Você está na página 1de 20

● SIMULADO DE PORTUGUÊS

EEM MARIA NEUSA ARAÚJO MOURA


DISCIPLINA: PORTUGUÊS

DATA: 13/10/2014

(SAERO). Leia o texto abaixo e responda.

Doce bem salgado

Em restaurantes finos, sobremesas comuns têm preço de prato principal.

Foram-se os tempos em que quem pagava a conta no restaurante se preocupava


apenas com o preço do prato principal e da bebida. Agora, em casas elegantes do Rio
de Janeiro e de São Paulo, os doces podem ser a parte mais salgada da notinha. E não
se está falando, necessariamente, de sobremesas sofisticadas ou criações originais
doschefs. Uma torta de morango do Massimo, em São Paulo, abocanha 17 reais do
cliente. Só para fazer uma comparação que os donos de restaurante detestam: com
esse dinheiro é possível comprar onze caixas da fruta, com 330 moranguinhos. Ou um
filé com fritas num restaurante médio.

No Le Champs Elisées, no Rio, uma torta de maçã sai por 15 reais, mesmo preço da
torta de figo do Le Saint Honoré. “Nossos doces são elaborados e não estão na
geladeira há dois dias, como os de outros lugares”, justifica o chef Alain Raymond, do
Champs Elisées.

Disponível em: <http://veja.abril.com.br/150999/p_106a.html>. Acesso em: 25 mar.


2010.

1- No trecho “... os doces podem ser a parte mais salgada da notinha.” (ℓ. 7-8), a
expressão em destaque foi utilizada no intuito de

A) comparar os restaurantes.

B) contradizer os chefs.

C) dar clareza ao texto.

D) enfatizar a ideia anterior.

E) ironizar o preço dos doces.

------------------------------------------------------------
(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Disponível em: <http://www.monica.com.br/comics/tirinhas/tira115.htm>.

Acesso em: 26 jun. 2010.

2- No último quadrinho, a expressão “Bah!” revela que a menina ficou

A) aborrecida.

B) desolada.

C) enojada.

D) indiferente.

E) triste.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Deus sabe o que faz!

A ilustre dama, ao fim de dois meses, achou-se a mais desgraçada das mulheres; caiu
em profunda melancolia, ficou amarela, magra, comia pouco e suspirava a cada canto.
Não ousava fazer-lhe nenhuma queixa ou reprove, porque respeitava nele o seu marido
e senhor, mas padecia calada, e definhava a olhos vistos. Um dia, ao jantar, como lhe
perguntasse o marido o que é que tinha, respondeu tristemente que nada; depois
atreveu-se um pouco, e foi ao ponto de dizer que se considerava tão viúva como
dantes. E acrescentou:

– Quem diria nunca que meia dúzia de lunáticos...

Não acabou a frase; ou antes, acabou-a levantando os olhos ao teto – os olhos, que
eram a sua feição mais insinuante – negros, grandes, lavados de uma luz úmida, como
os da aurora. Quanto ao gesto, era o mesmo que empregara no dia em que Simão
Bacamarte a pediu em casamento. [...]

– Consinto que vás dar um passeio ao Rio de Janeiro.

D. Evarista sentiu faltar-lhe o chão debaixo dos pés. [...] Ver o Rio de Janeiro, para ela,
equivalia ao sonho do hebreu cativo. [...]
– Oh! mas o dinheiro que será preciso gastar! Suspirou D. Evarista sem convicção.

– Que importa? Temos ganho muito, disse o marido. Ainda ontem o escriturário prestou-
me contas. Queres ver?

E levou-a aos livros. D. Evarista ficou deslumbrada. Era um via-láctea de algarismos.

E depois levou-a às arcas, onde estava o dinheiro. Deus! eram montes de ouro, eram
mil cruzados sobre mil cruzados, dobrões sobre dobrões; era a opulência. Enquanto ela
comia o ouro com os seus olhos negros, o alienista* fitava-a, e dizia-lhe ao ouvido com
a mais pérfida das alusões:

– Quem diria que meia dúzia de lunáticos...

* médico especialista em doenças mentais.

ASSIS, Machado de. Papéis avulsos. São Paulo: Escala Educacional, 2008. Fragmento.

