Você está na página 1de 21

ESTRUTURAS DE BETÃO I

FOLHAS DE APOIO ÀS AULAS

MÓDULO 1
INTRODUÇÃO AO COMPORTAMENTO DAS ESTRUTURAS
DE BETÃO ARMADO

Carla Marchão
Júlio Appleton

Ano Lectivo 2008/2009


Introdução

Estes apontamentos têm como objectivo facilitar o acompanhamento nas aulas e


correspondem, em geral, à sequência e organização da exposição e incluem ainda a
resolução de problemas. São apontamentos de síntese que não dispensam a consulta
dos restantes apontamentos da disciplina e da bibliografia.

Estes apontamentos foram elaborados com base nos outros textos da disciplina para
os quais contribuíram todos os docentes que leccionaram o Betão Armado e Pré-
Esforçado.

No presente ano lectivo 2008/2009 foram adoptadas integralmente as normas


europeias (Eurocódigos) já aprovados na versão definitiva (EN). No entanto estamos
ainda num período de transição que se prevê termine em 2010 e em que é possível
utilizar, no âmbito profissional, em alternativa, a regulamentação nacional (REBAP –
Regulamento de Estruturas de Betão Armado e Pré-Esforçado) ou a regulamentação
europeia (Eurocódigo 2 – Projecto de Estruturas de Betão).

Deve-se no entanto realçar que o ensino do betão armado e pré-esforçado está


essencialmente concebido para transmitir a compreensão do comportamento e
fundamentação dos modelos de cálculo, aspectos que são quase independentes das
prescrições normativas.

IST, Setembro de 2008

José Camara
ÍNDICE

1. COMPORTAMENTO DO BETÃO ESTRUTURAL............................................................... 1

1.1. ELEMENTO DE BETÃO SEM INCLUSÃO DE ARMADURAS....................................................... 1


1.2. ELEMENTO DE BETÃO ARMADO ........................................................................................ 3
1.3. CÁLCULO DAS TENSÕES NUMA SECÇÃO APÓS FENDILHAÇÃO ............................................. 4
1.4. CÁLCULO DO MOMENTO DE CEDÊNCIA DA SECÇÃO ........................................................... 6
1.5. DIFERENÇA DO COMPORTAMENTO SECÇÃO / ESTRUTURA ................................................. 7
1.6. DETERMINAÇÃO DA REGIÃO ONDE OCORRE FENDILHAÇÃO NUMA VIGA PARA UM
DETERMINADO CARREGAMENTO .................................................................................................... 7

2. O CONCEITO DE SEGURANÇA NO DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS .............. 8

2.1. OBJECTIVOS DE SEGURANÇA NA ENGENHARIA ESTRUTURAL EM GERAL.............................. 8


2.2. FILOSOFIA ADOPTADA NA VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA EM RELAÇÃO AOS ESTADOS LIMITES
ÚLTIMOS ..................................................................................................................................... 8
2.3. FILOSOFIA ADOPTADA NA VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA EM RELAÇÃO AOS ESTADOS LIMITES
DE UTILIZAÇÃO .......................................................................................................................... 10

3. MATERIAIS......................................................................................................................... 16

3.1. CARACTERIZAÇÃO DOS BETÕES .................................................................................... 16


3.1.1. Tensões de rotura do betão .................................................................................. 16
3.1.2. Módulo de elasticidade do betão........................................................................... 17
3.1.3. Determinação do valor característico da tensão de rotura do betão à compressão
fck a partir do ensaio de um conjunto de provetes ............................................................. 17
3.2. CARACTERIZAÇÃO DAS ARMADURAS .............................................................................. 17
3.2.1. Classificação das armaduras para betão armado................................................. 18
Estruturas de Betão I

1. Comportamento do Betão Estrutural

Notações

f – resistência do material
fc – tensão de rotura do betão à compressão
fct - tensão de rotura do betão à tracção
Ec – módulo de elasticidade do betão
fy – tensão de cedência do aço
fu – tensão de rotura do aço
Es – módulo de elasticidade do aço

1.1. ELEMENTO DE BETÃO SEM INCLUSÃO DE ARMADURAS

Considere-se a viga de betão simples ilustrada na figura seguinte, bem como os


diagramas de esforços correspondentes a uma carga pontual genérica P aplicada a
meio vão.
P

0.50

0.20
5.00

P/2 P/2

DEV
P/2
(+)

(-) P/2

DMF

(+)

PL/4

Como se pode verificar, o maior momento flector ocorre a meio vão, estando esta
secção sujeita ao seguinte diagrama de tensões normais:
σ2 M×y M
Tensões: σ = I ; σmáx = w
h/2
I
G M em que w = y (módulo de flexão)
máx

h/2 3 2
bh 2 bh
Para uma secção rectangular, w = 12 × h = 6
y σ1

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 1


Estruturas de Betão I

Para um determinado nível de carga P ocorrerá a fendilhação da secção de meio vão


(por ser a secção mais esforçada) e, consequentemente a rotura da viga.

