Você está na página 1de 23

DAEE - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

DPO - DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO


_________________________________________________________________________________________________

Apostila do Módulo

“Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga”


Julho e Agosto/2012

___________________________________________________________________________________________

Contrato DAEE 2011/21/0264.1:


“Elaboração de Material Didático e Realização de Cursos
de Capacitação nas Áreas de Outorga, Fiscalização e Cobrança”.

Contratada: FCTH

Recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos– FEHIDRO


Contrato FEHIDRO nº 188/2011
DAEE - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

DPO - DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO


___________________________________________________________________________

Contrato DAEE 2011/21/0264.1:


“Elaboração de Material Didático e Realização de Cursos
de Capacitação nas Áreas de Outorga, Fiscalização e Cobrança”.
Contratada: FCTH
____________________________________________________________________

Módulo: “Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga”


Julho e Agosto/2012
________________________
Apostila

Sumário

Parte 1 – Apresentação do modelo AbcDAEE


- Hidrologia – vazões de cheia
- Métodos indiretos: Racional, I-Pai-Wu modificado e Soil Conservation Service

Parte 2 – Resolução de exercícios – aplicação do AbcDAEE


- Ex. 01: Método Racional (1,1 km²)
- Ex. 02: Soil Conservation Service (SCS) e I-Pai-Wu modificado (13,7 km²)
- Ex. 03: Segurança hidrológica de um barramento (SCS; 13,7 km²; 1000 anos)
- Ex. 04: Amortecimento do hidrograma afluente ao reservatório (SCS; 13,7 km²; 100 anos)
- Ex. 05: Amortecimento em reservatório em série (In Line)
- Ex. 06: Amortecimento em reservatório lateral ou paralelo (Off Line)
- Ex. 07: Análise de duas sub-bacias (montante, 6,7 km², e jusante, 7,0 km²)
- Ex. 08: Análise do efeito de amortecimento de um reservatório paralelo posicionado na
seção de saída da sub-bacia de montante (6,7 km²)

Parte 3 – Hidráulica – utilização do programa HIDROwin (EEUFMG)


- Ex. 09: Verificação do dimensionamento de um canal aberto (seçaõ trapezoidal)
- Ex. 10: Verificação do dimensionamento de um canal aberto (seçaõ retangular)
- Ex. 11: Verificação da capacidade de escoamento de um bueiro (seção retangular)
Partes 1, 2 e 3 – Dra. Silvana Susko Marcellini
Parte 4 – Palestra – Gestão da drenagem urbana – diagnósticos e desafios
Prof. Dr. José Rodolfo Scarati Martins (EPUSP)

_________________________________________________
Recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos– FEHIDRO
Contrato FEHIDRO nº 188/2011
DAEE - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

DPO - DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO


___________________________________________________________________________

Contrato DAEE 2011/21/0264.1:


“Elaboração de Material Didático e Realização de Cursos
de Capacitação nas Áreas de Outorga, Fiscalização e Cobrança”.
Contratada: FCTH
____________________________________________________________________

Módulo: “Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga”


Julho e Agosto/2012
________________________

Parte 1 – Apresentação do modelo AbcDAEE

- Hidrologia – vazões de cheia

- Métodos indiretos: Racional, I-Pai-Wu modificado e


Soil Conservation Service

Prof.: Dra. Silvana Susko Marcellini

ÍNTEGRA DA APRESENTAÇÃO
DA PROF. SILVANA S. MARCELLINI
- EM POWER POINT –
INSERIDA NO CD-R ANEXO
DAEE - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

DPO - DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO


___________________________________________________________________________

Contrato DAEE 2011/21/0264.1:


“Elaboração de Material Didático e Realização de Cursos
de Capacitação nas Áreas de Outorga, Fiscalização e Cobrança”.
Contratada: FCTH
____________________________________________________________________

Módulo: “Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga”


