Você está na página 1de 12

Cópia não autorizada

DEZ 2001 NBR 14788


Válvulas de esfera - Requisitos

ABNT – Associação
Brasileira de
Normas Técnicas

Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 28º andar
CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro – RJ
Tel.: PABX (021) 210-3122
Fax: (021) 220-1762/220-6436
Endereço eletrônico:
www.abnt.org.br
Origem: Projeto 04:009.17-002:2000
ABNT/CB-04 - Comitê Brasileiro de Máquinas e Equipamentos Mecânicos
ABNT/CE-04:009.17 - Comissão de Estudo de Válvulas
NBR 14788 - Ball valves - Requirements
Descriptors: Valve. Ball valve
Copyright © 2001, Esta Norma foi baseada nas ISO 7121:1986 e API 6 D:1994
ABNT–Associação Brasileira
de Normas Técnicas Esta Norma cancela e substitui as NBR 10284:1988 e NBR 11712:1980
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil
Válida a partir de 30.01.2002
Todos os direitos reservados
Palavras-chave: Válvula. Válvula de esfera 12 páginas

Sumário
Prefácio
0 Introdução
1 Objetivo
2 Referências normativas
3 Definições
4 Padrões
5 Diâmetros nominais
6 Pressões nominais
7 Relação pressão/temperatura
8 Projeto
9 Operação
10 Materiais
11 Ensaios
12 Marcação
13 Preparo para expedição

Prefácio

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,
cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial
(ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos,
delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública
entre os associados da ABNT e demais interessados.

Esta Norma foi baseada na ISO 7121 - “Flanged steel ball valves”, com inclusões, adaptações, modificações e
extensões necessárias para outros tipos de materiais, dimensões face a face, tipos de extremidades e diâmetros
efetivos de esferas para válvulas com DN superior a 40.

Esta Norma substitui as NBR 10284:1988 - Válvulas de esfera de liga de cobre para uso industrial - Especificação - e a
NBR 11712-2 (EB-141-11):1980 - Válvulas de aço fundido e aço forjado para indústria de petróleo e petroquímica -
Válvulas de esfera - Especificação.
Cópia não autorizada

2 NBR 14788:2001

0 Introdução
As válvulas de esfera, de que trata esta Norma, são aquelas utilizadas normalmente para bloqueio de qualquer fluido
em linhas de uso geral, onde o fluido transportado e os materiais empregados na fabricação das válvulas devem ser
sempre compatíveis entre si.

Este tipo de válvula se caracteriza pela forma esférica do elemento de vedação que gira em torno de si mesmo,
alinhando suas aberturas com as existentes no corpo da válvula, requerendo tão somente um quarto de volta para
operação.

O corpo deste tipo de válvula pode ser inteiriço ou dividido em duas ou em três partes e a esfera pode ser com
passagem total (plena) ou reduzida.

As válvulas de esfera cobertas por esta Norma podem ser operadas manualmente através de alavanca ou por
atuadores mecânicos, hidráulicos, elétricos, pneumáticos ou outros, acoplados à haste da válvula ou a uma redução
intermediária.

1 Objetivo

Esta Norma estabelece os requisitos para válvulas de esfera com extremidades roscadas, flangeadas ou soldadas para
uso geral em instalações industriais, prediais ou domiciliares de água, óleos, gases derivados de petróleo e outros
fluidos de origem animal, mineral, vegetal ou mesmo sintetizados artificialmente.

Esta Norma abrange as válvulas de esfera operadas manualmente ou por atuadores, nos diâmetros nominais DN 10 a
DN 500, nas pressões nominais ISO PN 10 a ISO PN 100, como definido nas seções 5 e 6.

Esta Norma não se aplica às válvulas de esfera para instalações nucleares.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para
esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a
revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as
edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado
momento.

