Você está na página 1de 41

Estudos Ambientais

Recursos Naturais x Tecnologias


Abastecimento de água

1
Estudos
Saneamento Ambientais

 Saneamento é o controle de todos os fatores


do meio físico do homem, que exercem ou
podem exercer efeitos nocivos sobre o bem
estar físico, mental e social. (Organização Mundial da
Saúde – OMS)
 Saúde é o estado de completo bem estar
físico, mental e social, e não apenas a ausência
de doença. (Organização Mundial da Saúde – OMS)

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Saneamento - serviços Ambientais

 abastecimento de água com qualidade;


 coleta, tratamento e disposição
ambientalmente adequada e sanitariamente
segura dos esgotos sanitários;
 coleta, tratamento e disposição
ambientalmente adequada e sanitariamente
segura dos resíduos sólidos;
 coleta de águas pluviais;
 controle de vetores de doenças
transmissíveis. 3

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Sistema de Abastecimento de Água - SAA:


 conjunto de obras, equipamentos e serviços destinados ao
abastecimento de água potável de uma comunidade para fins
de consumo doméstico, serviços públicos, consumo industrial
e outros usos.

 Importância do SAA:
 Aspectos sanitário e social:
 melhoria da saúde e das condições de vida da comunidade;
 diminuição da mortalidade (infantil);
 aumento da esperança de vida da população;
 diminuição da incidência de doenças relacionadas com a
água; 4

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Importância do SAA (cont.):


 Aspecto econômico:
 aumento da vida produtiva dos indivíduos economicamente
ativos;
 diminuição dos gastos particulares e públicos com consultas
e internações hospitalares;
 facilidade para instalação de indústrias (geração de emprego
e renda);
 incentivo a indústria turística em localidades com
potencialidades.

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Meio Ambiente - Água Ambientais

 Qualidade e uso da água:


 a água pode ser saudável ou nociva. Na natureza não existe
água pura, devido à sua capacidade de dissolver quase todos
os elementos e compostos químicos.
 a água que encontramos nos rios ou em poços profundos
contém várias substâncias dissolvidas, como o zinco, o
magnésio, o cálcio e elementos radioativos.
 o homem utiliza para diversos fins, dela dependendo para
sobreviver:
 uso consuntivo:
abastecimento humano, industrial, irrigação e dessedentação de
animais;

 uso não consuntivo: 6

recreação, harmonia paisagística, geração de energia elétrica,


UNIVERSIDADE TIRADENTES
conservação da flora e fauna, navegação, pesca, etc. Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Quantidade de água:
 Consumo “per capita”:
 volume necessário para abastecer uma população.
 Parcelas da demanda de água de uma localidade:
Uso Doméstico • Asseio corporal
• Descarga de bacias sanitárias
• Cozinha
• Bebida
• Lavagem de roupa
• Rega de jardins e quintais
• Limpeza geral
• Lavagem de automóveis
Comercial • Bares
• Lojas
• Restaurantes 7
• Postos de serviços (veículos, cinemas, teatros, etc)
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Parcelas da demanda de água de uma localidade (cont.):


Usos Industrial • Água como matéria-prima
• Água consumida no processo
• Água utilizada para resfriamento
• Água necessária para instalações sanitárias, refeitórios
Público • Limpeza de ruas
• Irrigações de jardins públicos
• Fontes e bebedouros
• Limpeza de redes de esgotos sanitários
• Limpeza de galerias pluviais
• Edifícios, piscinas e recreação publicas
Especial • Combate à incêndio
• Instalações desportivas
• Portos, aeroportos, estações rodoviárias
Perdas (20%) • Perdas na adução, tratamento, rede de distribuição 8
• Perdas domiciliares
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Consumo “per capita” de uma cidade depende de


