
3 2
−2
g) =
3
6

136 SENAI
Matemática aplicada 1

Conceitos fundamentais

Ponto

A idéia de ponto é sugerida pela marca feita no papel por um alfinete ou pela ponta fina
de um lápis; ou ainda pelo encontro de dois lados de um quadrado ou, então, de um
canto onde duas paredes e o chão da sala se encontram.

Nomeamos os pontos com letras latinas maiúsculas: A, B, C...

Reta

A idéia de reta nos é dada pelo encontro da parede com o chão da sala, continuando
indefinidamente nos dois sentidos; ou ainda por uma corda bem esticada estendendo-se
nos dois sentidos, ou ainda a beira de uma régua. Veja a figura a seguir.

SENAI 137
Matemática aplicada 1

Nomeamos as retas com letras latinas minúsculas: a, b, c... ou ainda utilizando dois
pontos que pertencem a ela. Quando as desenhamos, usamos setas nas suas
extremidades.

Plano

A idéia de plano nos é sugerida por superfícies tais como a parte de cima da sua
carteira, a parte da lousa onde se escreve ou ainda uma parede ou o piso da quadra de
esportes.

Apesar de serem bons exemplos de superfície plana, não são muito fiéis, pois o plano
também é ilimitado em todos os sentidos. Nomeamos os planos com letras gregas
minúsculas: α (alfa), β (beta), γ (gama), π (pi)...

138 SENAI
Matemática aplicada 1

Posições de uma reta

horizontal vertical inclinada

Posições relativas de duas retas

Duas retas no mesmo plano podem ser:


• Paralelas – não tem ponto comum ( “não se cruzam” )

Indica-se: r/ /s Indica-se: m/ /n

• Concorrentes – têm um ponto em comum ( “se cruzam” )

SENAI 139
Matemática aplicada 1

• Coincidentes – têm todos os pontos comuns

Semi-reta
Observando a reta r e o ponto A sobre ela, verificamos que o ponto A divide a reta em
duas partes:
• uma de origem A e que passa por P. Indicamos AP
• uma de origem A e que passa por M. Indicamos AM
Cada uma dessas partes chama-se semi-reta.

Segmento de reta

Observando a reta s e os dois pontos A e B sobre ela, chamamos de segmento de reta a


região que vai de A e B. Indicamos AB ou BA onde A e B são suas extremidades.

• Segmentos de reta consecutivos


Observando os segmentos de retas da figura abaixo verificamos que AB e BC ; BC e
CD são chamados segmentos consecutivos. Segmentos consecutivos são aqueles
que, considerados dois a dois, têm uma extremidade comum. Os segmentos AB e CD
não são consecutivos.

140 SENAI
Matemática aplicada 1

• Segmento de reta colineares


Dizemos que dois ou mais segmentos são colineares quando estão na mesma reta. Na
figura, AB , BC , AC são colineares (estão todos na reta s). Os segmentos BD , DE ,
BE são colineares (estão todos na reta r). Os segmentos AB e BD não são colineares
(retas diferentes). Observe que os segmentos AB e BC são consecutivos e colineares.

• Segmentos de reta congruentes


Segmentos de reta congruentes são aqueles que têm as medidas iguais. Observe as
figuras:
m ( AB ) = 2cm

m ( CD ) = 2cm
Logo AB e CD são segmentos congruentes (“iguais”).

Observações importantes para os primeiros conceitos

• O ponto não tem dimensão (“tamanho”), não pode ser medido


• A reta é um conjunto infinito de pontos.
• O plano é um conjunto infinito de pontos.
• Duas semi-retas da mesma origem e na mesma reta são chamadas semi-retas
opostas.
• A origem da semi-reta pertence a ela.
• A reta que contém o segmento de reta é chamada reta suporte
• As extremidades do segmento de reta pertencem a ele.
• Retas que estão no mesmo plano são chamados coplanares.
• Uma reta traçada num plano o divide em duas regiões (“partes”) chamadas semi-
planos
SENAI 141
Matemática aplicada 1

Exercício resolvido

Represente graficamente:

a) reta AB b) segmento AB
c) semi-reta AB d) semi-reta BA

Resposta:

A distância entre os pontos A e B é uma medida do segmento AB e indica-se m( AB ).

Faça os exercícios no seu caderno.

1 Copie a figura e nomeie seus elementos com as letras adequadas.

142 SENAI
Matemática aplicada 1

2 Em quais das figuras abaixo existe segmento de reta?

3 Represente graficamente (desenhe) dois segmentos colineares.

4 Desenhe dois segmentos consecutivos.

5 Observe os segmentos e responda: AB e CD são congruentes? Justifique.

6 Observe a figura e relacione o que se pede:

a) todos os segmentos contidos em r


b) todos os segmentos de reta colineares
c) dois segmentos de reta consecutivos
d) dois segmentos de reta não consecutivos

SENAI 143
Matemática 1

Ângulos

• Duas semi-retas que têm origem no mesmo ponto formam uma figura chamada
ângulo. Veja:

- as semi-retas OA e OB têm a mesma origem (O);


- a origem chama-se vértice do ângulo;
- representa-se o ângulo por AÔB; AOB ou por uma letra grega: α, β, etc.

Veja os exemplos:

Vértice → M
MO e MN vértice → P
OMN ou lados → PQ e PR
ou RQP ou
α → ângulo ou β → ângulo

SENAI 145
Matemática 1

Faça o exercício em seu caderno.

8 Copie a figura e complete o que falta ao lado.

• Ao traçarmos um ângulo (de semi-retas não opostas) no plano, este fica dividido em
três partes: interior, exterior e o próprio ângulo. Veja:

α →plano
A, B, C, D, O → pontos
OA e OB → vértice
AÔB → ângulo

Podemos verificar que o ponto C está no exterior do ângulo; o ponto D está no interior
e os pontos A, B, e O estão no ângulo.

Ângulos adjacentes

Dizemos que dois ângulos são adjacentes quando possuem mesmo vértice, um lado
comum e não têm pontos interiores comuns. Observe a figura:

• os ângulos AÔB e BÔC são adjacentes – têm o mesmo vértice (O), um lado comum
( OB ) e não têm pontos interiores comuns (se você hachurar um deles e pontilhar o
outro perceberá);

• os ângulos AÔB e AÔC não são adjacentes – têm pontos interiores comuns.

146 SENAI
Matemática 1

Ângulos consecutivos

Dois ângulos são consecutivos quando possuem o vértice e um lado comum.


Na figura

Medidas de ângulo

Para medir ângulos, usamos o transferidor. O tipo mais comum de transferidor é este:

Quando medimos um ângulo, precisamos observar duas linhas básicas:


• a linha horizontal que recai sobre 0º;
• a linha vertical que recai sobre 90º.

SENAI 147
Matemática 1

Então fazemos o seguinte:


1º) Colocamos o transferidor sobre ângulo, de modo que a linha horizontal fique sobre
um dos lados do ângulo e a linha vertical encontre o vértice do ângulo. O outro lado
do ângulo deve ficar sob a parte graduada. Observe o exemplo:

2º) Verificamos, na escala graduada do transferidor, o valor que coincide com o lado que
está sob a parte graduada.

Na figura acima, o ângulo que está sendo medido tem 45º.

O comprimento dos lados de um ângulo não altera a medida do mesmo.

Os dois ângulos acima têm a mesma medida. Por isso, quando não é possível medir um
ângulo porque os lados não alcançam a escala graduada, prolongamos os lados até que
a alcancem.

148 SENAI
Matemática 1

Exemplos

SENAI 149
Matemática 1

O transferidor também é usado para traçar ângulos. Para isso devemos proceder da
seguinte forma:
1º) Traçamos um dos lados do ângulo. Sobrepomos o transferidor de modo que a linha
horizontal fique sobre esse lado e a vertical encontre sua origem.

150 SENAI
Matemática 1

2º) Marcamos na escala a medida desejada e ligamos esse ponto (A) ‘a origem do 1º
lado já traçado (O)

Classificação dos ângulos

Os ângulos são classificados em:


• retos
• agudos
• obtusos

1º) Os ângulos retos medem 90º. Indicamos o ângulo reto com o sinal
Por exemplo:

SENAI 151
Matemática 1

Observação
Dizemos que as retas suportes de seus lados são perpendiculares.

2º) Os ângulos agudos medem menos que 90º graus. Veja os exemplos:

3º) Os ângulos obtusos medem mais que 90º e menos que 180º. Assim:

Observações
• No 2º e 3º casos, as retas suportes dos lados dos ângulos não são perpendiculares.
• O ângulo de 0º (nulo) tem como lados duas semi-retas coincidentes.

• O ângulo de 180º (raso ou de meia volta) tem como lados duas semi-retas opostas.

152 SENAI
Matemática 1

Faça os exercícios no seu caderno.

9 Desenhe e coloque as respectivas letras nos seguintes elementos:


a) um ponto
b) uma reta
c) uma semi-reta
d) um segmento de reta
e) duas retas paralelas
f) duas retas concorrentes perpendiculares
g) duas retas concorrentes não perpendiculares
h) um ângulo reto
i) um ângulo agudo
j) um ângulo obtuso

10 Usando um transferidor trace os ângulos medindo:


a) 60º
b) 45º
c) 98º
d) 125º

Bissetriz de um ângulo

Bissetriz de um ângulo é a semi-reta de origem no vértice do ângulo que o divide em


dois ângulos de mesma medida.

OC bissetriz de AÔB NP : bissetriz de

SENAI 153
Matemática 1

Faça o exercício no seu caderno.

11 Com o auxílio do transferidor trace os ângulos pedidos e suas respectivas


bissetrizes. Cote:
a) 80º
b) 110º
c) 180º
d) 150º

Ângulos complementares

Dois ângulos são complementares quando a soma de suas medidas é 90º.

Exemplo

AÔB e BÔC são ângulos complementares


porque
m AÔB) + m(BÔC) = m(AÔC)
⏐ ⏐ ⏐
40º + 50º = 90º

Dizemos, neste caso, que um ângulo é o complemento do outro

Exemplos

AÔB é o complemento de
CÔD pois

m (AÔB) + m (CÔD) = 90º

154 SENAI
Matemática 1

Faça o exercício no seu caderno.

12 Calcule o complemento dos ângulos, conforme os exemplos:

a) 35º 40´ b)50º 30´ 20´´


Cálculo Cálculo

89º 60´ 90º 89º 59´60´´


- 35º 40´ - 50º 30´ 20´´ ⇒ 50º 30´20´´
54º 20´ 39º 29´40´´

então: C 35º 40´= 54º 20 então: C 50º 30´20´´ = 39º 29´40´´

c) 42º
d) 26º 30´
e) 50º 40´
f) 30º 40´50´´
g) 15º 18´30´´

Ângulos suplementares
Dois ângulos são suplementares quando a soma de suas medidas é 180º.

Exemplo

AÔB e BÔC são ângulos suplementares porque

m (AÔB) + m(BÔC) = m(AÔC)


110º + 70º = 180º

Dizemos neste caso, que um ângulo é um suplemento do outro.

SENAI 155
Matemática 1

Exemplos

Faça o exercício no seu caderno.

13 Calcule o suplemento dos ângulos, conforme o exemplo

a) 108º 30´45´´ Cálculo


180º 179º59´60´´
- 108º 30´ 45´´ -108º 30´45´´
71º 29´15´´
logo: S 108º 30´45´´ = 71º 29´15´´

b) 120º 10´30´´
c) 40º
d) 48º 37´
e) 120º 55´
f) 78º 25 ‘

156 SENAI
Matemática 1

Ângulos opostos pelo vértice

Ângulos cujos lados são semi-retas opostas são chamados ângulos opostos pelo vértice
(OPV).

α e β → opv
γ e π → opv

Atenção
Ângulos opv têm a mesma medida.

Faça o exercício no seu caderno.

14 Determine os valores de α, β e γ

SENAI 157
Matemática aplicada 1

Medidas e figuras
geométricas

Medida

Se você tivesse que medir o comprimento do tampo de sua carteira e não dispusesse
de instrumentos de medida, que faria? Talvez você pudesse utilizar o palmo para
fazer isso. Se, no entanto, precisasse medir o comprimento da sala de aula também
poderia se valer do palmo, mas, talvez o seu passo facilitasse esse trabalho. De
qualquer forma, nas duas situações você estaria comparando os comprimentos a
serem medidos com os comprimentos de seu palmo ou de seu passo. Podemos então
concluir que medir é comparar grandezas de mesma espécie (dois comprimentos,
duas áreas, etc.). O resultado da medição chama-se medida.

Analise agora a seguinte questão: se você e mais alguns colegas medirem o


comprimento da carteira com o palmo, todos encontrarão a mesma medida? É claro
que não e você sabe por quê. Para evitar diferenças no resultado da operação medir
existem unidades fixas para medir grandezas. Assim é que o metro, o litro, o
quilograma e outras são unidades padrões utilizadas para medir diferentes grandezas.
Ao conjunto de todas as unidades de medir dá-se o nome de Sistema Métrico.

O Sistema Métrico adotado no nosso país desde 1862 é o Sistema métrico decimal,
que recebe esse nome porque relaciona as unidades principais e secundárias
(múltiplos e submúltiplos) fundamentado nos mesmos critérios adotados nos números
decimais.

SENAI 159
Matemática aplicada 1

Medidas de Comprimento

A unidade padrão de medida de comprimento é o metro cujo símbolo é m.

