Você está na página 1de 228

PAULO POSSAMA

.Um bastião português


em terras do futuro Uruguai

~ .
. I!f
') Prof. Paulo César Possama; nasceu
"'V1 Esteio, no estado do Rio Grande
do Sul, Brasil, em 1967. Formou-se
Jn História, em 1995, na Unilassale
.1:anoas - RS), e é doutorado em
"jistória Social pela Universidade de
"jo Paulo, onde em 2002 defc'ndeu
á sua tese de doutoramento sob a
Jrientação da Prof. Doutora Laura
J, Mello c Souza, com o título
:o Quotidiano da Guerra: a vida A VIDA QUOTIDIANA
J Colónia do Sacramento, 1715- NA
1135". Actualmente é professor COLÓNIA DO SACRAMENTO
ao Departamento de História da (1715-1735)
Jniversidade Federal do Rio Grande
), Norte.
)
)
)
)
)

J
)
) I.
i
)
)
)
,
j

)
)
)
)
)
-)
)
)
Titulo da edição or/glnal: A VIDA QUOTIDIANA NA COLÓNIA DO SACRAMENTO
(1715-1735)
PAULO CÉSAR POSSAMAI
,j

Autor: PAULO CÉSAR POSSAMAI


Capa: R2 02 - Daniel Barradas ""
Revisão: Mónica Brito )
Composição e paginação: Luís Correia )
Copyrigth ©: LIVROS DO BRASIL, 2006 .,
J
Reservados todos os direitos pela legislação em vigor
)
1 ' Edição, Lisboa, AMl de 2006
ISBN: 972 - 38 2771 9 A VIDA QUOTIDIANA )
Dep, Legal nO 238767·06
NA )
)
Impressão e acabamento: Rofo § Filhos tI, S.A. - Indústrias ~ráfica5 ~ Mafra
COLÓNIA DO )
)
SACRAMENTO )

(1715~1735) )
-,j
)
)
Vorsão revista da Tese de Doutoramento
)
EDITORA LIVROS DO BRASIL apresentada ao Departamen~o de História da Facuídade de Filosofia,
Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo )
Carnaxi(fe;
Orientado pala
)
Estrada da Outurela, 121
Prot! Dr.~ laura da Me:1io e Souza
2794-051 )
Tel: 21 3462621
Fax: 21 342 84 87 )
PORTO: )
Rua cre Ceuta, 80
4050-189 )
TcL 22 205 25 41
Fax.: 22 208 60 20

Email: geral@livrosdobrasil.com
Site: www.livrosdobrasil.com
d
EDil ORA LIVROS 00 anASll
)
)
)

)
)
)
,>;> ro • N o
'~ (fi .~
~ ~.
-t:: t::
<b ~u:
3l ""e Cl -
~
:r
.s
li
~ .!!l l!1 'W :;;
•o
<b .... ~ ~
Cl~ <b
t:: t:: Cl
0(1)::::
::::::: ..... (l,)
<ll ~ ::J
::J c-
C-'- '"
,~<
')

)
)
)
)
)
)
AGRADECIMENTOS )
,
)

)
Agradeço à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de )
São Paulo (FAPESP) pelo financiamento do processo de pes-
quisa no Brasil e em Portugal, sem o qual este trabalha dificil- )
mente seria concluído. )
Estou profundamente grato à minha orientadora, Professora
)
Doutora Laura de Mello e Souza, que acreditou no meu trabalho
e aceitou orientar-me por ocasião do falecimento da saudosa )
Professora Doutora Ilana Blaj. Gostaria também de agradecer à )
Professora Doutora Zilda M. Gricoli lokoi pelo apoio durante o
. período em que fiquei sem orientador. Aos Professores Dou- )
tores Pedro Puntoni, Fernando A. Navais e John M. Monteiro
pelas sugestões e críticas por ocasião do exame de qualificação. )
Aos Professores Doutores Martin N. Dreher e Ieda Gutfreínd
pelo incentivo à pesquisa do quotidiano na Colónia do Sacra- )
mento. À Professora Doutora Helen Osório pelas indicações bi- )
bliográficas sobre a controversa história do gaúcho. Ao Professor'
)
, Doutor Luiz Mott pelo fornecimento dos dados da sua pesquisa
sobre a presença do Santo Ofício em Sacramento. Ao Professor )
I
f
Doutor Fernando O. Assunção pelo esclarecimento sobre algu-
mas fontes manuscritas.
)

i Em Portugal, gostaria de agradecer aos Professores


Doutores Pedro Cardim, meu coorientador em Lisboa; Fernando
Dores Costa, que gentilmente me cedeu alguns artigos de sua
)
)
)
autoria sobre a questão do recrutamento militar em Portugal e
Tiago Miranda, pelas indicações bibliográficas. No Rio de Janei- )
ro, ao sargento Mauro, responsável pela Mapoteca do Arquivo )
Histórico do Exército.
)
)
11 )
)
)
)
Aos colegas de curso, Cleber Cristiano Prodanov, pelas indi-
) cações bibliográficas sobre a produção das minas de Potosí, e
) Fábio Pestana Ramos, pelas informações sobre o quotidiano nas
) embarcações portuguesas. Aos amigos Adriana Lemes e
Waldinei de Souza Costa pela revisão gramatical. A Osvaldo de
) Moraes Medeiros pela paciência e atenção para comigo e com I
)
)
todos os alunos do sector de pós-graduação do departamento de
História da USP.
I íNDICE
Agradeço também aos meus pais pelo incentivo e apoio
) financeiro e aos meus tios Paulo e Irene Nicolao pela hospe-
dagem durante os meus primeiros meses em São Paulo. Aos AGRADECIMENTOS 11
)
amigos que, directa Ou indirectamente contribuíram para o de-
) RESUMO/ABSTRACT
senvolvimento da pesquisa: Joaquim José da Fonseca Alves, 17
) Joceley Vieira de Souza, Luiz Eduardo Philipps da Silva e
Marcelo Moura da Costa. LISTA DE ABREVIATURAS 19
)
) INTRODUÇÃO 21
J 1. UM TERRITÓRIO EM DISPUTA
) 37

) 1.1. -O FAScíNIO PELO RIO DA PRATA 38


) 1.1.1. - A rota oficial de comércio com as colónias espanholas 40
1.1.2. - O contrabandb 'no Rio da Prata nos séc XVI e XVII 43
! .1.1.3. -A Fundaçâo da Colónia cio Sacramenio 51
) 1.1.4. - O Gado. a Riqueza da Temi ............................................ 63
1.1.5. - A Guarra de Sucessão Espanhola
)
e SUas Consequêncías no Prata 66
)
) 1.2. - O ESPAÇO DA CAMPANHA 81
1.2.1. - Resistências ao Tratado de Utrecht ............................... . 83
)
1.2.2. -A Disputa pela Exploraçâo do Gado Selvagem .............. . 88
) 1.2.3. - Fornecedores e Colaboradoras 95
)
1.3. - OS INDíGENAS PLATINOS 107
) 1.3.1. - Tentativas Espanholas de Conversão dos Indígenas 107
) 1.3.2. - O Projecto Reducíonista do Regimento de D. Manuel Lobo 110
) 1.3.3. - Apostas num Novo Tipo de Relacionamento .................. . 111

")
) 12 13
)
)
1.4. -A FUNDAÇÃO DE MONTEVIDÉU ...................................... 123 3.3. - UM CLERO ENGAJADO
1.4.1. -A Expedição de Manuel Freitas da Fonseca .................... 123 300
3.3.1. - O Clero Secular
1.4.2. - As Consequências da Nova Fundação Espanhola ......... 126 300
3.3.2. - Os Jesuítas
1.4.3. -A Cavalaria, uma Arma Indispensável no Prata ................ 131 304
3.3.3. - Os Franciscanos ................................................••.......•.... 308
3.3.4• ..;. Os Carmelitas ................................................................. 312
1.5.- O CONTROLE DAS VIAS DE COMUNICAÇÃO ................ 139
3.3.5. - As Irmandades ................................................................. 313
1.5.1. - A Navegação no Rio da Prata ............. .... ...... ..•..•............ 139
3.3.6.-APresençada Inquisição ................................................. 315
1.5.2. O Caminho Terrestre entre Colónia e São Paulo ........ ..... 147

3.4. - UMA PRAÇA MUITO ESPECIAL ....................................... . 321 )


2. - O BASTIÃO DO SUL 161
3.4.1. - Festas para a Glória da Coroa
321 )
3.4.2. -A Transformação numa Praça de Guerra ....................... . 326
2.1. - O RECRUTAMENTO 162
)
2.1.1. - Soldados para a Colónia do Sacramento ..................... . 167
4. - "UM NINHO DE CONTRABANDISTAS" .. ,." ..................... .. ..
2.1.2. - O Recrutamento para as Expedições de Socorro , 341 )
(1735·1737) .....................................................................
2.1.3. - Os Oficiais
177
185
I 4.1. - OS LUCROS
342
I 4.1.1. - As Vias do Contrabando
342 )
2.2. -AS CONDiÇÕES DE VIDA 195 4.1.2. - Um Comércio Rentável e Seguro ................................... . 352
4.1.3. - O Comércio numa Praça de Guerra ............ : .................. ..
:>
2.2.1. - Os Soldos 195 355
2.2.2. -AAlimel1tação~ ......... . 4.1.4. O Couro, a Moeda da Região Platina )
206 363
2.2.3. - O Fardamento
2.2.4. - O Sistema de Saúde ...................................................... .
212
214
I 4.1.5. - A Prata, o Principal Interesse
372
)
)

2.2.5. _ As Diferentes Funçôes dos Soldados 220 4.2. - OS PREjUízos .................................................................. 385
4.2.1. - Os Ingleses, os Principais Concorrentes ......................... 385 )
4.2.2. Um Centro de Descarrlnhos
2.3. - AS FORMAS DE RESISTê:NCIA 234 , .................... " ................... 400 )
2.3.1. Baixas e licenças 234
CONCLUSÃO .............................................................................. )
2.3.2. - A Deserção 238 409
2.3.3. - Os Motins 247 )
FONTES E BIBLIOGRAFIA ......................................................'" 417 )
3. - UMA NOVA LUSITÂNIA 255
l-FONTES .................................................................................. )
417
3.1. UMA COLONIZAÇÃO DIRIGIDA 257 A) Fontes MarmsCfíms ................................................................ )
417
3.1.1. - A Restauração do "Jardim da América" 267 B) Fontes Impressas ... " ...................
423 ')
3.2. - OS ESQUECIDOS 283 /I - BIBLIOGRAFIA ..................................................................... )
428
3.2.1. - As Mulheres na Colónia do Sacramento 283 A) Obras de Referência ............................................................... 428 )
3.2.2. Os Escravos Negros 287 B) Artigos, Livros e Teses .'"' ............ " ..........................................
429 )
3.2.3. Os índios 293
)
14 )
15
)
)
)
)
I
/

)
)
)
) RESUMO
, )
)
Este trabalho tem por propósito reconstituir a vida quotidiana
) na Colónia do Sacramento através do estudo e análise de grande
) variedade de documentos, em sua maior parte constituída pelas
cartas enviadas pelos govemadores de Colónia e Buenos Aires
) aos governos de Lisboa e Madrid. A fim de melhor compreender-
) mos o quotidiano da população que habitava esse pequeno
) povoado português, optámos por dividir o foco do nosso estudo
em quatro capítulos: no primeiro, procurámos reconstituir as rela-
. ) ções dos portugueses com os espanhóis e indígenas no espaço
) de campanha, No segundo, a nossa atenção concentra-se sobre
as condições de vida dos militares que constituíam a guarnição
-- -- ~- -
da fortaleza, No terceiro, o foco recai sobre a população civil de-
7 dicada à produção agrícola e artesanal, assim como ao clero
católico, No quarto, abordámós o dia-a-dia'dos mercadores, os
seus problemas com a repressão ao comércio iHclto, praticada
) pelas autoridades espanholas, e a concorrência dos contraban-
.') distas ingleses,
)
)
)
)
)
)
)
)
) 17
)
)
)
.)
)
)
)
)
)
)
ABSTRACT )
LISTA oe: ABREVIATURAS
)
)
This paper aíms aI reconsliluling the daíly rouline in Colónia
do Sacramento lhrough lhe sludy and analysis 01 a greal variely )
01 documenls - lhe majorily 01 which comprise letters senl by lhe AAHRS - Anafs do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul )
governors 01 Colónia and Buenos Aires lo lhe governrnents 01 ABNRJ - Anais da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro) )
Lisbon and Madrid. ln order lo better undersland lhe everyday AHU - Arquivo Hísro!ico Ultramartno
lives 01 lhe paople who inhabiled Ihis srnall Portuguese settle- AHEx - Arquivo HistóriCO do Exército (Rio de Janeiro)
)
menl, we have opled lo divide lhe locus 01 our studies inlo four ANRJ - Arquivo Nacional (Rio de Janeiro)
chaplers. ln the firsl chapler, we seek lo reconstitule the relation- ANrr - Arquivo Nacional da Torre do Tombo (Lisboa)
ships 01 lhe Portuguese settlers arnongsl lhe Spanish settlers )
ARC - ArchiVQ Reg10nal de Colónia
and lhe indigenous people wíthin the dornaíns 01 lhe campo ln lhe BNL - Bibl10teca Nacional de Lisboa )
second chapter, we locus upon lhe Iíving conditions 01 lhe mililary OH - Ooe-LimonWs"Hi5toMos
who formeà lhe crew stationed aI lhe garrison. ln lhe Ihird cha-
)
01- Documentos Intoressantes para a História ú Costumes de São Paulo
piler, the locus is placed upon lhe ciVil population dedicated lo IEB Instituto do Estudos 6rasileiros :>
farming and handicraft, as well as lo lhe Catholic clergy. ln lhe IHGS lnstltuto Histórico e Geogrâfico SrasllGtiro )
lourth chapler, we approach lhe everyday lives 01 It]e merchants RAPM - Revista do Arquivo Público Minalro
)
- lhe problems Ihey laced wilh lhe competilion against the English RIHGB - Revista do Instituto Histórico e Geográfíco Brasileiro
srnugglers and the Spanish officials-atternpls lo inhiblt iIIegal )
RJHGRS - Revista do tnstllufo Histórlco e Goográ1!oo do Rio Grande do Sul
Irade. RIHGU Revista dei Instituto Histórico y GeogtáfjCQ dei Uruguay )
)
)
cód. - códice )
doe. "' documento
f. - folha
)
reg. registro )
v. - verso )
vol. "~ volume
)
,)
18 19
)
)
,
-'
)
)
)
)
)
)
INTRODUÇÃO
)
)
)
A Colónia do Sacramento foi fundada na margem esquerda
-> do Rio da Prata em 1680 por D. Manuel Lobo, obedecendo ao
) plano do príncipe regente D. Pedro de expandir os domínios por-
tugueses na América, a fim de assegurar vantagens territoriais e
) económicas à Coroa portuguesa. A ocasião era propícia, pois a
) decadente Espanha de Carlos II, o último Habsburgo espanhol,
) não parecia capa~ de opõr resistência aos velhos projectos expan-
sionistas portugueses que visavam dominar o estuário platino e,
) através dele, assegurar a manutenção do fluxo da prata contra-
bandeada das minas de Potosí'para Lisboa, por via dos portos
brasileiros.
~ Se a metrópole espanhola estava enfraquecida, a isolada
,} fortaleza de D. Manuel Lobo não pôde resistir ao ataque combi-
J
\ nado das forças coloniais espanholas e dos exércitos indígenas
das missões jesuíticas, grupos para os quais a presença por-
) tuguesa no Prata constituía uma grande ameaça. A destruição de
) Colónia, levada a cabo oito meses após a sua fundação, irritou
) profundamente o principe regente que, sob ameaça de guerra,
forçou a Coroa espanhola a restituir-lhe a posse do território de
~) Sacramento, através do Tratado Provisional de 1681.
) Foram bastante díficeis os primeiros anos que se seguiram
)
ao restabelecimento dos portugueses em Colónia em 1682, quan-
do as restrições do governo de Buenos Aires, que procuravam
) impedir o contrabando e a exploração do gado selvagem que
) abundava nos campos da margem norte do Rio da Prata, se
somaram à corrupção generalizada que marcou o governo de
)
)
21
)
)
)
!

Cristóvão Ornei as de Abreu (1683-1689). A situação melhorou


sensivelmente sob as administrações de Francisco Naper de
Lencastre (1689-1699) e do seu sucessor, Sebastião da Veiga
I espanhóis um motivo para tentar desalojar os portugueses do
Prata, daMo início ao cerco de Colónia, que se estendeu de
Outubro de 1735 a Setembro de 1737. O envio de reforços e
Cabral (1699-1705), com o incremento da política de povoamento expedições navais ~conseguiu impedir a retomada de Sacra-
e a intensa exploração das riquezas pecuárias do actual território mento, mas não teve sucesso em romper o cerco espanhol, que
do Uruguai. Porém, a Guerra da Sucessão Espanhola colocaria foi mantido após o armistício, marcando o fim da crescente
Portugal e Espanha em campos opostos na Europa, resultando no expansão portuguesa pelo interior do território.
desencadeamento das hostilidades no Prata e no abandono de O sftío de 1735 marca, portanto, o início de uma nova fase
Colónia às forças de Buenos Aires em 1705. na história de SacramentQ. Depois da assinatura do armlstfclo
A guerra terminou com a assinatura dos tratados de Utrecht, em 1737 e, particularmente, durante o reinado de Fernando VI
nos quais Filipe V teve de fazer várias concessões a fim de obter (1746-1759), que foi marcado pela reaproximação das Coroas
o reconhecimento das nações europeias à ascensão dos ibéricas, o contrabando voltou a florescer, mas a exploração da
Bourbons ao trono espanhol. O tratado de paz com Portugal, riqueza pecuária fez-se mais através da cooperação com os indf-
assinado em 1715, assegurou aos portugueses a devolução do genas e espanhóis que da presença efectiva dos portugueses no
)
território da Colónia do Sacramento. A partir de então, a Coroa pampa. Também acabou a expansão agrícola, uma vez que a
portuguesa iniciou uma verdadeira politica de povoamento na manutenção do campo de bloqueio impediu a criação de novas )
região, através do envio de sessenta casais da província de Trás- quintas nas ten:as fora do controle dos portugueses. )
-as-Montes. A retomada do contrabando garantiu a remessa de Embora o Tratado de Madrid, em 1750, estipulasse a troca
grandes quantidades de prata, ao passo que a exploração do da Colónia do Sacramento pelos Sete Povos das Missões, ela )
gado selvagem trouxe como consequência a luta com os espa- nunca loi efectivada, sendo que o Tratado de EI Pardo, de 1761, )
nhóis e indígena!? pelo domínio do território, marcando a fase anulou o ante.rior, A guerra voltaria ao Prata como consequência )
mais próspera e dinâmica da história da COlónia do Sacramento. do conflíto europeu que opôs os Bourbons à maior parte das
Se os primeiros tempos ainda foram dificeis devído aos demais nações europeias, entre as quais Portugal, resultando na )
problemas de abastecimento que marcaram o governo de Manu- capitulação de Colónia frente ao governador de Buenos Aires, )
el Gomes Barbosa (1716-1722), a situação mudaria radicalmente em Setembro de 1761. Pelo Tratado de Paris, assinado em Feve-
)
com a chegada do seu sucessor. A junção do apoio decidido da reiro de 1763, a influência da Inglaterra, novamente Ifder vitoriosa
Coroa à grande capacidade administrativa do governador de outra liga contra Espanha e França, obrigou a Coroa espa- I
António Pedro de Vasconcelos (1722-1749) foram os factores nhola a devolver Colónia aos portugueses. )
responSáveis por um períOdO de grande desenvolvimento que Entrementes, uma nova guerra entre Espanha e Portugal,
)
pode ser considerado como o apogeu da presença portuguesa desta vez sem a partiCipação dos seus poderosos aliados
no Rio da Prata. europeus (respectivamente França e Grã-Bretanha), possibilitou )
Porém, a prosperidade dos habitantes da Colónia do Sa- a reconquista de Sacramento pelos castelhanos em 1777. Sem )
cramento preocupava a Coroa espanhola, lesada pelo Intenso a ajuda dos britânicos, os portugueses não puderam assegurar
contrabando, enquanto os colonos e os índios das missões seu retomo ao Prata, sendo que o Tratado de Santo Ildefonso, )
conviviam a contragosto com a concorrência portuguesa na assinado em Outubro do mesmo ano, manteve Colónia em poder )
exploração do gado selvagem. Um incidente diplomático em da Espanha, situação que seria ratificada pelo Tratado de EI )
Madrid, sem maiores consequências na Europa, fomeceu aos Pardo, assinado em Março do ano seguinte.
)
)
22 23
)
)
í
) i
) Face a tantas guerras e tratados, é natural que os histori- militar desempenhado por Sacramento, nas quais a ênfase nos
) adores que se dedicaram à história da Colónia do Sacramento actos heróicos privilegiava as funções patriótica e comemorativa,
) buscassem, antes de tudo, ressaltar os aspectos militar e pretendemos elaborar um estudo cujo centro de interesse é a re-
diplomático da conturbada presença portuguesa no Rio da Prata. constituição do quotidiano das pessoas que viveram em Colónia.
) Embora as primeiras tentativas de escrever a história de Uma vez apontado o estudo do quotidiano como a abordagem
) Sacramento remontem ao século XVIII" a sua abordagem actual que privilegiamos a fim de tentarmos reconstituir a história das
limita-se a pequenos capítulos em publicações que tratam do pessoas que viveram em Sacramento, faz-se necessária uma
)
período colonial dos países marcados pela sua história. Poucas breve explanação sobre o conceito de história do quotidiano que
) são as publicações que se ocupam especificamente da história norteará a nossa pesquisa. Para os historiadores ligados à
) da Colónia do Sacramento, sendo que a maioria delas foi escrita chamada École des Annales. o quotidiano e o estudo da vida pri-
dentro de uma concepção bastante tredicional da História, na vada são, essencialmente, uma maneira de abordar a história
)
qual se privilegiam os aspectos diplomáticos entre as potências económica e social. A história da vida quotidiana não é definida
) colonizadoras, ao mesmo tempo que se descrevem em minú- somente pelo estudo do habitual por oposição ao excepcional
) cias as diversas batalhas travadas entre portugueses e espa- nem é, tão-pouco, concebida como a descrição do cenário de
nhóis junto aos muros da fortaleza. Em resumo, trata-se de uma época. Para esse grupo, a história do quotidiano deve ser
:> uma abordagem marcadamente factual, no estilo denominado feita através do estudo do habitual imbricado na análise dos equi-
) histoire événementielle pelos historiadores ligados à Escola Ifbrios sociais e económicos que sUbjazem às decisões e aos
dos Annalelil. conflitos políticos'.
)
Uma nova abordagem sobre a história de Colónia foi feita À primeira vista, parece difícil delimitar a área de actuação
) por Luís Ferrand de Almeida em 1973, na sua tese de doutora- do quotidiano daquela da vida privada, situação que originou um
mento pela Universidade de Coimbra, intitulada A Colónia do proveitoso debate entre os historiadores para definir e especifi-
Sacramento na Época da Sucessão de Espanha. O historiador car o âmbito de cada um desses conceitos. Segundo Ronaldo
delimita a sua área de pesquisa entre 1680 e 1705 e, embora Vainfas, o quotidiano diz respeito ao tempo, sendo passível de
) ainda centralize o enfoque na situação político-diplomática de ligar-se às estruturas e ao social global, enquanto a vida privada
) Colónia, analisando-a e relacionando-a com o contexto europeu, estaria ligada à domesticidade, à familiaridade ou a espaços
dedica um capítulo ao estudo dos diferentes grupos que com- restritos. Embora enfatize a diferença entre os dois conceitos,
) punham a população de Sacramento e outros dois à agriCUltura, Vainfas assegura que não há razão "para pensá-los como neces-
) à pecuária e ao comércio dos couros, principais fontes de renda sariamente excludentes. uma vez que a dimensão da familiaridade
) da população de Colónia na época. ou da Intimidade pode ou deve ser perfeitamente percebida na
Não é nosso objectivo desacreditar a abordagem tradicional, cotidianidade'".
) senão abordar a história de Sacramento sob uma nova óptica, Laura de Melto e Souza e Fernando A. Novais afirmam que
) seguindo o caminho já apontado por Luís Ferrand de Almeida. "quotidiano e vida privada assumem contornos específicos em
Antes de tudo, buscaremos fugir ao que foi pejorativamente situações históricas específicas'; relacionando o quotidiano ao es-
)
chamado de "história-batalha" pelos historiadores da Escola dos paço público e a vida privada com o espaço privado, ressaltando
\
.J AnnaleS'. Deixando de lado o tradicional estilo narrativo que que a diferenciação entre o público e o privado ultrapassa os limi-
) privilegia a descrição das batalhas e o tempo histórico contínuo tes da familiaridade, pois "o ámblto privado deve ser associado
e linear que marcaram multas das obras escritas sobre o papel ao indivíduo e simultaneamente oposto ao âmbito público onde
)
)
24 25
)
)
)
"(
se espraia o estado". Contudo ressaltam que "no mundo pré-ca­ de emigrantes e degredados para o Rio da Prata não se fez sem (
pitalista, e na ausência de um estado definido, os contornos entre algum tipo de rompimento com o quotidiano vivido anteriormente (
quotidiano e vida privada se esfumariam'''. por essas pessoas.
Outra preocupação dos historiadores consiste em ligar a Uma vez definido o ãmbito público como o espaço privile­ (
história do quotidiano à análise das estruturas da sociedade, o giado e a curta duração para o recorte cronológico do nosso (
que levou Jacques Le Goff a criticar duramente a colecção A estudo da história da vida quotidiana na Colónia do Sacramento,
Vida Quotidiana, editada pela Hachette a partir de 1939, na qual, buscaremos, apoiados na argumentação de Sheila de Castro
l
ao lado de grandes obras, verificou a existência de "obras me­ Faria, "pensar a noçi3o de quotidiano até mesmo nas práticas (
díocres, que mais não são do que uma poalha de anedotas, de produtivas, económicas, colectivas, ou individuais, pois ni30 é (
dados dispersos, de instantâneos, que nada tem a ver com o ver­ possível separar trabalho (ou mesmo o ni30 trabalho) - qualquer (
dadeiro quotidiano e, ainda menos, com a história". Por isso que seja e onde quer que esteja - do quotidiano"".
ressaltou que "o quotidiano SÓ tem valor histórico e científico no É nessa tentativa de buscar o quotidiano nas práticas pro­ (
seio de uma análise dos sistemas históricos que contribuem para dutivas que concordamos com Alf Lüdtke, que sustenta que os
explicar o seu funcionamento'''. trabalhadores devem situar-se no seio das pesquisas feitas
Peter Burke segue o seu pensamento ao afirmar que o (
pela história do quotidiano. Porém, se o cerne da vida quotidi­
desafio do historiador social é mostrar que o quotidiano faz parte ana é reconstltuir o dia-a-dia dos "pequenos", dos que não têm (
da História, relacionando a vida quotidiana aos grandes .aconte­ voz na história oficial e são tratados como simples cifras nu­
cimentos, como a Reforma ou a Revolução Francesa, ou às
(
méricas na história económica, Lüdtke não deixa de enfatizar
tend$ncias a longo prazo, como a ocidentalização ou a ascensão que "a influência, o estatuto, o poder e o prestigio dos 'grandes" C
do capitalismo'. Ao sugerir o estudo do quotidiano durante os nilo po'dem ficar entre parêntesiS, Os títulos de poder e proprie­ (
grandes acontecimentos, Burke abre a possibilidade de estudá, dade, mas também. as suas representações simbólicas reve­ (
-lo na curta duração, numa perspectiva diferente da abordagem lam particularmente ser o emblema das relações sociais e dos
feita pela longa duração braudeliana. Michel Vovelle também conflitos sociais"." (
defende a revalOrização do estudo da curta duração, rejeitado Uma vez apontadas as referências teóricas que orientarão o (
durante a ofensiva dos historiadores ligados à Escola dos nosso trabalho, buscaremos ligá-Ias aos factores responsáveis
Annales contra a história factual'. Segundo o mesmo, o tempo pela especificidade do quotidiano vivido pelos luso-brasileiros
curto recupera a sua importância quando se dá uma ruptura na que se instalaram às margens do Rio da Prata. A principal caracte. {
sociedade, tal como aconteceu na França durante a Revolução rística da vida quotidiana na Colónia do Sacramento, devido ao (
Francesa". seu carácter de posto avançado numa região que pode ser consi­
Seguindo esse raciocínio, concordamos que grandes mu­ derada uma verdadeira fronteira viva com a América espanhola, (
danças na sociedade conduzem a consideráveis alterações na era a forte tensão permanentemente vivida pela sua população (
vida quotidiana, pois, como exemplo. acreditamos que o dia-a­ em função dos conflitos bélicos e sues consequências, que fre­
-dia de um alemão. qualquer que fosse seu papel na sociedade, (
quentemente assolavam a região. Os constantes bloqueios a
sofreria uma grande transformação por ocasião da passagem da que esteve submetida a popUlação de Colónia ao longo da sua i
"
República de Weimar para o governo do Terceiro Reich. Consi­ história foram os prinCipais factores responsáveis pela constitui­ (
deramos que, embora não haja uma ruptura desse nível na ção de um quotidiano que se diferenciou do vividO pelas popu­
sociedade colonial a qual nos propomos estudar, a transferência (
lações que habitavam outras regiões da América sob o domínio
(

26 z,.
27
(
(
r
)
) português, onde se deram os conflitos contra os indígenas e não efectiva de povoamento e pelas sucessivas tentativas de alargar
) contra os europeus, exceptuando-se o período de ocupação o domínio português pelo litoral e pelo interior do território.
) holandesa no nordeste e as eventuais invasões francesas que O período final da administração de António Pedro de
ocuparam determinadas parcelas do território por pouco tempo. Vasconcelos (1737-1749) e os governos de Luís Garcia de Bivar
) Se, para os comerciantes, durante os raros períodos de paz (1749-1760), Vicente da Silva da Fonseca (1760-1762), Pedro
) que viveu Colónia, o comércio ocupava a posição central da vida José Soares de Figueiredo Sarmento (1763-1775) e Francisco
quotidiana, da mesma forma que a religião para o clero ou a José da Rocha (1775-1777) foram caracterizados, sobretudo, pela
) agricultura para os casais povoadores, a tensão gerada pelo tentatívade preservar a lucrativídade do comércio ilícito, uma vez
) perigo da guerra atingia todos os segmentos da população de que, desde 1735, o bloqueio constante imposto pelos espanhóis
) Sacramento, não se restringindo apenas aos militares. Essa ten- impediu os portugueses de continuar a política de povoamento
são permanente originou um quotidiano fortemente marcado por através do incentivo à agricultura e à exploração dos recursos na-
)
uma sensação de sobressalto, pois enquanto o Rio de Janeiro, turais. Se, antes do estabelecimento do bloqueio espanhol, a Co-
) principal ponto de apoio, estava distante quatorze dias de viagem lónia do Sacramento era vista como um importante pÓlo coloni-
)
com bom vento, o inimigo vivia nas proximidades, podendo coor- zador que inquietava as autoridades espanholas, depois de 1735
denar um ataque eficiente a qualquer momento. a sua situação pOde ser comparada à de outras praças de guerra
) Embora a tensão originada pela vizinhança com os espa- confinadas a um estreito território como Macau e Mazagão.
) nhóis seja a principal caracterlstica do quotidiano dos habitantes A nossa pesquisa tem como objectivo reconstituir ó quotidi-
de Colónia, é impossível abordar a .vida quotidiana da Colónia do ano na Colónia do Sacramento, de 1715 até 1735. O aM de
) Sacramento durante todo o período em que esteve sob o 1715 foi marcado pela assinatura do Tratado de Utrecht, pelo
í domínio português, pois de 1680 a 1777 não temos uma Colónia,
-"~
qual a Espanha teve de devolver Sacramento a Portugal, Ini-
mas várias. O breve período do governo de D. Manuel Lobo, que ciando-se então uma nova etapa do estabelecimento dos por-
vai da fundação, em Janeiro de 1680 à sua destruição, em Agos- tugueses às margens do Rio da Prata. O ataque espanhol de
-)
to do mesmo ano, é um período marcado pela provisoriedade, 1735, por sua vez, marca o fim de um períOdo em que parecia
) em razão da oposição dos espanhóiS ao estabelecimento dos que a COlonização lusitana criara raízes definitivas no Prata, pois,
) portugueses. O governo "de Cristóvão de Ornelas de Abreu desde então, o territÓrio de Colónia foi restrito à área de alcance
(1683-1689) foi fortemente marcado pela rede de contrabando da artilharia portuguesa pelo campo de bloqueio instituído pelos
) que beneficiava o governador em detrimento dos comerciantes e espanhóis. Esse período, relativamente curto, de vinte anos, foi
) pelo fraco interesse do mesmo no desenvolvimento da povoa- marcado por uma intensa mobilização de recursos e homens
)
ção. com os quais a Coroa portuguesa pretendeu firmar a sua posição
Já os governos de Francisco Naper de Lencastre (1689- no Rio da Prata.
) -1699) e Sebastião da Veiga Cabral (1699-1705) foram marcados A fim de abordarmos as principais características da história
) pelo incremento do processo de povoamento e da exploração da de Colónia, optámos por dividir este trabalho em quatro capítu-
riqueza representada pelo gado selvagem. Sob as administra- los: "Um Território em Disputa", "O Bastião do Sul", "Uma Nova
)
ções de Manuel Gomes Barbosa (1715-1722) e António Pedro de Lusitânia" e "Um Ninho de Contrabandistas". Essa divisão pre-
) Vasconcelos (1722-1749), a Coroa pretendeu fazer de Sacra- tende abarcar as prinCipais facetas da história de Sacramento:
) mento um importante pÓlo de desenvolvimento da colonização as tentativas de expansão pelo interior a fim de assegurar a posse
portuguesa no Prata, através da implantação de uma política da riqueza representada pelo gado selvagem, o seu carácter de
)
)
28
) 29
)
)
fortaleza fronteiriça; a tentativa de recriar um novo Portugal às O clero também tinha uma importante função no que pode
margens do Rio da Prata e um importante entreposto do comér- ser considerado um autêntico front da expansão portuguesa,
cio ilícito com as colónias espanholas. pois a sua presença assegurava aos soldados a administração
O primeiro capítulo dedica-se ao estudo da dinâmica da dos sacramentos necessários para garantir a vida eterna, pre-
expansão portuguesa pelo interior, feita por meios pacíficos ou ocupação constante dos homens da Idade Moderna. Enquanto o
não. A luta pela exploração das abundantes manadas de gado clero secular procurava sacralizar a ordem vigente através das
selvagem que habitavam os campos da margem norte do Rio da irmandades, o clero regular tinha a importante missão de tentar
Prata foi fonte de fortes tensões e constantes atritos entre por- converter as tribos pagãs que viviam nos campos da margem
tugueses, espanhóis e indígenas; pois elas representavam a norte do Prata para, através desse processo, garantir a submis-
principal riqueza numa região que não contava com a agricultura são dos indigenas às autoridades portuguesas.
de exportação nem com a existência de minas de metais pre- Apesar das fontes fazerem breves referências ao trabalho
ciosos, que chegavam do Alto Peru através do contrabando. A dos escravos negros em Colónia, tentamos retomar esse tema
pela sua importância, pois os cativos estiveram presentes em )
disputa pelos lucros, que podiam ser obtidos através da expor-
tação de sebo e couros fornecidos pelo gado selvagem, acirrou vários sectores: nos serviços domésticos, nos ofícios manuais, '1
a luta entre portugueses e espanhóis e foi um importante mo- na agricultura, na caça ao gado selvagem e, em época de ecnfli-
,\
tivador para que o cabildo de Buenos Aires e os jesuítas das tos bélicos, foram armados e organizados em agrupamentos de
soldados auxiliares. )
Missões apoiassem OS frequentes ataques a Colónia.
No segunda capítulo, abordaremos o quotidiano dos mili- No quarto caprtulo faremos uma análise da importância do )
tares, elemento de importância vital numa região onde dois pro- ecntrabando na Colónia do Sacramento, procurando reconstruir
as diferentes técnicas que os contrâbandistas utilizavam para )
jectos expansionistas se encontravam, originando um foco de ,
tensão permanente. A nossa abordagem privilegiará o sistema fugir da repressão exercida pelas autoridades ecloniais_ espa- -}

de recrutamento, as dificuldades eCGFlémieas-fesultam€ls~os-­ nholas. ao comércio ilícito. Uma análise detalhada, tendo ecmo "
/
constantes atrasos no pagamento dos soldos, os problemas de base os documentos pertencentes aos agentes de uma so-
ciedade de comerciantes portugueses instalados em Colónia, )
abastecimento de alimentos e fardas, os atritos com os oficiais,
a deserção como a principal forma de resistência à violência da permitirá a reconstituição do quotidiano desses mercadores atra- ')
vida militar e os castigos a que estavam sujeitos os desertores vés das tensões que permeavam as dificuldades de fugir à vigi-
)
lância das autoridades espanholas, a concorrência comercial dos
captu ra dos. )
O terceiro capítulo é dedicado ao estudo dos problemas ingleses, os atritos com os militares da guarnição e os problemas
quotidianos das diferentes categorias sociais que viviam em Co- relacionados com o transporte e demanda das mercadorias. J
lónia, que não os militares e comerciantes. Um grupo importante Além da pesquisa bibliográfica, procurámos nas fontes manus-
critas e impressas as informações necessárias à reccnstituição do )
em Sacramento era formado pelos sessenta casais transmon-
tanos que chegaram em 1718 para incrementar o povoamento quotidiano das pessoas que viveram na Colónia do Sacramento. )
da região, com os objectivos de marcar a presença efectiva dos No Arquivo Nacional do Rio de Janeiro pode ser consultada boa )
portugueses no Prata, iniciar o cultivo da terra para diminuir a parte da ecrrespondência mantida entre os govemadores do Rio e
de Colónia. No Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, há um )
dependência das remessas de alimentos enviados do Rio de
Janeiro e também de servir como soldados nas frequentes guer- número considerável de cópias dos registos das consu~as do
Conselho Ultramarino que fazem referência directa à Colónia do
ras com os espanhóis. )
)
31
30 )
)
)
)
Sacramento. A mapoteca do Arquivo Histórico do Exército guar- o Regimento para o Exército, de 1708, e a Relação das festas
) da a maior parte dos mapas existentes sobre Colónia. organizadas pelo governador Luís Garcia de Bivar na COlónia
) O acervo do Archivo Regional de Colónia compõe-se de do Sacramento, em 1753, para comemorar a aClamação de
poucos documentos originais entre os quais Se encontram algu- D. José l. Na grande quantidade de documentos reunidos na
)
mas cartas, um alvará régio de 1751 e dois folhetos sobre as Colec-ção Pombalina, muitos fazem referência à COlónia do
) festas realizadas em Sacramento em 1730 e em 1752. Embora Sacramento, porém a maior parte deles refere-se unicamente
) o arquivo apresente um pequeno número de documentação aos aspectos diplomáticos da disputa do território de Colónia
original, possui importantes documentos referentes à histórta de entre as Coroas de Espanha e Portugal, sendo de pouco inter-
)
Colónia que foram fotocopiados no Archivo Histórico Nacional, esse para a reconstituição do quotidiano.
) de Montevidéu; Archivo General de la Nación, de Buenos Aires; Além das fontes primárias consultadas nos arqUivos, é im-
) Archivo General de índias, de Sevilha e na Biblioteca e Arquivo portante citar a colecção de documentos publicados nos Anais
Distrital de Évora. da BIblioteca Nacional, Documentos Históricos, Documentos
) No Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, em oito caixas, Interessantes para a História e Costumes de São Paulo, e nas
) estão guardadas inúmeras cartas e requerimentos de autorida- revistas dos institutos históricos e geográficos. A maioria dos his-
) des residentes em Colónia que foram encaminhadas à Coroa. toriadores que se dedicaram a estudar a história da Colónia do
Dedicamos especial atenção às cartas enviadas pelo governador Sacramento, tiveram o cuidado de anexar às suas obras impor-
) António Pedro de Vasconcelos ao rei D. João V, nas quais infor- tantes COlecções de documentos que foram essenciais para a
J ma o soberano sobre as mais diversas particularidades do ter- nossa pesquisa. Assim, pudémos consultar importantes fontes
ritório e da população que estava encarregado de administrar. publicadas nas obras de António Bermejo de la Rica, Jonathas
)
Além dessa colecção, no mesmo arquivo. encontramos mais da Costa Rego Monteiro, Luís Ferrand de Almeida, Luís Enrique
fontes referentes à história de Sacramento entre os documentos Azarola Gil e Moacyr Domingues.
colectados por Eduardo de Castro e Almeida e reunidos à docu- O nosso estudo sobre as fontes espanholas deve-se funda-
J mentação referente à capitania do Rio de Janeiro. mentalmente às fontes publicadas por Jaime Cortesão em Manus-
No Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, na critos da Colecção De Ange/is, Carlos Corrêa Luna em Campana
) docmentação reunida sob o' título de Manuscritos do Brasil, en- dei Brasil, Antecedentes Colonla/es, e pelos padres Pablo Pas-
) contramos algumas das cartas escritas pelo capitão Manuel de tells e F. Mateos em Historia de la Compania de Jesus en la
Barros Guedes Madureira, comandante do regimento de Dra- Provinda dei paraguay Según los Documentos Orlginales dei
) gões de Minas Gerais, endereçadas ao governador interino de Arohivo General de Indias.
) Minas, Martinho de Mendonça de Pina e de Proença. Essas car- Seguindo a orientação dos professores que presidiram a
tas revelam importantes aspectos do quotidiano dos soldados banca do exame de qualificação. optámos por actualizar a orto-
)
que foram enviados para reforçar a guarnição de Sacramento, grafia das fontes citadas no decorrer deste trabalho. Também
) aquando do sitio espanhol que se estendeu de 1735 a 1737. Nos optámos por traduzir para o português todas as citações feitas
) documentos registrados nos livros da "Chancelaria de D. João em /fnguas estrangeiras, ao invés de actualizar a sua ortografia.
If'" e do ''Conselho de Guerra", também há algumas fontes que As traduções, assim como as actualizações, são de responsabili-
)
ajudam a conhecer alguns dos homens que viveram em Colónia. dade exclusiva do autor.
\ Na Secção de Reservados da Biblioteca Nacional de Lisboa, A cartografia apresentada nesse trabalho, salvo algumas ex-
) encontram-se o Regimento Militar de 13 de Novembro de 1707, cepções que estão indicadas nos mapas e plantas, foi reproduzida
)
) 32 33
)
)
)
)
a partir das cópias feitas por Jonathas da Costa Rego Monteiro
na mapoteca do Arquivo Histórico do Exército, no Rio de Janeiro,
e publicadas no segundo volume da sua obra, "A Colónia do
)
Sacramento, 1680-1777",
J
)

o QUOTIDIANO DA GUERRA )
A VIDA NA COLÓNIA DE SACRAMENTO )
(1715-1735) )
)
)

NOTAS )
\
)
'Sebastiâo da Veiga Cabral. "Descrição Geográfica e CoIeção Histórica do Continente
da Nova Colónia da Cidade do Sacramento", ín f:?IHGU, torno XXIV [1713J; Simão Pereira de )
Sá, História iopograflCB e Bélica da Nova Colónia do Sacramento do Rio da Prata [1727};
Silvestre Ferreira da Silva, Relação do Sftio da Nova Colónia do Sacramento [1748}. )
·Citamos como exemplos da produção dussa escola j'\lstoriogrática as obras hoje clás--
slcas: António Flermejo de la Rica, La Colónia dei Sacramento; Luís Enrique Azarola Gil, La ~)
Epopeya dê Manuel Lobo: Jonathas da Costa Rego Monteiro, A Colónia do Sacramento
(168Q.1777), )
1\ CE. Nuno Severlano Teixeira, ~A História Militar e a Historiografia Contemporânea", ln

A Defesa Nacional. n" 768, pp, 83~96, )


4 Mary dei priore, "História do Cotidiano e da Vida Privada~, in ClrO' F. Cardos e Ronaldo

Vainfas (orgs.), Dom(nÍGs da História: Ensaies de Teoria e Metodologia, pp, 265-266. )


$ RO'naldo Vainfas, "História da VIda Privada: Dilemas, Paradigmas, Eeealas", ln Anai$:

do Museu Paulista, vol. 4, p. i 4-


'ii Laura de MellO' e SOuza e Femando A, Noval$, ~Comentário vr. ln Anais do Museu
)
Paulista, vot 4. pp. 64-6$.
1 Jacques Le Gott, "A História do CO'tidianO''', ln Georges Duby et 81ft, História e Nova.
)
HIstória, p, 93.
e Peter Burke, NA Nova História, seu PassadO' e $eU Futuro~, in Pelar 6urke (org.), A
)
Escrita da História, pp. 24-25.
$ Michel Vovelle, A M9ntalidade Revolucionária: Socfedade e Mentalidades oa )
Revoluçà.o Francesa. pp,9-10.
flj Michel Vovelle, "L'Histoirc et la Longue Dures"', ln Jacques Le Goff (dir.), La NouvelJe
)
Histoire, p.99.
"$heila de Castra Faria, "ComentáriO' IX", in Anais do Museu Paulista. vai, 4, p. 91. )
ti AIf LQdtke, "'Qu'est~oe que L'hi$tolre do quotidien, et qui la pratIque?" in Alf LOdtke

(dir.), Hfstoirs ou Ouotidlen, p. 25. )


)
)
34
)
)
)
)
)
)
-
'\,

)
) 1 - UM TERRITÓRIO EM DISPUTA
)
) Logo que passou a interessar-se pela América do Sul, a Co-
) roa portuguesa procurou balizar os seus domfnios pelos maiores
rios descobertos, o Amazonas ao norte e o Prata ao sul. Não
)
procurava propriamente estabelecer fronteiras naturais, mas sim
) garantir o controle das vias de acesso ao interior do continente,
") Devido a problemas dinásticos, Portugal só pôde desenvolver o
povoamento da região platina depois de conseguir a restauração
) da sua independência, mas, mesmo então, contou com forte opo-
sição da Coroa espanhola, que defendia os seus direitos sobre
) ambas as margens do Rio da Prata.
A fundação da Colónia do Sacramento, em 1680, não repre-
sentou a concretização do desejo de estender os domínios por-
tugueses até ao Prata, pois, embora os espanhóis fossem forçados
a restituir a Portugal, por várias vezes, o pequeno entreposto lusi-
:.j
tano, conseguiram Impedir a anexação da margem norte do Rio
"
, da Prata ao império colonial português. Diferentes interpretações
) sobre as terras que correspondiam ao chamado "território da
')
Colónia do Sacramentd' obstaculizaram a realização do projecto
expanSionista lusitano. É sobre a longa disputa travada entre por-
) tugueses e espanhóis pelas terras que hoje constituem o território
) uruguaio que trataremos nas páginas seguintes.
)
)
)
;,
)
) 37
)
)
)
)
)
)
1.1. - O FAScíNIO PELO RIO DA PRATA Outro importante passo na disputa pelo Rio da Prata foi
tomado quando D. João III enviou uma armada de cinco navios a )
Muito cedo portugal mostrou interesse pelo Rio da Prata. Se, fim de tomar posse das terras que descobrisse dentro da demar- )
ao contrário da propaganda oficial da Coroa, não é possível cação portuguesa. A frota, sob o comando de Martim Afonso de
)
provar que os portugueses chegaram ao Prata em 1501, na expe- Souza, partiu rumo ao Brasil êm 3 de Dezembro de 1530. Ao
dição dirigida por Américo Vespúcio, efectivamente eles foram os chegar a Pernambuco, Martim Afonso enviou duas caravelas )
primeiros europeus a navegar o rio sob a direcção de Henrique para explorar o rio Amazonas e, com o resto da armada, continu- )
Froes (ou Flores). ou a sua viagem em direcção ao sul. Embora, em fins de Outubro
)
Pilotada por João de Lisboa e armada por D. Nuno Manuel e do ano seguinte, na entrada do estuário platino, uma tempesta-
Cristóvão de Haro, esta expedição percorreu a costa brasileira de provocasse o naufrágio da nau capitânia, Martim Afonso e a
rumo ao sul, onde descobriu o cabo de Santa Maria (actual Punta maior parte da tripulação conseguiram salvar-se a nado. )
dei Este) e penetrou no Rio da Prata em 1512, chegando Devido ao mau estado dos navios e aos fortes temporais que
provavelmente até ao ponto onde mais tarde seria fundada a agitavam as águas do Prata, o conselho convocado pelo capitão )
Colónia do Sacramento'. Na viagem de regresso, o capitão-mor foi favorável ao retorno da expedição. O irmão de Afonso de Sou- "
\

trouxe como presente ao rei um machado de prata, a fim de za, Pêro Lopes de Souza, foi encarregado de, com um bergantim
)
provar a existência de metais preciosos no sertão. tripulado por trinta homens, dar prosseguimento à missão, colo-
Pensava-se, então, que o Rio da Prata levava ao Oceano cando padrões nas margens do rio a fim de assegurar a sua )
Pacifico, descoberto por Balboa ao atravessar o istmo do posse para a Coroa portuguesa. Pêro Lopes e seus homens )
Panamá no mesmo ano. A notícia da expedição portuguesa pre- deram, então, prosseguimento à viagem, costeando a margem
norte do Rio da Prata, passando pela enseada de Montevidéu e )
ocupou o rei da Espanha que, em 151 5, mandou para o Atlântico
"
Sul uma expedição comandada pelo português, a serviço da ao largo das ilhas de São Gabriel e Martim Garcia, chegando ao ~/'

Coroa espanhola, João Dias de Solis. Composta de três navios, delta do Paraná em 2 de Dezembro de 1531. A viagem pros- '\
a expedição subiu o Rio da Prata até perto da foz do rio Uruguai, seguiu rio acima até o dia 11 do mesmo mês, quando se Iniciou o .'
onde Solis e alguns companheiros que desembarcaram consigo regresso, após efectuar-se a instalação de dois padrões no lugar )
foram trucidados pelos indígenas'. que os índios identificaram como sendo a terra dos Carandins'.
Os portugueses voltaram ao estuário platino em 1521-1522 A expedição de Martim Afonso de Souza gerou protestos por
sob o comando de Cristóvão Jaques', enquanto os espanhóis parte do governo espanhol, sendo que a imperatriz D. Isabel .1
marcaram sua presença na região com as expedições de mandou o seu embaixador em Lisboa pedir a D. João III que se )
Magalhães (1520), Caboto (1526-1529) e Diogo Garcia (1526- abstivesse de mandar novas expedições ao Rio da Prata, pois )
-1529)'. A disputa pelo Prata era alimentada pelos relatos de via- ,afirmava ser notório que o rio ficava dentro da demarcação de
Castela. Porém, para o Conselho das índias, a única solução )
jantes e aventureiros' que falavam de ricas terras desconhecidas
às quaiS chamavam de "Costa do Ouro e da Prata, serra da para resolver a questão seria o envio de uma armada para povoar
Prata, rio da Prata, rei Branco .. .'''. Indubitavelmente, a esperança a região platina. Seguindo essa política, em Maio de 1534, D. Pe- )
de encontrar a fabulosa perra de prata, a partir da navegação do dro de Mendoza foi nomeado governador e capitão geral das
Rio da Prata, contribuiu !para que o nome dado pelos portugueses províncias do Rio da Prata'. )
ao rio suplantasse a denpminação "Rio de Solis", dada ao mesmo A expedição de Mendoza chegou ao Rio da Prata em 1536, )
pelos espanhóis em hom,~nagem ao seu suposto descobridor. onde fundou Buenos Aires na margem direita e Corpus ChrisH
--:)
'..... )
38
'. 39
)
)
)
)
e Buena Esperanza às margens do Paraná. No mesmo ano, O comércio com o Peru deveria ser feito através do istmo pa-
) Mendoza enviou o seu lugar-tenente, Juan de Ayolas, com 170 namiano. Essa centralização objectivava manter sob um rígido
) homens e três navios, à procura da lendária Serra de Prata. Juan controle todas as operações mercantis com as colónias, especial-
de Salazar, mandado em socorro de Ayala, fundou, em 1537, a mente as remessas de metais preciosos para Espanha.
)
cidade de Assunção, na margem esquerda do Paraguai, em A partida das frotas anuais tardava fre.quentemente e parece
) frente à foz do rio Pilcomayo. Dessa nova base saíram outras mesmo que a maioria delas partiu com atraso. Por sua vez, a
) expedições exploradoras espanholas. Em fins de 1547, Martinez demora no regresso à Europa prejUdicava a regularidade das
de I rala .deixou Assunção com 250 espanhóis e mais de dois mil viagens de volta à América, pois os comerciantes sevilhanos ti.
)
índios rumo à Serra da Prata. No entanto, foi grande a desilusão nham de esperar a chegada das mesmas para obter os metais
) de Irala ao verificar que a famosa serra já havia sido conquis-tada preciosos com os quais compravam as mercadorias destinadas
) pelos espanhóis que tinham vindo pelo norte. Identificara-se, afi- às índias de Castela. Em mais de um ano não zarpou frota algu-
nai, a lendária serra com o Alto Peru ou, mais precisamente, com ma de Espanha com destino às suas colónias, que sempre
) a região de Chuquisaca e Potosi". estiveram insuficientemente abastecidas de produtos de consu-
) mo europeus. Essa situação não era de todo desagradável para
~I os comerciantes sevilha nos, já que a escassez das mercadorias
aumentava em muito o seu valor, resultando em altas taxas de
) 1.1.1. - A Rota Oficial de Comércio lucro que compensavam todos os riscos do transporte atlântico".
) com as Colónias Espanholas Para os monopolistas espanhóis, um tráfico limitado significava
) maiores lucros e menos riscos, já que a concorrência entre os
A exportação das riquezas extraídas das minas peruanas, compradores em adqUirir produtos num mercado mal provido pro-
assim como o suprimento do mercado consumidor que nasceu porCionava aos vendedores uma grande lucratividade na venda
") com as mesmas, fez-se pelo mesmo caminho pelo qual se deu a das suas mercadorias".
conquista do Peru, ou seja, através do istmo do Panamá, ponto Único porto autorizado a comercializar com o Peru, Portobelo
onde se encontravam as rotas do Atlântico e do Pacífico. Quando vivia dias de euforia quando a cidade se enchia ,com a multidão de
se descobriu que através do Rio da Prata e seus afluentes tam- funcionários, mercadores, comissários. artesãos e ca rregadores
) bém se poderia escoar as riquezas do Alto Peru para Espanha, já que afluíam à cidade por ocasião da chegada da frota de Sevílha.
estava em vigor uma rota oficial de comunicações que privilegia- Dali, as mercadorias eram transportadas em pequenas embar-
) va o Caribe. cações pelo rio Chagres até Cruzes, onde eram transportadas em
) Em 1503. com a fundação da Casa de Contrafacíón, a Coroa lombo de mulas até ao porto do Panamá, na costa do Pacífico.
espanhola instituiu o monopólio régio sobre o comércio ultramarino Do Panamá, as mercadorias eram embarcadas para Caliao, na
)
através da sua centralização em Sevilha, único porto autorizado a costa peruana, onde chegavam depois de três semanas de via-
) comercializar com as colónias espanholas", que até então se limi· gem. Daquele porto, as mercadorias, conduzidas por tropas de
) tavam às Antilhas. As ordenanças de 18 de Outubro de 1564, mulas, chegavam a Lima e eram distribuídas a todos os recantos
complementadas nos anos seguintes, regulamentaram a saída do Vice-Reino do Peru.
)
de duas frotas anuais. Uma deveria partir na primavera, rumo ao A longa extensão da rota comercial, a diversidade dos meios
.,) México, enquanto a outra deveria zarpar no verão para a chama- de transporte empregues, as inúmeras baldeações, a precarie-
) da Terra Firme (litoral caribenho da actual Colômbia) e o Panamá." dade das vias, as taxas alfandegárias e as altas taxas de lucro
)
) 40 41
)
)
)
)
)
auferidas pelos comerciantes elevavam enormemente os preços 1.1.2. - O Contrabando no Rio da Prata
das mercadorias que seguiam a rota oficial de comércio. A isso nos Séculos XVI e XVII ,í
deve acrescentar-se que a norma das feiras do istmo foi sempre )
taxar o valor das mercadorias pelo dobro do preço que tinham Apesar da sua posição estratégica, Buenos Aires teve um iní- )
em Espanha. Para alguns géneros, entretanto, não eram raros cio pouco promissor, pois a conjunção de factores desfavoráveis
lucros de 150,300 e 500%". Considerando o elevadíssimo preço como a estagnação económica, a propagação de epidemias e )
com que as mercadorias do monopólio chegavam ao consumidor os ataques dos indígenas, levaram ao abandono da cidade em )
peruano, não é de se estranhar que o contrabando então exerces- 1541, Ela voltaria a ser fundada por Juan de Garay em 1580, com
)
se uma incrível força de atracção. o objectivo de facilitar o acesso do Paraguai ao mar, a fim de
A fim de defender os seus lucros através da manutenção do estabelecer uma via comercial directa com a Espanha. Contudo, )
monopólío do comércio, a exemplo dos seus colegas de Sevilha, a esse plano opuseram-se os grupos monopolistas de Lima e Se- )
os comerciantes de Uma reuniram-se numa corporação de mer- vilha'". Desde então, fugindo às restrições do monopólio régio
que favorecia as rotas comerciais já estabelecidas, a cidade de )
cadores chamada consulado. Para a Coroa espanhola o sistema
monopolista facilitava a fiscalização, para os comerciantes dos Buenos Aires tornou-se um importante centro contrabandista, ali- )
consulados representava a exclusão dos rivais, estrangeiros ou mentado pela prata extraída das minas de Potosí. ";
não, já que os portos menores da Espanha e da América estavam Vários factores predispunham o Rio da Prata a desempenhar
rigorosamente proibidos de participar no comércio atlântico". Se um importante papel no desenvolvimento do comércio ilícito, )
o sistema monopolista funcionava e correspondia à situação especialmente durante o período da União Ibérica (1580-1640): a )
económica e política da Espanha durante o século XVI, o cresci- posição atlântica afastada das rotas oficiais, a vastidão do estu-
ário, que impedia uma vigllãncia eficiente, a relativa facilidade de )
mento demográfico, que ampliou a demanda do consumo no
século seguinte, atraiu, contudo, a intervenção dos comerciantes _ac.e.s.s.oao inle.TÍor.através das vias fluviais, a grande necessidade )
- -esüangelros;ií:---- .....- . .--- ...- - . da população em abastecer-se de bens manufacturados e a pos- )
Outro factor que contribuiu para aumentar a participação dos sibilidade da sua obtenção através do contrabando, em maiores
estrangeiros no comércio ilícito com a América espanhola foi a quantidades e a preços muito inferiores aos obtidos através da )
decadência do sistema de frotas, verificada a partir de 1620. rota oficial de comércio'·,
Embora incapaz de suprir as necessidades dos colonos, a Coroa Apesar da legislação restritiva, os lucros que podiam ser
insistiu na manutenção do sistema monopolista". Deve-se salien- obtidos através do comércio ilicito eram muito altos para que os
tar que a insistência das autoridades espanholas em garantír a sectores mais empreendedores da sociedade colonial se sub- )
manutenção da rigidez das rotas comerciais tinha como objectivo metessem às leis criadas pelas autoridades metropolitanas, Tam- )
exercer o controle total sobre o comércio com as suas possessões bém é importante assinalar que antes de iniciar-se a exploração
)
ultramarinas, já que, reservando-se a exclusividade comercial, a comercial do gado selvagem, no século XVIII, através da expor-
metrópole buscava acumular capital às expensas das economias tação de couros em larga escala, a única forma de acumulação )
coloniais. Segundo Fernando A, Novais "o comércio foi de facto o possível em Buenos Aires foi a participação activa no contraban- )
nervo da colonização do Antigo Regime, isto é, para incrementar do.
as actividades mercantis processava-se a ocupaçlio, o povoamen- A primeira tentativa que conhecemos no sentido de estabele- )
to e a valorizaçlio das novas áreas"", cer uma rota comercial entre o Prata e o litoral brasileiro foi execu- :>
tada sob as ordens do bispo de Tucumã, D. Francisco de Victoria, ')
)
42 43 )
)
)
)
um português de nascimento que, em 1585, enviou um navio mer- Na tentativa de legalizar essa rota comercial, as autoridades
)
cante à Bahia. Sob o pretexto de descobrir a rota marítima para o portenhas escreveram diversas vezes para a metrópole, embora
) Brasil e dali trazer jesuítas, o bispo mascarou os objectivos comer- sem resultado. Como as razões locais de carácter económico
) ciais da expedição, que foi bem recebida em Salvador e nas eram negligenciadas pela Coroa, passou-se a insistir sobre argu-
escalas que fez em São Vicente, Rio de Janeiro e Espírito Santo. mentos de ordem política, como o risco que corria um porto de
)
A expedição só não foi coroada de êxito devido ao apresa- tamanha expressão estratégica de cair em mãos de piratas ou de
) mento do navio na entrada do estuário do Prata por um pirata alguma potência estrangeira e então servir de ponta de lança
) inglês que despojou os espanhóis das mercadorias adquiridas para um ataque às minas de Potosí. Esse argumento parece ter
no Brasil. Porém, o bispo de Tucumã, senhor de vastos recur- sido decisivo, pois, visando assegurar o desenvolvimento da
)
sos e com boas relações com os membros da Audiência de cidade a fim de atender às razões de ordem estratégica, Filipe III
) Charcas e as autoridades coloniais portuguesas, não desanimou concedeu a Buenos Aires o direito de exportação para o Brasil e
) e organizou novas expedições comerciais aos portos brasi- Guiné em 1602. Essa permissão foi prorrogada sucessivamente
leiros". De facto, falando da visita da nau episcopal, frei Vicente até 1618, quando uma real cédula permitiu que dois navios por
) do Salvador conta-nos que "daí por diante não houve ano em que ano, de no máximo cem toneladas, saíssem de Sevilha para
) não fossem alguns navios de permissão real ou de arribada com transportar mercadorias para o Rio da Prata, sendo que estavam
) fazendas, que lá muito estimam e cá o preço universal que por autorizados a tocar os portos brasileiros na ida, mas não na volta,
elas trazerrr'''. a fim de impedir o fluxo de prata para o Brasil". Eram os chama-
) Entretanto, a iniciativa de D. Francisco" não foi bem recebi- dos navios de registro ou navios. de permiso. Porém, esses navios
) da pelas autoridades espanholas e a real cédula de 28 de Janeiro nem sempre chegavam a Buenos Aires com regulariJ:lªº-e". ___
de 1594, dirigida ao vice-rei do Peru, proibiu a continuação do Novas medidas, na tentativa de impedir que o porto de Bue-
comércio efectuado pelo porto de Buenos Aires, numa tentativa nos Aires concorresse com os monopolistas Iimenhos, através do
) de enquadrá-lo no sistema comercial preexistente, visando de- abastecimento das províncias do interior, foram oficializadas atra-
::;, fender os interesses económicos já criados em Lima e Sevilha. A
medida da Coroa contrariou a perspectiva dos portenhos de
vés da real cédula de 07 de Fevereiro de 1622, a qual proibiu a
entrada de moedas de ouro e prata na cidade e instituiu uma adu-
)
aproveitar as vantagens excepcionais do seu porto como acesso ana seca em Córdoba, onde se taxavam as mercadorias entradas
) ao Atlântico para as povoações espanholas da bacia platina, pelo porto de Buenos Aires que seguiam para o Alto Peru em 50%
reduzindo o papel de Buenos Aires a simples mercado consumi- do seu valor. Posteriormente, em 1690, a aduana seca foi trans-
dor dependente de Lima". ferida para Jujuy, ao norte, na fronteira com o distrito mineiro do
) No entanto, mesmo proibido, o comércio com o Brasil con- Alto Peru, trazendo como consequência imediata a conquista do
) tinuou florescente. Francisco Soares, um mercador português mercado de Tucumã pelo porto de Buenos Aires".
estabelecido no Rio de Janeiro, informava ao seu irmão na Eu- Apesar das medidas repressoras, o contrabando, único
) ropa, em 1596, que de três em três meses ou quatro, seguiam meio de escapar às restrições ao livre comércio, florescia em
) para o Prata embarcações de 30 a 40 toneladas, conduzindo açú- Buenos Aires, onde, durante o século XVII, segundo Lafuente
) car, arroz, tafetás e outras mercadorias"'. A razão da continuação Machaín, "todos os habitantes se fizeram mercadores, uns aber-
do comércio era o alto lucro que proporcionava, pois, segundo tamente e outros ocultamente, mediante o contrabando realiza-
) Soares, com 500 ducados um comerciante poderia lucrar 5.000 do por conta e risco próprio ou consentindo-dO". Por vezes, o
) em cinco meses". comércio ilfcito era incentivado pelos próprios governadores",
)
) 44 45
)
)
que também participavam dos seus lucros. Segundo Veiga trazidas pelos europeus dizimaram a população indígena. Se-
Garcia, ua conivência das autoridades fazia do comêrcio iJrcito a gundo Salvador Gonçalves, é farta a documentação relativa ao
tónica da economia portenha"'". Na verdade, a corrupção chegou emprego de escravos africanos no serviço das minas. Os princi-
a tal ponto que, antes mesmo de deixar Espanha, Diego de Gón- pais factores que predispunham a reposição frequente de mão-
gora. nomeado para governar Buenos Aires (1619-1623), já havia -de-obra nas regiões mineiras eram a ampliação das áreas de
contratado certos comerciantes portugueses para se unirem a eles exploração do subsolo e o alto índice de mortalidade causado
no comércio ii icito no Prata"'. pelas epidemias, pelas rudes condições de trabalho e pelas
Os interesses ligados ao contrabando eram tão fortes que. baixas temperaturas do planalto andino"'.
quando chegavam ao Prata governadores determinados a fazer Embora a União Ibérica assegurasse uma certa independên-
cumprir a legislação restritiva ao comércio ilícito, não tardavam cia administrativa entre as Coroas de Portugal e Castela, verifica-
em sofrer a oposição do cabílelo. A lei pela qual Filipe 1/ autorizou da não só na metrópole como também na administração das suas ".
.I
"
a venda de determinados cargos pÚblicos possibilitou aos contra- colónias, ela favoreceu os contactos comerciais entre o Prata e o )

bandistas o acesso ao cabildo portenho, de onde podiam defrau- Brasil. Mas. se a burguesia portuguesa tinha visto na união das )
dar o fisco com maior facilidade e preparar a resistência contra os Coroas um meio de garantir o acesso à prata espanhola, os seus
governadores e oficiais reais que pretendessem aplicar as ordens )
desejos foram frustrados pelas restrições que os Habsburgos,
régias de repressão ao comércio Ilícito"". instados pelos monopolistas de Sevilha, fizeram ao comércio )
Os principais elementos responsáveis pelo desenvolvimento directo entre Portugal e as fndias de Castela, ao mesmo tempo
da rede contrabandista eram os portugueses. A sua influência era que não se interessaram em financiar com a prata espanhola o
tão grande no pequeno burgo platino, que Lafuente Machain afir- comércio das especiarias. O contrabando configurou-se então )
ma que o mesmo não poderia subsistir sem o apoio do comércio como o único meio de obtenção do metal necessário à con- )
patrocinado pelos lusitanos". A importância do comércio ilícito tinuidade do comércio oriental'" "
j
praticado entre Buenos Aires e o Alto Peru pode ser avaliada pelo A prata era essencial no comércio com a China, onde esse
facto de que, durante a década de 1620, o contrabando confisca- metal precioso era escasso. Além de várias mercadorias, como )
do constituiu a principal fonte de ingressos na Caixa Real do Rio seda e porcelana, o mercado chinês era muito atraente porque ali )
da Prata". se podia trocar ouro, que o pais produzia em boa quantidade, por
A relativa proximidade do Prata com os portos brasileiros e a prata em condições muito vantajosas. Em prinCípios do século
facilidade da obtenção de escravos nas suas feitorias em África XVII, os portugueses trocavam com os chineses 5,5 pesos de )
eram os principais factores da preponderância comercial dos prata por um peso de ouro enquanto que na Europa e no Japão )
luso-brasileiros em Buenos Aires. A permissão, concedida pela o peso de ouro valia 12 pesos de prata"'.
Coroa espanhola em 1595. para que os navios negreiros por- Como a totalidade da prata importada do Japão, principal )
tugueses pudessem levar a sua carga ao Rio da Prata, serviu mercado desse metal para os portugueses no Oriente, se desti- )
indirectamente como um incentivo ao contrabando, já que esses nava ao comércio com a China, havia escassez de prata na
)
barcos, além de escravos, geralmente levavam mercadorias des- metrópole e nos domínios ultramarinos. Portanto, desde logo o
tinadas ao comércio ilícito". contrabando com o Rio da Prata despertou o interesse dos por- )
Apesar de inconveniente para o sistema monopolista espa- tugueses. Já durante o século XVI, a Bahia exerceu a função )
nhol, a importação de escravos era de necessidade vital para de centro exportador de produtos manufacturados para Buenos
exploração das minas americanas, uma vez que as doenças ')
Aires, ao lado do Rio de Janeiro e de Pernambuco". Viajantes

)
46 47
)
)
.,
)
) estrangeiros que passaram por Salvador observaram a grande Os comerciantes portugueses não s6 auferiam lucros fa-
) quantidade de prata em circulação na cidade. Desse comércio bulosos através da venda das suas mercadorias, como também
) não ficava à margem o porto de São Vicente e a vila de São lucravam na conversão da prata. O padre Diego de Altamirano
Paulo, onde também circulavam as moedas espanholas". afirmava que os comerciantes lusitanos podiam vender as suas
) Além dos escravos africanos obtidos por via dos portos do mercadorias em Buenos Aires com preços 50% inferiores aos dos
) Brasil, as principais mercadorias brasileiras importadas por Bue- navios de registro e a muitíssimo menor preço que as mercado-
) nos Aires eram produtos alimentícios de São Paulo, açúcar e rias vindas do Peru pela rota oficial, Acrescentava ainda que os
melado da Bahia e Pernambuco. De Portugal vinham pipas de portugueses lucravam ainda mais nos pagamentos feitos em
) sardinha, sal, pimenta, azeite, vinhos, tecidos do norte da Europa, prata, já que, no Brasil, ela valia o dobro do preço que tinha em
) ferro, estanho, aço, instrumentos agrícolas, utensílios domés- Buenos Aires",
ticos, madeiras e móveis. Os principais meios de pagamento Segundo Pierre Chaunu, a prata desviada para o Brasil e
)
dessas mercadorias eram os metais preciosos, exportados em Portugal talvez lenha chegado a 10%, 20% ou mesmo 25% da
) forma de jóias, moedas ou barras. Completavam as remessas de produção de Potosí por volta dos dois primeiros decénios do
) metal a exportação de farinha de trigo de Tucumã, carne salga- século XVII". Para Lynch, o comércio com Buenos Aires foi im-
da, couros e sebo para a fabricação de velas'", pulsionado pela prata de Potosí, porém não coincidiu com a queda
)
François Pyrard, aventureiro francês que visitou a América na prOdução que se seguiu a 1650, As suas suspeitas são de que
) do Sul durante o período da União Ibérica, deixou-nos um inte- ou a produção mineira não declinou tanto-como mostram as cifras
) ressante relato de como os contrabandistas burlavam a vigilância oficiais ou a rede comercial drenou para a rota ilfcita do Atlântico _
dos agentes reais em Buenos Aires: quantidades crescentes de metal, a fim de evitar os altos preçgs-----
) das mercadorias fornecidas pelos comerciantes ligados ao sis-
) tema monopolista",
·0 Rio da Prata jaz a trinta e cinco graus da banda do Provavelmente, uma boa parte dos contrabandistas portugue-
sul da América, que é li mesma altura, pouco mais ou ses que actuavam na região platina era constituída de cristãos-
menos, do Cabo da Boa Esperança; mas, os que ali vão, -novos, já que a emigração para a América espanhola crescia
fazem-no secretamente e com temor, porquanto o rei de durante as visitações inquisitoriais ao Brasil. A entrada era mais
Espanha tem defendido o tratado por estas partes, para fácil por Buenos Aires, onde, durante os primeiros tempos, não
)
não ser defraudado nos seus direitos; e todo o dinheiro havia comissário do Santo Otrcio, que pelos portos caribenhos,
) que se tira por esta via é tão secretamente que se não severamente vigiados pela Inquisição,
) pode descobrir, pois a defesa é tão estreita que leva à Entretanto, a imigração luso-brasileira não se dava somente
pana de morte. De sorte que para levarem o dinheiro, em razão das perseguições movidas pelo Santo Ofício, mas tam-
) atam os sacos cheios dele às âncoras, e depois da saídos bém por interesses económicos, os quais motivavam até os clé-
) os oficiais de el-rei, levantando as âncoras, o guardam, e rigos a aventurar-se na América espanhola, pois, alegando a falta
assim todo o dinheiro que daquelas partes se tira, é de bispo no Rio de Janeiro e os perigos da navegação para a
)
roubando e defraudando os direitos de ai-rei de Espanha. Bahia, muitos deles passavam a Buenos Aires para receberem ali
) E nem por isso deixam de tirar dali muito, porque todo o a sua ordenação. Enquanto alguns se estabeleciam na cidade,
) dinheiro que corra no Brasil e em Angola de lá verrf4". outros seguiam para o Peru "por ser a terra mais rica ...... Contudo,
) a forte presença dos cristãos-novos marcava esta onda emigratória,

