Você está na página 1de 162

Programação básica em ambiente CoDeSys.

e
Galileo.
Proibida a reprodução total ou parcial deste material, por
qualquer meio ou processo sem expressa autorização por escrito
da EATON Ltda. Electrical – Divisão Electrical PDO.

A violação dos direitos autorais é crime, podendo cominar em


pena de prisão e/ou multa, conjuntamente com busca e
apreensão do material, sem prejuízo das indenizações civis (de
acordo com o artigo 184 e parágrafos do Código Penal Brasileiro
c/c a Lei nº 9.610/98, Lei dos Direitos Autorais).

As informações contidas nesta apostila correspondem ao estado


atual da técnica e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Os programas de exemplo contidos nesta apostila são para


efeitos didáticos, a EATON não se responsabiliza por quaisquer
danos e/ou acidentes que a utilização indevida destes softwares
venha a causar.

A participação e/ou aquisição do treinamento não dá nenhum


direito ao participante sobre os softwares utilizados durante o
treinamento, incluindo cópias, versões de demonstração e/ou
versões originais.

O treinamento tem como base a utilização de produtos EATON.

A EATON não se responsabiliza por quaisquer adaptações,


conversões e/ou utilização dos conceitos contidos nesta apostila
com produtos de outra fabricação.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 2


Página: 2
INDEX:

Conceitos de Hardware. ......................................................................................... 5


Unidade Central de Processamento (UCP ou CPU) ........................................... 6
Entradas e Saídas de um CLP. ........................................................................... 6
Família de CLP’s EATON ....................................................................................... 8
Linha Easy Control (EC4P) ................................................................................. 8
Linha XControl..................................................................................................... 9
Linha XVision .................................................................................................... 12
Linha de I/Os remotos XI/ON. ........................................................................... 16
Trabalhando com o IOassistant. ................................................................... 18
Conceitos da IEC 61131-3. .................................................................................. 25
Introdução à declaração de variáveis e tipos de variáveis. ............................... 25
Declaração de variáveis com endereçamento físico. ........................................ 26
Variáveis booleanas. ..................................................................................... 27
Variáveis numéricas. ..................................................................................... 27
Variáveis do tipo Texto. ................................................................................. 28
Variáveis do tipo Data e Tempo. ................................................................... 29
Exemplo de uma declaração de variáveis ..................................................... 30
Declaração de variáveis Locais e Globais ............................................................ 30
Variável Local .................................................................................................... 30
Variável Global .................................................................................................. 30
As linguagens de programação. ........................................................................... 31
Linguagem Ladder (LD)..................................................................................... 31
Linguagem em Blocos de Função (FBD)........................................................... 31
Linguagem em Lista de Instruções. (IL). ........................................................... 32
Linguagem Estruturada ou (ST). ....................................................................... 32
Programação em Linguagem Sequencial (SFC) ............................................... 32
Ambiente de programação CoDeSys. .................................................................. 33
INICIANDO O SOFTWARE .................................................................................. 34
Criando um novo Projeto ...................................................................................... 36
Configurando Hardware XV100............................................................................ 38
Trabalhando com IHM+CLP. ............................................................................. 38
Trabalhando com IOs remotos. ......................................................................... 39
Configurando Hardware XC100/XC200 ............................................................... 44
COMEÇANDO A PROGRAMAR .......................................................................... 48
COMPILANDO O PROGRAMA............................................................................ 55
SIMULANDO O PROGRAMA .............................................................................. 55
Forcando variáveis pela configuração do XC100/200 ....................................... 59
CRIANDO TELAS DE SIMULAÇÃO ................................................................. 60
TRABALHANDO COM BREAK POINTS E CONTROLADORES DE CICLO .... 69
Comunicação em Ethernet com IHM+CLP........................................................... 73
Verificar e ajustar o endereço de IP da IHM ...................................................... 75
Cabo de Ethernet .............................................................................................. 76
Testar a conexão Ethernet ................................................................................ 76
O primeiro programa do CLP da IHM ................................................................... 77
Pontos de licença para funcionamento do CLP................................................. 77
Instalação do programa de execução do CLP na IHM ...................................... 77

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 3


Página: 3
Executar a instalação na plataforma do Windows: ............................................ 77
TRANSFERINDO O PROGRAMA ....................................................................... 82
Transferência do programa via rede Ethernet ................................................... 82
Transferência do programa via rede serial ........................................................ 84
Alterações ONLINE .............................................................................................. 86
Create Boot Project .............................................................................................. 86
Sourcecode Download ......................................................................................... 87
Upload do programa do CLP ................................................................................ 88
IMPORTANDO BIBLIOTECAS............................................................................. 90
Utilizando Bibliotecas no projeto ....................................................................... 91
Utilizando instruções de comparação e operações matemáticas ......................... 91
Exemplo de inserção de operados .................................................................... 92
Funções de conversão de operadores ................................................................. 94
Exemplo de inserção de funções de conversão de operadores ........................ 94
Programação do CLP da IHM com o XSoft-CoDeSys-2 ...................................... 95
Download do programa para o CLP no dispositivo .............................................. 98
Configuração do arquivo de símbolos ................................................................ 100
O primeiro projeto no GALILEO ......................................................................... 106
Criando um novo projeto ................................................................................. 106
Selecionar o modelo da IHM ........................................................................... 107
Selecionar o CLP ............................................................................................ 108
Criar Tela......................................................................................................... 110
Objetos da barra de ferramentas........................................................................ 111
Importar Tag’s .................................................................................................... 146
Gerar objeto de exibição .................................................................................... 152
Compilar o projeto .............................................................................................. 154
Simulação do projeto no PC ............................................................................... 155
Download do Projeto para IHM .......................................................................... 156
Iniciar o FTP-Server na IHM ............................................................................ 156
Caminho para gerar o FTP no GALILEO ........................................................ 157
Download do projeto da IHM .............................................................................. 159
Upload do programa da IHM ........................................................................... 162

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 4


Página: 4
Conceitos de Hardware.
O CLP, Controlador Lógico Programável, também conhecido como PLC,
Programming Logical Controller é um equipamento eletrônico composto de:

Unidade Central de Processamento.


Memória
Interface de entrada e saída, ou IO (Input, Output)

O CLP, ou o controlador programável, é um equipamento utilizado para


automação de processos eletromecânicos, tais como o controle de máquinas em
linhas de montagem, parques de diversões, controle de luminárias, etc... Ao
contrário dos computadores de uso geral, o CLP foi concebido para possuir várias
entradas e saídas, suportabilidade térmica elevada, imunidade a ruídos elétricos e
resistência à vibração e impacto.
Os programas para controlar a operação da máquina são normalmente
armazenados em memória alimentada por bateria ou então em memórias não
voláteis.
O CLP é um sistema de tempo real, que altera as suas saídas conforme as
condições de suas entradas e de suas memórias internas.

Na década de 60 os antigos painéis de controle possuíam quilômetros e


quilômetros de fios e, em alguns casos, mais de 500 temporizadores analógicos,
500 contadores e um número de relês auxiliares acima de 2000 unidades.

Próximo a 1968, na indústria automotiva, surgiu uma necessidade de se


alterar as grandes linhas de montagem, devido às frequentes alterações em
modelos dos automóveis, adequação de linhas de montagens, etc.
Era necessário algo que reduzisse o tempo de alteração destes painéis. A
solução foi criar um controlador, capaz de executar algumas lógicas simples,
realizar rotinas de temporização e de contagem internamente e que pudesse ser
reprogramado quando necessário.

Hoje os CLP’s concentram mais recursos em sua CPU do que cinco mil
temporizadores, cinco mil contadores, além de possuírem recursos para controles
PID, posicionamento, lógica Fuzzy, gerenciamento de banco de dados, redes de
comunicação, etc.

Algumas coisas, no entanto, permanecem as mesmas.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 5


Página: 5
Unidade Central de Processamento (UCP ou CPU)

A UCP, ou CPU, é o cérebro do CLP, é responsável pela execução do


programa do usuário, leitura e escrita das memórias, acesso aos dados das
entradas e saídas. Apesar de parecer complexo, a CPU tem um funcionamento
bastante simples.

Assim que ligamos a


CPU esta executa um auto
teste, verifica a integridade
do hardware e do software,
executa algumas funções do
sistema e etc...
Logo em seguida lê todas as
entradas, digitais e
analógicas, alocando seus
valores em uma memória de
imagem. Logo em seguida a
CPU começa a executar o
programa do usuário.
Tomando como base
a memória de imagem das
entradas a CPU executa as
lógicas do programa alocando o resultado das mesmas em uma memória de
imagem de saída.
Assim que o programa chega ao final, a CPU aloca a memória de imagens
de saídas nas saídas físicas propriamente ditas, analógicas e/ou digitais. Quando
o processo encerra a CPU retorna para as rotinas de auto teste, funções do
sistema e tudo recomeça. Normalmente o tempo de ciclo de uma CPU gira em
torno de alguns milésimos de segundo.

Entradas e Saídas de um CLP.

As saídas e entradas de um CLP podem ser digitais ou analógicas.


Digital ou sinais discretos se comportam como interruptores, possuem apenas
dois estados definidos, Ligado ou desligado.
Em entradas digitais por exemplo ligamos, botões, fim de curso, sensores
fotoelétricos, sensores indutivos, etc...
Nas saídas digitais ligamos, sinaleiros, contatores, válvulas solenoides,
etc...
Os sinais analógicos são como os controles de volume, possuem um
intervalo de valores entre o valor mínimo e o máximo.
Em entradas analógicas, por exemplo, ligamos sensores de temperatura,
sensores de pressão, tacogeradores, etc...
Em saídas analógicas ligamos, válvulas proporcionais, dimmers, inversores
de frequência (Que controlam a velocidade do motor de 0 a 100%), etc...

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 6


Página: 6
Os sinais digitais ainda podem ser do tipo “Trem de pulsos” ou “Sinal de
alta frequência”. Alguns equipamentos, como por exemplo os encoders, geram
um sinal de liga e desliga conforme giramos seu eixo. Conforme a velocidade em
que este liga/desliga ocorre determinamos a velocidade em que o encoder está
girando e, contando a quantidade de pulsos, determinamos a posição do mesmo.
Também existem saídas digitais em alta frequência, utilizadas para
controlar motores de passo ou servo motores, por exemplo. Nestes casos cada
pulso gerado pela saída faz com que o motor gire alguns segundos de grau,
quanto mais rápido gerarmos o trem de pulso, mais rápido o motor irá girar!

As entradas e saídas analógicas possuem conversores Analógicos –


Digitais. Com estes conversores elas transformam variações de corrente ou
tensão em um número para que o CLP possa entender e trabalhar com estas
grandezas.

As entradas e saídas analógicas possuem uma característica técnica que é


a resolução. Ao ler um sinal analógico a entrada irá transformar este valor em um
número, chamado de número de incrementos, quanto maior este número, maior a
precisão de leitura.

Por exemplo, uma entrada analógica que varia de 0 a 10V e possui


resolução de 12 bits. Isto quer dizer que em 0V o número obtido nesta entrada é
0, e quando esta entrada receber um sinal de 10V o número lido será de 4095! Ou
seja cada vez que a entrada oscilar em 2,4mV o número lido na entrada analógica
sofrerá uma alteração.

Se tivermos agora uma entrada de 14 bits de resolução, significa que em


10V teremos o número 16383. Ou seja, cada vez que a entrada oscilar em 0,6mV
o número lido na entrada analógica sofrerá uma alteração.

Para calcular o número de incrementos obtido em uma entrada ou saída


analógica utilizamos a seguinte fórmula: ((2 quantidade de bits) -1)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 7


Página: 7
Família de CLP’s EATON

Linha Easy Control (EC4P)

O EC4P é um CLP compacto, com entradas e saídas incorporadas na


própria CPU. Possui versões com e sem display, com ethernet e com saídas
analógicas incorporadas.

EC4P
O easyControl EC4P oferece soluções amigáveis para tarefas de
automação de pequeno e médio porte. Ele pode ser utilizado tanto com os
dispositivos da família Easy (Pode ser ampliado localmente com a adição de um
módulo lateral) como também em combinação com teoricamente todos
dispositivos de automação através de sua rede CANopen incorporada. A interface
Ethernet integrada permite a utilização de outros recursos tais como OPC Server
e programação à distância. Entre outros destaques temos o software de
programação easySoft-CoDeSys que segue a norma IEC 61131-3. O EC4P
possui 256Kb de memória de programa e um poderoso processador que
garantem maior velocidade e flexibilidade em suas aplicações.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 8


Página: 8
Linha XControl.

Os CLPs modulares XC100 e XC200 se destacam por conta de seu design


altamente compacto. Oferecem diferentes classes de desempenho de CPU e uma
vasta gama de módulos de expansão.

Uma característica importante é a sua capacidade para ser integrado em


conceitos modernos de comunicação. A troca de dados através da interface
Ethernet para OPC ou clientes de servidor web (Web Server) integrado permite a
criação de soluções inovadoras.

XCONTROL

XCONTROL montado com 15 XIOC (Módulos de E/S locais)

A linha XControl é uma linha de grande capacidade e velocidade de


processamento. Pode ser ampliado até 15 cartões laterais à CPU, o que permite
uma alta concentração de I/Os (450 pontos em 510mm largura).
A linha XC também pode receber IOs ou outros equipamentos em rede
CANOpen, já incorporada à CPU.
Outras vantagens da linha XC é a possibilidade de se trabalhar em outras
redes, através da adição de placas, como por exemplo: Profibus-DP, Modbus-
RTU, Suconet K, etc...

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 9


Página: 9
Entradas Analógicas (0 a 10V)

Saídas Analógicas (0 a 10V)


Entradas digitais (On board)
Encoder Incremental (KHz)
Contadores Rápidos (KHz)

Saídas digitais(On board)


CAN/CANOpen (bps)
Ethernet 10/100Mb

Interrupção (HW)
WEB Server
RS232

mS/1000 instruções
Velocidade
Memória
Bytes
XC-CPU101-C64K-8DI-6DO 64K X (500K) 0,5 4 8 6 Transístor
XC-CPU101-C128K-8DI-6DO 128K X (500K) 0,5 4 8 6 Transístor
XC-CPU101-C256K-8DI-6DO 256K X (500K) 0,5 4 8 6 Transístor
XC-CPU201-EC256K-8DI-6DO 256K X X (1M) 0,15 2 (50) 2 1 (50) 8 6 Transístor
XC-CPU201-EC512K-8DI-6DO 2M X X (1M) 0,15 2 (50) 2 1 (50) 8 6 Transístor
XC-CPU201-EC256K-8DI-6DO-XV 256K X X X (1M) 0,15 2 (50) 2 1 (50) 8 6 Transístor
XC-CPU201-EC512K-8DI-6DO-XV 2M X X X (1M) 0,15 2 (50) 2 1 (50) 8 6 Transístor
XC-CPU202-EC4M-8DI-6DO-XV 4M X X X (1M) 0,025 2 (50) 2 1 (50) 8 6 Transístor
EC4P-221-MTX... 256K X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 8 Transístor 4
EC4P-221-MRX... 256K X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 6 Relê 4
EC4P-221-MTA... 256K X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 8 Transístor 4 1
EC4P-221-MRA... 256K X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 6 Relê 4 1
EC4P-222-MTX... 256K X X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 8 Transístor 4
EC4P-222-MRX... 256K X X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 6 Relê 4
EC4P-222-MTA.... 256K X X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 8 Transístor 4 1
EC4P-222-MRA... 256K X X (500K) 0,3 2 (50) 1 (40) 12 6 Relê 4 1
Tabela de escolha para CPU’s

Para uma lista completa de funcionalidades da CPU, bem como, escolher


os módulos de entradas e saídas locais mais adequados a cada aplicação, é
necessário consultar os catálogos pertinentes.

A CPU XControl, conta ainda com uma série de acessórios, alguns


obrigatórios para o funcionamento da mesma.

Conforme figura abaixo, se faz necessária à utilização de uma bateria XT-


CPU-BAT1, que é responsável pela manutenção do relógio de tempo real.
Cabe ao usuário, escolher se deseja um terminal com molas (excelente para
aplicações com vibração) ou um terminal parafuso. XIOC-TERM-18T e XIOC-
TERM-18S, respectivamente.
Outro item que deve ser selecionado é à base de montagem. (XIOC-BP-XC
ou XIOC-BP-XC1), a base é vendida separadamente exatamente para otimizar
espaço na montagem da CPU. Antigamente, quando os CLP’s vinham com rack
já completo, mesmo que se utilizasse apenas uma placa de saída, vários slots
ficavam vagos. Com a nova tecnologia é possível montar um Rack exatamente do
tamanho que se precisa!

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 10


Página: 10
Esquema de montagem da CPU XC.

