Você está na página 1de 10

>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

Utilização do software Atlas.ti® para análise das cargas de


trabalho na Atenção Primária à Saúde no Brasil

Letícia de Lima Trindade1, Denise Elvira Pires de Pires2, Thayse Aparecida Palhano de Melo2,
Mariana Mendes1, Dircéia Borges Fernandes1 e Daiane Biff2
1
Departamento de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de
Chapecó (Unochapeco), Brasil. letrindade@hotmail.com; mariana.mendes@unochapeco;
dirceiaborgesenf@hotmail.com
2
Departamento de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.
piresdp@yahoo.com; thayse.palhano@gmail.com; daibiff@hotmail.com.

Resumo. O estudo tem como objetivo apresentar e discutir as contribuições da utilização do software
Atlas.ti® para análise de dados qualitativos de uma pesquisa sobre as cargas de trabalho dos gestores da
Atenção Primária à Saúde (APS). O Software permite a criação da unidade hermenêutica (Hermeneutic Unit)
contendo todos os dados da pesquisa e facilitando a análise dos resultados com os recursos de seleção de
trechos mais significativos (quotations), atribuição de códigos (codes), e articulação de codes em famílias
(families) que auxiliam na construção de categorias analíticas. Os resultados da pesquisa mostraram que o
trabalho do gestor da APS é permeado de desafios, incluindo a necessidade de adaptação para atender o
acompanhamento das equipes na APS no Brasil. Conclui-se que o Atlas.ti® contribui para agilizar o processo
de análise dos dados, compartilhar achados entre pesquisadores de diferentes realidades, assim como o
diálogo entre resultados de estudos com abordagem qualitativa e multicêntricos.
Palavras-chave: Software; Pesquisa Qualitativa; Atenção Primária à Saúde; Gestor de Saúde.

Use of Atlas.ti® software for analysis of workloads on Primary Health Care in Brazil
Abstract. The study aims to present and discuss the contributions using the Atlas-ti® software for qualitative
data analysis of a survey on workloads of managers of Primary Health Care (PHC). The Software allows the
creation of a Hermeneutic Unit containing all the data of the research and facilitating the analysis of the
results with the resources of selection of most significant sections, assignment of codes, and articulation of
codes in Families that help in the construction of analytical categories. The results obtained with the aid of
the software show that the job of the Manager of the PHC was permeated of challenges, including the need
to adapt to meet the requirements of the monitoring devices of the teams on PHC. It was concluded that
the Atlas-ti® when used helps to expedite the process of data analysis, share findings among researchers of
different reality and observe with deep results of qualitative studies.
Keywords: Software; Qualitative Research; Primary Health Care; Health Manager.

1 Introdução

A utilização de softwares pode ser uma relevante aliada em pesquisas qualitativas. O intuito da
ferramenta é de agilizar o processo de análise por meio do gerenciamento dos arquivos e da
codificação, sendo o pesquisador o agente dotado da intuição e criatividade, pois é quem direcionará
a pesquisa, os seus recursos, o que e como codificar, a escolha do aprofundamento do processo
analítico, e determinará a conclusão do processo de análise (Lage & Godoy, 2008).
Desde meados dos anos 1980, o desenvolvimento tecnológico impulsionou o uso de computadores
na pesquisa. O uso de softwares na análise de dados em pesquisa qualitativa é conhecido pela
denominação Computer Assisted Qualitative Data Analysis Software (CAQDAS), softwares de análise
de dados qualitativos com auxílio de computador (Flick, 2009; Friese, 2014). O CAQDAS inclui
diversos softwares, dentre eles: o HyperRESEARCH®; NUD*IST (evoluiu para NVivo); Qualrus®;