)
) 48 49
)
)
)
)
)
levando as autoridades espanholas a identificar todos os ImI- brasileiros abarrotados de mercadorias, situação que levou a
grantes luso-brasileiros como sendo "judeus" ou judaízantes"'''. Coroa a ordenar que, em 1678, o bispo Azcona Imberto iniciasse ')
Favorecidos, em certos aspectos, pela União Ibérica, mas uma devassa que incriminou o governador D. Andrés de Robles )
ainda vítimas das perseguições inquisltoriais. os cristãos-novos e seus sobrinhos".
)
portugueses desempenharam Importante papel na vida econó-
mica do Rio da Prata. Todavia, a prosperidade alcançada por eles ;>
não deixou de suscitar inveja e acusações como a de darem )
ajuda aos inimigos da Espanha a fim de minar o monopólio comer- 1.1.3. - A Fundação da Colónia do Sacramento .\
ciai da Coroaoo • Com a restauração da independência portu- .'
guesa, em 1640, a pressão contra os luso-brasileiros em terras Ao fim da Guerra da Restauração (1640-1668), Portugal )
espanholas aumentou muito. Em Buenos Aires chegou-se a con- encontrava-se em péSSima situação financeira, pois estava pesa-
)
denar à morte os portugueses vindos da Bahia com a nolfcia da damente endividado com as nações que o auxiliaram a garantir a
rebelião lusitana, atitude que revelava o temor das autoridades de sua independência em relação a Espanha. Esse fenómeno era .1
que uma parcela significativa da população da cidade aderisse ao agravado pelo grande número de concessões feitas aos estran- )
movimento da Restauração. geiros no comércio colonial, para assegurar o reconhecimento "

Em 1642, iniciaram-se maiores restrições aos portugueses, da ascensão da dinastia de Bragança ao trono português e
em cumprimento às reais cédulas de 1641, que ordenavam a também pelo início da produção açucareira nas Antilhas, )
expulsão dos estrangeiros residentes em Buenos Aires. Consis- responsável pela baixa no preço internacional do açúcar, até )
tiam em vigilância severa e, em caso conveniente, destituição dos então a principal fonte de rendimentos da Coroa. Com vista à
cargos públicos, proibição de fixarem residência em terras de baixa dos rendimentos dos produtos coloniais, entre o Tratado
Espanha, remoção para o interior dos que habitavam o porto e de Londres de 1661 e os acordos de Methuen (1703), o comér- '\
J
interdição de terem relações comerciais com os súbditos de Cas- cio externo português concentrou-se na venda da produção me-
)
tela. O governador do Rio da Prata, Jeronimo Luiz de Cabrera, tropolitana: vinhos para a Inglaterra e sal de Setúbal para os
ordenou então o registro e desarmamento de todos os portugue- Países Baixos". )
ses estabelecidos em Buenos Aires, que seriam aproximada- A rebelião contra os Habsburgos não prejudicou só o comér- ,
i
mente 370 pessoas, isto é, um quarto da população da cidade, cio com Buenos Aires, mas também o que era desenvolvido com
)
então avaliada em 1.500 habitantes". as Filipinas, onde, desde sua expulsão do Japão, em 1639, os
Mesmo com as restrições tomadas contra os portugueses, portugueses adquiriam a prata proveniente da Nova Espanha, )
em 1640", enquanto durou a guerra da Restauração e subsistiu mercadoria essencial no comércio com a China'·, Para reactivar )
a esperança espanhola de vencer os portugueses, o contraban- o comércio com as colónias, a Coroa adoptou uma política que
do entre o Brasil e Prata não foi totalmente interrompido até à visava o desenvolvimento das potencialidades económicas da I
assinatura da paz, em 1668, quandO o reconhecimento da Inde- América portuguesa, já que o comércio oriental passara para as )
pendência portuguesa consumou a separação dos dois países e mãos dos holandeses e parecia definitivamente perdida qualquer
revigorou a política proteccionista da Coroa espanhola". Apesar ilusão de rearticulação do antigo monopólio comercial português .'•
de fortemente combatido, o contrabando não foi completamente no Oriente". ,
']

erradicado, pois sob o pretexto da ordenação de sacerdotes no Acessão de Cochim e Cananor como parte da indemnização ')
bispado de Buenos Aires, muitos navios deixavam os portos devida aos holandeses pelo abandono das suas pretensões no
')
)
50 51
.)
)
)
) nordeste brasileiro'" e a decisão de, em 1678, revogar a proibição envio de reforços espanhóis". Da mesma oplnlao era o P.'
) que impedia a aclimatação de plantas indianas no Brasil (a partir António Vieira, que advogava a conquista do Rio da Prata como
da ordem para que o vice-rei da índia enviasse mudas de plantas consolação à cessão de Pernambuco aos holandeses em troca
)
produtoras de especiarias para a América portuguesa, com o de paz"'. Aliás, o padre António Ruiz de Montoya, apóstOlo do
) objectivo de escapar ao controle holandês nas regiões produtoras ;~~
Paraguai, orgulhava-se ao alegar que a pretensa invasão de
) do Oriente) podem ser vistas como marcos dessa política"', Buenos Aires e do Peru fora evitada pela vitória que seus índios
No mesmo contexto, os recursos africanos foram pronta- conquistaram sobre os bandeirantes em Mbororé".
)
mente valorizados. Ainda em 1640, apesar da guerra aberta Porém, o Conselho Ultramarino desaprovou a execução de
) contra a Espanha, D. João IV autorizou a venda de escravos uma expedição contra Buenos Aires. Ao invés de um ataque directo
) africanos para a América espanhola, desde que um terço dos aos holandeses no nordeste e aos espanhóis no Prata, cumpria
negros se reservasse ao mercado brasileiro. Em 1647, retirou-se antes reconquistar Angola, o que retiraria dos holandases a sua
1f
a eXigência de reserva de mercado para o Brasil e, quatro anos reserva de mão-de-obra, ao mesmo tempo em que se reabriria o
) depois, o Conselho Ultramarino deu preferência, em Luanda, acesso aos escravos, a fim de equipar os engenhos e restaurar o
) aos navios provenientes da América espanhola, enquanto impe- tráfico com Buenos Aires"'.
dia o acesso dos que vinham directamente da Espanha, já que Contudo, Salvador Corrêa de Sá não renunciou às suas
) os primeiros traziam prata, enquanto os outros traziam mercado- ambições no sul". Em 1646, quando foi nomeado governador e
,) rias que concorriam com as que eram introduzidas pelos por- capitão-general do Rio de Janeiro pela terceira vez, requereu à
tugueses"" . Coroa a concessão de uma capitania no território ainda não ocu-
)
A partir de então, fica claro o deslocamento do eixo dinâmiCO pado pelos europeus entre São Vicente e o Rio da Prata. A dona-
do Oriente para o Atlântico. Assim, foi a concentração dos es- taria deveria abranger trezentas milhas de costa, com ex1ensão
forços na América portuguesa e nos entrepostos africanos, que indefinida para o interior. Corrêa de Sá comprometia-se a fazê-Ia
permitiU à Coroa portuguesa manter e mesmo expandir a área da crescer e prosperar com seus próprios recursos, mas não ficou
) colonização". Dentro dessa política de recuperação económica, esquecida a possibilidade de reabrir o comércio com Buenos
o Rio da Prata voltou a interessar aos portugueses, especial- Aires. Embora esse pedido tivesse o parecer favorável de um
) mente aos comerciantes do Rio de Janeiro, pois, desde 1640, grupo de altos funcionários administrativos e eclesiásticos, foi
quando irrompeu a guerra contra a Espanha, o comércio carioca deixado de lado por D. João IV. Após a morte do rei, o pedido foi
) entrou em decadência acentuada, ocasionando uma baixa no reapresentado, mas a rainha regente não tomou nenhuma
) preço oferecido pelo contrato dos dízimos, facto que demonstra a decisão definitiva, a despeito do parecer favorável de dois fun-
importãncia da rota comercial com o Prata. Em várias ocasiões, cionários'" .
)
desde então, a câmara do Rio pediu à Coroa que encontrasse um A doação foi efectivada somente em 1676, quando, sob a
) meio de reabrir o comércio com Buenos Aires a fim de aliviar a regência do prfncipe D. Pedro, os portugueses revigoraram a sua
'l
/
pobreza dos habitantes da cidade". política expansionista no sul. Foram beneficiados o segundo vis-
Salvador Corrêa de Sá, interrogadO em 1643 sobre como conde de Asseca e João Corrêa de Sá, herdeiros de Salvador
) reabrir o lucrativo comércio com Buenos Aires, sugeriu nada Corrêa de Sá. Em 5 de Março de 1676, ficou estabelecido que a
) menos que a conquista da cidade e a construção de uma forta- nova capitania teria 75 léguas de costa, a serem contadas do
) leza em suas proximidades. A conquista seria facilitada pela,ajuda cabo de Santa Maria para o norte", Nessa concessão, o príncipe
dos paulistas, que deveriam atacar o Paraguai para impedir o regente reservou para si:
)
)
52 53
)
")
)
)
./1

"o mais terreno da boca do Rio [da Prata] para den- atracção constituía-se dos boatos que corriam entre portugueses )
tro, que fica para a parte do sul da linha de demarcação e e espanhóis sobre a existência de minas próximas ao Rio da Prata ;,
há de correr pelo interior da terra, pertence à Coroa, (...), que estariam a ser secretamente exploradas pelos jesuítas".
e estas hão de ser sempre realengas, sem terem outro Em fins de 1672, o rei prorrogou o governo de Silva de Souza )
domínio "'". por mais três anos, para que o mesmo passasse ao Prata a fim )
de fortificar um dos portos que parecesse mais apto para assegu-
)
Embora os Corrêa de Sá nunca chegassem a tomar posse rar o comércio com Buenos Aires: Maldonado, Montevidéu ou as
efectiva das terras concedidas, o que ocasionou a reversão das ilhas de São Gabriel. Recomendava ainda que seguisse para São )
terras à Coroa em 1727", a busca de metais preciosos incentivou Paulo e dali conduzisse 600 homens e os índios que achasse
o progressivo povoamento das terras ao sul de Cananéia. Assim, necessários. Embora a expedição não se tenha realizado, os es-
J'
)
em 1648, surgiu Paranaguá; em 1658, São Francisco do Sul e, panhÓiS tomaram conhecimento dos planos dos lusitanos através
em 1668, Curitiba. No decénio seguinte, o paulista Francisco Dias de alguns seminaristas que foram ordenar-se em Buenos Aires. )
Velho requereu uma sesmaria na ilha de Santa Catarina, onde Em carta de 13 de Junho de 1673, o governador do Rio da Prata
desenvolveu lavouras e erigiu uma capela em honra a Nossa deu conta das pretensões portuguesas à Coroa espanhola,
i
Senhora do Desterro. Algum tempo depois, as incursões dos salientando que a condição para a conservação de Buenos Aires )

