Você está na página 1de 20

Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

NORMA ABNT NBR


BRASILEIRA 17505-3
Segunda edição
07.02.2013

Válida a partir de
07.03.2013

Versão corrigida
06.03.2013
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

Armazenamento de líquidos inflamáveis e


combustíveis
Parte 3: Sistemas de tubulações
Storage of flammable and combustible liquids
Part 3: Piping systems

ICS 75.200 ISBN 978-85-07-04024-8

Número de referência
ABNT NBR 17505-3:2013
12 páginas

© ABNT 2013
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

© ABNT 2013
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por
escrito da ABNT.

ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 3974-2346
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br

ii © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

Sumário Página

Prefácio ...............................................................................................................................................iv
Introdução ............................................................................................................................................v
1 Escopo ................................................................................................................................1
2 Referências normativas .....................................................................................................1
3 Termos e definições ...........................................................................................................2
4 Requisitos gerais ...............................................................................................................2
4.1 Normas de desempenho....................................................................................................2
4.2 Estanqueidade das tubulações .........................................................................................2
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

5 Materiais de construção para sistemas de tubulações ..................................................3


5.1 Especificações de materiais .............................................................................................3
5.2 Ferro nodular ......................................................................................................................3
5.3 Materiais para fabricação de válvulas ..............................................................................3
5.4 Materiais com baixo ponto de fusão ................................................................................3
5.4.1 Limitações de uso ..............................................................................................................3
5.4.2 Compatibilidade dos materiais .........................................................................................4
5.4.3 Projeto e montagem das tubulações ................................................................................4
5.4.4 Materiais de revestimento .................................................................................................4
5.4.5 Tubulações não metálicas .................................................................................................4
5.5 Junção de tubos .................................................................................................................4
5.5.1 Estanqueidade de junções de tubos ................................................................................4
5.5.2 Juntas flexíveis ...................................................................................................................4
5.5.3 Juntas por atrito .................................................................................................................4
5.6 Instalação de sistemas de tubulações .............................................................................5
5.6.1 Requisitos gerais ...............................................................................................................5
5.6.2 (*) Suportes sob tensão .....................................................................................................5
5.6.3 Penetração de tubos ..........................................................................................................5
5.6.4 (*) Proteção contra corrosão .............................................................................................5
5.6.5 Instalação de tubulações subterrâneas ...........................................................................5
5.6.6 Válvulas ...............................................................................................................................6
5.6.7 Tubulações comuns à carga e descarga ..........................................................................6
5.7 Ensaios de sistemas de tubulação ...................................................................................6
5.7.1 Ensaios iniciais ..................................................................................................................6
5.7.2 Ensaio inicial de tubulações com contenção secundária ..............................................7
5.7.3 Ensaios durante a manutenção ........................................................................................7
5.8 Tubulações de respiro .......................................................................................................7
5.8.1 Tubulação de respiro para tanques de superfície ...........................................................7
5.8.2 Tubulação de respiro para tanques subterrâneos ..........................................................8
5.9 Aterramento seguro ...........................................................................................................9
5.10 (*) Identificação e marcação de sistema de tubulação .................................................10
5.11 Requisitos especiais para tubulações marítimas .........................................................10

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados iii


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

Anexos
Anexo A (informativo) Material explanatório ....................................................................................11
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

iv © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

Prefácio

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas


Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos,
delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretiva ABNT, Parte 2.

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que
alguns dos elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

considerada responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes.

A ABNT NBR 17505-3 foi elaborada pelo Organismo de Normalização Setorial de Petróleo
(ABNT/ONS-34), pela Comissão de Estudo de Distribuição e Armazenamento de Combustíveis
(CE-34:000.04). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 08, de 22.08.2012
a 22.10.2012, com o número de Projeto ABNT NBR 17505-3.

Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 17505-3:2006), a qual foi
tecnicamente revisada.

Esta Norma é baseada na NFPA 30:2012.

A ABNT NBR 17505, sob o título geral “Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis”, tem
previsão de conter as seguintes partes:

— Parte 1: Disposições gerais;

— Parte 2: Armazenamento em tanques, em vasos e em recipientes portáteis com capacidade


superior a 3 000 L;

— Parte 3: Sistemas de tubulações;

— Parte 4: Armazenamento em recipientes e em tanques portáteis;

— Parte 5: Operações;

— Parte 6: Requisitos para instalações e equipamentos elétricos;

— Parte 7: Proteção contra incêndio para parques de armazenamento com tanques estacionários.

