Você está na página 1de 12

PROBLEMAS SOCIAIS COMO COMPORTAMENTO COLETIVO

HERBERT BLUMER
University of Califórnia, Berkeley

Blumer, Hebert (1971). “Social problems as collective behaviour”, Social problems,


Volume 18, Number 3, pp. 298-306.
Tradução: Aquiles Melo

Os sociólogos erraram ao localizar os problemas sociais nas condições


objetivas. Em vez disso, os problemas sociais têm seu ser em um processo
de definição coletiva. Este processo determina se os problemas sociais irão
surgir, se eles se tornarão legitimados, como eles são moldados na
discussão, como eles são abordados na política oficial, e como eles são
reconstituídos ao colocar a ação planejada em vigor. A teoria e os estudos
sociológicos devem respeitar este processo.
Minha tese é que os problemas sociais são fundamentalmente
produtos de um processo de definição coletiva em vez de existirem
independentemente como um conjunto objetivo de arranjos sociais com
uma composição intrínseca. Esta tese desafia a premissa subjacente aos
estudos sociológicos típicos de problemas sociais. A tese, se verdadeira,
exigiria uma drástica reorientação da teoria e pesquisa sociológica no caso
dos problemas sociais.
Deixe-me começar com uma breve resenha da maneira típica com que
os sociólogos abordam o estudo e análise dos problemas sociais. A
abordagem presume que um problema social existe como uma condição
objetiva ou disposição na textura de uma sociedade. A condição objetiva
ou arranjo é visto como tendo uma natureza intrinsecamente nociva ou
maligna, em contraste com uma sociedade normal ou socialmente
saudável. No jargão sociológico, é um estado de disfunção, patologia,
desorganização ou desvio. A tarefa do sociólogo é identificar a condição ou
disposição prejudicial e resolvê-la em seus elementos ou partes essenciais.
Essa análise da composição objetiva do problema social é geralmente
acompanhada por uma identificação das condições que causam o problema
e por propostas sobre como o problema pode ser tratado. Ao ter analisada
a natureza objetiva do problema social, identificada suas causas e apontado
como o problema poderia ser tratado ou resolvido, o sociólogo acredita ter
cumprido sua missão científica. O conhecimento e a informação que ele
reuniu podem, por um lado, ser adicionados ao estoque de conhecimento
acadêmico e, por outro lado, ser colocados à disposição dos formuladores
de políticas e da cidadania em geral.
Esta abordagem sociológica típica parece ser lógica, razoável e
justificável. No entanto, na minha opinião, ela reflete uma grosseira
incompreensão da natureza dos problemas sociais e, portanto, é muito
ineficaz em prover seu controle. Para dar uma indicação inicial da
deficiência da abordagem, deixe-me indicar brevemente a falsidade ou o
caráter não comprovado de várias de suas principais suposições ou
afirmações.
Primeiro, a teoria sociológica atual e o conhecimento, por si só, não
permitem a detecção ou identificação de problemas sociais. Em vez disso,
os sociólogos discernem os problemas sociais somente depois de serem
reconhecidos como problemas sociais por e em uma sociedade. O
reconhecimento sociológico ocorre na esteira do reconhecimento da
sociedade, desviando dos ventos da identificação pública dos problemas
sociais. As ilustrações são legiões - cito apenas algumas das memórias
recentes. A pobreza era um problema social conspícuo para os sociólogos
há meio século, até praticamente desaparecer da cena sociológica nos anos
1940 e início dos anos 1950, e depois retornar em nosso tempo atual.
Injustiça racial e exploração em nossa sociedade eram muito maiores nas
décadas de 1920 e 1930 do que são hoje; ainda assim, a preocupação
sociológica que eles evocavam era pequena até a cadeia de acontecimentos
que se seguiu à decisão da Suprema Corte sobre a segregação escolar e o
motim em Watts. Poluição ambiental e ecológica Destruição são problemas
sociais muito antigos para os sociólogos, embora sua presença e
manifestação datem de muitas décadas. O problema da desigualdade das
mulheres, que emerge tão vigorosamente em nosso cenário atual, era de
preocupação sociológica periférica há alguns anos atrás. Sem recorrer a
