Você está na página 1de 16

Universidade Federal de Santa Maria

Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

– CAPÍTULO IV –
MÉTODOS DE SIMPLIFICAÇÃO DE FUNÇÕES BOOLEANAS

4.1 – INTRODUÇÃO
A complexidade do circuito lógico e da expressão lógica que o circuito representa estão
diretamente ligadas. Embora a tabela da verdade que representa uma determinada função seja única,
devido as diferentes possibilidades de simplificações a serem utilizadas, a expressão lógica resultante
pode ser escrita de diferentes formas. A utilização da simplificação algébrica para minimização de
funções lógicas não segue regras claras e seqüenciais para a correta manipulação algébrica, fazendo desta
técnica um procedimento ineficiente e fortemente dependente da experiência do projetista.
Neste capítulo são apresentados dois métodos de simplificação de funções lógicas conhecidos
como Método de Karnaugh e o Método de Quine-McCluskey. A utilização destes métodos segue regras
claras e bem definidas que se forem empregadas corretamente, há a garantia de que a função resultante
desta simplificação é a menor função lógica possível.

4.2 – MÉTODO DE KARNAUGH


O método de Karnaugh é um método de representação gráfica que permite a percepção visual dos
termos fundamentais que compõe a função lógica, de modo a combiná-los para formar a função lógica
simplificada. O requisito básico para a utilização do mapa de Karnaugh é que a função lógica a ser
simplificada esteja representada na sua forma canônica de soma de produtos. No mapa de Karnaugh, há
somente uma localização para a representação do valor característico de cada mintermo. Este método
pode ser utilizado para simplificar expressões lógicas de até 6 variáveis de entrada. Entretanto, o nosso
estudo se concentrará em mapas de Karnaugh de até 5 variáveis, devido a complexidade existente no
mapa de 6 variáveis. Para simplificar funções lógicas com mais de 5 variáveis de entrada, o método de
Quine-McCluskey é mais prático.

4.2.1 – Mapas de Karnaugh


Para a montagem dos mapas de Karnaugh deve ser observado que entre duas células vizinhas, ou
dois mintermos consecutivos, somente uma variável pode alterar seu valor. Quando da utilização dos
mapas de Karnaugh para simplificação de funções lógicas, cada uma das células receberá um valor lógico
“0” ou “1”, de acordo com o valor correspondente na tabela da verdade. Cada célula que compõe o mapa
de Karnaugh representa um mintermo, que é obtido pela interseção das variáveis presente na linha e na
coluna correspondente.

- Mapa de Karnaugh para 2 variáveis (A,B)


Seja a tabela da verdade para uma função de 2 variáveis, onde os termos mi correspondem aos
mintermos formados pela combinação das variáveis de entrada correspondentes.

A B S
0 0 m0
0 1 m1
1 0 m2
1 1 m3
O mapa de karnaugh correspondente é mostrado a seguir.

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

B B
A m0 m1
A m2 m3

- Mapa de Karnaugh para 3 variáveis (A,B,C)


Seja a tabela da verdade para uma função de 3 variáveis, onde os termos mi correspondem aos
mintermos formados pela combinação das variáveis de entrada correspondentes.
A B C S
0 0 0 m0
0 0 1 m1
0 1 0 m2
0 1 1 m3
1 0 0 m4
1 0 1 m5
1 1 0 m6
1 1 1 m7
O mapa de Karnaugh correspondente é mostrado a seguir. Deve ser observado que os mintermos
m2 e m3 e m6 e m7, destacados na tabela e no mapa, são introduzidos no mapa na ordem contrária daquela
em que estão representados na tabela da verdade. Isto é devido ao fato de que para a correta montagem do
mapa de Karnaugh, entre 2 células vizinhas somente uma variável pode alterar sua informação.
BC BC BC BC
A m0 m1 m3 m2
A m4 m5 m7 m6

- Mapa de Karnaugh para 4 variáveis (A,B,C,D)


