Você está na página 1de 14

COLETÂNEA DE TEXTOS

Didática – José Carlos Libâneo (São Paulo: Editora Cortez, 1994).

TEXTO 1: A DIDÁTICA COMO ATIVIDADE PEDAGÓGICA ESCOLAR

Conforme estudamos, a Pedagogia investiga a natureza das finalidades da educação como processo
social, no seio de uma determinada sociedade, bem como as metodologias apropriadas para a formação dos
indivíduos, tendo em vista o seu desenvolvimento humano para tarefas na vida em sociedade. Quando
falamos das finalidades da educação no seio de uma determinada sociedade, queremos dizer que o
entendimento dos objetivos, conteúdos e métodos da educação se modifica conforme as concepções de
homem e da sociedade que, em cada contexto econômico e social de um momento da história humana,
caracterizam o modo de pensar, o modo de agir e os interesses das classes e grupos sociais. A Pedagogia,
portanto, é sempre uma concepção da direção do processo educativo subordinada a uma concepção político-
social.
Sendo a educação escolar uma atividade social que, através de instituições próprias, visa a
assimilação dos conhecimentos e experiências humanas acumuladas no decorrer da história, tendo em vista
a formação dos indivíduos enquanto seres sociais, cabe à Pedagogia intervir nesse processo de assimilação,
orientando-o para finalidades sociais e políticas e criando um conjunto de condições metodológicas e
organizativas para viabilizá-lo no âmbito da escola. Nesse sentido, a Didática assegura o fazer pedagógico na
escola, na sua dimensão político-social e técnica; é, por isso, uma disciplina eminentemente pedagógica.
A Didática é, pois, uma das disciplinas da Pedagogia que estuda o processo de ensino através dos
seus componentes - os conteúdos escolares, o ensino e a aprendizagem - para, com o embasamento numa
teoria da educação, formular diretrizes orientadoras da atividade profissional dos professores. É, ao mesmo
tempo, uma matéria de estudo fundamental na formação profissional dos professores e um meio de trabalho
do qual os professores se servem para dirigir à atividade de ensino, cujo resultado é a aprendizagem dos
conteúdos escolares pelos alunos.
Definindo-se como mediação escolar dos objetivos e conteúdos do ensino, a Didática investiga as
condições e formas que vigoram no ensino e, ao mesmo tempo, os fatores reais (sociais, políticos, culturais,
psicossociais) condicionantes das relações entre a docência e a aprendizagem. Ou seja, destacando a
instrução e o ensino como elementos primordiais do processo pedagógico escolar, traduz objetivos sociais e
políticos em objetivos de ensino, seleciona e organiza os conteúdos e métodos e, ao estabelecer as conexões
entre ensino e aprendizagem, indica princípios e diretrizes que irão regular a ação didática.
Por outro lado, esse conjunto de tarefas não visa outra coisa senão o desenvolvimento físico e
intelectual dos alunos, com vistas à sua preparação para a vida social. Em outras palavras, o processo
didático de transmissão/assimilação de conhecimentos e habilidades tem como culminância o desen-
volvimento das capacidades cognoscitivas dos alunos, de modo que assimilem ativa e independentemente os
conhecimentos sistematizados.
Que significa teoria da instrução e do ensino? Qual a relação da Didática com o currículo,
metodologias específicas das matérias, procedimentos de ensino, técnicas de ensino?
A instrução se refere ao processo e ao resultado da assimilação sólida de conhecimentos
sistematizados e ao desenvolvimento de capacidades cognitivas. O núcleo da instrução são os conteúdos das
matérias. O ensino consiste no planejamento, organização, direção e avaliação da atividade didática,
concretizando as tarefas da instrução; o ensino inclui tanto o trabalho do professor (magistério) como a
direção da atividade de estudo dos alunos. Tanto a instrução como o ensino se modificam em decorrência da
sua necessária ligação com o desenvolvimento da sociedade e com as condições reais em que ocorre o
trabalho docente. Nessa ligação é que a Didática se fundamenta para formular diretrizes orientadoras do
processo de ensino.
O currículo expressa os conteúdos da instrução, nas matérias de cada grau do processo de ensino.
Em tomo das matérias se desenvolve o processo de assimilação dos conhecimentos e habilidades.
A metodologia compreende o estudo dos métodos, e o conjunto dos procedimentos de investigação
das diferentes ciências quanto aos seus fundamentos e validade, distinguindo-se das técnicas que são a
aplicação específica dos métodos. No campo da Didática, há uma relação entre os métodos próprios da
ciência que dá suporte à matéria de ensino e os métodos de ensino. A metodologia pode ser geral (por ex.,
métodos tradicionais, métodos ativos, método da descoberta, método de solução de problemas etc.) ou
específica, seja a que se refere aos procedimentos de ensino e estudo das disciplinas do currículo
(alfabetização, Matemática, História, etc.), seja a que se refere a setores da educação escolar ou extraescolar
(educação de adultos, educação especial, educação sindical etc.).
Técnicas, recursos ou meios de ensino são complementos da metodologia, colocados à disposição
do professor para o enriquecimento do processo de ensino. Atualmente, a expressão "tecnologia educacional"
adquiriu um sentido bem mais amplo, englobando técnicas de ensino diversificadas.
Desde os recursos da informática, dos meios de comunicação e os audiovisuais até os de instrução
programada e de estudo individual e em grupos.
A Didática tem muitos pontos em comum com as metodologias específicas de ensino. Elas são as
fontes da investigação Didática, ao lado da Psicologia da Educação e da Sociologia da Educação. Mas, ao se
constituir como teoria da instrução e do ensino, abstrai das particularidades de cada matéria para generalizar
princípios e diretrizes para qualquer uma delas.
Em síntese, são temas fundamentais da Didática: os objetivos sóciopolíticos e pedagógicos da
educação escolar, os conteúdos escolares, os princípios didáticos, os métodos de ensino e de aprendizagem,
as formas organizativas do ensino, o uso e aplicação de técnicas e recursos, o controle e a avaliação da
aprendizagem.

TEXTO 2: OBJETO DE ESTUDO: O PROCESSO DE ENSINO

O objeto de estudo da Didática é o processo de ensino, campo principal da educação escolar.


Na medida em que o ensino viabiliza as tarefas da instrução, ele contém a instrução. Podemos,
assim, delimitar como objeto da Didática o processo de ensino que, considerado no seu conjunto, inclui: os
conteúdos dos programas e dos livros didáticos, os métodos e formas organizativas do ensino, as atividades
do professor e dos alunos e as diretrizes que regulam e orientam esse processo.
Por que estudar o processo de ensino? Vimos, anteriormente, que a educação escolar é uma tarefa
eminentemente social, pois a sociedade necessita prover as gerações mais novas daqueles conhecimentos e
habilidades que vão sendo acumulados pela experiência social da humanidade.
Ora, não é suficiente dizer que os alunos precisam dominar os conhecimentos; é necessário dizer
como fazê-lo, isto é, investigar objetivos e métodos seguros e eficazes para a assimilação dos
conhecimentos. Esta é a função da Didática, ao estudar o processo do ensino. Podemos definir processo de
ensino como uma seqüência de atividades do professor e dos alunos, tendo em vista a assimilação de
conhecimentos e desenvolvimento de habilidades, através dos quais os alunos aprimoram capacidades
cognitivas (pensamento independente, observação, análise-síntese e outras).
Quando mencionamos que a finalidade do processo de ensino é proporcionar aos alunos os meios
para que assimilem ativamente os conhecimentos é porque a natureza do trabalho docente é a mediação da
relação cognoscitiva entre o aluno e as matérias de ensino. Isto quer dizer que o ensino não é só transmissão
de informações, mas também o meio de organizar a atividade de estudo dos alunos. O ensino somente é
bem-sucedido quando os objetivos do professor coincidem com os objetivos de estudo do aluno e é praticado
tendo em vista o desenvolvimento das suas forças intelectuais.
Ensinar e aprender, pois, são duas faces tas do mesmo processo, e que se realizam em tomo das
matérias de ensino, sob a direção do professor.