diversos fatores:
 Clima:
 clima quente;
 zonas secas, de baixa umidade.
 Hábitos e o nível de vida da população:
 grande números de banhos;
 lavagem de pisos;
 irrigação de jardins;
 lavagem de automóveis;
 Atividade econômicas da cidade:
 elevada demanda comercial;
9
 elevada demanda industrial;
 intensa atividade turística. UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Cont.:
 Existência de medição da água distribuída:
 baixo percentual de hidrometração;
 Pressão na rede de distribuição:
 altas pressões provocam maiores consumos e perdas por
vazamento;
 Custos.
 Existência de sistemas de esgotamento sanitário.
 Demandas de águas para cidades brasileiras:
Cidades População Consumo médio “per capita”
(litros / habitante. dia)
Menores Até 5.000 100 a 150
Pequenas 5.000 a 25.000 150 a 200
10
Médias 25.000 a 100.000 200 a 250
Maiores Acima de 100.000 250 a 300
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Variação no consumo:
 No Sistema de Abastecimento de Água a quantidade de
água consumida varia continuamente em função do tempo, das
condições climáticas, hábitos e população.
 consumo doméstico – grande variação
 consumo industrial – menor variação
 consumo comercial e público – variação intermédiaria

 Variação Anual - tendência a crescer com o decorrer do tempo


com o aumento populacional.
 Variação Mensal - nos meses de verão, o consumo supera o
valor médio.
 Variação Diária - maior no verão.
 Variação Horária – maior consumo ocorre entre às 10:00 às 11

12:00h.
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

12

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

13

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Estudo da População:
 Período do projeto, plano do projeto ou horizonte do
projeto – 20 a 30 anos.
 dados populacionais do município dos últimos quatro
censos demográficos da população residente na área urbana e
rural;
 os setores censitários da área de projeto, a população
residente e o número de domicílios ocupados, pelo menos dos
últimos dois censos;
 dados atuais do número de ligações de água e luz
(residenciais, comerciais, industriais e públicas);
 dados atualizados do cadastro imobiliários da prefeitura;
 pesquisa de campo com amostra representativa da área de
projeto. 14

 Plano Diretor do município;


UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 População flutuante:
 é a população que se estabelece no núcleo urbano por curtos
períodos de tempo, como no caso dos municípios de veraneio,
estâncias climáticas e hidrominerais.
 avaliação pode ser feita a partir das informações do censo
demográfico discriminando os domicílios por tipo de ocupação:
 residencial, ocasional, fechado e vago – permite estimar a
proporção entre os domicílios de uso ocasional e os de uso
residencial.
 variação do consumo de energia elétrica;
 Litoral de Norte de São Paulo:
 população fixa – ocupação de 20 a 50% dos imóveis e 4
habitantes por imóvel.
15
 população flutuante – ocupação de 50 a 80% dos imóveis e 7
habitantes por imóvel (carnaval).
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Manancial subterrâneo:
 Lençol Freático: Será aquele em que a água se encontra
livre, com a sua superfície sob a ação da pressão atmosférica.
 Lençol Confinado: Será aquele em que a água encontra-se
por camadas impermeáveis e sujeita a um pressão maior que a
pressão atmosférica.
 Principais vantagens da utilização das águas
subterrâneas:
 potencialmente apresentam boa qualidade para o consumo
humano, embora o lençol freático seja vulnerável à
contaminação.
 relativa facilidade de obtenção, embora nem sempre em
quantidade suficiente.
 possibilidade de localização de obras de captação nas
16

proximidades das áreas de consumo.


UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Manancial superficial:
 Constituído pelos cursos de água (córregos, ribeirões, rios,
lagos, represas, etc.).
 Os lagos e represas podem ser também mananciais
artificiais, isto é, formados a partir de obras executadas em um
rio ou córrego, com a finalidade de reter o volume necessário
para a proteção de captações ou garantir o abastecimento em
tempo de estiagem.
 Água de chuva:
 Pode ser utilizada como manancial abastecedor em
cacimbas.
17

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Comportamento dos aqüíferos:


 Zona de alimentação ou recarga:
 por onde o aqüífero é alimentado pelas águas de chuvas.
 Zona de circulação ou percolação:
 onde a água circula desde a alimentação até a sua
evacuação.
 Zona de evacuação ou descarga:
 onde a água sai para introduzir-se em outro aqüífero ou
como manancial (fonte, nascente).

