Você está na página 1de 75

Transformadores real

Prof. Msc. José Batista


Transformador

2
Prof. José Batista
Transformador real

E1 = Tensão induzida no primário R1 = Resistência no primário


E2 = Tensão induzida no secundário R2 = Resistência no secundário
V1 = Tensão terminal primário X1 = Reatância de dispersão no primário
V2 = Tensão terminal secundário X2 = Reatância de dispersão no secundário
I1 = Corrente no primário Im e Xm = Corrente e reatância de magnetização
I2 = Corrente no Secundário IC e RC = Corrente e resistência considerando as
I0 = Corrente a vazio (primário) perdas no núcleo.

3
Prof. José Batista
Transformador real
• Transformador ideal cargas elétricas.

4
Prof. José Batista
Conversão de energia
Transformador

E12
Rc  : representa as perdas no núcleo
Pc
E12
Xm  : reatância de magnetizaç ão (produz o fluxo)
Qm
Pc : perdas no núcleo (ferro) em W
Qc : potência reativa necessária para produzir o fluxo mútuo em VAr

Prof. José Batista


Transformador

 E1  V1  Z1 I1 𝐼1 = 𝐼∅ + 𝐼2′



 E2  V2  Z 2 I2

6
Prof. José Batista
Transformador
Refletindo as quantidades do secundário para o primário.

Em que: V2  aV2



  I2
I2 
 a
 R  a 2 R
 2 2

 X 2  a 2 X 2
7
Prof. José Batista
Transformador a vazio
• Como Iφ << I1 pode-se desprezar o ramo de magnetização entre 2 a 5%;
• O fator de potência de um transformador a vazio é em torno de 0,2.

I1 R1 X1 I I2 R2 X 2 I2


Ic Im
V1 Rc

X m E1 E 2 V2 𝑃
𝐹𝑃 =
𝑆
𝑆= 𝑃2 + 𝑄2
I1 R1 X1 R2 X 2 I2

V1 E1 E 2 V2

8
Prof. José Batista
Transformador sem ramo de magnetização
• Podemos então termos o transformador representado no primário ou secundário.

(a) Referido ao lado primário; (b) referido ao lado secundário;

9
Prof. José Batista
Transformador sem ramo de magnetização
• Como Iφ << I1 pode-se desprezar o ramo de magnetização, sendo os transformador possuem
ramos de magnetização com corrente de 2-3% da corrente nominal do transformador:

(c) sem ramo de excitação, referido ao lado primário; (d) sem ramo de excitação, referido ao lado secundário

10
Prof. José Batista
Determinação dos parâmetros do circuito equivalente

Os parâmetros do circuito equivalente podem ser determinados através de dois testes


chamados:

• Ensaio em vazio
• Ensaio de curto-circuito.

Prof. José Batista


Transformador Ensaio em vazio
Ensaio em vazio:
• No teste em vazio, o lado de alta tensão do transformador é deixado em aberto e uma tensão nominal
na freqüência nominal é aplicada no lado de baixa tensão.
• Usualmente, a tensão nominal é aplicada ao lado de baixa tensão no teste em vazio por este ter um
menor valor de tensão nominal.
• Então, mede-se a tensão, a corrente e a potência ativa nos terminais do lado de baixa tensão.
• Neste caso, a corrente do lado de baixa tensão é composta somente pela corrente de excitação.

12
Prof. José Batista
Determinação dos parâmetros do circuito equivalente à vazio
W A
R1  R2 X1  X 2 I2 I2 Pcc I cc
Req  R1  R2 V2 V2 Vcc V
Rc Xm
X eq  X 1  X 2

 Portanto temos:  V02


 Rc  P
 0

 V0
I c  R
 c
I  I 2  I 2
 m 0 c

 V0
X m  I
 m

Prof. José Batista


Determinação dos parâmetros ensaio de curto-circuito
• Teste em curto-circuito:
• No teste de curto-circuito, o lado de baixa tensão é curto-circuitado e a tensão aplicada ao lado de alta
tensão é gradualmente aumentada até se obter a corrente nominal no lado de alta tensão, normalmente
entre 3 a 7% da tensão do primário.
• Usualmente, uma corrente nominal é aplicada ao lado de alta tensão no teste de curto-circuito por este
ter um menor valor de corrente nominal
• Então, mede-se a tensão, a corrente e a potência ativa nos terminais do lado de alta tensão.
• Visto que foi curto-circuitado o lado de baixa tensão o ramo de excitação pode ser desprezado.

