Você está na página 1de 4

ANTIGO TESTAMENTO

“Moisés ficou junto do Senhor quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber
água. E o Senhor escreveu nas tábuas o texto da aliança, as dez palavras.” (Êxodo 34:38)

“Esta será para vós uma lei perpétua: no sétimo mês, no décimo dia do mês, jejuareis e não
fareis trabalho algum, tanto o nativo como o estrangeiro que habita no meio de vós, porque
nesse dia se fará a expiação por vós, para que vos purifiqueis e sejais livres de todos os
vossos pecados diante do Senhor.” (Levítico 16:29-30)

“Lembra-te de todo o caminho por onde o Senhor te conduziu durante esses quarenta anos
no deserto, para humilhar-te e provar-te, e para conhecer os sentimentos de teu coração, e
saber se observarias ou não os seus mandamentos. Humilhou-te com a fome; deu-te por
sustento o maná, que não conhecias nem tinham conhecido os teus pais, para ensinar-te
que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor.”
(Deuteronômio 8:2-3)

“Quando eu subi ao monte para receber as tábuas de pedra, as tábuas da aliança que o
Senhor fez convosco, permaneci no monte quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão
nem beber água.” (Deuteronômio 9:9)

“Começaram o combate contra os filhos de Benjamim, e puseram-se em ordem de batalha


perto da cidade. Saindo os benjaminitas infligiram a Israel naquele dia uma perda de vinte e
dois mil homens, que juncavam o solo. A multidão dos filhos de Israel, recobrando nova
coragem, pôs-se outra vez em ordem de batalha no mesmo lugar onde estiveram na
véspera. Até a tarde estiveram os filhos de Israel chorando diante do Senhor, e o
consultaram, dizendo: Devo continuar ainda a combater contra os filhos de Benjamim, meu
irmão? O Senhor respondeu: Marchai contra ele. Os israelitas avançaram segunda vez
contra os benjaminitas, que saíram de Gabaa ao seu encontro e lançaram-nos de novo por
terra, matando dezoito mil israelitas, todos homens que manejavam a espada. Então todo o
povo dos israelitas subiu a Betel, e ali, sentados, lamentavam-se diante do Senhor, jejuando
naquele dia até a tarde; e ofereceram holocaustos e sacrifícios pacíficos diante do Senhor.”
(Juízes 20:20-26)

“Reuniram-se em Masfa, tiraram água, derramaram-na diante do Senhor, e jejuaram aquele


dia, dizendo: Pecamos contra o Senhor. Samuel era juiz de Israel em Masfa.” (1 Samuel
7:6)

“Saul brandiu sua lança para feri-lo, e Jônatas viu que a morte de Davi era coisa decidida
pelo seu pai. Furioso, deixou a mesa sem comer naquele segundo dia da lua. As injúrias
que seu pai tinha proferido contra a Davi tinham-no afligido profundamente.” (1 Samuel
20:33-34)

“Quando os habitantes de Jabes em Galaad souberam do que os filisteus tinham feito a


Saul, puseram-se a caminho os mais valentes dentre eles, e andaram toda a noite. Tiraram
das muralhas de Betsã os cadáveres de Saul e de seus 51 filhos, e voltaram a Jabes, onde
os queimaram. Tomaram os ossos e os enterraram debaixo da tamareira, em Jabes. Depois
disso jejuaram sete dias.” (1 Samuel 31:11-13)
“Veio o anjo do Senhor uma segunda. vez, tocou-o e disse: Levanta-te e come, porque tens
um longo caminho a percorrer. Elias levantou-se, comeu e bebeu e, com o vigor daquela
comida, andou quarenta dias e quarenta noites, até Horeb, a montanha de Deus.” (1 Reis
19:7-8)

“Os homens da cidade, os anciãos e os notáveis, concidadãos de Nabot, fizeram o que


ordenava Jezabel, segundo o conteúdo da carta que lhes tinha mandado. Promulgaram um
jejum e fizeram Nabot sentar-se num lugar de honra.” (1 Reis 21:11-12)

“Depois disso, os moabitas e os amonitas, acompanhados dos maonitas, fizeram guerra a