Nesta Parte da ABNT NBR 17505, onde aparecer (*) após o número ou a letra que designa uma
seção, subseção ou parágrafo, significa que existe um material explanatório, que pode ser encontrado
no Anexo A.

Esta versão corrigida da ABNT NBR 17505-3:2013 incorpora a Errata 1 de 06.03.2013.

O Escopo desta Norma Brasileira em inglês é o seguinte:

Scope
This Part of ABNT NBR 17505 shall apply to the design, installation, testing, operation, and maintenance
of piping systems for flammable and combustible liquids or vapors. Such piping systems shall include
but not limited to pipe, tubing, flanges, bolting, gaskets, valves, fittings, flexible connectors, the pressure

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados v


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

containig parts of other components including but not limited to expansion joints and strainers, and
devices that serve purpose as mixing, separating, snubbing, distributing metering, control of flow
or secondary containment.

This Part of ABNT NBR 17505 shall not apply to any of the following:

a) tubing or casing on any oil or gas wells and any piping connected directly thereto;

b) motor vehicles, aircraft, boats, or piping that is integral to a stationary engine assembly;

c) piping withing the scope of any applicaple boiler and pressure vessel code.
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

This Part of Standard shall not apply to items listed in 1.1.1 of ABNT NBR 17505-1:2012

The provisions of this Part of ABNT NBR 17505 shall not apply to facilities, equipment, structures,
or installations that existed or were approved for construction or installation prior to the effective date
of the Standard. However, any reforms that change the characteristics of the design or (of the)
equipment, and the expansions of the installations, initiated from the effective date of this Part of the
ABNT NBR 17505 shall follow to your provisions. In these situations, shall be evidenced the Standards,
existing in the moment of the fact, for buildings, equipment, structuresor installations already existing
or approved.

vi © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

Introdução

A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a Legislação Nacional aplicável.


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados vii


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 17505-3:2013

Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis


Parte 3: Sistemas de tubulações

1 Escopo
1.1 Esta Parte da ABNT NBR 17505 se aplica ao projeto, instalação, ensaios, operação e manu-
tenção de sistema de tubulação para líquidos ou vapores inflamáveis e combustíveis. Tais sistemas
de tubulação incluem, mas não se limitam a, tubos, tubos de pequenos diâmetros (tubing), flanges,
parafusos, gaxetas, válvulas, acessórios, conexõesflexíveis, partes pressurizadas de outros compo-
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

nentes (incluindo, mas não se limitando a, juntas de expansão e filtros) e dispositivos que se aplicam
à mistura, separação, distribuição, medição, controle de vazão ou contenção secundária.

1.2 Esta Parte da ABNT NBR 17505 não se aplica ao seguinte:

a) tubulações ou revestimento de poços de óleo ou gás e as tubulações interligadas diretamente


a estes;

b) tubulações internas a veículos, aviões, embarcações ou tubulações que sejam parte integrante
de uma máquina estacionária;

c) tubulações que estejam inseridas no escopo de qualquer código aplicável a caldeiras e vasos
de pressão.

1.3 Para as demais restrições ao emprego desta Parte da ABNT NBR 17505, ver
ABNT NBR 17505 -1:2013, 1.2.

1.4 As disposições desta Parte da ABNT NBR 17505 não se aplicam às edificações, equipamentos,
estruturas ou instalações já existentes ou aprovados para a construção ou instalação antes da data
da publicação desta Parte da ABNT NBR 17505. Contudo, as reformas que alterem as características
do projeto e/ou equipamentos, e as ampliações de instalações iniciadas a partir da data da publica-
ção desta Parte da ABNT NBR 17505 devem atender às suas disposições. Nestes casos, devem ser
evidenciadas as normas vigentes na época do fato, para as edificações, equipamentos, estruturas
ou instalações já existentes ou aprovados.

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se
as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

ABNT NBR 6493, Emprego de cores para identificação de tubulações

ABNT NBR 14722, Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis – Tubulação não metálica
subterrânea – Polietileno

ABNT NBR 17505-1, Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis – Parte 1: Disposições


gerais

ABNT NBR 17505-2, Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis – Parte 2: Armazenamento


em tanques e em vasos

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 1


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

ABNT NBR 17505-5, Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis – Parte: Operações

ASME B 31, Code for pressure pípe

ASME Boiler and pressure vessel code

ASTM A 395/A395M, Standard specification for ferritic ductile iron pressure-retaining castings for use
at elevated temperatures

BS 5842, Specification for thermoplastic hose assemblies for dock, road and tanker use

UL 971, Standard for non-metallic underground piping for flammable liquids


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

3 Termos e definições
Para os efeitos desta Parte da ABNT NBR 17505, aplicam-se os seguintes termos e definições.

3.1
proteção contra corrosão
meio para reduzir ou prevenir a deterioração do sistemas de tubulações contra a exposição do seu
conteúdo ao meio ambiente

3.2
conexão flexível
junta no sistema de tubulações que permite movimentos relativos entre partes deste, dentro das
limitações de esforços e danos mecânicos

3.3
vazamento
liberação indesejável de líquido ou vapor do sistema de tubulações devido à sua falha.