1622
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

Atlas.ti®. No Brasil os mais utilizados são o Atlas.ti® e o NVivo® (Lage, 2011), sendo que o software
escolhido para análise dos dados deste estudo foi o Atlas.ti®.
O Atlas.ti® é um programa que facilita a análise sistemática de dados em pesquisa qualitativa,
permite o arquivamento de uma grande quantidade de dados obtidos por meio de diversos
instrumentos como entrevistas, observações, documentos, em diversos formatos como arquivos de
texto, vídeos, áudios, dentre outros. Para sua utilização é necessária aquisição de licença após
compra, ou baixá-lo gratuitamente para teste com limitação de capacidade de codificação e inserção
de arquivos.
O PRAXIS - Laboratório de Pesquisa sobre Trabalho, Ética, Saúde e Enfermagem da Universidade
Federal de Santa Catariana (UFSC) - iniciou o uso do Atlas.ti® na primeira década do ano 2000,
intensificando-se a partir da pesquisa sobre cargas de trabalho dos profissionais de saúde em
diferentes cenários assistenciais. Desde então, este software vem sendo utilizado em diversas
pesquisas. Professora, integrante do PRAXIS tem promovido cursos de capacitação de pesquisadores
em diversas Universidades brasileiras, ampliando, significativamente, a divulgação e capacitação de
alunos de Mestrado e Doutorado no processo de análise de dados em pesquisa qualitativa, utilizando
recursos do software Atlas.ti®.
A pesquisa escolhida para exemplificar a utilização do software na análise de dados qualitativos foi
desenvolvida com gestores que atuam na Atenção Primária à Saúde (APS) ou Atenção Básica (AB)
como é conhecida no Brasil. A Estratégia Saúde da Família (ESF), implantada no Brasil em 1994 como
Programa Saúde da Família (PSF), integra a Atenção Básica/APS e orienta a organização do trabalho e
a produção de cuidados. A AB/APS também é assumida como fundamental para o fortalecimento do
Sistema Único de Saúde (SUS), de modo a reorganizar a prática da atenção com vistas a
universalização do direito à saúde e a prestação de cuidado integral aos indivíduos, incluindo o seu
contexto familiar e social. A ESF é considerada a principal fonte de informação para os gestores
municipais, ficando a cargo destes a organização e o funcionamento das equipes de Saúde da Família
(eSF), definidas pela Política Nacional da Atenção Básica (PNAB) (Brasil, 2012a).
Neste contexto, o processo de trabalho dos gestores, da ESF/AB/APS no Brasil, inclui atividades
como: participação na elaboração dos planos de implantação da ESF; expansão e implementação de
novas eSF; fomento a estruturação das Redes de Atenção à Saúde (RAS); qualificar as equipes por
meio da Educação Permanente em Saúde (EPS); além de estabelecer processos de autoavaliação
tanto da gestão quanto das equipes, conforme prevê o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e
da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) (Brasil, 2012a; Brasil, 2012b).
Além disso, o PMAQ-AB institui como parte do processo de trabalho dos gestores garantir a
composição mínima da(s) equipe(s), para que haja uma oferta mínima de ações de saúde, de acordo
com a PNAB; informar de forma regular e consistente o Sistema de Informação da Atenção Básica
(SIAB) ou o sistema e-SUS AB; destinar recursos para que ocorra a qualificação da APS; organizar a
coordenação desse nível assistencial; implantar apoio institucional e matricial, como o Núcleo de
Apoio à Saúde da Família (NASF); realizar medidas que primem por melhorias das condições de
trabalho das equipes; solicitar e apoiar a realização do processo de avaliação externa das equipes
pelo MS (Brasil, 2012b).
O PMAQ-AB tem o intuito de estimular a melhoria da qualidade e a ampliação do acesso à APS por
meio de avaliações contínuas com base em indicadores. Para o seu desenvolvimento, foi traçado
como diretriz o envolvimento de trabalhadores de diferentes esferas de gestão (municipal, estadual,
federal), das equipes de APS e os usuários, objetivando uma mudança organizacional com o
desenvolvimento da cultura de planejamento, negociação e contratualização (Brasil, 2015).
A complexidade das atividades dos gestores na APS no Brasil repercute nos desafios para efetivação
desse modelo assistencial, bem como nas cargas de trabalho destes profissionais, podendo gerar
desgaste. Frente a essa complexidade são desafiadoras as pesquisas que possam analisar de forma

1623
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

mais ampla a relação entre o contexto de trabalho na gestão e as cargas de trabalho. Assim,
questiona-se poderia um software de análise de dados qualitativos contribuir para melhor
compreensão da relação entre trabalho na gestão da APS e as cargas de trabalho?
Nesse contexto, o presente artigo tem como objetivo apresentar e discutir as contribuições da
utilização do software Atlas.ti® para análise de dados qualitativos de uma pesquisa sobre as cargas
de trabalho dos gestores da APS no Brasil.

