Você está na página 1de 98

Flávio Fonseca do Carmo

Importância Ambiental e Estado de Conservação dos Ecossistemas de


Cangas no Quadrilátero Ferrífero e Proposta de Áreas-Alvo para a
Investigação e Proteção da Biodiversidade em Minas Gerais

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-


graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da
Vida Silvestre (ECMVS) da Universidade Federal
de Minas Gerais para a obtenção de título de
Mestre.

Orientadora: Dra. Claudia Maria Jacobi

Belo Horizonte - MG
2010
“No dia em que cada ser humano perceber o engodo do
livre-arbítrio e com isso conseguir ser livre de fato, não
serão necessários modelos de desenvolvimento sustentado,
ideologias igualitárias ou lutas de classes, e muito menos
salvadores dos pobres e oprimidos, pois, nesse dia, cada um
de nós saberá o que fazer.”
Ricardo Iglesias Rios
AGRADECIMENTOS

Muitos amigos trabalharam ‘herculeanamente’ e contribuíram enormemente para este estudo.


Jamais poderei retribuir da mesma forma. Obrigado a todos os fundadores da ‘Nico Team’,
José Eugênio do Carmo, Felipe Fonseca, Leonardo Cotta, Ericson Silva e aos sócios Lucas
Perillo e Matheus Toshiba. E claro, as aspirantes Iara Campos e Cecília.

Claudia Jacobi, minha orientadora, sempre incentivando, ensinando e discutindo idéias.


Jamais poderei retribuir.

Aos amigos do laboratório de sistemática vegetal, em especial a Pedro Viana, Gustavo


Heringer, Marcos Sobral, Rubens Custódio, João Stehmann, Nara Furtado, Livia Echter,
Leonardo Viana e Fernando Marino pela enorme contribuição e ensinamentos.

A todos os amigos do Laboratório de Interação Animal-Planta.

Aos financiadores: CNPq, FAPEMIG e US Fish & Wildlife Service.

A companhia VALE, em especial a Ana Flávia Rodrigues, por autorizar o estudo em uma das
áreas mais relevantes para a conservação das cangas e ao Edil Souza pela presteza e boa
vontade.

Aos amigos e colegas do P.E. Serra do Rola Moça pela boa vontade em colaborar com os
estudos.

Ao Cassiano “FLECHA”, Raul Herrmann, Silvana Terenzi, Ronald C. Guerra, Cristina e a


todas as pessoas que nos deram um imprescindível suporte técnico (leia-se casa, comida e boa
conversa) durante os trabalhos de campo.

A minha família por todo o apoio.


ÍNDICE
Resumo........................................................................................................................................1
Abstract.......................................................................................................................................2
1 – Introdução.............................................................................................................................3
2 – Objetivos.............................................................................................................................17
3 – Método................................................................................................................................17
3.1 – As cangas constituem áreas com alto valor para a conservação ambiental?...................22
3.2 – Avaliação do estado de conservação dos ecossistemas de cangas no Quadrilátero
Ferrífero.........................................................................................................................24
3.2.1 – Análise espacial e elaboração de um índice de vulnerabilidade..........................25
3.2.2 – Elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental.......................26
3.2.3 – Diagnóstico ecorregional e priorização para a conservação................................34
3.3 – Proposta de áreas-alvo para a investigação da diversidade biológica e identificação de
áreas-prioritárias para a conservação das cangas em Minas Gerais................................40
4 – Resultados
4.1 – As cangas constituem áreas com alto valor para a conservação?....................................41
4.2 – Avaliação do estado de conservação dos ecossistemas de cangas no Quadrilátero
Ferrífero.........................................................................................................................47
4.2.1 – Análise espacial e elaboração de um índice de vulnerabilidade..........................47
4.2.2 – Elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental.......................57
4.2.3 – Diagnóstico ecorregional e priorização para a conservação................................62
4.3 – Proposta de áreas-alvo para a investigação da diversidade biológica e identificação de
áreas-prioritárias para a conservação das cangas em Minas Gerais................................64
5 – Discussão............................................................................................................................67
6 – Referencias Bibliográficas..................................................................................................77
Anexo 1.....................................................................................................................................87
Anexo 2.....................................................................................................................................88
Anexo 3.....................................................................................................................................90
LISTA DAS FIGURAS

Figura 1 – Abundância relativa global de formações ferríferas bandadas em relação ao volume


da maior ocorrência conhecida: Grupo Hamersley, Austrália. (Adaptado de Klein,
2005).................................................................................................................................4
Figura 2 – Canga com aspecto de “ilha ferruginosa” (altitude: 1.400 m) localizada no P.E.
Serra do Rola Moça, Quadrilátero Ferrífero, MG..........................................................5

Figura 3 – Produção brasileira de minério de ferro. Fonte: Santos (1973); Alecrim (1982);
IBRAM (2008; 2009); DNPM (2004; 2006; 2007; 2008)..............................................6
Figura 4 – Pico do Itabirito, município de Itabirito, em duas representações. No alto, desenho
de F.J. Stephan, (1840). Embaixo, desenho de Marianne North (1873).........................8
Figura 5 – A Serra da Piedade, entre os municípios de Caeté e Sabará, em duas
representações. No alto, a S. Piedade vista a partir da localidade de Gongo Soco,
desenho de Marianne North (1873). Embaixo, detalhe da vegetação rupícola crescendo
sobre os blocos de itabirito - formações ferríferas bandadas. Ilustração de um artigo de
Eugenius Warming publicado em 1869. Adaptado de Gomes
(2006)...............................................................................................................................9
Figura 6 – Sítio arqueológico localizado em cangas da região de Urucum, MS. Detalhe dos
petróglifos (Girelli, 1994)..............................................................................................10
Figura 7 – Heterogeneidade ambiental e as diversas fisionomias vegetais encontradas em
cangas no Quadrilátero Ferrífero...................................................................................12
Figura 8 – A) A Cadeia do Espinhaço e em destaque o Quadrilátero Ferrífero, MG. Adaptado
de Giulietti et al. (1997); B) Mapa do relevo do setor mineiro da Cadeia do Espinhaço
e em destaque o Quadrilátero Ferrífero. Adaptado de Miranda (2005).........................18
Figura 9 – Mapa geológico do Quadrilátero Ferrífero e limites dos municípios. Adaptado de
SIAM (2009).................................................................................................................19
Figura 10 – Relevo do Quadrilátero Ferrífero (adaptado de Miranda, 2005) e as principais
estruturas geológicas (Endo et al., 1991)......................................................................21
Figura 11 – Distribuição das cangas (n = 325) no Quadrilátero Ferrífero, representando as
áreas de referência. Adaptado de Lobato et al (2005)...................................................48
Figura 12 – Número de cangas (n = 325), por categoria de tamanho, que ocorriam no
Quadrilátero Ferrífero até a década de 1960.................................................................48
Figura 13 – Número de cangas (n = 325), por categoria de altitude, que ocorriam no
Quadrilátero Ferrífero até a década de 1960..................................................................49
Figura 14 – Área total (ha) das cangas (n = 325) no Quadrilátero Ferrífero distribuída por
classes de perda de hábitat.............................................................................................50
Figura 15 – Número de cangas “originais’ (n = 325) e número atual (n = 225), por categoria
de tamanho.....................................................................................................................51
Figura 16 – Distribuição atual das cangas (n = 225) no Quadrilátero Ferrífero, MG. Adaptado
de Lobato et al. (2005)..................................................................................................52
Figura 17 – Principais agentes causadores de perdas de cangas no Quadrilátero Ferrífero,
MG.................................................................................................................................54
Figura 18 – Perdas de áreas de cangas e alterações na paisagem provocadas pela extração de
minério de ferro.............................................................................................................55
Figura 19 – Áreas remanescentes de cangas (n = 225) de acordo com a proximidade de uma
cava de extração de minério..........................................................................................56
Figura 20 – Cangas atuais (n = 225) classificadas de acordo com o índice de
vulnerabilidade..............................................................................................................56
Figura 21 – Total das áreas (ha) das 34 cangas avaliadas e suas respectivas categorias de
ameaça. CR: Criticamente em perigo (n = 4); EN: Em perigo (n = 11); VU: Vulnerável
(n = 18); RE: Relativamente estável (n = 1)..................................................................58
Figura 22 – Contribuição média dos indicadores agrupados por categoria de ameaça. CR:
Criticamente em perigo. EN: Em perigo; VU: Vulnerável; RE: Relativamente estável.
N = 34 cangas avaliadas................................................................................................59
Figura 23 – Notas médias dos três itens avaliados no protocolo, por categoria de ameaça. CR:
Criticamente em perigo (n = 4 cangas); EN: Em perigo (n = 13 cangas); VU:
Vulnerável (n = 16 cangas); RE: Relativamente estável (n = 1 canga).........................60
Figura 24 – Títulos minerários para ferro em regiões de cangas e formações ferríferas
bandadas no Quadrilátero Ferrífero, MG.......................................................................61
Figura 25 – Títulos minerários e os principais depósitos de minério de ferro associados às
formações ferríferas bandadas em Minas Gerais...........................................................65
Figura 26 – Sobreposição das Áreas-Chave para a Biodiversidade (Giulietti et al., 2009) que
contém títulos minerários de ferro, das unidades de conservação de proteção integral e
dos principais depósitos de minério de ferro em Minas Gerais.....................................66
Figura 27 – Distribuição atual das cangas e a localização das áreas prioritárias para a
conservação no Quadrilátero Ferrífero, MG..................................................................70
LISTA DAS TABELAS

Tabela 1 - Indicadores utilizados no protocolo de avaliação do estado de conservação das


cangas do Quadrilátero Ferrífero, MG...........................................................................30
Tabela 2 - Categorias de ameaça iminente e os principais agentes causadores de degradação
ambiental em áreas de cangas no Quadrilátero Ferrífero. Adaptado de Dinerstein et al.
(1995).............................................................................................................................34
Tabela 3 – Índice de ameaça ambiental (Dinerstein et al., 1995).............................................37
Tabela 4 – Matriz de integração para hierarquização de áreas prioritárias para a conservação
da biodiversidade (Dinerstein et al.,1995). CR: Criticamente em perigo; EN: Em
perigo; VU: Vulnerável; RE: Relativamente estável; RI: Relativamente intacto. I:
localidades com extrema prioridade para a conservação...............................................39
Tabela 5 – Espécies de plantas vasculares com alto valor para a conservação que ocorrem no
Quadrilátero Ferrífero, MG. DG: distribuição geográfica; CG: endêmica ou
presumivelmente endêmica de cangas do Quadrilátero Ferrífero; QF: Quadrilátero
Ferrífero; PLR: planta rara (sensu Giulietti et al., 2009); BR: Lista Oficial das
Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção; MG: Lista das Espécies
Ameaçadas de Extinção da Flora do Estado de Minas Gerais; AE: ameaçada de
extinção; EX: extinta; CR: criticamente em perigo; EN: em perigo; VU: vulnerável;
NA: não ameaçada; DD: deficiência de dados..............................................................44
Tabela 6 – Comparação entre as áreas de referência e as áreas atuais de cangas localizadas no
Quadrilátero Ferrífero, MG. As linhas pontilhas indicam os maiores valores de cada
coluna............................................................................................................................53
Tabela 7 – Índice de Vulnerabilidade das cangas no Quadrilátero Ferrífero, MG...................57
Tabela 8 – Síntese das avaliações finais do estado de conservação das cangas no Quadrilátero
Ferrífero, MG................................................................................................................67
RESUMO

Os afloramentos ferruginosos conhecidos como cangas estão entre os sistemas ecológicos


mais ameaçados do Brasil devido a sua distribuição restrita e associada aos principais
depósitos de minério de ferro do país. As cangas abrigam comunidades naturais com alto
valor para a conservação, caracterizadas pelas elevadas diversidades alfa e beta, e pela
presença de várias espécies raras, endêmicas e ameaçadas. Além da biodiversidade, as cangas
abrigam um patrimônio geoambiental e arqueológico e também fornecem serviços ambientais
vitais para a sociedade, como a recarga hídrica. O estado de conservação dos ecossistemas de
cangas localizados no Quadrilátero Ferrífero, uma das principais províncias minerais do
mundo, foi determinado com o uso de três métodos: análise espacial e elaboração de um
índice de vulnerabilidade; elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental e
diagnóstico ecorregional. Para Minas Gerais foram propostas áreas-alvo para a investigação
da diversidade biológica a partir de registros geológicos das formações ferríferas bandadas,
formações em que as cangas estão geneticamente associadas. Para a identificação das áreas
prioritárias para a conservação em Minas Gerais adotou-se a análise de lacunas, um método
que integra atributos como vulnerabilidade, representatividade no sistema de unidades de
conservação e insubstituibilidade. No Quadrilátero Ferrífero, em menos de 40 anos, cerca
40% das áreas de canga foram irreversivelmente perdidas, extinguindo-se 100 afloramentos
ferruginosos. A mineração foi a causa de 85% da perda de hábitat. As alterações na paisagem
provocaram o aumento nas distâncias entre os afloramentos e uma redução das áreas médias
das cangas em cerca de 13%. De acordo com os três métodos as cangas foram classificadas
como criticamente em perigo. As áreas-alvo para a investigação científica foram constituídas
pelas regiões de Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas e Grão-Mogol (norte
do Espinhaço mineiro); Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar (próximos da Serra do
Cipó); Alvorada de Minas e Serro (Planalto de Diamantina); Guanhães (Região do Vale do
Rio Doce) e Fortaleza de Minas (sudeste do estado). As áreas prioritárias para a conservação
das cangas localizam-se no Quadrilátero Ferrífero, Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio
Pardo de Minas, Grão-Mogol, Conceição do Mato Dentro, Morro do Pilar, Alvorada de Minas
e Serro. Nestas áreas existem projetos em andamento para a implementação ou expansão da
exploração mineral. Em Minas Gerais menos de 280 ha de cangas estão localizados em
unidades de conservação de proteção integral. Esta situação deve ser urgentemente revertida,
pois as pressões (presentes e projetadas) nestes ecossistemas podem torná-los funcionalmente
extintos.

1
ABSTRACT

Ironstone outcrops, known as cangas, are among the most threatened Brazilian ecological
systems, due to their restricted distribution associated with the main iron ore deposits in the
country. Cangas harbor natural communities with high conservation value, characterized by
high alpha and beta diversities, and the presence of several rare, endemic, and threatened
species. Besides their biodiversity, these environments host a geological and archaeological
patrimony, aside from providing environmental services vital to society, such as water
recharge. The conservation state of canga ecosystems in the Iron Quadrangle, one of the
world’s most important mineral provinces, was determined using three methodologies: GIS
spatial analyses, application of an environmental evaluation protocol, and the adoption of a
threat index developed for the Latin American ecoregions. For Minas Gerais, target areas for
the research of biological diversity were proposed, based on geological records of banded iron
formations, to which cangas are genetically associated. To identify priority areas for
conservation in Minas Gerais, a gap analysis was adopted, which integrates attributes such as
vulnerability, representativity in conservation units and irreplaceability. In the Iron
Quadrangle, in less than 40 years, around 40% of cangas were irreversibly lost, extinguishing
100 ironstone outcrops. Mining activities were the cause of 85% of hábitat loss. Landscape
alterations resulted in increased distances among outcrops and a decrease in mean canga area
of about 13%. According to the three methods, cangas were classified as critically
endangered. Target areas for scientific research comprised the regions of Riacho dos
Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas and Grão-Mogol (N of Minas Gerais Espinhaço);
Conceição do Mato Dentro and Morro do Pilar (near Serra do Cipó); Alvorada de Minas and
Serro (Planalto de Diamantina); Guanhães (Vale do Rio Doce region), and Fortaleza de Minas
(SE of Minas Gerais). Priority áreas for canga conservation are located in the Iron
Quadrangle, Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas, Grão-Mogol, Conceição
do Mato Dentro, Morro do Pilar, Alvorada de Minas, and Serro. In these areas there are
projects for the implementation or expansion of mineral exploitation. In Minas Gerais less
than 280 ha of cangas are located within Full Protection conservation units. This situation
needs to be urgently reverted, because the pressure (present and projected) on these
ecosystems may render them functionally extinct.

2
1 - INTRODUÇÃO

As atuais demandas humanas por recursos de energia endossomática (ingestão de


alimentos) e exossomática (combustíveis fósseis e eletricidade, por exemplo) provocam,
direta ou indiretamente, a destruição dos ambientes naturais (Rios, 1995; Hoekstra et al.,
2005). Com uma população mundial de 6,8 bilhões de pessoas (U.S. Census Bureau, 2009) e
com uma taxa de crescimento positivo de 1,2% a.a. (Bongaarts, 2009) – um acréscimo de
quase três humanos a cada segundo – pode-se imaginar as quantidades colossais de energia
utilizadas para a manutenção da ‘entalpia humana global’. Da mesma forma, pode-se
imaginar a ‘entropia’ dos sistemas naturais globais. De fato, essa perda e degradação de áreas
naturais estão diretamente associadas ao aumento de até 1000 vezes nas atuais taxas de
extinção de espécies, quando comparadas com as taxas de extinções naturais (Pimm et al.,
1995).
O Brasil, reconhecido como detentor de uma das maiores biodiversidades do planeta
(Lewinsohn & Prado, 2005), já abriga dois hotspots mundiais de biodiversidade (Myers et al.,
2000): a Mata Atlântica e o Cerrado, ambos caracterizados pela elevada diversidade
biológica, pelos altos níveis de endemismos e pelo alto estágio de degradação ambiental. A
destruição da biodiversidade causada pelos impactos humanos na Amazônia, Caatinga e
Pantanal (Brandon et al., 2005) parecem confluir inexoravelmente para a mesma situação.
A Convenção da Diversidade Biológica, da qual o Brasil é signatário, solicitou aos
países participantes a definição de metas com o objetivo de reduzir a erosão da diversidade
biológica priorizando um sistema de áreas protegidas que considerasse a representatividade
dos ecossistemas (UNEP/COP 6 - Decisão VI/26, 2001). Desta forma, a Comissão Nacional
de Biodiversidade adotou, entre um conjunto de metas para 2010, a promoção da conservação
efetiva de pelos menos 30% do bioma Amazônia e de pelo menos 10% dos demais biomas,
ecossistemas e hábitats (Resolução CONABIO n° 3, de 21 de dezembro de 2006).
Os ecossistemas encontrados em afloramentos ferruginosos conhecidos como cangas
estão entre os menos conhecidos e os mais ameaçados do Brasil, devido a sua distribuição
restrita e associada aos principais depósitos de minério de ferro do país (Jacobi & Carmo,
2008a). O amplo espectro de ambientes descritos em cangas como cavernas,

3
lagoas, brejos, lajeados, fendas, poças e escarpas (Auler & Piló, 2005; Maurity &
Kotschoubey, 2005; Jacobi et al., 2007) favorece condições ecológicas que geralmente
diferem da paisagem adjacente - ou matriz - que por sua vez, pode ser constituída por
fitofisionomias florestais, campestres, arbustivas ou savânicas, sensu Oliveira-Filho (2009).

Cangas: Contexto Geoeconômico


As cangas estão geneticamente associadas aos litotipos ricos em ferro (Castro, 2008),
sendo os principais tipos denominados como formações ferríferas bandadas - FFB. Estas
formações ferríferas são únicas quando se consideram os processos de formação e as
potencialidades minerais (Piacentini et al., 2007), constituindo as maiores reservas de minério
de ferro do mundo (Walde, 1986). O Brasil contém uma das maiores ocorrências de FFB do
planeta (Figura 1) o que por sua vez, representa a quinta maior reserva mundial de minério de
ferro, estimadas em 2,6 x 1010 t. Três estados concentram mais de 98% das reservas
conhecidas: Minas Gerais com 63,1%, Pará com 18% e Mato Grosso do Sul com 17,2%
(Klein, 2005; DNPM, 2008).
Abundância global de FFB em relação ao Grupo

Grupo Hamersley, Austrália

Quadrilátero Ferrífero - Grupo Itabira (MG), Brasil


Carajás (PA), Brasil
Hamersley, Austrália

Bloco Yilgarn, Austrália Supergrupo Transvaal, África do Sul

Região Lago Superior, Estados Unidos

Isua, Groenlândia Região de Urucum (MS), Brasil

4,5 4,0 3,0 2,5 2,0 1,0 0,5 0


Tempo (bilhões anos)

Figura 1 – Abundância relativa global de formações ferríferas bandadas em relação ao volume


da maior ocorrência conhecida: Grupo Hamersley, Austrália. (Adaptado de Klein,
2005).

De acordo com Castro (2008) o significado geológico mais preciso do termo canga foi
estabelecido por Dorr (1964). Tradução de Castro (2008):

4
“...uma rocha formada por material detrítico derivado de itabiritos e hematitas,
cimentado por limonita. Ela é moderadamente dura, bem consolidada, levemente permeável e
muito resistente à erosão e ao intemperismo químico. A canga forma extensos depósitos em ou
próximo de superfícies erosivas atuais ou antigas.”

As cangas constituem uma couraça que recobrem insularmente (Figura 2) as FFB e,


por conseguinte, os depósitos de minério de ferro das maiores províncias minerais do país.
Estas províncias, em ordem de importância, estão localizadas no Quadrilátero Ferrífero, MG
(Dorr, 1969; Rosiére & Chemale Jr., 2000a); na Serra de Carajás, PA (Lindenmayer et al.,
2001; Klein & Ladeira, 2002); e na Morraria de Urucum, MS (Haralyi & Walde, 1986; Urban
et al., 1992).

Figura 2 – Canga com aspecto de “ilha ferruginosa” (altitude: 1.400 m) localizada no P.E.
Serra do Rola Moça, Quadrilátero Ferrífero, MG.

A produção brasileira de minério de ferro, segundo Santos (1973), dividi-se em quatro


períodos: ‘Experimental’ até meados da década de 1930; ‘Inicial’ de 1935 até 1947;
‘Exportação Regular’ no período entre 1948 até 1953; ‘Exportação em Larga Escala’ de 1960
até o presente. Nos últimos anos, a trajetória da produção brasileira demonstra um
crescimento logarítmico (r²=0,86) sem precedentes (Figura 3).

5
4000000

Produção Brasil x10³ t .


3000000

2000000

1000000

0
1900

1910

1920

1930

1940

1950

1960

1970

1980

1990

2000

2010
Figura 3 – Produção brasileira de minério de ferro. Fonte: Santos (1973); Alecrim (1982);
IBRAM (2008; 2009); DNPM (2004; 2006; 2007; 2008).

Em 2008 o Brasil exportou bens primários de ferro na ordem de US$ 16 bilhões,


contribuindo com uma parcela considerável para o PIB nacional. De fato, o Brasil é o
segundo maior produtor mundial de minério de ferro, produzindo em 2008 cerca de 370
milhões de toneladas. Dois estados foram responsáveis por 97% dessa produção, Minas
Gerais com 71% e Pará com 26% (IBRAM, 2008). O Quadrilátero Ferrífero, o maior produtor
brasileiro, concentra 76 % das minas de ferro (44 das 58 minas registradas no Brasil), seguido
pela região de Urucum com 8,6% (cinco minas) e a Serra de Carajás com uma mina (1,7%)
(DNPM, 2007).
A forma de extração do minério de ferro, com a remoção das camadas superficiais do
substrato, acarretando na completa destruição da paisagem no local da jazida explorada (Toy
et al., 2001; Toy & Griffith, 2001) e o crescimento nos últimos anos da produção brasileira
em resposta ao aumento da demanda internacional por este commodity sinalizam as pressões
geoeconômicas nos ambientes de cangas.

