Você está na página 1de 3

INSIGHT

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras,
para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus
preparou para que andássemos nelas.” |Efésios 2.8-10|.

Aqui está, seguramente, uma declaração que precisa ser aceita como determinante em toda obra
de evangelização. Porque a crença e pratica são inseparáveis.

A abordagem do apóstolo não é acadêmica, não é teórica, ele estava interessado em ajudar
aqueles crentes a viverem a vida cristã. Mas não podemos ter um entendimento se não sabemos como
afinal, que é que nos faz cristãos.
É isso que ele faz na sua oração:

“tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação e
quais as riquezas da glória da sua herança nos santos e qual a sobreexelente grandeza do seu poder sobre nós, os que
cremos,segundo a operação da força do seu poder” |Efésios 1.18,19|

Essa é a nossa real dificuldade, não nos damos conta desse poder, a nossa incapacidade de
perceber a imensurável grandeza do poder de Deus em nós, os que cremos.

É uma descrição do que realmente significa ser cristão.

A maior parte dos nossos problemas está aqui, neste ponto; pois, se não estivermos certos do
começo, estaremos errado em toda a parte, nunca entenderemos bem o alicerce.

E a maior parte da confusão que as pessoas fazem, é porque insistem em introduzir a suas idéias
pessoais. Em vez de tomarem as declarações do apóstolo. Ou aceitamos as Escrituras como o nosso único
fundamento ou não.

Somos cristãos inteiramente como resultado da graça de Deus. (“Porque pela graça sois salvos...); é
uma ação da misericórdia de Deus.

O que é importante é que ela não somente vem inteiramente da parte de Deus, porem vem apesar
de nós mesmos; noutras palavras, não é resposta de Deus em alguma coisa que haja em nós mesmos.

Toda a essência do ensino do Novo Testamento, é que não temos nenhum tipo de direito a
salvação.

Qual é o objetivo dessa descrição do homem: “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e
pecados, em que, noutro tempo, andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do
espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência; entre os quais todos nós também, antes, andávamos nos
desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os
outros também.” |Efésios 2.1-3|? Senão mostrar o que ele é, e que o homem não merece nada exceto a
retribuição de seus pecados.

(Mas Deus) no versículo 4.

O que ele está dizendo é que, estamos mortos, absolutamente sem vida, e a primeira coisa que era
necessária, era que nos fosse dada a vida, que fossemos vivificados. Criaturas que estavam
espiritualmente mortas agora estão vivas, como pode?
Pode um morto viver por si mesmo? Há somente uma resposta apenas a graça.
Chegamos pois, a esta conclusão: somos cristãos neste momento unicamente e inteiramente pela
graça de Deus. “sou o que sou pela graça de Deus”; somos devedores da misericórdia de Deus: “Porque
também nós éramos, noutro tempo, insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e
deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros.” |Tito 3.3|.

“Isto não vem de vós”; “para que ninguém se glorie”.


Este é um teste decisivo do nosso conceito da salvação. Examinemo-nos por um momento. Qual a
idéia que você faz de si mesmo como cristão? Como foi que você se tornou cristão? De que depende?
Que é que está no fundo? Qual a razão?

O teste vital; a sua idéia de como você se tornou cristão lhe dá alguma base para orgulhar-se de si
mesmo, para gabar-se?
Essa sua idéia reflete de alguma maneira algum mérito a seu favor? Se reflete, segundo esta
declaração apostólica não hesito em dizê-lo você não é cristão, “não vem de vós”.
É nesse ponto que o diabo nos tenta da maneira mais sutil, obras! A razão porque os fariseus
eram inimigos de Jesus (Lc 18,12).

O evangelho Bíblico sempre denuncia a confiança nas obras, o orgulho pelas obras. Se você lhes
tira as suas obras eles ficam sem nada, por isso odeiam a pregação realmente Bíblica e as combaterão.