Ressaltando que, mesmo módulos locais, no caso do XControl, estes


módulos começam com a sigla XIOC, também necessitam de terminais, em
alguns casos, como nos contadores rápidos e módulos com 32 pontos, estes
terminais são específicos e devem ser escolhidos com um certo critério.
Novamente, favor consultar os catálogos apropriados para esta seleção.
As bases também são escolhidas conforme as quantidades de módulos que
selecionamos. Abaixo um exemplo de montagem de racks conforme a quantidade
de módulos locais.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 11


Página: 11
Por exemplo, se quisermos um CLP com dez módulos XIOC, a melhor
montagem do rack traseiro seria:

XIOC-BP-XC + XIOC-BP-2 + XIOC-BP-3 + XIOC-BP-EXT + XIOC-BP-2 + XIOC-


BP-2

O rack XIOC-BP-EXT, na verdade, é um rack que recebe até 3 cartões


porém atua como um amplificador de sinais, sem este módulo o XControl pode
manobrar até 7 cartões locais, com ele a CPU XControl consegue trabalhar com
até 15 cartões locais.

Linha XVision

Seja na construção de máquinas, instalações ou em aplicações especiais,


raramente há uma aplicação em que uma IHM não possa simplificar a operação e
com isso aliviar o operador.

Um moderno display sensível ao toque fornece informações claras, a orientação


do menu flexível em cada idioma desejado permite vendas para outras partes do
mundo ao fabricante de máquinas com apenas uma solução de software e
hardware.

Com IHM-CLPs de 3.5” até 15” você tem soluções otimizadas para cada máquina.
Controle, posicionamento e comunicação são desenvolvidas com o
XsoftCoDeSys-2 baseado na IEC 61131-3. A visualização das telas da IHM são
criadas com o amigável software Galileo.

A linha XVision é uma linha de IHM’s (Interfaces Homem Máquina) que


podem trabalhar, tanto como displays simples, como, uma unidade mista CLP +
IHM.

A Interface Homem Máquina, também chamada de HMI (Human Machine


Interface) ou ainda MMI (Man Machine Interface) é um aparelho que possui

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 12


Página: 12
display, teclado em alguns casos, e realiza a comunicação com as memórias
internas do CLP, através desta comunicação a IHM exibe em seu display:
• Alarmes e status da máquina.
• Dados de processo, tais como: temperatura desejada e temperatura atual
da máquina.

Através de seu teclado, ou através de toque na tela (Touchscreen), o


operador consegue:
• Alterar dados de processo.
• Reconhecer alarmes.
• Criar receitas
• Gerenciar senhas de acesso.
• Controlar a máquina manualmente, ou iniciar um processo automático.

Resumindo, a IHM é a interface que exibe ao operador o que a máquina


está fazendo e/ou o que está ocorrendo. E é a interface que a máquina utiliza
para obter do operador o que ele quer!

Quando a XV opera como IHM+CLP nós podemos utilizá-la em conjunto


com IOs remotos, Inversores em rede, Sistema de partida Smart-Wire, etc.
Se o equipamento estiver trabalhando como uma IHM simples, sem CLP, a
mesma pode se conectar via CANopen, Profibus, Ethernet, Modbus e muitos
outros protocolos a um CLP que também possua estas redes de comunicação.

Na seleção de qual IHM será escolhida, um ponto importante a ser levado


em conta é o tipo de display que será escolhido. O equipamento XV possui telas
do tipo touchscreen resistivo ou Infra Vermelho com vidro de segurança.

O Touch resistivo consiste de uma película plástica que é colocada sobre a


tela da IHM. Esta película, através de uma leve pressão, detecta onde ocorreu o
toque e processa esta informação.

O Touch infravermelho funciona com emissores e receptores instalados


nas bordas da tela. Quando o operador coloca o dedo na tela, interrompe estes
feixes de luz, desta forma, o sistema sabe onde o toque ocorreu. Como este
sistema não utiliza a adição de nenhum sensor na tela do display, o mesmo pode
ser montado com vidro de segurança, laminado à prova de impacto. Ou seja, as

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 13


Página: 13
telas com tecnologia IR (Infravermelho) possuem uma resistência a impactos
mecânicos e a risco muito superior aos modelos que utilizam a tecnologia
resistiva.

Por possuir vidro no frontal, e não possuir o sensor de toque na frente, a


IHM Infravermelho possui também boa resistência a certas substâncias químicas.

Os dois modelos possuem grau de proteção IP65, ou seja, resistência total


contra pó e jatos de água.

As IHM’s da linha XV podem ser adquiridas em diversos tamanhos, de 3” a


15”, com diversas opções de redes de comunicação, conforme tabela abaixo.
Existem ainda modelos com moldura executada em aço inoxidável
escovado, ideais para indústrias alimentícias, e modelos móveis, para uma
completa visualização das possibilidades de montagem, bem como todos os
acessórios disponíveis, favor verificar os catálogos pertinentes.

As IHM’s cujo código começa com XV-100, são modelos que, uma vez
ordenados, já vem com licença do sistema operacional e memória interna. As
IHM’ com código XV-400 ou XVS-400, precisam ser adquiridas em conjunto com
um cartão de memória e uma licença de sistema operacional.

Algumas IHM’s vem de fábrica sem o CLP habilitado, para habilitar o


mesmo, basta adquirir uma licença, que possui um código que será digitado na
IHM.

Outras redes de comunicação necessitam, às vezes, de uma licença


especial, novamente, verifique o catálogo para seleção correta da IHM, das
licenças e dos acessórios necessários.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 14


Página: 14
Interface de comunicação

Capacidade de memória (MB)

Slots para cartão de


Já tem CLP Incorporado
Colorida (65535 cores)

Permite habilitar CLP


comunicação
Touch Infravermelho

Ethernet 10/100Mbs
Velocidade (MHz)
Tamanho da Tela

CAN/CANOpen
Touch resistivo

Profibus

RS232

RS485
XV-102-A0-35MQR-10 3,5" 400 64 X X
XV-102-A2-35MQR-10 3,5" 400 64 X X X
XV-102-A3-35MQR-10 3,5" 400 64 X X X
XV-102-A4-35MQR-10 3,5" 400 64 X X X
XV-102-A5-35MQR-10 3,5" 400 64 X X X X
XV-102-B0-35TQR-10 3,5" X 400 64 X X X
XV-102-B2-35TQR-10 3,5" X 400 64 X X X X
XV-102-B3-35TQR-10 3,5" X 400 64 X X X X
XV-102-B4-35TQR-10 3,5" X 400 64 X X X X
XV-102-B5-35TQR-10 3,5" X 400 64 X X X X X
XV-102-B0-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X
XV-102-B3-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X X
XV-102-B4-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X X
XV-102-B5-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X X X
XV-102-B6-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X X X
XV-102-B8-35MQR-10-PLC 3,5" 400 64 X X X X X
XV-102-B0-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X
XV-102-B3-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X X
XV-102-B4-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X X
XV-102-B5-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X X X
XV-102-B6-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X X X
XV-102-B8-35TQR-10-PLC 3,5" X 400 64 X X X X X
XV-102-D0-57TVR-10 5,7" X 400 64 X X X X
XV-102-D6-57TVR-10 5,7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D8-57TVR-10 5,7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D0-70TWR-10 7" X 400 64 X X X X
XV-102-D6-70TWR-10 7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D8-70TWR-10 7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D0-57TVR-10-PLC 5,7" X 400 64 X X X X
XV-102-D6-57TVR-10-PLC 5,7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D8-57TVR-10-PLC 5,7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D0-70TWR-10-PLC 7" X 400 64 X X X X
XV-102-D6-70TWR-10-PLC 7" X 400 64 X X X X X X
XV-102-D8-70TWR-10-PLC 7" X 400 64 X X X X X X
XVS-440-57MPI-1-10 5,7" X 400 64 X X X X X
XVS-450-57MPI-1-10 5,7" X 400 64 X X X X X
XVS-460-84MPI-1-10 8,4" X 400 64 X X X X X
XVS-440-10MPI-1-10 10,4" X 400 64 X X X X X
XVS-430-10MPI-1-10 10,4" X 400 64 X X X X X
XVS-440-12MPI-1-10 12,1" X 400 64 X X X X X
XVS-430-12MPI-1-10 12,1" X 400 64 X X X X X
XVS-460-15MPI-1-10 15" X 400 64 X X X X X
XV-460-57TQB-1-10 5,7" X 400 64 X X X X 1 X
XV-450-57TQB-1-10 5,7" X 400 64 X X X X 1 X
XV-460-84TVB-1-10 8,4" X 400 64 X X X X 1 X
XV-440-10TVB-1-10 10,4" X 400 64 X X X X 2 X
XV-430-10TVB-1-10 10,4" X 400 64 X X X X 2 X
XV-440-12TSB-1-10 12,1 X 400 64 X X X X 2 X
XV-430-12TSB-1-10 12,1" X 400 64 X X X X 2 X
XV-460-15TXB-1-10 15" X 400 64 X X X X 2 X

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 15


Página: 15
Linha de I/Os remotos XI/ON.

Os IOs remotos, são na verdade módulos com entradas e saídas,


analógicas e/ou digitais que são conectados através de uma rede de
comunicação ao controlador do processo.

A linha XI/ON é uma linha de IOs remotos que é constituída basicamente


de três tipos de equipamentos diferentes. O gateway, que é responsável pela
comunicação das placas de entrada/saída com a rede selecionada, a placa de
entrada/saída propriamente dita e a base de conexão, que liga as placas com o
campo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 16


Página: 16
O software IOAssistant é utilizado para facilitar na cotação dos módulos
remotos, gerar documentação, dimensional, atualizar Firmwares dos gateways
quando necessário e realizar testes com o módulo remoto através da entrada
RS232 que o módulo Gateway possui.

É possível ainda ter módulos de entrada e saída, em 24Vcc e em 220Vac


no mesmo módulo remoto. Basta utilizar um módulo de alimentação de campo.
(Power Field).

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 17


Página: 17
Alimentação
modulo
BR PF BR

5Vdc 5Vdc

24Vdc 230Vac 24Vdc

24Vdc 230Vac
© 2011 Eaton Corporation. All rights reserved. 24Vdc 22 22

Para uma escolha correta dos módulos XI/ON é recomendável à utilização


dos catálogos pertinentes, bem como a utilização do software IOassistant.

Trabalhando com o IOassistant.

Através do menu iniciar => EATON => IOAssistant inicie o programa.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 18


Página: 18
Assim que iniciarmos o programa a primeira vez ele irá abrir a seguinte
tela:
Nome do usuário: Informações do usuário:

Nível de acesso:

Senha de acesso:

Mudança de Senha:

Por ser um programa que permite, inclusive, que o operador se conecte e


faça alterações de Firmware, ou acionamentos de saídas na ilha remota, o
IOAssistant pode ser habilitado com uma senha, que permite diferentes tipos de
acesso.

Engineering: O operador tem acesso total a todos os recursos do


software.
Service: O operador tem acesso a criar novas configurações, monitorar o
status da ilha e das entradas, porém não consegue forçar saídas da ilha.
Diagnostics: O operador não consegue criar novos projetos. Porém
consegue Monitorar status e as entradas do sistema. Também não consegue
forçar as saídas.

Se o usuário não quiser criar nenhuma senha, basta criar um nome de


usuário, selecionar a opção Engineering e deixar o password em branco.
Selecionamos então a opção OK e vamos para a tela inicial!

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 19


Página: 19
Selecionando a opção File => New Project vamos iniciar um novo projeto.
Neste ponto criamos um novo arquivo para conter a configuração dos
equipamentos em rede.

Selecione uma rede de comunicação.

Teremos então a tela de criação de configuração.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 20


Página: 20
Novo Projeto
Abrir Projeto Adicionar Estação
Fechar Projeto

Tree Project Tela de


visualização

Selecionamos agora a opção: “Adicionar uma estação”. A tela abaixo irá se


abrir.
Na seleção do sistema devemos escolher a família de IOs remotos que
iremos utilizar. Neste caso selecionamos XI/ON.
Na seleção do gateway escolhemos qual módulo será nosso “cabeça de
rede”, ou seja qual gateway será utilizado. Se tivermos alguma dúvida, podemos
pressionar a qualquer momento a tecla “Technical Data” e esta irá mostrar os
dados do Gateway que estamos selecionando.
Inserimos um nome para esta estação, o número da mesma na rede e
poderemos pressionar a tecla “Add”, que adiciona este gateway e permanece na
mesma janela para que possamos selecionar outros módulos. Ou selecionamos a
tecla “Add + Close” o que adiciona e fecha esta janela.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 21


Página: 21
Seleção do sistema. Seleção do gateway.

Descrição do
Gateway selecionado.

Exibir dados técnicos


deste gateway.

Nome do Gateway
neste projeto

Endereço da estação
na rede.

Fechar.

Adicionar este novo Adicionar este novo


Gateway e fechar Gateway.
esta janela.

Após a seleção do gateway, a janela principal irá se alterar, aparecerá um


módulo no lado direito, a imagem do módulo selecionado, e no lado esquerdo a
topologia dos mesmos. Para adicionar placas de entrada e saída neste gateway,

selecione agora a opção: “Add Module” isto abrirá a tela para seleção das
placas de E/S no módulo remoto.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 22


Página: 22
Seleção do Descrição Filtro do tipo de
módulo. módulo.

Seleção do
tipo de
base.

Seleção do
tipo de
conector
(mola ou
parafuso.

Quantidade
de módulos

Em primeiro lugar, através da “Seleção do tipo de módulo”, nós realizamos


uma pré-filtragem, qual tipo de módulo você quer? Analógicos, digitais,
tecnológicos ou de potência?
Logo depois selecionamos o tipo de módulo em si, qualquer dúvida sobre a
funcionalidade daquele módulo, pode ser solucionada pressionando-se o botão
Technical Data ou buscar informações nos catálogos pertinentes.
Dependendo do tipo de módulo, precisamos escolher uma base adequada,
módulos com codificação iniciada em XNE, são chamados módulos econômicos,
não possuem base. As bases podem ser do tipo, mola ou parafuso (Tension
Clamp e Screw). Assim que escolhemos um módulo, o próprio software limita as
opções de base.
Sempre que um gateway tiver os dois tipos de módulos de entradas e
saídas, econômico e convencional, todas bases obrigatoriamente devem ser do
tipo mola.
Crie uma configuração com módulos de entrada e saídas, analógicos e
digitais para podermos realizar alguns testes.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 23


Página: 23
Podemos ver a esquerda a lista de módulos que ficam conectados a cada
Gateway. No lado direito podemos ver uma imagem do nosso módulo remoto
montado.
Quando temos módulos analógicos, como por exemplo, o XN-2AI-
THERMO-PI, o mesmo possui uma configuração adicional. Basta selecionar o
módulo no lado esquerdo e escolher a pasta Parameter do lado direito.
A seguinte tela irá se abrir:

Nesta tela podemos selecionar tipos diferentes de sensores, por exemplo.


Uma vez que a configuração foi concluída, podemos checar a montagem
através da opção, “Verify Assemblie” .
Se houver qualquer inconsistência na nossa configuração uma tela de
erros irá surgir.
Através da opção File -> Project Documentation... podemos imprimir a
configuração completa, o que inclui, o dimensional da estação, o desenho de

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 24


Página: 24
como a mesma deve ser montada e uma listagem de peças completas e por
gateway.

Conceitos da IEC 61131-3.


A IEC, International Electrotechnical Commission (Comissão Eletrotécnica
Internacional) é uma organização internacional de padronização de tecnologias
elétricas, eletrônicas e relacionadas. Alguns dos seus padrões são desenvolvidos
juntamente com a ISO, International Organization for Standardization.
(Organização Internacional para Padronização).

Assim que os primieros CLP’s começaram a funcionar nas décadas de 60


e 70, buscou-se uma normalização das linguagens de programação.
Foi só na década de 90 que a então IEC1131-3 estabeleceu 5 linguagens
de programação principais, a mesma foi renumerada algum tempo depois e
passou a ser conhecida como IEC 61131-3.
O que poucas pessoas sabem é que a norma IEC 61131-3 é na verdade
só um capítulo do grupo de normas IEC 61131, que abrange apenas CLP’s.

Introdução à declaração de variáveis e tipos de variáveis.

O primeiro requisito da norma é a declaração de todas as variáveis que


iremos utilizar no programa.
As variáveis possuem, nome, endereço, tipo, especificação e atributo.
Independente se vamos utilizar uma variável interna, como uma memória, uma
entrada digital ou analógica, um temporizador, etc...

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 25


Página: 25
O nome da variável é escolhido única e simplesmente pelo programador.
Ao invés de utilizar um endereço, por exemplo “%mx0.0” o programador pode
utilizar nomes maiores e autoexplicativos, como por exemplo
“BombaDeRecalque_Tanque23”, este nome é referenciado a um endereço físico,
e em todo o programa trabalhamos com este nome, que fará muito mais sentido
ao programador que o endereço pura e simplesmente.
Segue abaixo algumas dicas para escolha do nome das variáveis.

• Os nomes podem ter até 30 caracteres.


• Não é permitido o uso de: caracteres com acento, espaço ou hífen.
• Não é permitido começar o nome de uma variável com um número.
• Não é permitido o uso de palavras reservadas como nome de
variáveis.(P.ex: LD , ST , IF , ELSE , AND , ADD...)
• Não é permitido o uso de caracteres como: ! @ # $ % & * ( ) < > ; :\ / ? [ ] {}
no nome das variáveis.