Muitas vezes o metro não é uma unidade conveniente para fazer uma medição,
tornando-se muito grande ou muito pequena. Por exemplo, para medir o diâmetro de
uma arruela, o metro é muito grande; para medir o comprimento de uma estrada, ele
se torna muito pequeno. Para resolver esses impasses foram criadas outras medidas a
partir da medida padrão: os múltiplos (maiores) e os submúltiplos (menores). Essas
medidas são nomeadas com prefixos decimais e os principais constam do quadro
abaixo.

Nome Símbolo Fator multiplicativo


Quilo k 1 000
Hecto h 100
Deca da 10
Deci d 0,1
Centi c 0,01
Mili m 0,001
Micro μ 0,000 001

Os múltiplos ou unidades maiores que o metro são:


• quilômetro, cujo símbolo é km e que é igual a 1 000 metros;
• hectômetro, cujo símbolo é hm e que é igual a 100 metros;
• decâmetro, cujo símbolo é dam e que é igual a 10 metros.

Os submúltiplos ou unidades menores que o metro são:


• decímetro, cujo símbolo é dm e que corresponde à décima parte do metro (0,1m);
• centímetro, cujo símbolo é cm e que eqüivale à centésima parte do metro (0,01m);
• milímetro, cujo símbolo é mm e que corresponde à milésima parte do metro
(0,001m).

Existem ainda unidades menores que o milímetro, assim obtidas:


• Ao dividir o milímetro em 10 partes iguais, obtemos o décimo de milímetro, que
vale 0,1mm.
• Ao dividir o décimo de milímetro em 10 partes iguais, temos o centésimo de
milímetro, que vale 0,01mm.

160 SENAI
Matemática aplicada 1

• Dividindo um centésimo de milímetro em 10 partes iguais, encontramos o milésimo


de milímetro ou micrometro , que vale 0,001mm.

Temos então a seguinte tabela de unidades, com seus símbolos e respectivos valores:

Submúltiplos do metro
Múltiplos do metro
Unidades menores que o milímetro

Milésimo
Nome

Decí- Centí- Décimo Centésimo


Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Milímetro De mm ou
metro metro de mm de mm
micrometro
Símbolo

km hm dam m dm cm mm __ __ μm

0,000 1m 0,000 01m 0,000 001m


Valor

1 000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m ou ou ou


0,1mm 0,01mm 0,001mm

Podemos simplificar escrevendo:

km – hm – dam – m – dm – cm – mm – décimo de mm – centésimo de mm – μ m

Observações
• Os símbolos são sempre escritos com letra minúscula; não se usa ponto de
abreviatura após o símbolo e nem s para indicar o plural.
• A unidade micrômetro também é chamada de mícron e não deve ser confundida
com o micrometro, que é um instrumento de medição.
• Cada unidade de medida de comprimento é dez vezes maior que a imediatamente
inferior e dez vezes menor que a imediatamente superior.

Leitura
Com o auxílio da tabela das unidades, vamos mostrar como fazer a leitura de medidas.

a) Medida representada por número natural.

Lê-se o número acompanhado do nome da unidade que está à frente.

Exemplos
5 km: cinco quilômetros 1 cm: um centímetro
17 dam: dezessete decâmetros 27 dm: vinte e sete decímetros
1 m: um metro 30 mm: trinta milímetros
13 hm: treze hectômetros 54 cm: cinqüenta e quatro centímetros

SENAI 161
Matemática aplicada 1

b) Medida representada por número decimal (com vírgula)

O primeiro algarismo à esquerda da vírgula deverá ficar sob a unidade indicada


na frente da medida. Os demais algarismos ocuparão as unidades seguintes. Lê-
se então a parte inteira acompanhada da unidade indicada, e a parte decimal, que
receberá o nome da unidade em que estiver o último algarismo. Se a parte inteira
for zero, não é lida.

Exemplos
Escrever a leitura das medidas abaixo por extenso (veja a tabela que vem após os
exemplos para entender a leitura).

• 19,235cm = dezenove centímetros, duzentos e trinta e cinco centésimos de


milímetro
• 4,95km = quatro quilômetros, noventa e cinco decâmetros
• 1,593hm = um hectômetro, quinhentos e noventa e três decímetros
• 67,43m = sessenta e sete metros, quarenta e três centímetros
• 8,503dm = oito decímetros, quinhentos e três décimos de milímetros
• 4,585cm = quatro centímetros, quinhentos e oitenta e cinco centésimos de
milímetros
• 0,439m = quatrocentos e trinta e nove milímetros
• 15,304mm = quinze milímetros, trezentos e quatro milésimos de milímetros
• 47,5dam = quarenta e sete decâmetros e cinco metros
• 32,609km = trinta e dois quilômetros, seiscentos e nove metros

Km hm dam m dm cm mm Décimo Centésimo μm


de mm de mm

1 9, 2 3 5
4, 9 5
1, 5 9 3
6 7, 4 3
8, 5 0 3
4, 5 8 5
0, 4 3 9
1 5, 3 0 4
4 7 5
32, 6 0 9

162 SENAI
Matemática aplicada 1

Escrita
Para escrever medidas dadas por extenso usando símbolos e vírgula, pode-se
também usar a tabela. As casas vazias são preenchidas com zero e a unidade que vai
à frente da medida é a primeira (a da vírgula).

Exemplos
Escrever simbolicamente as medidas dadas por extenso (observe a tabela).

• dois metros e nove decímetros = 2,9m


• cinco decâmetros e doze centímetros = 5,0,12dam
• dezenove metros e cinco milímetros = 19,005m
• cinco micrometros = 5μm ou 0,005mm
• quinze decímetros e dez centésimos de milímetros = 15,0010dm

km hm dam m dm cm mm
décimo centésimo μm
de mm de mm

2, 9

5, 0 1 2

1 9, 0 0 5

0, 0 0 5

1 5, 0 0 1 0

Você deve ter percebido que em cada unidade coloca-se apenas um algarismo.

Faça os exercícios no seu caderno.

1 Escreva por extenso:


a) 4,32km
b) 36,78km
c) 43,25hm
d) 532,46dm
e) 80,5m
f) 0,5cm
g) 1,345cm
h) 0,45mm

SENAI 163
Matemática aplicada 1

2 Escreva simbolicamente estas medidas:


a) quarenta e cinco metros e doze centímetros
b) quatro quilômetros e treze metros
c) vinte decímetros e nove milímetros
d) quinze centésimos de milímetro
e) quatorze micrometros
f) um decâmetro e dezessete decímetros

Transformação de unidades
Para fazer transformação de unidades pode-se também usar a tabela, colocando-se a
medida nela e deslocando a vírgula para a unidade desejada. Isso é o mesmo que
multiplicar ou dividir por 10, 100, 1 000... (casas vazias completam-se com zero).

Exemplos:
Fazer as seguintes conversões (observe a tabela):

a) 5,6km para m Resposta: 5 600m

b) 8hm para mm Resposta: 800 000 mm

c) 35m para km Resposta: 0,035km

d) 1,3dm a dam Resposta: 0,013dam

e) 145,4mm para m Resposta: 0,145 4m

f) 13,45cm para dam Resposta: 0,013 45dam

g) 5 μ m para cm Resposta: 0,000 5cm

h) 54,9cm para hm Resposta: 0,005 49hm

décimo de centésimo
km hm dam m dm cm mm μm
mm de mm
5 6 0 0
8 0 0 0 0 0
0, 0 3 5
0, 0 1 3
0, 1 4 5 4
0, 0 1 3 4 5
0, 0 0 0 5
0, 0 0 5 4 9

164 SENAI
Matemática aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

3 Faça as transformações indicadas.


a) 13,49km para m
b) 49 décimos de mm para cm
c) 40,5dm para mm
d) 49dm para dam
e) 805m para dam
f) 5,45hm para dam
g) 0,54dam para cm
h) 500μm para mm
i) 5mm para μm
j) 19,5 centésimos de mm para μm

4 Escreva em metros as medidas.


a) 40,2km
b) 13,5cm
c) 90hm
d) 45 950mm

Perímetro de figuras planas

Perímetro de polígonos
Perímetro de um polígono é a soma das medidas de seus lados

Exemplo

P = 2cm + 3cm + 4cm + 1,5cm + 2,5cm


P = 13cm

Observação
Se o polígono tiver lados de medidas iguais pode-se usar a multiplicação

SENAI 165
Matemática aplicada 1

Outros exemplos

a) P = 55mm + 55mm + 25mm + 25mm


P = 160mm
ou
P = (2 x 55) + (2 x 25)
P = 110 + 50
P = 160mm

b) P = 4m + 4m + 4m + 4m
ou
P = 4 x 4m
P = 16m

c) P = 6 x 30mm
P = 180mm

Perímetro do círculo
O perímetro do círculo é conhecido como comprimento da circunferência. Para
calculá-lo usa- se a fórmula:

C = D ⋅π

onde:
C = comprimento da circunferência
D = diâmetro (dobro do raio)
π ≈ 3,14

166 SENAI
Matemática aplicada 1

Exemplos:
a) Calcule o comprimento das circunferências abaixo.

C=D.π r = 7mm
C = 10 . 3,14 D = 2 x 7mm = 14mm
C = 31,4cm C=D.π
C = 14 . 3,14
C = 43,96mm

b) Calcule o raio de uma circunferência de 62,8cm de comprimento

C=D.π D = 20cm
20
62,8 = D . 3,14 r=
2
62,8
D= r = 10cm
3,14
D = 20cm

Faça o exercício no seu caderno.

5 Calcule o perímetro das figuras planas.

a)

SENAI 167
Matemática aplicada 1

b)

c)

d)

e)

f)

168 SENAI
Matemática aplicada 1

g)

h)

Superfície

Temos idéia do que é uma superfície ao observarmos o tampo de uma carteira, a parte
da lousa onde se escreve, o piso ou o teto da sala de aula. A medida de uma superfície
chama-se área e a unidade fundamental é o metro quadrado (m2 ). Os múltiplos do
metro quadrado são:
• quilômetro quadrado (km2)
• hectômetro quadrado (hm2)
• decâmetro quadrado (dam2)

Os submúltiplos são:
• decímetro quadrado (dm2)
• centímetro quadrado (cm2)
• milímetro quadrado (mm2)

SENAI 169
Matemática aplicada 1

A equivalência entre as unidades de superfície pode ser verificada na tabela abaixo.

Múltiplos do metro quadrado Submúltiplos do metro quadrado


Nome

Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro


quadrado quadrado quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado
Símbolo

km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2


Valor

1 000 000m2 10 000m2 100m2 1m2 0,01m2 0,000 1m2 0,000 001m2

Observando a tabela verificamos que cada unidade de área é 100 vezes maior que a
imediatamente inferior e 100 vezes menos que a imediatamente superior. Então, para
se ler ou escrever uma medida de superfície, colocamos 2 algarismos da medida para
cada unidade. A quantidade de algarismos da parte decimal de uma medida de
superfície deverá ser sempre par. Completamos com um zero caso isso não aconteça.

Também a transformação de unidades é feita como nas medidas de comprimento,


porém, colocando-se 2 algarismos em cada unidade.

Vejamos alguns exemplos

a) Escrever as medidas por extenso (veja a tabela a seguir)

8,7315dm2 = oito decímetros quadrados, sete mil trezentos e quinze milímetros


quadrados
2
0,0543m = quinhentos e quarenta e três centímetros quadrados

km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2


8, 73 15
0, 05 43

b) Escreva simbolicamente a medida: cinco metros quadrados, cento e quatro


milímetros quadrados.

Usando a tabela temos:

Km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2


5, 00 01 04

Então a medida escrita de maneira simbólica fica: 5,000 104m2

170 SENAI
Matemática aplicada 1

c) Faça as transformações de unidade (veja a tabela).

4,32cm2 para m2 Resposta: 0,000 432m2


45,96m2 para cm2 Resposta: 459 600cm2

km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2


0, 00 04 32
45, 96 00

Faça os exercícios no seu caderno (utilize a tabela para facilitar seu trabalho)

6 Escreva por extenso a leitura das medidas:


a) 145hm2
b) 358,40dam2
c) 13,4959dm2
d) 5,7809km2
e) 0,52m2
f) 0,0005hm2
g) 69,13cm2
h) 4,50cm2

7 Escreva simbolicamente as medidas.


a) dois metros quadrados, doze decímetros quadrados
b) oito decâmetros quadrados, cento e vinte e sete decímetros quadrados
c) dois decímetros quadrados, dois mil trezentos e dezoito milímetros quadrados

8 Faça as transformações pedidas:


a) 925cm2 para dm2
b) 0,09hm2 para m2
c) 5cm2 para m2
d) 5dm2 para mm2
e) 4,33km2 para m2
f) 5mm2 para dm2
g) 0,64dm2 para m2
h) 1 300cm2 para m2

SENAI 171
Matemática aplicada 1

Área de figuras planas


Para medir a superfície de figuras geométricas planas usamos fórmulas específicas
para cada uma.

Vamos verificar algumas delas.

Retângulo

A=C . l

onde:
A é a área do retângulo
c é a medida do comprimento
l = é a medida da largura do retângulo

Quadrado

A = l2

onde:
A é a área do quadrado
l  é a medida do lado do quadrado

Como no quadrado os lados são iguais, o produto comprimento x largura fica lado x
lado, ficando então lado ao quadrado, que abreviamos l 2 .

172 SENAI
Matemática aplicada 1

Triângulo

b.h
A=
2

onde:
A é a área do triângulo
b é a medida da base
h é a medida da altura do triângulo

Trapézio

(B + b) . h
A=
2

Nesta fórmula,
A significa área do trapézio
B significa base maior
b significa base menor
h significa altura do trapézio

SENAI 173
Matemática aplicada 1

Exemplos de cálculos de área


Calcule a área das figuras a seguir.