Prof. José Batista


W A
R1  R2 X1  X 2 I2 I2 Pcc I cc
Req  R1  R2 V2 V2 Vcc V
Rc Xm
X eq  X 1  X 2

• Portanto temos:  2 Pcc


 Req  a I 2
 cc

 2 Vcc
Z eq  a
 I cc
 X  Z 2  R2
 eq eq eq

Prof. José Batista


Exemplo ensaio em vazio e curto circuito

A partir de testes realizados em um transformador monofásico de 10 kVA,


2200/220 V, 60 Hz, os seguintes resultados são obtidos:

Ensaio em vazio Ensaio de curto-circuito


Voltímetro: 220 V 150 V
Amperímetro: 2,5 A 4,55 A
Wattímetro: 100 W 215 W

(a) calcule os parâmetros dos circuito equivalente referidos ao lado de baixa e alta
tensão.
(b) expresse a corrente de excitação em termos da corrente nominal.

Prof. José Batista


Exemplo ensaio em vazio e curto circuito
O teste de curto-circuito foi realizado aplicando-se tensão no lado de alta tensão até
obter corrente nominal (10 kVA/2.2 kV = 4,55 A). Assim, temos: Im<<I1

Pcc 215
Pcc  2
Req I cc  Req  2
 2
 10,4 
I cc 4,55
Vcc 215
Z eq    32,97 
I cc 4,55
X eq  Z eq
2
 Req
2
 32,97 2  10,4 2  31,3 
Referido ao lado de alta:
Req = 10,4  e Xeq = 31,3 
Referido ao lado de baixa
(a = VL/VH = 220/2200 = 0,1):
Req = 0,104  e Xeq = 0,313 
Prof. José Batista
Exemplo ensaio em vazio e curto circuito
(a) O teste em vazio foi realizado aplicando-se tensão nominal ao lado de baixa tensão. Assim,
temos:

- Perdas no núcleo: - Corrente de magnetização:

P0 
V02
 Rc 
V02 220 2
  484 
I  I 0  2,5 A
Rc P0 100
I m  I2  I c2  2,52  0,45 2  2,46 A
- Corrente de perdas:

V0 220 - Reatância de magnetização:


Ic    0,45 A
Rc 484 V0 220
Xm    89,4 
I m 2,46
Referido ao lado de baixa:
Rc = 484  e Xm = 89,4 
Referido ao lado de alta (a = VH/VL = 2200/220 = 10):
Rc = 48.400  e Xm = 8.940 
Exemplo ensaio em vazio e curto circuito
Referido ao lado de baixa:
10,4  31,3 

48.400  8.940 

Referido ao lado de baixa:


0,104  0,313 

484  89,4 

Prof. José Batista


Um transformador abaixador trifásico de 15000kVA, 60Hz, 2300V/230V, tem os seguintes
parâmetros: r1 = 4,45Ω, Xl1 = 6,45jΩ ;r2 = 0,0445 e xl2=0,0645jΩ. Quando o transformador é
usado como abaixador e está com carga nominal, calcule:
a) As correntes nominais no secundária.
b) Calcule a regulação de tensão a plena carga para o fator de potência de 0,8 atrasado, o
fator de potência 1,0 e o fator de potência 0,8 adiantado.

I1 R1 X1 I I2 R2 X 2 I2


Ic Im
V1 Rc

X m E1 E 2 V2

20
Prof. José Batista
Plena carga para o fator de potência de 1

21
Prof. José Batista
Plena carga para o fator de potência de 0,8 atrasado

22
Prof. José Batista
Plena carga para o fator de potência de 0,8 adiantado

23
Prof. José Batista
Regulação de tensão

• Um dos critérios de desempenho de um transformador projetado para suprir potência


com tensão aproximadamente constante para uma carga é o de regulação de tensão.
• Tal critério indica o grau de constância da tensão de saída quando a carga é variada.
• A regulação de tensão do transformador é definida como sendo a variação da tensão
do secundário em condições de plena carga e em vazio, tomada como porcentagem
da tensão a plena carga, com tensão do primário mantida constante, ou seja:

V2, vazio  V2,plena carga


Regulação em %  100
V2,plena carga

Prof. José Batista


Regulação de tensão

Prof. José Batista


Regulação de tensão – Tensão na carga

Adiantado

Em Fase

Atrasado

Prof. José Batista


Regulação de tensão - Plena carga para o fator de potência de 1

Tensão

Prof. José Batista


Regulação de tensão Plena carga para o fator de potência de 0,8 atrasado

Tensão

Prof. José Batista


Regulação de tensão Plena carga para o fator de potência de 0,8 adiantado
A ferro-ressonância é um fenômeno não-linear complexo,
ocasionado por um circuito capacitivo ressonante, com
indutores não lineares presentes em transformadores e que
Tensão
provoca sobretensões.
Exemplo: Banco de capacitores fixos ligados em
transformadores a vazio.