• Use nomes autoexplicativos para suas variáveis.


• Use sempre letras maiúsculas para iniciar o nome da variável. Ex. Bomba.
• Separe o nome das variáveis com underline (_), se este consiste de mais
de uma palavra. Inicie cada palavra com letra maiúscula. Ex.
Bomba_Recalque.
• Ou utilize as palavras com uma letra maiúscula entre elas E.x.
BombaRecalque.

Uma vez que escolhemos o nome para nossa variável o próximo passo é
endereçá-la caso a variável seja uma entrada ou saída do CLP. Se as variáveis
não forem endereçadas, automaticamente o CLP compreende que elas devem
ser tratadas como memórias internas, então o próprio software endereça as
variáveis automaticamente.

Declaração de variáveis com endereçamento físico.

PRIMEIRA LETRA
I Input: Recebe os valores das SEGUNDA LETRA
I variáveis digitais e analógicas X BIT
dos módulos de entradas B BYTE (8 Bits)
Q Output: Envia os valores W WORD (16 Bits)
Q digitais e analógicos para os D DOUBLE WORD (32 Bits)
módulos de saídas
L LONG WORD (64 Bits)
M Memória interna: armazena
M valores intermediários

Nome da variável Endereço da variável

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 26


Página: 26
Por exemplo: BotaoDePartida AT %IX0.0: BOOL;
MotorDaBombaDagua AT %QX0.0: BOOL;
SensorDeTemperatura AT %IW12: INT;
ValvulaDePressao AT %QW20: INT;
Controle_IHM AT %MX100.7: BOOL;

Finalmente, para trabalharmos com variáveis básicas, cada variável possui


seu tipo, as variáveis podem ser numéricas (usadas para operações aritméticas),
Booleanas (operações de lógica), Texto (Trabalhar com caracteres) e
Data/Tempo (operações com data, hora e tempo).

Variáveis booleanas.

As variáveis BOOLEANAS são utilizadas quando se deseja realizar


operações lógicas.
Por exemplo uma entrada ou uma saída digital seria do tipo BOOL. Um
cartão com 16 entradas ou saídas digitais poderia ser endereçado em sua
totalidade como uma WORD.

Espaço de
Tipo IEC Limite Mínimo Limite Máximo
memoria
BOOL 0 1 1 Bit

Variáveis numéricas.

As variáveis numéricas podem ser inteiras, ou seja números sem casas


decimais, ou então, números Reais, ou seja números com casas decimais.

Tipo Espaço de
Limite Mínimo Limite Máximo
IEC memória
BYTE 0 255 8 Bit
WORD 0 65535 16 Bit
DWORD 0 4294967295 32 Bit
SINT: -128 127 8 Bit
USINT: 0 255 8 Bit
INT: -32768 32767 16 Bit
UINT: 0 65535 16 Bit
DINT: -2147483648 2147483647 32 Bit
UDINT: 0 4294967295 32 Bit

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 27


Página: 27
As variáveis numéricas devem ser sempre usadas quando se deseja
realizar uma operação aritmética. Por exemplo, uma entrada analógica seria uma
variável do tipo numérica, dependendo do range da entrada analógica, ela poderia
ser uma SINT (8bits de resolução) ou INT (16 bits de resolução).

Variáveis do tipo Texto.

As variáveis do tipo texto armazenam sequências de letras, ou seja Strings.


Cada letra desta String ocupa 1 byte da memória do CLP.

Tipo da variável.
Variáveis de Texto.

TIPO IEC Descrição Bits


STRING Seqüência de caracteres 1 byte por caracter

EXEMPLO:
´JOB_X25´ = String = JOB_X25
´JOB_X26 $L$R´ = String = JOB_X26 (Line Feed / Carriage Return)
´JOB_X27 $0D$0A´ = String = JOB_X27 (Line Feed / Carriage Return)
´´ = String Nulo

© 2011 Eaton Corporation. All rights reserved. 35 35

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 28


Página: 28
Variáveis do tipo Data e Tempo.

Por último, mas não menos importante temos as variáveis utilizadas para
medir tempo, e para trabalhar com relógio e calendário.

Tipo da variável.
Variáveis de Tempo.
TIPO IEC Descrição
TIME Tempo de Duração T# ou TIME#

EXEMPLO:
T#15MS = Tempo de 15 milésimos de segundo.
T#5M = Tempo de 5 minutos.
T#25M30S = Tempo de 25 minutos e 30 segundos.
T#61M5S = Tempo de 61 minutos e 5 segundos.
ou
T#1H1M5S = Tempo de 1 hora , 1 minuto e 5 segundos.
T#1D5H10M20S100MS = Tempo de 1 dia , 5 horas , 10 minutos , 20
segundos e 100 milésimos de segundos.

Tipo da variável.
Variáveis de Data e Hora
TIPO IEC Descrição
DATE Data completa DATE# ou D#
TIME OF DAY Hora do dia TOD# ou
TIME_OF_DAY#
DATE AND TIME Data completa e hora do dia DT# ou
DATE_AND_TIME#

EXEMPLO:
DATE#1993-06-15  15 de Junho de 1993
TOD#23:45:00  Faltam quinze minutos para a meia-noite
DT#1974-07-17-12:30:10  17 de Julho de 1974 , doze horas trinta
minutos e dez segundos.

Quando tivermos um temporizador em nosso programa, por exemplo, é a


variável “TIME” que dirá quanto tempo este temporizador deverá aguardar.
Se quisermos comparar o relógio do CLP com um horário pré-programado,
é a variável “TIME_OF_DAY” que terá este horário.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 29


Página: 29
Exemplo de uma declaração de variáveis

BotaoDeLiga AT %IX0.0 : BOOL ;


Motor AT %QX0.0 : BOOL ;

SensorAnalogico AT %IW10 : INT ;


TextoAlarme : String(50);
TempoLigaMotor : TIME ;
Totalizador : WORD ;

A variável “BotaoDeLiga” é uma entrada digital, por isso seu tipo é BOOL.
O mesmo se passa com a primeira saída digital chamada de Motor.
O “SensorAnalogico”, como se trata de uma entrada analógica, tem seu
tipo definido como INT, ou seja é um número inteiro, sem sinal, pode variar de 0 a
32767.
A variável “TextoAlarme”, não possui endereço, exatamente por se tratar
de uma variável interna, ou seja, o CLP irá automaticamente designar um
endereço de memória interna para alocar esta variável, o número que aparece
entre parênteses é o tamanho máximo0 desta string.
Finalmente a variável “TempoLigaMotor”, que contêm o tempo desejado
para partir o motor, é do tipo TIME, pois se trata de um tempo a ser contado, ou
seja um tempo de “Duração”.

Declaração de variáveis Locais e Globais


Definimos uma variável como local ou global dependendo da utilização do Tag no
programa

Variável Local

Quando declaramos uma variável como Local, definimos que a utilização da Tag
será somente na sub-rotina de programação.
OBS.: É possível declarar o mesmo nome de Tag em diferentes sub-rotinas
quando a declaração é local

Variável Global

Quando declaramos uma variável como Global, definimos que a utilização do Tag
será para todo o programa e sub-rotinas, inclusive para comunicações com IHM’s,
Supervisórios ou redes de comunicação tipo OPC

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 30


Página: 30
As linguagens de programação.
A IEC61131-3 definiu 5 linguagens de programação, 3 gráficas e 2 textuais.

Linguagem Ladder (LD).

A linguagem de programação Ladder, é uma linguagem gráfica utilizada


para representar a lógica do programa usando “relés”. Antes da existência dos
CLP’s, este sistema de representação já era utilizado para documentar os antigos
armários de controle. Devido ao seu histórico, é a linguagem mais difundida e
conhecida atualmente. De fácil compreensão para quem vem do setor elétrico.

Sua notação é bastante simples, Uma linha vertical à esquerda representa


um condutor positivo, uma outra linha paralela à direita representa o condutor
negativo. Os elementos constituídos por contatos normalmente abertos ou
fechados de relés, são colocados em série ou paralelo na horizontal de forma a
alimentar uma bobina que, será ou não acionada conforme a lógica desenhada
antes, cada um dos contatos está associado ao estado de uma entrada ou uma
variável lógica interna.
O diagrama final é parecido com uma escada, daí seu nome Ladder.

Linguagem em Blocos de Função (FBD).

A linguagem de programação em Blocos de função, ou Function Block


Diagram, FDB, é uma linguagem gráfica utilizada para representar a lógica do
CLP utilizando blocos lógicos, ou portas lógicas. Cada bloco com uma, duas ou
mais entradas é representado da esquerda para a direita. A saída de um bloco
pode ser conectada a entrada de um ou mais blocos de função.
De fácil compreensão por quem vem do setor eletrônico.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 31


Página: 31
Linguagem em Lista de Instruções. (IL).

A linguagem de programação em Lista de Instruções, ou Instruction List


(IL) é uma linguagem de programação textual de baixo nível semelhante ao
assembly. Muito utilizada para resolver problemas simples e pequenos.
Como o próprio nome diz, o programa se resume a uma listagem de
comandos que o CLP executa um atrás do outro.
Sendo uma linguagem menos amigável e pouco flexível é também utilizada
para produzir códigos otimizados em programas, ou trechos onde a performance
da execução é crítica.
Esta linguagem é a preferida por quem vem do setor Eletrônico.

Linguagem Estruturada ou (ST).

A linguagem de programação Estruturada, ou Structured Text (ST), é uma


linguagem textual muito próxima das linguagens de alto nível como PASCAL, ou
linguagem C. Podemos escrever expressões matemáticas e lógicas em uma
linha, ou utilizar comandos de decisão, laço, contagem etc...
Diferente da Lista de Instruções, onde cada linha contêm um comando, na
Linguagem Estruturada cada linha pode conter uma expressão complexa ou
então um comando para execução de um loop.
Esta linguagem é muito utilizada por quem vem da área de Informática
devido à sua similaridade com as linguagens de programação de alto-nível.

Programação em Linguagem Sequencial (SFC)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 32


Página: 32
A linguagem Sequencial, ou Sequential Function Chart (SFC), apesar de
não ser uma das mais conhecidas, é uma das mais poderosas e completas,
utilizada especialmente em máquinas sequenciais de grande complexidade.

Ambiente de programação CoDeSys.


No mercado pode-se encontrar uma variedade de diferentes linguagens e
sistemas de programação. Para cada tipo de linguagem são necessários
dispendiosos treinamentos para todos os tipos de controladores, tanto para a
linguagem de programação como para o sistema operacional.
O usuário não consegue trocar unidades de programas entre diferentes
sistemas, porque as linguagens de programação não são compatíveis entre si.
Não é possível a reutilização de funções programadas sem que seja necessária
uma reprogramação, pois o modelo de dados destes CLP’s necessita de
endereços físicos.
Pelo exposto acima a utilização de um controlador de outro fabricante não
era viável por causa do alto custo.
O principal objetivo da IEC61131.3 é reduzir, se não eliminar, todos os
problemas citados acima, criando uma estruturação e forma de programação
padrões, de tal forma que o usuário não se torne dependente do fabricante.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 33


Página: 33
INICIANDO O SOFTWARE

Barra de ferramentas Menu principal


ORGANIZADOR

ÁREA DE
TRABALHO
PROGRAMAS

TIPOS DE DADOS

VISUALIZADOR

RECURSOS

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 34


Página: 34
ORGANIZADOR - é usado para gerenciar os novos itens de cada pasta. Através
dele inserimos novos elementos nas pastas localizadas abaixo e solicitamos a
visualização /edição de alguns itens.
ORGANIZADOR / PROGRAMAS – Nesta pasta alocamos os programas do CLP,
bem como suas funções e seus blocos de função.
ORGANIZADOR / TIPOS DE DADOS – Aqui nós colocamos nossos tipos de
dados , Structures, Enumeration, etc...São tipos de dados criados pelo usuário
conforme a IEC 61131-3
ORGANIZADOR / VISUALIZADOR – Dentre os recursos oferecidos pelo
CoDeSys, está a criação de telas para visualização do programa criado, tanto on-
line como off-line (modo simulação), estas telas são criadas e gerenciadas nesta
pasta.
ORGANIZADOR / RECURSOS – Pasta responsável por vários itens no
CoDeSys. Entre eles: Configuração de hardware, configuração do sistema da
CPU, criação de variáveis de rede, geração de gráficos de tendência, criação de
tabelas de monitoração etc...
ÁREA DE TRABALHO – Quando selecionamos ou criamos algo em qualquer
pasta do organizador, este item aparece na área de trabalho para edição ou
visualização.
BARRA DE FERRAMENTAS – Aqui ficam algumas ferramentas para acesso
mais rápido a algumas funções do programa, esta barra muda conforme o item
selecionado na Área de Trabalho.
MENU PRINCIPAL – Aqui ficam todas as opções de acessibilidade e
funcionamento do CODESYS.
Os passos necessários para a criação de um programa são:

• Criar um novo projeto


• Configurar o Hardware
• Criar os arquivos fontes necessários (POU)
• Criar as Variáveis
• Realizar a lógica do programa
• Criar blocos de função e /ou funções.
• Compilar o programa
• Realizar os testes
• Configurar as telas / ferramentas de visualização.
• Executar os testes do programa em modo OFF-line.
• Realizar o comissionamento da máquina.
• Transferir o programa para o CLP
• Executar os testes do programa em modo ON-line
• Armazenar os programas fontes no CLP. (Quando desejado)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 35


Página: 35
Criando um novo Projeto

• Entre no menu principal opção FILE  NEW , ou selecione o ícone .


Isto irá abrir a seguinte tela:

Seleção do tipo de CPU

• No item Configuration selecione a CPU que irá utilizar para este programa,
por exemplo:

• Ao selecionarmos a XV-1xx-V2.3.9 SP3 escolhemos uma CPU da


IHM modelo XV1xx. Com isto a tela do Target Settings e o
CODESYS, se modela para podermos configurar este tipo de CPU.
• Os itens Target Plataform, Memory Layout, General, Network
functionality e Visualization serão abordado em outras
documentações.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 36


Página: 36
• Ao selecionarmos a CPU que desejamos utilizar, pressionamos OK.
Nome do
POU

Linguagem
Tipo do do POU
POU

• Na opção Tipo do POU selecionamos se queremos criar um programa, um


Function Block ou uma função.
Funções são elementos de software, que podem ser utilizados várias vezes
dentro de um mesmo programa, de tal forma que, quando executados com um
certo conjunto de valores de entrada, sempre produzem um único valor como
resultado.

Blocos de funções são uma categoria da Unidade de Organização de Programa


(POU). Que permitem um algoritmo específico, ou conjunto de ações, que podem
ser chamados em várias instâncias dentro de um mesmo programa, de tal forma
que, a serem aplicados em um conjunto de dados de entrada eles produzem um
novo conjunto de dados de saída.

• No nosso caso iremos selecionar a opção Program, pois iremos criar


primeiro um programa.
• Na opção nome do POU deixamos PLC_PRG. Este nome, na programação
mono-task, designa o programa principal, ou seja, o compilador sabe que é
por este programa que o equipamento irá começar a execução.
• Na linguagem podemos escolher entre seis linguagens de programação
diferentes.
• Para este guia rápido estaremos trabalhando com a linguagem em Ladder
(LD).
• Assim que pressionarmos OK na tela New program estaremos dentro do
ambiente CoDeSys.
• Agora nós precisamos configurar o hardware do CLP. Para isto selecione
no organizador a pasta resources:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 37


Página: 37
Recursos
Variáveis Globais
Bibliotecas
Log
Browser
Configurador de Hardware do CLP
Ferramenta de Visualização (TRACE)
Configuração da CPU
Gerenciador de Tarefas
Ferramenta de Visualização e Receitas.

• Selecione a opção PLC-Configuration. Nesta tela estaremos configurando


o Hardware do CLP.

Topologia do
equipamento Parametrização

Configurando Hardware XV100


Dependendo do Hardware selecionado na etapa anterior, vamos configurar
o mesmo de uma maneira diferente no software. Caso trabalhemos com um CLP
da IHM , ou seja uma IHM com CLP e cartões remotos de entradas e saídas
conectados via rede CanOpen através de uma gateway, procedemos da seguinte
maneira:

Trabalhando com IHM+CLP.

Quando trabalhamos com o conjunto IHM+CLP incorporado, a única


diferença que existe na configuração de hardware é na hora de definir a rede e o
gateway que será utilizado no projeto. Como o equipamento possui apenas
expansão através de rede de comunicação a criação de seu hardware é
explorada no capítulo seguinte.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 38


Página: 38
Trabalhando com IOs remotos.

Quando temos um equipamento cujos IOs serão remotos, temos que


configurá-los conforme mostrado a seguir.

Clicamos na CPU com o botão direito, selecionamos a opção “Append


Subelement” e logo em seguida escolhemos a rede que estamos trabalhando.
Para este exemplo vamos utilizar a rede CanMaster.