Na figura seguinte podem observar-se os diagramas momentos-curvaturas e carga-


deslocamento que ilustram o comportamento da viga de betão simples desde o início
do carregamento até à rotura (rotura frágil).

a) Diagrama momento-curvatura b) Diagrama carga-deslocamento

M P

EI (rigidez de flexão)

1/ R δ

Este comportamento resulta da lei de comportamento do material betão:


σ

(20 a 80 MPa)
fc Índice c – “concrete”

fc – tensão de rotura do betão à compressão


Ec (≈30 GPa)
fct – tensão de rotura do betão à tracção
Ec – módulo de elasticidade do betão
≈ 3.5‰ ε
f ct (2 a 5 MPa)
Através da análise da relação constitutiva do betão pode concluir-se que este é um
material que possui uma boa resistência à compressão e uma baixa resistência à
tracção (da ordem de 1/10 a 1/15 da resistência à compressão).

Cálculo do momento de fendilhação

Admite-se fct = 2.0 MPa


M M×v bh2
σ= w = e w=
I 6 (para uma secção rectangular)

Deste modo, o momento de fendilhação pode ser calculado pela expressão:

0.20 × 0.502
Mcr = fct × w = 2 × 103 × = 16.7 kNm
6

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 2


Estruturas de Betão I

A carga P que provoca o início da fendilhação está associada ao momento de


fendilhação podendo ser calculada através da seguinte relação:
PL 4Mcr 4 × 16.7
Mcr = 4 ⇒ P = L = 5 = 13.4 kN

Conclusão: Uma viga de betão simples não explora a capacidade resistente do


material em compressão, e está associada a uma baixa capacidade de
carga (condicionada pela fendilhação) e a uma rotura frágil.

Solução: Introduzir um material com boa resistência à tracção nas regiões onde é
necessário ⇒ Betão armado (betão +armadura)

1.2. ELEMENTO DE BETÃO ARMADO

Armadura: material dúctil com bom comportamento quer à tracção quer à compressão
σ

fu
(200 a 800 MPa) fy Índice y – “yeld” (cedência)

Es (≈200 GPa) + -
fy ≈ fy

2.5 a 10% ε

fy

A introdução deste elemento no betão permite melhorar consideravelmente o


comportamento deste material, dado que, após a fendilhação, as tensões de tracção
passam a ser resistidas pela armadura.

Na figura seguinte podem observar-se os diagramas momentos-curvaturas e carga-


deslocamento que ilustram o comportamento da viga de betão armado desde o início
do carregamento até à rotura.

a) Diagrama momento-curvatura b) Diagrama carga-deslocamento

M I P
II
(2) (3)
(1) - fendilhação do betão
(1)
Mcr (2) - cedência das armaduras
(3) - rotura

1/ R δ

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 3


Estruturas de Betão I

1.3. CÁLCULO DAS TENSÕES NUMA SECÇÃO APÓS FENDILHAÇÃO

Considere-se a seguinte secção de betão armado.

Admite-se:
2
As = 10.0 cm
d 0.50
d = 0.45 m (altura útil da armadura)

Ec = 30 GPa

0.20 Es = 200 GPa


(i) Cálculo da quantidade mínima de armadura a adoptar por forma a resistir às
tensões de tracção, após a fendilhação do betão
σ
Fc
h 1
Fs ≥ Fct ⇔ As, min × fy ≥ b × 2 × 2 fct ⇔

0.5 3 1 4 2
Fct h/2 ⇔ As, min ≥ 0.2 × 4 × 2×10 × 3 × 10 = 1.25 cm
400×10

b fct

(antes de fendilhar)

(ii) Cálculo do estado de tensão na secção imediatamente após a fendilhação do betão


Hipóteses consideradas:

− O betão não resiste à tracção


− As secções mantêm-se planas após a fendilhação
εc σc
(Fc)
(-)
x
LN
d M cr
z
(+)
εs σs (Fs)