Cangas: Patrimônio Paleoambiental, Histórico e Arqueológico


As cangas constituem um relevante patrimônio geológico da história da evolução da
paisagem, sendo consideradas paleossolos indicadores de mudanças paleoclimáticas
(Ruchkys, 2008). Vários naturalistas que trabalharam na região do Quadrilátero durante o séc
XIX, entre eles Richard Burton, Peter Claussen, Marianne North, Johann M. Rugendas, Pierre
Aimé Pissis e Augustin François C. P. de Saint-Hilaire destacaram, de uma forma ou de outra,
a singularidade dos ambientes formados pelas cangas,

6
pelos itabiritos (formações ferríferas bandadas) e a vegetação associada. Por volta de 1818
Karl Friedrich Philipp von Martius, naturalista alemão e um dos editores da monumental obra
botânica Flora brasiliensis, realizou interessantes observações geobotânicas, associando a
presença de algumas espécies com as formações ferruginosas localizadas na Serra de Antônio
Pereira, região entre Ouro Preto e Mariana (Spix & Martius, 1824).
O Pico do Itabirito (Figura 4), ou Pico do Itabira como era conhecido na época, e a
Serra da Piedade (Figura 5) constituem exemplos de estruturas geológicas compostas
principalmente pelas cangas e por formações ferríferas bandadas que foram retratados em
pinturas e litografias que ilustram obras científicas e literárias conhecidas mundialmente.
Uma das descrições mais interessantes dessas estruturas partiu do naturalista
dinamarquês e um dos fundadores da Ecologia Vegetal (Klein, 2002) Johannes Eugenius
Büllow Warming. Em 1864 ao se aproximar da Serra da Piedade, chamada por ele de
montanha de ferro, Eugenius Warming declarou (Gomes et al., 2006):

“Era um maciço de ferro quase puro: ao arrancar a golpes um pedaço de um dos blocos
espalhados por todos os lados, via-se que a rocha era pesada e com a sonoridade e o brilho
do ferro. Os blocos tinham tamanhos variados, alguns de dimensões gigantescas. Era um
ambiente totalmente novo e surpreendente, tanto na sua totalidade como nas
particularidades. A natureza que eu havia observado nas montanhas de granito e nas
florestas virgens do Brasil – como nas redondezas do Rio de Janeiro ou na Serra dos Órgãos
– não se parecia em nada com a que agora se apresentava. Evidentemente a paisagem do
campo, onde não se vê qualquer bloco de pedra solta, era menos parecida ainda.”

Tanto a Serra da Piedade quanto o Pico do Itabirito foram tombados pelo Instituto
Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA-MG) e ambos compõem um conjunto
de sítios geológicos reconhecidos pela Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e
Paleobiológicos (Rosière et al., 2005; Ruchkys et al., 2007). Os sítios geológicos constituem
excepcionais ocorrências geológicas que registram a origem e evolução da Terra naqueles
locais (Winge, 1999). Um terceiro sítio geológico e paleontológico associado às cangas está
localizado no extremo leste do Quadrilátero, na região conhecida por Chapada de Canga.
Nesta localidade, as cangas recobrem um importante registro fossilífero de plantas do
Terciário brasileiro, onde um dos primeiros registros de uma flor fóssil no Cenozóico do
Brasil foi descoberto naquela região (Mello et al., 2002).

7
Figura 4 – Pico do Itabirito, município de Itabirito, em duas representações.
No alto, desenho de F.J. Stephan, (1840).
Disponível em: http://florabrasiliensis.cria.org.br/opus?vol=1.
Embaixo, desenho de Marianne North (1873).
Disponível em: http://kew.org/mng/gallery/.

8
Figura 5 – A Serra da Piedade, entre os municípios de Caeté e Sabará, em duas
representações. No alto, a S. Piedade vista a partir da localidade de Gongo Soco,
desenho de Marianne North (1873), disponível em http://kew.org/mng/gallery/.
Embaixo, detalhe da vegetação rupícola crescendo sobre os blocos de itabirito -
formações ferríferas bandadas. Ilustração de um artigo de Eugenius Warming
publicado em 1869. Adaptado de Gomes (2006).

9
Um sítio geológico e paleoambiental associado às cangas e às formações ferríferas
bandadas foi identificado próximo de Corumbá, MS. Este sítio, denominado Morraria de
Urucum, integra uma lista de sítios com propostas para serem transformados em Patrimônio
da Humanidade em função da importância do registro geológico que representam (Boggiani
& Coimbra, 2002). Nesta mesma região ocorrem sítios arqueológicos contendo vários
petróglifos (Figura 6), ou seja, gravuras desenhadas na couraça ferruginosa (Girelli, 1994).

Figura 6 – Sítio arqueológico localizado em cangas da região de Urucum, MS. Detalhe dos
petróglifos (Girelli, 1994).

10
Sítios arqueológicos associados às cangas também ocorrem no Quadrilátero e na Serra
de Carajás, PA. No Quadrilátero os primeiros registros arqueológicos em cavernas
ferruginosas foram recentemente descobertos em dois sítios localizados na mina de ferro
Capão Xavier, em Nova Lima. Naqueles sítios foram encontrados artefatos cerâmicos e
líticos, registrando uma ocupação humana há pelo menos 1.500 anos antes do presente.
Embora preliminares, os registros de ocupação humana em áreas de cangas no Quadrilátero
representam um relevante patrimônio histórico e arqueológico no estado de Minas Gerais
(Baeta & Piló, 2005; Piló & Baeta, 2007).
Nas cavernas ferruginosas localizadas na Serra de Carajás foram encontrados registros
arqueológicos evidenciando a presença humana há pelo menos 9.000 anos atrás. As
evidências arqueológicas mais importantes foram descobertas nas Grutas do Gavião e do
Pequiá, ambas localizadas na Serra Norte, distrito ferrífero de Carajás (Magalhães, 2006).

Cangas no Quadrilátero Ferrífero: Contexto Ambiental


Vegetação
Em Minas Gerais, o Quadrilátero Ferrífero foi reconhecido como uma ‘área de
importância biológica especial’ devido à presença dos “campos ferruginosos” – uma das
denominações para a fisionomia vegetal mais representativa que ocorre nas cangas – e a
presença de espécies endêmicas e ameaçadas (Drummond et al., 2005).
Mesmo a incipiente literatura que trata da vegetação associada aos afloramentos
ferruginosos no Quadrilátero já indica elevadas diversidades alfa e beta. As espécies estão
distribuídas entre diversos ambientes (Figura 7) e fitofisionomias, sensu Oliveira-Filho
(2009), como: fisionomias florestais, arbustivas, savânicas e campestres (Vincent, 2004;
Jacobi et al., 2007; Mourão & Stehmann, 2007; Viana & Lombardi, 2007), onde predominam
os campos rupestres sobre canga, ou “campos ferruginosos”.
Em levantamentos florísticos realizados em quatro afloramentos de cangas, cujas áreas
disjuntas totais foram menores que 300 ha, foram identificados 86 famílias, 250 gêneros e 458
espécies de plantas vasculares. Apenas 5% das espécies ocorreram em todas as cangas
amostradas, caracterizando uma baixa similaridade florística entre as localidades (Jacobi &
Carmo, 2008b).

11
Figura 7 – Heterogeneidade ambiental e as diversas fisionomias vegetais encontradas em
cangas no Quadrilátero Ferrífero. A) Extensos lajeados localizados na Chapada de
Canga (Catas Altas) e as ilhas de vegetação formadas por Vellozia sp.; B)
Vegetação rupestre em cangas localizadas na Serra de Capanema (Ouro Preto); C)
Vegetação rupestre localizada na Serra da Brígida (Ouro Preto); D) Lagoa
localizada em Catas Altas; E) Escarpa com cerca de 20 m de altura localizada no
P.E. Serra do Rola Moça (Nova Lima); F) Capão de altitude localizado na Serra
da Moeda (Moeda). Fotos: Flávio Fonseca

12
Vários trabalhos reconhecem a importância das áreas metalíferas para a conservação
da diversidade biológica. Estas regiões caracterizam-se por conter altas concentrações de
metais pesados no solo/substrato, sendo consideradas centros de endemismo e especiação de
plantas metalófitas (Whiting et al., 2002; Ginocchio & Baker, 2004; Whiting et al., 2004).
No Quadrilátero já foram identificadas algumas espécies metalófitas (sensu Whiting et
al., 2004) como as Asteraceae Eremanthus erythropappus (DC.) N.F.F. MacLeish e E.
glomerulatus Less., e as Melastomataceae Microlicia crenulata Mart. e Trembleya laniflora
Cogn., que acumularam nos tecidos foliares concentrações de Cu, Fe, Mn, e Zn maiores que
as disponíveis no substrato (Teixeira & Lemos-Filho, 1998).

Sistemas Subterrâneos

As localidades onde ocorrem as formações ferríferas, incluindo as cangas, no território


brasileiro são consideradas pelo Centro Nacional de Estudos, Proteção e Manejo de Cavernas
– CECAV (2008) regiões com uma potencialidade muito alta, maior que 90%, de ocorrer
cavernas. Estimam-se em torno de 1.500 cavernas associadas aquelas formações, com cerca
de 250 cavernas catalogadas no Quadrilátero e centenas de cavernas ocorrendo na Serra de
Carajás, todas localizadas em áreas-alvo de mineração (Auler, 2006).
Os sistemas subterrâneos – cavernas ferruginosas – associados às cangas localizadas
no Quadrilátero Ferrífero abrigam uma comunidade de invertebrados com uma extrema
complexidade estrutural, elevada diversidade de organismos troglomórficos – com várias
ocorrências de espécies novas para a ciência – e elevada diversidade beta. As espécies
troglomórficas representam grande relevância em função de sua história evolutiva e
distribuição restrita (Ferreira, 2005; 2008; Silva, 2008).
Silva (2008), estudando a fauna de invertebrados em cavernas no Domínio da Mata
Atlântica (103 cavernas em litologias carbonáticas, magmáticas, siliclásticas e ferruginosas
localizadas nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de
Janeiro e São Paulo) concluiu que as cavernas ferruginosas, quando comparadas com as
cavernas de outras litologias, apresentaram características singulares quanto à biodiversidade

13
funcionalidade trófica e vulnerabilidade, sendo que a maior riqueza de espécies
troglomórficas (68 ssp.) foi catalogada em cavernas ferruginosas no Quadrilátero.

Serviços do Ecossistema: Recursos Hídricos


Constanza et al. (1997) estimaram em cerca de US$ 33 trilhões ao ano o valor
monetário mundial corrente do capital natural, ou recursos naturais, calculado a partir de 17
tipos de serviços dos ecossistemas naturais. Em outras palavras, estimaram a valor monetário
que a humanidade ‘deveria’ pagar por serviços vitais como a polinização, a regulação
climática e o suprimento de água.
No Quadrilátero Ferrífero, as formações ferríferas bandadas e as rochas carbonáticas
da Formação Gandarela constituem o principal sistema de aqüíferos da região. Os sinclinais¹
Moeda, Gandarela e a Serra do Curral compõem as áreas mais favoráveis à explotação de
água subterrânea (IBRAM, 2003). As reservas explotáveis contidas no Quadrilátero foram
estimadas em 5 x 109 m³, onde 80% deste montante (4 x 109 m³) estão associados as
formações ferríferas (Silva et al., 1994 apud IBRAM, 2003).
As cangas, devido a sua localização nos platôs topográficos, sua porosidade e
permeabilidade, funcionam como conexão daqueles aqüíferos, constituindo importantes áreas
de recarga hídrica (Lazarim, 1999 apud IBRAM, 2003; Castro, 2008).

Planejamento para a Conservação da Biodiversidade e Definição de Prioridades

A degradação e a perda de hábitats podem alterar sobremaneira os processos


ecossistêmicos. Desta forma, o colapso dos sistemas ecológicos pode acontecer em um
momento anterior ao da extinção de espécies (Woodwell, 2002).
Esse fenômeno deve ser considerado no planejamento para a conservação da
diversidade biológica, pois os esforços para a manutenção de espécies ou populações podem

¹Os sinclinais são megaestruturas geológicas e resultam de processos de dobramentos das formações
constituintes em que as camadas de material geológico mais recente encontram-se no núcleo daquela
estrutura (Winge et al., 2001).

14
não ser efetivos quando o ecossistema estiver sincronicamente sendo convertido (Jennings,
2000). Esta mudança na perspectiva, focando nos hábitats e em suas principais ameaças, pode
gerar benefícios não só para a conservação das próprias espécies como também para a
sociedade, garantindo a manutenção dos serviços e funções dos ecossistemas (Hoekstra et al.,
2005).
As áreas protegidas são mundialmente reconhecidas como uma das ferramentas mais
eficazes para a conservação e proteção da biodiversidade, dos serviços ambientais e dos
processos ecossistêmicos (HocKings, 2003; Rodrigues et al., 2004). Entretanto, em um país
como o Brasil, portador de uma miríade de ecossistemas e hábitats, tanto o conhecimento
sobre a diversidade biológica, quanto os tipos e intensidades de ameaças aos ambientes
naturais mostram-se bastante heterogêneos (Brandon et al., 2005).
No Brasil recentemente foram adotados métodos do planejamento sistemático da
conservação e do diagnóstico ecorregional como subsídios para a indicação de áreas
prioritárias para a conservação da diversidade biológica (Rylands & Brandon, 2005; Dias et
al., 2006; MMA, 2008). O planejamento sistemático da conservação compõe uma importante
ferramenta na identificação de áreas com alto valor para a conservação baseado em um
conjunto de dados bióticos e abióticos e em princípios como a representatividade, a
vulnerabilidade, a complementaridade e a insubstituibilidade (Pressey et al., 1994; Margules
& Pressey, 2000). O diagnóstico ecorregional (Dinerstein et al., 1995) incorpora nas análises
a diversidade de hábitats, a perda e a degradação ambiental e a vulnerabilidade como
estimativas da capacidade que uma determinada região mantenha populações viáveis de
espécies, sustente processos ecossistêmicos e responda a alterações ambientais.
Alguns conceitos que alicerçam estes métodos foram empregados no presente trabalho
com as seguintes conotações:
• Indicadores da biodiversidade (surrogates): unidades ambientais que pressupõem
diversidade biológica, por exemplo, certos fenômenos geomorfológicos, bacias
hidrográficas ou interflúvios (MMA, 2008).
• Objeto de conservação: constituintes da biodiversidade (espécies, populações,
comunidades, ecossistemas ou hábitats) de interesse para a conservação e que ocorrem
em áreas geográficas definidas espacialmente (MMA, 2008).

15
• Complementaridade: inclusão de novas áreas protegidas ao sistema de unidades de
conservação com o objetivo de otimizar o número de objetos de conservação (espécies
ou ecossistemas, por exemplo).
• Vulnerabilidade (vulnerability): medida da probabilidade ou iminência de perda da
biodiversidade (Pressey & Taffs, 2001).
• Insubstituibilidade (irreplaceability): contribuição potencial de uma determinada
área para a representatividade dos objetos de conservação (Pressey & Taffs, 2001).
Indica áreas com altos níveis de endemismos (Rodrigues et al., 2004), ou espécies
raras (Rapini et al., 2009).

O Quadrilátero Ferrífero caracteriza-se pela elevada geodiversidade e por uma


complexa evolução geoecológica da paisagem (Ruchkys et al., 2007; Castro, 2008), fatores
estes que favorecem o desenvolvimento e a manutenção da biodiversidade (Martins, 2000;
Gray, 2005), o que leva à necessidade de refinar a escala da análise para que medidas
adequadas de proteção e de distribuição de recursos atinjam um “alvo” caracterizado pela
convergência geográfica com áreas de mineração, pela disjunção e pela reduzida extensão
geográfica de um ambiente específico: as cangas.
A partir deste ponto o termo canga terá um significado holístico, ou seja, representará
simultaneamente os fatores abióticos, bióticos, culturais e econômicos que nela se associam.
Por caracterizar-se como uma unidade discreta na paisagem relativamente fácil de mensurar e
constituindo um arcabouço onde acontecem os processos ecológicos e evolutivos que
resultaram nas atuais comunidades naturais, os afloramentos de cangas, e não as espécies ou
populações nelas contidas foram os objetos de conservação avaliados. Portanto, o presente
trabalho versa sobre as seguintes questões:

1. As cangas abrigam ecossistemas e serviços ambientais com alto valor para a


conservação?

2. Qual o estado de conservação das cangas no Quadrilátero Ferrífero?

3. Qual o grau de vulnerabilidade e a representatividade das cangas no sistema de áreas


protegidas de Minas Gerais?

16
2 – OBJETIVOS

O objetivo geral deste estudo foi analisar a importância ambiental das cangas, a
vulnerabilidade e a representatividade no sistema de áreas protegidas em Minas Gerais. Os
objetivos específicos foram:

• Estimar o valor de conservação das cangas a partir de dois atributos: raridade e


endemismo e a valoração dos serviços ambientais de recursos hídricos;

• Avaliar o estado de conservação das cangas no Quadrilátero Ferrífero com diferentes


métodos e em diferentes escalas espaciais e, posteriormente, propor áreas prioritárias
para a manutenção das cangas na região;

• Propor áreas prioritárias para a conservação das cangas em Minas Gerais utilizando o
método da análise de lacunas;

• Propor medidas específicas com os objetivos de redução das ameaças e otimização da


representatividade das cangas no sistema de áreas protegidas.

3 – MÉTODO
Local de Estudo
O Quadrilátero Ferrífero (QF), abrangendo uma área de aproximadamente 7.200 km2
localiza-se na região central de Minas Gerais. Em termos geográficos (Gontijo, 2008) o QF
integra o setor sul da Cadeia do Espinhaço (Figura 8), uma das regiões brasileiras de maior
diversidade biológica e relevância de endemismos em vários grupos como plantas (Giulietti et
al., 1997; Rapini et al., 2008), anfíbios (Eterovick, 2003; Leite et al., 2008) e aves (Silva &
Bates, 2002; Vasconcelos et al., 2008). Inserido na zona de transição entre a Mata Atlântica e
o Cerrado, dois hotspots mundiais de biodiversidade (Myers et al., 2000), o QF representa
uma das paisagens mais singulares do Brasil (Dorr, 1969; Varajão, 1991; Ruchkys et al.,
2007), concentrando em uma pequena extensão geográfica riquezas geológicas, minerais,
históricas e biológicas incomuns no país.

17
Figura 8 – A) A Cadeia do Espinhaço e em destaque o Quadrilátero Ferrífero, MG. Adaptado
de Giulietti et al. (1997); B) Mapa do relevo do setor mineiro da Cadeia do
Espinhaço e em destaque o Quadrilátero Ferrífero. Adaptado de Miranda (2005).

No Quadrilátero, seqüências geológicas de idades variadas afloram lado a lado, onde a


maioria dessas seqüências pode ser agrupada em quatro unidades litoestratigráficas (Figura 9)
principais (Alkmim & Marshak, 1998; IBRAM, 2003; Baltazar et al., 2005):
• Embasamento Cristalino: predominam rochas granito-gnáissicas arqueanas.
Apresenta um relevo ondulado, domínio morfoclimático (sensu Ab’Saber, 2005)
conhecido como “Mar de Morros”, geralmente com altitudes entre 600 m a 900 m.
• Supergrupo Rio das Velhas: formado por rochas metavulcânicas e
metassedimentares arqueanas. Apresenta um relevo dissecado, geralmente, com
altitudes entre 700 m a 1.200 m.

18
• Supergrupo Minas: formado principalmente por metassedimentos clásticos e
químicos proterozóicos. Apresenta um relevo invertido, geralmente com altitudes
entre 1.000 m a 2.072 m. Contém uma das maiores reservas de minério de ferro do
mundo associadas às formações ferríferas bandadas e as cangas.
• Grupo Itacolomi: predominam os quartzitos e os filitos proterozóicos.

Figura 9 – Mapa geológico do Quadrilátero Ferrífero e limites dos municípios. Adaptado de


SIAM (2009). Disponível em: www.siam.mg.gov.br/webgis/mineracao.

As cangas podem ser agrupadas, quanto ao processo e ao período geológico de


formação e a composição mineral, em três tipos (Dorr, 1969; Baltazar et al., 2005):

1. Canga normal (Paleogeno): depósitos elúvio-coluviais, constituindo capeamentos


limoníticos (constituídos por óxidos de ferro hidratados) contendo entre 20% e 80% de
fragmentos detríticos de hematita ou itabirito e podendo conter entre 50% e 64% de
ferro.
2. Canga rica (Paleogeno): depósitos elúvio-coluviais, constituindo capeamentos
limoníticos com alto teor de hematita. Contém concentrações de ferro acima de 60%.

19
3. Canga química (Plio-Pleistoceno): coberturas constituídas por poucos materiais
detríticos e altamente limonitizadas.

Entre os fatores que influenciam a formação das cangas no Quadrilátero, estão à


localização topográfica, a composição e a estrutura mineralógica dos itabiritos – formações
ferríferas bandadas (Castro, 2008). Os itabiritos, por sua vez, podem ser agrupados em três
tipos, de acordo com os principais componentes mineralógicos: itabirito comum, formado por
bandas de quartzo e óxidos de ferro; itabirito anfibolítico, formados por anfibólios e óxidos de
ferro; e itabirito dolomítico, formado por dolomita ferroana, quartzo e óxidos de ferro
(Rosière & Chemale, 2000b).
Os solos desenvolvidos sobre as cangas do Quadrilátero refletem a diversidade
geoambiental das áreas ferríferas, sendo considerados solos endêmicos (Schaefer et al., 2008).
Desta forma, pode-se considerar que as cangas compõem um sistema geoecológico (sensu
Huggett, 1995) metalífero, recobrindo insularmente uma matriz geológica predominantemente
constituída por litotipos também ricos em ferro.
O Quadrilátero Ferrífero está contido nas bacias federais dos Rios Doce e São
Francisco. A bacia do Rio Doce é composta regionalmente pela bacia do Rio Piracicaba (leste
do QF) e a bacia do São Francisco é composta pelas bacias dos Rios das Velhas (centro do
QF) e do Paraopeba (oeste do QF) (Davis et al., 2004).
O clima subtropical de altitude - segundo a classificação de Köppen - caracterizado
pelo inverno seco e verão chuvoso, predomina na região. A média do mês mais frio
geralmente não alcança os 18 °C e a do mês mais quente não atinge os 22 °C (Antunes, 1986).
No setor leste do Quadrilátero ocorrem os maiores índices pluviométricos, onde a Serra do
Caraça apresenta uma média anual de 2.035 mm (Davis et al., 2004). As menores médias
anuais ocorrem no extremo oeste do Quadrilátero, com 1.272 mm mensurados para a região
de Igarapé (ALMG, 2009).
Diversas fitofisionomias ocorrem no QF tais como a floresta estacional semidecidual,
as matas de galeria, os capões de altitude, o campo sujo, o campo cerrado e os campos

20
rupestres integrando um mosaico em função da geodiversidade, tipos de solos, gradientes
altitudinais e climatológicos (Brandão et al., 1991; Meyr et al., 2004; Spósito & Stehmann,
2006; Viana & Lombardi, 2007; Jacobi & Carmo, 2008c; Vincent & Meguro, 2008).
A origem do topônimo ‘Quadrilátero Ferrífero’ permanece incerta. Segundo Machado
(2009) o termo provavelmente foi cunhado em 1933 pelo geólogo Luiz F. M. Rego e
estabelecido na literatura a partir dos trabalhos geológicos desenvolvidos por John V.N. Dorr
II e colaboradores durante as décadas de 1950 e 1960. Provavelmente o Quadrilátero recebeu
esta denominação devido ao arranjo poligonal de suas principais macroestruturas (Rosière &
Chemale Jr., 2000b) e as megajazidas de minério de ferro que as compõem (Figura 10).

Figura 10 – Relevo do Quadrilátero Ferrífero (adaptado de Miranda, 2005) e as principais


estruturas geológicas (Endo et al., 1991). A: Serra do Curral; B: Sinclinal Moeda;
C: Sinclinal Gandarela; D: Chapada de Canga*; E: Sinclinal Alegria; F: Sinclinal
Ouro Fino; G: Sinclinal Conta História; H: Sinclinal Dom Bosco.
*A Formação Chapada de Canga representa uma unidade estratigráfica
(Sant’Anna & Schorscher, 1997).

21
3.1 – As cangas constituem áreas com alto valor para a conservação ambiental?