NBR 5023:1982 - Barra e perfil de ligas de cobre-zinco-chumbo - Especificação

NBR 6188:1982 - Barra e perfil de cobre e de ligas de cobre para forjar - Especificação

NBR 6314:1982 - Peças de ligas de cobre fundidas em areia - Especificação

NBR 6941:1983 - Peças de ligas de cobre fundidas em coquilhas - Especificação

NBR 8133:1983 - Rosca para tubos onde a vedação não é feita pela rosca - Designação, dimensões e tolerâncias -
Padronização

NBR 12912:1993 - Rosca NPT para tubos - Dimensões - Padronização

NBR ISO 5208:2000 - Válvulas industriais - Ensaio de pressão de válvulas

NBR NM-ISO 7-1:2000 - Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1:
Dimensões, tolerâncias e designação

ISO 261:1998 - ISO general purpose metric screw threads - General plan

ISO 263:1973 - ISO inch screw threads - General plan and selection for screws, bolts and nuts - Diameter range 0,06
to 6 in

ISO 6708:1995 - Pipe components - Definition of nominal size

ISO 7268:1983 - Pipe components - Definition of nominal pressure

ASME/ANSI B 16.5:1996 - Pipe flanges and flanged fittings

ASME/ANSI B.16.24:1991 - Cast copper alloy pipe flanges and flanged fittings

ASME/ANSI B 16.25:1997 - Buttwelding ends

ASME/ANSI B.16.34:1996 - Valves - flanged, threaded and welding end


Cópia não autorizada

NBR 14788:2001 3

3 Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das ISO 6708 e ISO 7268, e as seguintes:

3.1 dimensões face a face: Distância entre os dois planos perpendiculares ao eixo do corpo localizado nas
extremidades da borda do corpo.

3.2 projeto antiestático: Projeto que garante a continuidade elétrica entre o corpo, a esfera e a haste da válvula.

3.3 haste antiexpulsão: Projeto que garante que a haste da válvula não será expulsa do corpo caso o preme-gaxeta
seja removido enquanto a válvula estiver sob pressão.

3.4 diâmetro efetivo: Diâmetro mínimo de passagem de fluxo da válvula, determinado pelo fabricante, quando na
posição totalmente aberta.

4 Padrões

As válvulas devem ser de “passagem plena” ou de “passagem reduzida” (ver figura 1) com as respectivas dimensões
previstas na seção 8. As extremidades das válvulas podem ser roscadas, flangeadas ou soldadas, e as válvulas com
extremidades flangeadas podem ser do tipo curto ou longo.

NOTA - Em certas válvulas do tipo longo ISO PN 10, bem como naquelas do tipo curto ISO PN 16 e ISO PN 20, a esfera na posição
total ou parcialmente fechada pode ficar protuberante em relação às extremidades das válvulas.

5 Diâmetros nominais

Os diâmetros nominais, em valores de DN, devem ser os seguintes:

10; 15; 20; 25; 32; 40; 50; 65; 80; 100; (125); 150; 200; 250; 300; 350; 400; 450; 500.

O diâmetro entre parênteses deve ser evitado em novas montagens.

6 Pressões nominais

As pressões nominais, em valores ISO PN, devem ser como segue:

10; 16; 20; 25; 40; 50; 100.

7 Relação pressão/temperatura

As pressões e temperaturas de trabalho admitidas para o corpo (carcaça) da válvula devem ser as especificadas para o
material (ver 10.1) empregado na fabricação do mesmo, mas podem ser limitadas por qualquer restrição de
pressão/temperatura do material da sede.

Estas limitações de pressão/temperatura devem ser determinadas pelo fabricante e informadas na placa de
identificação da válvula (ver 12.2 e 12.3), ou informadas ao cliente através de instruções apropriadas correspondentes
ao produto.

8 Projeto

A terminologia usada é mostrada na figura 3.

8.1 Corpo

8.1.1 Geral

8.1.1.1 Os corpos podem ser inteiriços, bipartidos ou tripartidos (ver figura 2).

8.1.1.2 Nos casos de válvulas com corpo bipartido ou com corpo tripartido, a resistência projetada das uniões deve
corresponder no mínimo à resistência do corpo.

8.1.1.3 Quando assim solicitado pelo cliente, deve-se fornecer proteção contra excesso de pressão na cavidade do
corpo.

8.1.2 Espessura da parede do corpo

A espessura mínima da parede do corpo tm por ocasião da fabricação deve seguir a tabela 1 ou 2, em função do
material do corpo.