3.4
contenção secundária
contenção externa e separada do sistema de tubulações primário

4 Requisitos gerais
4.1 Normas de desempenho

O projeto, a fabricação, a montagem, os ensaios, a manutenção e as inspeções de sistemas


de tubulações devem ser adequados às pressões de trabalho e aos esforços estruturais definidos
no projeto. A conformidade com as seções aplicáveis do ASME B 31 e previsões desta Parte
da ABNT NBR 17505 devem ser consideradas evidências mandatórias de atendimento aos
requisitos contidos.

4.2 Estanqueidade das tubulações

Os sistemas de tubulações devem ser mantidos estanques. Um sistema de tubulações que apresente
vazamentos que constituam em um risco deve ser reparado com as melhores práticas de engenharia
ou deve ser esgotado do líquido, desgaseificado e permanecer fora de operação.

2 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5 Materiais de construção para sistemas de tubulações


5.1 Especificações de materiais

Tubos, válvulas, registros, acoplamentos, juntas flexíveis, acessórios e outras peças pressurizadas
devem atender às especificações de materiais e às limitações de temperatura e pressão do ASME B 31,
exceto quando previsto em 5.2 a 5.4.

5.2 Ferro nodular

O ferro nodular, se aplicado, deve atender às especificações da ASTM A 395.


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

5.3 Materiais para fabricação de válvulas

As válvulas instaladas em tanques de ar mazenamento, confor me requerido em da


ABNT NBR 17505-2:2013, 5.11 e 7.8 e suas conexões aos tanques devem ser de aço ou ferro nodular,
exceto conforme previsto em 5.3.1, 5.3.2 ou 5.4.

5.3.1 Válvulas em tanque de armazenamento podem ser de outros materiais que não o aço
ou o ferro nodular se as características químicas do líquido armazenado não forem compatíveis com
o aço ou se as válvulas forem instaladas internamente ao tanque.

5.3.2 (*) Válvulas instaladas externamente ao tanque podem ser fabricadas em outros materiais que
não o aço ou o ferro nodular, desde que o material de construção tenha a maleabilidade e os pontos
de fusão comparáveis ao aço e ao ferro nodular e que sua capacidade de resistência aos esforços
e às temperaturas, em caso de exposição ao fogo, também sejam semelhantes às do aço ou ferro
nodular ou, então, as válvulas devem ter uma proteção contra a exposição ao fogo, como, por exemplo,
ser fabricadas em materiais com resistência ao fogo de no mínimo 2 h.

5.3.3 Ferro fundido, latão, cobre, alumínio, ferro maleável e materiais similares são aceitáveis
em tanques descritos em da ABNT NBR 17505-2:2013, 5.2.2.1.1 ou em tanques que armazenem
líquidos de classe IIIB e compatíveis com estes materiais, se estes estiverem localizados em áreas
externas e fora da bacia de contenção onde estejam sendo armazenados líquidos de classe I, classe II
ou classe IIIA e distantes de canaleta de drenagem oriundas de tanques contendo estes produtos.

5.4 Materiais com baixo ponto de fusão

Os materiais metálicos com baixo ponto de fusão (como o alumínio, o cobre e o latão), materiais
que amoleçam quando expostos ao fogo (como plásticos), ou materiais não maleáveis (como
o ferro fundido) podem ser utilizados em instalações subterrâneas, dentro das limitações de pressão
e temperatura especificadas pelo ASME B 31.

5.4.1 Limitações de uso

Estes materiais podem ser utilizados em áreas externas em sistemas de tubulações de superfície,
ou no interior de edificações, desde que atendam a uma das seguintes condições:

a) sejam resistentes a danos causados pelo fogo;

b) estejam localizados de tal forma que um vazamento resultante de falhas não chegue a expor
indevidamente pessoas, edificações importantes ou estruturas;

c) estejam localizados onde um vazamento possa ser prontamente controlado por uma ou mais
válvulas acessíveis ou com acionamento remoto.

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 3


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.4.2 Compatibilidade dos materiais

Os materiais de tubulações selecionados devem ser compatíveis com os líquidos que serão
manuseados.