3- O termo destacado em “Era uma via-láctea de algarismos.” (ℓ. 33) assume, nesse
texto, o sentido de

A) beleza.

B) disposição.

C) luminosidade.

D) organização.

E) quantidade.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Turismo

A única coisa que perturba harmonia do ambiente são os turistas. Alguns. Eles não
viajam a fim de ver o mar, ouvir o vento, sentir a areia. Eles só querem mudar de
cenário para fazer as coisas que fazem sempre. E, para eles, o som é essencial. A todo
volume. Para que todos saibam que eles têm som. Nunca desembarcam de si mesmos.
Por onde vão, sua presença é uma perturbação para o espírito. Fico a me perguntar:
por que não gostam do silêncio? Acho que para eles, o silêncio é o mesmo que o vazio.
E o vazio é sinal de pobreza. Nossa cultura provocou uma transformação perversa nos
seres humanos, de forma que eles acreditam que, para estar bem, é preciso estar
acoplados a objetos tecnológicos.

ALVES, Rubem. Turismo. In: Quarto de Badulaques. São Paulo: Parábola, 2003. p. 158.
Fragmento.

4- No trecho “Nunca desembarcam de si mesmos.”, o autor usou a expressão


destacada para ressaltar que os turistas têm dificuldade de

A) conviver em harmonia.

B) mudar os hábitos.

C) respeitar o lugar.

D) sentir a paisagem.

E) transformar as pessoas.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Quanta pressa!

Como vc é apressada! Não lembra que eu disse antes de vc viajar que eu ia pra
fazenda do meu avô? Quem mandou não dar notícias antes d’eu ir pra lá?!?!?!:-O

Vc sabia. Eu avisei. Vc não presta atenção no que eu falo?

Quando ficar mais calma eu tc mais, tá legal?

:-*

Mônica

PINA, Sandra. Entre e-mails e acontecimentos. São Paulo: Salesiana, 2006. Fragmento.

5- As reduções (vc, tc) e os emoticons (:-*), usados com frequência eme-mails,


imprimem ao texto

A) agilidade.
B) clareza.

C) correção.

D) formalidade.

E) precisão.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

cultura dos sebos

O administrador André Garcia tinha 26 anos quando abandonou uma promissora


carreira na área de inteligência de mercado em operadoras de celular, no Rio. Estava
farto do mundo corporativo. Na dúvida do rumo a seguir, buscou a vida acadêmica.
Mas, ao procurar livros para um mestrado, notou uma lacuna no mercado que mudaria
sua trajetória.

Garcia não achava os títulos que queria em bibliotecas e livrarias, perdia-se nos sebos
e na falta de oferta de usados na internet. Veio então o estalo. Em um ano, lançou o
Estante Virtual, portal de compra de livros usados, que completa quatro anos com 1.670
sebos, com 22 milhões de obras reunidas.

Aos 31 anos, Garcia comanda um negócio que vende 5 mil livros diários, em 300 mil
buscas (12 buscas por segundo em horário de pico). Para ele, os sebos devem ser
valorizados como agentes de democratização da leitura. “Elas têm de estimular a
imaginação e a reflexão. Qualquer leitura não é leitura”, diz com autoridade conquistada
pelo sucesso da iniciativa inédita de intermediação. Garcia diz ser um erro achar que só
à escola cabe estimular a leitura. É desafio do país, afirma, fazê-la ser vista como
prazer. O Estante Virtual quer provar que até uma iniciativa de negócio pode fazer a sua
parte.

Língua Portuguesa, ano 4, nº 53, mar. 2010, p. 13. Fragmento.

6- No trecho “É desafio do país, afirma, fazê-la ser vista como prazer.” (ℓ. 25-26), o
pronome destacado refere-se à palavra

A) democratização.

B) leitura.

C) imaginação.
D) reflexão.

E) escola.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

História deliciosa

Nada mais gostoso que cheirinho de pão quente de manhã! Muita gente pensa assim,
em vários países, há milhares de anos. O pão foi o primeiro alimento criado pelo
homem, há cerca de

12 mil anos. Antes todos dependiam da caça e da pesca para comer.