A = c. l
A=6.4
A = 24m2

2
A= l

A = 3,52
A = 12,25cm2
lembre-se que :
3,52 = 3,5 . 3,5 = 12,25

b.h
A=
2
30 . 24
A=
2
A = 360mm2

(B + b) . h
A=
2
(7 + 4 ) . 2,6
A=
2
A =14,30cm2

174 SENAI
Matemática aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno.

9 Calcule a área das seguintes figuras, tendo cuidado com as transformações de


unidades.

a)

b)

c)

d)

SENAI 175
Matemática aplicada 1

e)

f)

g)

Vamos ver mais algumas fórmulas de cálculo de área de figuras planas.

Paralelogramo

A=b.h

onde:
A é a área do paralelogramo
b é a base
h é a altura do paralelogramo
176 SENAI
Matemática aplicada 1

Polígono Regular

p . ap
A=
2

onde:
p significa perímetro do polígono
ap significa apótema

Losango

D. d
A=
2

onde:
A é a área do losango
d é a diagonal menor
D é a diagonal maior

SENAI 177
Matemática aplicada 1

Círculo

A = π.r2

onde:
A é a área do círculo
r é a medida do raio
π vale, aproximadamente, 3,14

Coroa Circular

A = π ( R2 − r 2 )

onde:
π vale 3,14
R é o raio maior
r é raio menor

178 SENAI
Matemática aplicada 1

Setor circular

π . r2 . α
A=
360º

onde:
α é o ângulo em graus
r é o raio

Exemplos de aplicação das fórmulas.

Calcular a área das figuras a seguir.

a)
p= l x6
p = 23 x 6
p = 138

p x ap 138 x 20
A= A=
2 2

2880
A= A = 1 380m 2
2

b)
A=b.h
A = 4,3 . 2,0
A = 8,60cm2

SENAI 179
Matemática aplicada 1

c)
59 . 17
A= D . d A=
2 2

1 003
A= A = 501,50mm2
2

d)
D = 34 A = π. r2
r = 17 A = 3,14 . 172
A = 907,46m2

e)
A= π (R 2 - r 2 )

A = 3,14 (182 - 112)


A = 3,14 . (324 - 121)
A = 3,14 . 203
A = 637,42m2

f)
A = π .r .α
2

360 º
3,14 . 26 2. 60
A=
360º
3,14 . 676
A=
6
2 122,64
A=
6
A = 353,77m2

180 SENAI
Matemática aplicada 1

Faça o exercício no seu caderno

10 Calcule a área das figuras planas seguintes.

a)

b)

c)

d)

SENAI 181
Matemática aplicada 1

e) área da parte hachurada

f) área da superfície hachurada

Volume

Volume de uma figura geométrica espacial é a medida do espaço ocupado por essa
figura.

Para medir o volume de uma figura espacial ou sólido geométrico usamos como
medida padrão o metro cúbico (m3). Os seus múltiplos e submúltiplos bem como seus
símbolos e equivalência estão na tabela abaixo.

Múltiplos do metro cúbico Submúltiplos do metro cúbico

Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro


Nome

cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico cúbico


Símbolo

km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3

1 000 000 000 m3 1 000 000m3 1 000m3 1m3 0,001m3 0,000 001 m3 0,000 000.001m3
Valor

182 SENAI
Matemática aplicada 1

Para ler e escrever unidades de volume colocamos 3 algarismos da medida dada para
cada unidade de volume. Portanto, a quantidade de algarismos da parte decimal de
uma medida de volume deverá ser 3, 6, 9 etc. Completamos com 1 ou 2 zeros se isto
não acontecer.

Para transformar unidades de volume precedemos da mesma forma que nas medidas
de comprimento e superfície, porém colocando 3 algarismos em cada unidade.

Veja alguns exemplos


a) Escrever por extenso a leitura das medidas:

8,068m3 = oito metros cúbicos, sessenta e oito decímetros cúbicos

0,320 019dm3 = trezentos e vinte mil e dezenove milímetros cúbicos

Observe na tabela:

km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3


8, 068
0, 320 019

b) Escreva simbolicamente:

um metro cúbico, vinte e oito decímetros cúbicos = 1,028m3

doze decâmetros cúbicos, doze mil quatrocentos e sete centímetros


cúbicos = 12,000 012 407dam3

Veja a tabela:

km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3


1, 028
12, 000 012 407

c) Faça as transformações (observe a tabela a seguir).

32m3 para dm3 = 32 000dm3


122mm3 para dm3 = 0, 000 122dm3
0,453cm3 para m3 = 0,000 000 453m3

km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3


32 000
0, 000 122
0, 000 000 453

SENAI 183
Matemática aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno. Se necessário, use a tabela.

11 Escreva por extenso as medidas abaixo.


a) 4,058cm3
b) 18,590cm3
c) 0,598km3
d) 58,405dm3

12 Faça as transformações pedidas.


a) 8,053dam3 para m3
b) 18 000cm3 para dm3
c) 4 854dm3 para m3
d) 17,450dm3 para mm3
e) 135,490cm3 para dm3
f) 40,082mm3 para cm3

Volume das figuras espaciais


Para calcular o volume das figuras espaciais também usamos fórmulas específicas
para cada uma. Veja as principais:

Cubo

V = a3

onde
a é a aresta

184 SENAI
Matemática aplicada 1

Paralelepípedo retângulo

V=a.b.c

onde
a é a largura
b é o comprimento
c é a altura

Prismas em geral

V = Ab . h

onde
A b é a área da base
h é a altura

SENAI 185
Matemática aplicada 1

Pirâmides

Ab . h
V=
3

onde
A b é a área da base

Cilindro

V = π .r2 .h

onde
r é raio da base
h é a altura

186 SENAI
Matemática aplicada 1

Cone

π . r2 . h
V=
3

Esfera

π . b3
V=
6

onde
D é o diâmetro

Para calcular o volume usando as fórmulas basta substituir os valores dados e efetuar
as operações.

SENAI 187
Matemática aplicada 1

Exemplos.

Calcular o volume das figuras geométricas espaciais a seguir.

a)
V = a3
V = 253

V = 15 625mm3

lembre-se que :
253 = 25 . 25 . 25 = 15 625

b)
V=a.b.c
V = 8 . 18 . 11
V = 1 584dm3

c)
Área da base
p x ap
A= V = Ab . h
2
(11,5 x 6) x 10
A= V = 345 . 30
2
69 x 10
A= V = 10.350cm3
2
A = 345cm2

188 SENAI
Matemática aplicada 1

d)
Área da base
A = l2
A = 102
A = 100mm2

Ab . h
V=
3
100 . 30
V= V = 1 000mm3
3

e)
V = π . r2 . h
V = 3,14 . 252 20
V = 3,14 . 625 . 20
V = 39.250cm3

Atenção: 500mm = 50cm = diâmetro


f)
π.r2 .h
V=
3
3,14 . 102 . 4/ 6/ 16
V=
3/
V = 3.14 . 100 . 16

V = 5.024mm3

SENAI 189
Matemática aplicada 1

g)
π . p3
V=
6
3,14 . 123
V=
6
3,14 . 1728
V=
6
V = 904,320mm3

Faça o exercício no seu caderno.

13 Calcule o volume das figuras seguintes.

a)

b)

190 SENAI
Matemática aplicada 1

c)

d)

e)

f)

SENAI 191
Matemática aplicada 1

g)

h)

Capacidade

Podemos determinar a capacidade de um recipiente calculando o seu volume. A


unidade fundamental de capacidade é o litro ( l ). Seus múltiplos e submúltiplos
constam na tabela a seguir.

Múltiplos do litro Submúltiplos do litro


Nome

Quilolitro Hectolitro Decalitro Litro Decilitro Centilitro Mililitro


Símbolo

kl hl da l l dl cl ml
Valor

1 000 l 100 l 10 l 1l 0,1 l 0,01 l 0,001 l

Pela tabela observa-se que a equivalência entre as unidades de capacidade é a


mesma verificada com as unidades de medida de comprimento. Portanto, o

192 SENAI
Matemática aplicada 1

procedimento adotado para ler, escrever e converter medidas de capacidade deve ser
o mesmo observado com as medidas de comprimento (1 algarismo em cada “ casa ”
da tabela).

Exemplos

5,8 l = cinco litros e oito decilitros


0,64d l = sessenta e quatro mililitros
dois litros e nove centilitros = 2,09 l
3,5 l transformado em m l resulta 3 500m l
134c l a h l fica 0, 0134h l

Faça os exercícios no seu caderno.

14 Faça, conforme o exemplo, a leitura das seguintes medidas.


a) 145,4 l = cento e quarenta e cinco litros e quatro decilitros
b) 39 542m l
c) 0,005 l
d) 4,498da l
e) 913,4 l
f) 0,604 l

15 Faça as conversões pedidas.


a) 13,3 l para m l
b) 300m l para d l
c) 5k l para l
d) 9,54da l para c l
e) 13,48c l para l
f) 1 500 l para h l
g) 0,45d l para m l
h) 3,6 l para k l
i) 18d l para h l
j) 2da l para l

SENAI 193
Matemática aplicada 1

Massa

Massa é a quantidade de matéria de um corpo

A unidade fundamental de massa é o quilograma (kg) e seus submúltiplos estão na


tabela a seguir.

Submúltiplos do quilograma
Nome

Quilograma Hectograma Decagrama Grama Decigrama Centigrama Miligrama


Símbolo

kg hg dag g dg cg mg
Valor

1 000g 100g 10g 1g 0,1g 0,01g 0,001g

Usamos ainda a tonelada (t) que vale 1 000kg.

A equivalência entre as unidades de massa é a mesma existente entre as de


comprimento e também as de capacidade. Para ler, escrever e converter medidas de
massa procede-se da mesma forma.

Exemplos

5hg = cinco hectogramas


3,54g = três gramas, cinqüenta e quatro centigramas
0,200kg = duzentos gramas
vinte decigramas e quinze miligramas = 20,15dg
3,5kg transformado em gramas fica 3 500g
35cg para hg fica 0,0035hg

Faça os exercícios no seu caderno.

16 Escreva por extenso a leitura das medidas

a) 20,859kg

194 SENAI
Matemática aplicada 1

b) 50dg

c) 4,05g

d) 500,48hg

e) 9,45dg

f) 3t

17 Faça as conversões pedidas.

a) 90g para mg

b) 5,3t para kg

c) 13,5kg para g

d) 1 350mg para g

e) 200g para kg

Relação entre volume, capacidade e massa

Um litro de água destilada (sem impurezas) e sob certas condições de temperatura e


pressão equivale, aproximadamente, a 1dm3 e a 1kg. Temos portanto a relação:

1 l = 1dm3 = 1kg

Fundamentados nessa relação podemos tirar outras, como:

1k l = 1m3 = 1t ou ainda 1m l = 1cm3 = 1g

Vamos verificar alguns problemas relativos a esse assunto.

a) Quantos litros contém uma caixa d’ água de 2m de comprimento, 1m de largura e


0,80m de altura?
V=a.b.c 1,600m3 = 1,600dm3
V = 2 . 1 . 0,80 Se 1dm3 = 1 l então
V = 1,600m3 1,600dm3 = 1,600 l

Resposta: A caixa d´ água contém 1600 l

SENAI 195
Matemática aplicada 1

b) Fazer as conversões pedidas.

45,5 l para kg
solução: se 1 l = 1kg, 45,5 l = 45,5kg
450dm3 para g
solução: se 1dm3 = 1kg, 450dm3 = 450kg = 450 000g

Massa específica

Quando se diz que o ferro é mais pesado que a madeira, deve-se considerar o mesmo
volume para as duas substâncias.
Massa específica de um corpo é a razão entre a massa e o volume do corpo e é
representada pela letra grega ρ (rô).

massa (em kg)


Massa específica =
volume (em dm 3 )

M
ρ =
V

A massa (em kg) de um corpo é calculada a partir de seu volume (V) e de sua massa
específica (ρ).

M
Se: ρ = ⇒ M = ρ x V
V

Exemplo
Calcular a massa (em Kg) de uma barra cilíndrica de alumínio, sabendo-se que ela
mede 60mm de diâmetro e seu comprimento é de 350mm.

Observação
Alumínio - ρ = 2,7kg/dm3.

Solução:
M = ρ x V

196 SENAI
Matemática aplicada 1

a) Volume do cilindro (em dm3)


V = π x r2 x h Î V = π x (30mm)2 x 350mm Î V = 989601,69mm3

V = 0,98960169dm3
b) Uma vez que M = ρ x V, multiplica-se o volume (sempre em dm3) pela massa
específica do material.

M = 0,98960169dm3 x 2,7kg/dm3 = 2,672kg Î A massa da barra é de 2,672kg

Conhecendo-se a massa específica de uma substância, pode-se calcular a massa


(em kg) deste corpo, desde que se conheça o seu volume.