TEXTO 3: OS COMPONENTES DO PROCESSO DIDÁTICO

Quem circula pelos corredores de uma escola, o quadro que observa é o professor frente a uma
turma de alunos, sentados ordenadamente ou realizando uma tarefa em grupo, para aprender uma matéria.
De fato, tradicionalmente se consideram como componentes da ação didática a matéria, o professor, os
alunos. Pode-se combinar estes componentes, acentuando-se mais um ou outro, mas a idéia corrente é a de
que o professor transmite a matéria ao aluno. Entretanto, o ensino, por mais simples que possa parecer à
primeira vista, é uma atividade complexa: envolve tanto condições externas como condições internas das
situações didáticas. Conhecer essas condições e lidar acertadamente com elas é uma das tarefas básicas do
professor para a condução do trabalho docente.
Internamente, a ação didática se refere à relação entre o aluno e a matéria, com o objetivo de
apropriar-se dela com a mediação do professor. Entre a matéria, o professor e o aluno ocorrem relações
recíprocas. O professor tem propósitos definidos no sentido de assegurar o encontro direto do aluno com a
matéria, mas essa atuação depende das condições internas dos alunos alterando o modo de lidar com a
matéria.
Cada situação didática, porém, vincula-se a determinantes econômico-sociais, sócio-culturais, a ob-
jetivos e normas estabelecidos conforme interesses da sociedade e seus grupos, e que afetam as decisões
didáticas. Consideremos, pois, que a inter-relação entre professor e alunos não se reduz à sala de aula,
implicando relações bem mais abrangentes:
 Escola, professor, aluno, pais estão inseridos na dinâmica das relações sociais. A sociedade não é um
todo homogêneo, onde reina a paz e a harmonia. Ao contrário, há antagonismos e interesses distintos
entre grupos e classes sociais que se refletem nas finalidades e no papel atribuído à escola, ao trabalho
do professor e dos alunos.
 As teorias da educação e as práticas pedagógicas, os objetivos educativos da escola e dos professores,
os conteúdos escolares, a relação professor-aluno, as modalidades de comunicação docente, nada disso
existe isoladamente do contexto econômico, social e cultural mais amplo e que afetam as condições reais
em que se realizam o ensino e a aprendizagem.
 O professor não é apenas professor, ele participa de outros contextos de relações sociais onde é,
também, aluno, pai, filho, membro de sindicato, de partido político ou de um grupo religioso. Esses
contextos se referem uns aos outros e afetam a atividade prática do professor. O aluno, por sua vez, não
existe apenas como aluno. Faz parte de um grupo social, pertence a uma fann1ia que vive em
determinadas condições de vida e de trabalho, é branco, negro, tem uma determinada idade, possui uma
linguagem para expressar-se conforme o meio em que vive, tem valores e aspirações condicionados pela
sua prática de vida etc.
 A eficácia do trabalho docente depende da filosofia de vida do professor, de suas convicções políticas, do
seu preparo profissional, do salário que recebe, da sua personalidade, das características da sua vida
familiar, da sua satisfação profissional em trabalhar com crianças etc. Tudo isto, entretanto, não é uma
questão de traços individuais do professor, pois o que acontece com ele tem a ver com as relações
sociais que acontecem na sociedade.

Consideremos, assim, que o processo didático está centrado na relação fundamental entre o ensino e
a aprendizagem, orientado para a confrontação ativa do aluno com matéria sob a mediação do professor.
Com isso, podemos identificar entre os seus elementos constitutivos: os conteúdos das matérias que devem
ser assimilados pelos alunos de um determinado grau; a ação de ensinar em que o professor atua como
mediador entre o aluno e as matérias; a ação de aprender em que o aluno assimila consciente e ativamente
as matérias e desenvolve suas capacidade e habilidades. Contudo, estes componentes não são suficientes
para ver o ensino em sua globalidade. Como vimos, não é uma atividade que se desenvolve
automaticamente, restrita ao que se passa no interior da escola, uma vez que expressa finalidades e
exigências da prática social, ao mesmo tempo em que se subordina a condições concretas postas pela
mesma prática social que favorecem ou dificultam atingir objetivos.
Entender, pois, o processo didático como totalidade abrangente implica vincular conteúdos, ensino e
aprendizagem a objetivos sociopolíticos e pedagógicos e analisar criteriosamente o conjunto de condições
concretas que rodeiam cada situação didática. Em outras palavras, o ensino é um processo social, integrante
de múltiplos processos sociais, nos quais estão implicadas dimensões políticas, ideológicas, éticas,
pedagógicas, frente às quais se formulam objetivos, conteúdos e métodos conforme opções assumidas pelo
educador, cuja realização está na dependência de condições, seja aquelas que o educador já encontra seja
as que ele precisa transformar ou criar.
Desse modo, os objetivos gerais e específicos são não só um dos componentes do processo didático
como também determinantes das relações entre os demais componentes. Além disso, a articulação entre
estes depende da avaliação das condições concretas implicadas no ensino, tais como objetivos e exigências
postos pela sociedade e seus grupos e classes, o sistema escolar, os programas oficiais, a formação dos
professores, as forças sociais presentes na escola (docentes, pais etc.), os meios de ensino disponíveis, bem
como as características sócio-culturais e individuais dos alunos, as condições prévias dos alunos para
enfrentar o estudo de determinada matéria, as relações professor-alunos, a disciplina, o preparo específico do
professor para compreender cada situação didática e transformar positivamente o conjunto de condições para
a organização do ensino.
O processo didático, assim, desenvolve-se mediante a ação recíproca dos componentes
fundamentais do ensino: os objetivos da educação e da instrução, os conteúdos, o ensino, a aprendizagem,
os métodos, as formas e meios de organização das condições da situação didática, a avaliação. Tais são,
também, os conceitos fundamentais que formam a base de estudos da Didática.

