Você está na página 1de 5

Resumo: Sintagma é uma parte da gramática que analisará a constituição

do texto a partir de grupos que constituem a sentença. Dois são os


sintagmas básicos para a construção da sentença frasal: grupo verbal (cujo
núcleo é um verbo que passa a ideia de ação, acontecimento, fenômeno,
necessidade ou posse) ou um grupo nominal (cujo núcleo é um
substantivo, palavra substantivada ou estrutura substantivada. Há
também as classes que funcionam como modificadores verbais (advérbios
ou locuções adverbiais), modificadores nominais (adjetivo, locução
adjetiva, artigo, numeral e pronome), além dos conectivos (preposição e
conjunção).

Ataliba de Castilho, importante linguista da atualidade, chama


de “especificador” o item que outros autores chamam de
“determinante”.

Segundo ele: “os especificadores compreendem (i) artigos;


(ii) demonstrativos; (iii) possessivos; (iv) quantificadores; (v)
expressões qualitativas do tipo o estúpido do, a porcaria do
etc.; (vi) delimitadores [...].

Deve-se ter em conta que o termo “especificadores é um


rótulo de caráter sintático que designa um constituinte
sintagmático e sentencial, qualquer que seja sua
interpretação semântica.” (p. 454)

(CASTILHO, Ataliba T. de. Gramática do português brasileiro.


São Paulo: Contexto, 2010.)

A classe dos determinantes é formada por:


Artigos definidos
Artigos indefinidos
Pronomes possessivos
Pronomes demonstra-tivos
Pronomes indefinidos
Alguns adjetivos
Numerais ordinais
Numerais cardinais
Classificação dos determinantes
A determinação pode ser do tipo:
Focalizador
Quando mostra a posição do enunciador sobre o que ele está
dizendo, ou seja, aponta a relevância do SN com o resto do
enunciado.

Exemplo:

Ele comprou o próprio apartamento.

Quantitativo

Quando representa uma quantidade ou a posição em uma


escala do conceito que o substantivo expressa.

Exemplos:

muita fome, sexto dia, algumas bolsas etc.

Dêitico

Quando aponta a designação do SN para pessoas do discurso.

Exemplos:

essa blusa, meu livro.

Vinculativo

Quando informa que a relação dêitica expressa “vínculo,


movimento”.

Exemplos:

minha vida, nossa viagem.


Remissivo

Quando informa que o conceito é conhecido do interlocutor ou


faz parte da situação comunicativa.

Exemplo: mesma casa.

Identificador
Quando informa que o conceito, objeto ou ser designado pelo
substantivo é conhecido do interlocutor ou faz parte da
situação comunicativas.

Pronomes como SN
Há diversos pronomes que podem funcionar como núcleo do
SN e que são chamados pela Nomenclatura Gramatical
Brasileira (NGB) como pronomes substantivos.

Segundo Bechara (1999: 163), pronomes substantivos são


pronomes que funcionam como substantivo.
Quando dizemos “Isso é um absurdo”, o pronome ISSO é um
pronome substantivo. Quando o pronome aparece como
referência a um substantivo que pode ou não aparecer na
frase, temos um pronome adjetivo. É o que acontece em
“Nosso carro é mais veloz que o seu”: “nosso” e “seu” são
pronomes adjetivos porque se referem ao substantivo “carro”.

Os pronomes pessoais apresentam três grupos de funções:

Pronomes retos (eu, tu, ele/ela, nós, vós eles/elas)


Embora não listados pela Gramática Normativa, os pronomes
de tratamento como você/vocês, senhores/senhoras, prezado
cliente entre outros, podem funcionar como pronomes retos.

Pronomes oblíquos átonos (me, te, lhe, o/a, se, nos, vos,
lhes, os/as, se)
Aparecem sem preposição.

Pronomes oblíquos tônicos (mim, ti, ele, ela, si, nós, vós,
eles, elas, si, comigo, contigo, consigo, conosco)
Aparecem com preposição.

Formas de tratamento
Pronomes Possessivos

SINGULAR:

1ª pessoa: meu, minha, meus, minhas.


2ª pessoa: teu, tua, teus, tuas.
3ª pessoa: seu, sua, seus, suas.
PLURAL:

1ª pessoa: nosso, nossa, nossos, nossas.


2ª pessoa: vosso, vossa, vossos, vossa.
3ª pessoa: seu, sua, seus suas.

Pronomes demonstrativos (identificadores)


Os pronomes demonstrativos ‘são os que indicam a posição
dos seres em relação às três pessoas do discurso. Esta
localização pode ser no tempo, no espaço ou no discurso:
1ª pessoa: este, esta, isto;
2ª pessoa: esse, essa, isso;
3ª pessoa: aquele, aquela, aquilo.
[...]
São ainda pronomes demonstrativos o, mesmo, próprio,
semelhante e tal.

Considera-se o pronome demonstrativo [...] quando funciona


com valor ‘grosso modo’ de isto, isso, aquilo ou tal: Não o
consentirei jamais.” (BECHARA: 1999, 167)

Pronomes indefinidos
Aplicam-se à 3ª pessoa com sentido vago ou para indicar
quantidade indeterminada.

São exemplos de pronomes indefinidos:

Alguém, ninguém, tudo, nada, algo, outrem, nenhum, outro e


um quando aparecem isolados, qualquer, cada, muito, mais,
menos, diverso etc.
 Quantificadores
 Remissores

SNs formados por nomes partitivos / Modificador


O SN pode ser formado por nomes como:
EXEMPLO:
• Parte dos livros se perdeu durante a enchente.

• A maioria dos alunos fez o exercício.

O SN pode ser modificado por:


Sintagma adjetival / Sintagma preposicional que deriva um
sintagma adjetival OU Sintagma adverbial
Esses modificadores assumem diferentes funções sintáticas.
EXEMPLO:
• Livros bonitos (SN + Sintagma adjetival)

• Livros de português (SN + Sintagma Preposicionado)