Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA

IM333A - Controladores Lógicos Industriais

Jefry Anderson Mora Montañez – RA: 212033


Stanley César Pasternak de Oliveira – RA: 180069

PROJETO FINAL: CONTROLE DE UM TANQUE MISTURADOR QUÍMICO NO


SIMULINK PELO CLP VIA INTERFACE OPC E SERVIDOR KEP SERVER

1. Introdução

Os processos químicos são extremamente importantes no ramo industrial. No


entanto, o método de mistura e concentração é que define a qualidade,
quantidade e a exatidão dos materiais produzidos.

Os processos de mistura e controle de nível em tanques são comumente


utilizados nas indústrias Petroquímica, de Papel e Celulose, Tratamento de Água,
Efluentes e afins.

Em encontro com estas necessidades veio a motivação para desenvolver um


controle de vazão, mistura e concentração de produtos químicos em um tanque
misturador.

Por não ter à disposição uma planta física, foi desenvolvido no ambiente de
simulação do Matlab, o Simulink, o modelo matemático do processo em questão,
e posteriormente feito todo o controle por meio de interfaces com o CLP.

2. Objetivo

O projeto proposto tem como objetivo desenvolver o controle de um processo


de mistura química em um tanque, onde dois produtos químicos em estado
líquido serão misturados até atingirem a concentração desejada pelo operador.

O controle será feito por uma simulação de uma planta química no Simulink®,
conectado via interface OPC por meio de um servidor KEP Server ao CLP
Siemens ET200S.

Após a mistura atingir a concentração desejada dos produtos químicos, a


mesma será descartada por meio de uma válvula por gravidade. O controle de
vazão, nível e concentração da solução será feito pelo CLP, por meio das
entradas e saídas analógicas.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS
UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA

Figura 1 – Representação do processo à ser controlado

3. Desenvolvimento
3.1. Descrição da planta

O processo à ser controlado é composta de duas entradas, uma para cada


solução química, um misturador (motor agitador) e uma válvula de saída para a
concentração. Além de sensores de nível e sensores de vazão.

Figura 2 – Tanque misturador

3.2. Modelagem matemática da planta

A equação diferencial 1 mostra que a vazão da solução se dá pela raíz da


altura em função do tempo, no entanto, a resistência mecânica da válvula é
inversamente proporcional à esta vazão.

√𝑯(𝒕)
𝑸(𝒕) = (1)
𝑹
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS
UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA
A área total do tanque depende da derivada da altura (H), enquanto que a
vazão total é a somatória das vazões 1 e 2, respectivamente Q1 e Q2, equação
2.

√𝑯(𝒕) 𝒅𝑯(𝒕)
𝑸𝟏(𝒕) + 𝑸𝟐(𝒕) − =𝑨∗ (2)
𝑹 𝒅𝒕
A variação da concentração final C(t) será dada pela somatória da vazão 1
Q1(t) pela sua concentração C1(t) e a vazão 2 Q2(t) pela sua concentração C2(t)
em função da área A e da altura H, equação 3.

𝒅𝑪(𝒕)
𝑸𝟏(𝒕) ∗ 𝑪𝟏(𝒕) + 𝑸𝟐(𝒕) ∗ 𝑪𝟐(𝒕) − (𝑸𝟏(𝒕) + 𝑸𝟐(𝒕)) ∗ 𝑪(𝒕) = 𝑨 ∗ 𝑯(𝒕) ∗ (3)
𝒅𝒕
Os parâmetros utilizados no processo são:

 Altura do tanque (H) = 1,8m;


 Área do tanque (A) = 9,8m²;
 Q1 = 0,1m³/s;
 Q2 = 0,3m³/s;
 C1 = 0,5 mol/m³;
 C2 = 0,4 mol/m³;
 Co = 1 mol/m³;
 Ho = 0m;
 R = 2,5 m1/2 / m³/s

3.3. Aplicação no Simulink

A figura 3 mostra o esquemático desenvolvido no Simulink para a simulação,


bem como as informações necessárias para o correto funcionamento do
processo.