Clicando na aba superior direita escolhemos a aba “CAN parameters”. A


tela que se abre então nos permite parametrizar a rede escolhida. No caso desta
rede devemos escolher a velocidade (Baud Rate), neste caso vamos trabalhar
com 125.000 Bits/s. Outro parâmetro a ser configurado é o endereço do mestre
(Node-Id), neste caso vamos trabalhar com o número de nó igual a 1.

Vamos inserir agora um escravo na topologia, clique uma vez mais com o
botão do mouse, desta vez sobre o ícone CanMaster  Append Subelement.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 39


Página: 39
Selecionamos o módulo desejado. Neste caso selecione o XN-GWBR-
CANOPEN (XN270325V400.EDS).
Os números finais da codificação, ou seja, os números que vem depois do
“v” indicam a versão do equipamento, sempre escolhemos a versão mais atual
quando estamos trabalhando com um projeto novo.
Outros equipamentos em rede CANOpen, ou Profibus_DP podem ser
adicionados ao software, basta copiar os EDS ou GSD na pasta correspondente:

C:\Program Files\Common Files\CAA-Targets\Eaton Automation\V2.3.9


SP2\PLCConf
ou
C:\Program Files\Common Files\CAA-Targets\Eaton Automation\V2.3.9 SP2
(Patch 1)\PLCConf
ou
C:\Arquivos de Programas\Common Files\CAA-Targets\Eaton Automation\V2.3.9
SP2\PLCConf
ou
C:\Program Files\Common Files\CAA-Targets\Eaton Automation\V2.3.9
SP3\PLCConf

Agora que escolhemos o módulo XI/ON nós vamos configurar as entradas


e saídas do mesmo.
Basta selecionar o módulo recém importado na configuração e clicar no
ícone IOassistant. (Atenção, o IOAssistant precisa ser rodado pelo menos
uma vez antes de realizar esta operação.)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 40


Página: 40
Ao selecionarmos a opção IOassistant o mesmo irá se abrir e configuramos
a nossa ilha. Assim que a configuração está encerrada fechamos o IOassistant e
temos a nossa ilha configurada.
Outro parâmetro a ser configurado é o endereço do escravo (Node-Id) em
CanOpen Parameter, neste caso vamos trabalhar com o número de nó da remota
igual a 2

No comentário a parte mais importante é a que está em destaque:


• XN-16DO, indica que o módulo em questão é um módulo com 16 saídas
digitais.
• _1_1, estes dois números seguintes indicam que é o módulo número1,
primeiro byte, ou seja, saídas de 0a 7
• _1_2 indica é o primeiro módulo segundo byte, ou seja, saídas de 8 a 15.

Quando colocamos uma remota na IHM com CLP, o endereçamento das variáveis
digitais fica aparecendo no Configurador de Hardware do CLP como Byte, ou
seja, fica o conjunto de 8 bits tanto nas entradas como nas saídas digitais. Para
endereçar esta entrada e saídas no programa sugerimos criar um objeto na
Variável Global chamada por exemplo “Entradas_Saidas”. Esta sugestão é
somente para poder organizar melhor os Tags no programa.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 41


Página: 41
Vá até a aba Resources e com o botão direito do mouse sobre Global Variables
selecione a opção Add Object...

Coloque o nome Entradas_saidas em Name of global variables list e termine


com um OK

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 42


Página: 42
Objeto criado em Endereçamento Nome das
Comentários
Global Variables das variáveis variáveis

Endereços
conforme
entradas e saídas
de configuração
de Hardware

Coloque os seguinte endereços para nosso exemplo:


(*Entradas digitais*)
Partida_Motor AT%IX0.0: BOOL;
Parada_Motor AT%IX0.1: BOOL;

(*Saídas digitais*)
Contator_Principal AT%QX0.0: BOOL;
Contator_Estrela AT%QX0.1: BOOL;
Contator_Triangulo AT%QX0.2: BOOL;

• Salve agora o que foi feito indo no menu File  Save. Ou clique no ícone

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 43


Página: 43
Configurando Hardware XC100/XC200
Caso trabalhemos com um CLP do tipo XC, ou seja um CLP com cartões
locais conectados à CPU, procedemos da seguinte maneira:

• Para adicionar mais placas selecione um dos EMPTY-SLOT com o botão


direito do mouse, logo em seguida escolha a opção Replace Element:.

• Nesta tela escolhemos qual o módulo local que será colocado com a CPU,
no caso do XC100 e XC200 podemos colocar até 7 módulos locais ao lado
da CPU podendo chegar a 15 caso utilize o módulo XIOC-BP-EXT .
• Para este exemplo selecione o módulo XIOC-16-DI.
• Coloque mais um módulo XIOC-16-DO-S ao lado.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 44


Página: 44
• Pressione com o botão esquerdo do mouse o símbolo + que aparece do
lado esquerdo do XIOC-16DI.

• Selecione novamente o símbolo + que aparece do lado esquerdo do AT


%IW2 : WORD ;

Endereço WORD desta


placa
Endereçamento Bit a Bit
desta placa

• Abra os sub-menus das entradas e saídas que estão incorporadas na CPU.

• Clique duas vezes com o botão esquerdo do mouse, entre o quadrado e o


AT %IX0.0 : BOOL ;

• Aqui escreveremos o nome da variável, no nosso caso PartidaMotor.


• Crie as seguintes variáveis nas entradas e saídas do CLP.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 45


Página: 45
20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 46
Página: 46
• Do lado esquerdo da tela existe a opção de inserirmos comentários para
cada uma destas variáveis.

• Para cada uma das variáveis insira os seguintes comentários.

• Salve agora o que foi feito indo no menu File  Save. Ou clique no ícone

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 47


Página: 47
COMEÇANDO A PROGRAMAR
• Agora iremos criar um programa simples para conhecermos melhor o
ambiente do CoDeSys. O programa a ser criado é uma partida estrela-
triângulo de uma bomba de vácuo.
• No organizador agora escolha a opção POUs e selecione o PLC_PRG.

Barra de ferramentas

ORGANIZADOR

Declaração de variáveis locais Linhas de Comando

ÁREA DO PROGRAMA

Status simulador Online/offline

• Na área do programa clique sobre a linha de comando que aparece e

clique no menu em Insert  Contact, ou pressione o ícone na barra de


ferramentas.

• Na linha de comandos irá aparecer um contato NA :


• Clicando nas interrogações poderemos escrever o nome deste contato.
Podemos ainda pressionar a tecla F2 de nosso computador:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 48


Página: 48
Tipo de
variável

Variáveis
disponíveis

Comentário da
variável selecionada

• No tipo da variável escolha o Global Variables. No lado das variáveis


disponíveis escolha o objeto Entrada_Saida e selecione o tag
PartidaMotor (BOOL).

• Clique novamente na linha de comandos, e insira novamente um contato,


este contato irá sair em série com o que já existe. Desta vez selecione a
variável ParadaMotor (BOOL).

• Clique no contato abaixo do ParadaMotor e pressione na barra de

ferramentas a opção

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 49


Página: 49
• Clique agora no contato abaixo do PartidaMotor e selecione na barra de

ferramentas a opção .
• Faça o mesmo procedimento e coloque neste contato a variável
ContatorPrincipal.

• Clicando novamente na linha de comando, selecione agora na barra de

ferramentas a opção .
• Isto irá inserir uma bobina de saída nesta linha lógica. Utilize o mesmo
procedimento para colocar o tag dela, no caso ContatorPrincipal.

• Com isto nós criamos a primeira linha lógica de nosso programa. Salve as
alterações e agora vamos inserir a próxima linha.
• Vá no menu principal e selecione INSERT  Network (After).
• Uma segunda linha irá surgir, coloque um contato NA do ContatorPrincipal
como mostrado abaixo

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 50


Página: 50
• Nós iremos criar agora o Controle dos Contatores Estrela e triângulo.
Assim que o ContatorPrincipal entra, o ContarEstrela também liga,
permanece alguns segundos e desliga.
• Iremos inserir então um temporizador para determinar o tempo que o
contator estrela fica ligado.
• Clique na linha da segunda lógica com o botão direito do mouse e
selecione Function Block...

• Selecione na biblioteca Standard.lib o bloco de função TON e selecione OK


• Um temporizador irá aparecer no meio de nossa linha lógica.

• Vamos clicar nas interrogações acima do temporizador e colocar o nome


do temporizador , vamos chamá-lo de TempoDesligaEstrela.
• Assim que damos um nome para o temporizador, a seguinte janela irá se
abrir:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 51


Página: 51
Tipo da
variável
Nome da variável

Classe

Comentários

• Isto ocorre pois o assistente de declaração verifica que não há nenhuma


variável declarada como TempoDesligaEstrela, por causa disto, ele solicita
que entremos com maiores dados sobre esta variável.
• Deixe esta caixa de diálogos como mostrada acima.
• O bloco de função irá aparecer na declaração local de variáveis.

Declaração de variáveis em FREE MODE

Declaração como uma tabela

• A declaração pode aparecer destas duas formas diferentes, FREE MODE


ou Tabelada. Para alternar entre estes modos de exibição, clique com o
botão da direita sobre o campo da declaração de variáveis e selecione
Declaration as tables
• Coloque uma bobina na linha lógica 2, logo após o temporizador e coloque
o nome de ContatorAuxiliar.
• A mesma tela do assistente de declaração se abre, porém desta vez no
tipo da variável selecione BOOL.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 52


Página: 52
• A segunda linha do nosso programa está pronta, e a declaração de
variáveis também.
• Na interrogação que surge do lado esquerdo do nosso temporizador
escrevemos o tempo desejado. Por se tratar de uma entrada do tipo TIME,
o tempo deve ser escrito da seguinte forma:

T#1D6H20M15S300MS Onde 1D significa o tempo de 1 dia


6H tempo de 6Horas
20M tempo de 20 minutos
15S tempo de 15 segundos
300MS tempo de 300Milésimos de segundos.

• Para criarmos um temporizador de 3 segundos então escrevemos T#3S.

• Nosso programa ficará deste jeito:

• Agora insira mais uma linha lógica abaixo e coloque a seguinte lógica:

• Assim que o ContatorPrincipal ligar o ContatorEstrela ficará ligado até o


tempo de 3 segundos se esgotar.
• Crie agora mais uma linha, abaixo desta, com o seguinte contato:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 53


Página: 53
• Coloque agora um contato NA e pressione F2.
• Assim que a tela Help Manager aparecer selecione Local Variables 
TempoDesligaEstrela  Q. Como mostrado abaixo:

• Termine esta linha, ela deverá ficar desta maneira:

• Na quarta linha lógica, no segundo contato da esquerda para direita, nós


usamos o TAG TempoDesligaEstrela.Q, poderíamos ter utilizado o próprio
ContatorAuxiliar sem problemas, fizemos isto exatamente para demonstrar
uma funcionalidade a mais do programa.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 54


Página: 54
COMPILANDO O PROGRAMA
• Para compilar o programa, entre na opção Project  Rebuild All...
• Isto irá compilar todo o seu projeto. Uma tela irá aparecer abaixo de seu
programa mostrando possíveis erros ocorridos no seu programa. Para
localizar o erro, clique duas vezes em cima dele e você irá para a linha
onde este erro está.
• Para maiores informações sobre os erros, por favor consulte o manual do
CODESYS, ele contém um apêndice com os principais erros.

SIMULANDO O PROGRAMA
• Para utilizar as ferramentas de simulação você deve ter o programa
compilado como se você fosse transferi-lo para o CLP.
• Habilite no menu principal a opção ON LINE  Simulation Mode...isto irá
colocar o programa em modo de simulação.
• Agora selecione a opção ON LINE  Login... isto fará com que o software
faça um Login com um CLP virtual.
• Este CLP virtual inicializa em STOP, vá novamente para ON LINE  Run
e estaremos com este CLP virtual em modo RUN. A tela que aparecerá é a
seguinte:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 55


Página: 55
Variáveis ON LINE Contato Logicamente Programa Bobina Logicamente
Fechado Desligada

CODESYS MODO SIMULAÇÃO CLP MODO


RUN
Contato Logicamente
Aberto CODESYS ONLINE

• Para forçar entradas, saídas ou memórias internas podemos proceder de


várias maneiras diferentes.
• Dê um duplo clique com o botão da esquerda do mouse sobre o tag do
contato PartidaMotor, verifique que a cada duplo clique ele muda o
desenho:

Contato NA logicamente aberto

Tag na cor preto, com um quadrado na parte inferior com as bordas


azul claro preenchimento azul escuro.
Contato NA logicamente aberto, forçar ON quando do comando
FORCE
Tag na cor preto, com um quadrado na parte inferior com as bordas

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 56


Página: 56
azul claro sem preenchimento.
Contato NA logicamente aberto, forçar OFF quando do comando
FORCE.
• Se dermos mais um duplo clique o contato volta ao estado anterior.
• Dê um duplo clique no Tag e deixe-o na posição forçar ON.
• Agora pressione F7, ou vá até o menu Online  Force Values. O nosso
botão de partida será forçado para a situação ON.
Observe que o TAG PartidaMotor aparece em vermelho. Ao redor
da quadrado azul também aparece uma linha vermelha para indicar
que esta variável está sendo forçada.
Contato NA logicamente fechado, forçado.
• Repare que a indicação FORCE aparece no canto esquerdo da tela, para
indicar que existem variáveis forçadas em seu programa.

• Se quisermos forçar várias variáveis ao mesmo tempo, podemos ir clicando


com o mouse e deixando-as nos valores lógicos desejados, assim que
pressionamos F7 os valores são carregados para os Tags.
• Verifique o funcionamento do seu programa, ele deve ligar o contator
principal juntamente com o estrela, contar um tempo de 3 segundos,
desligar o contator estrela, esperar mais um segundo e ligar o contator
triângulo.
• Vamos agora retirar o comando de partida, clique novamente com o botão
esquerdo do mouse sobre o TAG PartidaMotor e verifique como ele muda
o status:
Contato NA logicamente fechado, forçado.

Tag em vermelho, aparece um quadrado na parte inferior do


contato com bordas azul claro e preenchimento cinza.
Contato NA logicamente fechado e forçado. Liberar comando
FORCE quando ocorrer novo comando FORCE.
Tag em vermelho, aparece um quadrado na parte inferior do
contato com bordas azul claro sem preenchimento.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 57


Página: 57
Contato NA logicamente fechado e forçado. Forçar estado OFF
quando ocorrer novo comando FORCE.
• Se estivéssemos ONLine com o CLP, bastaria colocarmos o comando
Liberar comando Force, que o TAG assumiria o valor da entrada digital
logo em seguida.
• Como estamos com um CLP virtual, que não possui entradas físicas, para
desligarmos adequadamente este contato precisamos forçá-lo para a
condição OFF e logo em seguida liberar o comando force.
• Experimente agora forçar o botão de desliga. Force-o para a condição ON
(Aberto pois ele é um NF), logo em seguida para a condição OFF e então
libere o FORCE.
• Estas funções estão disponíveis tanto no modo Simulação, como
conectado com o CLP.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 58


Página: 58
Forcando variáveis pela configuração do XC100/200

• Quando utilizamos as linhas de CLP’s XC100 ou XC200,podemos forçar os


elementos de entrada e saída utilizando XC100 ou XC200. Desconsidere
este tópico se não está trabalhando com estes CLP’s
• No Organizador vá em Resource  PLC Configuration

Valor do BYTE em
questão
Status das entradas /
saídas

• Para forçar a entrada PartidaMotor basta clicar uma vez com o botão
esquerdo do mouse no quadrado que se encontra à esquerda do TAG.

• Para desligá-lo é só clicar novamente neste quadrado.


• Acione agora o TAG ParadaMotor.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 59


Página: 59
CRIANDO TELAS DE SIMULAÇÃO
• Para criar telas de simulação é necessário estar com o simulador parado,

por isso vá até a opção menu Online  Logout.

• Vá agora até o organizador e selecione a opção Visualizations.


• Clique com o botão da direita do mouse sobre a pasta Visualizations e
selecione a opção ADD Object...
• Isto abrirá a seguinte tela:

• Dê um nome para este Objeto de Visualização, por exemplo VIS1.

ZOOM da
TELA

Organizador
Tela de Visualização

Coordenadas Elemento selecionado


XY do cursor para desenho. Status CoDeSys.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 60


Página: 60
• Itens da barra de ferramentas

- Quadrado

- Quadrado com bordas arredondadas

- Círculo

- Polígono

- Linha

- Linha Curva

- Segmento de Círculo

- Importar Bitmap

- Mostra outras telas em área definida

- Botão

- Importa figuras WMF.

- Tabela.

- Meter

- Gráfico de barras

- Histograma

• Primeiramente vamos criar um botão de Partida. Clique no ícone para


criar um botão na tela de visualização.
• Assim que você selecionar esta opção, clique e arraste o mouse na tela de
visualização para criar o botão

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 61


Página: 61
• Dê um duplo clique neste botão para editá-lo
Criar textos Importar Bitmap

Associação com
variáveis

Entrada de
dados

Tooltip

• Para cada item selecionado, teremos uma caixa de diálogo diferente.