Seja a tabela da verdade para uma função de 4 variáveis, onde os termos mi correspondem aos
mintermos formados pela combinação das variáveis de entrada correspondentes.
A B C D S
0 0 0 0 m0
0 0 0 1 m1
0 0 1 0 m2
0 0 1 1 m3
0 1 0 0 m4
0 1 0 1 m5
0 1 1 0 m6
0 1 1 1 m7
1 0 0 0 m8
1 0 0 1 m9
1 0 1 0 m10
1 0 1 1 m11
1 1 0 0 m12
1 1 0 1 m13
1 1 1 0 m14
1 1 1 1 m15

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

O mapa de karnaugh correspondente é mostrado a seguir. Os comentários feitos para o mapa de 3


variáveis também são validos para os mapas de 4 e 5 variáveis.
CD CD CD CD
AB m0 m1 m3 m2
AB m4 m5 m7 m6
AB m12 m13 m15 m14
AB m8 m9 m11 m10

- Mapa de Karnaugh para 5 variáveis (A,B,C,D,E)


Seja a tabela da verdade para uma função de 4 variáveis, onde os termos mi correspondem aos
mintermos formados pela combinação das variáveis de entrada correspondentes.

E A B C D S E A B C D S
0 0 0 0 0 m0 1 0 0 0 0 m16
0 0 0 0 1 m1 1 0 0 0 1 m17
0 0 0 1 0 m2 1 0 0 1 0 m18
0 0 0 1 1 m3 1 0 0 1 1 m19
0 0 1 0 0 m4 1 0 1 0 0 m20
0 0 1 0 1 m5 1 0 1 0 1 m21
0 0 1 1 0 m6 1 0 1 1 0 m22
0 0 1 1 1 m7 1 0 1 1 1 m23
0 1 0 0 0 m8 1 1 0 0 0 m24
0 1 0 0 1 m9 1 1 0 0 1 m25
0 1 0 1 0 m10 1 1 0 1 0 m26
0 1 0 1 1 m11 1 1 0 1 1 m27
0 1 1 0 0 m12 1 1 1 0 0 m28
0 1 1 0 1 m13 1 1 1 0 1 m29
0 1 1 1 0 m14 1 1 1 1 0 m30
0 1 1 1 1 m15 1 1 1 1 1 m31

Para o caso do mapa de 5 variáveis a montagem segue o mesmo procedimento adotado para o
mapa de 4 variáveis. A diferença existente é que para o caso de 5 variáveis teremos dois mapas de 4
variáveis, onde a quinta variável vale “0”’para o primeiro mapa e vale “1” para o segundo mapa.

E E

! !
CD CD CD CD CD CD CD CD
AB m0 m1 m3 m2 AB m16 m17 m19 m18
AB m4 m5 m7 m6 AB m20 m21 m23 m22
AB m12 m13 m15 m14 AB m28 m29 m31 m30
AB m8 m9 m11 m10 AB m24 m25 m27 m26

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

4.2.2 – Técnicas de Simplificação através dos Mapas de Karnaugh


Conforme já foi visto, para a correta utilização do Mapa de Karnaugh deve-se montar a tabela da
verdade da função a ser simplificada e transpor para o diagrama de Karnaugh os valores correspondentes
a cada mintermo. A partir daí, aplica-se então as regra de minimização.
4.2.2.1– Para Duas (2) Variáveis
Exemplo 1: Seja a seguinte tabela da verdade:
A B S
0 0 0
0 1 1
1 0 1
1 1 1

A forma canônica da soma de produtos da função “S” é dada por:


S = AB + AB + AB
Transpondo os valores de “S” da tabela da verdade para o diagrama de Karnaugh e utilizando-se as
regras listadas abaixo para simplificação de funções de 2 variáveis, resulta no mapa mostrado a seguir.

- Regras Para Minimização de Mapas com 2 Variáveis

• Tenta-se agrupar as regiões onde “S” é igual a “1” no menor número de pares(2) possíveis;
• As regiões onde “S” é “1” que não puderem ser agrupadas em pares são consideradas isoladamente;
• As variáveis cujo valor não variar dentro do par, são a simplificação para o par.

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.