Julho e Agosto/2012
________________________

Parte 2 – Resolução de exercícios


– aplicação do AbcDAEE
- Ex. 01: Método Racional (1,1 km²)

- Ex. 02: Soil Conservation Service (SCS) e I-Pai-Wu modificado (13,7 km²)

- Ex. 03: Segurança hidrológica de um barramento (SCS; 13,7 km²; 1000 anos)

- Ex. 04: Amortecimento do hidrograma afluente ao reservatório (SCS; 13,7 km²;


100 anos)

- Ex. 05: Amortecimento em reservatório em série (In Line)

- Ex. 06: Amortecimento em reservatório lateral ou paralelo (Off Line)

- Ex. 07: Análise de duas sub-bacias (montante, 6,7 km², e jusante, 7,0 km²)

- Ex. 08: Análise do efeito de amortecimento de um reservatório paralelo posicionado


na seção de saída da sub-bacia de montante (6,7 km²)

Prof.: Dra. Silvana Susko Marcellini


Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.01
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee

Bacia hidrográfica estudada: 1,1 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.01: Aplicação do Método racional para uma bacia com área de 1,1 km² .

- Determinação da vazão de projeto - Aplicação do Método Racional

ENTRADAS Rede (mont p jus) Nó Bacia Nó

Parâmetros Dados da Bacia Chuva (Local)


∆t (min) 10 A (km²) 1,10 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 25 A imp (%) 0 Duração (h) 0,50
Método Racional A dir conect (%) 0 i (mm/h) 107,83
LTalv (m) 2000
Eq. tC Kirpich II
IEq (m/km) 21,80 C 0,35
tC (h) 0,50

RESULTADOS
Hidrograma

VContrib (m³) 20.757 QMax Contr (m³/s) 11,53


VJusant (m³) 20.757 QMax Jusant (m³) 11,53

-1-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.02
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.02: Considerar uma bacia hidrográfica com área de drenagem de 13,7 km². O objetivo é
determinar a vazão de projeto considerando os métodos do SCS e I-Pai-Wu modificado. Considerar
a duração da chuva igual ao tempo de concentração e período de retorno de 100 anos.

02.A - Método do Soil Conservation Service


ENTRADAS Rede (mont p jus) Nó Bacia Nó
Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)
∆t (min) 30 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,2 CN (SCS) 75
tC (h) 4,60
RESULTADOS
Hietograma Hidrograma
PTotal (mm) 120,31 (Q em m³/s)
PMédia (mm) 13,37
PInfiltr (mm) 63,48 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PExced (mm) 56,83 VContrib (m³) 788.506 QMax Amort - 00:00
CESD 0,47 VJusant (m³) 788.506 QMax Contr 48,27 05:30
iMédia (mm/h) 26,15 QMax Jusant 48,27 05:30

02.B - Método de I-Pai-Wu Modificado


ENTRADAS
Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)
∆t (min) 10,00 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método IPaiWu A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 2,65
Eq. tC Kirpich i (mm/h) 41,7
IEq (m/km) 5,2
tC (h) 2,65 C2 (I-Pai-Wu) 0,70
K 0,98
RESULTADOS
Hidrograma (Q em m³/s)
F 2,06 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
C 0,46 VContrib (m³) 696,34 QMax Amort - 00:00
VJusant (m³) 696,34 QMax Contr 54,85 02:40
QMax Jusant 54,85 02:40

-2-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.03
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.03: Considerar uma bacia hidrográfica com área de drenagem de 13,7 km². Na foz há uma barragem com
vertedor de superfície livre (sem descarga de fundo). O objetivo é verificar a segurança da barragem,
considerando um período de retorno de 1.000 (mil) anos. Determinar a vazão de projeto pelo método do SCS.