Figura 3 – Apresentação no Simulink do Tanque misturador


Totally Integrated
Automation Portal

ProjectFinal / PLC_1 [IM151-8 F-CPU] / Bloques de programa


Main [OB1]
Main Propiedades
General
Nombre Main Número 1 Tipo OB
Idioma KOP Numeración automática
Información
Título "Main Program Sweep Autor Comentario
(Cycle)"
Familia Versión 0.1 ID personali‐
zada

Main
Nombre Tipo de datos Valor predet.
Temp
OB1_EV_CLASS Byte
OB1_SCAN_1 Byte
OB1_PRIORITY Byte
OB1_OB_NUMBR Byte
OB1_RESERVED_1 Byte
OB1_RESERVED_2 Byte
OB1_PREV_CYCLE Int
OB1_MIN_CYCLE Int
OB1_MAX_CYCLE Int
OB1_DATE_TIME Date_And_Time
Constant

Segmento 1:

%FC1
"Estados"
CALL

Segmento 2:

%FC2
"Açoes"
CALL
Totally Integrated
Automation Portal

ProjectFinal / PLC_1 [IM151-8 F-CPU] / Bloques de programa


Açoes [FC2]
Açoes Propiedades
General
Nombre Açoes Número 2 Tipo FC
Idioma KOP Numeración automática
Información
Título Autor Comentario
Familia Versión 0.1 ID personali‐
zada

Açoes
Nombre Tipo de datos Valor predet.
Input
Output
InOut
Temp
Constant
Return
Açoes Void

Segmento 1:

%MW20
%M2.0
"Estado" "Process_PLC"
==
S
Int
1

Segmento 2:

%MW20
%M1.1
"Estado" "Valve1_PLC"
==
S
Int
2
%M1.2
"Valve2_PLC"
S

Segmento 3:

%MW20
%M1.3
"Estado" "Motor_PLC"
==
S
Int
3
Totally Integrated
Automation Portal

Segmento 4:

%MW20
%M3.2
"Estado" "ValveD_Sup_Av" MOVE
==
EN ENO
Int
4 %MD30 %MD12
"ValveD_Sup" IN OUT1 "ValveD_PLC"

Segmento 5:

%MW20
%M3.2
"Estado" "ValveD_Sup_Av" MOVE
==
EN ENO
Int
5 80.0 IN %MD12
OUT1 "ValveD_PLC"

Segmento 6:

%DB4
"IEC_Timer_0_
DB_3"
%MW20 TP
%M3.2
"Estado" "ValveD_Sup_Av" Time
MOVE
==
EN ENO IN Q
Int
6 %MD30 %MD12 T#10S PT %MD16
"ValveD_Sup" IN OUT1 "ValveD_PLC" ET "Timer_Process"

Segmento 7:

%MD16
%M1.1
"Timer_Process" "Valve1_PLC"
==
R
Time
T#10S
%M1.2
"Valve2_PLC"
R

%M1.3
"Motor_PLC"
R

Segmento 8:
Totally Integrated
Automation Portal

%MW20
%M3.2
"Estado" "ValveD_Sup_Av" MOVE
==
EN ENO
Int
7 %MD30 %MD12
"ValveD_Sup" IN OUT1 "ValveD_PLC"

Segmento 9:

%MW20
%M3.2 %M2.0
"Estado" "ValveD_Sup_Av" "Process_PLC"
MOVE
==
EN ENO R
Int
8 0.0 IN %MD12
OUT1 "ValveD_PLC"

Segmento 10:

%M2.1
%MD8 "ALARME" %Q6.0
"Height" "BUZZER"
SR
>=
S Q
Real
1.8

%MD8
"Height"
<
Real R1
1.7

Segmento 11:

%MW22
%M2.0 %Q6.1
"Process_Sup" "Process_PLC" "Process"
==
Int
1

Segmento 12:

%MW24
%M1.1 %Q6.2
"Valve1_Sup" "Valve1_PLC" "Valve1"
==
Int
1
Totally Integrated
Automation Portal

Segmento 13:

%MW26
%M1.2 %Q6.3
"Valve2_Sup" "Valve2_PLC" "Valve2"
==
Int
1

Segmento 14:

%MW28
%M1.3 %Q7.0
"Motor_Sup" "Motor_PLC" "Motor"
==
Int
1

Segmento 15:

%MD12
%M3.2 %Q7.1
"ValveD_Sup_Av" "ValveD_PLC" "ValveD_Output"
>
Real
0.0

Segmento 16:

%I1.1 %M1.1
"RST" "Valve1_PLC"
R

%M1.2
"Valve2_PLC"
R

%M1.3
"Motor_PLC"
R

%M2.0
"Process_PLC"
R
Totally Integrated
Automation Portal

ProjectFinal / PLC_1 [IM151-8 F-CPU] / Bloques de programa


Estados [FC1]
Estados Propiedades
General
Nombre Estados Número 1 Tipo FC
Idioma KOP Numeración automática
Información
Título Autor Comentario
Familia Versión 0.1 ID personali‐
zada

Estados
Nombre Tipo de datos Valor predet.
Input
Output
InOut
Temp
Constant
Return
Estados Void