Quando os antigos aprenderam a plantar trigo, deram um grande passo para se


desenvolver e conquistar novas terras. Descobriram que os cereais eram fáceis de
plantar, resistentes e permitiam fazer pão. No começo, os grãos eram moídos e
misturados à água e a massa assada sobre cinzas. O resultado era um pão fi no e duro,
torrado e meio sem gosto. Mas era só o começo de uma longa história.

PRIMEIRAS DELÍCIAS

Os antigos egípcios criaram o tipo de pão que conhecemos hoje. Um dia, esqueceram a
massa no sol e ela fermentou. Eles assaram e perceberam que aquele fenômeno
deixava o pão mais leve, cheio de furinhos e passaram a usar a massa fermentada. No
Egito, o pão era tão importante que servia como pagamento para os trabalhadores. E os
nobres também valorizavam esse alimento: na tumba de Ramsés III há desenhos em
relevo com o formato de pães, doces e bolos.

No Brasil, os pães chegaram trazidos pelos portugueses na época da colonização e por


muito tempo eram consumidos pelos ricos, pois o trigo era muito caro. As primeiras
padarias só surgiram

por volta de 1950, tocadas por italianos e portugueses.

Recreio. São Paulo: Abril, n. 206, p. 18-19.

7- No trecho “As primeiras padarias só surgiram por volta de 1950,tocadas por italianos
e portugueses.”, a palavra destacada adquire, no texto, o sentido de

A) aperfeiçoadas.
B) administradas.

C) contatadas.

D) orçadas.

E) tratadas.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Sobre o milho

No Brasil, a venda do vegetal tem força principalmente no caso dos enlatados, que são
utilizados, sobretudo, em saladas ou pizzas (cuidado com o sódio, inimigo do coração).
Além disso, no entanto, as grandes empresas de distribuição oferecem o alimento na
espiga, que é destinado à produção de curau ou pamonha, segundo o Centro Nacional
de Pesquisa de Milho e Sorgo da Embrapa, órgão ligado ao governo federal.

Do ponto de vista nutricional, o milho é riquíssimo em cálcio, entre outros minerais. No


contato com o fogo (pipoca), parte dos nutrientes são perdidos.

Outra função importante do milho à alimentação diária: dele, os produtores conseguem


extrair a farinha de milho e fubá, utilizados para preparo de pratos típicos brasileiros.
Ambos são ricos em amido e polissacarídeo que ajuda a fortalecer o sistema
imunológico.

O ideal é que as substâncias encontradas no milho façam parte do cardápio, mesmo


que seja de forma indireta, como na polenta ou na pamonha caseira.

Vida Natural e equilíbrio. Escala, número 19. p. 25.

8- No fragmento “Do ponto de vista nutricional, o milho é riquíssimo em cálcio, entre


outros

minerais.” (ℓ. 11-12), o uso da palavra destacada

A) acrescenta dados sobre o real valor nutricional do milho.

B) enfatiza a opinião do autor em relação à ingestão do milho.

C) evidencia exagero quanto ao valor nutricional do milho.


D) reforça a ideia do elevado valor nutricional do milho.

E) sugere a indispensabilidade do milho nas refeições diárias.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Vintage – Paulinho da Viola

Ontem, 1981

Eu aspirava a muitas coisas.

Eu temia viver à deriva.

Eu desfilava meu amor pela Portela.

Eu cantava carinhoso.

Eu escutava e não ligava.

Eu usava roupas da moda

Me alegrava uma roda de choro.

Eu pegava um violão e saía noite adentro.

Meu cavaquinho chorava quando

eu não tinha mais lágrimas.

Hoje, 2010

Eu aspiro ao essencial: uma boa saúde

Eu temo não poder navegar.

Eu desfilo meus sonhos possíveis.

Eu canto e males espanto.

Eu escuto e... “pode repetir, por favor?”


Eu uso, mas não abuso.

Me alegra um bom papo.

Eu pego o violão e procuro um cantinho.

Meu cavaquinho chora quando

surge uma melodia nova.

9- No trecho “Eu temia viver à deriva.”, a expressão destacada tem o sentido de viver
sem

A) amor.

B) conforto.

C) ideal.

D) rumo.

E) valores.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

A nova minoria

É um grupo formado por poucos integrantes. Acredito que hoje estejam até em menor
número do que a comunidade indígena, que se tornou minoria por força da dizimação
de suas tribos. A minoria a que me refiro também está sendo exterminada do planeta, e
pouca gente tem se dado conta. Me refiro aos sensatos.