Método do SCS - Vazão de Projeto - 1.000 anos

ENTRADAS Rede (mont para jusante) Nó Bacia Nó Reservatório

Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)


∆t (min) 30 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 1000 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,2 CN (SCS) 75
tC (h) 4,60

Dados de Entrada do Reservatório


Vertedor de soleira livre
Cota da Crista da Barragem (m) 105,0 Coef. de descarga (Cd) * 1,81
Cota da lâmina dágua inicial (m) 100,0 Largura do Vertedor (m) 5,00
Cota de Fundo da Barragem (m) 90,0 Cota do vertedor em (m) 100,00

* Q = µ (2g)1/2 L H3/2
Reservatório (2g)1/2 = 4,43
Curva Cota-Volume µ = 0,41 (Kreager)
Cota Vol Cd = 1,81
(m) 106 m³ H (m) Cota x Volume do Reservatório
90,0 0,000 106,0
91,0 0,005 104,0
92,0 0,008 102,0
93,0 0,015 100,0
94,0 0,025 98,0
96,0 0,045 96,0
98,0 0,100 94,0
100,0 0,200 92,0
Volume (hm³)
102,0 0,500 90,0
105,0 1,300 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4

-3-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


RESULTADOS - BACIA Ex.03 - Reservatório de barragem

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 156,93

PMédia (mm) 17,44 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00


PInfiltr (mm) 69,69 VContrib (m³) 1.210.377 QMax Amort - 00:00
PExced (mm) 87,24 VJusant (m³) 1.210.377 QMax Contr 74,06 05:30
CESD 0,56 QMax Jusant 74,06 05:30
iMédia (mm/h) 34,12

RESULTADOS - RESERVATÓRIO

Volume armazenado (m³) 513.375


Volume Hid. Montante (m³) 1.210.377
Volume Hid.Jusante (m³) 1.210.362

Vazão Máx. de Montante (m³/s) 74,06 05:30


Vazão Máx. de Jusante (m³/s) 42,39 07:30
Nível Máximo (m) 102,8 07:30
Volume Máximo (Mm³) 0,713

Anexo Ex. 03
Relações Cota x Descarga do vertedor de soleira livre
Q = µ (2g)1/2 L H3/2 (2g)1/2 = 4,43 µ = 0,41 (Kreager)
Cd = 1,81
Q = 1,81 L H3/2 L = 5,0 m
Q = 9,05 H3/2

Cota H Q
(m) (m) m³/s
100,00 0,000 0,0 H (m)
100,20 0,200 0,8 Cota x Descarga do Vertedor
3,50
100,40 0,400 2,3
100,60 0,600 4,2 3,00
100,80 0,800 6,5
2,50
101,00 1,000 9,1
101,20 1,200 11,9 2,00
101,40 1,400 15,0
101,60 1,600 18,3 1,50
101,80 1,800 21,9 1,00
102,00 2,000 25,6
102,20 2,200 29,5 0,50
102,40 2,400 33,6 Vazão (m³/s)
0,00
102,60 2,600 37,9 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0
102,80 2,800 42,4
103,00 3,000 47,0
Crista da soleira na cota 100,00 m.
-4-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.04
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex. 04: Considerar as mesmas condições do exercício anterior para o período de retorno de 100 anos.
Para este exemplo deve-se considerar que o trecho de jusante da barragem tem uma restrição de
vazão limitada a 29 m³/s. O objetivo é verificar se a vazão resultante é compatível com a drenagem de
jusante. Determinar a vazão de projeto pelo método do SCS e adotar um período de retorno de 100
anos.