2 Metodologia

O presente estudo se caracteriza como descritivo e de abordagem qualitativa orientado pelo


materialismo histórico-dialético para análise do processo de trabalho e pela teorização sobre Cargas
de Trabalho de Laurell & Noriega (1989).
Para que seja possível compreender como o processo de trabalho ocorre, é necessário conhecer os
elementos que o compõe, ou seja, o objeto de trabalho, os instrumentos e o próprio trabalho,
entendendo, assim, a relação entre eles. Todo este processo deve ser analisado sob duas vertentes, a
técnica e a social (Laurell & Noriega, 1989).
Observando o conceito do processo de trabalho, percebe-se que esse é pertinente para entender as
conexões existentes entre trabalho e saúde, pois, além de especificar a relação entre o trabalho, os
instrumentos de trabalho e o objeto de trabalho, possibilita estudar seu caráter histórico (Pires,
2000). Desta forma, a proposta deste estudo volta-se para o trabalho humano em saúde e sua
influência no aumento ou redução das cargas de trabalho dos gestores da APS com vistas a
compreender diferentes elementos do processo de trabalho e suas implicações na saúde destes
trabalhadores.
As cargas de trabalho são elementos encontrados no processo de trabalho que interatuam entre si e
com o corpo do trabalhador, podendo gerar desgaste ou adoecimento. As cargas são caracterizadas
em grupos como: físicas, químicas, biológicas, mecânicas que possuem materialidade externa ao
corpo trabalhador e se tornam nova materialidade à medida que interatuam com ele e as cargas
fisiológicas e psíquicas que se expressam em transformações em seus processos internos, adquirindo
materialidade no próprio corpo do trabalhador. As cargas psíquicas são agrupadas em sobrecarga
psíquica e subcarga psíquica. A primeira diz respeito as situações de tensão prolongadas e a segunda
à impossibilidade de desenvolver e fazer uso da capacidade psíquica (Laurell & Noriega, 1989).
Alguns exemplos de cargas são: físicas (ruído, calor), químicas (pós, fumaça, fibras, vapores, líquidos),
biológicas (microrganismos) e as mecânicas (gerando contusões, feridas, fraturas). As cargas
fisiológicas e psíquicas podem ser expressas por processos corporais transformados, já que são na
relação com o corpo do trabalhador que se materializam, por exemplo, a alternância de turnos causa
ruptura dos ritmos fisiológicos (Laurell & Noriega, 1989). Entretanto, elas não atuam isoladamente,
mas em combinação umas com as outras, determinando a lógica global do processo de trabalho
enfrentada pelo trabalhador. Somente é possível determinais as cargas presentes, a partir da
compreensão do processo de trabalho (Laurell & Noriega, 1989), desse modo, os desafios e a
complexidade do trabalho desenvolvido pelos gestores da APS podem interferir aumentando ou
reduzindo as cargas de trabalho destes profissionais.
Dessa forma, o referencial de cargas de trabalho orientou os codes de análise no software, os quais
foram compartilhados na rede de pesquisadores sobre a temática.
Escolheu-se a metodologia qualitativa por sua preocupação em analisar e interpretar o fenômeno de
maneira mais profunda, descrevendo a complexidade do comportamento humano, respondendo a
questões subjetivas, como crenças, valores, motivos, atitudes, desejos, que caracterizam o ser