S = A+ B

Exemplo 2: Seja a seguinte tabela da verdade:


A B S
0 0 1
0 1 1
1 0 1
1 1 0

A forma canônica da soma de produtos da função “S” é dada por:

S = AB + AB + AB

Transpondo os valores de “S” para o diagrama de Karnaugh e utilizando-se as regras listadas


abaixo para simplificação de funções de 2 variáveis, resulta no mapa mostrado a seguir.

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.

S = A+ B ou S = A.B

4.2.2.2– Para Três (3) Variáveis


Exemplo 1: Seja a seguinte tabela da verdade:

A B C S
0 0 0 1
0 0 1 0
0 1 0 1
0 1 1 1
1 0 0 1
1 0 1 0
1 1 0 1
1 1 1 0

A forma canônica da soma de produtos da função “S” é dada por:


S = ABC + ABC + ABC + ABC + ABC

Transpondo os valores de “S” para o diagrama de karnaugh resulta:

- Regras Para Minimização de Mapas com 3 Variáveis

• Tenta-se agrupar em quadros as regiões onde “S” é igual a “1” e são adjacentes;
• As regiões que não puderem ser agrupadas em quadras, se possível, devem ser agrupadas em pares, e as
onde “S” é igual a “1” que não puderem ser agrupados, devem se considerados isoladamente;
• As variáveis cujo valor não variar dentro dos quadros ou pares, são as simplificações obtidas.

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.


S = C + AB

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

Exemplo 2: Seja a seguinte tabela da verdade

A B C S
0 0 0 0
0 0 1 1
0 1 0 0
0 1 1 1
1 0 0 1
1 0 1 1
1 1 0 1
1 1 1 0

A forma canônica da soma de produtos da função “S” é dada por:


S = ABC + ABC + ABC + ABC + ABC

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.

S = AC + BC + AC

4.2.2.3– Para Quatro (4) Variáveis

Seja a seguinte tabela verdade:

A B C D S
0 0 0 0 0
0 0 0 1 1
0 0 1 0 1
0 0 1 1 1
0 1 0 0 0
0 1 0 1 1
0 1 1 0 0
0 1 1 1 1
1 0 0 0 1
1 0 0 1 1
1 0 1 0 0
1 0 1 1 1
1 1 0 0 1
1 1 0 1 1
1 1 1 0 0
1 1 1 1 1
Prof. Hélio Leães Hey
Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

Transpondo os valores de “S” para o diagrama de Karnaugh resulta:

- Regras Para Minimização de Mapas com 4 Variáveis

• Inicialmente deve-se agrupar em oitavas as regiões onde “S” é igual a “1” e são adjacentes;
• As regiões que não puderem ser agrupadas em oitavas devem ser agrupadas em quadros e pares
sucessivamente;
• As regiões onde “S” é “1”, que não puderem ser agrupadas, devem ser consideradas isoladamente;
• As variáveis cujo valor não variar dentro das oitavas, quadros e pares, são as simplificações.

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.

S = D + A.C + A.B .C

Exemplo 2:
Dada a expressão lógica abaixo na forma canônica, obtenha a expressão mínima.

S = ABC D + ABCD + ABC D + ABC D + ABC D + ABCD + ABC D + ABCD

Transpondo os valores da expressão lógica acima, para o diagrama de Karnaugh abaixo, resulta:

S = AB + AD + BCD + ABC D

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

4.2.2.3– Para Cinco (5) Variáveis


Seja a seguinte tabela verdade:
E A B C D S E A B C D S
0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0
0 0 0 0 1 1 1 0 0 0 1 1
0 0 0 1 0 0 1 0 0 1 0 0
0 0 0 1 1 0 1 0 0 1 0 0
0 0 1 0 0 1 1 0 1 0 0 0
0 0 1 0 1 1 1 0 1 0 1 1
0 0 1 1 0 0 1 0 1 1 0 0
0 0 1 1 1 0 1 0 1 1 1 1
0 1 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0
0 1 0 0 1 1 1 1 0 0 1 1
0 1 0 1 0 1 1 1 0 1 0 1
0 1 0 1 1 1 1 1 0 1 1 1
0 1 1 0 0 1 1 1 1 0 0 0
0 1 1 0 1 1 1 1 1 0 1 1
0 1 1 1 0 0 1 1 1 1 0 0
0 1 1 1 1 0 1 1 1 1 1 0