Dois importantes atributos foram avaliados para a caracterização ambiental das cangas
como áreas de alto valor para a conservação, um atributo biótico: raridade e endemismos de
plantas; e um atributo físico: recursos hídricos.
Raridade e Endemismo de plantas
A contribuição potencial de uma dada localidade para a conservação da biodiversidade
em virtude de suas características singulares, constitui uma importância fundamental para
mensurar o valor de conservação daquela área (Pressey et al., 1994). Atributos como
endemismo e raridade também são utilizados para mensurar o valor de conservação de uma
determinada localidade (Rodrigues et al. 2004). Assim, uma das estratégias para a localização
de áreas biologicamente insubstituíveis consiste em detectar localidades que contenham
espécies raras (Callamander et al., 2005).
Recentemente foi publicado um catálogo de plantas raras do Brasil (Giulietti et al.,
2009) contendo 2.291 espécies (definidas por ocorrem em áreas menores do que 10.000 km²)
distribuídas entre 752 áreas de importância global para a manutenção da diversidade
biológica. Estas áreas foram denominadas como Áreas-Chave para a Biodiversidade – ACBs
(em inglês, KBA: Key Biodiversity Areas; Eken et al., 2004).
Uma lista de plantas vasculares de alto valor para a conservação que ocorrem no
Quadrilátero Ferrífero foi produzida a partir da compilação do catálogo de plantas raras do
Brasil, de listas estaduais e federais de espécies ameaçadas e de trabalhos sobre a distribuição
e taxonomia de plantas que ocorrem em cangas ou na região do Quadrilátero Ferrífero
(Rapini, 2000; 2002; Leme & Paula, 2004; Atkins, 2005; Salino & Almeida, 2008; Versieux
et al. 2008; Viana, 2008).
Serviços do Ecossistema: Recursos Hídricos
Com o objetivo de contribuir com reflexões no âmbito socio-ambiental sobre a
necessidade da conservação da biodiversidade e sobre as prioridades de manutenção do
capital natural, realizou-se um esboço inicial para estimar o valor monetário do serviço
ambiental ‘recursos hídricos’ das formações ferríferas bandadas e das cangas associadas a
partir de duas situações:

22
1) Cálculo do valor monetário anual baseado em estimativas da vazão específica;
2) Cálculo do valor monetário baseado em estimativas das reservas explotáveis.
Os cálculos foram realizados a partir de estudos apresentados no trabalho
Contribuição do IBRAM para o zoneamento ecológico-econômico e o planejamento
ambiental de municípios integrantes da APA-SUL RMBH (IBRAM, 2003). Ainda, para cada
situação foram utilizados dois fatores de valoração monetária: a) o valor pago pelo
consumidor final residencial de 1 litro de água captada em mananciais localizados no
Quadrilátero Ferrífero; b) o valor pago no varejo por um litro de água mineral sem gás
produzido no Quadrilátero Ferrífero.
1) Valor monetário anual do serviço ambiental ‘recursos hídricos’ baseado nas estimativas da
vazão específica das formações ferríferas bandadas (FFB). Foi calculado pela equação:

A=BxCxDxE
A = Valor anual estimado para o serviço ambiental ‘recursos hídricos’
B = Média da vazão específica* mínima das FFB = 17,5 l/s/km²
C = Área total estimada das FFB no Quadrilátero Ferrífero (Schaefer et al., 2008) =
908 km²
D = 31.536.000 segundos (1 ano)
E¹ = Valor pago pelo consumo residencial de 1 litro de água captada em mananciais
localizados no Quadrilátero Ferrífero = R$ 0,0024 (calculado em outubro de 2009).
E² = Valor pago no varejo por 1 litro de água mineral sem gás produzida no
Quadrilátero Ferrífero = R$ 0,90 (em outubro de 2009).
*Vazão específica mínima média de estiagem em curso de água com nascentes
naquela unidade hidroestratigráfica (Golder, 2001 apud IBRAM, 2003).
2) Valor monetário do serviço ambiental ‘recursos hídricos’ baseado nas estimativas das
reservas explotáveis associadas ás FFB. Foi calculado pela equação:

A=BxC

A = Valor estimado para o serviço ambiental ‘recursos hídricos’


B = *Reserva explotável associada às FFB = 4 x 109 m³ ou 4 x 1012 litros
C¹ = Valor pago pelo consumo residencial de 1 litro de água captada em mananciais
localizados no Quadrilátero Ferrífero = R$ 0,0024 (calculado em outubro de 2009).

23
C² = Valor pago no varejo por 1 litro de água mineral sem gás produzido no
Quadrilátero Ferrífero = R$ 0,90 (em outubro de 2009).
*As reservas explotáveis contidas no Quadrilátero foram estimadas em 5 x 109 m³, onde 80 %
deste montante (4 x 109 m³) estão associados as formações ferríferas (Silva et al., 1994 apud
IBRAM, 2003).

3.2 – Avaliação do estado de conservação dos ecossistemas de cangas no Quadrilátero


Ferrífero

Foram adaptados conceitos e métodos do trabalho de Dinerstein et al. (1995) nos quais
as entidades geográficas proveram dados quantitativos sobre o sistema ecológico e seu estado
de conservação a partir da análise da estrutura da paisagem, área de ocorrência, perda e
degradação de hábitats e a vulnerabilidade. Aquele estudo representou um dos primeiros que
utilizaram as categorias de ameaça baseadas nas Listas Vermelhas sensu IUCN para áreas
geográficas
O estado de conservação dos ecossistemas de cangas foi avaliado com o uso de três
métodos:

1. Análise espacial e elaboração de um índice de vulnerabilidade;


2. Elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental;
3. Diagnóstico ecorregional.

Os resultados obtidos a partir da aplicação desses métodos permitiram classificar os


afloramentos de cangas em categorias de ameaça baseadas nos critérios de elaboração das
Listas Vermelhas da União Internacional para Conservação da Natureza – UICN (1994;
2001). Mundialmente reconhecidas como uma ferramenta para a definição do estado de
ameaça de espécies e populações, as Listas Vermelhas podem, por exemplo, subsidiar
políticas públicas ambientais e tomadas de decisão que tratam da utilização e conservação dos
recursos naturais (Ginsburg, 2001; Callmander et al., 2005).

24
3.2.1 – Análise espacial e elaboração de um índice de vulnerabilidade

Áreas de Referência
No período compreendido entre 1946 – 1964 o Departamento Nacional da Produção
Mineral – DNPM – e o United States Geological Survey – USGS – firmaram um convênio
que resultou no mapeamento geológico do Supergrupo Minas (unidade litoestratigráfica
constituída pelas formações ferríferas bandadas e as cangas associadas), articulado em 47
quadrículas na escala 1:25.000 (Dorr, 1969). Este período coincide com o início da
exportação brasileira de minério de ferro em larga escala (Figura 3), fenômeno associado à
criação e desenvolvimento da Companhia Vale do Rio Doce – CVRD e a crescente demanda
mundial por este minério (Santos, 1973).
A geodiversidade, o número de cangas e as áreas (coberturas superficiais) foram
obtidos do Projeto Geologia do Quadrilátero Ferrífero – Integração e Correção Cartográfica
em SIG com Nota Explicativa (Lobato et al., 2005), que utilizou as quadrículas produzidas
entre 1946-1964 como base cartográfica. Portanto, os números e as áreas de ocorrências das
cangas obtidos nestes trabalhos geológicos foram considerados como números e áreas de
referência para as análises espaciais e para a avaliação das alterações no espaço e no tempo.
As denominações de localidades e as altitudes das cangas foram obtidas diretamente nas 47
quadrículas do projeto DNPM/USGS.

Áreas Atuais
A perda de hábitat, seus agentes causadores e as principais fontes de ameaça foram
determinados para todas as cangas do QF a partir de imagens geradas entre 2002 e 2009 e
disponibilizadas no programa Google Earth Pro, adaptando método desenvolvido por
Beaudette & O’Geen (2009). A perda de hábitat foi estimada utilizando a ferramenta ‘Régua’
no programa Google Earth Pro e calculando a área do polígono formado pelos contornos das
regiões destruídas na couraça ferruginosa. Concomitantemente foram identificados os agentes
causadores daquela perda. Foram consideradas como perdas de hábitat apenas intervenções
físicas no substrato ferruginoso, como remoção ou alteração da canga. Portanto a perda de
hábitat mensurada constitui um dano irreversível.
Os mapas das áreas de referência e das áreas atuais das cangas foram produzidos com

25
o programa ArcExplorer 2.0 (Lobato et al., 2005). Para o mapa das áreas atuais foram
representadas todas as cangas com perdas de até 95% de sua área original. Os afloramentos
com perdas de áreas maiores do que 96% foram considerados funcionalmente extintos.

Índice de Vulnerabilidade
A perda de hábitat e seu principal agente causador integraram um índice de
vulnerabilidade elaborado para as cangas no Quadrilátero Ferrífero. A vulnerabilidade foi
determinada a partir: 1) da perda de hábitat de um determinado afloramento e 2) da menor
distância linear entre a borda daquele afloramento até a principal fonte de ameaça.
Considerou-se como a principal fonte de ameaça o agente causador da maior perda de hábitat
nas cangas. Mensurou-se a distância através do programa Google Earth Pro, utilizando a
ferramenta ‘Régua’. As cangas foram classificadas em quatro categorias de ameaça, adaptadas
de IUCN (2001), de acordo com os seguintes critérios:
• Quase Ameaçada: perdas de hábitat menores que 4% e localizadas a distâncias
lineares ‘borda-a-borda’ maiores que 2 km da fonte de ameaça.
• Vulnerável: perdas de hábitat menores que 4% e localizadas a distâncias lineares
entre 1 e 2 km. Perdas de hábitat entre 5% e 30% e localizadas a distâncias lineares
maiores do que 1 km da fonte de ameaça.
• Em Perigo: perdas de hábitat menores do que 30% e localizadas a distâncias lineares
entre 0,5 e 1 km. Perdas de hábitat entre 31% e 60% e localizadas a distâncias lineares
maiores que 0,5 km da fonte de ameaça.
• Criticamente em Perigo: perdas de hábitat maiores que 61%, independente da
distância linear borda-a-borda. Cangas localizadas a distâncias lineares menores que
0,5 km da fonte de ameaça, independente da perda de hábitat.

A classificação em uma determinada categoria de ameaça que conteve pelo menos


60% da área total das cangas avaliadas foi extrapolada para todo o QF, ou seja, determinou a
classificação para o conjunto de todas as cangas encontradas nesta localidade.

3.2.2 - Elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental

A avaliação de estado de conservação das cangas foi realizada em duas etapas:

26
1. Aplicação, em campo, de um protocolo de avaliação ambiental;
2. Avaliação do grau de ameaça iminente.

A avaliação e a classificação individual de cangas foram realizadas a partir do método


de pontuação - scoring procedures - (Dinerstein et al., 1995; Durigan et al., 2009) ou notas, o
que basicamente representou um gradiente do estado atual de conservação mensurado a partir
de observações no campo e em sistemas de informação geográfica (SIG).
Para esta avaliação foi elaborado um protocolo composto por 13 indicadores. Os
indicadores foram agrupados em três itens: Grau de Ameaça, Grau de Proteção e Qualidade
Ambiental (Tabela 1).
A pontuação final máxima do protocolo foi de 45 pontos. O item Grau de Ameaça
pode atingir 31 pontos ou 69% da pontuação final do protocolo. O item Grau de proteção
pode representar até 11% da pontuação do protocolo, ou cinco pontos. Finalmente, o item
Qualidade Ambiental representa até 20% da pontuação final, ou nove pontos. A pontuação de
cada indicador, bem como a pontuação total do protocolo seguiu uma escala que pretendeu
refletir um gradiente de integridade ambiental das próprias cangas como também do seu
entorno.
A pontuação final de uma determinada canga foi obtida somando-se os valores de
todos os indicadores. Dessa forma, uma pontuação total igual à zero indica a melhor situação,
ou seja, um afloramento com ausência de ameaças, localizado em uma unidade de
conservação de proteção integral e com a melhor integridade ambiental. Por sua vez, uma
canga com pontuação igual a 45 reflete uma situação bastante crítica, apresentando um grau
máximo de ameaça, não localizada em unidade de conservação e com severas intervenções
antrópicas na paisagem.
A pontuação dos indicadores foi atribuída de acordo com os seguintes critérios:
1. Perda de hábitat: principal fator relacionado à erosão da biodiversidade (Wilcox &
Murphy, 1985; Novacek & Cleland, 2001). Nas cangas, a perda de hábitat foi
recentemente intensificada devido a abertura econômica da China, gerando uma
demanda mundial sem precedentes por minérios, fenômeno conhecido como “efeito
China” (DNPM, 2004). Assim, este indicador teve uma nota máxima de cinco pontos.
2. Distúrbios na canga: a degradação ambiental, juntamente com a perda de hábitat,
constituem as maiores ameaças a biodiversidade mundial (Wilcox & Murphy, 1985;

27
Novacek & Cleland, 2001). Foram observados os tipos de agentes causadores de
distúrbios nas cangas, a saber, gado, trilha, lixo, construções, coleta predatória de
espécies nativas. A pontuação máxima (três pontos) foi atingida quando três ou mais
agentes estavam presentes.
3. Fogo: o comportamento de incêndios, como velocidade de propagação, temperaturas
do solo e do ar, juntamente com a freqüência tem uma grande influência sobre a
composição atual da vegetação. O regime do fogo pode afetar processos demográficos
como mortalidade, reprodução, germinação e sobrevivência de populações de plantas
(Whelan, 1997). Incêndios de origem antrópica constituem uma das principais
ameaças a integridade ambiental do Quadrilátero Ferrífero (Drummond et al., 2005),
portanto o fogo foi avaliado separadamente. Nos afloramentos foram estimadas as
áreas queimadas a partir de indícios de incêndios em liquens, troncos e galhos
(Jayalaxshmi, 1998; Safford, 2001). Nota máxima de três pontos.
4. Plantas exóticas invasoras: espécies exóticas invasoras são consideradas uma das
maiores ameaças a biodiversidade (Wilcox & Murphy, 1985). No Quadrilátero as
plantas exóticas invasoras são historicamente utilizadas na recuperação ambiental,
principalmente de áreas degradadas pela mineração (Griffith & Toy, 2001). Nota
máxima de três pontos.
5. Distúrbios no entorno: consideraram-se como agentes de distúrbios ambientais o
fogo, o gado, plantas exóticas invasoras, trilha, lixo, coleta predatória de espécies
nativas. Atribuiu-se a maior nota ao maior número de tipos desses agentes. O agente
‘gado’ foi definido como sendo uma criação extensiva em pequena escala (poucos
indivíduos). Nota máxima de três pontos.
6. Estradas: uma característica da região é a grande densidade da malha rodoviária
(Drummond et al., 2005), podendo causar impactos negativos como atropelamento de
fauna, contaminação biológica e fragmentação (Hels & Buchwald, 2001). Foram
consideradas estradas não pavimentadas, rodovias e ferrovias. Nota máxima de três
pontos.
7. Agropecuária: este indicador foi considerado por causar impactos ambientais
negativos como a intervenção mecânica na paisagem para plantio de forrageiras e o
uso de fertilizantes e defensivos químicos, por exemplo. Nota máxima de três pontos.

28
8. Núcleos urbanos: foram considerados como agentes causadores de impactos
ambientais negativos as cidades, condomínios e indústrias, exceto mineração. Nota
máxima de três pontos.
9. Mineração: o contexto geoeconômico do Quadrilátero Ferrífero definiu a maior
pontuação (cinco pontos) para este indicador. Foi considerada a presença de pelo
menos um dos componentes: cavas, planta industrial, barragens de contenção de
rejeitos e pilha de material estéril.
10. Localização em unidade de conservação de proteção integral: a este indicador
atribuiu-se nota zero quando uma canga localizava-se em unidade de conservação de
proteção integral e uma nota cinco quando não estava localizada. Foram consideradas
apenas as unidades de proteção integral por representarem uma das estratégias mais
eficientes para a conservação da biodiversidade em longo prazo (Rodrigues et al.,
2004; Drummond et al. 2005). Além disso, como o próprio termo informa, as
categorias de unidades de conservação de uso sustentável têm como objetivo básico a
compatibilização da conservação da natureza com a exploração de seus recursos
naturais (Lei n° 9985, de 18 de julho de 2000).
11. Área da canga: considerando a canga como uma unidade discreta indicadora de
diversidade biológica e de processos ecológicos, as maiores notas foram atribuídas aos
afloramentos maiores, seguindo os princípios de planejamento de áreas protegidas
discutidos em Schwartz (1999). Nota máxima de três pontos.
12. Heterogeneidade ambiental da canga: afloramentos rochosos geralmente abrigam
comunidades naturais que são controladas edaficamente, sendo a topografia de
extrema relevância por determinar o acúmulo de matéria orgânica e umidade,
favorecendo a diversidade local de espécies (Meirelles et al., 1999; Porembski et al.,
2000). A maior pontuação (três pontos) foi atingida quando se observou menos de
quatro ambientes. A descrição dos ambientes seguiu Jacobi et al. (2007).
13. Fitofisionomias no entorno: as cangas estão localizadas na zona de transição Mata
Atlântica-Cerrado, favorecendo o intercâmbio de espécies campestres e florestais entre
os afloramentos ferruginosos e a matriz. Os tipos fisionômicos foram adaptados do
sistema proposto por Veloso et al. (1991). Nota máxima de três pontos.

29
Tabela 1 - Indicadores utilizados no protocolo de avaliação do estado de conservação das
cangas do Quadrilátero Ferrífero, MG.
Grau de Ameaça / Indicador Classe Pontuação
Perda de hábitat 0 0
Porcentagem da perda de área original da canga < 10 2
10 – 30 3
> 30 5
Distúrbios na canga 0 0
Número de agentes observados: gado, trilha, lixo, 1 1
construções, coleta predatória de espécies nativas, 2 2
outros ≥3 3
Fogo 0 0
Porcentagem da área da canga < 10 1
10 – 20 2
> 20 3
Plantas exóticas invasoras 0 0
Porcentagem da área da canga <5 1
5 – 15 2
> 15 3
Distúrbios no entorno 0 0
Número de agentes encontrados na faixa perimetral de 1 1
1 km adjacente à canga. Agentes: fogo, gado, plantas 2 2
exóticas invasoras, trilha, lixo, coleta de plantas nativas ≥3 3
Estradas >1 0
Distância em km da borda da canga 1 – 0,7 1
0,7 – 0,2 2
< 0,2 3

30
continuação
Grau de Ameaça / Indicador Classe Pontuação
Agropecuária > 1,5 0
Distância em km da borda da canga 1,5 – 1 1
1 – 0,5 2
< 0,5 3
Núcleos urbanos > 1,5 0
Distância em km da borda da canga até cidades, 1,5 – 1 1
condomínios ou indústrias, exceto mineração 1 – 0,5 2
< 0,5 3
Mineração >2 0
Distância em km da borda da canga de pelo menos um 2 – 1,5 2
dos componentes: cava, barragem de contenção de 1,5 – 1 3
rejeitos, planta industrial e pilha de material estéril <1 5
Grau de Proteção/Indicador Classe Pontuação
Presença em unidade de conservação de proteção sim 0
integral não 5
Qualidade Ambiental/Indicador Classe Pontuação
Área da canga > 50 0
Em hectares 50 – 30 1
30 – 20 2
< 20 3
Heterogeneidade ambiental da canga ≥6 0
Número de ambientes observados na canga: capão, 5 1
poça, lagoa, brejo, canal de drenagem, caverna, escarpa 4 2
≤3 3
Fitofisionomias no entorno da canga ≥5 0
Tipos fisionômicos encontrados na faixa perimetral de 4 1
1 km adjacente à canga: floresta estacional semidecidual, 3 2
cerrado, mata de galeria, campos sujos, limpos e rupestres ≤2 3

31
Cada canga foi classificada a partir da pontuação final obtida através do protocolo nas
seguintes categorias de ameaça adaptadas de Dinerstein et al. (1995):

• Relativamente Intacto (RI): comunidades naturais, populações e processos


ecológicos aparentemente intactos, sem alterações ou ameaças de origem antrópica.
Pontuação: ≤ 3 pontos.
• Relativamente Estável (RE): alterações de origem antrópica perceptíveis podendo
causar declínios locais nas populações naturais. Manutenção da integridade da
paisagem relacionada principalmente a extensas áreas com comunidades naturais,
processos ecológicos aparentemente intactos. Ausência de espécies exóticas invasoras.
Pontuação: 4 até 16 pontos.
• Vulnerável (VU): afloramento que corre um risco de extinção se não forem adotadas
medidas adequadas de manejo e proteção. Presença de espécies exóticas invasoras,
perda e degradação de hábitat. Pontuação: 17 até 29 pontos.
• Em Perigo (EN): afloramento que corre um risco alto de extinção. Alterações na
paisagem do entorno, ou matriz, e espécies exóticas invasoras comprometendo a
manutenção de espécies nativas. Perda de hábitat causando alterações nos ambientes e
processos ecológicos. Pontuação: 30 até 39 pontos.
• Criticamente em Perigo (CR): afloramento que corre um risco extremamente alto de
extinção. Erosão biológica causada pela perda e degradação de hábitat e pela presença
de espécies exóticas invasoras. Grandes alterações na paisagem do entorno, ou matriz,
comprometendo a manutenção de espécies nativas e processos ecológicos.
Pontuação: ≥ 40.

O protocolo foi aplicado em 34 cangas distribuídas entre as principais estruturas


geológicas do Quadrilátero Ferrífero (Anexo 1).
A classificação em uma determinada categoria de ameaça que abarcou pelo menos
60% da área total avaliada foi extrapolada para todo o QF, determinando a classificação geral
para o conjunto de todas as cangas encontradas na região.

32
Grau de Ameaça Iminente
A avaliação final do estado de conservação das cangas foi determinada após a análise
do grau de ameaça iminente, adaptando o método proposto por Dinerstein et al. (1995). Estes
autores argumentaram que o estado de conservação de uma determinada localidade pode ser
melhor avaliado integrando as avaliações atuais estimativas para os próximos 20 anos das
ameaças oriundas dos principais agentes causadores de distúrbios ambientais.
O grau de ameaça foi composto por três categorias de ameaça iminente (cujo
somatório pode atingir até 100 pontos), descritas a seguir (Tabela 2):

• Ameaças de Conversão de Hábitat: foram analisados o histórico de crescimento da


produção brasileira de minério de ferro, o número de títulos minerários e as áreas de
sobreposição em regiões de cangas e a expectativa de crescimento da indústria mineral
de ferro em Minas Gerais a partir dos investimentos previstos para o setor.
• Ameaças de Degradação de Hábitat: foram considerados os agentes atrelados à
atividade de mineração como principais fontes de distúrbio ambiental, e ainda, a
expansão urbana, estradas, fogo, gado e plantas exótica invasoras.
• Exploração da Vida Silvestre: foi considerada a coleta ilegal de plantas.

O alto grau de ameaça iminente foi atribuído quando a nota total superou os 70
pontos. O grau médio de ameaça foi atribuído quando a nota total alcançou entre 20 e 69
pontos. O grau baixo de ameaça iminente foi atribuído quando a nota total foi inferior a 19
pontos. Desta forma, uma determinada localidade que apresentou grau alto de ameaça
iminente avançará uma categoria de ameaça, por exemplo, de ‘Vulnerável’ para ‘Em Perigo’

33
Tabela 2 - Categorias de ameaça iminente e os principais agentes causadores de
degradação ambiental em áreas de cangas no Quadrilátero Ferrífero.
Adaptado de Dinerstein et al. (1995).