Prof. José Batista


Rendimento
• O rendimento de um transformador pode ser definido por.
PENTRADA PSAIDA
P PSAIDA TRAFO
  SAIDA 
PENTRADA PSAIDA  PPERDAS
PPERDAS = PENTRADA  PSAIDA

• As perdas no transformador incluem:


 Perdas no núcleo (ferro) – PC (perdas por correntes parasitas e perdas por histerese), podem ser
determinadas pelo teste em vazio, ou a partir dos parâmetros do circuito equivalente.
 Perdas no cobre – PCu (perdas ôhmicas), podem ser determinadas se os parâmetros do
transformador forem conhecidos (corrente nos enrolamentos e resistência dos enrolamentos)

PSAIDA PSAIDA
 
PENTRADA PSAIDA  PC  PCu

• Os transformadores são construídos para serem máquinas com elevada eficiência, algo entre 96 e 99%.
30
Prof. José Batista
Perdas no Cobre

As perdas no cobre são, portanto, proporcionais ao quadrado da corrente de carga.


31
Prof. José Batista
Perdas no Núcleo

As perdas no núcleo são, portanto, proporcionais ao quadrado da tensão aplicada


32
Prof. José Batista
Rendimento

PSAIDA PSAIDA
 
PENTRADA PSAIDA  PC  PCu

33
Prof. José Batista
Rendimento máximo

Rendimento máximo
ocorre quando as perdas no núcleo se igualam às perdas no cobre.

34
Prof. José Batista
Rendimento

35
Prof. José Batista
Transformador corrente a vazio
• Valores Garantidos de Perdas, Correntes de Excitação e Tensões de Curto-
Circuito em Transformadores Trifásicos de Tensão Máxima do Equipamento de
15 kV - WEG

36
Prof. José Batista
Transformador corrente a vazio

37
Prof. José Batista
Transformador valores em PU
Valor de base

2202
Zbp = = 4,84Ω
Vb2 10000
Zb = 1272
Pb
Zbs = = 1,613Ω
10000

Valor real
Zrp = Zb . Z% = 4,84. 0,0453 = 2.192Ω
Zrs = Zb . Z% = 1,613.0,0453 = 0.073Ω
38
Prof. José Batista
Transformador valores em PU
Um transformador abaixador trifásico de 15kVA, 60Hz, 2300V/230V, tem os seguintes parâmetros: r1 = 4,45Ω, Xl1 =
6,45jΩ;r2 = 0,0445 e xl2=0,0645jΩ. Determine impedância percentual do transformador.

Valor de base Valor real


R rp = Zb . R% Xrp = Zb . R%
Zrp = Zb . Z%
0,0445 = 3,629. R% 0,0645 = 3,629. Xrp%
R rp = Zb . R% 0,0445 0,0645
R% = . 100 = 1,22% Xr% = . 100 = 1,77%
3,629 3,629
Xrp = Zb . X%
Z% = 1,222 + 1,772 = 2,15% 𝑈𝑐𝑐
Vb2 2302 Z% = . 100
𝑈𝑝
Zb = = =3,629 In = =
S 15000
= 65A
Pb 15000 U 230

1 1
𝐼𝑐𝑐 = . 𝐼𝑛 = . 65 = 3023𝐴
𝑍% 2,15%
39
Prof. José Batista
Polaridade
TRANFORMADOR DE POTENCIAL TRANFORMADOR DE CORRENTE

40
Prof. José Batista
Polaridade de transformador trafos iguais

41
Prof. José Batista
Polaridade

42
Prof. José Batista
Polaridade

Polaridade aditiva

Fio enrolado

Fio enrolado

43
Prof. José Batista
Polaridade

44
Prof. José Batista
Polaridade

45
Prof. José Batista
Polaridade nbr5356/1993

46
Prof. José Batista
Polaridade de transformador

Observe
O sentido,
Troca de sentido de entrada na bobina invertido

47
Prof. José Batista
Polaridade soma de transformadores

Observe o
gráfico
Acima a tensão
Troca de sentido de entrada na bobina
somou,
o gráfico abaixo
subtraiu

48
Prof. José Batista
Ensaio de polaridade – Golpe indutivo

Ao ligar a fonte CC no primário do transformador, se V1 defletir positivamente,


observar a deflexão de V2 ao desligar:
• Se V2 defletir negativamente, a polaridade é subtrativa.
• Se V2 defletir positivamente, a polaridade é aditiva.