O evangelho nos faz mendigos, ele nos condena, a todos e a cada um de nós. Não há diferencia
“... não há um justo sequer (Romanos 3.10)”.

Mas temos a tendência de gabar-nos dela, mas, esta jactância deve de desaparecer; o nosso viver
virtuoso, as nossas boas ações, as nossas observância religiosa, a nossa freqüência nos cultos, e assim por
diante.

No entanto o apóstolo denuncia tudo isso, se você pensa que a sua vida religiosa, que te torna
cristão está condenando a si próprio. “nenhuma carne será justificada mediante as obras...”.

As obras de ninguém o tornará justificado diante de Deus. Tais pessoas pensam que pelas suas
obras se fazem cristãs.

A tragédia é que as pessoas pensam que, se tão somente fizerem certas coisas e evitarem outras,
se tornarão cristãs. Que tragédia!

Deus nos faz cristãos para que pratiquemos boas obras. Não é uma questão de as obras levarem
ao cristianismo.

É exatamente o oposto daquilo que as pessoas tendem a crer. Somos o que somos e fazemos o que
fazemos, tornamo-nos cristãos.

Não! Deus faz cristãos, e depois eles vão praticar as suas boas obras. A jactância é excluída pela lei
da fé.

Se de alguma forma achamos que temos bondade, ou se estivermos confiante em alguma coisa
que fizemos ou estamos fazendo, estamos negando a graça de Deus. É o oposto do cristianismo.

Portanto quando pensamos na fé, temos que ter o cuidado de examiná-la a luz do que foi dito. A
fé não é causa da salvação. Cristo é a causa da salvação. Então o que é a fé? É apenas o instrumento pelo
qual a salvação chega a mim. “pela graça sois salvos, por meio da fé”.
Fé não salva, crença não salva, cristo salva. Não é minha fé, não o meu entendimento, nada o que
eu faça.

Como vimos, a primeira coisa que acontece é que fomos vivificados, nova vida foi introduzida em
nós. Por que? O que o pecador necessita é vida, pois está morto.
Entendemos então que o fato de sermos cristãos é obra totalmente de Deus.

“Somos feitura sua”; é Deus que fez algo, é Ele que está operando, não trabalho nosso, mas de
Deus. Não é nossa decisão por cristo isso é obra nossa, a decisão entra nisso mas não é nossa „feitura
sua‟.

Deus está lidando conosco, Deus esta nos esmagando, suas mãos está nos fazendo. “criados em
Cristo para as boas obras”; Ele veio colocou vida em nós, é isso que faz de nós em cristão, não a nossas
obras, não a sua decisão, mas a determinação de Deus concernente a você; posta em pratica.

O cristão é uma nova criatura. Não é apenas um bom homem, ou um homem eu melhorou um
pouco, é um novo homem, criado em Cristo Jesus. Ele foi introduzido em Cristo e a vida de Cristo esta
nele, (2 Pe 1.4).

O que é um cristão? Ele é um novo homem, a vida de Deus entrou em sua alma. Você já tinha
compreendido que é isso que faz de você um cristão? Não é freqüentar um local de culto, não é cumprir
certos deveres? Todas estas coisas são excelentes mas nunca nos torna cristãos.

As obras de Deus. O problema da nossa idéia de cristianismo é inadequada, a nossa idéia de


obras é inadequada; quais são as obras de Deus? O Sermão do Monte e a Vida de Jesus.

“e vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade.”|Efésios
4.24|.

Se espera, que sejamos igual a Cristo, o cristão tem dentro de si a vida de Cristo. “vivo não eu,
mas Cristo vive em mim”.

Se não se render pronta e voluntariamente, Ele o preparará para ser esculpido; se você está no
plano de Deus, Ele o fará segundo a imagem de Cristo.

Graças a Deus não são as obras


Graças a Deus não é a minha fé
Graças a Deus não é nada de que eu possa me gloriar

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo
está crucificado para mim e eu, para o mundo” |Gálatas 6.14|.

“Pela graça, por meio da fé”