1624
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

humano e que não podem ser reduzidas à operacionalização de variáveis (Minayo, 2014), aspecto
consonante com o objetivo do estudo.
Os dados foram coletados entre 2014 e 2016, junto à equipes da APS, incluindo gestores da APS que
atuam em na regiões Sul e Sudeste do Brasil. A seleção da amostra ocorreu por intencionalidade,
incluindo equipes que se destacaram pelo desempenho de boa qualidade na APS, no sentido de
aproximação do que é preconizado pelo MS brasileiro. Foram selecionados 23 gestores da APS, os
quais estavam distribuídos em 21 unidades básicas de saúde e 12 municípios, localizados nos estados
do Paraná e Rio de Janeiro. Os critérios de inclusão dos participantes foram: ser gestor da ESF,
formalmente reconhecido pela secretaria municipal de saúde e estar no cargo há pelo menos um
ano.
As entrevistas semiestruturadas seguiram roteiros buscando identificar/caracterizar: a) as
informações relativas ao trabalho dos gestores; b) a estrutura organizacional da instituição e o
macrocenário político-social do município onde as equipes da ESF estão inseridas; c) a composição
das equipes; d) o processo de gestão das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e das equipes; e) a
organização e divisão do trabalho nas equipes; f) caracterização do modelo assistencial da ESF; g) os
aspectos do trabalho na ESF que contribuem para aumentar e/ou reduzir as cargas de trabalho dos
gestores.
Na primeira etapa, a coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas. Por meio
desta o entrevistador desenvolveu o processo de interação com o entrevistado, permitindo a entrada
em temas complexos, explorando-os em profundidade, buscando compreender as perspectivas e
experiências dos participantes, dados que não disponibilizados em fontes documentais (Lakatos &
Marconi, 2010).
Na segunda etapa do estudo realizou-se observação e análise documental nos cenários de trabalho
dos gestores. Nessa etapa, a escolha dos municípios e das Unidades de ESF se deu de forma
intencional. As observações e a análise documental voltaram-se para os elementos presentes no
processo de trabalho que contribuem para aumentar e diminuir as cargas de trabalho na gestão da
APS. Estas também seguiram um roteiro pré-estruturado, foram realizadas no cenário de trabalho
dos gestores, durante suas tarefas gerenciais cotidianas e para qualificar os registros foi utilizado um
diário de campo.
A análise documental avaliou os documentos que melhor caracterizavam o processo de trabalho
destes trabalhadores, permitindo, ainda, melhor compreender e avaliar a realidade de saúde e as
atividades dos gestores. Entre os documentos disponibilizados, acessaram-se atas de reuniões,
cronogramas das equipes, relatórios das equipes, escalas de férias/folgas dos funcionários, decretos
e leis municipais.
Assim, para a coleta de dados, foi utilizada a triangulação de instrumentos, utilizando entrevista
semiestruturada individual, análise documental e observação. A triangulação na coleta e análise dos
dados é bastante utilizada na pesquisa qualitativa e foi escolhida com vistas a aprofundar os
conhecimentos sobre as cargas de trabalho dos gestores. A triangulação minimiza a fragmentação,
aumentando a capacidade dialógica das expressões dos diferentes sujeitos (Minayo, 2014). Esse
processo requer que os métodos, as técnicas e as estratégias sejam triangulados com precisão
científica, levando em consideração as especificidades e adequação de cada um ao processo de
análise, de forma distinta e, ao mesmo tempo, combinada (Minayo, Assis, & Souza, 2005).
Para tratamento e análise dos dados foram utilizados os recursos do software Atlas.ti® versão 7.0
(Qualitative Research and Solutions), orientado e associado à Análise Temática, de Bardin (2011) e
analisados segundo o referencial de cargas de trabalho de Laurell & Noriega (1989).
Esta pesquisa foi desenvolvida respeitando os preceitos éticos recomendados pela Resolução
466/2012, sendo aprovada por Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (aprovação número
638.904/2014 e aprovação número 971/2010, emenda número 1.355.565/2015). Para realização do

1625
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

estudo foi solicitada autorização dos participantes mediante assinatura do Termo de Consentimento
Livre e Esclarecido e do Termo de Autorização para Gravação das entrevistas, por todos os
envolvidos, em duas vias (uma para o pesquisador e outra para o participante). Além disso, buscou-
se garantir o direito à informação, a participar ou não da pesquisa e o anonimato no trato das
informações obtidas.