5.4.3 Projeto e montagem das tubulações

Os sistemas de tubulações com estes materiais devem ser projetados e montados de acordo com
as Normas Brasileiras ou, na inexistência destas, de acordo com Norma Internacionalmente aceita
ou com normas reconhecidas de projeto para os materiais especificamente escolhidos.

5.4.4 Materiais de revestimento


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

Materiais de revestimento de tubulações, de válvulas e de acessórios podem ter revestimentos


combustíveis ou não combustíveis.

5.4.5 Tubulações não metálicas

5.4.5.1 Sistemas de tubulações em materiais não metálicos, inclusive arranjos de tubulação incorpo-
rando contenção secundária, devem ser projetados e montados de acordo com normas reconhecidas
de projeto ou equivalentes aprovadas, e devem ser instalados de acordo com 5.4.

5.4.5.2 Tubulações não metálicas devem ser montadas e utilizadas de acordo com as características
dos materiais de construção e de acordo com a ABNT NBR 14722 ou UL 971.

5.4.5.3 Sistemas de tubulações não metálicas e seus componentes devem ser instalados de acordo
com as instruções dos fabricantes dos materiais de construção.

5.5 Junção de tubos

5.5.1 Estanqueidade de junções de tubos

5.5.1.1 As juntas devem ser estanques e podem ser soldadas, flangeadas, rosqueadas ou mecani-
camente emendadas.

5.5.1.2 (*) As juntas devem ser projetadas e instaladas de tal forma que a resistência mecânica
da junta não fique prejudicada, se ela for submetida à exposição ao fogo.

5.5.1.3 As juntas rosqueadas podem ser feitas, desde que se utilize um selante adequado ou lubri-
ficante da rosca.

5.5.1.4 As juntas em sistemas de tubulações que manuseiem líquidos de classe I devem ser solda-
das quando estiverem localizadas em ambiente fechado dentro de edificações.

5.5.2 Juntas flexíveis

Juntas flexíveis, conforme 3.2, podem ser utilizadas quando forem instaladas de acordo com 5.5.3.

5.5.3 Juntas por atrito

5.5.3.1 Juntas de tubulações, confeccionadas com materiais que sejam combustíveis, devem ser
utilizadas apenas nas áreas externas de edificações, acima do nível do solo, exceto como previsto
em 5.5.3.3, ou abaixo do solo.

4 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.5.3.2 Onde forem utilizadas juntas por atrito em instalações acima do solo ou onde a tubulação
deva ser protegida para evitar o desengate dos acessórios, o sistema de tubulação deva ser projetado
de tal forma que qualquer vazamento ou gotejamento, resultante do desengate, não exponha pessoas,
edificações importantes ou estruturas e possa ser prontamente controlado por meio de válvulas
de acionamento acessíveis e situadas em locais seguros ou de acionamento remoto.

5.5.3.3 As junções de tubulações que dependam de características de atrito de seus componentes


podem ser utilizadas dentro de edificações, desde que atendam às seguintes condições:

a) qualquer derramamento ou vazamento possa ser prontamente controlado pela operação de uma
válvula acessível ou remotamente acionada e que esteja fora da área de risco de incêndio;
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

b) a resistência mecânica e a estanqueidade da junta não sejam dependentes da resiliência de um


material ou componente combustível.

5.6 Instalação de sistemas de tubulações

5.6.1 Requisitos gerais

Os sistemas de tubulações devem ser adequadamente suportados e protegidos contra danos físicos
e tensões excessivas, decorrentes de recalques, vibrações, expansões ou contrações. A instalação
de tubulações não metálicas deve ser executada de acordo com as instruções do fabricante.

5.6.2 (*) Suportes sob tensão

Suportes sob tensão de tubulações que estejam localizados em áreas com alto risco de exposição
ao fogo devem ser protegidos por um ou mais dos seguintes dispositivos:

a) drenagem para um local seguro para evitar o acúmulo de líquidos sob as tubulações;

b) construções resistentes ao fogo;

c) sistemas ou revestimentos de proteção resistentes ao fogo;

d) sistemas de aspersão de água, projetados e instalados de acordo com as Normas Brasileiras ou,
na inexistência destas, de acordo com Norma Internacionalmente aceita;

e) outros meios alternativos de eficiência comprovada, que forneçam proteções equivalentes.

5.6.3 Penetração de tubos

Tubulações que passem através ou perfurem a parede do dique ou de uma estrutura devem ser
projetadas para prevenir danos por esforços e vazamentos devido a recalque ou exposição ao fogo.