corsários que frequentavam a ilha causaram a morte de Dias era permitir o comércio entre a cidade e o Rio de Janeiro, argu- )
Velho e levaram os seus dois filhos a refugiar-se em Laguna, mentando ''que os daqui são tão portugueses como aqueles "". )
onde o vicentino Domingos de Brito Peixoto iniciara uma povo- A prudente, porém efectiva, política de expansão rumo ao
ação"'. Prata que a Coroa-portoglJesa adoptou a partir da Restauração, )
Como bem observou Mário Clemente Ferreira, até à criação foi legitimada pela criação da diocese do Rio de Janeiro, uma im- )
da Colónia do Sacramento, o poder público seguia a iniciativa pri- portante vitória diplomática do principe regente D. Pedro junto à
)
vada na expansão rumo ao sul, sancionando-a e fortalecendo-a73• Santa Sé. Já no memorial em que o Dr. Lourenço de Mendonça,
Na nova fundação, a acção da Coroa precederia a iniciativa parti- administrador eclesiástico do Rio de Janeiro escreveu, por volta )
cular, tendo em vista que as terras a serem povoadas estavam de 1630, sobre a necessidade da criação de um bispado na )
muito próximas a uma região já ocupada pelos espanhóis, si- cidade, descrevia a costa brasileira correndo da boca do Rio da
tuação que poderia dar origem a um conflito. Outra razão, que Prata até o cabo do Norte, na província do Maranhão e Rio das )
também não se pode negligenciar, é de que a Coroa deve ter Amazonas". Efectivamente a Prelazia do Rio de Janeiro, criada )
pensado em controlar directamente o fluxo da prata, que se pen- em 19 de Julho de 1576. tinha como limite sul o Rio da Prata. o
)
sava seguir-se à reabertura do comércio de Buenos Aires com o que foi confirmado um século depois, quando da criação do bis-
Rio de Janeiro. pado do Rio, em 22 de Novembro de 1676, pela bula Romani )
°
Em 1669, govemador-geral do Brasil e, em 1671, João da Pontificis, na qual Inocêncio XI estabeleceu o alcance da nova )
Silva de Souza, governador do Rio de Janeiro, alertaram o diocese que, do Espirito Santo. seguia "até o Rio da Prata, pela
príncipe regente sobre a conveniência de se povoar as terras costa marítima e pelo sertão"". )
ermas que seguiam até o Rio da Prata. Uma informação de A confirmação, obtida através da bula que criara a diocese )
Manas de Mendonça, que estivera em Buenos Aires, aconselha- do Rio de Janeiro, de que o território em litfgio que corria de )
va a ocupação da Ilha de Maldonado e a terra firme, de onde Cananéia ao Rio da Prata fazia parte do Brasil, legitimou a tenta-
se pOdia obter grande quantidade de COuros7 '. Outro factor de tiva de fundar uma povoação na região platina. Outro factor )
)
}
54 55
,)
)
)
) favorável à retomada pelos portugueses do velho projecto de fornecimento dos mantimentos necessários à expedição. Mais
) ocupar as margens do Rio da Prata foi a decadência da duas sumacas foram fretadas em Santos, de onde passaram a
Espanha. De facto, o reinado do último Habsburgo espanhol, Cananéia para buscar farinha de mandiocaS3•
)
Carlos II, el hechizado (1664-1700), pode ser descrito como "um A pequena frota chegou sem maiores problemas à Ilha de
) completo desastre, uma melancólica história de derrota militar, São Gabriel em 20 de Janeiro de 1680. Porém, ao tomar conhe-
) bancarrota da coroa, retrocesso Intelectual e fome generaliza- cimento da chegada da expedição, o governador de Buenos
da"... A soma desses factores, aliada à necessidade de metal pre- Aires, D. José de Garro, enviou ao seu encontro uma comissão
) cioso. motivou a Coroa portuguesa a passar à acção. 1
a fim de requerer ao comandante dos navios que abandonasse
) Em 1677, o príncipe D. Pedro instruiu secretamente o as terras do rei de Espanha, pois se não o fizesse com toda a
) tenente-general Jorge Soares de Macedo a visitar paranaguá, a brevidade, usaria da força para desalojá-lo da região. Embora
fim de determinar o valor de supostas minas de prata, e de lá D. Manuel Lobo tenha recebido os emissários espanhóis com
) passar ao Rio da Prata, onde deveria erguer uma fortificação na amabilidade, não deixou de demonstrar firmeza na discussão que
) Ilha de São Gabriel"". Tendo chegado a São Paulo em fins de se seguiu entre portugueses e espanhóis sobre a posição em que
1678, com o Intuito de arregimentar homens e mantimentos, Ma- a linha de Tordesilhas passava no sul da América, encerrando-a
)
cedo foi informado pelos sertanistas de que uma expedição ao com a afirmação de que sem a ordem expressa do príncipe re-
) Prata, por terra, seria impossível sem a demora de dois anos, o gente, não voltaria atrás um passo"".
) que contrariava o seu propósito de cumprir com brevidade a sua Alguns autores, como Henrique Alexandre Fonseca" e Azaro-
missão", la Gil"', definiram a escolha das terras de São Gabriel como um
) Contando com esse problema, Jorge Soares de Macedo optou grave erro de estratégia, acreditando que uma fundação em
) pela viagem marítima e, a 10 de Março de 1679, sob seu coman- Maldonado ou Montevidéu tinha maior chance de resistir aos
)
do, partiram do porto de Santos sete sumacas rumo ao Rio da ataques dos/espanhóis. Outros, como Capistrano de Abreu",
Prata. Entretanto, por duas vezes, tempestades obrigaram a frota Rego Monteiroes e Luís Ferrand de Almeida'" defendiam que o
) a regressar ao porto. Na terceira tentativa, uma tempestade ainda objectivo da Coroa em fundar uma povoação em frente a Buenos
maior dispersou a frota, sendo que quatro embarcações con- Aires revelou o desejo de marcar o ponto extremo das pretensões
seguiram regressar a Santos, enquanto outras três foram dar à de Portugal.
)
ilha de Santa Catarina. Ainda abatido pelo malogro da expedição, Mas então porquê Portugal insistia em afirmar que a linha de
) Macedo foi informado de que deveria seguir para o Rio de Ja- Tordesilhas passava nas proximidades de Buenos Aires? E qual
neiro, a fim de entrar em contacto com o novo governador, D. o motivo de reservar para si as terras da margem norte do Rio
Manuel Lobo, que entrementes havia sido escolhido por D. Pedro da Prata, evitando concedê-Ias como urna capitania a particu-
)
para comandar a nova fundação"'. lares? No nosso ponto de vista, a escolha das terras de São
) Seguindo as instruções de Lisboa. logo que D. Manuel Gabriel como o sítio da nova fundação portuguesa obedeceu
) Lobo tomou posse do governo do Rio de Janeiro, em 9 de Maio antes às conveniências que o local oferecia ao comércio ilícito
de 1679, tratou de dar infcio à preparação da expedição que com Buenos Aires, que a uma busca de estabelecer limites e ocu-
) viria a fundar a Colónia do Sacramento. Tendo fretado três char- par terras, embora essas finalidades não fossem alheias ao plano
) ruas, o governador mandou carregá-Ias com todas as provisões do prínCipe regente D. Pedro.
) posslveis de ser encontradas no Rio. Dirigiu-se depois a San- A enseada de Colónia era o porto da margem norte mais
tos, onde o governador Diogo Pinto do Rego colaborou com o próximo a Buenos Aires, ao mesmo tempo que era o último ponto
)
)
56 57
)
)
)
)
)
onde as naus transoceãnicas podiam chegar. Dali em diante a Portugal, enquanto potência mercantil, a noção de fronteira era )
navegação deveria ser feita em pequenas embarcações, que móvel, já que estava ligada à expansão dos seus interesses
podiam internar-se nos pequenos canais do delta do Paraná e económicos", Logo, eram plenamente fundados os receios dos
)
passar pelos bancos de areia sem grandes problemas, Essas espanhóis de que, com a fundação de Colónia, os portugueses )
eram vantagens essenciais para o progresso do comércio ilfclto", procuravam dominar todo o Vice-Reino do Peru" e por isso não )
Justamente por isso a ilha de São Gabriel era um antigo refúgio mediram esforços para desalojá-los do estuário platino.
de piratas e contrabandistas, principalmente dos holandeses", Tendo em vista a resistência dos portugueses, o governador )
situação que não deve ter sido ignorada pelos portugueses, uma Garro deu ordem para a mobilização do exército espanhol, solici- 1
vez que eles eram os principais agentes do comércio ilícito no Rio tando também a ajuda de três mil índios requisitados às missões )
da Prata, jesuíticas, Na madrugada de 7 de Agosto iniciou-se o ataque, que
Provavelmente o desejo de avanço em relação aos holan- )
se destacou pelo massacre realizado pelos índios, de todos os
deses, que ambicionavam estabelecer-se na região"', também portugueses que continuaram a resistir, somente escapando os )
contribuiu para a escolha da ilha que, segundo o regimento de D, que se refugiaram na igreja e D. Manuel Lobo, salvo pela inter-
)
Manuel Lobo, era a de melhor surgldouro, fundo, com água,
U venção do comandante espanhol, Vera y Muxica. Segundo Lobo,
lenha, sítio sadio e fácil ao desembarque dos navios e resguardo a ferocidade dos Indígenas era atiçada pelos jeSUítas, que lhes )
dos tempos, e dentro da demarcação e senhorio desta CoroéF", davam rep.etidas ordens para que nenhum português perma- )
A fundação não se deu exactamente na ilha, foi executada na necesse vivo", já que a presença lusitana nas proximidades das
)
margem continental delronte a mesma, em Janeiro de 1680. Por suas reduções era um factor de perigo para a SObreVivência das
carto ,a posição era de dlffcil assistência em caso de um ataque mesmas, )
espanhol, porém cremos que não 101 levada em consideração a Parecia ter acabado
~~~~ - - - - - - - melancolicamente o sonho da Coroa )
concretização de algum acto hostil por parte do governo de portuguesa de reabrir o lucrativo comércio com o Rio da Prata e,
Carlos II, bastante enfraquecido, já que a situação internacional )
ao mesmo tempo, aumentar seu poder através do domínio e
era favorável a Portugal, e os espanhóis temiam uma provável exploração de uma vasta região ainda não ocupada por nenhuma )
aliança luso-francesalM • potência europeia. Entretanto, o príncipe D. Pedro não aceitou
)
Antes que estabelecer limites, a Coroa planeava então criar pacificamente a .destnuição dos seus planos de recuperação
um entreposto através do qual seria reaberto o lucrativo comércio económica do Reino através da exploração das riquezas colo- )
ilícito com Buenos Aires. Como a rede comerciai já estava insta- niais. Confiante no apoio da França, ao mesmo tempo em que se )
lada, inverteram-se as etapas que os portugueses seguiram assegurava da neutralidade da Inglaterra, preocupada em equili-
durante o século XV na Guiné e no século XVI na fndia, quando )
brar os seus Interesses entre Lisboa e Madrid, D. Pedro deu
trataram de estabelecer feitorias comerciais. Se antes, procu- ordem para a mobilização das tropas portuguesas junto à frontei- )
ravam primeiramente activar o comércio para um ponto do litoral ra luso-espanhola. Negando-se a conceder audiência ao em- )
que depois seria fortificado para defender o monopólio régio", no baixador espanhol, o príncipe regente enviou um ultimatum à
Prata, a fortificação precedeu o estabelecimento do entreposto, Espanha, que, dentro de qUinze dias, teria de dar satisfação do )
Por sua vez, o domínio da navegação do Rio da Prata po- ocorrido, castigar o governador Garro, libertar os priSioneiros e )
deria facilitar aos portugueses a conquista do território banhado devolver o território ocupado"".
)
pelos seus afluentes, a fim de obter o controle da linha de comu- Intimidada, Espanha cedeu e, em 7 de Março de 1681, foi
nicações entre Buenos Aires e as minas do Alto Peru. Para assinado em Lisboa o Tratado Provisionai pelo qual Carlos II se )

)
58 59
.)
,)
,
)
) comprometia a castigar os excessos do govemador Garro, restI- Forçada pelas contingências da diplomacia europeia a ceder
) tuir todas as armas, munições e ferramentas tomadas aos por- para Portugal a posse provisória do território de Sacramento, a
tugueses e libertar todos prisioneiros de guerra. D. Pedro, por sua decisão da Coroa espanhola contrariava importantes interesses
) na região platina, pois, se a reconstrução de Colónia era vista
vez, comprometia-se a ordenar que somente se fizesse reparos
) nas fortificações feitas de terra e se construísse abrigos para os com bons olhos pelOS contrabandistas de Buenos Aires, parceiros
) soldados, poiS ficava impedida a construção de novas fortalezas comerciais dos portugueses, ela era uma ameaça para os mer-
em Colónia, bem como de edifícios de pedra ou taipa. Não se cadores ligados ao sistema monopolista, ao passo que os Jesuí-
) tas temiam que o expansionismo lusitano acabasse por anexar as
poderia aumentar o número de gente e armas e ficava proibida a
) comunicação e o comércio entre os portugueses e os súbditos suas reduções.
espanhóis, fossem eles brancos ou índios. Essa situação não era de facto inusitada, pois a defesa dos
)
O príncipe deveria mandar averiguar os excessos cometidos interesses metropolitanos era sempre favorecida à custa dos in-
) teresses coloniais. A Coroa portuguesa também enfrentou dificul-
pelos paulistas e devolver os indígenas e o gado apresados pelas
) bandeiras, enquanto que os habitantes de Buenos Aires continu- dades em apoiar a rebelião pernambucana contra os holandeses,
ariam a gozar do direito de uso e aproveitamento das terras de sem provocar uma guerra contra a HOlanda na dificil conjuntura
)
São Gabriel, bem como do porto de Colónia. O tratado regula- das guerras contra a Espanha pela restauração da Independên-
) mentava ainda que nomear-se-iam comissários em igual número cia lusitana'''. Por sua vez, no Estado da índia, as relações eram
,) para ambas as partes para que, dentro de dois meses, se reunis- tensas entre os ingleses e os portugueses na Província do Nor-
sem numa conferência em que seriam definidos OS limites do te, desde que a ilha de Bombaim fora cedida à Inglaterra como
) parte do dote de Catarina de Bragança, por altura do seu casamen-
meridiano de Tordesilhas. Caso os comissários não chegassem a
) nenhum acordo dentro de no máximo três meses, a disputa seria to com Carlos 11'04.
) resolvida pelO Papa, que teria um ano para arbitrar a questão"". Embora a tensão dominasse os súbditos espanhóis, era
O Tratado Provisional possibilitou a reconstrução de Colónia impossível opô r-se ao Tratado Provisionai sem rebelar-se aberta-
) pelOS portugueses. Todavia, algumas das suas cláusulas proble- mente contra o monarca, situação que possibílítou que, em 30 de
matizaram a reinstalação dos lusos no Prata, como a proibição da Janeiro de 1683, uma pequena frota, composta de três navios e
construção de novas fortificações e aumento no número de povo- um patacho e comandada por Duarte Teixeira Chaves, aportasse
) na enseada de Colónia para tomar posse do território em nome
adores e soldados. Não foi respeitada, a exigência de que os ban-
) deirantes devolvessem o gado e os indígenas apresados durante do rei de Portugal. O governador de Buenos Aires, D. José Herre-
) as suas incursões, o que deu margem a que os espanhóis pu- ra de Sotomayor, comandou a entrega da praça ao mesmo tempo
dessem argumentar que o tratado nunca fora cumprido na íntegra. que tratou de impedir a comunicação entre espanhóis e portu-
) gueses, mandando publicar um bando em que ameaçava com
O direito de explorar as terras de São Gabriel, concedido aos habi-
) tantes de Buenos Aires, tornou-se a fonte de constantes atritos pena de morte e confisco de bens a pessoas que negociassem
) entre portugueses e espanhóis na exploração do gadO selvagem com os lusitanos"'.
da Banda Oriental'Ol, enquanto que a proibição do comércio e a A cinco léguas ao norte de Colónia, às margens do rio São
) João, Herrera instituiu um posto militar, onde um cabo e 30 sol-
comunicação entre os portugueses e os súbditos espanhóis (o
) que incluía os índios missionáros) possibilitou a fundação da guar- dados tinham como missão afugentar o gado selvagem das proxi-
) da do rio de São João, criada na margem esquerda do Prata para midades de Sacramento, impedir o contacto dos portugueses
Impedir a expansão portuguesa pela campanha'''''. com os indígenas e vigiá-los para que não construíssem novas
)
)
61
) 60
)
)
)
)

reses que Martim Afonso de Souza introduziu na capitania de São )


fortificações. Embora fosse criada para isolar os portugueses,
essa guarda também servíu como um centro de contrabando e de Vicente, de onde algumas foram levadas ao Paraguai em 1555, )
refúgio aos desertores de Colónia"'''. Outra medida tomada pelo e de outra introdução de animais por via do Peru ern 1568. De ",./
governador de Buenos Aires para conter a expansão portuguesa Assunção, o gado alastrou-se pela região de Comentes e pela
mesopotâmia argentina, sendo introduzido em larga escala no )
foi apoiar o retorno dos jesuítas para a margem esquerda do rio
Uruguai, de onde haviam sido expulsos pelos bandeirantes na Rio Grande do Sul pelos jesultas espanhóis em 1634. )
primeira metade do século XVII. A partir de então, as reduções Cinco anos (1636-1641) de investidas dos bandeirantes
passaram a ser criadas e seriam depois conhecides como os "Sete contra as Missões do Tape forçaram os jesuítas e indígenas a
abandonar o território sul-rio-grandense, porém parte do gado )
Povos das Missões H"".
Em Março de 1683, Teixeira Chaves voltou para o Rio de ficou e, graças às óptimas condições naturais da região, reprodu- )
Janeiro, deixando no governo de Colónia o tenente Cristóvão de ziu-se espantosamente, dispersando-se pela Banda Oriental e
voltando ao estado selvagem. Essas manadas chimarronas, )
Orneias de Abreu. Parcela considerável da culpa pelo fraco
desenvolvimento de Colónia durante os primeiros anos do resta- somadas ao resultado da reprodução das reses que o governador )
belecimento dos portugueses, deve-se à má administração de do Rjo da Prata, Hemandarias de Saavedra, havia introduzido na )
Orneias de Abreu, que se preocupou mais em enriquecer que em margem norte do Prata nas primeiras décadas do século XVII"",
e ao gado criado nas reduções de San Francisco de Olivares, )
buscar o desenvolvimento da povoação. A difícil situação dos por-
tugueses no Prata, onde eram estreitamente vigiadOS pelos espa- San Juan de Céspedes e Santo Domingo Soriano, na margem )
nhóis, chegou ao ponto de originar discussões sobre o abandono oriental do rio Uruguai"', deram origem à chamada Vacaria do
)
de Sacramento. Mar, que abrangia o actual território uruguaio e a região sul do
Contudo, a Coroa continuou a sua política de apoio a Sacra- estado do Rio Grande do Sul. )
mento e, quando as notfclas sobre a má administração de Or- Quando, no século XVIII, se intensificou a disputa entre por- )
neias chegaram a Lisboa, o rei mandou substitui-lo, em 1690, por tugueses, espanhóis e jestrlles-pe1a posse do gado selvagem que
)
D. Francisco Naper de Lencastre que participara da expedição de habitava a Banda Oriental, a sua origem passou a servir como
D. Manuel Lobo. Sob a administração de Naper, a Colónia do meio de legitimação da sua exploração pelos diferentes grupos )
Sacramento deixou de ter o carácter exclusivo de presídiO mili- interessados. Assim, os jesuítas justificavam as suas pretensões )
tar, para se transfonmar num activo centro colonizador. Ao a ser os únicos donos legítimos da "Vacaria do Mar" com a ale-
gação de que ela fora formada a partir da proliferação das reses )
comércio, sempre incerto, com os espanhóis, acrescentou-se o
aproveitamento da campanha através da agricultura e da caça ao abandonadas pelas antigas missões do Tape, durante as incur- )
gadO chimarrão"'. sões dos bandeirantes. )
O cabíldo de Buenos Aires fundamentou a sua autoridade
em conceder licenças de caça ao gado da Banda Oriental no )
facto de que a introduçãO dos animais na margem norte do Rio )
da Prata fora obra do governador Hemandarias. Por sua vez, os
)
1.1.4. - O Gado, a Riqueza da Terra santafesianos, que recolhiam gado em Entre Rios com licença do
seu próprio cabildo, não reconheciam o rio Uruguai como limite que )
A origem do gado, que foi a principal fonte de recursos da separava a administração de Santa Fé da de Buenos Aires, sendo )
região platina durante o perlodo colonial, liga-se, em parte, às que alguns deJes ainda sustentavam que, por serem descendentes
')
)
63
62 )
)
)
)
de Hemandarias, tinham todo o direito de "vaquear" na Banda Nem mesmo a substituição de D. Francisco Naper de Len-
) Oriental'" ~ castre por Sebastião da Veiga Cabral no governo de Colónia,
) Já os portugueses, com bem menos razão que os demais, em Março de 1699, devido às constantes queixas contra o génio
justificavam as suas pretensões com base na suposta introdução violento e enérgico do governador, deteve o ritmo do desenvolvi-
)
, de gado que Martim Afonso de Souza teria feito por ocasião da mento iniciado sob sua administração'15~ Porém, a exportação de
) sua viagem de exploração ao Rio da Prata''". grande quantidade de couros, possibílitada pela exploração das
) A exploração do gado chimarrão pelos portugueses começou manadas de gado chimarrão pelos portugueses, alertou os espa-
cedo, pois já a expedição de D. Manuel Lobo abatera algumas nhóis para as riquezas da Banda Oriental, até então pouco explo-
) reses em Maldonado, onde se verificou a abundância de gado~ O radas comercialmente. De facto, a comercialização dos couros
) mesmo não se dava então em Colónia, onde o fundador e, três poderia tornar-se numa importante fonte de desenvolvimento
anos depois, Duarte Teixeira Chaves, se queixaram da sua inexis- para uma região que até então se debatfa com a escassez de
~j
tência nas proximidades, onde só se encontravam pequenos recursos naturais'''.
'\
/ cervos. Durante o governo de Cristóvão de Orneias, os portugue- Por sua vez, os jesuítas viam com desconfiança a presença
) ses iniciaram a caça ao gado nas proximidades do rio de Santa portuguesa tão próxima das reservas de gado das suas missões.
Luzia, mas foi durante o governo de Naper de Lencastre que essa Além de explorar as manadas que supriam as reduções, o expan-
)
actividade se desenvolveu em larga escala. Das margens do rio sionismo português ameaçava a própria existência do sistema de
) de Santa Luzia, as expedições de caça seguiam cada vez mais aldeamento promovido pelos religiosos espanhóis. Mas, como
) para o leste, seguindo a marcha das reses, fixando-se especial- vassalos da Coroa espanhola, os Indíos tapes não podiam atacar
mente às margens do rio do Rosário~ Os caçadores desciam o os portugueses sem a ordem expressa do rei. Por isso, os jesuf-
) estuário platino em variados tipos de embarcações até ao local tas optaram pela intimidação~ Bandos' de índios percorriam a
) do desembarque. Dali, grupos de milltares e civis, ajudados por campanha e, quando encontravam agrupamentos portugueses
) escravos indfgenas e africanos, internavam-se na campanha em de caça ao 'gado, os incidentes eram inevitáveis, provocando
busca de manadaS de gadochimarrâo'''. ~." ... ~ - . mortes, aprisionamentos e roubos, gerando um clima de total in-
\ Dando seu parecer sobre a Colónia do Sacramento, Naper segurança nos campos"'.
) de Lencastre alertava o rai sobre a grande riqueza representada Em 1699, o cabildo de Buenos Aires, assustado com o cres-
pela exploração do gado, dizendo-lhe que numa expedição que cimento de Colónia, pediu ao rei para "exterminar a dita Colónia
)
organizara para dar caça ao gado selvagem, quatorze caçadores de São Gabriel, levando-a a fogo e sangue"'". Contudo, embora
) extraíram seis mil couros das reses que abateram a tiro. Se se continuasse a animosidade do cabildo e os protestos dos gover-
) conseguira tão elevado número de couros com poucos homens, nadores de Buenos Aires e dos jesuítas contra os avanços dos
que dependiam de embarcações para chegar até ao local onde portugueses no pampa, a situação internacional ainda favorecia
) se encontravam as manadas, pensava que, com o uso de cava- os portugueses e impedia a Espanha de expulsá-los do Prata.
) los e carretas, a produção poderia subir para vinte ou vinte cinco Em 1700, surgia o problema da sucessão espanhola que, num
, mil couros por ano. O govemador descobrira um meio de garan- primeiro momento, favoreceu a aproximação das monarquias
)
tir a manutenção de Colónia, pois sugeria que a courama que se ibéricas.
) fizes-se fosse dividida entre a Coroa e os soldados, enquanto que
) a car-ne dos animais abatidos serviria para o consumo da popu-
) lação"'.
)
) 64 65
)
)
-,,
)
1.1.5. - A Guerra de Sucessão Espanhola logo acalmada pelo soberano francês, que garantiu a D. Pedro 1/ )
e suas Consequências no Prata que os acontecimentos recentes não alterariam a amizade que
)
seu reino mantinha com Portugal, sendo que a ascensão de
A crise dinástica na Espanha teve a sua origem na saúde Filipe ao trono espanhol reforçaria os laços entre a França, a )
frágil de Carlos II, factor que lhe impediu que viesse a ter filhos Espanha e Portugal, que ainC1ii poderiam ser estreitados através )
apesar de se ler casado por duas vezes. Os principais interessa- de uma aliança defensiva. A proposta agradou a D. Pedro II que
dos em herdar os domfnios de Carlos II eram Lufs XIV. de França, reconheceu Filipe V como o novo rei da Espanha"'. )
e o imperador Leopoldo i, ambos filhos e esposos de princesas O Tratado de Aliança entre Portugal, França e Espanha foi ')
espanholas. Tendo em vista manter o equilíbrio europeu em rela- assinado em 18 de Junho de 1701. Entre outras coisas, D. Pe- )
ção ao problema sucessório, a França, a Holanda e a Inglaterra dro /I garantia o testamento de Carlos II. comprometendo-se a
assinaram o Tratado de Haia em 1698, que previa que a Espanha fechar os portos portugueses aos navios das nações que o contes- )
e suas colónias, juntamente com os Países Baixos Espanhóis, tassem. Em compensação. Portugal assegurou pleno direito ao )
seriam herdados pelo eleitor da Baviera. José Emanuel, uma cri- território da Colónia do Sacramento, independentemente da dis-
ança com cinco anos de idade na época. Milão passaria a um cussão sobre os limites da linha de Tordesilhas. O reconhecimento
··filhodo.irope.radoLE1!1quanto Nápoles. a Sicma, os presídios da da soberania portuguesa sobre Sacramento possibilitou a em is-
Toscana. o País Bascos- a ·provfncia espanhola' de-Gúipüzcos' -são de uma ordem para a construção de uma fortaleza de pedra )
seriam doados a um neto de Luís XlV. A notícia da partilha susci- e cal. o que antes era impedido pelos termos do Tratado Provisi-
tou vivos protestos em Viena e Madrid e. a fim de impedir o onai. No mesmo documento em que incumbiu o Conselho Ultra- )
desmembramento do império espanhol, Carlos II legou a totali- marino de reforçar as fortificações de Sacramento, D. Pedro "
,
;
dade dos seus domínios a José Emanuel. A morte do príncipe encarregou-o também de mandar fortificar Montevidéu, obra que )
bávaro, em 6 de Fevereiro de 1699, cancelou esse plano e levou seria seguida da construção de um forte na ilha de Maldonado.
a outro tratado de partilha. que previa a sucessão espanho-Ia ao Entretanto, esses planos enfrentaram problemas na sua apli- .,)
arquiduque Carlos. segundo filho do imperador Leopoldo I. en- cação, pois as autoridades espanholas da América tinham dife- )
quanto o neto de Luís XIV receberia as'provincias previstas ante- rente interpretação da defendida pelos portugueses com relação
0 )
riormente e ainda o Milanês, que seria trocado pela Lorena'''. ao 14 artigo do Tratado de Aliança'''''. Pelo Tratado. Filipe V, ce-
Enquanto as principais potências europeias planeavam a dia a D. Pedro" as terras nas quais estava situada Colónia. mas )
partilha das possessões da Coroa espanhola, na corte de Madrid o item que especifícava "como ao presente o tem" criou margem )
crescia a innuência do "partido francês", formado pelo grupo que para que o govemador de Buenos Aires e o vice-rei do Perú en-
entendia que Luis XIV era o único monarca que poderia manter )
tendessem que o reconhecimento do domlnio português não de-
a integridade dos dominios do ramo espanhol da Casa de veria estender-se além dos campos adjacentes a Sacramento. )
Habsburgo. Carlos II acabou por ceder às pressões e, um mês Isso criava dificuldades para a concretização dos planos de ocu- )
antes de sua morte, aconida em Novembro de 1700, reconheceu pação de Montevidéu e Maldonado que a Coroa portuguesa
o duque d' Anjou, neto do rei da França. como seu único her- entendia fazerem parte do território de Colónia, o qual, na sua )
deiro, deixando-lhe em testamento o conjunto das suas pos- interpretação, abrangia toda a margem norte do Rio da Prata, li- )
sessões''''. gando-se ao Brasil pelo sertão e incluindo até mesmo as missões )
A aceitação do testamento de Carlos II por Luis XIV, em 16 do Uruguai, que se pretendiam manter após a troca dos jesuitas
de Novembro, preocupou a corte portuguesa que, entretanto, foi espanhóis por portugueses'''. )
')
66 )
67
)
)
)
) Na prática, o Tratado de Aliança não mudou muita coisa no facilitaria as operações navais dos aliados junto à costa espa-
) Prata, pois, se os portugueses puderam melhorar as fortificações nhola e no Mediterrâneo. A situação era bastante delicada para
) de Colónia, ainda estavam proibidos de fazer novas povoações, ao Portugal, forçado a optar entre a adesão aos aliados, que traria
mesmo tempo que a guarda de São João continuava a impedir as como consequência a invasão do pais pelas tropas franco-espa-
) incursões dos portugueses pela campanha. Neste sentido, em nholas ou manter-se fiel ao tratado de aliança com a Espanha,
) 1702, com a chegada do novo governádor de Buenos Aires, Alonso sujeitando-se a manter uma guerra marítima de consequências
Juan de Valdés Inclán, reforçaram-se as medidas restritivas ao funestas para a segurança das suas possessões ultramarinas,
)
comércio e expansão portugueses através do reforço da guarnição Protelando sua decisão, D. Pedro 1/ optou pela neutralidade,
) real e da forlificação da redução de Santo Domingo Soriano''''. tomando a resolução de não fechar os portos do seu reino e
) Se a aliança com Espanha não garantiu uma significativa manter a amizade com todas as potências europeias. A atitude
mudança nas relações entre os portugueses e espanhóis na portuguesa trouxe como consequência a perda de todas as van-
) região platina, na Europa a situação continuava tensa, poís, se a tagens obtidas pelo Tratado de 1701, Por isso, em Março de
) Holanda e a Inglaterra haviam reconhecido a ascensão de Fili- 1702, D. Pedro" mandou suspender os preparativos para a
) pe V ao trono espanhol, a Austria ainda se recusava a fazê-lo. fundação de Montevidéu, aplicando-se todos os recursos que
Algumas atitudes de Luis XIV aumentaram a desconfiança de haviam sido destinados à nova fundação para a melhoria das
) que o equilíbrio europeu estava em perigo: em primeiro de fortificações de Colónia''''.
) Fevereiro de 1701 o rei-sol reconheceu oficialmente o direito de Porém, a neutralidade portuguesa não agradou a nenhum
Filipe V à Coroa francesa e no dia nove mandou seu exército ocu- dos blocos em conffito e, rompida a aliança com a Espanha e a
)
par os Países Baixos Espanhóis. A concessão do contrato de França, aumentaram as pressões inglesas para a adesão de
) asiento, que garantia o fornecimento de negros às colónias Portugal à Grande Aliança. A destruição da frota espanhola da
) espanholas, a uma companhia francesa revoltou os comerciàntes prata e dos navios franceses que a escoltavam pela esquadra
ingleses e holandeses, que temiam que os franceses monopo- anglo-holandesa, em 23 de Outubro de 1702, no porto de Vigo,
)
lizassem o comércio com a América espanhola. não deixou de impressionar os portugueses, sempre preocupa-
A conjunção de interesses pollticos e comerciais aprOXimou dos com a segurança das suas possessões ultramarinas"~. A po-
) a Inglaterra e a Holanda da Austrla, levando à assinatura, em lítica da neutralidade apresentava grandes riscos à integridade
sete de Setembro de 1701, de um tratado pelo qual os aliados das possessões portuguesas, pois frente à decadência dos paí-
) ameaçavam ocupar os Países Baixos Espanhóis se os franceses ses ibéricos nos séculos XVII e XVIII, só fora possível preservar
) não se retirassem desse território dentro de dois meses. Em a manutenção do império colonial através da inserção no sistema
) resposta, em 16 de Novembro, Luís XIV reconheceu Jaime III, de alianças europeias, explorando os conflitos entre as potências
"
que se encontrava exilado na França, como o legitimo rei da In- emergentes através de concessÕes comerciais na metrópole e
) glaterra. Essa atitude revoltou a opiniãO pública inglesa, que nas colónias. Por outro lado, a persistência na aliança com a
) levou ao poder o parlido Whig, anticatólicO e hostil à França. For- Inglaterra, embora tivesse como consequência enfrentar a guer-
\
mou-se, então, a Grande Aliança de Haia, composta pela Austria, ra no Portugal continental, visava assegurar a preservação da
J
Inglaterra, Holanda e Prússia que, em 15 de Maio de 1702, de- economia atlântica''''.
) clarou guerra à França"'. Contudo, apesar das pressões, a adesão portuguesa fez-se
- ~) Para os inimigos de Luís XIV, era muito importante que somente após longas negociações, sendo assinada em 16 de
Portugal aderisse à Grande Aliança, pois o uso de seus portos Maio de 1703. Pelo acordo, em caso de vitória dos aliados, a
)
)
) 68 69
)
)
)
)

França seria forçada a renunciar às suas pretensões sobre as ter- dos homens e mantimentos necessários para o envio de uma )
ras situadas entre os rios Oiapoque e Amazonas e a Espanha expedição de socorro'''. )
cederia algumas cidades da Estremadura e da Galícia e reco- A frota portuguesa, composta de quatro navios, chegou a )
nheceria a soberania portuguesa sobre toda a margem norte do Sacramento após romper o bloqueio naval espanhol em 05 de
Rio da Prata, o qual passaria a servir de limite aos domínios de Março de 1705. No dia 11, o governador deu ordem de embarque )
ambas as Coroas '29. Entretanto, a entrada efectiva de Portugal na aos civis, mas a evacu'ação completa da Colónia do Sacramento )
guerra só se daria no ano de 1704, quando o arquiduque Carlos, só se deu na noite de 14 de Março, provavelmente devido à notí-
)
segundo filho de LeopoldO I e pretendente ao trono espanhol (em cia dada por um desertor espanhol de que Garcia Ros planeava
virtude da renúncia de seu pai aos direitos de sucessão) chegou tornar de assalto a cidadela'''. Veiga Cabral ordenou que se )
a Lisboa, de onde os aliados prepararem a invasão do território cravassem as peças de artilharia que não se pudesse levar, a fim )
espanhol rumo a Madrid'"o. de evitar que os inimigos se aproveitassem delas. E, para que os
espanhóis não percebessem a evacuação da cidade, mandou )
A guerra entre as Coroas ibéricas logo chegou aos seus
domínios americanos e, na madrugada de 18 de Outubro de colocar espantalhos nos postos da muralha que costumavam ser )
1704, as tropas espanholas acamparam à vista das muralhas de guarnecidos pelos soldados''''. No dia seguinte, os soldados que
Colónia. O exército invasor, comandado pelo sargento-mor D. Bal- ficaram na retaguarda puseram fogo às construções e, às duas
tasar de Garcia Ros, contava com duzentos cavaleiros e duzen- da tarde, embarcaram em duas lanchas e quatro botes, para )
tos e oitenta infantes, aos quaiS se acrescentavam quatro mil alcançar os navios que os aguardavam ancorados a duas léguas )
índios vindos das missões jesuíticas. Apesar da esmagadora do porto, onde ficaram até o dia 17, seguindo depois para o Rio''''. ,
desproporção entre o número dos atacantes e o dos defensores, A fome que castigava os habitantes militares e civis de J

que não passavam de setecer'rn5SSoldados, o governador Se- Colónia durante. o cerco espanhol, continuou a ser um flagelo )
---bastião da Veiga Cabral soube organizar a resistência e recuSOU durante a viagem marítima. Quando os retirantes finalmente -)
todas as propostas de rendição feitas por Garcia Ros. As tentati- chegaram, em 23 de Abril, ''dobrou-se a pena popular nos mora-
vas de assalto foram frustradas com fortes perdas, o que levou os dores do Rio de Janeiro, vendo os intrépidos soldados fugirem )
espanhóis a esperar que a fome obrigasse à rendição dos por- mais da fome que da guerra"'''. A guamição da fortaleza evacua- )
tugueses, já que uma pequena frota impedia o abastecimento de da instalou-se então no Rio, onde conservou a denominação de
)
Colónia'" . "Terço'" da Colónia", participando da defesa da cidade por oca-
Em 9 de Janeiro de 1705, o governador de Buenos Aires, sião do ataque francês sob o comando de Duguay-Troin. Também )
Valdés Inclán, dirigiu-se ao acampamento espanhol com mais continuou a acumular-se nas arcas reais a arrecadação que se )
200 soldados. Apesar da demonstração de força, as propostas fazia para o sustento da Colónia do Sacramento, claro indício de
)
de rendição feitas pelo governador Inclán foram recusadas por que a Coroa portuguesa pretendia recuperar o território perdi-
Veiga Cabral, que já estava informado que se preparava no Rio dOl39 • )
de Janeiro uma pequena frota para buscar a guarnição e os O abandono da Banda Oriental pelos portugueses ocorreu )
moradores de Colónia'''. A decisão do abandono da praça ligava- no momento em que se valorizava o principal recurso económico
da região, o couro. Como vimos anteriormente, uma dasprinci- )
-se à precária situação do Rio de Janeiro, onde se temia um
ataque francês e sofria-se com a actividade dos piratas que pais consequências da subida dos Bourbons ao trono espanhol, )
assolavam a costa. Por sua vez, os problemas internos eram foi a concessão de inúmeras vantagens comerciais à França, de )
ainda mais graves, pois o êxodO para as minas privara a cidade entre elas o contrato de asiento, pelo qual os franceses forem
)
)
71
70 )
)
/

)
) autorizados a introduzir escravos negros na América espanhola. perseguia a rês a todo o galope a fim de cortar-lhe os tendões da
) Os aslentistas não se limitaram ao comércio de escravos, mas pata traseira. Assim que o animal caía, os peões cravavam-lhe o
) também impulsionaram o negócio dos couros. A presença dos punhal na nuca. A seguir, vinham os coureadores, que rapida-
, franceses em Buenos Aires valorizou uma mercadoria que antes mente extraíam o couro. que era estirado em estacas antes de
j tinha poucas chances de ser exportada devido às restrições que ser levado ao acampamento. Enquanto o sebo e a graxa eram
) a Coroa espanhola impunha ao porto platino. Iniciou-se então a reunidos em bolos e envoltos em couros, a carne era deixada no
exploração em larga escala do gado chimarrão, que em breve campo, causando a proliferação de feras e cães chimarrões.
)
"
desapareceu das campanhas de Buenos Aires e Santa Fé. Pouco Esse sistema de produção, primitivo, depredatório e puramente
) tempo depois da evacuação de Sacramento em 1705, os campos extractivo foi predominante nos pampas até o fim do século
'\ da Banda Oriental já passam a ser percorridos pelos santa- XVIII'''.
-' fesinos em busca de couros, embora somente em 5 de Dezem- Enquanto nos pampas os espanhóis e indígenas explo-
)
bro de 1714 eles tenham recebido a permissão do cabildo de ravam, sem a concorrência portuguesa, a riqueza constituída
) Buenos Aires para fazê-lo'''. pejo gado selvagem, na Europa a Guerra da Sucessão
) As expedições organizadas pelos vaqueiros de Santa Fé Espanhola aproXimava-se do fim. Em 17 de Abril de 1711, morria
para reunir e guiar o gado através de largas distâncias exigiam o imperador José I que, em 1705, sucedera a seu pai, Leopoldo I.
) vários meses de trabalho e o investimento de importantes quan- O facto modificou os rumos da guerra, pois, se o arquiduque
) tias a fim de reunir um prático na campanha, homens de armas, Carlos, segundo filho de Leopoldo I, assumisse a coroa espanho-
) grande quantidade de peões e cavalos. canoas para a travessia la, reconstituir-se-ia o império de Canos V através da união da
dos rios e uma generosa provisão de erva-mate, tabaco e aguar- Áustria e Espanha. A Inglaterra não desejava tal união e por is,so
) dente. O pagamento do pessoal poderia ser feito com base na entrou em negociação directa com a França, sendo logo seguida
) divisão das reses arreadas ou mesmo através do pagamento de pela Holanda. As negociações de paz iniciaram-se, então, em 29
salários. de Janeiro de 1712, na cidade holandesa de Utrechl'44.
Nas vacarias, termo que tanto podia significar o local de A Guerra de Sucessão Espanhola marcou a ascensão da
) grande concentração de gado chimarrão. como também o acto de Inglaterra à supremacia europeia, através da expansão ultrama-
) arrear as manadas selvagens para repovoar as estâncias"" os rina e do enfraquecimento dos seus inimigos no continente euro-
homens estabeleciam-se numa determinada região durante dois peu. A conquista de parte das colónias francesas da América do
)
ou três meses. Enquanto um grupo de peões cuidava do gadO Norte, somou-se a obtenção de importantes vantagens nos impé-
) apresado. outro ia ao campo a fim de buscar mais animais. O rios coloniais espanhol e português e a conquista dos mercados
) transporte de grandes manadas exigia grande cuidado dos peões orientais, de onde, aos poucos, os ingleses iam expulsando os
para evitar que a tropa se assustasse e. nas paradas para o per- holandeses'''. Apesar do declínio, a França ainda seguia prepon-
) noite. deveriam acender-se fogueiras para afugentar as feras e os derante no continente, enquanto a Inglaterra lançava as bases de
) cães chimarrões '''''. um pOderoso império ultramarino, A rivalidade entre essas duas
Nas vacarias dedicadas à extracção de couros. escolhia-se ,potências atravessou todo o século XVIII e permitiu a sobrevivên-
)
um local onde se encontravam animais em abundância. Uma vez cia dos sistemas coloniais dos aliados menores, Espanha e
) localizada a manada, o cavaleiro, armado de uma longa haste de Portugal'''.
.) cerca de dois metros de diâmetro, em cuja ponta havia um instru- Quanto a Portugal, as vantagens adquiridas em Utrecht
mento cortante em forma de meia-lua, chamado dejarreteadeira, não foram muito grandes: com França obteve a fixação das
)
)
) 72 73
)
)
)
)
)
fronteiras do Estado do Maranhão com a Guiana no rio Oiapoque Sacramento para a Coroa portuguesa, confessou que ignorava
e o abandono das pretensões dos franceses de navegação no rio totalmente onde ela se situava"". )
Amazonas. Contudo, a questão dos limites entre os domínios Em Utrecht os portugueses perderam a oportunidade de )
franceses e portugueses não se resolveu com a definição da fron- anexar definitivamente a Banda Oriental à América portuguesa. A
falta de uma delimitação precisa entre os domínios ibéricos na
)
teira no rio Oiapoque, já que não havia consenso sobre a sua
localização"'. Por sua vez, as negociações entre Portugal e região platina mostrou-se favorável aos interesses espanhóis, )
Espanha em Utrecht também não foram nada fáceis, pois, se pois os mesmos utilizariam os mesmos argumentos que foram )
Filipe V relutava em devolver a Colónia do Sacramento, para O, usados aquando da discussão sobre o território de Colónia que
)
João V a questão tinha-se tornado um ponto de honra"", O duque se seguiu à assinatura do Tratado de Aliança de 1701, ou seja,
de Cadaval, um dos principais conselheiros de O, João V, era que o domínio português não se estendia muito além das proximi- )
favorável à renúncia da posse de Sacramento, sob o argumento dades da Colónia do Sacramento.
)
de que um rei cujas conquistas produziam tanto ouro não tinha
necessidade de um território cuja principal riqueza se constituía )
na extracção de couros"', Mas como poderia o jovem monarca )
renunciar a um território conquistado por um inimigo que afinal )
fora derrotado, sem envergonhar a sua nação perante as demais
cortes europeias? Nota. )
O tratado de paz entre Portugal e Espanha, assinado em 6
de Fevereiro de 1715, dedicava os artigos VI e VII exclusiva-
1 Rolando Laguarda Frias. "Antecedentes Políticos de la Fundaci6n de la Coronia dei

Sacramento", in Emesto Damgnàs Rodero {org,), .'31){) Aflos de Colónia: Cicio Conmemorati- )
mente à situação de Colónia, que deveria ser restituída à Coroa \10, pp, 35-36.
portuguesa. Contudo, como o tratado não especificava o que devia 2 Luis Ferrand de Almeida. A Diplomacia Portuguosa e os Limites Meridionais do Brasil,
pp. i S-2Q, Sobre as dúvidas acerca da nacionalidade de Sol!s e as razões por que ele é con-
J
ser entendido pela expressão "território da Colónia do Sacra- siderado o verdadeiro descobridor do Ri<> da Prata, consultar Rolando Laguarda. Frfas, cp. cit.• )
mento", logo surgiram divergências entre portugueses e espa- pp. 37·38.
l Rolando A. Laguarda Toas. "Cristóvão Jaques e as Armadas Guarda~Costa". in )
nhóis sobre a sua Interpretação"'. História Naval Brasileira, vot I, tomo I, p. 261,
Embora os representantes portugueses em Utrecht, conde • Luís Ferrand de Almeida, op. cit. p. 21,
de Tarouca e D. Luís da Cunha, alegassem que a palavra "territó- ~ O mais famoso desses aventureiros foi o português Aleixo Garcia, náufrago da expe-
dição de Solis. que partiu do litoral paranaense em 1523, numa expedição rumo ao sertão,
rio" havia sido colocada nos termos do tratado com a finalidade acompanhado por quatro ou cinco outros naufragas e uns dois mil indios guaranis. A expe-
de dar base jurídica a possíveis alargamentos territoriais"', é dição chegou até às ac1uais regiões de Potosi e Sucre, onde saqueou algumas povoações )
íncaicas. Embora Alelxo Garcia tenha sido aooasslnado pelos [noios no Paraguai, alguns dos
provável que a indefinição de limites precisos se ligue à falta de )
a
seus companheiros conseguiram chegar ilha de Santa Catarina oom algumas amostras dos
informações dos embaixadores sobre as terras em litígio. Em 1ésouros andLnos, Cf. Jaime Cortesão, História do Brasil nos Velhos Mapas, tomo r, p.368.
1719, quando D. Luís da Cunha se dirigiu a Madrid a fim de ten- ~ Sérgio Buarque de Holanda. O Extremo Oeste, p. 107.
r Rolando A Laguarda rt'Ías, <IA Via9€m de Martim Afonso de Souza", in História Navaf
tar entrar em acordo com a Coroa espanhola sobre a questão do Brasileira, vol. I. lomo 2, pp, 381·383.
)
território de Colónia, ainda não sabia exactamente quais eram as ~ Luís Ferrand de Almeida. op. o-iL, pp. 24-21.
)
terras pretendidas por D. João V e por isso pediu-lhe um mapa da • Luis Ferrand de Aímoída, op. cit" pp, 30...:31.
til Emanuel $, da Veiga Garcia, O Comêrcio Ultramarino Espanhol no Prata, p. 14.
região em disputa"". Por sua vez, quando o embaixador inglês )
" José C, Wmiman e Carlos Paulzza Pons. Historia Uruguaya, tomo 1, pp. 39-40.
em Utrecht, Lord Lexington, recebeu instruções de seu governo 1~ Richard Konetzka, América Latina, tomo II (La Epoca Coionial), p, 276, )
13 Gregorlo Funes, Ensayo de la Hisroria CMl deI Paraguay. 8uenos Aires y fucumán,
para que conseguisse da Espanha a devolução da Colónia do tomo 2, p. 159.

)
74 75
)
)
)
) j~ Alice Pfffer Canabrava, O Comércio Portugués no Rio da Prata (1580-1640), pp. 44-48. -« François Pyrard. "Do Trá:fieo no Brasil (161111 ln Darcy Ribeiro e Carlos de Araújo
) 1f Murdo J. Macleod, ~A Espanha e a América: O Comércio Atlântico, 1492w f720", in Moreira Neto, A FUndação do Brasil (Testemunhos. 1500-1700), pp. 350~351.
LéSlle Be1tleU (erg,}, Hístória da América Latina, vol. 1, p. 3GB. .h ViCente D. Slerra, Historia de la Argentina, vaI. 1, p. 489.
) 111 John Lynch, La Espaiía dei Siglo XVfff, pp. 128-129. ~& Pierre Cheunu, Sevl/ha e a América nos Séculos XVI e XVII, p. 203.
17 Murdo J. Macleod, op, cil., p_ 373. ~r John lynch, op. cit., pp. 14-15.
) la Fernando A. Novais, Portugal e Brasil na Crise do Antigo S/srema Cc/ania' (1777- 4ll Sérgio Buarque de Holanda, op. cit., p. 161.
-1808), p, 72, ~ Vicente D. Sierra, op. cit., tomo 1, p, 157.
) ,,. Luis Ferrand de Almeida, Paginas Dispersas, p, 164. M luis Ferrand de AimeJda, A Colónia do Sacramento na Época da Sucessâo de
ZQ Luís Ferrand de Almeida, A ColónIa do Sacramento na Época da Sucessão de Espanha, pp. 32--33.
) Espanha, p. 148. !t, Alice Piffer Canabrava, op. cit., pp. 179--180.

2. Alice ?ffler Canabrava, op. cU., pp. 8;?-85. a~ Apesar das ameaças de exputsão, a maioria dos portugueses permaneceu na cidade.
) " Freí Vicente do Salvador, História do Brasil (15()()'1827), p. 251. Em 1680, quando dava início aos preparativos para atacar a Colónia do Sacramento, o go~
) ~ Gonçalves Salvador salienta a origem cootã-.nova dos envolv1dos no trafico: "Na vemador de Buenos Aires escreveu ao vice-rei do Peru que "esta cidade, senhor, compõc~se
BaMa, o governador Manuel Tefes Barreto enviou atá presentes 80 bispo Víttiria. No Espirito em sua malar parte de portugueses, seus filhos e descendentes, e a ardente palxt:io destes
Santo, achava~se à frente da Capitania o segundo Vasco Femandes Coutinho, cunhado do aos outros, que com pouca dissimulação dão a conheCêr, me faz desconfiar do que lhes dêem
) 1Ic. Ruano Teflv, fiscal de Chuquis6tC8, e em São VWente o capiiâo~mor, Jerónimo Leitão, a mão, ainda mais estando a povoação em disUJncia tão curta de oito léguas". Cltado por
) genro do judeu Tristão Mendes. No Rio de Janeiro, Salvador Cortêa de Sá", in José Jonathas da Costa Rego Monteiro, A Colónia do Sacramento (1880-1777), vaI. !. p. 57.
Gonçalves Salvador, Os Magnatas de Tráfico Negreiro, p. 142. .sa Carfos Cortôa Luna, Campafía.de/ Brasil, p. XXXI11.
) >101 Alice Fliffer Canabrava, op, clt" p. 64. 111 Rómolo D. Carbia, Historia EclesiástiotJ. de! RIo de la Plata. tomo fJ, pp. 20~21.
2!i José Gonçalves Salvador, op. cil., p. 143 "" Evaldo Cabral de Me/lo, O Negócio do Brasil, pp. 248·249.
í/ :li! C, R. Boxer, Salvador de Sá e a Lula pelo Brasil e Angola (1802-168$), p. 90. O(; A J. R. Russull--Wood, op. cit.• pp. 137~i3S.

10? Alice Piffer Canabrava, op, cil., pp. 70-77. Uf Mário Rodriguez, "Dom Pedro of Bragaw.a and COlônia do Sacramento, 1680-1705",

'! :111 Richard Konf'lt7ke, cp. eH., p. 275, in Hispanic Ameri'can Hisfór,icaf Reviaw, vaI. XXXVUl. pp, 180-184.
~ Magnus Mõrner, ~Panorama de la Soctedad deI Rio de la Plata Durante la Primera 58 Evaldo Cabral de Melro, cp. cit., p. 247,

) Mitad deI Siglo XVIII", ln EsJudios Americanos, vaI. XVII, p. :204. $liA J. R, Aussa!l-Wood, op. Cit., pp. 152~153
;» R. Lafuente Macharn, 8uenos Aires en at Siglo XVII, p. 85. &r> Luiz Feüpe de Alencastro, op. Cit., p. 31.
) ~, Sobre o envolvimento de varios governadores no comercio ilfcito, consuftar José Torre s: Frédéric Mauro, Portugal, o arasil e o AtlântiCO, vaI. 2, pp. 252~254.
Revello. "'los Gobarnadores de Buenos Aires (1617-1777)", ln Ricardo Levene (dit.}. História W! Mário Rodríguez, cp. cir., p. 185.
) de la Nacfón Argentina, tomo III, pp, 327-370. m Lufs Ferrand de Almeida, A Diplomacia Portuguesa ... op. dt., pp. 99.100.
012 EmanuGI Soares da Velga Garcia, cp. cit., pp. 3Q.-31. O).< António Vieira, Escritos Históricos e Pollficos, p. 221.

~ Magnus Mõrner, Actividades PoliUcas e Económicas de los Jesu{tas en el Rio de Ja $li SérgIo Buarque de HOlAnda, "A ColóniA do Sacramento e a Expansão no Extremo

~) PiaJa, p. 40. Sul" ln História Geral da Civilização Brasileira, voL I, p, 325.


'" José Torre RevelJo, Crónicas deJ Buenos Aires ColOnial, p. 7. " LUJZ FeJipe de Alencaslro, op. cit., p. 2:?6.
» R. Lafuente Macharn, op. cit., p. 86, ~. Logo a seguir à reconquista de Angola, Salvador Corréa de Sá reiníciou o tráfico de
J ~ Magnus Mórner, Aclivldades PoI/iicss e Econômlcas de los Jesuitas en €lI Rio de ia oscravos para 8uenos Aires, Cf. Lulz Felipe de Alencastro, op. cít., p. 263.
) Plata, p. 26. UI! C. R. Boxer, Salvador de Sá e a Luta pelo Brasl e Angola (1602-1886), p. 308.

v Richard KonelzM, op. cit., p. 310. Oe acordo com Alencastro, entre 1597 e 1645, Ri Moacyr Dommgues, A Colónia do Sacr.amento e o Sul do Brasil, p. 32.

) entraram 18.100 escravos no porto de Buenos Aires, número que deve ser multlplicado por 70 O Regimento de D. Manuel Lobo (1678), ln Luis Ferrand de Almeida, ~Origens da
dois para incluir o contrabando. CL Luiz Felipe de Alencastro, O Trato dos Viventes, p. 110. Col6nra do Sacramento", Separata da Revfsta da Universidade de Coimbra. vol. XXIX, p. 119.
') "" JO$P. GonçaNes Salvador, cp. cil,. p. 151. ]. Miguel Frederico do Espírito Santo, O Rio Grande de São Pedro entre a Fé e a
!li Eduardo O'Ollvclra França, Portugal na Época da: Restauração, pp. 324--342. Razão, p. Z1,
) 4(l A. J. A. Russelt-Wood, A World on lhe Move, p, 144. 7~ Sérgio Buarque de Holanda, "A Colón1a do Sacramento ..." op. cit.• p. 322.
-'11 Frei Manuel Calado assim descrevia Olinda no perlodo anterior ao domínio holandês: n Mário Clemente Ferreira, O Tratado de Madrid a o Bra$i1 Meridional p_ S8.
'\ "'O ouro e a prata eram sem número e quase não se estimava o açúcar tanto que não havia r, Luís Ferrand de Almeida, A DIplomacia Portuguesa ... op. cil., pp. 103'104.
embarC8ÇÕ&S para o carregar I .. ,], O fau:;to e aparato das casas eram excessivcs, porque por .,., Mário Rodríguez, op. dt" p, 193.
) mui pobre e miserável se tinha O que não tinha o seu serviço de prata. Ú$ nav;os que vinham ,. Martínez de Salazar ao rel de Espanha, 13 do Junho de 1673, in Campana deI BraSIl,
de arribada, 00 furtados aos direitos da Peru, ai; descarregavam o melhor que traziam", tomo I, p. 31.
)" Citado por Luís Ferrand de Almeida, A Diplomacia PortugutlS<l t) 00 L;mUe$ Meridionais do n Luís Fettand de Almeida, A Dip/amacia Portuguesa... cp. cit., p, 54.
Brasil. p. 80. Ie Serafim loile, História da Companhia de Jesus no Brasil. vol. 6, p. 534.
) 4;> Alice Piffer Canabrava, op. cil., pp. 121·123. 1$ D. A, Brándíng, "A Espanha dos Bourbons e seu Império Americano", in lesHe
A.) Alice P'lffer Canabrava, Gp. cit., pp. 13B~147, Bethe!l (org.), História da Amêrlca Latina, vor. I, p. 391.
)
)
) 76 77
)
)
)
)
llQMário Rodriguez, op. cit., pp. 1a7~188. vez aos marinhelros e escravos que desertavam dos navIos buscando reftigl0 nos cimos ')
m Luís Ferrand Almélda, A Diplomacia Portuguesa ... op. clt., p. 112. (cfmas em espanilol) das regiões serranas das ilhas caribenhas, Por extensão, denominana
• Aurélio Porto, História das Mtss6es Orienlais do Uruguai, parte I, pp. 3$7-388. mais tarde os animals domêsffc:os que fugiam dos estabelecimentos rurais e as plantas ímpor- )
!13 Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. cit., val. 1, pp. 4&44. tadas que, sem intenção prévia do corono, germInavam adquirindo características agrestes.
l!4 Luis Ferrand de Almeida. Diplomacia Portuguesa ... cp. clt., pp. 116-117. Cf. Fernando O. Assunção. ~EI Gaúcho", in RIHGU, vaI. XXIV. pp. 84-85. )
>G.l Henrique Alexandre Fonseca, A Colónia do Sacramento. p. 4. vm Lufs Ferrand de Almeida, A Colónia do Saoramentc". op. at., pp. 96-100,
!MI Luís EnriQue Azarora Gil, l.a t=popeya de Manuel 1..000, p. 30. 11C Marta Canessa de Sanguinett1, ''la Importancia de la Fundación de la Colónia dei )
iiI João Capistrano de Abreu, "Sobre a Colônia do Sacramento", introdução a Simão Sacramento en la Cuenca dei Plata", ln Boletim <:Ja Sociedade de Geografia de Lisboa, n."" 7-
Pereira de Sá, Hlstórfa ropográ.flca e Bélica da Nova Colónia do Sacramento do Rio da Prata, -12, p. 166. )
p.XXYII. m Magnus Mômer, "'Os Jesuitas, as suas Missões Guarani e a Rivalidade Luso-Espa-
Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. cit., vol. 1, p. 39.
$,I nhola peia Banda Oliental, 1715-1737", in Revista Portuguesa de História, tomo IX, pp. 143-
~ '';4 fundaç!oda Colónia do Sacramento, em 1680. nâo foi um episódio sfÍbito e isola- -144.
do, mas sim o termo lógico de um processo com profundas raizes hist6dcas, que chegam atê 'jW Sebastíto da Veiga Cabral, "Descrlção Geográ1ica e Colação HistórIca do Continente
)
ao natado do Toltieslloos e aos problemas relacionados COm a sua aplIcação no Novo Mun-- da Nova Cofónia da Cidade do Sacramento", ln RIHGU. tomo XXIV, p, 123,
do': ín Lufs Ferrand de Almeida, Páginas Dipersas, p. 163. "~Luís Ferrand de Almeida. A Colónia do sacramento... op. cit, p. 107.
)
.. HOrado A, Oifrieri, Buenos Aires: Geohistoria de una Metropoll, pp. 16 e 63. 114 Parecer de D. Francisco Naper de Lencastre sobro a Colónia do Sacramento, 10 de

~, Aníbal M. R'rveros Tuja, "HIstoria de la Colónia deI Sacramento", ln R1HGU, tomo XXII Janeiro de 1694. ln Luís Ferrantj de Almelda, Colónia do Sacramento•.. cp. cit.• p. 339,
)
p.39, 11& Jonathas da Costa Ré90 Monteiro, Gp, ait., pp, 12B~135.
)
$I! Luiz Alberto Moniz Bandeira, O Expansionismo Braslfeiro e a Formaç/io dos Estados IW HerOldes Artigas Marino, Colónia deI Sacramento. Momorías de une Ciudad, p. 14.
na Bacia do Prata. p. 39. m LuIs Ferrand de AlmeIda, A Colónia do Sacramento ... op, cft., pp. 169-170.
eJ O Regimento de D. Manuel Lobo [1678], cp. clt., p. 118, Ij, Representação da cidade de Buenos Aires a Sua MajêStade Catôllca, 19 de Dezem~

$;I Luís Ferrand de Almeida, A Diplomacia Portuguesa•.. op. cit, p. 155. bro de 1699, in Campalfa de! Brasil, tomo 1, pp. 376~360. )
~I luiz Felipe de Atencastro, op. eft., p_ 75. 119 André Corvisiér. La France de l..ouls XllI, pp, 324-325,

$!I Sobre a polffica expansionista portuguesa nas bacias platina e amazónlca, consultar ,~o Gamn Zeller, '"Les Temps Modernas: De Louis XIV à 1789~. ln Pierre Renouvln )
Lulz Alberto Moniz Bandeira, op. cit., pp. 43-52, (org.), Hlstoiro dos ReJaffans Internatfana/es, tomo H. 2"- parte, p. 83,
er O Conselho de Estado alertava Car10s li de Que a fundação de Colónia ~ê uma 1ft Luis Ferrand de AJmeida, A Colónia do Sacramento", op, 00.• pp, 19B~199. )
materia de suma gravidade e que, se não se atalha logo, não somente se destn;ldio os 1~ ':4rt, I) 14. E para conservar a firme amlZa.de e alfanç.."I que se procura conseguir com
comércios, semw [quel se perderá todo o império cks Indii!S, pois de perde,...se a cidade de este Tratado, e ímpedir todos os motivos que possam ser contrárias a este ofeito, Sua )
THnidad e porto de Buenos Aires, que ficaria em suas mãos, {os portugueses] teriam porta Majl3$i:ade Católica cede e renuncia a tOdo e qualquor dfreira que poS!Js ter nas terras sobre
tranca para apoderar-se de todo o Peru", Consulta do Conselho de Estado de 13 de Agosto as quais se lezo Tratado Pfovisional entre ambas Coroas em 7 de Maio de UJ81, nas quais
de 1680, ln Luis Ferrand dê Almeida, A Diplomacia Portuguesa... op. cit., p. 338. está situada a Colônia do Sacmmento; o qual Tratado fIcará sem efruto e o domfnio da dita
., Luís Enrique Azarma Gil, op. cit., pp. 54-57. a
Colónia e use do campo Corona de Portugal, corno ao presente" tem". "Extracto dei )
<:» Anibal M. Riveros Tula, Gp. oit., pp. B1~a2. Tratado de a1íanza entre Espana y Portugal, firmado en LIsboa €II 18 Junio de 1701", ln Lufs
,,"" Tratado Provisional dE! 1681, in RIHGB. vot 352 pp. 914·928. Enrique Azarcna Gil, cp. cít., pp. 207~208. )
'01 ~Banda Orientar' era o nome dado patos espanhóis ao território situado na margem luis Ferrand de Almeida, A C0J6nia do Sacro/Tlemo.. , op. cit., pp, 213-22j,
12:1

leste do rio Uruguai, região hoje dividida pela República Oriental do Uruguai e pelo estado do "'" Mário Aodriguez, cp. cir., p. 206. )
Rio Grande do Sul. 11$ O eleitor de Brllndemburgo aceitou partldpar de ooalizãQ contra a França em troca \
,... ~Caf'\1Panha" é um termo genérico utilizado pela documentação, tanto portuguosa do reconhécimento, pelo imperador, da elevação do seu ducado da Prussla a reino. ct. André .'
como espanhola, para designar os campos da região do pampa. No caso, especificamente os Cotvisler, Gp. cit., pp. 32B~30.
)
campos da Banda Oriental. 1"" Luis Fcrrand de Almeida, A Colónia do Sacramento ... op. cit., pp. 232-235.
100 Consultar Evaldo Cabral de Mello, O Negócio do Brasil. 1~1 Luis Ferrand de Almeida, A ColónIa do Sacramento ... op. cil., pp. 240.241. )
\0)0 C, R. Boxer, O Império Colonial Português, p. 144. '1M Fernando A. Navais, Gp. cit., pp, 18~ 19.

,aS Jonathas da Costa Rego Monteiro, cp. cít, vol. 1, pp. 9&-101. 'W' lufs Ferrand de Almeida, COlónia do Sacr.;rmento... op. cito pp. 255-256. \
\(10 Aníbal M. Aivefas Tula, op. cit" p, 96.
1:\0 Gaslon Zeller, op. c/t., p. 90,

161 Vicente 0, Síerra, op. cit., vol. 1, p. 487. .(!< Sobre os acontecimentos referentes à tomeda de COlónia cm 1705. consultar ~Relacion )
100 Embora pouco utPHz:ados ou mesmo desconhecidos na historiagrafia brasileira, no dei s!tlo, toma Ydesatojo 00 fa Colónia ... " Lima, 1705, in RIHGU, tomo VI, n" 1, pp. 197~206.
decorrer deste trabalhO' optámos pela utilização de vocábulos correntes nas histO'riografias 13: Luís Ferrand de Almeida, Colónia do Sacramento ... op, cit.• pp, 285-286. )
Sul-rio-grandense o platina. A palavra catali cimerrón (aporluguesada para "chimarrão") que, ''''' Maria Fernanda Batista Bicalho, A Cidade e o Império, pp. 214-215.
a principio, designava O' marinheIro indolente, apllçou~se na América espanl10la a tudo a que, 1>1 "Relacion deI Sitio, toma: y desalojo de la ColÓnia ..." in op. cit,. p. 206, )
tendo sido dOméstico ou cMlizado, valtava ao estadO' livre ou selvagem, empregando-se para 13.1 SJmão Pereira de Sá, História Topográfica ÉJ Bélica da Nove Colónia do Sacramento
qualificar animais, plantas e até mesmo o homem. Talvez tenha sido aplIcada peJa prImeira do mo da Prata, p. 47. )
)
)
78 79
)
)
)
) '35 "Reladon doJ SitiO, toma y desal* de ta Colónia ...", op. cit., p. 206.
1~1 Simão Pereira de Sá, Gp. dt.. p. 47.
) 1~ A expressão "'rerço" origina-se na prátlca da divisão da Infantaria romana em leg16es
e da alemã e francesa em regimentos de três mil homens. Como as frações da Infantaria, na
')
poofnsula ibérica, raramente excediam o número de mil homens. ou seja, a terça parte de
) uma legião ou um regimento, foram denominadas "Tereios" na Espanha e "Terços" em Portu~
gal. Ci. Aaphael Blutoau, Vocabulário Pottuguez e Lalff1o, vol. 8, 1721.
) ;~~ Aníbal M. Rrveras Tula, op. cit., p. 142.
t..., Eml110 A. Coni, EI Gaúcho, pp. 87-88.

141 O termo "oolâoola" é um castelhanismo utillzado no Rio Grande do Sul para deslg~
)
nar uma fazenda dedicada à pecuária. Originou-se da ex:presslão castelhana. suerto de 1.2. - O ESPAÇO DA CAMPANHA
) Dstanciá, que designava a unidade mínima para o pastoreio, equivalendo a 1,875 hectares,
., Cf, Helen OSÓrio, Apropn'ação da Terra no Rio Grande de São Pedro e a Formação da Eispaço
Pfa!íno p, 40. Em 17n, o membro do uma expedíção militar enviada ao sul!ndufa o vocábulo Embora o Tratado de Utrecht não tenha resolvido o problema
j
entre as palavras então em uso no Rio Grande do Sul: ",As fazendas, isto é, aos seus cam- da indefinição entre os dom ínios portugueses e espanhóis na
) pos- Estância", Francisco Ferreira de Souza, "Descrição da viagem ao Rio Grande", ln Anais
do SimpÓSio Comemorativo do Bicentenário da Restauração do RJo Grando (1775-1976), vaI. região platina, ainda em 1715, o Conselho Ultramarino iniciou a
.> III, p. 270, elaboração de relatórios a fim de estabelecer como seria feita a
lO. Na amplidão dos pampas, não somente o gado se convertia em chimarrão, também
) os cães passaram por transformação parecida. Acarete du Biscay, no séculQ XVll, e os padres
reinstalação dos portugueses nas terras readquiridas. O conse-
Gewasoni ú Cattaneo, na primeira metade do século seguinte, fazem referência aos cães chí~ lheiro António Rodrigues da Costa expôs o seu parecer de que se
) marrões, animais domós1icos que voltaram ao estado selvagem, os quais. cm bandos, ataca· reconstruísse a fortaleza no mesmo local onde esteve antes,
vam os terneiros e potros. Além desse aumento, devoravam a came do gado que era abatido
) considerando que serviria de protecção para a cidade que havia
, somente para a extracção do couro. Porém. nos lugares onde o gado escasseava, os cães
selvagens passavam a ser perigo para as criações e mesmo para os homens. Ct. Fernando
O. Assunção, op. cit, p. 81.
de fundar-se nas suas. proximidades.
" ,4) Júlio Millot e Magdalcna Sertino, Historie Econ6mica der Uruguay. pp. 54-55,
Do Rio de Janeiro, devia seguir o terço que se destinara à
.)
,.. André Corvisier, Gp. cit., p. 338. fundação de Montevidéu, ao qual se acrescentariam 200 solda-
) "~GastonZe!lcr, Gp. cit"pp.10~108. dos do Reino, para que a guarnição contasse com, pelo menos,
,.~ Fernando A. NovaÍS, op. eH., p. 27_
M1 André Ferrand de Almeida, A ~ormação do Espaço Brasileiro fi} o Projecto do Novo 500 homens. Ainda do Rio, deveriam seguir 50 ou 60 cavalos, 32
Atlas da América Ponuguesa (1713~1748), pp. 50~54. peças de artilharia, duas mil balas, 6.250 quintais de pólvora, 600
) ,.0 Lufs Ferrand de Almeida, Alexandre de Gusmão, o Sfas/1 e o Tratado de Madrid mosquetes e madeiras para a CtlhSfrução. Essas despesas, bem
(1735·1750), p. 9.
) !~~ C. R. Boxer, A Idade de Ouro no Brasil, p. 259, como o pagamento dos militares, deveriam ser cobertas pela
'SI "VI, Sua Majestade Católica nao somente restituirá o tenffóno e CoIánia do Sacra- arrecadação da alfândega do Rio. De Portugal, deveriam seguir
) mento, sJta na margem setentrional da Rio da Pratà, a Sua Majestade Portuguesa. mas ce~
dera assim em seu nome. como de todos seus descendentes, sucessores e herdeiros, de 30 a 40 casais da província de Trás-os-Montes, para se dedicar
) roda a acção e direito que pretendia ter 80 dito território e Colónía.,. ". Tratado de Uttocht de à agricultura e aos ofícios de pedreiro, ferreiro, sapateiro, alfaiate,
)
6 de Fevererro do 1715. ln RIHGB. tomo 352, p. 932. etc.
"" Lufa Ferrand de Armeida. Alexandre de Gusmão... Dp. cit., pp. 7~8.
!~ D. Luiz da Cunha a Diogo de Mendonça de Corte Real, Secretário de Estado, Madrid, Quanto à relação com os espanhóis, o governador não deve-
) 15 de Dezembro de 1719, ln Jaime Cortesão, Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid. ria consentir em estabelecer os limites, caso fosse solicitado a
parte 111, tomo I, pp. 1B7~190,
\ isso pelo governador de Buenos Aires, Deveria pedir que os
"Il John Lynch, op. Cit., p. 36.

) espanhóis abandonassem o arraial de Vera' e a guarda de São


\
João, Caso se negassem a fazê-Io, deveria ainda assim tomar
.f posse de Colónia e com "toda a indústria e arte há-de procurar-
) -se com dissimulação e sem estrondo apoderar-se ou empossar-
-se da terra que vai do sftlo da Nova Colónia até o Rio do
)
)
80 81
)
)
)
)

)
.)

Uruguai". O governador deveria protestar caso os espanhóis fun- que vinha tomar posse do território de Colónia, pois o mesmo )
dassem alguma povoação na margem norte do Prata, ao mesmo deveria fazer a entrega imediatamente, sem ter de recorrer ao )
tempo que aconselhava a fundação de povoações entre Laguna vice-rei do Peru. )
e Sacramento ·para atar esta Colónia com os mais domínios da No auto da entrega, deveria averiguar o inventário feito pelos
América portuguesa'". espanhóis aquando da tomada de Colónia sobre a artilharia e )
Embora acentuassem o carácter colonizador da nova reins- munições confiscadas, requerendo a sua devolução. Caso os )
talação dos portugueses em Colónia, os conselheiros não des- espanhóis quisessem definir os limites do território de Colónia,
)
cuidaram de garantir a continuidade do lucrativo comércio com os deveria procurar estendê-lo ''até o Rio Uruguai por ser este o
espanhóis. Por isso, o relatório do conselheiro João das Neves terreno mais fértil e de maiores esperanças, e do sítio da Co- )
preocupou-se em estipular taxas alfandegárias para as relações lónia para a foz do Rio da Prata'''. Quanto à relação com os indí- )
comerciais entre portugueses e espanhóis em Colónia. Por outro genas, ordenava que se empenhasse em obter a sua amizade
lado, também insistiu no aumento da povoação, sugerindo o )
para que não impedissem aos portugueses a expansão pela cam-
envio de 60 casais e a isenção de taxas alfandegárias para o panha. )
material de construção'. Nota-se, então, que, agora sim, surgia a preocupação em )
Para coordenar o restabelecimento dos portugueses em definir limites, buscando-se para isso o curso dos rios Uruguai e
Sacramento, ainda antes da assinatura do tratado, a Coroa desi- da Prata. Ao contrário do que aconteceu por ocasião da fundação )
gnou D. Pedro António de Noronha, primeiro marquês de Angeja, de Colónia, quando ainda se insistia em delimitar o alcance da )
para o posto de vice-rei do Brasil. Com experiência administra- linha de Tordesilhas, a busca de marcos naturais para definir a
)
tiva na rndia, experiência militar e com fama de disciplinador, fronteira prefigurou a política que Alexandre de Gusmão colocaria
recebeu a incumbência de apoiar a reconstrução da COlÓnia do em prática durante as negociações que resultaram na assinatura )
Sacramento' . do Tratado de Madrid, em 1750.'Nifveroa:oe, a'busca em conse-
Para tomar posse do governo de Colónia, D. João V esco- guir estabilizar os limites com os domínios espanhóis parece ter
lheu o governador de Santos, Manuel Gomes Barbosa, militar de sido uma constante preocupação de D. João V, pois, durante o
carreira, dono de uma excelenta folha de serviços no Estado da reinado de D. Pedro II, as ambições portuguesas na Banda )
índia e no Reino, onde participou activamente, nas batalhas da Orientai iam da Colónia do Sacramento até a foz do Prata, uma )
Guerra da Sucessão Espanhola. Deveria ainda ter uma forte per- vez que a Coroa nunca requisitara anteriormente o reconheci-
sonalidade, somada a uma grande capacidade de liderança, pois, mento do rio Uruguai como limite de seu domínio, >
em 1699, quando foi nomeado capitão do socorro enviado a )
Mombaça, na África Oriental, os soldados ofereceram-se volun-
tariamente para a expedição, devido ao bom tratamento que >
Gomes Barbosa dispensava aos seus subordinados'. 1.2.1. - Resistências ao Tratado de Ütrecht í
.'
Nas "instruções" que o rei forneceu a Gomes Barbosa, nota- )
-se que o mesmo aceitou muitas das propostas feitas por seus A chegada da noHcia da deVOlução da Colónia do Sa-
conselheiros. Do Rio de Janeiro, o governador deveria levar os cramento não foi bem recebida em Buenos Aires. O cabildo
)
militares que já tinham servido em Colónia e as munições e man- reagiu, numa representação ao rei, dizendo que a entrega de )
timantos necessários. Assim que chegasse ao Prata, deveria Colónia aos lusos resultaria num gravíssimo prejuízo à Coroa )
mandar avisar o governador de Buenos Aires da sua chegada e espanhola e aos habitantes das províncias de Buenos Aires,

)
82 83
)
)
)
Paraguai e Tucumã, assim como também aos índios das mis- Ao mesmo tempo, expõs três diferentes interpretações sobre o
) sões jesuíticas. Dizia que todos necessitavam da exploração do território da Colónia do Sacramento:
') gado selvagem que viVia na Banda Oriental, uma vez que a con-
trnua exploração e a seca haviam extinguido o gado na campa- "A primeira entendendo pela Colónia e seu território
) unicamente a situação em que esteve a fortaleza e sua
nha bonaerense. Pedia ainda que Sua Majestade Católica, com
') base no 7° artigo do Tratado de Ütrecht, oferecesse à Coroa por- circunvalação, à distância de tiro de canhão, que é só o
) tuguesa "outra coisa que seja de menos atraso e prejuízo aos que tinham possessão os portugueses. A segunda, dar
seus reais haveres e a todos os vassalos que habitam nestes mais extensão a esta palavra, território, incluindo nela o
) reinos7 ", uso das campanhas daquela banda para as provisões de
) A resistência do cabildo à devolução do território de Colónia carnes, couros, sebos e graxa para sua manutenção, e os
'. liga-se, essencialmente, à tentativa de manutenção do monopólio contínuos despachos que fazem para o Rio de Janeiro. E
.i
de exportação de couros, valorizados desde a concessão do con- a terceira, a todas as terras que pretende a Coroa de
) trato do asiento aos franceses'. A passagem do contrato aos Portugal, sendo infalível que em qualquer classe destas
1 ingleses, convencionada em Ütrecht, só aumentou o interesse que se dê cumprimento à cessão serão prejUdicadOS
pela courama, pois, já em 1715, ano da sua chegada a Buenos gravemente os domínios e real serviço de Vossa Maies-
)
Aires, os asientistas ingleses pediram permissão para comprar tade12 ".
) 45.000 couros. O cabildo então procedeu à autorização para a
) extracção de 20.000 couros na campanha bonaerense e 30.000 Dizia ainda que as pretensões de Portugal incluiam Potosí,
na Banda Oriental'. Chuquisaca, Santa Cruz de la Sierra, Tanja, Assunção, mais de
) Ao mesmo tempo em que crescia o interesse dos portenhos trinta reduções jesuíticas, Corrientes, Santa Fé, Santo Domingo
) pelo gado existente nos campos da outra margem do Prata, o Sariano, metade de Buenos Aires e muitas outras cidades. Em-
~) aumento da população indígena nas reduções levava os jesuftas bora essa fosse, realmente, uma antiga pretensão dos portu-
a intensificar as retiradas de gado da mesma região. Em 1716, gueses, naquele momento, a sua interpretação do território de
) havia 121.000 índios nos Trinta Povos, que eram anualmente abas-- Colónia incluía somente os actuais Uruguai e Rio Grande do
) tecidos por aproximadamente cem mil reses chimarronas trazidas Sul", ou seja, a segunda interpretação de Garcia Ros.
da ·Vacaria do Mar"'''. A anunciada chegada dos portugueses, Entretanto, para o governador de Buenos Aires, o território
)
potenciais concorrentes na exploração do gado selvagem, só de Colónia era somente o coberto pela artilharia da praça, pois,
" fazia crescer as apreensões na região platina. segundo ele, se antes tinham o usufruto da campanha, o mesmo
) Em 7 de Dezembro de 1715, o governador de Buenos Aires, não passava de roubo, o que seria evitado com o povoamento da
D. Baltasar Garcia Ros, mandou uma carta ao rei, na qual expõs margem norte do Rio da Prata. Como equivalente de Colónia,
)
as consequências da volta dos portugueses ao Prata. Nela argu- propunha a autorização para que dois navios viessem anual-
) mentava que, com a chegada dos portugueses, as Missões se mente ao Prata trocar produtos brasileiros pelos produtos da
) despovoariam, pois os lusos abateriam o gado, que era o prin- região: couro, sebo, graxa e carne salgada".
cipal alimento dos índios, ao mesmo tempo que atiçariam as tri- Segundo Mário Rodriguez, a implementação da polrtica do
) bos livres a atacar as reduções. Quanto ao contrabando dizia "tiro de canhão" deveu-se à influência dos interesses dos colonos
) que uainda que o governador fosse um Argos e os soldados junto ao governador, já que a exploração do gado era a principal
) linces, não poderiam estorvar a introdução do ilícito comércio"". fonte de riqueza dos habitantes de Buenos Aires". De facto, na

)
) 84 85
)
)
')
)
proposta de Garcia Ros fica clara a defesa dos interesses da elite sua aceitação, propunham que a cada ano e para sempre, os )
portenha, que desejava o comércio com o Brasil desde que ele se es-panhóis cedessem trezentas mulas ou trezentos cavalos, )
realizasse de acordo com as suas regras, ou seja, lhe asseguras- alternativamente. Recusando a contraproposta, Capecelatro
propôs que se reduzisse a questão a uma soma em dinheiro, o )
se o monopólio da exploração das riquezas naturais da região
platina. que não foi aceite". )
A disputa pelo território não implicava somente razões econó- Como as contrapropostas portuguesas também foram recu- )
micas e estratégicas importantes para as Coroas europeias. Para sadas, Filipe V ordenou, pela real cédula de 11 de Outubro de
1716, que o governador de Buenos Aires fizesse a entrega ime- )
a Espanha, o controle das duas margens do Rio da Prata, era de
importância vital para a defesa do monopólio comercial com as diata da Colónia do Sacramento aos portugueses. Contudo, )
suas colónias na América do Sul. Para Portugal, a posse da adoptou o ponto de vista de Garcia Ros ao ordenar que o território )
Banda Oriental significava o acesso à prata através do contraban- cedido não deveria passar do alcance de um tiro de canhão dis-
do, além da participação no lucrativo negócio do comércio de parado dos muros da fortaleza, distância que Arthur Ferreira Filho )