Cálculo da posição da linha neutra

Através da determinação do centro de gravidade da secção homogeneizada,

∑Ai xi bx × x/2 + As × Es/Ec × d Es x Es


x= = ⇔ x bx + As × E  = bx × 2 + As × E × d ⇔
∑Ai bx + As × Es/Ec  c  c

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 4


Estruturas de Betão I

2 Es bx2 Es bx2 Es
⇔ bx + As × E × x = 2 + As × E × d ⇔ = As × (d - x)
c c 2 Ec
(equação que traduz a igualdade de momentos estáticos)

Para a secção em estudo,

0.2x2 -4 200 2 -3
2 = 10×10 x 30 (0.45 - x) ⇔ 0.1x + 6.67×10 - 0.03 = 0 ⇒ x = 0.143 m
x 0.143
z=d- = 0.45 - = 0.40 m
3 3

Cálculo da tensão no betão (σc)

Mcr 16.7
Por equilíbrio: Mcr = Fs × z = Fc × z =16.7 kNm ⇔ Fc = z = 0.40 = 41.8 kN

σc × x × b 2Fc 2 × 41.8
Fc = ⇔ σc = bx = = 2923 kN/m2 ≅ 2.9 MPa
2 0.20 × 0.143

Cálculo da tensão nas armaduras (σs)

Fs 41.8
Fs = σs × As ⇔ σs = A = = 41800 kN/m2 = 41.8 MPa
s 10 × 10-4

Cálculo das extensões máxima no betão e nas armaduras (εc e εs)


2923
ε σc
= E = = 0.097×10-3 ≅ 0.1‰
σ=E×ε⇒
 c
c 30×106
ε σs 41800
 s = E =
s 200×106
= 0.2‰

εc x d-x 0.45 - 0.143


ou = d - x ⇒ εs = x εc = 0.143 × 0.097×10-3 = 0.2‰
εs
εc = 0.1‰ -2.9

(-)
0.143
LN

1/R
(+)
εs = 0.2‰ 41.8

ε σ [MPa]
Cálculo da curvatura

1 εc + εs 0.1×10-3 + 0.2×10-3
R = d = 0.45 = 6.67×10-4 m-1

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 5


Estruturas de Betão I

Antes da fendilhação,
2.0 εc
(-) σc 2.0
εc = = = 6.67×10-5
Ec 30×103

1 2 × 6.67×10-5
(+)
R = 0.5 = 2.67×10-4 m-1
2.0 εc
σ [MPa]

1 / RI
Conforme se pode verificar, ≅ 2.5
1 / RII

1.4. CÁLCULO DO MOMENTO DE CEDÊNCIA DA SECÇÃO

Em estado II (estado fendilhado) a linha neutra é invariável, pelo que, a um acréscimo


do momento flector irá somente corresponder um aumento de curvatura com
consequente aumento de tensões.
εc σc1 σc2
(-)

LN

(+)
εs σs1 σs2
M1 M2 > M1

A continuação da aplicação da carga P conduz ao aumento das tensões nas fibras


(para a região de comportamento não linear).
σc1 σc2
Fc Fc

LN LN

z1 M1 z2 M2
M 1 < M2

F s1 F s2

A variação do braço não é significativa (z1 ≅ z2), pelo que My ≅ z × F

Cálculo do momento de cedência da secção

σs = fy = 400M Pa ⇒ Fs = 400×103 × 10×10-4 = 400 kN


z = 0.40m ⇒ My = 0.4 × 400 = 160 kNm

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 6


Estruturas de Betão I

1.5. DIFERENÇA DO COMPORTAMENTO SECÇÃO / ESTRUTURA

a) Secção b) Estrutura

M I M I
II II

My = 160

Mcr = 16.7

1 /R 1 /R

As estruturas são compostas por inúmeras secções pelo que, o efeito da fendilhação
em algumas secções (perda de rigidez brusca nessas secções), vai conduzir a uma
diminuição gradual de rigidez da estrutura.