• Selecione a opção Text

Texto do botão

Alinhamento do
texto

Fonte do texto

• Escreva no texto do botão Partida Motor. Mantenha o alinhamento central e


escolha uma fonte de texto qualquer.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 62


Página: 62
• Selecione agora a opção Input.

• Selecione a opção Tip Variable. Clique com o mouse dentro do quadro


branco e pressione F2.
• Assim que a tela help manager abrir selecione em Entradas_Saidas 
PartidaMotor (BOOL)

Botão tipo retenção


Botão tipo PUSH

Inverter botão tipo


PUSH
Chama outra tela de
visualização
Executa um
programa

Entrada de dados pela


variável ´Textdisplay´

• Selecione agora Text for Tooltip

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 63


Página: 63
• Escreva em Content: Ligar a Bomba de Vácuo.

• Pressione OK e o botão de partida estará pronto. Vamos agora criar o


botão de parada, basta criar um outro botão do lado deste e configurá-lo da
seguinte maneira.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 64


Página: 64
• Vamos criar agora os sinaleiros do nosso motor. Crie um círculo ao lado

dos botões ( ) conforme abaixo

• Dê um duplo clique no círculo e a tela de configuração desta figura irá


aparecer.

Controle da forma Texto da figura

Contorno
Cores
Controle de
movimentos

Variáveis
Entrada de dados
Tooltip

• Na opção Text  Content escreva o seguinte: Bomba de Vácuo


• Entre agora na opção Color

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 65


Página: 65
Figura sem Figura sem
Cor utilizada na preenchimento FRAME
situação normal

Cor do frame
da figura

Cor dentro da figura Cor utilizada na


situação alarme

• Nesta opção podemos controlar as cores de nosso objeto.


• Em Color escolhemos a cor natural de nosso objeto e em Alarm Color
escolhemos uma cor a ser utilizada quando a variável for 1.
• Clique em color  Inside e escolha a cor vermelha.
• Selecione agora a opção Alarm color  Inside e escolha a cor verde.
• Clique agora na opção Variables

Torna o objeto invisível

Muda a cor do objeto

Coloca um valor no
objeto

• Pressione a tecla F2 no campo Change color.


• No Help Manager selecione em Entradas_Saidas ContatorPrincipal.
• Selecione agora a opção Text for Tooltip e escreva o seguinte: Contator
Principal Bomba de Vácuo.
• Crie o mesmo procedimento para os outros dois contatores como abaixo.
Utilize a opção CTRL+C (Copiar)e CTRL+V (Colar) para que os círculos
saiam iguais.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 66


Página: 66
• Nosso display irá ficar desta forma:

• Vamos gerar um mostrador de tempo. Faça um quadrado ( ) logo abaixo


dos botões de partida. A tela de configuração é idêntica à do círculo.
• Configure conforme abaixo

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 67


Página: 67
• O CODESYS substitui a expressão %s pelo valor constante em
Textdisplay. (Veja abaixo)
• Selecione agora a opção Variables.
• Coloque o cursor dentro do quadrado branco em frente a Textdisplay.
• Pressione F2 e selecione PLC_PRG  TempoDesligaEstrela  ET (TIME)

• Nossa tela de visualização está pronta:

• Vamos colocar o programa mais uma vez em funcionamento


• Certifique-se que o CODESYS esteja em modo de simulação (Online 
Simulation Mode...)
• Clique no menu Online  Login e logo em seguida Online  RUN.

Sistema parado

• Clique no botão Partida Motor. Observe que se você segurar o mouse


sobre um objeto ele irá exibir o texto digitado em Tooltip.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 68


Página: 68
Sistema partindo
Tooltip Tempo decorrido

• Após 3 segundos a contatora estrela desliga. E após mais um segundo a


contatora triângulo é acionada.

Motor em regime normal.

TRABALHANDO COM BREAK POINTS E CONTROLADORES DE


CICLO
• Break Points são paradas criadas em nosso programa para nos auxiliar

nas etapas de testes.

• Coloque o programa em LOGIN no modo de simulação, mas não coloque o


programa em RUN.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 69


Página: 69
• Do lado esquerdo podemos ver a numeração das linhas lógicas.
• Clique com o mouse sobre o número 2 e o número 4.

• Acabamos de criar nas lógicas 2 e 4 break points. A cor azul claro indica
onde estão os break points.
• Quando selecionarmos RUN, o programa irá rodar até chegar em um break
point, então ele irá ficar parado neste ponto até darmos o comando RUN
novamente.
• Vá no menu Online  RUN, ou pressione F5.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 70


Página: 70
• O programa roda e irá parar na linha 2. Esta assume a cor vermelha para
indicar onde o programa parou
• A linha 2 e a três só serão executadas quando pressionarmos RUN
novamente.

• O programa irá rodar até encontrar outro break point. No nosso caso o
próximo break point está na linha 4.
• O programa só executará a linha 4 , 5 e 1 se pressionarmos RUN
novamente.
• O programa volta a parar na linha 2.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 71


Página: 71
• Para desativar o break point clique uma vez com o botão esquerdo do
mouse sobre a linha2 e 4.
• Podemos ainda trabalhar com um controlador de ciclo, ou seja, um
comando que induz o CLP a executar um ciclo de cada vez.
• Entre em Menu Online  Single Cycle ou pressione CTRL + F5. Com isto
o programa irá rodar uma vez e logo em seguida entrará em stop.
• Outra ferramenta é o Step. Este comando faz com que o CLP execute uma
linha lógica de cada vez.
• Crie um break point na linha 1 do programa e entre no Menu Online  Run
ou pressione F5.

• Entre no menu Online  Step in , ou pressione F8.


• Repare que apesar de não termos criado um break point na linha dois, esta

fica vermelha.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 72


Página: 72
• Se pressionarmos F8 ou dermos mais uma vez o comando Step In, a linha
2 será executada e o programa irá parar na linha3.
• Caso pressionemos F5 ou executemos o comando RUN, o programa irá
executar as linhas lógicas deste ponto em diante e irá parar assim que
encontrar um break point.

Comunicação em Ethernet com IHM+CLP.


A interface Ethernet do dispositivo é utilizada para a visualização "GALILEO",
como também programação do PLC com "XSoft-CoDeSys". Para a
comissionamento da comunicação entre o dispositivo e o PC siga os seguintes
passos descritos.

Um endereço IP sempre consiste de uma rede e um endereço do computador. A


máscara de rede especifica quais bits pertencem à rede e quais não.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 73


Página: 73
Selecione para o
dispositivo um endereço
diferente do computador e
da rede local. Você pode
determinar o endereço de
rede do seu PC em Start
 Setting  Network
Connections  Local
Area Connection.
Selecione a opção da lista
Internet Protocol (TCP /
IP) e
pressione o botão
"Properties".
Configuração de rede do
computador

Exemplo: Endereço de IP do PC:


Endereço IP: 192.168.0.71
SubnetMask: 255.255.255.0

Isso significa que:


Endereço de rede: 192.168.0
Endereço do Computador: 71

Selecionar um endereco de IP para a IHM:


Endereço de rede: 192.168.0
Endereço IHM: 72 (número entre 1-254 e não pode ser o que já
foi utilizado no endereço do computador)

 Endereço de IP da IHM:
Endereço IP: 192.168.0.72
SubnetMask: 255.255.255.0

 A utilização dos mesmos endereços podem causar problemas críticos


na rede.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 74


Página: 74
Verificar e ajustar o endereço de IP da IHM

Depois que o Windows CE foi iniciado, pressione o Start vá para o menu


Programs  Control Panel

Dê um duplo clique no ícone "Network".

Dê um duplo clique no ícone "ONBOARD1".

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 75


Página: 75
Uma janela 'FEC
Driver Ethernet "
será aberta.
Selecione o IP
desejado o
endereço da IHM e
a máscara de sub-
rede. Use o
Gateway somente
quando necessário,
em seguida,
pressionar OK.

 O endereço IP e máscara de sub-rede deve ser consistente com a


configuração de rede do PC e respectivamente, a rede da empresa.
Em caso de dúvida pergunte ao seu administrador de rede.

Cabo de Ethernet

Conectar a IHM diretamente ao PC com um cabo crossover. Se você usar um hub


ou switch utilize um cabo ethernet direto de 1-para-1.

Testar a conexão Ethernet

Para testar a conexão, pressione o Start vá para o menu Run  Digite “ping
192.168.0.72” que é o endereço da IHM.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 76


Página: 76
O primeiro programa do CLP da IHM

Se você gostaria de usar a IHM sem a funcionalidade de PLC interna, por favor,
ignore este capítulo e continue do capítulo “O primeiro projeto no GALILEO”.

Este capítulo consiste em uma aplicação básica, que mostra a programação com
XSoft-CoDeSys-2 e as etapas de comunicação entre CLP de uma XV100 com o
PC.

Pontos de licença para funcionamento do CLP

Para função CLP na IHM é necessário de pontos de licença adicional no


dispositivo. A XV100 com classificação do tipo XV-1x2-...-PLC, XV-1x2--TVRC ...
... e XV-1x2--TWRC ... ... são entregues com 240 pontos de licença e destinam-se
a operação como dispositivos IHM e como dispositivos de controle (IHM+PLC).

Instalação do programa de execução do CLP na IHM

A XV100 não contém o programa de execução do CLP. O programa de execução


do CLP pode ser transferido para o dispositivo com a ferramenta
"TargetFirmwareWinCE". Esta ferramenta pode ser iniciada a partir do ambiente
Windows ou de dentro do XSoft CoDeSys-2 no ambiente de desenvolvimento

Executar a instalação na plataforma do Windows:

Inicie a ferramenta "TargetFirmwareWinCE_V2.4.9" em seu PC através de clique:


Start  Programs  Eaton  CAA-Targets  XC-XV-Targets V2.3.9 SP3 
Firmware XV-1xx
Depois de iniciar a instalação, continue até aparecer a seguinte janela.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 77


Página: 77
Selecione o tipo de instalação desejado e execute os seguintes passos:

 Instalação FTP (sugestão Eaton):


A instalação do PLC é feito através de FTP.

Passos necessários:
- Verifique se o dispositivo está conectado ao seu PC via ethernet.
- Iniciar o dispositivo.
- Inicie o servidor de FTP da IHM, clicando em Start  Programs 
Communications  FTP-Server.
- Continuar a instalação no PC até que a janela a seguir aparece.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 78


Página: 78
- Selecione "Boot behaviour". Por favor, note que o sistema operacional não
está marcado. para a instalação do sistema operacional,
- Clique no botão "Next".

- Selecione o destino: "Internal stotage" para executar a instalação do CLP


na memória interna da IHM. Selecione "Removable drive" para executar a
instalação do CLP no cartão SD, sendo que nesta opção é necessário
inicializar o CLP pelo cartão SD. Clique no botão "Next".

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 79


Página: 79
- Digite o endereço IP do dispositivo de destino. Continue o procedimento de
configuração.
- Após terminar a instalação, reinicie o dispositivo para iniciar o programa de
execução do PLC.

Após o sucesso na instalação do programa de execução do PLC e a


reinicialização do dispositivo, uma exibição do status do programa de execução
do PLC irá aparecer no dispositivo (depois clique no ícone na barra de
tarefas do Windows CE).

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 80


Página: 80
Se uma visualização já está instalada na IHM e se esta visualização
esconde a tela de status, você pode parar a visualização pressionando o
botão CTRL na parte de traz da IHM.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 81


Página: 81
TRANSFERINDO O PROGRAMA

• Feitas as configurações clique em Project  Rebuild All


• Coloque o cabo no CLP.
• No menu Online, certifique-se que o CoDeSys não está em modo de
simulação.
• Entre agora em On line  Communication Parameters

Tipo de conexão Configuração da


(TCP/IP ou LOCAL) conexão

Transferência do programa via rede Ethernet


• Clique agora na opção New...

De um nome para comunicação do CLP. Por exemplo:


Comunicação_CLP e aceite com um OK.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 82


Página: 82
IP do CLP

• De um duplo clique em localhoste e configure com o IP do seu


equipamento.
• Depois de selecionado o tipo de conexão a ser realizada.
• Entre agora na opção Online  Login
• Caso apareça a mensagem :

Verifique novamente o endereço de IP da IHM e do PC, verifique também o


cabo de comunicação e se o FTP da IHM esta habilitado.

• Caso a conexão se estabeleça aparecerá a seguinte mensagem.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 83


Página: 83
• Selecione a opção Sim.
• Logo após o Download o CLP estará pronto para entrar em operação.
• Tudo o que foi explicado até aqui, tanto em monitoração como em
simulação é válido quando se está conectado ao CLP.
• Para colocar o CLP em marcha selecione Online  RUN.

Transferência do programa via rede serial

Utilizado somente quando for fazer o comunicação com cabo serial XC100,
XC200 ou EC4P
• Clique agora na opção New...

• Selecione a opção Serial (RS232) 3S Serial RS232 driver , de um nome


para a sua comunicação e confirme com OK

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 84


Página: 84
Porta serial

Baud rate

• Para a comunicação serial, clique com o botão da esquerda sobre o


COM1, ele irá ficar cinza e a cada dois cliques ele mudará a configuração,
faça isso até achar sua configuração.
• Clique agora no Baud Rate, utilizando o mesmo princípio, e selecione
38400 (default).

• Depois de selecionado e ajustado o tipo de conexão a ser realizada.


• Entre agora na opção Online  Login

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 85


Página: 85
• Caso apareça a mensagem :

Verifique novamente a configuração de hardware, lembrando que a


configuração necessária para a comunicação é
Baud rate = 34800; Parity = No; Stop bits = 1(232) ou IP=192.168.119.200
Port=1200 (Ethernet). Caso o erro persista verifique o hardware (conexões
e cabos) e faça a operação Login novamente.

Alterações ONLINE
• Para executar qualquer alteração ON LINE no CLP proceda da seguinte
forma:
• Entre em Online  Logout
• Faça as alterações necessárias no software.
• Entre no menu Project  Rebuild All...
• Logo em seguida selecione no menu On line  Login

• Se selecionarmos Yes as alterações serão feitas sem parar o


processamento (ONLINE CHANGE)
• A opção Load all irá parar a CPU para executar a transferência.
• A alteração ONLINE só não pode ser feita em duas situações distintas:
Alterações de hardware e inserções de novas bibliotecas.

Create Boot Project


( Necessário cartão de Memória caso seja XC100 )

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 86


Página: 86
Para que o CLP mantenha o programa armazenado na memória flash é
necessário criar o Boot Project e enviá-lo para a memória .
• Boot Project é criado da seguinte forma:
• Insira a MMC no slot de memória. (Somente para a CPU XC100)
• Entre em Oline  Login.
• Entre em Online  Create Boot Project

• Selecionando Sim o arquivo de boot será enviado para a memoria flash.


OBS.: Na CPU modelo XC100 não é possível fazer esta operação com o
CLP em RUN.

Sourcecode Download
( Necessário cartão de Memória caso seja XC100 )

• Para enviar o Código fonte do programa do CLP


• Entre em Oline  Login.

• Entre em Online  Sourcer Code Download.


• Após essa operação o código fonte do programa encontra-se na MMC.
(Somente para a CPU XC100)
• É possível fazer um futuro Up-load do programa.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 87


Página: 87
Upload do programa do CLP
( Necessário cartão de Memória caso seja XC100 )

Para realizar um futuro Up-Load do programa do CLP é necessário fazer o


Sourcecode Download que é enviar o código fonte para a memoria do CLP. Caso
o programador não realize este procedimento, o programa não pode ser baixado
da CPU.

Para fazer o Up-Load do programa, abra um novo projeto e entre em File 


Open

Selecione a opção PLC...

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 88


Página: 88
Selecione a CPU em Target Settings

Selecione o IP do dispositivo e pressione OK.

O programa gravado na memoria da CPU deve se abrir. Caso não abra verifique
a comunicação com o dispositivo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 89


Página: 89
OBS.: O programa vem completo com todos os Tag’s simbólicos e comentários

IMPORTANDO BIBLIOTECAS

As bibliotecas são conjuntos de function Blocks que podem ser exportadas


e importadas.
Para importar uma nova Biblioteca, proceda da seguinte forma:
• Selecione no menu a opção Window  Library Manager: Ou vá até a aba
Resources  Library Manager

Bibliotecas Protótipo do Bloco


importadas selecionado.

Organizador do
Library manager

• Para importar uma nova biblioteca clicamos com o botão da direita do


mouse sobre a área de bibliotecas importadas.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 90


Página: 90
• Assim que a caixa de diálogos abrir selecionamos a opção Additional
Library.
• E escolhemos o arquivo .LIB que desejamos importar neste projeto.

Utilizando Bibliotecas no projeto

Para utilizar uma biblioteca especifica no projeto, selecione a linha que será
colocada o bloco de função, entre na opção Insert  Function Block ou Ctrl+B
ou com um clique do botão direito do mouse sobre a linha de programação,
selecione a opção Function Block.