couros'·. Mas, se o domínio da Banda Oriental era muito impor- calculou em cerca de três quilómetros". Ros deveria manter as )
tante para assegurar os interesses metropolitanos, a disputa guardas de Soriano e São João para barrar toda a tentativa de
pelos seus recursos era ainda mais intensa pelas pessoas que expansão além do limite traçado, como também opôr-se à criação
habitavam a região, um factor de atrito a acrescentar-se na rivali- de novas povoaçôes lusas no Prata, além de impedir qualquer )
dade luso-espanhola. Enquanto os colonos espanhóis aumen- transacção entre portugueses e espanhóis ordenando ''que nem )
tavam a exploração do actual Uruguai, os súbditos portugueses para o mais preciso no abastecimento se permita o comércio."'''
\
de Laguna iniciavam a exploração do Rio Grande do Sul. O Embora, em ordens anteriores, Filipe V sempre fizesse
avanço das colonizações portuguesa e espanhola tendia a menção à sua vontade expressa de restituição imediata do ter- )
aumentar a intensidade dos choques, antes restritos às proximi- ritório de Colónia aos portugueses, na real cédula de 26 de )
dades da Colónia do Sacramento. Outubro de 1716, ordenou que, caso ainda não houvesse sido
Tendo em vista a convergência dos interesses coloniais e feita a cessão, Garcia Ros deveria protelá-Ia enquanto se trata- )
metropolitanos, as queixas das autoridades espanholas no Prata va das negociações por um equivalente. Essa ordem deveria )
foram bem recebidas em Madrid, onde a questão de Sacramento permanecer secreta, ficando o governador expressamente
)
continuava a preocupar a Coroa. O embaixador espanhol em Lis- proibido de alegar a vontade real como fundamento na demora
,
boa, marquês de Capecelatro, ofereceu aos portugueses como da restituição do território de Sacramento, "porque assim convém j

equivalente de Colónia, um comércio regulamentado entre o Prata ao meu real serviço e decord''' ". )
e o Brasil, isto é, seguia o pensamento de Garcia Ros. Entre- Porém, quando esta última ordem chegou a Buenos Aires, já
se havia dado a entrega oficial da Colónia do Sacramento aos )
tanto, a resposta dos portugueses à proposta espanhola foi que
o dito equivalente era mais vantajoso para a Espanha do que portugueses, efectuada em 5 de Novembro de 1716. Na tomada 1
para Portugal". de pOSse, o governador Manuel Gomes Barbosa expôs o que os )
A contraproposta apresentada pelos portugueses baseou-se portugueses entendiam como sendo o tarritório de Colónia: "tanto
para a parte do norte, por onde se continua actualmente o domínio )
em três pontos: o pedido de um porto na Galicia para abrigo de
tempestades e corsários aos navios que vinham do Brasil e o de Portugal, como para a parte do leste e foz do Rio da Prata"". )
direito de comerciar com Buenos Aires, sem excluir a extracção Por isso pediu aos comissários espanhóis a retirada da guarda do
)
de prata. Se nos pontos antecedentes houvesse dificuldade na rio São João, o que lhe foi negado com base no estipulado no
)
"
)
86 87
)
)
-)
) Tratado Provisional, que era a forma pela qual os espanhóis jus- para povoar o território de Sacramento, se dispersassem pela
) tificavam a limitação do território ao que fosse alcançado pelo tiro campanha atrás do gado chimarrão, dando-lhes todas as quar-
de canhão. tas-feiras e os sábados seis reses para seu sustento. Entretanto,
) Seguindo as ordens de Lisboa, Gomes Barbosa fez registar embora alegasse que pretendia proteger os casais de perderem-
) o seu protesto contra a Ilmitação imposta pelos espanhóis. É de -se na campanha ou serem apanhados pelos espanhóis da guar-
) se frisar que o protesto de Manuel Gomes Barbosa tinha plena da de São João, o governador foi acusado de querer monopolizar
capacidade legal, pois a referência ao Tratado Provisional era a exploração do gado em proveito próprio".
) uma flagrante contravenção ao Tratado de Utrecht, já que o Em Julho de 1718, o governador Zabala voltava a salientar a
) mesmo fazia menção expressa sobre a anulação do Tratado de importância das reservas de gado da Banda Oriental ao ressaltar
1681. que, em Buenos Aires, "não ficou gado algum em cem léguas que
)
há daqui a Santa Fé". Para impedir a ruína económica da provín-
) cia, que se seguiria ao domínio português da margem esquerda
) do Prata e o consequente fim das exportações espanholas de
1.2.2. - A Disputa pela E.xploração do Gado Selvagem couro, o govemador defendia o bloqueiO das suas tentativas de
)
expansão, argumentando que "não podendo os portugueses des-
) Se, em fins do século XVII, já surgiram os primeiros atritos frutar da campanha, será mais diffcil [quel se mantenham nos
entre espanhóis, jesuítas e portugueses pela exploração da limites de sua reduçãd'''.
riqueza pecuária da Banda Oriental, a partir do restabelecimento A chegada dos portugueses não podia ser bem vista num ter-
) dos portugueses em Colónia, as tensões agravar-se-iam muito, ritório onde já se travava uma luta jurídica entre espanhóis e
J tendo em vista a valorização do couro, em consequência da sua jesuítas pelo direito de explorar a riqueza representada pela Va-
exportação em larga escala através dos navios de as/entoo Em caria do Mar". A competição pela exploração do gado selvagem
)
1716, além dos vizinhos de Buenos Aires, aproximadamente qua- envolvia os interesses do cabildo de Buenos Aires, dos portugue-
trocentos santafesinos, capitaneados por Andrés López Pintado, ses de Colónia, dos tapes das Missões e dos santafesinos que,
) dedicavam-se a arrebanhar gado e a extrair couros na margem devido aos constantes ataques das tribos do Chaco às estâncias
norte do Rio da Prata"'. situadas a oeste de Santa Fé, buscavam explorar as reservas de
)
As regras do convívio com os portugueses foram expostas gado situadas a leste, primeiro na actual mesopotâmia argentina
) na resposta que o governador de Buenos Aires deu a Manuel Go- e depois na Banda Oriental"'.
I mes Barbosa quando este lhe pediu um vaqueiro para recolher O litígio entre os súbditos espanhóiS só foi resolvido em 1722,
algumas reses para o sustento da guarnição. D. Bruno de Zabala quando ficou determinado que aos jesuítas caberia a exploração
) avisou-o então que os portugueses deveriam manter-se dentro do território ao norte do Rio-Negro, enquanto o sul permaneceria
1 do raio de alcance de um tiro de canhão e que, se qUisessem sob o controle do cabildo de Buenos Aires". Mesmo assim, só foi
) gado, deveriam comprá-lo aos espanhóis". Com essa medida, as permitido aos jesuítas retirar o gado suficiente para o sustento das
autoridades portenhas pretendiam manter o domínio da explo- Missões, sendo-lhes proibido comerciá-lo. Em todo o caso, o arrea-
) ração da campanha ao mesmo tempo que pOdiam contar com um mento do gado para as reduções continuava a preocupar o cabíl-
) promissor mercado de consumo. do, que convenceu o govemador a enviar à Banda Oriental o
A princípio, Gomes Barbosa buscou prudentemente evitar capitão Juan de San Martín para investigar a actuação dos índios
) conflitos, tentando impedir que os casais transmontanos, vindos e pedir que se retirassem dali com "toda urbanidade e cortesia"".
)
)
88 89
)
)
)
)
) A par das tensões entre espanhóis e jesuítas pelo gado chi- alguns portugueses nas proximidades do Rio Rosário, onde ti-
) marrão, as autoridades espanholas não hesitaram em aproveitar- nham vários ranchos, cavalos, dois currais e algumas carretas.
) -se do rancor que opunha os índios aos portugueses a fim de Embora o tenente Gutierrez se recusasse a tomar qualquer ini-
livrarem-se do concorrente mais perigoso. De facto, os índios das ciativa, o irmão Vil/odas, com a ajuda de mais três índios, foi
) missões jesuíticas tinham um ódio determinado contra os por- reconhecer o acampamento português, abandonado logo que
) tugueses, herança ainda do tempo em que os bandeirantes, iden- se avistaram os índios, pondo fogo aos ranchos e aos cerca de
tificados com o próprio demónio", atacavam os seus povoados. duzentos couros encontrados.
)
Em 1698, o cabíldo de Buenos Aires dizia "que estes índios eram Um mês depois, segundo informe do próprio Villodas, seus In-
) antfpodas dos portugueses, a cujas desordens punham limite e dios atacaram outra estância portuguesa, que distava várias horas
} freio"". de viagem de Colónia. De novo os portugueses se puseram em
Entretanto, o ódio aos portugueses não era a única razão fuga, porém levaram a notrcia à praça, de onde saiu um destaca-
) pela qual as patrulhas missioneiras eram um perigo quotidiano mento de soldados que dispersou o agrupamento missioneiro. Um
:1' para as expedições que partiam de Colónia em busca de couros. irmão jesuíta, ferido no combate, foi conduzido a Sacramento,
Os rebanhos da Vacaria do Mar eram o sustentáculo das Mis- onde o mesmo foi alvo da atenção dos jesuítas portugueses e do
sões, preocupação maior dos jesuítas que estavam convencidos próprio governador, que, depois de curado, libertou-o, enviando-
) o para a guarda de São JoãOS'.
de que ''se no futuro faltar aos índios carne, sem a qual não
\
.~
podem viver, há perigo de que abandonem as reduções de novo Os constantes ataques que as patrulhas missioneiras des-
e se dirijam às selvas para viver ali da caç8"". fecharam aos portugueses na campanha levaram o governo de
)
Portanto, as Missões tinham de manter um considerável Lisboa a queixar-se directamente ao Geral dos Jesuítas em
) rebanho vacum se quisessem contar com a fidelidade dos indíge- Roma, padre Tamburini que; em 1720, escreveu ao provincial do
) nas ao ideal jesuítico. Cada povoado missioneiro possuia uma ou Paraguai para que proibisse os índios de inquietar os súbditos da
várias estâncias, largas extensões de campos, onde as reses Coroa portuguesa estabelecidos em Colónia. Entretanto, em
viviam mais ou menos em liberdade. Como em cada redução oposição às ordens do Padre Geral, o jesuíta Daubenton, confes-
) eram abatidos diariamente de vinte a quarenta bois para o con- sor de Filipe V, aconselhava-o a não permitir que os portugueses
) sumo da população, o rebanho tinha de ser periodicamente re- ultrapassassem os limites do tiro de canhão'·. Como se pOde
novado. Os jesuítas dispunham da Vacaria do Mar como uma observar. os conflitos de interesses também existiam dentro da
) Companhia de Jesus, onde supostamente deveria havêr obe-
reserva, para onde mandavam os indígenas em busca de gado.
) Em cerca de dois ou três meses, um agrupamento de índios con- diência cega às ordens emanadas pela sede em Roma.
) seguia arrebanhar de cinco a seis mil animais que eram depois Em 1721, por ordem do governador de Buenos Aires, os
levados para repovoar as estâncias das Missões"'. jesuítas enviaram-lhe duzentos indios armados para ajudar os
) O conflito dos tapes com os portugueses pela posse do gado espanhóis a tentar conter a expansão portuguesa na cam-
) chimarrão da Banda Oriental não se fez esperar e o primeiro con- panha." No mesmo ano, uma patrulha hispano-indígena queimou
fronto com os indígenas aconteceu em fins de Dezembro de dois ranchos com currais e mais de 1.500 couros nas proximi-
)
1718, quando o padre Juan de Yegros e o irmão Marcos Villodas, dades do rio de Santa Luzia e, em Montevidéu, queimou três ran.
) da Companhia de Jesus, patrulhavam a campanha com quatro- chos e mais de 2.500 couros, pondo em fuga os portugueses que
centos índios missioneiros e alguns soldados espanhóis coman- se retiraram para Colónia a bordo de um bergantim". Tendo em
dados pelo tenente Francisco Gutierrez. Esse grupo encontrou vista a actividade dos lusos na campanha, o cabildo de Buenos
)
)
) 90 91

)
)
)
)
Aires, preocupado com a extinção do gado selvagem na Banda dever-se-ia insistir junto à corte de Madrid para que os espanhóis )
Oriental, fez uma representação ao rei contra "os grandes danos "nos deixassem usar daquele mesmo terreno por alguns anoS"".
)
que fazem os portugueses da Colónia do Sacramento e os índios Porém, a Coroa espanhola estava firmemente decidida a
Minuanos, que habitam os campos de São GabrieF'''. fazer prevalecer o seu ponto de vista sobre o território de Colónia )
Na verdade, os maiores culpados pela exploração predatória e, para impedir que os portugueses se afastassem da praça, )
do gado chimarrão eram os santafesinos, principais fornecedores ordenou o contínuo patrulhamento dos campos vizinhos. Como
)
de couros aos portugueses. Ainda em 1721, alguns jesuítas e era de se esperar, em consequência dessa medida, os atritos não
espanhóis fizeram uma declaração contra os estragos que os demoraram muito a acontecer. Pouco tempo depois do resta- )
homens de Santa Fé faziam na Vacaria do Mar, os quais "não belecimento dos portugueses em Colónia, os espanhóis tomaram )
somente permaneceram nas ditas vacarias por muitos meses re- aos lusos várias carretas que traziam mantimentos da campanha,
)
tirando grandes quantidades de vacas, destruindo e matando roubando a carga e aprisionando os escravos e os condutores,
para fazer graxa e sebo e couros etc., assolando os campos, mas que foram manietados e levados para a guarda de São João. )
também não reparando no tempo da multiplicação e parição"°". Embora Gomes Barbosa tenha condenado qualquer tipo de reta-
)
Apesar do conflito de interesses entre bonaerenses, liação, a fim de não entrar em conflito aberto com os espanhóis,
santafesinos e jesuítas, a Coroa espanhola preocupou-se mais o capitão Estevão Rodrigues de Azevedo, dono de algumas das J
em conter a expansão dos portugueses na campanha, já que carretas apresadas, dispôs-se a resgatar os seus bens. )
estes eram os únicos a desafiar abertamente a sua soberania Com seus escravos e alguns amigos dirigiu-se às proximi-
)
sobre a Banda Oriental. Em 1720, Filipe V escreveu ao gover- dades da guarda de São João, onde deixou seus companheiros
nador de Buenos Aires para que ele delimitasse o território de de vigia e, vestindo-se como um camponês, ofereceu-se para tra- .\
Sacramento, o qual não deveria passar do alcance de um tiro de balhar como criado do comandante espanhol, o qual não perce-
canhão de 24 libras disparado da praça. Especificava ainda que beu o ardil e aceitou seus serviços. Durante a noite, depois do
J
a peça deveria ser carregada com material correspondente a seu comandante adormecer, Rodrigues de Azevedo foi conversar )
calibre, sem servir-se de outro tipo de pólvora que a comum para com a sentinela, convidando-a para alguns goles de vinho que )
o uso dos canhões e que o tiro não se fizesse por elevação·'. não tardaram a fazê-Ia dormir. Com o caminho livre, o capitão )
Naturalmente, os homens que govemaram Colónia nunca português roubou as chaves do comandante espanhol e libertou
aceitaram as intimações dos governadores de Buenos Aires para os prisioneiros, que correram para junto dos que haviam ficado )
aplicar a regra do "tiro de canhão", já que a Coroa portuguesa de vigia"'. )
tinha outra noção do que era o território de Sacramento. Em Em 1722, um agrupamento espanhol que vigiava as vizin-
)
1723, o Conselho Ultramarino escrevia a António Pedro de hanças de Sacramento, constituído por dez soldados e coman-
Vasconcelos que "nos convém se faça a demarcação do ter- dado por um alferes, capturou um transporte de couros composto )
ritório". Se os espanhóis se negassem a iniciar a contagem a par- por sete carretas e conduzido por quatorze escravos. Entretanto, .\
tir do Rio Negro, "podia-se entrar na negociação de partir pelo rio alguns escravos cavaleiros conseguiram escapar e retomaram a
Colónia a todo o galope, onde informaram o seu amo, Cristóvão )
de São João, continuando pelas partes que aponta até parar nos
serros de Maldonado". Os conselheiros sabiam que não seria Pereira de Abreu", do acontecido. Sem mesmo pedir autoriza- )
fácil convencer o governo espanhol a aceitar o seu ponto de vista ção ao governador, Pereira de Abreu reuniu oito homens e par- )
acerca do alcance do território de Colónia e por isso recomen- tiu no encalço dos castelhanos, os quais encontrou no momento
davam que, enquanto a questão permanecesse em negociação, em que faziam a partilha do saque. Atacados de surpresa pelos )
)
92 93 )
)
.)
--I
') portugueses, os espanhóis puseram-se em fuga tão precipitada- 1.2.3. - Fornecedores e Colaboradores
mente que, três dias depois do ocorrido, o alferes escre\leu a
)
Cristó\lão Pereira pedindo-lhe que lhe de\lolvesse a capa e a Apesar da disputa entre as Coroas ibéricas pela posse da
"
j espada, que tinha perdido na fuga. O seu pedido não só foi aten- Banda Oriental, as relações entre os súbditos portugueses e
) dido pelo sertanista, como também foram soltos os dois espa- espanhóis na região platina não foram marcadas somente pelos
nhóis que haviam sido feitos prisioneiros". confrontos, mas também pela cooperação moti\lada pela soma
)
Se um homem poderoso como Cristóvão Pereira de Abreu de muitos interesses em comum. Se muitos espanhóis lucravam
) podia reagir violentamente a fim de recuperar os seus bens, mais em \lender os couros que faziam na campanha aos por-
) mesmo sem contar com o auxflio das autoridades, a mesma ati- tugueses do que em participar do comércio legal, os próprios
tude não podia ser tomada pelas pessoas que, com poucos soldados, encarregados de barrar o acesso dos portugueses à
}
recursos, se dedicavam à extracção de couros. Embora deva ter campanha, podiam fazer \listas grossas às suas expedições de
sido grande o número de homens que buscavam na campanha caça ao gado mediante o suborno.
). um complemento da prOdução agrícola, ao recorrer ao gO\ler- Em 1717, o gO\lemador Garcia Ros informa\la à Coroa
nador para que as tropas os ajudassem a recuperar os seus espanhola que a guarda de São João servia mais de centro de
'\
J bens, estavam sujeitos a ouvir a resposta seca de "que não tinha espionagem do que de um eficaz meio de bloquear o acesso dos
) o rei de Portugal tropas para fomentar negócios particulares e lusitanos à campanha. Por isso também deu ordens para que
que quem os mandava sair sem licença das guardas de São João agrupamentos de espanhóis e índios missloneiros patrulhassem
e Montevidél.l"". os campos". Já Gomes Barbosa se queixava ao rei de que "os
,.1 Contudo, a necessidade de libertar-se da vigilância espanho- castelhanos impedem o uso da campanha, e não querem que
) la na campanha era muito Importante para que os portugueses, [se] tirem vacas para comer como também todo o mais uso
que se dedicavam ao comércio dos couros, não sofressem os dels'"". A contradição entre os informes dos gO\lernadores sobre
)
prejuízos decorrentes do confronto com as patrulhas castelha- a actuação da guarda de São João sugere que os soldados es-
- ) nas e missionárias. Mesmo sem poder impedir a acção da guar- tavam mais Interessados em extorquir propinas aos portugueses
) da de São João, os portugueses podiam vigiar seus movimentos que quisessem intemar-se na campanha do que em bloquear o
para se pre\lenirem de algum ataque surpress. Com este objecti- acesso dela aos mesmos.
) vo, o govemador Gomes Barbosa mandou instalar uma guarda Segundo o gOllernador Manuel Gomes Barbosa, a cavalaria
) portuguesa às margens do rio São Pedro, próximo à guarda espanhola costumava patrulhar os campos a uma distância de
castelhana. Graças a ela, segundo Ri\leros Tula, duas embar- cerca de duas léguas de Sacramento e embora, durante seu
I
cações provenientes do Rio de Janeiro puderam carregar uma gO\lerno, nunca tenha impedido os moradores de buscar lenha no
) partida de couros armazenada em Monte\lidéu sem serem \listos rio Rosário, a cerca de oito léguas da povoaçãO, tentava impedir
) pelos espanhóis". os portugueses de explorar o gado chimarrão. Contudo, a repres-
) são às \lacarias portuguesas poderia ser e\litada através do uso
do suborno. Antes de se internarem na campanha, as pessoas
.> que desejavam extrair couros deviam negociar com o capitão da
) guarda espanhola, sem se esquecerem do oficial que os \lInha
render, pois, caso contrário, arriscavam-se a ser presos e \lerem
)
a courama queimada. Urna vez presos, era necessário subomar
)
)
94 95
)
)
)
)
)

o comandante para voltar à liberdade. Por vezes, eram os pró- direito às caçadas, os quais, a partir de então, passaram a ser )
prios oficiais e soldados da guarda de São João que iam à cam- conhecidos como accionero;;;'. )
panha extrair couros que depois levavam até às proximidades de Era o cabildo quem, até 1732, repartia a quantidade de
)
Colónia, onde os portugueses podiam ir comprá-los sem risco couros pedida pelos asientístas entre os accioneros de Buenos
algum". Aires, negociando o preço em nome dos mesmos56 • O monopólio )
Em janeiro de 1724, o governador António Pedro de Vas- que esse órgão possuía sobre a comercialização do couro ex- )
concelos escrevia à Coroa sobre a conveniência do seu gover- portado, permitia aos seus membros o auferimento de uma boa
)
no dispor de alguma quantia, com a qual pudesse subornar a margem de lucro, pois o mesmo avaliava os couros a preços
guarda espanhola que vigiava os passos dos portugueses na baixos e vendia-os aos comerciantes do registro aceitando um )
campanha. A resposta só chegou em Fevereiro de 1726, quando terço do valor da courama em dinheiro e dois em tecidos, deixan- )
D. João V autorizou a quantia anual de quatrocentos mil réis para do aos registrantes trezentos por cento de lucro no preço das
que o governador a usasse em "gastos secretos"". Parece que fazendas vendidas. O governador Zabala não deixou de escre- )
então a compra de favores dos oficiais espanhóis não se fazia ver ao rei contra esse tipo de transacção, que gerava odiosos )
através da oferta de dinheiro, mas sim do oferecimento de pre- ressentimentos entre os desfavorecidos pelo monopólio. Porém,
sentes, que podiam consistir em caixas de açúcar ou barris de a sua queixa não tinha muitas hipóteses de ser ouvida em
vinho e azeite". Madrid, já que o cabildo portenho tinha o apoio dos comerciantes )
Em 1730, Vasconcelos volta a referir-se ao relacionamento metropolitanos, aos quais assegurava os lucros do comércio ofi- )
com os espanhóis, dizendo que, apesar dos mesmos levarem ciai com o Rio da Prata57 •
Os baixos preços alcançados pelos couros e pelo gado, ven- )
boa parte dos lucros do campo, não podia negar que a vizinhança
com Buenos Aires era a principal causa da prosperidade de didos através do monopólio portenho, acabaram por servir de. )
Sacramento. Completava dizendo que "por assim o entender, não incentivo para que os espanhóis preferissem vender os seus pro-
~
desprezo nenhuma ocasião de cultivar a vontade ao governador, dutos aos portugueses da Colónia do Sacramento, pois assim
aos oficiais reais e cabildantes"". Quatro anos depois, voltava a evitavam o pagamento de impostos e a intermediação do cabildo,
afirmar que, para retirar lucros da campanha, portugueses e es- que aviltava o preço das matérias-primas em proveito próprio. De )
panhóis "não podem viver sem se acordarem"". resto, o gado, na Banda Oriental, valia a metade do preço pelo )
As relações dos portugueses com os espanhóis, contudo, qual era vendido em Buenos Aires, onde os preços já eram
não se limitavam ao suborno da guarda de São João, pois eram baixos, como constatou o padre Cattaneo durante o aprovisiona- )
muito mais intensas com os vaqueiros santafesinos e portenhos. mento que o grupo em que viajava fez numa estância espanhola )
Estes homens, que se dedicavam à exploração das manadas de próxima ao rio das Vacas, a fim de prosseguir na navegação do "
gado chimarrão da Banda Oriental, converteram-se nos principais rio Uruguai rumo às Missões". "'
fornecedores de couro e gado aos habitantes de Colónia. A tentação de aumentar a lucratividade da exploração do )
A principal razão da estreita colaboração de vários espanhóis gado chimarrão, através do comércio com os portugueses, )
pode ser encontrada na asfixiante política monopolista com que o atingiu até mesmo os homens encarregados pelo cabildo de
cabildo de Buenos Aires pretendia controlar o comércio de couros buscar gado na Banda Oriental para repovoar as estâncias )
exportados através do seu porto. Desde 1718, os seus membros bonaerenses. Era mais fácil e lucrativo realizar o massacre do )
procuravam lucrar com a exploração do gado chimarrão, conce- gado com o único fim de vender os couros em Colónia ou aos )
dendo licenças aos homens que se propunham a arrematar o navios franceses que frequentavam a costa, do que levar grandes
)
)
96 97
)
.)
) manadas de gado selvagem, muito mais diffcil de ser conduzido retinham no Rio Grande. Parece que vinham pela segunda vez.
) do que o doméstico, através dos vastos campos e da perigosa pois Brito Peixoto conhecia um deles a quem, em outra ocasião,
travessia do rio Uruguai"'. dera licença para .passar a Colónia. Dizia ainda ao govemador
) que "como os primeiros que vieram tiveram bom passaporte, o
Em Maio de 1726. o governador Vasconcelos informava
) D. João V sobre a boa correspondência que mantinha com o mesmo terão estes outros, porque presente tenho a recomen-
) governador de Buenos Aires, que se reflectia nas boas relações dação de Vossa Excelência a amizade com os castelhanoSl4".
entre portugueses e espanhóis na campanha. Acrescentava ainda A valorização dos couros, a partir da concessão do contrato
)
que os moradores compraram cento e dezoito mil couros aos de as/ento de negros aos franceses, levou as autoridades de
) espanhóis, comércio no qual não lucravam somente os comer- Buenos Aires a procurar aumentar o controle sobre os campos da
) ciantes que davam safda às suas fazendas, como também os Banda Oriental. Contudo, elas não puderam impedir que um nú-
lavradores, que transportavam os couros nas suas carretas'''. mero crescente de homens, em sua maioria provenientes de
) Ainda no mesmo mês, informava o rei de que dois santafesinos Santa Fé, se instalasse na campanha a fim de partiCipar da explo-
} lhe tinham vendido oitocentos cavalos ao preço de três mil réls ração do gado chimarrão. Aos primeiros vaqueiros santafesinos e
,
}
cada. Não deixava de orgulhar-se por ter conseguido levar a portenhos, uniram-se aventureiros de diversas regiões (Cuyo,
termo a transacção. apesar das severas proibições que o gover- Salta, Paraguai, Chile), índios tapes foragidos das missões, char-
) no espanhol fazia a esse tipo de comércio"'. ruas e minuanos destribalizados, escravos foragidos e desertores
) No ano seguinte, Zabala escreveu a Filipe V acerca do seu espanhóis e portugueses que se reuniam em torno de um chefe,
zelo em tentar impossibilitar a actividade dos contrabandistas, formando pequenos grupos que percorriam as campanhas para
)
porém agregava que nem "os contínuos castigos que experi- extrair couros que depois eram vendidos aos contrabandistas".
mentam, de tirar-lhes o que se lhes encontrava, lhes servia de Encarados pelas autoridades espanholas como uma ver-
) desengano para desistir de vender courama a todo risco aos dadeiraprag-ª..qjJeJnfl1Síayaos campos,-ende se dedicavam a um
"" ... portugueseS"'~ Informava "aindélque, 1111.,enlãtivá de""impedli'"que ·negódo que contrariava o interesse do cabildo de preservar o
")
a partir de Santa Fé se introduzissem mulas com destino ao mer- monopólio da exploração do gado selvagem, estes homens logo
) cado consumidor de Minas Gerais, mandara cinquenta e cinco foram chamados de "gente vagabunda e ocioSlif"; vindo depois a
) homens vigiar o canal do Rio Grande. Neste sentido, em 1729, ser conhecidos por "gaudérlos" ou "gaúchos·"'. Contudo, a deno-
um destacamento espanhol conseguiu interceptar uma tropa de minação de changadores, explica melhor as suas actividades:
) gado e muares vinda de Santa Fé com destino a Laguna". quando juntavam um bom número de couros na campanha,
") Porém. o próprio governador não acreditava no êxito da repres- desciam os rios em jangadas até ao porto de Colónia, onde
são ao contrabando, pela experiência que tinha da "gente deste tratavam de vendê-los. Devido ao meio de transporte utilizado,
)
país, [que] sabia ocultar com bastante malfcia e sagacidade suas esses homens passaram a ser chamados '1angadeiros" pelos
')
maldadeS"'". portugueses, origem da palavra changadores, como vieram a ser
O comércio de tropas de muares para Laguna era negócio conhecidos em Buenos Aires"'.
antigo, pois, em Janeiro de 1723, o capitão-mor da vila, Francisco Antes de tudo, os homens que posteriormente ficaram co-
)
Brito Peixoto, informava o governador de São Paulo, Rodrigo nhecidos como gaúchos eram indivíduos marginalizados pela
) César de Meneses, que um grupo de cinco espanhóis chegara a sociedade colonial espanhola. que, sob severas penas corpo-
) Laguna a fim de conseguir permissão para vender na vila as 800 rais e carcerárias, pretendia garantir a imobilidade social atra-
reses. entre as quais muitas mulas, que os seus companheiros vés da obrigatoriedade da permanência de toda a mão-de-obra
)
)
98 99
)
J
)
disponível sob as ordens dos estancieiros, os quais eram os cavalos, couros, sebo e graxa, comprando-lhes seus géneros
únicos autorizados a criar gado, impedindo assim a formação de proibidos"". Numa declaração conjunta de espanhóis e jesuítas
uma classe independente, proprietária de pequenas parcelas de contra os estragos feitos pelos vaqueiros de Santa Fé na Vacaria
terra. A fim de escapar ao controle das autoridades coloniais, do Mar, o capitão D, Pedro José de Vera declarou que, nas pro-
muitos fugiram para o interior da campanha, onde caçavam o ximidades de Colónia, "viu em vários arroios e rios que os portu- .'
gado selvagem sem a licença das autoridades, íá que ela gueses faziam couros ocultamente e que um mercador português
somente era dada aos vecmoS'" das cidades espanholas da chamado D. Jerónimo Solto estava num arroio chamado Santa
)
Luzia com loja aberta concheando moços e peões para fazer
América. couram<i4 ". )
Poucos anos depois do retomo dos portugueses a Sacra-
mento, em 1718, as patrulhas dos indios missioneiros encon- De facto, era intensa a participação dos espanhóis nas acU-
traram, a uma distância remota de Colónia, dois acampamentos vidádes que os portugueses desenvolviam na campanha.
)
onde os portugueses "unidos aos infiéis, executam suas fainas Cristóvão Pereira de Abreu, um dos principais negociantes de
de sebo e graxa, e sucede que costumam juntar-se diferentes couro na Colónia do Sacramento, senão o maior deles, provavel- )
homens, assim como os deste país, que levados pela liberdade mente contava com a colaboração de muitos peões de origem
solicitam acompanhar-se dos bárbaros para induzir-lhes aquele espanhola nas arreadas de gado que promovia. Segundo Riveros
Tula, o principal tropeiro a serviço do mesmo era um castelhano )
género de trabalho pela utilidade que logram'·".
Para evitar a extinção do gado selvagem, assim como a chamado Roque Sorria", José Mascarenhas de Figueiredo )
colaboração dos espanhÓis com os portugueses. em Dezembro Cavaleiro, candidato ao posto de alferes de infantaria paga, conta
)
de 1721, o cabildo de Buenos Aires ordenou a retirada da Banda que, em 1724, durante uma expedição para recuperar os corpos
Oriental de todos os faeneros, como eram conhecidos os ho- de alguns portugueses mortos pelos indígenas, manteve três J
mens que tinham licença para explorar o gado na região. A única espanhóis assalariadõs à sua custa, encarregados de trocar os
excepção foi feita ao capitão Juan de Rocha e seus peões, en- cavalos cansados por novos".
Apesar das medidas restritivas adoptadas pelo governador )
carregados de abastecer a cidade", D, Sebastién Delgado,
encarregado da operação, prendeu dez homens sob a acusação de Buenos Aires, a colaboração entre espanhóis e portugueses
de vagabundagem e queixou-se de que alguns peões estavam a continuava em 1724, quando D. Bruno de Zabala informou Filípe
converter-se em estancieiros", Malgrado os interesses da elite V da participação de súbditos espanhóis nas vacarias portugue-
sas, dizendo que "seriam mais de 300 os que em diferentes tro- )
portenha, que deseíava que a Banda Oriental permanecesse
como uma gigantesca estância à sua disposição, começava o pas os serviam, sem poder-se impedir por serem práticos do )
pais". Informava ainda que, como havia acabado o gado chimar-
povoamento da terra. )
No ano seguinte, D. Bruno Maurício de Zabala quis estender rão na margem direita do Prata, os habitantes de Buenos Aires
\
a proibição de explorar as reservas da Vacaria do Mar aos ín- passavam para "a parte setentrional deste rio, e os que passam )

dios das missões jesuíticas. Contra essa ordem, escreveu o por ele se juntam aos portugueses". Completava dizendo que )
padre José de Aguirre, alegando que a dizimação do gado chi- "estando empregada muita gente naquele campo, é evidente que
entrem e saiam da Colónia do Sacramento por mais que o pro- )
marrão não era obra dos índios, mas sim dos espanhóis de Santa
Fé, Comentes e Buenos Aires, os quais, além desse incon- cure o governador evitar''', )
veniente, entravam em contacto com os habitantes da Colónia Porém, se esses homens geralmente mantinham boas )
do Sacramento "ajudando-os nas suas fainas, vendendo-lhes relações com os portugueses aos quais, além do fornecimento de
)
)
101
100 )
,)
J
) couros, eventualmente serviam de exploradores e espiões contra 1<1 Segundo Espfrito Santo, que também estudou o documento citado em sua obra,

) as forças de Buenos Aires, conforme a conveniência, podiam ~Argosn é um personagem mitológico, filho de Aristor. TInha cem olhos. Enquanto cinquenta
passar para o lado espanhol e passar a hostilizar seus antigos dormiam. outros cinquenta permaneciam abertos. 'Lince', por sua vez, é um animal camfvoro,
) aliados. Ao criar uma companhia de mlgueletes", com o objectivo
do género folix IInx que, conforme a tradição, vê através das paredes. Ct. Mjguef F. do Espírito
Santo, op. cit.• p. 99, nota 3..1.
) de desaloíar os portugueses da península de Montevidéu e " Baltasar de Garcia Aos ao rei de Espanha, 7 de Dezembro de 1715, in CampafJa r:feJ
Brasil. tomo I, p, 454.
) impedi-los de se estenderem pela campanha, D. Bruno de Zaba- 1~ Jaime Cortesão, ln "Território da Col6n1a. vaga expresséfo que abrangia as regloos
la conseguiu a adesão de vários "gaúchos" à causa espanhola. que hoje se dividem entre o Uruguai e o Rio Grande do sur, "O TerrItório da Colónia do
) Nesse momento, o principal incentivo ao recrutamento foi a autor- Sacramento e a Formação dos E$lados PJatínos", ln Revista de História, n° 17, p. 135.
'~Baftasarde Gareia Ros ao rei de Espanha, 7 de Dezembro de 1715, in Campafia dei
) ização dada pelo governador aos membros da nova companhia Brasil, tomo I, pp, 453~457.
)
de se apossarem livremente das presas feitas ao inimigo"', Simão 1>1 Mário Rodriguez, cp. eH" pp. 199-200.

,~ A exportação de couros Constituiu, nos séculos XVii e XVIIl. um dos ~nerO$ de


Pereira de Sá conta-nos que, em torno dos migueletes,"a fama grande Importância no comércIo colonial brasileiro, sendo que a sua receita em certos
\ dos insullos fez oongregar muita genle dispersa, que vivia de
/ momentos chegou a ocupar o segundo lugar na pauta de exportações, só perdendo para o
) roubar e gostando desta ooupação perigosd"": Em 1735, integra- açúcar. Ct Corcino Medêíros dos Santos, Relaç(>es Comeroiais do Rio de Janefro Ci.Jm L!:<;boa
/ (1763-1808), p. 173.
ram-se vários "gaúchos" às tropas hispano-indígenas que sitiavam 1t Marquês de Capecélatro ao rei de Espanha, 23 de Agosto de 1716, in Campal'ia de!
)
Colónia", onde, com certeza esperavam participar do saque em Brasil, tomo I, p.458,
) caso de vitória espanhola. "Marquõs de Capecelatro ao rei de Espanha, 22 de Setembro de 1716, in Campaf5a
deI Bra,<;/I, tomo I, pp. 45&'44)0,
"
ta Anhur Ferreira Alho, Histôria GemI do Rio Grande do Sul (1503-1964), p, 32.
j~ Real céOOla de 11 de Ovtuhro de ·1718, in Camp8fía de! Brasil, tomo I, p, 461.
0:1 Real cédula de 26 de Outubro de 1716, in Campafla dei Brasil, tomo I, p. 463.

'" Registro do protesto enviado ao governador de Buenos Aires, in Jonathas da Costa


) NOTAS Rego Monteiro, op. cil., vaI. 2. pp. 58~59.
:1:1 Emílio A. Com, op. cit., p. 68.
) I ConhecidO pêlos portugueses como atralal ou "arfêbalde de Vera~. e pelOS espanhóis til Consulta do Conselho Ultrama'rfrtõ aé -2""5ae-'Agosto de 1718, ln BNL, Reservados,

como "Real de Vera", o mesmo situava-se na margem oposta da enseada de Colónia, a cinco Colecçifo Pombalina, 481. fts. 364-369.
quilómetros da povoação portuguesa. O vocábulo ~reaf' tinha então o sentido de campo mili- J\I Gomes Barbosa ao rei, 26 de Dezembro de 1719, ln AHU, ColOnia do Sacramento,

tar e recebeu esse nome por ler servido de local de acampamento para as tropas de O, An- CX. 1. doe. 5R
tónio de Vem y Muxica durante o seu ataque Ai Colónia, em 1680, Ct. Luis Enrique Alarola '25 Za,bala ao marquós dê Grimaldo, 04 de Julho de 171 a, in Pablo Pastells e F. Mateos,

GiI,op, cit, pp, 147~148, Historia de la Comp8nia de Jesus en Ja Provincia deI Paraguay, tomo VI, pp. 170-171,
,) 2 Relatório do conselhejro António Rodrigues da Costa (1715i, in Jonathas da Costa l " Sobre esse assunto, consuítar a. documenlação reunida em Manuscritos da Colecção

Rego Monteiro, op. c/r., vol. 2, pp. 59·62. De Angolis: Tratado de Madrid - Antecedentes; Coiónia da Sacramento (1669-1749),
) ~ Relatório do conselheiro João das Neves (1715?) ln Jonathas da Costa Rego Mon- (Introdução, notas e sumários por Jaime Corteaão), pp. 179w235.
) teíro, op. cit., vaI. 2, pp. 70-72. v Magnus Memer, Actividades Politicas y E'oonómlcas." cp. dr., p. 16.
.. A. J. R Russell·WoOd. "GovernadorêS e Agentes"', in Bethencourt e Chaudhruri, 2(l Julio Millot e Magdalena Bartino, op. cIl, tomo I, p, 53.

) História da Expansão Portuguesa, vai. 3, p. 176. "" Magnus Mômer, ~Os Jesuftas, as suas Missões GuaranL" op. clt., pp. 155.156.
\I Folha de serviços de Manuel Gomes Barbosa, in Luís Enrique Azarola Gil, op, cit., 3tl Os fndi.os contavam que o demónio fazia aparições na figura de um bandeirante.

) pp, 211-213. C1. Maxime HaubcrI, (mijos e Jesuítas no Tampo das Miss6es, p. 158.
U Instruções para Manuel Gomes Barbosa tomar posse da Colónia do Sacramento é 3' Consulta do Conselho das índia.s de 15 de Julho de 1716, in Pablo Pastells e F.
) $Cu território, in Jonatha,s da Costa Rego Monteiro, 0(1. dt., vaI. 2, pp. 55--57. Mateos, op. cH., tomo VI, pp. 63--$8.
1'W Representação da cidade de Buenos Aires a Sua Majestade Católica, 20 de Novem· 111 Carta do padre António Setschon ao padre Javku Am-Rhin. 1719, ln RJHGU, tomo Vll,
) bro de 1115, ln Campana dei Brasi/.. tomo 1, pp. 452-453. p,246.
7 Entre 1708 e 1714, os franceses compraram 174.000 couros aro SuenosAjre5 e. entre l.:I Maxime Haubert, Gp. cit., p. 210.
) 1715 e 1726, os inglQJSes, sucessores dos franceSêS no contrato de asiento, levaram 218,242. li" Jaime Cortesão, Alexandre de Gusmão fi< o Tratado de MadOO, parte I, tomo II, pp. :34-38,
Cf, R. Sérgio ViUalobos, Comércio y Contrabando en ei Rio de la Plata yChile, p. 32. U Magnus Mbmer, ~Os Jesuftas, as suas Missões GuaranL.H op, cit., pp. 152-15$.
) (I Elerm F. S. Studer, La. Trata de Negros en eJ Rio de la Plata, p, 201~203. " Interrogatório sobre a posslbilidade dO$ fndios guarani pagarem tributo, 2 de Dezemw
II Magnus Mômer, AcJivkJades Políti08s y Econ6micas.,. op. dt, p, 122. bro de 1735, ln Manuscrl!os da Colecção de Angelis, Gp. cjf" p, 312.
)
)
102
) 103
)
)
)
)
Zabala ao (ei de Espanha, 02 de Setembro de 1721, in Pablo Paste!ls e F. Marteos, e;; FernandO' O. Assunção, cp. clt., pp, 14'~143.
)1

op, cft" tomo VI, pp, 243-244.


)
O padre Cattaneo fala de indios que castigados 'Por não Viverem com a piedade e deiti.
li'> Representaç!1o da cidade de 6uenosAiras a Sua Majestade Católica, 12 de Selem~
cação dos outros" e "não quorendo retomar ao bom caminho", fugiam das Missões para juo )
bro de 1721, ln Pablo Pastells e F, Mateos, cp, cit" tomo VI, pp. 244-245. tar-si:'l às tribos nómadas a fim de "vivor a seu capn·cho". Ooonia o mesmo com alguns espa~
M

3!1 Declaração de alguns padres jesuítas o civis espanh6is. 16 de Janeiro de 1721, ln


nhôls que, para fugir da justiça ou para viver em completa liberdade, também se juntavam aos )
Manuscritos da CoJacçâo De Angefis, op. cit., pp, 179~ 181. indfgenas como na Itália os bandidos S9 juntavam aos assassinos. Cf, Cattaneo a seu irmão,
C~ Real cédula d8 27 de Janeiro de 1720, ln Campatia dei Brasil, tomo 1, pp. 469-470. 25 de Abri! de 1730, in Lodovido A. Muratori, cp. cit" p, 186. )
41 Consulta do Conselho Ultramarino de 08 de Junho de 1723. ln IHGB, Arq. 1.1.21,
GIl Ricardo Rodriguez Molas, Historia Social deI GaÚCho, p. 87,
fls. 173~178.
m> A questão da abordagem histÓrica da figura do gaúcho é muito controversa. Aiguns
)
<UI Simão Pereira de Sã, op. cit, p. 55.
historiadoras apresentam o gaúcho como um homem cruel e violento, avesso ao sentimento
"'.I Nascido. provavelmente, em 1680 em Ponte de Lima, Portugal, Cristóvão Pereire de
de pátria, justificando assim sua marginalidade social através de seu.carác!er. Outros. pre~
)
Abreu, deve ter vindo bem moço para o Brasil, onde uma das primeiras referências à sua pes~
ocupados com a construção da Identidade nacional na Argentina e Uruguai e regional no Rio )
soa é do 1702, quando, no Rio de Janeiro, arrematou o cont~ato dos dízimos dos couros Grande do Sul. mitificaram o galÍcl1o, apresentando-o como um homem "sem rei nem leí~,
extrafdos nos campos da Co!6nia do Sacramento. Em i 71 O, Pereira de Abreu teria arremata~
destemido e solitário cavaleiro que não admitia trabalhar sob as ordens de um patrào e ter )
do o conlrato do tabaco do Rio de Janeiro e, no ano seguinte, participou das negociações que domicnio fixo. A histOriografia recente, principalmente a argentina, t9m.se dedlcado a
resgatou a cidade dos francElSOs comandados por Duguay~Trouln. Documentos datados de desmistlfícar os chamados "centauros do pampa", a.presentando~os como homens Que vivi~
1719 ainda fazem referência a Cristóvão Pereira de Abreu como residindo no Rio. onde se
)
am em pequenos ranchos na campanha, onde cultrvavam pequenas lavouras, actuando tam ..
casoU com D. Clara de Amorim, portencente a urna das mais importantes tamílias da cidade. )
Mm como trabalhadores ocasionais nas estâncias. Convém entretanto ressaltar que suas
Em '1'722, El1>tava em Colónia, onde se dedICOU à extra~o e exportação de couros. Cf. Aurólio
análises têm como base o estudo da população rural que vivia na campanf'la de Buenos Aires
Porto, op.. cit., parte II, pp. 106~114. )
em fins do sóculo XVW. Consul:tar Heloísa J, Relchsl e Ieda Gutfreind, As Raizes Históricas
n Simão Pereira de Sá, op, ci!., p, 57. do Mercosul, pp. 18~28 s 171~176.
~" "Sistema entre un Portuguez y unjenobcs... " ln ARC, Reg, 217, 38, T5, doe. 4, fI. 37, lIf! Fernando O. Aswnção, La Colónia dei Sacramento, p. 13, )
.~ Anibal M. Ríveros Tuja, Gp, cit, p, 159.
1\11 Os brancos "Iegrtimos" eram os únicos que pOdiam obter 61 catégoria de vecino, Utu.
q Garcia Ros ao rei de ESpanha. 11 de Fevereiro de 1717, in Pablo PâStúlls e F. )
lo que, em Buenos Aires, dava o dlreito de caça ao gado chimarrão. No princípio, esse tftulo
Mateos, op. cit., tomo VI, pp. 134~135.
estava resetv<Ido aos fundadores das cidades e seus descendentes, mas posteriormente
"" Consulta do Conseiho Ultramarino de 17 de De7embro de 1718, in IHGS, Arq. 1.1.21, cstendeu·so a todos que tivessem residência fixa, possuíssem cavalos o atma.s e perfodica~ )
f!s. 111v.~112, mente servissem nas milícias. CI. Ricardo E. Rodríguez Molas, op. cit., p. 18,
4~ Gomes Barbosa ao rei, 14 do Junho de 1723, in AHU, Colónia do Sacramento, ex. "
10 Zabala ao marquês de Grimaldo. 4 de Julho de 1718, !O Pablo Pasterls e F. Mataoa,
dOc. 102. op, cit., tomo VI, p, 170,
$O Vasconcelos ao rei, 6 de Junho de 1727, ln AHU, Colónia do SaClamento, cx, 2,
"Acordos do ca~rdo de Buenos Aires de 10 e 13 de Dezembro de 1721, ln Campa;)a -0
d~.179. ~I Brasil, tomo I, pp, 474-745.
Vasconceloo ao rei, 5 de Abrfl de ·1730, ln AHU, Colónia do Sacramento, CX. 2, doe, 220,
Juan Carlos Garavaglia, ",;.E!xrstleron los Gaúchos?" in Anuário lEHS, n. o 2, pp. 42~52>
5.
lJ
"'" Vasconcelos aO' rei, 5 de AMl de 1730, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2. doe. 220, Padre José de Agu!rre ao govemador Zabala, 9 de Julho de 1722, in Manuscritos da
13
,., vasooncelos ao rei, 17 de Fevereiro de 1734, in AHU, Colónia do Sacramento, ex. 3, e
Colecção De Angefis, pp. 1 1.186, )
doe. 276.
4< Júlio M1!IoI o Magdalena Bertino, op. cU" tomo I, p. 53.
N Doc!aração de alguns padresjesultas e civis espanhÓis, 16 de Janeiro de 1721. in
Manuscritos da Colecção De Angelis, pp. 179-181.
)
~ Magnus Morner, "Panorama de la Sociedad de! Rlo de la Pista,,,", ap. cit., p, 207, 75 Aníbal M, Riveros Tu!a, op. dt.. pp. H)1~162.
~ Gregório Funcs, Gp. CII., tomo 2. p. 161.
)
1"1. Consul!a do ConSelho Ultramarino de 26 de Fevereiro de 1729, inABNRJ, vaI. XLVI, p. 4.
5/ Catlaneo a seu írmão, 25 de Abri! de 1730, in Lodovico A. Mura10rl. II Cristianesimo
71 Zaba!a ao rei de Espanha, 31 de Maio d€ 1724. in Pablo Pasto!Js a F. Mateos, Cp. cit., )
Felice nelJe Missioni deI Padri defi8. Compagnfa di Gesv nel Paraguai, pp, 178-179. tomo VI, pp. 312~313"
~ Heroides Artigas Marina, Cafónia dei Sacramento, Mamórias de una Ciuciaei, p. 14. \
i/\ Os Mfguelatas constltuíam-se numa companhia da voluntários criada em 1724 para
/
'" Vasconcelos ao rei, 13 de Maio de 1726, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2, engrossar o exército espanhol que dosaroJou Manuel de Freitas da Fonseca de Montevidéu.
doc. 166. As pessoas quê não dispunham de carretas. alugavam-nas aos comerciantes. O Denomlnavam~sé migueletes os fuzileiros que actuavam nas montanhas da Catalunha, cujo )
pagamento fazía~se em couros e cm came salgada. Cf. USistema entre un Portuguez y un primeiro chafe se chamava MigueJot de Pras, denominação que depois se estendeu a todos
jenobcs".",AAC" Reg. 217, 38, T5, doe, 4, fi. 38. os corpos de voluntários. Cf. Ernesto Daragnês Rodem, "Las Costas deI Departamento da )
!KI Vasconcelos ao rei, 4 de Maio de 1726. in AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2. doe, 158.
Colónia: Una Excursión CulturaJ~, in Ernesto Daragnes Rodero (org,), cp. clt" p. 125.
s, Real eódula de 22 de Janeiro de 1728, ln Campafia dei Brasil, tomo I, p. 493.
n Consulta do Conselho Ultramarino de 28 de Abri! de 1725, in IHGB, Arq. 1.1.21,'1. 315. )
Ue Magnus Morner, "Os Jesuítas, as suas Missões Guarani. .. ", 01), cU., p. 164. il!l Simão PereJra de Sá, op. c/L, p. 6lo
os Real cédUla de 22 de Janeiro de 1728, ln Campana deI Brasil. tomo I, p. 494. ., Simão Pereira de Sá, op, cit., pp. 78-79. )
$.4 Brito Peixoto a Rodrigo César de Meneses, 22 de Janeiro dé 1723, ln DI, voL XXXII,

pp, 289~291. )
)

104 )
105
)
)
/

)
)
)
')
)
)
) 1.3. - OS INDíGENAS PLATINOS
)
'\ A luta dos portugueses pelo domínio da Banda Oriental não
se restringiu aos confrontos com os índios das missões jesuíticas
) e com os espanhóis da guarda de São João, mas também com
) as tribos Indígenas ainda não enquadradas nos sistemas coloni-
) ais espanhol e português. Uma maneira eficaz de garantir o
domínio do território era conquistar a amizade e aliança dos
) índios que habitavam a região platina. Em busca desse objectivo,
) portugueses e espanhóis' procuraram desde cedo conseguir a
submissão dos indígenas através da implantação do sistema de
)
aldeamento.
)
)
1.3.1. - Tentativas Espanholas
) de Conversão dos Indígenas
',l
Aquando da fundação da Colónia do Sacramento pelos por-
) tugueses, a Banda Oriental era maioritariamente habitada por
) tribos das nações minuana e charrua e por grupos menores de
índios bohanes, chanás e iaros. Os charruas habitavam ambas
)
as margens do rio Uruguai e o actual departamento de Colónia.
) A sua população foi estimada por Ílala BasUe Becker, para os
) séculos XVII, XVIII e XIX, num total de mil a mil e cem indivíduos,
cifra que se teria mantido mais ou menos estável durante esse
) período. Destes, aproximadamente quatrocentos habitavam a mar-
) gem ocidental do rio Uruguai'. Por sua vez, os minuanos soma-
) vam de novecentos a mil indivíduos. Aproximadamente quatrocen-
tos desses indígenas viviam junto à lagoa Mirim, deslocando-se
)
)
107
)
)
')
posteriormente para o sudoeste do actual estado do Rio Grande mostrasse mais promissora que entre os charruas, já que eles
do Sul. A restante população minuana vivia no território que se praticavam a agrlcultu ra, em 1628 ambas já não mais existiam', ,
/
situava entre o rio Negro e Montevidéu', O nomadismo dos charruas e minuanos, que impedia a sua
Apesar do pequeno número, a oposição dos charruas aos adaptação ao sistema agrícola adoptado pelas reduções espan-
europeus foi sempre uma fonte de preocupação para os colonos, holas, fortaleceu-se com a introdução do gado bovino e equino na )
fossem eles portugueses ou espanhóis. Em fins do século XVIII, região platina, pois, a partir de então, esses grupos indígenas )
Felix de Azara escrevia que "quiçá tenham derramado os char- passaram a contar com caça farta além de uma grande mobili-
ruas até hoje mais sangue espanhol que os exércitos do Inca e dade adquirida através da domesticação dos cavalos selvagens. 1
de Montezuma, e sem embargo não chegam ao dia a quatrocen- O facto de esses povos não falarem o guarani', a língua mais uti- )
tos varões de armal!i'''. lizada pelos missionários para evangelizar os indígenas, também )
De facto, as relações dos charruas e mlnuanos, povos dedi- deve ser considerado como um factor a mais para dificultar a sua
cados à caça, à pesca e à colecta, com os colonizadores ibéricos conversão. )
foram multo diferentes da que os conquistadores tiveram com os Uma nova tentativa entre os chanás foi coroada de êxito, )
ameríndios dedicados à agricultura, os quais logo foram enqua- vindo a redução de Santo Domingo Soriano a tornar-se a mais
drados no sistema colonial, seja através da encamlenda ou dos importante do baixo Uruguai. Fundada às margens do rio Yaguari
aldeamentos controlados pelOS missionários, Desde os seus Mini, no actual território argentino, foi transferida para a Ilha de )
primeiros contactos com os europeus, os charruas e minuanos Vizcaíno entre 1702 e 1708, de onde, alguns anos mais tarde, foi )
mostraram-se pouco amigáveis, já que, ciosos de sua liberdade, 'novamente transferida para terra firme, desta vez para a outra
)
recusavam-se a submeter-se aos recém-chegados; mantendo os' margem do Uruguai, junto à foz do rio Negro'.
espaohóisatastados_das suas terras através de sangrentas bata- Nessa fundação reafirmou-se a estratégia dos espanhóis de 'J
lhas'. controlarem o principal meio de comunicação de Buenos Aires )
Em 1624, ao assumir o governo da província do Rio da com as missões dos tapes, a via fluvial representada pelo rio
Prata, Francisco de Céspedes passou a desenvolver uma políti- Uruguai. )
ca reducionista que visava submeter os indígenas que ocupa- Enquanto as margens do Uruguai eram o principal foco de )
vam o extenso território situado entre Buenos Aires e as redu- atenção do projecto reducionista desenvolvido pelo governo de )
ções que os jesuítas vinham implantando no médio Uruguai. O Buenos Aires, a margem norte do Prata deixou de ser oficial-
principal objectivo dessa política era dar fim aos constantes mente atingida pelas missões espanholas. Em 1657, o viajante )
ataques das tribos nómadas que prejudicavam o sucesso da Acaretle du Biscay assim descreveu o local: )
evangelização dos guaranis, bem como impediam as comuni-
)
cações entre Buenos Aires e as missões jesuíticas. Para con- "O país do lado norte do Rio da Prata 1& de muita ex-
duzir à redução dos indígenas, loram enviados o Irei Juan de tensão e habitado somente por selvagens chamados char- )
Vergara e o jovem doutrinante Pedro Gutierrez, conhecedor das ruas. Desde o cabo de Castilhos até o rio Negro, parece )
"Ifnguas gerais"'. ser excelente, atravessando as planícies pequenos ria-
Fundaram-se, então, as missões de San Francisco Olivares chos que vêm dos montes. Mais acima do rio Negro baixei )
de los Charruas, na ilha de Vizcaíno, no encontro dos rios Negro com frequência à terra, nlio me distanciando nunca de tres )
e Uruguai, em 1625, e San António de los Chanaes, a dez léguas quartos de légua terra adentro, Vêem-se poucos selva- )
de distância da primeira, Embora a redução entre os chanás se gens, pois têm eles as suas moradas no interior do pa(I!i'''.
,)
)
108 109
)
)
/

)
) É provável que essa descrição também seja válida vinte e direito a reclamar junto ao Ouvidor, caso fosse lesado no paga-
) irês anos depois, quando, em i 680, os portugueses desembar- mento dos serviços prestados aos portugueses. Para o príncipe
) caram na margem norte do Prata, em frente à ilha de São Gabriel, regente, não deveria haver "distinção alguma de brancos a índios,
com a finalidade de fundar uma fortaleza na região. assim como no Reino se pratioa de brancos a brancos" pois "que
) não há nenhuma diferença de vassalos a vassalos"".
) O 19° artigo do regimento impedia expressamente a captura
dos Indigenas platinas, mesmo em caso de rebelião, podendo o
)
1.3.2. - O Projecto Reduclonista do Regimento súbdito português pagar com a própria vida pela escravização
) de D. Manuel Lobo dos índios. O índio que movesse guerra contra os portugueses
) deveria ser considerado inimigo da Coroa, "ficando prisioneiro na
D. Manuel Lobo partira de Lisboa com instruções meticulosas forma que se praticava na guerra deste Reino com o de Castela,
) e em nenhuma maneira ficará cativo"':
sobre a nova fundação que estava encarregado de efectuar. De
entre as inúmeras instruções recebidas, muitas regulamentavam A atitude da Coroa, de castigar severamente a escravização
as futuras relações entre os portugueses e os indígenas platinos, dos indfgenas platinos, contrasta com a atitude muito mais bran-
bem como providenciavam a sua conversão ao catolicismo. da adoptada pelo príncipe regente no regimento de 1691, pelo
) qual ordenou ao governador-geral do Brasil que garantisse a
O primeiro passo a ser dado na conversão do "gentio" deve-
) ria ser a conquista da sua confiança, através da entrega de pre- liberdade dos fndios na sua jurisdição. Contudo, a "liberdade" de-
) sentes e da proposta de aliança contra seus inimigos'·. Logo fendida pelo governo metropolitano restringia-se à entrega dos
deveria dar-se início ao aldeamento dos índios, que deveriam ser indígenas capturados em guerras aos cuidados de religiosos
) governados pelo seu cacique no temporal e pelo pároco no espiri- que deveriam substituir os seculares na administração dos aldea-
tual. Os indígenas que se recusassem a submeter a esta sistema, mentos".
mantendo contudo amizade e comércio com os portugueses, deve- Reacções contra essa lei não tardaram a aparecer e, em
)
riam ser protegidos pelo govemador de qualquer hostilidade que 1696, D. Pedro II concedeu "aos moradores de São Paulo, e seus
) partisse dos seus subordinados". descendentes por linha masculina ou feminina, administração dos
) Visando impedir que a ambição dos seus súbditos em con- índios que tt§m descido do sertão, e se acham em seu serviço"".
seguir mão-de-obra barata, através da escravização dos Indíge- A política indigenista da Coroa portuguesa era pragmática,
) nas, desse origem a hostilidades, o príncipe regente ordenou a ditada peios interesses regionais e circunstanciais. O tratamento
) D. Manuel Lobo que impedisse a "vexação do gentio' pelos bran- diferenciado dado às nações indfgenas das margens do Prata
) cos, bem como proibisse a sua escravização, devendo-se sem- pela Coroa, quando se considera a sua atitude com relação aos
pre pagar pelos serviços prestados. Para dar exemplo, o próprio indfgenas das capitanias brasileiras, liga-se, sobretudo, à difícil
) príncipe renunciava a toda a repartição de indígenas feita a favor situação estratégica da nova fundação, encravada entre três
\ da Coroa, ordenando "que não haja delas repartição, assim para áreas submetidas à Coroa castelhana: Buenos Aires ao sul, as
"
meu serviço, oomo dos particulares, e que estes sirvam volun- reduções franciscanas entre os chanás a noroeste e as missões
~,)
tariamente a avença de uns e de outros, assim como neste Reino jesuíticas entre os guaranis ao norte. O principal objectivo dos
) se pratlca com brancos que servem"". portugueses era firmar alianças com as tribos insubmissas aos
) O regimento dava plena liberdade ao indígena para recusar espanhóis que habitavam a margem norte do Prata, numa tenta-
o trabalho que não lhe agradasse, tendo também garantido o seu tiva de obter um equilíbrio de forças na região. A fim de assimilar
)
)
110 111
)
)
)
os indígenas à sociedade portuguesa, D. Pedro chegou ao ponto Por isso, em 1692, quando o governador Naper de Lencastre
de igualá-los juridicamente aos seus súditos brancos, assim incentivou um cacique charrua e sua tribo a prestar obediência ao
como ordenou punir com a pena capital quem ousasse escravizá- rei de Portugal, a Coroa vacilou em apoiar a iniciativa do governa-
-los. dor. Para evitar um atrito com o governo espanhol, o rei escreveu
Mesmo que o uso da força, a fim de conseguir a conversão a Naper dizendo-lhe que "no caso de estes charruas virem a viver
dos pagãos, fosse autorizado pelo próprio clero, tendo-se como debaixo dessa fortaleza voluntariamente, e [se] os castelhanos
exemplo a posição do padre Anchieta que, dos indígenas, dizia vo-los pedirem, os ponhais em sua liberdade, para que façam de
que "para este género de gente não há melhor pregação do que si o que lhes parecer"".
espada e vara de ferro"", na redução dos charruas e minuanos Alguns anos depois, o governador do Rio de Janeiro, Artur
ela só teria como consequência a aliança dos índios aos espa- Sá e Meneses, deu licença a Antónío Moreira da Cruz para caçar
nhóis, tornando inviável a presença dos portugueses na região gado na região que ia de São Francisco até Castilhos. Para facili-
platina. Não era, pois, passivei utilizar o projecto jesuíta de con- tar o êxito da expedição e assegurar a presença portuguesa na
versão do indígena à conquista colonial através do uso da força Banda Oriental, Sá e Meneses alegava ser fundamental fomentar
como, por exemplo, foi feito com os tupinambás que habitavam a a amizade com os indrgenas, pois quem tivesse "a vontade
costa brasileira". daqueles índios era 'senhor de toda a campanha' e, portanto das
O rápido fim do empreendimento de D. Manuel Lobo que, suas 'riquezas e interesses". A importânCia das boas relações
devido ao ataque dos espanhóis e guaranis, durou somente sete com os índios era salientada pelo governador, dizendo que, na
meses, impediu a aplicação do plano reducionista exposto no América, "quem for senhor dos índios é senhor de tudo o mais".
regimento. Embora as relações entre portugueses e charruas se Acrescentava ainda que era um coadjuvante do projecto serem os
mostrassem amistosas,rnareadas-pela~troca-de' -aliméntospor-- charruas ''inimicíssimos dos castelhanoS'"'~ Assim, com a ajuda
mercadorias, é difícil crer que os charruas se submetessem ao dos índios, a expedição de Moreira da Cruz conseguiu caçar 250
aldeamento agrícola proposto pelos portugueses, pois já haviam reses por dia nas cercanias de Montevidéu. )
rechaçado semelhante proposta feita por frades espanhóis em Foi, porém, durante o governo de Sebastião da Veiga Cabral )
principias do século XVII. que o processo de conquista da amizade dos indígenas tornou 'I
impulso. Na sua Descrição, destinada ao rei de Portugal, Veiga
Cabral afirmou que um dos seus objectivos em Sacramento era a )
"conversão do Inumerável gentilismo (s/c) que habita aquelas ter- )
1.3.3. - Apostas num Novo Tipo de Relacionamento ras". Descrevendo os charruas corno "a excepção dos índios por
)
serem homens de extraordinária corpulência, de sumo valor,
A violenta reacção dos espanhóis à presença portuguesa no intrepidez, indústria, verdade e palavra~ Cabral exaltou suas vir- )
Prata levou o governo de Lisboa a repensar a sua política indi- tudes guerreiras, afirmando que 20 deles valiam por 200 guer- )
genista na região. Com o retorno dos lusitanos a Colónia, em reiros de outras nações indígenas, ressaltando assim o principal
1683, recomeçaram as tentativas de aproximação com os índios, interesse dos portugueses em garantir a sua aliança". )
mas desta vez não se procurou implantar os artigos do regimen- A partir de então, desenvolveram-se ainda mais as relações )
to de D. Manuel Lobo relativos à redução dos charruas, pois a entre os charruas e os portugueses. Em troca de cavalos, os )
permanência portuguesa era provisória, enquanto prosseguiam índios recebiam facas, armas, dejarreteadeiras, roupas e outros
na Europa os debates sobre o alcance da linha de Tordesilhas. utensílios. No início de 1701, os índios iniciaram uma aproximação )
)
112 113 )
)
)
)
) maior que teria por fim uma aliança com os lusitanos. Em Maio, sempre prontos 461 executar quanto se lhe ordenasse por mar e
) um grupo de oito charruas visitou Colónia, onde foram bem rece- terra, ou o trabalho fosse mi/ítar ou artificial] das Minas e couros".
bidos por Veiga Cabral, que lhes deu diversos presentes como Enquanto os homens estivessem na campanha, suas mulheres
) mostra de amizade. Entretanto, essas actividades acabaram por e fílhos deveriam permanecer nos aldeamentos, "onde receberi-
) atrair a desconfiança dos espanhóis, especialmente depois da am a instrução e doutrina de nossa santa fé em que queriam
chamada "confederação dos guenoas", que uniu os charruas aoS viver; e nela serão doutrinados por suas mulheres e filhos depois
! iaros e boganes, ter iniciado o ataque às missões dos tapes. Os que estes estivessem doutrinados e instrufdos pelos nossos
) jesuítas e espanhóis não tardaram em protestar contra o ataque jesUllasw "
) ao governador de Colónia, acusando-o de incitar os índios contra A conversão dar-se-ia através do velho projecto dos jesuítas,
as reduções. Naturalmente, Veiga Cabral negou qualquer tipo de os quais, desde o padre NÓbrega, concentravam os seus esforços
)
envolvimento no ocorrido"'. na catequese das crianças para, através delas, chegar à conver-
) Embora, segundo Luís Ferrand de Almeida, faltem documen- são dos adultos"'. Uma vez convertidos e reunidos em aldeias,
) tos que provem a participação directa dos portugueses na criação controladas por religiosos designados pelo governador, os Indí-
da "confederação dos guenoas" e a instigação dos mesmos para genas converter-se-iam numa importante reserva de recursos
um ataque às Missões, acreditamoS que o governador de COlónia humanos à disposição das autoridades coloniais.
) não deixou de utilizar-se da acção dos índios como um meio de A Insistência no projecto reducionlsta revela o quanto o sis-
minar o poderio espanhol na regiãO. Veiga Cabral seguia ordens tema de aldeamento era um importante elemento a serviço do
)
de Lisboa, no sentido de evitar qualquer atrito com os castelha- processo de colonização. As reduções deveriam funcionar como
) nos, a fim de não criar um motivo de desentendimento entre as um espaço de integração do indígena à sociedade COlonial. Um
Coroas ibéricas. Deveria agir de maneira bastante subtil, escon- local onde deveriam esquecer os seus costumes tribais e apren-
")
dendo, a todo o custo, qualquer tipo de envolvimento com a "con- der princípios básicos da religião e de alguns ofícios a fim de se
</
federação dos guenoas·. converterem em mão de obra qualificada".
Mais tarde, aquando do desencadeamento das hostilidades Exemplos não faltam de como os indígenas pOderiam ser
) entre espanhóis e portugueses, os charruas continuaram a dar transformados em bons trabalhadores e soldados à disposição
mostras da sua fidelidade à aliança com os lusitanos durante o dos portugueses. Os diversos aldeamentos dos arredores da vila
) segundO sítio de Colónia, que durou de Setembro de 1704 a de São Paulo constituíam-se em autênticas reservas de mão-de-
) Março de 1705, através de ataques constantes à retaguarda do -obra, utilizadas tanto por particulares como pelas autoridades
\
exército espanhol e do fornecimento de viveres aos sitiados"'. para o serviço pessoal, exploração do sertão, construção e con-
Com a retirada dos portugueses de Sacramento, em 1705, mais servação de obras públicas". No Rio de Janeiro, as aldeias de
) uma vez as relações com charruas foram cortadas. São Lourenço (Niterói), São Francisco Xavier (Itlnga-Itaguaí) e
) Alguns anos mais tarde, Veiga Cabral expôs ao rei um plano São Bamabé (Macacú), visavam sobretudo a defesa da cidade,
destinado a retomar o projecto reducionista, por altura da de- enquanto São Pedro de Cabo Frio funcionava como uma guarda
)
volução da Colónia do Sacramento. A Coroa deveria ordenar ao avançada na defesa do litoral".
J governador de São Paulo e Minas Gerais que mandasse alguns Com a reconstrução da Colónia do Sacramento, em 1716,
) paulistas entrar em contacto com os charruas e bohanes para os portugueses buscaram retomar a aliança com os charruas e
tratar da sua conversão e aldeamento. A partir de então, os In- minuanos. A situação parecia ser favorável, pois, de Novembro
) dios deveriam servir aos portugueses 4com inviolável sujeição", de 1715 a Janeiro de 1716, uma expedição hispano-missionária
)
)
114 115
)
)
)
)
,r
)
)

tentou retirar os charruas de Entre Rios a pedido dos jesuitas. conseguir a sua vassalagem. Porém, se "em força de se verem )
Embora os santafesinos, que eventualmente contavam com aju- agasalhados dos portugueses continuarem a sua inimizade com )
da dos charruas na caça ao gado, se opusessem à campanha, os meus vassalos e prosseguirem em fazer hostilidades, solici- )
não puderam impedi-Ia, expondo-se assim à fúria dos índios que tareis em tal caso, atacá-los"".
se refugiaram na Banda Oriental, de onde pOdiam aliar-se aos Entretanto, parece que as actividades do governador de Bu- )
portugueses num ataque contra as missões e as povoações enos Aires só deram fruto em 1724, quando D. Bruno de Zabala )
espanholas". informou Filipe V de que OS portugueses pretenderam conseguir
)
Nas instruções dadas ao governador Manuel Gomes a amizade dos minuanos que habitavam próximo ao Rio Grande
Barbosa, ordenava-se-Ihe que se utilizasse de "grande cautela através de presentes e da concessão, em nome do rei de )
com os índios vizinhos, mas com tal advertf;ncia, que os não Portugal, de patentes de amigos e defensores da terra. Zabala ,)
escandalizeis, antes procureis atraí-los com indústria, tendo en- conseguiu, porém, convencer alguns desses indios a aliarem-se
)
tendido que a .sua amizade vos pode servir de grande benefício aos espanhÓis, aos quais entregaram as patentes portuguesas.
e, pelo contrário, a sua Inimizade de notável prejufzo e que E, em resposta ao bando que fez publicar, oferecendo a sua )
poderão os castelhanos com a mão destes bárbaros fazer-vos amizade, "apresentaram-se muitos, fugindo dez de Colónia, levan- 1
dano, e impedir-vos o uso da campanha sem a qual não poderá do quatrocentos cavalolF". A súbita mudança de alianças deve ,
)
subsistir a Colóniti"'". ter sido a responsável pela morte de dois oficiais e cinco solda-
Mesmo sabendo da importância da ajUda dos indígenas dos portugueses, executados pelos minuanos a trinta léguas de )
platinas, a Coroa não perece ter-se preocupado em fomecer a Colónia, onde foram comprar algumas montarias".
)
Gomes Barbosa os meios necessários para conquistar a amizade Embora, tanto os portugueses como os espanhóis buscas-
dos índios. Em Janeiro de 1718, o governador queixou-se aO rei sem, através da vassalagem ao monarca, assegurar a lealdade )
de que as autoridades do Rio de Janeiro lhe negaram uma re- dos indígenas aos seus projectos coloniais, eles nunca conse- )
messa de mercadorias com as quais pretendia atrair os minuanos guiram assegurar-se da fidelidade dos índios nómadas por muito
)
(tabaco, aguardente e tecidos) sob a justificativa de que não tempo, já que os charruas e rninuanos procuravam alianças que
havia "dinheiro para nada, porque Vossa Majestade o manda ir só duravam enquanto conseguiam tirar vantagem delas. Apesar
todo pera Lisbod"". A situação deve ter sido logo sanada, pois em das despesas que fazia com os. índios, António Pedro de Vascon- )
Abril do mesmo ano, informava o vice-rei do Brasít que os mi nu- celos não deixava de queixar-se da inconstância dos minuanos".
O governador advertia D. João V que muito dificilmente os )
anos lhe tinham vendido muitos cavalos'''''. Na verdade, graças à
ajuda dos indígenas, os portugueses conseguiram povoar uma jesuítas conseguiriam cristianizar os minuanos pelos métodos )
pequena estância, a duas léguas de Colónia, com mais de qui- tradicionais, condição indispensável para conseguir-se uma )
nhentas montarias". aliança duradoura, Já que, segundo o juízo do mesmo, "este gen-
Além do fornecimento de gado e cavalos, os índios ajudavam tio é tão inútil e tão pouco astuto que igualmente pesa na balança )

os portugueses através dos ataques que faziam aos espanhóis. a boa e má correspondéncia com elrP". Por sua vez, D. Bruno )
Em 1719, e também no ano seguinte, o govemador de Buenos Maurício de Zabala, governador de Buenos Aires, desprezava os
minuanos dizendo que se vendiam a quem lhes dava "um pedaço
)
Aires escreveu para Madrid queixando-se que os minuanos hos-
tilizavam os seus soldados, opondo-se às patrulhas que faziam de baeta, uma faca, ou, o que mais estimam, um copo de aguar- )
na campanha. Para evitar o confronto com os índios, o rei deu- dente, e sua propensão se inclina sempre ao último que lhes dá )
-lhe ordens para que procurasse atraí-los "por meios suaves" até de bebe,..·.
)
-)
116 117
)
)
)
) Os portugueses nunca deixaram de aproveitar o facto de que, A fim de conseguir os seus objectivos. os europeus também
") através da produção agrícola brasileira, tinham mais facilidade usavam a táctica de jogar uma nação indígena contra a outra,
"
) que os espanhóis em conseguir tabaco e aguardente, com os através da incitação de inimizades ancestrais e da entrega de pre-
quais compravam a amizade dos índios. O Conselho Ultramarino sentes. Em 1720, o governador Manuel Gomes Barbosa informava
) apontava, em 1724, a conveniência de "ter aos índios nossos vi- a Coroa de que tinha oferecido aguardente aos charruas que
) zinhos afeiçoados, mandando-lhes todos os anos para se repar- habitam entre os rios Negro e Uruguai para que o avisassem dos
, tir por eles 200$000 réis, empregados aqui naqueles géneros movimentos dos tapas, fazendo-Ihes todo o mal que pudessem"'.
J
que estimam os mesmos fndlos"': Alguns anos mais tarde, por ocasião da expedição portuguesa que
) Com o dizimar do gado chimarrão nas áreas mais próximas pretendeu fortificar Montevidéu, AIres de Saldanha de Albuquerque,
:1 a Colónia, os minuanos migraram para o leste, onde ainda podiam govemador do Rio de Janeiro, escreveu a António Pedro Vascon-
encontrar manadas chimarronas. A partir de então, começaram a celos dizendo-lhe que "me parece bom ver se podemos agregar
)
entrar em conflito com os espanhóis estabelecidos em Monte- os minuanos a nós e incitá-los contra os tapes, favorecendo-os"".
) vidéu. Como resultado do afastamento dos índios, Vasconcelos Ainda em 1721, o governador de Buenos Aires dizia que era
alertou a Coroa de que poderia cessar a remessa de duzentos "impossível evitar a comunicação que frequentam os índios minu-
mil réis anuais em géneros que o rei mandara distribuir aos mi- anos com portugueses e de alguns espanhóis práticos do país
)
nuanos41 • refugiados ao abrigo deles". Como último recurso, propôs "vEiler-
) Durante o conflito com os espanhóis que se seguiu ao -se dos fndios tapes das doutrinas dos padres da Companhia de
ataque de Colónia em 1735, portugueses e aqueles, voltaram a Jesus". Porém, receava "que esta gente nas campanhas se acos-
solicitar a adesão dos indígenas à sua causa. Em 1736, o conde tume a viver na sua liberdade com demasiada licença"'''. Real-
) das Galveas, vice-rei do Brasil, escrevia à Coroa portuguesa mente, parece que o governador tinha razão em temer que a
') dizendo que, se os "charruas e minuanos que se conservam liberdade dos campos pudesse tentar os missionários a esquecer
) neutrais, não se pode temer que se interessem a favor dos da disciplina jesuítica que marcava o quotidiano das Missões.
, castelhanos, principalmente tendo os portugueses um modo tão Muitos dos índios das patrulhas missionárias não voltariam nunca
! fácil de os contentar e adquirir com o tabaco e águas ardentes mais para as reduções e, mesmo apesar do ódio tradicional aos
) que eles nos compram a preço de cavalos de que muito necessi- portugueses, os tapes não hesitavam em ajudá-los, quando conve-
tamos""'. No mesmo ano, junto com o socorro enviado para Coló- nientemente pagos pelos seus serviços.
)
nia, José da Silva Pais mandou para o governador Vasconcelos A colaboração tomou-se evidente durante o cerco a Colónia,
) dez rolos de tabaco pesando 106 arrobas, para que, com ele e a IniCiado em 1735. No ano seguinte, D. Miguel de Salcedo, gover-
) aguardente que já tinham mandado, conseguisse dos índios ga- nador de Buenos Aires ordenou aos jesuítas que retirassem os
do e cavalos". seus índios do campo de bloqueio, onde, além de viver em cons-
) No ano seguinte, Silva Pais escrevia ao governador Gomes tante atrito com os espanhóis, dedicavam-se ua Introduzir carne
l Freire de Andrade que, em Maldonado, entrara em contacto com na praça, se não de ir de 30 em 30 à nossa vista e volter da praça
um cacique minuano, o qual, após receber alguns presentes, cóm tanta sem-vergonhice de dia claro". Salcedo indignava-se
,
/
prometeu-lhe fornecer gado aos portugueses. Porém, apesar das
promessas, os índios tardaram em voltar, dando origem à preocu-
dizendo que "em lugar de ter amigos, parecem por suas opera-
ções serem inimigos declarados, pois tiveram a ousadia de sair
) pação de que não passavam de espiões a serviço dos espa- de noite (. ..) a atacar a grande guarda nossa; delito que não há
nhóis". forcas bastantes para castigar tal excesso"".
)
')
) 118 119
)
)
)
)

'O> Alvará sobre a liberdade dos índios, 19 de Fevereiro de 1696, ln Revísta do ArquiVO
)
A instabilidade das relações com os indígenas que, se um dia
Municipal de Siio Paulo, vol, X, pp. 70-75.
eram amigos, noutro podiam tornar-se inimigos, através do alici- "Carta ao Geral Diogo Lainez, 16 de Abril de 15e3, ln José de Anchieta, Cartas, !nfo(~ )
amento dos espanhóis, era a tónica de um quotidiano tenso, no maçóes, Fragmentos Históricos e SeITnÕes, p. 19€L
)
la Mário Maestn AlhO, ~Jesuítas e Tupínambás: A Catequese Impossível", in Franolsca
qual a falta de segurança era uma constante. Aventurar-se pela L. N. de Azevedo e John Manua! Monteiro (org5'1, Confronto de Culturas: Conquista, Acsís?
campanha era correr risco de vida, pois nunca se sabia com )
téncia, Trons!ormaly~o, pp, 213·228.
quem se podia deparar. Mesmo para os espanhóis, mais firme- lG O. Pedro II a Naper de Lencastre, 10 de Novembro de 1696, ln Luís Fenand de \,
Almeida, Colónia do Sacramén!o,., op, cit., p, 364,
mente estabelecidos na região, o relacionamento com os índios, f(i Citado por Luís Ferrand de Almeida, A Colónia do Sacramenro ... op. cH" pp. 176·177_ )
era uma sítuação delicada, pois se os tapes, considerados fiéis l' Sebastião da Verga Cabral, "Descdção Geográfica e Colecção Histórica do Conti~

vassalos e tradicionais inimigos dos portugueses, podiam even- nente da Nova Colónia da Cidade do Sacramento", in A!HGU, tomo XXIV, p. 19. )
Z/ Luís Ferrand de Almeida, op. cit., pp. 177-180.

tualmente colaborar com eles, o que dizer então das tribos insub- '" Sebastião da Veiga Cabral, op. dt., pp. 19~20. )
:;,t S~bas1ião da Veiga Cabr-dl, op, cit., p, 164.
missas, sempre prontas a colaborar com quem satisfizesse as
'" Sobre as técnicas de conversão adotadas pelos jesuitas na conquista espiritual do )