ENTRADAS Rede (mont p jus) Nó Bacia Nó Reservatório

Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)


∆t (min) 30 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,2 CN (SCS) 75
tC (h) 4,60

Dados de Entrada do Reservatório


Vertedor de soleira livre
Cota da Crista da Barragem (m) 105,0 Coef. de descarga 1,81
Cota do Nível dágua inicial (m) 100,0 Largura do Vertedor (m) 5,00
Cota de Fundo da Barragem (m) 90,0 Cota do vertedor em (m) 100,00
* Q = µ (2g)1/2 L H3/2
Curva Cota-Volume (2g)1/2 = 4,43 µ = 0,41 (Kreager)
Reservatório Cd = 1,81
Cota x Volume proposta
Cota Vol H (m) Cota x Volume do Reservatório
106,0
(m) 106 m³
90,0 0,000 104,0
91,0 0,005 102,0
92,0 0,008 100,0
93,0 0,015 98,0
94,0 0,025 96,0
96,0 0,045 94,0
98,0 0,100 92,0
Volume (hm³)
100,0 0,200 90,0
102,0 0,500 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4
105,0 1,300
-5-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


RESULTADOS - BACIA Ex.04 - vazão pelo vertedor para TR de 100 anos.

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 120,31
PMédia (mm) 13,37 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PInfiltr (mm) 63,48 VContrib (m³) 788.506 QMax Amort - 00:00

PExced (mm) 56,83 VJusant (m³) 788.506 QMax Contr 48,27 05:30
CESD 0,47 QMax Jusant 48,27 05:30
iMédia (mm/h) 26,15

RESULTADOS - RESERVATÓRIO
Volume armazenado (m³) 337.940
Volume Hid. Montante (m³) 788.506
Volume Hid.Jusante (m³) 788.495

Vazão Máx. de Montante (m³/s) 48,3 05:30


Vazão Máx. de Jusante (m³/s) 28,3 07:30 Verifica! O.K.!
Nível Máximo (m) 102,14 07:30
Volume Máximo (Mm³) 0,538

Anexo Ex. 04
Relações Cota x Descarga do vertedor de soleira livre
Q = µ (2g)1/2 L H3/2 (2g)1/2 = 4,43 µ = 0,41 (Kreager)
Cd = 1,81
Q = 1,81 L H3/2 L = 5,0 m Q = 9,05 H3/2

Cota H Q
H (m)
(m) (m) m³/s Cota x Descarga do Vertedor
100,00 0,000 0,0 3,50
100,20 0,200 0,8
3,00
100,40 0,400 2,3
100,60 0,600 4,2 2,50
100,80 0,800 6,5
2,00
101,00 1,000 9,1
101,20 1,200 11,9 1,50
101,40 1,400 15,0
1,00
101,60 1,600 18,3
101,80 1,800 21,9 0,50
102,00 2,000 25,6 Vazão (m³/s)
102,14 2,140 28,3 0,00
102,40 2,400 33,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0
102,60 2,600 37,9
102,80 2,800 42,4
103,00 3,000 47,0
Crista da soleira na cota 100,00 m.
-6-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.05
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.05: Considerar uma bacia hidrográfica com área de drenagem de 13,7 km². Na foz deve-se considerar um
“reservatório em série”, com uma barragem com descarregador de fundo. O objetivo é verificar se a bacia de
detenção é suficiente para atender à vazão de restrição de jusante de 29 m³/s. Determinar a vazão de projeto
pelo método do SCS e adotar um período de retorno de 100 anos.

ENTRADAS Rede (mont p jus) Nó Bacia Nó Reservatório

Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)


∆t (min) 30 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,2 CN (SCS) 75
tC (h) 4,60

Dados de Entrada do Reservatório

Cota da Crista da Barragem (m) 105,0


Cota do Nível dágua inicial (m) 90,0
Cota de Fundo da Barragem (m) 90,0

Reservatório Descarregador de Fundo


Cota x Volume Cota x Descarga
Cota Vol Cota H Q Seção: 1,8 x 1,8 m = 3,24 m²
(m) 106 m³ (m) (m) m³/s
90,0 0,000 90,0 0,0 0,0 H = lâmina (entre 90 e 91,7 m)
91,0 0,005 90,5 0,5 1,0 escoamento livre (i = 0,002 m/m)
92,0 0,008 91,0 1,0 2,5 (Manning)
93,0 0,015 91,5 1,5 4,2
94,0 0,025 91,7 1,7 4,9
96,0 0,045 92,9 2,0 12,2
98,0 0,085 94,9 4,0 17,2
100,0 0,140 96,9 6,0 21,1 H = Carga sobre o eixo
102,0 0,210 98,9 8,0 24,4 da galeria (90,9 m)
105,0 0,330 100,9 10,0 27,2 Orifício: Q=Cd A (2gH)0,5
102,9 12,0 29,8 Cd = 0,6
104,9 14,0 32,2