TEXTO 4: DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA DIDÁTICA E TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS

A história da Didática está ligada ao aparecimento do ensino - no decorrer do desenvolvimento da


sociedade, da produção e das ciências como atividade planejada e intencional dedicada à instrução.
Desde os primeiros tempos existem indícios de formas elementares de instrução e aprendizagem.
Sabemos, por exemplo, que nas comunidades primitivas os jovens passam por um ritual de iniciação para
ingressarem nas atividades do mundo adulto. Pode-se considerar esta uma forma de ação pedagógica,
embora aí não esteja presente o "didático" como forma estruturada de ensino.
Na chamada Antiguidade Clássica (gregos e romanos) e no período medieval também se
desenvolvem formas de ação pedagógica, em escolas, mosteiros, igrejas, universidades. Entretanto, até
meados do século XVII não podemos falar de Didática como teoria do ensino, que sistematize o pensamento
didático e o estudo científico das formas de ensinar.
O termo "Didática" aparece quando os adultos começam a intervir na atividade de aprendizagem das
crianças e jovens através da direção deliberada e planejada do ensino, ao contrário das formas de
intervenção mais ou menos espontâneas de antes. Estabelecendo-se uma intenção propriamente pedagógica
na atividade de ensino, a escola se toma uma instituição, o processo de ensino passa a ser sistematizado
conforme níveis, tendo em vista a adequação às possibilidades das crianças, às idades e ritmo de as-
similação dos estudos.
A formação da teoria didática para investigar as ligações entre ensino e aprendizagem e suas leis
ocorre no século XVII, quando João Amós Comênio (1592-1670), um pastor protestante, escreve a primeira
obra clássica sobre Didática, a Didacta Magna.
Ele foi o primeiro educador a formular a idéia da difusão dos conhecimentos a todos e criar princípios
e regras do ensino.
Comênio desenvolveu idéias avançadas para a prática educativa nas escolas, numa época em que
surgiam novidades no campo da Filosofia e das Ciências e grandes transformações nas técnicas de
produção, em contraposição às idéias conservadoras da nobreza e do clero. O sistema de
produção capitalista, ainda incipiente, já influenciava a organização da vida social, política e cultural.
A Didática de Comênio se assentava nos seguintes princípios:
1) A finalidade da educação é conduzir à felicidade eterna com Deus, pois é uma força poderosa de
regeneração da vida humana. Todos os homens merecem a sabedoria, a moral idade e a religião, porque
todos, ao realizarem sua própria natureza, realizam os desígnios de Deus. Portanto, a educação é um
direito natural de todos.
2) Por ser parte da natureza, o homem deve ser educado de acordo com o seu desenvolvimento natural,
isto é, de acordo com as características de idade e capacidade para o conhecimento.
Conseqüentemente, a tarefa principal da Didática é estudar essas características e os métodos de ensino
correspondentes, de acordo com a ordem natural das coisas.
3) A assimilação dos conhecimentos não se dá instantaneamente, como se o aluno registrasse de forma
mecânica na sua mente a informação do professor, como o reflexo num espelho. No ensino, ao invés
disso, tem um papel decisivo a percepção sensorial das coisas. Os conhecimentos devem ser adquiridos
a partir da observação das coisas e dos fenômenos, utilizando e desenvolvendo sistematicamente os
órgãos dos sentidos.
4) O método intuitivo consiste, assim, da observação direta, pelos órgãos dos sentidos, das coisas,
para o registro das impressões na mente do aluno. Primeiramente as coisas, depois as palavras. O
planejamento de ensino deve obedecer o curso da natureza infantil; por isso as coisas devem ser
ensinadas uma de cada vez. Não se deve ensinar nada que a criança não possa compreender. Portanto,
deve-se partir do conhecido para o desconhecido.

Apesar da grande novidade destas idéias, principalmente dando um impulso ao surgimento de uma
teoria do ensino, Comênio não escapou de algumas crenças usuais na época sobre ensino. Embora partindo
da observação e da experiência sensorial, mantinha-se o caráter transmissor do ensino; embora procurando
adaptar o ensino às fases do desenvolvimento infantil, mantinha-se o método único e o ensino simultâneo a
todos. Além disso, sua idéia de que a única via de acesso dos conhecimentos é a experiência sensorial com
as coisas não é suficiente, primeiro porque nossas percepções freqüentemente nos enganam, segundo,
porque já há uma experiência social acumulada de conhecimentos sistematizados que não necessitam ser
descobertos novamente.
Entretanto, Comênio desempenhou uma influência considerável, não somente porque
empenhou-se em desenvolver métodos de instrução mais rápidos e eficientes, mas também porque desejava
que todas as pessoas pudessem usufruir dos benefícios do conhecimento.
Sabemos que, na história, as idéias, principalmente quando são muito inovadoras para a época,
costumam demorar para terem efeito prático. No século XVII, em que viveu Comênio, e nos séculos
seguintes, ainda predominavam práticas escolares da Idade Média: ensino intelectualista, verbalista e
dogmático, memorização e repetição mecânica dos ensinamentos do professor. Nessas escolas não havia
espaço para idéias próprias do~ alunos, o ensino era separado da vida, mesmo porque ainda era grande o
poder da religião na vida social.
Enquanto isso, porém, foram ocorrendo intensas mudanças nas formas de produção, havendo um
grande desenvolvimento da ciência e da cultura. Foi diminuindo o poder da nobreza e do clero e aumentando
o da burguesia. Na medida em que esta se fortalecia como classe social, disputando o poder. econômico e
político com a nobreza, ia crescendo também a necessidade de um ensino ligado às exigências do mundo da
produção e dos negócios e, ao mesmo tempo, um ensino que contemplasse o livre desenvolvimento das
capacidades e interesses individuais.
Jean Jacques Rousseau (1712-1778) foi um pensador que procurou interpretar essas aspirações,
propondo uma concepção nova de ensino, baseada nas necessidades e interesses imediatos da criança.
As idéias mais importantes de Rousseau são as seguintes:
1) A preparação da criança para a vida futura deve basear-se no estudo das coisas que correspondem às
suas necessidades e interesses atuais. Antes de ensinar as ciências, elas precisam ser levadas a
despertar o gosto pelo seu estudo. Os verdadeiros professores são a natureza, a experiência e o
sentimento. O contato da criança com o mundo que a rodeia é que desperta o interesse e suas
potencialidades naturais. Em resumo: são os interesses e necessidades imediatas do aluno que
determinam a organização do estudo e seu desenvolvimento.
2) A educação é um processo natural, ela se fundamenta no desenvolvimento interno do aluno. As crianças
são boas por natureza, elas têm uma tendência natural para se desenvolverem.