suas necessidades imediatas? Brasil, consultar Semfim Leite, Breve História da Companhfa de Jesus no BrasH (1549-1760),
pp. 1<17. )
~~ Angela Domingues, op. cit., p. 92.
TI pasquale Patrone, Aldeamentos Pal.JJistas, pp, 201-221,

~ Serafim leite, História da Companhia de JeSUS no Brasil, vol. Vl, p. 95,


;:o Magnus Mõmer, "Os Jesuítas, as suas Missões GuaranL.~ op. cit., p. 150,
)
"" Instruç6es para Manuet Gomes f3arbosa: tomar posse da Co!ónia do Sacramento e
NOTAS
)
seu território, ln Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. cit., vol. 2, pp. »57.
3' Gomes Barbosa ao rei, 6 de Janeiro. dtL1718. in AHU, Colón;8 do SacranUlnJO, ex, 1.
)
1 Hata t B_ Becker, "1:1 (Adio y la CoIonizaciõn - Charruas y Minuanes", Pesquisas, n" 37, doe. 38.
p.196. mi Gomes Barbosa ao vice--rei, 12 de Abrir de 1718, io DH, vol. LXX!, p. 3L
"
; ftala I. 8. 8eckor, op. cit., p. 204. $I Aníbal M. Rlvares Tula, op, cil., p. 153,

, Felix de Azara, "La Nadõn Charrua", ln Álvaro Barros-Lémes (oomp.}, ln V Centenário ",. Real cédula de 26 de Maio de 1721, ln Campana deI Brasil, tomo I, pp, 472-474.
en aI RIo de la Plata, p. 65, 1'1 Zabala ao rei de Espanha, 31 de Maio de 1724, ln Pablo Pastolls e F. Mateos, op, cit"
JI As primeiras tentativas dos espanhóis no sentido de submeterem os lndfgenas da pp. 312-313" )
Banda Oriental podem ser consultadas em Pablo Blanco AcevedO, fEl Gobiomo Colonial en 61 "" Consulta do Conselho Ultramarino de 26 de Fevereiro de 1729, in Luis Enrique
UruglJay y los Orfgenes de ta Naciona/idad, tomo I, pp, 3-22. AzErola Gil, op. ctl., pp. 218-220. )
~ Anibal l3arrios Pintos, "'Pobiamiento y Aspectos Económicos de la Banda Septentrí- Jj Consulta do Conselho Ul1tumarino de 08 de Junho de 172~-!, IHGB, Atq. 1.1,21, 115. 173-

ona!", in Anais do Simpósio Comemorativo do Bicentenário da Restauração do RIo Grande -178. )


(1776-1978), vot I. p. 213. U Vasconcelos ao rei, 8 de Junho de 1727, ln AHU, Colônia do Sacramento, cx. 2,

~ hala I. B. Becker, op. ai!., p. 32. doe. 180, :>


Fernando 0, AssunÇãO, "EI Gaúcho", ln RIHGU, tomo XXIV, p. 88. ;w Citado por Anibal M, Rlveros Tula, op, c/r., p, 100,
'1

a hala ,. B, Becker, op. cit., p, 32. ... Consulta do Conselho Ultramarino de 23 de Agosto de 1724, ln IHGB, Arq, 1.1.21.
)
"Citado por Pablo Blao(:O Acevedo, op, cit., pp. 19-20. fls. 2nv.-279v. )
111 Já o regimento de Tomó de Souza, de 1548, determinava que se devia incorpOrar os ~! Vasconcelos ao rei, 8 de Junho de 1727, ln AHU, ColónIa do $acramr!mto. cx, 2, dOe, 180,
guerreirOS das tribos amigas às forças militares da colónia, uma vaz que as autoridades coIo~ -42 Conde das Galveias a Diogo de Mendonça Corte Real, Secretário de Estado, 6 de
)
niais ainda não tinham oondições de defender as oonquistas unicamente eom suas própria.<; Julho de 1736, ln Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. ctt., vo!. 2, pp. 87~;:H,
forças. or, Pedro Puntoni, "A Arte da Guerla no Brasil. Tecnologia e Estratégia Militar na 4l$ Silva Pais a Martlnho de Mendonça, li de Março de 1736. ln RIHGRS, n." 1 00,
)
Expansão da Frol'llelra da América Portuguesa, 1550-1700", ln Novos Estados, nO 53, p. 190, p.298,
I' O Regimento de D. Manuel Lobo (1678), ln Luís Ferrand de Almeida, "Origens da Coló- "" SUva Pais a Gomes Freire. 2 de Fevereiro do 1737. ln Jonathas da Costa Rego )
nia do Sacramento", Separata da Revista. da UniVersidade de Coímbta, voL XXIX, p, 11 g...120. Monteiro, op. cir.• vo!. 2. pp. 106·107.
I~ O Regimento de D. Manuel Lobo (1678), 01'. cit.) p, 121. "" Gomes Barbosa ao rei. iS de Janeiro de 1720, in AHU, Colónia do $ih:.1'amento, ex, 1, )
I~O Reg!mentode D. Manuel Lobo (1678), op, cit., p. 121. doe. 59.
1~ O Regimonto de D. Manuel Lobo (1678), op, clt., p. 120. <I' Aires de Saldanha a Vasconcelos, 01 de Novembro de '1723, ln RIHGB, tomo 3-2, )
'~Heglstro do regimento de Sua Majestade sobre e liberdade dos fndtos calijós, 11 de pp, 5·174,
Outubro de 1691, lo Revista do Arquivo Munk;ipal de São Paulo, vol. X. pp. 67~70, )

)
120 121 )

)
)
) '1 Zabala ao rei de Espanha, 2 de Setembro de 1721, ln Pablo pastells e F. Mateos,
op. clt., tomo VI. pp. 243-244.
) '" Ordem de 0, Miguef de Salcedo ao Padre Lorenzo Daff$ para que se retire com seus
índios do sitio de Colónia, 28 de Fevereiro de 1736, ln Manuscritos da Colecção de AI1gelis,
) p.334.
')
)
) 1.4. - A FUNDAÇÃO DE MONTEVIDÉU

) Com o duplo obíectlvo de dominar a navegação do Rio da


,
) Prata e aumentar o controle sobre a campanha, a Coroa por-
tuguesa retomou o velho projecto de fundar uma fortificação em
! Montevidéu. De facto, desde a conclusão de um tratado de aliança
entre Portugal e Espanha, em 1701, pelo qual a Coroa espanho-
, la renunciava a qualquer direito que tivesse sobre as terras de
}

, }
que tratou o Tratado Provisionai de 1681, o governo de Lisboa ali-
mentou o desejo de povoar o sítio de Montevidéu.
) O plano incluía a construção de uma fortaleza em pedra e
o'; cal, feita de acordo com as plantas mandadas de Lisboa. O, Pe-
dro II encarregou o governador milttarde Entre-Douro-e-Minho de
) recrutar 460 homens para guamecer a nova fortaleza, que seria
') comandada por um governador que não seria subordinado ao de
Colónia, Porém, imprecisões nos termos do tratado que se refe-
,
)
riam ao alcance do território cedido aos portugueses e, principal-
mente, à mudança da orientação política portuguesa, que num
) primeiro momento buscou a neutralidade e depois entrou na
guerra da Sucessão Espanhola contra os Bourbons, foram os
)
principais factores que levaram ao malogro do plano de povoar
) Montevidéu'.
)

)
,
J 1.4.1. - A Expedlçlio de Manuel Freitas da Fonseca
"

.I
Apesar de repetidas ordens da Coroa espanhola aos gover-
> nadores de Buenos Aires para que dessem início à fortificação de
) Maldonado ou Montevidéu, antes que os portugueses o fizessem,
)
) 123
122
)
1
)
a ordem nunca foi cumprida. Talvez os governadores tenham ce- dois navios, em 4 de Novembro de 1723. Era composta de três
dido às pressões dos portenhos, aos quais não interessava companhias de veteranos, fazendo o total de 150 soldados, aos
povoar a Banda Oriental, já que ela lhes selVia como uma gigan- quais se acrescentaram mais cem homens, entre degredados,
tesca reselVa de gado, onde podiam extrair couros e buscar reses índios e selVentes. Para auxiliar a realização do projecto, o go-
para repovoar as suas estâncias. A criação de novas povoações vernador Vasconcelos deveria mandar cavaleiros para reforçar a
na região pressupunha a chegada de novos concorrentes na ,1It, infantaria de Freitas da Fonseca, assim como deveria providen-
exploração do gado chimarrão. Nesse sentido, para defender os ciar o gado que fosse necessário para garantir a alimentação dos
interesses da população e do fisco portenho, os governadores militares,
resistiam às ordens de estabelecer povoados na margem norte Tão logo chegaram à enseada de Montevidéu, os portugue-
do Rio da Prata. Mesmo o progresso da redução de Santo ses encontraram uma lancha espanhola que não tardou a levar a
Domingo Soríano, na margem esquerda do rio Uruguai, era mais Buenos Aires a notícia da presença dos lusos na região. Ao tomar
contido do que estimulado pelas autoridades de Buenos Aires'. conhecimento do ocorrido, o governador D. Bruno de Zabala escre-
O projecto de povoar o sítio de Montevidéu também enfrenta- veu a Vasconcelos protestando contra o caso, mas não hesitou em
va resistências entre os habitantes de Colónia. O governador iniciar os preparativos para desalojar os portugueses da nova fun-
Sebastião da Veiga Cabral julgava que o local não contava com dação. Convocou as tropas da província do Rio da Prata e pediu
um porto conveniente, nem com água e lenha suficientes para reforços aos governos de Corrientes e Mendoza e aos jesuitas
sustentar uma povoação. Argumentava então que para ocupar das Missões. Arrnou ainda dois navios para impedir a comuni-
a região em nome de Portugal, bastava a construção de um cação dos homens de Freitas da Fonseca com Colónia e enviou
pequeno forte, com reduzida guarnição. Porém, parece que o para a guarda de São Jõão 2õ()c!\Vah~iros. Esse destacamento,
governador estava preocupado com o prejufzo que uma nova sob as ordens do tenente Alonso de la Vega dirigiu-se para -7
povoação traria aos vaqueiros de~olóllia,j!Lql.te,_a ragiãQ~que Montevidéu e, no caminho, devastou as cercanias de Sacramen-
~-_.~- --~ ---valde Moíitevideu'-a-Castflhos seria onde se encontravam as to, arrebanhando gado vacum e cavalar, destruindo plantações e -J
maiores manadas de gado chimarrão'. incendiando colheitas e ranchos. )
Entretanto, mesmo contra os interesses locais, fazia-se Ao "chegar a seu destino, de la Vega enviou emissários a )
necessária a criação de fortificações que defendessem a margem Freitas da Fonseca, intimando-o a abandonar a sua posição. Em
norte, a fim de melhor defender o território das ambições da resposta, o comandante português alegou o direito de posse de )
Coroa rival. De 1702 a 1720, os espanhóis fortificaram a redução Portugal às terras onde se encontrava. As duas partes pro- )
de Santo Domingo 80r1ano. Notfcias de que pretendiam fazer o telavam a discussão enquanto esperavam por reforços. Mas,
mesmo em Montevidéu levaram o governador do Rio de Janeiro, )
enquanto o exército missioneiro já estava a caminho, e os navios
Aires de Saldanha, a escrever a António Pedro Vasconcelos, or- de registro procuravam cortar a comunicação fluvial, o gover- )
denando-lhe que impedisse tal disposição a todo o custo, usando nador do Rio de Janeiro encontreva dificuldades de mandar uma )
de ameaças, se necessário. Em 29 de Junho de 1723, chegaram nova expedição ao Prata, pedindo para isso a ajuda do vice-rei.
ordens de Usboa para que Aires de Saldanha se antecipasse aos )
Tendo presente a desvantagem em que se encontrava,
espanhóis, organizando uma expedição para dirigir-se ao Rio da frente a forças superiores às suas, Manuel de Freitas da Fonseca ,)
Prata a fim de ocupar o sitio de Montevidéu. decidiu abandonar Montevidéu em 19 de Janeiro de 1724. Para )
A expedição, sob o comando do Mestre de Campo Manuel Rego Monteiro, parte da culpa pelo fiasco de Montevidéu deve
de Freitas da Fonseca, partiu do Rio de Janeiro, embarcada em ser imputada a Aires de Saldanha, que subestimou o poder dos )
)

124 )
125
)
)
-;
) espanhóis de, em pouco tempo, reunir um grande exército atra- ao rei que os castelhanos já haviarn levado para Buenos Ai-
vés da convocação de colonos e indígenas. Também culpou o res dois rnil e cem cavalos, capturados das estâncias portugue-
) governador por achar que o pequeno contingente de 150 hornens sas'.
) que mandou ao Prata, somados ao reforço de 40 soldados de Parece que no ano seguinte os ataques diminuíram de inten-
Colónia seriam suficientes para vencer a resistência dos caste- sidade, já que então os portugueses corneçararn a reorganizar a
)
lhanos'. produção pecuârla. Contudo, quando Vasconcelos decidiu implan-
) Contudo, é necessário ressaltar que o governador do Rio de tar uma estância às margens do rio Sauce, não deixou de infor-
) Janeiro não obteve ajuda das demais capitanias brasileiras, nem mar o goverrtador Zabala de que a sua criação lhe era necessárIa
da metrópole, para a realização desse delicado empreendimento. devido ii esdissez de pastos nas vizinhanças de Colónia. A infor-
Aires de Saldanha comunicou ao rei que, para a expedição de mação tinha como principal objectivo avisar o governador para
) Montevidéu, escolhera os melhores soldados da guarnição do que ordenasse aos espanhÓis que não molestassem os peões e,
) Rio de Janeiro, da qual não se atrevia a tirar mais gente, embora aos soldados da guarda de São João, que não fossem courear o
soubesse da sua necessidade, pois a mesma compunha-se de gado dos portugueses. Por sua vez, Zabala ordenou-lhe que reti-
\
somente seiscentos homens, "entre os quais há muitos velhos rasse os seus homens e gado da região, pois não podia permitir
quase estropeados e muitos soldadas novos'''. a criação de uma nova povoação nas terras do seu soberano.
) O fracasso sairia bastante caro aos portugueses, pois, logo Como o governador de Buenos Aires deixou de responder á uma
após a sua retirada, D. Bruno de Zabala ordenou a construção de nova carta de Vasconcelos, pela qual lhe afirmava que era impos-
) uma fortificação no local'. A cOlonização da região ficou sob a sível retirar o gado da região sem graves consequências para a
, manutenção de Sacramento, deu-se o caso por encerrado'. No
-' responsabilidade de alguns casais de Buenos Aires. aos quais se
juntaram, alguni tempo depois, casais vindbs das ilhas Canárias. entanto, segundo uma representação dos moradores ao rei, a
) manutenção das estâncias só era possível graças à permissão
Com Montevidéu em poder dos espanhóis, ficava mais fácil cor-
') das autoridades espanholas, sendo necessário o pagamento de
tar a comunicação fluvial e terrestre de Colónia com a América
portuguesa. O Conselho Ultramarino logo percebeu o facto, por um tributo para conservá-Ias".
isso pediu ao rei que fosse posto em prática com a maior pron- Em 1727, os espanhóis retomaram as represálias contra os
1 tidão o antigo projecto de criar povoações na costa que ia da ilha habitantes de Colónia que insistiam em aproveitar os recursos da
) de Santa Catarina até a barra do Rio Grande •
7
campanha. Então, Zabala Informou ao rei da Espanha ter toma-
) do aos portugueses 1.200 vacas e 150 cavalos". No mesmo ano,
António Pedro de Vasconcelos escreveu à Coroa sobre a chega-
) da de doze casais para iniciar a povoação de Montevidéu, em
) 1.4.2. - As Consequências da Nova Fundação Espanhola cujas proXimidades os espanhóis tomaram aos portugueses treze
'\/ carretas carregadas de couros e oitenta juntas de bois. Apesar do
AquandO da fundação de Montevidéu, o governador de Bue- protesto de Vasconcelos, o governador de Buenos Aires restituiu
\
,)
nos Aires criou uma companhia de migueletes, cujos cavaleiros somente os sete negros que as guiavam.
'\ foram encarregados de impedir os movimentos dos portugueses O Conselho Ultramarino não deixou de avaliar correcta-
"
na campanha. Com o forte incentivo de ficar com as presas mente os prejuízos trazidos pela nova fundação castelhana, "a
)
tomadas ao inimigo, os migueletes tornaram-se o flagelo dos qual necessariamente há de impedir o uso da campanha aos
) campos vizinhos a Sacramento. Em 1725, Vasconcelos escrevia nossos e sem ela totalmente fica inútil a nova Colónia". Por isso
)
) 127
126
)
)
)
aconselhou o rei para que ordenasse a criação urgente de novas "Os couros puseram-se de repente a 750 réís a di-
povoações entre a ilha de Santa Catarina e o Rio Grande de São nheiro por chegar aqui notícia que nessa se preparava
Pedro, sem deixar de reconhecer a conveniência de "ocupar a um navIo em direcção para esta, e o pior é que nem assim
ilha de Ma/donado, porque nesta forma ficará bloqueada aparecem por razão de estar o gado já quase de todo
Montevidéu, e Vossa Majestade senhor da entrada do Rio da acabado, e o pouco que aparece é /á sobre Castilhos que
Prata"". Contudo, a fundação de Rio Grande foi adiada até 1737, dista desta praça para cima de 150 léguas, e nem lá
quando o governo de Lisboa foi forçado a agir em resposta ao escapa porque mesmo lá se vai perseguir, e matar gas-
ataque espanhol contra a Colónia do Sacramento, tando os carros que conduzem os couros para cima de
Enquanto a Coroa portuguesa hesitava em retomar a sua dois meses a chegar a esta praça com grande despesa
polItica de ocupação da região platina depois do revés de Mon- feita com guardas castelhanas para concederem licença,
tevidéu, aumentavam as pressões espanholas para restringir o e nem assim deixaram de tomar este ano para cIma de
acesso dos portugueses à campanha. Em 1729, Zabala escreveu 160 carros com boIs, e tudo o mais dos moradores desta
a Vasconcelos para que ordenasse o abandono das estâncias, ,~ povoação que ficaram arrastados, e a malar parte deles
que então se estendiam até as proximidades da guarda de São incapazes de levantar mais a cabeça, que a tudo está
João, a oeste, e já ultrapassavam a outra margem do rio Rosário, sujeito, e muito mais quem vive em presídio tão fraco, e
a leste de Colónia"', Como as estâncias foram mantidas até à de pouca força como este"".
chegada das tropas do governador Salcado, em 1735, supõe-se
que Vasconcelos deve ter tratado de subo mar as autoridades Do relato, também ficamos a saber que a intensa explora-
espanholas, como denunciavam os moradores numa represen- ção do gadO selvagem efectuada por portugueses, espanhóis,
tação a D. João V. gaúchos, Indios reduzidos e livres, somada ao ataque de feras
Os habitantes da Colónia do Sacramento, também se quei- selvagens. e dos cães chimarrões, havia reduzido sensivelmente .)
xavam de que, desde a fundação de São Filipe de Montevidéu, o número de manadas chimarronas no sudoeste da Banda
)
estavam privados do comércio de couros com os espanhóis que Oriental. Entretanto, no mesmo ano o cabíldo de Buenos Aires
viviam na campanha, As constantes patrulhas que safam de propunha vedar a venda de couros aos ingleses, tendo em vista )
Montevidéu e da guarda de São João, assolavam os campos, falta de gado nas campanhas das duas margens do Rio da Pra- )
queirnando couros e sebo e confiscando gado, cavalos e carre- ta 1&.
1
tas. Os portugueses que caíam nas mãos dos inimigos só As exigências dos asientístas e a concorrência portuguesa
voltavam à liberdade após a chegada de ordens do governador conduziram a uma importante mudança nos métodos de explo- )
de Buenos Aires nesse sentido. Ainda assim, os soldados só ração do gado selvagem, pois, se, até prindpios do século XVIII, )
libartavam os prisioneiros depois de lhes roubarem até as rou- as expedições de caça só recolhiam reses durante dois meses
por ano, agora as caçadas prosseguiam durante o ano inteiro, sem )
pas 14 •
Mesmo quando as patrulhas castelhanas não confiscavam interrupção" . )
os couros extraídos pelos portugueses, exigiam propina para O aspecto predatório da exploração do gado chimarrão
deixá-los passar com a carga, como se vê na descrição que os impedia a reprodução natural da espécie, pois além da carnifici- .>
comerciantes José Meira da Rocha e Damião Nunes de Brito fize- na realizada nas vacarias para a extracção de couros, os bezer- )
ram da situação vivida pelos comerciantes em 20 de Setembro de ros não resistiam às longas marchas a que eram submetidas as )
1733: manadas arrebanhadas para repovoar as estâncias",
)

)
128 129 )
)
)
As vacarias deslocavam-se, então, cada vez mais para o 1.4.3. - A Cavalaria, uma Arma Indispensável na Pampa
) leste, na direcção de Castilhos, onde o controle espanhol, através
, }
da guarnição de Montevidéu, era mais efectivo. Corn a extinção As tácticas de guerra no Prata diferiam bastante das uti-
do gado chimarrão nas terras próximas a Colónia, diminuíram os lizadas nos outros recantos da América portuguesa, constituindo
) conflitos entre portugueses e espanhóis nas suas vizinhanças. mais um ponto especifiCO na história da Colónia do Sacramento.
) Segundo o governador Vasconcelos, em 1731, viviam "neste país O espaço físico da campanha, formado por extensos campos
) mui pacificamente os vassalos de ambas as Coroas por haver com pouca arborização, exigia o emprego da cavalaria à nação
cessado o motivo das perturbações no campo, extinguindo-se o que pretendesse assegurar o domínio da Banda Oriental. Além
) da vantagem militar, o uso dos cavalos fornecia o meio de loco-
gado ou, ao menos, retirando-se para parle que faz Impraticável
') a condução dos carros19 ". moção indispensável para localizar e perseguir as manadas de
De facto, com o deslocamento das vacarias para o leste, gado chimarrão.
)
diminuiu a presença dos portugueses na caça ao gado selvagem O governador Manuel Gomes Barbosa mostrou, já em 1718,
) e aumentou a dependência dos negociantes com relação aos conhecer a importância da cavalaria na região platina, dizendo
) coureadores espanhóis, já que o perigo de ser preso e ver a mer- que, em Colónia, era melhor um regimento de Dragões que um
cadoria apreendida era muito maior nas proximidades de Monte- terço de infantaria, pois "quem tiver mais cavalaria será senhor
)
vidéu. Contudo, a situação viria a deteriorar-se em princípios de da campanha, em razão da muita gente que há de retirar gado
) 1735, quando o novo governador de Buenos Aires, seguindo as às escondldaS"'''. Gomes Barbosa tratou logo de equipar os seus
ordens da Coroa espanhola, tentou impor à força a delimitação homens com montarias suficientes para iniciar a exploração da
do território com base no alcance de um tiro de canhão. Em campanha. Em 1718, informava o rei que os indios minuanos
) Fevereiro, Vasconcelos queixava-se ao rei de que as tropas da lhe venderam muitos cavalos'" e, no ano seguinte, relatava que,
guarda de São João atravessavam as estâncias portuguesas além dos 510 cavalos que tinham sido furtados pelos tapes de
.\ quando se dirigiam a Montevidéu e que aumentara a vigilância diversos proprietários, a guarnição contava então com 1.825 ca-
/
contra as embarcações portuguesas que frequentavam a mar- valos".
gem oposta do Prata". O seu sucessor. António Pedro de Vasconcelos, antes mes-
) A pressão exercida pelos espanhóis crescia constantemente, mo de assumir o governo de Colónia em 1722, escrevia, do Rio
como parte dos preparativos para o ataque ao estabelecimento de Janeiro, à Coroa dizendo "depender a conservação e aumen-
) to da dita Colónia de haver nela um corpo de cavalaria, reduzin-
português. Em Maio, José Meira da Rocha escrevia ao comer-
) ciante lisboeta Francisco Pinheiro avisando-lhe "que de nenhum do-se toda a sua guarnição a um regimento de Dragões de seis-
) modo carregue para aqui coisa alguma porque está Isto tão mi- centos homens"". Embora, no mesmo ano, o rei passasse uma
serável que nem sequer lenha nos deixam os castelhanos tirar da provisão ao governador do Rio de Janeiro, ordenando-lhe que
) campanha, tomando para seu poder todos os carros e escravos desse o suporte financeiro necessário para que António Pedro de
',>

, que a vão buscar, e mandando dizer depois aqui vergonhos/ssi-


mas graças e chascos" ".
Vasconcelos procedesse à criação de um regimento de Dragões
em Sacramento, a modida não chegou a concretizar-se".
O pequeno regimento de cavalaria de Colónia, organizado
) por Gomes Barbosa, foi desbaratado durante os conflitos com os
) espanhóis por ocasião da fundação de Montevidéu. Para recons-
tituir o regimento, o governador Vasconcelos comprou oitocentos
)
)
) 130 131
)
)
)
)
\
cavalos em 1726. Nessa ocasião não recorreu aos índios e sim prejudicar seriamente todo o esforço feito até então para desen- j

aos espanhóis, que forneciam animais já domesticados. Vascon- volver o povoamento da Colónia do Sacramento. Em princípios )
celos também procurou racionalizar o uso das montarias, que da década de 1730, os moradores fizeram uma petição ao rei
foram mantidas sob a guarda de um cabo e quatro soldados, en- para que fossem criadas mais duas tropas de cevalaria em Coló-
)
carregados de Impedir a retirada de qualquer animal sem a ordem nia. O monarca pediu, então, o parecer do govemador Vascon- )
do governador. celos. o qual voltou a aconselhar a criação de um regimento de )
Após o fim de cada missão, os cavalos requisitados deve- Dragões a fim de se manterem as campanhas '1impas de índios
)
riam ser devolvidos à estância. Os militares que não devolvessem e de outras naçõeS"".
a montaria que haviam retirado estavam sujeitos a ter o valor do No entanto, a criação do regimento de Dragões em Colónia )
animal extraviado, descontado no seu soldo. Segundo António Pe- seria constantemente postergada até que estourou um novo con- )
dro de Vasconcelos, tal rigor era necessário para a manutenção flito com os espanhóis, quando a sua ausência do campo de
da cavalhada, pois, antes da adopção dessas medidas, era tão batalha colocou os portugueses em situação de desvantagem em )
grande o descontrole que os capitães ficavam por vezes impedi- relação aos inimigos. Cristóvão Pereira de Abreu. encarregado ~)
dos de realizar alguma missão por falta de montarias". pelo governador de São Paulo de socorrer Colónia por terra )
De facto, não era fácil guardar grandes quantidades de ani- durante o sítio de 1735-1737, criticou o facto de que a estratégia
mais numa área tão extensa como as campanhas da Banda portuguesa para salvar Sacramento se concentrava unicamente )
Orientai, onde os campos ainda não estavam cercados, sendo, na actividade da marinha. Argumentava então que, sem o do- )
portanto, difícil garantir a propriedade do gado bovino e equino. mínio do interior. "pouco importará conservar a Colónia e ganhar
Já Manuel Gomes Barbosa tivera de suportar acusações contra Montevideo sem termos cavalos com qúe nos façamos senhores )
seu governo por castigar certos homens que tomavam cavalos da campanha, que o inimigo fací/mente pode conservar e ter-nos )
alheios para ir à campanha, devolvendo-os depois completa- em dois currais"" )
mente estropiados". Entretanto. parece que a concentração do esforço de guerra
Entretanto, parece que as explicações de Vasconcelos não nas operações marítimas não se devia à falta de visão dos estra- )
foram suficientes para convencer o rei, pois foi severamente tegas·portugueses, mas sim à falta de homens para organizar um )
repreendido pelos gastos feitos. Argumentou, então, que a des- maciço ataque terrestre. Os paulistas, que eram os homens a )
J
pesa era absolutamente necessária porque, sem cavalos, não quem a Coroa sempre recorria quando precisava de gente para
podia fazer o serviço da praça, alertando para as diferenças dos desbravar o sertão. estavam dispersos pelas minas. Mesmo que )
costumes equestres platinos em relação aos da Europa. Dizia o conde de Sarzedas tivesse conseguido recrutar mais do que os )
que, enquanto em Portugal bastava uma montaria para cada cento e sessenta homens que se juntaram a Cristóvão Pereira de
)
homem, no Prata eram precisos mais de doze, já que ali ninguém Abreu"", não seria possível formar bons cavaleiros num breve
tinha o costume de andar a pé. Mostrava o seu zelo pelo patrimó- espaço de tempo, uma vez que. segundo o brigadeiro José da )
nio real acrescentando que ainda mantinha o mesmo número de Silva País, as lides do campo levam muitos meses para ser apre- ,
cavalos que havia comprado, ao contrário dos particulares, que
estavam sempre a comprar novos cavalos devido às constantes
endidas"'.
Porém. como a superioridade dos espanhóis era muito , "
"

perdas de animais"'. grande em terra e a concentração dos esforços na marinha não )


A preocupação da Coroa em conter os gastos, numa área apresentava os resultados esperados. a Coroa decidiu reorgani- )
tão essencial à manutenção da segurança, não pOdia deixar de zar as suas forças terrestres no Prata. Em Dezembro de 1736 o
)
)
132 133
)
)
-)
) conde de Assumar, que então ocupava o cargo de "Mestre de O bloqueio, mantido após o armistício, impediu o retomar da
) Campo General dos Exércitos com o governo da Cavalaria e expansão na campanha e mostrou à Coroa que o domínio do
director do Reino""', respondia a uma consulta do cardeal da interior era crucial para a manutenção de Colónia. Em 1737,
) Mota, sobre a formação do um corpo de Dragões na Colónia do quando chegou ao Brasil a notícia de que os representantes de
) Sacramento dizendo que: "sempre entendi que eram mais con- Espanha e Portugal se preparavam para assinar o armistfcio em
) venientes os Dragões naquela praça, que em qualquer outrlEi"'". Paris, o governador interino de Minas Gerais preocupava-se com
O regimento de Dragões de Colónia foi finalmente criado o futuro de Colónia, caso permanecesse o bloqueio espanhol,
) através de uma provisão régia em 1737. Deveria constituir-se de comparando a sua situação à de Mazagão, em Marrocos, onde
) um corpo de cavaleiros cujo núcleo básico seria composto por os portugueses viviam num espaço restrito". Para evitar isso,
) uma companhia de Dragões de Minas Gerais, para o qual segui- aconselhou o general Gomes Freire de Andrade a ter o máximo
riam oficiais recrutados na metrópole, sob a chefia do coronel cuidado durante as negociações com os espanhóis em Sacra-
) Diogo Osório Cardoso. Segundo os seus idealizadores, esse mento, sugerindo-lhe mesmo o suborno dos representantes de
) corpo deveria possuir uma grande mobilidade táctica e capaci- Espanha, "porque conservar um quarto de légua mais, ou menos,
dade de improvisação, devendo até mesmo lutar como um corpo pode ser escusa de se haver de perder ou conservar a Colónili"".
)
de infantaria se fosse necessário". Ainda em 1741, através de Sebastião José de Carvalho,
) Na fragata Nossa Senhora da Boa Viagem, que chegou a futuro marquês da Pombal, a Coroa portuguesa fez apresentar·na
) Sacramento no primeiro de Setembro de 1737 com a notícia do corte de Londres um ofício no qual reafirmava enfaticamente que
armistício assinado em Paris, que pôs fim ao cerco espanhol ini- toda a margem norte do Rio da Prata fazia parte do território de
ciado dois anos antes, chegaram os oficiais portugueses destina- Sacramento. Lembrava ainda que o domínio português começa-
) dos à formação do regimento de Dragões de Colónia. Porém a va nas proximidades de Colónia até ao Rio Grande de São Pedro,
.) chegada de Diogo Osório Cardoso, nomeado coronel coman- reivindicação que a Coroa inglesa sempre deveria sustentar, pois
dante do futuro regimento, acompanhado de dois capitães, um eJa sempre prestara o seu apoio a Portugal durante os tratados
) ajudante, quatro alferes e cinco sargentos provocou a reacção nos quais a Espanha restitufa o território da Colónia do Sacra-
,
~\
negativa dos militares que serviam em Colónia, que pretendiam mento ao soberano lusitano"'.
os mesmos postos. O governador Vasconcelos procurou remedi-
)
ar a situação propondo para as vagas restantes os nomes de
) alguns deles, mas, em todo o caso, a fonnação do novo regimen-
) to não se concluiu, pois a medida fora tomada tarde demais.
O estreito bloqueio espanhol que foi mantido até à conquista
)
definitiva da fortaleza, em 1777, cortou a livre comunicação dos NOTAS
) portugueses com a campanha, impedindo a aquisição dos ca-
\ valos e mesmo o acesso às pastagens necessárias para alimen- l,uís Ferrand de Almeida, A Colónia do Sactamento"., op. cit.> pp. 210~236.
tá-Ias. António Pedro de Vasconcelos sugeriu, então, que o regi- )J Alberto Zum Felde, ProcesQ Histérico deI uruguay, pp, 16-17.
) '- Luís Ferrand de Almeida, A CofÓflia do Sacramento." op. cit., pp. 22(}-222.
mento de Dragões recém-criado fosse transferido para o novo • Jonathas da Costa Rego Monteiro, cp. dI" vol. I, pp, 182-192,
) estabelecimento de Rio Grande, solução que foi aceite pelo Sobre a expedição do Manuel de Freitas da Fonseca, consultar uDocumentos relativos
à Colónia do Sacramento, Montevidéu, 8uenosAires, e prisão de fahricantes de moeda falsa,
) General Gomes Freire de Andrade, que mandou embarcar os ele." ln RIHGB, tomo 32, pp. 5-174.
Dragões ao novo destino"'. ~ Aires de Saldanha ao rej, 30 de Setembro de 1723, ín AJHGB, tomo 32, p, 23.
)
')
134 135
)
)
)
./
)
)
) um campo de bloqueio espanhol ao redor da Colónia do Sacra­ ,e Dauril Arden, Royal Govemmont ln CoioniaI8razi!, pp. 69-70'.
,. FrédóriC Mauro. op, cit., voL 1. p. 111,
mento, poucos anos após a abertura do novo caminho, impediu te Relatório do Conselheiro António Rodrigues da Costa [17151, in ABNR, vof. XLVI,
) que os moradores continuassem a explorar os recursos da cam­ p.111­
) panha, vindo alguns deles a transferir-se para o Rio Grande de 2' A viagem dos jesuítas ao Rio da Prata foi favorecida pela rainha de Portugal, D, Maria
Ana d'Áu$tria, provavelmente devido ao tacto de me1ade do grupo dos missionários ser cons­
) São Pedro que, a partir de então, passou a centralizar as activi­
1ituida por padres austrfacos, Ct carta do padre Ladislau Oros Si O. Maria Ana d'Áustria. rai­
dades pecuárias dos portugueses na região pl<jtina, nha de Portugal, BueoosAlres, primeito de Julho de 1749, in IEB, COlação Lamego, coo. 1.14,
) AS,
"" FJ6rián Paucke, "EI Sflberfluss. Montevi(jeo 'J la Colônia doi Sacramento", 1n Álvaro
) Barros--Lémez (comp.), VU Centenário en el Rio de la Plata, p, 71.
~ Floriãn Paucke, op, Clt., p. 72.
)
24 Paufo Mlceli, O Ponto Onde Estamos, p, 108.
NOTAS
U Jonathas da: Costa Rego Monteiro, op. cit., vaI. I, p. 148.
) ~~ Diogo Soares ao rei, 27 de Junho de 1731, ln Jonathas da COsta Rego Monteiro, op,
'Eizear S. Giuffra, La Republica dei Uruguay. pp. a5 75.M
Ctt, vol. 12, p, 80.
) • AliCe piffer Canabrava, cp. c/t" pp. 149-151,
111 Horacio A. Difrieri, op. cit" p. 6lo

3 Francisco Millau. Descripción de la Provinda dei Rio de la P/ata, p. 35.


.., CattanéO a seu írmão, 16 de Mala de 1729, in LodoviCo A. Muratorí, cp. cit" p. 157.
) l1Il Zabala ao marquês de Grlmaldo, 5 de AbrR de 1716, in Pablo PasteUs e F. Mateús.
• Consuna do Cor'l$elho Ultramarino de 26 da Fevereiro de 1729. ln Luís f;nrique
Azarola Gil, 01'. ctt., pp. 218·220, op. cli., fomo VI, pp, 165-167,
) ,., Abreu Prego a Gomes Freire, 6 de NOVêmbro de 1736, in RIHGRS, n." 104. p. 368.
5 A tripulação conseguiu salvar-se procurando refúgio em MontevIdéu onde se encon­

trava o governador Zabala, que a recebeu e mandou avisar Vasooncelos sobre o naufragio. ./I, Rorián Pauck,e, op. cit., p. 72.
)
ConlOOo, nové dias de ventos contrários impediram o resgatG da charrua Nossa Senhora da 'li! António Sepp, VIagens às Missões Jesufticas 9 Trabalhos Apostólicos, pp, 67 ~66,

O quotidiano a bordo das longas travessias oceânicas não variou muito até ao apare­
l Esperança Os portugueses somente conseguiram recuperar alguns destroços que Incluíam
cimento dos navios a vapor. Sobre o assunto, consultar; ~aulo MiceH, op. cit,,' Fábio Pestana
alguns barris e tábuas que foram daI' à margem sul e foram resgatados por um encial envia·
) do a Buenos Aires, Poucos dias depois, a charrua Nossa Senhora da~Ol!vcira, que seguia Ramos "Os problemas enfrentados no quotidiano das navegações portuguesas da carreira
para () RIo de Janeiro carregada com 10,21G couros e grande quantidade de prata, encalhou da índia", ln Revista de História, n" 173 e Bernardo Gomes de Bdto (arg.), Hist6riâ
) no banco inglês. A tripulação conseguiu salvar~$é buscando abrigo em f-Aoníevidéu, mas Trágfco~Mar(tlma.
"desta'vez.8o rapfEiez:-no·resgate garantiu li! recuperação da prata embarcada. e ....itando-se que !i.1 Ao16rdo Sepp. op. cit., pp. 96.

) os espanhóis se apoderassem do metal como flzeram anteriormente, por ocasião do naufrá~ ~ António Sepp, Gp, clt., p, 98.
gio da nau Caravela. Cf. carta de Vasconcelos a D. João V, 13 de Maio de 1726, ln AHU, $> eattMOO n seu lrmão. 18 de Maio de 1729, in Lodovico A. Mumtori, op. cU., p. 162.

) Colónia do Sacramento, ex. 2, doe. 165. $li "Outra Relação da Guerra da Nova Colónia", in RIHeiRS, n 99, p. 116.
Q

• Vasconcelos ao vice-rei, 23 de Março de 1726, in J. C. Rego Monteito, cp, çit., vo1. 2, ~ Sérgio 8. de Holanda, "A Colónia do Sacramento e a Expansão no Extremo Sul",
J" pp. 72~74. op. clt, p. 359.
)
7 vasconcelos ao vice-rei, e de Abril de 1726, rn J, da Costa Rego Monteh"o, op. cit., M Sérgio B. de Holanda, "A Colónia do Sacramento e a Expansão no Extremo Sul", Gp.
voL 2, pp. 77-78, cit., p. 359.
a José Femández Romero, "lnstrucción exacta y útil de las derrotas y navegación. de :J!i' Domingos Filgueira, "Como viajar por terra, da Co!óoia do Sacramento a Laguna", in
) kia y buelta, desde la gran bahia de Cádlz hasta la boca dei gran Rio de la Plata~, in Revista Guilhermino César, Primeiros Cronistas do Rio Grande do Sul (1605-1801), p. 57.
41) Domingos Silveira, op, cit., pp. 58-59.
) Histór/CiJt, tomo XIX, p. 637.
~ Vahia Monteiro a Vasconcelos. 30 de Novembro de 1726. in ANRJ, cód. 87, vol. 3, ~, Guilhermlno César. O Contrabando no Sul do Brasil, p. 31.

) fi. 167, 4il Mafalda P. Zemella, O Abastecimento da Capitania das Minas Gerais no Sêculo XViJI,

,~ Horacto A. Dlfrleri, op. dI., p. 61. pp. 90~97.

) ti Cattaneo a seu irmão, 16 de Maio de 1729, in Lodovico A. Muratori, op. cit., p. 157, 4:t Alfredo EJ!ls Júnior, "O CiCIo do Muar''', in Revista de História. vol. l. pp. 73·S\)

lt José Fomándcz Romero, op. cit" p. 635. ... Visconde de São Leopoldo, Anais da Província de São Pedro, pp. 64-65.
) ,~ William Tolier, "The Hlstory of a Voyage to the River of Plata 8: Buenos Alres from q A expedição de João de Magarhães abrira camloho à ocupação dos campos de

England", ln Revista Hlstórlr..a, tomo XXIJI, fl. 16'1. Viamão, onde começaram a instalarwse povoadores provenientes de São Paulo e Laguna,
) 1~ Francisco MiUau, op, cit., pp. S7-M. entre os quais o próprio Magalhães, que abandonam o Estiélto. Em 1732, quando Brito
,$ Concolcorvo, lEI LazarilJo de eleges Caminantes, p. 23. Peixoto requereu em sesmaria as terras que Iam do rio Tramandai até a barra do Aio Grande,
\
,! ,,. COr)sulla do Conselho Ultramarino de 29 de Junho de 1748. ln OH, vol. XCIV. p. 140, recebeu a resposta que a região já estava ocupada por inúmeros criadores de gado. Ct. Gui·
\7 Cattaneo a seu irmão, 18 de Maio de 1729, ln Lodovico A. Muratori, op. cii., pp. 163­ Ihermino César. História do Rio Grande do Sul, pp, 91-92.
) -164, ~t Roberto C, Simoosen, História Económica do Brasil (1500-1820), p. 161.

,)
)
158 159
,

')

.,. Agu~a importante em São Paulo, em princípios do século XVIII, Bartolomeu Pais de
Abreu, ocupava as funções de procurador do conselho e jui.t: da câmara municipal da viia de
São Pa.ulo, onde detinha parte da propriedade de seu sogro (Pedro Taques), que recebera
quando se casara com sua filha. (;;m 1713, foi aquinhoado com terras noo sertóes de Curttiba
o entre os rios Grande e dêls Mortes, em Minas GOidis, onde criava gado. Ct l1ana Blaj,
~Agricultores e Comou'Jantes em São Paulo", ln Revisla Brasile:ira de História, n" 36, '.101. 16, pp.
281·296.
4$ Bartolomeu Pais de Abreu ao rei, 23 de Maio de 1720, in José Alípio Goulart, Tropas

e Tropeiros na F0tm8ção do Brasil, pp. 206-2{)7 .


..., João Borges Fortes, "CrlstóvE!O Pereira de Abreu", ln RIHGRS, III e IV trimestres de ,
1931, ano XI, pp. 132-134, 2 - O BASTIÃO DO SUL )

"" Cecília Maria Westphalen, "Bartolomeu Pais de Abreu", in Maria Bea.tnz Nilza da
Silva (org.), Dicionário da História da CofonizaÇfio Portuguesa no BrasJ1, p. 7.
)
M carta. da Câmara de São Paulo ao rei, 02 de Outubro de 1737, in Revista do ArquiVO

MunicJpaf de SiJo Paulo, voL LXXIll, pp. 179~180.


)
Antes de tudo, a Colónia do Sacramento foi uma praça de
em Rodrigo César de Meneses êlO rei, e dê Outubro de 1722, in DI. '101. XXXtl, pp, 50-51,
guerra destinada a defender os interesses comerciais e territori­ )
Segundo Taunay. o espanhol que se terja colocado ao serviço dos portugueses chama~
va~so Roque Sorla, o qual, como vimos anteriormente, trabalhou pata Cristóvão Pereira de ais da Coroa portuguesa no Rio da Prata. Devido a esta caracte­ )
Abreu, Cf. Afonso de e, Taunay, História Geral das Bandeiras Paulistas, vol. 8, p_ 440.
~ José Alípio Gouiart, op. cit, p, 45.
rística marcante, julgamos oportuno destacar no nosso estudo
,.. Regimento do sargepto-mor Francisco de Souza Fêlrja para a abertura do caminho sobre o quotidiano em Colónia a análise das condições de vida
ao Rio GrandG de São Pedro, 19 de Setembro de 1727, in Jose AlípIo Goulart, op, eH" dos militares que viveram nesse posto avançado do expansionis­ )
pp. 210-213,
S$ Terceira "noticia prática" dada pelO coronel Cristovão Pereira de Abreu ao padre
mo lusitano no sul da América. )
Diogo Soares, ln RIHGB, tomo LXDC. parte I, pp. 255-256,
ISS JQão Borges Fortes, op. ('.II" pp. 136~137. )
51 João Borgos Forte$, op. cfL pp. 138-139.
111' No caminho, Souza Faria encontrou a ~Vacaria dos Pinhai~, reserva de gado que os jesuí­ )
tas criaram_ nos campos de cima oa serra a partir da délcada de-1720, com o envio'de mal5­
~ oitenta mil reses liradas da "Vacaria-do Mar", onde-a concorrência do_s·J~spaohóiS' e-por n )
tuguoaes na exploração do gado chimarrão aumentava dra a dia. Cf. Magnus Mõmer, Activi~
dades Poffrjcas y Económicas... op. cit.. p. 123. )
11+ ~Roteirodosertão e minas de Inhangüora, vindo da Vila de Curitiba". in R1HGB, tomo

LXIX, parte I, p.243.


)
W Ofício de Cristóvão Pereira de Abreu ao padre Diogo Soares, 29 de Agosto de 1731,
in AHU, Colénia do Sacramento. ex. 2, doc. 237,
)
"" Tercoira "noticia pratica" dada pelo coronel Cristóvão Pereira de Abreu ao padre )
O1ogo Soares, ln RIHG8, tomo LXIX. parte t, pp, 256~259.
61 Ordem do ('.onde de Sarzedas pata que Cristóvão Pereira de Abreu não seja molesta­
)
do pelos seus credores, 14 do Setembro de 1733, in 01, vol. XXII, pp. 5a..S9.
011 Consulta do Conselho Ultramarino de 5 de Março de 1735, ln Jaime Cortesão. Alexandre )
ele Gusm.;lO e () Tratado de Madrid-Antecedentes do Tratado. tomo n. parte m, pp, 421-423.
~ Aurélio Porto, 0.0. clt., parte II, p. 118. 1
/
*" José Alfpio Goulart, Gp, cft., p, 46.
)
)

)
)
)
160 161
)
)
j

)
)
) 2.1. - O RECRUTAMENTO religiosas oferecia refúgio a muita gente contra a actuação dos
) recrutadores'.
Com raras excepções, a carreira militar não desfrutou de A disseminação dos privilégios que, multas vezes se esten­
)
grande prestígio entre os plebeus do Antigo Regime, uma vez que diam aos subordinados dos detentores dos mesmos·, permitiu a
) as condições de vida do soldado eram muito diflceis, submetido criação de amplas redes de protecção contra o recrutamento
) que estava à violência dos oficiais (em geral membros da nobreza) compulsório', fazendo com que o alvo principal dos recrutadores
e aos frequentes atrasos de pagamento. Tendo em vista essa recaísse sobre os vagabundos, malfeitores, trabalhadores itine­
) rantes e todos aqueles que não contavam com a protecção das
situação, não admira que os governos normalmente recorressem
\
J a meios violentos no momento do recrutamento, uma vez que comunidades locais'. Via de regra, esta era uma situação bas­
) poucos se apresentavam como voluntários para o serviço militar. tante comum na Europa durante o Antigo Regime, onde as
Em Portugal, o sistema de recrutamento foi estabelecido monarquias buscavam evitar o recrutamento dos privilegiados e
) pelo Regimento das Ordenanças de 1570, o qual regulamentava das camadas produtivas da sociedade'.
) que toda a população masculina, dos 16 aos 60 anos, exceptuando A exemplo da metrópole, a defesa dos domfnios coloniais
os privilegiados, estava enquadrada no regime de ordenanças, portugueses era feita pelas tropas regulares pagas, pelas tropas
)
que tinha por principal função recrutar homens para as tropas de auxiliares (que, sem direito a soldo, deveriam fornecer o apoio
) linha e tropas auxiliares'. Constituindo um dos suportes funda­ necessário às tropas regulares) e pelos corpos de ordenanças
) mentais da estruturação das relações de poder ao nível local, (que eram formados pela população local e que, também sem
. essa organização subsistiu até à vitória do regime liberal, já no direito a pagamento, estavam encarregados de manter a ordem
) ·~--séeukrX~X~.·Noscorpos--de-GrdeAaRÇa,.Gs. privilégios ·de-uma---­ ._.___.interna.J:!ascapitanias) Enqll8nto os. corpos de ordenança não
) patente miÚtar não se traduziam em ganhos monetários,.mas..em .e~Vª--I"I)_ºtJr!gac!.qsa deslocar-se do seu território de actuação, as
) prestígio e posição de comando. Para a Coroa, interessada em tropas auxiliares poderiam ser enviadas para onde fosse
reduzir os gastos com a administração, não era de todo Inconve­ necessário o auxílio às tropas regulares, sendo que seus efectivos
) niente fornecer alguma parcela de poder em troca do serviço não eram recrutados junto à populaçãQ civil e alistados em corpos
) remunerado' . separados formados por brancos, pardos e negros10.
.2 Se a incorporação aos corpos de ordenança era mesmo Se os recrutas das tropas regulares deveriam preferencial­
.. d~'por-uma"parcel'Erl:ta:-p'Oprnação-;-u-mesmo-não ocorria----i i----4moote-ser--''homlims---tmmcos-;---t'oo/iStosce·de-boa aparência, so/­
) em relação ao recrutamento para a tropa de linha. Como só em teiros, desembaraçados de compromissos e que não fizessem
) 1779 um decreto estabeleceu em dez anos a duração do serviço falta a seus pais" ", a realidade do recrutamento era bem diferen­
militar, antes dessa data a incorporação ao exército era encarada te, pois o serviço militar era muito impopular em Portugal e nos
)
como uma condenação perpétua, sentimento reforçado pelos seus domínios ultramarinos, onde as tropas, quando eram pagas,
) autores militares, que se referem ao serviço militar como uma recebiam frequentemente metade do soldo, mesmo em tempo de
) forma de "servidão", ou mesmo de "escravidão"'. Tendo em vista guerra. Uma vez que. como vimos anteriormente, o recrutamento
essa situação, é natural que os homens procurassem por todos para as guarnições da metrópole era difrci! de ser executado sem
)
os meios evitar a conscrição obrigatória. Se, a princípio, todos recorrer à violência, dado o escasso número de voluntários, não
) os homens celibatários, entre os 17 e 30 anos, estavam aptos é de surpreender que a maioria dos soldados que serviram nas
;) para ser inscritos nas tropas regulares. uma série de privilégios colónias fosse gente recrutada à força, sobretudo deportados
concedidos pela Coroa a determinadas profissões e devoções como castigo pelos mais variados tipos de crimes.
)
)
162 163
)
)
Assim, a Coroa portuguesa fez intenso uso do degredo ordenou que os homens e as mulheres condenados ao degredo
como uma forma de garantir o incremento da população branca no Brasil podiam ter suas sentenças comutadas para a Colónia
nas colónias, ao mesmo tempo que tentava libertar-se de ele­ do Sacramento", para onde foram enviados quinze homens em
mentos indesejados na metrópole e que, por sua vez, poderiam 25 de Janeiro de 1690". Além da Coroa, o governo do Rio de
ser úteis na defesa dos domínios ultramarinos. Boxer refere-se a Janeiro também costumava enviar degredados para lá. Em 1685,
essa política, dizendo que foram sentenciados ao degredo "mul­ um bando do governador condenou ao degredo para Sacramento )
tidões de larápios insignificantes e de criminosos menores a qualquer pessoa que fosse apanhada mascarada nas ruas do
)
períodos longos de prisão ou ao exílio, por crimes que hoje em Rio, devido ao grande número de abusos e violências causadas
dia seriam esquecidos através de uma caução ou de uma peque­ pelos mascarados". I
na multa"" Contudo, se até fins da século XVII foi difícil encorajar a emi­ )
Os crimes punidos com degredo para o Brasil, segundo as gração para o Brasil, tendo a Coroa que empregar a pena do
degredo em larga escala, com a descoberta do ouro em Minas )
ordenações filipinas, incluíam os atentados contra a Igreja (as
pessoas acusadas de feitiçaria poderiam ter a pena capital Gerais a situação mudou por completo, pois a partir de então a )
comutada à sentença de degredo), contra o Estado (alteração de metrópole passou a restringir cada vez mais a emigração a fim de )
textos oficiais, uso de moeda falsa, falsificação de selos oficiais, impedir o despovoamento de certas regiões do Reino e também
para evitar a criação de um grave problema social que seria a
)
resistência aos oficiais de justiça, falsa testemunho e aceitação
de suborno entre outros), e os acusados de atentar contra a integração de um numeroso contingente de imigrantes na econo­ )

sociedade (adúlteros, alcoviteiros, amantes de clérigos, falsifica­ mia colonial. Surgiram então diversas provisões, decretos e alva­
rás que, em 1694, 1707, 1709, 1713, 1720, 1724 e 1744 tentaram'
)
dores de pesos, comerciantes desonestos, ladrões, assaltantes,
desocupados, jogadores que falsificavam cartas ou dados, res­ impedir a emigração em massa para Estado do Brasil". )
ponsáveiS pela derrubada de árvores frutíferas, etc.)". A lei de 20 de Março de 1720 prOibiu a viagem para o Brasil )
Enquanto as penas Jlor_assassin~tO..Jl.@ITl.(eIQ»~-,.,,-, u-----a- tOdos-qaen'ãofossem--p-reencher algum cargo civil, militar ou
eclesiástico. Os comerciantes que pudessem provar ser absolu­ .1
leves ,-ladrões , ciganos e vadios podiam ser exilados por toda a
vida. Boxer conta que uma brasileira acusada de cumplicidade no tamente necessária a viagem para a concretização de transacções )
assassínio do marido foi condenada a dez anos de degredo em comerciais deveriam pedir um passaporte em Lisboa, Porto ou )
Angola, ao passo que uma viúva e suas duas filhas foram conde­ Viana do Castelo. Para punir possíveiS infractores, a lei regula­
\
nadas ao exílio perpétuo, também em Angola, simplesmente por mentava que os navios deveriam ser revistados antes da partida, "'
serem ciganas". sendo que os homens encontrados a bordo sem passaporte de­
Se, a princípio, a escolha do local de exflio era feita de acor­ veriam ser alistados na exército se tivessem idade suficiente.

)
do com a gravidade do crime cometido, em fins do séculO XVII, o Caso contrário deveriam ser remetidos a Lisboa, onde permane­
sistema de degredo passou a ser utilizado como um instrumento ceriam presos por seis meses, além de pagar uma multa de cem )
muito claro de colonização, buscando assegurar a remessa de mil reis, cabendo o degredo de três anos em África aos que não )
gente às regiões aonde a imigração livre não chegava". Assim pudessem pagá-Ia. Os capitães e mestres dos navios que escon­
dessem passageiros sem passaporte deveriam pagar quatrocen­ )
sendo, o número de degredados teria variado muito de colónia
para colónia. tos mil reis de multa. Nova revista da embarcação deveria ser feita )

Numa tentativa de aumentar a presença portuguesa no nos portos de destino e, se fosse constatada a presença de gente
,)
Prata, um decreto real, assinado em 29 de Outubro de 1689, sem passaportes, esta deveria ser remetida presa ao Reino"'.

)
164 165
)
)
)

)
)
) Também como consequência do desenvolvimento da colo­ Moderna, que preconizava o favorecimento da emigração volun­
) nização portuguesa na América, a Coroa autorizou a utilização do tária e involuntária como um meio de livrar a metrópole de ele­
degredo em Angola como punição aos indesejados no território mentos indesejados ao mesmo tempo que aumentava a oferta da
) brasileiro. Um decreto, datado de 1722, suspendeu o exílio para mão-de-obra nas colónias"". Contudo, apesar dos exemplos de
) o Estado do Brasil, incluindo a Colónia do Sacramento, e instruiu outros reinos, o uso do degredo e do recrutamento forçado foi
) os juizes para que banissem os degredados para o Maranhão, muito maior em Portugal do que nos demais países da Europa,
Cabo Verde, Ceará, Angola, índia ou Castro Marim, na fronteira uma vez que, dada a reduzida base demográfica do pais, o mate­
) luso-espanhola" .
"
rial humano era demasiado valioso para ser mantido no cárcere
j Talvez esse decreto tenha sido expedida em resposta ao ou ser condenado à pena capital, forçando assim a emigração
) pedido que o governador Manuel Gomes Barbosa fez à Coroa das camadas marginais da população portuguesa, formadas por
no ano anterior para que cessasse o envio de degredados para prostitutas, órfãs, grandes e pequenos criminosos, ciganos, peca­
) a Colónia do Sacramento, "por ser esta casta de gente os que dores e cristãos-novos, a fim de povoar e defender os territórios
) desinquietam e reduzem todos os mais a que fujarrf'2". Entre­ ultramarinos".
tanto, embora cessasse o envio de exilados do Reino para
)
Colónia, até à década de 1770 os governadores do Rio de Ja­
neiro, e depois os vice-reis que viviam nessa cidade, continuaram
a remeter civis e soldados como degredados para Sacramento"'. 2.1.1. - Soldados para a Colónia do Sacramento
"",Como exemplo"de,um,crime punido com o exílio em Colónia, cita­
\ ;-;"
.' mos um bando do governador Aires de Saldanha de Albuquerque Normalmente, o alistamento dos oficiais destinados à guar­
) que, em 1724, condenava a três anos de degredo os negros for­ nição de Sacramento fazia-se no Reino, enquanto os soldados
ros que vendessem peixe sem licença nas praias do Rio de poderiam também vir da metrópole ou do Rio de Janeiro, a cujo
Janeiro". governo Colónia estava subordinada. Já em 1679, ao organizar a
) Como a maioria dos portugueses condenados ao degredo expedição que viria a fundar a Colónia do Sacramento, D. Manuel
) era obrigada a alistar-se no exército. tal sistema deu origem à Lobo ordenou o recrutamento compulsório de quantos homens
confusão entre soldados e criminosos, confundindo até mesmo pôde capturar no Rio de Janeiro: operários, aprendizes, comerci­
)
as autoridades quando tentavam distinguir os soldados volun­ antes, mendigos e mesmo os presos, aos quais foi concedido o
) tários dos forçados". "Solteiro", "soldado" e "degredado" acabaram perdão em troca do alistamento", A câmara da cidade não deixou
) por tornar-se sinónimos, uma vez que, segundo Coates: "em con­ de protestar ao rei contra o procedimento do governador, pois, a
sequência da sua constante escassez de efectivos. o exército dos fim de evitar o serviço militar, muitos agricultores e operários fugi­
) primórdios da época moderna estava intimamente ligado aos ram para as matas"', abandonando os engenhos, prejudicando
) criminosos e à sua punição: estes dois sistemas, aparentemente desse modo a economia local".
) sem qualquer relação entre si, eram, na realidade, interdepen­ Se houve violência no recrutamento, o príncipe regente len­
dentes. De facto. a organização mais imediatamente ligada à tou garantir a boa vontade dos recrutas, ordenando a D. Manuel
) figura do renegado era a instituição militar e não a judiciar". Lobo que pagasse um mês de soldo adiantado aos oficiais e
) A política de implementar o povoamento através da depor­ soldados, enquanto os efectivos da cavalaria deveriam receber
tação não foi exclusividade dos portugueses, uma vez que a dois meses adiantados"'. Contudo, o fundador não demorou a
)
mesma fazia parte da doutrina mercantilista seguida na Idade queixar-se da "incapacidade da gente que trouxe do Rio de
)
)
166 167

)
)
Janeiro", soldados que, até então, "considerava maus só no mili­ governador, dizendo que nos brasileiros "se acha mais frouxidão
tar os experimentei malíssimos em todas as suas acções'; o que e [são] menos sofredores do trabalhd"'''. Em favor dos militares do ,
)
não surpreende se nos lembrarmos da forma como foi feito o Reino, contava o facto de que geralmente já tinham experiência
recrutamento. Reclamou ainda que, aproveitando-se da enfermi­ militar antes de chegar aos domínios ultramarinos. José de Mira­ )
dade que padecia, "os brasileiros se licenciaram tanto que deso­ \
les, escrevendo sobre o ataque espanhol de 1735, escrevia que, .-'
bedeciam a seus oficiais". Segundo Lobo, os melhores soldados face à cavalaria inimiga, composta por mil e duzentos soldados, )
eram os reinóis"', já que, com poucas excepções, os brasileiros os portugueses só contavam com cento e sessenta soldados,
"iam muito pouco às faxinas e nelas trabalhavam o que queriam, "porém quase todos estes, transmontanos, da Beira, de Entre )
que era muito pouco, e com aquela calma com que no Brasil Douro e Minho, já disciplinados, e bem instruídos na guerra pas­ )
costumam fazer todas as coisaS"-". sada, e tropas das ditas províncias de donde tinham vindo no ano )
As queixas contra os soldados brasileiros são constantes na de 1717 povoar a Colónia~J9.
documentação pesquisada. O governador Sebastião da Veiga A falta de apreço pelos soldados brasileiros ia mais além do
)
Cabral reclamou ao rei que, dos soldados que pedira ao Rio de que o simples preconceito dos oficiais e governadores, rei nó is em

Janeiro, "só doze eram capazes, e os mais inúteis, por despidos sua maioria. O recrutamento compulsório que visava a obtenção

)
e descalços, e outros mulatos". O preconceito de Veiga Cabral da maior quantidade de homens no menor tempo possível, para­
contra os soldados mulatos não deixou de ser severamente lelamente ao objectivo de livrar as cidades dos elementos indese­ )

reprovado pela Coroa, que estranhou a atitude do governador de jados, foi o principal factor responsável pela baixa qualidade do
)
Sacramento, respondendo-lhe que "ainda que fossem mulatos, soldado recrutado na América portuguesa. Outro factor que pesa­
como destes de qUê se compõe a rifaior parte do 'Brasil, e não va contra o soldado brasileiro era a falta de experiência no caval­
._. ···~-·haverem muítos outros de diferente qualidade, e neste Reino, em gar,.acte de extrema importância no pampa. )
que pOr:fia-haver muito maior escrúpulo, serviram muitos, e ocu­ Alertando sobre as dificuldades em recrutar homens qualifi­ )
param postos" ". cados para a formação de um regimento de cavalaria, o gover­
Em 1718, o governador Manuel Gomes Barbosa queixava­ nador interino de Minas Gerais, Martinho de Mendonça",
)
-se ao vice-rei do Brasil que muitos dos seus soldados eram alei­escrevia que: "formar os regimentos de homens que nasceram na )

jados e doentes". Escreveu também à Coroa sobre a grande América, criaram-se nos portos de mar e sustentaram-se com ba­

)
quantidade de desertores que resultava da má qualidade da nanas, e esperar de tal gente efeitos vigorosos, é mal conhecer o

tropa, composta por soldados novos e mulatos, sendo em sua carácter das nações". Completava o seu raciocínio com o velho -)

maioria "degredados, uns por ladrões e outros por vários cri­ preconceito dos reinóis: "Eu antes quisera duas tropas de euro­
)
mes". Por isso achava melhor que se fizesse o recrutamento em peus que oito de brasileiroS"".
Portugal e nas ilhas. Mas ainda achou necessário acrescentar Contudo, em situação de perigo, quando o recrutamento era )
que os recrutas não deveriam desembarcar no Rio de Janeiro feito à pressa, mesmo os soldados do Reino eram depreciados, )
"por não tomarem a língua da terra, que só desta sorte me como em 1736, quando Gomes Freire de Andrade, se queixou a )
parece não desertarão, por não saberem o viver do Brasil"" . Martinho de Mendonça que os navios recém-chegados da metró­
Segundo a opinião do governador António Pedro de pole para o socorro de Colónia "trazem mui bisonha guarnição"". )
Vasconcelos, "o BrasH não tem gente para o recrutar, e a experi­ Pareceu-lhe, então, ser preciso acrescentar à expedição duas ')
ência mostra não serem os filhos daquele pafs mui próprios para companhias de granadeiros e cem homens escolhidos de entre a )
a guerra". O Conselho Ultramarino não deixou de dar razão ao guamição do Rio de Janeiro.
)
)
168 169
)
)
_" __ é~_·_~ ___.

)
)
) De facto, se atentarmos à documentação, o que vemos é Ainda assim, o alistamento compulsório dos degredados do
que o recrutamento compulsório de gente indesejável era o prin­ Reino e dos desclassificados da colónia era absolutamente
)
cipal responsável pela baixa qualidade dos recrutas e não a sua necessário para a manutenção do efectivo das tropas coloniais,
) terra de origem. Em 1732, o governador do Rio de Janeiro quei­ já que os constantes atrasos dos soldos e a violência do quotidi­
) xou-se de que António Pedro Vasconcelos lhe remetera o solda­ ano militar eram motivos suficientes para afastar os voluntários.
do Diogo de Faria, considerado pelo governador de Sacramento Por sua vez, os privilégios concedidos pela Coroa às ordens reli­
)
como de ânimo "terino e matador". Em resposta aos protestos giosas e a determinadas profissões, nos quais se ínclura a isen­
) enviados ao Conselho Ultramarino, Vahia Monteiro comprome­ ção do serviço militar, tornou extremamente penosa a função do
teu-se a não mais enviar para Colónia "nem tracos porque não recrutamento.
servem para o serviço, nem os de génio matador, ainda que esse Em 1762, o governo interino da Bahia informou a Coroa
) sobre as dificuldades que encontrava para completar o terço de
seja o oficio dos soldados" ".
) Laura de Mello e Souza ressalta que, devido às questões de auxiliares, "sendo a cansa desta grande falta o grande número de
) fronteira, o sul da América portuguesa foi, durante o século XVIII, privilegiados que tem esta terra". Entre os privilegiadas listavam­
o principal destino reservado aos desclassificados da sociedade -se os pedidores da S. S. Trindade, Santo António e Meninos
) Órfãos, Tesoureiros da Bula da Santa Cruzada, familiares do
colonial. "Prender para Montevidéu', para a 'Nova Colónia', para
) o rio da Prata ou genericamente para o Sul são expressões cor­ Santo Oficio, moedeiras, relojoeiros, tanoeiros, carvoeiros, mari­
) rentes na documentação por todo o períoda"'''. À repressão que nheiros, carpinteiros e calafates. Quanto aos "homens de negócio
se seguiu aos levantes ocorridos durante o governo do conde de ,
e seus caixeiros só querem alistar-se nas ordenanças, querendo
~-.·~·AssumaremcMI nallf·Gerãis,-seguiu"Stn'l -pi isão dOS-c"C2l00Ç21S::do---···· . _-~-1'mtrar no número dos privilegiados, o que tudo faz: um grande
_~
) motim, e muitos ociosos e vagabundos para Montevidéu"". As número de homens com que não só se podia completar o Terço
medidas repressivas, que visavam a restauração da ordem na deAuxíliares, mas ainda fazer outra"~ Não é de se estranhar que
) se buscasse antes a incorporação aos corpos de ordenança que
capitania, também serviram o propósito de recrutar soldados para

J
\
a expedição que então se organizava com o objectivo de fortificar às tropas auxiliares, uma vez que as ordenanças não só assegu­
) o sítio de Montevidéu. ravam um certo statutus social, como também garantiam a seus
Com a finalidade de tomar a carreira militar mais atractiva, membros que não seriam enviados em missões para fora da área
) em 1731 a Coroa limitou o serviço no Brasil a dez anos e em
de actuação do regimento.
) Angola a seis anos, ao fim dos quaiS os militares poderiam pedir
No Rio de Janeiro, principal centro de recrutamento para a
transferência para Portugal, caso não tivessem contraído
Colónia do Sacramento na América portuguesa, também era
)
matrimónio nesse meio tempo. Os incentivos, porém, não con­
grande o número de pessoas isentas do serviço militar, engloban­
)
seguiram aumentar consideravelmente o número de recrutas
do os que serviam ou serviram nos cargos eleitos da governança,
) para as colónias"'. O que garantia um certo número de militares
os senhores de engenho e seus criados, os moedeiras, os fami­
era o costume de seguir a profISsãO paterna. Neste contexto, o
liares do Santo Ofício e os Cavaleiros das Ordens Militares. Por
\
oficial Manuel Ferreira de Sande, fez um requerimento ao rei
sua vez, os desprivilegiados não hesitavam em fugir para o mato
) pedindo-lhe que dispensasse seu filho da idade mínima prescrita
cada vez que se ameaçava com o recrutamento compulsório, não
)
pelo regimento para o recrutamento, pois ainda lhe faltavam três
restando ao governador outra alternativa senão ordenar o alista­
anos. Alegava que era um costume do rei dispensar os filhos dos
mento dos vadios. Além da dificuldade em conseguir novos sol­
) dados, as autoridades cariocas tinham de combater a contrnua
oficiais em tais circunstâncias".

) 171
170
)
)
"
.,
)
deserção dos soldados que, desde Inícios do século XVIII, fugiam bastava um boato para que a população buscasse na mata um
para o sertão, atraídos pelas riquezas de Minas Gerais". refúgio contra os recrutadores"'. )
De facto, buscava-se escapar ao alistamento de todas as Entre os espanhóis, principais adversários dos portugueses )
maneiras, pois, devido às péssimas condições da vida do solda­ no Rio da Prata, a situação não era muito diferente. Em Buenos
do, a carreira militar era execrada pela população pobre que não Aires, o serviço militar compulsório também era aplicado aos )
tinha condições financeiras para ascender na hierarquia militar. homens considerados vagabundos pelas autoridades coloniais )
Em 1761, o governo interino informou.à Coroa que, na Bahia, da cidade. Contudo, ali não era o ócio ou a vagância que serviam )
era ''muito abominável o nome de soldado, e por este mohVo niío para qualificar os desclassificados como vagabundos, mas sim a
há ninguém que por seu gosto queira sentar praça, e todo aque­ )
ausência de propriedade fundiária". Durante o século XVII, os

le que foi obrigado o seu maior empenho e diligéncia é o livrar-se habitantes da campanha de Buenos Aires eram obrigados a pos­ )

de soldado". Os poucos que buscavam o serviço militar volun­ suir um documento chamado "papeleta", por meio do qual as

tariamente faziam-no forçados pela total falta de perspectiva, autoridades se certificavam de que o seu portador trabalhava como
como o governo baiano alertava Lisboa, dizendo que os volun­ peão em alguma estância. )

tários eram "quase todos crianças, filhos de gente tão pobre que À medida que o couro se valorizava no mercado interna­ )
andam pelas ruas nus só com a camisa, que chegando à idade cional, aumentava o controlo do Estado sobre a vida privada dos
que já se envergonham de andar assim, vém sentar praça por pobres, castigando severamente os que não tivessem endereço )
terem [com] que vestir e com que se alimentar'''. fixo e pressionando para que todos se enquadrassem no sistema, )
A situação não era diferente em São Paulo, de onde o go­ seja trabalhando numa estância ou alistando-se no exército". )
vernador, Morgado de Mateus, escrevia em 1765, sobre a dificul­ Enquanto os brancos deveriam incorporar-se na cavalaria da mi­
dade em alistar homens nas tropas auxiliares 'pela repugnância lícia portenha, os mestiços e pardos eram encarregados do )
com que os povos fogem de ser soldados, como também pela cuidado dos cavalos, carretas, corte de lenha e outros serviços )
-----.- falta de gente capaz, e com possibilidade de se poder sustentar auxiliares. Quando algum branco se apresentava como volun­
)
sem soldo por estar esta capitania reduzida pela maior parte a tário, em geral era incorporado no corpo de Dragões".
suma pobrez<f"". Não admira que, nessas condições, a moral do O principal meio de resistência ao recrutamento forçado, )
soldado fosse tão baixa que o mesmo acabava sendo escarneci­ tanto entre os portugueses quanto entre os espanhóis, era a deser­ )
do até pelos escravos, situação que levou José Rodrigues de ção, gesto que acabava por gerar um circulo vicioso, poiS quanto
)
Oliveira, governador interino de São Paulo a publícar um bando, maior o número de desertores, maior era o número de recrutas
\
em 1738, pelo qual condenava a serviço forçado nas obras da necessários. No Rio de Janeiro a situação era especialmente de­ )

fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande os negros "que licada, pois os seus governadores constantemente deveriam
)"
queiram perder o respeito aos soldados ou qualquer homem mandar homens ao Prata, ao mesmo tempo que não deveriam
branco, ou brigarem uns com os outroS"". descuidar a defesa da capitania, nem comprometer a capacidade )
A resistência ao serviço militar era tão grande que boatos produtiva da economia local. )
sobre o recrutamento perturbavam o quotidiano de vilas e cidades. Tudo indica que a qualidade dos soldados remetidos para
)
Em Agosto de 1704, o governador-geral escreveu ao sargento­ Colónia variou muito de acordo com a política adoptada pelos
-mor da vila do Camumú, na Bahia, para remeter presos a governadores do Rio, já que os que não queriam desfalcar a )
Salvador os viajantes que passaram pela vila espalhando o boato guarnição da cidade remetiam os homens que não fariam falta,
que ele mandara "prender gente para a Nova Colóní<f"". De facto, enquanto os que eram mais cuidadosos em garantir a segurança
)
)
172 173 "
/

)
/
)
)
) do estabelecimento platino tratavam de enviar à Colónia alguns sua guamição. por isso, movido pela urgência. transgredia a lei
) dos melhores soldados da guamição carioca. O governador para melhor servir a Coroa. Ordenou então, em Fevereiro de
'\ António Pais de Sande queixou-se. em 1693. de que a guarnição 1729, que os homens recentemente chegados do Porto sem pas­
J
do Rio "estava reduzida a três companhias de soldados bisonhos. saportes fossem alistados e remetidos para a Colónia do Sacra­
) visto que os melhores e/ementas da tropa eram seguidamente mento".
) retirados e enviados para a Colónia do Sacramento. a fim de Em Maio de 1735, o brigadeiro José da Silva Pais, gover­
preencher os claros que as contfnuas deserções causavam na nador interino do Rio, informava a Coroa sobre a chegada de
) duas embarcações vindas das ilhas Terceira e Faial, nos Açores,
respectiva guamiçãd"".
) Para fazer frente à constante falta de soldados, os gover­ cuja "maior parte da sua carga é de passageiros, gente pedinte e
) nadores do Rio de Janeiro usavam todos os meios possíveis para que querem passar às minas não só a buscar vida senão ainda
, prover ao recrutamento. As constantes chegadas de gente atraída só a pedir esmo/aSS'". Como a maior parte dos que chegavam não
)' possuía passaporte, Silva Pais tratou de impedir a passagem
pelas minas chamaram logo a atenção das autoridades para o
) seu enquadramento no sistema militar. Como vimos anterior­ para Minas Gerais dos que não tinham sido chamados pelos pais
'\ mente, a lei de 20 de Março de 1720 impedia o embarque para o ou parentes ou que tivessem uma forte razão para prosseguir a
Brasil de pessoas sem passaportes. Contudo, ela não conseguiu viagem. Os homens capazes para o serviço foram enviados para
cumprir o seu intento de restringir a emigração dos portugueses, Colónia, para onde o governador já linha mandado vinte e sete no
já que havia um grande desleixo na fiscalização dos navios, decurso de dois meses. Contudo, quando se tratou de enviar um
especialmente no Porto, principal ponto de embarque da região casal com dois filhos, Silva Pais teve de enfrentar o provedor da
) Fazenda Real, que não concordou em pagar as suas passagens,
mais povoada do Reino". Se muitos homens optavam pela emi­

)
gração como uma forma de escapar ao recrutamento militar na como convinha aos que partiam como povoadores.
) metrópole"', nos portos brasileiros, especialmente no Rio, -as-­ Além de passageiros sem passaportes, o recrutamento com­
recrutadores estavam à sua espera. pulsório atingia os homens que de alguma forma perturbavam a
) ordem pública. Em Março de 1726, Vahia Monteiro enviou a Sa­
Antes mesmo de assumir o governo da Colónia do
) Sacramento, quando se encontrava no Rio de Janeiro à espera cramento, como recruta, André de Siqueira, acusado de "inquietar
da saída de uma embarcação que o levasse ao Rio da Prata, uma mulher casada", o qual substituiria um soldado que deveria
)
António Pedro de Vasconcelos entrou em acordo com o gover­ ser remetido ao Rio "para a consolação de seu pa!"". Tal procedi­
nador Aires de Saldanha sobre a melhor maneira de aproveitar o mento tinha como objectivo evitar desfalcar a guarnição de
) grande número de pessoas que continuamente chegavam àque­ Colónia quando os familiares pediam a volta de um soldado ao
le porto em busca de novas oportunidades no Brasil. Ao partir Rio, como voltou a ocorrer em 1728, quando Vahia Monteiro
)
para Sacramento, Vasconcelos levou consigo trinta ilhéus que mandou um recruta para que, em seu lugar, a pedido de seu
) haviam chegado ao Rio sem passaporte e foram constrangidos avô, retomasse à guarnição carioca o soldado José Nunes.
pelo governador a segui-lo". Curiosamente, fora o próprio avô de José Nunes quem pedira ao
)
Parece que a ideia de António Pedro de Vasconcelos tomou­ governador para enviá-lo a Sacramento alguns anos antes, e
) depois, já velho, pedia pelo seu retorno".
-se prática comum a partir de então. Embora a lei obrigasse a

) remeter a Lisboa as pessoas presas por falta de passaportes,


Parece mesmo que, além de local de degredo para os inde­
Luís vahia Monteiro. sucessor do govemador Aires de Saldanha,
sejados pelas autoridades do Rio de Janeiro, Colónia também
)

alegou que a contínua deserção em Colónia quase exlinguiu a


serviu como um local de castigo para pessoas que causavam
)

)
174 175
J
)
"

problemas aos seus familiares, pois além do oaso de José contrabando. Em 1726, o governador Vasconcelos remeteu, no ;

Nunes, temos o requerimento de um pai que pede que seu filho, mesmo navio em que veio do Reino, onde sentou praça, João )
um negro forro, que'''por algumas extravagâncias", seja enviado Francisco Jorge, o qual "vindo com um sócio português a esta­
belecer uma casa de negócio, o seu fim não era ser soldado mais )
para Colónia, de onde Vahia Monteiro pedia a Vasconoelos que
não o deixasse sair. Ali, deveria "ganhar a sua vida trabalhando do que no nome"". Para João Francisco Jorge, o engajamento )
nas obras ou em outros ministérios". no serviço militar seria uma forma de se introduzir no lucrativo )
O recrutamento compulsório também servia oomo uma comércio ilícito com os espanhóis que se desenvolvia em Co­
lónia. )
maneira eficaz de desembaraçar-se de alguma pessoa inconve­
niente. Por provisão real de 30 de Janeiro de 1738, José Inácio )
da Fonseca conseguiu licença de um ano a fim de voltar a ;;
Portugal para resolver negócios pendentes. Queixava-se de que
devido a desavenças com o seu sóoio, este o inscrevera oomo
:;
2.1.2. - O Recrutamento para as Expedições
soldado, o que lhe arruinou o coméroio e o orédito, pois vários de Socorro (1735-1737) )
comeroiantes de Lisboa lhe fiaram grande quantidade de fa­ )
zendas, sendo que só a D. Paulo Jerónimo Mediei devia mais Se a maioria dos militares vinha do Rio de Janeiro e da
de dez mil cruzados·'. Em 1742, Manuel Tavares da Silva, sol­ metrópole, em situações de grande perigo mobilizavam-se todos ')
dado Dragão da guamição de Rio Grande, representou ao os recursos humanos e materiais do Estado do Brasil, como ocor­ )
brigadeiro Silva Pais "que ele suplicante veio potenciosamente reu durante o oerco de 1735-1737, quando foram enviados para.
Sacramento reforços provenientes da Bahia, Pernambuco, Minas .
)
das Minas, por pessoa sua inimiga, que avilosamente maquinou
Gerais e São Paulo. Ern 1735, em resposta aos pedidos de )

destruí-lif'".
Não era raro que algumas pessoas abusassem do poder socorro de António Pedro de Vasconcelos, o governador interino·
)
que lhe fora conferido pelo sistema de ordenanças, a fim de pro­ do Rio de Janeiro, José da Silva Pais, mandou lançar um bando
oeder a vinganças pessoais. Maninho de Mendonça escrevia a para sentar praça a toda pessoa que quisesse participar no
)
Gomes Freire, em 1736, que "os oficiais das milícias nada dese­ socorro à praça sitiada. A fim de oonseguir a rápida adesão de )

jam tanto como estas prisões"". Nos momentos de emergência, voluntários, oferecia o fornecimento imediato de fardas, manti­
)
como durante o oerco espanhol a Colónia, as autoridades per­ mentos e três meses de soldo adiantado a título de ajuda de
diam os poucos escrúpulos que ainda tinham com relação ao custo. Findo o cerco, o voluntário poderia dar baixa após entregar )
recrutamento compulsório e fechavam os olhos às arbitrarie­ o fardamento e as armas, sendo que, se quisesse continuar no )
dades executadas pelos recrutadores. Não é à toa que perso­ serviço, teria a permissão de escolher a companhia do seu agra­
do nas guarnições de Sacramento ou do Rio de Janeiro. Oferecia
)
nalidades que se destaoavam nas comunidades fizessem
questão de obter cargos de comando nas ordenanças. Romero ainda passagem e sustento aos casais que manifestassem o )
Magalhães sintetizou o poder de que estavam investidos com desejo de seguir para Colónia". )
uma frase: "Fazer soldados, poder tremendo! Não os fazer, Todavia, os incentivos ofereoidos pelo govemador sofreram
a oposição do procurador da Coroa e do provedor da Fazenda )
maior ainda"".
Porém, a Colónia do Sacramento não era vista somente Real, que alegaram não haver nenhuma ordem real que permi­ )
como um local de degredo, mas também oomo um promissor tisse semelhante despesa. O impasse foi resolvido por Silva )