1,8 x 1,8 m

Galeria 90,0 m
-7-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
RESULTADOS - BACIA Ex.05 - Introdução de "piscinão" "In Line"
na seção de jusante da bacia (A = 13,7 km²)
Hietograma
PTotal (mm) 120,31 Hidrograma (Q em m³/s)
PMédia (mm) 13,37 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PInfiltr (mm) 63,48 VContrib (m³) 788.506 QMax Amort - 00:00
PExced (mm) 56,83 VJusant (m³) 788.506 QMax Contr 48,27 05:30
CESD 0,47 QMax Jusant 48,27 05:30
iMédia (mm/h) 26,15

RESULTADOS - RESERVATÓRIO
Volume armazenado (m³) 217.098
Volume Hid. Montante (m³) 788.506
Volume Hid.Jusante (m³) 788.506
Vazão Máx. de Montante (m³/s) 48,3 05:30
Vazão Máx. de Jusante (m³/s) 28,8 07:30 Verifica! OK!
Nível Máximo (m) 102,17 07:30
Volume Máximo (Mm³) 0,217

Cota x volume do reservatório "In Line"


106
Cota do NA (m)
104
102
100
98
96
94
92
90
Volume (hm³)
88
0,000 0,050 0,100 0,150 0,200 0,250 0,300 0,350

Cota x Vazão - Descarga de Fundo


106
104
102
Cota NA
100
(m)
98
96
94
92
90
Vazão (m³/s)
88
0 10 20 30 40

-8-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.06
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.06: Idem ao anterior considerando um “reservatório paralelo ou lateral” com 144.000 m³.

ENTRADAS Rede (mont p jus) Nó Bacia Nó Paralelo

Parâmetros Dados da Bacia Chuva IDF (Local)


∆t (min) 30 A (km²) 13,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 8600 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,2 CN (SCS) 75
tC (h) 4,60

Dados de Entrada do Reservatório Paralelo

Área do Reservatório em Planta (m²) 36.000


Altura do Reservatório (m) 4,0
Altura da Lâmina d água inicial (m) 0,0

RESULTADOS - BACIA

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 120,31
PMédia (mm) 13,37 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PInfiltr (mm) 63,48 VContrib (m³) 788.506 QMax Amort - 00:00
PExced (mm) 56,83 VJusant (m³) 788.506 QMax Contr 48,27 05:30
CESD 0,47 QMax Jusant 48,27 05:30
iMédia (mm/h) 26,15

RESULTADOS - RESERVATÓRIO

Volume armazenado (m³) 144.000


Volume Hid. Montante (m³) 788.506
Volume Hid.Jusante (m³) 644.506

Vazão Máx. de Montante (m³/s) 48,3 05:30


Vazão Máx. de Jusante (m³/s) 28,8 04:30 Verifica! OK!

-9-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex.07
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex.07: Considerar 2 sub-bacias, uma a montante com área de drenagem igual 6,7 km² e outra a jusante
com área igual a 7,0 km². Considerar a duração da chuva de projeto igual a 4,6 horas para um período
de retorno de 100 anos. Adotar Método do SCS para um intervalo de tempo de 30 minutos.