Tabela de massas específicas de alguns materiais

Material Massa específica Material Massa específica


3
= kg/dm = kg/dm3
Aço 7,85 Estanho fundido 7,2
Aço fundido 7,85 Estanho laminado 7,4
Aço rápido 8,4 a 9,0 Ferro fundido 7,25
Alumínio fundido 2,6 Latão fundido 8,5
Alumínio laminado 2,7 Latão laminado 8,55
Antimônio 6,67 Madeira (pinho) 0,65
Argila 1,8 a 2,6 Magnésio 1,74
Berílio 1,85 Magnésio em liga 1,8
Bronze fosforoso 8,8 Manganês 7,3
Cádmio 8,64 Mercúrio 13,6
Chumbo 11,34 Molibdênio 10,2
Cobalto 8,8 Níquel 8,8
Cobre fundido 8,8 Ouro 19,33
Cobre laminado 8,9 Platina 21,4
Cobre puro 8,93 Prata 10,5
Concreto armado 2,4 Tungstênio 19,1
Cromo 6,7 Vanádio 18,7
Diamante 3,5 Zinco fundido 6,86
Duralumínio 2,8 Zinco laminado 7,15

* Alguns livros trazem a unidade de massa específica em g/cm3. Numericamente


os valores são os mesmos: Aço = 7,85kg/dm3 = 7,85g/cm3

SENAI 197
Matemática aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

18 Faça as conversões pedidas.

a) 300cm3 para g
b) 14,800m3 para l
c) 2,520dm3 para kg
d) 4,500 l para m3

19 Resolva os problemas a seguir.

a) Quantos litros de água cabem num reservatório cúbico de 2m de aresta?

b) Um tanque para armazenar gasolina tem a forma de um cilindro com 5cm de


altura e raio de base igual a 4m. Qual é a capacidade em litros desse
reservatório?

c) Uma lata vazia pesa 1,40kg e cheia de água (pura) pesa 11,40kg. Qual é a sua
capacidade?

20 Converta em:

m3 : 4,8dm3, 0,65cm3, 314mm3

cm3 : 3,41m3, 0,78dm3, 0,084dm3

mm3 : 9,4dm3, 694cm3, 0,012m3

198 SENAI
Matemática aplicada 1

21 Some em m3:

0,45m3 + 3,924dm3 + 45mm3 + 34,12cm3 + 0,008cm3 =

22 Calcule o volume:

a)

b)

c)

SENAI 199
Matemática aplicada 1

d)

e)

f)

200 SENAI
Matemática aplicada 1

23 Um recipiente cilíndrico tem 750mm de diâmetro e 350mm de altura. Determinar


qual a sua capacidade em litros.

24 Um tanque com uma base de 60x40cm contém 140 litros de óleo. Qual a altura do
nível de óleo no tanque em mm?

25 Calcule a massa em kg. ( ρ = 7,85kg/dm3 - aço )

SENAI 201
Matemática aplicada 1

26 Calcule a massa em g. ( ρ = 8,9kg/dm3 - cobre fundido )

27 Calcule a massa em kg. ( ρ = 7,85kg/dm3 - aço fundido )

28 Calcule a massa em kg. ( ρ = 7,85kg/dm3 - aço )

202 SENAI
MAttemática aplicada 1

Razão e proporção

Razão

Freqüentemente, fazemos comparações entre grandezas.

O primeiro caixote pesa mais que o segundo.

A segunda garrafa tem maior capacidade que a primeira.

A primeira barra de ferro é menor que a segunda.


SENAI 203
MAttemática aplicada 1

Também é comum comparar duas grandezas para se saber quantas vezes uma
quantidade cabe na outra. Observe as duas engrenagens abaixo.

A engrenagem A tem 80 dentes. A engrenagem B tem 20 dentes. Dividindo o número


de dentes da engrenagem A pelo número de dentes da engrenagem B
encontramos: 80 : 20 = 4. Verificamos, então, que 20 cabe 4 vezes em 80.

Por isso, podemos dizer que a engrenagem A tem 4 vezes mais dentes que a
engrenagem B. Essa é uma comparação por divisão, que chamamos de razão.

Razão entre dois números é o quociente indicado entre eles. Razão entre duas
grandezas de mesma espécie é o quociente indicado entre os números que medem
essas grandezas, numa mesma unidade.

Exemplos:
50kg
a)
20kg
250m l
b)
500m l
150cm
c)
320cm
80 dentes
d)
20 dentes

Por ser um quociente, a razão pode ser indicada:

50
50 : 20 ou ( lê-se 50 para 20 ou 50 está para 20 ).
20

204 SENAI
MAttemática aplicada 1

O primeiro termo da razão chama-se antecedente e o segundo chama-se


conseqüente.

50 antecedente
Então:
20 conseqüente

O conseqüente da razão é sempre um número diferente de zero.

Outros exemplos de razão:


1 1
a) ou 1:2 (um para dois inteiros e um meio)
1 2
2
2

0,25
b) ou 0,25 : 6 (vinte e cinco centésimos para seis)
6

3
4 3 5
c) ou : (três quartos para cinco doze avos)
5 4 12
12

Faça os exercícios no seu caderno.

1 Escreva a razão entre os dentes da engrenagem B e os da engrenagem A no 4o


exemplo dado na apostila.

2 Escreva a leitura da razão que você encontrou no exercício 1.

3 Qual é o antecedente e o conseqüente da razão do exercício 1?

Razões equivalentes

Encontramos o valor de uma razão dividindo o antecedente pelo conseqüente. Sendo


3
assim, o valor de é 1,5 (3 : 2 = 1,5).
2

O valor de uma razão não muda quando multiplicamos ou dividimos o antecedente e o


conseqüente por um mesmo número diferente de zero.

SENAI 205
MAttemática aplicada 1

Veja:
6 x 4 24 6 : 2 3
= =
12 x 4 48 12 : 2 6
↓ → ↓ ↓ → ↓
6 : 12 = 0,5 24 : 48 = 0,5 6 : 12 = 0,5 3 : 6 = 0,5

Por isso podemos sempre escrever as razões na forma irredutível (como nas frações).
Assim, as razões

80 150 250 50
, , e
20 320 500 20

podem ser escritas

4 15 1 5
, , e , respectivamente.
1 32 2 2

Dizemos que duas ou mais razões são equivalentes quando têm o mesmo valor.

Faça os exercícios no seu caderno.

4 Uma engrenagem A tem 50 dentes e uma outra B tem 80 dentes.


a) Escreva a razão entre os dentes de A e B. Torne-a irredutível.
b) Escreva a razão entre os dentes de B e A .Torne-a irredutível.
c) Calcule o valor das duas razões obtidas nos exercícios a e b.
d) Essas razões são equivalentes? Justifique por escrito.

5 Durante um jogo de futebol, um time chutou 7 bolas a gol e marcou 2 gols.


Responda:
a) Qual a razão entre os chutes a gol e os gols marcados?
b) Qual a razão entre os gols marcados e os chutes a gol?

Agora observe bem a figura abaixo.

206 SENAI
MAttemática aplicada 1

Qual é a razão entre o comprimento e a largura deste retângulo?

4cm
Verificamos que a resposta é .
15mm

Repare que, neste caso, estamos comparando grandezas da mesma espécie:


medidas de comprimento. Por isso, indicamos na razão as unidades de medida: cm e
mm.

Mas é comum, nesses casos, escrever a razão sem as unidades de medida. Só que
não podemos tirar as unidades de medida, quando elas são diferentes. Por isso, para
indicar a razão entre duas grandezas da mesma espécie, sem colocar as unidades
de medida, as duas devem ficar na mesma unidade.

Sendo assim, para indicar a razão entre o comprimento e a largura do retângulo,


vamos transformar uma das medidas: ou 4cm em mm ou 15mm em cm.

4cm 40mm 40 : 5 8
Assim: = = = (forma irredutível)
15mm 15mm 15 : 5 3

4cm 4
ou ainda = .
1,5cm 1,5

Na prática, sempre que escrevemos razão entre duas grandezas da mesma espécie
vamos indicá-la sem a unidade de medida.

Faça os exercícios no seu caderno.

6 Um quadro tem 80cm de largura e 1,20m de comprimento.


Indique, na forma irredutível:
a) a razão entre o comprimento e a largura.
b) a razão entre a largura e o comprimento.

SENAI 207
MAttemática aplicada 1

7 Copie o desenho e responda:

a) Qual a razão irredutível entre o pacote cinza e o branco?


b) Qual a razão irredutível entre o pacote branco e o cinza?

Razões especiais
Existem casos muito usados de comparação entre grandezas de espécies
diferentes, como quilômetro e hora, habitantes e quilômetros quadrados.

Por exemplo, um automóvel percorreu 80km em 1 hora. Podemos indicar a razão


80km
entre a distância percorrida e o tempo gasto: ou 80km : 1h, que lemos 80
1h
quilômetros por hora.

Nesses casos, as unidades sempre ficam indicadas na razão.

Outros exemplos:
a) Se um município tem 43 habitantes por quilômetro quadrado, indicamos a razão
43 hab.
entre os habitantes e a área ocupada com ou 43 hab. : 1km2, que lemos
1km2
43 habitantes por quilômetro quadrado.

b) A razão entre a distância percorrida e o tempo gasto por uma pessoa que andou
50m
50 metros em 1 minuto é ou 50m : 1min.
1min

Essas razões também podem ser indicadas assim:

km hab. m
80 , 43 2
, 50 .
h km min

Faça os exercícios no seu caderno.

8 Indique, de acordo com os exemplos dados, as seguintes razões:


a) 2 metros por segundo

208 SENAI
MAttemática aplicada 1

b) 1 metro cúbico por minuto


c) 2 000 litros por hora
d) 38 habitantes por quilômetro quadrado

9 Indique as razões, escrevendo-as na forma irredutível.


a) 60 metros em 5 segundos
b) 7 000 metros em 20 minutos
c) 2 000 litros em 4 horas
d) 1 064 habitantes em 7 quilômetros quadrados

Uma outra razão especial de larga aplicação é escala.

Escala de um desenho é a razão entre as dimensões do desenho (comprimento,


largura, diâmetro) e as do modelo real medidos numa mesma unidade. A escala
1:1000, por exemplo, significa que as dimensões reais são 1000 vezes maiores que as
do desenho.

Outro exemplo:
Numa peça desenhada na escala 1:5, uma medida de 25mm no desenho eqüivale a
quantos mm na peça?
Vejamos : se a escala é 1:5 significa que 1mm no desenho eqüivale a 5mm na peça.
Logo 25x5 = 125mm.

Observe agora a seguinte situação:

A seção de controle de qualidade de uma indústria, ao controlar o material recebido, só


aceita os pedidos que apresentarem até 3 peças defeituosas em cada lote de 100
peças.

Essa relação entre peças com defeito e peças fabricadas pode ser indicada pela razão
3
ou 3:100.
100

Note que esta razão tem conseqüente 100. A razão com conseqüente 100 é um tipo
especial de razão chamada porcentagem.

As razões com conseqüente 100 podem ser representadas com o símbolo da


porcentagem (%).

SENAI 209
MAttemática aplicada 1

3 10
Assim: → 3% → 10%
100 100

Observe que, nestes casos, estamos comparando uma quantidade com outra
quantidade fixa, isto é, 100. Quando falamos em 12%, consideramos 12 em 100. Por
exemplo, falar em 12% dos empregados de uma indústria significa 12 empregados
em cada grupo de 100. Para ler uma porcentagem, dizemos o número seguido da
expressão por cento.

Assim: 3% lemos três por cento.


10% lemos dez por cento.
12% lemos doze por cento.

Faça os exercícios no seu caderno.

10 Represente as razões usando o símbolo da porcentagem:


12
a)
100
120
b)
100
7
c)
100
19
d)
100
30
e)
100
50
f)
100

11 Escreva a leitura por extenso:


a) 7%
b) 30%
c) 15%
d) 80%
e) 9%

12 Escreva sob a forma de razão irredutível:


a) 5%
b) 20%
c) 35%

210 SENAI
MAttemática aplicada 1

d) 107%
e) 237%

Proporção

Já vimos anteriormente que duas razões são equivalentes quando têm o mesmo valor.
Assim, 3 : 4 e 6 : 8 são razões equivalentes porque 3 : 4 = 0,75 e 6 : 8 = 0,75.
Podemos então escrever que 3 : 4 = 6 : 8 (três para quatro é igual a seis para oito).
Essa sentença recebe o nome de proporção. Portanto, proporção é a igualdade entre
duas razões. A proporção pode ser representada de duas formas diferentes:
3 6
3 : 4 = 6 : 8 ou = .
4 8
Nas duas formas a leitura é: três está para quatro assim como seis está para oito.
Exemplos:
1 3
a) 2 = 4
5 15
2
(um meio está para cinco assim como três quartos está para quinze meios)

5 15
b) =
0,2 0,6
(cinco está para dois décimos assim como quinze está para seis décimos)

O primeiro e quarto termos da proporção chamam-se extremos; o segundo e o


terceiro termos chamam-se meios. Então:
3 : 4 = 6 : 8
meios

extremos

Em qualquer proporção o produto dos extremos é igual ao produto dos meios. Verifique
os exemplos:

a)

SENAI 211
MAttemática aplicada 1

b)

c)

Essa propriedade é conhecida como propriedade fundamental e pode ser utilizada


para verificar se quatro números dados numa certa ordem, formam uma proporção. Por
exemplo, verifique se os números 3, 5, 6 e 10 formam uma proporção.

3 6 ⎧ 3 x 10 = 30
= ⎨
5 10 ⎩ 5 x 6 = 30

Logo, 3, 5, 6 e 10 formam, nessa ordem, uma proporção.

Faça os exercícios no seu caderno.

3 4,5
13 Verifique se as razões e são equivalentes. Se o forem, escreva-as em
4 6
forma de proporção.

14 Escreva por extenso a leitura das proporções:


4 8
a) =
5 10

b) 3 : 2 = 9 : 6

c) 0,1 : 3 = 0,6 : 18
5 1
d) 8 = 4
6 12
5

15 Verifique, usando a propriedade fundamental, quais os pares de razões que


formam proporção.