Josafá. Vieram informar o rei: "Uma multidão enorme, vinda do outro lado do mar Morto,
avança contra ti. Ei-los já em Asasontamar, isto é, Engadi. Perturbado, Josafá se dispôs a
recorrer ao Senhor e promulgou um jejum para todo o Judá.” (2 Crônicas 20:1-3)

“Ali, perto do riacho Aava, publiquei um jejum a fim de nos humilharmos diante de nosso
Deus e implorar dele uma feliz viagem, para nós, nossos filhos, e para todos os nossos
haveres.” (Esdras 8:21)

“Ouvindo tais palavras, sentei-me para chorar e fiquei vários dias desconsolado; jejuei e orei
diante do Deus do céu.” (Neemias 1:4)

“No vigésimo quarto dia do mesmo mês, vestidos de sacos, e com a cabeça coberta de pó,
os israelitas reuniram-se para um jejum. Os que eram de origem israelita estavam
separados de todos os estrangeiros, e apresentaram-se para confessar seus pecados e as
iniqüidades de seus pais.” (Neemias 9:1-2)

“Ester mandou responder a Mardoqueu: Vai reunir todos os judeus de Susa e jejuai por mim
sem comer nem beber durante três dias e três noites. Eu farei a mesma coisa com as
minhas criadas. Depois disso, apesar da lei, irei ter com o rei. Se houver de morrer,
morrerei.” (Ester 4:15-16)

“De que serve jejuar, se com isso não vos importais? E mortificar-nos, se nisso não prestais
atenção? É que no dia de vosso jejum, só cuidais de vossos negócios, e oprimis todos os
vossos operários. Passais vosso jejum em disputas e altercações, ferindo com o punho o
pobre. Não é jejuando assim que fareis chegar lá em cima vossa voz. O jejum que me
agrada porventura consiste em o homem mortificar-se por um dia? Curvar a cabeça como
um junco, deitar sobre o saco e a cinza? Podeis chamar isso um jejum, um dia agradável ao
Senhor? Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? - diz o Senhor Deus: É romper as cadeias
injustas, desatar as cordas do jugo, mandar embora livres os oprimidos, e quebrar toda
espécie de jugo. É repartir seu alimento com o esfaimado, dar abrigo aos infelizes sem
asilo, vestir os maltrapilhos, em lugar de desviar-se de seu semelhante. Então tua luz
surgirá como a aurora, e tuas feridas não tardarão a cicatrizar-se; tua justiça caminhará
diante de ti, e a glória do Senhor seguirá na tua retaguarda. Então às tuas invocações, o
Senhor responderá, e a teus gritos dirá: Eis-me aqui! Se expulsares de tua casa toda a
opressão, os gestos malévolos e as más conversações; se deres do teu pão ao faminto, se
alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o
dia pleno. O Senhor te guiará constantemente, alimentar-te-á no árido deserto, renovará teu
vigor. Serás como um jardim bem irrigado, como uma fonte de águas inesgotáveis.” (Isaías
58:3-11)

“Em seguida, Jeremias deu esta ordem a Baruc: Estou impossibilitado de dirigir-me ao
templo. Vai até lá em dias de jejum e, tomando o rolo em que escreveste as palavras que te
ditei, lerás os oráculos do Senhor perante o povo e a gente de Judá, vinda de suas
cidades.” (Jeremias 36:6)

“No primeiro ano do reinado, eu, Daniel, lendo as Escrituras, tive minha atenção despertada
para o fato de que o número de anos a passar-se, segundo a palavra do Senhor ao profeta
Jeremias, sobre a desolação de Jerusalém, seria de setenta anos. Volvi-me para o Senhor
Deus a fim de dirigir-lhe uma oração de súplica, jejuando e me impondo o cilício e a cinza.”
(Daniel 9:2-3)

“Por isso, agora ainda - oráculo do Senhor -, voltai a mim de todo o vosso coração, com
jejuns, lágrimas e gemidos de luto. Rasgai vossos corações e não vossas vestes; voltai ao
Senhor vosso Deus, porque ele é bom e compassivo, longânime e indulgente, pronto a
arrepender-se do castigo que inflige.” (Joel 2:12-13)

