Você está na página 1de 3

Disciplina: Direito Administrativo

Professor: Roberto Baldacci


Aulas: 03 | Data: 02/08/2017

ANOTAÇÃO DE AULA

SUMÁRIO

LICITAÇÕES - Lei 8.666/93


1. Explanações iniciais
2. Definição da modalidade

LICITAÇÕES - Lei 8.666/93

1. Explanações iniciais:

Atenção: a lei 8.666/93 está prestes a ser revogada. É importante acompanhar as mudanças.

Trata-se da lei que regulamenta o art. 37/CF. É, portanto, considerada a lei geral das licitações. Institui as
modalidades gerais e define os tipos gerais (quando, na hipótese, não for adotada modalidade especial).

A lei geral de licitações regulamenta outros elementos e matérias, como por exemplo, os princípios
licitatórios, a regra geral dos recursos em licitações, ilícitos licitatórios, crimes licitatórios e as dispensas e
inexigibilidades. Também regula-se os contratos administrativos e as regras financeiras das contratações
públicas modalidades.

Reforça-se: por ser a lei geral de licitações, as modalidades gerais e tipos gerais serão aplicados somente
quando na hipótese não for aplicada lei especial ou modalidade especial.

Além de modalidades e tipos gerais, a lei 8.666/93 define como norma geral aplicável à todas as modalidades
(gerais ou especiais) os princípios licitatórios que são determinantes para a solução de conflitos e a
integração no caso de lacuna ou obscuridade da lei.

 A regra geral dos recursos licitatórios:

As leis que instituem modalidades especiais preveem, em regra, os próprios recursos cabíveis na hipótese.
Porém, quando a lei não regular recurso algum serão adotados os prazos e recursos definidos nesta lei
geral de licitações.

 Ilícitos licitatórios:

Cabe à lei geral fixar os fundamentos e regras dos ilícitos licitatórios que implicarão em anulação do
procedimento e/ou do contrato firmado.

Quando a lei especial também regular ilícitos licitatórios, estas previsões da lei especial deverão se
harmonizar com a lei geral e, havendo conflito, irão prevalecer os ilícitos regulados na lei geral de
licitações.

Regular Online
CARREIRAS JURÍDICAS
Damásio Educacional
 Crimes licitatórios:

Também só podem ser regulamentados/definidos na lei geral. Leis especiais podem reproduzir os crimes
licitatórios. Porém, conforme a corrente majoritária, as leis especiais não podem criar crimes licitatórios
diferentes daqueles inseridos na lei geral.

 Dispensas e inexigibilidades:

Exceto no caso da lei 13.303/16, que regula as próprias dispensas e inexigibilidades privativas das
empresas públicas e sociedades de economia mista, todas as demais leis e modalidades adotam as
hipóteses, regras e procedimentos para dispensas e inexigibilidades, que são definidas na lei geral de
licitações, ainda que a lei especial não faça qualquer remissão.

 Contratos administrativos:

A lei 8.666/93 também é a lei geral dos contratos administrativos. Leis especiais podem acrescentar
regras especiais, porém as normas gerais dos contratos são regidas por esta lei geral.

 Regras financeiras das contratações públicas:

A adequação da modalidade licitatória às regras gerais financeiras e orçamentárias são definidas através
da lei geral de licitações.

2. Definição da modalidade:

A lei geral de licitações define cinco modalidades distintas, conforme o interesse a ser atendido (divisão em
03 blocos):

 Concorrência;
 Tomada de preços;
 Convite;
 Leilão;
 Concurso;

2.1. Primeiro bloco – Modalidades para a compra de produtos em geral, contratação de serviços em geral e de
obras de todos os tipos:

a. Concorrência:

Será adotada como regra geral nas licitações internacionais (participação aberta à estrangeiros). Não se
exige, em regra, abertura de filial ou representação no Brasil, bastando ao participante estrangeiro
apresentar documentação traduzida por tradutor juramentado, registrada ou apresentada perante o
Consulado Brasileiro ou órgão de representação (Embaixada, por exemplo) no país em que o participante
residir;

Será também adotada para as concessões comuns (lembrar-se que na concessão de serviços públicos,
deverá ser adotada a lei especial 8.987/95);

Página 2 de 3
Nos demais casos, a concorrência será obrigatória quando a contratação envolver um grande valor (não
se perguntam valores nas provas e concursos públicos), ainda que ocorra o fracionamento do objeto em
contratações múltiplas de médios ou pequenos valores;

Na concorrência qualquer interessado poderá se inscrever para a disputa. O edital tem ampla e
obrigatória publicação na imprensa (devendo ser publicado por três vezes).

A concorrência segue todos os atos e etapas definidos na lei geral de licitações, adotando sempre os
prazos mais longos. A doutrina fala que a concorrência é considerada o “rito ordinário” das licitações;

b. Tomada de preços:

É a modalidade própria para as contratações de médio valor (devendo ser adotada quando o contrato de
médio valor for fracionado em contratações de pequeno valor).

Na tomada de preços, somente aqueles previamente cadastrados poderão se inscrever para a disputa.

O edital terá uma publicação restrita na imprensa, sendo publicado uma única vez e adotará, como regra,
os prazos intermediários da lei.

É característica da tomada de preços a pré-habilitação dos participantes, adotando o rito geral seguido
pela concorrência nos demais atos e etapas.

c. Convite:

O convite é modalidade própria e exclusiva para contratos de pequeno valor e que não decorrem de
fracionamento.

O edital poderá exigir o cadastramento prévio dos participantes ou não (liberalidade da Comissão) e o
edital não será publicado na imprensa. O princípio da publicidade é atendido fixando-se uma cópia do
edital nos quadros do ente licitante. São adotados sempre os prazos mais curtos da lei.

No convite poderá ocorrer a habilitação dos participantes ou não, a critério da comissão e no mais, será
seguido o rito geral, adotado também pela concorrência.

No caso de licitação internacional também é possível adotar tomada de preços ou até o convite, desde
que o ente licitante possua cadastro de fornecedores internacionais.

Página 3 de 3