Você está na página 1de 42

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

Governo Constitucional (1934-1937)

ALUNOS:
Fabrício Ferreira da Silva TURMA: Eletrônica 3B
Juliana Caroline Pereira Fernandes PROFESSOR: Huener
Pedro Henrique Caldeira Ramos DISCIPLINA: História
• Medidas Trabalhistas:
– criação da Justiça do Trabalho
– salário mínimo
– jornada de trabalho de oito horas diárias
– descanso semanal aos domingos
– férias anuais remuneradas
– indenização por demissão sem justa causa
– regulamentação do trabalho infantil e feminino
– direito a aposentadoria
• Federação, Presidencialismo e Três Poderes
• Criação da Justiça Eleitoral
– Voto secreto
– Voto obrigatório para maiores de 18 anos
– Voto feminino
• Extinção do cargo de vice-presidente da República
• Anistia de todos os presos políticos do país
• Mandato presidencial de quatro anos
• Direito presidencial de decretar estado de sítio por
trinta dias
Getúlio Vargas e outras personalidades na instalação da Assembléia Nacional
Constituinte, 1934. Rio de Janeiro (RJ).
Fonte: Passei Web
(http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de_aula/historia/historia_do_brasil/a_era_varg
as/assembleia_constituinte_1934)
Primeira deputada – Carlota Pereira de Queirós – Congresso Constituinte – 1934
Fonte: ADUR RJ (http://www.adur-rj.org.br/5com/pop-
up/desonestos_insensiveis_mentirosos8.jpg)
• A Constituição estabeleceu ainda que a
primeira eleição presidencial após sua
promulgação seria feita indiretamente,
pelo voto dos membros da Assembléia
Nacional Constituinte e que as futuras
eleições deveriam realizar-se pelo voto
direto.
• No dia 17 de julho Getúlio Vargas foi
eleito.
• Criada em 1932
• Totalitarismo, unipartidarismo e Estado centralizado forte
• Fascista, direita
• Anticomunista
• Plínio Salgado (líder)
• Condenavam o capitalismo financeiro internacional (associado aos
judeus) mas não a propriedade privada.
• Lema: “Deus, Pátria e Família”.
• Saudação: ANAUÊ
• Apoiados por setores da Igreja (combate ao “comunismo ateu”),
classe média alta, empresários capitalistas e imigrantes ou
descendentes de imigrantes ítalo-germânicos radicados
especialmente no RS e SC.
Símbolos da AIB. O sigma e a saudação.
Fonte: Assembléia Legislativa RJ
(http://www.alerj.rj.gov.br/livro/imagens
/integralismo/pag_65.gif)

Símbolos da AIB. O sigma e a saudação.


Fonte:
(http://br.oocities.com/airevolucionari
a/Imagens/cartazpropaganda2.jpg)

Plínio Salgado: líder da AIB


Fonte: Info Escola
(http://static.infoescola.com/wp-
content/uploads/2009/08/full-1-
875e41786f.jpg)
• Criada em 1935, em reação a AIB
• Aliança de esquerda reunindo comunistas, socialistas, democratas
e simpatizantes de esquerda em geral
• Luís Carlos Prestes (líder)
• Defendiam o não pagamento da dívida externa, reforma agrária e
respeito às liberdades individuais (direito de greve, imprensa
livre...), nacionalização de empresas estrangeiras e governo
popular

• Getúlio coloca a ANL na ilegalidade (Jul/1935)


Olga Benário e Luís Carlos Prestes
Fonte: Blog Caricaturas
(http://1.bp.blogspot.com/_i9I88JKyxRA/S5OEXSAinXI/AAA
AAAAAJBM/Laz6GuzQhG4/s400/olga-e-prestes.jpg)

Símbolo do Partido Comunista Brasileiro


Fonte: PCB
(http://pcbriopreto.vilabol.uol.com.br/sim
bolos/Foice_A_pq.jpg)
• Enquanto se sucediam muitas prisões, reprimindo a ANL, o
PCB começou os preparativos para a insurreição, resultando
na tentativa do golpe militar de 1935.
• Intentona é uma palavra que veio do castelhano,
significando intento louco, ou plano insensato. Foi o nome
usado para designar o levante militar deflagrado pelo Partido
Comunista Brasileiro em 1935, tendo como objetivo a
tomada do poder do governo de Getúlio Vargas . O
movimento previa, em sua primeira etapa, a instalação de
um governo nacional revolucionário sob a chefia de Luís
Carlos Prestes.
Fonte: Projeto Memória Fonte: Quinto Poder
(http://www.projetomemoria.art.br/Mo (http://www.oquintopoder.com.br/so
nteiroLobato/monteirolobato/imagens/ berania/image/jpg/ed_50_01.jpg)
foto20-a.gif)
Fonte: Jornal do Brasil Online (http://www.jblog.com.br/media/57/20071122-
241135abertura.gif)
• Reinava uma insatisfação nos quartéis pela
deterioração salarial. Tais problemas
minaram a disciplina militar, facilitando a
ação dos conspiradores, sobretudo no Rio
de Janeiro.
• Modificações no regulamento militar
reintroduziram um dispositivo que existia na
Primeira República, pelo qual, completados
dez anos na ativa, os militares que não
tivessem atingido o oficialato seriam
automaticamente jubilados.
• O retorno do jubilamento, fortalecido pela nova
ordem constitucional, era outra fonte de atritos,
criando ambiente propício para recrutamento dos
prejudicados. Foram eles, no nordeste, os grandes
responsáveis pelas revoltas.