Categorias de Ameaça Iminente Pontos Agentes


Ameaças de Conversão de Hábitat
Nenhuma ameaça reconhecida 0 Mineração
Conversão de 5 % a 9 % das áreas 10
remanescentes nos próximos 20 anos
Conversão de 10 % a 24 % das áreas 20
remanescentes nos próximos 20 anos
Conversão acima de 25 % das áreas 50
remanescentes nos próximos 20 anos
Ameaças de Degradação
Nenhuma degradação reconhecida 0 Mineração
Degradação altera taxas de mortalidade e 15 Fogo
recrutamento em populações de espécies Gado
nativas. Modificação de processos Plantas exóticas
ecológicos invasoras
Degradação eleva drasticamente as taxas 30 Estradas
de mortalidade e reduz as taxas de
recrutamento de populações de espécies
nativas. Redução da qualidade ambiental
devido aos aumentos dos distúrbios e da
poluição
Exploração da Vida Silvestre
Nenhuma exploração reconhecida 0
Níveis moderados de exploração com 10 Coleta de plantas
reduções das populações nativas
Níveis altos de exploração com a eliminação 20
local de populações

3.2.3 – Diagnóstico Ecorregional e Priorização para a Conservação

Com o objetivo de contextualizar o valor de conservação e a vulnerabilidade das


cangas do QF com áreas consideradas relevantes para a conservação da biodiversidade no
território nacional foram adaptados os métodos aplicados em um estudo sobre o estado de
conservação de ecorregiões terrestres da América Latina e Caribe (Dinerstein et al., 1995).
Uma ecorregião pode ser definida, segundo Dinerstein et al. (2005), como um
conjunto de áreas naturais geograficamente delimitadas que compartilham a maior parcela de

34
espécies, hábitats, processos e funções ecossistêmicas fundamentais para a manutenção das
comunidades naturais em longo prazo. No Brasil, o reconhecimento de ecorregiões está
subsidiando a localização de novas unidades de conservação (Rylands & Brandon, 2005).
A avaliação do estado de conservação das cangas foi realizada em duas etapas:

1. Aplicação de um índice de ameaça ambiental;


2. Avaliação do grau de ameaça iminente;

Índice de Ameaça Ambiental


Baseado nos princípios da Ecologia da Paisagem e da Biologia da Conservação
Dinerstein et al. (1995) utilizaram algumas variáveis correlacionadas com alterações na
integridade ambiental que poderiam predizer alterações nos processos ecossistêmicos, nas
dinâmicas populacionais e dinâmicas de sucessão. Estas variáveis foram integradas em um
índice de ameaça ambiental (Tabela 3) constituído por seis parâmetros:
1. Perda do Hábitat: abarcando 40 % da pontuação total do índice.
2. Blocos Remanescentes: avaliou-se a área total formada por blocos grandes e intactos
ou relativamente inalterados. Representou 20% da pontuação total. No presente
trabalho foram consideradas as cangas com áreas maiores do que 50 ha – blocos
grandes – e com perdas menores do que 4% da área original – cangas consideradas
relativamente inalteradas.
3. Fragmentação Ambiental: representou 10% da pontuação total.
4. Degradação Ambiental: avaliado a partir do montante das áreas remanescentes de
cangas que sofreram perdas individuais maiores do que 5% da área original.
Representou 10% da pontuação total.
5. Conversão do Hábitat: representando 10% da pontuação total, este parâmetro
considerou as previsões de perda ou degradação ambiental estimadas para os próximos
10 anos. As estimativas foram baseadas apenas em documentos relacionados aos
processos de licenciamento ambiental de atividades de mineração de ferro emitidos no
período de 2007 e 2009.
6. Grau de Proteção: avaliado o total das áreas consideradas intactas ou relativamente

35
inalteradas incorporadas em um sistema de áreas protegidas. Representou 10% da
pontuação total. Foram consideradas “intactas” as cangas com perdas menores do que
4% da área original e incorporadas em unidades de proteção integral.

O índice de ameaça, com notas de zero até 100 pontos, representa um gradiente de
degradação ou ameaça atual, com valores maiores indicando os piores estados de
conservação. As categorias de ameaça e as respectivas pontuações utilizadas foram:
• Relativamente Intacto: até seis pontos;
• Relativamente Estável: sete até 36 pontos;
• Vulnerável: 37 até 64 pontos;
• Em Perigo: 65 até 88 pontos;
• Criticamente em Perigo: acima de 89 pontos.

A avaliação final do estado de conservação das cangas também foi determinada após a
análise do grau de ameaça iminente proposta por Dinerstein et al. (1995) e descrita
anteriormente (item 3.2.2; Tabela 2). Portanto, uma determinada localidade que apresentar um
grau alto de ameaça iminente avançará uma categoria de ameaça.

Avaliação da prioridade para a conservação das cangas no Quadrilátero Ferrífero


De acordo com Dinerstein et al. (1995) uma estratégia de priorização de áreas para
conservação surge da integração do conhecimento do estado de conservação de uma
determinada localidade, do valor de conservação desta área e, posteriormente, de uma
hierarquização baseada em tipos de hábitats e em escalas espaciais. Essa hierarquização foi
composta por três níveis: Tipos Principais de Ecossistemas, Tipos Principais de Hábitats e
Biorregiões² (Anexo 2).
ii

² Biorregião: uma das nove divisões biogeográficas da América Latina e Caribe formada por
ecorregiões contíguas (Dinerstein et al., 1995).

36
Tabela 3 – Índice de ameaça ambiental (Dinerstein et al., 1995).
Parâmetro Classes Pontuação
Perda do Hábitat < 10 0
Porcentagem da área 10 até 24 10
original 25 até 49 20
50 até 89 32
> 90 40
Blocos Remanescentes > 80 2
Porcentagem da área total 40 até 80 5
formada por blocos grandes 10 até 40 10
e intactos 1 até 10 15
<1 20
Fragmentação do Hábitat
Relativamente continuo Sem alterações perceptíveis 0
Baixa Mais da metade dos blocos sem alterações 3
perceptíveis
Média Intervenções na paisagem alterando 6
processos ecológicos
Avançada Intervenções na paisagem alterando 8
processos ecológicos na maioria dos
blocos remanescentes
Alta Maioria dos blocos estão isolados. Grandes 10
blocos fragmentados devido aos efeitos
de borda. Grandes intervenções na
paisagem modificam a permeabilidade da
matriz.
Degradação do Hábitat
Porcentagem das áreas
remanescentes
Baixa < 10 0
Média 10 até 40 5
Alta > 40 10
Conversão do Hábitat < 0,5 0
Estimativa em porcentagem 0,6 até 2 6
de áreas convertidas ao ano 2,1 até 3 8
3,1 até 4 9
>4 10
Grau de Proteção > 50 1
Porcentagem da área 40 até 49 4
remanescente e intacta 20 até 39 6
incorporada em sistema de 1 até19 8
proteção ambiental Nenhuma área protegida 10

37
O valor de conservação foi mensurado a partir da determinação do “destaque
biológico” (biological distinctiveness) daquelas áreas em diferentes escalas biogeográficas
(Dinerstein et al., 1995).
Os critérios adotados para definir as categorias de “destaque biológico” foram:
diversidades alfa, beta e gama, raridade de espécies ou fenômenos e processos ecológicos e
endemismos. Além destes, foram considerados os números e os tamanhos de localidades que
compartilham uma mesma macrorregião identificada por Tipos Principais de Hábitat.
O destaque biológico de uma localidade pode ser classificado em diferentes escalas
biogeográficas a partir de quatro categorias:
• Globalmente Notável: se no mundo menos de sete ecorregiões existirem em uma
mesma macrorregião (Tipos Principais de Hábitat) ou se a localidade for a maior
dentre as que ocorrem na mesma macrorregião.
• Regionalmente Notável: se menos de três ecorregiões ocorrerem na escala regional
(América Latina e Caribe) ou se a localidade for a maior dentre as que ocorrem na
mesma macrorregião (Tipos Principais de Hábitat).
• Biorregionalmente Notável: se dentro de uma biorregião, uma localidade for a única
ocorrência representativa de uma macrorregião (Tipos Principais de Hábitat) .
• Localmente Importante: localidade mantenedora de biodiversidade peculiar, porém
sem se enquadrar nas categorias anteriores. Tais localidades são estratégicas para a
manutenção da biodiversidade nacional ou subrregional.

Uma matriz de integração foi utilizada por Dinerstein et al. (1995) como ferramenta de
hierarquização de áreas prioritárias para a conservação (Tabela 4). No eixo horizontal estão às
categorias do estado de ameaça e no eixo vertical as categorias de destaque biológico. Deve-
se utilizar uma matriz para cada Tipo Principal de Hábitat de forma a assegurar comparações
apropriadas entre as ecorregiões. Com isso evita-se a comparação inadequada entre uma
ecorregião localizada na Caatinga com outra localizada no Cerrado, por exemplo.

38
Tabela 4 – Matriz de integração para hierarquização de áreas prioritárias para a
conservação da biodiversidade (Dinerstein et al.,1995). CR: Criticamente
em perigo; EN: Em perigo; VU: Vulnerável; RE: Relativamente estável;
RI: Relativamente intacto. I : localidades com extrema prioridade para a
conservação.
Estado de Conservação
Destaque Biológico CR EN VU RE RI
Globalmente Notável I I I I II
Regionalmente Notável I I I II III
Biorregionalmente Notável II II III III IV
Localmente Importante III III IV IV IV

A matriz de integração permite classificar uma ecorregião em quatro categorias de


prioridade de conservação:
• Categoria I: Extrema prioridade na escala regional;
• Categoria II: Alta prioridade na escala regional;
• Categoria III: Moderada prioridade na escala regional;
• Categoria IV: Importante na escala nacional.

Ainda de acordo com Dinerstein et al. (1995) algumas considerações devem ser feitas
quanto à hierarquização da matriz: 1° - inserir funções ou serviços ecológicos na análise,
como seqüestro de carbono ou áreas de aqüífero ou de recarga hídrica; 2° - assegurar a
representatividade biorregional classificando ao menos uma localidade de cada biorregião
como uma área de extrema prioridade para a conservação na escala regional. Esta
recomendação fundamenta-se na dissimilaridade de espécies e comunidades naturais
encontradas em um determinado tipo principal de hábitat, podendo englobar grandes áreas
geográficas e, por conseguinte, gradientes ambientais bastante distintos. Para isso a localidade
deve apresentar, além de atributos de destaque biológico e/ou serviços ecológicos, também
um grau alto de ameaça iminente para os próximos 20 anos.

39
3.3 – Proposta de áreas-alvo para a investigação da diversidade biológica e identificação
de áreas-prioritárias para a conservação das cangas em Minas Gerais

Seguindo a lógica adotada no presente trabalho, onde as cangas constituem o objeto de


conservação, foram identificadas localidades-alvo para a investigação científica e conservação
das cangas a partir de registros geológicos das formações ferríferas bandadas. Inicialmente,
produziu-se um mapa com as ocorrências das formações ferríferas bandadas associadas aos
principais depósitos de minérios de ferro de Minas Gerais, seguindo Alecrim (1982),
Schobbenhaus & Coelho (1986) e Lobato & Pedro-Soares (1993).
A priori, estas localidades foram consideradas como áreas-alvo para a investigação da
diversidade biológica por representarem regiões com uma potencialidade muito alta, acima de
90%, de ocorrer cavernas (CECAV, 2008) e por constituírem áreas metalíferas com relevante
potencial de abrigar plantas metalófitas, sensu Whiting et al. (2004).
As áreas de cangas foram estimadas para algumas localidades a partir de mapas
geológicos (Vilela et al., 1986) e de documentos relacionados ao processo de licenciamento
ambiental de empreendimentos de mineração de ferro (SISEMA/Parecer Único, 2008).
Para a identificação das áreas prioritárias para a conservação foi adotada a análise de
lacunas (Jennings, 2000), um método que integra atributos como vulnerabilidade,
representatividade no sistema de unidades de conservação e insubstituibilidade (Rodrigues et
al., 2004; Drummond et al., 2005). Foram consideradas para a análise apenas as localidades
ferríferas contendo registros confirmados de cangas, que estejam vulneráveis e que
contenham um alto valor para a conservação.
A mineração constitui o principal agente de alteração ambiental nas áreas metalíferas
(WWF & IUCN, 1999; Ginocchio & Baker, 2004). Desta maneira, estimou-se a
vulnerabilidade das localidades que contêm cangas sobrepondo a distribuição dos títulos
minerários de ferro de acordo com as fases do processo de definição e outorga da jazida, ou
seja, fases de pesquisa até a concessão da lavra (Decreto n° 62934, de 2 de julho de 1968).
Uma determinada localidade apresentou vulnerabilidade baixa quando as áreas de
sobreposição de títulos referentes às fases de disponibilidade, requerimento de lavra e
concessão de lavra somarem até 30% da área total das formações ferríferas. Quando as áreas
de sobreposição somarem entre 31% e 60% da área total das formações ferríferas de uma

40
localidade, esta foi considerada com vulnerabilidade média. Uma determinada localidade
apresentou vulnerabilidade alta quando as áreas de sobreposição de títulos referentes às fases
de disponibilidade, requerimento de lavra e concessão de lavra somarem mais do que 61% das
áreas totais das formações ferríferas. As fases iniciais do processo de definição e outorga da
jazida, a saber, requerimento e autorização de pesquisa mineral não foram consideradas para
efeito de vulnerabilidade.
As áreas com alto valor para a conservação foram avaliadas a partir das Áreas-Chave
para a Biodiversidade – ACBs – definidas para o grupo das plantas (Giulietti et al., 2009).
Apenas as ACBs que continham pelo menos um dos componentes: títulos minerários de ferro,
formações ferríferas bandadas e/ou cangas foram consideradas. Portanto as áreas prioritárias
representaram localidades que necessitam de ações urgentes para a conservação com o
objetivo de reduzir ou evitar a perda da diversidade biológica.
Um segundo mapa foi produzido, sobrepondo quatro camadas de informação: 1) as
localidades de formações ferríferas bandadas; 2) os títulos minerários nas fases de
disponibilidade, requerimento de lavra e concessão de lavra; 3) as Áreas-Chave para a
Conservação da Biodiversidade (Giulietti et al., 2009) associadas a esses títulos minerários; e
4) as unidades de conservação de proteção integral existentes em Minas Gerais.
Os mapas foram produzidos utilizando o programa ESRI ArcGIS 9.3 e bancos de
dados digitais disponibilizados por SIGMINE: Informações Geográficas da Mineração
(DNPM, 2009); Sistema Integrado de Informação Ambiental (SIAM/SEMAD, 2009); Serviço
Geológico do Brasil (CPRM/GEOBANK, 2009) e Plantas Raras do Brasil (www.plantas
rarasdobrasil.org.br. Consulta: 10/11/2009).

4 –RESULTADOS

4.1 – As cangas constituem áreas com alto valor para a conservação?


Raridade e Endemismo
O QF abriga pelo menos 77 espécies de plantas vasculares endêmicas ou
provavelmente endêmicas (Tabela 5). Destas espécies, 51 foram citadas no livro Plantas Raras
do Brasil (Giulietti et al., 2009). Neste mesmo trabalho foram citadas outras 12 espécies de

41
plantas raras que ocorrem no QF e em áreas disjuntas como a Serra do Cipó, Serra do
Caparaó e Serra do Itambé. Portanto, pelo menos 89 espécies de plantas vasculares de grande
importância para a conservação ocorrem no QF.
Estas 89 espécies estão distribuídas entre 37 famílias botânicas. As pteridófitas estão
representadas por cinco famílias, cinco gêneros e cinco espécies. As angiospermas estão
representadas por 32 famílias, 54 gêneros e 84 espécies. Na Lista Oficial das Espécies da
Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção, apenas 11 destas espécies (12%) foram citadas como
ameaçadas de extinção e 18 (16%) foram citadas como espécies com deficiência de dados
(DD) adequados para enquadrá-las na condição de ameaçadas (Instrução Normativa n° 6, de
23 de setembro de 2008). Na Lista das Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora do Estado
de Minas Gerais, 40 espécies (44%) foram citadas como ameaçadas de extinção e 24 (27%)
apresentaram deficiência de dados (COPAM, 2008). Algumas discrepâncias foram
encontradas ao comparar as listas, onde 30 espécies ameaçadas citadas na lista estadual não
foram citadas na lista federal ou foram citadas como DD. Uma espécie citada como ameaçada
na lista federal foi citada na lista estadual como DD.
O Quadrilátero contém e está contido em 12 Áreas-Chave para a Conservação da
Biodiversidade - ACBs (Giulietti et al., 2009), representando 11% do total de ACBs em
Minas Gerais. As 63 espécies de plantas raras (Giulietti et al., 2009) que ocorrem no QF
qualificam-no como uma das áreas mais importantes do Brasil para a conservação de plantas,
sendo superado em número de espécies raras apenas pelos estados do Pará (68 espécies raras),
São Paulo (123), Espírito Santo (135), Amazonas (164), Goiás e Distrito Federal (202), Rio
de Janeiro (250), Bahia (484) e Minas Gerais (550, incluindo o QF).
As cangas do Quadrilátero abrigam cerca de 13 espécies que, no estado de Minas
Gerais, ocorrem provavelmente apenas nestes afloramentos. De acordo com a Lista Oficial
das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção, nenhuma destas espécies foi
considerada ameaçadas de extinção e seis espécies (46%) apresentaram deficiência de dados.
Na Lista das Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora do Estado de Minas Gerais, 10
espécies (77%) foram citadas como ameaçadas de extinção e duas (15%) apresentaram
deficiência de dados.
Pelo menos 12 espécies merecem uma investigação acerca do tipo de ambiente em que
ocorrem, pois as localidades de coleta (Rapini, 2000; Giulietti et al., 2009) constituem regiões
onde as formações ferríferas e as cangas associadas são bastante freqüentes:

42
• Staurogyne warmingiana (Acanthaceae). Coletada na Serra da Piedade.

• Ditassa myrtilloides (Apocynaceae). Coletada na Serra da Moeda. Coleta não

confirmada para a Serra do Caraça.

• Ditassa pedunculata (Apocynaceae). Coletada na Serra da Moeda, Pico do Itabirito e

Ouro Preto.

• Schefflera lucumoides (Araliaceae). Coletada na Serra do Itabirito e em Rio Acima.

• Stevia resinosa (Asteraceae). Coletada na Serra da Piedade.

• Paronychia fasciculata (Caryophyllaceae). Coletada em Belo Horizonte.

• Chamaecrista itabiritoana (Fabaceae). Coletada na Serra do Itabirito.

• Microlicia cuspidifolia (Melastomataceae). Coletada na Serra do Rola Moça e em

Ouro Preto.

• Microlicia microphylla (Melastomataceae). Coletada no Pico do Itabirito e em Ouro

Preto.

• Barbacenia williamsii (Velloziaceae). Coletada na Serra do Curral.

• Vellozia sellowii (Velloziaceae). Coletada na Serra da Piedade e no Pico do Itabirito.

• Xyris villosicarinata (Xyridaceae). Coletada na Serra do Itabirito.

43
Tabela 5 – Espécies de plantas vasculares com alto valor para a conservação que ocorrem no
Quadrilátero Ferrífero, MG. DG: distribuição geográfica; CG: endêmica ou
presumivelmente endêmica de cangas do Quadrilátero Ferrífero; QF:
Quadrilátero Ferrífero; PLR: planta rara (sensu Giulietti et al., 2009); BR: Lista
Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção; MG: Lista das
Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora do Estado de Minas Gerais; AE:
ameaçada de extinção; EX: extinta; CR: criticamente em perigo; EN: em perigo;
VU: vulnerável; NA: não ameaçada; DD: deficiência de dados.
Família Gênero Espécie DG PLR BR MG
Pteridófitas¹
Aspleniaceae Asplenium schwackei Christ QF AE CR
Grammitidaceae Ceradenia warmingii (C. Chr.) Labiak QF AE CR
Hymenophyllaceae Hymenophyllum silveirae Christ QF DD CR
Lomariopsidaceae Elaphoglossum badinii Novelino QF
Lycopodiaceae Huperzia rubra (Cham. & Schltdl.) QF AE CR
Trevis
Angiospermas
Acanthaceae Staurogyne minarum (Nees) Kuntze QF •
Staurogyne vauthieriana (Nees) Kuntze QF • DD EN
Staurogyne warmingiana (Hiern) Leonard QF • AE CR
Annonaceae Annona saffordiana R.E. Fries QF •
Apocynaceae Ditassa longisepala (Hua) Fontella & QF • VU
E.A.Schwarz
Ditassa² monocoronata (Rapini) T.U.P. CG • DD EN
Konno & Rapini
Ditassa6 myrtilloides Fenzl ex E. Fourn. QF
Ditassa6 pedunculata Malme QF EN
Araliaceae Schefflera lucumoides (Decne. & Planch. QF • VU
ex Marchal) Frodin & Fiaschi
Asteraceae Chionolaena lychnophorioides Sch.Bip. • DD VU
Dasyphyllum trychophyllum • DD
Stevia resinosa Gardner QF • DD
Bignoniaceae Lundia damazii DC. QF •
Bromeliaceae Billbergia³ amoena var. minor QF
(Antoine & Beer) L.B. Sm.
Billbergia³ elegans Mart. ex Schult. QF
& Schult. f.
Cryptanthus³ caracensis Leme & E. Gross QF DD VU
Cryptanthus³ glaziovii Mez QF DD VU
Cryptanthus³ schwackeanus Mez QF VU
Dyckia bracteata (Wittm.) Mez QF • NA
Dyckia3,4 consimilis Mez CG DD

44
continuação...
Família Gênero Espécie DG PLR BR MG
Angiospermas
Bromeliaceae Dyckia3,4 densiflora Schult. & Schult. f. CG • DD
Dyckia³ elata Mez QF
Dyckia3,4 schwackeana Mez CG CR
Dyckia³ simulans L.B. Sm. QF DD
Dyckia³ trichostachya Baker QF DD
Nidularium³ linehamii Leme QF
Vriesea³ clausseniana (Baker) Mez QF EN
Vriesea3,7 longistaminea C.C.Paula CG DD CR
& Leme
Vriesea3,4 minarum L.B. Sm. CG DD VU
Cactaceae Arthrocereus4 glaziovii (K.Schum.) CG • DD CR
N.P.Taylor & Zappi
Cipocereus laniflorus N.P.Taylor & Zappi QF • AE CR
Caryophyllaceae Paronychia fasciculata Chaudhri QF • DD
Celastraceae Maytenus radlkoferiana Loes QF • DD
Eriocaulaceae Actinocephalus falcifolius (Koern.) Sano QF • CR
Leiothrix gomesii Silveira QF • EX
Paepalanthus conduplicatus Koern. •
Paepalanthus flaviceps Koern. QF • CR
Paepalanthus garimpensis Silveira QF • CR
Paepalanthus langsdorffii (Bong.) Koern. QF •
Paepalanthus xiphophyllus Ruhland QF • DD
Fabaceae Chamaecrista caracencis QF •
(H.S.Irwin & Barneby)
H.S.Irwin & Barneby
Chamaecrista itabiritoana QF •
(H.S.Irwin & Barneby)
H.S.Irwin & Barneby
Chamaecrista pilicarpa (Harms) H.S.Irwin QF •
& Barneby
Mimosa4 calodendron Mart. ex Benth. CG
Gentianaceae Deianira damazioi E.F.Guim. QF •
Gesneriaceae Sinningia4 rupicola (Mart.) Wiehler CG VU
Lamiaceae Hyptidendron claussenii (Benth.) Harley QF • AE VU
Hyptis rhypidiophylla Briq. QF • AE VU
Hyptis tricephala A.St.-Hil. ex Benth. QF • DD VU
Lauraceae Cryptocarya sellowiana P.L.R. de Moraes QF •
Persea pedunculosa Meisn. QF • DD NA
Malpighiaceae Banisteriopsis salicifolia (DC.) B. Gates QF • DD
Melastomataceae Cambessedesia pityrophylla (Mart. ex DC.) QF • DD
A.B.Martins
Eriocnema acaulis Triana QF • AE DD
Eriocnema fulva Naudin QF • AE CR

45
continuação...
Família Gênero Espécie DG PLR BR MG
Angiospermas
Melastomataceae Lavoisiera punctata Mart. & Schrank. • DD
ex DC
Microlicia cuspidifolia Mart. QF • DD DD
Microlicia glazioviana Cogn. QF • DD DD
Microlicia microphylla (Naudin) Cogn. QF • DD DD
Microlicia suborbicularifolia Hoehne QF •
Trembleya calycina Cham. QF • DD
Trembleya rosmarinoides DC. QF • DD
Monimiaceae Macropeplus schwackeanus (Perkins) I. • DD
Santos & Peixoto
Myrtaceae Accara elegans (DC.) Landrum • DD VU
Campomanesia prosthecepala Kiaersk. QF • DD
Ochnaceae Luxemburgia corymbosa A.St.-Hil QF • DD CR
Oleaceae Chionanthus greenii Lombardi QF •
Orchidaceae Habenaria itacolumia Garay QF • AE CR
Oncidium4 gracile Lindl. CG DD CR
Sophronitis4 milleri (Blumensh. ex Pabst) CG DD CR
Van den Berg & M.W. Chase
Orobanchaceae Agalinis schwackeana (Diels) V.C. • DD
Souza & Giul.
Passifloraceae Passiflora hypoglauca Harms. • DD
Plantaginaceae Stemodia lobata J.A.Schmidt • DD
Poaceae Colanthelia distans (Trin.) McClure QF • CR
Paspalum4 brachytrichum Hack. CG • CR
Polygalaceae Securidaca acuminata A.St.-Hil. & Moq. •
Symplocaceae Symplocos angulata Brand QF • DD
Symplocos microstyla Aranha, P.W. QF • VU
Fritsch et Almeda
Velloziaceae Barbacenia williamsii L.B.Sm. QF •
Vellozia sellowii Seub. QF •
Verbenaceae Stachytarpheta ajugifolia Schauer • CR
Stachytarpheta5 confertifolia Moldenke *CG CR
Xyridaceae Xyris nigricans L.A.Nilsson • AE EN
Xyris villosicarinata Kral & Wand. QF •
1
Salino & Almeida, 2008
2
Rapini et al., 2002
3
Versieux et al., 2008
4
Viana, 2008
5
Atkins, 2005; * S. confertifolia possui distribuição disjunta no estado de Goiás.
6
Rapini, 2000
7
Leme & Paula, 2004