P
(2) (3)

(1)

1.6. DETERMINAÇÃO DA REGIÃO ONDE OCORRE FENDILHAÇÃO NUMA VIGA PARA UM


DETERMINADO CARREGAMENTO

Região onde ocorre


DMF fendilhação para Pmáx

Mcr

Mmáx

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 7


Estruturas de Betão I

2. O Conceito de Segurança no Dimensionamento de Estruturas

2.1. OBJECTIVOS DE SEGURANÇA NA ENGENHARIA ESTRUTURAL EM GERAL

1) Garantir um bom comportamento das estruturas em situação corrente de serviço

Na forma regulamentar este objectivo corresponde a verificar a segurança aos


Estados Limite de Utilização:

 Limitar a deformação (estruturas em geral)


L L
δserviço ≤ δadmissível ≅ 250 ou 500
 

 Controlar os níveis de fendilhação (estruturas de betão armado em particular)

ωserviço ≤ ωadmissível (0.2 a 0.4mm)

 Garantir um adequado comportamento dinâmico (estruturas em geral)

(ex: controlo de frequências próprias de vibração)

2) Assegurar um nível de segurança adequado em relação a determinadas situações


de rotura (rotura local ou global da estrutura)

Na forma regulamentar este objectivo corresponde a verificar a segurança aos


Estados Limite Últimos

 Flexão

 Esforço transverso

 Encurvadura

 Equilíbrio

2.2. FILOSOFIA ADOPTADA NA VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA EM RELAÇÃO AOS ESTADOS


LIMITES ÚLTIMOS

1) Definição de valores característicos para:

 valores das acções Ssk (95% de probabilidade de não serem excedidos)

 resistências dos materiais SRk (95% de probabilidade de serem superiores).

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 8


Estruturas de Betão I

2) Adopção de coeficientes de segurança parciais que:

 majorem as cargas, consoante o tipo de acção:

• Acções permanentes: valor aproximadamente constante durante a vida


útil da estrutura (ex: peso próprio, equipamentos fixos, etc.)

γg = 1.0 ou 1.35 (consoante a acção for ou não favorável)

• Acções variáveis: variam durante a vida útil da estrutura (ex: sobrecarga,


vento, sismo, variação de temperatura, etc.)

γq = 0.0 ou 1.5 (consoante a acção for ou não desfavorável)

• Acções acidentais: muito fraca probabilidade de ocorrência durante a


vida útil da estrutura (ex: explosões, choques, incêndios, etc.) γa = 1.0

 minorem as resistências dos diferentes tipos de materiais:

• Armaduras (γs = 1.15)

• Betão (γc = 1.5)


fyk fck
Exemplo: fyd = ;f =
γs cd γc

3) Estabelecimento de combinações de acções, conforme especificado no RSA

Exemplo: Ssd = γg Sg + γq (Sq + Σψ0i Sqi) (ψ0i ≤ 1 – coeficiente de combinação da


acção variável i)
Sq – acção variável de base
Sqi – restantes acções variáveis

4) Avaliação dos efeitos estruturais das acções na estrutura, usualmente com base
numa análise elástica linear da mesma, e obtenção de esforços de cálculo

Exemplo: Msd = γg Mg + γq Mq + γq ψ0i Mqi

5) Avaliação das resistências de cálculo e capacidades resistentes (forças ou esforços)


fyk
Exemplo: MRd = As × 1.15 × z

6) Verificação da condição de segurança SSd ≤ SRd

Exemplo: Msd ≤ MRd

No caso do exemplo anterior,


PL 5 -4 400 3
M = 4 ⇒ Msd = 1.5 × P ×
4 ≤ MRd = 10×10 × 1.15 × 10 × 0.40 ⇔ P ≤ 74.2 kN

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 9


Estruturas de Betão I

Relação que estabelece a condição de segurança

Ssm Ssk Ssd SRd SRk SRm

Acções ou efeitos das acções Resistência

De acordo com esta formulação, a probabilidade de ruína de uma estrutura, projectada


e construída de acordo com os requisitos regulamentares, deverá ser inferior a 10-5.

2.3. FILOSOFIA ADOPTADA NA VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA EM RELAÇÃO AOS ESTADOS


LIMITES DE UTILIZAÇÃO

1) Definição dos valores da acção que actuam na estrutura

2) Estabelecimento de combinações de acções, conforme preconizado no RSA:

 Combinação quase permanente de acções: Estado limite de longa duração


(≥ 50% do tempo de vida da estrutura) Scqp = G + Σψ2i Qi

 Combinação frequente acções: Estado limite de curta duração (≥ 5% do


tempo de vida da estrutura) Sfreq = G + ψ1 Q + Σψ2i Qi

 Combinação rara: Estado limite de muito curta duração (algumas horas no


período de vida da estrutura) Sraro = G + Q + Σψ1i Qi
(ψ2 < ψ1 < 1.0)

Q – acção variável de base


Qi – restantes acções variáveis

3) Avaliação dos efeitos estruturais das acções, considerando em geral uma análise
elástica linear e as propriedades médias dos materiais por forma a estimar o
comportamento previsível. Em geral é importante considerar os efeitos da fendilhação
(perda de rigidez) e fluência do betão

4) Verificar a condição de segurança

Exemplo: δserviço ≤ δadmissível

Esta formulação conduz a que a probabilidade de serem excedidos valores


admissíveis seja da ordem de 10-1.