outras ilustrações, afirmo apenas que, ao identificar os problemas sociais,
os sociólogos têm consistentemente seguido o que está no foco da
preocupação pública. Essa conclusão é apoiada ainda mais pela indiferença
dos sociólogos e do público, igualmente, às muitas dimensões
questionáveis e prejudiciais da vida moderna. Tais dimensões prejudiciais
podem ser notadas casualmente, mas, apesar de sua gravidade, recebem o
status de problemas sociais pelos sociólogos. Alguns exemplos que vêm à
mente são: a vasta superorganização que está se desenvolvendo na
sociedade moderna, o aumento imprevisto nos valores da terra contra o
qual Henry George fez campanha há três quartos de século, os efeitos
sociais nocivos do sistema rodoviário nacional, as perniciosas
consequências sociais de uma ideologia de "crescimento", o lado
desagradável dos códigos comerciais estabelecidos; e posso acrescentar ao
meu estado da Califórnia, um plano estadual de águas com consequências
sociais ocultas de caráter repulsivo. Eu acho que o registro empírico é claro
de que a designação de problemas sociais por sociólogos é derivada da
designação pública de problemas sociais.
Deixe-me acrescentar que, ao contrário das pretensões dos
sociólogos, a teoria sociológica, por si só, tem sido visivelmente impotente
para detectar ou identificar problemas sociais. Isso pode ser visto no caso
dos três conceitos sociológicos mais prestigiados atualmente usados para
explicar o surgimento de problemas sociais, a saber, os conceitos de
"desvio", "disfunção" e "tensão estrutural". Esses conceitos são inúteis
como meio de identificar problemas sociais. Por um lado, nenhum deles
tem um conjunto de pontos de referência que permita ao pesquisador
identificar no mundo empírico as chamadas instâncias de desvio, disfunção
ou tensão estrutural. Desprovido de tais características de identificação tão
claras, o pesquisador não pode aceitar todas as condições ou arranjos
sociais na sociedade e estabelecer o que é ou não uma instância de desvio,
disfunção ou tensão estrutural. Mas essa deficiência, por mais séria que
seja, é de menor importância no assunto que estou considerando. De muito
maior importância é a incapacidade do pesquisador de explicar por que
alguns dos casos de desvio, disfunção ou tensão estrutural notados por eles
não conseguem atingir o status de problemas sociais, enquanto outras
instâncias atingem esse status. Há diversos tipos de desvios que não
ganham reconhecimento como problemas sociais; nunca nos é dito como
ou quando o desvio se torna um problema social. Da mesma forma, há
muitas alegadas disfunções ou tensões estruturais que nunca passam a ser
vistas como problemas sociais; não nos dizem como e quando as chamadas
disfunções ou tensões estruturais se tornam problemas sociais.
Obviamente, desvio, disfunção e tensão estrutural de um lado e problemas
sociais do outro lado não são equivalentes.
Se a teoria sociológica convencional é tão decisivamente incapaz de
detectar problemas sociais e se sociólogos fazem esta detecção seguindo e
usando o reconhecimento público de problemas, parece lógico que os
estudantes de problemas sociais devem examinar o processo pelo qual uma
sociedade passa a reconhecer seus problemas sociais. Os sociólogos
falharam conspicuamente em fazer isso.
Uma segunda deficiência da abordagem sociológica convencional é a
suposição de que um problema social existe basicamente na forma de uma
condição objetiva identificável em uma sociedade. Os sociólogos tratam um
problema social como se o seu ser consistisse em uma série de itens
objetivos, tais como taxas de incidência, o tipo de pessoas envolvidas no
problema, seu número, seus tipos, suas características sociais e a relação
de sua condição com vários fatores societários selecionados. Assume-se
que a redução de um problema social em tais elementos objetivos pega o
problema em seu caráter central e constitui sua análise científica. Na minha
opinião esta suposição é errônea. Como mostrarei mais claramente depois,
um problema social existe principalmente em termos de como é definido e
concebido em uma sociedade, em vez de ser uma condição objetiva com