Após a seleção do bloco de função desejado confirme com um OK

Utilizando instruções de comparação e operações


matemáticas

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 91


Página: 91
Abaixo você encontra uma tabela de operandos mais ulilizados:

AND operando AND Os operandos podem ser do


OR operando OR tipo: BOOL, BYTE, WORD ou
XOR operando OR exclusivo DWORD

ADD Adição Os operandos podem ser do


SUB Subtração tipo: BYTE, WORD, DWORD,
MUL Multiplicação SINT, USINT, INT, UINT,
DIV Divisão DINT, UDINT ou REAL.

Os operandos podem ser do


GT Operando > (Maior) tipo: BOOL, BYTE, WORD,
GE Operando >= (Maior ou igual) DWORD, SINT, USINT, INT,
EQ Operando = (Igual) UINT, DINT, UDINT, REAL,
NE Operando <> (Diferente) LREAL, TIME, DATE,
LE Operando <= (Menor ou igual) TIME_OF_DAY,
LT Operando < (Menor) DATE_AND_TIME e
STRING.

MOVE Mover (Atribuição de uma variável a outra variável de um tipo


apropriado)

Exemplo de inserção de operados

Para inserir um operando na lógica basta selecionar a linha onde será inserido o
operando e entrar no menu Insert  Box with EN ou com o botão direito do
mouse direto na linha do programa conforme figura abaixo:

Sempre que é inserido um novo operando, ele vem como AND e para mudar é
necessário selecionar o nome sobre o bloco e digitar o nome do outro operando
conforme utilização do projeto.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 92


Página: 92
Com um clique do botão direito do mouse sobre as entradas também podemos:
Inserir novas entradas para o bloco em Insert at Blocks  Inputs
Ou uma entrada com derivação para saída em Insert at Blocks  Assing
Ou um novo Box para inserção de outro operando em Insert at Blocks  Box.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 93


Página: 93
No exemplo acima temos a seguinte expressão matemática:

Resultado = (Var1 x Var2) + (Var3 / Var4) + (Var5 – Var6)

Funções de conversão de operadores

Pode-se basicamente converter a partir de qualquer tipo de variável para qualquer


outro tipo de variável. É proibido converter uma variável de um tipo de "maior"
para um tipo de "menor", quando a variavel maior tem um valor numerico maior
que a variável menor (por exemplo: INT_TO_BYTE  de INT > 255 para BYTE
ou DINT_TO_WORD  DINT > 65535 para WORD).

Exemplo de inserção de funções de conversão de operadores

Para inserir um operando na lógica basta selecionar a linha onde será inserido o
funcão e entrar no menu Insert  Box with EN ou com o botão direito do mouse
direto na linha do programa conforme figura abaixo:

Sempre que é inserido um novo operando, ele vem como AND e para mudar é
necessário selecionar o nome sobre o bloco e digitar o nome da conversão
conforme utilização do projeto (por exemplo: REAL_TO_TIME  Esta função esta
convertendo uma variavel do tipo real para uma variável do tipo tempo). Pode-se
também acionar a tecla F2 em cima do nome do bloco e entrar na opção
Conversion Operator para escolher qual será a função da conversão.

Segue abaixo alguns exemplos de conversão de operadores

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 94


Página: 94
Programação do CLP da IHM com o XSoft-CoDeSys-2

No menu File  New, você pode iniciar um novo projeto

Antes de começar a programação você tem que selecionar o tipo de dispositivo


na janela “Target Settings”

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 95


Página: 95
Por favor, selecione o Target XV-1xx-V2.3.9 SP2 (Patch 1)

Na janela de diálogo que aparece continue com "OK”.

Na próxima janela de diálogo, você pode gerar uma unidade de programação. No


exemplo mostrado, é gerada uma nova POU "PLC_PRG" na linguagem de
programação "LD".

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 96


Página: 96
Depois disso, você pode abrir o POU "PLC_PRG" no registo "POUs" e fazer o
programa como abaixo:

Depois de digitar "CONTADOR_IHM" e pressionando "ENTER" uma janela de


diálogo abrira para declaração da variável. Selecione o tipo de variável "INT" e
pressione OK

No campo da declaração, a variável "CONTADOR_IHM" é exibida.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 97


Página: 97
Selecione no menu Project  Rebuild All para compilar o projeto. Se o
programa de teste compilar sem erro, então ele está pronto para Download.

Download do programa para o CLP no dispositivo


Selecione no XSoft-CoDeSys-2 menu Online  Communication Parameters.
Para gerar um novo canal comunicação clique em (New ...).

Selecione "TCP / IP (Level 2 Route") e de um nome a conexão de comunicação


por exemplo, "Minha IHM" e reconheça a modificação com um OK.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 98


Página: 98
Digite no campo " Address" o endereço de IP do seu dispositivo (por exemplo,
192.168.0.72). Para fazer isso você tem que dar um duplo clique em "localhost" ,
colocar o endereço IP e pressione "Enter" para aceitar a entrada.
Reconhecer a modificação com OK.

Certifique-se que o menu Online  Simulation Mode esta desativado

Depois você pode fazer o download do programa para o dispositivo via Online 
Login. E pode iniciar o programa selecionando a opção Run em Online.

 Para que o programa do CLP permaneça no dispositivo, você tem que


gerar um Boot do projeto no dispositivo. Se isso não for feito, o
programa é perdido quando a energia é desligada. Para salvar o projeto
no dispositivo, verifique se você está logado em (Online  Login) e,
em seguida, selecione Online  Create boot project.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 99


Página: 99
Configuração do arquivo de símbolos

A comunicação entre o CLP e a IHM é feita por um endereço simbólico de


variáveis. Para ser capaz de fazer isso, um arquivo de símbolo tem que ser
gerado. Além disso, através deste processo de geração, o arquivo de símbolos
também pode ser usado como um arquivo de importação de variáveis para a IHM.
Através da importação do arquivo de símbolos na IHM todas as variáveis do CLP
com seus respectivos nomes são inseridas na IHM, assim não tendo que fazer tag
por tag com seus nomes e endereços no programa da IHM.

O arquivo de símbolo é usado como base de comunicação. O conteúdo do


arquivo de símbolos é configurado na plataforma PLC-development. Ao compilar,
o arquivo de símbolo é gerado e quando fizer o Download, o programa e o arquivo
de símbolo é enviado para o CLP.

 Para melhor desempenho de comunicação, sugere-se que apenas as


variáveis que são necessárias para IHM sejam exportadas para o
arquivo de símbolo. Sendo assim, o campo de Variáveis Globais deve
ser estruturado. Isto pode ser aplicado, por exemplo, através da
definição de uma área variável global onde as variáveis são separadas
entre: Variáveis para comunicação com a IHM e variáveis que não são
utilizadas na IHM.

Procedimento:
No caso de você não tiver salvo o projeto do CLP ainda, salvar o projeto através
do menu File  Save as... em seu PC.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 100


Página: 100
Geração de uma nova lista de variáveis:
 Sob a árvore do projeto, clique na aba "Resources".
 Na árvore Resources , abra do diretório "Resource/Global Variables".
 Clique com o botão direito do mouse na entrada "Global Variables" e
selecione a opção " Add Object...".

Na janela de diálogo que aparecera digite o nome desejado da lista de variáveis e


confirme pressionando OK.

Definir a configuração do símbolo para o arquivo de símbolo:


 Certifique-se que o menu Online  Simulation Mode esta desativado

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 101


Página: 101
 Clique no menu Project  Options ... e selecione a categoria " Symbol
configuration " e ative a caixa de selação " Dump symbol entries " e " Dump
XML symbol table ".
- Com a função " Dump symbol entries " e " Dump XML symbol table "
selecionadas, dois arquivos de símbolos será gerado cada vez que o projeto é
compilado.

 Definir a partir de quais os objetos as variáveis devem ser tomadas para


exportar para o arquivo de símbolo:
- Clique no botão " Configure symbol file…".
- Em principio todos os objetos estão selecionados. É por isso que você deve
desativar a opção (para todos os objetos) em " Export variables of object ".

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 102


Página: 102
- Abra o subdiretório " Resources \ Global Variables ".
- Selecione a lista de variáveis que você gostaria de exportar.
- Ative a opção " Export variables of object " e confirme com OK.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 103


Página: 103
 Confirmar as opções de projeto com OK.

Alocar as variáveis necessárias para Resources  Global Variables 


VariaveisIHM que foi criado anteriormente:

 Na árvore, clique na aba POUs entre no projeto clicando duas vezes na


unidade de programação na qual estão as variáveis que você gostaria de
alocar para a lista de variáveis.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 104


Página: 104
 Coloque o cursor na variável que você gostaria de alocar.
 Clique no menu Edit  Auto Declare ... ou SHIFT+F2
- A janela de " Declare Variable" será aberta.
 Selecione a classe "Class" "VAR_GLOBAL".

 Selecione em "Symbol list" a lista de variáveis que você gostaria de atribuir.

 Confirme os ajustes com a tecla OK.

Compilar e fazer o download do projeto para o CLP:


 Clique no menu Project  Rebuild all para compilar o projeto.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 105


Página: 105
 Clique no menu Online  Login para entrar Online no CLP.
 Clique no menu Online  Run para rodar o programa no CLP.
 Clique no menu Online  Create boot project para salvar o programa do
CLP.
 Clique no menu Online  Logout para fazer logoff do dispositivo.

 O desempenho de visualização (ciclo Refresh) pode ser aumentada


através do agrupamento variáveis individuais em estruturas de dados
"Struct" ou campos de dados "array". Os dados estruturas e os campos
de dados são transferidos em um pacote de comunicação entre o
XSoft-CoDeSys-2 e o GALILEO, e as variáveis individuais são enviados
em embalagens individuais uma atrás da outra.

O primeiro projeto no GALILEO

Ele consiste em uma aplicação simples que deve mostrar a projeção da conexão
da IHM para o CLP da XV100.

Criando um novo projeto

Inicie o software GALILEO. O primeiro passo é gerar um novo projeto de IHM.


Menu Project  New.
Na janela "New Project" você deve primeiro criar um diretório para o novo projeto.
Exemplo: IHM_Guia_rapido
Isto é usado para gerar uma visão hierárquica, quando tiver mais de um projeto.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 106


Página: 106
Uma janela para um novo projeto deve ser aberta. Após isso, você deve entrar
com o nome desejado no campo de entrada File name.
Exemplo: IHM_Guia_rapido
 Confirmar o nome com Create.

Selecionar o modelo da IHM

A janela " Panel Selection" é aberto automaticamente quando um projeto novo é


gerado. Também pode ser aberto através do menu Config  Panel Type em
um momento posterior.
Clique em " Panel Selection " e selecione o modelo da IHM:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 107


Página: 107
Confirmar os ajustes com a tecla OK.

Para o campo de
seleção "Format" a
opção Landscape é
escolhido para
utilização da IHM na
horizontal e Portrait
como porta retrato
(vertical)

Selecionar o CLP

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 108


Página: 108
A janela " Select PLC" será aberto automaticamente quando um projeto novo é
gerado. Também pode ser aberta em Config  Select Communication em um
momento posterior para selecionar e/ou editar mais tarde.

Dependendo do modelo da IHM, diferentes tipos de comunicações estão


disponíveis CAN, RS232, RS485 ou MPI.
Selecione em "Add" a comunicação com o CLP.

O exemplo a seguir usa o CLP integrado como a IHM. Mais também pode ser
selecionado mais que um controlador. De modo que um CLP pode ser conectado
através da rede MPI (Onboard) e outra para o CLP interno CoDeSys MXpro.
Podemos ter diferentes tipos endereços e variáveis na mesma IHM.

Seleção do CLP integrado: CoDeSys Xsoft-CoDeSys-2/MXpro

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 109


Página: 109
Confirmar os ajustes com a tecla OK.

Criar Tela

O primeiro passo é gerar uma máscara vazia (Tela). Na aba Masks, direcionar o
cursor na opção Masks (standard) selecione com o botão direito do mouse em
"New":

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 110


Página: 110
Dê um nome a máscara, por exemplo: "Tela1".

Após isso, você pode inserir objetos na máscara usando a barra de ferramentas
Objects Toolbar. Por favor, use o menu de ajuda para informar sobre os objetos
individuais e sua capacidade.

Objetos da barra de ferramentas


Para inserir na tela qualquer objeto de barra de ferramentas basta selecionar o
mesmo, clicar na tela e arrastar até atingir o tamanho necessário.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 111


Página: 111
Seleção – Ferramenta "Seleção" - Escolha objeto
Selecione os objetos (um ou vários objetos) dentro de uma máscara

Selecção da área - Ferramenta "Área de seleção"


Selecione vários objetos dentro da máscara

Texto - Desenha texto

No.: (Numero do texto)


Mostra o número do texto do campo "Text". O número pode carregar diretamente
o texto. Se clicar diretamente no cabeçalho "No.", você pode escolher em uma
lista de textos já criados e selecionar o que será utilizado.

Text: (Texto)
Janela de visualização para verificar a aparência, o tamanho da fonte selecionada
e as cores.

Font Style: (Estilo da Fonte)


Para selecionar a fonte do texto selecionado para ser mostrado no objeto.

Font Size: (Tamanho da fonte)


Para selecionar o tamanho da fonte para ser mostrado no objeto.

Horizontal Alignment: (Alinhamento horizontal)


Alinhamento de texto horizontal: "Top (em cima)", "Centered (centralizado)" e
"Bottom (em baixo)" podem ser selecionados.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 112


Página: 112
Vertical Alignment: (Alinhamento Vertical)
Alinhamento do texto vertical: "Left (esquerda)", "Right (ditreita)" e " Centered
(centralizado)" pode ser selecionado.

Bold: (Negrito)
O texto é mostrado em negrito.

Italic: (Itálico)
O texto é apresentado em itálico.

Underline: (Sublinhado)
O texto é mostrado sublinhado.

Strikeout: (Riscado)
O texto é apresentado com um tachado.

Word Wrap Automatic: (Quebra automática de linha)


O texto é disposto em torno do objeto automaticamente.

Foreground: (Primeiro plano)


Para selecionar a cor da fonte para o texto a ser mostrado no objeto.

Background: (Fundo)
Para selecionar a cor de fundo do objeto. Esta seleção só está disponível se a
caixa de seleção Trans. não estiver ativada.

Blinking: (Piscando)
Para definir se o texto ou o seu fundo é uma memória pisca pisca. O efeito pisca é
causado pela alteração alternada do texto e cor de fundo. (Este atributo está
disponível apenas com objetos específicos)

Transparent: (Transparente)
Ativando esta opção fará com que o texto apareça no objeto sem fundo. Esse
atributo não está disponível para objetos dinâmicos.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 113


Página: 113
Line - Desenha linha

Outline Width: (Largura do contorno)


Espessura da linha em pixels do objeto desenhado ou sua estrutura (máx. 20
pixels).

Outline Color: (Cor de contorno)


Cor da linha ou moldura do objeto desenhado.

Rectangle - Desenha linha "Retângulo"

Rounded Rectangle - Ferramenta de desenho "Retângulo arredondado"


Os raios dos cantos podem ser ajustado conforme necessário.

Ellipse - Ferramenta de desenho "Elipse"

Polygon- Ferramenta de desenho "Polígono"


Um ponto de vértice do polígono é inserido em cada posição onde o botão
esquerdo do mouse é clicado. O polígono é completado por duplo clique (botão
esquerdo do mouse) ou pressionando ESC.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 114


Página: 114
Os objetos "Linha", "Retângulo", "Retângulo arredondado", "Elipse" e "Polígono"
são configuradas através da mesma caixa de diálogo mesmo.

Outline Width: (Largura do contorno)


Espessura da linha em pixels do objeto desenhado ou sua estrutura (máx. 20
pixels).

Outline Color: (Cor de contorno)


Cor da linha ou moldura do objeto desenhado.

Fill Color: (Cor de Preenchimento)


Preenche a cor do objeto, se o " with" da caixa de seleção estiver ativado.
Se o " with " da caixa de seleção não tenha sido ativada, o objeto será desenhado
sem uma cor de preenchimento (transparente).

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 115


Página: 115
Draw Bitmap: Insere um objeto de imagem

Keep Size: (Manter Tamanho)


• Se o "Keep Size" caixa de seleção estiver ativo, o objeto não pode ser
menor do que o tamanho da imagem.
• Se o objecto é menor do que a imagem, ela é automaticamente ajustado
para o tamanho da imagem.
• Se o objeto é maior do que a imagem, a imagem fica centrada no objeto. E
a cor de fundo fica definida na opção Background
• Se a caixa de seleção "Keep Size" não estiver ativada, o tamanho da
imagem é ajustadas conforme o tamanho do objeto.

Background: (Cor de fundo)

Cor do fundo do objeto quando a imagem é menor que o objeto da tela


Esta lista está disponível somente se a caixa de seleção "Keep Size" está ativado.

Bitmap: (Imagem)
No campo Bitmap, a janela mostra a imagem selecionada, o nome do arquivo e o
tamanho original da imagem.
O botão ... é usado para selecionar um bitmap.

Transparent: (Transparente)
Ativa / desativa a opção para exibir uma cor transparente.