18

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
Abastecimento de Água Ambientais

 Comportamento dos aqüíferos:

19

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA - Captação Ambientais

 Partes constituintes de uma captação:


 Dependendo das condições do curso de água, variação de
nível de água, topografia, etc; geralmente, são:
 Barragem, vertedouro ou enrocamento;
 Tomada de água;
 Gradeamento;
 Dispositivos de controle;
 Canais e tubulações.

 Barragem, vertedouro ou enrocamento;


 São obras executadas em cursos de água, ocupando toda a
sua largura para elevar o nível da água a montante,
assegurando submersão permanente das canalizações e
válvulas de pé de bombas. 20

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA - Captação Ambientais

 Tomada de água:
 Conjunto de dispositivo destinado a conduzir a água do
manancial para as demais partes constituintes da captação.
 Tipos de tomada de água:
 Barragem de nível, gradeamento, caixa de areia e estação
elevatória;
 Através de tubulação:
• Cursos de água com transporte intenso de sólidos – variação
de 1,50m do nível.
• As tubulações devem ser ancoradas e protegidas contra
ações da água.
• Tubulações com válvulas para interrupções de fluxos.
Ex.:
21
• Sistema de torre de tomada
• Captação flutuante UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA - Captação Ambientais

 Tomada de água:
 Barragem de nível, gradeamento, caixa de areia e estação
elevatória;

22

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA - Captação Ambientais

 Através de um canal:
• Canal é construído para desviar parte da água do rio.
 Através de bombeamento:
• Tomada de água feita por sistemas de bombas.
 Gradeamento:
 Constituída de barras paralelas destinadas a impedir a
passagem de materiais grosseiros, flutuantes ou em suspensão.
 Desarenador:
 Dispositivo utilizado para retenção de areia pelo processo de
sedimentação.
 Critérios para o dimensionamento:
 Velocidade crítica de sedimentação das partículas <= 0,021
m/s. 23

 Velocidade de escoamento longitudinal <= 0,30 m/s.


UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA - Captação Ambientais

 Gradeamento

 Desarenador:

24

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Estação Elevatória Ambientais

 Componentes de uma EE:


 Casa de Bombas:
• edificação destinada a abrigar o conjunto de moto-bomba.
 Bomba:
• Equipamento encarregado de succionar a água retirando-a
do reservatório de sucção e pressurizando-a através do rotor,
que recalca para o reservatório superior.
 Motor de acionamento:
• Equipamento encarregado do acionamento da bomba.
 Linha de Sucção:
• Conjunto de canalizações e peças existentes no poço de
sucção até a entrada da bomba.
 Linha de Recalque: 25

• Conjunto de canalizações e peças existentes da saída da


bomba até o reservatório. UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Estação Elevatória Ambientais

 Componentes de uma EE:

26

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Tratamento de água:
 A água a ser utilizada para o abastecimento público
deve ter sua qualidade ajustada de forma a:.
 atender aos padrões de qualidade exigidos pelo
Ministério da Saúde e aceitos internacionalmente.
 prevenir o aparecimento de doenças de veiculação
hídrica, protegendo a saúde da população.
 tornar a água adequada a serviços domésticos.
 prevenir o aparecimento da cárie dentária através da
fluoretação.
 proteger o sistema de abastecimento de água,
principalmente tubulações e acessórios da rede de
distribuição, dos efeitos da corrosão e da deposição de
partículas nas tubulações. 27

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Processo de Tratamento de água:


 Clarificação:
 tem o objetivo de remover a turbidez, microrganismos e
sólidos presentes na água.
 Desinfecção:
 para eliminação dos microrganismos patogênicos.
 Fluoretação:
 prevenção de cárie dentária (Portaria no 635/75 do
Ministério da Saúde).
 Controle de corrosão:
 preservar a integridade das tubulações.

28

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Clarificação:
 Operações que podem ocorrer durante o processo:
 Coagulação – utilizada para desestabilização dos
colóides presentes na água, que posteriormente se
aglutinem, formando flocos, passíveis de serem separados
na sedimentação ou na filtração.
 Floculação – formação de flocos, mediante a introdução
de energia na massa líquida capaz de favorecer o contato
entre os colóides desestabilizados e permitir a sua
aglutinação.
 Sedimentação – separação dos sólidos da água, pela ação
da gravidade.