212 SENAI
MAttemática aplicada 1

4 8
a) e
5 10

b) 1 : 4 e 3 : 12

c) 2 : 3 e 4 : 9
0,5 1
d) e
2,5 5

Cálculo de um termo qualquer da proporção


Como você acabou de ver, não é sempre que um par de razões forma uma proporção.

Mas, quando só conhecemos três termos de uma proporção, é sempre possível


descobrir o termo que falta para formar a proporção. Por exemplo, conhecemos estes
termos da proporção:

3 ?
=
4 12

Note que falta um dos termos, que não sabemos qual é. Vamos representar esse termo
desconhecido por uma letra: x, por exemplo.

Para descobrir o valor do termo desconhecido de uma proporção, indicamos a


igualdade do produto dos meios com o produto dos extremos, encontrando uma
sentença matemática.

Vamos explicar melhor. Sabemos que multiplicando os extremos e depois os meios da


proporção vamos encontrar o mesmo resultado. Se as multiplicações dão o mesmo
resultado, elas formam uma igualdade. Então, podemos indicar essa igualdade. Veja:

Fica assim:

4 . x = 3 . 12

Esta igualdade indica que o resultado de 4 vezes x é o mesmo 3 vezes 12.

SENAI 213
MAttemática aplicada 1

Para resolver esta igualdade calculando o valor de x usamos a operação inversa. Veja
como:

4 . x = 3 . 12
4x = 36
36
x = → usamos a operação inversa para calcular x
4

x=9

O termo desconhecido é 9.
3 9
Podemos indicar a proporção: =
4 12

Exemplos:
7 21
a)
2 x

7 . x = 2 . 21
7x = 42 →resolvendo 2o membro
42
x = →aplicando operação inversa
7

x=6

b) 3,5 7,7
=
x 4,4

3,5 . 4,4 = x . 7,7 ou x . 7,7 = 3,5 . 4,4


15,4 = x . 7,7 x . 7,7 = 15,4
15,4 15,4
= x x =
7,7 7,7

2=x x=2

214 SENAI
MAttemática aplicada 1

c)

1,2 . 0,25 = 0,3 . x ou 0,3 . x = 1,2 . 0,25


0,3 = 0,3 . x 0,3 . x = 0,3
0,3 0,3
=x x=
0,3 0,3

1= x x =1

d)

1 3 2
x. = .
6 5 7
1 6
x. =
6 35
6
6 1
x = 35 ou :
1 35 6
6

6 6
x= .
35 1

36
x=
35

Faça o exercício no seu caderno.

16 Calcule o valor do termo desconhecido em cada proporção:


x 25
a) =
4 5
0,4 x
b) =
2 0,15
2,4 9,6
c) =
0,6 x

SENAI 215
MAttemática aplicada 1

2
7 x
d) =
3 7
5

e) 1 : x = 4,5 : 9

f) 8,4 : 2 = x : 4,2
1 3 1
g) : = :x
2 4 8

h) x : 15 = 7 : 3

216 SENAI
Matemática aplicada 1

Regra de três e porcentagem

Grandezas proporcionais

Constantemente estamos relacionando grandezas. Ao dizer, por exemplo, que uma


barra de ferro de 60cm dá para fazer 16 parafusos, estamos relacionando a
quantidade de material com o número de parafusos produzidos.

Também ao afirmar que 2 operários levam 30 dias para fazer certo trabalho, estamos
relacionando o número de operários com o tempo gasto.

Dizemos que duas grandezas são proporcionais quando é possível manter entre elas
uma proporção.

Por exemplo, dobrando a quantidade de material, também vai dobrar o número de


parafusos produzidos. Assim, se a barra tiver 120cm, poderão ser produzidos 32
parafusos.

Do mesmo modo, reduzindo à metade a quantidade de material, também o número de


parafusos produzidos vai ficar reduzido à metade. Tendo a barra 30cm, só serão
produzidos 8 parafusos.

Note que, aumentando ou diminuindo uma grandeza (quantidade de material), a outra


grandeza (número de parafusos) também aumenta ou diminui. Este aumento ou esta
redução na mesma proporção nas duas grandezas é que faz as duas proporcionais.

No exemplo dos operários, você vai ver que a relação é um pouco diferente.

Se 2 operários fazem o serviço em 30 dias, 4 operários, com a mesma capacidade de


trabalho, vão fazer o mesmo serviço em 15 dias. Note que 15 é a metade de 30.

SENAI
217
Matemática aplicada 1

E, reduzindo à metade o número de operários, vai ser necessário o dobro de tempo


para concluir o trabalho. Assim, 1 operário levará 60 dias.

Neste caso, aumentando uma grandeza (número de operários), a outra grandeza


(tempo gasto) diminuiu; ou então, diminuindo uma grandeza (número de operários),
a outra (tempo gasto) aumentou.

Mas, mesmo assim, podemos dizer que as grandezas são proporcionais, pois uma
diminui do mesmo modo que a outra aumenta na mesma proporção.

Por esses dois exemplos, você pode ver que as grandezas proporcionais podem
manter dois tipos de relação. Isso acontece porque as grandezas podem ser direta
ou inversamente proporcionais.

Faça o exercício no seu caderno.

17 Copie os quadrados abaixo no seu caderno e complete com os dados que faltam,
calculando-os mentalmente.

a) número de máquinas número de peças


trabalhando produzidas
6 600
3
200
12

b) velocidade tempo gasto no percurso


80km/h 5h
40km/h
2h30min
50km/h

Duas grandezas são diretamente proporcionais quando, aumentando uma delas, a


outra também aumenta na mesma proporção; ou então, diminuindo uma delas, a outra
diminui na mesma proporção.

No exemplo dos parafusos, as grandezas são diretamente proporcionais.

SENAI
218
Matemática aplicada 1

Duas grandezas são inversamente proporcionais quando, aumentando uma delas, a


outra diminui na mesma proporção; ou então, diminuindo uma delas, a outra aumenta
na mesma proporção.

No exemplo dos operários, as grandezas são inversamente proporcionais.

O exercício 17 que você resolveu no seu caderno trata de grandezas proporcionais.


Escreva abaixo de cada quadro (dado anteriormente) se as grandezas são direta ou
inversamente proporcionais.

Podemos relacionar grandezas proporcionais de uma forma prática: colocando as


grandezas, uma de cada lado, e ligando as duas com um traço.

Vamos relacionar desta forma as grandezas dos exemplos:

60cm 16 parafusos
120cm 32 parafusos

2 operários 30 dias
4 operários 15 dias

ou ainda:

cm parafusos operários dias


60 16 e 2 30
120 32 4 15

Faça os exercícios no seu caderno.

18 Classifique as grandezas abaixo em direta ou inversamente proporcionais.


a) 6 tornos 1 200 peças
2 tornos 400 peças
b) 10l combustível 100km percorridos
30l combustível 300km percorridos
c) 24 dentes na engrenagem 300rpm
36 dentes na engrenagem 200rpm
d) 80km/h 5h
40km/h 10h

SENAI
219
Matemática aplicada 1

19 Assinale com D as grandezas diretamente proporcionais e com Ι as inversamente


proporcionais.
a) tempo de funcionamento de um chuveiro e energia consumida
b) diâmetro de uma polia e número de rotações por minuto
c) número de operários trabalhando e tempo para fazer um trabalho
d) quantidade de material e número de peças produzidas

Regra de três

Regra de três é uma forma de resolver problemas empregando os conhecimentos de


proporção e equação.

Chama-se regra de três porque conhecemos três valores e com eles encontramos um
quarto valor.

Para resolver problemas que envolvem grandezas proporcionais usando a regra de


três, seguimos os passos abaixo.

Exemplo
Se com 20 litros de combustível um automóvel percorreu 160km, quantos quilômetros
percorrerá com 35 litros?

1o) Relacionamos as grandezas na forma prática, representando a grandeza


desconhecida por x.
litros km
20 160
35 x

2o) Verificamos se as grandezas são direta ou inversamente proporcionais.


litros km
20 160
35 x

São diretamente proporcionais porque com mais combustível serão percorridos


mais quilômetros.

SENAI
220
Matemática aplicada 1

3o) Montamos a proporção. Como as grandezas são diretamente proporcionais, a


proporção é montada na forma como está indicada. Neste problema, fica assim:
20 160
=
35 x

4o) Armamos uma sentença matemática, lembrando que, numa proporção, o produto
dos meios é igual ao produto dos extremos. Então:
20 . x = 35 . 160

5o) Resolvendo:
20 . x = 35 . 160
20 . x = 5 600
5 600
x=
20
x = 280

6o) Escrevemos a resposta, ou seja:


Com 35 litros o automóvel percorrerá 280km.

Vejamos outros exemplos.

a) Viajando a uma velocidade média de 72km por hora, o percurso entre duas cidades
pode ser feito em 5 horas. Qual deveria ser a velocidade média para se fazer o
mesmo percurso em 4 horas?

1o) Relacionamos os valores das grandezas envolvidas no problema:


km/h horas
72 5
x 4

2o) Verificamos se as grandezas são direta ou inversamente proporcionais.


Aumentando a velocidade, diminui o tempo gasto: as grandezas são
inversamente proporcionais.

3o) Montamos a proporção invertendo uma das grandezas, porque as grandezas


são inversamente proporcionais:
72 4 x 5
= ou =
x 5 72 4

SENAI
221
Matemática aplicada 1

4o) Armamos a sentença.


x . 4 = 72 . 5

5o) Resolvendo:
4x = 360
360
x =
4
x = 90

6o) Damos a resposta ao problema: a velocidade média deveria ser 90km por hora.

b) Calcular o número de rotações por minuto da polia menor.

diâmetro rpm
18 600
15 x
Inversamente proporcionais (maior diâmetro, menor rpm)

15 600
18 x
15 x = 18 600
15x = 10 800
10 800
x= x = 720
15
Resposta: A polia menor dá 720 rotações por minuto.

Faça os exercícios no seu caderno.

20 Resolva os problemas abaixo usando a regra de três, conforme os exemplos


dados.
a) Se 4,8m de fio custam R$240,00, qual será o preço de 6m do mesmo fio?
b) Um móvel com velocidade constante percorre 20m em 4 minutos. Quantos
metros percorrerá em 6 minutos?

SENAI
222
Matemática aplicada 1

c) Num dia, 5 operários produziram 800 peças. Se 8 operários trabalhassem no


mesmo ritmo quantas peças iriam produzir?
d) Para construir uma casa 4 pedreiros levaram 60 dias. Em quantos dias 5
pedreiros com a mesma capacidade de trabalho fariam a mesma casa?
e) Uma máquina deve trabalhar a 800rpm. Qual o diâmetro da polia a ser
colocada no seu eixo se o motor que vai acioná-lo dá 1 200rpm e tem uma polia
de 100mm?
f) Uma fábrica de tecidos consumiu 1 820 fardos de algodão em 13 dias. Em 8
dias quantos fardos consumiu?
g) Uma engrenagem de 40 dentes dá 300rpm. Qual é a rotação de uma outra de
60 dentes engrenada a ela?

21 Copie as figuras e calcule os dados que faltam.


a) b)

Regra de três e transformação de medidas

Polegada a milímetro
Muitas vezes, precisamos saber em milímetros uma medida que é dada em
polegadas.

Sabendo que 1” corresponde a 25,4mm, podemos usar a regra de três para descobrir
quantos milímetros tem qualquer outra medida em polegadas.
SENAI
223
Matemática aplicada 1

Neste caso, conhecemos três valores das grandezas envolvidas no problema. Vamos
relacionar as grandezas, representando por x a medida que queremos descobrir.

E devemos lembrar que essas grandezas são diretamente proporcionais: aumentando


a medida em polegadas, aumenta a medida em milímetros: diminuindo a medida em
polegadas, diminui a medida em milímetros.

Sendo assim, temos:


poleg. mm
1” 25,4mm ou 1 25,4
3" x 3 x
8 8

1 25,4
A proporção fica = . Armando e resolvendo a igualdade fica assim:
3 x
8
3
1. x = . 25,4
8
3 25,4
1 . x = .
8 1
76,2
x =
8
x = 9,525
3"
Então, eqüivalem a 9,525mm.
8

Quando transformamos em milímetros uma fração de polegada, a divisão é sempre


exata.

Exemplo
3"
A quantos mm eqüivalem 1 ?
4
poleg. mm
1 25,4
3
1 x
4

1 25,4
=
3 x
1
4

SENAI
224
Matemática aplicada 1

3
1 . x = 1 . 25,4
4
7 25,4
1 . x = .
4 1
177,8
x =
4
x = 44,45

3"
Resposta: 1 eqüivalem a 44,45mm.
4

Faça os exercícios no seu caderno.

22 Transforme em mm as seguintes medidas em polegadas, usando regra de três:


1"
a)
4
7"
b)
8
1"
c)
2
5"
d)
16
1"
e) 2
8
f) 18”

23 Resolva o problema abaixo.

Orlando foi à loja comprar um tubo plástico para passar por uma abertura de
130mm. A loja só vendia tubos de 4”, 5” e 6”. Qual desses tubos Orlando deveria
escolher para sobrar o menor espaço entre o tubo e a abertura?

Milímetro a polegada
Quando precisamos saber em polegadas uma medida que é dada em milímetros,
também usamos a regra de três para fazer a transformação.

Por exemplo, queremos saber a quantas polegadas eqüivalem 177,8mm.