A comunidade dos sensatos nunca se organizou formalmente. Seus antepassados


acasalaram-se com insensatos, e geraram filhos e netos e bisnetos mistos, o que
poderia ser considerada uma bem-vinda diversidade cultural, mas não resultou em
grande coisa.

Os seres mistos seguiram procriando com outros insensatos, até que a insensatez
passou a ser o gene dominante da raça. Restaram poucos sensatos puros.

Reconhecê-los não é difícil. Eles costumam ser objetivos em suas conversas, dizendo
claramente o que pensam e baseando seus argumentos no raro e desprestigiado bom
senso. Analisam as situações por mais de um ângulo antes de se posicionarem. Tomam
decisões justas, mesmo que para isso tenham que ferir suscetibilidades.

MARTHA, Medeiros. In: Revista O Globo. 31 jan. 2010, p. 38.

10- No trecho “Reconhecê-los não é difícil.” (ℓ. 10), o pronome destacado se refere a

A) seus antepassados.

B) bisnetos mistos.

C) seres mistos.

D) outros insensatos.

E) sensatos puros.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

A Moreninha

Depois de respirar um momento, as meninas, julgando-se sós, começaram a conversar


livremente, enquanto Augusto, com sua roupa embaixo do braço, coberto de teias de
aranha e suores frios, comprimia a respiração e conservava-se mudo e quedo, medroso
de que o mais pequeno ruído o pudesse descobrir; para seu mor infortúnio, a barra da
cama era incompleta e havia seguramente dois palmos e meio de altura descobertos,
por onde, se alguma moça olhasse, seria ele impreterivelmente visto. A posição do
estudante era penosa, certamente; por último, saltou-lhe uma pulga à ponta do nariz, e,
por mais que o infeliz a soprasse, a teimosa continuou a chuchá-lo com a mais
descarada impunidade.

– Antes mil vezes cinco sabatinas seguidas, em tempo de barracas no Campo!... dizia
ele consigo.

Mas as moças falam já há cinco minutos; façamos por colher algumas belezas, o que é,
na verdade, um pouco difícil, pois, segundo o antigo costume, falam todas quatro ao
mesmo tempo. Todavia. Alguma coisa se aproveitará.

MACEDO, Joaquim Manuel de. A Moreninha, Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 113.

11- No trecho “...por mais que o infeliz a soprasse,...” (ℓ. 14), o pronome em destaque
refere-se à

A) roupa.

B) aranha.

C) respiração.

D) pulga.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Texto

Soneca sem culpa

Juliana Tiraboschi

Todos sabem que dormir bem ajuda a manter a saúde.

Mas o sono ainda é cercado de desconhecimentos e mitos, como o de que precisamos


dormir 8 horas por dia. “Isso é mentira”, diz Marco Túlio de Mello, chefe da disciplina de
Medicina e Biologia do sono do Departamento de Psicologia da Unifesp. “Acontece que
a média da população precisa de sete horas e 40 minutos de sono para sentir-se bem,
mas há os curtos dormidores, que necessitam de menos de seis horas e meia, e os
longos, que requerem mais de 8 horas.”

A siesta é outro tema que desperta opiniões controversas.

Enquanto uns acham que cochilar depois do almoço é um merecido descanso, outros
veem a prática com pouca tolerância. Mas cada vez mais estudos vêm demonstrando
que a soneca traz benefícios físicos, como a recuperação do corpo, e mentais, como o
aumento da concentração.

“Ela é ótima para quem vai trabalhar à tarde”, diz Mello. [...]

E se alguém falar pra você que cochilo é coisa de preguiçoso, diga que um estudo da
Universidade de Harvard mostrou que sonecas diárias de 45 minutos são suficientes
para turbinar a memória e o aprendizado. Não é um ótimo argumento?

GALILEU. São Paulo: Abril. set. 2008. n. 206. p. 26. Adapatado: Reforma Ortográfica
12- No Texto, no trecho “Isso é mentira”, a palavra destacada refere-se ao trecho

A) “precisamos dormir 8 horas por dia”.

B) “a siesta é outro tema controverso”.