Rede
ENTRADAS Nó Bacia Mont Nó Bacia Jus Nó

Bacia de Montante

Parâmetros Dados da Bacia Montante Chuva IDF (Local)


∆t (min) 30 A (km²) 6,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 4.730 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 7,7 CN (SCS) 75
tC (h) 2,51

Bacia de Jusante Dados da Bacia Jusante Chuva IDF (Local)


A (km²) 7,00 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
A imp (%) 0
A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 5.870 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,6 CN (SCS) 75
tC (h) 3,31

Dados do Canal para amortecimento

Comprimento do canal (m) 3.870


Velocidade do canal (m/s) 0,78 estimada = ( Ltalv/tc)*1,6
Coeficiente de Amortecimento X 0,25 para rios naturais

- 10 -

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Ex.07
RESULTADOS - BACIA DE MONTANTE

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 120,93
PMédia (mm) 13,44 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PInfiltr (mm) 63,60 VContrib (m³) 388.975 QMax Amort - 00:00
PExced (mm) 57,33 VJusant (m³) 388.975 QMax Contr 38,96 04:00
CESD 0,47 QMax Jusant 38,96 04:00
iMédia (mm/h) 26,29

RESULTADOS - BACIA DE JUSANTE

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 120,93
PMédia (mm) 13,44 VMont (m³) 388.963 QMax Mont 38,96 04:00
PInfiltr (mm) 63,60 VContrib (m³) 406.292 QMax Amort 32,22 05:30
PExced (mm) 57,33 VJusant (m³) 795.254 QMax Contr 32,53 04:30
CESD 0,47 QMax Jusant 60,91 05:00
iMédia (mm/h) 26,29

- 11 -

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Curso Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga Ex. 08
Hidrologia - Aplicações Abc-Daee
Bacia hidrográfica estudada: 13,7 km²; Grande São Paulo; Alto Tietê

Ex. 08: Idem ao anterior considerando um “reservatório paralelo ou lateral” com 144.000 m³ na foz da
sub-bacia de montante.

Rede
ENTRADAS Nó Bacia Mont Res Par Bacia Jus Nó
Bacia de Montante
Parâmetros Dados da Bacia Montante Chuva IDF (Local)
∆t (min) 30 A (km²) 6,70 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
TR (anos) 100 A imp (%) 0
Método SCS A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 4.730 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 7,7 CN (SCS) 75
tC (h) 2,51

Dados de Entrada do Reservatório Paralelo


Área do Reservatório em Planta (m²) 36.000,0
Altura do Reservatório (m) 4,0
Altura da Lâmina d água inicial (m) 0,0

Bacia de Jusante Dados da Bacia Jusante Chuva IDF (Local)


A (km²) 7,00 Equação (IDF) S. Paulo/CTH
A imp (%) 0
A dir conect (%) 0 (Escolhida) (h)
LTalv (m) 5.870 Duração (h) 4,60
Eq. tC B. Will.
IEq (m/km) 5,6 CN (SCS) 75
tC (h) 3,31

Dados do Canal para amortecimento

Comprimento do canal (m) 3.870,00


Velocidade do canal (m/s) 0,78 estimada = ( Ltalv/tc)*1,6
Coeficiente de Amortecimento X 0,25 para rios naturais

- 12 -

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


RESULTADOS - BACIA DE MONTANTE Ex.08 - Subdivisão em 2 bacias
Hietograma
PTotal (mm) 120,93 Hidrograma (Q em m³/s)
PMédia (mm) 13,44
PInfiltr (mm) 63,60 VMont (m³) - QMax Mont - 00:00
PExced (mm) 57,33 VContrib (m³) 388.975 QMax Amort - 00:00
CESD 0,47 VJusant (m³) 388.975 QMax Contr 38,96 04:00
iMédia (mm/h) 26,29 QMax Jusant 38,96 04:00