SENAI
225
Matemática aplicada 1

Montamos a regra de três da mesma forma, pois as grandezas são diretamente


proporcionais:
poleg. mm
1” 25,4mm ou 1 25,4
x 177,8mm x 177,8

Então:

1 25,4
=
x 177,8

Depois, é só armar e resolver:


x . 25,4 = 1 . 177,8
25,4x = 177,8
177,8
x =
25,4
x = 7”

Dessa forma, podemos afirmar: 177,8mm eqüivalem a 7´´.


Vejamos os exemplos seguintes :

a) Transformar 203,2mm em polegadas.


poleg. mm
1 25,4
x 203,2

1 25,4
=
x 203,2
x . 25,4 = 1 . 203,2
x . 25,4 = 203,2
203,2
x =
25,4
x = 8”

Então, 203,2mm eqüivalem a 8 polegadas.

SENAI
226
Matemática aplicada 1

b) Transformar 6,35mm em polegadas.


poleg. mm
1 25,4
x 6,35

x . 25,4 = 1 . 6,35
6,35
x =
25,4
x = 0,25”

Em muitos casos, transformando em polegadas uma medida que é dada em


milímetros, encontramos um número decimal de polegada.

Mas é mais comum o uso de fração de polegada ao invés de número decimal de


polegada. Por isso, quando encontramos um número decimal de polegada, convém
transformar esse número em fração de polegada.

Isso você já aprendeu a fazer. Vamos relembrar?

025" 25" : 25 1"


0,25” = = =
100 100 : 25 4

Transformando o número decimal em fração decimal e depois simplificando,


encontramos a fração desejada.

Mas as frações de polegada só podem ter os denominadores 2, 4, 8, 16, 32, 64, 128.
E, muitas vezes, ao simplificar uma fação decimal, não é possível encontrar um
denominador de polegada.

Veja, por exemplo, a transformação de 0,45” em fração de polegada.

45"
0,45" =
100

Encontramos, primeiro, a fração decimal e a simplificamos, até a forma irredutível.

45" : 5 9"
=
100 : 5 20

SENAI
227
Matemática aplicada 1

Observe que a fração encontrada não é uma fração de polegada, pois o denominador
é 20. Como você pode ver, não foi possível encontrar a fração de polegada
correspondente a 0,45”.

Por isso, existe um outro modo de transformar um número decimal de polegada e


sempre encontrar uma fração de polegada.

128
1o) Multiplicamos o número decimal pela fração :
128
128 0,45" 128 57,60"
0,45" ⋅ = ⋅ =
128 1 128 128

2o) Simplificamos a fração encontrada. Mas observe que, aqui, a fração encontrada
tem um número decimal no numerador:
57,60"
128
O que fazer?

Quando a fração encontrada tem como numerador um número decimal,


precisamos aproximar o numerador para número inteiro, antes de fazer a
simplificação. Isto você também já aprendeu.

Então nosso exemplo ficará:


57,60 58 : 2 29"
≈ =
128 128 : 2 64

Podemos colocar na resposta o sinal ≈.

29"
Assim, 0,45" ≈
64

c) Transformar 9,525mm em fração de polegada.


poleg. mm
1 25,4
x 9,525
x . 25,4 = 1 . 9,525
x . 25,4 = 9,525
9,525
x =
25,4
x = 0,375”

SENAI
228
Matemática aplicada 1

Transformando 0,375 em fração de polegada, temos:

0,375 128 48 : 16 3"


⋅ = =
1 128 128 : 16 8

3"
Então, 9,525mm eqüivale a .
8

Observação
Quando a divisão por 25,4 não for exata, aproximamos até milésimos (3 casas
decimais).

d) Transformar 9,6mm em fração de polegada.


poleg. mm
1 25,4
x 9,6

x . 25,4 = 1 . 9,6
x . 25,4 = 9,6
9,6
x =
25,4
x ≈ 0,377”

Transformando 0,377 em fração temos:


0,377" 128 48,256 48 : 16 3"
⋅ = ≈ =
1 128 128 128 : 16 8

3"
Então, 9,6mm ≈
8

Faça os exercícios no seu caderno.

24 Transforme em polegadas (inteiras ou fração) as seguintes medidas:


a) 3,175mm
b) 13mm
c) 152,4mm
d) 101,6mm

SENAI
229
Matemática aplicada 1

25 Na figura abaixo, x mede 11mm. Qual deve ser essa medida em polegadas para
que o pino se ajuste perfeitamente ao furo?

26 Orlando precisa passar um tubo por um furo de 110mm. No depósito, há tubos de


3”, 4” e 5”. Qual é o tubo que se ajusta melhor ao furo?

Porcentagem

Você já aprendeu que a porcentagem é uma razão especial com conseqüente 100.
25
Assim, 25% correspondem a e significam 25 em cada grupo de 100. Se dizemos
100
que 25% dos empregados de uma indústria são mulheres, estamos afirmando que, em
cada grupo de 100 empregados, 25 são mulheres.

Da mesma forma, quando falamos em 15% de desconto, estamos nos referindo a um


desconto de R$15,00 a cada R$100,00.

Mas, se o número de empregados da indústria for 1 000 ou a quantidade do dinheiro


for R$20 000,00 como saber quantos empregados são 25% ou quanto vale o desconto
de 15%?

É sempre possível calcular a porcentagem de uma determinada quantidade, porque a


quantidade considerada eqüivale a 100%.

Os 1 000 empregados são o total de empregados da indústria e, por isso, 1 000


correspondem a 100%.

Do mesmo modo, R$20 000,00 correspondem a 100%, pois são a quantidade total do
dinheiro considerado.

SENAI
230
Matemática aplicada 1

Para calcular a porcentagem de uma determinada quantidade, podemos utilizar a regra


de três. Para isso, é necessário saber montar a regra de três, dispondo corretamente
os valores conhecidos.

Exemplos
a) Quantos são 25% de 1 000 empregados?
empregados %
1 000 100
x 25

Em porcentagem, as grandezas são sempre diretamente proporcionais. Então:

1 000 100
=
x 25
x . 100 = 1 000 . 25
x . 100 = 25 000
25 000
x =
100
x = 250

Resposta: 25% de 1 000 empregados são 250 empregados.

b) Numa firma trabalham 20 mulheres que correspondem a 40% dos empregados.


Qual é o total de empregados da firma?
empregados %
20 40
x 100

20 40
=
x 100
x . 40 = 20 . 100
x . 40 = 2 000
2 000
x =
40
x = 50

Resposta: O total de empregados da firma é 50.

SENAI
231
Matemática aplicada 1

c) Num livro de 400 páginas, a quantos por cento correspondem 100 páginas?
páginas %
400 100
100 x

x . 400 = 100 . 100


x . 400 = 10 000
10 000
x =
400
x = 25

Resposta: 100 páginas do livro correspondem a 25% do total.

Faça os exercícios no seu caderno.

27 Quanto valem 15% de R$20 000,00?

28 Quanto valem 30% de 240?

29 Qual é a quantia cujos 15% valem R$300,00?

30 Se 3% de uma remessa de peças são 75 peças, qual é o total da remessa?

31 Uma fábrica possui 250 empregados. Quantos por cento são 20 empregados?

Outros exemplos:
d) Numa remessa de peças, 500 delas correspondem a 20 %. Quantas peças
correspondem a 80%?
peças %
500 20
x 80

x . 20 = 500 . 80
x . 20 = 40 000
40 000
x =
20
x = 2 000

Resposta: 80% correspondem a 2 000 peças.

SENAI
232
Matemática aplicada 1

e) Uma pessoa que recebe R$6 000,00 de salário vai ter um aumento de 38%. Qual
será seu novo salário?

Observação
Você pode resolver este problema de duas maneiras diferentes:

1a) R$ %
6 000 100
x 38
x . 100 = 6 000 . 38
x . 100 = 228 000
228 000
x =
100
x = 2 280 ( valor do aumento)
novo salário → 6 000 + 2 280 = 8 280

2a) R$ %
6 000 100
x 138 (100 + 38)
x . 100 = 6 000 . 138
x . 100 = 828 000
828 000
x =
100
x = 8 280 (novo salário)
Resposta: Seu novo salário será de R$8 280,00

f) Uma mercadoria que era vendida a R$5 000,00 teve um desconto de 15%. Quanto
ficou custando?
1a) R$ %
5 000 100
x 15
x . 100 = 5 000 . 15
x . 100 = 75 000
75 000
x =
100
x = 750 (desconto)
novo preço → 5 000 - 750 = 4 250

SENAI
233
Matemática aplicada 1

2a) R$ %
5 000 100
x 85 (100 - 15)

x . 100 = 5 000 . 85
x . 100 = 425 000
425 000
x =
100
x = 4 250 novo preço
Resposta: Ficou custando R$4 250,00.

Faça os exercícios no seu caderno.

32 25% de certa quantia correspondem a R$5 250,00. Quantos reais eqüivalem a


70%?

33 Na quantia de R$25 000,00, quantos por cento são R$750,00?

34 Uma mercadoria que valia R$6 000,00 teve aumento de 30%. Qual é seu novo
preço?

35 Um operário recebe R$4 000,00 mensais e tem desconto de 8% para a Previdência


Social. Quanto recebe líquido?

36 O preço de uma mercadoria sofreu um desconto de 15%, passando então a custar


R$1 700,00. Quanto custava antes do desconto?

SENAI
234
Matemática aplicada 1

Teorema de Tales

O teorema de Tales relaciona os segmentos de duas transversais, determinados por um


feixe de retas paralelas.

O teorema de Tales diz:

“Um feixe de retas de paralelas determina em duas transversais segmentos


proporcionais”.

a // b // c // d

Em outras palavras podemos dizer: os segmentos determinados em uma das


transversais estão na mesma razão que os respectivos segmentos da outra transversal.
Veja alguns exemplos:

AB MN AC MO DA PM
= = = etc.
BC NO BD NP BC NO

Assim, conhecidas as medidas de alguns segmentos, podemos determinar as medidas


de outros, usando convenientemente o teorema de Tales.

SENAI 235
Matemática aplicada 1

Vamos ver através de alguns exercícios resolvidos como isso é feito:

a) Determine qual é a medida do segmento x, na figura abaixo, considerando que


a//b//c.

Pelo teorema de tales temos:

AB MN
=
BC NO

Substituindo pelos números que representam as medidas, vem:

7,2 8
=
x 10

Resolvendo a proporção:

8 . x = 7,2 . 10
72
x=
8

Logo, x = 9

236 SENAI
Matemática aplicada 1

b) Calcule os segmentos DE e CE usando o teorema de Tales, sendo BD//AE

AC = 60
BC = 24
CD = 25
DE = ?
CE = ?

Pelo teorema de Tales temos:

AB DE
=
BC CD

Substituindo pelos valores dados e observando que:


AB = AC - BC
AB = 60 - 24
AB = 36
temos

36 DE
= ⇒ 24 DE = 36.25 ⇒ 24 DE = 900 ⇒
24 25

900
DE = ⇒ DE = 37,5
24

Como CE = CD + DE , vem:
CE = 25 + 37,5 =

CE = 62,5

SENAI 237
Matemática aplicada 1

c) Calcule x:

a // b // c

AB = x
CE = 24
BC = 10
BD = 15

AB
=
EB

x
=
(24 − 10)
BD BC 15 10

Cálculos
15
x14
60
15
210

x 14
= ⇒ x . 10 = 15 . 14
15 10

210
x . 10 = 210 ⇒ x =
10

x = 210 mm

238 SENAI
Matemática aplicada 1

Faça os exercícios no seu caderno.

19 Dadas as medidas dos segmentos, indique se as proporções dadas são verdadeiras


(V) ou (F), mostrando os devidos cálculos.

RS = 6cm ST = 9cm TU = 2cm UV = 3cm

RS TU
a) =
ST UV

UV ST
b) =
RS TU

ST RS
c) =
UV TU

TU UV
d) =
RS ST

RS ST
e) =
UV TU

20 Determine a medida x de cada figura, sendo r // s // t

SENAI 239
Matemática aplicada 1

240 SENAI
Matemática aplicada 1

21 Escreva as medidas dadas e calcule o que se pede:

AC // MN
AM = 4
MB = 10
CB = 21
CN = ?
NB = ?

VY // UZ
VX = 15
UV = 12
YZ = 16
XY = ?
XZ = ?

SENAI 241
Matemática aplicada 1

Trigonometria

Introdução

A trigonometria é uma parte da Matemática aplicada extensivamente na resolução de


problemas de Engenharia e Astronomia, sendo de especial importância nos
levantamentos topográficos.

Com aplicação de trigonometria, podem-se medir larguras de rios em trechos


inacessíveis, alturas de montanhas e até mesmo distâncias de estrelas.

Em mecânica, a trigonometria é muito utilizada para determinação de ângulos e


medidas de algumas partes cônicas de uma peça qualquer.

SENAI 243
Matemática aplicada 1

Para o projetista de máquinas e ferramentas, controlador de qualidade, serralheiro,


funileiro, caldeireiro, etc. é indispensável o conhecimento de trigonometria.

É muito comum o desenho especificar somente a medida maior ou menor e o


comprimento da peça. O profissional deve, então, calcular o ângulo de inclinação
dessa peça para poder fabricá-la, o que ele consegue com o auxílio de trigonometria.

Relação de Pitágoras

No triângulo retângulo, o lado oposto ao ângulo reto ( o maior ) recebe o nome de


hipotenusa, e os outros dois lados chamam-se catetos.

