Você está na página 1de 11

Aviso legal: Este é um modelo inicial que deve ser adaptado ao caso concreto por profissional habilitado.

Verifique sempre a
vigência das leis indicadas, a jurisprudência local e os riscos de improcedência. Limitações de uso: Você NÃO PODE revender,
divulgar, distribuir ou publicar o conteúdo abaixo, mesmo que gratuitamente, exceto para fins diretamente ligados ao processo do seu
cliente final.
REMOVA ESTE AVISO ANTES DO USO | Perguntas frequentes | Termos de uso.

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DR. JUIZ DE DIREITO DA ________ VARA


________ DA COMARCA DE ________

Processo nº: ________

________ , por seus procuradores, vem, a Vossa Excelência, nos termos


do art. 997, §2º do CPC/15, interpor

RECURSO ADESIVO

em face de decisão de fls. ________ , que ________ em ação


________ ajuizada ________ .

1. Breve síntese da demanda e da decisão recorrida


Após trâmite regular, a ação obteve a seguinte sentença:

________

Ocorre que referida decisão merece reparo, pois ________ .

2. DO DIREITO

3. DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Conforme narrado, os honorários advocatícios foram arbitrados em ________ ,


sob o argumento de que ________ , em claro aviltamento da profissão.

Trata-se de grave inobservância ao previsto no Código de Processo Civil/2015, que


dispõe:

Art. 85. A sentença condenará o vencido a pagar honorários ao


advogado do vencedor.
(...)
§ 2o Os honorários serão fixados entre o mínimo de dez e o
máximo de vinte por cento sobre o valor da condenação, do
proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o
valor atualizado da causa, atendidos:I - o grau de zelo do profissional; II -
o lugar de prestação do serviço; III - a natureza e a importância da causa;
IV - o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu
serviço.
Ou seja, o CPC/15 estabelece parâmetros claros e objetivos para o arbitramento
dos honorários, e cabe destacar que a presente ação envolveu ________ .

No entanto, em manifesta ilegalidade, a lei não foi cumprida na referida decisão,


devendo ser majorado o valor arbitrado em honorários advocatícios conforme precedentes sobre
o tema:

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS MAJORADO - RECURSO


PARCIALMENTE PROVIDO. (...) No que atine a majoração dos
honorários advocatícios, como preceitua a regra do CPC, deve o
magistrado fixar a verba respeitando o grau de zelo do
profissional; o lugar da prestação do serviço; a natureza e
importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado, bem
como o tempo exigido para o seu serviço, de forma que entendo
que deve ser majorado para 20% (vinte por cento) sobre o valor
da condenação. (TJ-MT - APL: 00173404320158110003 71010/2017,
Relator: DES. CARLOS ALBERTO ALVES DA ROCHA, Data de
Julgamento: 19/07/2017, TERCEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO,
Data de Publicação: 24/07/2017)

MANDATO – DANOS MATERIAIS E MORAIS (...) – Valor dos


honorários advocatícios majorado, ante a natureza da causa e o
trabalho desempenhado pelo Requerido na fase recursal (artigo
85, parágrafo 11º, do Código de Processo Civil)– (TJ-SP - APL:
10079601520168260071 SP 1007960-15.2016.8.26.0071, Relator: Flavio
Abramovici, Data de Julgamento: 06/03/2017, 35ª Câmara de Direito
Privado, Data de Publicação: 06/03/2017)

A decisão recorrida fere princípios mínimos de dignidade da advocacia, em


especial aquele previsto na Constituição Federal, em seu art. 133: “O advogado é indispensável
à administração da justiça”.
A importância e relevância da advocacia em nossa sociedade não estão
materializadas apenas na Constituição da República, mas positivado também como função
indispensável para o funcionamento da justiça, nos termos do artigo 2° do Código de Ética do
Advogado:

“O advogado, indispensável à administração da Justiça, é defensor do


Estado democrático de direito, da cidadania, da moralidade pública, da
Justiça e da paz social, subordinando a atividade do seu Ministério
Privado à elevada função pública que exerce.”

Diferente disso, a decisão recorrida fere este conceito conferido pela Constituição à
figura do Advogado, desvalorizando uma atividade essencial ao exercício da justiça e
indispensável para o próprio Estado Democrático de Direito.