Rousseau não colocou em prática suas idéias e nem elaborou uma teoria de ensino. Essa tarefa
coube a um outro pedagogo suíço, Henrique Pestalozzi (1746-1827), que viveu e trabalhou até o fim da vida
na educação de crianças pobres, em instituições dirigi das por ele próprio. Deu uma grande importância ao
ensino como meio de educação e desenvolvimento das capacidades humanas, como cultivo do sentimento,
da mente e do caráter.
Pestalozzi atribuía grande importância ao método intuitivo, levando os alunos a desenvolverem o
senso de observação, análise dos objetos e fenômenos da natureza e a capacidade da linguagem, através da
qual se expressa em palavras o resultado das observações. Nisto consistia a educação intelectual. Também
atribuía importância fundamental à psicologia da criança como fonte do desenvolvimento do ensino.
As idéias de Comênio, Rousseau e Pestalozzi influenciaram muitos outros pedagogos. O mais
importante deles, porém, foi Johann Friedrich Herbart (1766-1841), pedagogo alemão que teve muitos
discípulos e que (exerceu influência relevante na Didática e na prática docente. Foi e continua sendo
inspirador da pedagogia conservadora - conforme veremos - mas suas idéias precisam ser estudadas por
causa da sua presença constante nas salas de aula brasileiras. Junto com uma formulação teórica dos fins
da educação e da Pedagogia como ciência, desenvolveu uma análise do processo psicológico-didático de
aquisição de conhecimentos, sob a direção do professor.
Segundo Herbart, o fim da educação é a moralidade, atingida através da instrução educativa. Educar
o homem significa instruí-lo para querer o bem, de modo que aprenda a comandar a si próprio. A principal
tarefa da instrução é introduzir idéias corretas na mente dos alunos. O professor é um arquiteto da mente. Ele
deve trazer à atenção dos alunos aquelas idéias que deseja que dominem suas mentes. Controlando os
interesses dos alunos, o professor vai construindo uma massa de idéias na mente, que por sua vez vão
favorecer a assimilação de idéias novas. O método de ensino consiste em provocar a acumulação de idéias
na mente da criança.
Herbart estava atrás também da formulação de um método único de ensino, em conformidade com as
leis psicológicas do conhecimento. Estabeleceu, assim, quatro passos didáticos que deveriam ser
rigorosamente seguidos: o primeiro seria a preparação e apresentação da matéria nova de forma clara e
completa, que denominou clareza; o segundo seria a associação entre as idéias antigas e as novas; o
terceiro, a sistematização dos conhecimentos, tendo em vista a generalização; finalmente, o quarto seria a
aplicação, o uso dos conhecimentos adquiridos através de exercícios, que denominou método.
Posteriormente, os discípulos de Herbart desenvolveram mais a proposta dos passos formais,
ordenando-os em cinco: preparação, apresentação, assimilação, generalização e aplicação, fórmula esta que
ainda é utilizada pela maioria dos nossos professores.
O sistema pedagógico de Herbart e seus seguidores - chamados de herbartianos - trouxeram
esclarecimentos válidos para a organização da prática docente, como por exemplo: a necessidade de
estruturação e ordenação do processo de ensino, a exigência de compreensão dos assuntos estudados e não
simplesmente memorização, o significado educativo da disciplina na formação do caráter. Entretanto, o
ensino é entendido como repasse de idéias do professor para a cabeça do aluno; os alunos devem
compreender o que o professor transmite, mas apenas com a finalidade de reproduzir a matéria transmitida.
Com isso, a aprendizagem se toma mecânica, automática, associativa, não mobilizando a atividade mental, a
reflexão e o pensamento independente e criativo dos alunos.
As idéias pedagógicas de Comênio, Rousseau, Pestalozzi e Herbart - além de muitos outros que não
pudemos mencionar - formaram as bases do pensamento pedagógico europeu, difundindo-se depois por todo
o mundo, demarcando as concepções pedagógicas que hoje são conhecidas como Pedagogia Tradicional e
Pedagogia Renovada.
A Pedagogia Tradicional, em suas várias correntes, caracteriza as concepções de educação onde
prepondera a ação de agentes externos na formação do aluno, o primado do objeto de conhecimento, a
transmissão do saber constituído na tradição e nas grandes verdades acumuladas pela humanidade e uma
concepção de ensino como impressão de imagens propiciadas ora pela palavra do professor ora pela
observação sensorial.
A Pedagogia Renovada agrupa correntes que advogam a renovação escolar, opondo-se à
Pedagogia Tradicional. Entre as características desse movimento destacam-se: a valorização da criança,
dotada de liberdade, iniciativa e de interesses próprios e, por isso mesmo, sujeito da sua aprendizagem e
agente do seu próprio desenvolvimento; tratamento científico do processo , educacional, considerando as
etapas sucessivas do desenvolvimento biológico e psicológico; respeito às capacidades e aptidões
individuais, individualização do ensino conforme os ritmos próprios de aprendizagem; rejeição de modelos
adultos em favor da atividade e da liberdade de expressão da criança.
O movimento de renovação da educação, inspirado nas idéias de Rousseau, recebeu diversas
denominações, como educação nova, escola nova, pedagogia ativa, escola do trabalho. Desenvolveu-se
como tendência pedagógica no início do século XX, embora nos séculos anteriores tenham existido diversos
filósofos e pedagogos que propugnavam a renovação da educação vigente, tais como Erasmo, Rabelais,
Montaigne à época do Renascimento e os já citados Comênio (séc. XVII), Rousseau e Pestalozzi (no séc.
XVIII).
A denominação Pedagogia Renovada se aplica tanto ao movimento da educação nova propriamente
dito, que inclui a criação de "escolas novas", a disseminação da pedagogia ativa e dos métodos ativos, como
também a outras correntes que adotam certos princípios de renovação educacional mas sem vínculo direto
com a Escola Nova; citamos, por exemplo, a pedagogia científico-espiritual desenvolvida por W. Dilthey e
seus seguidores, e a pedagogia ativista-espiritualista católica.
Dentro do movimento escolanovista, desenvolveu-se nos Estados Unidos uma de suas mais
destacadas correntes, a Pedagogia Pragmática ou Progressivista, cujo principal representante é John Dewey
(1859-1952). As idéias desse brilhante educador exerceram uma significativa influência no movimento da
Escola Nova na América Latina e, particularmente, no Brasil. Com a liderança de Anísio Teixeira e outros
educadores, formou-se no início da década de 30 o Movimento dos Pioneiros da Escola Nova, cuja atuação
foi decisiva na formulação da política educacional, na legislação, na investigação acadêmica e na prática
escolar.
Dewey e seus seguidores reagem à concepção herbartiana da educação pela instrução, advogando a
educação pela ação. A escola não é uma preparação para a vida, é a própria vida; a educação é o resultado
da interação entre o organismo e o meio através da experiência e da reconstrução da experiência. A função
mais genuína da educação é a de prover condições para promover e estimular a atividade própria do
organismo para que alcance seu objetivo de crescimento e desenvolvimento. Por isso, a atividade escolar
deve centrar-se em situações de experiência onde são ativadas as potencialidades, capacidades,
necessidades e interesses naturais da criança. O currículo não se baseia nas matérias de estudo
convencionais que expressam a lógica do adulto, mas nas atividades e ocupações da vida presente, de modo
que a escola se transforme num lugar de vivência daquelas tarefas requeridas para a vida em sociedade. a
aluno e o grupo passam a ser o centro de convergência do trabalho escolar.
O movimento escolanovista no Brasil se desdobrou em várias correntes, embora a mais
predominante tenha sido a progressivista. Cumpre destacar a corrente vitalista, representada por Montessori,
as teorias cognitivistas, as teorias fenomenológicas e especialmente a teoria interacionista baseada na
psicologia genética de Jean Piaget. Em certo sentido, pode-se dizer também que o tecnicismo educacional
representa a continuidade da corrente progressivista, embora retemperado com as contribuições da teoria
behaviorista e da abordagem sistêmica do ensino.
Uma das correntes da Pedagogia Renovada que não tem vínculo direto com o movimento da Escola
Nova, mas que teve repercussões na pedagogia brasileira, é a chamada Pedagogia Cultural. Trata-se de uma
tendência ainda pouco estudada entre nós. Sua característica principal é focalizar a educação como fato da
cultura, atribuindo ao trabalho docente a tarefa de dirigir e encaminhar a formação do educando pela
apropriação de valores culturais.
A Pedagogia Cultural a que nos referimos tem sua afiliação na pedagogia científico-espiritual
desenvolvida por Guilherme Dilthey (1833-1911) e seguidores como Theodor Litt, Eduard Spranger e
Hermann Nohl. Tendo-se firmado na Alemanha como uma sólida corrente pedagógica, difundiu-se em outros
países da Europa, especialmente na Espanha, e daí para a América Latina, influenciando autores como
Lorenzo Luzuriaga, Francisco Larroyo, J. Roura-Parella, Ricardo Nassif e, no Brasil, Luís Alves de Mattos e
Onofre de Arruda Penteado Junior. Numa linha distinta das concepções escolanovistas, esses autores se
preocupam em superar as oposições entre a cultura subjetiva e a cultura objetiva, entre o individual e o social,
entre o psicológico e o cultural. De um lado, concebem a educação como atividade do próprio sujeito, a partir
de uma tendência interna de desenvolvimento espiritual; de outro, consideram que os indivíduos vivem num
mundo sócio-cultural, produto do próprio desenvolvimento histórico da sociedade. A educação seria, assim,
um processo de subjetivação da cultura, tendo em vista a formação da vida interior, a edificação da
personalidade. A pedagogia da cultura quer unir as condições externas da vida real, isto é, o mundo objetivo
da cultura, à liberdade individual, cuja fonte é a espiritualidade, a vida interior.
O estudo teórico da Pedagogia no Brasil passa por um reavivamento, principalmente a partir das
investigações sobre questões educativas baseadas nas contribuições do materialismo histórico e dialético.
Tais estudos convergem para a formulação de uma teoria crítico-social da educação, a partir da crítica política
e pedagógica das tendências e correntes da educação brasileira.
TEXTO 5: TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NO BRASIL E A DIDÁTICA

