Você está na página 1de 2

HISTÓRIA 8º ANO ISJ

5. O processo de independência do Brasil caracterizou-se por


a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico como garantia de seus privilégios.
b) ter uma ideologia democrática e reformista, alterando o quadro social imediatamente após a independência.
c) evitar a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia autônoma.
d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as tropas metropolitanas.

6. Observe a figura abaixo e leia o texto que a acompanha:

No dia 7 de setembro, o príncipe concluiu que era a hora de romper com a metrópole. Depois de ler, amassar e pisotear as
cartas recebidas da corte de Lisboa, D.Pedro montou "sua bela besta baia", cavalgou até o topo da colina e gritou à guarda de
honra: "Amigos, as cortes de Lisboa nos oprimem e querem nos escravizar... Deste dia em diante nossas relações estão
rompidas." Após arrancar a insígnia portuguesa de seu uniforme, o príncipe sacou a espada e gritou: "Por meu sangue, por
minha honra e por Deus: farei do Brasil um país livre." Em seguida, erguendo-se nos estribos e alçando a espada, afirmou:
"Brasileiros, de hoje em diante nosso lema será: Independência ou morte." Eram 4 horas da tarde de 7 de setembro de 1822.
http://pt.wikipedia.org
Leia as seguintes afirmativas sobre o processo de independência do Brasil e coloque V quando VERDADEIRO e F quando
FALSO:
( ) Restringiu-se à esfera política, não alterando em nada a realidade sócio-econômica, que se manteve com as mesmas
características do período colonial.
( ) Foi um ato heróico e teve vários aspectos positivos. Na sua maioria, foi uma independência do povo, que ganhou mais
liberdade econômica e política.
( ) Não foi um ato isolado do príncipe D. Pedro, e sim um acontecimento que integra o processo de crise do Antigo Sistema
Colonial, iniciada com as revoltas de emancipação no final do século XVIII.
( ) Para ser reconhecido oficialmente, o Brasil negociou com a Inglaterra e aceitou pagar indenizações de 2 milhões de libras
esterlinas a Portugal. A Inglaterra saiu lucrando e teve início o endividamento externo do Brasil.
A sequência CORRETA é:
a) V – V – V –V
b) F – V – V – F
c) V – F – V – V
d) F – F – V – F

7. A maior razão brasileira para romper os laços com Portugal era


a) evitar a fragmentação do país, abalado por revoluções anteriores.
b) garantir a liberdade de comércio, ameaçada pela política de recolonização das Cortes de Lisboa.
c) substituir a estrutura colonial de produção e desenvolver o mercado interno.
d) integrar as camadas populares ao processo político e econômico.

8. O processo de emancipação política brasileiro


a) tendeu a seguir o exemplo da América Espanhola, quer dizer, da Independência da Bolívia, Venezuela e Peru.
b) contou com grande participação popular, principalmente de negros e mulatos do Nordeste, que viviam maior opressão.
c) marginalizou os elementos populares, e manteve as estruturas sociais e econômicas do período colonial.
d) somente foi consolidado após um ano de guerra contra Portugal, uma vez que a Metrópole não aceitou a ruptura.

9. A abertura dos portos às nações amigas, em 1808, teve um alcance histórico profundo, pois deu início a um grande processo
a) do desenvolvimento do primeiro surto manufatureiro no Brasil e o crescimento do transporte ferroviário
b) do arrefecimento dos ideais absolutistas no Brasil e a disseminação de movimentos nativistas.
c) da emancipação política do Brasil e o seu crescimento na órbita da influência britânica.
d) do fechamento das fronteiras do Brasil aos estrangeiros e a abertura para as correntes ideológicas revolucionárias europeias.

10. A Revolução do Porto, em 1820,que dentre outras coisas, exigia o retorno da corte para Portugal, e a volta do Brasil à
condição de Colônia, pode ser considerada decisiva para a Independência do Brasil, porque
a) garantia a economia da Colônia implementada durante a permanência do governo português no Brasil.
b) fortalecia os grupos liberais radicais, cada vez mais ativos na Colônia e articulados com os grandes proprietários.
c) impunha à Colônia um programa de reformas liberais, com a proibição do tráfico negreiro.
d) ameaçava os interesses dos grupos brasileiros, tentando reverter várias medidas tomadas por D. João no Brasil.