Afinal, decisões como estas ignoram que os honorários advocatícios têm


natureza alimentar, uma vez que são com esses recursos que o advogado sustenta sua
família.

Este entendimento já está pacificado nos termos dos precedentes do Superior


Tribunal de Justiça, que faz sua equiparação aos salários a verba alimentar:

AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. AGRAVO


DE INSTRUMENTO.(...) ACÓRDÃO EM SINTONIA COM O
ENTENDIMENTO FIRMADO NO STJ AGRAVO INTERNO NÃO
PROVIDO. 1.(...)2. O acórdão recorrido está em consonância com
precedentes desta Corte Superior, no sentido de que os honorários
advocatícios de sucumbência, por guardarem natureza
alimentar, preferem, inclusive, ao crédito hipotecário. Incidência
da Súmula 83 do STJ. 3. Agravo interno não provido. (AgInt no AREsp
1197599/PR, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA,
julgado em 15/03/2018, DJe 20/03/2018)
Ademais, no presente caso, o não cumprimento voluntário do sucumbente ao
pagamento ou à obrigação devida em sentença, obriga o Advogado prolongar e aumentar sue
trabalho processual, sendo devido, nestes casos, o arbitramento de honorários específicos à fase
recursal, nos termos do Art. 85, §11:

§ 11. O tribunal, ao julgar recurso, majorará os honorários fixados


anteriormente levando em conta o trabalho adicional realizado em grau
recursal, observando, conforme o caso, o disposto nos §§ 2º a 6º, sendo
vedado ao tribunal, no cômputo geral da fixação de honorários devidos ao
advogado do vencedor, ultrapassar os respectivos limites estabelecidos nos
§§ 2º e 3ºpara a fase de conhecimento.

Trata-se de aplicação lógica da lei, que deve ser observada, conforme precedentes
sobre o tema:

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS C/C


DECLARATÓRIA DE NEGATIVA DE DÉBITO E REVISÃO DE
CONTRATO. (...) Honorários majorados. 8- Recurso conhecido e não
provido. Majorando-se os honorários advocatícios para 15% sobre o valor
da causa, nos termos do artigo 85, § 11, do CPC, observado o disposto no
artigo 98, § 3º do mesmo diploma legal. Mantendo-se os demais termos da
sentença vergastada. (TJ-RJ - APL: 00594711720118190014 RIO DE
JANEIRO CAMPOS DOS GOYTACAZES 2 VARA CIVEL, Relator: JDS
ISABELA PESSANHA CHAGAS, Data de Julgamento: 06/09/2017,
VIGÉSIMA QUINTA CÂMARA CÍVEL CONSUMIDOR, Data de
Publicação: 11/09/2017)

Especializada doutrina ao disciplinar sobre a matéria, destaca:

"O sucesso na instância recursal também deve determinar o aumento dos


honorários de sucumbência, embora sempre dentro dos limites do art.
85, § 2º, do CPC (art. 85, § 11). Segundo o Superior Tribunal de Justiça, 'o
legislador criou verdadeira regra impositiva, regulamentando nova
verba honorária, que não pode ser confundida com a fixada em primeiro
grau, mas com ela cumulada, tendo em vista o trabalho adicional do
advogado no segundo grau de jurisdição e nos tribunais superiores.(...)'
(STJ, 3ª Turma. AgInt no AREsp 370.579/RJ, rel. Min. João Otávio de
Noronha, j. 23.06.2016,DJe30.06.2016). (...). Os honorários
sucumbenciais, por outro lado, pressupõem a existência de trabalho
adicional pelo advogado." (MITIDIERO, Daniel. ARENHART, Sérgio
Cruz. MARINONI, Luiz Guilherme. Novo Código de Processo Civil
Comentado - Ed. RT, 2017. e-book, Art. 85.)

Assim, diante da fase recursal, devida a majoração dos honorários, nos termos do
Art. 85, §11 do CPC/15.

Por tais razões, a decisão deve ser revista para fins de que seja majorada a
condenação em honorários advocatícios.

ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA RECURSAL

VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES: Como ficou perfeitamente


demonstrado, a probabilidade do direto do é caracterizado pelo ________ .