C) “a soneca traz benefícios físicos”.

D) “cochilo é coisa de preguiçoso”.

E) “mas a maioria se beneficiaria”.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

A hora dos ruminantes

A noite chegava cedo em Manarairema. Mal o sol se afundava atrás da serra – quase
que de repente, como caindo – já era hora de acender candeeiros, de recolher
bezerros, de se enrolar em xales. A friagem até então continuada nos remansos do rio,
em fundos de grotas, em porões escuros, ia se espalhando, entrando nas casas,
cachorro de nariz suado farejando.

Manarairema, ao cair da noite – anúncios, prenúncios, bulícios. Trazidos pelo vento que
bate pique nas esquinas, aqueles infalíveis latidos, choros de criança com dor de
ouvido, com medo do escuro. Palpites de sapos em conferência, grilos afiando ferros,
morcegos costurando a esmo, estendendo panos pretos, enfeitando o largo para
alguma festa soturna.

Manarairema vai sofrer a noite. [...]

Não se podia mais sair de casa, os bois atravancavam as portas e não davam
passagem, não podiam; não tinham para onde se mexer. Quando se abria uma janela
não se conseguia mais fechá-la, não havia força que empurrasse para trás aquela
massa elástica de chifres, cabeças e pescoços que vinha preencher o espaço.

Frequentemente surgiam brigas, e seus estremecimentos repercutiam longe,


derrubavam paredes distantes e causavam novas brigas, até que os empurrões,
chifradas, ancadas forçassem uma arrumação temporária. O boi que perdesse o
equilíbrio e ajoelhasse nesses embates não conseguia mais se levantar, os outros o
pisavam até matar, um de menos que fosse já folgava um pouco o aperto – mas só
enquanto os empurrões vindos de longe não restabelecessem a angústia. [...]
VEIGA, José J. Disponível em: <http://www.portugues.com.br/literatura>. Acesso em: 5
mar. 2012. Fragmento.

13- No trecho “... não se conseguia mais fechá-la, ...” (ℓ. 21-22), o termo destacado
refere-se à

A) noite.

B) casa.

C) janela.

D) força.

E) massa.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Pensamento positivo pode ajudar a combater doenças

[...] Já é bem aceito pela medicina que os pensamentos negativos e a ansiedade podem
nos deixar mais susceptíveis a doenças. O estresse – que é útil em pequenas doses
para preparar o corpo para a ação ou fuga – quando constante, aumenta os riscos de
diabetes e até demência.

O que os pesquisadores estão descobrindo agora é que o pensamento positivo não só


ajuda a combater o estresse, mas também têm efeitos positivos na saúde. Sentir-se
seguro e acreditar que as coisas vão melhorar pode ajudar o corpo a se curar. Uma
compilação de estudos publicada na revista de Medicina Psicossomática sugere que os
benefícios do pensamento positivo acontecem independente do dano causado pelo
estresse ou pessimismo. [...]

Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI263281-


17770,00 PENSAMENTO+POSITIVO+PODE+AJUDAR+A

+COMBATER+DOENCAS.html>. Acesso em: 8 set. 2011. Fragmento.

14- No trecho “... que é útil em pequenas doses...”, o pronome relativo em destaque
refere-se à palavra

A) ansiedade.
B) estresse.

C) fuga.

D) pensamento.

E) pessimismo.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Texto 1

Exóticos, pequenos e viciantes

Ao caminharmos pela cidade, nas alamedas e nas praças é frequente vermos pessoas
falando ao celular, gente dirigindo com uma das mãos, pessoas apertando botões e até
tirando fotos com seus aparelhos digitais. Até ouvimos os toques polifônicos diversifi
cados e altos que se confundem com as buzinas e os sons urbanos mais comuns.

O que me chama a atenção são os tamanhos, os formatos e as múltiplas funções


dessas coisas que também são úteis, quando não passam de meros badulaques teens.

Os celulares estão cada vez mais viciosos, uma coqueluche. Já fazendo analogia com a
peste, os celulares estão se tornando uma febre, [...] bem como outros aparelhos
pequenos, úteis e viciantes. [...] Tem gente que não vive sem o celular! Não fica sem
aquela olhadinha, telefonema ou mensagem instantânea, uma mania mesmo.