uma composição objetiva definitiva. A definição social, e não a composição
objetiva de uma determinada condição social, determina se a condição
existe como um problema social. A definição da sociedade dá ao problema
social sua natureza, expõe como deve ser abordada e molda o que é feito a
respeito. Juntamente com essas influências decisivas, a chamada existência
objetiva ou composição do problema social é muito secundária. Um
sociólogo pode notar o que ele acredita ser uma condição maligna em uma
sociedade, mas a sociedade pode ignorar completamente sua presença,
caso em que a condição não existirá como um problema social para aquela
sociedade, independentemente de seu ser objetivo. Ou, a divisão objetiva
feita por um sociólogo de um problema social reconhecido socialmente
pode diferir amplamente de como o problema é visto e abordado na
sociedade. A análise objetiva feita por ele pode não ter influência sobre o
que é feito com o problema e, consequentemente, não tem relação realista
com o problema. Estas poucas observações sugerem uma clara necessidade
de estudar o processo pelo qual uma sociedade venha a ver e lidar com seus
problemas sociais. Pesquisadores de problemas sociais notoriamente
ignoram esse processo; e dificilmente este entra na teoria sociológica.
Há um terceiro pressuposto, altamente questionável, subjacente à
orientação típica dos sociólogos no estudo de problemas sociais. É que as
descobertas resultantes de seu estudo da composição objetiva de um
problema social fornecem à sociedade os meios sólidos e eficazes para o
tratamento corretivo desse problema. Tudo o que a sociedade tem a fazer,
ou deveria fazer, é dar atenção às descobertas e respeitar as linhas de
tratamento para as quais os resultados apontam. Esta suposição é em
grande parte absurda. Ela ignora ou deturpa como uma sociedade age no
caso de seus problemas sociais. Um problema social é sempre um ponto
focal para a operação de divergentes e conflitantes interesses, intenções e
objetivos. É a interação desses interesses e objetivos que constitui a
maneira pela qual uma sociedade lida com qualquer um de seus problemas
sociais. O relato sociológico da composição objetiva do problema está
muito distante de tais interações - na verdade, pode ser irrelevante para
ele. Esse distanciamento do estudo sociológico do processo real pelo qual
uma sociedade atua em relação ao seu problema social é uma explicação
importante da ineficácia dos estudos sociológicos dos problemas sociais.
As três deficiências centrais que mencionei são apenas um esboço de
uma necessária crítica completa do típico tratamento sociológico dos
problemas sociais. Mas elas servem como uma pista e, portanto, como uma
introdução ao desenvolvimento de minha tese de que os problemas sociais
estão e são produtos de um processo de definição coletiva. O processo de
definição coletiva é responsável pelo surgimento de problemas sociais, pela
forma como são vistos, pela forma como são abordados e considerados,
pelo tipo de plano de reparação oficial que é apresentado e pela
transformação do plano de reparação na sua aplicação. Em suma, o
processo de definição coletiva é responsável pela aparição e o destino dos
problemas sociais, desde o ponto inicial de sua aparição até qualquer que
seja o ponto terminal de seu curso. Eles têm o seu ser fundamentalmente
neste processo de definição coletiva, em vez de em alguma área objetiva
de suposta malignidade social. O fracasso em reconhecer e respeitar esse
fato constitui, na minha opinião, a principal fraqueza no estudo sociológico
dos problemas sociais e no conhecimento sociológico dos problemas
sociais. Deixe-me continuar a desenvolver minha tese.
Apresentar o surgimento, o percurso e o destino dos problemas sociais
em um processo de definição coletiva exige uma análise do curso desse
processo. A meu ver o processo passa por cinco etapas. Vou rotulá-las: (1)
a emergência de um problema social, (2) a legitimação do problema, (3) a
mobilização da ação em relação ao problema, (4) a formação de um plano
oficial de ação e (5) a transformação do plano oficial em sua implementação
empírica. Proponho discutir brevemente cada um desses cinco estágios.