5.6.4 (*) Proteção contra corrosão

Sistemas de tubulações de superfícies que estejam sujeitos à corrosão externa devem ser
adequadamente protegidos. Tubulações subterrâneas devem ser protegidas contra corrosão,
de acordo com a ABNT NBR 17505-2:2013, 6.1.5.

5.6.5 Instalação de tubulações subterrâneas

5.6.5.1 Tubulações subterrâneas devem ser instaladas sobre um leito de no mínimo 150 mm de
material de aterro bem compactado.

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 5


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.6.5.2 Em áreas sujeitas ao tráfego de veículos, a vala, para instalação de tubulações subterrâneas,
deve ter uma profundidade suficiente para permitir uma cobertura de no mínimo 450 mm, acima
da geratriz superior da tubulação, de material de aterro bem compactado, mais a pavimentação final.

5.6.5.3 Em áreas pavimentadas onde uma espessura mínima de 50 mm de pavimento asfáltico for
utilizada, a profundidade entre a geratriz superior da tubulação e a pavimentação pode ser reduzida
para um mínimo de 200 mm.

5.6.5.4 Em áreas pavimentadas onde uma espessura mínima de 100 mm de pavimentação em con-
creto armado for utilizada, a profundidade entre a geratriz superior da tubulação e a pavimentação
pode ser reduzida para um mínimo de 100 mm.
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

5.6.5.5 Em áreas não sujeitas ao tráfego de veículos, a vala para instalação de tubulações
subterrâneas deve ter uma profundidade suficiente para permitir uma cobertura de no mínimo 150 mm
de material de aterro bem compactado.

5.6.5.6 Uma maior cobertura deve ser prevista quando requerida por instruções do fabricante
ou se estiver presente em condições de congelamento.

5.6.5.7 Tubulações instaladas mesma vala devem ser separadas horizontalmente por uma distancia
entre geratrizes de 1,5 diâmetro dos tubos, prevalecendo o diâmetro do maior tubo. Esta separação
não precisa ser superior a 230 mm.

5.6.5.8 Dois ou mais níveis de tubulações dentro de uma mesma vala devem ser separados vertical-
mente por uma camada mínima de 150 mm de aterro bem compactado.

5.6.6 Válvulas

5.6.6.1 Os sistemas de tubulações devem ter um número suficiente de válvulas para operar o sistema
apropriadamente e para proteger os equipamentos na eventualidade de emergências.

5.6.6.2 Os sistemas de tubulações conectados a bombas devem ter um número suficiente de válvu-
las para controlar corretamente a vazão do líquido, tanto em uma operação normal quanto na even-
tualidade de uma emergência.

5.6.6.3 Cada conexão a um sistema de tubulações através do qual equipamento como vagões-
tanques, caminhões-tanques ou navios-tanques descarreguem líquidos para os tanques de arma-
zenamento deve ser provida de válvulas de retenção para garantir uma proteção automática contra
refluxo, se os sistemas de tubulações permitirem a ocorrência de uma reversão no sentido do fluxo
(ver ABNT NBR 17505-2:2013, 5.11.1).

5.6.7 Tubulações comuns à carga e descarga

Se a carga e a descarga forem desenvolvidas através de um único sistema de tubulações,


não é exigida válvula de retenção. Entretanto, uma válvula de isolamento deve ser prevista. Esta válvula
deve ser localizada de forma que ela seja facilmente acessível ou possa ser operada remotamente.

5.7 Ensaios de sistemas de tubulação

5.7.1 Ensaios iniciais

Exceto quando ensaiadas de acordo com as seções aplicáveis do ASME B 31, todas as tubulações,
antes de serem cobertas, fechadas ou colocadas em operação, devem ser ensaiadas.

6 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.7.1.1 Os ensaios devem ser efetuados hidrostaticamente com 150 % da pressão máxima
de operação ou pneumaticamente com 110 % da pressão máxima de operação prevista para o sis-
tema, e a pressão de ensaio deve ser mantida por um tempo suficiente para permitir uma inspeção
visual completa de todas as juntas e conexões.

5.7.1.2 Em nenhum caso a pressão de ensaio deve ser inferior a 35 kPa, medida no ponto mais ele-
vado do sistema e nem ser mantida por um tempo inferior a 10 min.

5.7.2 Ensaio inicial de tubulações com contenção secundária

O espaço intersticial (anular) de tubulação do tipo com contenção secundária deve ser ensaiado
hidrostaticamente ou com pressão de ar de 35 kPa, ou ser ensaiado de acordo com as instruções
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

do fabricante.