• Comícios da Aliança Nacional Libertadora, em afronta


aos integralistas.

• Foi dentro desse clima que se desenvolveu a


conspiração comunista que levaria aos levantes de
novembro de 1935.
• A eclosão do levante se deu no Rio Grande
do Norte e depois em Pernambuco, mas a
etapa mais importante foi a rebelião da Vila
Militar no Rio de Janeiro.

• No Rio Grande do Norte, o movimento


iniciou-se antecipadamente, em 23 de
novembro de 1935. Uma junta de governo
tomou o poder em Natal por quatro dias,
até ser dominada.
Quartel da Salgadeira (atualmente Casa do Estudante), antigo Quartel General da
Polícia Militar do Rio Grande do Norte, após o combate à Intentona Comunista.
Fonte: Wikipédia
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/46/QCG_PMRN_ANTIGO
.JPG/300px-QCG_PMRN_ANTIGO.JPG)
• Em Recife (Pernambuco), a revolta eclodiu no dia
24. Este levante foi dominado em apenas um dia
e deixou um saldo de 100 mortos entre os
revoltosos.

• Na Zona Sul do Rio de Janeiro, ocorreu o levante


de maiores proporções. O confronto entre os
rebeldes e as forças legais se deu na madrugada
do dia 27, sendo completamente dominado em
menos de dez horas, com um total de 20 mortos
entre os revoltosos, até a rendição.
Intentona Comunista – soldados do
Regimento de Infantaria da Praia Vermelha.
Fonte:
(http://public.pps.org.br/img/global/midia/b98c1
38dfc289953a0cc89af59299beeintentona.jpg)

Acima, PM do Rio em prontidão após o levante do 3º


RI na Praia Vermelha, na Intentona Comunista.
Fonte: Debate Culturais
(http://www.debatesculturais.com.br/wp-
content/uploads/Intentona-Comunista.jpg)
Monumento aos soldados mortos durante a
Intentona Comunista, localizado na Praia
Vermelha, Urca (Rio de Janeiro).

Fonte: Wikipédia
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/co
mmons/thumb/6/69/Monumento_intentona
_comunista_1935.jpg/300px-
Monumento_intentona_comunista_1935.jpg)
• Os acontecimentos de Natal, Recife e Rio
de Janeiro, somados, custaram a vida de
um tenente-coronel, dois majores, quatro
capitães, um tenente, quatro sargentos,
quatorze cabos e dois soldados,
totalizando 28 militares legalistas mortos.
• Góes Monteiro, em setembro de 1937,
anunciou a descoberta de um plano cujo
objetivo era a derrubada do presidente
Getúlio Vargas.
• Arquitetado pelo Partido comunista
Brasileiro e por organizações comunistas
internacionais
Fonte: Blog Fazendo História Nova
(http://fazendohistorianova.blogspot.com/2010/08/8-serie-estado-novo.html)
• Instruía:
– a planificação da violência
– a matança de chefes militares
– a agitação de operários e estudantes
– a liberdade a presos políticos
– a intriga entre as classes armadas
– a perseguição à Igreja
– a reivindicação do proletariado
– o incêndio em casas de família
– além de saques, depredações e agressões à mulher
“[...] a violência deve ser
planificada, deixando de lado
qualquer sentimentalismo [...]”

“[...] isto significa que certos


indivíduos, por exemplo, que
devam ser eliminados, só pelo
fato de serem contrários a nossa
revolução [...] com a sua
eliminação oferecem resultados
práticos de grande alcance”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-planificacao.gif)
“[...] cada oficial suspeito à
revolução deverá ter um homem
responsável pela sua eliminação
[...]”

“Quanto aos sargentos, todos


aqueles com prestígio na tropa
[...] e que seja adversários
devem ser incluídos no plano de
eliminação.”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-matan%C3%A7a.gif)
“[...] É necessário uma grande
cautela e habilidade para que as
aparências sejam as de simples
reivindicações naturais [...]”