“Declara a todo o povo e aos sacerdotes: Vós tendes, com efeito, jejuado e chorado no
quinto e no sétimo mês, durante estes setenta anos. Mas foi realmente por meu respeito
que o fizestes?” (Zacarias 7:5)

NOVO TESTAMENTO

“Em seguida, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo demônio.
Jejuou quarenta dias e quarenta noites. Depois, teve fome. O tentador aproximou-se dele e
lhe disse: Se és Filho de Deus, ordena que estas pedras se tornem pães. Jesus respondeu:
Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de
Deus”. (Mateus 4:1-4)

“Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante
abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua
recompensa. Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto. Assim, não
parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu
Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á.” (Mateus 6:16-18)

“Ide e aprendei o que significam estas palavras: ‘Eu quero a misericórdia e não o sacrifício
[“Porque eu quero o amor mais que os sacrifícios, e o conhecimento
de Deus mais que os holocaustos.” (Oséias 6:6)]. Eu não vim chamar os
justos, mas os pecadores.’ Então os discípulos de João, dirigindo-se a ele, perguntaram:
‘Por que jejuamos nós e os fariseus, e os teus discípulos não? Jesus respondeu: Podem os
amigos do esposo afligir-se enquanto o esposo está com eles? Dias virão em que lhes será
tirado o esposo. Então eles jejuarão." (Mateus 9:13-15)

“Então os discípulos lhe perguntaram em particular: Por que não pudemos nós expulsar
este demônio? Jesus respondeu-lhes: Por causa de vossa falta de fé. Em verdade vos digo:
se tiverdes fé, como um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para
lá, e ela irá; e nada vos será impossível. Quanto a esta espécie de demônio, só se pode
expulsar à força de oração e de jejum.” (Mateus 17:19-20)

“Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam. Por isso, foram-lhe perguntar: "Por que
jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, mas os teus discípulos não jejuam?" Jesus
respondeu-lhes: "Podem porventura jejuar os convidados das núpcias, enquanto está com
eles o esposo? Enquanto têm consigo o esposo, não lhes é -possível jejuar. Dias virão,
porém, em que o esposo lhes será tirado, e então jejuarão.” (Marcos 2:18:20)

“Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade
avançada. Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara
viúva, e agora com oitenta e quatro anos não se apartava do templo, servindo a Deus noite
e dia em jejuns e orações.” (Lucas 2:37)

“Cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde
foi tentado pelo demônio durante quarenta dias. Durante este tempo ele nada comeu e,
terminados estes dias, teve fome. Disse-lhe então o demônio: Se és o Filho de Deus,
ordena a esta pedra que se torne pão. Jesus respondeu: Está escrito: Não só de pão vive o
homem, mas de toda a palavra de Deus.” (Lucas 4:1-4)

“Jesus lhes disse ainda esta parábola a respeito de alguns que se vangloriavam como se
fossem justos, e desprezavam os outros: Subiram dois homens ao templo para orar. Um era
fariseu; o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no seu interior desta forma: Graças te
dou, ó Deus, que não sou como os demais homens: ladrões, injustos e adúlteros; nem
como o publicano que está ali. Jejuo duas vezes na semana e pago o dízimo de todos os
meus lucros. O publicano, porém, mantendo-se à distância, não ousava sequer levantar os
olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem piedade de mim, que sou pecador!
Digo-vos: este voltou para casa justificado, e não o outro. Pois todo o que se exaltar será
humilhado, e quem se humilhar será exaltado.” (Lucas 18:9-14)

“Saulo levantou-se do chão. Abrindo, porém, os olhos, não via nada. Tomaram-no pela mão
e o introduziram em Damasco, onde esteve três dias sem ver, sem comer nem beber.” (Atos
9:8-9)

“Enquanto celebravam o culto do Senhor, depois de terem jejuado, disse-lhes o Espírito


Santo: Separai-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho destinado. Então, jejuando
e orando, impuseram-lhes as mãos e os despediram.” (Atos 13:2-3)

“Em cada igreja instituíram anciãos e, após orações com jejuns, encomendaram-nos ao
Senhor, em quem tinham confiado.” (Atos 14:23)

Você também pode gostar