Transpondo os valores de “S” para o diagrama de Karnaugh resulta:


E E

! !
CD CD CD CD CD CD CD CD
AB 0 1 0 0 AB 0 1 0 0
AB 1 1 0 0 AB 0 1 1 0
AB 1 1 0 0 AB 0 1 0 0
AB 0 1 1 1 AB 0 1 1 1

Oitava Quadra

- Regras Para Minimização de Mapas com 5 Variáveis

A simplificação de mapas de cinco variáveis segue os mesmos princípios que o de 4 variáveis. A


diferença fundamental é que células que ocupam a mesma posição nos dois mapas são adjacentes. Isto
significa, por exemplo, que se tivermos em cada um dos mapas ( E e E ) um quadra ocupando as mesmas
posições, estas quadras formam na realidade uma oitava.

• Considere os mapas individualmente para simplificação;


• Inicialmente deve-se agrupar em oitavas as regiões onde “S” é igual a “1” e são adjacentes;
• As regiões que não puderem ser agrupadas em oitavas devem ser agrupadas em quadros e pares
sucessivamente;
Prof. Hélio Leães Hey
Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

• As regiões onde “S” é “1”, que não puderem ser agrupadas, devem ser consideradas isoladamente;
• Sobreponha os mapas e verifique se há oitavas, quadras e duplas que estejam nas mesmas posições nos
dois mapas. Caso haja, a quinta variável deve ser excluída do termo resultante visto que esta variável
altera seu valor.
As variáveis cujo valor não variar dentro das oitavas, quadros e pares, são as simplificações.
A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.
S = C .D + B.C .E + A.B .C + A.B.D.E

4.2.3 – Condições Irrelevantes


Existem algumas funções lógicas em que certas condições de variáveis de entradas nunca deverão
ocorrer. Para estas condições, conhecidas como condições irrelevantes ou don’t-care conditions, não há
nenhum valor definido a ser especificado para a variável de saída (0 ou 1). A condição irrelevante
significa que para uma dada combinação de variáveis de entrada, a saída poderá assumir tanto o nível
lógico “1” como o nível lógico “0”. O valor a ser escolhido para condição irrelevante será aquela que
permitir uma maior simplificação para a expressão lógica. Em uma mesma função lógica, pode haver
mais de uma condição irrelevante não sendo necessário que todas tenham que assumir o mesmo valor,
isto é, 0 ou 1. As condições irrelevantes são definidas com a letra “X” na tabela da verdade.
Exemplo:
Seja uma função lógica de 3 variáveis de entrada A, B e C e uma variável de saída F a qual deve
obedecer a seguinte regra:
- Sempre que A=B e B≠C ou A≠B e B=C , a saída F deve ser igual a 1. É sabido que a
condição A=C=0 nunca deverá ocorrer.
O mapa de Karnaugh que define a função lógica F é mostrado abaixo, onde as condições onde
A=C=0 são representadas com “X” indicando que estas condições são irrelevantes.

A B C F
0 0 0 X
0 0 1 1
0 1 0 X
0 1 1 1
1 0 0 1
1 0 1 0
1 1 0 1
1 1 1 0

Transpondo os valores de “F” para o diagrama de Karnaugh resulta:

B.C B.C B.C BC


A x 1 1 x
A 1 0 0 1

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.


S = A+C

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

Para obter a máxima simplificação, as duas condições irrelevantes foram consideradas como sendo
valor lógico “1”. Entretanto, como já mencionado, não há a obrigatoriedade de que todas as condições
irrelevantes assumam valores idênticos.
Seja agora o seguinte mapa de karnaugh para uma função de 4 variáveis de entrada.

CD CD CD CD
AB 0 1 0 0
AB x x 0 x
AB 0 1 x 0
AB 0 1 1 0

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.