NOTA - Espessura metálica adicional deve ser fornecida conforme necessário para suprir as tensões decorrentes de montagem, de
fechamento da válvula, formatos não circulares e concentração de tensões, por exemplo.
Cópia não autorizada

4 NBR 14788:2001

Tabela 1 - Espessura da parede do corpo - Válvulas de aço

Pressão nominal ISO PN


Diâmetro
nominal 10 16 20 25 40 50 100
1) Espessura mínima da parede do corpo
DN
tm
mm
10 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,0 3,3

15 3,0 3,0 3,0 3,0 3,1 3,1 3,4

20 3,0 3,0 3,1 3,3 3,5 3,8 4,1

25 4,0 4,0 4,1 4,2 4,6 4,8 4,8

32 4,5 4,5 4,8 4,8 4,8 4,8 4,8

40 4,5 4,5 4,8 4,8 4,8 4,8 5,6

50 5,0 5,5 5,6 5,7 6,1 6,4 6,4

65 5,0 5,5 5,6 5,8 6,4 6,4 7,1

80 5,0 5,5 5,6 5,8 6,6 7,1 7,9

100 6,0 6,0 6,4 6,6 7,3 7,8 9,6


2)
(125) 6,3 6,5 7,1 7,2 8,1 9,6 11,2

150 6,5 7,0 7,1 7,5 8,8 9,6 12,7

200 7,0 8,0 8,1 8,6 10,2 11,2 15,8

250 7,5 8,5 8,6 9,3 11,4 12,7 19,0

300 8,5 9,5 9,6 10,4 12,7 14,2 23,1

350 9,0 10,0 10,4 11,3 14,0 15,8 24,6

400 9,6 11,0 11,2 12,7 15,4 17,5 27,7

450 10,0 11,5 11,9 13,0 16,6 19,0 31,0

500 10,5 12,5 12,7 14,5 18,3 20,6 34,0


1)
Para o diâmetro interno da válvula correspondente, ver tabela 4.
2)
O valor entre parênteses deve s er evitado em novas montagens.

Figura 1 - Padrões de válvulas


Cópia não autorizada

NBR 14788:2001 5

a) Tipos de esferas

b) Tipos de corpos

Figura 2 - Variações no projeto de uma válvula de esfera típica


Cópia não autorizada

6 NBR 14788:2001

Figura 3 - Terminologia em válvulas


Cópia não autorizada

NBR 14788:2001 7

Tabela 2 - Espessura da parede - Válvulas de bronze ou de latão

Diâmetro Pressão nominal ISO PN


nominal
10 16 20 25 50
1),2)
DN
Espessura mínima da parede do corpo tm
mm
10 1,6 1,7 1,8 1,9 2,1
15 1,7 1,8 1,9 2,1 2,4
20 1,8 2,0 2,1 2,3 2,6
25 2,0 2,1 2,4 2,6 3,0
32 2,2 2,4 2,6 3,0 3,4
40 2,3 2,5 2,8 3,2 3,7
50 2,5 2,8 3,2 3,7 4,3
65 2,8 3,2 3,7 4,3 5,1
80 3,1 3,6 4,1 4,8 5,7
100 3,5 4,0 4,6 5,4 6,4
1)
Para o diâmetro interno da válvula correspondente, ver tabela 4.
2)
Geralmente as válvulas de esfera de bronze e latão s ão produzidas para o tamanho nominal até DN 100
inclusive.

8.1.3 Dimensões do corpo


8.1.3.1 Dimensões face a face devem estar conforme tabelas 6 ou 7, aplicáveis para o tipo de válvula correspondente,
exceto para válvulas com extremidades roscadas e com encaixes para solda, pois para estes tipos de válvulas as
dimensões face a face não são um requisito desta Norma.

As extremidades roscadas devem ser conforme a NBR NM-ISO 7-1 para roscas tipo BSP, ou conforme a
1)
NBR 8133 para roscas paralelas de uso exclusivo em válvulas de esfera para instalações prediais , ou
conforme a NBR 12912 para roscas NPT, a menos que especificado pelo cliente.

Encaixes para solda devem ser conforme a ASME/ANSI B 16.25 e as extremidades flangeadas conforme
definido em 8.1.3.2 e 8.1.3.3. Outros padrões de extremidades roscadas, soldadas ou flangeadas podem ser
adotados quando requeridos pelo cliente.
8.1.3.2 Em função do tipo do material empregado na fabricação da válvula, os flanges das extremidades do corpo
devem estar em conformidade com as ASME/ANSI B 16.5 para válvulas de aço ou ASME/ANSI B 16.24 para as de
bronze ou de latão.

NOTA - Quando o projeto do c orpo não permitir furos para os parafusos do flange, orifícios rosqueados podem ser
utilizados.