49
Prof. José Batista
TAP

50
Prof. José Batista
TAP
• Os transformadores são projetados para certas tensões nominais primárias e
secundárias. Porém, devido à existência de flutuações de tensão nos circuitos
alimentadores, o enrolamento primário poderá receber para maior ou menor
o valor tensão nominal e isto comprometerá a tensão do secundário ao longo
do dia.
• Por definição, temos que o comutador de derivações é um dispositivo que
permite alterar a relação de espiras de um transformador, pela modificação
das derivações de um mesmo enrolamento (NBR 5458/81).
• Para que a tensão do secundário se mantenha aproximadamente constante,
mesmo com variações da tensão primário, muitos transformadores são
dotados de derivações ou TAP´S no enrolamento de alta tensão.

51
Prof. José Batista
TAP
• Para que a tensão do secundário se mantenha aproximadamente
constante, mesmo com variações da tensão primário, muitos
transformadores são dotados de derivações ou TAP´S no enrolamento de
alta tensão.

• O comutador é instalado no enrolamento de AT pois o mesmo possui


menor corrente nominal que o enrolamento de BT e com isto ocorrem
menos problemas decorrentes de contato (queda de tensão e efeito
joule).

52
Prof. José Batista
TAP
14400V

13800V 380/220V

13200V

12600V

53
Prof. José Batista
TAP

54
Prof. José Batista
TAP

55
Prof. José Batista
TAP

56
Prof. José Batista
TAP
Os comutadores de tap são utilizados para mudar as relações de tensões do
transformador e podem ser classificados em dois tipos:
• Comutadores de Derivações sem Tensão (CDST)
• Comutadores de Derivações em Carga (CDC)

57
Prof. José Batista
TAP
Selecionar ligações das derivações dos enrolamentos com o transformador
DESENERGIZADO.
Tipos construtivos:
- Linear
- Circular

58
Prof. José Batista
TAP

59
Prof. José Batista
TAP

60
Prof. José Batista
TAP

61
Prof. José Batista
TAP

62
Prof. José Batista
TAP

63
Prof. José Batista
TAP

64
Prof. José Batista
TAP
Está chegando uma tensão no secundário de 363V em um transformador com potência em KVA com 13.8/0.38kV
em tensão nominal, qual serio o TAP a ser colocado para retornar a ter 380V no secundário?

𝑉𝑝
𝛼=
𝑉𝑠
13800
𝛼= = 36,31
380
𝑉𝑝
36,31 =
363

𝑉𝑝 = 363 ∗ 36,31 = 13.180V

Tap: 2
65
Prof. José Batista
TAP
Princípios de Operação conforme limitador de corrente:
• Comutador com Reator (projeto norte-americano);
• Comutador com Resistor (projeto europeu).

66
Prof. José Batista
Um transformador de 250 kVA, 13,8/0,44 kV, 60 Hz, apresenta os seguintes parâmetros de circuito
equivalente: r1=3 Ω, x1=30 Ωj, r2 = 3 m Ω, x2 = 0,031 Ω j, rP = 90 k Ω e xM = 20 k Ω . Desenhe o circuito
equivalente referido ao primário deste transformador, indicando os valores das tensões, correntes e
parâmetros e calcule para a potência nominal com fator de potência 0,86 indutivo. Determine a tensão e a
corrente no primário e secundário.

I1 R1 X1 I I2 R2 X 2 I2


Ic Im
V1 Rc

X m E1 E 2 V2

67
Prof. José Batista
68
69
P1

70
P1

71
72
73
Um transformador alimentado à entrada com E1 = 220 V, com relação de
espiras 2:1, resistência de núcleo RC = 6,9KΩ, reatância de magnetização XM =
3,9KΩ, alimenta na sua saída uma carga indutiva de S= 60VA e 0,7 de fator de
potência. Qual as perdas do transformador?

74
Prof. José Batista
O circuito mostrado na Figura abaixo representa a modelagem de um transformador

P1 monofásico operando em regime permanente. A tensão nominal no lado primário (conexões


H1 e H2) é de 1.000 V, enquanto a tensão nominal no lado secundário (conexões X1 e X2) é de
200 V. A resistência e a reatância de dispersão do enrolamento primário valem 5 Ω e j2,5 Ω ,
respectivamente, assim como a resistência e a reatância de dispersão do enrolamento
secundário valem 0,2 Ω e j0,1 Ω, respectivamente. Os parâmetros referentes à magnetização
e às perdas no núcleo foram desprezados. A potência nominal do transformador é de 4 kVA.

Uma impedância z = (6 + j6,2) O foi conectada nos terminais do secundário


do transformador e este foi energizado com tensão nominal nos terminais
do primário, qual a corrente no secundário e a regulação necessária para
75
manter 200V