campo de trabalho para um jovem que buscasse os lucros do Pais, que ordenou que as suas ordens fossem rigorosamente
\

)
176 177 "
/

)
\
cumpridas". Apesar dos incentivos, o número de voluntários não conseguisse "um alvará de Sua Majestade para dar baixa a um
deve ter sido grande, pois quando o govemador ordenou a con­ caixeiro meu que se acha na Nova Colónia do Sacramento, pois
centração dos efectivos do socorro no largo do Carmo, a fim de é pessoa de quem me fiava e me descansava nos meus negó­
passar mostra às tropas de voluntários, também fez menção na cios, o qual se chama Serafim José Carvalho de OUveira que à
todos os mais que se têm sentado praça involuntários"". falta deste me tem servido de grande prejuízo"". Contudo, não
Numa emergência como esta, não era possível recorrer sabemos se seu pedido foi atendido.
somente ao recrutamento dos indesejados pela sociedade, mas A primeira expedição de socorro, sob o comando do sargen­
) também foi preciso incorporar às expedições de socorro, que se to-mar Tomás Gomes da Silva, deixou o Rio em 15 de Dezembro
) sucederam de 1735 a 1737, elementos activos na economia de 1735. Compunha-se de seis embarcações e levava trezentos
) colonial. Além do comércio, a agricultura e a manufactura foram e sessenta marinheiros, duzentos e cinquenta infantes, quarenta
prejudicadas pelo recrutamento compulsório de uma importante e dois Dragões das tropas de Minas Gerais e trinta e cinco arti­
) parcela da sua mão-de-obra. lheiros. Ao lado dos militares seguiam ainda oitenta e seis pri­
) João Lopes, patrão-mor do porto do Rio de Janeiro, queixa­ sioneiros e vinte e cinco índios", o que sugere que o sistema de
va-se que um moço que se tinha oferecido para trabalhar para recrutamento compulsório aplicado à população masculina do
> ele, fora recrutado à força, "do que poucos tem escapado, e eu Rio foi insuficiente para completar o número de soldados neces­
) não pude ser-lhe bom porque logo, na mesma altura, matricu­ sários, tendo que recorrer-se aos prisioneiros.
"j laram-no". Diante de tal situação, Lopes tentou buscar a ajuda de Na Bahia, o vice-rei, conde das Galveias, tratou de organizar
um destacado comerciante da cidade, João Rodrigues da Silva, a uma expedição de socorro que saiu de Salvador em 31 de
) fim "de o botarmos para fora sem ele dar fiança, para ver se lhe
. Dezembro de 1735. Compunha-se de um destacamento de
) posso dar alguma escápula para alguma parte, mas vejo isto mui duzentos soldados, retirados dos dois-Terços que guarneciam a
) apertado, eu também tinha um moço em casa, e o senhor Gomes cidade, três capitães de infantaria e um de artilharia, três alferes,
Freire de Andrade, mo mandou para a Colónia, sem também seis sargentos e cinquenta artilheiros que seguiram a bordo de
poder ser-lhe bom"". dois navios"'. A escala das tropas da Bahia no Rio trouxe o medo
) Nas situações de emergência, o recrutamento compulsório da deserção e por isso o governador ordenou que todos os ofici­
fazia-se com tal violência que a pessoa presa dificilmente tinha ais e soldados estivessem sempre a postos nos quartéis consi­
)
chance de escapar ou mesmo de organizar os seus negócios gnados, sendo castigados como desertores OS que se ausen­
) antes da partida. Um soldado artilheiro da guarnição do Rio tassem deles. O castigo incluía as pessoas que ajudassem os
) Grande requereu, em 1742, que se lhe desse uma licença de seis desertores, incorrendo em pena de cinco anos de degredo em
meses para voltar ao Rio de Janeiro, onde linha uma loja, pre­ AngOla'·. Porém não havia só o risco de deserções, pois enquan­
) cisando de resolver alguns negócios pendentes que a brevidade to se esperava a partida da frota para Sacramento irromperam
) da sua convocação para o serviço milítar o impediu de fazer"'_ distúrbios entre os reforços vindos da Bahia e a guarnição do Rio
) Embora o recrutamento se fizesse de modo violento e sem de Janeiro, causando um número de baixas não especificado por
mais método do que arrenJar o maior número possível de solda­ Simão Pereira de Sá, entre mortos e encarcerados".
) dos, a influência de uma personagem importante ou mesmo de Em resposta ao pedido de ajuda de Gomes Freire de
) um comerciante destacado podia ser útil a fim de escapar à Andrade, que então acumulava os governos do Rio de Janeiro e
conscrição militar. João Lopes pediu a Francisco Pinheiro, impor­ Minas Gerais, o conde de Sarzedas, govemador de São Paulo,
)
tante comerciante em Lisboa e com boas relações na Corte, que alegou que não tinha como acudir ao governador Vasconcelos,
)
)
178
)
179

uma vez que a sua capitania não contava com tropas nem para o Rio de Janeiro, onde deveria assumir o governo da capi­
equipagem para organizar um socorro por terra numa distância tania". O brigadeiro José da Silva Pais, governador interino do
tão grande como a que havia entre São Paulo e Colónia. Também Rio desde 12 de Março de 1735, fora encarregado de armar
jUlgava difícil reunir os paulistas sem lhes oferecer grandes van­ alguns navios leves para se juntarem aos reforços que em breve
tagens, uma vez que a maioria deles se encontrava dispersa chegariam de Lisboa, devendo incorporar-se à expedição de
pelas minas, sendo que os poucos que conseguira reunir haviam socorro para comandar as operações terrestres contra os espan­
sido enviados ao Mato Grosso para atacar os índios paiaguás, hóis".
que dificultavam o acesso às minas de Cuiabá. Informava ainda Apesar do novo ânimo que a notícia da vinda de reforços de
que a guarnição de Santos não passava de duzentos e oitenta Lisboa deu à população carioca, Silva Pais não deixou de encon­
homens carentes das munições necessárias e que também lhe trar dificuldades em recrutar marinheiros para equipar a frota. Por
era difícil contribuir com farinha para os socorros, porque havia isso lançou um bando, pelo qual ordenava que todo o homem que
falta dela em toda a capitania"".
Contudo, Sarzedas conseguiu convencer Crístóvão Pereira
houvesse
embarcação,
,
sido marinheiro, ou sendo-o e não servindo em outra
sentasse praça imediatamente sob pena de ter de
de Abreu a partir em socorro a Colónia. Abreu reuniu 170 homens trabalhar seis meses acorrentado nas obras de fortificação, aos
que sustentou à sua custa com a promessa do saque livre nas quais se seguiriam dois anos de degredo em Angola. A mesma \
terras espanholas" e, apesar deste pequeno destacamento não pena seria imposta às pessoas que os ocultassem ou não os
poder fazer frente aos espanhóis, o mesmo contribuiu para a denunciassem". )
manutanção de Colónia através de remessas de carne bovina e O recrutamento forçado trazia diversos problemas de entre )
peixes". Também contribuiria aquando da construção de uma for­ os quais o principal era a dificuldade em manter a disciplina entre
)
taleza da barra do Rio Grande de São Pedro, coordenada pelo homens sem treino militar. Mal desembarcado o destacamento da

brigadeiro José da Silva Pais, em 1737. Bahia em Colónia ·começaram os soldados com distúrbios, e )

A notícia de que a Coroa espanhOla preparava duas naus desgostos a inquietar a praça. Mostravam que da guerra não ti­
)
com reforços para D. Miguel de Salcedo, fez D. João V ordenar a nham experiéncia, [e ainda] menos sofrimento para os trabalhos
de um srtio rigoroso, Sabiam melhor contender com os domésti­ )
ida de novos reforços para Colónia"'. A 25 de Março de 1736,
zarpavam de Lisboa duas naus de 60 peças e uma fragata de 54, cos, que disputar com os estranho$''". A exemplo do que ocorria
sob o comando do coronel Luís de Abreu Prego que, com o pre­ em Sacramento, os Dragões que haviam chegado de reforço da
)
texto de acompanhar a frota mercante do Rio de Janeiro, desti­ Espanha ameaçavam rebelar-se em Montevidéu contra a falta de
navam-se a reforçar a presença naval de Portugal no Rio da pagamento, além de constantemente entrar em atrito com a po­
Prata. Seguia com o coronel Prego o mestre de campo André pulação". :>
Ribeiro Coutinho, considerado um dos mais brilhantes oficiais Somando-se ao esforço de guerra, em 20 de Maio de 1736,
)
portugueses, com larga experiência no Estado da índia. D. João Sarzedas publicou um bando pelo qual prometia honrarias e
dava preferência à tomada de Montevidéu, mas também ordena­ concedia saque livre de gado, ouro, prata e o que mais fosse )
va a fortificação da margem sul da barra do Rio Grande".. tomado ao inimigo aos homens que se alistassem no socorro )
Na altura das ilhas Canárias, os navios de guerra adian­ que enviava por terra a Colónia. A todos que se recusassem ao
alistamento ou se escondessem dos recrutadores, ameaçava )
taram-se aos navios mercantes da frota e seguiram para o Rio de
Janeiro, para onde a Coroa já havia mandado um navio com com os castigos destinados aos rebeldes e desertores. Às )
ordem para que o governador Gomes Freire de Andrade seguisse famílias que se dispusessem a ir povoar o Rio Grande do Sul, )
)
180 181 ,
;

)
/

)
)
) prometia a concessão de sesmarias além dos privilégios e O imenso esforço de guerra já começa a preocupar as autori­
) isenções que se davam aos povoadores"'. dades coloniais. Embora o vice-rei escrevesse à corte que não
Embora o governador de Pemambuco prometesse a Silva os meios necessários para socorrer Colónia, uma vez que
)
Pais remeter ao Rio de Janeiro duzentos homens"", não cumpriu lhe faltavam munições, armas e mesmo dinheiro para pagar os
) a promessa, sendo severamente repreendido pelo secretário de terços da guarnição de Salvador, além de alegar que não encon­
\
.' Estado por agir com frouxidão na organização do socorro que a trara no porto nenhum navio capaz que se pudesse armar para
capitania devia para Colónia. Além da demora no apresto, a Co­ transportar os reforços a Sacramento", conseguiu mandar novo
)
roa estranhou a ordem de suspensão dada pelo governador à socorro em 3 de Dezembro de 1736. Composto de cem soldados
) organização da expedição de socorro, assim que recebeu a noU­ retirados dos terços da guamição, cinquenta artilheiros, dois capi­
cia de que os espanhóis levantaram o cerco depois da chegada tães e um alferes, este segundo socorro chegou quando os espa­
dos reforços enviados pelo Rio de Janeiro. Deveria, pois, remeter nhóis já haviam levantado o cerco, sendo, portando, enviado para
)
com urgência para o Rio um destacamento dos melhores homens reforçar o novo estabelecimento criado no Rio Grande de São
) das guarnições pernambucanas e proceder ao recrutamento para Pedrd". Em janeiro do ano seguinte, o vice-rei, conde das Galveas,
) substituir os que partiam para o sul. O governador ficava advertido queixou-se a Martinho de Mendonça de que para acudir Sacra­
que "em tudo o mais que se lhe pedir para ajuda da conservação mento ''será necessário destruir todas as praças da América dos
) ou restauração dos domínios daquelas partes ponha vossa se­ meios de se poderem defender porque em todas vai faltando o
nhoria a maior diligência e cuidado porque de toda negl/glfíncia dinheiro, a gente e os mantimentos""".
que houver neste particular se dará Sua Majestade por muito mal O recrutamento forçadO já começava a ameaçar a economia
servid(j" ". das áreas onde era praticado com maior intensidade. Em Março
) Antecipando a situação de emergência, intensificava-se.o de 1737, Maninho de Mendonça escrevia a Gomes Freire sobre
) recrutamento forçado. Em Outubro, o governador interino de a falta de oficiais nas forças de Minas Gerais, constantemente
Minas Gerais, Martinho de Mendonça, escrevia a Gomes Freire sangradas em beneffcio da Colónia do Sacramento. Dos últimos
) sobre "os inconvenientes de prender gente para recrutas, come­ homens que enviara ao Rio de Janeiro, para dali seguirem rumo
) tendo as prisões e a facilidade com que desertam, de que aqui há ao Prata, tecia um comentário pouco lisonjeiro, já que se
) bastantes exemplos, andando já nas Minas alguns dos que Vos­ tratavam de "novatos, e eram o último refugo de todos os desta­
sa ExcellJncla mandou por castigo para a Colónia, por esta razão camentos"'''. Em Maio, o mesmo queixava-se de que "nas vilas
) não entro a preparar recrutas sem ordem de Vossa Excelência, do caminho velho se prende para a Colónia não só os vadios e
que executarei com o primeiro avisd"". Em Novembro, Mendonça moradores, mas os homens do caminho que vão buscar car­
ainda não havia recebido ordens de organizar uma nova leva de regações ou vêm com etas". Preocupava-o, então, que o abuso
)
soldados em Minas Gerais, pois Gomes Freire havia reconhecido no recrutamento compulsório, praticado nos caminhos que liga­
") "a pouca utilidade das recrutaSJ', e a vexação que causam pelas vam ao litoral, poder-se-ia gerar uma crise no abastecimento de
) paixões dos executores (do recrutamentor. Contudo, apesar Minas Gerais"".
disso, continuava-se a pensar no serviço militar como uma Alguns dias depois, voltava a escrever a Gomes Freire,
) maneira eficaz de livrar a sociedade dos elementos indesejáveis, dizendo-lhe: "verei se acho recrutas para os Dragões e se não
) pois o governador interino afirmava que "sempre remeterei os achar, alistarei alguns por força, {por] que as cousas do Rio
) alguns recrutas que seNirão mais para limpar esta capitania que Grande têm metido tal horror que os não haverá por outro
para socorrer a outfá"". modo""". Em Junho, informava que ordenara o recomeço do
)
)

182
183
)
)
)
)
recrutamento. Contudo, então, "não dei maior pressa alistando­ )
hospital, e tanto que vossa senhoria tiver alistado número
os por torça, esperando com algum tempo achá-los voluntários, suficiente os mandará transportar ao Rio Grande em algu­ )
evitando assim os discursos quiméricos que se haviam de for­ ma embarcação, ou embarcações que vossa senhoria
lhe parecer, e a brevidade desta díligência hei por muito
)
maro'''. No mês seguinte, queixava-se de que "no ano passado
tinha tropas, tinha oficiais, hoje falta tudo, os novos recrutas são recomendada a vossa senhoria por importar muito ao )
paisanos com vestido uniforme [e] os cabos de esquadra, taltam serviço de Sua Majestade e conservação daquele esta­ )
os mais capazes!05". belecimento"'''.
O armistício de 1737 parece ter salvo o governo colonial de )
um colapso no seu sistema defensivo. Porém, até à assinatura de A partir desse momento, a capitania de São Paulo passou a )
um novo tratado que delimitasse precisamente a fronteira meri­ ser a principal responsável em sustentar com homens e alimen­ )
dional, a situação continuaria tensa no Rio da Prata. Por sua vez, tos a defesa da fronteira meridional"', já que, além das capitanias
a fortificação erigida no Rio Grande de São Pedro continuava a brasileiras envolvidas no asforço de guerra, Portugal também
)
exigir mais homens, armamentos e mantimentos para a sua manu­ encontrava dificuldades em garantir a segurança do novo povoa­ )

tenção. Como as capitanias do Rio de Janeiro, Minas Gerais e do. Na verdade, ao desgaste causado na metrópole para so­
)
Bahia foram as que mais contribuíram para o esforço de guerra, correr Colónia entre 1735 e 1737, seguiu-se uma crise na índia
encontravam-se então esgotadas de recursos para continuar a portuguesa, onde, entra 1737 a 1740, os maratas conquistaram ')
enviar reforços para o sul. Baçaim e a fértil província do norte. A situação crítica no Oriente )
A morte do conde de Sarzedas, em 1737, quando viajava obrigou a Coroa a continuar o esforço de guerra na forma de
para Goiás a fim de organizar o combate contra os índios pai­ constantes envios de homens, armamentos e dinheiro, tornando
)
gauás que dificultavam o acesso ao Mato Grosso, colocou a ca­ impossível socorrer Sacramento e Rio Grande caso estourasse )
pitania de São Paulo sob o governo interino de Gomes Freire de . um novo conflito com os espanhóis. Por sua vez, a "Guerra da )
Andrade'''. Aproveitando-se dessa situação, Gomes Freire não Orelha de Jenkins 1OW', entrá' a Irfglaterr,;i' e a Espanha contribuiu
perdeu tempo em inserir os paulistas no esforço de guerra. Em para aproximar as Coroas ibéricas, possibilitando a abertura das )
Abril de 1738, escreveu ao governador de Santos dizendo-lhe negociações que levaram à assinatura do Tratado de Madrid em )
que: 1750, no qual Portugal e Espanha procuraram regularizar as suas )
fronteiras coloniais"o.
"Do estabelecimento do Rio Grande se me pede com
grande instância recrutamento de gente; a capitania do J
Rio de Janeiro, e esta [de MG] têm dado para Colónia, e
)
para o dito estabelecimento mais gente do que eu espe­ 2_1.3. - Os Oficiais
rava no princípio desta guerra; e só a capitania de São )
Paulo tem sido a mais aliviada, e como agora se não pode Enquanto muitos dos soldados vinham do Rio de Janeiro ou )
dispensar de acudir a esta necessidade vossa senhoria eram recrutados em Colónia entre os./ilhos·dos casais que vier­
mandará logo fazer nas partes que entender mais conve­ am povoá-Ia em 1718, a maioria dos oficiais vinha da metrópole. )
nientes o maior número de recrutas que puder declaran­ Na sua relação do sítio de 1735-1737, Silvestre Ferreira da Silva )
do-lhes que vão servir a el Rei os soldados de cavalo, e relacionou o nome e a naturalidade dos oficiais envolvidos na )
que hão de ter soldo por dia um tostão livre de farda, e defesa de Colónia. Dos quinze capitães, doze eram reinóis e
)
)
184 185
)
)
\
.\
)
) somente dois tinham nascido na América portuguesa: os capitães vagarem", Aconselhava também que se garantisse aos militares
) de infantaria João de Abreu e Teodósio Gonçalves Negrão, Silva que retomassem ao Reino um lugar nos postos vagos, "porque
não citou a naturalidade do capitão de auxiliares João da Costa todas estas esperanças os fariam ir; e seNir de melhor vontade",
) Para não alertar os espanhóis sobre o aumento das forças
Quintão. Por sua vez, todos os alferes, sargentos e o tenente de
) mestre de campo que foram relacionados também eram prove­ portuguesas no Prata, propunha que se deveria dar como pre­
) nientes do Reino"', Na cavalaria, arma que necessitava de um texto à nomeação dos novos oficiais o aumento das companhias
bom conhecimento de equitação, a maioria dos efectivos também de Dragões de Minas Gerais e, "nesta ocasião mais que em
) era constituído pelos reinóis" • 2 nenhuma outra se devem procurar pessoas destemidas e conhe­
) Um importante documento que nos possibilita analisar como cidamente valorosas", Sugeria, então, para o posto de tenente·
) se fazia o recrutamento dos oficiais no Reino é a resposta da con­ -eoronel o capitão José de Moraes Cabral, que se destacou na
sulta feita pelo cardeal da Mota'" sobre a formação de um corpo guerra de Sucessão Espanhola e na repressão da revolta de
) de Dragões na Colónia do Sacramento ao conde de Assumar, 1720, em Minas Gerais, na qual impediU a sublevação da comar­
) então Mestre de Campo General da Cavalaria do Alentejo"4. Se, ca do rio das Velhas, Ao capitão Manuel de Barros Guedes, que
dadas as condições do território, muito mais propíCio ao uso da também se distinguiu na repressão da mesma revolta, sugeria o
'\
.' posto de sargento-mor, Mas, se numa carta anterior sugerira que
cavalaria que ao da infantaria, havia grandes facilidades em man-
J ter um regimento de Dragões em Colónia, não era nada fácil o cargo de coronel fosse dado ao tenente-general João Ferreira
recrutax,hom.Elns capazesPélra,stlprir_()spost()s.qll~~ecriarÍlim, ... , Tavares, mudara de opinião, já que, podendO "dar-se o caso de
J que este oficial por algum acidenta poderia ficar govemando na
como Assumar ressaltava ao Cardeal da Mota:
) Colónia; acho que na conjuntura presenta, e na situação daque­
) "A maior dificuldade que hoje se encontra para propor
la praça não ser tão a propósito, por ter um génio ardente, e
a Sua Majestade oficiais capazes para o irem seNir fora
ainda que o suponho mais moderado, não se deve pôr no risco
)
do Reino, são os grandes embaraços em que todos eles de que por falta de moderação possa pôr nunca a dita praça em
) se acham, uns pela miséria a que estão reduzidos, ou­ alguma conting{}ncia",
) tros, ou quase todos, por serem casados e carregados de Por essa razão julgava melhor indicar o capitão Diogo Osório
filhos, sem terem com que deixar a subsistência às suas cardoso, que então servia no regimento de Dragões do Alentejo,
)
{ammas, e por se considerarem desterrados de suas casas "por ser um oficial que tem tanto de maduro e de prudente como
) por toda a vida, e por isso fogem de um seNiço que os de valoroso, com entendimento e capacidade, que serviu toda a
.\ reduz a uma espécie de cativeiro'''", guerra com distinção". Embora anteriormente Diogo Osório
Cardoso devesse comandar, com a patente de tenente coronel, a
) expedição que viria fundar Montevidéu, O, João V mudou de ideia
Para diminuir a sensação de degredo perpétuo que dava o
\
/ serviço militar no além-mar, Assumar propunha que se limitasse e nomeou para o referido posto um dos coronéis do Rio de
)
o tempo de serviço conforme a graduação e a idade do militar em Janeiro. A desventura de ficar em Lisboa esperando pela partida
questão, Aos mais jovens dos postos inferiores, propunha um
que não aoonteceu, somou-se não se lhe ter passado a patente
) de sargento-mor em 1714, por achar-se que merecia a de tenen­
serviço de sete ou oito anos e aos mais graduados e de idade

\ mais avançada, de cinco a seis anos, pois pensava que assim


te-coronel e, devido à indecisão da Coroa, ficou muito tempo sem
.'
"irão todos mais gostosos, e se conseguirá que muitos se deixem receber promoção alguma e por isso achava-se "sumariamente
)
ficar voluntariamente se os forem promovendo aos postos que descontente, e desgostoso por ver adiantados dois capitães da
)
)
186 187
)
)
,
)

! ')

sua mesma antiguidade no posto de tenentes coronéis". O conde conseguir-lhe novos oficiais de artilharia, situação a que a fidal· )
de Assumar ressaltava as qualidades de Diogo Osório, dizendo guia jamais se submeteria. )
que: De facto, quando se intensificaram as pressões do novo go­
vernador de Buenos Aires para que os portugueses se man­ )
"Este oficial tem de mais a circunstância de ser tivessem no limite do alcance do tiro de canhão, Vasconcelos, )
solteiro, inteligente do serviço, e hoje com prática de prevendo o pior, escreveu ao rei pedindo-lhe novos artilheiros, )
Dragões; é abastado de bem, e serve só por brio e honra, pois os vinte e um com quem contava "são incapazes por velhos
e por inclinação; sei de certo que o seu desgosto o tará ir e estropiados; e o mesmo sucede aos seus oficiais". Reforçava )
servir à Sua Majestade aonde o mandar nomeando-o então à Coroa o pedido que fizera ao vice-rei pàra que lhe man­ )
coronel, e que irá muito gostoso se juntamente fôr Sua dasse seis oficiais e cinquenta soldados de artilharia. Pedia a D. \
Majestade servido nomear juntamente para ir com ele a João V que ordenasse ao vice-rei o recrutamento compulsório de /

dois sobrinhos seus que têm praça neste Regimento um Diogo Pais, que servira anteriormente em Colónia como ajudante )
deles chamado Tomás Luís Osório para capitão, o outro de artilharia e que, após casar-se em Salvador, abandonara o )
José António Cardoso para tenente; ambos são filhos do serviço militar. Embora recomendasse o emprego da força, Vas­
)
capitão-mar do Cartaxo, Francisco de Fonseca Osório, concelos aconselhava que se lhe desse, ou prometesse, a patente
pessoas nobres e que têm o foro, ambos aplicados e de capitão, a fim de que Diogo Pais fosse para Sacramento "com )
assistentes no serviço, sabendo o exercício de Dragões mais gosto11Sf'. )
admiravelmente e com grande desembaraço""".
)
O~-documento ~~ainda-faz -referência-~a~ vários-militares que )
poderiam ocupar os cargos de capitão, tenente e ajudante, desta­ )
cando como suas principais-qualidades a ~prática do exercícíoda
cavalaria e o facto de serem solteiros, o que desobrigaria a Coroa )
de garantir o sustento das suas famílias. E de se ressaltar que, NOTAS )
embora fosse considerada importante, durante o Antigo Regime,
'António Camões Gouveia e Nuno G. Monteiro, "A Milícia", ln José Matto$O (dir,), )
a autoridade dos oficiais não estava directamente lígada à experi­ História de Portugal, vaI. 4, p, 199.
ência militar, mas sim à fidalguia ou à riqueza. Os fidalgos sem­ :t Fernando Dores Costa. "Os problemas do recrutam&nto militar no fina! do século XVIII
)
pre se referiam a si próprios como voluntários, já que a nobreza e as questões da construção do Estado eda naçãd, in Análise Social, vaI, XXX (130), p, 121,
;) Graça Safgado (coord.), "'scais e MeIrinhos, p. 111.
)
reagia contra qualquer sinal de obrigação"', como vemos no caso Fernando Doros Costa, ~Condiclonantes sociais das práticas de recrutamento mlliLar
4
"
de Diogo Osório Cardoso, que fez questão de salientar que servia (1640-1820)", Separata das Actas do VII Colóquio "O Recrutamento Militar em Portugal", .>
p, 13~
)
somente por "brio e honra'.
~ Fernando Dores Costa. "O bom uso das paixões: caminhos militaras na mudança do
Mas, se a nobreza predominava no oficialato da infantaria e, modo de governar', ln Revista Analise Social, vol. xxxm, (149), p. 972, )
sobretudo, da cavalaria, a carreira na artilharia estava aberta tam­ ~ Fernando Dores Costa, "Os prOblemas do recrutamento milhar",", op. Gil., p. 130,

bém à classe média, já que, mais do que um bom nascimento, 1 Fernando Dores Costa, "Condicionantes sociais.".'~, op. cit,. p. 15.
)
8 Fernando Dores Costa, ~Os problemas do recrutamentc militar,...., op, clt., p, 126,

essa arma requeria especialização no serviço"'. Essa particulari­ ~ Com a ascensão dos Bourbons, procurou~se adaptar o exérolto espanhol ao modeio )
dade permitiu ao govemador António Pedro de Vasconcelos pedir francês. Sob a pressão das necessidades sU(j;Jidas em consequõncla da Guerra de Sucessão
Espanhola, a lei de 8 de Novembro de 1104 irnpôs um recrutamento selectivo: de cada cem )
que a Coroa se utilizasse do recrutamento compulsório a fim de homens, em determinada lOCalidade, recrutava-se um soldado qUe deveria ser SOllúiro e estar
)
)
188 189
)
)
)
)

)
)
a
na faixa dos 1 a 3<) anos. Depois de três anos de serviço, era desmobilizado e na sue lo­ li' Gomes Barbosa ao rei, 15 de Dezembro de 1718. in AHU, Colónia do Sacramento,
) calidade de origem solteava-se o sou substituto. Contudo. á influência social e a corrupção cx. 1, doc. 40.
faziam recair o recrutamento compulsório sabre as camadas mais desprotegidas da popuw 38 Consulta do Conselho Ultramarino de 14 de Abríl de 1722, ln IHGB, Arq, 1.1.21.
) lação, como os pobres, mendigos e criminosos. Cf. John Lvnch, La Espana dei Siglo XVW. fis. 78~a1 v.
) pp.113·114. :II José de Mlrales, "Historia MUltar do Brasil". in ABNRJ, vOI. XX!!, p. 95.
10 Graça Salgado (ceDro.), Gp. Cii., pp. 97-<98.
4iI Martinho de Mendonça foi um dos mais destacados representantes do Iluminismo

) " Nanc! Leónt:o, "Instituições Militares". ln Joe:l Serrão e A, H. OliveIra Marques. H/sfc).,
em Portugal. Na sua prolífica carreira contam~sa estudos de Filosofia em Coimbra, viagens
ria da Expanslo Ponuguesa, vol. VIII, p. 326. pela Europa centrai, participação na batelha de Belgrado contra OS turnos, aulas ao Infante
) U C. R. Boxer, O Império Colonial Português (1415~1825h p. 298, D. Manuel em Haja e a' organização da Biblioteca Real e da Academia Rea! da História
'" Emflia Vlatti da Costa, «Primeiros Povoadores do Brasil: O Problema dos Degre-­ Portuguesa. Antes de passar a Minas Gerais a fim de examinar a mudança da forma de
) dados", ln Revista de História, vol. XIII. n~ 27, pp. 3-23. arrecadação dos quintos, havia asSistido I) embaixador português em Madrid sobre questões
,.. C, R. Boxer, A Mulher na Expan$Clo Ultramarina Ibérir.8. p. 33. de limites do Brasil, o que lhe deu uma boa capacidade de análise sobre a actuação dos pOYw
) !S TImothy J. Coatos. Degradados c órms, p. 187, tugueses na campanha pela defesa de Colónia, como podemos observar nas suas cartas
10, paurtl Alden, Royal Govemment rn Colonial BrazJ/, p. 70. nota 32. para Gomes Freire, Chegou aO Brasil em Janeiro de 1734, quando o governador dê Minas
) 11 Rego Monteiro publicou a ~elação dO$ degredados. os quais seriam: Manoel da Gerals era o conde das Gaiveas. No ano segul~, o conde dlrlgiUw$é à Bah'la, ondA rocebeu
Fonseca, FrancisCo Antunes, Pedro Martins, Manoel da Sllva, Paulo de tal (sic), Ant6nto Vaz. o título de vice-rei, enquanto o governador do Rio de Janeiro, Gomes Freire de Andrade,
) Francisco COrf!~a:, Mancel Rodrigues Faria, Manoel Alvares, Matheus Alvares, Domingos assumIu O govémo de Minas. A 11m de organizar a defesa da Co!6mél do Sacramente trente
Gomes, Francisco Luiz de aorba. Msnoel Marques, Francisco da Costa, AntónIO de Jesus. Cf, ao ataque espanhol, Gomés Freira voltou ao Rio. delxando em seu lugar Martinho de
\
/ Jonathas da CQsta Rego Monteiro, A Colóníà do Sacramento (1680-1777), voL 2. p. 54.
Mendonça como govemador intertoo em Vila Rica. Ct Rómulo de Carvalho, "Apontamentos
l i VÍValdo Coaracy, O Rio de JeJnliJfro no Século 17, p, 201.
$Obre Martinho de Mendonça de Pina e de Proença t1693·1743)~. Separata da Revista
) ,~ Corcrno Medeiros dos Santos, Relàç(ies Comerciais do Rio de Janeiro com Lisboa. Ocidente, vof. LXV.
4' Martinho de Mendonça a Gomes Freire, 26 de Março de 1737. in RAPM, voL II, p. 402.

) p.137.
"" Lei de 20 de Março de 1720, in ANRJ, c6d, 60, voUB, tis. 224v.~226. 'IlIGomes Freire a Martinho de Mendonça, 30 de Maro de 1736, ln RAPM, vaI. II, p. 240.

) ~ l1mothy J. Coates, op, cif•• pp. 143~144. 4Q Vahia Monteiro a Vasconcelos. 29 de Agosto de 1732, ln ANRJ, cód. 83, VQj. 4, fi. 104v.

2Z Consulta do Conselho Ultramarino de 6 de Março de 1722, ln IHGB. Arq. 1.1.21, .. Laura dê Mallo e Souza. op. cit., p, 83.

.w laura de MeHo e Souza, cp. cit.. p, 111.

) tis. 67-B7v.
&e C. R. Boxet. A Idade de Ouro do Brasil, pp. 16&-164.

n Dauril Alden, op. cit.. p. 70, n. 32,


) N Bando do governador- Aires Saldanlla, 16 de Novembro de 1724, ln ANRJ, cód, 60, 4? Requerimento de Manuel Ferré1r-a de Sande, ln AHU, Colónkt 00 $acramenm, ex_ 3,

vol. 14, fls, 84v.-S5. doe. 260.


) ~ Timothy J. Coates, op. cJf., p, 120. "<I OHeio do govemo Interino para Fmncisco Xavier de Mendonça Furtado, 22 de Julho

UI Timothy J. Coates, op, cit, p. 156, de 1782, ln ABNR, vaI. 31 • p. 503.


) 'V Laura dê Mollo e Souza, Desclassificados da Ouro, p. 59. 4(l Maria Fernanda Batista Slcalho, A Cidade e o império, pp, 210 a 233.

""l1mothy J. Coales, cp. Gil., p. 287. MOndo do govemo intel'lno para Francisco Xavier de Mendonça. 25 de Dezembro de
,) z,) Jonathas da Costa Rego rvtonteiro, op_ cit' j vol I, p. 42. 1761. in ABNRJ, vai. 31, p.469.
1C A prática do buscar nas matas refúgio contra o recrutamento compuIs6rio continuou '" Morgado de Mateus ao Conde da Cunha, 10 de Novembro de 1765, ín DI, vel. LXXII,
) a sef comum durante bastBntetempO, Em 1722. o governador do Rio de Janeiro informou que p.113.
não tinha homens disponíveis para enviar a Col6nia ore caso que os l]oU\le$Sé, estes mais ~ Bando do governador de Santos, 13 de Setembro de 1738, in DI, valo XXII, p, 124.
')
facifmente desertam fugindo pefo mato, como tinhS. mostrã® a experiência.... Ci. Consufta do S.'! Rodrlgo da Costa ao sargento--mor da vila do Camamú, 14 de Agosto de 1704, ln DH,
Conselho Ultr'amarino de 17 de Março de 1722, ln IHGB, Arq, 1,1,21, tis. 75V,-76. vai, XL, p. 171­
) 31 Vivaldo Coaracy, op. cJt" p, 191.
$o< Enrique Peregalli, O Recrutamento Militar no Brasl1 Colonial, p. 22.

"" Regimento de D, Manuel Lobo, in Jona1has da CoSia Rego Mcnteiro, op. cit., voL 2, p. 7.
$$ RIcardo Rodriguez, Historia Soci8J dei Gaúcho, p. 109.
) "" Das quatro companhias que lormavam ti: guarnição de Sacramento no tempo de M Ricardo Rodriguez. Historia Social dei Gaúcho, p. 114.

D, Manuel Lobo. uma fora recrutada na melrópole, enquanto as outras foram formadas no ~. José Tortes Revelio, C(ÓíJlcas dei Buenos Aires Colonial, pp. 27-28.
')
BrasU. Ct Luis Ferrand de Almeida, A COlónía do Sacramento na. Epoca da Sucessão de sr. Vlvaldo Coaracy, op. cil.. p, 215.
59 A. J. R. RusseU-Wood. "A Emigração: Fluxos e Destinos", rn Bethencourt e Chaudhurl,
) Espanha, p. 51.
,.. O. Manuel Lobo ao príncipe (egente, 21 de Setembro de 1680, ln Jonathas da Costa HistÓria da Expansão Portuguesa, vol. 3, p. 164.
) Rego Monteiro, op. clt., vol. 2, p. 33. 00 A J, R. RusseU-Wood, OJ), cil., p. 158.

~ D. Pedro II ao governador Sebastião da Veiga Cabral, 22 de Outubro de 1699, in Luís ., 'kIsconcelosao 1Oi, 25 de Setembro de 1722, in AHU, Colónia do Sacmmento. ex. 1, doe. 76.
) F. de Almeida, A Diplomacia Portuguesa e as Limites Meridionais do Brasil, p, 560. m! Portaria do governador Luís Vatlia Menteiro, 2 de Fevereíro de 1729, tn ANRJ, coo.

»I Gomes Barbosa ao marquês de Angeja. 12 de Abril dê 1718, in Jonathas da Costa 60, vai. 17, fi, 17v" Seriam mafs de setenta os homens alistados nessa ocasião. Ct. Carta de
) Rego Monteiro, op. cit.. vol. 2, p, 67. Vahfa Montéíro a: vasconcelos, 4 de Fevereiro de 1729, inANRJ, cód. 87, voL 3, fI. 182.

)
191
190
)

rJ
)
{VI José da Silva Pars ao rei, 12 de Maio dê 1735, in RIHGRS. n"s 109 a 112., pp. 84-85, ""Refore-se aqui ao recrutamen10 e não aos recrutas,
)
... Vahia Monteiro a Vasconcelos, 8 de Março de 1726, m ANRJ, c6d. 87, voto 3. fI. 27v. '" Martinho de Mendonça a Gomes Frelrl:i1, 23 de Novembro de 1736, ln RAPM, voL II,
li6 Vahia Monteiro a Vasconcelos, 16 de Abril de 1728, in ANRJ. cód. 87, vaI. 3, 'fia. pp. 383-384.
)
135~135v. lf>Consu!ta do Conselho Ultramarino de 15 de Junho cW 1736, in DH, vo!. XCI, pp. 5S~61. )
lilI Vahia Monteiro a Vasconcelos, 4 de Fevereiro do 1729. ln ANRJ, cód. 87, vaI. 3. fI. W José de Mira!es, op. cit., p. 172.

100 Conde das Oalveas a Maninho de Mendonça, 10 de Janeiro de 1737, in RAPM,


182v.
vo!. II, p. 217.
)
~7 Provisão rsal e despacho de licença do cabo José Imíclo da Fonseca. 10 de Dezem·
bro de 1742, in AAHRS, voL 1, pp. 190·191. ,t>I Martinho de Mendonça a Gomes rrelre, 26 de Março de 1737, 1n RAPM, voto II, p. 402. )
M Requerimento quemz MenuelTavares, 18 de Julho de 1742, in AAHRS. vol. I. p. 178. 'IR Maninho de Mendonça a Gomes Freire, 22 de Maio de 1737, in RAPM. vol. II, p. 429.
M Manínho de Mendonça a Gomes Freire, 28 de Outubro de 1736, in AAPM, voL II. 1ft! Martinho de Mendonça a Gomes Freire, 28 de Maio de 1737, in RAPM, vol. II, p. 431. )
p.374. '04 Maninho de Mentlonça a Gomes Fre1te, 27 de Junho de 1737, ln RAPM, vaI. fi, p. 442.

NI Citado em Fernando DOres Coma, ·Os problemas do recruiamento milltar.. ," op. cit., 'r.r$ Martinho de Mendonça a Gomes Freire, 6 de Julho de 1737, ín RAPM, vol. II. p. 446. ')
p.121. '00 Odair Rodrigues Alves, Homens que Govemaram São paulo, pp. 21-22.

VI Vasconcelos ao rei, 9 de Junho de 1727, ln AHU, Cok5nia. do Sacramanro, cx. 2, doe. 181. .'" Gomes Freire ao governador de Santos, 24 de Abril de 1738, ln Revista do Arqwvo )
72 Bando do governador Silva Pais, 19 de Novembro da 173~, ANRJ, c6d. 60, voL 19, Municipal, vol, LXXX, pp. 16&167.
11. 181. 101! Sobro o importante paplil1 de São Paulo, a partlr da segunda metade do século XV!!I, )
n Portaria do govemadot Silva Pais, 22 de Novembro de 1735, ANRJ, cód. 60, vaI. 19, nas guerras do sul, consultar Enrique Peregalli, Aecrut8mento Mflltar no Brasil Colonial.
fls.187·188. '0' O desenCadeamen10 do conflito entre a Inglaterra e a Espanha esteve prjncip<-"ll~ )
,. Bando do governador Silva Pals, a de Dezembro de 1735,ANRJ, oód. 60, v. 19, fi. 194v. mente ligado ao interesse dos ingleses de participar directamente do comêrclo com a r .)
,>I- Jo.ão Lopes a Francisco Pinheiro, 20 de Junho de 1735, in Luís Lisantl (org.). Na· Amerlca espanhola. As queixas qua os comerciantes ingleses apresentaram no Parlamento
gócJO$ Coloniais: Uma CorrespondftncüJ do Século, XVIII, wL 3, p. 550. contra as vfolênclas praticadas pelos navios guarda-costa espanhóis às trtpulaçôss dos ,
,n Requerimento. de Frutuoso José Braga, 16 de Julho de 1742, in AAHRS. wL I, p. 175. na.vios britânicos serviram de desculpa para a declaração de guerra, feita em 1739. Entre ..J
"/7 João Lopes a Francisco Pinheiro., 21 de Julho de 1741, ln Lufs Usanti (org.), op. cit., os queixosos que se apresentaram ao Parlamento estava o capitão Robert Jenkins, Que
tivera o seu navio apresado pelOs espanhÓis, em 1731, em cuja ocasião tivera sua orelha
)
p.686.
,." Simão. Pereira de Sã, Hist6ria Topográfica G' Bélica da Nova Co(ónia do sacramento cortada. Para dar mais veracidade à sua narrativa, apresentou aos parlamentares uma gar­
)
do Rio da Prata, p. a7. rara onde conservara sua orelha, situação que deu origem ao nome dado ao confiito. Ct
l'Il José de Mirales, op. cil., p. 172. Olga Pantaleão, A Pftnetra~o Comercial da Inglaterra na América Espanhola de 1713 a )
ll4 Bando do governador Silva Pais, 10 de Janeiro de 1736, ln ANRJ, cód. 60, vaI, 19, 1783, pp, 247·254.
trs.199-199v, me. A., Boxer, A Idade de Ouro do Bràsil, pp. 304·305. )
"' Simão Pereira da Sâ, op. cit., p. 94. ", Silva não especificou a regfão de origem de todos 0$ oficla!s, limitando-se, na maia­
0'2 Sarzedas a Gomes Freire, 16 de Novembro de 1735, ín DI, voL XLI, pp. 307-300. ria dos casos, a citar como loca! de origem o Bmsíl ou o Reino. O capitão de cavalar!a Inácio )
!la Simão Pereira de Sá, Gp, cit., p. 110.
Pereira da Silva e o sargento-mar Manuel Botelho de Lacerda eram naturais de Trás-os­
iM Cristóvão. Pereira de Abrau a Silva Pais, 5de Dezembro. de 1736, in RIHGRS, n." 104,
-Montes; o capitão de Infantaria Antónia Rodrigues Ferreira e o alteres de infantaria José )
p.417. Mascarenhas eram na1urais de Usboa; o capitão do. ordenança José Ferreira de Brito era na­
>1.1. Simão Pereira de Sá, op. cit, p. 107. tural de Barcelos; o capItão de infantaria Manuel Garvalho Simões, de Coimbra: o alteres de )
Wl Abei!iard Barreto, "A E;xpedlção de Silva Pais e o Aio Grande de São Pedro", ln Infantaria Francisco SaraIva da Cunha, da Serra da Estrela; o alferes do infantaria Teodósio
HistórIa Naval Brasileira, voL 2, tomo 2, p. 9. Guefreiros, do Alentejo; o alferes de infantaria Francisco Fernandes, dos Açores; o afferes de )
~r Go(nes Freire chegOl,.l ao Rio em 20 de Maio de 1736; de lá manteve intensa corres­ ordenança João Corrêa de Matos, do Porto; o capilão do ordenança Manuel do Couto havia
pondência com Maninho Mendonça, a cujo cargo ficara o governo Interino de Minas Gerais. servido no regimento do Porto. Ct. Sflvestre Ferreira da Silva, Relação do Sitio da Nova )
C1, Carta tlt'.l Gomes rreire a Martinho de Mendonça, 21 de Maio de 1736, in RAPM, vel. II, COlónia do Sacramento, pp. 51-66,
p.239. 1'" José de Mirales, op. c;jt" p. 95.
)
M Abeíliard Barreto. op. c{t., pp. 12·1tl.
113 O cardeal João da Mota e Silva exerceu informalmente o cargo de primeiro-minístro

l!<l Bando do governador Silva Pais, 3 de Março de 1736, in ANRJ, cód. 80, vol. 19,
português, de 1736 até ã sua morte, em 4 de Outubro de 1747. CC Maria Emllia Cordeiro
)
fls. 214v~215. Faria, ln Dicionário do História de portugal, vol. V, p. 573. )
00 Simão Pereira de Siá, op. ctt., p, 96. 110 D. Pedro de Almeida Portugal, terceiro conde de Assumar e sucessivamente mar~

~1 Simão Pereira de Sá, cp. Cit, p. 156.


)
quês de Casteto Novo e de Alorna, tlistinguíu-se corno miritar durante a guerra de Sucessão
lr.I Bando do conde de Sat7edas, 20 de Maio de 1136, in DI, vol. XXJl, pp, 105-106, Espanhola. De 1717 a 1721 governou a capitania de São Paulo e Minas Gerais, onde se
W Silva Pais ao rei, 28 de Janeiro de 173a, ln RIHGRS, n." 109·112, p. 47. destacou pela violenta repressão à revolta de Vira Rica em 1720. Em 1744. foi nomeado vfce­ )
?o! António GuMes Pereira, Secretário de Estado, ao governador de Pemambuco. -rei da índIa, onde obteve importantes vitórias militares. Cf. LaUra de Mello e Souza, "D. Pedro
Duarte SOOré Pereira. 27 de Julho de 1736, jn RIHGRS, n° 104, p. 447. de Almeida Portugal e a Revolta de 1720 em Vila Rica", in Maria B. Nizla da Silva (coord.), )
!l!! Martinho de MendonÇ..a a Gomes Freire, 28 de Oulubrode 1736, ln RAPM, vol. II. p. 374, Cultura Porluguesa na Terra de Santa Cruz. pp. 193-213.
)
J
192 193
)
)
t \
)

)
)
,) m Aespoata: da consulta feita pelo Cardeal da Mota ao Conde de Assumar sobre a for­
mação da um corpo de Dragões na Coi6rila do Sacramonto, Evora. 12 de Dezembro de 1736.
) ínARC, Reg. 304, 11.1, TI, doe.:2, fie, 3-4.
Us Resposta da consulta feita pelo Cardeal da Mota ao Conde de Assumar••. ln ARC,
) Reg. 304. 11.1, T1, doe: 2. fI. g,
1j; ~emando 001'9$ Costa, "O bom uso da paixões... " cp. cit., pp. 1001-1002..
) l1!l David 099, 01 lhe AncJen Regime, p. 154.

111 VasconCelOS ao 14 da Julho de 1735, ln AHU, Colónia do Sacramento. ex. 3.

)
doe. 313.
) 2.2. - AS CONDiÇÕES DE VIDA
,
J

)
2.2.1. - Os Soldos
)
1 Como vimos anteriormente, os soldados portugueses eram
) frequentemente mal pagos ou tardiamente pagos o que, porém,
não era característica exclusiva do exército lusitano. Mesmo na
)
poderosa França de Luís XIV, os soldados eram mal pagos e cos­
) tumavam receber os soldos em atraso. Geralmente o capitão
) tinha de tirar dinheiro do' seu próprio bolso para pagar aos seus
subordinados;-E;-se--no-6xército-franCês·os-motins-eram-raTos-;-as·-­
deserções eram frequentes'. A situação não era muito diferente
) entre os espanhóis. Em 1716, o governador de Buenos Aires
) escrevia à Coroa espanhola sobre a difícil situação económica
entre os soldados da guarnição da cidade, os quais estavam com
) os soldos atrasados havia dezoito anos e onze meses'!
) Uma vez restabelecida a posse portuguesa sobre o território
) de Colónia, o governador do Rio de Janeiro tratou logo de enviar
para o escrivão de Sacramento, em 1716, um regimento que
) regulamentava como deveria ser feito o pagamento do soldo dos
) militares. O mesmo deveria realizar-se por ocasião das "mostras",
) quando os soldados e oficiais deveriam apresentar-se perante os
oficiais superiores, o governador e o escrivão. O militar que não
) comparecesse à chamada, apresentando-se em outra ocasião,
) teria os dias contados como falta, entre a data daquela e o da sua
apresentação, e seriam descontados do seu soldo quando hou­
)
vesse nova chamada para o pagamento. O desconto atingia ainda
)
)
194 195
)
)
/

)
)

os que tinham licença dos seus superiores para se ausentarem, velho sistema, que tantos problemas já causara aos gover­ )
já que a licença "só lhe serve para na sua fé de of(cios [constar] nadores do Rio de Janeiro, de retirar das dízimas cobradas na )
que se não ausentoU'''. alfândega da cidade o valor que cobriria os soldos da guarnição
)
Contudo, se a falta fosse justificada por ordens superiores, de Sacramento'. O governador António Brito de Menezes não
tendo em vista o cumprimento de alguma diligência do serviço tardou em reclamar que as rendas alfandegárias não poderiam
)
real, não deveria haver desconto algum. Os que não compare­ suprir as despesas das guarnições do Rio e de Colónia conjun­ )

cessem à mostra por motivo de doença, deveriam ser pagos pelo tamente'.

)
escrivão no local em que se encontravam, hospital ou quartel. O Uma junta convocada pelo governador para debater o pro­
dinheiro do pagamento dos soldos deveria ser guardado num blema resolveu que deveriam ser retirados cinquenta mil cruza­ )
cofre com três chaves, uma das quais deveria permanecer em dos da Casa da Moeda para fazer frente às despesas com o )
poder do govemador, outra do escrivão e a restante com o estabelecimento da Colónia do Sacramento'. Porém, apesar dos
esforços do governo do Rio, já em Janeiro de 1718, o governador )
tesoureiro'''.
Em 1725, o governador do Rio de Janeiro, Luís Vahia Manuel Gomes Barbosa informava que os soldados estavam com )
Monteiro, enviou um "formulário" ao escrivão da Fazenda Real de os seus soldos atrasados em um ano e os pedreiros em um ano )
Colónia que, em geral, reafirmava as disposições do regimento e dois meses". No ano seguinte, o sargento-mar Manuel Botelho
de 1716, com algumas especificações, como a pena da perda de Lacerda informava que a guarnição contava com poucos sol­ )
dos postos aos oficiais que deixassem de informar a falta de dados, "por haverem desertado para Buenos Aires parte deles, e )

algum dos seus subordinados à mostra. Estipulava ainda que, estarem mal fardados e se lhe deverem onze meses dos seus
'j
além dos doentes, os que estivessem presos também deveriam socorros11 ",
~~serpagi:iSii .Oendllrecimento· doslsfi:imadecontrole;qllepassa~ . A falta de mantimentos e materiais era tão grande que os sol­ )
vaa punic os-:-oficiais dos s()ldaclosJª!tºsº,L~.ª,.L<lf~f§HÇiª..ªºS ..dados..e os casais tiveram de vender 'Í!is camisas para com­ )
presos, devem relacionar-se com as deserções constantes que prarem biscoitos aos castelhanos'" e quando já não tinham mais
nada para vender "comiam ervas e funcho"". O número de solda­ )
marcaram o quotidiano da guarnição de Sacramento, das quais
falaremos adiante. dos, então, não passava de cento e noventa e, como no Rio de )

O aumento do controle também deveria fazer-se através da Janeiro, pela falta de homens aptos, era dincil recrutar gente
)
regularização da chegada das informações, pois o escrivão deve­ nova, o Consalho Ultramarino recomendou que fossem enviados
ria, a cada seis meses, infalivelmente, enviar uma relação ao de Lisboa duzentos soldados''''. Também recomendava que o
)
Provedor da Fazenda do Rio de Janeiro das armas e munições efectivo do Terço se mantivesse em trezentos homens" e, em )

existentes e o estado em que se encontravam. Deveria ainda 1722, sugeriu que o mesmo fosse elevado para quinhentos".
)
acompanhar uma relação dos militares no activo, na qual deveria Antes mesmo de assumir o governo de Colónia, em Março
constar até quando estavam com os soldos e mantimentos aJus­ de 1722, António Pedro de Vasconcelos já se preocupava com o )
tados. Especificava também que "pelo menos se deve passar problema da deserção. Por isso escreveu à Coroa que, para )
mostra a cada dois meses quando os pagamentos se dilatam por evitá-Ia, era necessário manter em dia o pagamento dos militares,
o que poderia ser feito através de empréstimos feitos aos comer­ )
mais tempd".
Assim, era muito comum que o pagamento dos soldos fosse cíantes cariocas, que seriam ressarcidos por letras sacadas )
efectuado com atrasos de meses e até mesmo anos, pois, aquan~. sobre a Fazenda Real do Rio de Janeiro. Todavia, o Conselho )
do da reconstrução de Colónia, a Coroa Insistiu em manter o Ultramarino entendeu que os empréstimos deveriam ser feitos
)
)
196 197
)
)
J
)
)
) junto aos comerciantes sediados em Colónia, aos quais se passa­ comerciantes, provavelmente com receio de perder o seu di­
) riam letras cambiáveis no Rio, recomendando-se ao governador e nheiro, procuravam remeter para os seus colegas os recursos
'\ ao provedor da Fazenda Real que tivessem todo o cuidado no originados pelo contrabando. Para evitar a retirada ilegal de
~
pagamento das letras, "porque não sendo assim não será fácil prata, Vasconcelos ordenou então que se revistassem os navios
) haver quem queira continuar com as ditas assistências"". Em antes da partida, a fim de fazer desembarcar o metal que fosse
')
.'
maio, D. João V escrevia ao governador do Rio para que entrasse en-contrado a bordo. Com o objectivo de defender-se de pos­
em acordo com os comerciantes da praça a fim de que, através síveis reclamações das pessoas que coagira, alegou ao rei que,
)
dos seus agentes em Colónia, fornecessem os recursos ne­ apesar do uso da violência, não deixava de favorecer os comer­
)
J
, cessários ao governador Vasconcelos, sob a garantia de serem
ressarcidos através de letras de câmbio, a serem pagas pela
ciantes, já que os livrava do risco do transporte até o Rio, assim
como os ajudava a manter a lucratividade dos seus negócios em
Fazenda Real". Sacramento, uma vez que o pagamento da guarnição garantia a
)
Assim que assumiu o governo de Sacramento, Vasconcelos preservação do mercado interno"".
) constatou que os soldos dos militares, assim como os dos artí­ Entretanto, com a posse do novo provedor da Fazenda Real
) fices que trabalhavam no serviço real, estavam atrasados desde no Rio de Janeiro, em 1723, os comerciantes começaram a
o primeiro de Maio de 1720. Para fazer frente aos gastos enfrentar problemas na hora de receber os valores das letras de
) necessários para pôr em dia o pagamento da tropa, o governador câmbio passadas em Colónia. Em resposta ao protesto de Vas­
) necessitava da enorme quantia de 27.633.451 réls. Chamou concelos, o novo provedor informou à Coroa que continuava a
então os comerciantes e, com base no que fora ajustado com os pagar as letras apresentadas, mas que, devido às grandes des­
)
seus colegas no Rio de Janeiro, pediu-lhes que entregassem ao pesas, não podia pagá-Ias todas de uma só vez e por isso pedia
almoxarife o dinheiro que tinham em mãos, fazendo o mesmo ao governador de Sacramento que não as passasse todas juntas,
) com o que a partir de então entrasse. Com a soma recebida dos a fim dar-lhe tempo para proceder ao seu pagamento·'.
agentes comerciais, Vasconcelos pôde pagar mensalmente o Por sua vez, António Pedro de Vasconcelos afirmou ao rei
) valor referente a três meses de soldo atrasado, "por ser assim que já esperava que surgisse algum problema com a entrada de
) mais suave a quem me dá o dinheiro como também para nllo car­ outra pessoa no emprego de provedor da Fazenda Real.
) regar de um salto a Fazenda Real do Rio de Janeiro com tão Queixava-se de que enquanto fora provedor Manuel Correia
grande porção de dinheiro"': Vasques, nunca os comerciantes tiveram problemas em resgatar
) Em Outubro, os comerciantes já tinham entregue ao gover­ o valor das letras de câmbio, mas que a situação se modificara a
) nador, em troca de letras de câmbio a serem pagas no Rio, partir da posse de Bartolomeu de Siqueira Cordovil. Como tinha
20.288.193 réis, valor que foi empregue no pagamento de 21 de pagar as dividas deixadas por seu antecessor no governo de
)
meses de soldos atrasados à guamição. VasconceloS esperava Colónia, concluía dizendo que "bem reconheço que foi grande a
) terminar de pagar os salários em atraso até Fevereiro do ano saca das letras, mas a culpa nasceu da falta que houve de assis­
seguinte, quando então deixaria que os agentes comerciais envi­ tir o Rio de Janeiro a esta praça, com o que Vossa Majestade nas
assem algum dinheiro aos seus colegas no Rio. Enquanto neces­ suas repatidas ordens mandEF".
)
sitasse dos recursos do comércio, continuaria a impedir a saída No entanto, a prática de tomar empréstimos compulsórios
) da moeda que entrava em Colónia através do contrabando. aos comerciantes continuou a ser praticada até à posse do novo
) Embora a Fazenda Real do Rio tivesse satisfeito com pron­ governador do Rio de Janeiro, Lufs Vahia Monteiro, em Maio de
tidão a todas as letras que o governador tlnha passado, alguns 1725, quando foi interrompida. Ao sargento-mor Manuel-Botelho
)
)
198 199
)
)
d
de Lacerda, encarregado por Vasconcelos de apresentar a situa­ manutenção de Colónia, o mesmo não se preocupou em garantir

ção financeira de Colónia ao novo governador, Vahia Monteiro o sustento da guarnição carioca, para desespero de Vahia

declarou que era imposslvel garantir o pagamento das letras pas­ Monteiro, sempre às voltas com problemas financeiros para a
sadas no tempo do seu antecessor, porque a Fazenda Real manutenção do seu governo e da dependência platina. Por isso, i~

"estava exausta de meios". Porém, a partir do primeiro de Janeiro


de 1726, garantia a remessa mensal de cinco mil cruzados para j
somente em Janeiro de 1728, pôde remeter quatro mil cruzados

referentes à consignação de 1726".

o pagamento da guarnição. Vasconcelos aprovou a decisão do Como o governador dependia do dinheiro dos comerciantes ~
governador do Rio, mas informou à Coroa de que aquela era inútil para pagar às tropas, em Colónia os militares tinham a sua situa­
se Vahia Monteiro não obrigasse os comerciantes cariocas a
't
ção financeira atrelada ao andamento do contrabando com os ,l:
mandarem os seus agentes em Colónia entregar-lhe a soma de­ espanhóis. Em Abril de 1731, o governador Vasconcelos escrevia ,I,
vida, assim como ordenar que "suspendessem as recomenda­ que a guarnição estava paga até Setembro passado, sendo que
"

ções que sempre estão repetindo, de não entregarem os seus não haveria nenhum atraso no pagamento, se a chegada do na­ A•
comissários [em Sacramento] dinheiro algum à Fazenda Rea!"". vio do asienlo inglês a Buenos Aires não tivesse diminuído o ritmo
A falta de apoio do governador do Rio de Janeiro, sob cuja >

do contrabando com os espanhóis e a consequente entrada de


responsabilidade estava a manutenção de Colónia, somada à prata". Já no ano seguinte, quando a actividade comercial se

pressão que os espanhóis exerciam sobre o contrabando e às revigorou, trazendo como conseqUência a entrada de grande quan­
incursões portuguesas na campanha, levaram o governador Vas­ tidade de prata, a prosperidade parecia ser geral, poiS o gover­
concelos a apelar para o vice-rei, ainda em 1726, já que a guar­ nador escrevia que a tropa estava bem fardada e pontualmente

nição estava com o soldo atrasado ern dez meses". Entretanto, paga, sendo que "regularmente se lhe assistia todos os três dias

tudo leva a crer que nem mesmo o apelo à autoridade vice-real com o pão de munição mais excelente que o deste Reincr e".

ajudou a resolver a questão, pois, em 6 de Abril do ano seguinte, Entretanto, em Março de 1734, quando D. Miguel de Salcedo
Vasconcelos voltou a escrever ao governador do Rio de Janeiro, assumiu o governo de Buenos Aires e, seguindo as ordens de
informando-lhe que as dificuldades que se enfrentavam em Madrid, passou a adoptar rígidas medidas para bloquear o
Sacramento eram tantas que "soldados e paisanos vendiam até avanço dos portugueses na campanha, assim como o desen­
as suas camisas para comprarem biscoitos"". volvimento do comércio ilícito, a redução da entrada de prata em
Ainda que o Rio de Janeiro lucrasse muito com a presença Sacramento ocasionou mais um atraso no pagamento dos soldos
portuguesa no Rio da Prata, através do contrabando por vezes da guarnição. Em Fevereiro de 1735, Vasconcelos informou à
intenso com Buenos Aires, a cidade devia continuamente enviar Coroa que devido à paralisação do contrabando e à dificuldade
recursos para a manutenção da guarnição platina. Na sua cor­ em receber o valor das letras feitas em nome da Fazenda Real
respondência com António Pedro de Vasconcelos, o governador do Rio de Janeiro, o pagamento dos soldos estava atrasado em
Vahia Monteiro queixava-se frequentemente da falta de recursos seis meses"'. Observa-se, a partir desses dados, que o quotidi­
em que se encontram os cofres cariocas, fazendo sempre ano dos militares estava completamente ligado à situação econó­
ressaltar que era à custa de atrasos no pagamento e fardamento mica de Colónia, pois o seu salário dependia do bom desempenho
da guarnição do Rio que tentava manter o seu compromisso de económico do entreposto platino.
sustentar a Colónia do Sacramento. Embora o Conselho Se o atraso no pagamento dos soldos era uma situação bas­
Ultramarino tivesse fixado em sessenta mil cruzados o valor com tante comum, ele podia trazer funestas consequências por
que anualmente o Rio de Janeiro deveria contribuir para a ocasião de um ataque inimigo, como aconteceu no inicio do cerco

200 201
'\
,}

)
) espanhol em 1735, quando a guarnição, "aflita e cansada, sobre temporária. Em 1733, Vasconcelos queixava-se à Coroa de que
J a queixa de mal paga, violentamente obedecia, e servia com re­ os soldados, que tiveram aprovados os seus pedidos de licença
) pugnância". A situação foi remediada pelo oferecimento ao gover­ para irem tratar de problemas particulares no Reino, permanece­
nador de uma grande soma por parte dos comerciantes, entre os ram em Colónia depois de o governador lhes ter dado os soldos
'> quais Simão Pereira de Sá relaciona Domingos Álvares Calheiros
j
e fardas em atraso. Ali, dedicaram-se a outros ofícios que não o
) e José de Meira da Rocha, "com que se fez pagamento geral às serviço militar, "porque se persuadem a que jamais os podem
tropas, contentando assim àqueles que pelas queixas se podiam puxar para a antiga praçéf'4".
)
fazer rebeldes aos superiores, traidores à pátria". Certamente os Mas, se era comum o atraso no pagamento dos soldados da
) comerciantes contavam em pedir posteriormente à Fazenda Real tropa regular, tudo leva a crer que a situação era ainda pior entre
) a devolução do dinheiro emprestado, pois como ainda observa os homens que participaram nas expedições formadas a partir do
Pereira de Sá, "sempre foram os vassalos ricos o tesouro mais desejo da Coroa, Cristóvão Pereira de Abreu escrevia que para
") seguro de seus príncipes"". acalmar os seus comandados era "preciso usar mais da manha
) De facto, tudo indica que a prática dos comerciantes a que do rigor, sem vencerem soldos, sendo uns pobres que os
-,, fornecer empréstimos para o pagamento das tropas foi comum mais deles deixaram nas suas casas mulheres e filhos em uma
até os últimos tempos da presença dos portugueses em Colónia, suma miséria e as suas lavouras de que vivem ao desamparo"'''.
) pois, durante o governo de Figueiredo Sarmento (1763-1775), um Se para os soldados os constantes atrasos no pagamento
) comerciante com a patente de alferes declarava que "rodava com dos seus soldos implicavam dificuldades que ameaçavam a
) a tropa paga, sem vencimento algum do soldo da Fazenda Real, própria sobrevivência, para os oficiais esse problema, assim como
antes por muitas vezes assistia a mesma com dinheiro por em­ o baixo valor dos soldos, causava, sobretudo, um embaraço so­
-)
préstimo, para pagamento das tropas e mais despesas do Hospi- ' cial. Gomes Freire de Andrade queixou-se à Coroa da penosa
) tal Real" ". situação financeira dos oficiais militares, desde que lhes fora
Os mercadores não só emprestavam ao Estado para o paga­ proibido participar do comércio para aumentar suas rendas. Pedia
)
mento das tropas, como também aos próprios soldados, já que os o aumento dos soldos a fim de preservar um certo statutus que
) constantes atrasos no pagamento dos soldos obrigavam 'os sol­ garantisse o respeito da população aos militares. Explicava que o
) dados a endividar-se junto aos comerciantes, que lhes adi,an­ soldo de 535 mil réis anuais, pago ao mestre de campo, era muito
tavam mercadorias, muitas vezes superfacturadas, por conta dos pouco para a manutenção de uma pessoa cujo posto ficava ime­
) salários a que tinham direito. Era um factor a mais a ligar o sol­
diatamente abaixo do governador. Somente de aluguer, o mestre
) dado ao exército, pois, caso desse baixa sem ter pago o que de campo pagava 150 mil réis, pouco lhe restando para se manter
) devia, poderia ser preso por dívidas". Este era do caso de Luís durante o ano, donde "se seguia serem [os oficiais] dependentes
Vieira, soldado preso pela Inquisição em 1725, que declarou sus­ dos homens de negócio, com cujas filhas ou viúvas casam, como
) tentar-se com seu soldo e não ter "mais que os vestidos e roupa aconteceu a todos os que àquela capitania passaram solteiros".
) de seu uso", Acrescentou ainda que devia "a um mercador O governador pedia o aumento do soldo para várias patentes,
chamado João Fernandes Jales, setenta e um mil e quinhentos alegando que assim se ''livrariam de casar alguns tão indignamen­
)
réis de dinheiro e fazenda que lhe dava nas ocasiões em que se te que era afronta das tropas"".
\
.' lhe faltavam os soldos para efeito da sua sustentação"'''. Se no Rio de Janeiro Gomes Freire se insurgia contra a
) O único meio dos militares conseguirem pôr em dia os sol­ penúria do salário de seu imediato, imagina-se que na Colónia do
dos atrasados, sem usar da violência, era pedir uma licença Sacramento, onde o cargo de governador correspondia à patente
)
)

) 202
203

)
de mestre de campo, a situação fosse bem pior, Já que o povoa­ graça a que Vossa Majestade deferirá como for servido"". D.
do era famoso pelo alto custo de vida. Em 1725, Vasconcelos João V decidiu então que o aumento do salário do governador
pediu à Coroa que lhe dobrasse o soldo, medida que deveria ser começasse a contar a partir de 27 de Julho de 1734, data da
retroactiva à sua posse no governo de Colónia. Justificava o seu concessão do aumento e não a da posse de António Pedro de
pedido dizendo que o seu soldo era menor que a despesa, tendo Vasconcelos no governo de Colónia, ocorrida em 14 de Março de
em vista os altos preços dos alimentos em Sacramento e os gas­ 1722" .
tos que era obrigado a fazer para governar uma praça fronteiriça, A situação financeira do governador tornar-se-ia ainda pior
onde, além de dever manter-se com igual dignidade às auto­ no cerco de 1735-1737, durante o qual, "acudindo a tudo, ainda
ridades espanholas de Buenos Aires, frequentemente tinha de á custa da sua fazenda, de que se seguiu ficar totalmente arrui­
hospedá-Ias e presenteá-Ias a fim de que, bem tratadas, não nado e empenhado, depois do que, passados alguns anos, lhe
causassem problemas aos portugueses. Tendo em vista tais gas­ sobreveio uma forte ameaça de estupor e com a cura fez novos
tos, o governador devia mais de cinco mil cruzados e, por isso, gastos e empenhos"". Vasconcelos queixava-se ainda que tivera
pedia a intercessão do rei, sem a qual, alegava Vasconcelos "mal que vender o seu cargo de escrivão do Registro da Casa das
poderão meus credores serem embolsados, ainda que me reco­ Obras para pagar a sua passagem para Colónia, onde deveria
lham a alguma prisão"". assumir o governo da praça, pois não recebeu nenhuma ajuda de
Apesar da precária situação financeira do governador, o seu custo para efectuar a viagem que fora ordenada pela própria
pedido não foi atendido pela Coroa, embora, no ano seguinte, ela Coroa. Em 1743, Vasconcelos ainda teve de dar dinheiro do seu
autorizasse o repasse da quantia anual de quatrocentos mil réis próprio bolso para pagar os soldos atrasados, uma vez que do
para que Vasconcelos a usasse para "comprar" a boa vontade Rio de Janeiro não lhe tinham enviado o dinheiro suficiente"',
dos espanhóis~. Como se não bastassem as contínuas despesas particulares
Em Janeiro de 1730, para festejar o casamento do príncipe que deveriam ser feitas para justificar um bom desempenho no
D. José com a infanta de Espanha, D. Maria Ana Vitória, o go­ serviço real, António Pedro de Vasconcelos ainda teve o paga­
vernador António Pedro Vasconcelos tomou a seu encargo a mento dos seus soldos embargado por um decreto, devido à
real'rzação de uma grande festa, na qual gastou mais de cinco situação confusa do seu cargo. Como a COlónia do Sacramento
mil cruzados, esperando ressarcir-se no aumento do soldo, pois era considerada uma "praça particular e não governo de distrito':
argumentava que "é mui limitada a cõngrua de três mil cruzados, o soldo do governador era regulado pela sua patente militar de
que ainda quatro não poderão chegar a quem viver sem o cui­ mestre de campo, situação que foi remediada pela Coroa pelo
dado e parcimónia com que ele se maneja"". O pedido foi endos­ aumento do soldo para três mil cruzados e, posteriormente, para
sado pelo Procurador da Fazenda e pelo Conselho Ultramarino quatro mil cruzados, sem, entretanto, resolver a pendência sobre
que, em 03 de Julho de 1734, aconselhou um acréscimo anual no salário referente ao cargo que ocupava. Essa situação deu
valor de mil cruzados no soldo do governador de Colónia, medi­ margem a uma confusão administrativa e, em 1748, mandou-se
da que foi aprovada por D. João V em 27 do mesmo mês. suspender o pagamento do soldo do governador até que o mes­
Contudo, em Outubro do mesmo ano, Vasconcelos voltou a mo devolvesse a diferença paga a mais que até então vinha
escrever à Coroa, pedindo que o acréscimo de mil cruzados no recebendo. O problema só foi resolvido no ano seguinte, quando
seu soldo lhe fosse pago a partir do momento da posse no go­ o Conselho Ultramarino deu um parecer favorável à derrubada do
verno de Sacramento. O Conselho Ultramarino passou o requeri­ decreto que embargou o pagamento dos soldos de António Pedro
mento ao rei dizendo que que esta matéria é de mera de Vasconcelos44 ". )~

\(
204 205
)

)
preços extorsivos pelos mantimentos vendidos à guarniçao,
2.2.2. - A Alimentação
) como ocorrera durante o governo de Cristóvão de Orneias de
Abreu, quando o mesmo se mancomunou com o governador do
:> Subordinados ao governador, a maior autoridade tanto civil
quanto no militar em Colónia, havia diversos "oficiais", cujas Rio, Duarte Teixeira Chaves e o comerciante António Rider a fim
) funções se relacionavam, sobretudo, com a Fazenda Real: de açambarcar o comércio dos géneros que seguiam para Co­
) tesoureiro, escrivão, almoxarife, provedor de defuntos e ausen­ lónia"".
-'I tes. O almoxarife deveria velar para que os armazéns reais se Contudo, parece que a exploração dos soldados continuou,
~ j
mantivessem limpos e em bom estado para poderem estocar os pois, em 1732, o governador Vasconcelos pediu ao Tesoureiro do
.) Conselho Ultramarino que lhe mandasse uma relação exacta dos
mantimentos recebidos, os quais deveriam ser armazenados em
1 ordem, cuidando-se para que não se estragassem, pois, havendo fornecimentos que se faziam à tropa, para se proceder ao des­
-~

ameaça de putrefação dos mantimentos, o governador deveria conto dos soldos, já que "géneros ali se compravam por preços
) disformes dos que eram remetidos por este Conselho"". Quase
.... ser logo avisado para que tomasse as medidas necessárias .
) Estava terminantemente proibido o uso de mais de uma medida, tudo o que era fornecido pelo Estado era descontado do soldo
) que deveria ser afilada pela câmara e marcada com a marca real. dos soldados e o que eventualmente sobrava, era destinado, a
Provavelmente a medida utilizada em Sacramento deveria ser pagar as dívidas com os comerciantes.
, J
afilada peja Câmara do Rio de Janeiro, pois a Colónia do Sacra­
mento estava privada dessa importante instituição. De facto, o
A
cultavam
falta de transpone era um dos principais factores que difi­
o envio de suprimentos para Sacramento, pois, se a
governador do Rio insistia em manter o controle sobre o que se Coroa obrigou o governador do Rio de Janeiro a socorrer Colónia
) enviando mantimentos a cada navio que para lá se dirigisse, essa
passava em Colónia, ordenando ao escrivão que trabalhava junto
J ao ahnQxarife qiJe enviasse _oscaderDoS de despesa à Casa de medida não resolveu todos os problemas, uma vez que a ligação
} Contos do Rio de Janeiro a cada seis meses, onde deveriam ser com o Prata não era regular. A fim de evitar gastos, os gover­
passadas as certidões de despesa. nadores do Rio geralmente hesitavam em fretar um navio para
) enviar as mercadorias necessárias em Sacramento.
O alrnoxarife deveria fornecer aos sargentos, a cada dez
) dias, a ração de farinha que os mesmos deveriam distribuir aos Discussões sobre as despesas do frete marítimo são fre­
) soldados. Depois de publicado o bando para o pagamento ou se quentes em toda a documentação. pois, como sempre, a Coroa
passar ordem para mostra. não deveria ser admitida nenhuma preocupava-se em tentar gastar o mínimo na manutenção das
) colónias. Mesmo no transporte dos soldados da metrópole para
baixa nas listas. sendo que os faltosos deveriam ser considera­
) " dos ausentes do período da mostra antecedente até aquela data, Sacramento. procurava-se evitar o pagamento do frete. Em 1720,
devendo ser descontado do soldo do sargento a ração de farinha o Conselho Ultramarino aconselhava ao rei que, para evitar essa
) despesa, por ocasião do envio de duzentos soldados de reforço
adquirida em nome do faltoso. O almoxarife e o escrivão ainda
.'.) para a guarnição de Colónia, se pOderia isentar das taxas alfan­
eram avisados de que. se fizessem algo proibido à sua profissão,
) teriam como pena a perda de um ano de soldo, seguida da sus­ degárias as mercadorias que os donos do navio transportassem.
pensão dos seus ofícios". concedendo-lhes ainda o direito de, na viagem de retomo, fazer
) escala em qualquer porto da costa brasileira e mesmo voltar ao
" Em 171 a. as armas e os alimentos remetidos aos soldados,
J que também eram descontados de seus soldos, foram tabela­ Reino sem a obrigação de acompanhar a frota, ''interesses tais
dos em razão dos seus preços no Rio de Janeiro", medida que. que poderão mover a muitos a que se convidem a fazerem a dita
-'1 viagem"".
) com certeza, pretendia evitar que os fornecedores cobrassem

206
207
)
)
Nove anos depois, o governador do Rio de Janeiro ordenou Monteiro, dizendo 'Já não tenho paciência para aturar as omis­
ao Provedor da Fazenda que só pagasse a passagem para a sões de tudo quanto governo nesta terra."". Para fazer frente às
Colónia do Sacramento aos soldados, pois as pessoas que se dificuldades de aprovisionamento e diminuir a dependência das
aproveitavam do costume vigente durante os primeiros anos do remessas de víveres do Rio de Janeiro, o desenvolvimento da
repovoamento, que dava a viagem grátis aos novos povoadores, agricultura nos arredores de Sacramento deveria ser incentivado,
deveriam agora pagá-Ia do próprio bolso, enquanto que a pas­ como Vahia Monteiro fez questão de lembrar ao governador Vas­
sagem dos degredados deveria ser paga pela justiça. Ordenava concelos, ordenando-lhe que todo o trigo colhido fosse distribuído
também que fizesse novo ajuste com os capitães dos navios, entre os soldados como ração".
pois, em vista do baixo preço dos mantimentos, achava exorbi­ A insuficiência da produção local de trigo, somada às dificul­
tante o preço da passagem orçado em doze mil e oitocentos réis dades em receber provisões através do porto do Rio de Janeiro,
por pessoa~'. aumentava a importância das caçadas de gado chimarrão, impor­
Por sua vez, o governador Gomes Barbosa reclamava que tante fonte de alimento como também de comércio, através da
os navios que ligavam Colónia ao Rio eram muito pequenos, não venda da cou rama extraída. O costu me de fornecer ração diária
podendo carregar os mantimentos necessários nem transportar de carne à guarnição, "desde o governador até ao último trombeta"
as cargas dos particulares no regresso. Em resposta. D, João V fora iniciado por Manuel Gomes Barbosa, que também deu início
enviou uma carta ao gevernador do Rio para que só permitisse o à prática de comprar gado aos espanhóis, argumentando que
envio de navios de mais de 350 toneladas ao Prata", medida desse modo causava menos despesa à Fazenda Real, já que, na
coerciva que não deve ter melhorado muito os problemas de organização de uma vacaria, além dos gastos em contratar pe­
transporte, pois, nos primeiros anos de restabelecimento dos por­ ões práticos na campanha, arriscava-se a estropear a cavalaria e
tugueses em Colónia, os interesses comerciais eram ainda pe­ muitos soldados".
q uenos e as dificuldades de navegação do Rio da Prata eXIgiam Embora os governadores tenham organizado algumas expe­
o emprego de embarcações de pequeno calado. dições de caça ao gado selvagem"', tudo indica que a compra a
Como o governador Vasconcelos não concordou com a re­ quem se dispusesse a fornecê-lo, nas imediações da praça, era
presentação feita pelo seu antecessor no governo de Sacramento, a prática mais comum. Ainda que os documentos consultados
escreveu ao rei dizendo que a proibição da ida de embarcações geralmente façam menção a fornecedores espanhóis, é muito
pequenas para Colónia só teria sentido se aquela rota fosse o provável que uma boa parte do gado destinado à alimentação da
privilégio de alguma companhia comercial. Também argumentava guarnição fosse adquirida junto a sertanistas portugueses, entre
que o govemador do Rio de Janeiro teria muita dificuldade em os quais figuravam grandes negociantes de gado, como Cristóvão
obrigar os comerciantes da cidade a comprar navios de mais de Pereira de Abreu,
350 toneladas. Concluia dizendo que o melhor para o desenvolvi­ Entretanto, se durante os primeiros tempos não havia dificul­
mento da povoação era que o seu porto continuasse aberto a todo dade em adquirir reses, a crescente exploração do gado selvagem,
o tipo de embarcações, a fim de que as visitas frequentes possibili­ praticada por espanhóis, indígenas e portugueses, logo acabou
tassem a chegada de mercadorias e mantimentos, assim como com as manadas que viviam nas áreas mais próximas a Sacra­
assegurassem a saída da produção local". mento. Em 1726, os práticos da campanha asseguravam ao gover­
Embora todos os navios que deixavam o porto do Rio em nador Vasconcelos que andavam mais de trinta léguas sem encon­
direcção ao Prata fossem obrigados a levar uma carga de farinha, trar uma única vaca e acreditavam que, em menos de dois anos,
esta ordem nem sempre era cumprida, como se queixava Vahia seriam extintas as manadas chimarronas". A preocupação com o

208 209 ,;
)
)
) fim do comércio dos couros e com a escassez de carne para ali­ 32.739 cabeças o consumo da praça durante os seis anos
) mentar a guarnição levou o governador a tentar racionalizar a ex­ precedentes, consumindo-se cerca de quatro mil reses por ano.
ploração do gado. Ora, tal gasto poderia ser evitado pela reprodução natural do
)
Ordenou então a compra de doze mil cabaças que fez con­ gado, que já passava de vinte cinco mil cabeças, segundo o le­
'1
,/ duzir a um local situado a sete léguas da praça, às margens do vantamento que Vasconcelos mandara fazer para a prestação
) rio Sauce, onde uma guarda constitufda por um cabo e onze sol­ de contas"'.
dados foi instituída para vigiar o gado. Todavia, apesar das explicações do governador, o rei voltou
Para evitar qualquer problema com relação aos custos da a pedir informações a respeito do fornecimento de carne aos sol­
) instalação da estãncia do Sauce com a Fazenda Real, Vascon­ dados, situação única em todos os domínios de Portugal. Segun­
) celos garantiu à Coroa que os dez mil cruzados que empregou na do Vasconcelos, o costume de se dar ração de carne aos soldados
compra do gado seriam ressarcidos dentro de três anos pelo foi comum desde o estabelecimento dos portugueses no Rio da
\
j rendimento dos couros extraídos, cujo valor anual calculava em Prata, em 1680, seja através da sua compra em Buenos Aires,
) cerca de três mil cruzados. Esse gado destinava-se, antes de seja através da caça de veados nas proximidades do rio Rosário,
) tudo, à manutenção da guarnição. A cada dois meses, um certo A situação teria sido informalmente institucionalizada a partir das
/
"
número de cabeças era retirado da estância e levado para um primeiras caçadas ao gado chimarrão, organizadas pelo gover­
)' pasto nas proximidades da povoação, onde eraent,egue, medi­ nador Naper de Lencastre, em fins do século XVII.
) ante recibo, a uma guarda, composta por um cabo e quatro sol­ O governador concluiu a sua explicação afirmando que, na
--. dados. Dali, algumas cabeças" eram enviadas à praça, duas estância que criara no rio Sauce, a reprodução natural do gado
.,'i vezes por semana, onde eram abatidas e a carnedistribufdã à era suficiente para a continuação do fornecimento de carne aos
,) guarnição. Os couros extraídos eram entregues ao "rancheiro" da militares, desobrigando assim a Fazenda Real de novos gastos
"I estância, o qual, com a ajuda de dois índios, estava encarregue com a compra de reses. Também não deixou de advertir o rei de
~
de estacar os couros e devolvê-los secos ao cabo da guarda, que que, com o fim do fornecimento de carne, "nenhum soldado
) deveria conferir os recibos para verificar se o número dos couros deixará de ir-se embora e os oficiais padecerlio enquanto não
') entregues era o mesmo do gado abatido"'.
,~
buscarem algum jeito de se livrarem deste presídio, porque os