Interessante, uma vez, um amigo meu jornalista disse que os celulares podem ser
próteses. Bem como outro objeto, status ou droga podem ser próteses. Pode haver
gente que não têm amigos, mas tem o melhor celular, o mais moderno, uma prótese
para a vida.

Pode ser que haja gente que não seja feliz, mas tenha uma casa boa, o carro do ano, o
poder, a fama e muito dinheiro, tem próteses.

Tudo que tenta substituir o natural, o simples da vida, será prótese de uma pessoa.
Aqui, entendo natural como a busca da realização, da felicidade, do bem-estar que se
constrói pela simplicidade, pelo prazer de viver. Viver incluído no mundo digital e
moderno é legal, mas é preciso manter o senso crítico de que as coisas podem ser
pequenas, úteis e viciantes. VIANA, Moisés.

Disponível em: <http://meuartigo.brasilescola.com/psicologia/exoticos-pequenos-


viciantes.htm>. Acesso

em: 4 fev. 2012. Fragmento. *Adaptado: Reforma Ortográfica.

15- No Texto 1, no trecho “... é preciso manter o senso crítico de que as coisas podem
ser pequenas, úteis e viciantes.” (ℓ. 37), a expressão destacada enfatiza

A) a importância dos celulares na vida moderna.

B) a inferioridade dos aparelhos celulares.

C) a tecnologia presente nos aparelhos celulares.

D) uma crítica ao uso do celular e seus malefícios.

E) uma relação entre o tamanho do celular e o vício.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Disponível em: <http://home.alie.br/sites/iscafaculdades/noticia.php?id=5195>. Acesso


em: 8 jan. 2012.

16- Nesse texto, as formas verbais “Tire” e “Fique” foram usadas para expressar

A) um alerta.

B) um desejo.

C) um pedido.

D) uma ordem.

E) uma súplica.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Leitura: quem começa não para mais

Mundo Jovem: Qual a importância da leitura para os jovens?


Elisabeth Dangelo Serra: A leitura no mundo moderno é a habilidade intelectual mais
importante a ser desenvolvida e cultivada por qualquer pessoa e de qualquer idade. Os
jovens que não tiveram a oportunidade de descobrir os encantos e os poderes da leitura
terão mais dificuldades para realizar seus projetos de vida do que aqueles que
escolheram a leitura como companhia. Apesar dos atrativos atuais trazidos pelas novas
tecnologias, hoje há um número expressivo de jovens que leem porque gostam e ao
mesmo tempo são usuários da internet.

Aqueles que são leitores têm muito mais chances de usufruir da internet do que aqueles
que não têm contato com a leitura de livros, jornais e revistas. Contudo é a leitura
literária que alimenta a imaginação, a fantasia, criando as condições necessárias para
pensar um projeto de vida com mais conhecimento sobre o mundo, sobre as coisas e
sobre si mesmo.

Uma mensagem: nunca é tarde para começar a ler literatura. Portanto aqueles que não

trilharam esse caminho, e desejarem experimentar, vale a pena tentar.

Mundo Jovem: Como nos tornamos leitores, como desenvolvemos o gosto pela leitura?

Elisabeth Dangelo Serra: Só há uma maneira de nos tornarmos leitores: lendo. E essa
atitude é cultural, ela não nasce conosco, tem que ser desenvolvida e sempre
alimentada.

O entorno cultural em que a pessoa vive é determinante para que a habilidade de ler
tenha chances de crescer. Ela é fruto do exemplo e das oportunidades de contato com
a cultura letrada, em suas diversas formas. O exemplo e as oportunidades são criados
por adultos que estão próximos às crianças e aos jovens.

Disponível em: <http://www.mundojovem.pucrs.br/entrevista-03-2009.php>. Acesso em:


15 abr. 2011. Fragmento.

17- No trecho “... tem que ser desenvolvida e sempre alimentada.” (ℓ. 34), a palavra
destacada assume no contexto o sentido de

A) aperfeiçoada.

B) apreciada.

C) avaliada.

D) exercitada.
E) sustentada.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Disponível em: <http://www.messa.com.br/eric/ecode/labels/social%20media.html>.


Acesso em: 9 out. 2012.