RESULTADOS - RESERVATÓRIO

Volume armazenado (m³) 144.000


Volume Hid. Montante (m³) 388.975
Volume Hid.Jusante (m³) 244.975

Vazão Máx. de Montante (m³/s) 38,96 04:00


Vazão Máx. de Jusante (m³/s) 15,06 03:30

RESULTADOS - BACIA DE JUSANTE

Hietograma Hidrograma (Q em m³/s)


PTotal (mm) 120,93
PMédia (mm) 13,44 VMont (m³) 244.975 QMax Mont 15,06 03:30
PInfiltr (mm) 63,60 VContrib (m³) 406.292 QMax Amort 14,86 06:30
PExced (mm) 57,33 VJusant (m³) 651.267 QMax Contr 32,53 04:30
CESD 0,47 QMax Jusant 45,10
iMédia (mm/h) 26,29

Conclusão: só se justifica se o problema for a jusante, próximo da seção 6,7 km².


Efeito na seção da foz é desprezível.

- 13 -

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


DAEE - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

DPO - DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO


___________________________________________________________________________

Contrato DAEE 2011/21/0264.1:


“Elaboração de Material Didático e Realização de Cursos
de Capacitação nas Áreas de Outorga, Fiscalização e Cobrança”.
Contratada: FCTH
____________________________________________________________________

Módulo: “Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga”


Julho e Agosto/2012
________________________

Parte 3 – Hidráulica
– utilização do programa HIDROwin (EEUFMG)

- Ex. 09: Verificação do dimensionamento de um canal aberto (seçaõ trapezoidal)

- Ex. 10: Verificação do dimensionamento de um canal aberto (seçaõ retangular)

- Ex. 11: Verificação da capacidade de escoamento de um bueiro (seção retangular)

Prof.: Dra. Silvana Susko Marcellini


"Obras Hidráulicas" AGOSTO DE 2012 Ex.09

Exercícios de hidráulica de canais abertos


Fluxo laminar (Fr <1)

Ex. 09: Verificação do dimensionamento de canal (seção trapezoidal) para a vazão de projeto obtida
do modelo hidrológico e igual a 48 m³/s. Utilizar o aplicativo Hidrowin (Utilizado para verificações
hidráulicas básicas);

Considerar que não há problema de disponibilidade de faixa para a implantação do canal


Seção pode ser trapezoidal, em terra

Dados
QP = 48,0 m³/s (vazão TR = 100; 13,7 km²)
i= 0,0027 m/m
Seção trapezoidal:
m= 2 (inclinação dos taludes - horiz/vert)

Limites impostos pela topografia local


Maior altura da seção H= 2,50 m
Lâmina h= 2,00 m
Folga de dimensionamento f= 0,50 m

Rugosidade (terra) n= 0,035

1_Entrar com b= 10,00 m


Resulta, para h = 2,0
Q= 53,9 m³/s

2_Entrar com b= 9,00 m


Resulta, para h = 2,0
Q= 49 m³/s OK! p/ a vazão x h
V= 1,9 m/s velocidade muito alta para terra!!!!!

3_Trocar por revestimento em gabião (tipo manta)


Rugosidade (gabião) n= 0,028
Entrar com b= 8,00 m
Resulta, para h = 2,0
Q= 56,2 m³/s

4_Entrar com b= 6,50 m


Resulta, para h = 2,0
Q= 48 m³/s OK! p/ a vazão x h
V= 2,3 m/s OK! p/ gabião
Fr = 0,6 (regime laminar)

-1-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
Ex.10
Exercícios de hidráulica de canais abertos
Fluxo laminar (Fr <1)
Seções trapezoidais e retangulares
Utilização do Aplicativo Hidrowin

Ex. 10: Verificação do dimensionamento de canal (seção retangular) para a vazão de projeto obtida do
modelo hidrológico e igual a 48 m³/s. Utilizar o aplicativo Hidrowin. (declividade 0,0027)

Considerar que há problema de disponibilidade de faixa para a implantação do canal


Seção só pode ser retangular, com revestimento em concreto, paredes e fundo

Rugosidade (concreto) n= 0,018

1_Entrar com b= 6,50 m


Resulta, para h = 2,0
Q= 43,00 m³/s

2_Entrar com b= 7,00 m


Resulta, para h = 2,0
Q= 47,5 m³/s OK! p/ a vazão x h
V= 3,4 m/s OK! p/ concreto
Fr = 0,77 (regime laminar)
Porém, 3,4 m/s é velocidade muito alta para o trecho de jusante que é em terra.