244 SENAI
Matemática aplicada 1

A relação entre a hipotenusa e os catetos no triângulo retângulo é:


o quadrado da medida da hipotenusa é igual à soma dos quadrados das medidas
dos catetos.

c 2 = a2 + b2

Onde:
c2 = 52 = 25
a2 = 42 = 16
b 2 = 32 = 9
25 = 16 + 9

Resumindo:

c Medida da hipotenusa c 2 = a2 + b2 c= a2 + b2

2 2 2
b Medida do cateto menor b = c - a b= c 2 - a2

2 2
a Medida do cateto maior a = c - b
2
a= c 2 − b2

SENAI 245
Matemática aplicada 1

Aplicação da relação de Pitágoras

• Nos polígonos
Em cálculos de diagonais e alturas e vice-versa.

• Nas oficinas
Em cálculos de cotas não especificadas no desenho.

• Peças cônicas e manípulos

Em cálculos de medidas para verificação e construção.


Nos encaixes rabo-de-andorinha e porcas.

246 SENAI
Matemática aplicada 1

Exemplo
Calcular a cota D.

1o passo: encontrar o triângulo e destacá-lo.

2o passo: aplicar a relação de Pitágoras.

x2 = 182 + 242 ⇒ x = 18 2 + 24 2 ⇒
x = 324 + 576 ⇒ x = 900 ⇒ x = 30

D = 2x ⇒ D = 60

SENAI 247
Matemática aplicada 1

Relações trigonométricas no triângulo retângulo

Hipotenusa
O lado maior de um triângulo retângulo é chamado hipotenusa e os outros dois lados,
catetos.

Cateto oposto
É o lado do triângulo que não pertence ou não faz parte do ângulo em questão. É o
que está do lado contrário ao ângulo a que se refere.

CB é o cateto oposto ao ângulo A.


AC é o cateto oposto ao ângulo B.

Cateto adjacente
É o lado do triângulo que juntamente (adjacente) com a hipotenusa formam o ângulo
em questão.

CB é o cateto adjacente ao ângulo B.


AC é o cateto adjacente ao ângulo A.

248 SENAI
Matemática aplicada 1

Seno
A razão entre o cateto oposto do ângulo e a hipotenusa tem o nome de seno (sen).

cateto oposto a 5
Sen A = = = = 0,5
hipotenusa c 10

cateto oposto b 8,66


Sen B = = = = 0,866
hipotenusa c 10

Co-seno
A razão entre o cateto adjacente e a hipotenusa tem o nome de co-seno (cos).

Determinar o co-seno dos ângulos A e B do triângulo.

cateto adjacente b 8,66


Cos A = = = = 0,866
hipotenusa c 10

cateto adjacente a 5
Cos B = = = = 0,5
hipotenusa c 10

SENAI 249
Matemática aplicada 1

Tangente
A razão entre o cateto oposto e o cateto adjacente tem o nome de tangente (tg).

Determinar a tangente dos ângulos A e B do triângulo.

cateto oposto a 5
Tg A = = = = 0,577
cateto adjacente b 8,66

cateto oposto b 8,66


Tg B = = = = 1,732
cateto adjacente a 5

Co-tangente
A razão entre o cateto adjacente e o cateto oposto tem o nome de co-tangente (cotg).

Se em um triângulo retângulo for dado outro ângulo, além do ângulo reto, e a medida
de um dos lados, pode-se calcular o restante, usando-se as mesmas relações
trigonométricas.

Exemplo
1) Determinar a cotg dos ângulos A e B do triângulo.

cateto adjacente b 8,66


Cotg A = = = = 1,732
cateto oposto a 5

250 SENAI
Matemática aplicada 1

cateto adjacente a 5
Cotg B = = = = 0,577
cateto oposto b 8,66

Para determinar as medidas dos catetos, pode-se empregar uma das relações
estudadas. No exemplo 2, como se tem a medida da hipotenusa, deve-se
empregar uma das funções que a envolve; portanto, pode ser pelo sen ou pelo cos.

Utilizando o sen:

cat. oposto
sen A =
hipotenusa

a
sen A = ⇒ a = C x sen A
c

Exemplo
2) Completar os ângulos e as medidas do triângulo retângulo abaixo.

Solução:
Sabe-se que a soma dos ângulos internos de um triângulo é sempre 180º.

Então, o ângulo A = 180º - ( 90º + 60º )


A = 180º - 150º
A = 30º

Procurar na tabela o sen A (30º)

Sen 30º = 0,5


a = 100 x 0,5 = 50
a = 50

SENAI 251
Matemática aplicada 1

Agora, só falta determinar o lado b (pelo co-seno):

cat. adjacente
cos A =
hipotenusa

b
cos A = ⇒ b = c.cosA
c

Procurar na tabela o cos A (30º)

Cos 30º = 0,866

Portanto, b = 100 x 0,866 = 86,6

b = 86,6
Finalmente, o triângulo fica com as seguintes medidas:

A = 30º a ( BC ) = 50
B = 60º b ( AC ) = 86,6
C = 90º c ( AB ) = 100

Como foi visto no exemplo anterior, é necessário que se tenha uma tabela para
encontrar seno, co-seno, tangente e co-tangente e, para isso, é necessário também
que se saiba consultá-la (no final da unidade estão anexas as tabelas de seno e
tangente de 0º a 90º).

252 SENAI
Matemática aplicada 1

Como consultar as tabelas de seno, co-seno, tangente e co-tangente


O procedimento será sempre o mesmo para o uso detalhado das tabelas de seno, co-
seno, tangente e co-tangente.

Primeiro caso
Dado um ângulo, achar o valor do seno.

Exemplo
Encontrar o valor do seno de 38º20'.

• Toma-se a tabela dos senos e, na primeira coluna vertical, à esquerda, procura-se


o lugar correspondente a 38º.

• Depois, desliza-se o dedo horizontalmente até a coluna que, na parte de cima,


marca 20'.

• O número que aí se encontra (0,62024) é o seno de 38º20'.

Segundo caso
Dado o valor do seno, encontrar o valor do ângulo.

Exemplo
Encontrar o valor do ângulo cujo seno é 0,36650.

• Toma-se a tabela de senos e procura-se o número dado (0,36650), que é


facilmente encontrado, pois os valores sempre estão em ordem crescente (caso
dos senos e tangentes) ou decrescentes (caso dos co-senos e co-tangentes).

SENAI 253
Matemática aplicada 1

• Verifica-se que ele está situado na coluna horizontal correspondente a 21º e, na


coluna vertical correspondente a 30'.

Conclui-se, portanto, que o ângulo correspondente ao seno 0,36650 é 21º 30'.

Aplicação prática de trigonometrica

1) Determinar a inclinação do carro porta-ferramenta para tornear o ângulo da peça


seguinte:

254 SENAI
Matemática aplicada 1

Solução:
Monta-se um triângulo com as medidas existentes e determina-se o ângulo de
inclinação.

Temos o triângulo:

Podemos resolver com qualquer das funções que envolvem os dois catetos (tg ou
cotg). No caso, utilizaremos a tangente.

cateto oposto 5
tg α = =
catetoadja cente 15

tg α = 0,333

E, com esse número, procuramos na tabela de tangentes o ângulo correspondente


(0,333 é a tangente de 18º 26').

A inclinação deve ser 18º 26'

SENAI 255
Matemática aplicada 1

2) Determinar o diâmetro de um eixo para que, em uma de suas extremidades, seja


feito um quadrado de 10mm de lado.

Solução:

No triângulo, temos um lado e queremos determinar a hipotenusa. Precisamos,


então, de uma função que envolva um dos lados do triângulo e a hipotenusa (seno
ou co-seno).

Apliquemos o co-seno:

cateto adjacente
cos α =
hipotenusa

cateto adjacente
hipotenusa =
cos α

cos α (45º) = 0,7071

10
Hipotenusa = = 14,1
0,7071

do eixo = 14,1

256 SENAI
Matemática aplicada 1

Exercícios

1) Calcule a distância d.

2) Calcule a altura h.

3) Calcule a cota x.

4) Calcule a cota a.

SENAI 257
Matemática aplicada 1

5) Calcule as distâncias AC e BC.

6) Calcule as cotas D1 e D2.

7) Determine L.

8) Calcule o comprimento X do movimento do punção.

258 SENAI
Matemática aplicada 1

9) Calcule a medida X.

10) Calcule as medidas b e x.

11) Calcule a profundidade de fresar p.

12) Determinar o diâmetro D da peça abaixo.

SENAI 259
Matemática aplicada 1

13) De um aço redondo de 65mm se deseja fresar um quadrado. Calcule o


comprimento dos lados do quadrado.

14) Deseja-se tornear um cone com uma relação de 1:10. Determinar o ângulo α e D.

15) Para fazer os furos na peça abaixo, a peça foi colocada em uma mesa com
coordenadas. Determinar a cota x e y do furo 1 e a distância l de um furo ao outro.

260 SENAI
Matemática aplicada 1

Relações trigonométricas

Tabela de relações trigonométricas


Tangente de 0º a 45º
Graus

Graus
Minutos
0 10 20 30 40 50 60
0 0,0000 0,0029 0,0058 0,0087 0,0116 0,0145 0,0175 89
1 0,0175 0,0204 0,0233 0,0262 0,0291 0,0320 0,0349 88
2 0,0349 0,0378 0,0407 0,0437 0,0466 0,0495 0,0524 87
3 0,0524 0,0553 0,0582 0,0612 0,0641 0,0670 0,0699 86
4 0,0699 0,0729 0,0758 0,0787 0,0816 0,0846 0,0875 85
5 0,0875 0,0904 0,0934 0,0963 0,0992 0,1022 0,1051 84
6 0,1051 0,1080 0,1110 0,1139 0,1169 0,1198 0,1228 83
7 0,1228 0,1257 0,1287 0,1317 0,1346 0,1376 0,1405 82
8 0,1405 0,1435 0,1465 0,1495 0,1524 0,1554 0,1584 81
9 0,1584 0,1614 0,1644 0,1673 0,1703 0,1733 0,1763 80
10 0,1763 0,1793 0,1823 0,1853 0,1883 0,1914 0,1944 79
11 0,1944 0,1974 0,2004 0,2035 0,2065 0,2095 0,2126 78
12 0,2126 0,2156 0,2186 0,2217 0,2247 0,2278 0,2309 77
13 0,2309 0,2339 0,2370 0,2401 0,2432 0,2462 0,2493 76
14 0,2493 0,2524 0,2555 0,2586 0,2617 0,2648 0,2679 75
15 0,2679 0,2711 0,2742 0,2773 0,2805 0,2836 0,2867 74
16 0,2867 0,2899 0,2931 0,2962 0,2994 0,3026 0,3057 73
17 0,3057 0,3089 0,3121 0,3153 0,3185 0,3217 0,3249 72
18 0,3249 0,3281 0,3314 0,3346 0,3378 0,3411 0,3443 71
19 0,3443 0,3476 0,3508 0,3541 0,3574 0,3607 0,3640 70
20 0,3640 0,3673 0,3706 0,3739 0,3772 0,3805 0,3839 69
21 0,3839 0,3872 0,3906 0,3939 0,3973 0,4006 0,4040 68
22 0,4040 0,4074 0,4108 0,4142 0,4176 0,4210 0,4245 67
23 0,4245 0,4279 0,4314 0,4348 0,4383 0,4417 0,4452 66
24 0,4452 0,4487 0,4522 0,4557 0,4592 0,4628 0,4663 65
25 0,4663 0,4699 0,4734 0,4770 0,4806 0,4841 0,4877 64
26 0,4877 0,4913 0,4950 0,4986 0,5022 0,5059 0,5095 63
27 0,5095 0,5132 0,5169 0,5206 0,5243 0,5280 0,5317 62
28 0,5317 0,5354 0,5392 0,5430 0,5467 0,5505 0,5543 61
29 0,5543 0,5581 0,5619 0,5658 0,5696 0,5735 0,5774 60
30 0,5774 0,5812 0,5851 0,5890 0,5930 0,5969 0,6009 59
31 0,6009 0,6048 0,6088 0,6128 0,6168 0,6208 0,6249 58
32 0,6249 0,6289 0,6330 0,6371 0,6412 0,6453 0,6494 57
33 0,6494 0,6536 0,6577 0,6619 0,6661 0,6703 0,6745 56
34 0,6745 0,6787 0,6830 0,6873 0,6916 0,6959 0,7002 55
35 0,7002 0,7046 0,7089 0,7133 0,7177 0,7221 0,7265 54
36 0,7265 0,7310 0,7355 0,7400 0,7445 0,7490 0,7536 53
37 0,7536 0,7581 0,7627 0,7673 0,7720 0,7766 0,7813 52
38 0,7813 0,7860 0,7907 0,7954 0,8002 0,8050 0,8098 51
39 0,8098 0,8146 0,8195 0,8243 0,8292 0,8342 0,8391 50
40 0,8391 0,8441 0,8491 0,8541 0,8591 0,8642 0,8693 49
41 0,8693 0,8744 0,8796 0,8847 0,8899 0,8952 0,9004 48
42 0,9004 0,9057 0,9110 0,9163 0,9217 0,9271 0,9325 47
43 0,9325 0,9380 0,9435 0,9490 0,9545 0,9601 0,9657 46
44 0,9657 0,9713 0,9770 0,9827 0,9884 0,9942 1,0000 45
Graus