5.7.2.1 A fonte de pressão deve ser desconectada do espaço intersticial, a fim de assegurar que
o ensaio seja executado em um sistema fechado.

5.7.2.2 A pressão deve ser mantida por um tempo mínimo de 1 h.

5.7.3 Ensaios durante a manutenção

As tubulações existentes devem ser ensaiadas de acordo com esta subseção, se houver indicações
de que a tubulação esteja vazando.

Tubulações que movimentem líquidos ou vapores de classe I, classe II ou classe IIIA não podem ser
ensaiadas utilizando-se ar comprimido.

5.8 Tubulações de respiro

Tubulações de respiro devem ser projetadas, montadas e instaladas de acordo com o descrito
nestasubseção.

5.8.1 Tubulação de respiro para tanques de superfície

5.8.1.1 Saídas das tubulações de respiro

Onde as saídas dos respiros de tanques armazenando líquidos de classe I forem adjacentes
às edificações ou vias públicas, elas devem ser localizadas de forma que os vapores sejam liberados
em um ponto seguro, fora das edificações e a uma altura mínima de 3,6 m acima do piso de referência.

5.8.1.2 Descarga de vapores

Os vapores de líquidos inflamáveis e combustíveis devem ser descarregados para cima


ou horizontalmente, longe das paredes adjacentes.

5.8.1.3 Localização das saídas dos respiros

As saídas dos respiros devem ser localizadas de forma que os vapores não fiquem retidos em beirais
ou outros tipos de obstruções e devem situar-se, no mínimo, a 1,5 m de distância de aberturas
de edificações e, no mínimo, a 4,5 m da tomada de ventilação por dispositivo motorizado.

As saídas dos respiros e dispositivos devem ser protegidas para evitar a possibilidade
de bloqueios decorrentes de intempéries (inclusive neve e granizo), sujeira ou ninhos de insetos
e pássaros.

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 7


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.8.1.4 Agrupamento de tubulações de respiros

O agrupamento (manifold) de tubulações de respiros, em um único coletor, deve ser evitado, exceto
quando requerido para fins específicos, tais como recuperação de vapor, conservação de vapor
ou controle da poluição do ar.

5.8.1.4.1 Onde tubulações de respiro forem agrupadas, as dimensões dos tubos devem ser capazes
de descarregar, dentro das limitações de pressão do sistema, os vapores manuseados pelos tanques
agrupados e que possam estar sujeitos a uma mesma exposição ao fogo.

5.8.1.4.2 As tubulações de respiro não podem ser obstruídas por dispositivos que promovam a
recuperação do vapor ou com outros propósitos, a não ser que o tanque, as tubulações associadas
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

e os equipamentos sejam protegidos de outra forma que limite o desenvolvimento de contrapressão


a um nível inferior à pressão máxima de trabalho do tanque e equipamentos. Esta proteção pode
ser feita pela instalação de válvulas de pressão e vácuo, discos de ruptura ou outros dispositivos
de ventilação de tanques, instalados nas tubulações de respiro dos tanques.

5.8.1.5 Incompatibilidade de classes de líquidos

Tubulações de respiro de tanques que armazenem líquidos de classe I não podem ser interligadas
com as tubulações de respiro de tanques que armazenem líquidos de classe II ou de classe III, a não
ser que sejam previstos dispositivos para evitar o seguinte:

a) que vapores de líquidos de classe I penetrem nos tanques que armazenam líquidos de classe II
ou de classe III;

b) contaminação;

c) possíveis alterações na classificação de um líquido menos volátil.

5.8.1.6 (*) Extensão das tubulações de respiro de emergência

Tubulações interligadas aos dispositivos de respiro de emergência de tanques atmosféricos


ou de baixa pressão devem ser dimensionadas de forma a garantir um fluxo tal que limite a contrapressão
a um nível inferior à pressão de projeto dos tanques.Tubulações interligadas aos dispositivos de respiro
de emergência de vasos de pressão devem ser dimensionadas de acordo com o ASME code.

5.8.2 Tubulação de respiro para tanques subterrâneos

5.8.2.1 (*) Tubulações de respiro de tanques subterrâneos armazenando líquidos de Classe I,


devem ser localizadas de forma que os pontos de descarga fiquem fora das edificações, mais altas
que as aberturas dos tubos de enchimento e que tenham uma altura mínima de 3,6 m acima do piso
de referência adjacente.

