Você está na página 1de 8

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR - BNCC

É com muita satisfação que apresentamos o resultado desse grande avanço para a
educação brasileira. A BNCC é um documento plural, contemporâneo, e estabelece com
clareza o conjunto de aprendizagens essenciais e indispensáveis a que todos os estudantes,
crianças, jovens e adultos, têm direito. Com ela, redes de ensino e instituições escolares
públicas e particulares passam a ter uma referência nacional obrigatória para a
elaboração ou adequação de seus currículos e propostas pedagógicas.

Essa referência é o ponto ao qual se quer chegar em cada etapa da Educação


Básica, enquanto os currículos traçam o caminho até lá.

A BNCC expressa o compromisso do Estado Brasileiro com a promoção de uma


educação integral voltada ao acolhimento, reconhecimento e desenvolvimento pleno
de todos os estudantes, com respeito às diferenças e enfrentamento à discriminação
e ao preconceito. Assim, para cada uma das redes de ensino e das instituições escolares,
este será um documento valioso tanto para adequar ou construir seus currículos como
para reafirmar o compromisso de todos com a redução das desigualdades educacionais
no Brasil e a promoção da equidade e da qualidade das aprendizagens dos estudantes
brasileiros.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento de caráter


normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que
todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação
Básica, de modo a que tenham assegurados seus direitos de aprendizagem e
desenvolvimento, em conformidade com o que preceitua o Plano Nacional de Educação
(PNE).

Espera-se que a BNCC ajude a superar a fragmentação das políticas educacionais,


enseje o fortalecimento do regime de colaboração entre as três esferas de governo e seja
balizadora (avaliador) da qualidade da educação.

Os fundamentos pedagógicos da BNCC, foco no desenvolvimento de


competências no novo cenário mundial, reconhecer-se em seu contexto histórico e
cultural, comunicar-se, ser criativo, analítico-crítico, participativo, aberto ao novo,
colaborativo, resiliente, produtivo e responsável requer muito mais do que o
acúmulo de informações. Requer o desenvolvimento de competências para aprender, a
saber lidar com a informação cada vez mais disponível, atuar com discernimento e
responsabilidade nos contextos das culturas digitais, aplicar conhecimentos para resolver
problemas, ter autonomia para tomar decisões, ser proativo para identificar os dados de
uma situação e buscar soluções, conviver e aprender com as diferenças e as diversidades.

Base Nacional Comum Curricular: igualdade, diversidade e Equidade

O Brasil, ao longo de sua história, naturalizou desigualdades educacionais em


relação ao acesso à escola, à permanência dos estudantes e ao seu aprendizado. São
amplamente conhecidas as enormes desigualdades entre os grupos de estudantes
definidos por raça, sexo e condição socioeconômica de suas famílias.

Base Nacional Comum Curricular e currículos - BNCC e os currículos se


identificam na comunhão de princípios e valores que, como já mencionado, orientam a
LDB e as DCN. Essas decisões, que resultam de um processo de envolvimento e
participação das famílias e da comunidade.

EDUCAÇÃO BÁSICA

O Ensino Fundamental, com nove anos de duração, é a etapa mais longa da


Educação Básica, atendendo estudantes entre 6 e 14 anos. Há, portanto, crianças e
adolescentes que, ao longo desse período, passam por uma série de mudanças
relacionadas a aspectos físicos, cognitivos, afetivos, sociais, emocionais, entre outros.
Como já indicado nas Diretrizes Curriculares Nacionais.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DE ARTE PARA O ENSINO


FUNDAMENTAL

1. Explorar, conhecer, fruir e analisar, criticamente, práticas e produções artísticas e


culturais do seu entorno social e de diversas sociedades, em distintos tempos e contextos,
para reconhecer e dialogar com as diversidades.

2. Compreender as relações entre as linguagens da Arte e suas práticas integradas,


inclusive aquelas possibilitadas pelo uso das novas tecnologias de informação e
comunicação, pelo cinema e pelo audiovisual, nas condições particulares de produção, na
prática de cada linguagem e nas suas articulações.
3. Pesquisar e conhecer distintas matrizes estéticas e culturais – especialmente aquelas
manifestas na arte e na cultura brasileiras –, sua tradição e manifestações contemporâneas,
reelaborando-as nas criações em Arte.

4. Experienciar a ludicidade, a percepção, a expressividade e a imaginação,


ressignificando espaços da escola e de fora dela no âmbito da Arte.

5. Mobilizar recursos tecnológicos como formas de registro, pesquisa e criação artística.

6. Estabelecer relações entre arte, mídia, mercado e consumo, compreendendo, de forma


crítica e problematizadora, modos de produção e de circulação da arte na sociedade.

7. Problematizar questões políticas, sociais, econômicas, científicas, tecnológicas e


culturais, por meio de exercícios, produções, intervenções e apresentações artísticas.

8. Desenvolver a autonomia, a crítica, a autoria e o trabalho coletivo e colaborativo nas


artes.

9. Analisar e valorizar o patrimônio artístico nacional e internacional, material e imaterial,


com suas histórias e diferentes visões de mundo.

“ A Dança se constitui como prática artística pelo pensamento e sentimento do corpo,


mediante a articulação dos processos cognitivos e das experiências sensíveis implicados
no movimento dançado. Os processos de investigação e produção artística da dança
centram-se naquilo que ocorre pelo corpo, discutindo e significando relações entre
corporeidade e produção estética. Ao articular os aspectos sensíveis, epistemológicos (é
o estudo científico que trata dos problemas relacionados com a crença e o conhecimento,
sua natureza e limitações) e formais do movimento dançado ao seu próprio contexto, os
alunos problematizam e transformam percepções acerca do corpo e da dança, por meio
de arranjos que permitem novas visões de si e do mundo. Eles têm, assim, a oportunidade
de repensar dualidades e binômios (corpo versus mente, popular versus erudito, teoria
versus prática), em favor de um conjunto híbrido e dinâmico de práticas.”