Display color transparently: (Mostrar cor transparente)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 116


Página: 116
Define uma cor a ser exibida transparente. Todas as áreas da imagem que
contém esta cor não são exibidas, podendo assim vizualizar os objetos no fundo
ta parte transparente.

Seleccionar a cor a ser mostrado transparente:

Mask Change: Insere um botão para carregar máscara (tela)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 117


Página: 117
Este objecto permite uma mudança de máscara na IHM. É possível uma mudança
de máscara para qualquer outra máscara no projeto.

Style: (Estilo)
Esta configuração é usada para definir a aparência de base do objecto.

• Text: (Texto)
O botão pode ser atribuído a um texto que está selecionado e definido na
aba de texto padrão. A seleção de texto e outras configurações, tais como
estilo, tamanho, cor, etc. são definidas na aba de texto para o botão em ON
e em OFF.

• Color: (Cor)
Este botão também é mostrado como uma área colorida. A cor pode ser
selecionada a partir da aba (Color). Neste estilo nenhum texto é exibido e a
seleção de cor é feita para o botão em ON e em OFF.

• Bitmap: (Imagem)
A imagem é exibida no botão. As fotos são selecionadas no painel Bitmap.

• Transparent: (Transparente)
O botão é transparente e não é visível na máscara da IHM. No software
Galileo o botão é marcado por uma linha pontilhada.

3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click

3D Frame: (Quadro em 3D)


O botão é descrito por uma armação de 3D. A área para o texto do botão é assim
reduzida em 3 pixels devido a largura da moldura.

As cores, sombras, tamanho do quadro, etc. para esta exibição em 3D pode ser
definido na caixa de diálogo Configurações de 2D/3D em Config  Settings 
na aba 2D/3D Settings

2D Frame: (Quadro em 2D)


A botão é descrito com um pixel 1 de largura na moldura.

As cores, sombras, tamanho do quadro, etc. para esta exibição em 2D pode ser
definido na caixa de diálogo Configurações de 2D/3D em Config  Settings 
na aba 2D/3D Settings
No Frame: (Sem borda)
O botão é mostrado sem um quadro na IHM e no GALILEO com uma linha

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 118


Página: 118
pontilhada.
Apenas o conteúdo do botão é mostradoa na tela.

Delay: (Atrasar)
A zona de toque do botão não reage até um tempo específico tenha decorrido.
Isto pode evitar uma actuação brusca ou acidental de uma função. O tempo de
atraso pode ser definido na caixa de diálogo toque em Config  Settings  na
aba Touch.

Double Click: (Clique duas vezes)


A zona de toque do botão não executar uma função, a menos que tenha recebido
duas operações de toque sobre o mesmo objeto dentro de um prazo de tempo
especificado. O tempo desta "double-click" pode ser definido na caixa de diálogo
toque em Config  Settings  na aba Touch.

Mask: (Máscara)
A partir desta lista você pode selecionar a máscara que a IHM vai abrir quando o
botão é pressionado.
Esta lista mostra todas as máscaras do projeto, exceto a máscara em que o
objeto está localizado.
.

Button: Insere um objeto tipo “botão”

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 119


Página: 119
Tag:
Lista todos os Tag’s existentes do tipo BIT, BYTE, WORD e DWORD. Um desses
Tag’s pode ser selecionado para o Botão.

Botão
Ao clicar neste botão irá chamar a caixa de diálogo Definição de Tags
imediatamente

Input Parameter: (Parâmetro de entrada)


Apenas visível se o objeto encontra-se em uma sub mask.
O parametro de entrada é utilizado quando existe a necessidade de fazer varias
telas iguas (com os mesmos objetos) só mofificando os Tag’s dos objetos. Por
exemplo, o programador cria uma tela de acionamento de motor para o controle
de 30 motores diferentes e chama esta tela com os Tag’s de cada motor

Address: (Endereço)
Este campo mostra o endereço da Tag do CLP selecionado.

SET Bit:
Sem o atributo "Stream"
O bit é definido como "0" quando o botão é pressionado e definido como "1"
quando o botão é liberado. O estado ON será mostrado, se o bit é "1".
Se o botão for pressionado por engano, é possível mover lateralmente para fora
do botão, enquanto o botão permanece acionado. Deste modo, o botão pode ficar
sem ser acionado.
Com o atributo "Stream"
O bit é definido como "1" quando o botão é pressionado e definido como "0"
quando o botão é liberado.

DEL Bit:
Sem o atributo "Stream"
O bit é definido como "0" quando o botão é pressionado e definido como "1"
quando o botão é liberado. Com Bit = 1 o estado OFF é mostrado.
Se o botão está pressionado por engano, é possível mover lateralmente para fora
do botão, enquanto o botão permanece acionado. Deste modo, o botão pode ficar
sem ser acionado.
Com o atributo "Stream"
O bit é definido como "0" quando o botão é pressionado e definido como "1"
quando o botão é liberado.

Stream:
Este atributo define a função de um botão.

Se "Stream" é ativado, o bit será definido como "1" quando pressionado (ou "0"
quando o " DEL bit" estiver ativado). Quando o botão é liberado o valor inicial será
devolvido.

Se "Stream" não for ativado, o bit é invertido cada vez que o botão é desacioando.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 120


Página: 120
BIT:
Define que bit deve ser alterada dentro da tag. Esta opção só é visivel se o tag for
do tipo BYTE, WORD ou DWORD

3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click e Style


Já foi abordado no objeto Button

Switch

Este objeto permite o acionamento de bits individuais ou de vários bits em um


tags. Estes tags podem ser do tipo (byte, Word, ou Dword) e pode ser acionado
ou desacioando ao mesmo tempo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 121


Página: 121
Shift Left Bit: (Deslocamento de Bit à esquerda)
Cada vez que o botão é tocado o bit é deslocado para a esquerda dentro do tag
(na direção do bit mais significativo).
Ativando a caixa de seleção "Endless" faz com que o bit seja movido para o bit 0,
quando o bit mais significativo for atingido. Se a caixa de seleção "Endless" não
está ativada, não haverá mudança no tag quando chegar no fim do bit mais
significativo.

Shift Right Bit: (Deslocamento de Bit à direita)


Cada vez que o botão é tocado o bit for deslocado para a direita dentro do tag (na
direção do bit menos significativo).
Ativando a caixa de seleção "Endless" faz com que o bit seja movido para o bit
mais significativo, quando o bit 0 bit já foi atingido Se a caixa de seleção "Endless"
não está ativada, não haverá mudança no tag quando chegar no bit 0.

O bit mais significativo depende do tamanho do tag e as configuração de


"Passos" (por exemplo, 5 passos = Bit 0 ... 4 -> bit mais significativo é o bit 4).

Set Bit Mask: (Definir Máscara Bit)


Tocando o botão na IHM fará com que o tag vá para qualquer valor definido.
Se a caixa de seleção “User Bit Mask” estiver ativado, o valor pode ser digitado
em formato binário nos campos abaixo dele (ON).
Se a caixa de seleção “User Bit Mask” não for ativado a opção "Bit" pode ser
usado para definir quais bit no tag deve ser definido como "1". Nesta
configuração, apenas um bit pode ser definido como 1 dentro da tag (todos os
outros será definido como "0").

Set two Bit Masks ON/OFF: (Definir duas máscaras de bits ON / OFF)
Quando o botão da IHM está acionado, o tag é definido de acordo com o campo
ON. Quando o botão está desacioando, a tag é definido de acordo com o campo
OFF.
Se a caixa de seleção “User Bit Mask” estiver ativado, os valores podem ser
inseridos nos campos ON e OFF no formato binário.
Se a caixa de seleção “User Bit Mask” não for ativado a opção "Bit" pode ser
usado para definir quais bit no tag deve ser definido como "1". Nesta
configuração, apenas um bit pode ser definido como 1 dentro da tag (todos os
outros será definido como "0").

3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click e Style


Já foi abordado no objeto Button

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 122


Página: 122
Flag Display:

Com este objeto uma imagem, cor ou texto pode ser exibido na IHM para cada bit
(Estados por Bit) ou para cada valor de tag (Valor por Estados).

States per Bit: (Estado por Bit)


Com essa configuração, cada bit do tag representa um estado diferente. A tag
BYTE, portanto, tem até 9 estados.
O número de estados pode ser definido através do campo “No of States” (numero
de Estado).
Se mais de um bit é definido como 1 dentro do tag, o bit menos significativo
determina o estado.

States per Value: (Estados por Valor)


Com essa configuração cada valor de tag representa um estado diferente. A tag
BYTE, portanto, tem até 256 estados.
O número de estados pode ser definido através do campo “No of States” (numero
de Estado).

No. of States: (Numero de Estados)


Este campo de entrada é utilizada para definir o número de estados utilizados. O
número máximo possível depende do tipo da tag seleccionada.
A quantidade máxima absoluta com estilo "texto" ou "cor" selecionado é de 65.536
estados.
A quantidade máxima absoluta com o estilo "bitmap" selecionado é de 10.000
estados.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 123


Página: 123
3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click e Style
Já foi abordado no objeto Button

Value Entry / Display

Value display: Display sem entrada de valores. Definido em keyboard como


“None”
Value entry: Display com entrada de valores. Definido em keyboard como
diferente de “None” (uma lista de teclados podem ser definidos no projeto)

Este objeto é usado para inserir ou exibir uma tag do tipo BIT, BYTE, WORD
DWORD, ou FLOAT como um valor numérico na IHM. O Display pode mudar de
cor se o valor está fora de uma gama definida.
O tamanho, cor, estilo e alinahmento da fonte podem ser definidos na aba
Color/Font.
A gama de valores mostrado no display é limitado pelo "máximo” e mínimo”.
Definido no objeto Tag

Unit: (Unidade)
Uma unidade de medida pode ser atribuído a cada valor de Tag (Definido no
objeto Tag). As seguintes opções são possíveis:

• Não exibir unidade de medida

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 124


Página: 124
• Exibir unidade de medida para a direita do valor (valor da unidade de
medida é separados por um espaço)
• Mostrar unidade de medida acima do valor (2 linhas)

keyboard: (Teclado)
Lista de teclados disponíveis para introduzir um valor. Um desses teclados pode
ser selecionado.

Lead Zero: (Liderar Zero)


Se esta opção for ativada, o valor é sempre mostrado em sua largura máxima. Se
o valor for inferior ao valor máximo, zeros à esquerda será exibido ("0").
Exemplo de uma etiqueta com 6 dígitos:
Sem zeros: 12,00 m / min
Com zeros: 0.012,00 m / min
A largura máxima depende do número de dígitos definido. (Definido no objeto
Tag)

Maximum: (Máximo)
Este campo mostra o valor máximo na IHM. O valor é calculado a partir do valor
máximo do CLP.
As cores para essa faixa de valor pode ser definido na aba Color/Font (> = limite
superior).

Upper Limit: (Limite superior)


Este campo mostra o limite superior do valor na IHM. O valor é calculado a partir
do limite superior do valor do CLP.
O limite superior determina o valor no qual o display pode mudar a cor, tamanho
da fonte, e a fonte se o valor for excedido.
As cores para essa faixa de valor pode ser definido no painel Color/Font (> =
limite superior). (Definido no objeto Tag).

Default: (Padrão)
Este campo mostra o valor padrão na IHM. O valor é calculado a partir do valor
padrão do CLP.
O valor pré-determinado só é efetivo se a IHM está operando em offline (não
conectado CLP) ou o tag não é endereçado.
O valor é mostrado neste cor se o valor situa-se entre a limites superior e inferior.
As cores para essa faixa de valor pode ser definido no painel Color/Font. (Definido
no objeto Tag).

Lower Limit: (Limite Inferior)


Este campo mostra o limite inferior do valor na IHM. O valor é calculado a partir
do limite inferiior do valor do CLP.
O limite inferior determina o valor no qual o display pode mudar a cor, tamanho da
fonte, e a fonte se o valor for excedido.
As cores para essa faixa de valor pode ser definido no painel Color/Font (<=
Limite).

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 125


Página: 125
Minimum: (Mínimo)
Este campo mostra o valor mínimo na IHM. O valor é calculado a partir do valor
mínimo do CLP.
As cores para essa faixa de valor pode ser definido na aba Color/Font(<= Limite).

3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click e Style


Já foi abordado no objeto Button

PLC-Text

Este objeto permite a exibição de uma seqüências de caracteres na IHM.

String: (Seqüência de caracteres)


Lista todos os tag’s tipo string existente. Uma dessas tag’s pode ser selecionado
para o objeto.

Keyboard: (Teclado)
Lista de teclados disponíveis para introduzir um valor. O valor de retorno do
teclado contém uma seqüência de caracteres e não um número.
Se um um teclado for selecionado, o objeto torna-se uma entrada de valores. Se
nenhum teclado for selecionado, o objeto é somente um display sem entrada de
valores.

Maximum Text Length: (Comprimento do Texto Máximo)


Define o número máximo de caracteres que podem ser inseridos.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 126


Página: 126
3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click
Já foi abordado no objeto Button

Slider

Objecto deslizante usado para ajuste grosseiro do valor na tag. por exemplo,
intencidade de luz.

Direction: (Direção)
Os botões de seta pode ser usado para definir o sentido de execução do cursor.
O objeto pode ser definido com um formato horizontal ou vertical.

Background visible: (Fundo visível)


Se esta opção for desativada, somente o botão do objeto é desenhado. Caso
contrário, a área de fundo inteiro do deslizador é preenchido com a cor de fundo.

Background color: (Cor de fundo)


A cor do fundo do deslizante pode ser definido aqui.

Button size: (Tamanho do botão)


O valor define a largura do botão em pixels para um controle deslizante horizontal
ou a altura botão para um controle deslizante vertical.

Limits: (Limites)
Os valores-limite definir o intervalo que deve ser mostrado com no controle
deslizante.

3D Frame, 2D Frame, No Frame, Delay, Double Click, Style e Stream

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 127


Página: 127
Já foi abordado no objeto Button

Bargraph

Este objeto permite que um tag de valor (BYTE, WORD, DWORD, FLOAT) seja
mostrada como um gráfico de barras

Keyboard: (Teclado)
Lista de teclados disponíveis para introduzir um valor.

Direction: (Direção)
Os botões de seta pode ser usado para definir o sentido de execução do cursor.
O objeto pode ser definido com um formato horizontal ou vertical.

Scale: (Escala)
Dependendo da direção escolhida, as caixas de seleção "Top/Bottom" e "
Left/Right" definir se uma escala deve ser exibida ou não. Se o dimensionamento
é para ser mostrado a largura da barra é reduzida em cerca de 18 pixels uma vez
que a escala deve sempre ter espaço suficiente dentro de um objecto.
A escala é composta de graduações e não contém qualquer texto ou unidade de
medição exibida. Se o texto é necessário, esta deve ser criado usando objetos

Ticks: carrapatos
A configuração de " Ticks" define a número de graduações da escala.

Bargraph aba Options:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 128


Página: 128
Esta aba é utilizado para definir os valores-limite e as cores que lhes são
atribuídas

Standard Mode: (Modo padrão)


O display do Bargraph não pode ser modificado no modo Standard, isto é, os
valores limite são transferidos da Tag para o Bargraph. O valor de referência é o
mesmo que o valor mínimo.

Enhanced Mode: (Modo avançado)


Modo avançado permite que você defina os valores-limite no Bargraph. Eles
podem ser definidos como valores constantes, ou como valores dinâmicos usando
tags.

Value of the selected tag


Já foi abordado no objeto Value Entry / Display

Gauge

O objeto indicador é usado para exibir valores de tags, por exemplo, velocidades
rpm dos motores. O objecto pode ser fornecido com uma vasta gama de gráficos
de vídeo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 129


Página: 129
20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 130
Página: 130
Graph

O objeto gráfico é usado para exibir os valores graficamente. Todas BIT e valor de
tags podem ser mostradas graficamente dentro do objeto gráfico
É possível um máximo de 100 gráficos por projeto. Até 32 valores de tags
diferentes pode ser mostrado por gráfico, ou seja, o número máximo permissível
de curvas é 32.

Recipe

Recipe: (Receita)
Seleção das definições de receitas configuradas.

Write Protection Column: (Escreve Coluna Proteção)


Se esta opção for selecionada, a coluna de proteção contra gravação é exibida na
lista de seleção de receita, caso contrário, esta coluna não é visível na lista de
seleção.

Entry Number Column: (Entrada número Coluna)


Se esta opção for selecionada, a coluna com o número de entrada é exibida na
lista de seleção de receita, caso contrário, esta coluna não é visível na lista de
seleção.

Entry Name: (Entrada de Nome)


Se esta opção for selecionada, a coluna com o nome da entrada é exibida na lista

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 131


Página: 131
de seleção de receita, caso contrário, esta coluna não é visível na lista de
seleção.