O Surgimento dos Problemas Sociais


Os problemas sociais não são o resultado de um mau funcionamento
intrínseco de uma sociedade, mas sim o resultado de um processo de
definição em que determinada condição é identificada como um problema
social. Um problema social não existe para uma sociedade, a menos que
seja reconhecido por essa. Ao não ter consciência de um problema social,
uma sociedade não percebe, discute, discute ou faz algo a respeito. O
problema simplesmente não está lá. É necessário, consequentemente,
considerar a questão de como surgem os problemas sociais. Apesar de sua
importância crucial, essa questão foi essencialmente ignorada pelos
sociólogos.
É um erro grosseiro assumir que qualquer tipo de condição ou arranjo
social maligno ou prejudicial em uma sociedade se torna automaticamente
um problema social para aquela sociedade. As páginas da história estão
repletas de casos de condições sociais terríveis, despercebidas e
desatendidas nas sociedades em que ocorreram. Observadores
inteligentes, usando os padrões de uma sociedade, podem perceber
condições duradouras em outra sociedade que simplesmente não
aparecem como problemas para os membros da sociedade. Além disso,
indivíduos com percepções aguçadas de sua própria sociedade, ou que,
como resultado de experiências angustiantes, podem perceber que
determinadas condições sociais em sua sociedade são prejudiciais, podem
ser impotentes em despertar qualquer preocupação com as condições.
Além disso, condições sociais dadas ignoradas em um primeiro momento,
sem mudanças em sua composição, tornam-se questões de grande
preocupação em momento posterior. Todos esses tipos de casos são tão
sonoramente repetitivos que não exigem documentação. As observações e
reflexões mais casuais mostram claramente que o reconhecimento de seus
problemas sociais por uma sociedade é um processo altamente seletivo,
com muitas condições e arranjos sociais prejudiciais que sequer chamam
atenção e outros caindo no esquecimento no que é frequentemente uma
luta ferozmente competitiva. Muitos pressionam pelo reconhecimento da
sociedade, mas apenas alguns saem do final do funil.
Acredito que os pesquisadores dos problemas sociais veriam quase
que automaticamente a necessidade de estudar este processo pelo qual
determinadas condições ou arranjos sociais passam a ser reconhecidos
como problemas sociais. Mas, em geral, os sociólogos não veem a
necessidade ou desviam dela. Os chavões sociológicos, como a percepção
de que os problemas sociais dependem de ideologias ou de crenças
tradicionais, não nos dizem praticamente nada sobre o que uma sociedade
escolhe como seus problemas sociais e como se trata de selecioná-los. Os
estudos e, lamentavelmente, o conhecimento de assuntos tão relevantes
como os seguintes são limitados: o papel da agitação na obtenção do
reconhecimento de um problema; o papel da violência em obter tal
reconhecimento; o jogo de grupos de interesse que procuram apagar o
reconhecimento do problema; o papel de outros grupos de interesse que
preveem ganhos materiais elevando uma determinada condição a um
problema (como no caso da polícia com o "problema atual de crime e
drogas"); o papel das figuras políticas no fomento da preocupação com
certos problemas e no abafamento da preocupação com outras condições;
o papel de organizações e corporações poderosas fazendo a mesma coisa;
a impotência de grupos sem poder para chamar a atenção para o que eles
acreditam ser problemas; o papel dos meios de comunicação na seleção de
problemas sociais; e a influência de acontecimentos acidentais que chocam
as sensibilidades do público. Temos aqui um vasto campo que acena e que
precisa ser estudado se quisermos entender a questão simples, mas básica,
de como os problemas sociais emergem. E repito que, se não emergirem,
nem sequer começam uma vida.