Nos últimos anos, diversos estudos têm sido dedicados à história da Didática no Brasil, suas relações
com as tendências pedagógicas e à investigação do seu campo de conhecimentos. Os autores, em geral,
concordam em classificar as tendências pedagógicas em dois grupos: as de cunho liberal - Pedagogia
Tradicional, Pedagogia Renovada e tecnicismo educacional; as de cunho progressista - Pedagogia
Libertadora e Pedagogia Crítico-social dos Conteúdos. Certamente existem outras correntes vinculadas a
uma ou outra dessas tendências, mas essas são as mais conhecidas.
Na Pedagogia Tradicional, a Didática é uma disciplina normativa, um conjunto de princípios e regras
que regulam o ensino. A atividade de ensinar é centrada no professor que expõe e interpreta a matéria. Às
vezes são utilizados meios como a apresentação de objetos, ilustrações, exemplos, mas o meio principal é a
palavra, a exposição oral. Supõe-se que ouvindo e fazendo exercícios repetitivos, os alunos "gravam" a
matéria para depois reproduzi-Ia, seja através das interrogações do professor, seja através das provas. Para
isso, é importante que o aluno "preste atenção", porque ouvindo facilita-se o registro do que se transmite, na
memória.
O aluno é, assim, um recebedor da matéria e sua tarefa é decorá-la. Os objetivos, explícitos ou
implícitos, referem-se à formação de um aluno ideal, desvinculado da sua realidade concreta. O professor
tende a encaixar os alunos num modelo idealizado de homem que nada tem a ver com a vida presente e
futura. A matéria de ensino é tratada isoladamente, isto é, desvinculada dos interesses dos alunos e dos
problemas reais da sociedade e da vida.
O método é dado pela lógica e sequência da matéria, é o meio utilizado pelo professor para
comunicar a matéria e não dos alunos para aprendê-la. É ainda forte a presença dos métodos intuitivos, que
foram incorporados ao ensino tradicional. Baseiam-se na apresentação de dados sensíveis, de modo que os
alunos possam observá-los e formar imagens deles em sua mente. Muitos professores ainda acham que
"partir do concreto" é a chave do ensino atualizado. Mas esta idéia já fazia parte da Pedagogia Tradicional
porque o "concreto" (mostrar objetos, ilustrações, gravuras etc.) serve apenas para gravar na mente o que é
captado pelos sentidos.
O material concreto é mostrado, demonstrado, manipulado, mas o aluno não lida mentalmente com
ele, não o repensa, não o reelabora com o seu próprio pensamento. A aprendizagem, assim, continua
receptiva, automática, não mobilizando a atividade mental do aluno e o desenvolvimento de suas
capacidades intelectuais.
A Didática tradicional tem resistido ao tempo, continua prevalecendo na prática escolar. É comum
nas nossas escolas atribuir-se ao ensino a tarefa de mera transmissão de conhecimentos, sobrecarregar o
aluno de conhecimentos que são decorados sem questionamento, dar somente exercícios repetitivos, impor
externamente a disciplina e usar castigos. Trata-se de uma prática escolar que empobrece até as boas
intenções da Pedagogia Tradicional que pretendia, com seus métodos, a transmissão da cultura geral, isto é,
das grandes descobertas da humanidade, e a formação do raciocínio, o treino da mente e da vontade. Os
conhecimentos ficaram estereotipados, insossos, sem valor educativo vital, desprovidos de significados
sociais, inúteis para a formação das capacidades intelectuais e para a compreensão crítica da realidade. O
intento de formação mental, de desenvolvimento do raciocínio, ficou reduzido a práticas de memorização.
A Pedagogia Renovada inclui várias correntes: a progressivista (que se baseia na teoria educacional
de John Dewey), a não-diretiva (principalmente inspirada em Carl Rogers), a ativista-espiritualista (de
orientação católica), a culturalista, a piagetiana, a montessoriana e outras. Todas, de alguma forma, estão
ligadas ao movimento da pedagogia ativa que surge no final do século XIX como contraposição à Pedagogia
Tradicional. Entretanto, segundo estudo feito por Castro (1984), os conhecimentos e a experiência da
Didática brasileira pautam-se, em boa parte, no movimento da Escola Nova, inspirado principalmente na
corrente progressivista. Destacaremos, aqui, apenas a Didática ativa inspirada nessa corrente e a Didática
Moderna de Luís Alves de Mattos, que incluímos na corrente culturalista.
A Didática da Escola Nova ou Didática ativa é entendida como "direção da aprendizagem",
considerando o aluno como sujeito da aprendizagem. O que o professor tem a fazer é colocar o aluno em
condições propícias para que, partindo das suas necessidades e estimulando os seus interesses, possa
buscar por si mesmo conhecimentos e experiências. A idéia é a de que o aluno aprende melhor o que faz por
si próprio. Não se trata apenas de aprender fazendo, no sentido de trabalho manual, ações de manipulação
de objetos. Trata-se de colocar o aluno em situações em que seja mobilizada a sua atividade global e que se
manifesta em atividade intelectual, atividade de criação, de expressão verbal, escrita, plástica ou outro tipo. O
centro da atividade escolar não é o professor nem a matéria, é o aluno ativo e investigador. O professor
incentiva, orienta, organiza as situações de aprendizagem, adequando-as às capacidades de características
individuais dos alunos. Por isso, a Didática ativa dá grande importância aos métodos e técnicas como o
trabalho de grupo, atividades cooperativas, estudo individual, pesquisas, projetos, experimentações etc., bem
como aos métodos de reflexão e método científico de descobrir conhecimentos. Tanto na organização das
experiências de aprendizagem como na seleção de métodos, importa o processo de aprendizagem e não
diretamente o ensino. O melhor método é aquele que atende as exigências psicológicas do aprender. Em
síntese, a Didática ativa dá menos atenção aos conhecimentos sistematizados, valorizando mais o processo
da aprendizagem e os meios que possibilitam o desenvolvimento das capacidades e habilidades intelectuais
dos alunos. Por isso, os adeptos da Escola Nova costumam dizer que o professor não ensina; antes, ajuda o
aluno a aprender. Ou seja, a Didática não é a direção do ensino, é a orientação da aprendizagem, uma vez
que esta é uma experiência própria do aluno através da pesquisa, da investigação.
Esse entendimento da Didática tem muitos aspectos positivos, principalmente quando baseia a
atividade escolar na atividade mental dos alunos, no estudo e na pesquisa, visando a formação de um
pensamento autônomo. Entretanto, é raro encontrar professores que apliquem inteiramente o que propõe a
Didática ativa. Por falta de conhecimento aprofundado das bases teóricas da pedagogia ativa, falta de
condições materiais, pelas exigências de cumprimento do programa oficial e outras razões, o que fica são
alguns métodos e técnicas.
Assim, é muito comum os professores utilizarem procedimentos e técnicas como trabalho de grupo,
estudo dirigido, discussões, estudo do meio etc., sem levar em conta seu objetivo principal que é levar o
aluno a pensar, a raciocinar cientificamente, a desenvolver sua capacidade de reflexão e a independência de
pensamento. Com isso, na hora de comprovar os resultados do ensino e da aprendizagem, pedem matéria
decorada, da mesma forma que se faz no ensino tradicional.
Em paralelo à Didática da Escola Nova, surge a partir dos anos 50 a Didática Moderna proposta por
Luís Alves de Mattos.
Seu livro Sumário de Didática Geral foi largamente utilizado durante muitos anos nos cursos de
formação de professores e exerceu considerável influência em muitos manuais de Didática publicados
posteriormente. Conforme sugerimos anteriormente, a Didática Moderna é inspirada na pedagogia da cultura,
corrente pedagógica de origem alemã. Mattos identifica sua Didática com as seguintes características: o
aluno é o fator pessoal decisivo na situação escolar; em função dele giram as atividades escolares, para
orientá-lo e incentivá-lo na sua educação e na sua aprendizagem, tendo em vista desenvolver-lhe a
inteligência e formar-lhe o caráter e a personalidade. O professor é o incentivador, orientador e controlador da
aprendizagem, organizando o ensino em função das reais capacidades dos alunos e do desenvolvimento dos
seus hábitos de estudo e reflexão. A matéria é o conteúdo cultural da aprendizagem, o objeto ao qual se
aplica o ato de aprender, onde se encontram os valores lógicos e sociais a serem assimilados pelos alunos;
está a serviço do aluno para formar as suas estruturas mentais e, por isso, sua seleção, dosagem e
apresentação vinculam-se às necessidades e capacidades reais dos alunos. O método representa o conjunto
dos procedimentos para assegurar a aprendizagem, isto é, existe em função da aprendizagem, razão pela
qual, a par de estar condicionado pela natureza da matéria, relaciona-se com a psicologia do aluno.
Esse autor destaca como conceitos básicos da Didática o ensino e a aprendizagem, em estreita
relação entre si. O ensino é a atividade direcional sobre o processo de aprendizagem e a aprendizagem é a
atividade mental intensiva e propositada do aluno em relação aos dados fornecidos pelos conteúdos culturais.
Ele escreve:

A autêntica aprendizagem consiste exatamente nas experiências concretas do trabalho reflexivo


sobre os fatos e valores da cultura e da vida, ampliando as possibilidades de compreensão e de
interação do educando com seu ambiente e com a sociedade. (...) O autêntico ensino consistirá no
planejamento, na orientação e no controle dessas experiências concretas de trabalho reflexivo dos
alunos, sobre os dados da matéria ou da vida cultural da humanidade. (MATTOS, 1967, pp. 72-73).
Definindo a Didática como disciplina normativa, técnica de dirigir e orientar eficazmente a
aprendizagem das matérias tendo em vista os seus objetivos educativos, Mattos propõe a teoria do Ciclo
docente, que é o método didático em ação. O ciclo docente, abrangendo as fases de planejamento,
orientação e controle da aprendizagem e suas subfases, é definido como "o conjunto de atividades exerci
das, em sucessão ou ciclicamente, pelo professor, para dirigir e orientar o processo de aprendizagem dos
seus alunos, levando-o a bom termo. É o método em ação".
Quanto ao tecnicismo educacional, embora seja considerada como uma tendência pedagógica, inclui-
se, em certo sentido, na Pedagogia Renovada.
Desenvolveu-se no Brasil na década de 50, à sombra do progressivismo, ganhando nos anos 60
autonomia quando constituiu-se especificamente como tendência, inspirada na teoria behaviorista da
aprendizagem e na abordagem sistêmica do ensino.
Esta orientação acabou sendo imposta às escolas pelos organismos oficiais ao longo de boa parte
das duas últimas décadas, por ser compatível com a orientação econômica, política e ideológica do regime
militar então vigente. Com isso, ainda hoje predomina nos cursos de formação de professores o uso de
manuais didáticos de cunho tecnicista, de caráter meramente instrumental. A Didática instrumental está
interessada na racionalização do ensino, no uso de meios e técnicas mais eficazes. O sistema de instrução
se compõe das seguintes etapas: a) especificação de objetivos instrucionais operacionalizados; b) avaliação
prévia dos alunos para estabelecer pré-requisitos para alcançar os objetivos; c) ensino ou organização das
experiências de aprendizagem; d) avaliação dos alunos relativa ao que se propôs nos objetivos iniciais. O
arranjo mais simplificado dessa seqüência resultou na fórmula: objetivos, conteúdos, estratégias, avaliação. O
professor é um administrador e executor do planejamento, o meio de previsão das ações a serem executadas
e dos meios necessários para se atingir os objetivos. Boa parte dos livros didáticos em uso nas escolas são
elaborados com base na tecnologia da instrução.
As tendências de cunho progressista interessadas em propostas pedagógicas voltadas para os
interesses da maioria da população foram adquirindo maior solidez e sistematização por volta dos anos 80.
São também denominadas teorias críticas da educação. Não é que não tenham existido antes esforços no
sentido de formular propostas de educação popular. Já no começo do século formaram-se movimentos de
renovação educacional por iniciativa de militantes socialistas. Muitos dos integrantes do movimento dos
pioneiros da Escola Nova tinham real interesse em superar a educação elitista e discriminadora da época. No
início dos anos 60 surgiram os movimentos de educação de adultos que geraram idéias pedagógicas e
práticas educacionais de educação popular, configurando a tendência que veio a ser denominada de
Pedagogia Libertadora.
Na segunda metade da década de 70, com a incipiente modificação do quadro político repressivo em
decorrência de lutas sociais por maior democratização da sociedade, tomou-se possível a discussão de
questões educacionais e escolares numa perspectiva de crítica política das instituições sociais do capitalismo.
Muitos estudiosos e militantes políticos se interessaram apenas pela crítica e pela denúncia do papel
ideológico e discriminador da escola na sociedade capitalista. Outros, no entanto, levando em conta essa
crítica preocuparam-se em formular propostas e desenvolver estudos no sentido de tomar possível uma
escola articulada com os interesses concretos do povo. Entre essas tentativas destacam-se a Pedagogia
Libertadora e a Pedagogia Crítico-Social dos Conteúdos.
A primeira retomou as propostas de educação popular dos anos 60, refundindo seus princípios e
práticas em função das possibilidades do seu emprego na educação formal em escolas públicas, já que
inicialmente tinham caráter extra-escolar, não oficial e voltadas para o atendimento de clientela adulta. A
segunda, inspirando-se no materialismo histórico dialético, constituiu-se como movimento pedagógico
interessado na educação popular, na valorização da escola pública e do trabalho do professor, no ensino de
qualidade para o povo e, especificamente, na acentuação da importância do domínio sólido por parte de
professores e alunos dos conteúdos científicos do ensino como condição para a participação efetiva do povo
nas lutas sociais (na política, na profissão, no sindicato, nos movimentos sociais e culturais). Trata-se de duas
tendências pedagógicas progressistas, propondo uma educação escolar crítica a serviço das transformações
sociais e econômicas, ou seja, de superação das desigualdades sociais decorrentes das formas sociais
capitalistas de organização da sociedade. No entanto, diferem quanto a objetivos imediatos, meios e
estratégias de atingir essas metas gerais comuns.
A Pedagogia Libertadora não tem uma proposta explícita de Didática e muitos dos seus seguidores,
entendendo que toda didática resumir-se-ia ao seu caráter tecnicista, instrumental, meramente prescritivo, até
recusam admitir o papel dessa disciplina na formação dos professores. No entanto, há uma didática implícita
na orientação do trabalho escolar, pois, de alguma forma, o professor se põe diante de uma classe com a
tarefa de orientar a aprendizagem dos alunos. A atividade escolar é centrada na discussão de temas sociais e
políticos; poder-se-ia falar de um ensino centrado na realidade social, em que professor e alunos analisam