“Esta missão deverá ser dada


[...] aos indivíduos fáceis de ser
explorados pela sua ardência e
pela sua ignorância.”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-agitacao.gif)
“[...] evitar citação de nomes,
infiltrar-se na imprensa e nos
comícios, dando um caráter [...]
pacífico que exclua qualquer
suspeita em relação à nossa
técnica.”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-liberdade.gif)
“[...] campanha de intriga no
Exército para o seu desprestígio
[...]”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-confusao.gif)
“A técnica a ser utilizada é a de
identificar o movimento
integralista com o nazismo,
atualmente o maior perseguidor
da Igreja Católica”

Fonte: Jornal do Brasil Online


(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-clero.gif)
“Acrescentam às instruções que
é necessário educar os operários
para que façam petições
coletivas e por escrito de
aumento de salários aos
patrões, pedidos estes vasados
numa linguagem do mais
absoluto respeito aos patrões e
às autoridades em geral,
apelando para os sentimentos
cristãos e a generosidade e
patriotismo do governo e dos
dirigentes das indústrias.”
Fonte: Jornal do Brasil Online
(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-proletario.gif)
“Cogitam os comunistas de um
Comitê dos Incêndios para
atacar simultaneamente casas
de família, incendiando-as a fim
de obrigar o Corpo de
Bombeiros a agir em vários
pontos tornando-se inútil como
força militarizada para a defesa
da ordem [...]”

“[...] em cada rua principal do


bairro deverá ser ateado fogo a
um prédio, no mínimo.” Fonte: Jornal do Brasil Online
(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-incendio.gif)
“[...] visa manifestações
populares violentas [...]”

“Nos bairros as massas deverão


ser conduzidas aos saques e às
depredações [...] convencidos
de que todo aquele luxo que os
rodeia, - prédios elegantes,
carros de luxo - constituem um
insulto à sua sordidez e falta de
conforto e que chegou a hora de
tudo aquilo lhe pertencer sem
que haja o fantasma do Estado
para lhe tomar conta.”
Fonte: Jornal do Brasil Online
(http://www.jblog.com.br/media/57/2007092
7-depedracao.gif)
• A apresentação do Plano Cohen alcançou
uma grande repercussão na imprensa e na
sociedade brasileira, gerando pânico e, ao
mesmo tempo, um grande sentimento
anticomunista, muito bem manipulado pelo
governo.
• Getúlio Vargas já tinha um bom motivo para
intervir na futura eleição presidencial
prevista pela Constituição.
• No dia seguinte Vargas solicitou ao
Congresso a declaração do Estado de
Guerra. Seu pedido foi atendido.
• Dessa forma foi concedido, ao
presidente, poderes que lhe possibilitava
suspender os direitos constitucionais.
• Deu-se o início a “caça às bruxas”.
• No dia 10 de novembro de 1937, o
presidente consolidava o golpe de
Estado, anunciando que uma nova
Constituição tinha sido outorgada.
•A nova Carta Constitucional
implementava o chamado Estado Novo.
• Poder do presidente era fortalecido
– direito de expedir decretos-leis
– aposentar funcionários civis e militares
• Eliminação dos partidos políticos
• Dissolução do Parlamento, das Assembléias
estaduais e das Câmaras Municipais
• Suspensão das liberdades civis
• Pena de morte decretada
Fonte: Jornal do Brasil Online (http://www.jblog.com.br/media/41/20071108-10111937%20-
%20capa%20blog.jpg)
• A partir daí se inicia o período conhecido
com Estado Novo, que teve seu término
no ano de 1945
• Em 1945, em meio à crise do Estado
Novo, Góes Monteiro revelou que o
Plano Cohen fora uma fraude.
• Para garantir maior veracidade ao plano,
deram, ao documento, o nome de Cohen,
numa referência ao líder comunista Béla
Kun-Cohen, que governara a Hungria
entre março e julho de 1919.
• O documento tinha sido escrito pelo capitão
Olímpio Mourão Filho, na época, chefe do Serviço
Secreto da AIB, a pedido de Plínio Salgado.
• Mourão disse que o documento fora uma
simulação de um novo levante armado e que
Góes Monteiro se apropriou indevidamente do
texto. Afirmou quem em função da hierarquia
militar, não pode denunciar a farsa publicamente.
• Plínio Salgado disse que não podia revelar a farsa
para não desmoralizar o Exército (único capaz de
deter o “perigo vermelho”).
http://www.pitoresco.com.br/historia/republ207.htm
Acessado em 07/09/2010

http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos30-37
Acessado em 07/09/2010

http://www.integralismo.org/textos/p_cohen_p2.html
Acessado em 07/09/2010

http://virtualiaomanifesto.blogspot.com/2010/04/plano-cohen-farsa-de-um-golpe-de-
estado.html
Acessado em 07/09/2010

http://www.brasilescola.com/historiab/constituicao-1934.htm
Acessado em 07/09/2010

MIRANDA, Luiz Newton de; CARNEIRO, Rejane Donnard. Soma: história, v.3;

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 12. ed., São Paulo: Ed. USP 2007.