S = C .D + A.D

Neste caso, para obter a máxima simplificação, duas condições irrelevantes foram consideradas
como valor lógico “1” e as outras duas como “0”.

4.2.4 – Observações sobre o uso do Método de karnaugh


Existem casos em que após seguir os passos recomendados para a correta simplificação do mapa de
karnaugh, algumas das simplificações utilizadas podem tornar-se redundantes. Este é o caso da
simplificação do mapa mostrado abaixo. Inicialmente foram agrupados os termos que geraram a quadra
existente. Após, para a simplificação dos demais termos, todos os termos que compõe a quadra foram
usados para formar os pares mostrados.

Com isto, a quadra passou a ser redundante visto que todos os seus termos tiveram de ser usados
nas duplas. Desta forma, para obtenção da função mínima a quadra deve ser eliminada. A simplificação
correta é então mostrada abaixo:

CD CD CD CD
AB 0 0 1 0
AB 1 1 1 0
AB 0 1 1 1
AB 0 1 0 0

A expressão S mostrada abaixo é resultante da simplificação utilizada.


S = A.B.C + A.B.C + A.C .D + A.C.D

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

4.3 – Método de Quine-McCluskey


O método de Karnaugh visto na seção anterior é um método gráfico de tentativa e erro, sendo
bastante dependente da habilidade e da percepção visual do projetista para o reconhecimento das
melhores formas de se agrupar os mintermos. Para funções com mais de cinco variáveis de entrada, é
bastante difícil garantir a simplificação máxima.
Para minimizar estas dificuldades é apresentado o método de Quine-McCluskey, que é um método
tabular. Este método, diferentemente do método de Karnaugh, segue regras claras e bem definidas para a
obtenção da função simplificada, podendo ser facilmente implementado em forma de um software para
uso em microcomputadores.
Este método foi inicialmente proposto por Quine em 1952 e posteriormente aperfeiçoado por
McCluskey em 1956.
O método consiste de 2 tarefas básicas que são: a) A geração de todos os mintermos (primos
implicantes) que são candidatos a estarem presentes na função simplificada; b) a escolha do menor
subconjunto de primos implicantes que representam a função original. Primo implicante e um termo que
não pode ser combinado com qualquer outro termo.

- Regras para Aplicação do Método de Quine-McCluskey

O método de Quine-McCluskey consiste de 7 passos, os quais são descritos a seguir:


1º passo: Tabular todos os mintermos que compõe a função, na sua representação binária;
2º passo: Agrupar em ordem crescente os mintermos de acordo com o numero de “1” que possui;
3º passo: Compare cada termo de um grupo com cada termo do grupo seguinte. Se os termos comparados
são adjacentes (possuem apenas uma variável com valor diferente), eles formam um novo
termo. Este novo termo é representado por um traço no lugar da variável que alterou a sua
informação. Os termos que não puderem ser agrupados são os primos implicantes;
4º passo: Repetir o passo acima, porém em relação aos grupos obtidos no 3º passo;
5º passo: Repetir o 3º passo, porém em relação aos grupos obtidos no 4º passo;
6º passo: Após não haver mais termos a serem agrupados, os termos primos implicantes gerados nos
passos anteriores devem ser tabulados.
7º passo: Selecione o menor conjunto de primos implicantes que cobrem todos os mintermos da função
original.
Para facilitar o entendimento deste método, a seguir são apresentados alguns exemplos.

Exemplo 1: Minimize a função F(A,B,C, D)=∑m(3, 5, 7, 11, 12, 13, 14, 15)

1º passo: Tabular todos os mintermos que compõe a função, na sua representação binária;

m A B C D
3 0 0 1 1
5 0 1 0 1
7 0 1 1 1
11 1 0 1 1
12 1 1 0 0
13 1 1 0 1
14 1 1 1 0
15 1 1 1 1

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

2º passo: Agrupar em ordem crescente os mintermos de acordo com o numero de “1” que possui;
Grupo m A B C D P.I.
2 3 0 0 1 1 "
5 0 1 0 1 "
12 1 1 0 0 "
3 7 0 1 1 1 "
11 1 0 1 1 "
13 1 1 0 1 "
14 1 1 1 0 "
4 15 1 1 1 1 "