problemas e realidades do meio sócio-econômico e cultural, da comunidade local, com seus recursos e
necessidades, tendo em vista a ação coletiva frente a esses problemas e realidades. O trabalho escolar não
se assenta, prioritariamente, nos conteúdos de ensino já sistematizados, mas no processo de participação
ativa nas discussões e nas ações práticas sobre questões da realidade social imediata. Nesse processo em
que se realiza a discussão, os relatos da experiência vivida, a assembléia, a pesquisa participante, o trabalho
de grupo etc., vão surgindo temas geradores que podem vir a ser sistematizados para efeito de consolidação
de conhecimentos. É uma didática que busca desenvolver o processo educativo como tarefa que se dá no
interior dos grupos sociais e por isso o professor é coordenador ou animador das atividades que se
organizam sempre pela ação conjunta dele e dos alunos.
A Pedagogia Libertadora tem sido empregada com muito êxito em vários setores dos movimentos
sociais, como sindicatos, associações de bairro, comunidades religiosas. Parte desse êxito se deve ao fato de
ser utilizada entre adultos que vivenciam uma prática política e onde o debate sobre a problemática
econômica, social e política pode ser aprofundado com a orientação de intelectuais comprometidos com os
interesses populares.
Em relação à sua aplicação nas escolas públicas, especialmente no ensino de I? grau, os
representantes dessa tendência não chegaram a formular uma orientação pedagógico-didática
especificamente escolar, compatível com a idade, o desenvolvimento mental e as características de apren-
dizagem das crianças e jovens.
Para a Pedagogia Crítico-Social dos Conteúdos a escola pública cumpre a sua função social e
política, assegurando a difusão dos conhecimentos sistematizados a todos, como condição para a efetiva
participação do povo nas lutas sociais. Não considera suficiente colocar como conteúdo escolar a
problemática social cotidiana, pois somente com o domínio dos conhecimentos, habilidades e capacidades
mentais podem os alunos organizar, interpretar e reelaborar as suas experiências de vida em função dos
interesses de classe. O que importa é que os conhecimentos sistematizados sejam confrontados com as
experiências sócio-culturais e a vida concreta dos alunos, como meio de aprendizagem e melhor solidez na
assimilação dos conteúdos. Do ponto de vista didático, o ensino consiste na mediação de objetivos-
conteúdos-métodos que assegure o encontro formativo entre os alunos e as matérias escolares, que é o fator
decisivo da aprendizagem.
A Pedagogia Crítico-Social dos conteúdos atribui grande importância à Didática, cujo objeto de
estudo é o processo de ensino nas suas relações e ligações com a aprendizagem. As ações de ensinar e
aprender formam uma unidade, mas cada uma tem a sua especificidade. A Didática tem como objetivo a
direção do processo de ensinar, tendo em vista finalidades sociopolíticas e pedagógicas e as condições e
meios formativos; tal direção, entretanto, converge para promover a auto-atividade dos alunos, a apren-
dizagem. Com isso, a Pedagogia Crítico-Social busca uma síntese superadora de traços significativos da
Pedagogia Tradicional e da Escola Nova. Postula para o ensino a tarefa de propiciar aos alunos o
desenvolvimento de suas capacidades e habilidades intelectuais, "mediante a transmissão e assimilação ativa
dos conteúdos escolares articulando, no mesmo processo, a aquisição de noções sistematizadas e as
qualidades individuais dos alunos que lhes possibilitam a auto-atividade e a busca independente e criativa
das noções. Mas trata-se de uma síntese superadora. Com efeito, se a Pedagogia define fins e meios da
prática educativa a partir dos seus vínculos com a dinâmica da prática social, importa um posicionamento
dela face a interesses sociais em jogo no quadro das relações sociais vigentes na sociedade. Os
conhecimentos teóricos e práticos da Didática medeiam os vínculos entre o pedagógico e a docência; fazem
a ligação entre o "para quê" (opções político-pedagógicas) e o "como" da ação educativa escolar (a prática
docente).
A Pedagogia Crítico-Social toma o partido dos interesses majoritários da sociedade, atribuindo à
instrução e ao ensino o papel de proporcionar aos alunos o domínio de conteúdos científicos, os métodos de
estudo e habilidades e hábitos de raciocínio científico, de modo a irem formando a consciência crítica face às
realidades sociais e capacitando-se a assumir no conjunto das lutas sociais a sua condição de agentes ativos
de transformação da sociedade e de si próprios.

TEXTO 6: A DIDÁTICA E AS TAREFAS DO PROFESSOR

Vimos que a Didática é a disciplina que estuda o processo de ensino tomado em seu conjunto, isto é,
os objetivos educativos e os objetivos de ensino, os conteúdos científicos, os métodos e as formas de
organização do ensino, as condições e meios que mobilizam o aluno para o estudo ativo e seu
desenvolvimento intelectual. Para isso, investiga as leis e princípios gerais do ensino e da aprendizagem,
conforme as condições concretas em que se desenvolvem. Os conhecimentos teóricos e metodológicos,
assim como o domínio dos modos do fazer docente, propiciam uma orientação mais segura para o trabalho
profissional do professor.
O trabalho docente, entendido como atividade pedagógica do professor, busca os seguintes objetivos
primordiais:
 assegurar aos alunos o domínio mais seguro e duradouro possível dos conhecimentos científicos;
 criar as condições e os meios para que os alunos desenvolvam capacidades e habilidades intelectuais de
modo que dominem métodos de estudo e de trabalho intelectual visando a sua autonomia no processo de
aprendizagem e independência de pensamento;
 orientar as tarefas de ensino para objetivos educativos de formação da personalidade, isto é, ajudar os
alunos a escolherem um caminho na vida, a terem atitudes e convicções que norteiem suas opções
diante dos problemas e situações da vida real.