PERIGO NA DEMORA:
________

Requer-se, assim, que o Poder Judiciário, tenha a lucidez de conferir o efeito


suspensivo para ________ .

TUTELA DE EVIDÊNCIA
Nos termos do Art. 311, “a tutela da evidência será concedida, independentemente
da demonstração de perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo” , quando
preenchido alguns requisitos, previstos em seus incisos, quais sejam:

DO ABUSO DE DIREITO – inciso I: Conforme demonstrado, o Réu cometeu


abuso de direito ao se utilizar da falta de conhecimento do Autor, realizando indevidamente a
retenção do Imposto de Renda sobre valores isentos.

PROVA DOCUMENTAL PRÉ-CONSTITUÍDA - incisos II e IV: Para fins de


comprovação de seu direito, junta-se à presente ação os seguintes documentos como prova
suficiente do direito: ________

TESE FIRMADA EM JULGAMENTOS REPETITIVOS E SÚMULA


VINCULANTE – inciso II: Trata-se de matéria já visitada e sumulada por meio da Súmula nº
________

Posto isso, requer ordem liminar inaudita altera parte, nos termos do art. 9º,
Paragrafo Único, inciso II, do CPC, ordem para suspender imediatamente a retenção do imposto
sobre os valores ________ .

A JUSTIÇA GRATUITA

O Recorrente atualmente trabalha como ________ , tendo sob sua responsabilidade a


manutenção de sua família, composta por ________ , razão pela qual não poderia arcar com as
despesas processuais.

Para tal benefício o Recorrente junta declaração de hipossuficiência e comprovante de


renda, os quais demonstram a inviabilidade de pagamento das custas judicias sem comprometer
sua subsistência, conforme clara redação do Código de Processo Civil de 2015:
Art. 99. O pedido de gratuidade da justiça pode ser formulado na petição
inicial, na contestação, na petição para ingresso de terceiro no processo ou
em recurso.

§ 1o Se superveniente à primeira manifestação da parte na instância, o


pedido poderá ser formulado por petição simples, nos autos do próprio
processo, e não suspenderá seu curso.

§ 2o O juiz somente poderá indeferir o pedido se houver nos autos


elementos que evidenciem a falta dos pressupostos legais para a concessão
de gratuidade, devendo, antes de indeferir o pedido, determinar à parte a
comprovação do preenchimento dos referidos pressupostos.

§ 3o Presume-se verdadeira a alegação de insuficiência deduzida


exclusivamente por pessoa natural.

Assim, por simples petição, sem outras provas exigíveis por lei, faz jus o Requerente ao
benefício da gratuidade de justiça:

PROCESSUAL CIVIL. IMPUGNAÇÃO À ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA


GRATUITA. DECLARAÇÃO DE HIPOSSUFICIÊNCIA. AUSÊNCIA DE
PROVA EM CONTRÁRIO. 1.O direito ao benefício da assistência judiciária
gratuita não é apenas para o miserável, e pode ser requerido por aquele
que não tem condições de pagar as custas processuais e honorários
advocatícios sem prejuízo de seu sustento e de sua família. Precedentes.
2.O escopo da gratuidade de justiça é assegurar a todos o acesso ao
Judiciário, conferindo eficácia aos comandos constitucionais insculpidos
nos incisosXXXVeLXXIVdo art.5ºdaCarta da Republica. 3.Ao impugnante
incumbe o ônus de provar cabalmente a inexistência dos requisitos
autorizadores à concessão do benefício da assistência judiciária gratuita.
4.Inexistindo prova de que, a despeito da parte impugnada atuar
no ramo de paisagismo, aufira renda suficiente para arcar com
o pagamento das custas e despesas do processo sem o
comprometimento de seu próprio sustento, tem-se por correta a
rejeição da Impugnação à Assistência Judiciária. 5.Apelação Cível
conhecida e não provida. (APC 20140111258250 Orgão Julgador1ª Turma
Cível DJE : 23/02/2016 . Relator NÍDIA CORRÊA LIMA)

A existência de patrimônio imobilizado, no qual vive a sua família não pode ser
parâmetro ao indeferimento do pedido:

APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO.