46
Serviços do Ecossistema: Recursos Hídricos
1) O valor monetário anual do serviço ambiental ‘recursos hídricos’ baseado na estimativa da
vazão específica das formações ferríferas bandadas foi calculado a partir de dois fatores:
E¹ = R$ 0,0024 (Valor pago pelo consumo residencial de 1 litro de água captada em
mananciais localizados no Quadrilátero Ferrífero).
E² = R$ 0,90 (Valor pago no varejo por um litro de água mineral sem gás produzido
no Quadrilátero Ferrífero). Assim, substituindo e resolvendo a equação:

A=BxCxDxE
A¹ = 17,5 x 908 x 31.536.000 x 0,0024 = R$ 1.202.656.896,00 a.a.
A² = 17,5 x 908 x 31.536.000 x 0,90 = R$ 450.996.336.000,00 a.a.
2) O valor monetário do serviço ambiental ‘recursos hídricos’ baseado na estimativa das
reservas explotáveis associadas ás formações ferríferas foi calculado a partir de dois fatores:
C¹ = R$ 0,0024 (Valor pago pelo consumo residencial de 1 litro de água captada em
mananciais localizados no Quadrilátero Ferrífero).
C² = R$ 0,90 (Valor pago no varejo por um litro de água mineral sem gás produzida
no Quadrilátero Ferrífero). Assim, substituindo e resolvendo a equação:

A=BxC
12
A¹ = 4 x 10 x 0,0024 = R$ 9.600.000.000,00
A² = 4 x 1012 x 0,90 = R$ 360.000.000.000,00

4.2 - Avaliação do Estado de Conservação das Cangas no Quadrilátero Ferrífero


4.2.1 – Análise espacial e elaboração de um índice de vulnerabilidade
Áreas de Referência
Na década de 1960 as cangas cobriam uma área total de 18.518,6 ha nas principais
estruturas geológicas do QF (Figura 11; Anexo 3). Estas áreas eram distribuídas entre 325
cangas com áreas médias de 57 ha ± 220 ha. Nestas áreas de referência, o menor afloramento
apresentava área de 0,2 ha e o maior 2.396,3 ha, este último localizado no Sinclinal Alegria.
A maioria das cangas (82%) apresentava áreas menores que 50 ha, por outro lado,
cangas maiores que 100 ha representavam apenas 9% do total de afloramentos (Figura 12). O
Sinclinal Gandarela continha a maior área de cangas, com 5.990,6 ha distribuídos entre 25

47
afloramentos, seguido pelo Sinclinal Alegria com uma área total de 3.107 ha e 12 cangas, o
sinclinal Moeda com 131 cangas somava uma área de 3.068,8 ha e a Serra do Curral somava
uma área de 2.124,5 ha distribuídos entre 68 cangas (Tabela 6). Estas quatro regiões
abarcavam mais de 77% das áreas de canga no Quadrilátero.

Figura 11 – Distribuição das cangas (n = 325) no Quadrilátero Ferrífero, representando


as áreas de referência. Adaptado de Lobato et al (2005).

150
120
N° cangas

90
60
30
0
≤5 5,1 - 10 10,1 - 50 50,1 - 100 100,1 - 500 > 500
Área (ha)

Figura 12 – Número de cangas (n = 325), por categoria de tamanho, que ocorriam no


Quadrilátero Ferrífero até a década de 1960.

48
O tipo geológico mais abundante foi a ‘canga química’ com área total de 10.651,9 ha
distribuída entre 68 afloramentos. As cangas químicas, com exceção de pequenas áreas no
Sinclinal Moeda, ocorrem no extremo leste do QF. A ‘canga normal’, com área total de
7.677,8 ha distribuídos em 250 afloramentos, predomina no setor oeste do QF, além de
ocorrências na região da Serra da Piedade, no Sinclinal Ouro Fino, no setor oeste do Sinclinal
Gandarela e no setor leste do Sinclinal Dom Bosco. A ‘canga rica’, com área total de 189 ha e
sete afloramentos, ocorre em áreas restritas do setor setentrional do Sinclinal Moeda e na
região da Serra dos Três Irmãos (topônimo local de um setor da Serra do Curral).
A maioria das áreas de cangas foram formadas durante o Plio-Pleistoceno, entre 1 e 23
milhões de anos, sendo representadas por 10.651,9 ha distribuídos entre 68 afloramentos
(canga química). As cangas do tipo ‘normal’ e ‘rica’ formaram-se durante o Paleogeno, entre
23 e 55 milhões de anos, sendo ao todo 257 afloramentos com área de 7.866,7 ha (Figura 11).
A amplitude altitudinal das cangas era superior a 1.100 m, com altitudes variando
entre 700 m e 1.880 m. Organizando os afloramentos de acordo com a altitude máxima, a
classe altitudinal mais freqüente, entre 1.300 até 1.600 m, agrupou 44% do número total das
cangas. Os afloramentos em que as altitudes máximas ultrapassaram 1.600 m foram
agrupados na classe com a menor freqüência, com 2,7% das cangas. A área total de cangas
acima de 1.600 m era menor que 450 ha, ou 2,4% da área total das cangas no QF (Figura 13).
As cangas tipo normal atingiram as maiores altitudes máximas (1.880 m) com média de 1.337
m ± 172 m. As cangas tipo rica atingiram 1.380m, com média de 1.253 m ± 94 m. As cangas
químicas foram representadas pelas menores médias entre as altitudes máximas (1.029 m ±
194 m), com altitudes máximas variando entre 1.490 m e 710 m.

150
120
N° cangas

90
60
30
0
≤ 900 901 - 1100 1101 - 1300 1301 - 1600 ≥ 1600
Altitude máxima (m)

Figura 13 – Número de cangas (n = 325), por categoria de altitude, que ocorriam no


Quadrilátero Ferrífero até a década de 1960.

49
Analisando o arranjo das cangas na paisagem, de modo geral, pode-se observar um
padrão na distribuição entre os tipos geológicos. As cangas mais antigas - tipos ‘normal’ e
‘rica’ - (Paleogeno) ocorrem predominantemente em áreas montanhosas no centro e no oeste
do Quadrilátero. As cangas em maiores altitudes do Brasil, provavelmente, estão localizadas
nas regiões das Serras da Piedade, Capanema e Gandarela. As cangas ‘químicas’ (Plio-
Pleistoceno), com as maiores áreas, predominam no extremo leste, ocorrendo nas regiões
mais baixas do relevo. A ocorrência de lagoas e brejos é freqüente nestas cangas.

Áreas Atuais
A área total das cangas atinge atualmente cerca de 11.170 ha, distribuídos entre 225
afloramentos com áreas médias de 49,7 ha ± 171,3 ha. Em pouco mais de 40 anos já foram
irreversivelmente perdidos aproximadamente 7.340 ha de cangas, cerca de 40% da área de
referência, e foram extintos 100 afloramentos ferruginosos.
Entre as cangas remanescentes, 107 perderam até 4% da área original, 59 perderam
entre 5% e 30%, 34 cangas perderam entre 31% e 60% e 25 perderam entre 61% e 95% da
área de referência. Aproximadamente 53% das áreas remanescentes foram constituídas de
cangas que perderam entre 5% até 30% do hábitat (Figura 14).

372,7
2986,39 2%
16%

7352,5
40%

5912,3
32%

1894,16
10%

≤4% 5 - 30 % 31 - 60 % 61 - 95 % 96 - 100%

Figura 14 – Área total (ha) das cangas (n = 325) no Quadrilátero Ferrífero distribuída
por classes de perda de hábitat.

50
As maiores alterações na freqüência de cangas, por classe de tamanho, foram
observadas em afloramentos entre 50,1 ha até 100 ha e entre 100,1 ha até 500 ha, ambas as
classes apresentaram reduções em torno de 50% na freqüência quando comparadas com as
áreas de referência (Figura 15).

150 130 Área de referencia


120 Área atual
90 91
N° cangas

90
60
60 47 43
27 24
30 14 12 6 6
0
≤5 5,1 - 10 10,1 - 50 50,1 - 100 100,1 - 500 > 500
Área (ha)
Figura 15 – Número de cangas “originais’ (n = 325) e número atual (n = 225), por categoria
de tamanho.

As maiores perdas absolutas ocorreram em cangas localizadas no Sinclinal Alegria


com a destruição de 1.891 ha, seguidas pelas cangas situadas nos Sinclinais Gandarela (1.453
ha), Moeda (1.386 ha) e na Serra do Curral (1.217 ha), Figura 16. Considerando as perdas
relativas, a maior alteração da paisagem foi observada no Sinclinal Ouro Fino com mais de
75% das áreas de cangas destruídas, seguido pelo Sinclinal Alegria com cerca de 61%, pela
Serra do Curral com perdas de 57% e o Sinclinal Moeda com 45% . O Sinclinal Gandarela,
ainda abriga a maior área desses afloramentos no QF, com aproximadamente 40% do total
das áreas remanescentes, seguido pelo Sinclinal Moeda com 15%, pela região de Chapada de
Canga com 11,5% e pelo Sinclinal Alegria com 11% (Tabela 6).

51
Figura 16 – Distribuição atual das cangas (n = 225) no Quadrilátero Ferrífero, MG.
Adaptado de Lobato et al. (2005).

A mineração foi o principal agente causador de perdas de cangas, eliminando 6.243 ha


(Figura 17). Como “mineração” foram considerados as lavras de extração, planta industrial,
barragens de contenção de rejeitos e pilhas de material estéril. O agente ‘cidade’ agregou os
núcleos urbanos. Ferrovias, rodovias e estradas não pavimentadas foram agrupadas no agente
‘estradas’. O agente ‘outros’ agregou os núcleos rurais, linhas de transmissão de energia,
silvicultura, instalações e equipamentos de telecomunicações e demais tipos de intervenções
não identificadas nos agentes anteriores.

52
Tabela 6 – Comparação entre as áreas de referência e as áreas atuais de cangas localizadas no Quadrilátero
Ferrífero, MG. As linhas pontilhas indicam os maiores valores de cada coluna.

Áreas de Referência (1946-1964) Áreas Atuais (2002-2009)


Área Total Número % Área Total Perda Perda Número %
das cangas de Área das cangas de área de área de Área
Localidade (ha) cangas Total (ha) (ha) (%) cangas Total
Chapada de Canga 1.683,2 6 9,1 1.285,3 398,0 23,6 4 11,5
Serra do Curral 2.124,5 68 11,5 907,5 1.217,0 57,3 54 8,1
Sinclinal Alegria 3.107,2 12 16,8 1.215,8 1.891,4 60,9 9 10,9
Sinclinal Conta História 311,8 8 1,7 296,9 14,8 4,7 7 2,7
Sinclinal Dom Bosco 710,5 52 3,8 392,1 318,5 44,8 28 3,5
Sinclinal Gandarela 5.990,5 25 32,3 4.536,8 1.453,7 24,3 20 40,6
Sinclinal Moeda 3.068,8 131 16,6 1.682,5 1.386,3 45,0 84 15,1
Sinclinal Ouro Fino 398 7 2,1 98 300,0 75,4 6 0,9
Outros 1124,0 16 6,1 757,8 366,2 32,6 13 6,8
Total 18.518,6 325 100 11.172,7 7.346,0 225 100

53
281,8
70 4%
601
8% 1% 146,6
2%

6243
85%

Mineração Cidade Condomínio Outros Estradas


Figura 17 – Principais agentes causadores de perdas de cangas no Quadrilátero Ferrífero, MG.

As perdas de áreas em cangas por tipos geológicos foram similares, sendo observadas
perdas de 39,5% nas ‘cangas químicas’, perdas de 40% no tipo ‘canga normal’ e perdas de
43% nas ‘cangas ricas’. As perdas em cangas por idades geológicas, Plio-Pleistoceno e
Paleogeno, também foram semelhantes, com 40% de perda em ambos (Figura 16).

Índice de Vulnerabilidade
A mineração, principal agente causador de perdas de áreas de cangas, foi a fonte de
degradação utilizada para o índice de vulnerabilidade. Apesar de vários componentes como a
pilha de estéril e a planta industrial integrarem o indicador ‘mineração’, apenas as cavas de
extração de minério de ferro (Figura 18) foram consideradas para a estimativa. Assim, para
cada canga foi calculada a distância linear entre sua borda e a “borda” da cava de extração
mais próxima.
Os 225 afloramentos que ainda persistem estão a uma distância linear média de 1,3 km
(± 1,6 km) de uma cava, onde a maior distância mensurada foi de 9,3 km.

54
Figura 18 – Perdas de áreas de cangas e alterações na paisagem provocadas pela extração de
minério de ferro. A -: Serra da Piedade (Disponível em: www.caetemh.com); B -
Serra do Itabirito. O Pico do Itabirito está indicado pela seta. Adaptado de Rosière et
al. (2005); C - Serra do Itatiaiuçu, extremo oeste do Quadrilátero Ferrífero.

55
Cerca de 102 cangas distam até 0,5 km de uma cava de extração, compondo uma área
total de 8.714,7 ha (Figura 19).

9000 240

7500 200

Número cumulativo.
6000 Área 160

de cangas
Área (ha)

N° de cangas
4500 120

3000 80

1500 40

0 0
0 0,5 1 2 3 4 5 >5
Distância borda-a-borda (km)

Figura 19 – Áreas remanescentes de cangas (n = 225) de acordo com a proximidade de uma


cava de extração de minério.

Apenas 26 afloramentos foram classificados como Quase Ameaçados, totalizando uma


área de 700 ha, ou 6% da ocorrência atual de cangas no QF (Figura 20; Tabela 7). Estas áreas
localizam-se principalmente ao leste dos Sinclinais Gandarela e Dom Bosco, no Sinclinal
Conta História/Serra de Capanema e na Chapada de Canga.

0
Perda de Habitat (%)

20

40

60

80
100
0 2 4 6 8 10
Distância borda-a-borda (km)
Quase Ameaçada (n = 26) Vulnerável (n = 59)
Em Perigo (n = 33) Criticamente em Perigo (n = 107)

Figura 20 – Cangas atuais (n = 225) classificadas de acordo com o índice de vulnerabilidade.

56
As cangas criticamente em perigo representaram 80% das áreas remanescentes.

Tabela 7 – Índice de Vulnerabilidade das cangas no Quadrilátero Ferrífero, MG.


Categoria Área Atual (ha) Porcentagem Número de cangas
Quase Ameaçado 700 6 26
Vulnerável 1.109 10 59
Em Perigo 447,5 4 33
Criticamente em Perigo 8.915,5 80 107
Total 11.172 100 225

O conjunto das cangas no Quadrilátero Ferrífero, de acordo com o índice de


vulnerabilidade, foi classificado como Criticamente em perigo.

4.2.2 – Elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação ambiental

A área total das 34 cangas avaliadas em campo foi de 4.891 ha, abrangendo 44% da
área atual na região. Apenas uma canga (0,5% da área total avaliada) localizada na Serra de
Capanema foi classificada como Relativamente Estável. Na categoria Vulnerável
classificaram-se 18 cangas (seis em parques estaduais, seis na Serra da Moeda, três na S.
Capanema, duas na S. Gandarela, e uma na S. Piedade), 11 cangas estão Em Perigo (S.
Moeda, S. Itatiaiuçu, P.E. Rola Moça, S. Gandarela, S. Piedade e Chapada de Canga com uma
canga cada; três em Ouro Preto, duas no Morro do Tamanduá) e quatro foram classificadas
como Criticamente em Perigo (três cangas na S. Itatiaiuçu e uma canga na S. Curral). As
áreas correspondentes a cada categoria estão representadas na Figura 21.
De acordo com o protocolo de avaliação ambiental, a atual situação do conjunto das
cangas no Quadrilátero é preocupante, sendo classificadas como Em Perigo.
No item ‘Grau de Ameaça’, o indicador distúrbios no entorno foi observado em todas
as 34 cangas avaliadas. Os indicadores que apareceram com uma freqüência acima de 80%
foram a mineração, o fogo, plantas exóticas invasoras, estradas e distúrbios na canga. O
indicador núcleos urbanos foi observado em 67% das cangas e o indicador agropecuária foi
observado em 18 cangas, ou 53% do total.

57
47,83
23,55 1%
0%

1834,4
37%

2986
62%

CR EN VU RE

Figura 21 – Total das áreas (ha) das 34 cangas avaliadas e suas respectivas categorias de
ameaça. CR: Criticamente em perigo (n = 4); EN: Em perigo (n = 11); VU:
Vulnerável (n = 18); RE: Relativamente estável (n = 1).

Os agentes mais freqüentes foram a mineração (principalmente o componente ‘cava’),


o fogo, gado bovino e eqüino e plantas exóticas invasoras, principalmente as Poaceae Melinis
minutiflora P. Beauv. e Urochloa spp. As cangas localizadas em UC de proteção integral
somaram 17% do total avaliado, ou sete afloramentos, constituindo menos de 250 ha.
No item ‘Qualidade Ambiental’, metade das cangas avaliadas continha quatro ou cinco
tipos de ambientes. No indicador Fitofisionomias, a representatividade de pelo menos cinco
tipos foi observada no entorno de 12 cangas (35%), o que sugere uma maior riqueza e
provável intercambio de espécies nativas entre os afloramentos ferruginosos e a matriz. No
outro extremo, uma menor representatividade de tipos fisionômicos, máximo de dois tipos, foi
observada em apenas três cangas (9%). A maioria dos afloramentos (19 cangas ou 55%)
continha três ou quatro tipos fisionômicos no entorno.
Calculou-se a contribuição média dos indicadores agrupados por categoria de ameaça,
lembrando que no presente sistema de classificação as notas maiores representam a pior
situação, o maior grau de ameaça ao afloramento (Figura 22). As cangas classificadas nas três
categorias de ameaça obtiveram, geralmente, as maiores pontuações em todos os 13
indicadores. Foi observado um acréscimo nas notas médias dos indicadores da categoria
vulnerável até a criticamente em perigo. A categoria relativamente

58
estável pontuou em apenas três dos nove indicadores de grau de ameaça e em dois dos três
indicadores de ‘Qualidade Ambiental’. Somando as notas médias dos indicadores, pode-se
observar a contribuição média desses itens em cada categoria de ameaça (Figura 23).
Na categoria relativamente estável os três itens contribuíram de forma similar na
pontuação final do protocolo. Porém, nas categorias de ameaças, o item com o maior peso na
pontuação final foi ‘Grau de Ameaça’.

RE N=1
Categorias de ameaça .

VU N = 18

EN N = 11

CR N=4

0 5 10 15 20 25 30 35 40 45
Pontuação do Protocolo

Perda de habitat Impactos negativos na canga Fogo

Plantas exóticas invaroras Impactos negativos no entorno Estradas

Agropecuária Núcleos urbanos Mineração

Grau de Proteção Área de canga Heterogeneidade Ambiental

Fitofisionomias

Figura 22 – Contribuição média dos indicadores agrupados por categoria de ameaça. CR:
Criticamente em perigo. EN: Em perigo; VU: Vulnerável; RE: Relativamente
estável. N = 34 cangas avaliadas.

Grau de Ameaça Iminente


O estado final de conservação das cangas foi determinado após a integração dos dados
sobre o grau iminente de ameaça, composto por três categorias (Tabela 2), e comentados a
seguir.

59
100%
5,7 3,6
11,8 4
80% 4,1 3

Pontuação Média
4,5
60% 5

40% 16,9
28,2 23,2

20% 6

0%
CR EN VU RE
Grau de Ameaça Grau de Proteção Qualidade Ambiental
Figura 23 – Notas médias dos três itens avaliados no protocolo, por categoria de ameaça. CR:
Criticamente em perigo (n = 4 cangas); EN: Em perigo (n = 13 cangas); VU:
Vulnerável (n = 16 cangas); RE: Relativamente estável (n = 1 canga).

O grande número de títulos minerários de ferro distribuídos na região


(DNPM/SIGMINE, 2009) abarcam praticamente todas as cangas do QF (Figura 24) o que
demonstra a grande ameaça a estes ambientes. A maioria desses títulos refere-se a processos
de concessão de lavras, ou seja, representam localidades onde a atividade de extração já está
sendo desenvolvida ou será desenvolvida em um curto prazo.
As estimativas dos investimentos previstos para o setor de mineração de ferro para os
próximos cinco anos fornecem dados sobre as intenções de expansão em Minas Gerais. Mais
de US$ 14 bilhões serão investidos na criação e expansão das minas de extração, em logística
e na criação de plantas industriais de empreendimentos localizados no QF, o que representa
83% do investimento de todo o setor mineral no estado (IBRAM, 2008; 2009). Os principais
municípios localizados no QF contemplados pelos investimentos serão Caeté, Itabirito,
Brumadinho, Itaúna, e Itatiaiuçu (IBRAM, 2009). Portando, a categoria ‘Ameaças de
Conversão de Hábitat’ obteve nota máxima, ou 50 pontos.
Além do impacto direto da cava de mineração, o desenvolvimento do processo de
extração mineral e a implementação da planta industrial também causam grandes impactos,
oriundos, por exemplo, do tráfego intenso de caminhões e máquinas pesadas.

60
Figura 24 – Títulos minerários para ferro em regiões de cangas e formações ferríferas
bandadas no Quadrilátero Ferrífero, MG.

A utilização de espécies exóticas e invasoras para a estabilização de taludes e


recuperação de áreas degradadas (Toy & Griffith, 2001) ainda ocorre em empreendimentos na
região. Estas fontes de distúrbio contribuem para a alteração e/ou diminuição da qualidade
ambiental podendo alterar processos em nível de ecossistemas, comunidades e populações de
espécies nativas (Toy et al., 2001; Whiting et al., 2002; Fernandes et al., 2008). Portando, a
categoria ‘Ameaça de Degradação’ atingiu uma nota máxima, ou 30 pontos.
A categoria ‘Exploração da Vida Selvagem’ atingiu 10 pontos. Frequentemente são
coletadas plantas para o comércio ilegal na região, principalmente indivíduos de espécies-alvo
como bromélias, orquídeas e briófitas.
Somando-se as notas das três categorias comentadas anteriormente, totalizando 90
pontos numa escala máxima de 100, determinou-se para as cangas um alto e iminente grau de

61
ameaça que, por sua vez, determinou o avanço da categoria de ameaça Em Perigo
(classificação de acordo com a aplicação do protocolo de avaliação ambiental) para um nível
acima. Portanto a avaliação final do estado de conservação do conjunto das cangas no QF
classificou-as como Criticamente em perigo.