Graus

60 50 40 30 20 10 0
Minutos

Co-tangente de 45º a 90º


SENAI 261
Matemática aplicada 1

Tabela de relações trigonométricas


Tangente de 45º a 90º
Graus

Graus
Minutos
0 10 20 30 40 50 60
45 1,0000 1,0058 1,0117 1,0176 1,0235 1,0295 1,0355 44
46 1,0355 1,0416 1,0477 1,0538 1,0599 1,0661 1,0724 43
47 1,0724 1,0786 1,0850 1,0913 1,0977 1,1041 1,1106 42
48 1,1106 1,1171 1,1237 1,1303 1,1369 1,1436 1,1504 41
49 1,1504 1,1571 1,1640 1,1708 1,1778 1,1847 1,1918 40
50 1,1918 1,1988 1,2059 1,2131 1,2203 1,2276 1,2349 39
51 1,2349 1,2423 1,2497 1,2572 1,2647 1,2723 1,2799 38
52 1,2799 1,2876 1,2954 1,3032 1,3111 1,3190 1,3270 37
53 1,3270 1,3351 1,3432 1,3514 1,3597 1,3680 1,3764 36
54 1,3764 1,3848 1,3934 1,4019 1,4106 1,4193 1,4281 35
55 1,4281 1,4370 1,4460 1,4550 1,4641 1,4733 1,4826 34
56 1,4826 1,4919 1,5013 1,5108 1,5204 1,5301 1,5399 33
57 1,5399 1,5497 1,5597 1,5697 1,5798 1,5900 1,6003 32
58 1,6003 1,6107 1,6213 1,6318 1,6426 1,6534 1,6643 31
59 1,6643 1,6753 1,6864 1,6977 1,7090 1,7205 1,7321 30
60 1,7321 1,7438 1,7556 1,7675 1,7796 1,7917 1,8041 29
61 1,8041 1,8165 1,8291 1,8418 1,8546 1,8676 1,8807 28
62 1,8807 1,8940 1,9074 1,9210 1,9347 1,9486 1,9626 27
63 1,9626 1,9768 1,9912 2,0057 2,0204 2,0353 2,0503 26
64 2,0503 2,0655 2,0809 2,0965 2,1123 2,1283 2,1445 25
65 2,1445 2,1609 2,1775 2,1943 2,2113 2,2286 2,2460 24
66 2,2460 2,2637 2,2817 2,2998 2,3183 2,3369 2,3558 23
67 2,3558 2,3750 2,3945 2,4142 2,4342 2,4545 2,4751 22
68 2,4751 2,4960 2,5172 2,5387 2,5605 2,5826 2,6051 21
69 2,6051 2,6279 2,6511 2,6746 2,6985 2,7228 2,7475 20
70 2,7475 2,7725 2,7980 2,8239 2,8502 2,8770 2,9042 19
71 2,9042 2,9319 2,9600 2,9887 3,0178 3,0475 3,0777 18
72 3,0777 3,1084 3,1397 3,1716 3,2041 3,2371 3,2709 17
73 3,2709 3,3052 3,3402 3,3759 3,4124 3,4495 3,4874 16
74 3,4874 3,5261 3,5656 3,6059 3,6470 3,6891 3,7321 15
75 3,7321 3,7760 3,8208 3,8667 3,9136 3,9617 4,0108 14
76 4,0108 4,0611 4,1126 4,1653 4,2193 4,2747 4,3315 13
77 4,3315 4,3897 4,4494 4,5107 4,5736 4,6383 4,7046 12
78 4,7046 4,7729 4,8430 4,9152 4,9894 5,0658 5,1446 11
79 5,1446 5,2257 5,3093 5,3955 5,4845 5,5764 5,6713 10
80 5,6713 5,7694 5,8708 5,9758 6,0844 6,1970 6,3138 9
81 6,3138 6,4348 6,5605 6,6912 6,8269 6,9682 7,1154 8
82 7,1154 7,2687 7,4287 7,5958 7,7704 7,9530 8,1444 7
83 8,1444 8,3450 8,5556 8,7769 9,0098 9,2553 9,5144 6
84 9,5144 9,7882 10,0780 10,3854 10,7019 11,0594 11,4301 5
85 11,4301 11,8262 12,2505 12,7062 13,1969 13,7267 14,3007 4
86 14,3007 14,9244 15,6048 16,3499 17,1693 18,0750 19,0811 3
87 19,0811 20,2056 21,4704 22,9038 24,5418 26,4316 28,6363 2
88 28,6363 31,2416 34,3678 38,1885 42,9641 49,1039 57,2900 1
89 57,2900 68,7501 85,9398 114,5887 171,8850 343,7740 0
Graus

Graus

60 50 40 30 20 10 0
Minutos

Co-tangente de 0º a 45º

262 SENAI
Matemática aplicada 1

Tabela de relações trigonométricas


Seno de 0º a 45º
Graus

Graus
Minutos
0 10 20 30 40 50 60
0 0,0000 0,0029 0,0058 0,0087 0,0116 0,0145 0,0175 89
1 0,0175 0,0204 0,0233 0,0262 0,0291 0,0320 0,0349 88
2 0,0349 0,0378 0,0407 0,0436 0,0465 0,0494 0,0523 87
3 0,0523 0,0552 0,0581 0,0610 0,0640 0,0669 0,0698 86
4 0,0698 0,0727 0,0756 0,0785 0,0814 0,0843 0,0872 85
5 0,0872 0,0901 0,0929 0,0958 0,0987 0,1016 0,1045 84
6 0,1045 0,1074 0,1103 0,1132 0,1161 0,1190 0,1219 83
7 0,1219 0,1248 0,1276 0,1305 0,1334 0,1363 0,1392 82
8 0,1392 0,1421 0,1449 0,1478 0,1507 0,1536 0,1564 81
9 0,1564 0,1593 0,1622 0,1650 0,1679 0,1708 0,1736 80
10 0,1736 0,1765 0,1794 0,1822 0,1851 0,1880 0,1908 79
11 0,1908 0,1937 0,1965 0,1994 0,2022 0,2051 0,2079 78
12 0,2079 0,2108 0,2136 0,2164 0,2193 0,2221 0,2250 77
13 0,2250 0,2278 0,2306 0,2334 0,2363 0,2391 0,2419 76
14 0,2419 0,2447 0,2476 0,2504 0,2532 0,2560 0,2588 75
15 0,2588 0,2616 0,2644 0,2672 0,2700 0,2728 0,2756 74
16 0,2756 0,2784 0,2812 0,2840 0,2868 0,2896 0,2924 73
17 0,2924 0,2952 0,2979 0,3007 0,3035 0,3062 0,3090 72
18 0,3090 0,3118 0,3145 0,3173 0,3201 0,3228 0,3256 71
19 0,3256 0,3283 0,3311 0,3338 0,3365 0,3393 0,3420 70
20 0,3420 0,3448 0,3475 0,3502 0,3529 0,3557 0,3584 69
21 0,3584 0,3611 0,3638 0,3675 0,3692 0,3719 0,3746 68
22 0,3746 0,3773 0,3800 0,3827 0,3854 0,3881 0,3907 67
23 0,3907 0,3934 0,3961 0,3987 0,4014 0,4041 0,4067 66
24 0,4067 0,4094 0,4120 0,4147 0,4173 0,4200 0,4226 65
25 0,4226 0,4253 0,4279 0,4305 0,4331 0,4358 0,4384 64
26 0,4384 0,4410 0,4436 0,4462 0,4488 0,4514 0,4540 63
27 0,4540 0,4566 0,4592 0,4617 0,4643 0,4669 0,4695 62
28 0,4695 0,4720 0,4746 0,4772 0,4797 0,4823 0,4848 61
29 0,4848 0,4874 0,4899 0,4924 0,4950 0,4975 0,5000 60
30 0,5000 0,5025 0,5050 0,5075 0,5100 0,5125 0,5150 59
31 0,5150 0,5175 0,5200 0,5225 0,5250 0,5275 0,5299 58
32 0,5299 0,5324 0,5348 0,5373 0,5398 0,5422 0,5446 57
33 0,5446 0,5471 0,5495 0,5519 0,5544 0,5568 0,5592 56
34 0,5592 0,5616 0,5640 0,5664 0,5688 0,5712 0,5736 55
35 0,5736 0,5760 0,5783 0,5807 0,5831 0,5854 0,5878 54
36 0,5878 0,5901 0,5925 0,5948 0,5972 0,5995 0,6018 53
37 0,6018 0,6041 0,6065 0,6088 0,6111 0,6134 0,6157 52
38 0,6157 0,6180 0,6202 0,6225 0,6248 0,6271 0,6293 51
39 0,6293 0,6316 0,6338 0,6361 0,6383 0,6406 0,6428 50
40 0,6428 0,6450 0,6472 0,6494 0,6517 0,6539 0,6561 49
41 0,6561 0,6583 0,6604 0,6626 0,6648 0,6670 0,6691 48
42 0,6691 0,6713 0,6734 0,6756 0,6777 0,6799 0,6820 47
43 0,6820 0,6841 0,6862 0,6884 0,6905 0,6926 0,6947 46
44 0,6947 0,6967 0,6988 0,7009 0,7030 0,7050 0,7071 45
Graus

Graus

60 50 40 30 20 10 0
Minutos

Co-seno de 45º a 90º

SENAI 263
Matemática aplicada 1

Tabela de relações trigonométricas


Seno de 45º a 90º
Graus

Graus
Minutos
0 10 20 30 40 50 60
45 0,7071 0,7092 0,7112 0,7133 0,7153 0,7173 0,7193 44
46 0,7193 0,7214 0,7234 0,7254 0,7254 0,7294 0,731 43
47 0,7314 0,7333 0,7353 0,7373 0,7392 0,7412 0,7431 42
48 0,7431 0,7451 0,7470 0,7490 0,7509 0,7528 0,7547 41
49 0,7547 0,7566 0,7585 0,7604 0,7623 0,7642 0,7660 40
50 0,7660 0,7679 0,7698 0,7716 0,7735 0,7753 0,7771 39
51 0,7771 0,7790 0,7808 0,7826 0,7844 0,7862 0,7880 38
52 0,7880 0,7898 0,7916 0,7934 0,7951 0,7969 0,7986 37
53 0,7986 0,8004 0,8021 0,8039 0,8056 0,8073 0,8090 36
54 0,8090 0,8107 0,8124 0,8141 0,8158 0,8175 0,8192 35
55 0,8192 0,8208 0,8225 0,8241 0,8258 0,8274 0,8290 34
56 0,8290 0,8307 0,8323 0,8339 0,8355 0,8371 0,8387 33
57 0,8387 0,8403 0,8418 0,8434 0,8450 0,8465 0,8480 32
58 0,8480 0,8496 0,8511 0,8526 0,8542 0,8557 0,8572 31
59 0,8572 0,8587 0,8601 0,8616 0,8631 0,8646 0,8660 30
60 0,8660 0,8675 0,8689 0,8704 0,8718 0,8732 0,8746 29
61 0,8746 0,8760 0,8774 0,8788 0,8802 0,8816 0,8829 28
62 0,8829 0,8843 0,8857 0,8870 0,8884 0,8897 0,8910 27
63 0,8910 0,8923 0,8936 0,8949 0,8962 0,8975 0,8988 26
64 0,8988 0,9001 0,9013 0,9026 0,9038 0,9051 0,9063 25
65 0,9063 0,9075 0,9088 0,9100 0,9112 0,9124 0,9135 24
66 0,9135 0,9147 0,9159 0,9171 0,9182 0,9194 0,9205 23
67 0,9205 0,9216 0,9228 0,9239 0,9250 0,9261 0,9272 22
68 0,9272 0,9283 0,9293 0,9304 0,9315 0,9325 0,9336 21
69 0,9336 0,9346 0,9356 0,9367 0,9377 0,9387 0,9397 20
70 0,9397 0,9407 0,9417 0,9426 0,9436 0,9446 0,9455 19
71 0,9455 0,9465 0,9474 0,9483 0,9492 0,9502 0,9511 18
72 0,9511 0,9520 0,9528 0,9537 0,9546 0,9555 0,9563 17
73 0,9563 0,9572 0,9580 0,9588 0,9596 0,9605 0,9613 16
74 0,9613 0,9621 0,9628 0,9636 0,9644 0,9652 0,9659 15
75 0,9659 0,9667 0,9674 0,9681 0,9689 0,9696 0,9703 14
76 0,9703 0,9710 0,9717 0,9724 0,9730 0,9737 0,9744 13
77 0,9744 0,9750 0,9757 0,9763 0,9769 0,9775 0,9781 12
78 0,9781 0,9787 0,9793 0,9799 0,9805 0,9811 0,9816 11
79 0,9816 0,9822 0,9827 0,9833 0,9838 0,9843 0,9848 10
80 0,9848 0,9853 0,9858 0,9863 0,9868 0,9872 0,9877 9
81 0,9877 0,9881 0,9886 0,9890 0,9894 0,9899 0,9903 8
82 0,9903 0,9907 0,9911 0,9914 0,9918 0,9922 0,9925 7
83 0,9925 0,9929 0,9932 0,9936 0,9939 0,9942 0,9945 6
84 0,9945 0,9948 0,9951 0,9954 0,9957 0,9959 0,9962 5
85 0,9962 0,9964 0,9967 0,9969 0,9971 0,9974 0,9976 4
86 0,9976 0,9978 0,9980 0,9981 0,9983 0,9985 0,9986 3
87 0,9986 0,9988 0,9989 0,9990 0,9992 0,9993 0,9994 2
88 0,9994 0,9995 0,9996 0,9997 0,9997 0,9998 0,99985 1
89 0,99985 0,99989 0,99993 0,99996 0,99998 0,99999 1,0000 0
Graus

Graus

60 50 40 30 20 10 0
Minutos

Co-seno de 0º a 45º

264 SENAI