Você está na página 1de 2

UNISUL - Universidade do Sul de Santa

Plano de Ensino
Disciplina: Filosofia da Educação - 4C

Turma: 192 - FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO - 2014B

Professor(es) Conteudista(s):
DANTE CARVALHO TARGA

Professor(es):
DANTE CARVALHO TARGA

Créditos: 4

Carga Horária (Hora-aula): 60

Ementa:
Análise das relações entre Filosofia e Educação. Pressupostos filosóficos que fundamentam as concepções de educação.
A Práxis educativa contemporânea. Raízes sociais das idéias pedagógicas em sua relação com a organização e destino
da sociedade.

Justificativa:
A presença desta disciplina no curso de Filosofia atende a necessidade de compreender a íntima conexão entre Filosofia
e Educação, oportunizando uma reflexão sobre os fundamentos filosóficos que alicerçam as teorias pedagógicas
contemporâneas, visando instigar nos futuros filósofos alternativas à sua práxis educativa e cidadã.

Objetivos:
Geral:
Proporcionar uma introdução ao domínio da filosofia da educação, sua origem, problemas centrais e perspectivas.
Específicos:

Conhecer e compreender as perspectivas pedagógicas antiga, medieval e moderna sob o viés do essencialismo na
educação.
Analisar as inovações propostas por Jean-Jacques Rousseau em torno de uma pedagogia não essencialista.
Compreender os conceitos e perspectivas epistemológicas relevantes para a filosofia da educação.
Compreender os conceitos e perspectivas antropológicas relevantes para a filosofia da educação.
Analisar os elementos sociais e políticos determinantes para a formação de uma concepção pedagógica. (Sociedade;
Economia; Política / vertentes liberalista e histórico-crítica).
Avaliar os pressupostos do ensino tradicional e conhecer a pedagogia escolanovista (vinculado à sua aplicação na
educação brasileira).
Conhecer a pedagogia tecnicista e compreender os pressupostos das pedagogias não diretivas.
Conhecer e compreender as pedagogias de inspiração histórico-social.
Conhecer, refletir e estudar as ideias do filósofo e pedagogo brasileiro Paulo Freire.

Conteúdo Programático:
A filosofia na educação
Correntes pedagógicas liberais
Pedagogias histórico-sociais
A educação na filosofia

Sistema de Avaliação:
O processo de avaliação nesta disciplina contempla:
1 atividade de avaliação a distância (AD)
1 avaliação presencial (AP)
Ambas são corrigidas pelo professor tutor, que emite nota. Veja no cronograma as datas das avaliações.
O aluno deverá alcançar aproveitamento na disciplina mínimo de 7.0 pontos, que é calculado da seguinte maneira:

Página 1 de 2
Avaliação da disciplina = [(3,5 x Média de AD) + (6,5 x AP)] / 10
O aluno que não conseguir o aproveitamento na disciplina necessário para a aprovação (7,0) terá o direito de fazer a
avaliação final (AF). Neste caso, o resultado final (RF) relativo à disciplina será calculado por:
Resultado Final = (Avaliação da disciplina + Avaliação Final) / 2
E será considerado aprovado caso o Resultado Final (RF) seja maior ou igual a 6,0.
A avaliação final presencial somente é realizada para o aluno que não atingir a média estabelecida para aprovação na
disciplina.

Critérios de Avaliação:
I - PRAZOS DE ENTREGA DA AVALIAÇÃO A DISTÂNCIA (AD) - Em princípio, todos os alunos devem entregar a AD
dentro do prazo estipulado na ferramenta Cronograma. Isto é, 18/09/2014.
-Em caso de atraso, a AD ainda pode ser entregue até o dia a data final de estudo das unidades (26/09), porém, com um
desconto progressivo na nota, conforme indicado a seguir: * de 21/09 a 24/09 : - 0,5 pontos * de 25/09 a 26/09: - 1,0
pontos Importante! Passada a data final de estudo das unidades (11/04), não receberei mais a AD, salvo em casos
muito especiais. II –CRITÉRIOS
Muito mais do que "uma nota para passar", o propósito de toda avaliação é o de permitir que o próprio aluno visualize a
sua compreensão do conteúdo estudado, constatando seus erros e acertos, bem como afirmando ou reconstruindo o
conhecimento adquirido ao longo de seus estudos. Neste sentido, meus critérios de avaliação na correção das ADs e APs
levam em conta dois fatores principais: •O cumprimento da atividade proposta pela questão (ex: aponte
semelhanças e diferenças, compare esta e aquela idéia, expique tal conceito, exemplifique, etc). Isto significa que não
basta apresentar uma longa série de informações sobre o tema em questão, sem de fato fazer o que a questão pede; isto
é, comparar, explicar, exemplificar, etc. •Uma resposta argumentada, escrita no estilo de um texto acadêmico. Isto
significa que se deve evitar as respostas no estilo "tópicos", onde apenas se enuncia a resposta sem a presença de uma
construção textual, assim como o discurso coloquial direto (escrever como se estivesse conversando oralmente). Além
destes, há critérios secundários de avaliação, que sempre são levados em conta na correção das questões: -A clareza
das ideias no texto -Erros de ortografia e concordância -Tentativa argumentação ou reflexão própria a partir dos
conteúdos.

III - CORREÇÃO -As respostas apresentadas na AD devem ser individuais, exceto quando houver solicitação explícita no
enunciado para realização em grupo. -Não é permitida a cópia parcial ou integral de conteúdos sem a devida referência
as fontes utilizadas.
- Em caso de identificação de cópia ou forte semelhança das respostas com outros alunos da turma ou fontes externas,
serão apuradas as responsabilidades e será solicitado ao(s) aluno(s) refazer a avaliação.

Bibliografia Básica:
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 26.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.
GHIRALDELLI, Paulo. O que é filosofia da educação. Rio de Janeiro: DPeA, 2003.
PORTO, Leonardo Sartori. Filosofia da educação. Rio de Janeiro : Zahar. 2006. (E-books da Biblioteca Unisul).

Bibliografia Complementar:
GILES, Thomas Ranson. Filosofia da educação. São Paulo: EPU, 1993.
GHIRALDELLI, Paulo. O que é filosofia da educação. Rio de Janeiro: DPeA Editora, 2003.
KANT, Emmanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. (O que é o esclarecimento). Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições
70, 1982.
KNELLER, G. F. Introdução à filosofia da educação. 6.ed., Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
PLATÃO. A república. 8. ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulberkian, 1995.
ROUSSEAU, J-J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. 2. ed. São Paulo: Abril
Cultural, 1978.
SAVIANI, Dermeval. Educação do senso comum à consciência filosófica. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 1986.
SUCHODOLSKI, B. A pedagogia e as grandes correntes filosóficas. Lisboa: Horizonte, 1978.

Página 2 de 2