3º passo: Compare cada termo de um grupo com cada termo do grupo seguinte. Se os termos comparados
são adjacentes (possuem apenas uma variável com valor diferente), eles formam um novo
termo. Este novo termo é representado por um traço no lugar da variável que alterou a sua
informação. Os termos que não puderem ser agrupados são os primos implicantes;
Grupo m A B C D P.I.
2,3 3,7 0 ! 1 1 "
3,11 ! 0 1 1 "
5,7 0 1 ! 1 "
5,13 ! 1 0 1 "
12,13 1 1 0 ! "
12,14 1 1 ! 0 "
3,4 7,15 ! 1 1 1 "
11,15 1 ! 1 1 "
13,15 1 1 ! 1 "
14,15 1 1 1 ! "

4º passo: Repetir o passo acima, porém em relação aos grupos obtidos no 3 passo;
Grupo m A B C D P.I.
2,3/3,4 3,7/11,15 ! ! 1 1 P.I.1
3,11/7,15 ! ! 1 1
5,7/13,15 ! 1 ! 1 P.I.2
5,13/7,15 ! 1 ! 1
12,13/14,15 1 1 ! ! P.I.3
12,14/13,15 1 1 ! !

Como não ha mais termos a serem agrupados, visto que na tabela acima todos os temos são primos
implicantes, passa-se direto para o 7º passo. O primo implicante P.I.1e igual a C.D, o P.I.2 e igual a B.D e
o P.I.3 e igual a A.B.

7º passo: Selecione o menor conjunto de primo implicantes que cobrem todos os mintermos da função
original.
P.I.’s 3 5 7 11 12 13 14 15
P.I.1 # # # #
P.I.2 # # # #
P.I.3 # # # #
P.I.1+ P.I.2+ P.I.3 # # # # # # # #

De acordo com a tabela acima, a função simplificada deverá ser formada por todos os termos
primos implicantes. Isto se deve ao fato de que os mintermos 3 e 11 são cobertos apenas pelo primo
Prof. Hélio Leães Hey
Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

implicante 1, o mintermos 5 e coberto apenas pelo primo implicante 2 e os mintermos 12 e 14 são


cobertos apenas pelo primo implicante 3. Desta forma todos os primos implicantes são primos
implicantes essenciais e devem fazer parte da função simplificada.
Desta forma a função simplificada resultante é mostrada abaixo.

F ( A, B, C , D) = A.B + C.D + B.D

Exemplo 2: Minimize a função F(A, B, C, D, E)=∑m(0, 1, 2, 9, 11, 12, 13, 27, 28, 29).

1º passo: Tabular todos os mintermos que compõe a função, na sua representação binária;
m A B C D E
0 0 0 0 0 0
1 0 0 0 0 1
2 0 0 0 1 0
9 0 1 0 0 1
11 0 1 0 1 1
12 0 1 1 0 0
13 0 1 1 0 1
27 1 1 0 1 1
28 1 1 1 0 0
29 1 1 1 0 1

2º passo: Agrupar em ordem crescente os mintermos de acordo com o numero de “1” que possui;
Grupo m A B C D E P.I.
0 0 0 0 0 0 0 "
1 1 0 0 0 0 1 "
2 0 0 0 1 0 "
2 9 0 1 0 0 1 "
12 0 1 1 0 0 "
3 11 0 1 0 1 1 "
13 0 1 1 0 1 "
28 1 1 1 0 0 "
4 27 1 1 0 1 1 "
29 1 1 1 0 1 "