Segmento 1:

%MW20 %MD8 %MD12


%I1.0 %M1.1 %M1.2 %M1.3
"Estado" "START" "Height" "Valve1_PLC" "Valve2_PLC" "ValveD_PLC" "Motor_PLC" MOVE
== <= ==
EN ENO
Int Real Real
0 0.05 0.0 1 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 2:

%MW20
%M2.0
"Estado" "Process_PLC" MOVE
==
EN ENO
Int
1 2 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 3:

%MW20 %MD8
"Estado" "Height"
MOVE
== >=
EN ENO
Int Real
2 0.45 3 IN %MW20
OUT1 "Estado"
Totally Integrated
Automation Portal

Segmento 4:

%MW20 %MD4
"Estado" "Concentration"
MOVE
== >=
EN ENO
Int Real
3 0.3 4 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 5:

%MW20 %MD8
"Estado" "Height"
MOVE
== >=
EN ENO
Int Real
4 1.7 5 IN %MW20
OUT1 "Estado"

%MD8 %MD8
"Height" "Height"
MOVE
<= >=
Real Real EN ENO
6 IN %MW20
1.7 1.4
OUT1 "Estado"

Segmento 6:

%MW20 %MD8
"Estado" "Height"
MOVE
== <=
EN ENO
Int Real
5 1.4 4 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 7:

%MW20
%M1.1 %M1.2 %M1.3
"Estado" "Valve1_PLC" "Valve2_PLC" "Motor_PLC" MOVE
==
EN ENO
Int
6 7 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 8:
Totally Integrated
Automation Portal

%MW20 %MD8
%M1.1 %M1.2 %M1.3
"Estado" "Height" "Valve1_PLC" "Valve2_PLC" "Motor_PLC" MOVE
== <=
EN ENO
Int Real
7 0.05 8 IN %MW20
OUT1 "Estado"

Segmento 9:

%MW20 %MD8 %MD12


%M1.1 %M1.2 %M1.3
"Estado" "Height" "Valve1_PLC" "Valve2_PLC" "Motor_PLC" "ValveD_PLC"
MOVE
== <= ==
EN ENO
Int Real Real
8 0.05 0.0 0 IN %MW20
OUT1 "Estado"
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS
UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA
3.4. Grafcet

Figura 4 – GRAFCET

3.5. IHM

O operador tem acesso ao ajuste de todos os parâmetros do processo como


vazão, concentração e descarte por meio da IHM (Figura 5). Pode verificar os
alarmes em caso de falta ou excesso de produto no tanque, falha na
concentração desejada e a sinalização de cada estado do processo, por meio de
dispositivos luminosos

Figura 5 – IHM
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS
UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA
Pode acompanhar e visualizar os resultados por meio dos gráficos de
evolução da quantidade de produto, vazão e concentração (Figura 6):

Figura 6 – Tela dos gráficos da IHM


4. Resultados

O processo respondeu de acordo com os parâmetros estabelecidos.


Verificando o gráfico da figura 6, a concentração desejada de 0,3 mol/m³ foi
atingida. A altura do produto dentro do tanque não ultrapassou o limite de 1,7m.
E o descarte do produto respeitou o tempo de dez segundos (10s) antes da sua
liberação. Por se tratar de um processo dinâmico, o descarte do produto é
contínuo, ao atingir o volume adequado e a concentração desejada o mesmo se
processa de forma eficaz, podendo ser alterado de acordo com a necessidade
de cada processo químico.

Figura 6 – Gráficos do processo


UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS
UNICAMP
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA
5. Conclusão

Os processos químicos industriais são extremamente importantes, pois


devem ser confiáveis, robustos e atender às necessidades da produção.

Pode-se concluir que os objetivos propostos deste projeto foram alcançados


e que as ferramentas utilizadas corresponderam de acordo com as necessidades
exigidas pelo mesmo.

O Simulink do Matlab respondeu de acordo com a modelagem matemática


estabelecida. As comunicações feitas pela interface OPC e o Servidor KEP
Server, demonstraram eficiência, confiabilidade e desenvolveram seu papel de
acordo com o solicitado.

O controle feito pelo CLP S1200 da Siemens foi de fundamental importância,


pois se trata de um equipamento eficiente, robusto e atende às necessidades de
automação industrial com facilidade.

Com base nestas afirmações, pode-se sugerir para projetos futuros, mais uma
ferramenta para controle, modelagem e monitoramento de processos industriais.
Ou seja, a integração do Simulink do Matlab com CLPs de quaisquer fabricantes,
por meio das interfaces OPC e KEP Server.