8.1.3.3 No caso específico de válvulas de aço, os flanges devem ser fundidos ou forjados integralmente com
o corpo ou na extremidade da linha de partição do corpo, ou fixados por solda por soldador qualificado e
processo de solda igualmente qualificado, contanto que tais flanges em válvulas maiores que DN 50 sejam
com solda de topo. Qualquer tratamento térmico necessário para garantir que o material seja adequado para
a faixa de temperatura de operação deve ser executado.
8.1.3.4 Os diâmetros dos orifícios na extremidade do corpo para válvulas não revestidas devem seguir as especifi-
cações da tabela 3.

8.1.3.5 O orifício para corpos com passagem plena ou reduzida deve ser circular, com diâmetro mínimo conforme ta-
bela 3.

8.1.3.6 Quando especificado pelo cliente, o projeto dos corpos das válvulas DN 50 e maiores deve incluir um dreno que,
quando roscado, deve ter a rosca em conformidade com a NBR NM-ISO 7-1 ou NBR 12912, no tamanho mostrado na
tabela 5.
8.2 Esfera
Os orifícios de esferas devem ser circulares, com diâmetros mínimos conforme especificado na tabela 4. Quando uma
passagem cilíndrica for necessária, ela deverá ser especificada pelo cliente.
8.3 Haste antiexpulsão

A válvula deve ser projetada de forma que as fixações da vedação da haste, por exemplo fixação do preme-gaxeta,
sozinhas não prendam a haste. Especificamente, o projeto deve garantir que, enquanto sob pressão, a haste não deve
sair da válvula caso o preme-gaxeta seja removido.
________________
1)
NBR NM-ISO 7-1 ou NBR 8133, por opção do fabric ante.
Cópia não autorizada

8 NBR 14788:2001

8.4 Sedes

As sedes ou conjunto de sedes devem ser projetados para serem substituídos, exceto para válvulas que tenham o
corpo inteiriço selado.

Tabela 3 - Diâmetro interno do orifício na extremidade do corpo

Diâmetro nominal Pressão nominal ISO PN


DN 10 a 100
d1)
mm
10 9,0
15 12,7
20 19,1
25 25,4
32 31,8
40 38,0
50 50,8
65 63,5
80 76,2
100 101,6
2)
(125) -
150 152,4
200 203,2
250 254,0
300 304,8
350 336,5
400 387,4
450 438,2
500 489,0
1)
Estes diâmetros estão sujeitos às tolerâncias normais de fabric ação.
2)
O diâmetro entre parêntes es deve ser evitado em novas montagens.

8.5 Parafusos

Todos os parafusos devem ter roscas métricas (ISO 261) ou em polegadas (ISO 263).

8.6 Requisitos de projeto antiestático

Quando especificado, as válvulas devem incorporar dispositivos antiestáticos que garantam a continuidade elétrica entre
a haste e o corpo de válvulas DN 50 e menores, ou entre haste, esfera e corpo de válvulas maiores. Os dispositivos
antiestáticos devem:

a) estar localizados de forma que estejam protegidos contra entrada de material estranho e da corrosão das partes
que os envolvem;

b) ter continuidade elétrica ao longo do caminho de descarga, com resistência não maior que 10 Ω de uma fonte de
energia que não exceda 12 V com corrente contínua, quando ensaiados numa válvula nova e seca, depois que os
ensaios de pressão tiverem sido realizados;

c) ser impossíveis de serem removidos ou desativados, a menos que intencionalmente.


Cópia não autorizada

NBR 14788:2001 9

Tabela 4 - Diâmetros efetivos mínimos

Válvulas

Passagem reduzida Passagem plena


Diâmetro nominal Pressão nominal ISO PN
DN
10 a 100 10 a 100

Diâmetro efetivo mínimo


mm

10 - 9,0
15 9,0 12,7
20 12,7 19,1
25 19,1 25,4

32 25,4 31,8
40 31,8 38,0
50 38,0 50,8
65 50,8 63,5
80 63,5 76,2
100 76,2 101,6
1
(125) - -
150 127,0 152,4
200 152,4 203,2
250 203,2 254,0
300 254,0 304,8
350 304,8 336,5

400 336,5 387,4


450 387,4 438,2
500 438,2 489,0
1)
O diâmetro entre parêntes es deve ser evitado em novas montagens.