4.2.3 – Diagnóstico Ecorregional e Priorização para a Conservação


Índice de ameaça ambiental
A pontuação dos seis parâmetros que integraram o índice de ameaça ambiental (Tabela
3) será comentada a seguir.
A Perda de Hábitat em cangas no QF representou 40% da área de referência, obtendo
uma nota máxima de 20 pontos neste critério.
Apenas sete afloramentos com áreas maiores do que 50 ha foram considerados para a
análise de Blocos Remanescentes. A área total destes afloramentos atinge cerca de 1.100 ha
ou 9,8 % da área de ocorrência de cangas no QF. Portanto este parâmetro obteve nota 15.
O critério Fragmentação Ambiental atingiu 10 pontos. Com a extinção de 100
afloramentos ferruginosos, ou cerca de 31% das cangas, e uma redução da área média quando
comparado com as áreas de referência de 57 ha (± 220 ha) para 49,7 ha (± 171,3 ha) houve
uma alteração do arranjo espacial dos afloramentos. Em localidades como a Serra do Curral e
o Sinclinal Moeda esta alteração provocou relevantes distensões nas distâncias entre as
cangas.
Uma pontuação máxima também foi atingida no parâmetro Degradação Ambiental,
obtendo 10 pontos. Apenas 17% da área total de cangas abarcam afloramentos com perdas
menores do que 4% de sua área original. Alterações no entorno também foram consideradas,
uma vez que as proximidades das principais fontes de degradação ambiental, a saber, cavas de
extração de minério, distam em média 1,3 km ± 1,6 km das cangas. Contribui também para a
degradação ambiental o fogo e plantas exóticas invasoras, ambos frequentemente associados
aos afloramentos.
Para o cálculo de Conversão de Hábitat foram avaliados 25 documentos (23 Pareceres
Únicos - SUPRAM e dois Estudos de Impactos Ambientais) relacionados a empreendimentos

62
de mineração de ferro. As taxas de conversão para os próximos anos foram estimadas em
2,2% ao ano, obtendo 8 pontos neste parâmetro, com uma previsão de perda e de degradação
de aproximadamente 1.200 ha de cangas localizadas principalmente nas Serras de Itabirito,
Tamanduá e Gandarela.
Atualmente oito cangas classificadas como ‘intactas’ estão protegidas em unidades de
conservação de proteção integral, representando 1,5% de toda a área remanescente no QF.
Neste parâmetro, Grau de Proteção, foi obtido uma nota de 8 pontos. Portanto, somando-se as
notas dos parâmetros, a pontuação total do índice de ameaça ambiental das cangas no QF foi
de 71 pontos, classificando-as neste primeiro momento na categoria Em Perigo.
Para a classificação final das cangas foram consideradas as ameaças iminentes
apresentadas anteriormente (item 4.2.2 elaboração e aplicação de um protocolo de avaliação
ambiental). Dessa forma, a classificação das cangas com um grau alto de ameaça iminente,
provocou um avanço na categoria de ameaça. Portanto a avaliação final do estado de
conservação das cangas no QF classificou-as como Criticamente em perigo.

Avaliação da prioridade para a Conservação das Cangas no Quadrilátero Ferrífero


Para que as áreas de cangas, ou de outros ambientes naturalmente disjuntos,
encontradas em vários biomas e que compartilham comunidades naturais localizadas em
importantes províncias minerais do país, pudessem ser adequadamente classificadas a partir
da matriz de integração elaborada por Dinerstein et al. (1995), o presente trabalho propôs uma
reorganização no esquema de hierarquização incluindo um novo tipo principal de ecossistema
– Ecossistemas Metalíferos – e um novo tipo principal de hábitat – Cangas.
Desta forma, as cangas foram classificadas como Biorregionalmente Notáveis. Porém,
como o QF contém uma das maiores ocorrências de cangas do Brasil e uma das maiores
ocorrências mundiais das formações ferríferas bandadas, formações a que as cangas estão
geneticamente associadas (Castro, 2008), o conjunto das cangas localizadas no QF foram
classificadas como áreas de extrema prioridade para a conservação em escala regional.

63
4.3 – Proposta de áreas-alvo para a investigação da diversidade biológica e identificação
de áreas prioritárias para a conservação das cangas em Minas Gerais

Além do Quadrilátero Ferrífero, as principais regiões de formações ferríferas bandadas


– FFB – relacionadas a depósitos de minério de ferro ocorrem nos municípios de Riacho dos
Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas e Grão-Mogol (Depósitos do Rio do Peixe
Bravo/Porteirinha); Conceição do Mato Dentro, Alvorada de Minas, Serro e Morro do Pilar
(Depósito do Morro do Pilar); Guanhães; e Fortaleza de Minas. Os títulos minerários de ferro
sobrepõem completamente quatro destas regiões, com exceção da região de Fortaleza de
Minas com cerca de 50% de sobreposição (Figura 25).
Exceto as localidades de Guanhães e Fortaleza de Minas, respectivamente contidas nas
regiões administrativas do Vale do Rio Doce e Sudoeste do estado, todas as outras estão
inseridas na Cadeia do Espinhaço. O Quadrilátero constitui o extremo sul da Cadeia do
Espinhaço, Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar localizam-se na região da Serra do
Cipó, Alvorada de Minas e Serro localizam-se no Planalto de Diamantina e Riacho dos
Machados, Porteirinha, Grão-Mogol e Rio Pardo de Minas localizam-se ao norte do
Espinhaço Mineiro, próximos da Serra de Grão-Mogol.
Existem registros de cangas nas regiões de Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio
Pardo de Minas e Grão-Mogol, onde ocupam uma área aproximada de 1.700 ha (área
estimada a partir de Vilela, 1986) e nas regiões de Alvorada de Minas e Conceição do Mato
Dentro, onde ocupam uma área de pelo menos 730 ha distribuídos em cerca de 12 km de
extensão nas Serras do Sapo e Ferrugem (SISEMA/Parecer Único, 2008). Não foram
encontrados registros de cangas na literatura especializada para as regiões de Guanhães e de
Fortaleza de Minas.
Além do Quadrilátero Ferrífero, as localidades de Conceição do Mato Dentro, Morro
do Pilar, Alvorada de Minas e Serro foram às que apresentaram vulnerabilidade alta. As
localidades de Guanhães, Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas e Grão-
Mogol apresentaram vulnerabilidade média. A região de Fortaleza de Minas não foi
considerada vulnerável, de acordo com os critérios definidos.

64
Figura 25 – Títulos minerários e os principais depósitos de minério de ferro associados às
formações ferríferas bandadas em Minas Gerais. Regiões: A – Quadrilátero
Ferrífero; B – Conceição do Mato Dentro, Alvorada de Minas, Serro e Morro do
Pilar; C – Guanhães; D – Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio Pardo de Minas
e Grão-Mogol; E – Fortaleza de Minas.

As 36 Áreas-Chave para a Conservação da Biodiversidade – ACBs – que contêm


títulos minerários de ferro representam 32% de todas as ACBs do estado. Daquelas 36 ACBs,
21 contém, além dos títulos minerários, as FFB e/ou cangas, onde 12 ACBs localizam-se na
região do Quadrilátero, cinco ACBs na região de Conceição do Mato Dentro, Alvorada de
Minas, Serro e Morro do Pilar e quatro na região de Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio
Pardo de Minas e Grão-Mogol. Nas regiões de Guanhães e Fortaleza de Minas não foram
identificadas ACBs (Figura 26).
No estado de Minas Gerais apenas duas unidades de conservação de proteção integral
contêm áreas de cangas e/ou formações ferríferas associadas aos principais depósitos de

65
minério de ferro. Menos de 230 ha estão inseridos no P.E. da Serra do Rola Moça e cerca de
35 ha estão contidos no P.E. do Itacolomi, ambos localizados no Quadrilátero Ferrífero
(Figura 26).

Figura 26 – Sobreposição das Áreas-Chave para a Biodiversidade (Giulietti et al., 2009) que
contém títulos minerários de ferro, das unidades de conservação de proteção
integral e dos principais depósitos de minério de ferro em Minas Gerais. A –
Quadrilátero Ferrífero, Conceição do Mato Dentro, Morro do Pilar, Serro,
Alvorada de Minas e Guanhães; B – Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio
Pardo de Minas e Grão-Mogol; C – Fortaleza de Minas.

Além do Quadrilátero Ferrífero, as regiões metalíferas de Conceição do Mato Dentro,


Morro do Pilar, Alvorada de Minas, Serro, Riacho dos Machados, Porteirinha, Rio Pardo de
Minas e Grão-Mogol foram consideradas áreas prioritárias para a conservação dos
ecossistemas de cangas em Minas Gerais. Nestas localidades, as cangas apresentaram um grau
médio a alto de vulnerabilidade, integraram áreas de alto valor para a conservação e não
estavam localizadas em UC de proteção integral.

66
5- DISCUSSÃO

As cangas do Quadrilátero Ferrífero constituem áreas de alto valor para a conservação,


de acordo com a avaliação de dois importantes atributos, a raridade e o endemismo de plantas
e o serviço do ecossistema ‘recursos hídricos’. O Quadrilátero abriga pelos menos 89 espécies
de plantas com alto valor para a conservação, onde várias destas espécies raras e ameaçadas
ocorrem exclusivamente em cangas da região. O esboço inicial para atribuir um valor para os
serviços ambientais das formações ferríferas bandadas - cujas couraças de cangas funcionam
como importantes áreas de recarga hídrica - resultou em valores anuais superiores a um bilhão
de reais, quando estimados a partir da vazão específica, e a valores superiores a nove bilhões
de reais quando estimados a partir da reserva explotável. Estes atributos, quando analisados
em conjunto aos ecossistemas subterrâneos, ambientes alagáveis (lagoas e brejos) e ao
patrimônio geoambiental, histórico e arqueológico ratificam a importância intrínseca, material
e imaterial das áreas de cangas para a conservação ambiental em Minas Gerais.
O estado geral de degradação ambiental e vulnerabilidade em áreas de cangas no
Quadrilátero, avaliado mediante diferentes métodos e critérios, é grave. Todas as avaliações
classificaram-nas como Criticamente em perigo (Tabela 8).

Tabela 8 – Síntese das avaliações finais do estado de conservação das cangas no Quadrilátero
Ferrífero, MG.
N° de Categoria de
Método Descritores Ameaça
Índice de Vulnerabilidade 2 Criticamente em perigo
Protocolo de Avaliação Ambiental 16 Criticamente em perigo
Diagnóstico Ecorregional 9 Criticamente em perigo

A utilização das imagens aéreas disponibilizadas no programa Google Earth Pro


permitiu uma análise estrutural da paisagem relativamente simples e pragmática, com a
intenção de detectar grandes objetos (cavas de mineração) na paisagem. O protocolo
elaborado para a avaliação individual das cangas em campo, favoreceu a identificação de
objetos (cavernas, lixo ou gado, por exemplo) que provavelmente

67
não seriam percebidos nas análises baseadas apenas no sensoriamento remoto. Com este
refinamento foram avaliados os estados de degradação e de integridade ambiental e
identificados os vários agentes de distúrbios tanto no próprio afloramento de canga quanto
nos ecossistemas adjacentes. Este protocolo integrou ainda dados de análises espaciais com
SIG e as análises das ameaças iminentes. Estes dois métodos – análise estrutural da paisagem
e a aplicação do protocolo – forneceram os dados adequados para o diagnóstico ecorregional
baseado no estudo de Dinerstein et al. (2005), o que permitiu contextualizar o valor de
conservação e a vulnerabilidade das cangas com outras áreas latino-americanas relevantes
para a conservação da biodiversidade. Assim, de acordo com o diagnóstico o conjunto das
cangas no Quadrilátero foi classificado como uma área ‘biorregionalmente notável’ e de
‘extrema prioridade para a conservação em escala regional’.
Com o uso dos três métodos identificou-se a mineração como a principal causa da
perda irreversível de 40% (7.342 ha) das áreas de cangas ocorridas em um período de 40 anos.
Foram identificadas também as principais causas de degradação das áreas adjacentes e os
distúrbios mais freqüentes: a mineração, o fogo, o gado, as estradas e as plantas exóticas
invasoras.
O grau de degradação não está distribuído de forma homogênea na região. As áreas
que apresentaram os estágios de degradação mais avançados, em sua maioria constituindo
extensas perdas irreversíveis de hábitat, foram os setores oeste da Serra do Curral
(principalmente as regiões das Serras de Itatiaiuçu e dos Três Irmãos); extremo sul do
Sinclinal Moeda e a Serra do Itabirito; o setor leste do Sinclinal Gandarela; o Sinclinal Ouro
Fino; o Sinclinal Alegria, o setor oeste do Sinclinal Dom Bosco e as áreas de cangas próximas
às cidades de Ouro Preto e Mariana. Nestas áreas localizavam-se a maioria das 100 cangas
extintas.
Atualmente 102 cangas (8.714 ha) encontram-se a menos de 0,5 km em linha reta de
uma cava de extração de minério. Em algumas localidades que apresentaram as maiores
perdas de cangas, como a Serra de Itatiaiuçu, o grande número de cavas e de outros
componentes da indústria mineral, como a planta industrial, provavelmente tornou a matriz
impermeável aos processos ecológicos. Mesmo que as atividades de extração não atinjam
diretamente os afloramentos, a degradação das áreas adjacentes já compromete a manutenção
dos ecossistemas ferruginosos.

68
Diversos estudos demonstram que o manejo da matriz é fundamental para a
manutenção da conectividade (Beier & Noss, 1998) e de processos metapopulacionais
(Vandermeer & Carvajal, 2001) e que, portanto, a integridade da paisagem adjacente constitui
um dos fatores-chave para a conservação da diversidade biológica (Franklin & Lindenmayer,
2009).
Cerca de 83% da extensão total das cangas remanescentes foi constituída por
afloramentos que já perderam pelo menos 5% da área, ou seja, grande parcela da área atual é
constituída por cangas fragmentadas. Evidências apontam que os ambientes fragmentados são
mais susceptíveis aos efeitos negativos de distúrbios (Walter, 2004). Além disso, Hobbs &
Huenneke (1992) comentam que a interação entre o fogo, o gado e as espécies exóticas
invasoras causa grandes impactos nas comunidades naturais, impactos estes que aumentam a
invasibilidade naquelas comunidades. Em vista disso, o banimento das Poaceae Melinis
minutiflora e Urochloa spp. na “recuperação” ambiental de áreas degradadas e o controle das
suas populações em áreas invadidas, um manejo adequado do fogo e o controle do gado
podem constituir medidas efetivas para a redução desses impactos nas áreas de cangas.
As alterações na paisagem provocaram o aumento nas distâncias entre os afloramentos
e uma redução das áreas médias das cangas em cerca de 13%. Atualmente cerca de 40% das
cangas (90 afloramentos) possuem áreas menores do que 5 ha. Funcionalmente, estes
pequenos afloramentos contribuem com a conectividade, servindo de pontos de ligação,
‘stepping stones’, para o fluxo ecológico entre as áreas (Chetkiewicz, 2006), além de
abrigarem populações de espécies raras, endêmicas e ameaçadas. Recomenda-se um
monitoramento nestas cangas para avaliar a integridade funcional e, em áreas privadas,
recomenda-se um programa de monitoramento e preservação.
Algumas localidades, mesmo apresentando ameaças iminentes (sobreposição aos
títulos minerários, proximidade com núcleos urbanos ou estradas, por exemplo), abrigam
cangas consideradas com baixo grau de degradação, sendo freqüentes áreas consideráveis de
vegetação natural no entorno dos afloramentos ferruginosos. Estas cangas localizam-se no
Sinclinal Conta História/Serra de Capanema, no sul da Serra da Moeda (entre os municípios
de Itabirito, Moeda e Belo Vale) e em algumas áreas do Sinclinal Gandarela e Chapada de
Canga. Considerando o estado geral de degradação e a ameaça iminente do conjunto das
cangas no Quadrilátero, todas estas localidades são consideradas áreas prioritárias para a
conservação desses ambientes no Quadrilátero Ferrífero (Figura 27). Estas regiões abarcam as

69
cangas dos tipos ‘normal’ e ‘química’ – localizadas em altitudes de 900 até 1.880 m – e que
abrigam várias lagoas, brejos e sistemas subterrâneos. Além destas, recomenda-se que as
cangas localizadas nas zonas de amortecimento das unidades de conservação de proteção
integral também sejam priorizadas e que medidas de proteção e manutenção sejam
adequadamente integradas aos planos de manejo.

Figura 27 – Distribuição atual das cangas e a localização das áreas prioritárias para a
conservação no Quadrilátero Ferrífero, MG.

O refinamento na mensuração e na localização da biodiversidade, na mensuração dos


benefícios de sua conservação e nos padrões de ameaças de degradação é imprescindível para
que os tomadores de decisão possam priorizar adequadamente as futuras áreas protegidas
(Margules & Pressey, 2000; Dinerstein et al., 2005). Nesse sentido, o refinamento da
localização espacial de algumas espécies de plantas que ocorrem no Quadrilátero e a
mensuração de serviços ecológicos poderão gerar benefícios não só para as espécies
individuais, como para os ecossistemas em que ocorrem.
Seguindo o critério B1 de distribuição restrita (IUCN, 2001), adotado para a
elaboração da lista vermelha da flora ameaçada de extinção de Minas Gerais (Biodiversitas,
2007), 42 espécies de alto valor para a conservação (Tabela 5) podem ser consideradas

70
ameaçadas na categoria vulnerável, pois a extensão de ocorrência destas espécies limita-se aos
7.200 km² de área do Quadrilátero. Destas 42 espécies, 24 não estavam citadas naquela lista e
18 espécies foram citadas como DD (deficiência de dados). A ausência completa das espécies
endêmicas ou presumivelmente endêmicas das cangas no Quadrilátero na lista federal da flora
ameaçada de extinção, e para algumas espécies na lista estadual, compromete a conservação
das espécies e dos ambientes, uma vez que as ‘listas vermelhas’ representam um instrumento
legal para a proteção da biodiversidade (Silvano & Segalla, 2005).
No Quadrilátero, a valoração ambiental no sistema geoecológico metalífero, onde as
cangas estão incluídas, poderia representar um marco histórico para a conservação da
biodiversidade, possibilitando que o capital natural fosse incorporado nas análises de custo-
benefício dos empreendimentos e também que fosse incorporado nas medidas compensatórias
relacionadas a processos de licenciamento ambiental causadores de significativos impactos
ambientais (Lei Federal n° 9985, 2000; May et al., 2000; Camphora & May, 2006).
Um exemplo emblemático da aplicação da valoração ambiental em áreas de cangas
poderia ocorrer em um dos maiores empreendimentos de exploração de minério de ferro a ser
implementado na Serra do Gandarela, região que constitui um dos maiores remanescentes de
cangas no Quadrilátero, portando de grande relevância ambiental. O empreendedor pagou
US$ 0,10 por tonelada de reserva medida, e poderá vender a tonelada seca a US$ 138
(IBRAM, 2008), considerando a cotação de 2008 e a estabilidade futura do mercado. Qual
será o valor do passivo ambiental relacionado às perdas irreversíveis das cangas ao final dos
17 anos previstos para a exploração da jazida? A valoração ambiental dos bens e serviços
ambientais, como a recarga hídrica, poderia minimizar ou impedir essas perdas, tornando os
empreendimentos não lucrativos? De fato, a valoração ambiental poderia auxiliar a sociedade
na reflexão acerca da manutenção ou da exploração dos recursos naturais, uma vez que entre
os agentes político-econômicos dominantes, geralmente, a conservação ambiental é vista
apenas como causadora de perdas econômicas (Romeiro, 2006).
A identificação de áreas prioritárias no Brasil constitui uma das iniciativas para
subsidiar a localização de novas unidades de conservação (Rylands & Brandon, 2005). O
Quadrilátero Ferrífero integra um conjunto de cerca de 1.560 áreas prioritárias para a
conservação da biodiversidade brasileira (MMA, 2008). O processo de avaliação dessas áreas
considerou como alvos de conservação para as áreas analisadas e integrantes do bioma Mata
Atlântica – entre essas áreas incluiu-se o Quadrilátero – um total de 409 espécies distribuídas

71
entre os grupos taxonômicos de invertebrados, peixes, anfíbios, répteis, mamíferos e aves.
Como resultado dessa análise, definiu-se como ação prioritária para o Quadrilátero a criação
de unidades de conservação (MMA, 2008).
A partir da perspectiva da repartição de recursos, provavelmente as cangas não seriam
diretamente contempladas por ações de manejo e conservação subsidiadas por este estudo,
pois além da ausência de espécies da flora como alvos de conservação – um dos poucos
grupos em que existem alguns trabalhos específicos em cangas – os afloramentos ferruginosos
não foram explicitamente ou diretamente citados. Em todas as áreas prioritárias para a
conservação de cangas em Minas Gerais existem projetos em andamento para a
implementação ou expansão da exploração mineral. No Quadrilátero Ferrífero está em
andamento um projeto de reavaliação do potencial mineral com o objetivo, entre outros, de
aumentar as descobertas de depósitos minerais (CPRM, 2007). Na região de Grão-Mogol e
Rio Pardo de Minas o governo já anunciou o apoio para a construção da infra-estrutura,
incluindo um minerioduto para o escoamento da produção projetada para uma das maiores
jazidas do estado (IBRAM, 2009). Na região de Conceição de Mato Dentro cerca de 460 ha
de cangas - incluindo 23 cavernas ferruginosas - serão destruídos pela implantação de uma
cava de extração de minério de ferro (SISEMA, 2008).
O reconhecimento de ecorregiões metalíferas como áreas prioritárias para a
conservação, como foi proposto e justificado no presente trabalho, poderá favorecer a
elaboração de diretrizes e metas de conservação apropriadas para os ecossistemas que
compartilham os tipos e intensidades de impactos relacionados à exploração mineral, bem
como compartilham, ou deveriam compartilhar, uma legislação ambiental e planejamento de
conservação específicos.
Entre as ações essenciais para a conservação da diversidade biológica está o
estabelecimento de um sistema de áreas protegidas, onde medidas especiais precisam ser
adequadas para a conservação in situ dos ecossistemas e hábitats naturais (CDB, 1992). A
representatividade dos diversos ecossistemas compõe uma das principais características para
que um sistema de unidades de conservação proteja adequadamente parcelas significativas da
biodiversidade (Ferreira et al., 2008). Nos últimos 20 anos houve um aumento considerável
no número de áreas protegidas no Brasil, representando atualmente cerca de 111.600.000 ha
distribuídos entre diversas categorias de conservação federais e estaduais (Rylands &

72
Brandon, 2005). Em Minas Gerais, no período entre 1999 e 2003, houve um aumento de
aproximadamente 120% das áreas protegidas, atingindo cerca de 4.306.600 ha, sendo que as
unidades de conservação de proteção integral representaram cerca de 20% deste montante
(Drummond et al., 2005). Apesar dos esforços para a criação de novas unidades de
conservação, em Minas Gerais menos de 270 ha de cangas ocorrem em UCs de proteção
integral. Portanto, os ecossistemas de cangas ainda estão inadequadamente representados nas
categorias de proteção integral.
Em todas as áreas prioritárias para a conservação dos ambientes de cangas no estado
ainda existem extensas áreas sem grandes alterações na paisagem. A adoção de medidas que
reduzam as ameaças iminentes é fundamental para a manutenção dos ecossistemas
ferruginosos. Nesse sentido, algumas recomendações e considerações são propostas a seguir.
Com a exceção do Quadrilátero, não existem estudos específicos publicados acerca da
vegetação sobre cangas localizadas nas áreas prioritárias para a conservação propostas no
presente trabalho. Estas mesmas regiões são identificadas entre as mais importantes para a
conservação da flora de Minas Gerais, sendo publicados, entre outros, a flora da Serra do
Cipó (Giulietti et al., 1987) e a flora de Grão-Mogol (Pirani et al., 2003). A elaboração de
uma flora do Quadrilátero Ferrífero, ou de uma flórula das cangas, poderia não apenas
elucidar os aspectos de distribuição das espécies endêmicas e raras como contribuir para
análises ecológicas e biogeográficas.
O governo da Austrália, país onde estão localizadas as maiores ocorrências de
formações ferríferas bandadas do mundo (Klein, 2005), recentemente organizou um programa
específico de inventariamento da flora, estimulado principalmente pela forte correlação entre
o valor de conservação daquelas localidades e a rápida expansão da indústria mineral (DEC,
2009). O Brasil, com a segunda maior ocorrência de formações ferríferas bandadas e segundo
produtor mundial de minério de ferro, poderia implementar programas semelhantes.
No Quadrilátero Ferrífero existem diversas UCs de uso sustentável que abrangem uma
área total aproximada de 250.000 ha (SIAM/SEMAD, 2009) e com a presença de extensas
couraças de cangas. Porém, os benefícios trazidos para os ecossistemas ferruginosos
localizados em UCs de uso sustentável devem ser reavaliados, pois as cangas são, por vezes,
mineradas ou então são removidas para a exploração das jazidas de minério de ferro
localizadas abaixo das couraças. De acordo com o Cap. 1, Artigo 2°, XI, (Lei 9985, 2000),

73
entende-se por uso sustentável:

XI - uso sustentável: exploração do ambiente de maneira a garantir a perenidade dos


recursos ambientais renováveis e dos processos ecológicos, mantendo a biodiversidade e os
demais atributos ecológicos, de forma socialmente justa e economicamente viável.