Legitimação dos problemas sociais

O reconhecimento social dá origem a um problema social. Mas se o


problema social é seguir seu curso e não morrer, ele deve adquirir
legitimidade social. Pode parecer estranho falar de problemas sociais tendo
que se legitimar. Ainda depois de ganhar o reconhecimento inicial, um
problema social deve adquirir apoio social para ser levado a sério e avançar
em sua carreira. Deve adquirir um grau necessário de respeitabilidade que
lhe dê direito a consideração nas arenas reconhecidas da discussão pública.
Em nossa sociedade, essas arenas são a imprensa, outros meios de
comunicação, a igreja, a escola, as organizações cívicas, as câmaras
legislativas e os locais de reunião do funcionalismo. Se um problema social
não carrega a credencial de respeitabilidade necessária para entrar nessas
arenas, está condenado. Não pense, porque uma dada condição social ou
arranjo é reconhecido como grave por algumas pessoas em uma sociedade
- por pessoas que de fato chamam a atenção por sua agitação - que isso
significa que o problema irá penetrar na arena da consideração pública. Ao
contrário, o problema afirmado pode ser considerado insignificante, como
não merecedor de consideração, como na ordem aceita das coisas e,
portanto, não ser adulterado, como desagradável aos códigos do decoro,
ou como meramente o grito de elementos questionáveis ou subversivos,
em uma sociedade. Qualquer uma dessas condições pode impedir que um
problema reconhecido ganhe legitimidade. Se o problema social não
conseguir legitimidade, ele se debate e definha fora da arena da ação
pública.
Quero enfatizar que, entre a ampla variedade de condições ou acordos
sociais que são reconhecidos como prejudiciais por grupos diferentes de
pessoas, há relativamente poucos que alcançam legitimidade. Aqui,
novamente, somos confrontados com um processo seletivo no qual, por
assim dizer, muitos problemas sociais florescentes são sufocados, outros
são ignorados, outros são evitados, outros têm que lutar para um status
respeitável, e outros são levados à legitimidade por um forte e influente
apoio. Sabemos muito pouco desse processo seletivo pelo qual os
problemas sociais têm que passar para atingir o estágio de legitimidade.
Certamente essa passagem não se deve meramente à gravidade intrínseca
do problema social. Também não é devido apenas ao estado anterior de
interesse ou conhecimento público; nem às chamadas ideologias do
público. O processo seletivo é muito mais complicado do que o sugerido
por essas ideias simples e comuns. Obviamente, muitos dos fatores que
afetam o reconhecimento dos problemas sociais continuam a desempenhar
um papel na legitimação dos problemas sociais. Mas parece evidente que
existem outros fatores contribuintes através dos quais a qualidade
indescritível da respeitabilidade social passa a ser atribuída a problemas
sociais. Nós simplesmente não temos muito conhecimento sobre esse
processo, já que ele é pouco estudado. Certamente é uma questão
fundamental que deve envolver a preocupação dos estudantes com
problemas sociais.