2.1 Processo de Análise dos Dados

O software Atlas.ti 7.0® é uma ferramenta com característica primordial de interatividade com mais
diversos formatos de arquivos, e organizado de maneira que possibilita a intervenção criativa do
pesquisador durante o processo de coleta e posterior análise de dados, essencial na pesquisa
qualitativa (Atlas.Ti®, 2016).
Para o armazenamento e análise dos dados foi criada uma Hermeneutic Unit (Unidade Hermenêutica
- HU), ou seja, um arquivo com os dados da pesquisa. Nesta HU foram inseridas todas as entrevistas
e os registros de observação; os documentos obtidos foram utilizados para melhor entendimento do
contexto e não foram inseridos no software.
Cada entrevista transcrita e cada texto contendo os registros de observação do trabalho de cada
gestor foram inseridos no software como Primary Documents (documentos primários), e receberam
uma numeração por ordem realizada pelo próprio software. A partir dos trechos mais significativos,
as quotations identificadas nos documentos primários, foram atribuídos codes e, posteriormente
foram organizadas Families que se constituíram em duas macro categorias de análise: Family “fontes
de aumento das cargas de trabalho dos gestores na APS” e a Family “fontes de redução das cargas de
trabalho dos gestores na APS”.
Todo esse processo foi orientado pela Análise Temática de Conteúdo proposta por Bardin (2011),
operacionalizada com auxílio do software e seguiu três momentos. O primeiro momento
correspondeu à pré-análise, etapa em se organizou o material, sistematizou-se as ideias centrais, que
constituiram o corpus da pesquisa. O segundo momento abarcou a exploração do material,
constituído por três etapas: a) a escolha das unidades de registro; b) a seleção das unidades
(quotations); e c) a atribuição dos codes. No terceiro momento foi realizado o tratamento dos
resultados, etapa na qual se faz a inferência e a interpretação dos dados, agrupando os codes em
familiies.
Na análise de conteúdo, de acordo com Bardin (2011), o tratamento do material ocorre pela
codificação, quando os dados coletados, tidos como brutos, são elencados por intermédio dos
recortes, agregação, enumeração, buscando uma representação do conteúdo ou da sua expressão. A
categorização é construída por duas fases: a) inventário, em que ocorre o isolamento dos elementos;
e b) classificação, momento em que se faz a divisão dos elementos em busca de organizar as
mensagens. Desta forma, a classificação leva a produção de um sistema de categorias, fornecendo a
representação dos dados brutos de uma forma simplificada, mas que traz à tona os dados invisíveis
(Bardin, 2011).
Operacionalmente, a pré-análise ocorreu de forma interna e externa ao software, primeiramente os
pesquisadores fizeram a transcrição e leitura exaustiva dos dados coletados. Na sequencia, no
compartilhamento deste primeiro material, com a criação da Hermeneutic Unit, foram realizadas
novas leituras do material e compartilhamento de pré-codes.

1626
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

3 As Cargas de Trabalho dos Gestores na APS

Conforme afirmam Laurell & Noriega (1989), quando se analisa o processo de trabalho, é necessário
considerar e compreender seu conceito, incluindo o processo de valorização, ou seja, o processo de
produção de mais valia, assim como a produção de bens. Destacam que, para se compreender como
o processo de trabalho se constitui, é importante observar sua lógica concreta, ou seja, entender seu
desenvolvimento na produção capitalista, o qual ocorre em um dado momento histórico específico,
permitindo a extração da mais valia, seja ela absoluta ou relativa. O processo de trabalho é a
materialização do processo de criação de valor e da divisão do trabalho (Laurell & Noriega, 1989).
Contudo, o processo de trabalho apresenta elementos diversos que interferem na saúde dos
trabalhadores, podendo repercutir em seu desgaste e adoecimento (Dejours, 2009).
A partir deste estudo, é possível perceber a importância de compreender de que modo e em que
condições o trabalho dos gestores da APS é realizado, e a análise dos dados com auxílio dos recursos
do Atlas.ti®, contribuiu para dar maior segurança aos pesquisadores na realização da triangulação
analítica. Especialmente por envolver uma grande quantidade de dados, obtidos por diferentes
instrumentos.
As Figuras 1 e 2 ilustram os achados centrais relacionadas às fontes de aumento e de redução das
cargas de trabalho dos participantes, as quais são criadas com auxílio do software.

Fig. 1. Categorias relativas das fontes de aumento das cargas de trabalho do gestor. Fonte: dados da pesquisa (analisados
por meio do software Atlas.ti 7®), 2017.

A Figura 2 ilustra outra possibilidade de apresentação dos resultados extraído do software, esta
segunda forma caso foi escolhida para mostrar os principais aspectos do trabalho do gestor que
contribuem para a redução de suas cargas de trabalho.

1627
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

Fig. 2. Relação das fontes de redução das cargas de trabalho na gestão da ESF. Fonte: dados da pesquisa (analisados por
meio do software Atlas.ti 7®), 2017.