11. "... quando o príncipe regente português, D. João, chegou de malas e bagagens para residirno Brasil,
houve um grande alvoroço na cidade do Rio de Janeiro. Afinal era a própriaencarnação do rei [...] que aqui desembarcava. D.
João não precisou, porém, caminhar muitopara alojar-se. Logo em frente ao cais estava localizado o Palácio dos Vice-Reis".
Lilian Schwarcz. As Barbas do Imperador.
O significado da chegada de D. João ao Rio de Janeiro pode ser resumido como
a) decorrência da loucura da rainha Dona Maria I, que não conseguia se impor no contextopolítico europeu.
b) fruto das derrotas militares sofridas pelos portugueses ante os exércitos britânicos e de Napoleão Bonaparte.
c) inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a sede política do império passava de Portugal para o Brasil.
d) alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes passaram a controlar omando a partir das colônias.

17. Observe a Charge abaixo:

Observando a charge dentro do Contexto da Independência do Brasil, podemos deduzir que


a) o povo teve participação ativa.
b) não mudou em nada a situação da maioria do povo brasileiro.
c) tinham chegado novos produtos ingleses no Brasil.
d) a Inglaterra não teve mais influências sobre o Brasil.

6 - O processo de emancipação política brasileiro:

a) tendeu a seguir o exemplo da América Espanhola, quer dizer, da Independência da Bolívia, Venezuela e Peru;
b) contou com grande participação popular, principalmente de negros e mulatos do Nordeste, que viviam maior
opressão;
c) marginalizou os elementos populares, e manteve as estruturas sociais e econômicas do período colonial;
d) foi completado com o grito do Ipiranga, em 7 de setembro, com a decisiva participação de D. Pedro;
e) somente foi consolidado após um ano de guerra contra Portugal, uma vez que a Metrópole não aceitou a ruptura.
7- A maior razão brasileira para romper os laços com Portugal era:

a) evitar a fragmentação do país, abalado por revoluções anteriores;


b) garantir a liberdade de comércio, ameaçada pela política de recolonização das Cortes de Lisboa;
c) substituir a estrutura colonial de produção e desenvolver o mercado interno;
d) aproximar o país das repúblicas platinas e combater a Santa Aliança;
e) integrar as camadas populares ao processo político e econômico.
8 - A Guerra dos Emboabas (1707-1709) e a Inconfidência Mineira (1789) foram revo¬tas ocorridas no Brasil. Sobre elas,
assinale a alternativa correta:

a) Ambas tinham o objetivo de separar o Brasil de Portugal e ocorreram na região da mineração.


b) A primeira e considerada uma revolução separatista e mais radical do que a segunda, tendo ocorrido na região de São
Paulo e liderada pelos Bandeirantes.
c) Tanto a primeira como a segunda foram influenciadas pelas idéias iluministas e pela independência das Treze
Colônias inglesas, mas só a segunda teve êxito nos seus objetivos.
d) A primeira foi bem-sucedida, garantindo aos paulistas a posse da região da mineração, enquanto a segunda foi
reprimida pela Coroa portuguesa antes de acontecer.
e) Ambas ocorreram na mesma região do Brasil, contra a dominação portuguesa na área da mineração, no entanto,
somente a segunda teve influência das idéias iluministas européias.

9 - A respeito da Inconfidência Mineira é valido concluir que:

a) constituiu-se em uma conspiração que não chegou à fase da revolta armada.


b) visava, entre outras medidas, ao estabelecimento de um governo monárquico independente, criação de industria e
supressão da escravatura.
c) participaram do movimento, principalmente, elementos dos segmentos médios e baixos da população.
d) chegou a fase da revolta armada, envolvendo pessoas de diferentes segmentos sociais, em torno da figura de
Tiradentes.
e) foi um movimento revolucionário genuinamente autóctone.

Você também pode gostar