Exemplo:
Vamos criar uma receita com 4 variáveis. Temperatura, Pressão, Nível e Vazão

Primeiro passo: Crie estes tag’s no CLP e importe para a IHM

Na aba Recipes, crie uma nova receita em Enhanced Recipes  New, coloque
o nome de Receita1

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 132


Página: 132
Nesta tela coloque o numero de variáveis da receita em No. Of Recipe Entries

Na aba Recipes Tags, vincule as tags que foi criada para receita e confirme com
OK

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 133


Página: 133
Com o botão direito sobre o nome da receita, selecione a opção Edit... Caso não
tenha salvo as alterações uma tela pedindo para salvar será aberta.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 134


Página: 134
Preencha a tabela com os nomes das receitas e as variáveis necessárias. Salve
as alterações em File  Save e feche a tela RecipeEdite.

Crie uma nova tela no projeto selecione a opção Recipe em Objects  Recipe,
insira o objeto na tela no tamanho desejado e de um duplo clique para entrar na
tela de configuração da receita e na aba Recipe e selecione a receita que foi
anteriormente criada.

Para Selecionar as receitas e carregar os valores na IHM temos que criar os


botões de controle especiais em Function Key. Entre em Group e selecione a

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 135


Página: 135
opção Recipies. Entre em Function e selecione a opção Load Recipie Entry, e
entre em Recipe e selecione o nome da Receita criada anteriormente. Por fim
coloque o nome do botão, por exemplo, CARREGA VALORES.
Coloque outros dois botões de controle especiais em Function Key para subir e
descer a seleção da receita na visualização. Entre em Group e selecione a opção
Recipies. Entre em Function e selecione a opção Line Up para o botão que
sobe e Line Down para o botão que desce, e entre em Recipe e selecione o
nome da Receita criada anteriormente. Por fim coloque o nome do botão, por
exemplo, SOBE e DESCE.

Para visualizar os valores das receitas em cada tag, coloque um display com o
endereço em cada tag.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 136


Página: 136
Teste a receita e verifique os valores também no CLP.

Error Window

Textos de erro pode ser exibida no objeto Error window. São três categorias
(errors, warnings e infos)  (erros, avisos e infos) que podem ser exibidas em
cores diferentes.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 137


Página: 137
State: (Estado)
Quando essa caixa de seleção é ativada, a coluna é exibido na janela de erro com
o status de erro correspondente.
0 = Erro não está mais presente
1 = Erro está presente
X = Erro reconhecido

Error Text: (Texto de erro)


Quando essa caixa de seleção é ativada, a coluna com o texto de erro é mostrada
na janela de erro.
O número de caracteres em um texto de erro não é restrita e não pode exceder o
comprimento de uma linha. Se o texto for maior, ele vai ser cortado do lado
direito.
Nota:
Quanto menor o tamanho da fonte, mais texto pode aparecer em uma linha.

Representation: (Representação)

"Same line as the rest of the information" "Mesma linha que o resto da
informação"
O texto de erro será exibida na mesma linha como todas as outras informações
selecionadas.
" 1 Line / 2 Lines / 3 Lines "
O texto de erro é exibida em 1 a 3 linhas separadas.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 138


Página: 138
Error Number: (Número do erro)
Quando essa caixa é activada, a coluna com o número de erro é mostrado na
janela de erro.

Format: (Formato)
O campo de formato pode ser utilizado para definir a saída de números de erro na
janela de erro. O caractere "#" é o espaço reservado para um número. Os
caracteres seguintes podem ser usados como separadores entre os marcadores
de posição de número ; : . , ' / - |
Se o número de erro tem menos lugares decimais do que o formato definido, os
lugares são preenchidos com zeros à esquerda.

Date/Time: (Data / Hora)


Se esta opção for ativada, a coluna de data e hora é mostrada na janela de erro.
O formato de exibição de data e hora podem ser definidas na caixa de listagem
abaixo.

Column Order: (Ordem das Colunas)


Esta lista pode ser usado para definir a ordem de colunas visíveis na tela de
alarmes

Sorting: (Classificação)
Define a ordem na qual as entradas de erro da janela são classificados.
• Entrada mais recente na parte inferior: As novas entradas são adicionadas
à parte inferior da lista.
• Entrada mais recente no topo: As novas entradas são adicionadas à parte
superior da lista.

Priority: (Prioridade)
Define a ordem de classificação também de acordo com as prioridades para os
erros, avisos e mensagens.
As prioridades podem ser definidas separadamente para cada janela de erro.
Se as mensagens de aviso, de erro, ou a informação são definidos as mesmas
prioridades, estes são exibidos em ordem cronológica.
• Alta é apresentada como a primeira entrada
• Médio é apresentada como a segunda entrada
• Baixa é exibido no final das entradas

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 139


Página: 139
Exemplo:
Vamos criar uma tela de alarmes com 3 tags de erro. Erro1, Erro2, Erro3 e Erro4

Primeiro passo: Crie estes tag’s no CLP e importe para a IHM

Selecione os tags tipo bit e com o botão direito do mouse, transforme para tag tipo
Error em Change data type  to error

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 140


Página: 140
Com um duplo clique sobre tag abra a tela de configuração e selecione se o tag é
do tipo erro, ou aviso ou mensagem em Message type. Também pode ajustar se
o tag vai precisar de confirmação em Need Confirmation ou gerar um histórico
em Add to history.

Na aba Address selecione o tempo de leitura do tag em Polling [s].

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 141


Página: 141
Na aba Texts escreva o texto do alarme em Text.
Faça este procedimento para todos os tags de erro.

Crie uma nova tela no projeto selecione a opção Error Window em Objects 
Error Window, e insira o objeto na tela no tamanho desejado. Após isso crie os
botões para selecionar os alarmes, reconhecer os erros e verificar os históricos na
IHM com os botões de controle especiais em Function Key.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 142


Página: 142
• Botão sobe: Entre em Group e selecione a opção Internals. Entre em
Function e selecione a opção Error Line Up. Coloque o nome do botão, por
exemplo, SOBE.
• Botão Desce: Entre em Group e selecione a opção Internals. Entre em
Function e selecione a opção Error Line Down. Coloque o nome do botão,
por exemplo, DESCE.
• Botão Desce: Entre em Group e selecione a opção Internals. Entre em
Function e selecione a opção Error Line Down. Coloque o nome do botão,
por exemplo, DESCE.
• Botão Reconhece Erro: Entre em Group e selecione a opção Internals.
Entre em Function e selecione a opção Error Confirme. Coloque o nome do
botão, por exemplo, RECONHECE ERRO.
• Botão Reconhece Erro: Entre em Group e selecione a opção Internals.
Entre em Function e selecione a opção Error Confirme. Coloque o nome do
botão, por exemplo, RECONHECE ERRO.
• Botão Histórico de Erro: Entre em Group e selecione a opção Internals.
Entre em Function e selecione a opção Show History On/Off. Coloque o
nome do botão, por exemplo, RECONHECE ERRO.

Faça o Download para a IHM e teste os alarmes

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 143


Página: 143
Extended Error Information Window

Este objecto pode ser utilizado para a inserção de uma janela de informação de
erro estendido. (só é visível quando um texto de erro é exibido)

Help Information

O objeto Help information permite a exibição de ajuda em forma de textos ou


imagens atraves de um botão de Ajuda ou um tag. As informações de Ajuda para
as tags é definido no Gerenciador de Ajuda.

Help Button

Use este objeto para exibir Informações de ajuda em uma tela de ajuda na IHM

Function Key

Este objecto permite uma vasta gama de funções para ser iniciado.
A gama de todas as funções foram divididas em grupos temáticos para garantir
uma maior visão.

Time/Date Display

Este objecto pode ser utilizado para apresentar a hora e / ou a data.


O relógio integrada da IHM é usado para esta função.

Parameter List

Este objeto é usado para mostrar e mudar Tags em uma lista. Esta lista contém
até 4 colunas: coluna de imagem, coluna Número, coluna Descrição e coluna
Valor. A coluna Valor contém o valor da tag atual, que é mostrada na mesma
maneira como no objecto Value Entry / Display. O valor da tag é convertido e
exibido sempre com casas decimais e unidade de medida, dependendo das
configurações descritas na secção das Unidades e Fatores de Conversão. A
unidade de medida é mostrada no lado direito de o valor da tag.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 144


Página: 144
Sub Mask

Este objeto permite embutir na tela de programação uma sub.

Máscaras de sub são adequados para reunir objetos que são usados em vários
locais na combinação projeto de máscaras e das respectivas dotações que são
carregados para o IHM como uma unidade:. Por exemplo, linhas de cabeçalho,
linhas de rodapé ou grupos de objetos recorrentes.

Camera

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 145


Página: 145
O GALILEO tem um sistema de ajuda com exemplos e instruções detalhadas
para cada objeto.

Como exemplo você pode encontrar na aba Content / Demos / Fast Start uma
diretriz de animação para o seu primeiro projeto no GALILEO.

Importar Tag’s

No nosso pequeno exemplo, estamos exibindo um valor numérico do CLP. Para


isso, devemos primeiro gerar as variáveis utilizadas. Isto é realizado ao longo dos
Tags registo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 146


Página: 146
Se o CLP integrado é usado e o arquivo símbolo do CLP foi compilado direito, os
nomes variáveis podem ser importados.

Mude para a aba "Tags"; mova o cursor do mouse para qualquer variável, por
exemplo "Bit" e pressione o botão direito do mouse. Uma caixa de diálogo será
aberta, onde você tem que selecionar "Import".

Selecione o arquivo de símbolo que foi criado no programa do CLP. Você pode
encontrar o arquivo de símbolo no mesmo diretório onde o programa do CLP foi
salvo no PC. Confirme a importação precionando o botão “Start”. Consulte
também o Capítulo 3.6.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 147


Página: 147
Através da importação do CLP da variável "CONTADOR_IHM" do tipo WORD a
variável é inserida a lista de Tag. A marcação verde da variável mostra que o
endereçamento com o PLC já ocorreu.

Para usar variáveis de outro tipo de controlador ou usar variáveis sem utilizar a
função de importação você tem que usar o seguinte procedimento:

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 148


Página: 148
Exemplo de uma variável do tipo byte:

Posicione o cursor do mouse sobre o tipo de variável "byte", pressione o botão


direito do mouse e selecione "New Tag". Em seguida, insira o nome da variável.
Assim, a variável é gerada mas fica marcada com a cor azul. A cor azul significa
que a variável não tem nenhum endereço e não tem, portanto, nenhuma
comunicação possível com um CLP. Isto é como você gerar uma variável local de
visualização. Com um duplo clique sobre a variável uma janela de configurações
de tag será aberta para a variável.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 149


Página: 149
Na caixa de diálogo Tag Settings opção "Address" você pode clicar sobre o
botão "…" e digitar o endereço do CLP. Este endereço depende do tipo do CLP
selecionado. Se você está se comunicando ao CLP interno, você também deve
inserir o nome do arquivo de símbolo. (Isto apenas aplica as variáveis globais do
CLP).

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 150


Página: 150
Ao comunicar-se a outro controlador o endereço digitado deve ser específico do
protocolo. Na caixa de diálogo "Setting address" você pode ver e selecionar a
nomenclatura possível necessária. De acordo com a nomenclatura desejada são
possíveis os seguintes campos de entrada para lidar com as variáveis.

O exemplo apresentado mostra o endereço de uma variável para um controlador


S7 em Industrial Ethernet. A nomenclatura de uma variável é selecionada fora do
bloco de dados do controlador. O endereço selecionado procede como DB20 byte
100.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 151


Página: 151
Depois de definir o endereço da variável, a lista de variáveis fica marcada como
verde (=endereçada).

Gerar objeto de exibição

Inserir um objeto do tipo valor numerico de entrada "Value Entry / Display" na


máscara de início:

Para fazer isso você deve clique na lista de objetos no ícone e, em seguida,
arrastar o mouse até a tela, precione no ponto inicial e arraste e solte no ponto
final de tal maneira que o Display fique do tamanho e posição desejada na tela

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 152


Página: 152
Através de um duplo clique sobre o novo campo de objeto gerado será exibida a
janela de propriedades. Selecione na lista de Tag a variável desejada e confirme
o diálogo com OK.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 153


Página: 153
O Objeto Value Entry / Display fica com a variável vinculada. (88888)

Podemos acabar com nosso pequeno projeto e agora ir para a próxima etapa do
projeto; Compilar e transferir para a IHM.

Compilar o projeto

Através do menu Build  Compile ou sobre o botão o projeto será


compilado. O processo de compilação é protocolado em uma janela de exibição.
Eventuais erros serão exibido em vermelho. Por meio de barras de rolagem são
detalhadas as mensagens que em seguida, pode ser lidas.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 154


Página: 154
Simulação do projeto no PC

Através do menu Build  Start Project de projeto ou sobre o botão você


pode iniciar a simulação do projeto em seu PC.

Simulação do projeto no PC (Project Inspector)

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 155


Página: 155
Download do Projeto para IHM

Agora o projeto gerado deve ser baixado para iniciar na IHM.

Iniciar o FTP-Server na IHM

Para obter uma conexão entre o PC e o dispositivo, você deve iniciar o FTP
Server na IHM.
O FTP Server (File Transfer Protocol) é usado para transferência de arquivos via
Ethernet. O programa servidor para Windows CE é chamado «FtpSvr.exe».

Selecione na IHM: Start  Programs  Communication  FTP Server

O FTP Server também pode ser iniciado automaticamente quando o dispositivo é


inicializado, alterando o Autoexec do Windows CE

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 156


Página: 156
Para alterar o Autoexec do Windows CE na IHM, entre no GALILEO em Config 
CE Configuration  na aba Startup. Localize na barra de rolagem, a linha de
comando “REM START FtpSvr.exe –h”

Retire a palavra “REM” de forma que sua inicialização seja automática.

Caminho para gerar o FTP no GALILEO

Para fazer o Download do projeto para a IHM os parâmetros para a comunicação


do projeto para a IHM devem ser gerados. Vá para a caixa de diálogo de
download através do menu Build  Download (local, FTP) ou sobre o botão .

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 157


Página: 157
Na janela "Download" clique no botão " FTP path". A janela " FTP Connections "
aparecerá.

Clique em "New Connection". Aparece a janela "Properties : FTP-Connection".

Insira um título, o endereço de IP da IHM e o caminho para o download na IHM.


Com um clique em "Procurar" já você deve encontrar o caminho de
\InternalStorage da IHM. Mas para isso devem existir uma conexão ativa e o
endereço IP na IHM. Como alternativa, você pode alternar para o diretório
\StorageCard (cartão SD)

Clique em "OK" para salvar os novos parâmetros. A conexão com o seu título
deve agora e ser selecionável. Clique na conexão desejada e confirme com
"Close".

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 158


Página: 158
O caminho FTP selecionado pode ser visto no campo "Local/FTP path".

Download do projeto da IHM

Depois que o projeto de visualização foi gerado e compilado e as configurações


de destino estiverem terminadas, agora você pode iniciar o download do projeto
para a IHM. Para isso selecione o menu Build  Download (local, FTP) ou
pressione o botão .

E a caixa de diálogo de Download é exibida.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 159


Página: 159
 A seleção Clear before download é para apagar o ultimo programa que
esta rodando na IHM.
 A seleção Recipe Data é para enviar para IHM uma nova receita ou uma
eventual modificação na receita já criada.
 A seleção Password Data é para enviar para IHM uma nova senha ou uma
eventual modificação na senha já criada.
 A seleção Source Project as zip é para enviar o projeto para dentro da
memoria interna da IHM, possibilitando fazer Uploads futuros.
 A seleção Operating System and Component é para enviar o sistema
operacional para a IHM

Inicie o download do projeto sobre o botão "Download". Durante a transferência


do projeto você pode ver o progresso. Eventualmente, será perguntado sobre
diálogos se você quer também fazer download de atualizações do sistema
operacional ou progrma de execução e visualização(GRS).

Se a transferência do projeto é concluída a seguinte caixa de diálogo será exibida.


Selecione agora "Start GRS" (GRS = GALILEO Runtime System) para iniciar o
projeto de visualização na IHM.

Enquanto o GRS inicia informações de status serão exibidas na tela da IHM.


Depois que sua tela projetada será exibida.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 160


Página: 160
Quando a exibição da tela de início do projeto IHM_Guia_rapido e o programa
CLP é iniciado na IHM, o valor deve ser carregado constantemente.
Se não houver nenhuma conexão com o PLC, em seguida, uma mensagem de
erro cíclico aparecerá com as informações que as variáveis estão sem
comunicação.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 161


Página: 161
Upload do programa da IHM

Para realizar um futuro Up-Load do programa da IHM é necessário selcionar a


opção Source Project as zip na realização do Dowunload que é enviar o código
fonte para a memoria da IHM. Caso o programador não realize este
procedimento, o programa não pode ser baixado da IHM.

Para fazer o Up-Load do programa, abra um novo projeto e entre na opção Build
 Upload Project...

• Selecione na opção Project Path: pelo botão Browse a pasta onde será
salvo o projeto.
• Selecione na opção Local/FTP Path: pelo botão FTP Path o tipo de
comunicação e endereço de rede da IHM.

Apos estas configurações, pressione o botão Upload para baixar o programa.

O programa gravado na memoria da IHM deve se abrir. Caso não abra verifique a
comunicação com o dispositivo.

20 de janeiro de 2013 www.eaton.com Página 162


Página: 162

Você também pode gostar