3º passo: Compare cada termo de um grupo com cada termo do grupo seguinte. Se os termos
comparados são adjacentes (possuem apenas uma variável com valor diferente), eles formam
um novo termo. Este novo termo é representado por um traço no lugar da variável que alterou
a sua informação. Os termos que não puderem ser agrupados são os primos implicantes;
Grupo m A B C D E P.I.
0,1 0,1 0 0 0 0 ! P.I.1
0,2 0 0 0 ! 0 P.I.2
1,2 1,9 0 ! 0 0 1 P.I.3
2,3 9,11 0 1 0 ! 1 P.I.4
9,13 0 1 ! 0 1 P.I.5
12,13 0 1 1 0 ! "
12,28 ! 1 1 0 0 "
3,4 11,27 ! 1 0 1 1 P.I.6
13,29 ! 1 1 0 1 "
28,29 1 1 1 0 ! "

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

4º passo: Repetir o passo acima, porém em relação aos grupos obtidos no 3º passo;
Grupo m A B C D E P.I.
2,3/3,4 12,13/28,29 ! 1 1 0 ! P.I.7
12,28/13,29 ! 1 1 0 !

Como não há mais termos a serem agrupados, visto que na tabela acima todos os temos são primos
implicantes, passa-se direto para o 7º passo.

7º passo: Selecione o menor conjunto de primo implicantes que cobrem todos os mintermos da função
original.
P.I.’s 0 1 2 9 11 12 13 27 28 29
P.I.1 # #
P.I.2 # #
P.I.3 # #
P.I.4 # #
P.I.5 # #
P.I.6 # #
P.I.7 # # # #
P.I.2+ P.I.6+ P.I.7+P.I.3 # # # # # # # # # #

De acordo com a tabela acima, os primos implicantes P.I.2, P.I.6 e P.I.7 são primos implicantes
essenciais e devem obrigatoriamente serem incluídos na função simplificada. Estes primos implicantes
cobrem os seguintes mintermos: 0, 2, 11, 12, 13, 27, 28 e 29. Deve-se ainda selecionar os primos
implicantes que cubram os mintermos 1 e 9. Neste caso o primo implicante a ser selecionado é o P.I.3.
Desta forma a função simplificada resultante é mostrada abaixo.

F ( A, B, C , D) = B.C.D + B.C .D.E + A.B .C .E + A.C .D .E

- Aplicação do Método de Quine-McCluskey em Funções com Condições Irrelevantes


O procedimento a ser adotado nos casos de funções que apresentam condições irrelevantes é
idêntico ao apresentado até o 7º passo, onde são definidos os primos implicantes que deverão fazer parte
da função simplificada final. Os mintermos considerados como condições irrelevantes são tabulados
juntamente com os demais mintermos que formam a função original. Porém, no 7º passo, na escolha do
menor subconjunto de primos implicantes, as condições irrelevantes não são incluídas no processo de
seleção.
Para facilitar o entendimento deste método, a seguir é apresentado um exercício exemplo.

Exemplo 1: Minimize a função F(A,B,C,D)=∑m(3,7,9,14) + ∑d(1,4,6,11)


1º passo: Tabular todos os mintermos que compõe a função, na sua representação binária;
m A B C D
1 0 0 0 1
3 0 0 1 1
4 0 1 0 0
6 0 1 1 0
7 0 1 1 1
9 1 0 0 1
11 1 0 1 1
14 1 1 1 0

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

2º passo: Agrupar em ordem crescente os mintermos de acordo com o numero de “1” que possui;
Grupo m A B C D P.I.
1 1 0 0 0 1 "
4 0 1 0 0 "
2 3 0 0 1 1 "
6 0 1 1 0 "
9 1 0 0 1 "
3 7 0 1 1 1 "
11 1 0 1 1 "
14 1 1 1 0 "

3º passo: Compare cada termo de um grupo com cada termo do grupo seguinte. Se os termos comparados
são adjacentes (possuem apenas uma variável com valor diferente), eles formam um novo
termo. Este novo termo é representado por um traço no lugar da variável que alterou a sua
informação. Os termos que não puderem ser agrupados são os primos implicantes;

Grupo m A B C D P.I.
1,2 1,3 0 0 ! 1 "
1,9 ! 0 0 1 "
4,6 0 1 ! 0 P.I.1
2,3 3,7 0 ! 1 1 P.I.2
3,11 ! 0 1 1 "
6,7 0 1 1 ! P.I.3
6,14 ! 1 1 0 P.I.4
9,11 1 0 ! 1 "

4º passo: Repetir o passo acima, porém em relação aos grupos obtidos no 3 passo;

Grupo m A B C D P.I.
1,2/2,3 1,3/9,11 ! 0 ! 1 P.I.5
1,9/3,11 ! 0 ! 1

Como não ha mais termos a serem agrupados, visto que na tabela acima todos os temos são primos
implicantes, passa-se direto para o 7 passo.