Não obstante a necessidade de manter uma reserva de gado soldos a ninguém fazem conveniência que seja poderosa a detê­
J para o consumo da guarnição, D. João V repreendeu Vascon­ -los, e menos havendo de comprar carne, que pela falta de gado
) celos pelo gasto feito, dizendo-lhe que "mesmo aos governadores na campanha vai subindo de preço todos os anos"". Este argu­
de maior graduação que a dele não era lícito fazer despesas mento deve ter posto um fim à controvérsia, pois não encontramos
novas, quanto mais de tão grande monta:'. O governador defen­ outros documentos am que a Coroa voltasse a contestar a criação
)
deu-se dizendo que, com a extinção do gado selvagem na cam­ da estância do Sauca.
") panha de Buenos Aires, muitos espanhóis passaram a vaquear Conforme uma avaliação feita depois de assinado o armis­
) na Banda Oriental e, se os mesmos, sendo senhores da campa­ IIcio de Paris, em 1737, a estãncia e guarda do rio Sauce estava
nha, cuidavam em criar estâncias para o aproveitamento do orçamentada am quatrocentos e cinquenta mil réis; a do Riachue­
)
, , gado, maior razão tinha ele em utilizar o mesmo método numa
povoação que estava tão distante dos demais domínios portu­
lo, onde se guardavam os cavalos, am duzentos e cinquenta mil
j
réis; a da lagoa dos Patos"', em trezentos a setenta e cinco mil
) gueses. A fim de demonstrar que a despesa efectuada se revela­ réis, valor pelo qual era avaliada a estância que existia nas proxi­
va uma importante fonte de economia de divisas, estimava em midades da praça"'. Provavelmente as propriedades relacionadas
)
)
210
) 211
)
't

tenham sido super-avaliadas, pois os seus valores constam numa do Reino para o Rio da Prata, situação que, parece, as autori­
relação que tinha por objectivo avaliar os prejuízos causados pelo dades metropolitanas demoraram a entender. Para enfrentar o
cerco espanhol. clima frio dos invernos platines, Manuel Gomes Barbosa pediu à
Coroa o envio de "doze cessações com seu capuz de pano de
retalho, forrado de baeta ou de pario da Serra bem apisoado,
para as sentinelas repararem o frio da noite no inverno"".
2.2.3. - O Fardamento Em 1723, Vasconcelos informava ao rei de que a guarnição
necessitava de um fardamento novo a cada ano e que este de­
De acordo com o regimento de 1716, os cobertores e enxer­ veria ser de melhor qualidade do que o que lhe era enviado de
gões que se davam aos soldados, assím como os casacos que Lisboa, cujo tecido, segundo a opinião do governador, "era de­
se ofereciam às sentinelas, deveriam ser cuidados pelos seus masiadamente rald'" Em 1730, Vasconcelos informou à Coroa
oficiais, encarregados da sua conservação e controle". Porém, que o clima na Colónia do Sacramento era "tanto ou mais frio que
ainda que o valor das fardas fosse descontado dos soldos", a dis­ [nja Beira Alta", por isso era melhor que lhe remetessem tecidos
tribuição do fardamento, a exemplo dos soldos, também costuma­ de lã ao invés dos de linho que havia recebido do Rio de Janeiro.
va atrasar. Vasconcelos queixou-se de que encontrou a guarnição Voltou então a insistir na boa qualidade dos tecidos com que de­
quase nua no ano em que tomou posse do governo de Colónia, veriam ser feitas as fardas destinadas a guamição. Completava
situação que remediou com o fardamento que havia trazido do dizendo que era justo que, além das serafinas e forros, fosse
Rio de Janeiro". Em 1730, a entrega do fardamento estava dado a cada soldado três camisas, duas ceroulas, duas gravatas,
atrasada há três anos". Também acontecia das roupas não dois pares de meias de lã branca, um chapéu e dois pares de
chegarem em número suficiente para abastecer toda a tropa, sapatos".
como ocorreu dois anos depois, quando o governador Vasconce­ Tudo leva a crer que as reclamações do governador surtiram
los reclamou que recebia anualmente trezentas fardas, mas que efeito na corte, pois em 1733 o Conselho Ultramarino declarou
devia vestir trezentos e setenta homens"'. que o fardamento enviado às guarnições do Brasil deveria ser de
O sistema de descontar dos soldados as despesas com o melhor qualidade que aq uele fornecido aos soldados do Reino, a
vestuário era especialmente penoso para os recrutas, que se fim de que não se estragasse durante a viagem. A compra de teci­
viam privadOS do fardamento enquanto não recebessem o seu dos de melhor qualidade não se faria com despesa da Fazenda
primeiro pagamento. Uma queixa nesse sentido foi enviada ao Real, já que as roupas eram descontadas dos soldos. Contudo,
governador do Rio pelos soldados de Colónia. Embora Vahia as fardas não deveriam "exceder a frugalídade com que devem
Monteiro escrevesse a António Pedro de Vasconcelos que "dou fardar-se as tropas, nem tampouco os preços, porque até agora
poucas vezes crédito a semelhantes requerimentos", não deixou se faziam estes assentos, por não gravar com maior despesa o
de adverti-lo de que as fardas deveriam ser repartidas entre todos limitado soldo que vencem os soldados"".
os soldados, mesmo àqueles que aínda não tivessem recebido o Problemas com a burocracia eram frequentes. Quando o
seu soldo, aos quais deveria entregar as roupas sob fiança'", governador do Rio ordenou ao provedor da Fazenda Real que
Os problemas com a qualidade do fardamento enviado para fornecesse os uniformes necessários aos trinta homens que man­
Colónia também eram constantes. O principal problema dizia res­ dara para Sacramento, o provedor alegou que as fardas dis­
peito à diferença do clima de Sacremento com relação ao do Rio ponfveis pertenciam à guarnição da cidade e que os soldados
de Janeiro, principal porto de transbordo das provisões enviadas pOderiam fardar-se na própria Colónia. O governador mandou

212 213

)
enviasse um médico para Sacramento, pois nenhum dos que
., que a sua ordem fosse cumprida "porque os soldados se acham
havia no Rio de Janeiro se dispusera a aceitar o convite anterior­
j absolutamente nus sem mais cobertura do que um bocado de
) baeta"", Em 1734, Vasconcelos queixa-se de que a guarnição mente feito pelos moradores".
estava sem receber fardas novas há dois anos, Como os pedidos No ano seguinte, o governador voltou a pedir à Coroa o envio
) de um médico para Colónia. Soubera que um médico ia transferir­
feitos ao governador do Rio não foram satisfeitos, resolveu seguir

) a sugestão do provedor da Fazenda Real para que recorresse


-se de Minas Gerais para o Rio de Janeiro, o qual poderia ser
)
, directameme ao rei lS , convencido a instalar-se em Sacramento, se o rei o contratasse,
" pois a população oferecera-se para completar o seu salário com
/ uma contribuição"", De facto, Luís de Almeida Ramos, procurador
da população da Colónia do Sacramento, já havia apresentado
2.2.4. - O Sistema de Saúde um requerimento ao rei no qual pedia providências para a criação
)
de um hospital e da formação da Irmandade da Misericórdia no
) Para cuidar da saúde dos soldados e povoadores, em 1717, povoado, sendo para tanto necessário o envio de um médico e
..
/ a Coroa enviou para a Colónia do Sacramento Baltasar dos Reis
um boticário",
que, com o cargo de cirurgião-mor, deveria receber quinze
Apesar do empenho do governador e da população de Sacra­
reis mensais de soldo, Além de um bom período de experiência
mento, o máximo que se conseguiu foi a vinda de um boticário,
) prática, conseguido durante os quatro anos e meio em que traba­ João Pedro Freire, em 1723, Vasconcelos contratou-o com o
'\ lhou no Hospital Real de Lisboa, Baltasar dos Reis foi examinado salário mensal de dois mil e quinhentos réls, emregando·lhe os
-./
\ e aprovado pelo cirurgião-mor do Reino, em cujos registros "tinha medicamemos que lhe foram enviados do Rio de Janeiro e de
j
nota de bom exame, o que conseguiam poucos"·, ---i Lisboa. Contudo, como a maior parte dos remédios encontrava-se
<'I estragada, o governador autorizou Freire a vender os seus prô­
v Esta parece ter sido a única providência tomada por Lisboa
para garantir a saúde dos habitantes de Col6nia, pois, em 1722, prios, pelo preço do regimento de Lisboa"". A administração dos
ano de sua posse, o governador Vasconcelos verificou que os remédios aos soldados e oficiais doentes ficava por conta da
) soldados doentes estavam desamparados por faHa de um hospi­ Fazenda Real, pois não eram descontados dos seus soldos"'.
tal. Ordenou, então, o término de uma construção que, a princí­ Se nenhum médico se dispôs a seguir para o Rio da Prata,
pio, se destinava a servir de ferraria, para que ela servisse de duas pessoas disputaram cargo de cirurgião-mor em 1724. Fran­
) cisco Soares de Almeida, nomeado pela Coroa "cirurgião-mor de
enfermaria para a guarnição. Seguindo o procedimento dos hos­
) pitais portugueses, os soldados doemes deixariam de receber os Colónia" foi impedido de assumir o seu posto por Baltasar dos
) soldos e a ração enquanto estivessem internados, os quais seri­ Reis, que ainda ocupava o posto em questão. Para resolver o
, am revertidos em benefício da enfermaria .n problema, Almeida teve de retornar à metrópole a fim de apresen­
)
Na enfermaria improvisada, com capacidade máxima para tar uma petição ao rei, na qual lhe pedia uma decisão salomóni­
atender quatorze pacientes, um enfermeiro, auxiliado por um ca. Pedia que Baltasar dos Reis fosse mantldo no cargo de cirur­
) índio, estava encarregado de cuidar dos doentes. Tendo em vista gião-mor da guarnição, visto que quando o mesmo chegou a
., a precária situação, Vasconcelos não deixou de alegar à Coroa Sacramento, lá não havia mais gente que os militares, enquanto
j
que pOderia ter construído um hospital maior e melhor equipado ele deveria ser empossado no cargo de cirurgião-mor da praça,
) se as letras de câmbio que passava aos comerclames fossem encarregado de tratar da população civil"'. Solução que parece tar
) prontamente pagas no Rio de Janeiro'·, Também pediu ao rei que sido aceite por D. João V.

)
) 214 215
)
Em 1732, os militares e povoadores da Colónia do Sacra­ da necessidade de uma parteira para o povoadO em constante
mento enviaram à Coroa um requerimento no qual protestavam crescimento, acrescentando que ela não deixaria "de ter sufi­
que muitas pessoas morriam pela falta de médico. Embora a ciente lucro em terra tão fecunda, e onde as pagas são mui avan­
praça contasse então com dois cirurgiões, alegava-se que eles tajadas",
não sabiam curar febres nem identificar os sintomas das doenças Em Setembro do ano seguinte, o Conselho Ultramarino deu
que acometiam a população, Pediam, então, que o rei mandasse parecer, aprovado pelo rei em Outubro, que se escrevesse ao
para Colónia um médico, "porque Vossa Majestade costuma governador do Rio de Janeiro para q ue ele providenciasse o
mandá-los para a índia, Angola e mais Américas e eles supli­ ,
envio de uma parteira e também que se remetesse da metrópole 'l
cantes não desmerecem da mesma graça por serem vassalos um médico com experiência comprovada para trabalhar em
de Vossa Majestade e necessitarem dele como os demaiS"". Colónia. O salário do médico deveria ser de quatrocentos mil réis i
Queixavam-se ainda de que uma vez internados, os seus soldos anuais, constituído de cento e vinte mil réis pagos pela própria "~
eram destinados ao hospital, do qual eram expulsos se o valor população e cento e vinte mil réis do salário do falecido cirurgião­
dos seus salários fosse insuficiente para pagar o tratamento. A ~
-mor, 'Vindo por esta forma fazer somente de nova despesa à
situação era, na verdade, precária, pois, "uns morrem à necessi­ Fazenda Real, cento e sessenta mil réis cada and"". ~
dade, outros fogem por lhe não ficar com qUe se sustentarem ao Contudo, apesar da disposição da Coroa, o primeiro médico 7~
depois [do tratamemo/,,".
Chamado a dar seu parecer, o governador negou a gravi­ ,
de Colónia só chegou na tarde do dia 25 de outubro de 1735, a
bordo do primeiro socorro que o governador do Rio enviou ao
~
,l

dade da situação, dizendo que não permitia que os soldados mor­ povoado, então sitiado pelos espanhóis, Chamava-se José Ri­ ~
~essem ao 'desamparo nem concordava com o pretexto dado à
deserção, a qual julgava "mero vIcio', Contudo, voltou a ressaltar 1
beiro Pinhão e fora embarcado à força no_RiO ,de Janeiro,

providência que foi muito útil à população sitiada, que sem de­

~
a necessidade da construção de um hospital, pois a pequena mora começou a sofrer de doenças causadas pelo consumo de

enfermaria não era capaz de atender à guarnição, que então con· alimentos salgados e deteriorados",

.~
tava com mais de 450 praças de infantaria. Para custear a cons­ Durante o sítio espanhol, as condições de higiene pioraram
trução de um hospital"', pedia a aplicação de 400.000 réis anuais a sensivelmente com a superpopulação do povoado, já que as pes­
serem retirados dos dízimos, valor que seria acrescido com os soas que viviam no subúrbio buscaram refúgio no recinto fortifica­
soldos dos internos, conforme a prática nos demais estabeleci­ do. Como os mantimentos se faziam cada vez mais escassos e "!l
mentos de saúde". de pior qualidade, a disenteria fez várias vítimas, principalmente
No mesmo ano, Vasconcelos noticiava à corte de Lisboa o entre velhos e crianças, Para atender à urgência da ocasião, em
falecimento do cirurgião-mor Francisco Soares de Almeida e 1736, o governador criou às pressas três hospitais para cuidar
aproveitava a ocasião para pedir, mais uma vez, a vinda de um dos doentes, entregando ao boticário João Pedro Freire todos os
médico para Colónia. Atento para as constantes preocupações da medicamentos encontrados nos armazéns reais, além de garan­
Coroa em não aumentar os gastos com a manutenção do ImpériO tir-lhe dois mil e quinhentos réis mensais para aviar as suas
colonial, Vasconcelos sugeria que o gasto da Fazenda Real seria receitas" , .\1l
reduzido se o novo médico recebesse o salário do falecido cirur­ O pedido do brigadeiro José da Silva Pais, comandante dos
gião-mor, ao qual se poderia acrescentar um aumento, enquanto socorros enviados ao Rio da Prata, ao govemador do Rio, Gomes !,'~
a população se responsabilizaria em acrescentar cento e vinte mil
réis ao seu soldo anual. O governador também não se esqueceu !
Freire, de que se colocasse fim aos abusos nos gastos com os
remédios, que já passavam de três mil cruzados, parece sugerir
í.
''';

j~
216 217
)

)
foram sacrificados para conter a fome dos sitiados. As poucas
que houve super-facturamento no valor dos mesmos·'. No entan­
) to, há muito tempo, João Pedro Freire pedia o reajuste dos galinhas que restavam eram vendidas a quatro mil réis, os gatos
preços dos medicamentos que administrava à guarnição, alegan­ custavam meio peso espanhol e um quarto de cão, oitenta réis.
)
do que com a morte de seu pai, boticário estabelecido em Lisboa, Ervas silvestres e ratos também serviram de fonte de alimentação
') para os sitiados, enquanto as poucas rações de carne salgada,
ele ficou impossibilitado de continuar a vender os seus medica­
) mentos de acordo com os preços regulamentados pelo regimen­ muitas vezes já em estado de putrefacção, eram reservadas aos
-, to. A partir de então, os remédios que encomendara no Reino e doentes·'.
.j
no Brasil chegavam-lhe pelo dobro do preço dos que lhe eram Quando chegavam remessas de alimentos nos navios de
1 socorro, não se sabia como cozinhá-Ias, poiS não havia madeira
j
fornecidos pelo seu pai. Tendo em vista essa situação, o boticário
recorreu ao governador, que, por sua vez, para não alterar sem disponível, e por isso 'Já não há casa que a tenha por ulterior,
consentimento os gastos com a guarnição, recomendou-lhe que nem coisa de madeira que se não tenha queimado e muitos com­
recorresse directamente à Coroa. Então as relações pessoais prando carros para o mesmo efeito"'''. Além do problema ocasio­
)
entraram no jogo, pois Freire buscou a ajuda do agente comercial nado pela falta de lenha, havia a circunstância de que a maior
, José Meira da Rocha, de quem era amigo, para que Francisco parte dos mantimentos recebidos era composta de farinha de
./
Pinheiro, importante comerciante lisboeta, intercedesse por ele mandioca e carne salgada, alimentos impróprios para ser con­
í sumidos pelos doentes, que ao invés de melhorarem, morriam
~'
junto aos membros do Conselho Ultramarino"'. Porém, ainda em
) 1739, continuava a pedir licença à Coroa para vender os seus por causa da 'dieta que lhes era imposta pelas circunstâncias".
remédios pelo dobro do preço que era ajustado pelo regimento de Por sua vez, as constantes remessas de alimentos com que
) as cidades do litoral brasileiro eram obrigadas a contribuir para
Lisboa". ­
) Os crescentes gastos com a saúde parecem relacionar-se com O· esforço' de guerra prejudicavam bastante a população
) antes ao aumento do número de doentes que com a melhoria nas local. D. Pedro António d'Estrés, imediato da nau Nossa ::;enhora
condições do atendimento. Silva Pais libertou os reforços do Rio da Conceição, avisava Gomes Freire que seria impossível man­
) ter por muito tempo a Colónia do Sacramento sem garantir o
de Janeiro do desconto a que eram submetidos para a assistên­
) cia do hospital. pois embora esta fosse disposição do regimento acesso livre à campanha, onde se poderiam conseguir alimentos
do Rio, a guarnição de Colónia não era obrigada a contribuir com frescos, pois os salgados continuaram a causar muitas doenças
)
as despesas do hospital, através do desconto do seu soldo. Con­ e o Rio de Janeiro não poderia continuar a remeter mantimentos
") sem experimentar escassez de víveres que já acometia Salva­
tudo, os militares cariocas não deixaram de reclamar que no hos­
pital de Sacramento "morrem muitos soldados à míngua, por não dor""'.
terem um caldo de galinha e silo tratados como se pode, e [por­ A falta de alimentos frescos também era a principal respon­
) sável pelo aumento do número de doentes entre a tripulação da
tanto] não devem dar o vintém e eles o que lhe toca""".
) No inverno de 1736, aumentaram os protestos dos soldados, marinha de guerra. Muitas vezes todo o alimento disponível na
especialmente dos que chegaram com os reforços do Rio de frota resumia-se a farinha e água'·', sendo que s6 se recorria à
5
Janeiro e da Bahia. que não estavam acostumados ao clirna frio pesca quando faltava farinha"", situação responsável pela dis­
) seminação do escorbuto entre a tripulação e os soldados"'" A nau
da região platina. Às doenças causadas pelO frio. contribuíam
) para aumentar o descontentamento dos soldados a falta de man­ Conceição chegou a ter duzentos doentes a bordo, a nau Vitória,
'"

timentos e o atraso no pagamento dos soldos"'. Segundo Simão noventa e cinco e a Lampadoza, cento e oitenta"". Em Dezembro
,)
Pereira de Sá, nessa ocasião mesmo os animais domésticos de 1736, Gomes Freire escrevia ao coronel Prego que, dos cento
)
)
) 218 219

)
"
I
'I
e dezessete doentes remetidos ao Rio de Janeiro, cinco mor­ e no fim do que, digo-lhe, pagam do Rio de Janeiro com matá-los
reram durante a viagem, mas muitos se restabeleceram antes da à fome 107». ~
chegada, de modo que só quarenta e três foram intemados no Como no passado, as fortificações de Colónia voltaram a ser :~
hospital'" . construídas de terra e faxina'"', já que, além de serem os materi­
~
O impressionante número de homens que se restabeleceu ais mais baratos e fáCeis de trabalhar, possulam a importante
.~
durante a viagem do Rio da Prata para o Rio de Janeiro sugere vantagem de resistirem bem ao bombardeio inimigo, sofrendo
que o fingimento de doenças era uma das formas de resistência menos com o impacto das balas de canhão que os muros de :t:]
ao recrutamento forçado. Gomes Freire irritava-se com as cons­ pedra'''. Embora fosse mais fácil trabalhar a terra que a pedra, os ,~
tantes enfermidades que acometiam as tropas, dizendo que, dos trabalhos na fortificação seguiam a passo lento, devido ao apro­
.~
reforços da Bahia, logo voltaram oitenta e cinco, "sem mais remé­ visionamento deficitário. Barbosa queixava-se ao vice-rei que se
dio que dormirem algumas noites nos quartéis". Realmente, tudo "não me mandam dinheiro para a fortificação que, sem este, mal 1!
indica que nem todos os que se queixavam de moléstias realmente se pode fazer,' não tenho senão quatro oficiais de pedreiro, que

:~

estavam doentes, pois, quando Silva Pais pediu ao comandante são poucos para tanta obra que está para fazer'"". Contudo, ape­
da nau Conceição que enviasse ao hospital os 213 doentes que sar das adversidades, segundo o testemunho do sargento-mar .,
;;f

estavam a bordo, o número de enfermos reduziu-se subitamente Manuel Botelho de Lacerda, o governador nunca deixou de "con­ i:'}
~~

a vinte e seis, dos quais o brigadeiro achava que somente seis tinuar as obras da fortificação por se achar sem nenhum meio: .;j
padeciam de alguma doença. Por isso Gomes Freire insistia que nem dinheiro, nem de mantimentos, nem de materiais para poder \

se fizesse um exame rígido entre os soldados que alegavam trabalhar" ". .~i
"

doenças para averiguar se realmente sofriam de algum mal, pois, Antes mesmo de assumir o governo de Colónia, António .'4
para o governador do Rio, na maioria dos casos, as queixas dos Pedro de Vasconcelos pediu à Coroa um engenheiro para cuidar
soldados não passavam de "mandriices ou bisonharias'os". da construção das fortificações, pois não confiava na capacidade :;~
do que lá se encontrava, o tenente-general José Vieira Soares. :;~
Aires Saldanha, governador do Rio de Janei ro, suspeitava que
Vieira Soares estivesse a serviço dos espanhóis, passando-lhes
2.2.5. - As Diferentes Funções dos Soldados importantes informações sobre a Colónia do Sacramento, Por
essa razão, o governo metropolitano ordenou a Vasconcelos que
As funções dos soldados da guarnlçao da Colónia do investigasse o caso com muita cautela e caso fosse comprovada
Sacramento não se limitavam ao serviço militar propriamente dito, a traição, o engenheiro deveria ser preso e embarcado para Lis­
pois o seu trabalho era constantemente requisitado para partici­ boa com um" cópia do auto da prisão. Na mesma ocasião, o fi

par na construção de prédios públicos, especialmente das fortifi­ Conselho Ultramarino preocupou-se em substituir José Veiga ~:

cações. Durante os primeiros anos do governo de Manuel Gomes Soares, recomendando a partida imediata do engenheiro subs­
Barbosa, as tarefas da reconstrução de Colónia foram prejudi­ tituto na frota que estava a preparar-se para seguir para o Rio de
cadas pela falta de recursos. Em 1718, o governador pediu ao rei Janeiro112 • ~!i:

que olhasse pelos soldados que trabalhavam na construção de No entanto, o novo engenheiro, tenente de mestre de campo
trincheiras, dois quartéis, dois armazéns, um corpo de guarda e general Pedro Gomes de Figueiredo, só chegou a Sacramento em
nas casas do governador, do ferreiro e dos jesuitas, "sem se lhes 18 de Novembro de 1724, no mesmo ano em que se dera a tenta­
dar um só real, que todas estas obras são feitas de pedra e barro, tiva frustrada dos portugueses de se estabelecer em Montevidéu,

,~
220 221

~
)
)
) No momento em que se reacendia o conflito com os espanhóis, assiste naquela praça". Os conselheiros ainda argumentavam
) mais do que nunca era necessário dar atenção ao sistema defen­ que essas obras podiam provocar problemas com os espanhóis,
sivo, mas, se o engenheiro tinha chegado, não havia dinheiro para mas concordavam na sua utilidade em caso de um ataque, já que
)
o início das obras"'. a Coroa espanhola insistia no argumento de que o território de
) Como Vasconcelos não gostava de perder tempo, imediata­ Colónia não deveria passar do alcance de um tiro de canhão.
) mente ordenou a execução de reparos nas fortificações. A Sugeriram então que, ou se fizesse a fortificação com toda a bre­
madeira necessária para o inicio do trabalhO tinha de ser busca­ vidade, ou então se suspendesse a obra até se chegar a algum
) da muito longe, pois na campanha somente existia vegetação de acordo com o governo de Madrid"'.
grande porte nas margens dos rios. Ainda em 1724, uma com­ Os trabalhos nas fortificações não deixaram de chamar a
) panhia de cavalaria e outra de infantaria, conduzindo cem car­ atenção dos espanhóis, pois em Março de 1727, o governador de
retas, dirigiram-se ao rio do Rosário, distante oito léguas da Buenos Aires Informou à Coroa espanhola sobre a chegada de
) Colónia, a fim de adquirir a madeira necessária para restaurar as várias embarcações carregadas de materiais de construção ao
) suas fortificações, levando seis dias para cumprir a missão'''. porto de Colónia, onde era grande o esforço dos portugueses em
'\ Entretanto, a fragilidade do material às intempéries não lhe dava melhorar o estado de defesa da praça'''. Mas, se a fortificação
)
uma grande durabilidade, pois, cinco anos depois, o governador que defendia o porto prosseguia, em Junho do mesmo ano, Vas­
) escrevia à metrópole que a praça se encontrava outra vez sem concelos escrevia que Sacramento não contava com "género
) muralhas"'. algum de fortificação pela parte de terra mais que com uma leve
Em 1726, o governador Vasconcelos escreveu ao vice-rei trincheira que ele e seu antecessor levantaram"'". Tendo em vista
) informando-lhe que dera in feio a uma fortificação dedicada a São o aumento da povoação e o incremento do povoamento espanhol
) Pedro de Alcântara e destinada a defender o ancoradouro. em Montevidéu, o Conselho pediu ao rei que escrevesse ao go­
) Informava ainda que a obra andava adiantada e que não duvida­ vernador mandando-lhe pôr a trincheira no melhor estado possí­
va de que terminasse no mesmo ano, se houvesse dinheiro vel, cuidando para que os moradores não erguessem construções
) necessário para o pagamento dos trabalhadores, "porque a pe­ que prejudicassem a defesa da praça.
) dra, areia, serventes e água lhe não custa nada, e a cal mui Em 1730, Vasconcelos Informou à Coroa que as chuvas havi­
pouco; por haver descoberto pedra que a faz mui boa, e com os am espalhado a terre que se juntara para fazer uma trincheira, a
)
fndios se corta a faxina com que se cozem várias fomadas". Para qual, "nenhum respeito fazia na forma em que se achava, ainda
) dar prosseguimento à obra, pedia a contribuição com algum di­ aos mesmos naturais'''''', Por isso pediu ao governo que separas­
) nheiro das rendas reais de Salvador, já que, "do Rio de Janeiro se doze mil cruzados da consignação de quarenta mil cruzados
se não dá providéncia aos soldos daguamição, a que se devem que a alfândega carioca destinava à construção das fortificações
)
dez meses, menos razão tenho de esperar que se mande para da cidade para melhorar o sistema defensivo de Colónia. Segundo
) esta obra116~. o governador, os gastos não seriam muito elevados, argumentan­
) Entretanto, ao invés de receber ajuda, Vasconcelos foi cen­
do que "no Brasil se nJJo podia considerar menos preço nos mate­
surado pelo Conselho Ultramarino por ter dado início às obras de riais, e que como Vossa Majestade tem ali engenheiro, um Terço
) fortificação sem a autorização da Coroa, "principalmente havendo de infantaria, e bastantes índios separados do tráfico da terra,
) de fazer tão consideráveis despesas como promete e se perceba nenhum embaraço podia haver para ser efectivo o trabalho da
) da sua delineação nem também a devia pôr em execução, sem muralha, podendo-se esperar do serrado dela não fosse tão con­
consultar a planta feita pelo tenente general engenheiro que tinuada a deserção que por ora não se podia evitar'" ".
)
J
222 223
)
)
Os trabalhos de fortificação foram impulsionados pela chega­ os preparativos para o ataque a Colónia. Com a aproximação do
da dos chamados "padres matemáticos", jesuítas enviados pela inimigo, a primeira preocupação do governador foi reforçer a fortifi­
Coroa com o objectivo de elaborar mapas da América portugue­ cação, ainda inconclusa. Mas, como a nova muralha que se levan­
sa. Ao ter conhecimento da sua chegada ao Rio de Janeiro, Vas­ tava ainda não passava dos alicerces, decidiu restaurar o reduto
concelos escreveu ao governador Vahla Monteiro para que os antigo'''. Em Setembro, Vasconcelos ordenou que toda a popu­
enviasse a Colónia antes que adentrassem nos sertões, a fim de lação, sem excepção de sexo, ajudasse a guarnição a reparar as
regularizar o desenho das fortificações'''. Em Outubro de 1730, defesas, que as chuvas haviam danificado'" de tal maneira que
os padres Diogo Soares e Domingos Capassi deslocaram-se Simão Pereira de Sá escrevia "que toda a muralha eram portas'30".
para Sacramento'''. Os trabalhos de restauração da fortificaçâo continuaram sem
Em Junho de 1731, o padre Diogo Soares informava ao rei parar nos domingos ou dias santos, com a participação de toda a
que da nova fortificação só havia o desenho do terreno e lugar população, inclusive dos meninos da escola, que executavam o
onde havia de se construir a muralha. serviço cantando como uma forma de suavizar o árduo traba­
Escrevia ainda que "nem o custo e a despesa poderá ser lho"'. Segundo Pereira de Sá, o governador Vasconcelos trazia­
ex.ce"slva, porque a pedra é muita, a cal de Vossa Majestade, o -os dedicados ao serviço à custa de alguns vinténs e, para dar o
salário dos índios limitado, os presos e degredados, que também exemplo, fora o primeiro a começar o trabalho'''. Todavia, apesar
trabalham, inumeráveis". Até então a defesa da praça consistia do empenho do governador e de toda a população, tudo leva a
em "quatro montões de terra, que aqui se acham já arruinados", crer que não se conseguiu fazer muita coisa, a não ser melhorar
sobre os quais havia quatro barracas de couro e palha, que não um pouco o estado das fortificações. Assim, logo que o brigadeiro
garantiam a defesa, mas antes "servem sim para a contínua de­ José da Silva Pais e o mestre de campo André Ribeiro Coutinho
serção da soldadesca, sem que o cuidado deste governador, que chegaram a Colónia, em 1736, a fim de ajudar na conclusão das
neste particular e excessivo, baste a impedi-Ia'''''. obras do sistema defensivo, "ficaram maravílhados do mal que
No ano seguinte. D. João V mandou dar prosseguimento às estava fortificada e de que não sendo necessária brecha para ser
obras de fortificação, ordenando ao provedor da alfândega do Rio entrada no princípio deste sítio'''''.
de Janeiro que, durante quatro anos, remetesse dois mil cruza­ Convém ressaltar que o objectivo das muralhas não se limi­
dos anuais, retirados da dízima da alfândega, para os reparos do tava a assegurar a defesa da praça, pois também visava a garan­
sistema defensivo. Contudo, Vasconcelos e o engenheiro encar­ tia da manutenção da ordem interna. Como vimos antes, entre os
regado da obra voltaram a manifestar-se, argumentando que a argumentos do governador Vasconcelos e do padre Diogo Soa­
soma a ser aplicada era pequena demais até para o simples res para que a Coroa providenciasse a conclusão das obras de
reparo das ruínas, o que levou a Coroa a destinar para a obra os fortificação, estava presente a expectativa de que cessasse a
cinco mil cruzados destinados à construção do edifício da cadeia deserção. Coates salientou que as restrições à mobilidade faziam
do Rio de Janeiro'''. com que a sorte dos soldados se assemelhasse à dos degre­
Ainda assim as obras continuaram em ritmo lento. Em Abril de dados, obscurecendo assim ainda mais as distinções que pudes­
1733 ainda se estava a abrir o fosso do primeiro baluarte da nova sem restar entre fortaleza militar e cadeia'''''. Na realidade, a
fortificação''', sendo que o trabalho prosseguiu somente até De­ construção de muralhas facilitava aos oficiais o controle sobre as
zembro, quando acabou o dinheiro da consignação da alfândega entradas e saídas do recinto fortificado'''.
do Rio"'. Parece que a Coroa só se deu conta da extrema len­ Outra maneira de garantir a vigilância sobre os soldados era
tidão com que seguiam as obras quando os espanhóis iniciaram alojá-los em quartéis. Como os soldados solteiros tinham maior

224 225
)
"")
) propensão à deserção, uma vez que nenhum vínculo familiar os reterências ao trabalho dos soldados casadoS na agricultura e na
) prendia à Colónia do Sacramento, eles foram instalados em "dois manufactura. Aliás, como os militares definitivamente não podiam
galpões construídos por ordem de Manuel Gomes Barbosa. contar em receber o seu salário em dia. tinham que garantir a sua
) Estes edifícios deveriam ser grandes astruturas onde não havia sobrevivência através de alguma actividade económica que pu­
) qualquer tipo de privacidade, onde um sargento ou um cabo que desse ser realizada durante os perfodos em que não estavam no
) dormia com a soldadesca estava encarregado de impedir as saf­ serviço militar activo.
das nocturnas. Se os soldados que pernoitavam no alojamento Se, nos fins do século XVII, durante o govemo de D. Fran­
) estavam sujeitos a um controle severo. os que pudessem pagar cisco Naper de Lencastre, a maioria dos soldados procurava
~ tinham o direito de alugar uma casa, situação que levou os menos garantir a subsistência através da prática da agricultura"", a si­
) favorecidos a enviar uma petição a Lisboa para pedir a construção tuação não deve ter mudado muito no século seguinte. Em 1720,
de quartéiS em Sacramento''''''. segundo o governador Manuel Gomes Barbosa, os militares
) Devido ao elevado custo de vida em Colónia, é provável que foram os responsáveis pela maior parte da produção de trigo'" . Po­
) pouqufssimos soldados solteiros pudessem pagar um aluguer, rém, se os oficiais geralmente cultivavam as suas terras através
tendo, pois. de se contentar com o alojamento comum. Já os do trabaiho escravo, além de provavelmente explorarem o serviço
) oficiais e os soldados casados podiam construir a casa própria no dos subordinados'''. a maioria dos soldados casados trabalhava
) terreno doado pelo governador. Porém, tudo indica que nos pri­ no campo, onde, na maioria dos casos, só contavam com a ajuda
) meiros tempos nem todos conseguiram recursos para a cons­ da sua famma.
trução, já que, em 1719. Gomes Barbosa registrava a existência Como a triticultura não exigia trabalho durante todo o ano,
) de dezesseis ou dezessete barracas feitas com couros, nas quais mas somente durante o período da aragem e semeadura, que ia
) moravam os soldados casados pobres. enquanto os oficiais e de fins de Maio a Julho e durante a colheita. realizada de Dezem­
) outros soldados viviam em cinquenta e uma casas de pedra e bro a Fevereiro' .... havia a possibilidade de conciliar o trabalho na
barro'S'. agricultura com o serviço militar, que na sua maior parte consistia
) Além de ser usada como mão-de-obra na construção das for­ na execução de rondas nocturnas. O mesmo deveria passar-se na
) tificações e dos alojamentos, a guamição também foi chamada a guarda espanhola do rio de São João, onde os portugueses iam
participar das obras da igreja matriz, na qual os soldados traba­ comprar pão quando havia carestia de trigo em Colónia'''.
)
lharam duas horas pela manhã e duas todas as tardes durante o
) governo de António Pedro de Vasconcelos'''. A 'intensa partici­
) pação da soldadesca nas obras públicas era passivei porque o
serviço militar não exigia dedicação exclusiva. Fora o serviço de
)
vigia, que deveria ser constante, o regimento do exército limitava­
) -se a exigir que. ao menos uma vez por semana deveriam acon­
) tecer exercícios militares e que "de tempo em tempo se distribuirá
pólvora aos soldados, tanto em guarnição. como em campanha,
)
para ensiná-los a atirar'''".
) Embora os documentos não façam referência expressa ao tra­
) balho dos militares nas obras públicas, acreditamos que ele era
imposto, sobretudo, aos soldados solteiros. pois há numerosas
)
)
226 227

,
',.
NOTAS ;li) Consulta do Conselho Ultramarino de 2 de Setembro de 1733, ín lHGB, Arq. 1.1.26,

1ls. 19&-195, Â
André Corvisler, La France de Louis XlV, p. 180.
1 ao VasconCé!os ao rei, 'Z7 de Fevereiro de 1735, 10 AHU, Colónia do Sacramento, ox. 3,
,~'
"Garcia de Ros ao rei de EspOf1ha. 3 de Junho de 1716, ln Pahfo ?a&1élls o F. Mateos. doe. 303. ,
Historia de la Compafjja de ,Jesús en 1<1 provinda dei paraguay, lorno VL p. 57. .10 Simão Pere-tra de Sá, op. cit, p" 75.
,
~,
Registro do um regimento que se remeteu para a Colónia do Sacramento, 27 de
J 5. Translado do instrumento em pública forma do registro de duas atestações paBsF.ldas

Setembro do 1716, ln AAHAS, vaI. i, p. 28. por Francisco Vaz de Carvalho e Manuel dos Santos Pereira, a 20 do Malo do 1777... IEB,
i
4 Registro do um regimento quo se remeteu para 2 Colónia do Sacramento, 27 do Colação Lamego, cód. 1R14,A8 )
Setembro de 1716, ln AAHAS, vol. 1, pp, 28-2R "-lI EnriQue Peregalli, op. cit., p, 82,

~ Registro do formulário criado por Vânia Monteiro para o escnvão da Fa:z.cnda e o '" Anita W. Novinski, Inquisição: Invenlâno de BMS Confiscados a Cristãos Novos,
)
almoxame da ColónIa do Sacramento, 28 de JU!tlO de 1725, ln AAHRS, vol. 1, pp. 30-31. pp. 18(}.181.
G Regtstro do formuláno criado por Vahia Montoiro para o 9flCfivão da Fazenda e o "" Vasconcefos ao roi, 19 de Agosto de 1733, in AHU, CoI6nia do Sacramento, ex. 3,
almoxarífe da Colónia do Sacramento,?8 (18 Julho de 1725, \n AAHR$. voi. 1, p. 32. doe. 268.
f Carta rógia ao governador do Rio de Janeiro, in A8NAJ, vol. XXXIX, p. 369, li> Cristóvão Pereira de Abreu ii Silva PaIs, 5 de De7ombro de 1736, in R1HGRS, n° 104,

a António Br1!o do Menezes ao rai, 4 de Março de 1718, ln ABNRJ, voL XXXIX, p, 370. p.418.
~ Auto da deliberação da junta convocada pelo gowmador António Brito de MS'lezes, J<! Consulta do Conselho Ultramarlt10 de 21 de Julho de 1738, in ABNAJ, vof. XLVI,

1 de Outubro de 1717, in ABNRJ, vol. XXXIX, p. 370. p.431.


Gomes Barbosa ao rOI, 6 de Janeiro de 1718, ln AHU, Cofónia do Sacramento, c):. 1.
li) XI Vasconcelos ao rei, 22 de Junho de 1725. ln AHU, Colónia do Sacramento, cx. 2,

doc.38. ooc.144.
" Consulta do Conselho Ullrarnaríno (le 18 de Jane!TO de 1720, in IHGB, Arq. 1.1.25, .w Vasconcelos ao rei, 6 de Junho de 17'Z7, ln AHU, Cofónfa do Sacramento, ex. 2.
fJs. 246v 248. w doe. 179.
'~Consulta do Conselho Ultramarino de 9 de Novembl'O de 17:.-'0, in IHG8, Arq. 1.1_25, J. Consulta do Conselho Ultramarino de 3 de Julho de 1734, ir IHGa, Arq. . U!6,
fls. 294·, 295v.. ti. 204v.
't Gomes Barbosa ao rei, 6 de Jane'lro de 17i8, ínAHU, Colónia do Sacramento, ex. 1, <I' Consulta do Conselho Ultramarino de 7 de Janeiro de 1736, in lHGB, A(q. ,1 26,
doe.3K fls. :!48v-249v,
H Consulta do Conselho Ultramarino de 18 de Janeiro de 1720, in iHGB, Arq, 1.1.25, fL ", Provisão de 28 de Janeiro de 17:'JQ, in ANTT, Chancelaria de D. João V, livro 131,
?46v-248 Ils. 45-46v.
'I> Consulta do Conselho UltralT1f:l.nno de 10 de Novembro de 1720, ln IHGB, Arq, i ,1_25, ~ ConsuJta do ConseJr\o Ultramarino de 26 do Abril de 1749, ln ABNRJ. voL L. pp. 60·61.
1Is 296v. 298v. w ,," Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. r:it, voL I, p. 350.
1~ Consulta do Conselho Ultramarino de 6 de Março de , 722, in IHGB, Arq. 1, i ,21, fls. .. Consulta do Conselho Ultramarino de 2.6 da Abril de 1749, rn AONRJ, vot L pp. 60-61,
66-66v. .." Forma que düve observar o a!moxarifado da Colón,a do Sacramento e seu escrivão,
"Coni{ulta do Conselho Ultramar'ino de 14 de Abril de 1722, ir: IHGB. Arq, 1.1,21, fls. 28 de Julho de 1725, ln AAHAS, voL 1, pp. 33·36.
78-81v. _t Ordem do governador António 8rito da Menezes, 14 de Janeiro de 1718, ln ANRJ,

's Provisão real passada ao govemador do Bio de Janeiro, Aires de Saldanha de cód. 60, voi. 12, fls. 351v.-352. Ordem de governador. 9 de Setembro de t 719, in ANRJ,
Albuquerque, 3 de Maio de 1722, ln AHU. Colónia do Sacramento ex. 1, doe. 73. cód. no. voL 13, !l. 57v.
11 Vasconce!oa ao rei, 18 do Ouluhro de 17t!2, ln AHU, Colônja do SaCr'i3monio, ex. 1, ~'Moacyr Domingues, A Colónia do Sacramonto t.' °
Sul do Br8s1!j p, 103 .
doe, 81, .. Consulta do Arquivo Ultramarino de 10 de Agosto de 1733, ln IHGB, Arq. 1,1.26, S.
00 Vasconcelos ao rei, 18 de OuttJbro de 1722, ln AHU. Colónia do Sacramento, ex. í, pp.184-186.
<8 Consulta do Conselho Ultramarino de 10 da Novembro da 1720, ln lHGB. Arq. 1, i .25,
doe. 81­
'" Conslllta do Conselho Ultramarino do 5 de Novembro de 1723. in IHG8, Arq. 1.1 21, Ils, i19Gv.-298v.
W Portaria dê Vahia Monteiro, pnme1ro de fevereiro de 1729, ln ANHJ, coo. 60, vol, 17,
fis.2 1.8·251.
;u Vasconcelos <la reL 4 de Fevereim de 1723, in AHU, Colónia do Sacramento, ex. 1, fls. 17''./.-18.
doe, 92. "1 Carta regia a AIres de Saldanha. 22 de maio de 1722, ln ANRJ, cód. 60, vol. 14,

1\ Vaseol')ceJos ao rei. 20 do MaiO de 1726, ln AHU, Col6nia do Sacramento, ex, 2, fls.18v-19.


doe. 1613. s~ Vasconcelos ao rei, 2 de Fevereiro de 1723, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex, 1,
:« Vasconcelos ao vlce,rai, 31 de Março de 1726, ln J. G. Rego Monteiro, op. cit, vo1. 2, doe. 89.
p.77. iJ] Vahía Monteiro a Vasconcelos, 30 de Novembro do 1728, iI') ANRJ, cód. 87, voL 3.

'" Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. dt., voi. 1, p. i96. fi. 167.
n Vahia Monteiro a Vasconcelos, 19 de Janeiro de 1728, 10 ANRJ, oód. 87. vaI. 3, "" Vilhfa Monteiro ti Vasconcelos, 16 dbl Abril de 1728, in ANFIJ, cód. 87, vol. 3, tis. 135·135v.
fls. 124v. 125. w ~. Vasconcelos ao rei, 10 de Fevereiro da 1723, ir AHU, Colónia do Sacramento, ex. 1,
~ VasconcelOs ao fei, 5 de Abril de 1731, AHU, ('<Glónla do Sacmmento, ex. 1, doc. 226. doe. 98.

228 229
J

)
)
) $& o tenente Manuel Félix Correia. participou de muitas vacarias quQ se fizeram nO "f1 Vasconcelos ao rei, 18 de Outubro de 1722, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 1,
decurso de nove meses, em 1720, empregando, em algumas delas. doze dias consecutivos. dOc.81.
') No mesmo ano, percorreu OS campos com sessenta homens para afugentar 0$ índios das 1fl Vasconcelos ao rei, 11 de Maio de 1725, in AHU, CoJónía do Sacramento, cx. 2.

redondezas de Colónia e em 1124, foi mandado buscar 600 vacas para o sustento da praça, doe. 135.
) "'0 que m:ecutou dentro de dez ál8s, vencendo as dificuldades e ambarsços das guardas 1t> Vasconcelos ao rei, 18 de Outubro de 1722, ln AHU, Colónia do $aClamemo, ex. 1,
castelhanas", Domingos dá Luz e Souza, que também participou da missão. diz ter "experi­ ooe.81.
) mentado grandes perigos e trf.fbalhos por lhe $e! preciSO caminhar de noite por Irias dife.. ao Vasconcelos ao rei, prfmetro de Fevereiro de 1723. in AHU, Colónia do sacramente,
<\ rentes, por se desencontrar de quem o pUdesse invadir". Cf. Consulta do COnselho cx. 1, doe. 98.
<' Ultramarino de 26 de Fewreiro de 1729, ln A8NRJ. 1/01. XLVI, pp. 2~3. M vasconcelos ao rei, 11 de Maio de 1725, in AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2,

'" A orescente dificuldade em encontrar manadas selvagens inflacionou o preÇ() do doe. 135.
) gado. Se, em 1122, o govemador pagou 160 réiE'O por cabeça, no ano seguinte, os preços O:! Atestado do governador António Pedro de Vasconcelos sobre os serviços prestados

) oscilaram entre 180 e 180 réfs. Em 1724, o preço variou de 200 a 295 réis, chegando a 320 pelo boticário Joãc Pedro Freire, 20 de Julho do 1731, in ABNRJ, Vol, XLVI. pp. 339~340.
em 1725 e 1726, Cf. Carta de Vasconcelos ao rei, 4 de Junho de 1727, in AHU. Colónia do 113 Vasconcelos ao roi, 14 de Julho de 1728, tn AHU, Colónia do Sacramento, ex. 1,

) Sacramento, cx. 2, doe. 177. ooc.81­


.511 Em i 123, vasconcelos escrevia que $C matavam a cada semana cerca de cinquen~ M Requerimento do cirurgião Francisco Soares de Almeida ao rel, 11 de JaneIro de

) ta reses para o consumo da guarnição. Cf. Carta de Vasconcelos ao rei. 10 de Fevereiro de 1726, ln AHU, COlónia do Sacramento, ex. 2., doe, 150
1723, in AHU, Colónia do Sacrsmento. OX. 1, doe, 98. &lAequerimento dos militares e povoadores ao rei, ln AHU. Cofónia do &.icramenta,
) "" Vasconeelos ao rei, 4 de Maio de 1726, in AHU, Colónia do SactamMto. ex. 2, doe, 1fia ex. 3, dOe. 256.
ooVasconcelos ao ral, 5 de Junho de 1721, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex, 2. U Requerimento dos sO'ldados de Colónia. ln AHU, COlónia do Sacramento, cx, 2.

doe.178, doe. 233.


" Vasconcelos ao rei. 14 de Julho de 1728, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2. "'0 Regimento de 1708 previa que os valores das multas Impostas aos oficiais seriam
)
doc. 199. destinadas à manutenção dos hospitais reais. Os oficiais que vendessem postos em seus
\ ~ Pequena lagoa exfstenle nas proximidades de Sacramenlo, não confundir com a regimentos ou companhias deveriam restituir o valor recebido (§ 24). Os que lafiassem às
) homónima, situada no Rio Grande do Sul. rondas nocturnas deveriam ser presos por quinze dias e privados de seus soldos (§ 44). As
<1;1 "Extracto das perdas e danos executados pelas trepas espanholas ... " in RIHGRS. autoridades militares e judiciárias que consentissem desertores 00$0 seus distritos deveriam
\
/ nO 99, pp. 53. pagar vinte mil réls de multa ao' hospital da província de origem do desertor (§ 217). Cf. Rq..
M Registro de um regimento que se remeteu para a Colónia do Sacramento. 27 de gimento para o Exército, Lisboa, 1708.
)
Setembro de 1116, in AAHRS, vo!. 1, p. 29. *' Vasconoelos ao rei, 18 de Abril de 1731, in AHU. COlónia do &.icramemo, ex. 2,
$5 Portaria de Aires de Saldanha, 25 de Outubro de 17,24, ANRJ, cod. 60. vol. 14, doc.233.
)
,
<'
fls. 81v~82.
"'" Vasconcelos ao rei, 18 de Outubro de 1722, ln AHU. Colónia do Sacramento, ex. 1,
eg Constllta do Conse!ho Uftramarlnode 02 de Setembro de 1733. ln IHGB, Arq. 1.1.26,
fls.193-195.
doe. 81.
wSimão Pereira de Sá, op. cit., p. 77.
)
~-rVasconceios ac !"el, 4 de Abr11 de 1130, inAHU, Colónia. do Sacramento, ex. 2, doe. "' Jonatha.s da Costa Rego Monteiro, cp. cil., vo1. 1, pp. 243~244.
21R Ir.! Silva Pais a GOmes Freire, 4 de Janeiro de 1737, in RIHGRS, n" 1 04. p. 393.

) 4 Consulta do Conselho Ultramarino de 10 de Agosto de 1733, ln IHGB, Arq. 1,1.26, VI Meira da Rocha a Pinhefro, 26 de Junho de 1731. in Luís Usantl (org.), op. cit., vaI. 4.

fls. 184~186. PP< 339-340<


) Vahia Monleiro a vasconcelos, 7 de Abril de 1728, in ANAJ, cód. 87, vol. 3, 11s. 133·134.
'iO .. Requerimentos de JoãO' Pedro Freire, ln AHU, Rio de Janeiro, ex. 45, doe. n'" 10.612­
Consulta do Conselho Ultramarino de 10 de Janeiro de 172:0, !HG9, Arq. 1.1.25, fis,
7IJ ~10.616.
) 237·239. os RegIstro de uma proposta do comissário da expedição a Silva Pais, 11 de Novembro
7' Vasooncelos ao rei, 8 de Fevereiro de 1723, in AHU. Colônfa do Sacramento, ex. 1, de 173$, ín AAHRS, vol. 1, p, 37.
) doC.96, '10: Silvestre Ferreira da Silvá, op. clt., p. 95.
111 Vasconcelos ao rei, 4 de Abril de 1730, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2, doe. 11 Simão Pereira de Sá op. cit., p. 105.
) 219. ~ Abreu Prego a Gomos Freire, 4 do Janeiro do 1737, ln RIHGRS, n" 104, p, 349.
uConsuita do Conselho Ultramarino de 10 de Agosto de 1733, in IHGB, Arq. 1. t .26, Os. IW Vasconcelos a Abreu Prego, 11 de Fevereiro de 1737, ln RJHGRS. n'" 99, p. 87.
) 184-186. - D, Pedro Ant611Jo d'Estrés a Gomes Freire, 19 de Dezembro de 1738, ln RfHGRS,
ta Portaria de Aires de Saldanha, 28 de Setembro de 1724, ln ANRJ, cód. 60, vaI. 14, n'" 109--112, p. 18.
) fls.70v-71. ,~, "Relação da campanha do Alo da Prata, escrita por Henrique Manuel de Miranda
11 Vasconoelos ao rei, 17 de Fevereiro de 1734, inAHU, Colónia do Sacramento, ex. 3, Padilha, imediato da fragata Nossa Senhora da Esperança~, in R1HGRS, n~ 99. p. 73,
)
doe. 216. .... "Outra re~ação da guerra da Nova Colónia", ln RIHGRS, n° 99. p. 116.
1$ Carta patente do eifUrgião~mor da Colónia do Sacramento, Baltasar dos Reis, 18 de
) jlO Abreu Prego a Vasconcelos, 4 de Ma.io de 1737, ln RJH<:JIAS, n" 99, p. 91.

FevereIro de 1717, ln ANRJ, coo. 60, voL 12, fls. 329v.·330. I'" "Outra relação da guerra da Nova Col6nia", in RJHGR$, n'" 99, p, 116.
)
)

230
231
)
)
I~) Gomes Freire €I: Abreu Prego, 06 da Dezembro de 173$, ln RIHGRS, n° 104, p, 366, 131 "Nollcia PrAtica ... " ln Revísta Histórica, tomo VII, n'" 22. p. 607,
100 Gomes Freire a AbrelJ Prego, 25 de Fevereiro de 1737, ln Df, vol. L, pp. 296. \:lI> S'm1âo Pereira de Sá, op, cit, p. 72.
I'" Gomes Barbosa ao reI. 6 de Janeiro de 1718, inAHU, Colónlt! do Sacramonto, ex. 1, ''''' ~Outra relRção da guerra da Nova Colónia"', ln RIHRS, n'" 99, p. 108.
1$< Timothy J. Coates, cp. Ctt" p. 161.
doe, 38.
1<>1 Sobre a construção das forüficações em 1680 e de 1683 a 1705, consultar Lufs 11!i O padre Diogo Soares também defendia a fortificação do Rio Grande de SOo Pedro,
w
Ferrand de Almeida, A Cotónia da Sacramento na Época da Sucessilo de Espanha, pp, 52 argumentando que a par de vantagens económicas, a nova fortaleza poderia ajudar a conter
·53 c 70 71 w a deserção dos soldados da guarnição de Colónia. Escrevia que "não são poucos os deser­
'trlI John Kcegan, Uma. Histórill da Guerra, p. 333. tores, não obstante o ter~mo mostrado a experi&ncla que estes buscam antes a gua.rda de
"o Gomes BarbOSa. ao vk~i;Hei, 12 de Abri! de 1718, ln OH, vai, LXXI, p~. 30-31, São João que o Rio Grande, e quando o busquam, como o passo é unico, e fâcif o represá­
m Certificado de Manuel Boto lho de Lacerda sobre il administração de Manuel Gomes ~!os e remeUNos outra vez a esta Praça", CI. Carta cle Diogo Soares ao rei, 2 de Junho do
Barbosa, 16 de Dezembro de 1719, in AHU, Colónia do Sacmmenlo, eX, 1, doe. 58. 1731, ln Jonathas da Costa RflgO Monle1ro, op, cU., vol. 2, pfJ. 80-82,
11~ Consulta do Conselho Ultramarino de 14 de Abril de 1722, in IHGS, Arq. i ,1.21, j$Vaseoncelos ao rér, 4 de Maio de 1732, ln AHU, Colónia da Sacramento, ex. 3,
ffs.78-81v, doe. 249.
1'3 Consulta do Conselho Ultramarino de 25 de Janeiro de 172$. IHG8, Arq. 1,1.21, ,y Gomes l:3arbo~a ao rei, 19 de Dezembro dI) 1719, ln AHU, Colónia do Sacramento,
fls. 346v.~347v. ex. 1, doe, 47.
'jJ. Consulta do Conselho UltramRrlno de 26 de Fevereiro de 1729, ln ABNRJ, voL XLVI, '''1 Consulta do Conselho Ultramarino de 2 de Março de 1734, ln IHGB, Arq. 1.1.26,

pp. 2-3. fls. 199-201.


"~Consulta do Conselho Ultrttmariro da 19 de Abril de 1730, ln lHGB, Arq. 1.1.26, 1lO Regimento para o E:xército, URboa, 1708. § 50, § 62.

1<1(l Luís Ferrand de Almeida, A Colónia do Sacramento rh,l da Sucessão de Es­


fls, 67-71v.

'1<1 Vasconcelos ao vico-rel, 31 de Marçu de 17?6, ln Jonathas da Costa Rego Monteiro,


panha, ~. 65.
10\ Gomes Barbosa ao rei, 11 de Abril de 1720, in AHU, CoJónie do Sacramenta, ex. i,
op, di., vaI. ?, W. 75-77,
"7 COnsufla do Conselho Ultramanno de 26 de Novembro de 1726, in OH, vol. XCIV, doe, 64.
,# Os casais povoadores quoixaram-se ao rei da concorrência da produção agrfcola
pp. 9~10.

W Real cédula de 22 de Janeiro de i 728, in Campana dei Brasil, vaI. 1, p. 483,


dos olleiais militares, dizondo que 08 mesmos exploravam as suas terras com o trabalho de
.n Consulta do Conselho Ultramarino de 7 de rúvercüro de 1728, in DH, vol. XCIV, escravos e de "outras pessoas que por respoito lhe lavram e semeiam o dIlo campo", Cf.
pp. 26~27. Represen-tação dos povoadores da Colóniu do Sacramento. ln AHU, Rio de Janeiro, CX. 33,
1M Consulta do Conselho Ullramarino de 9 de Novembro de 1730, ín lHOS, Arq. 1.1.26. doe. 7685.
,.~ .Jorge Gelman, ',,:,Gaúehos o Campesinos?" in Anuário IEHS, n. o 2, p. 58.
fls.83-84v.
"" Consulta do Conselho Ultramarino do 2 de Março de 1732, in IHGB, Arq, L1.26, ,.. Vasconcelos ao rei, 25 de Setembro de 1722, in AHU. Colónia do Sacmmenlo, ex" 1,
fls. 147v.-151, doe, 76.
\~2 VaSconce!oR ao rei, 9 de Abril de 1731, in ABNRJ, voL XLVI. pp. 1~4-135.
,~~ André Fcrrdnd de Almüida, A Formação do Espaço Brasileiro e o Proje!o do Novo
Atfàs da AméricA PortugueSA (11 !3 !748), pp. 100-142.
w

1~. Diogo SoareS ao roi, 27 de Junho de 1731, ln Jona1haA dR Costa Rogu Monteiro,
op. cil, voI. 2, pp. 80·82, Se o padre Diogo SOares fala somente no trabalho dos fndios, pre­
sOS c degredados naS obraS de fonificação, acreditamos que os escravos nlilgros tambem
participaram desse trabalho, poIs a sua presença foi constante na história. de Sacramento. Em
1777, Francisco Vaz de Carvalho, sargento'mor de Colónia atestava que o comerciante e
alferes ,JoaqUim Vicente dos Reis trabúlhou "com {Wa pessoa e ascravos nas faxinas da
fortificaçl1o da. Praça". Cf. "Translado dO instrumento em publica forma do registro de duas
atestações.,,", ln IE8, Co{eçtW Lamego, roo. 19.14, A8.
'"~ Cons\úla do Conselho Ultramarino de 23 de Agosto de 1733, in IHG8, Arq. ,1.26.
1ls, 195v,,19G.
).~ Consulta do Conselho Ultramarina de 2 de Março de 1734. in IHGB, Arq. 1.1.26,
fls, 198~201,
,~, Vasconcelos ao rol. 17 de fevereiro de 1734, inAHU, Colónja do Sacramento, ex. 3,
doe. 276

..< i! ~Relação do ~rinçlpjo da Guerra da Colónia",", ln RiHRS, n'" 89, p, 41.

'li' Certificados referentes aos serviços e méritos fW1e!onals de CRetano de Couto

veloso, in ARe, Reg. 217, 38 T5, doe, $, ft 20,


':>(l SimRo Pereira de Sá, op, dI., p. 72.

232 233

)
)
)
guerra. Por isso a maioria dos pedidos de baixa de que dispomos
) de documentação refere-se ao fim da campanha contra os espa­
) nhóis pela manutenção da posse de Sacramento. Analisaremos
alguns pedidos de concessão de licenças relativos aos militares
í
/ da guarnição de Rio Grande, para onde foram enviados muitos
) dos homens que participaram das expedições de socorro a
Colónia, depois da assinatura do armistfcio, em 1737.
2.3. - AS FORMAS DE RESISTÊNCIA Por intermédio de um procurador, a irmã do SOldado Hen­
)
rique Soares apresentou um pedido ao vice-rei, pedindo-lhe a
) Os homens que haviam sido violentamente recrutados não volta de seu irmão a Salvador. O pedido foi encaminhado ao go­
)
tinham muitas oportunidades de escapar ao serviço militar. vernador de Colónia o qual, por sua vez, enviou-o ao comandante
Legalmente, só podiam voltar à vida civil através da baixa, cuja do Rio Grande, onde Soares então servia. Alegando ter partido
) concessão era monopólio pessoal do monarca, ou com a obtenção como voluntário na expedição de socorro a Sacramento e que, no
) de licenças temporárias. A saída mais frequente era a deserção decurso de sete para oito anos de vida militar, jamais tivera nota
)
que, apesar de ser passível de pena de morte, segundo o regi­ alguma contra seu serviço, pedia para voltar para a sua praça de
mento milítar', na prática era frequentemente perdoada, já que era origem, onde a sua irmã necessitava da sua ajuda, visto não ter
uma prática banal nos exércitos do Antigo Regime. outro rendimento. Devido à influência do vice-rei, Henrique
) Soares teve o seu pedido aceite'.
Bemardo da Fonseca, soldado do destacamento de Dragões
)
de Colónia que foi transferido para o Rio Grande, pediu licença de
) 2.3.1, - Baixas e Licenças seis meses para voltar ao Rio de Janeiro, a fim de cobrar algu­
) mas dívidas. Na falta de fiador, oferecia um escravo para traba­
O único meio legal de sair do exército colonial era conseguir lhar nas obras da fortificação até à sua volta, como uma forma de
) a permissão para a baixa dos quadros das forças armadas. garantia de que voltaria para assumir o seu posto. O pedido foi
j
\ Contudo, era bastante diflcll consegui-Ia, visto que, devido à difí­ aceite por Silva Pais, que ordenou que o escravo passaria a per­
culdade do recrutamento e da manutenção dos quadros das tencer à Fazenda Real caso o soldado não retornasse do Rio de
)
forças armadas, a Coroa dificultou ao máximo a concessão de Janeiro'. Assim, os pedidos de Ilcança eram mais fáceis de con­
) baixas. Promoções e baixas necessitavam da aprovação pessoal seguir para quem possuísse algum escravo para dar de garantia
) do monarca, recurso que estava fora do alcance da maior parte durante a sua ausência. Nestas mesmas condições, em 1742, os
dos soldados'. Por isso, os militares esforçavam-se para con­ soldados Frutuoso José Braga', Francisco José Xavier', João de
) seguir licenças temporárias, alegando todo o tipo de obrigações Lemos Pereira', Bemardo da Sílva Lobo' e Manuel Gomes Pereira
) que fossem incompatíveis com o serviço militar. Licenças tem­ conseguiram seis meses de licença para voltar ao Rio de Janei­
) porárias que permitiam a locomoção dentro do Estado do Brasil ro,o, enquanto Manuel Tavares" pôde voltar para Minas Gerais e
podiam ser concedidas pelos govemadores, porém para se dirigir José de Araújo" para Pernambuco.
) à metrópole, desde 1735, era necessária a aprovação real'. Os soldados que não possuíam escravos podiam deixar
) Difíceis de conseguir em tempos de paz, as dispensas do como garantia bens móveis e imóveis. Durante as licenças, não
serviço militar eram quase impossíveis de ser obtidas durante a tinham direito a soldo nem à contagem do tempo no serviço real.
)
)
) 234 235
)
Pedidos no sentido de continuar a ganhar os soldos durante o suas sementeiras de trigo e ganhar com o suor do seu rosto sus­
licenciamento, baseados no bom comportamento, foram recusa­ tento para seus filhos e mulher, o que sendo soldado não pode
dos pelo comandante, como foi o caso de João Gomes de Oli­ fazeI""
veira 13• O rei devolveu a petição ao governador Vasconcelos, pedin­
Por sua vez, os militares que queriam voltar à praça de do-lhe o seu parecer. Para o governador, João da Rosa procedeu
origem deveriam conseguir que outro homem ocupasse o posto mal em pedir a baixa, pois o mesmo não apenas perderia os
abandonado, Embora um decreto de 1719 proibisse a concessão recursos do soldo, mas também o fornecimento de fardamento,
de baixa a qualquer soldado, antes que o seu posto fosse provi­ farinha e carne, pois, segundo Vasconcelos, Rosa sempre rece­
do por outro que o substituísse", em alguns casos o comandante bera mais licenças do que os outros soldados, já que, além de
confiava na palavra empenhada no sentido de se conseguir um trabalhar na agricultura, ele também exercia o ofício de carpin­
substituto, Tal foi o caso do soldado Dragão Salvador de Morais, teiro. Porém, em consideração aos anos de serviço e a sua idade,
que conseguiu uma licença de seis meses para voltar a Santos, o governador deu parecer favorável à concessão da baixa com a
onde alegava ter deixado a mãe viúva e duas irmãs ao desam­ condição de que Rosa ficasse em Colónia com a família, sem ten­
paro, pretendendo no decurso deste tempo encontrar um homem tar retornar ao Rio de Janeiro.
que o substituísse na guarnição de Rio Grande", Tudo indica que as autoridades se preocupavam mais com o
Se, apesar de difícil, era possível conseguir-se a obtenção número de soldados que com a sua qualidade, pois evitavam
de uma licença temporária, receber a baixa do exército colonial conceder a baixa de homens doentes e velhos demais para o
era quase impossível, íá que nem mesmo graves problemas de serviço militar. Tal foi o caso do capitão João Gonçalves Vieira
saúde eram considerados motivos suficientemente fortes para que, embora contasse com quase cinquenta anos de serviço mil­
obtê-Ia. Caso um soldado Dragão não conseguisse mais montar itar, dos quais trinta no posto de capitão, só conseguiu um ano
no seu cavalo devido a alguma enfermidade, poderia trocar de dos dois que pedira para tratar da sua saúde em Portugal, deven­
posto com um seu colega da infantaria ou artilharia. Tal foi o caso do depois reassumir o seu posto".
de Carlos Gomes, que passou para a artilharia, enquanto António António Pedro de Vasconcelos não apreciava esse tipo de
dos Santos assumiu o seu posto no regimento de Dragões de Rio sistema, que impedia o desligamento dos soldados mesmo quan­
Grande". O mesmo foi permitido a José Rodrigues Pimentel, que do eles não tinham mais capacidade para o serviço militar, argu­
passou para a infantaria no lugar Inácio Torres, enquanto este mentando que, em tal estado, os homens "só fazem número de
assumia o seu posto entre os Dragôes". gente e despesa sem nenhum préstimo". Acusado pelo Conselho
João da Rosa, soldado da guarnição de Sacramento, pediu Ultramarino de conceder baixas em desacordo com o regulamen­
à Coroa a sua baixa após mais de dez anos de serviço militar, ale­ tado pelo regimento militar, respondeu que concedera o desliga­
gando que problemas em dois dedos da mão esquerda e numa mento do serviço real a aleijados e cegos, dos quais recebera
perna impediam-lhe de fazer marchas, sentinelas e demais ope­ informações dos seus oficiais e atestados do cirurgião. Não
rações militares, Além dos problemas de saúde, atestados por deixou de acrescentar que "não me consta que nenhum depois
uma certidão emitida pelo cirurgião, acrescentava um atestado do melhorasse, em forma que se possa dizer que fui enganado''''.
padre vigário, testemunhando que João da Rosa era pobre e que
não podia sustentar a mulher e cinco filhos apenas com o soldo
e a ração de farinha a que tinha direito como soldado. Pedia
como mercê a sua baixa do exército, a fim de "poder fazer as

236 237
)
)
)
2.3.2. - A Deserção Em Abril de 171B, Manuel Gomes Barbosa informou ao vice-rei
) sobre a chegada dos oficiais das tropas que tinham servido em
) A deserção era o principal meio de resistência encontrado Sacramemo antes da evacuação da fortaleza, em 1705, "excepto
pelos homens que haviam sido recrutados à força e que, uma o capitão de cavalos José Pereira Barrete que fugiu no Rio de
) vez engajados, se viam submetidos às mais difíceis privações, Janeiro quando o governador o mandou embarca"'". Situação
) muitas vezes sem alimentação e vestuário suficientes e com os que mostra que o problema da deserção não se restringia à sol­
) seus soldos constantemente em atraso". Contudo, também não dadesca, pois também atingia o oficialato. De facto, a deserção
se pode esquecer do interesse de portugueses e espanhóis em entre os oficiais não parece ter sido um fenómeno raro. Em 1737,
) fomentar a deserção nas tropas contrárias, uma vez que os o governador Gomes Freire de Andrade mandou prender o te­
\
.) desertores podiam servir de informadores sobre as atividades nente general da artilharia do Rio de Janeiro, porque o mesmo se
dos inimigos". recusou a embarcar com os reforços que então seguiam para a
)
Na verdade, a prática de aliciamento à deserção através do Colónia do Sacramento".
) oferecimento de um prémio pecuniário, comum nas guerras da Em 1719, a infantaria só contava com 193 soldados, pois
) península ibérica", também foi utilizada durante o sftio de Coló­ 51 tinham fugido para a guarda espanhola do rio de São João.
nia, quando, em fins de 1735, Salcedo ofereceu terras e gado aos Contudo, a situação era ainda pior na cavalaria, que só contava
)
portugueses que passassem para o lado espanhol, enquanto com 66 soldados, depois da deserção de 51 homens. A artilharia
) Vasconcelos, por sua vez, oferecia cinquenta pesos em prata ao contava então com 12 homens, registrando-se dois desertores,
) inimigo que desertasse, buscando refúgio entre os portugue­ enquanto nas companhias de ordenança estavam registrados
ses''''. Mesmo em períodos de paz, o aliciamento era constante. 102, depois da fuga de 8 indivíduosoo • Para aumentar os efectivos
) Se o governador Vasconcelos se queixava de que "Col6nia era o da guarnição, o Conselho Ultramarino propôs ao rei que se envi­
) viveiro da gente com que Sua Majestade Cat6lica povoava as assem duzentos soldados da metrópole, pois o governo do Rio
suas índias'''''', não deixava de receber desertores, como aconte­ de Janeiro não tinha como ajudar, uma vez que a guarnição da
)
ceu em 1741, quando se negou a extraditar alguns marinheiros cidade estava incompleta".
I espanhóis que buscaram refúgio em Sacramento". Sugeria também que, junto com os reforços, deveria seguir
) Embora as dificuldades vividas pelo soldado no serviço mili­ um substituto para Manuel Gomes Barbosa, sobre o qual
tar e o aliciamento feito pelos inimigos fossem as principais causas pesavam acusações de maus tratos. O parecer dos conselheiros
)
da deserção, segundo o governador Vasconcelos, alguns deser­ propunha que assim que os reforços chegassem ao Prata, deve­
) tores buscavam na fuga para o território espanhol um meio de se riam ser integrados ao terço de Colónia, sendo que o mestre de
) livrar das dívidas feitas nos domínios portugueses, principal­ campo e os capitães de infantaria deveriam cuidar para que seu
mente em Minas Gerais". Também se deve ter em conta nas ten­ efectivo não baixasse de trezentos homens, com cada compa­
) tativas de deserção, o desespero em não conseguir saldar as nhia formada por vinte e cinco soldados. Se as deserções persis­
) dívidas contraídas junto aos comerciantes que, como Já tivemos tissem, diminuindo o número de militares, os oficiais teriam o seu
ocasião de apontar, vendiam alimentos e mercadorias a prazo aos soldo cortado pela metade, ''poís esta pena os porá na obrigação
)
soldados durante os frequentes períodos em que o pagamento de atenderem muito a que não falte no terço a dita infantaria men­
) dos soldos atrasava. cionada, sendo eles também os que vigiam e impeçam as ditas
) Já nos primeiros anos do restabelecimento dos portugueses licenças como negócio tão importante para a sua conveniéncia".
em Colónia surgiram as primeiras notícias sobre os desertores. Aconselhava ainda que se deveria negociar com o governo
)

)
238 239
)

{,

espanhol acerca da devolução dos desertores refugiados em


j,

Aires estava reduzida a 389 soldados, já que, às baixas


causa­
Buenos Aires, onde o governador se negava a fazê-lo com "es­ das pela epidemia de varfola de 1718, acrescentava-se a deser­ i
cusas frívolas". Por sua vez, o embaixador português em Madrid çãO contínua motivada pelo soldo pago pela metade"'. Xi

deveria insistir no facto de que os desertores levavam consigo Porém, nem todos os fugitivos queriam permanecer na
por ocasião da fuga "armas e cavalos, sendo reputados neste região platina, seja integrando-se à sociedade colonial espanho­
caso como ladrões que em toda a parte não podem ter acolhi­ la ou inselindo-se em algum grupo de gaúchos. Provavelmenle
mentd"". em busca do retorno à família, alguns portugueses pretenderam
Observa-se que os conselheiros reconheciam que a violên­ voltar à -Europa a bordo dos navios do asiento inglês que frequen­
cia quotidiana a que estavam submetidos os soldados era uma tavam o porto de Buenos Aires"'. Numa tentativa de impedir essa
das razões que levavam à deserção, e por isso sugeriam a subs­ rota de evasão, Vasconcelos pediu à Coroa que entrasse em
tituição do governador. Por outro lado, o Conselho Ultramarino negociação com o governo inglês, para que ele proibisse os seus
apostava na repressão para conseguir controlar a situação, colo­ súbditos de ajudar os desertores portugueses. Ao examinar o
cando a responsabilidade pela manutenção do efectivo nos ofici­ assunto, o Conselho Ultramarino mostrou-se bastante céptico,
ais, ao mesmo tempo em que se buscaria recuperar os desertores alegando que se poderia tentar recorrer a Londres, "mas sem a
refugiados no território espanhol através de negociações com a esperança de ter o efeito deseíadd'''.
Espanha. Num porto bastante movimentado como o de Colónia, as
Na realidade, as notícias de deserções são constantes em autoridades tinham dificuldade mesmo em fazer com que os de­
toda a história da Colónia do Sacramento, onde a sua situação gredados cumprissem a pena, pois eles aproveitavam a primeira
como praça fronteiriça ajudou muitos desertores a conseguir os oportunidade para voltar à terra de origem. Em 1736, Gomes
seus intentos. Se na índia, onde também as fronteiras eram muito Freire de Andrade informava a Martinho de Mendonça que
próximas, muitos não hesitaram em fugir para outros estabeleci­ "Manuel Mendes, que Vossa Excelência mandou para a Colónia
mentos europeus ou mesmo para reinos muçulmanos e hindus, por falsaria, tomou para sua casa onde vive muito contente"'''. A
excêntrica posição geográfica de Sacramento, praticamente
onde renegaram a fé cristã"', muito mais fácil parece ter sido ir pro­
curar refúgio nos espanhóis, entre os quais não havia diferença de encravada nos domínios espanhóis, sendo frequentemente visi­
religião e as dificuldades com a língua eram mínimas. tada por navios nacionais e estrangeiros, atraídos pelo contra­
Uma vez foragidos, o campo das possibilidades era restrito bando, contribuía para aumentar a mobilidade que dificultava o
para os desertores. Se tivessem algum conhecimento técnico controle sobre os soldados e degredados.
poderiam tentar a vida em Buenos Aires, caso contrário, poderi­ Contudo, apesar das dificuldades, as autoridades coloniais
am tornar-se peões em qualquer estância. Outra opção era procuraram de todas as maneiras impedir a prática da deserção.
unirem-se aos desertores espanhóis que viviam da extracção e Segundo o regimento de 1716, caso parecesse necessário, o
contrabando de couros. Afinal, também entre os espanhóis a governador poderia ordenar uma "mostra seca", cujo objectivo
deserção era alta. A principal razão das deserções entre os sol­ era verificar ausências desautorizadas dos oficiais e soldados".
dados espanhóis era a mesma que entre os portugueses, pois, Quando era constatada a falta de algum militar da guarnição, o
em 1716, o governador Garcia de Ros escreveu ao seu rei sobre governador não hesitava em ordenar a sua busca, que não di­
os "lamentáveis clamores daquela guarnição", que não era paga feria da perseguição a um criminoso ou mesmo de um escravo
há dezoito anos e onze meses"'. Em 1724, o governador Zabala foragido. A cavalaria era então chamada a patrulhar a campanha
queixava-se à Coroa espanhola de que a guarnição de Buenos em busca dos desertores".

240 241
)
)
) Manuel Félix Correia declarou, por ocasião da sua candi­ inclusive a utilizar a polé, medida que também foi aprovada por
) datura ao posto de capitão da cavalaria, que no deoorrer de dez D. João V"'.
anos de serviço na guarnição da Colónia do Sacramento, aonde Presos em grilhões, os desertores deveriam trabalhar na
)
chegou em 1718, ajudou a reoonduzir à praça mais de cem sol­ oonstrução da fortaleza durante dois anos, enquanto os que, de
) dados que haviam tentado desertar para o Rio de Janeiro ou para algum modo, conseguissem fugir para Portugal, senam condena­
) a guarda espanhola de São João. Outro candidato ao mesmo dos a dois anos de galés". Entretanto, a ameaça do castigo não
posto. Domingos da Luz e Souza, declarou que, em 1724, andou era suficiente para impedir a deserção, pois, em 1729, o gover­
)
dois dias e duas noites até enoontrar um desertor, que conseguiu nador António Pedro de Vasconcelos informava ao rei de que "era
) prender e reconduzir a Colónia". tal a ânsia de se verem fora todos que vendiam as próprias cami­
) Na teoria, os fugitivos que fossem apanhados estavam su­ sas para pagarem aos peões que os põem em São João"".
jeitos a sofrer a pena capital, mas na prática a deserção era Embora alguns oonseguissem escapar, tendo então seus bens
)
encarada com uma certa naturalidade, pois então ela ainda não leiloados em favor da Fazenda Rear', tudo indica que a maioria
) estava associada aos conceitos de traição à pátria e desonra que não oonseguia fugir, pois, dois anos depois, o padre Diogo Soares
l surgiram no século XIX. Durante o Antigo Regime, a defesa da escrevia que, nas obras de fortificação, "os presos e degredados,
"' honra era uma preocupação constante da nobreza, que não que também trabalham [são] inumeráveis"'".
) podia ser cobrada dos soldados, homens recrutados à força, que Na tentativa de deter as deserções, as autoridades coloniais
'1
; na maioria dos casos provinham das camadas marginalizadas da tomaram diferentes medidas que iam do perdão aos que se rea­
sociedade". Por isso, a pena capital raramente foi utilizada na presantassem, à repressão dos renitentes e das pessoas que
)
punição dos desertores, que em geral eram oondenados a casti­ lhes prestassem ajuda. Em 1717, o governador do Rio de Janeiro
) gos oorporais, seguidos de um determinado tempo de trabalho publicou um bando pelo qual concedia o perdão a todos os sol­
forçado nas obras de fortificação. dados que, tendo cometido algum crime que não merecesse a
O governador Manuel Gomes Barbosa reclamava, em Julho pena de morte, se apresentassem ao seu terço no prazo de um
) de 1718, que a punição dos desertores era prejudicada pelo mês, caso estivessem na cidade, e dentro de dois meses, caso
) longo processo burocrálíco que o governador deveria seguir se encontrassem no interior da capitania. Os que não se apresen­
antes de punir um desertor. Os processos deveriam ser remetidos tassem seriam considerados desertores e condenados à morte
)
ao Rio de Janeiro, procedimento que causava muita demora na ou ao tormento da polé, seguido de dois anos de trabalho nas for­
) sua resolução, dada a longa distância e as poucas embarcações tificações, no caso de terem a sua pena aliviada. O bando ainda
) que então faziam a rota entre a Guanabara e o Rio da Prata. Até condenava toda a pessoa que desse qualquer forma de ajuda
então, as punições restringiam-se a um tronco e em grilhões, mas aos desertores, seja dando-lhes pousada, comida ou ajuda para
)
o governador queixava-se de que os soldados preferiam o casti­ atravessar algum rio, a pagar uma multa de vinte mil réis (valor
) go, a prestar guarda e trabalhar na oonstrução das fortificações, que seria dividido entre o denunciante e as obras de fortificação),
) por isso pedia à Coroa para que, junto com os dois sargentos­ seguida de dois anos de degredo em Colónia. Toda a pessoa que
-mores da praça, pudesse sentenciar os soldados acusados de denunciasse um soldado fugido recebia seis mil réis de recom­
)
deserção, desobediência e crimes que não merecessem a pena
,,
pensa.
capital, mas somente a polé""", argumentando que 'onde não Os oficiais que, tendo conhecimento do esconderijo de um
) havia castigo não havia obediência". O Conselho Ultramarino deu desertor não o prendessem imediatamente, estavam sujeitos a
parecer favorável ao pedido de Gomes Barbosa, autorizando-o perder os seus postos e serem desterrados para Sacramento,
)
)
242 243
)
)
"
)
onde deveriam servir como soldados rasos. O bando também ocasião da fundação do Iguatemi e das campanhas do sul contra
ordenava que os capitães de ordenança vigiassem os s,eus distri­ os espanhóis".
tos e prendessem os criminosos ou vagabundos que vlviam nos Como um exemplo da violência extrema em que resultava o
matos perto da cidade. O capitão responderia como cúmplice se recrutamento compulsório, feito sem método algum, podemos
no seu distrito ocorresse algum crime, podendo então perder seu citar o caso de Francisco da Costa, soldado do terço de Colónia,
posto e ser degredado para Angola ou Colónia. de acordo com a agregado à guarnição de Rio Grande, onde foi preso por roubar
vontade do governador. Os coronéis das ordenanças e os oficiais o seu camarada e desertar, Francisco livrou-se da pena capital,
deveriam ter particular cuidado em executar as ordens do gover­ alegando que antes de assentar praça como soldado não tivera
nador e todo o soldado auxiliar que ousasse desobedecer às outra ocupação que a de marinheiro num dos bergantins de Sua
ordens dos seus superiores devia ser desterrado para toda a vida Majestade em Sacramento, onde nunca recebera soldo nem far­
na Colónia do Sacramento, onde deveria servir como soldado damento e que, embora o rei obrigasse a leitura do regimento aos
pago"". soldados incorporados às suas tropas, desconhecia as penas a
As punições geralmente não se restringiam aos soldados que estavam sujeitos os soldados que cometem furto e deserção.
desertores, mas também a todas as pessoas que lhes Porém, não escapou da condenação ao trabalho forçado nas
prestassem qualquer tipo de ajuda. Em 1722, Rodrigo César de obras de fortificação, preso a um grilhão no pé esquerdo, durante
Meneses, governador de São Paulo, também lançou um bando cinco anos, sem direito a soldo". A pena era consideravelmente