ARTE – 1º AO 5º ANO

OBJETOS DE HABILIDADES
CONHECIMENTO
Contextos e práticas Pesquisar e analisar diferentes formas de
expressão, representação e encenação da
dança, reconhecendo e apreciando
composições de dança de artistas e
grupos brasileiros e estrangeiros de
diferentes épocas.
Elementos da linguagem Explorar elementos constitutivos do
movimento cotidiano e do movimento
DANÇA dançado, abordando, criticamente, o
desenvolvimento das formas da dança
em sua história tradicional e
contemporânea.
Experimentar e analisar os fatores de
movimento (tempo, peso, fluência e
espaço) como elementos que,
combinados, geram as ações corporais e
o movimento dançado.
Processos de criação Criar e improvisar movimentos
dançados de modo individual, coletivo e
colaborativo, considerando os aspectos
estruturais, dinâmicos e expressivos dos
elementos
constitutivos do movimento, com base
nos códigos de dança.
Discutir as experiências corporais
pessoais e coletivas desenvolvidas em
aula, de modo a problematizar questões
de gênero e corpo.
Processos de criação Reconhecer e experimentar, em projetos
ARTES temáticos, as relações processuais entre
diversas linguagens artísticas.
INTEGRA- Matrizes estéticas culturais Caracterizar e experimentar brinquedos,
brincadeiras, jogos, danças, canções e
DAS histórias de diferentes matrizes estéticas
e culturais.
Patrimônio cultural Conhecer e valorizar o patrimônio
cultural, material e imaterial, de culturas
diversas, em especial a brasileira,
incluindo-se suas matrizes indígenas,
africanas e europeias, de
diferentes épocas, favorecendo a
construção de vocabulário e repertório
relativos às diferentes linguagens
artísticas.
Arte e Tecnologia Explorar diferentes tecnologias e
recursos digitais (multimeios, animações,
jogos
eletrônicos, gravações em áudio e vídeo,
fotografia, softwares etc.) nos processos
de criação artística.
ARTE NO ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS:
UNIDADES TEMÁTICAS, OBJETOS DE CONHECIMENTO E HABILIDADES

No Ensino Fundamental – Anos Finais, é preciso assegurar aos alunos a ampliação


de suas interações com manifestações artísticas e culturais nacionais e internacionais, de
diferentes épocas e contextos.
Essas práticas podem ocupar os mais diversos espaços da escola, espraiando-se
para o seu entorno e favorecendo as relações com a comunidade. Além disso, o diferencial
dessa fase está na maior sistematização dos conhecimentos e na proposição de
experiências mais diversificadas em relação a cada linguagem, considerando as culturas
juvenis.
Desse modo, espera-se que o componente Arte contribua com o aprofundamento
das aprendizagens nas diferentes linguagens – e no diálogo entre elas e com as outras
áreas do conhecimento –, com vistas a possibilitar aos estudantes maior autonomia nas
experiências e vivências artísticas.

ARTE – 6º AO 9º ANO

OBJETOS DE HABILIDADES
CONHECIMENTO
Contextos e práticas Pesquisar e analisar diferentes
formas de expressão, representação e
encenação da dança, reconhecendo e
apreciando composições de dança de
artistas e grupos brasileiros e
estrangeiros de diferentes épocas.

Elementos da linguagem Explorar elementos constitutivos do


movimento cotidiano e do
movimento
dançado, abordando, criticamente, o
desenvolvimento das formas da
dança em sua história
DANÇA tradicional e contemporânea.
Experimentar e analisar os fatores de
movimento (tempo, peso, fluência e
espaço)
como elementos que, combinados,
geram as ações corporais e o
movimento dançado.
Processos de criação Investigar e experimentar
procedimentos de improvisação e
criação do
movimento como fonte para a
construção de vocabulários e
repertórios próprios.
Investigar brincadeiras, jogos, danças
coletivas e outras práticas de dança
de
diferentes matrizes estéticas e
culturais como referência para a
criação e composição de danças
autorais, individualmente e em
grupo.
Analisar e experimentar diferentes
elementos (figurino, iluminação,
cenário,
trilha sonora etc.) e espaços
(convencionais e não convencionais)
para composição cênica e
apresentação coreográfica. Refletir
sobre as experiências corporais
pessoais e coletivas desenvolvidas
em
aula ou vivenciadas em outros
contextos, de modo a problematizar
questões de gênero, corpo e
sexualidade.
OBJETOS DE HABILIDADES
CONHECIMENTO
Contextos e Práticas Relacionar as práticas artísticas às
diferentes dimensões da vida social,
cultural, política, histórica,
econômica, estética e ética.
Processos de criação Analisar e explorar, em projetos
temáticos,as relações processuais
ARTES entre diversas linguagens artísticas.
Matrizes estéticas Analisar aspectos históricos, sociais
culturais e políticos da produção artística,
problematizando as narrativas
INTEGRADAS eurocêntricas e as diversas
categorizações da arte
(arte,artesanato, folclore, design
etc.).
Patrimônio cultural Analisar e valorizar o patrimônio
cultural, material e imaterial, de
culturas
diversas, em especial a brasileira,
incluindo suas matrizes indígenas,
africanas e europeias,de diferentes
épocas, e favorecendo a construção
de vocabulário e repertório relativos
às
diferentes linguagens artísticas.
Arte e Tecnologia Identificar e manipular diferentes
tecnologias e recursos digitais para
acessar,apreciar, produzir, registrar e
compartilhar práticas e repertórios
artísticos, de modo reflexivo,
ético e responsável.