18- Nesse texto, no trecho “Dê uma voltinha de carro com o barbeiro”, a palavra
destacada tem o sentido de

A) pessoa que coleciona carros.

B) pessoa que dirige mal.

C) pessoa que usa barba ou bigode.

D) profi ssional que trabalha com carros.

E) profi ssional que faz barba e cabelo.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Antes e depois

O salão entornava luz pelas janelas. No sofá, bocejava a boa [...] D. Maria, digerindo
sonolentamente o quilo do jantar. O seu digno consorte, o desembargador, apreciava o
fresco da noite à janela, sugando com ruído a fumaça de um havana, com os olhos nos
astros e as mãos nas algibeiras. Perto do piano, arrulavam à meia-voz Belmiro e
Clara... Já se sabe: dois pombinhos...

O Belmiro estudava; tinha futuro, portanto; Clara... tocava e cantava...

II

– Belmiro, disse o desembargador, atirando à rua a ponta do charuto, manda Clara


cantar...

– Cante, D. Clara, pediu Belmiro.


Clara cantou... Cantou mesmo? Não sei. Mas as notas entraram melífluas pelos ouvidos
de Belmiro e foram cair-lhe como açúcar no paladar do coração...

– Esplêndido! Esplêndido! dizia ele, fazendo chegar a umidade do hálito à face rosada
da meiga Clarinha...

O desembargador olhava outra vez para os astros...

III

Rola o tempo...

Numa casinha modesta de S. Cristóvão, mora o Dr. Belmiro com sua senhora D.
Clara...

Os vizinhos dizem cousas... ih!

IV

– Como vais, Belmiro?

– Mal!

– Mal?... disseram-me que te casaste com a tua Clarinha...

– Sim! Sim!... mas, queres saber... de amor ninguém vive; é de feijões...

– Então...

– Devo até a roupa com que me cubro!...

– E o dote?

– Ah! Ah! Adeusinho...

É noite.

D. Clara está ao piano. Um vestido enxovalhado escorre-lhe da cintura abaixo, sem um


enfeite. D. Clara está magra. No chão arrasta-se um pequenote de um ano, com uma
camisolinha [...] amarrada em nós sobre o cóccix.

Clara toca; e não canta, porque tem os olhos vermelhos e inflamados...


O Dr. Belmiro vem da rua zangado.

– Não sei o que faz a senhora, gastando velas a atormentar-me!... Mande para o diabo
as suas músicas e vá-se com elas!

POMPEIA, Raul. A comédia. São Paulo, n. 66, 21 maio 1931. Disponível em:
<http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.

br/conteudo/raul_pompeia/antesedepois.htm>. Acesso em: 3 fev. 2012. Fragmento.

19- No trecho “... gastando velas a atormentar-me!” (ℓ. 51-52), o pronome destacado
refere-se

A) à D. Clara.

B) à D. Maria.

C) ao desembargador.

D) ao Dr. Belmiro.

E) ao pequenote.

------------------------------------------------------------

(SAEPE). Leia o texto abaixo e responda.

Carta de Leitor

Enaltecer a habilidade literária de Lya Luft seria “chover no molhado”. Eu a acompanho


sempre, pois creio que ela é detentora da qualidade de que almejo um dia chegar
próximo, e de hoje coloco em crônicas num blog cujo foco são o otimismo e a
esperança. Por esse motivo, o artigo de Lya tocou-me mais do que nunca,
especialmente porque sempre se percebe nela a preocupação em desfazer a opinião de
alguns que a qualificam como mal-humorada, ranzinza e saudosista. Lya, no meu modo
de ver, é realista, perspicaz, observadora e analista da realidade. No presente artigo,
nesse momento em que passamos a ver uma tênue luz no fim do túnel mundial, ela
aponta e vislumbra a luminosidade sobre todos os entraves que impedem o brasileiro e
o ser humano universal de viver com um mínimo de dignidade. Ainda é possível mudar.

Teodoro Uberreich

Veja, Ilha Bela, SP, 2 nov. 2011.


20- No Texto 2, o autor usou a expressão “‘chover no molhado’” (ℓ. 2) para expressar

A) admiração.

B) entusiasmo.

C) frustração.Veja, Ilha Bela, SP, 2 nov. 2011.

D) ironia.

E) monotonia.