5.8.2.2 As saídas dos tubos de respiro de líquidos inflamáveis e combustíveis devem ser localizadas
e direcionadas de tal forma que os vapores não se acumulem ou se dirijam para locais inseguros,
entrem em aberturas de edificações ou fiquem retidos em beirais ou outros tipos de obstruções,
e devem situar-se a uma distância mínima no centro de uma esfera livre com raio de 1,5 m de aberturas
de edificações e no mínimo a 4,5 m da entrada de ar de dispositivos de ventilação forçada.

5.8.2.3 As tubulações de respiro não podem ser obstruídas por dispositivos que promovam
a recuperação do vapor ou com outros propósitos, a não ser que o tanque, as tubulações associadas
e os equipamentos sejam protegidos de outra forma que limite o desenvolvimento de contrapressão

8 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

a um nível inferior à pressão máxima de trabalho do tanque e equipamentos. Esta proteção pode
ser feita pela instalação de válvulas de pressão e vácuo, discos de ruptura ou outros dispositivos
de ventilação de tanques, instalados nas tubulações de respiro dos tanques.

5.8.2.4 As saídas dos respiros e os dispositivos devem ser protegidos para evitar a possibilidade
de bloqueios, decorrentes de intempéries (inclusive neve e granizo), sujeira ou ninhos de insetos
e pássaros.

5 .8.2.5 As tubu laçõ e s d e re spiro d eve m s e r d ime n s io n a d a s d e a c o rd o c o m a d a


ABNT NBR 17505-2:2013, Tabela A.3.

5.8.2.6 As extremidades das tubulações de respiros de tanques armazenando líquidos de classe II


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ou classe III A devem terminar fora das edificações e em altura superior à das aberturas dos tubos
de enchimento.

5.8.2.7 É permitida a instalação de dispositivos como curvas, telas ou outros dispositivos que mini-
mizem o ingresso de material estranho nas tubulações de respiro.

5.8.2.8 Tubulações de respiro e tubulações de retorno de vapor devem ser instaladas sem pontos
baixos ou sifões onde líquidos possam ficar retidos.

5.8.2.9 Tanques de condensado, se utilizados, devem ser instalados e mantidos de forma a evitar
entrada de líquido pela tubulação de retorno de vapor.

5.8.2.10 Tubulações de respiro de tanques de condensado devem ser localizadas de tal forma
que não fiquem sujeitas a danos físicos. A extremidade final desta tubulação deve entrar pelo topo
do tanque de armazenamento.

5.8.2.11 Onde as tubulações de respiro estiverem agrupadas, o dimensionamento dos tubos deve
considerar, dentro das limitações de pressão do sistema, que todos os tanques agrupados estejam
sendo abastecidos simultaneamente.

Podem ser instaladas válvulas de retenção do tipo flutuante nas saídas dos respiros
e conectadas ao agrupamentopara prevenir a contaminação do produto, desde que a pressão
nos tanques não exceda aquela estabelecida na ABNT NBR 17505-2:2013, 6.3.3.2, quando as
válvulas estiverem fechadas.

5.8.2.12 Tubulações de respiro de tanques que armazenem líquidos de classe I não podem ser inter-
ligadas com tubulações de respiro de tanques que armazenem líquidos de classe II ou de classe III,
a não ser que sejam previstos dispositivos para evitar o seguinte:

a) que vapores de líquidos de classe I penetrem nos tanques que armazenem líquidos de classe II
ou de classe III;

b) contaminação;

c) possíveis alterações na classificação de um líquido menos volátil.

5.9 Aterramento seguro

Os sistemas de tubulações devem ter um sistema de aterramento seguro de acordo com a da


ABNT NBR 17505-5:2013, 9.3 e Seção 10.

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 9


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

5.10 (*) Identificação e marcação de sistema de tubulação

Cada tubulação de enchimento e esvaziamento, em seus trechos verticais, deve ser identificada por
meio de um código de cores ou de uma marcação, para identificar facilmente o produto que está
fluindo por elas e o sentido do fluxo. O código de cores deve seguir a ABNT NBR 6493.

5.11 Requisitos especiais para tubulações marítimas

5.11.1 São permitidas conexões flexíveis entre a tubulação fixa e a tubulação situada em uma estrutura
flutuante ou em um pier ou entre as seções separadas e independentes de uma estrutura flutuante,
a fim de compensar a variação no nível e posição entre as instalações.
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

5.11.2 O material de fabricação da parte interna das conexões flexíveis, que mantém contato com
os fluidos, deve ser compatível com o líquido manuseado.

5.11.3 A parte externa da conexão flexível deve ser resistente ou protegida contra a água salgada
ou doce, radiação ultravioleta, danos físicos e danos pelo fogo.