Tabela 5 - Rosca do dreno

Diâmetro nominal Rosca do dreno - designação de tamanho


DN em polegada

50 ≤ DN ≤ (125) ½

150 ≤ DN ≤ 200 ¾

250 ≤ DN ≤ 500 1
Cópia não autorizada

10 NBR 14788:2001

Tabela 6 - Dimensão face a face de válvulas com extremidades flangeadas

Diâmetro
Pressão nominal ISO PN
nominal
DN 10 e 16 25 a 50 100
Válvula
Tipo longo Tipo curto Tipo longo Tipo curto Tipo longo
1)
Dimensão face a face
mm
10 - - - - -
15 108 108 140 140 165
20 117 117 152 152 190
25 127 127 165 165 216
32 140 140 178 178 229
40 165 165 190 190 241
50 178 178 216 216 292
65 190 190 241 241 330
80 203 203 282 282 356
100 229 229 305 305 432
2)
(125) - - - - -
150 394 267 403 403 559
200 457 292 502 419 660
250 533 330 568 457 787
300 610 356 648 502 838
350 686 381 762 571 889
400 762 406 838 610 991
450 864 - 914 660 1092
500 914 - 991 711 1194
Tolerância: Tol = ± 1,5 mm para DN ≤ 250 e Tol = ± 3,0 mm para DN ≥ 300.
1)

2)
O tamanho entre parêntes es deve s er evitado em novas montagens.
Tabela 7 - Dimensão face a face de válvulas com extremidades de solda de topo

Diâmetro Pressão nominal ISO PN


nominal
10 e 16 25 a 50 100
DN
Válvula
Tipo longo Tipo curto Tipo longo Tipo curto Tipo longo
2)
Dimensão face a face
mm
10 - - - - -
15 140 140 140 140 165
20 152 152 152 152 190
25 165 165 165 165 252
32 178 177 178 178 229
40 190 190 190 190 241
50 252 252 252 252 292
65 241 241 241 241 330
80 282 282 282 282 356
100 305 305 305 305 432
1)
(125) - - - - -
150 457 403 457 403 559
200 521 419 521 419 660
250 559 457 559 457 787
300 635 502 635 502 838
350 762 571 762 571 889
400 838 610 838 610 991
450 914 660 914 660 1092
500 991 711 991 711 1194
1)
O tamanho entre parêntes es deve s er evitado em novas montagens.
Tol : ± 1,5 mm para DN ≤ 250 e ± 3,0 mm para DN ≥ 300.
2)
Cópia não autorizada

NBR 14788:2001 11

9 Operação

9.1 Como forma de operação, as válvulas que atendam a esta Norma devem ser projetadas com acionamento por
alavanca ou por atuador para acionamento mecânico, hidráulico, elétrico, pneumático ou outro, especificado pelo
cliente.

9.2 As válvulas devem ser fechadas girando-se a alavanca ou o eixo do atuador no sentido horário.

NOTA - O fechamento no sentido horário deve ser fornecido sempre, a menos que o cliente especifique o fechamento no sentido anti-
horário.

9.3 O encaixe da alavanca na haste das válvulas deve ser de tal m odo que a alavanca obrigatoriamente fique paralela
à tubulação quando a válvula estiver na posição aberta e transversal à tubulação quando na posição fechada.
Além disso, deve haver uma indicação da posição da válvula, resistente a intempéries, no topo da haste.

9.4 As alavancas ou suportes para atuadores devem ser fixados d e forma que, ao mesmo tempo que estejam
seguramente presos, possam ser removidos e substituídos quando necessário.

NOTA - A alavanca deve ser fixada de maneira que permaneça alinhada ao sentido do fluxo através da esfera, quando a válvula
estiver aberta.

9.5 Dispositivos de parada devem ser fornecidos para posições totalmente aberta ou fechada da válvula.

10 Materiais

10.1 Corpo

Os materiais selecionados a partir da tabela 8 devem ser usados para fabricação do corpo, tomadas, insertos e tampa.
O material do plugue do dreno deve geralmente ser o mesmo do corpo. Plugues do dreno em ferro fundido não devem
ser utilizados.
Tabela 8 - Materiais

Pressão nominal ISO PN


Material do corpo 10 16; 20 25; 40; 50 100
Especificação/nº da liga

Aço Fundido
Conforme ASME/ANSI B 16.34, para ISO PN equivalentes
Forjado
NBR 6314 NBR 6314 NBR 6314

Bronze Ligas C83600 Não previsto uso


C 84300 C 84400 Liga C 83600 Liga C 92200
C 85400

NBR 6188
Forja Não previsto uso Não previsto uso Não previsto uso
Liga C 37700
NBR 6941
Latão Coquilha Não previsto uso Não previsto uso Não previsto uso
Ligas 1, 2, 3
NBR 5023
Corte livre Não previsto uso Não previsto uso Não previsto uso
CuZn36Pb3

10.2 Revestimento superficial da esfera, haste e sedes


Os materiais para revestimento superficial da esfera, hastes e sedes não são um requisito desta Norma.
NOTA - Estes materiais devem ficar a critério do fabricante, a menos que especificado pelo cliente.