29

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Clarificação:
 Operações que podem ocorrer durante o processo
(cont.):
 Filtração – passagem da água por um leito de material
granular, através do qual ocorre a separação das partículas
presentes na água.
• Fluxo Descendente
• Fluxo Ascendente
• Filtração Rápida – 120 a 360 m3/m2
• Filtração Lenta – 3 a 14 m3/m2

30

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Clarificação:
 Coagulação
 Floculação aglutinação.
 Sedimentação

31

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Tratamento Ambientais

 Clarificação:
 Fluxo Descendente
• Fluxo Ascendente
• Filtração Rápida
• Filtração Lenta

32

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
SAA – Reservatório de Estudos
Distribuição Ambientais

 Reservatório de Distribuição de água:


 Principais finalidades:
 atender às variações de consumo;
 atender às demandas de emergência;
 manter pressão mínima ou constante na rede.

 Tipos de reservatórios:
 Quanto à localização:
• reservatório de montante
• reservatório a jusante
 Quanto à posição do terreno:
• reservatório enterrado.
• reservatório semi-enterrado. 33
• reservatório apoiado.
• reservatório elevado. UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Distribuição de água Ambientais

 Distribuição de água:
 constituída de um conjunto de tubulações
interligadas instaladas ao longo das vias públicas ou
nos passeios, conduzindo a água aos pontos de
consumo.
 componente de maior custo do sistema de abastecimento
de água – 50 a 75%.
 Tipos de rede:
 Principal: também denominada de conduto tronco ou
canalização mestra, são tubulações de maior diâmetro e
responsáveis pela alimentação dos condutos secundários. 34

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Distribuição de água Ambientais

Tipos de rede (cont.):


 Secundária: são tubulações de menor diâmetro e
função de abastecer diretamente os pontos de
consumo do sistema de distribuição de água.

 Rede Ramificada: quando o abastecimento se faz a


partir de uma tubulação tronco, alimentada por um
reservatório ou estação elevatória, com a distribuição
feita por condutos secundários.
 Rede Malhada: constituídas por tubulações principais
que formam anéis ou blocos, de modo que, pode-se
abastecer qualquer ponto do sistema.
 Rede Mista: consiste na associação de redes 35

ramificadas com as redes malhadas.


UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Distribuição de água Ambientais

36

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Distribuição de água Ambientais

37

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA Ambientais

 Clarificação:
 Operações que podem ocorrer durante o processo
(cont.):
 Filtração – passagem da água por um leito de material
granular, através do qual ocorre a separação das partículas
presentes na água.
• Fluxo Descendente
• Fluxo Ascendente
• Filtração Rápida – 120 a 360 m3/m2
• Filtração Lenta – 3 a 14 m3/m2

38

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Ligação Predial Ambientais

 Ligação Predial:
 Conjunto de dispositivo que interliga a canalização
distribuidora da rede com a instalação predial.
 Dispositivo de tomada – conjunto de peças montadas
junto à canalização de distribuição da rua, que tem a
finalidade de permitir a conexão do ramal predial à rede
pública.
 Ramal predial – trecho de tubulação que liga o
dispositivo de tomada ao medidor ou até o início da
ligação interna do prédio a ser abastecido.
 Medidor ou hidrômetro – aparelho destinado a medir
e indicar a quantidade de água fornecida pela rede 39

distribuidora.
UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Ligação Predial Ambientais

 Ligação Predial:
Dispositivo de tomada
Ramal predial
Medidor ou hidrômetro

40

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim
Estudos
SAA – Ligação Predial Ambientais

 Instalação Predial:
 Conjunto de canalizações, órgãos principais e
acessórios, peças especiais, aparelhos sanitários e peças
de utilização, destinadas ao fornecimento de água para
fins sanitários, higiênicos e de conforto aos habitantes de
residências ou edifícios.
 Tipos de instalações prediais:
 Sistema de distribuição direta:
 Sistema de distribuição indireta:
 Sistema misto:

41

UNIVERSIDADE TIRADENTES
Prof.: Willington Gondim

Interesses relacionados