Os direitos minerários sobrepõem 77% (IBRAM, 2003) dos 172.231 ha da maior UC


de uso sustentável da região, a Área de Proteção Ambiental Sul da região metropolitana de
Belo Horizonte (SIAM/SEMAD, 2009). Analisando os processos de licenciamento ambiental
- considerado um dos principais instrumentos da política ambiental no estado (FEAM, 1998) -
de empreendimentos de mineração localizados em UCs de uso sustentável, pode-se constatar
que a maioria das solicitações de licenças são outorgadas, ocasionando a constante perda e
degradação de cangas localizadas nestas UCs.
Os direitos minerários incidem virtualmente em todas as áreas de cangas localizadas
nos principais depósitos de minério de ferro do estado e, por conseguinte, em todos os
sistemas geoecológicos ferruginosos. Essa situação, talvez, representa uma das maiores
dificuldades de criação de UCs de proteção integral para os ecossistemas de cangas. De
acordo com o Parecer DNPM/PROGE (2006), os direitos minerários em unidades de
conservação integral criadas após a outorga do alvará de pesquisa, concessão ou extração da
lavra poderão ser invalidados mediante o pagamento de indenização pelo Estado através de
pessoa jurídica do poder público responsável pela criação da unidade de conservação.
De fato, a falta de recursos financeiros constitui a principal deficiência do sistema
estadual de unidades de conservação (Drummond et al., 2005). Essa problemática poderia
inicialmente ser solucionada através de iniciativas oriundas do setor privado, principalmente
das próprias mineradoras, para o estabelecimento de convênios com a Secretaria de Estado de
Meio Ambiente objetivando, por exemplo, o inventariamento de possíveis áreas-alvo para
doações. Ou ainda, utilizando-se de recursos financeiros oriundos da compensação ambiental
de empreendimentos causadores de significativos impactos ambientais. De acordo com o Art.
36 da Lei 9985 (2000), o empreendedor é obrigado a apoiar a implantação e manutenção de
unidade de conservação do Grupo de Proteção Integral quando um empreendimento de sua

74
responsabilidade causar impactos ambientais significativos. Existem estimativas que indicam
um enorme potencial econômico vindo das compensações ambientais que poderiam ser
alocadas para a criação de unidades de conservação de proteção integral (Camphora, 2005).
Ao órgão ambiental licenciador compete a identificação, ou a criação, das unidades de
conservação a serem beneficiadas pela compensação ambiental (Art. 36, Lei 9985, 2000).
Portanto, o reconhecimento, por parte deste órgão, dos ambientes de cangas e dos
ecossistemas que neles ocorrem como áreas de alto valor para a conservação da natureza e
extremamente vulneráveis, poderia refletir em recursos financeiros destinados
especificamente para a proteção destes ameaçados ambientes.
Ainda no âmbito do licenciamento ambiental, sugere-se uma reavaliação crítica da
adequação ambiental da utilização das Autorizações Ambientais de Funcionamento – AAF–
(Deliberação Normativa n.º 74, de 09 de setembro de 2004) para a regularização ambiental
em empreendimentos localizados em áreas de cangas e considerados de impacto ambiental
não significativo ou considerados de baixo impacto. Atualmente, os empreendimentos
inseridos nas classes 1 e 2 (pequeno e/ou médio porte e pequeno e/ou médio potencial
poluidor) estão sujeitos apenas à obrigatoriedade da AAF, e portanto, dispensados dos
requerimentos das licenças Prévia, de Instalação e de Operação. Os empreendimentos
considerados de baixo impacto significativo estão sujeitos à obrigatoriedade de apresentar
somente estudos ambientais de baixa complexidade (Diretiva COPAM, nº. 2, de 26 de maio
de 2009).
No Quadrilátero pelos menos 90 cangas (com áreas menores que 5 ha cada) estão
potencialmente sujeitas a integrarem empreendimentos de pequeno ou médio porte (classes 1
e 2). Como anteriormente comentado, estes afloramentos servem como pontos de ligação
‘stepping stones’ para o fluxo ecológico e podem abrigar espécies e ambientes (cavernas, por
exemplo) de alto valor para a conservação. Esse tipo de informação, que poderia contribuir na
análise ambiental, não está disponível ao órgão competente por meio da AAF e
provavelmente não estará contemplado em estudos ambientais de baixa complexidade.
Brandon et al. (2005) fizeram uma reflexão importante sobre o que eles chamaram de
componentes da conservação. “O quê” e “onde” conservar podem ser indicados ou sugeridos
através das ferramentas e métodos da Biologia da Conservação, por exemplo. “Como”
conservar extrapola o âmbito das ciências biológicas, sendo influenciado pelas dimensões

75
sociais. Portanto, o benefício atual e futuro trazido da conservação da biodiversidade, das
funções do ecossistema, do patrimônio geoambiental e arqueológico e dos serviços ambientais
encontrados em cangas e o benefício da exploração dos recursos minerais associados, devem
ser enfaticamente ponderados pela sociedade, pois as pressões (presentes e projetadas) nestes
ecossistemas podem torná-los funcionalmente extintos.

76
6 - REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Ab´Sáber, A.N. 2005. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São


Paulo: Ateliê Editorial, 160 pp.
Alecrim, J.D. 1982. Recursos Minerais do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte:
METAMIG, 298 pp.
Alkmim, F.F. & Marshak, S. 1998. Transamazonian orogeny in the southern São Francisco
Craton Region, Minas Gerais, Brazil: evidence for paleoproterozoic collision and
collapse in the Quadrilátero Ferrífero. Precambrian Research, 90: 29-58.
ALMG – Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais. 2009. Municípios mineiros.
Disponível em:
http://www.almg.gov.br/index.asp?grupo=estado&diretorio=munmg&arquivo=municipi
os&municipio=30101. Consulta em 02/11/2009.
Antunes, F.Z. 1986. Caracterização climática do Estado de Minas Gerais. Informe
Agropecuário, 138: 9-13.
Atkins, S. 2005. The genus Stachytarpheta (Verbenaceae) in Brazil. Kew Bulletin, 60(2):161-
272.
Auler, A. 2006. Relevância de cavidades naturais subterrâneas: contextualização, impactos
ambientais e aspectos jurídicos. Relatório técnico. Ministério de Minas e Energia
(MME) Brasília, 166 pp.
Auler, A. & Piló, L.B. 2005. Introdução às cavernas em minério de ferro e canga. O Carste,
17(3):70-72.
Baeta, A. & Piló, H. 2005. Arqueologia do Quadrilátero Ferrífero: aspectos preliminares
sobre sua ocupação. Estudo de caso do Capão Xavier. O Carste, 17(3):116-131.
Baltazar, O.F.; Baars F.J.; Lobato, L.M.; Reis, L.B.; Achtschin, A.B.; Berni, G.V.; Silveira,
V.D. 2005. Mapa Geológico do Quadrilátero Ferrífero na Escala 1: 50.000 com Nota
Explicativa. In: Projeto Geologia do Quadrilátero Ferrífero - Integração e Correção
Cartográfica em SIG com Nota Explicativa. CODEMIG. Belo Horizonte. DVD.
Beier, P. & Noss, R.F. 1998. Do hábitat corridors provide connectivity? Conservation
Biology, 12(6): 1241-1252.
Beuadette, D.E. & O’Genn, A.T. 2009. Soil-Web: An online soil survey for California,
Arizona, and Nevada. Computers & Geosciences, 35:2199-2128.
Biodiversitas. 2007. Revisão das Listas das Espécies da Flora e da Fauna Ameaçadas de
Extinção do Estado de Minas Gerais. Relatório Final. 36 pp.
Boggiani, P.C. & Coimbra, A.M. 2002. Morraria do Puga, MS – Típica associação
neoproterozóica de glaciação e sedimentação carbonática. In: Schobbenhaus, C.;
Campos, D. A.; Queiroz, E. T.; Winge, M.; Berbert-Born, M. L. C. (Edit.) 2002. Sítios
Geológicos e Paleontológicos do Brasil. DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios
Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP) – Brasília, 73-79.
Bongaarts, J. 2009. Human population growth and the demographic transition. Phil. Trans. R.
Soc. B, 364 : 2985–2990.
Brandão, M., Gavilanes, M.L., Buendia, J.P.L., Macedo, J.F. & Cunha, L.H.S. 1991.
Contribuição para o conhecimento da Cadeia do Espinhaço em Minas Gerais (Serra de
Itabirito) - III. Daphne 1:39-41.
Brandon, K.; Fonseca, G.A.B.; Rylands, A.B. & Silva, J.M.C. 2005. Conservação brasileira:
desafios e oportunidades. Megadiversidade, 1(1): 7-13.
Brasil. Decreto n° 62934, de 2 de julho de 1968. Aprova o Regulamento do Código de
Mineração.

77
Brasil. Resolução CONABIO n° 3, de 21 de dezembro de 2006. Dispõe sobre Metas
Nacionais de Biodiversidade para 2010.
Brasil. Instrução Normativa n° 6, de 23 de setembro de 2008. Lista Oficial das Espécies da
Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção.
Brasil. Lei n° 9985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e
VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da
Natureza e dá outras providências.
Callamander, M.W.; Schatz, G.E. & Lowry II, P.P. 2005. IUCN Red List assessment and the
Global Strategy for Plant Conservation: taxonomists must act now. Taxon, 54(4):1047-
1050.
Camphora, A.L. 2005. Compensação ambiental no benefício da sustentabilidade econômica
do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Relatório do Grupo Temático de
Sustentabilidade Econômica – Forum Nacional de Áreas Protegidas. Brasília, SBF-
MMA/Ibama/WWF/TNC/Funbio/CI.
Camphora, A.L. & May, P.H. 2006. A valoração ambiental como ferramenta de gestão em
unidades de conservação: há convergência de valores para o bioma Mata Atlântica?
Megadiversidade, 2(1/2):24-38.
Castro, P.T.A. 2008. Cangas: a influência da geodiversidade na biodiversidade. In: Simpósio
Afloramentos Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero: Biodiversidade, Conservação e
Perspectivas de Sustentabilidade. Belo Horizonte, 30-51 p. CD.
CECAV – Centro Nacional de Estudo, Proteção e Manejo de Cavernas. 2008. Mapa de
Potencialidades de Ocorrência de Cavernas Baseada na Litologia. Disponível em:
http://www.icmbio.gov.br/cecav/index.php?id_menu=323
Chetkiewicz, C.L.B; Clair, C.C.S & Boyce, M.S. 2006. Corridors for Conservation:
Integrating Pattern and Process. Annual Review of Ecology, Evolution, and Systematics,
37:317-342.
CDB – Convenção da Diversidade Biológica. 1992.
http://www.mma.gov.br/sitio/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=72&idConte
udo=2868. Consulta em 20/11/2009.
COPAM. 2008. Deliberação Conselho Estadual de Política Ambiental, N° 367 de 15 de
dezembro de 2008. Disponível em:
http://www.ief.mg.gov.br/imagens/stories/biodiversidade/microsoft%20word%20%floraa
meacada_dn367_2008.pdf .Consulta em 10/11/2009.
CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2007. Quadrilátero Ferrífero será reavaliado.
Informativo do Serviço Geológico do Brasil, 4(16):4-5.
CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2009. Carta Geológica do Brasil ao Milionésimo.
Disponível em:
http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=298&sid=26.
Consulta em 15 de outubro de 2009.
CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2009. GEOBANK. Disponível em:
http://geobank.sa.cprm.gov.br/. Consulta em 16 de outubro de 2009.
Costanza, R.; d’Arge, R.; de Groot, R.; Farberk, S.; Grasso, M.; Hannon, B.; Limburg, K.;
Naeem, S.; O’Neill, R.V.; Paruelo, J.; Raskin, R.G.; Sutton, P. & van den Belt, M. 1997.
The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, 387, 253–260.
Davis, E.G.; Pinto, E.J.A. & Pinto, M.C.F. 2004. Projeto APA Sul RMBH: estudos do meio
físico, hidrologia. Belo Horizonte: SEMAD/CPRM. CD.

78
DEC - Department of Environment and Conservation. 2009. Floristic surveys of the Banded
Ironstone Ranges. Information Sheet 23:1-2.
Dias, J; Bottura, G; Bacellar-Schittini, A.L.F. & Mercante, M.A. 2006. Geotecnologia de
identificação de prioridades para a conservação da biodiversidade: perspectivas e
potencialidades do planejamento sistemático da conservação. In: Anais 1º Simpósio de
Geotecnologias no Pantanal, Campo Grande, Brasil. Embrapa Informática
Agropecuária/INPE, p.602-607.
Dinerstein, E.; G.J. Schipper & D.M. Olson. 1995. A Conservation Assessment of the
Terrestrial Ecoregions of Latin America and the Caribbean. WWF, Washington DC,
EUA. 177pp.
DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. 2004. Informe Mineral. 25 pp.
Disponível em: www.dnpm.gov.br
DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. 2006. Anuário Mineral Brasileiro.
Disponível em: www.dnpm.gov.br
DNPM/PROGE. Parecer n° 146/2006. 2006. Conflito entre a atividade de aproveitamento
mineral e a preservação do meio-ambiente buscada pela criação de áreas de unidade de
conservação.
DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. 2007. Anuário Mineral Brasileiro.
Disponível em: www.dnpm.gov.br
DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. 2008. Ferro. Sumário Mineral.
Disponível em: www.dnpm.gov.br
DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. 2009. SIGMINE: Informações
Geográficas da Mineração. Disponível em http://sigmine.dnpm.gov.br/. Consulta em 5
de novembro de 2009.
Dorr II, J. v. N. 1964. Supergene iron ores of Minas Gerais, Brazil. Economic Geology, 59(7):
1203-1240.
Dorr II, J. v. N. 1969. Physiographic, stratigraphic and structural development of
Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brazil. USGS. Prof. Paper, 641-A. Washington.
110 p.
Drummond, G.M., C.S. Martins, A.B.M Machado, F.A. Sebaio & Y. Antonini (eds.). 2005.
Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação, 2a. ed. Fundação
Biodiversitas, Belo Horizonte, Brasil. 222 p.
Durigan, G; Ivanauskas, N.M.; Nalon, M.A.; Ribeiro, M.C.; Kanashiro, M.M.; Costa, H.B. &
Santiago, C.M. 2009. Protocolo de avaliação de áreas prioritárias para a conservação da
Mata Atlântica na região da Serra do Mar/Paranapiacaba. Revista do Instituto Florestal,
21(1): 39-54.
Eken, G.; Bennun, L.; Brooks, T.M.; Darwall, W.; Fishpool, L.D.C.; Foster, M.; Knox, D.;
Langhammer, P.; Matiku, P.; Radford, E.; Salaman, P.; Sechrest, W.; Smith, M.L.;
Spector, S. & Tordoff, A. 2004. Key biodiversity areas as site conservation targets.
BioScience, 54: 1110-1118.
Endo, I; Rosière, C.A. & Chemale Jr., F. 1991. Roteiro de excursão geológica no
Quadrilátero Ferrífero e regiões adjacentes. Ouro Preto, MG: UFOP, Escola de Minas.
57 p.
Eterovick, P. C. 2003. Distribution of anuran species among montane streams in southeastern
Brazil. Journal of Tropical Ecology, 19: 219-228.

79
FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente. 1998. A Questão Ambiental em Minas
Gerais, discurso e política. FEAM; Centro de Estudos Históricos e Culturais. Fundação
João Pinheiro. Belo Horizonte. 328 pp.
Fernandes, G.W.; Barbosa, N.P.U. & Mauricio, R.M. 2008. Sierra del Espinazo. 76-80 En:
Schüttler, E. & Karez, C.S. (eds). Especies exóticas invasoras en las Reservas de
Biosfera de América Latina y el Caribe. Un informe técnico para fomentar el intercambio
de experiencias entre las Reservas de Biosfera y promover el manejo efectivo de las
invasiones biológicas. UNESCO, Montevideo.
Ferreira, L.V.; Cunha, D.A. & Leal, D.C. 2008. O uso da Ecologia de Paisagens na avaliação
da representação das Unidades de Conservação e Terras Indígenas em relação às
ecorregiões da costa norte do Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Naturais,
3(2):143-150.
Ferreira, R.L. 2005. A vida subterrânea nos campos ferruginosos. O Carste, 3(17):106-115.
Ferreira, R.L. 2008. Ecossistemas subterrâneos nos campos ferruginosos. In: Simpósio
Afloramentos Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero: Biodiversidade, Conservação e
Perspectivas de Sustentabilidade. Belo Horizonte, 52-65. CD.
Franklin, J.F. & Lindenmayer, D.B. 2009. Importance of matrix hábitats in maintaining
biological diversity. Proceedings of the Academy of Sciences of the United States of
America, 106(2): 349-350.
Ginocchio, R. & Baker, A. J. M. 2004. Metallophytes in Latin America: a remarkable
biological and genetic resource scarcely known and studied in the region. Revista
Chilena Historia Natural, 77:185–194.
Ginsburg, J. 2001. The Application of IUCN Red List Criteria at Regional Levels.
Conservation Biology, 15(5): 1206-1212.
Girelli, M. 1994. Lajeados com gravuras na região de Corumbá, MS. Dissertação.
Universidade do Vale do Rio dos Sinos. 147 pp.
Giulietti, A.M.; Menezes, N.L; Pirani, J.R.; Meguro, M. & Wanderley, M.G.L. 1987. Flora da
Serra do Cipó, Minas Gerais: caracterização e lista de espécies. Boletim de Botânica da
Universidade de São Paulo, 9: 1-151.
Giulietti, A.M.; Pirani J.R.; Harley, R.M. 1997. Espinhaço Range Region, Eastern Brazil, Site
SA20. Centres of plant diversity: South America. Disponível em:
http://botany.si.edu/projects/cpd/sa/sa20.htm. Consulta em 17/11/2009
Giulietti, A.M.; Rapini, A.; Andrade, M.J.G; Queiroz, L.P. & Silva, J.M.C. (Org.). 2009.
Plantas Raras do Brasil. Belo Horizonte, MG. Conservation International, 496 pp.
Gomes, M.C.A.; Holten, B. & Sterll, M. 2006. A canção das palmeiras: Eugenius Warming,
um jovem botânico no Brasil. Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte. 248 pp.
Gontijo, B.M. 2008. Uma geografia para a Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade 4(1/2): 7-
14.
Gray, M. 2005. Geodiversity and geoconservation. The George Wright Forun, 22(3):4-12.
Griffith, J.J. & Toy, T.J. 2001. Evolution in revegetation of iron-ore mines in Minas Gerais
state, Brazil. Unasylva, 207(52):9-15.
Haralyi, N.L.E. & Walde, D.H.G. 1986. Os minérios de ferro e manganês da região de
Urucum, Corumbá, Mato Grosso do Sul. In: Schobbenhaus C. & Coelho C.E.S.
Principais Depósitos Minerais do Brasil: Ferro e Metais da Indústria do Aço, 2:127-144.
DNPM, Brasília.
Hels, T. & Buchwald, E. 2001. The effect of road kills on amphibian populations. UC Davis:
Road Ecology Center. Disponível em: http://www.escholarship.org/uc/item/0mf9859v

80
Hobbs, R.J. & Huenneke, L.F. 1992. Disturbances, diversity, and invasion: implications for
conservation. Conservation Biology, 6:324-337.
Hockings, M. 2003. Systems for Assessing the Effectiveness of Management in Protected
Areas. Biosciense, 53(9): 823-831.
Hoekstra, J.M.; Boucher, T.M.; Ricketts, T.H. & Roberts, C. 2005. Confronting a biome
crisis: global disparities of hábitat loss and protection. Ecology Letters, 8:23-29.
Huggett, R.T. 1995. Geoecology: an evolutionary approach. London & New York:
Routledge. 344 pp.
IBRAM – Instituto Brasileiro de Mineração. 2003. Contribuição do IBRAM para o
zoneamento ecológico-econômico e o planejamento ambiental de municípios integrantes
da APA-SUL RMBH, 322 pp.
IBRAM – Instituto Brasileiro de Mineração. 2008. Informações e Análises da Economia
Mineral Brasileira. Disponível em: www.ibram.org
IBRAM – Instituto Brasileiro de Mineração. 2009. A indústria de mineração em Minas
Gerais. Disponível em: www.ibram.org
IUCN. 1994. IUCN Red List Categories. IUCN. Gland, Switzerland.
IUCN. 2001. IUCN Red List categories. Version 3.1. Prepared by the IUCN Species Survival
Commission. World Conservation Union, Gland, Switzerland and Cambridge, United
Kingdom.
Jacobi, C.M.; Carmo, F.F.; Vincent, R.C.; Stehmann, J.R. 2007. Plant communities on
ironstone outcrops – a diverse and endangered Brazilian ecosystem. Biodiversity and
Conservation, 16: 2185-2200.
Jacobi, C.M. & Carmo, F.F. 2008a. The contribution of ironstone outcrops to plant diversity
in the Iron Quadrangle, a threatened Brazilian landscape. AMBIO 37 (4): 324-326.
Jacobi, C.M. & Carmo, F.F. 2008b. Diversidade dos campos rupestres ferruginosos no
Quadrilátero Ferrífero, MG. Megadiversidade, 4(1/2):24-32.
Jacobi, C.M. & Carmo, F.F. 2008c. Patrimônio Ecológico: Biodiversidade, Espécies
Endêmicas e Ameaçadas, 59-70 p. In: Patrimônio Natural-Cultural e Zoneamento
Ecológico-Econômico da Serra da Moeda: Uma Contribuição para sua Conservação.
SINDIEXTRA.
Jayalaxshmi, M. 1998. A preliminary Lichen Fire History (LFH) Key for the cerrado of the
Distrito Federal, central Brazil. Journal of Biogeography, 25(3):443-452.
Jennings, M.D. 2000. Gap Analysis: concepts, methods, and recent results. Landscape
Ecology, 15:5-20.
Klein, A.L. (Org.). 2002. Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois. São
Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado, 157 pp.
Klein, C. 2005. Some Precambrian banded iron-formation (BIFs) from around the world: their
age, geologic setting, mineralogy, metamorphism, geochemistry, and origin. American
Mineralogist, 90:1473-1499.
Klein, C. & Ladeira, E.A. 2002. Petrography and geochimistry of the least altered banded
iron-formation of the archean Carajás formation, northern Brazil. Economic Geology,
97:643-651.
Leite, F.S.F.; Juncá, F.A. & Eterovick, P.C. 2008. Status do conhecimento, endemismo e
conservação de anfíbios anuros da Cadeia do Espinhaço, Brasil. Megadiversidade,
4(1/2):182-200.
Leme, M.C. & C.C. Paula. 2004. Two new species of Brazilian Bromeliaceae. Vidalia, 2: 21-
29.