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 10


Estruturas de Betão I

EXERCÍCIO 1.1

Considere a estrutura da figura seguinte:

Materiais: C25/30, A400


4.00 4.00 4.00 4.00

Acções:
Peso próprio
2
Revestimento=2.0 kN/m
2
Sobrecarga = 3.0 kN/m

10.00 S2
Coeficientes de majoração:
γG = γQ = 1.5

Coeficientes de combinação:
S1 ψ1 = 0.4 ; ψ2 = 0.2

2
3.00 Secção da viga: 0.30×0.85 m

Espessura da laje: 0.15m

a) Determine, para as secções S1 e S2 da viga, os valores de cálculo dos esforços.

b) Calcule, para as mesmas secções, os esforços para as combinações rara,


frequente e quase-permanente.

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 11


Estruturas de Betão I

RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1.1

1. Modelo de cálculo:

Modelo para o cálculo da viga Corte transversal à viga


rev, q
g, q
0.15
S2 S1
0.70
10.00 3.00
0.30
4.00

Comentários ao modelo de cálculo:


− Consideraram-se as vigas como contínuas, i.e., desprezou-se a continuidade
na ligação aos pilares;
− Considerou-se que as lajes descarregam apenas nas vigas transversais.

2. Cálculo das acções na viga

2.1. Carga permanente

• Peso próprio
pp = γbetão × Área = [4 × 0.15 + (0.85 – 0.15) × 0.30] × 25 = 20.3kN/m

• Revestimento
rev = 2.0 × 4.0 = 8.0kN/m

cp = pp + rev = 20.3 + 8.0 = 28.3kN/m

2.2. Sobrecarga

sc = 3.0 × 4.0 = 12.0kN/m

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 12


Estruturas de Betão I

3. Diagrama de esforços para uma carga unitária

p=1 kN/m

S2 S1

10.00 3.00

RA RB

DEV
[kN] 4.55 3.0
(+) (+)
(-)
x

5.45
DMF 4.5
[kNm]
(-)

(+)

10.25

(i) Cálculo das reacções de apoio


13
ΣMA = 0 ⇔ 10 × RB – 1.0 × 13 × 2 = 0 ⇔ RB = 8.45kN

ΣF = 0 ⇔ RA + RB = 13 ⇒ RA = 13 – 8.45 = 4.55kN

(ii) Cálculo do momento flector a ½ vão

3
MB = – 1 × 3 × 2 = - 4.5kN/m
pL2/8
102 4.5
M½vão = 1 ×
8 - 2 = 10.25kNm L/2 L/2

(ii) Cálculo do momento flector máximo

4.55 + 5.45 10.0


= x ⇒ x = 4.55m
4.55

4.55 × 4.55
Mmáx = = 10.35kNm
2

⇒ M½vão ≅ Mmáx

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 13


Estruturas de Betão I

ALÍNEA A)

Secção S1 Secção S2

MS1
G = – 4.5 × 28.3 = - 127.35 kNm MS2
G = 10.25 × 28.3 = 290.1 kNm

MS1
Q = – 4.5 × 12.0 = - 54 kNm MS2
Q = 10.25 × 12.0 = 123.0 kNm

VS1
G = –5.45 × 28.3 = 154.2 kN

VS1
Q = –5.45 × 12.0 = 65.4 kN

Valores de cálculo dos esforços

sd = 1.5 × (M G + M Q ) = 1.5 × (-127.35 - 54) = -272.0 kNm


MS1 S1 S1

sd = 1.5 × (M G + M Q ) = 1.5 × (290.1 + 123) = 619.7 kNm


MS2 S2 S2

Sd = 1.5 × (V G + V Q ) = 1.5 × (-154.2 - 65.4) = -329.4 kN


VS1 S1 S1

Consideração de alternância de sobrecarga

A sobrecarga, sendo uma acção variável, pode actuar em qualquer tramo. Assim, para
cada caso, há que verificar a hipótese de carga mais desfavorável.

Se se considerar apenas a actuação da sobrecarga no tramo apoiado, o momento


flector obtido a meio vão desse tramo será superior ao calculado considerando a
sobrecarga a actuar em toda a viga (calculado anteriormente).