10.3 Sede
Os materiais da sede não são um requisito desta Norma.
NOTA - Os materiais da sede devem ficar a critério do fabricante, a menos que especificado pelo cliente.

10.4 Juntas e gaxetas

Os materiais devem ser adequados para uso nas condições de operação previstas, especificamente na temperatura de
operação mostrada na identificação da válvula.
Cópia não autorizada

12 NBR 14788:2001

10.5 Placas de identificação


As placas de identificação devem ser de materiais resistentes à corrosão e devem ser presas por pinos, soldas ou
outros meios igualmente resistentes à corrosão.
11 Ensaios
11.1 Cada válvula deve ser submetida às condições de ensaios de pressão conforme NBR ISO 5208.
11.2 Quando a sede da válvula for resiliente e ensaiada conforme p revisto em 11.1, a taxa de vazamento admissível
deve estar conforme taxa A.
11.3 No caso de válvulas com sedes não resilientes, a taxa de vazamento admissível para o ensaio previsto na
NBR ISO 5208 deve ficar a critério do fabricante, a menos que definido pelo cliente.
12 Marcação
12.1 Cada válvula fabricada segundo esta Norma deve estar claram ente marcada no corpo, exceto em casos
mencionados nas seções que seguem.
12.2 A marcação do corpo deve ser integral com o mesmo, ou estar numa placa seguramente fixada à válvula.
A marcação do corpo e/ou da placa de identificação devem incluir o seguinte:
a) diâmetro nominal (DN);
b) pressão nominal (ISO PN);
c) designação do material, quando requerida pelo cliente;
d) identificação de lote ou corrida, quando requerida pelo cliente ou quando exigida nas especificações do
material;
e) nome do fabricante ou marca comercial;
f) seta para indicar a direção do fluxo (somente válvulas de fluxo unidirecional);
g) número do anel na borda de ambos os flanges, no caso de válvulas com extremidades flangeadas para junta
tipo anel;
h) restrições de pressão ou temperatura impostas por limitações dos materiais, ou projeto dos componentes de
fechamento, incluindo o diferencial de pressão ao longo da esfera, a uma temperatura de 20°C, se esta for menor
que a do corpo;
i) “antiestática” para válvulas com esta característica (ver 8.6).
NOTA - Outras informações adicionais podem ser mencionadas a critério do fabricante ou quando especificado pelo cliente, contanto
que não sejam conflitantes com nenhuma outra especificada nesta Norma.

12.3 A omissão de informações mencionadas em 12.2 é aceitável em válvulas até DN 50 inclusive, com exceção das
seguintes identificações:
a) diâmetro nominal (DN);
b) pressão nominal (ISO PN);
c) nome do fabricante ou marca comercial.
13 Preparo para expedição
13.1 Depois dos ensaios, cada válvula deve ser drenada e prepara da para expedição.
13.2 O revestimento das válvulas, exceto quando especificado pelo cliente, deve ser como descrito em 13.2.1 e 13.2.2.
13.2.1 Superfícies externas não funcionais das válvulas devem ser tratadas com um revestimento protetor definido pelo
fabricante. Componentes em aço inoxidável, bronze ou latão não precisam de revestimento.
13.2.2 Superfícies funcionais expostas, usinadas ou rosqueadas dev em ser revestidas com um preventivo contra
oxidação que possa ser facilmente removido, ou outro protetor, exceto no caso de componentes em aço inoxidável,
bronze ou latão, que não precisam de proteção.
13.3 A esfera deve estar na posição totalmente aberta para expedi ção, a menos que o projeto não permita.
13.4 Os orifícios da extremidade do corpo e faces de flanges, quan do existentes, devem ser protegidos com madeira,
ou fibra de madeira, ou tampas de plástico ou metal, ou ainda pela própria caixa de embalagem.
13.5 As válvulas podem ser expedidas avulsas, em paletes, ou em baladas em engradados ou em caixas, do tipo e
quantidades apropriadas.

________________