5.11.4 As conexões flexíveis devem ser adequadas à pressão de projeto e devem ser ensaiadas
de acordo com a BS 5842.

10 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

Anexo A
(informativo)

Material explanatório

Este Anexo contém material explanatório numerado de forma a corresponder ao texto desta Parte
da ABNT NBR 17505. O número associado à letra “A” corresponde ao da subseção desta Parte da
ABNT NBR 17505.
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

A.5.3.2 Para mais informações, ver ASTM E 119, UL 203 e L 1709.

A.5.5.1.2 É previsto que algumas juntas possam vazar sob condições de fogo, mas elas não podem
se desconectar.

A.5.6.2 O API 2218 contém uma orientação para a seleção e instalação de revestimentos
resistentes ao fogo para proteger os suportes de aço de uma grande exposição a incêndio. A Norma
também contém uma discussão geral na determinação da necessidade de tal proteção e uma
estimativa da extensão da área exposta.

A.5.6.4 A tubulação de aço enterrada deve ser recoberta com um material adequado, além
de protegida contra corrosão. Os tubos de aço galvanizado, sem proteção adicional contra corrosão,
não são aceitáveis para tubulações subterrâneas. As uniões giratórias de aço e os conectores flexíveis
de aço inoxidável também devem ser protegidos, tornando-se resistentes à corrosão quando estão
em contato com o solo. Portanto, estes acessórios também devem ser recobertos e protegidos
catodicamente quando instalados entre tanques e tubulações não metálicas compatíveis, como
o plástico reforçado com fibra de vidro.

A.5.8.1.6 A equação para o dimensionamento de respiroseorientação quanto às dimensões dos


respiros, como aquelas estabelecidas em Norma Brasileira ou, na inexistência desta, na UL 142, são
tipicamente baseadas na instalação direta de um dispositivo de ventilação no tanque. Quando a saída
de um respiro necessitar ser estendida para um local remoto, como a estabelecida na UL 142, são
tipicamente baseadas na instalação direta de um dispositivo de ventilação no tanque. Quando a saída
de um respiro tem que ser estendida para um local remoto, como os respiros de tanques situados
no interior de edificações, que requerem a descarga dos respiros em locais externos, pode ocorrer
uma redução significativa na vazão de descarga, a menos que o dimensionamento do respiro
e da tubulação de descarga sejam aumentados. Nestes casos, as dimensões do respiro e da tubulação
devem ser calculadas para assegurar que o tanque não será superpressurizado durante uma exposição
ao fogo.

A.5.8.2.1 A Norma Brasileira aplicável ou, na inexistência desta, as API RP 500 e API RP 505
estabelecem uma zona classificada de 3 m ao redor da maioria dos respiros dos tanques que sejam
uma fonte potencial de vapores que possam entrar em ignição. Entretanto, nenhum documento
estabelece distâncias específicas para um tanque situado abaixo do piso de referência. Aplicando
estas estratégias estabelecidas em 5.8.2.1, resultou numa altura mínima para o respiro do tanque
de 3 m acima do piso de referência. Considerando que a maioria destes respiros existe em tanques
de postos de serviços e considerando que veículos e outros usuários introduzem fontes de ignição
que podem ser localizadas próximas dos respiros, uma altura adicional de 0,6 m foi adicionada à altura
mínima como fator de segurança para assegurar que os veículos não introduzam uma fonte potencial
de ignição no espaço de vapor ao redor do respiro. Os resultados são que a altura total para um respiro
vertical de um tanque situado abaixo do piso é de 3,6 m.

© ABNT 2013 - Todos os direitos reservados 11


Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

ABNT NBR 17505-3:2013

A.5.1.0 Onde tubulações de carga e descarga de líquidos de classe II ou classe III A forem localizadas
em uma mesma área onde estiverem localizadas tubulações de carga e descarga de líquidos
de classe I, devem ser feitas considerações para prover dispositivos, como dimensionamento diferente
das tubulações, conexões diferenciadas, bloqueios especiais ou outros métodos projetados para
prevenir transferências erradas de líquidos de classe I em algum recipiente ou tanque que armazene
líquidos de classe II ou de classe III A. Observar que tais considerações podem ser desnecessárias
para líquidos miscíveis em água, onde a classe seja determinada pela concentração do líquido
na água ou onde o equipamento seja limpo entre transferências.
Arquivo de impressão gerado em 19/10/2017 15:00:22 de uso exclusivo de ABB LTDA - OSASCO

12 © ABNT 2013 - Todos os direitos reservados