Você está na página 1de 4

Universidade Federal do Espírito Santo – Campus Goiabeiras

Graduação em Engenharia Ambiental


Laboratório de microbiologia e ecotoxicologia

Experimento 1 - Análise de bactérias heterotróficas totais (BHTs)


em amostras líquidas

Raquel da Cruz Sarcinelli dos Santos

Vitória, 3 de setembro de 2018.


1. INTRODUÇÃO

Bactérias heterotróficas são aquelas que utilizam compostos orgânicos


como fonte de carbono, estando incluídas neste grupo bactérias patogênicas
como aquelas pertencentes ao grupo dos coliformes. Entretanto, de acordo com
estudos epidemiológicos, foi concluído que, na ausência de contaminação fecal,
não há uma associação direta entre as concentrações de bactérias heterotróficas
na água de consumo humano e efeitos à saúde na população geral (CETESB,
2006).

A contagem de bactérias heterotróficas é amplamente utilizada como


indicador de qualidade de água potável, sendo que os microrganismos são
detectados por propagação em meios não seletivos. A diversidade e
concentração de bactérias heterotróficas, determinada por meio de um método
de análise, irá depender das variáveis desse método, que incluem a composição
do meio, o tempo e a temperatura de incubação e a técnica de inoculação.
Apenas uma pequena proporção dos microrganismos metabolicamente ativos
presentes na amostra irá crescer e ser detectada na dependência dessas
variáveis. Esses resultados também podem apresentar grandes variações entre
diferentes locais, épocas do ano e mesmo entre amostragens consecutivas
realizadas no mesmo local (BARTRAM, 2003). Uma das técnicas utilizada é a
técnica de inoculação em profundidade (pour plate), recomendada pela
legislação americana (ELECTRONIC CODE OF FEDERAL REGULATIONS,
2004) para contagem de bactérias heterotróficas em água, seguindo os métodos
descritos no "Standard Methods" (AMERICAN PUBLIC HEALTH
ASSOCIATION, 1998).

A Portaria MS 2.914/2011 estabelece que deve ser feita a contagem de


bactérias heterotróficas em 20% das amostras mensais de água tratada, no
sistema de distribuição, não devendo essa contagem exceder 500 UFC/mL.
2. OBJETIVOS

O objetivo desse experimento foi realizar a contagem de Bactérias


Heterotróficas Totais.

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Tabela 1 – Resultados de UFCs obtidos para cada diluição.

DILUIÇÃO UFC
100 ≥300
10-1 ±130
10-2 ≤30
10-3 0
10-4 0
Fonte: Do Autor.

Observando os dados da Tabela 1 temos que para a placa com diluição


100 notou-se que a UFCs foi maior que 300. Na com diluição 10-1 notou-se a
formação de menos colônias que se encaixa dentro da faixa estabelecida de 30
a 300 UFCs. Na placa com diluição 10-2 observa-se formação de colônias, porém
o valor é menor que 30 UFCs. Para as placas com diluição 10-3 e 10-4 não foi
observada nenhuma formação de colônia. Portanto, a única placa que poderá
ser utilizada para a contagem de bactérias heterotróficas totais da amostra da
Lagoa da Ufes é a placa com diluição 10-1. Sendo assim, a contagem de BHTs
na amostra em UFC/ml é de ± 1, 3 * 104.
4. CONCLUSÃO

Os resultados obtidos estão dentro dos esperados já que se nota que o


número de UFCs diminui de acordo com o número de realizações esperadas,
mostrando uma eficiência no método pour plate. Uma das vantagens dessa
técnica é que somente são contabilizadas células vivas e também permite o
isolamento das colônias, que podem ser sub-cultivadas em culturas puras, as
quais podem ser facilmente estudadas e identificadas. Porém a necessidade de
muita manipulação pode originar erro nas contagens devido a erros de diluição
e/ou plaqueamento. Caso a agua da Lagoa da Ufes fosse utilizada para consumo
humano ela estaria fora dos padrões determinado pela Portaria MS 2.914/2011
já que o valor encontrado ultrapassa 500 UFC/ml.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Microbiological


examination. Standard methods for the examination of water and wastewater.
20th Washington:APHA:AWWA: WEF, 1998.

BARTRAM J. et al. (Eds). Heterotrophic plate counts and drinking water


safety: the significance of HPCs for water quality and human health. Londres:
WHO:IWA, 2003. Expert Consensus. Expert meeting group.

ELECTRONIC CODE OF FEDERAL REGULATIONS: title 40: protection


of environment. Chapter I: Environmental Protection Agency, Subchapter D:
Water Programs, Part 141: Primary drinking water regulations, §141.74:
Analytical and monitoring requirements. 29 julho 2004. Disponível em:
<http//.www.gpoaccess.gov/ecfr/>. Acesso em: 28 de agosto de 2018.

Ministério da Saúde, Portaria N° 2914, 12 de dezembro de 2011.


Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html
>. Acesso em: 28 de agosto de 2018