IMPUGNAÇÃO AO PEDIDO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA.
ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA. AJG. NECESSIDADE. A existência de
patrimônio imobilizado em nome do postulante não é motivo
para indeferimento do benefício quando comprovado não
dispor de recursos líquidos e que sua renda é compatível à
concessão; e o impugnante não faz prova adversa. - Circunstância dos
autos em que se impõe manter a decisão recorrida. RECURSO
DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70070511886, Décima Oitava Câmara
Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: João Moreno Pomar, Julgado em
25/08/2016).

Afinal, conforme reiteradas decisões dos Tribunais, se a renda líquida é inferior a 10


(dez) salários mínimos, possível e certo a concessão do benefício, se não vejamos:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. FAMÍLIA. EXECUÇÃO DE ALIMENTOS.


IMPUGNAÇÃO AO CUMPRIMENTO DA SENTENÇA. DETERMINAÇÃO
DE RECOLHIMENTO DAS CUSTAS. INDEFERIMENTO DA AJG. PROVA
SUFICIENTE DA NECESSIDADE. Para fins de concessão do
benefício da Gratuidade Judiciária descrito na Lei nº 1.060/50,
não se exige estado de miserabilidade do requerente. No caso,
restou comprovada a necessidade alegada, representada por renda
líquida inferior a 10 salários mínimos, extraída da declaração
de ajuste anual do imposto de renda correspondente ao
exercício de 2011, de forma a ensejar a concessão da
benesse.AGRAVO DE INSTRUMENTO PROVIDO. (TJ-RS, Relator:
Roberto Carvalho Fraga, Data de Julgamento: 04/11/2011, Sétima Câmara
Cível)

DECISÃO MONOCRÁTICA. AGRAVO DE INSTRUMENTO.


ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. AÇÃO ORDINÁRIA. CONCEITO
DE NECESSITADO.VENCIMENTO LÍQUIDO INFERIOR A DEZ
SALÁRIOS MÍNIMOS. DECLARAÇÃO DE POBREZA.O conceito de
necessitado do benefício da assistência judiciária gratuita, para efeito da
Lei nº1060/50, é mais amplo do que o de pobre ou miserável. A
interpretação da Lei nº1060/50, em consonância com a garantia
constitucional de acesso à justiça, não exige que a situação
econômico-financeira do pleiteante do benefício seja de
miserabilidade. Presunção legal que não cede diante do fato de a parte
receber a título de vencimentos em montante inferior a dez
salários mínimos, permanecendo a possibilidade de vir a prejudicar sua
sobrevivência caso não seja concedido o benefício. DECISÃO
REFORMADA. AGRAVO PROVIDO EM DECISÃO MONOCRATICA.
(Agravo de Instrumento Nº 70027759877, Terceira Câmara Cível, Tribunal
de Justiça do RS, Relator: Paulo de Tarso Vieira Sanseverino, Julgado em
02/12/2008).

Assim, considerando a demonstração inequívoca da necessidade do Requerente, tem-se


por comprovada sua miserabilidade, fazendo jus ao benefício.

Por tais razões, com fulcro no artigo 5º, LXXIV da Constituição Federal e pelo artigo 98
do CPC, requer seja deferida a gratuidade de justiça ao requerente.

4. Requerimentos

Por estas razões REQUER:


1. O recebimento do presente recurso nos seus efeitos ativo e suspensivo, nos
termos do Art. 1.012 do CPC para fins de julgar ________ os pedidos
interpostos na peça;

2. Seja deferido novo pedido de gratuidade de justiça, nos termos do Art. 98 do


CPC/15;

3. Sejam julgados ________ os pedidos produzidos na peça vestibular, na


hipótese de a causa encontrar-se madura para o julgamento, segundo o Art.
515, § 3º, do CPC ________ ;

4. A intimação do Recorrido para se manifestar querendo, nos termos do §1º, art.


1.010 do CPC;

5. a total procedência do recurso para se obter nova decisão, para fins de


________

6. informa que deixou de efetuar o preparo por ser beneficiário da justiça gratuita

7. a condenação do recorrido ao pagamento das despesas processuais e


sucumbência;

Nestes termos, pede deferimento


________ , ________

________ OAB/ ________ ________