81
Lewinsohn, T.M. & Prado, P.I. 2005. Quantas espécies há no Brasil. Megadiversidade,
1(1):36-42.
Lindenmayer, Z.G.; Laux, J.H. & Teixeira, J.B.G. 2001. Considerações sobre a origem das
formações ferríferas da formação Carajás, Serra dos Carajás. Revista Brasileira de
Geociências, 31(1):21-28.
Lobato, L.M.; Baltazar, O.F.; Reis, L.B.; Achtschin, A.B.; Baars, F.J.; Timbó, M.A.; Berni,
G.V; Mendonça, B.R.V.; Ferreira, D.V. 2005. Projeto Geologia do Quadrilátero Ferrífero
- Integração e Correção Cartográfica em SIG com Nota Explicativa. Belo Horizonte:
CODEMIG. DVD.
Lobato, L.M. & Pedrosa-Soares, A.C. 1993. Síntese dos recursos minerais do Cráton São
Francisco e Faixas Marginais em Minas Gerais. Geonomos, 1(1):51-64.
Machado, M.M.M. 2009. Construindo a imagem geológica do Quadrilátero Ferrífero:
conceitos e representações. Tese de Doutorado. 238 p. Universidade Federal de Minas
Gerais.
Magalhães, M.P. 2006. O Homem das cavernas de Carajás. In: João Batista Guimarães
Teixeira; Vanderlei de Rui Beisiegel. (Org.). In: Carajás: geologia e ocupação humana. 1
ed. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 91-126.
Margules C.R. & Pressey R.L. 2000. Systematic conservation planning. Nature, 405: 243–
253.
Martins, C.S. 2000. Caracterização física e fitogeográfica de Minas Gerais. In: Mendonça,
M.P. & Lins, L.V.(orgs). Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora
de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, Fundação Zoo-Botânica de
Belo Horizonte.
Martius, C.Ph.F. von 1906. Flora brasiliensis, vol. 1, Tabulae physiognomicae, prancha L.
Disponível em http://florabrasiliensis.cria.org.br/opus?vol=1. Consulta em 21/05/2009.
Maurity, C.W. & Kotschoubey, B. 2005. Evolução recente da cobertura de alteração no Platô
N1 Serra de Carajás – PA. Degradação, peseudocarstificação, espeleotemas. O Carste,
17(1): 78-91.
May, P.H.; F. Veiga Neto & O. Chévez. 2000. Valoração econômica da biodiversidade:
estudos de caso no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de
Biodiversidade e Florestas, PROBIO.
Meirelles, S.T.; Pivello, V.R. & Joly, C.A. 1999. The vegetation of granite rock outcrops in
Rio de Janeiro, Brazil, and the need for its protection. Environmental Conservation, 26:
10-20.
Meyer, S.T.; da Silva, A.F.; Júnior, P.M. & Neto, J.A.A.M. 2004. Composição florística da
vegetação arbórea de um trecho de floresta de galeria do Parque Estadual do Rola-Moça
na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, Brasil. Acta bot. bras. 18(4): 701-709.
Mello, C.L.; Sant’Anna, L.G.& Bergqvist, L.P. 2002. Fonseca, MG - Vegetais fósseis do
Terciário brasileiro. In: Schobbenhaus, C.; Campos, D.A.; Queiroz, E.T.; Winge, M.;
Berbert-Born, M.L.C. (Edits.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. 1. Brasilia:
DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP),
1:73-79. Disponível em: http://www.unb.br/ig/sigep/sitio086/sitio086.pdf
Minas Gerais. Deliberação Normativa n.º 74, de 09 de setembro de 2004. Estabelece critérios
para classificação, segundo o porte e potencial poluidor, de empreendimentos e
atividades modificadoras do meio ambiente passíveis de autorização ambiental ou de
licenciamento ambiental no nível estadual, determina normas para indenização dos
custos de análise de pedidos de autorização ambiental e de licenciamento ambiental, e
dá outras providências.

82
Minas Gerais. Diretiva COPAM, nº. 2, de 26 de maio de 2009. Estabelece diretrizes para
revisão das normas regulamentares do Conselho Estadual de Política Ambiental –
COPAM especialmente aquelas referentes aos mecanismos e critérios para a
classificação de empreendimentos e atividades modificadoras do meio ambiente sujeitos
à regularização ambiental.
MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2008. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso
Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Atualização -
Portaria MMA n°9, de 23 de janeiro de 2007. / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria
de Biodiversidade e Florestas. – Brasília: MMA, (Série Biodiversidade, 31), 327 pp.
Miranda, E. E. (Coord.). 2005. Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por
Satélite, 2005.Disponível em: http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br. Acesso em: 9 nov.
2009.
Mourão, A. & Stehmann, J.R. 2007. Levantamento da flora do campo rupestre sobre canga
hematítica couraçada remanescente na Mina do Brucutu, Barão de Cocais, Minas Gerais,
Brasil. Rodriguésia, 58 (4): 775-786.
Myers, N.; Mittermeier, R.A.; Mittermeier, C.G.; Fonseca, G.A.B. & Kent, J. 2000.
Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403: 853–858.
Novacek, M.J. & Cleland, E.E. 2001. The current biodiversity extinction event: Scenarios for
mitigation and recovery. Proceedings of the Academy of Sciences of the United States of
America, 98(10):5466-5470.
Oliveira-Filho, A.T. 2009. Classificação das Fitofisionomias da América do Sul Cisandina
Tropical e Subtropical: Proposta de um novo sistema – prático e flexível – ou uma
injeção a mais de caos? Revista Rodriguésia, 60(2): 237-258.
Piacentini, T.; Boggiani, P.C.; Yamamoto, J.K.; Freitas, B.T. & Campanha, G.A.C.C. 2007.
Formação ferrífera associada à sedimentação glaciogênica da Formação Puga
(Marinoano) na Serra da Bodoquena, MS. Revista Brasileira de Geociências, 37(3): 530-
541.
Piló, H. & Baeta, A.M. 2007. As Ocupações Pré-coloniais nos campos ferruginosos de Minas
Gerais. In: I Simpósio de Arqueologia e Patrimônio, Juiz de Fora. Arqueologia e
Patrimônio de Minas Gerais. Juiz de Fora: Editar, p. 109-128.
Pimm, S.L.; Russel, G.L.; Gittleman, J.L. & Brooks, T.M. 1995. The future of biodiversity.
Science, 269:347-350.
Pirani, J.R.; Mello-Silva, R. & Giulietti, A.M. 2003. Flora de Grão-Mogol, Minas Gerais,
Brasil. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, 21: 1-24.
Porembski, S. & Barthlott, W. (Eds.). 2000. Inselbergs. Biotic diversity of isolated rock
outcrops in tropical and temperate regions. Springer-Verlag, Berlim, 524 pp.
Pressey, R.L.; Johnson I.R. & Wilson, P.D. 1994. Shades of irreplaceability: Towards a
measure of the contribution of sites to a reservation goal. Biodiversity and Conservation,
3: 242–262.
Pressey, R. L. & Taffs, K.H. 2001. Scheduling conservation action in production landscapes:
priority areas in western New South Wales defined by irreplaceability and vulnerability
to vegetation loss. Biological Conservation, 100(3):355-376.
Rapini, A. 2000. Sistemática: Estudos em Asclepiadoideae (Apocynaceae) da Cadeia do
Espinhaço de Minas Gerais. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.
Rapini, A.; Mello-Silva, R. & Kawasaki, M.L. 2002. Richness and endemism in
Asclepiadoideae (Apocynaceae) from the Espinhaço Range of Minas Gerais, Brazil – a
conservationist view. Biodiversity and Conservation, 11: 1733–1746.

83
Rapini, A; Ribeiro, P.L. & Pirani, J.B. 2008. A flora dos campos rupestres da Cadeia do
Espinhaço. Megadiversidade, 4(1/2): 16-23.
Rapini, A; Andrade, M.J.G.; Giulietti, A.M.; Queiroz, L.P. & Silva, J.M.C. 2009. Introdução.
In: Giulietti, A.M.; Rapini, A.; Andrade, M.J.G; Queiroz, L.P. & Silva, J.M.C. (Org.).
Plantas Raras do Brasil. Belo Horizonte, MG. Conservation International.
Rios, R.I. 1995. Relação dos modelos ecológicos com os modelos da economia ou os
descendentes de Adam (Adão) Smith povoaram o mundo. 361-391. In: Desenvolvimento
Social: Desafios e Estratégias, Vol. II. (Org.) Neto, M.I.D. – UFRJ/EICOS.
Rodrigues, A.S.L.; Akçakaya, H.R.; Andelman, S.J.; Bakarr, M.I.; Boitani, L.; Brooks, T.M.;
Chanson, J.S.; Fishpool, L.D.C.; Fonseca, G.A.B.; Gaston, K.J.; Hoffmann, M.; Marquet,
P.A.; Pilgrim, J.D.; Pressey, R.L.; Schipper, J.; Sechrest, W.; Stuart, S.N.; Underhill,
L.G.; Waller, R.W.; Watts, M.E.J. & Yan, X. 2004. Global gap analysis: priority regions
for expanding the global protected-area network. BioScience, 54:1092-1100.
Romeiro, A.R. 2006. Economia e biodiversidade. Megadiversidade, 2(1/2): 7-9.
Rosière, C.A. & Chemale Jr., F. 2000a. Brazilian iron formations and their geological setting.
Revista Brasileira de Geociências, 30(2):274-278.
Rosière, C.A. & Chemale Jr., F. 2000b. Itabiritos e minérios de ferro de alto teor do
Quadrilátero Ferrífero – uma visão geral e discussão. Geonomos, 8(2): 27-43.
Rosière,C.A.; Renger,F.E.; Piuzana,D.; Spier,C.A. 2005. Pico de Itabira, MG - Marco
estrutural, histórico e geográfico do Quadrilátero Ferrífero. In: Winge, M.;
Schobbenhaus,C.; Berbert-Born,M.; Queiroz,E.T.; Campos,D.A.; Souza,C.R.G. &
Fernandes,A.C.S. (Edit.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Publicado na
Internet em 21/6/2005 no endereço http://www.unb.br/ig/sigep/sitio042/sitio042.pdf
Ruchkys, U.A.; Renger, F.E.; Noce, C.M.; Machado, M.M.M. 2007. Serra da Piedade,
Quadrilátero Ferrífero, MG - da lenda do Sabarabuçu ao patrimônio histórico,
geológico, paisagístico e religioso In: Winge, M.; Schobbenhaus, C.; Berbert-Born, M.;
Queiroz, E.T.; Campos, D.A.; Souza, C.R.G.; Fernandes, A.C.S. (Edit.) Sítios
Geológicos e Paleontológicos do Brasil.
Disponível em http://www.unb.br/ig/sigep/sitio129/sitio129.pdf
Ruchkys, U.A. 2008. Geoparque do Quadrilátero Ferrífero: uma abordagem
multidisciplinar. In: Simpósio Afloramentos Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero:
Biodiversidade, Conservação e Perspectivas de Sustentabilidade. Belo Horizonte, 66-77.
CD.
Rylands, A.B. & Brandon, K. 2005. Unidades de conservação brasileiras. Megadiversidade,
1(1):27-35.
Safford, H. D. 2001. Brazilian Páramos. III. Patterns and rates of postfire regeneration in
Campos de Altitude. Biotropica, 33: 282-302.
Salino, A. & Almeida, T.E. 2008. Diversidade e conservação das pteridófitas na Cadeia do
Espinhaço, Brasil. Megadiversidade, 4(1/2):78-98.
Sant’Anna, L.G. & Schorsch, H.D. 1997. Estratigrafia e mineralogia dos depósitos cenozóicos
da região da Bacia de Fonseca, Estado de Minas Gerais, Brasil. Anais da Academia
Brasileira de Ciências, 69(2):211-226.
Santos, F.M. 1973. A mineração de ferro no Quadrilátero Ferrífero. 125 p. Tese Doutorado.
Universidade Federal de Minas Gerais.
Schaefer, C.E.G.R.; Mendonça, B.A.F.; Corrêa, G.R. & Ribeiro, A.S.S. 2008. Solos
desenvolvidos sobre canga ferruginosa no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. In:
Simpósio Afloramentos Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero: Biodiversidade,
Conservação e Perspectivas de Sustentabilidade. Belo Horizonte, 109-121. CD.

84
Schobbenhaus C. & Coelho C.E.S. 1986. Principais Depósitos Minerais do Brasil: Ferro e
Metais da Indústria do Aço. DNPM, Brasília. 501 pp.
Schywartz, M.W. 1999. Choosing the appropriate scale of reserves for conservation. Annual
Review of Ecology and Systematics, 30:83-108.
SIAM/SEMAD - Sistema Integrado de Informação Ambiental. 2009. SIG para Mineração.
Disponível em http://www2.siam.mg.gov.br/webgis/mineracao/viewer.htm. Consulta dia
17/12/2009.
Silva, J.M.C. & J.M. Bates. 2002. Biogeographic patterns and conservation in the South
American Cerrado: a tropical savanna hotspot. BioScience, 52: 225-233.
Silva, M. S. 2008. Ecologia e conservação das comunidades de invertebrados cavernícolas na
Mata Atlântica Brasileira. 216 p. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Minas
Gerais.
Silvano, D.L. & Segalla, M.V. 2005. Conservação de anfíbios no Brasil. Megadiversidade,
1(1):79-86.
SISEMA – Sistema Estadual de Meio Ambiente. 2008. Parecer único n° 001/2008. Anglo
Ferrous Minas-Rio Mineração S.A.
Spix, J.B. & Martius, C.F.P. 1824. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Tradução Lucia Furquim
Lahmeyer. Ed. Itatiaia, Belo Horizonte, ed. 1981, 3v.
Spósito, T.C. & Stehmann, J.R. 2006. Heterogeneidade florística e estrutural de
remanescentes florestais da Área de Proteção Ambiental ao Sul da Região Metropolitana
de Belo Horizonte (APA Sul-RMBH), Minas Gerais, Brasil. Acta bot. bras., 20(2): 347-
362.
Teixeira, W.A. & J.P. Lemos-Filho. 1998. Metais pesados em folhas de espécies lenhosas
colonizadoras de uma área de mineração de ferro em Itabirito, Minas Gerais. Revista
Árvore, 22: 381–388.
Toy, T.J. & Griffith, J.J. 2001. Changing surface-mine reclamation practices in Minas Gerais,
Brazil. International Journal of Surfaces Mining, Reclamation and Environment, 15:33-
51.
Toy, T.J.; Griffith, J.J. & Ribeiro, C.A.A. 2001. Planejamento a longo prazo da revegetação
para o fechamento de minas a céu aberto no Brasil. Revista Árvore, 25:487-499.
UNEP/CBD/COP/6. 2001. Decision VI. Strategic Plan for the Convention on Biological
Diversity. Disponível em: http://www.cbd.int/decision/cop/?id=7200. Consulta:
10/12/2009
Urban, H.; Stribrny, B & Lippolt, H.J. 1992. Iron and Manganese deposits of the Urucum
District, Mato Grosso do Sul, Brazil. Ecomonic Geology, 87-1375-1392.
U.S. Census Bureau. 2009. http://www.census.gov/main/www/popclock.html. Consulta em
01/12/2009.
Vandermeer, J. & Carvajal, R. 2001. Metapopulation Dynamics and the Quality of the Matrix.
American Naturalist, 158:211-220.
Varajão, C.A.C. 1991. A questão da correlação das superfícies de erosão do Quadrilátero
Ferrífero, Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências, 21: 138-145.
Vasconcelos, M.F.; Lopes, L.E.; Machado, C.G. & Rodrigues, M. 2008. As aves dos campos
rupestres da Cadeia do Espinhaço: diversidade, endemismo e conservação.
Megadiversidade, 4(1/2): 221-241.
Veloso, H. P.; Rangel-Filho, A. L. R. & Lima, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira
adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1991. 123 pp.
Versieux, L.M.; Wendt, T.; Louzada, R.B. & Wanderley, M.G.L. 2008. Bromeliaceae da
Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, 4(1/2):126-138.

85
Viana, P.L. 2008. A flora dos campos rupestres ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero. In:
Simpósio Afloramentos Ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero: Biodiversidade,
Conservação e Perspectivas de Sustentabilidade. Belo Horizonte, 15-29. CD.
Viana, P.L. & J.A. Lombardi. 2007. Florística e caracterização dos campos rupestres sobre
canga na Serra da Calçada, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, 58: 159-177.
Vilela O.V. 1986. As jazidas de minério de ferro dos municípios de Porteirinha, Rio Pardo de
Minas, Riacho dos Machados e Grão-Mogol, norte de Minas Gerais. In: Schobbenhaus
C. & Coelho C.E.S. Principais Depósitos Minerais do Brasil: Ferro e Metais da Indústria
do Aço, 2:111-120.
Vincent, R. C. 2004. Florística, fitossociologia e relações entre a vegetação e o solo em área
de campos ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais [Tese de doutorado].
São Paulo: Universidade de São Paulo. 145 p.
Vincent, R.C. & Meguro, M. 2008. Influence of soil properties on the abundance of plant
species in ferruginous rocky soils vegetation, southeastern Brazil. Revista Brasil. Bot.,
31(3):377-388.
Walde, D.H.G. 1986. Geologia do ferro. In: Schobbenhaus C. & Coelho C.E.S. Principais
Depósitos Minerais do Brasil: Ferro e Metais da Indústria do Aço. DNPM, Brasília.
Walter, H.S. 2004. The mismeasure of islands: implications for biogeographical theory and
the conservation of nature. Journal of Biogeography, 31:177–197.
Whelan, R. J. 1997. The Ecology of Fire. Cambridge University Press, Cambridge. 346 pp.
Whiting, S.N.; Reeves, R.D. & Baker, A.J.M. 2002. Conserving Biodiversity: Mining
Metallophytes and Land Reclamation. Mining Environmental Management, 10: 11-16.
Whiting, S.N.; Reeves, D.; Richards, D.; Johnson, M.S.; Cooke, F.; Malaisse, A.; Paton,
J.A.C.; Smith., J.S.; Angle, R.L.; Chaney, R.; Ginocchio, T.; Jaffré, R.; Johns, T.;
McIntyre, O. W.; Purvis, D.E.; Salt, F.J.; & Baker, A.J.M. 2004. Research priorities for
conservation of metallophyte biodiversity and their potential for restoration and site
remediation. Restoration Ecology, 12: 106-116.
Wilcox, B.A. & Murphy, D.D. 1985. Conservation strategy: the effects of fragmentation on
extinction. Americam Naturalist, 125:879-887.
Winge, M. 1999. O que é um sítio geológico? In: Sítios Geológicos e Paleontológicos do
Brasil, SIGEP. Disponível em: http://www.unb.br/ig/sigep/apresenta.htm
Winge, M.; Crósta, A.P.; Neves, B.B.B; Alvarenga, C.J.S.; Schobbenhaus, C.; Carneiro,
C.D.R.; Dias-Brito, D; Danni, J.C.M.; daSilva, J.G.R.; Filho, J.O.A.; Blum, M.L.B.;
Santos, M.D.; Pimentel, M.M.; Botelho, M.F.; Boggiani, P.C. & d’Avila, R.S.F.. 2001.
Glossário Geológico Ilustrado. Disponível em http://www.unb.br/ig/glossario
Woodwell, G.M. 2002. On purpose in science, conservation and government. Ambio,
31(5):432-436.
WWF International & IUCN. 1999. Metals from the forests: Mining and forest degradation.
Arborvitae (número especial): 1-40.

86
Anexo 1 – Localização das 34 cangas avaliadas a partir do protocolo elaborado para o
conhecimento do estado de conservação das cangas localizadas no
Quadrilátero Ferrífero, MG.

Canga n° Área (ha) Altitude (m) Localidade Estrutura Geológica


1 8 1350 Serra do Itatiaiuçu Serra do Curral
2 30 1350 Serra do Itatiaiuçu Serra do Curral
3 6 1276 Serra do Itatiaiuçu Serra do Curral
4 22 900 Serra do Itatiaiuçu Serra do Curral
5 46 1450 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
6* 200 1490 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
7 29 1400 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
8 3 1310 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
9 4 1300 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
10 38 1430 P.E.S. Rola Moça Serra do Curral
11 2 1510 Serra da Moeda Sinclinal Moeda
12 317 1540 Serra da Moeda Sinclinal Moeda
13 5 1530 Serra da Moeda Sinclinal Moeda
14 42 1500 Serra da Moeda Sinclinal Moeda
15 1 1600 Serra de Belo Vale Sinclinal Moeda
16 1 1300 Serra de Belo Vale Sinclinal Moeda
17 10 1540 Serra de Belo Vale Sinclinal Moeda
18 28 1870 Serra de Capanema Sinclinal C. História
19 44 1830 Serra de Capanema Sinclinal C. História
20 151 1730 Serra de Capanema Sinclinal C. História
21 23 1650 Serra de Capanema Sinclinal C. História
22 901 1650 Serra de Gandarela Sinclinal Gandarela
23 400 1650 Serra de Gandarela Sinclinal Gandarela
24 1291 1200 Serra de Gandarela Sinclinal Gandarela
25 1050 930 Chapada de Canga Chapada de Canga
26 22 1320 P.E. do Itacolomi Sinclinal D. Bosco
27 80 1450 Ouro Preto Sinclinal D. Bosco
28 14 1420 M. do Tamanduá Sinclinal Moeda
29 11 1460 M. do Tamanduá Sinclinal Moeda
30 15 1130 UFOP Sinclinal D. Bosco
31 16 1500 Serra da Brígida Sinclinal D. Bosco
32 20 1570 Serra da Piedade Serra do Curral
33 52 1630 Serra da Piedade Serra do Curral
34 10 1380 Serra do Curral Serra do Curral

* Cerca de 100 ha encontram-se fora dos limites do P.E.S. do Rola Moça.

87
Anexo 2 - Esquema de classificação hierárquica utilizada para as ecorregiões da América Latina e Caribe (Dinerstein et al., 1995).

Tipo Principal de Ecossistema Tipo Principal de Hábitat Biorregião


(Major Ecosyistem Type – MET) (Major Habitat Type – MHT) (Bioregion)
Florestas latifoliadas tropicais Florestas latifoliadas tropicais úmidas Norte do México
Ocorrem no sul do México e sul da América do Sul, América Central
regiões dos Andes, sudeste do Brasil (Mata Atlântica). Caribe
Florestas latifoliadas tropicais secas Norte dos Andes
Ocorrem no sul do México, centro e nordeste do Brasil, Amazônia
leste da Bolívia e sul da América do Sul América do Sul Oriental
Florestas latifoliadas temperadas Florestas temperadas Orenoco
Extremo sul da América do Sul América do Sul meridional
Florestas de coníferas Andes Centrais
Ocorrem no centro e sul do México, norte da América
Central e sul do Brasil
Campos, savanas, arbustais Campos, savanas, arbustais
México, América do Sul e Llanos da Venezuela
Campos inundáveis
Amazônia e centro da América do Sul
Campos montanos
Andes e estepes da Patagônia

88
continuação...
Tipo Principal de Ecossistema Tipo Principal de Hábitat Biorregião
(Major Ecosyistem Type – MET) (Major Hábitat Type – MHT) (Bioregion)
Formações xéricas Formações mediterrâneas
Norte do México e áreas disjuntas no Chile
Desertos e formações xéricas
Norte do México, Antilhas, Colômbia, Venezuela, Peru e Chile
Restingas
Brasil, Argentina Venezuela e México

89
Anexo 3 – Locais de ocorrência de cangas no Quadrilátero Ferrífero, MG.
Estrutura ou *Formação Geológica Municípios Localidades/Topônimos
*Chapada de Canga Catas Altas Chapada de Canga
Mariana Morro da Água Quente
Serra do Curral Belo Horizonte Serra da Mutuca
Brumadinho Serra da Piedade
Caeté Serra de Itatiaiuçu
Ibirité Serra do Curral
Igarapé Serra do Rola Moça
Itatiaiuçu Serra dos Três Irmãos
Mario Campos Serra do Barreiro
Mateus Leme
Nova Lima
Sabará
São J. de Bicas
Sarzedo
Sinclinal Alegria Mariana
Ouro Preto
Sinclinal Conta História Mariana Alto do Conta História; Timbopeba;
Ouro Preto Serra de Capanema; Serra do Batatal;
Sinclinal Dom Bosco Mariana Saramenha, Serra da Bocaina;
Ouro Branco Serra da Brígida; Serra do Itacolomi;
Ouro Preto Serra de Ouro Branco; Serra do Fundão;
Serra de Ouro Preto; Tripuí
Sinclinal Gandarela Barão de Cocais Platô da Lagoa Grande
Caeté Serra da Pedra Formosa
Rio Acima Serra de Gandarela
Santa Bárbara Serra de Gongo Soco
São Gonçalo Serra do Tamanduá
do Rio Abaixo Serra do Machado
Sinclinal Moeda Belo Vale Serra da Moeda; Morro do Chapéu
Brumadinho Morro do Tamanduá
Congonhas Serra da Boa Morte
Itabirito Serra da Calçada; Serra da Gama
Jeceaba Serra de Itabirito; Serra das Almas
Moeda Serra do Galinheiro; Serra de Belo Vale
Nova Lima Serra das Serrinhas
Ouro Preto Serra do Pires; Serra do Batateiro
Rio Acima Serra dos Mascates; Serra dos Trovões
Sinclinal Ouro Fino Itabirito Serra de Ouro Fino
Santa Bárbara
Outros Mariana Brumal
Ouro Preto Serra de Antônio Pereira
Santa Bárbara Serra das Andorinhas

90