Os resultados demonstram que o trabalho do gestor da APS é permeado de desafios, entre os


principais destacaram-se, suprir as demandas com um número insuficiente de profissionais nas
equipes, as limitações para realizar atendimento em ambiente rural, a necessidade de adaptação
para atender os quesitos do PMAQ, a sobrecarga de trabalho e falta de estrutura física/recursos,
fatores que têm elevado às cargas de trabalho, potencializando o desgaste dos gestores.
O PMAQ aumenta cargas de trabalho do gestor pelo processo de mudança que institui, buscando
atender os requisitos, especialmente ao que se refere aos instrumentos para registro de ações em
formato impresso, o que aumentou a exigência acerca da implantação de protocolos e mapa da área
de abrangência. Tal fato se mostra evidente na fala de um gestor:
“O PMAQ de certa forma influenciou bastante, porque são vários indicadores, vários itens
que eles avaliam, a gente procurou aos poucos mudar, mas não é fácil porque é muita coisa,
eu sofri muito quando comecei a trabalhar com o PMAQ porque não tinha nem
conhecimento do que era, e as equipes acredito que também, porque foi pedido várias coisas
para eles, coisas que eram feitas, mas muita coisa não era registrada [...]” (GE6).
Desde a fachada da Unidade, as placas de identificação; na identificação dos carros; nas
planilhas de avaliação, bem como na lei municipal de repasse do PMAQ para os funcionários
como incentivo. (Nota de observação).
Desse modo, o PMAQ mostrou elevada influência nas cargas de trabalho, elevando-as no momento
de sua implantação, em decorrência dos quesitos a serem cumpridos para alcançar a certificação,
mas reduzindo-as ao influenciar positivamente na organização do trabalho das equipes e do gestor.
Além disso, o planejamento das ações/organização do serviço visando atender as exigências advindas
com a implantação do PMAQ, o trabalho em equipe, o bom relacionamento interpessoal e
intersetorial e a autonomia foram significativas para a redução das cargas.
O cotidiano do processo de trabalho dos gestores, por vezes permeado por dificuldades e
potencialidades, reduz as cargas de trabalho à medida que se implementam a organização e o
planejamento, fortalecimento do trabalho em equipe e do autoconhecimento alcançado a partir da
avaliação do próprio processo de trabalho pelos profissionais, conforme elucidado na fala a seguir:
“Sim, se não conversar não se trabalha, porque o nosso trabalho é continuo e em equipe,
então surge dúvidas, muda fluxo, de repente tem que sentar com a equipe e planejar, será
que o que estamos realizando tem dado certo? Tá eficaz? Ou vamos ter que repensar de
novo? Sempre, é necessário avaliar os resultados [...]” (GE9).

1628
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

A enfermeira da ESF auxilia bastante na execução das atividades do gestor, ajuda a resolver
situações/problemas e a fechar relatórios, durante a observação notou-se que discutiam e
realizavam a revisão dos procedimentos operacionais padrão da unidade. (Nota de
observação).
As cargas de trabalho são influenciadas por diversos aspectos, dentre eles: as condições estruturais
das unidades de saúde, a composição das equipes, disponibilidade de recursos para capacitação,
afinidade com o modelo assistencial da APS e a forma como os gestores percebem seu cotidiano no
processo de trabalho. Entretanto, é a partir do reconhecimento e da autoavaliação que devem ser
construídas estratégias para a redução das cargas de trabalho nestes cenários, uma delas é o PMAQ,
que reorganiza o processo de trabalho dos gestores e orienta o planejamento das ações de saúde.
Assim, os profissionais a frente da gestão, no contexto pesquisado, depararam-se com inúmeras
exigências, que também podem ser vivenciadas pelos demais componentes das equipes. No entanto,
deparam-se com cargas próprias da posição que exercem e, a partir disso, é indispensável elaborar
formas de enfrentamento para suprirem as exigências do processo de trabalho na ESF e a
complexidade desse modelo assistencial.
O software Atlas.ti® contribuiu para agilizar o processo de análise dos dados, agregar e analisar
conjuntamente os achados de realidades diferentes, bem como compartilhar achados entre
pesquisadores e observar com profundidade resultados de estudos com abordagem qualitativa,
tornando ainda mais relevantes aqueles que levam em consideração também aspectos subjetivos do
cotidiano dos profissionais da saúde, mas que são extremamente relevantes para a construção de
novos modos de enfrentamento dessas cargas.
O referencial de cargas de trabalho orientou a elaboração dos codes, os quais foram compartilhados
na rede de pesquisadores com vistas a orientar a análise.
O uso do recurso tecnológico constituiu-se em uma escolha do grupo de pesquisadores. Ressalta-se a
potência desta experiência de uso dessas ferramentas para a condução de estudos em outras
realidades, contribuindo para o seguro compartilhamento de bancos de dados, padronização do
processo de análise de dados, favorecendo a realização de pesquisas multicêntricas, amplamente
incentivadas no mundo, para uma apreensão maior da realidade, o que é comente sinalizado como
limites nas pesquisas, especialmente as qualitativas. No Brasil, isso é potencialmente relevante tendo
em vista a dimensão continental do país, a diversidade dos contextos, as longas distâncias
geográficas e outras barreiras para o encontro dos pesquisadores.
Reconhece-se ainda, a importância do uso de softwares dessa natureza pela otimização dos recursos
econômicos e agilidade no processo de condução dos estudos. Contudo, estes possuem um custo e
requerem um bom período de qualificação dos pesquisadores para seu domínio. Reconhece-se nesse
contexto, que os processos formativos, nem sempre utilizam de ferramentas dessa natureza, o que
pode trazer um estranhamento no momento de implantação destes recursos.