Esses objetivos se ligam uns aos outros, pois o processo de ensino é ao mesmo tempo um processo
de educação. A assimilação dos conhecimentos e o domínio de capacidades e habilidades somente ganham
sentido se levam os alunos a determinadas atitudes e convicções que orientem a sua atividade na escola e
na vida, que é o caráter educativo do ensino. A aquisição de conhecimentos e habilidades implica a educação
de traços da personalidade (como caráter, vontade, sentimentos); estes, por sua vez, influenciam na
disposição dos alunos para o estudo e para a aquisição dos conhecimentos e desenvolvimento de
capacidades.
Para que o professor possa atingir efetivamente os objetivos, é necessário que realize um conjunto de
operações didáticas coordenadas entre si. São o planejamento, a direção do ensino e da aprendizagem e a
avaliação, cada uma delas desdobrada em tarefas ou funções didáticas, mas que convergem para a
realização do ensino propriamente dito, ou seja, a direção do ensino e da aprendizagem.
Para o planejamento, requer-se do professor:
 compreensão segura das relações entre a educação escolar e os objetivos sociopolíticos e pedagógicos,
ligando-os aos objetivos de ensino das matérias;
 domínio seguro do conteúdo das matérias que leciona e sua relação com a vida e a prática, bem como
dos métodos de investigação próprios da matéria, a fim de poder fazer uma boa seleção e organização
do seu conteúdo, partindo das situações concretas da escola e da classe;
 capacidade de desmembrar a matéria em tópicos ou unidades didáticas, a partir da sua estrutura
conceitual básica; de selecionar os conteúdos de forma a destacar conceitos e habilidades que formam a
espinha dorsal da matéria;
 conhecimento das características sociais, culturais e individuais dos alunos, bem como o nível de preparo
escolar em que se encontram;
 o conhecimento e domínio dos vários métodos de ensino e procedimentos didáticos, a fim de poder
escolhê-los conforme temas a serem tratados, características dos alunos;
 conhecimento dos programas oficiais para adequá-los às necessidades reais da escola e da turma de
alunos;
 a consulta a outros livros didáticos da disciplina e manter-se bem informados sobre a evolução dos
conhecimentos específicos da matéria e sobre os acontecimentos políticos, culturais etc.
Para a direção do ensino e da aprendizagem requer-se:
 conhecimento das funções didáticas ou etapas do processo de ensino; o conhecimento dos princípios
gerais da aprendizagem e saber compatibilizá-los com conteúdos e métodos próprios da disciplina;
 domínio de métodos do ensino, procedimentos, técnicas e recursos auxiliares;
 habilidade de expressar ideias com clareza, falar de modo acessível à compreensão dos alunos partindo
de sua linguagem corrente; habilidade de tomar os conteúdos de ensino significativos, reais, referindo-os
aos conhecimentos e experiências que trazem para a aula;
 saber formular perguntas e problemas que exijam dos alunos pensarem por si mesmos, tirarem
conclusões próprias;
 conhecimento das possibilidades intelectuais dos alunos, seu nível de desenvolvimento, suas condições
prévias para o estudo de matéria nova, experiências da vida que trazem;
 provimento de métodos de estudo e hábitos de trabalho intelectual independente: ensinar o manejo de
livro didático, o uso adequado de cadernos, lápis, régua etc.; ensinar procedimentos para aplicar conhe-
cimentos em tarefas práticas;
 adoção de uma linha de conduta no relacionamento com os alunos que expresse confiabilidade,
coerência, segurança, traços que devem aliar-se à firmeza de atitudes dentro dos limites da prudência e
respeito; manifestar interesse sincero pelos alunos nos seus progressos e na superação das suas
dificuldades;
 estimular o interesse pelo estudo, mostrar a importância da escola para a melhoria das condições de vida,
para a participação democrática na vida profissional, política e cultural.

Para a avaliação requer-se:


 verificação contínua do “atingimento” dos objetivos e do rendimento das atividades, seja em relação aos
alunos, seja em relação ao trabalho do próprio professor;
 domínio de meios e instrumentos de avaliação diagnóstica, isto é, colher dados relevantes sobre o
rendimento dos alunos, verificar dificuldades, para tomar decisões sobre o andamento do trabalho
docente, reformulando-o quando os resultados não são satisfatórios;
 conhecimento das várias modalidades de elaboração de provas e de outros procedimentos de avaliação
de tipo qualitativo.

Estes são alguns dos requisitos de que necessita o professor para o desempenho de suas tarefas
docentes e que formam o campo de estudo da Didática. Evidentemente, as mesmas expectativas que o
professor tem em relação ao desenvolvimento intelectual dos alunos aplicam-se a ele próprio. Não pode exigir
que os alunos adquiram um domínio sólido de conhecimentos se ele próprio não domina com segurança a
disciplina que ensina; não pode exigir dos alunos o domínio de métodos de estudo, das formas científicas de
raciocinar e de hábitos de pensamento independente e criativo, se ele próprio não os detém.
Do mesmo modo, se o professor encaminha o processo de ensino para objetivos educativos de
formação de traços de personalidade, de aquisição de princípios norte adores da conduta, de tomada de
posição frente aos problemas da realidade, também ele precisa desenvolver suas próprias qualidades de
personalidade, suas convicções.
A dimensão educativa do ensino que, como dissemos, implica que os resultados da assimilação de
conhecimentos e habilidades se transformem em princípios e modos de agir frente à realidade, isto é, em
convicções, requerem do professor uma compreensão clara do significado social e político do seu trabalho,
do papel da escolarização no processo de democratização da sociedade, do caráter político-ideológico de
toda educação, bem como das qualidades morais da personalidade para a tarefa de educar. Para além, pois,
dos requisitos profissionais específicos, é preciso uma formação teórica e política que resulte em convicções
profundas sobre a sociedade e as tarefas da educação. Tal é o objetivo de disciplinas como Filosofia da
Educação, Sociologia da Educação, História da Educação e outras. No seu trabalho cotidiano como
profissional e como cidadão, o professor precisa permanentemente desenvolver a capacidade de avaliar os
fatos, os acontecimentos, os conteúdos da matéria de um modo mais abrangente, mais globalizante. Trata-
se de um exercício de pensamento constante para descobrir as relações sociais reais que estão por detrás
dos fatos, dos textos do livro didático, dos discursos, das formas de exercício do poder. É preciso desenvolver
o hábito de desconfiar das aparências, desconfiar da normalidade das coisas, porque os fatos, os
acontecimentos, a vida do dia-a-dia estão carregados de significados sociais que não são "normais"; neles
estão implicados interesses sociais diversos e muitas vezes antagônicos dos grupos e classes sociais.
A Didática, assim, oferece uma contribuição indispensável à formação dos professores, sintetizando
no seu conteúdo a contribuição de conhecimentos de outras disciplinas que convergem para o esclarecimento
dos fatores condicionantes do processo de instrução e ensino, intimamente vinculado com a educação e, ao
mesmo tempo, provendo os conhecimentos específicos necessários para o exercício das tarefas docentes.