Fazer enrocamento em canal trapezoidal


Rugosidade (enrocamento) n= 0,035
Entrando com
b= 12,00 m
m= 2
i= 0,0027
Q= 48 m³/s
Resulta
h= 1,72 m
V= 1,81 m/s
Fr = 0,49 (regime laminar) OK! p/ a velocidade

Importante: vazão de projeto = baixa frequência (para os 13,7 km² do exemplo)


As vazões de cheias mais frequentes apresentarão velocidades menores

-2-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Ex.11
Exercícios de hidráulica Bueiros

Utilização do Aplicativo Hidrowin

Ex 11 - Há um bueiro de estrada de ferro no limite de jusante da seção da bacia analisada (13,7 km²).
Vazão máxima (com NA máx no nível das margens (h = 2,5 m) de 29 m³/s

Verificar aumento de seção para escoar 48 m³/s


Verificar altura do NA de montante com o Hidrowin (orifício)

aterro = 7m de altura

Bueiro em concreto celular (2 células)

margens - 2,5 m acima do leito

Comprimento do bueiro - L = 30 m

saída livre
H

b seção retangular: base "b", altura total "H"

(A) Admitir Bueiro concreto celular (2 células)

Entrar com os seguintes dados no Hidrowin:

Q = 29 m³/s
n = 0,018 coef. de Manning para concreto
i = 0,0027 m/m
L = 30 m comp. do bueiro
b = 2,3 m largura do bueiro
H = 2,0 m altura do bueiro
Altura do Aterro (m)= 7

Resultados
A condição de funcionamento hidráulico é de "orifício"
A carga a partir do eixo da obra (h) = 1,45 m
Altura do NA de montante = 2,45 m (verifica!) condição para oríficio Hmont >= 1,2 H
Velocidade do escoamento = 3,37 m/s Hmont = h + H/2
"Cabe dentro da calha (2,5 m)"
Verificação: Hmont ≥ 1,20 x 2 (ou 2,4 m)

-3-
FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH
(B) Aumentar vazão para os 48 m³/s da Q projeto da bacia de 13,7 km²

Para o mesmo desenho de bueiro do exemplo (A), resulta


H mont = 5 m
V = 5,57 m/s
Para esta situação a várzea fica sob 2,5 metros de água - ocorre inundação
Conclusão: as dimensões estão inadequadas para as condições locais

(C ) Verificar seção para passar os 48 m³/s - ampliação da seção do bueiro

(por tentativa)
Se aumentar para 3 células de b = 3,0 e H = 2,5 m
Resulta

V = 2,4 m/s e H mont = 1,99 m


h=0,74
Neste caso a condição de Hmont >=1,2H , ou seja, 3m,
não é atendida para funcionar como orifício

-4-

FEHIDRO - 188/2011 DAEE - 2011/0264.1 - FCTH


Apostila do curso "Obras Hidráulicas Sujeitas a Outorga"
Parte 3 - Exercícios de hidráulica (utilização do HidroWin - UFMG)

Elementos hidráulicos característicos de diferentes tipos de seções transversais.

Perímetro molhado Largura Superficial


Geometria da Seção Área Molhada (Am) Raio Hidráulico (Rh)
(Pm) (B)

1 h (b + mh)h b + 2mh
m
b

b.h b + 2h b
b
Seção Plena

Meia Seção

h=0,5 D

Vazão Máxima

h=0,94 D