contra os desertores da fortaleza de Santos, procedimento que menor para os que fossem apanhados na tentativa de fuga. Em
segundo o governador "se tem seguido grave prejuízo não só Agosto do mesmo ano, também em Rio Grande, quatro soldados
pela falta que fazem na guarnição daquela praça, mas tambem foram surpreendidos quando se preparavam para desertar, sendo
[porjlevarem a arma e farda que se lhes dá". A fim de tentar coa­ condenados "a dois anos de serviço nestas fortificações, sem
gir novas tentativas de deserção, Meneses mandou publicar um soldo, com grilhão no pé direito, para mais segurança e exemplo
bando pelo qual ordenava "que todo o soldado que fugir, sendo dos maís""".
apanhado, levará quatro tratos de polé, e toda a pessoa em cuja Apesar de todas as medidas de repressão à deserção,
casa se achar ou lhe der ajuda e favor ou sendo cabo de tropa tomadas pela Coroa e pelas autoridades coloniais, os desertores
que o leve em sua companhia pagará por cada um para a Fa­ podiam arrepender-se do seu acto e pedir para voltar ao seu pos­
zenda Real quatrocentos mil réis e terá seis meses de prisão na to militar, especialmente se não encontrassem a melhoria de
fortaleza da barra da vila de Santos"'". condição que esperavam encontrar passando-se para os espa­
Em 1747, o governador de São Paulo emitiu um bando pelo nhóis. De facto, parece não ter sido muito raro o facto de que
qual condenava os moradores de Paranaguá e Curitiba que ocul­ certos desertores, já na guarda de São João, dessem mostra de
tassem desertores da ilha de Santa Catarina e do Rio Grande a arrependimento e pedissem o perdão do governador de Coló­
serem presos e remetidos para São Paulo, para o governador "os niass.
castigar asperamente e com todo o rigol"". Além das pessoas Em 1722, António Pedro de Vasconcelos promulgou um
acusadas de ajudar os desertores, as punições alcançavam os perdão geral aos desertores que se apresentassem dentro de I
parentes próximos dos soldados que abandonassem o serviço três meses, Entretanto, a burocracia do sistema absolutista, que
real. Embora a Coroa hesitasse em consagrar o uso de aprisio­ pretendia controlar todas as questões administrativas, não viu
nar os parentes dos desertores, esta prática era comum tanto na com bons olhos o acto do governador e o Conselho Ultramarino
metrópole" como nas colónias, especialmente em São Paulo por julgou que Vasconcelos não tinha autoridade para conceder o

244 245
)
)
) indulto, que era monopólio real. Todavia, como o bando já fora Contudo, em 1725, o Conselho Ultramarino voltou a censurar
,
) publicado, aconselhava o rei a aprová-lo, pois não convinha pren­ o governador Vasconcelos pelo perdão geral concedido a todos os
) der os desertores que voltassem à praça tendo em vista o perdão desertores, alegando que o mesmo não tinha autoridade suficiente
concedido. Embora D. João V tenha seguido o conselho, não para tomar tal decisão. Os soldados desertores deveriam ser exem­
) deixou de advertir o govemador de que não voltasse a promulgar plarmente castigados através do trabalho forçado nas fortificações
) novos perdões sem sua ordem expressa". durante dois anos. Quanto aos soldados pagos que voltassem ao
)
Se a Coroa hesitou em aprovar o perdão concedido pelo go­ Reino sem licença, deveriam ser presos e encaminhados a Lisboa
vernador Vasconcelos, ela mesma não hesitava em concedê-lo onde deViam ser condenados às galés. De resto, o perdão geral não
) aos desertores e renegados em ocasiões de grave falta de solda­ teve grande resultado, pois segundo Vasconcelos, só dois se apre­
) dos, como ocorreu durante as guerras da Restauração (1640­ sentaram, um dos quais voltou a desertar depois de lhe pagarem o
-1668) contra os espanhóis, quando ela chegou a ponto de ofere­ prometido, o que dá a entender que além do perdão também se
:> cer a cidadania a todos os ciganos que se alistassem, ou ainda prometia um prémio em dinheiro. Por isso pedia a pena capaal para
) durante as lutas contra os holandeses no ultramar (1640-1662)58. os que fossem apanhados no acto de deserção "porque só o medo
) O que deixou o rei exasperado foi a ousadia do governador em de os arcabuzarem os poderá fazer conter e conserva!"'''.
conceder o perdão sem antes receber a sua aprovação, uma vez As difrceis condições de vida dos soldados, recrutados à
)
que o Magnânimo era muito cioso das suas prerrogativas. força, sofrendo com a brutalidade dos oficiais" e com soldos
) No ano seguinte, o governador Vasconcelos informou ao sempre em atraso não parecia sensibilizar as autoridades, que
) governo de Lisboa de que tinham desertado para a guarda Viam a deserção como um mero vício"', que deveria ser castiga­
espanhola de São João dez soldados e alguns oficiais mecâni­ do com penas exemplares. Entretanto, quando as condições de
j cos, mas que só conseguira capturar o mestre oleiro Alexandre vida eram melhores, como em 1732, quando a tropa estava re­
) Martins-à opedreíro ManueCFfâ-ridsco-:-Avlsava aInda que depois gularmente paga, fardada e bem alimentada, o governador teve
que expedira um bando com severas penas contra a deserção, que admílir ter quase cessado a deserção dos soldados"".
)
ela cessara de todo. Porém, desta vez, o Conselho Ultramarino
) colocou-se contra a excessiva severidade do bando do' gover­
nador de Colónia que taxava os desertores de traidores. Os con­
selheiros alegaram que essa medida poderia causar atritos com 2.3.3. - Os Motins
) os espanhóis, já que se estava em paz com os mesmos e que, ao
í invés de tratar os desertores como traidores, se deveria consi­ Se era necessário garantir a manutenção da disciplina nas
) derá-los como meros "trânsfugas". Como castigo, deliberavam fortalezas, mesmo que à custa do embrutecimento dos soldados,
que os soldados e oficiais reinóls que haviam recebido ajuda de ela era imprescindível durante a viagem marftima dos reforços
) custo para a viagem a Sacramento deveriam ser postos a traba­ que seguiam para o Rio da Prata, quando um motim a bordo
) lhar nas obras de fortificação, presos em grilhões. Aos moradores podia prejudicar a navegação. Por isso parece estranho que nos
e oficiais brasileiros presos no acto de deserção, assim como às primeiros tempos os recrutas fossem enviados a Colónia sem a
J pessoas que lhes prestaram ajuda, deixavam o castigo a cargo presença de oficiais responsáveis, pois, em 1720, o governador
) do governador, "porque convém muito neste particular comensu­ do Rio de Janeiro escreveu que os soldados embarcados para
) rar a pena de maneira que a exasperaç§o dela não dê ocasião à Colónia sem o acompanhamento de um oficial, geralmente cau­
sua maior ruínl'P'''. savam desordens a bordo".
)
)
246 247

)
j "
Para evitar esse problema, os capitães de navios encarrega­ As difíceis condições de vida dos soldados, submetidos a
dos de transportar as tropas requeriam à Coroa licença para uma severa vigilância a fim de impedir a deserção, somada às J
poder castigar os desordeiros, como fez o capitão José Barreiro punições embrutecedoras e aos longos atrasos no pagamento ),
de Carvalho em 1724, quando foi incumbido de transportar solda­ dos soldos, por vezes desencadeou rebeliões, como a que acon­
dos e alguns casais para Colónia". teceu em 1705, quando os efectivos evacuados da Colónia do )
Por vezes, um oficial era encarregado de zelar pela ordem Sacramento chegaram ao Rio de Janeiro. Assim que desembar­ .1
entre os soldados, como aconteceu em 1722, quando D. João V cou, a tropa sublevou-se, exigindo o pagamento de mais de um
recomendou a António Teixeira de Carvalho, então nomeado ano e meio de atraso nos soldos. O motim foi dirigido pelos ofici­
capitão da infantaria paga da Colónia do Sacramento, que disci­ ais, tendo à frente o próprio governador Sebastião da Veiga Ca­
plinasse os soldados que seguiam consigo para Colónia, pondo bral. Ao ser informado do ocorrido, o governador-geral ordenou
todo o cuidado em "evitar algumas desordens que possam acon­ ao Provedor da Fa.:enda Real do Rio de Janeiro que procedesse
tecer na dita navegação com gente que é tão bisonha"". ao pagamento dos soldos em atraso".
No regimento que, em 1735, o conde das Galveas, vice-rei Em 1720, o atraso de nove meses nos soldos provocou um
do Brasil, entregou ao capitão Tomás Rodrigues Banhos, coman­ levantamento na infantaria. A pronta intervenção dos oficiais, que
dante do regimento de infantaria que seguiu de socorro à Colónia rapidamente prenderam os líderes do movimento, impediu que os
do Sacramento, podemos ver quais as condições em que viajava amotinados se entrincheirassem num dos baluartes da praça. A
a tropa. O navio que conduzia os militares deveria sair do porto circunstância da proximidade de Sacramento dos domínios
de Salvador e fazer uma escala no Rio de Janeiro antes de seguir espanhóis, para onde poderia haver uma deserção em massa, foi
para Colónia. Durante a viagem, o capitão deveria ter "particular o principal factor responsável pela moderação com que o rei tra­
cuidado em quiiiOiJa a infantaria e artílheiros que vão embarca­ tou do motim, escrevendo ao governador do Rio de Janeiro para
dos se conservem em grande paz e quietaçao, de sorte que não que providenciasse o pagamento dos soldos atrasados".
haja entre uns e outros diferença alguma; e o mesmo fará praticar Em janeiro de 1742, a guarnição do recente estabelecimento
com a gente do mar". de Rio Grande rebelou-se contra as violências praticadas pelo
Os cuidados do capitão iam da manutenção da disciplina a capitão Tomás Luís Osório e contra o atraso de vinte meses no
bordo, proibindo os jogos de azar, até preocupações religiosas, pagamento dos soldos e de três anos no fornecimento de fardas.
como obrigar os militares a confessarem-se e comungarem antes Protestando lealdade à Coroa, os revoltosos justificaram a sua
do embarque. Também tinha a seu encargo velar pela saúde dos atitude pela penosa situação de miséria em que se encontravam.
soldados e vigiar a navegação, não devendo fiar-se em nenhum Enfatizando a violência com que eram tratados, alegavam "que ha·
navio que encontrasse na sua rota, mantendo sempre à vista a vendo suspeita de algum soldado querer desertar, sem prova legal,
embarcação que acompanhava o navio, e "no caso de que não o passavam a pau pelos cabos de esquadra, na frente do Regi­
possa evitar a peleja com qualquer nação da Europa que o come­ mento, de onde iam para o hospital, e depois os têm em rigorosas
ter, procurará obrar de maneira que repute as armas de Sua prisões e galés'; Em sua representação, os soldados não pediam
Majes-tade e o crédito da nação". Chegando ao porto do Rio de o fim dos castigos físicos aos que tinham as culpas reconhecidas,
Janeiro, não deveria deixar que nenhum militar "desembarcasse, mas sim pediam "que não sejam castigados, como até aqui, pela
enviando logo a carta do vice-rei ao governador, a quem deveria leve presunção de quererem desertar, sem evidente prova"".
subordinar-se, acatando as suas ordens, "às quais há-de execu­ O problema resolveu-se sem se fazer uso da repressão
tar pronta e inteiramente sem dúvida ou repugnáncia algumd"". sobre os amotinados. Tomás Luís Osório foi enviado ao Rio da

248 249
)
)
) Janeiro, onde se tirou devassa sobre os excessos que teria come­ a encenação "fizera entre aquelas tropas um tal terror e respeito,
) tido, e o coronel Diogo Osório Cardoso concedeu o perdão aos que confessaram os mesmos oficiais do regimento nunca os
) revoltosos, atitude ratificada pelo governador do Rio de Janeiro e viram tão sujeitos como entã07 '",
pela Coroa, já que sa temia uma possível deserção em massa
) para os espanhóis, caso não fosse concedido o perdão", Entre
) as reivindicações que foram atendidas estava o fim das punições
arbitrárias. Gomes Freire ordenava "que se não proceda a casti­ Com poucos recursos humanos para explorar e defender um
)
go grave sem prova, por suspeita de deserçt!lo, poís cai infâmia gigantesco império colonial que se espalhava por todos os conti­
) no soldado e sua família quando chega a ser castigado pelo nentes, a Coroa portuguesa fez largo uso do sistema de degredo,
, abominável delito de desertoi"". pelo qual buscou fazer das pessoas indesejáveis na metrópole
i
O Conselho Ultramarino sugeria que se abrissa devassa colonos e soldados nos domínios ultramarinos, O recnutamento
)
sobre o procedimento do coronel e do sargento-mar de Rio compulsório das camadas marginais da população metropolitana
) Grande durante o motim e sa providenciassa à transferência "para era essencial para garantir a manutenção dos efectivos militares,
) outros presfdios com pretextos corados, não só os cabeças e uma vez que as difíceis condições de vida dos soldados e as pou­
motores da sublevação, mas todos os soldados menos obedien­ cas hipóteses de fazer carreira numa instituição que, durante o
tes e suspaitosos". Contudo, Gomes Freire de Andrade receava Antigo Regime, guardava as patentes superiores para os mem­
.,/ novas sublevações "tanto pela má qualidade de muitos soldados, bros da nobreza, eram responsáveis pela falta de voluntários para
que tám por vida a revolução". o serviço militar.
)
Por pouco não estalou outra revolta na ilha de Santa Cata­ O quotidiano dos soldados era marcado por fortes tensões
,
~ rina, sufocada a tempo pelo brigadeiro José da Silva Pais, que que não se originavam somente da brutalidade com que eram
) mandou prender José Maio da Silva, cabo de esquadra de um tratados, mas que também se ligavam aos constantes atrasos no
dos terços do Rio de Janeiro que ali estava a servir. Ao ser preso, soldo e na precariedade da distribuição de fardas e alimentos,
) José Maio da Silva "exclamara para os seus camaradas que não assim como à dificuldade em receber um tratamento médico ade­
) tinham honra, pois o deixavam ir preso, e que só os do Rio quado, Essas tensões quotidianas desencadeavam um processo
Grande eram homens, rasgando a farda e dizendo que aquela lhe de reação. no qual a desarção era o meio mais utilizado. A tenta­
não dava honra", Depois de tirada a devassa do caso, o cabo de tiva de pôr fim a esse problema foi uma das principais razões que
j
esquadra foi remetido ao Rio de Janeiro, onde deveria ser sen­ levaram a Coroa portuguesa a implementar uma decidida política
tenciado. de povoamento na Colónia do Sacramento, através do favoreci­
"
/
Para o brigadeiro, os criminosos deveriam ser punidos no mento da emigração de casais, Pretendia-se então escapar da
)
local do crime a fim de servir de exemplo aos saus companheiros, dependência do recrutamento compulsório, apostando na leal­
."
, pois ao serem punidos em locais distantes "não produziam aque­ dade de homens casados e donos de terras que, acreditava-se,
le efeito e terror que fazia se o vissem os mesmos que presencia­ seriam menos propensos a desertar buscando refúgio nos domí­
ram a culpa". Disso tinha experiência própria, pois em Rio Grande nios espanhóis.
)
mandara arcabuzar um soldado que havia assassinado um
camarada com o objectivo de roubá-lo. Mesmo que a execução
J não fosse cumprida, pois dera ordem para suspendê-Ia quando o
criminoso já estava amarrado a um poste, sob a mira dos soldados,
)
)
250 251

)
)
NOTAS li' Jonathas da Costa Rego Monteiro, op. CiI., 'IOL 1, p. 343.
U Vasconcelos ao rei, 18 de Outubro de 1722, in AHU, Colón/B do Sacramollfo, ex. 1,
, Regimento para D Exército, Lisboa, 1708, § 204. doe. 81,
G. R. Boxer. A Idade de Ouro do Brasil, p. 163.
~ "" Gomes Barbosa ao \'ice-rei, 12 de Abril de 1718, in J. da Costa Rego Monteiro, Gp. cif.,
~ Provisão de licença do sargento-mor Manuel de Barros Guedes Madureira, 24 de
ver. 2, p. 67,
Março dE! 1744, ln AAHf1$, vol. 1, pp. 20B~207. !!~ Manuel de Barres Guedes Madureira, caPltão de Dragões, a Manlnho de MendonÇ"d,
• Duas petições feitas a Henrique Soares, 3 de Novembro de 1738. ln AAHRS, vol. 1, 11 de Março de 1737, ln ANTT, Manuscritos do Brasil, livro 1, fls. 108-109v,
pp, 72~73. ::10 Mapa da guarnição de Colónia, 11 de Abril de 1719, ln AHU, Colónia do Sacramonto,

! Requerimento que fez Bernardo da Fonseca, soldado Dragão do Destacamento de


ex. 1, doe. 46.
Colónia. 25 de Junho de 1742, in AAHRS, 1./01. 1, pp. 173-174. . , Consutta do Conselho Ultramarino de 18 de J<meiro de 1720, in IHGB,Arq, 1.1.25.
• Requerimento de FrutUósoJosé Braga, 16 de Julho de 1742, jnAAHRS, voL 1, pp, 177­ fis. 246V.-248,
·178. v Consulta do Conselho Ultramarino de 10 de Novembro, 1720, in IHGB, Arq. 1.1.25.
tis. 296v,-298v,
,- Requerimê:flto de f·mnclsco José Xavier, 28 de Maio de 1742, in AAHtiS, vaI. 1,
pp. 168·167. ;illimothyJ. Coates, op. cit" pp, 14ge 152~153.
Q Requerimento de João de lemos Pereira, 24 de Julho de 1742, ln AAHRS, voi. 1, "" D. Baltasar Garcia de Ros ao rei de Espanha, 3 de Junho de 1716, in Pablo PasteJls
p.186. e F. MaN~os, op. clt., tomo VI. p. 57.
S Requerimento de Bernardo da Sl!va lobo, 24 de Junho de 1742, ln AAHRS, vaI. 1, :JIl Conselho das indias ao rei de Espanha, 6 de Março de 1725, in Pablo PaSfefls e

pp, 18G~187, F. Mateos, op, cit" tomo VI, p. 391.


lO Requerimento de Manuel Gomes Pereira, 19 Junho de 1742, in AAHRS, vol. 1, ~ Vasconcelos ao rei, 9 de Fevereiro de 1723, ln AHU, Colónia do Sacramento, cx, 1,
pp. 187-188. doe. 97.
IIRequerimento de Manuel Tavares, 18 de Julho de 1742, ln AAHRS, vot 1, pp. 178·179. ;1'1 Consulta do Conselho Ultramarino de 21 de Janeiro de 1726, in IHGB, Arq, 1.1.21,
f!s.344v~.
~'Requerimento de José de Araújo, 12 dE! Junho de 1742, in AAHAS, vOI. 1, pp, 168~169
"Requerimento de João Gomes de Oliveira. 6 de Outubro de 1742. in AAHRS. vaI. i, "" Citado por Laura de Metio e Souza, cp. cit•• p. 196.
p.168. ~~ Registro de um regimento que se remeteu para a Colónia do Sacramento, 27 de
'4 Decreto de 13 de Fevereiro de 1719, inANTT, Conselho de Guerra, decretos, ex, 351, Setembro de 1716, in AAHRS, VoL 1, p.28,
maço 78. 40 Vasconcelos ao reI, 9 de Fevereiro de 1723, AHU, Colónia do Sacramento, ex. 1,
doe.97.
'$ Requerimento de Salvador de MOlais. 18 de MaiO de 1742, tn AAHRS. vol. 1. p. 162,

1$ Petições de Carlos Gomes e António dos Santos. 20 de Março de 1739, in ÃAHRS, ., éonsulta do Conselho Ultramarino de 26 de Fevereiro de 1729, in ABNRJ, Vol, XLVI,
vOj, 1, pp. 92-93.
pp. 2-.3,
" Registro de alguns requerimentos é despachos do mostre de campo André Rlbell'O 4Il Femando Dores Costa, "O bom uso das paixões ..."', op. dI., p.979.

Coutinho, 3 de Setembro de 1739, in AAHRS, vol. i, p. 107. oU A polé era um instrumento de tortura que também era utilizado pela Inquislçáo por.

,a Vasconcelos ao rei, primeiro de Junho dê 1730, ln AHU, Colónia do Sacramento, tuguesa. O tormento consiSlia em suspender o prisioneiro até o tecto com os braços amar~
ex, 2, doe. 222. rados às costas e com ferros preS1)6 aos pés. A queda brusca que se seguia prQ\locava
'9 Provisão real de ~2 de D€zembro de 1725. ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2, forçosamente o dastocamento do ombro e o rompimento do braço ou de outro membro. Cf. Elias
doe. 34, Upiner, Terror e Linguagem. Um Dicionário da Santa Jnquislção, pp 196-197.
iIOVasconcelos ao rei, 23 de Abril de 1732. ln AHU, Colônia do Sacramonto, cx, 3, ... Consulta do Conselho Ultramarino de 10 de JaneIro de 1720, in IHGB, Arq. 1,1.25,
fis. 237~239,
doe, 244.
2' Mesmo na Europa, o teoómano da dCSElrção era como uma verdadeira epldemia nos ~ Consulta 00 Conselho Ultramarino do 21 de Janeiro de 1726, ln IHGB. Arq. f.1 ,21,
grandes exércitos, Em 1622, o exército espanhol de Flandres perdeu cerca de 40% dos seus fls. 344v-346,
efectivos durante o cerco de Bergen-op-Zoom, na sua maior parte através da deserção. Por 4il Consulta do Conselho Ultramarino de 19 de Abril de 1730, IHGB, Arq. 1,1,26, fis, 67.71v.

iSSO, duranlb' a primeira metade do século XVii, a Coroa francesa costumava recrutar 40% a ~'Vasconcolos ao rei. 13 de Abril de 1733. in AHU, Colónia do Sacramento, ex, 3,
doe. 263.
mais dos soldados que preCisava, poIs era considerado normal que se perdesse essa per·
centagem de soldados por deserção e doença, Cf. Geoffrey Parker, "O Soldado", ln Rosário .~ Diogo Soares ao rei 27 de Junho de 1731, ln Jooathas da Costa RegO Monteiro,
Viliari, O Homem Barroco, pp. 42·43. op, clL, vol. 2, p. 81.
D Ternos vários exemplos da busca de Hlínguas", como os portugueses se roferiam aos 40 Baf'ldo de António Brito de Moneses, 16 de Outubro de 1717, ln ANRJ, coo. 60, vol. 12,

Informantes, na ''Relação do princípio da Guerra de Colónia, até à chegada da nau Concei­ fls. 334v-335v.
ção...", ín RIHGRS, n" 99, pp, 41·51. '\(l Bando de Rodrigo César de Meneses, 24 de Abril de 1722, ln Revista do Arquivo

t(jFemando Dores Costa, "O bom uso das paixões ..." Gp. di!., p. 976. Muflicipal do $.'§o Paulo, vol. XIl. pp. 120--121.
;.< Silvestre Ferrelra da Silva, op. ait" pp. 72~75. "Bando do governador Lui'! Mascarenhas, 3 de Março de 1747, in 01, vQl. XXII, p. 196,
i$ Consulta do Consêího Ultramarino de 19 de Abril de 1730, ln lHGB, Arq. 1.1,26, 52 Femando DOres Costa, ''O bom uso das paixões.. ," cp, C/t., p, 998.

jls.67-71v. liiEnrique Peregam, op. cit... pp. 132.133,

252 253

)
)
) M Registro de uma portaria de Silva Pais, 4 de Julho de 1737, in AAHRS. \foi. 1,
pp. 42~4$,
) !III RegIstro de urna portaria da Silva Pais, Primeiro de Agosto de 1737, lO AAHR$,
vol 1, p. 43,
) ii; VasoonceJo$ ao rei. 9 de Fevereiro de 1723, ln AHU. Colónia do Sacramento, ex.. 1,

doe. 97.
)
,, ,., Consulta do Consp.lho Ultramarino de e de Julho de 1723, ln IHGB. Arq. 1.1,21, fls.
191vw 193.
IIInl'l'lothy J. Coates, cp, cit., pp. 176-178,
sg Consulta: do Conselho UltramaHno dê.5 de Novembro de 1723. ln lHGB. Arq. 1.1.21,
) fls. 24S~25L 3 - UMA NOVA LUSITÂNIA
Consulta do Conselho Uftramarino de 21 de JaneifO de 1726, in IHG8. Arq. 1.1.21,
) fig,
<l>

344v--346.
'3<1 O capitão da infantaria paga de Sacramento, Manuã! de Macedo Perelra, foi acusa­
)
do da atIçar cães da fila contra os soldados. Ct. Carta de Vasconcelos ao rei, 6 de MaiO' de Em 1718, viviam em Colónia e em seus arredores mais de
,) 1726, AHU, Colónia do SaCfamento, ex. 2, doe. 159.
1.040 habitantes'. No ano seguinte, o governador Manuel Gomes
<III Consulta do COnselho Ultramarino de 19 de Abril dê 1730, ln IHG8, Arq. 1,1.26.

tis. 67-71v. Barbosa informava ao rei que o espaço situado entre o rio e a
113 Consulta do Consefho Ultramarino de2 de Setefnbrode lHOS. Arq. 1.1.26. fls. 193-195.
muralha, em construção, já se encontrava totalmente ocupado
) M Ucença dada por Aires de Saldanha, 23 de Outubro de 1720. ln ANRJ. cod. 60,

vol. 13, tis. 125v-126. pelas casas dos oficiais e soldados casados. Segundo o gover­
) ... Requerimento do capitão José 8arreiro de Carvalho, 5 de Abril de 1724, ln AHU, nador, erguiam-se no recinto imenso da praça, cinquenta e uma
CoIónitt do Sacramento, ex. 2, doe. 123.
) m: Carta régia de 21 de Feveréiro de 1122. ln ANRJ, cód. 60. vaI. 15, (1s. 52~52v.
casas de pedra e barro e dezasseis ou dezassete feitas de couro,
0:1 RegImento dado 00 capitão Tomás Rodrigues Banhos, 23 de Dezembro de 1735, onde viviam os soldados casados pobres. Por falta de espaço, os
) ln OH, voL LXXVI. pp. 317·320, casais receberam o terreno para a construção das suas casas
til! Aniba! M. Rlveros Tula, "Historia de la Colónia dei Sacramento", in RIHGU, lOmo XXll.
) p. 142. fora do recintoforlificado'.
"
}
Prov1são régia ao governador do Rio de Janeiro, 9 de Fevereiro de 1723, in AHU.
!VI Em 1722, no ano da posse do governador António Pedro de
Colónia do Sacmmento, ex. 1, doe. 97,
TI' Registro da representação que fez o corpo de Dragões ao governador Diogo Osório
Vasconcelos, o padre Domingo Neyra escrevia que a povoação
) Cardoso, 13 de Janeiro de 1142. in MHRS, \101. 1, pp. 152~15a ainda era muito reduzida se comparada com a que havia sido
11 Consulta do Conselho Ultramarino de 25 de Fevereiro de 1743. in DH, voto XCIV,
) destruída em 1705', embora constatasse que multas casas
pp. 92-97.
To.! Registr'o do perdão que mandou o govemador Gomes Freire de Andl'ade ao O'Orpo de
estavam esmeradamente construídas com pedras do lugar e com
Dragões do Rio Grande, 15 de Fevereiro de 1142. in AAHFlS, vai. 1, p.1S0. boas madeiras do Brasil'. Em Outubro do mesmo ano, foram rela­
?I Consulta do Conselho Ultramarino de 25 de Fevereiro de 1743, in DH. voL XCIV.
) cionados em Sacramento e nas suas proximidades, 235 fogos,
pp. 92~91.

)
cuja população foi calculada em 630 homens, 172 mulheres, 99
meninas, 123 meninos, 45 índios, 16 índias. 204 escravos e 90
)
escravas. Entre as profissões relacionadas constavam: 76 la­
)
vradores, 13 mercadores, 17 pedreiros, 7 cavouqueiros, 4 oleiros,
) 2 espingardeiros, 2 serralheiros, 1 tanoeiro, 26 carpinteiros, 9 sa­
pateiros, 18 alfaiates, 4 ferreiros e 3 ourives. O terço de infantaria
) estava constituído de 267 homens, enquanto havia 129 inscritos
) na cavalaria e anilharia'.
)
Em 1726, já não deveriam subsistir as moradias feitas com
couros, fruto da precariedade de recursos durante os primeiros
)
)
254 255
)
)
anos do restabelecimento de Colónia, pois, nesse ano, os negros, os índios e os religiosos. Também buscaremos fazer
Vasconcelos informou ao rei que já se haviam "feito tantas casas um estudo das principais características do que seria o viver na
dentro da praça que já não há chão que esteja desocupadcl'''. Em Colónia do Sacramento, um lugar que, por ser uma praça de
1730, o governador relacionava a existência de 329 fogos, sendo guerra encravada em território espanhol, proporcionava um quo­
que era rara a casa que não estivesse coberta de telhas e que tidiano muito específico a seus habitantes.
deixasse de ter suficientes alfaias'. No ano seguinte, o padre
Diogo Soares elaborou um mapa detalhado da Colónia do
Sacramento e seus arredores. Nele, podemos observar uma for­
taleza com quatro bastiões, em cujo interior se situava a igreja, a 3.1. - UMA COLONIZAÇÃO DIRIGIDA ,i
casa do governador, o armazém da pólvora e dois alojamentos
para a infantaria'. Protegendo a povoação, onde o padre Diogo A prática da Coroa portuguesa de enviar casais para incenti­ :1
destacou a capela de Santa Rita, o colégio dos jesuítas e a alfân­ var o povoamento da América começou em 1550, quando D. Jo­
dega, havia uma muralha que unia as duas costas da península. ão III concedeu passagem e alimentação gratuitas para até
Duas portas permitiam a comunicação com a zona rural, dividida trezentas pessoas dos Açores que se propusessem a emigrar
em duas regiões, chamadas respectivamente "casais do norte" e para a Bahia, recomendando que a maioria delas fosse casada.
"casais do sul". No mesmo mapa, podemos observar a divisão Em 1617, foram feitas diligências no Reino e nos Açores para
dos terrenos ocupados pelos povoadores, assim como a existên­ conseguir casais que fossem povoar o Maranhão e o Pará a fim
cia de inúmeras chácaras que, pela sua extensão e pelo filcto de de impedir as tentativas de fixação dos franceses e holandeses
serem mencionados os nomes dos seus dcnos, deveriam per­ na região, medidas essas que foram retomadas em 1646-1649 e
tencer a elementos de destaque na sociedade local. Nas laterais novamente em 1674 e 1678".
do mapa, Diogo Soares desenhou as principais construções de A política de povoamento através do incentivo à emigração
Colónia, desenhos que constituem um raro material iconográfico de casais, que até então-beneficiara o norte da América portugue­
sobre o aspecto material da Colónia do Sacramento. sa, passaria a ser aplicada ao sul a partir da fundação da Colónia
Em 1735, Silvestre Ferreira da Silva escrevia que o povoado do Sacramento. Neste sentido, o projecto de povoamento da
era formado por 327 casas, térreas na sua maioria, distribuídas margem esquerda do Rio da Prata almejava muito mais do que
ao longo de dezoito ruas, dezesseis travessas e quatro praças. O a construção de uma pequena fortaleza na região, onde a pro­
mesmo calculou a população de Colónia em duas mil e seiscen­ ximidade de Buenos Aires requeria a fundação de um centro de
tas pessoas, entre as quais estavam incluídos os efectivos da povoamento suficientemente forte para assegurar o sucesso da
guarnição. No Interior da fortaleza, situavam-se a igreja paroquial, COlonização portuguesa D. Manuel Lobo pensava denominar Lu­
a casa do governador, o hospital real, a residência dos francis­ sitânia a futura cidade que deveria nascer nas proximidades da
canos, a casa da artilharia, os quartéis e o corpo da guarda prin­ fortaleza do Santrssimo Sacramento.
cipal'. Para o povoamento, Lobo requeria gente de Portugal, pois
Se somente encontramos breves referências ao aspecto das achava que poucos brasileiros estariam dispostos a transferir­
construções que compunham a povoação, as fontes são mais -se para o Rio da Prata, tendo em vista o clima frio da região
eloquentes em descrever os tipos humanos que viviam em durante o inverno. Pedia então que lhe fossem enviadas fa­
Sacramento. Neste capítulo, procuraremos fazer um estudo mílias de Entre Douro e Minho por via do Porto e que nas frotas
sobre a população civil de Colónia: os agricultores, as mulheres, de Lisboa fossem embarcados alguns alentejanos. que seriam

256 257

)
)
) muito apropriados para a agricultura naquela terra que lhe lem­ cujas ordens serviu no terço da infantaria paga de Trás-os-Montes 16 •
,\ brava as planícies do Alentejo". Todavia, o ataque e a conquista Também não se deve esquecer que o govemador Sebastião da
) de Sacramento pelos espanhóis, poucos meses depois da sua Veiga Cabral era natural de Bragança e, se o mesmo passou a
fundação, impediu a implantação do projecto de povoamento es­ maior parte da sua vida fora da província de Trás-os-Montes,
) boçado por D. Manuel Lobo. deve ter contribuído para aumentar a curiosidade dos transmon­
) De 1682, quando foi reconstruída, até 1689, Colónia viu-se tanos sobre a região platina através de cartas e relatos à sua
reduzida a um mero presídio militar que o autor anónimo da famflia.
)
"Informação do Brasil e de suas necessidades" criticava por não Cameiro não deve ter tido muito trabalho em conseguir vo­
) se ter visto "em parte alguma do mundo fazerem-se novas luntários para acompanhá-lo à Colónia do Sacramento, uma vez
) povoações sem casais·2ff. A situação mudaria sob a administração que a situação económica de Portugal não era nada boa na
de D. Francisco Naper de Lencastre que, ao ocupar o cargo de época. Os primeiros anos do reinado de D. João V foram bastante
) governador interino do Rio de Janeiro, interessou-se em incenti­ dificeis, não só devido às consequências directas e indirectas da
) var o povoamento da margem esquerda do Rio da Prata com o Guerra da Sucessão Espanhola, como também à desorganização
) envio de mais soldados, algumas mulheres solteiras e alguns das finanças do Estado e a uma sequência de maus anos agríco­
casais de brancos e índios. Em 1689, Naper assumiu o governo las (1707-1711). As dificuldades económicas traduziram-se no
')
de Colónia, de onde pediu à Coroa que lhe fossem enviados aumento da emigração para o Brasil e na eclosão de diversos
) quarenta ou cinquenta casais de lavradores do Reino ou das motins populares". Circunstâncias que deveriam ser mais graves
Ilhas. No entanto, a fim de tranquilizar a Coroa espanhola, D. Pe­ em Trás-as-Montes, região que contava com grandes áreas im­

j
.,)
dro II limitou-se a ordenar que, em 1694, se remetessem dez
casais da ilha da Madeira, os quais não sabemos se realmente
próprias para o cultivo, sendo então a mais pobre e menos povo­
ada das províncias portuguesas".
seguiram 'para Sacramento:-Em 1699, o convite aos casais que
>
quisessem seguir para o Prata, voluntariamente, fc;>i estendido à
O relatório do conselheiro António Rodrigues da Costa sobre
o transporte dos casais transmontanos estabelecia que na
)
população dos Açores, mas o ataque espanhol de 1705 impediu viagem até ao porto de embarque, dever-se-ia garantir que os
) que a po1Ctica de incentivar o povoamento tivesse prosseguimen­ emigrantes recebessem alojamentos nos povoados por onde
") to". passassem e que as autoridades locais estivessem atentas para
Em 1716, D. João V concedeu a António Rodrigues Carneiro evitar a especulação no preço dos alimentos que lhes fossem
a patente de sargento-mor da Colónia do Sacramento, como re­ vendidos. Também aconselhava que se lhes dessem algumas
) compensa pelo seu oferecimento em partir como voluntário para carruagens para o transporte das mulheres e crianças. Enquanto
) repovoar o território devolvido pelos espanhóis em Utrecht. durasse o trajecto até ao Porto. a Coroa deveria fornecer um
Carneiro, que havia ocupado vários postos militares por ocasião tostão por dia a cada pessoa, aos quais se acrescentariam doze
) da guerra de Sucessão Espanhola, ofereceu-se para continuar no mil réis por pessoa para a compra de roupas".
) serviço real em Colónia, para onde, além da própria família, Não encontramos relatos de como foi a viagem dos casais,
levaria mais trinta casais de Trás-os-Montes'4. do Porto ao Rio de Janeiro, mas temos razões suficientes para
)
António Rodrigues Carneiro, que contava em sua folha mili­ pensar que não deve ter sido muito confortável. Navios lotados
) tar com nove anos de serviço como capitão de infantaria", deve eram sinónimo de menores gastos para a Coroa, como bem
) ter ouvido relatos entusiasmados sobre as terras platinas do anti­sabia o Conselho Ultramarino, que era favorável a que todos os
go governador de Colónia, D. Francisco Naper de Lencastre, sob emigrantes se concentrassem no Porto, onde "se faria com mais
J
)
) 258 259
)
conveniência o seu transporte, porque os levariam os navios em brevidade". Com certeza, as autoridades preocuparam-se em
que fossem repartidos com muito menos preço, fazendo conta evitar a fuga dos casais para a região mineira.
que tirariam muito maior interesse em levarem muítos"'''. A Coroa também ordenava ao governador do Rio de Janeiro
Porém, a Coroa conseguiu mesmo livrar-se de qualquer que assegurasse a alimentação dos militares e povoadores não
gasto com o transporte dos casais, como constatamos no reque­ só durante a viagem, como também durante os primeiros seis
rimento feito por Pedro da Costa Lima, que acumulava os cargos meses "por nl!lo poderem achar na terra logo o sustento
de superintendente das fábricas da ribeira do Douro e da casa necessário". Do Porto seriam enviadas as sementes para o início
da moeda do Porto. Argumentando que enviara às suas custas dos trabalhos agrícolas, enquanto que de Lisboa seriam man­
para a América os casais recrutados em Trás-as-Montes, Costa dadas três atafonas, duas tendas de serralheiro, duas forjas e
Lima pedia ao rei a concessão do hábito da Ordem de Cristo para dois foles de ferreiro. O governador do Rio, por sua vez, deveria , ')
seu filho'''. mandar vinte bois e sessenta cavalos para se distribuir entre os
Se não localizamos fontes que nos informem sobre a traves­ casais, e o govemador de Sacramento deveria organizar a dis­
sia marítima, encontramos um processo que soldados e famílias tribuição das ferramentas agrícolas e das terras".
de emigrantes moveram em 1723 contra o capitão da nau Madre António Brito de Meneses, governador do Rio, esmerou-se
de Deus, que os trouxe para Colónia, acusando-o de deixar de em cumprir as ordens que recebera. Aos sessenta casais trans­
fornecer-lhes alguns mantimentos durante a viagem. Entretanto, montanos, acrescentara mais dez casais e ainda vinte e quatro
como o capitão apelou para o Conselho Unramarino e pagou homens, entre oficiais e soldados. Informava ainda que as trezen­
fiança, a solução do caso arrastou-se por muitos anos. Em 1729, tas armas prometidas não vieram, mas somente 240, as quais
o governador Vasconcelos pediu informações sobre o andamen­ mandara para que Gomes Barbosa as repartisse entre os co­
to do processo, queixando-se de que era tanta a demora em lonos, a fim de formar companhias de ordenanças. Remetia ainda
chegar-se a uma solução, que uma parte dos interessados já sementes,atafonas, forjas, tendas e foles de ferreiro, mas não
tinha morrido ou fugidO". A justiça parece ter-se pronunciado enviara os bois e cavalos como lhe fora ordenado, sob a alega­
somente em 1731, pois naquele ano o governador mandou çãO de que custavam muito caro na cidade, Ao invés da remessa
depositar no almoxarifado o valor referente ao vinho que havia dos animais, mandava dinheiro para que o governador com­
deixado de ser entregue pelo capitão aos 49 soldados que havi­ prasse o gado que deveria ser distribuído aos colonos. Acres­
am desertado"". centava ainda que, para cobrir as despesas da reconstrução de
Se a Coroa conseguiu escapar às despesas da travessia marí­ Colónia, fora obrigado a retirar cinquenta mil cruzados de em­
tima, preocupou-se, porém, em organizar a chegada dos povo­ préstimo da Casa da Moeda".
adores à América, escrevendo ao governador do Rio de Janeiro Apesar da boe vontade da Coroa, a viagem do Rio de
acerca do envio de sessenta casais de lavradores da província de Janeiro para Colónia não foi fácil, vindo um dos navios que trans­
Trás-as-Montes, que se dirigiam à bafa da Guanabara com destíno portavam os casais a encalhar a duas léguas do povoado e, ern­
a Sacramento, onde deviam restaurar as famosas quintas destrui­ bora todas as pessoas se salvassem, resgatou-se apenas a
das durante o cerco de 1705. O rei ordenava ao governador que os metade da carga que transportava. Salvaram-se as sementes e
aquartelasse "com boa comodidade", dando a cada pessoa um mantimentos, porém perderam-se os materiais de construção e
tostão por dia para que pudessem manter-se durante a sua per­ ferramentas agrícolas que deveriam ser distribuidos aos casais".
manência no Rio. Porém não deixara de proibir que saíssem da A despeito do acidente, em dez de Fevereiro de 1718, os casais
cidade, devendo o governador enviá-los para Colónia com a maior transmontanos finalmente chegaram ao seu destino.

')
260 261 )
)
)
)
) Devemos ressaltar que os casais a que fazem referência os que se agregaram aos diferentes casais) já tinham fugido para a
) documentos não se limitavam propriamente a um casal com os América espanhOla"'.
seus fílhps, mas sim a uma pequena tribo que incluía não só par­ Além da penúria dos primeiros anos, acusações contra o
) entes como pais e sogros, além de muitos agregados", Assim, governador Gomes Barbosa de que o mesmo extorquia dinheiro
) averiguamos que só onze homens trouxeram consigo duas pes­ pelas terras que deveria dar gratuitamente e de que procurava
soas; dezoito trouxeram três; sete, quatro; dez, cinco; oito, seis; aproveitar-se das mulheres dos lavradores, devem ter pesado
)
cinco, sete; enquanto que Francisco de Caravalho trouxe consigo bastante na hora de enfrentar os riscos que implicavam a
) nove pessoas, No total, os sessenta chefes de casal vieram deserçãO"'. Se, em 1718, os povoadores formavam um total de
) acompanhados de duzentas e quarenta e seis passoas"', 321 pessoas", em Fevereiro do ano seguinte mortes e deserções
Fora do recinto murado, o governador Gomes Barbosa dis­ tinham baixado o seu número para 294 indivíduos", descendo
)
tribuiu terras aos imigrantes, criando dois bairros, sendo que um para 271 em Novembro do mesmo ano".
) passou a chamar-se Casais do Norte e o outro Casais do Sul", Em 1722, com a chegada do novo governador, António
) Também lhes entregou uma égua por casal e repartiu entre os Pedro de Vasconcelos, retornou-se o incentivo à colonização. Já
mesmos as sessenta e quatro enxadas e outras ferramentas que ao deixar o Rio de Janeiro rumo a Sacramento, Vasconcelos le­
) vou consigo mais "trinta homens ilhéus, para se empregarem na
eram utilizadas pelos soldados na construção da fortaleza".
')
Contudo, embora as perdas no naufrágio de um dos navios de lavoura"~ Segundo Coates, no mesmo ano em que Vasconcelos

,\ transporte não fossem muito importantes, as autoridades do Rio assumiu a administração de Colónia, 294 pessoas, na sua maior
de Janeiro tiveram dificuldade em reabastecer os povoadores, parte casais, estavam preparadas para deixar as ilhas do Pico e
) pois, no ano seguinte, o governador queixava-se do estado mise­ de São Jorge, nos Açores, com destino a Colónia"'. Na verdade,
) rável em que se encontravam os soldados e colonos que, por falta a Coroa tentou financiar mais uma leva de emigrantes para a
) de mantimentos e materiais, chegavam "a vender as camisas Colónia do Sacramento, projecto que chegou até o conhecimen­
para comprar biscoitos aos castelhanoS'2". to dos espanhÓis e gerou alguma preocupação no Conselho das
) Como o território era, na sua maior parte, constituído por índias".
) campos, os colonos tiveram dificuldade em encontrar madeiras Parece que a notfcia da emigração subvencionada pelo
para construção e, por isso, as suas primeiras habitações, consti­ Estado em Trás-os-Montes não tardou a chegar aos Açores. Em
) 1723, o corregedor da comarca das Ilhas foi encarregado pela
turram-se de barracas feitas com roupas de cama e couros, Para
) encontrar lenha tinham que se afastar de sete a oito léguas da Coroa de ouvir as câmaras e o povo da ilha do Pico sobre o re­
) praça, correndo o risco de sofrer ataques de indígenas ou mesmo querimento que os moradores fizeram, para pedir a sua transfe­
de tropas espanholas, que tinham como missão impedir o avanço rência para Sacramento, tendo em vista as consequências de
) uma recente erupção vulcânica que devastara a ilha. O correge­
dos portugueses pela campanha".
) A situação dos povoadores devia ser mesmo difícil, pois dor foi encarregado de organizar o movimento emigratório, já que
) Gomes Barbosa informou a Coroa em 1719 que, dos filhos dos o rei não somente aceitou o pedido dos ilhéus, como também
casais nascidos em Colónia já haviam falecido oito e igual ofereceu gratuitamente aos futuros emigrantes o transporte, "ter­
) número estava vivo. O elevado indice de mortalidade infantil ras iguais às da Europa", ferramentas e sementes. Ofereceram­
) mostra-nos a precariedade das condições materiais dos colonos. -se, então, 260 casais, somando 1.432 pessoas. Contudo, apesar
Informava ainda que, desde a chegada dos imigrantes, no ano do elevado número de pessoas dispostas a emigrar, continuou-se
J a pensar em utilizar a antiga prática de degredar criminosos, uma
anterior, quatorze pessoas (dois casais e alguns moços solteiros
)
)

262
263
)

vez que o corregedor acrescentava que "no dito transporte po­ A malona dessas pessoas que seguia do Rio para
derão ir os presos"". Sacramento não ia por vontade própria. A prática de forçar as
Em 20 de Outubro do mesmo ano, o Conselho Ultramarino pessoas qUe chegavam à cidade sem passaportes a emigrar para
sugeriu ao Rei que tomasse emprestado, a juros de cinco por Colónia fora iniciada a partir do acordo feito entre António Pedro
cento, o dinheiro que fosse necessário para o transporte dos de Vasconcelos e Aires de Saldanha, governador do Rio de
ilhéus que se ofereceram a Ir para Colónia. Porém, OS conse­ Janeiro, como uma forma de incrementar o número de agricul­
lheiros não deixaram de frisar que seria bastante difícil conseguir tores em Sacramento, sem criar novas despesas para a Fazenda
uma quantia tão elevada para pagar os custos dessa corrente Real. Vasconcelos argumentava que, como era grande o número
emigratória, orçados em trezentos mil cruzados. De facto, devido de pessoas que continuamente chegavam àquele porto em busca
ao alto custo do subsídio à política de colonização dirigida à li­ de novas oportunidades no Brasil, "nenhuma violência se lhes
bertação dos recursos, arrastou-se por anos, sendo que, em Ou­ fazia de os mandarem para esta terrét'''. Com a aplicação desse
tubro de 1729, a Câmara da vila das Lages, na ilha do Pico, fez método, Aires de Saldanha conseguira prender muitas pessoas e,
nova representação ao rei pedindo-Ihe que ajudasse os casais se Vasconcelos libertou algumas delas, ainda assim conseguiu
mais pobres a emigrar para o Brasil, tendo em vista os prejuízos levar consigo trinta ilhéus. A ideia de António Pedro de Vascon­ J.
que a população das ilhas do Pico e Faial sofreram com erupções celos acabou por tornar-se prática comum entre os governadores ~t

vulcânicas e terramotos",
A indecisão da Coroa frente aos elevados custos do financia­
do Rio de Janeiro, que continuaram a enviar os imigrantes inde­
sejados para a Colónia.
~
)
mento da política de povoamento arrastou-se por tanto tempo Vasconcelos tinha em alta conta as virtudes dos ilhéus, afir­
que, quandO os recursos foram finalmente disponibilizados, os mando ao rei que os que trouxera consigo do Rio "fazem à sua pro­ )
casais que se ofereceram para povoar o território de Colónia porção maiores lavouras que todos os casais vindos de Portugal, )
tiveram destino diferente, Foi somente a partir de 1748 que os acrescentando-lhes a circunsMlncia de sergente mui quieta, livre de
açorianos começaram a instalar-se na ilha de Santa Catarina, vícios e embustes que só cuida em ganhar a vida com verdade''''.
sendo que novas levas foram destinadas ao Rio Grande. O novo O governador de Sacramento não deixava escapar nenhuma'
destino era uma consequência da manutençâo do bloqueio oportunidade que se lhe apresentasse para aumentar a popu­
espanhol a Sacramento após o armistício de 1737, facto que lação do território sob sua administração. Em 1731, os minuanos
impossibilitou a continuação da política de povoamento no Rio da procederam a urna série de ataques aos arredores de Monte­
Prata'4. vidéu, para se vingarem da morte de um índio pelos espanhóis,
Mesmo sem contar com o apoio financeiro do governo me­ chegando a desbaratar uma expedição punitiva enviada pelo go­
tropolitano, muitos açorianos seguiram para Sacramento, como vernador de Buenos Aires"'. Vasconcelos não deixou de apro­
se pode constatar a partir do levantamento da genealogia dos veitar a oportunidade gerada pela falta de segurança na nova
povoadores que Carlos G. Rheinganz fez a partir dos livros povoação espanhola para, com os recursos que o rei lhe con­
paroquiais do povoadO", Sabemos que, além dos trinta ilhéus cedeu para comprar a boa vontade das autoridades castelhanas,
trazidos do Rio por Vasconcelos em 1722, em Novembro de auxiliar algumas das famflias, que tinharn vindo das Canárias, ini­
1724 chegaram mais sete casais". Em 1728, o governador do ciar o povoamento de Montevidéu e fixarem-se na Colónia do
Rio de Janeiro remeteu para Colónia uma nova "leva de ilhéus", Sacramento, Com as famflias canarinas, voltaram três desertores
em compensação pelo recambiamento do soldado José de portugueses que viviam há algum tempo em Montevidéu, onde se
NuneS", tinham casado, trazendo consigo os seus pertences e gado".

)
264 265
)
)
.'
, '1
)
)
) A politica de povoamento não deixou de receber o apoio das 3.1.1. -A Restauração do "Jardim da América"
) autoridades do Rio de Janeiro, que objectivavam libertar-se do
) pesado encargo de conlínuadamente suprir com recrutas a guar­ A semelhança do clima da Banda Oriental com o do Reino,
nição da Colónia do Sacramento, constantemente desfalcada empolgou muitos portugueses. que julgavam poder construir um
pelas frequentes deserções. Em 1724, o governador Aires de novo Portugal nas margens do Rio da Prata. O governador
) Saldanha pedia a Diogo de Mendonça Corte Real, Secretário de Sebastião da Veiga Cabral louvava a fertilidade das terras de
Estado, que solicitasse junto ao rei a remessa de novos contin­ Colónia. dizendo que elas podiam "abundar em searas, vinhas,
)
gentes de povoadores para Colónia e para a nova fundação que pomares e flores da Europa, além de produzir todos os demais
) se intentava fazer em Montevidéu. Se tal procedimento não fosse frutos do Brasir. Contudo, não deixava de ressaltar que, se "as
) possível, pedia que as frotas da Bahia, Pernambuco e Rio sem­ terras desde Laguna até ao sítio onde esteve Colónia são boas,
pre trouxessem gente da metrópole com esse propósito, pois, as que estão de Colónia até ao rio Uruguai são melhores e,
)
segundo o governador, ''se não fossem os lavradores, que com sobretudo excelentes, as que correm pelas margens do rio Uru­
os seus filhos fazem hoje já bastante número, que de alguma guafl'". Comentário que não deixa dúvidas a respeito das am­
\ maneira suprem [a falta de soldados], estivera aquilo em mui mau bições expansionistas dos portug ueses.
estaci<:P'~ Veiga Cabral dizia ainda que, antes de 1694, a cada alqueire
)
As constantes deserções dos soldados que serviam em de trigo semeado, colhiam-se cinquenta e, por vezes, quantidade
) Sacramento levaram o Conselho Ultramarino a também defender maior, sendo que o centeio, a cevada e o milho produziam ainda
) o envio de casais, argumentando que 'a experiéncia de tantos mais". Por algum tempo, foi tão grande a produção de trigo que
desertores será melhor que vão casais porque não é tão fácil quando se sentiu a falta dele em Buenos Aires, o governador de
) largarem suas mulheres e filhos e irem viver em reino estranhd"". Colónia ofereceu-se para vender aos portenhos mais de doze mil
) De facto, da mesma forma que o uso do sistema de degredo, a fanegas do cereal". Contudo, parece que a fertilidade do solo
pOlítica de implementar a colonização através dos casais estava estava ligada à utilização de terras virgens, pois, segundo um
intimamente ligada à instituição militar. Cedo os civis foram estudo sobre o assunto, elaborado por Luís Ferrand de Almeida,
) enquadrados no sistema militar, pois antes mesmo que seguiu-se uma certa quebra na produção do trigo com relação às
) chegassem ao seu local de destino, a Coroa já enviara trezentas excepcionais colheitas dos primeiros anos, o que o autor pensou
armas para a formação de "algumas companhias de ordenança que talvez se devesse à falta do sistema de rotatividade de cul­
)
dos mesmos casais que ajudem a defesa da dita praça"'''. turas'·.
) Em 1722, eram quatro as companhias de ordenança: a com­ Porém, mais do que pelos seus trigais, a Colónia do
) panhia de cavalaria dos moços solteiros, comandada pelo capitão Sacramento ficou famosa pelas frutas e hortaliças cultivadas
Manuel do Couto, que era composta de 37 homens; a companhia pelos casais nas suas famosas quintas. Entre as frutas que se co­
) dos mercadores, cujo capitão era José Ferreira de Brito e estava lhiam nos arredores do povoado, Veiga Cabral citava melões.
composta por 24 homens. Os casais estavam divididos em duas melancias, figos, uvas e azeitonas, distinguindo os pêssegos, os
companhias: uma, a cargo do capitão João de Meireles, tinha o quais a "sua extraordinária quantidade os faz comunS'°". Ainda
)
efectivo de 29 homens; enquanto a do capitão Jerônimo de Ceuta segundo o governador, o número de hortaliças como salsa, hor­
) congregava 35 homens""
telã, coentro e mostarda era tão grande que muitos colhiam as
)
suas sementes para vendê-Ias nas demais povoações da Amé­
rica po rtuguesa.
)
)
) 266 267

>
)
Era lugar comum louvar a fertilidade das terras de Colónia e o governador Garcia Ros não o autorizou a cumprir o seu o inten­
compará-Ias com vantagem às da Europa. Rocha Pitta escrevia, to, alegando que não lhe era permitido desobedecer aos repeti­
em princípios do século XVIII, que, em Sacramento, "o clima e o dos bandos que proibiam a salda de sementes da sua jurisdição.
terreno são de forma próprios para a produ~o de flores, frutos e Por isso só o autorizou a levar uma pequena quantidade de fari­
sementeiras da Europa, como experimentam os nossos nha para a sua alimentação. Ainda para evitar qualquer tipo de
,~
povoadores nos muitos e deliciosos jardins, pomares, e searas ajuda aos portugueses, Gareia Ros ordenou que se transportasse
que têm já cultivado naquele frutffero e vasto paI!!"". Por sua vez, a Buenos Aires uma pequena searade trigo que os espanhóis se­ 'I
o alferes Silvestre Ferreira da Silva, descrevia "copiosas colheitas mearam nas. imediações de Sacramento". .~
de trigos, e mais frutos necessários para a vida humana, que tudo Porém, parece que a sua ordem foi desobedecida, pois,
estas terras produzem com vantagem às da Europa'~ Afirmava segundo um estudo de Coreino M. dos Santos, baseado numa ,~
que nos pomares das quintas "se achavam enxertos de toda a relação enviada à metrópole por Gomes Barbosa em 1719, ape­
casta de frutas das de Portugal; e assim mesmo dilatados can­ nas os que compraram sementes em Buenos Aires puderam
teiros da mais doce e mimosa hortaliça, cujo gosto, com manifes­ fazer uma boa colheita de trigo. Das sementes que vieram com
ta verdade, faz competência à mais viçosa da Europd"". os casais e que foram distribuídas entre os mesmos, para dar in/­
Segundo o governador António Pedro de Vasconcelos, "os po­ cio à lavoura, o número de grãos colhidos foi inferior ao plantado,
voadores não podiam encontrar terreno que mais se assemelhasse resultado que o referido historiador relacionou ao plantio feito fora
ao em que nasceram, nem onde tenham maiores interasses que do tempo somado à má qualidade das sementes".
este, porque os frutos são da mesma sorte sazonados e, se tem Na realidade, apesar das restrições com que as autoridades
alguma diferença, é s6 de serem mais saborosoS"". Descrição de Buenos Aires procuravam impedir a comercialização dos
semelhante foi dada por Cristóvão Pereira de Abreu ao padre grãos para fora da sua área de administração, não deve ter sido
Diogo Soares, informando-lhe de que as terras que se estendiam muito difícil para os portugueses, habituados ao comércio clan­
de Sacramento até o Rio Grande de São Pedro produziam "com destino no Rio da Prata, conseguirem as sementes de que neces­
vantagem crescida todos os frutos da Europa, assim trigo como sitavam. Longe das vistas das autoridades espanholas, os por­
vinhas, linho e toda casta de frutas, que pode dar inveja aos de tugueses não teriam problemas ern negociar com os agricultores
qualquer parte do mundd"'''. bonaerenenses que, em sua rnaioria, erarn pobres arrendatários
Contudo, ao contrário do que levam a crer as entusiasmadas que muitas vezes tinham de vender a sua produção, ainda no
manifestações que continuamente louvavam o clima e a fertili­ campo, aos atravessadores, devido à falta de local apropriadO
dade das terras platinas, o quotidiano dos camponeses que vive­ para o armazenamento dos grãos·'.
ram nas terras próximas à Colónia do Sacramento foi marcado Mas, se não era difícil conseguir sementes, as restrições
por muitas dificuldades. Má qualidade das sementes distríbuldas, com que as autoridades espanholas procuraram impedir o aces­
concentração de terras, problemas climáticos, pragas e, sobretu­ so à campanha aos portugueses através da guarda de São João,
do, o medo constante gerado pela vizinhança com os espanhóis constitu iam-se num problema quotidiano. Respondendo aos
foram os principais factores que impediram o desenvolvimento da protestos de Manuel Gomes Barbosa contra a acção das patru­
agricultura durante os primeiros anos do restabelecimento dos lhas espanholas, o governador de Buenos Aires ordenou que se
portugueses às margens do Prata. lhe entregassem algumas vacas leiteiras como presente".
Em 1718, o superior do colégio dos jesuítas em Colónia foi a Gomes Barbosa não se limitou a aceitar o presente de D. Bruno
Buenos Aires buscar sementes para o plantio do trigo. Entretanto, Maurício de Zabala, pois, escrevendo sobre o bloqueio espanhol

)
268 269 )
)
)
.,.
,i

ao vice-rei, dizia-lhe que "sem embargo disso me valho da minha nada, havendo sido cada uma delas um paraíso, porque a terra
indústria para o gado da campanha para dar de comer a essa é propiCia a todo género de plantaS'''''. Porém, se havia descaso

gente que está aqui que passa de mil e quarenta pessoaS""'. com as lavouras, o mesmo não se dava com relação á pecuária.

Na verdade, as autoridades de Buenos Aires dificilmente Então, oitenta e dois casais habitavam o território de Sacra­
conseguiam impedir as relações comerciais dos portugueses, mento, onde havia 110 carretas e o rebanho estava calculado em

que se abasteciam de gado através dos índios e mesmo dos 1.931 cavalos, 3.657 cabeças de gado de criação e 355 juntas

espanhóis. Enquanto alguns casais receberam uma junta de bois, de bois".

outros tiveram de comprá-Ias (talvez com o dinheiro enviado pelo Vasconcelos logo verificou que o pouco desenvolvimento da
governador do Rio de Janeiro), pois uma relação de 1719 oferece agricultura não se devia à má qualidade do solo, antes pelo con­ ,
uma lista de bois dados a alguns casais e outra refere-se às jun­ trário, já que um alqueire de semente geralmente produzia qua­ I~
,li;
tas de bois mansos comprados por outros. Infelizmente, o docu­ renta e cinco alqueires de grão, podendo chegar até setenta, li'
mento não informa o porquê da diferença de tratamento. Ao todo .1'.,
Para o governador, as más colheitas de trigo deviam-se ao aban­
eram 67 juntas, perfazendo um total de 134 bois mansos"'. dono da agricultura em favor "da exploração do gado chimarrão".
Tudo indica que demorou bastante tempo para que os co­ Por isso, não deixou de lembrar à população, num discurso que
lonos conseguissem restaurar a prosperidade agrícola alcançada se seguiu á sua posse no governo, que a Coroa tinha feito
durante o governo de Veiga Cabral. Dificuldades em receber grandes investimentos a fim de que os povoadores promovessem
sementes e ferramentas embaraçavam a tarefa do governador a conservação e o crescimento da Colónia do Sacramento. Aler­
Manuel Gomes Barbosa de favorecer o desenvolvimento agríco­ tou então que ':se o tempo que se tinha gasto com os laços se
la em Colónia. A situação precária dos primeiros tempos arrefe­ empregara nos arados, e o benefício que se aplica aos couros se
ceu o ânimo dos colonos, que se ressentiam da falta de apoio repetira nas lavouras, seriam tão avultadas as colheitas quanto
permanente por parte da metrópole. Por isso, o Conselho promete a fertilidade da terra"".
Ultramarino pedia a continuidade das expedições de socorro a Quem pensou que a preocupação do governador com a agri­
Colónia, como um meio de "sossego dos novos povoadores que cultura não passou de mero exercfcio de eloquência, logo verifi­
se mostram ali desanimados, e com algumas desconfianças da cou que Vasconcelos falava a sério, pois o mesmo impediu a saída
sua pouca duração e subsistência, vendo que deste Reino não para a campanha de todos os que não tratassem de semear e cul­
são directamente visitados e socorridos" ". tivar os seus lotes. A atitude enérgica de Vasconcelos contribuiu
A chegada do novo governador, António Pedro de Vascon­ para que, no ano da sua posse, os campos fossem semeados
celos, em Março de 1722, aliviou um pouco a tensão existente com mais de mil e cem alqueires de sementes de trigo. Além da
entre os colonos, que temiam a concessão de Colónia à Espanha preocupação do governador em fixar a população à terra, o
em troca de algum equivalente, possibilidade que constava nos incentivo à agricultura tinha também o objectivo de tornar a Co­
termos do Tratado de Utrecht. Porém, os temores só desaparece­ lónia do Sacramento auto-sufíciente na produção de alimentos, , ~i
ram por completo com a chegada de um navio que trouxe de libertando a guarnição da dependência das remessas de farinha
Lisboa mais gente, armamentos e sementes". de mandioca que vinham do Rio de Janeiro.
O padre Domingos Neyra, que visitou Sacramento no ano Contudo, apesar das medidas coercitivas adoptadas pelo
em que se deu a troca do governo local, seguindo depois para a governador para promover a tríticultura, a praga da "ferrugem" que
Europa no mesmo navio em que viajou Gomes Barbosa, relatou há dois anos atacava os trigais, continuou a fazer estragos. A soma
que "as quintas que possuíam seus habitantes estão reduzidas a da má colheita aos nove meses em que não chegou nenhuma

270 271
remessa de farinha de mandioca do Rio de Janeiro, obrigou fogo às searas de trigo, originando um grande incêndio que de­
muitos moradores a comprar pão aos espanhóis da guarda de morou doze dias para ser extinto pelos agricultores e soldados.
São João, os quais não perderam a oportunidade de elevar os Depois da fortificação de Montevidéu pelos espanhóis, o
preços em frente à forte procura da sua produção pelos portugue­ governador de Buenos Aires criou uma companhia de "migue­
ses". A situação continuou crítica em princípios do ano seguinte, . letes", cavaleiros cuja função era ímpedir o acesso dos portugue­
quando uma tempestade, ocorrida pouco antes da colheita, de­ ses à campanha e que tinham permissão para ficar com todas as
vastou os trigais, enquanto o pequeno número dos legumes co­ presas que fizessem ao inimigo. Em busca de butins, eles pas­
lhidos só serviu para garantir a provisão de sementes", saram a atacar as quintas das proximidades de Colónia, onde
Porém, no decorrer do ano de 1723, a situação melhorou roubavam o gado e assaltavam as pessoas que encontravam
bastante. Simão Pereira de Sá informa que o número de mora­ pelO caminho". Contra a acção dos migueletes, que '1alavam os \
dores nos arredores de Sacramento era superior ao número dos campos, rOubavam os lavradores e infestavam escandalosa­ ,1
"

350 vizinhos que, então, viviam na povoação. As quintas, que se mente as vizinhanças da praça", o governador Vasconcelos
estendiam até duas léguas da praça, estavam semeadas de tli­ escreveu a D. Bruno Zabala. António Pedro de Vasconcelos
gais, pomares, hortas e jardins, onde abundavam vinhas e aves. queixou-se ao rei que a resposta irónica do govemador de
Já nas estâncias, que se localizavam a dezesseis léguas, passa­ Buenos Aires ao seu protesto foi que "se para emenda necessi.
va de cem mil o número de vacas, sendo que "o número dos bois, tassem de disciplina, buscássemos os meios proporcionados do
éguas e cavalos para a produção não era inferior'". CBStigd"" .
Entretanto, a prosperidade agrfcola era ameaçada pela falta Ciente de que tal resposta era uma convocação para uma
de segurança dos colonos, que estavam sempre propensos a ver demonstração de força, Vasconcelos ordenou que vinte cava­
as ,~l1.as Jªvo(!rªs, ~[r.!lSljlJias por Investidas dos índios ou. dos leiros; sob as ordens do alferes Pedro Pereira Chaves, ata­
espanhóis, constituindo-se num forte foco de tensão quotidiana cassem os migueletes. O pequemrgrupamento português locali­
qué'poderia evólwàté!evar'â deserção. Sobre tal perigo, aleita­ zou o acampamento espanhol às margens de um riacFí6."LJin
va o jesuíta Diogo Soares, que defendia a construção de pode­ ataque surpresa conseguiu destroçar o inimigo, pondo em fuga
rosas fortificações, pois, em caso contrário afirmava que "os alguns e matando seis deles, entre os quais o seu comandante,
moradores, vendo-se expostos a padecer em suas próprias o capitão Juan de Burgos. Segundo Simão Pereira de Sá, "Ficou
casas o que sofrem todos os dias na campanha aos castelhanos, deste modo desembaraçada a campanha, quieto o subúrbio, e
buscarão em outra parte da América [lugar onde] vivam mais seguros os lavradores que, livres de tão arriscados precipícios,
seguros, e sem o temor e risco, que são comumente certos numa semeavam já o grão com boas esperanças de fruto"." O alferes
praça fronteira, exposta e sem defeséf"". e os seus soldados ainda puderam repartir entre si os cento e
A insegurança na campanha, era assim, uma preocupação cinquenta cavalos apresados aos mlgueletes"'.
constante dos povoadores. Em 1722, um militar português con­ Passados os anos críticos da luta por Montevidéu, os
seguiu entreter uma patrulha indígena comandada pelos jesuftas colonos puderam desfrutar de um curto período de paz. ContUdo,
"pela sua afabilidade e por meio de um regalo que à custa da sua as secas e as pragas continuaram a ser um flagelo para os
fazenda ofereceu aos ditos missionárioS" ". A negociação deu agricultores. A colheita de 1726 foi fraca devido a uma grande
tempo para que os agricultores conseguissem fazer a colheita do seca que já durava dois anos, mas, mesmo assim, conseguiu-se
trigo maduro. Dois anos depois, respondendo à tentativa por­ colher quase dez mil alqueires de trigo, porém a produção das )
tuguesa de povoar o sítio de Montevidéu, os espanhóis atearam frutas e legumes não correspondeu à semeadura". Nos anos

272 273 )
)
)
,
J
)
j
\ seguintes a produção deve ter aumentado, pois, se então a dízi­ cordame utilizado pela marinha. António Rodrigues Carneiro,
) ma do trigo havia rendido 172$155 à Fazenda Real, em 1727 ren­ principal responsável pela vinda dos transmontanos para o Prata,
deu 360$375 e, no seguinte, 402$000". pretendia iniciar a cultura do linho-cânhamo em Colónia e por
)
/ Em 1730, apesar da praga da '1errugem", colheram-se mais isso incluiu o pedido da superintendência dessa cultura entre os
) de vinte mil alqueires de trigo AII • Já no ano seguinte, a conjugação favores que solicitara à Coroa pela sua contribuição em auxiliar o
) da seca e do frio excessivo causou grandes perdas nas searas, repovoamento de Sacramento". Em 1725, o governador Vascon­
porém como se tinha semeado uma grande quantidade de ter­ celos informou à Coroa que os dois alqueires de sementes de
) reno a fim de produzir um excedente para vender no Brasil, cc.. linho-cânhamo enviados para Colónia por Pedro da Costa Lima
) Iheram-se mais de treze mil alqueires". Em 1732, o governador tinham produzido bem, embora não tivessem crescido tanto
) escrevia ao rei que "a colheita de trigo (suposto [quellhe dera fer­ quanto nas plantações de Trás-os-Montes".
rugem) chegara a vinte míl alqueiraS"". No relato que Silvestre Ferreira da Silva fez dos estragos
\
" Em 1734, uma seca muito forte fez com que só se selvassem causados pelos espanhóis no cerco que se prolongou de 1735 a
) as sementes, prejudicando também as demais lavouras e aca­ 1737, podemos ter uma ideia da produção agropecuária da
bando com o pasto dos animais. Para poder alimentar a Colónia do Sacramento: 2.455 alqueires de trigo, legumes, po­
)
guarnição, o contratador do pão de munição teve de recorrer a mares, vinhas (algumas com mais de noventa mil pés de bacelo)
) outros centros produtores, mandando comprar trigo em Buenos além de grande quantidade de aves e animais domésticos cria­
Aires e buscar três mil alqueires de farinha de mandioca em dos pelos casais. Nas estâncias, a perda estava orçada em
J Paranaguá". Em Fevereiro de 1735, Vasconcelos escrevia que a 18.443 ·cavalgaduras de toda a espécie", 2.332 ovelhas, 87.204
) colheita do trigo havia sido excelente, pois já se acabara a terrí­ cabeças de gado vacum crioulo, além de 104 carretas, Instrumen­
) vel seca dos anos passados. Acrescentava ainda que, como a tos e madeiras e 46 escravos lavradores".
)
seara não tinha ainda acabado, não sabia quanto renderia o dí­ Outra relação dos preíufzos causados pelas tropas espanho­
zimo, o qual venderia a 550 mil réis ao novo contratador do pão las informa-nos que existiam duzentos e quarenta quintas nos
) de munição arrematado no Rio de JaneiroS2• arredores de Sacramento, sendo que nem todas tinham a mesma
) Embora o trigo se constituísse no principal plantio na Colónia extensão ou valor. As propriedades do tenente-general enge­
do Sacramento, os documentos também fazem referência a outras nheiro Pedro Gomes de Figueiredo estavam orçadas em nove
)
plantações, como cevada e milho" que, tudo Indica, se destinavam contos, setecentos e quatro mil e quinhentos réls; as do capitão
-; sobretudo ao sustento dos escravos". Deve-se lembrar que a de cavalaria Inácio Pereira da Silva em quinze contos e quinhen­
) insistência do governador Vasconcelos em promover a triticultura tos e quarenta e cinco mil réis; enquanto a quinta do capitão de
liga-se ao facto de que os dízimos da sua produção serviam de cavalaria da ordenança João da Costa Quintão valia vinte e seis
) alimentação à tropa. Outro factor importante a se ressaltar é que contos, duzentos e sessenta e quatro mil e duzentos e cinquenta
) o cultivo do trigo exigia o trabalho na lavoura somente durante os réis",
) períodos da sementeira e da colheita", pOSSibilitando aos traba­ Como podemos constatar, a partir da leitura deste relato, as
lhadores alguns meses livres, nos quais podiam dedicar-se a ou· propriedades mais valiosas não pertenciam aos casais povo­
) tras tarefas, como a pecuária e a extracção de couros, que se adores, mas sim a destacados elementos da sociedade local.
) constituía no principal recurso económico da região platina. Numa certidão passada a Caetano do Couto Veloso, escrivão da
, Outra cultura que atraiu a atenção das autoridades foi a do Fazenda Real, o governador vasconcelos informava que o mesmo
}
linho-cânhamo, matéria-prima essencial para a confecção do era ·um dos mais avantajados lavradores", dono de várias quintas
)
)
274 275
)
)
situadas nos arredores da praça, onde abundavam pomares, vi­ local, como o sargento-mor António Rodrigues Carneiro, que
nhas, lavouras, gado vacum e cavalar. Poucos mesas antas do atestou a inocência do governador, acusado de pedir dinheiro
início do sítio espanhol, Couto Veloso inaugurara uma olaria, na pela doação das terras"'. Também o padre António do Vale, supe­
qual investira mais de dois mil cruzados na compra de madei(as rior da residência dos jesuítas em Colónia, atestou que Gomes
e escravos. Somados, os bens de extra-muros do escrivão foram Barbosa "repartiu OS chãos, assim dentro como fora da fortaleza,
avaliados pelo mesmo em três contos e oitocentos e quarenta mil aos casais e mais moradores, que lhe pedíram, sem íntervir nisto
réis em 1736"". interesse algum da sua parte''''".
Além dos desastres naturais, como secas e invernos ri­ Porém, numa representação à Coroa, os moradores quei­
gorosos, e das incursões indígenas e espanholas que por vezes xaram-se de que, apesar da promessa de que cada casal rece­ l
destrufam as plantações, problemas causados pelo processo de beria três jeiras de terra nas proximidades da praça, não tinharn
I.f
distribuiçãO das terras também dificultaram o desenvolvimento da recebido nada além de urn terreno onde edificaram as suas
agricultura na Colónia do Sacramento. Quando se discutiram, em casas, sendo-lhes necessário ''semear muito longe seus trigos'''".
Lisboa, os Incentivos a serem dados aos casais povoadores, o Com relação à acusação de que os oficiais rnilitares tinham sido
parecer do conselheiro António Rodrigues da Costa foi de que se privilegiados com a posse das terras que se situavam mais perto
deveria dar a cada casal dez jeiras de terra de sesmaria nas pro­ da povoação, o governador Vasconcelos informou o rei de que
ximidades da praça e uma légua de terra em quadra também em os moradores podiarn fazer as suas lavouras no lugar onde
sesmaria na campanha. Por sua vez, António Rodrigues escolhessem e que todos fugiam dos arredores de Colónia por
Cameiro, líder dos casais, deveria receber esses números no serem terras demasiado secas"'.
dobro"'. Na verdade, o problema principal não consistia na maior ou
A carta régia de 9 de Setembro de 1719 regulamentou a menor fertilidade do solo, mas sim na segurança, pois quanto
maneira pela qual o governador deveria proceder à distribuição -ínais longe da fortificação, maior era o perigo de sofrer algum
das sesmarias aos casais. Porém como persistia a controvérsia ataque, fosse por parte da guarda espanhola, fosse por parte dos
com as autoridades de Buenos Aires sobre a questão do território índios. Procurando resolver o problema das investidas dos es­
de Colónia, Gomes Barbosa julgou melhor não conceder Utulos panhóis e assegurar a propriedade através de títulos, os colonos
de propriedade, limitando-se a distribuir os lotes entre soldados e pedirarn ao rei para que se buscasse o firn da controvérsia sobre
colonos"". A situação não era nova, pois os colonos que lá viviam o território de Sacramento com a corte de Madrid. O pedido dos
antes da evacuação ordenada em 1705 também não tinham a moradores não deixou de escandalizar VasconceloS, que alegou
posse da terra que cultivaram reconhecida através de documen­ que essa era uma "matéria muito alheia das suas obrigações e
tos. Luís Ferrand de Almeida relata que a documentação da desnecessária em tempo que põe estâncias e levam as suas
época fala simplesmente em dar terras, mas não há qualquer lavouras onde os convida o apetite'''".
referência ao sistema de sesmarias ou à celebração de contratos Vasconcelos não deixou de se contradizer com essa afir­
agráriosW:'. mação, pois anteriormente havia escrito ao rei que a resolução da
Embora não saibamos exactamente como se deu a distribui­ questão sobre o território de Sacramento era essencial para
ção dOS terrenos, o facto é que ela não tardou a ser contestada garantir o aumento na produção de alimentos, a fim de livrar a
pelos povoadores, os quais acusaram o governador de se benefi­ guarnição da dependência das remessas de farinha do Rio de
ciar do processo. Para se defender das acusações, Gomes Bar­ Janeiro. Argumentava, então, que o domínio legal sobre o ter­
bosa pediu o testemunho de pessoas importantes na comunidade ritório garantiria a segurança dos lavradores, os quais poderiam
)

276 277
)
)
,
'\

) expandir as suas lavouras para o interior da campanha, o que, • Anibal M. Riveros Tula, "Historia de la Colónia de! Sacramento", ín R!HGU, tomo XXII,

pp. 161·162.

) por sua vez, asseguraria o aumento dos dízimos da produção, ~ "Mapa geraL..", 24 de Outubro de 1722" Mapoteca do AHEx, S-RS~01.05.1621.
) com os quais poder-se-ia prover o sustento da guarnição"". e Vasconcelos ao rei, 13 de Maio de 1726, ln AHU, Colónia do Sacramento, ex. 2,

, Porém as queixas contra os oficiais militares não se res­


tringiam à disputa das terras mais próximas à fortaleza. Os
doe. 165.

~ Vasconcelos ao rei, 5 de Abril de 1130, inAHU, Coicinla dO Sacramento, ex. 2, doe. 220.

" ~ Segundo O: engenheiro Pedro Gomes de Figueiredo, que em 1732 elaborou uma plan+

) colonos também reclamavam da perda de parte das colheitas la das reformas que deveriam ser feitas na fortaleza, exceptuadas a igreja e a casa do gover~

nador "tudo se despraza por ser obra de pedra e terra, coberta de pafha. e de mui pOUCa ou

devido à invasão das suas lavouras pelo gado e cavalos dos nenhuma subsistência", Cf. Mapa da Colónia do Sacr'amento, elaborado pelO engenheiro

}
poderosos e principalmente pela concorrência que os grandes Pedro Gomes di) Figueiredo em 6 da Maio de 1732, Mapoteca do AHEx, S.RS·07,02.1443.

proprietários de terras, geralmente militares e comerciantes, lhes Silvestre Ferreira da Silva, Relação do Sítio da Nova Colónia do Sacramento, pp. 61-71.

'~Luís Ferrand de Almeida, ~Casals e Lavradores na Colónia do Sacramente (16aO~

) moviam na produção do trigo. Como nas terras dos oficiais não • t70Sr, ln Revista Portuguesa de História, tomo XXX, pp. 9-1S.

havia problema de falta de mão-de-obra, uma vez que eram cul­ '1 D. Manuel Lobo ao príncipe regente, 12 de Março de 1680, ln Jonathas da Costa

) Rego Monteiro. A Colónia do Sacramento (1680- 1777), vaI. 2. p.29.

tivadas por escravos "e outras pessoas que por respeito lhe 12 Citado por Capistrano de Abreu na Introdução que fez â primeira edição da OOra. de

) lavram e semeIam o dIto campo", os militares conseguiam uma Simão. Pereira de Sã, História topográfica e Bélica da Nova Colónia de Sacramento de Rio da

produção maior que a média, Os colonos pediam então ao rei que Prata. p. XXVII.

;1
n Luís Ferrand de Almeida, ~Casais e Lavradoras .•.. ~ op. cft., pp. 16-32.
proibisse o plantio aos oficiais militares, alegando que como o .. Carta patente de Antônio Rodrigues carneiro, 22 de Maio de 1716, ANTT, Chancelaria
trigo "não tem saída para fora da terra [de Colónia], não tem o do 0, João V, livro 146, tis. 267v.·268,
pevo convenIência em plantar mais que para o seu sustento e de Consutta de Conselho Ultramarino de 9 de Dezembro de 1715, ln ABNRJ, vol. XLVI,
11
) pp. 112-11$.
suas faml7ias fel que se vendem algum para se remediarem é '" Portar