Mobilização da Ação

Se um problema social consegue atravessar os estágios do


reconhecimento social e da legitimação social, entra em uma nova etapa. O
problema agora se torna objeto de discussão, de controvérsia, de
diferentes representações e de diversas reivindicações. Aqueles que
buscam mudanças na área do problema entram em conflito com aqueles
que se esforçam para proteger os interesses adquiridos na área. Alegações
exageradas e representações distorcidas, que estimulam os interesses
adquiridos, tornam-se comuns. Pessoas de fora, menos envolvidas, trazem
seus sentimentos e imagens para suportar o enquadramento do problema.
Discussão, advocacia, avaliação, falsificação, táticas de desvio e avanço de
propostas ocorrem nos meios de comunicação, em reuniões casuais,
reuniões organizadas, câmaras legislativas e audiências de comissões. Tudo
isso constitui uma mobilização da sociedade para a ação sobre o problema
social. Parece pouco necessário apontar que o destino do problema social
depende muito do que acontece nesse processo de mobilização. Como o
problema vem a ser definido, como ele é desdobrado em resposta ao
sentimento desperto, como ele é representado para proteger os interesses
investidos e como ele reflete o papel estratégico e o poder - todas são
questões apropriadas que sugerem a importância do processo de
mobilização para a ação.
Mais uma vez, até onde posso ver, passam despercebidos dos
pesquisadores dos problemas sociais a preocupação e a consideração dessa
etapa do processo de definição coletiva. Nosso melhor conhecimento desta
etapa veio de pesquisadores da opinião pública. No entanto, sua
contribuição é fragmentária e lamentavelmente inadequada,
principalmente devido à falta de uma análise empírica detalhada do
processo. Os pesquisadores de opinião pública pouco nos dizem sobre
como os problemas sociais sobrevivem em seus confrontos e como eles são
redefinidos para alcançar tal sobrevivência. Da mesma forma, eles nos
dizem pouco sobre como outros problemas sociais definham, perecem ou
simplesmente desaparecem nesta fase. Que os pesquisadores de
problemas sociais devam negligenciar esse estágio crucial do destino dos
problemas sociais parece-me extraordinariamente míope.

Formação de um plano oficial de ação

Esta etapa no modo de ser dos problemas sociais representa a decisão


da sociedade a respeito de como esta agirá em relação ao problema dado.
Consiste na articulação de um plano de ação oficial, como ocorre em
comitês legislativos, câmaras legislativas e diretorias executivas. O plano
oficial é quase sempre um produto de barganha, em que diversas visões e
interesses são acomodados. Compromissos, concessões, compensações,
deferência à influência, resposta ao poder e julgamentos do que pode ser
viável - todos desempenham um papel na formulação final. Este é um
processo de definição e redefinição de forma concentrada - a formação, o
retrabalho e a reformulação de um quadro coletivo do problema social, de
modo que o que surge pode estar muito longe de como o problema foi visto
no estágio inicial da sua carreira. O plano oficial que é promulgado constitui,
por si só, a definição oficial do problema; representa como a sociedade, por
meio de seu aparato oficial, percebe o problema e pretende agir em direção
ao mesmo. Essas observações são comuns. No entanto, eles apontam para
a operação de um processo de definição que tem um grande significado
para o destino do problema. Certamente, um estudo efetivo e relevante
dos problemas sociais deve abarcar o que acontece com o problema no
processo de concordar com a ação oficial.