7º passo: Selecione o menor conjunto de primo implicantes que cobrem todos os mintermos da função
original. Os mintermos considerados como condições irrelevantes não são incluídos na tabela.
P.I.’s 3 7 9 14
P.I.2 # #
P.I.3 #
P.I.4 #
P.I.5 # #
P.I.4+ P.I.5+ P.I.2 # # # #

De acordo com a tabela acima, os primos implicantes P.I.4 e P.I.5 são primos implicantes
essenciais e devem obrigatoriamente serem incluídos na função simplificada. Estes primos implicantes
cobrem os seguintes mintermos: 3, 9 e 14. Deve-se ainda selecionar um primo implicante que cubra o
mintermo 7. Neste caso foi selecionado o primo implicante P.I. 2.
Desta forma a função simplificada resultante e mostrada abaixo.

F ( A, B, C , D) = B .D + A.C.D + B.C.D

Prof. Hélio Leães Hey


Universidade Federal de Santa Maria
Centro de Tecnologia
Curso de Graduação em Eng. Elétrica
Apostila de Circuitos Digitais “A” – ELC 415

EXERCÍCIOS – CAPÍTULO 2

1)Minimize as funções abaixo, utilizando o método de Karnaugh.


a) F(A,B,C,D)=∑m(1,3,4,6,9,11,13,15)
b) F(A,B,C,D,E)=∑m(4,8,10,15,17,20,22,26) + ∑d(2,3,12,21,27)
c) F(A,B,C,D)=∑m(0,1,3,7,8,12) + ∑d(5,10,13,14)
d) F(A,B,C,D,E)=∑m(0,2,3,4,5,6,7,11,15,16,18,19,23,27,31)
e) F(A,B,C,D,E)=∑m(0,1,4,21,25,29) + ∑d(3,5,10,11,16,17,27)

2)Minimize as funções abaixo, utilizando o método de Quine-McCluskey.


a) F(A,B,C,D,E)=∑m(0,2,3,4,5,6,7,11,15,16,18,19,23,27,31)
b) F(A,B,C,D)=∑m(2,3,12,13,15)
c) F(A,B,C,D,E)=∑m(4,8,10,15,17,20,22,26) + ∑d(2,3,12,21,27)
d) F(A,B,C,D)=∑m(0,1,4,7,15) + ∑d(2,5,11,13)
e) F(A,B,C,D,E)=∑m(0,1,4,21,25,29) + ∑d(3,5,10,11,16,17,27)
f) F(A,B,C,D,E,F)=∑m(6,9,13,18,19,25,27,29,41,45,57,61)
g) F(A,B,C,D,E,F,G)=∑m(20,28,38,39,52,60,102,103,127)
3) Abaixo são mostradas as tabelas de primos implicantes de funções booleanas. Obtenha a expressão
simplificada destas funções na forma de soma de produtos.
a)
P.I.’s 0 4 5 6 11 13 15
P.I.1 a.c # # #
P.I.2 c.d # #
P.I.3 b .d #
P.I.4 a.d # # #
P.I.5 a .b.d # #

b)
P.I.’s 0 1 4 5 6 7 9 11 15
P.I.1 a.c # # # #
P.I.2 a.b # # # #
P.I.3 a.c # #
P.I.4 b.c # # #
P.I.5 a.b .d # #

c)
P.I.’s 1 2 3 4 5 6
P.I.1 a.c # #
P.I.2 b.c # #
P.I.3 a.b # #
P.I.4 b.c # #
P.I.5 a.b # #
P.I.6 a.c # #

Prof. Hélio Leães Hey