4 Conclusões

O processo de pesquisa, operacionalizado com auxílio de um software de análise qualitativa permitiu


concluir que as cargas de trabalho.
A análise dos dados obtidos constitui uma das etapas mais importantes em uma pesquisa, pois a
forma como é conduzida, associado ao uso de recursos tecnológicos confiáveis, pode levar ao êxito o
processo de compreensão do objeto estudado. Entretanto, depende do domínio das ferramentas e
de sua afinidade e possibilidade de agregar o referencial teórico e metodológico proposto no estudo.
Destaca-se neste estudo que o software utilizado como ferramenta de auxílio na análise dos dados,
permitiu agilidade na organização dos arquivos inseridos e facilitou a categorização analítica. O

1629
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

recurso tecnológico na análise qualitativa das cargas de trabalho dos gestores na APS contribuiu para
a triangulação dos dados garantindo maior confiabilidade e indicando que, a medida que se domina
os recursos disponíveis no software, a utilização dos mesmos contribui para agilizar a análise e
propiciar maior segurança ao pesquisador em investigação qualitativa, que envolve, frequentemente
grande quantidade de dados. Sugerem-se ainda novos estudos sobre a temática, que levem em
consideração o processo de trabalho dos profissionais da saúde com vistas a qualificar a assistência
em saúde na APS em outros países e o relato de outros recursos tecnológicos que possam contribuir
com as pesquisas nessa temática.

Agradecimentos. As autoras agradecem Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico


(CNPq) e ao pelo apoio financeiro para o desenvolvimento da pesquisa e ao Programa de Excelência Acadêmica
(Proex) do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CAPES) pelo auxílio financeiro para a participação
no 6º Congresso Ibero-americano en investigación cualitativa.

Referências

Atlas-ti®. (2016). Pesquisa e análise. Atlas-ti 7. Acessado em 20 janeiro de 2016. Disponível em:
http://www.software.com.br/p/atlas-ti-7.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Brasil. Ministério da Saúde. (2015). Portaria nº 1.645, de 2 de outubro de 2015. Dispõe sobre o
Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB).
Brasília: Autor.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012a). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Autor.

Brasil. Ministério da Saúde (2012b). Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da


Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo. Brasília: Autor.

Dejours, C. (2009). Living Labor: Labor and Emancipation. Paris: Payot.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Friese, S. (2014). Qualitative Data Analyse with ATLAS.ti. Los Angeles/London/New


Dehi/Singapore/Washington: SAGE.

Lage, M. C., & Godoy, A. S. (2008). O uso do computador na análise de dados qualitativos: questões
emergentes. Revista de Administração Mackenzie, 9(4), 75-98. Recuperado de
http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/view/178/178.

Lage, M. (2010). Os softwares tipo CAQDAS e a sua contribuição para a pesquisa qualitativa em
educação. ETD - Educação Temática Digital, 12(2): 42-58.

Laurell, A. C., & Noriega, M. (1989). Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São
Paulo: Hucitec.

1630
>>Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Volume 2

Minayo, M. C. S., Assis, S. G., & Souza, E. R. (2005). Avaliação por triangulação de métodos:
abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo:


Hucitec.

Pires, D. (2000). Reestruturação produtiva e consequências para o trabalho em saúde. Revista


Brasileira de Enfermagem, 53(2): 251-63.

1631