Implementação do Plano Oficial

Assumir que um plano oficial e sua implementação na prática são a


mesma coisa é fugir dos fatos. Invariavelmente até certo ponto,
frequentemente em grande medida, o plano como posto em prática é
modificado, distorcido e reformulado, assumindo acréscimos imprevistos.
Isto é esperado. A implementação do plano introduz um novo processo de
definição coletiva. Estabelece o cenário para a formação de novas linhas de
ação por parte dos envolvidos no problema social e daqueles afetados pelo
plano. As pessoas que correm o risco de perder vantagens se esforçam para
restringir o plano ou dobrar sua operação para novas direções. Aqueles que
se beneficiam do plano podem procurar explorar novas oportunidades. Ou
ambos os grupos podem elaborar novos arranjos de acomodação
imprevisíveis no plano. A administração e o pessoal operacional estão
propensos a substituir suas políticas pela política oficial subjacente ao
plano. Frequentemente, vários tipos de ajustes subterrâneos são
desenvolvidos, deixando áreas centrais intactas do problema social ou
transformando outras de suas áreas de maneiras que nunca foram
oficialmente planejadas. O tipo de acomodação, bloqueios, acréscimos
imprevistos e transformações não intencionais das quais estou falando
pode ser visto em abundância no caso de muitas tentativas anteriores para
colocar os planos oficiais em prática. Tais consequências foram perceptíveis
na implementação da emenda de proibição. São notórios no caso das
agências reguladoras em nosso país. Eles devem ser vistos no caso da
maioria dos novos programas de aplicação da lei projetado para combater
o problema do crime. Eu desconheço qualquer faceta da área geral dos
problemas sociais que seja mais importante, menos compreendida, e
menos estudada do que o da reestruturação imprevista e não intencional
da área de um problema social que surge da implementação de um plano
oficial de tratamento. Sou incapaz entender por que os pesquisadores de
problemas sociais, tanto em seus estudos quanto em suas formulações
teóricas, podem ignorar este passo crucial no modo de ser dos problemas
sociais.
Espero que minha discussão sobre os cinco estágios discerníveis do
modo de ser dos problemas sociais mostre a necessidade de se desenvolver
uma nova perspectiva e abordagem no estudo sociológico dos mesmos.
Parece-me indubitavelmente necessário colocar os problemas sociais no
contexto de um processo de definição coletiva. É esse processo que
determina se os problemas sociais são reconhecidos, se eles se qualificam
para consideração, como devem ser considerados, o que deve ser feito
sobre eles e como são reconstituídos nos esforços empreendidos para
controlá-los. Os problemas sociais têm seu ser, sua carreira e seu destino
nesse processo. Ignorá-lo pode produzir apenas conhecimento
fragmentário e um quadro fictício de problemas sociais.
Minha discussão não deve ser interpretada como negação à maneira
convencional com que os sociólogos abordam o tema dos problemas
sociais. O conhecimento da composição objetiva destes (que é seu objetivo)
deve ser buscado como um corretivo para a ignorância ou desinformação
sobre essa composição objetiva. No entanto, esse conhecimento é
totalmente inadequado em relação ao manejo dos problemas sociais ou ao
desenvolvimento da teoria sociológica. No manejo de problemas sociais, o
conhecimento da composição objetiva da área de problema social é
significativo apenas na medida em que o conhecimento entra no processo
de definição coletiva que determina o destino dos problemas sociais. Nesse
processo, o conhecimento pode ser ignorado, distorcido ou sufocado por
outras considerações. Para mim, é auto-evidente que os sociólogos que
desejam que seus estudos tragam novidades sobre problemas sociais,
precisam estudar e compreender melhor o processo de definição coletiva
por meio do qual as mudanças são feitas. Do lado da teoria sociológica, o
conhecimento da composição objetiva dos problemas sociais é
essencialmente inútil. É inútil porque, como procurei mostrar, os problemas
sociais não estão nas áreas objetivas para as quais eles apontam, mas no
processo de serem vistos e definidos na sociedade. Toda a evidência
empírica que posso encontrar aponta indubitavelmente para essa
conclusão. Eu gostaria de receber qualquer prova em contrário. Os
sociólogos que buscam desenvolver a teoria dos problemas sociais na
premissa de que os problemas sociais estão alojados em algum tipo de
estrutura social objetiva estão interpretando mal seu mundo. Atribuir
problemas sociais a supostas tensões estruturais, transtornos no equilíbrio
do sistema social, disfunções, quebra de normas sociais, choque de valores
sociais, ou desvio de conformidade social, é transferir inconscientemente
para um suposto estrutura social que pertence ao processo de definição
coletiva. Como eu disse anteriormente, nenhum desses conceitos é capaz
de explicar por que algumas das instâncias empíricas cobertas pelo conceito
se tornam problemas sociais e outras não. Essa explicação deve ser buscada
no processo de definição coletiva. Se a teoria sociológica deve basear-se no
conhecimento do mundo empírico dos problemas sociais, deve prestar
atenção e respeitar a natureza desse mundo empírico.