Deste modo,

q
g

12 × 102
MS2
Q = 8 = 150 kNm ; MS2
G = 10.25 × 28.3 = 290.1 kNm

⇒ MS2
sd = 1.5 × (290.1 + 150) = 660.2 kNm

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 14


Estruturas de Betão I

ALÍNEA B)

Secção S1

Mc rara = MG + MQ = -127.35 - 54 = - 181.4 kNm

Mc freq = MG + ψ1 MQ = -127.35 - 0.4 × 54 = -149.0 kNm

Mcqp = MG + ψ2 MQ = -127.35 - 0.2 × 54 = – 138.2 kNm

Vc rara = VG + VQ = 154.2 + 65.4 = 219.6 kN

Vc freq = VG + ψ1 VQ = 154.2 + 0.4 × 65.4 = 180.36 kN

Vcqp = VG + ψ2 VQ = 154.2 + 0.2 × 65.4 = 167.3 kN

Secção S2

Mc rara = MG + MQ = 290.1 + 123.0 = 413.1 kNm

Mc freq = MG + ψ1 MQ = 290.1 + 0.4 × 123 = 339.3 kNm

Mcqp = MG + ψ2 MQ = 290.1 + 0.2 × 123 = 314.7 kNm

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 15


Estruturas de Betão I

3. Materiais

3.1. CARACTERIZAÇÃO DOS BETÕES

Os betões são classificados por classes de resistência.

As classes de resistência estão definidas de acordo com os valores característicos de


tensão de rotura à compressão aos 28 dias de idade, referidos a provetes cúbicos ou
provetes cilíndricos.

No quadro seguinte apresentam-se, para as várias classes de resistência do betão, os


valores característicos e de cálculo das tensões de rotura à compressão (fck e fcd), bem
como o valor médio da tensão de rotura à tracção (fctm) e módulo de elasticidade aos
28 dias (Ec, 28)

B15 B20 B25 B30 B35 B40 B45 B50 B55


Classe
C12/15 C16/20 C20/25 C25/30 C30/37 C35/45 C40/50 C45/55 C50/60
cub. 15 20 25 30 37 45 50 55 60
fck
cil.
[MPa] 12 16 20 25 30 35 40 45 50
fcd
8.0 10.7 13.3 16.7 20.0 23.3 26.7 30.0 33.3
[MPa]
fctm
1.6 1.9 2.2 2.6 2.9 3.2 3.5 3.8 4.1
[MPa]
Ec,28
27.0 29 30 31 33 34 35 36 37
[GPa]

3.1.1. Tensões de rotura do betão

A partir dos valores característicos das tensões de rotura à compressão ou à tracção,


definem-se os valores de cálculo:

cil.
f ck fctk
fcd = , fctd = com γc = 1.5 (fckcil ≈ 0.8 fckcubos)
γc γc

O valor médio da tensão de rotura do betão à tracção é dado pela expressão:

fctm = 0.30 fck2/3

Nota: o valor de fcd é definido a partir da resistência em cilindros, dado que estes provetes são
mais representativos da resistência do betão em peças longas.

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 16


Estruturas de Betão I

3.1.2. Módulo de elasticidade do betão

Com vista ao tratamento de problemas estruturais que envolvem deformação em


regime de funcionamento praticamente elástico, considera-se um módulo de
elasticidade secante do betão aos 28 dias de idade. Este módulo de elasticidade, tal
como a figura seguinte indica, encontra-se definido para σc = 0 e σc = 0.4 fck.

(Verificação da segurança aos estados limites de utilização)

σc
Ec
fcm

0.4 fck

εc

3.1.3. Determinação do valor característico da tensão de rotura do betão à


compressão fck a partir do ensaio de um conjunto de provetes

fck = fcm - λ Sn , Sn – desvio padrão das resistências das amostras

λ – parâmetro que depende do número de ensaios

n 6 10 15

λ 1.87 1.62 1.48

3.2. CARACTERIZAÇÃO DAS ARMADURAS

As armaduras classificam-se em:

 armaduras para betão armado

 armaduras de pré-esforço

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 17


Estruturas de Betão I

3.2.1. Classificação das armaduras para betão armado

 processo de fabrico

• aço natural (laminado a quente) (N)

• aço endurecido a frio (E)

 aderência

• alta aderência (superfície rugosa ou nervurada) (R)

• aderência normal (superfície lisa) (L)

 resistência

• (A235), A400, A500

Designação das armaduras: A500 N R

fyk aderência

processo de fabrico

MÓDULO 1 – Introdução ao comportamento das estruturas de betão armado 18