Você está na página 1de 4

Farpatoon... ...por Meca JANEIRO 2010 , Série II, N.

º 1
Web: pcplordelo.blogspot.com

Boletim editado pelo PCP/Lordelo


No muro da escola de Parteira lê-se :“O meu filho não sai daqui”

A Escola EB 2,3 é a sede do


agrupamento escolar de Lordelo

Lordelo visto do espaço... Lordelo na televisão...

Lordelo é obra?
Junto à agência dos CTT Estrada Nacional 209 A Escola EB 1 da Igreja é a úni-
ca a receber refeições confeccio-
nadas fora do estabelecimento

Director: Miguel Correia


A Escola EB1 de Moinhos tem o maior número de alunos no 1.º ciclo
Recordar a nossa terra...
Equipa sénior do Aliados 1966/67. Em cima: Manuel Feio, Neca Castelo, Fernando Santos,
Zé Pedro, Mário João, Barbosa e Lita. Em baixo: Ilídio, Quim, Pedro, Monteiro, Amadeu.
A EDUCAÇÃO EM LORDELO

Conheça por dentro o Agrupamento


Vertical das Escolas de Lordelo, o
trabalho da sua directora e dos pais,
principais responsáveis pela resolu-
ção dos problemas das escolas peran-
te o alheamento do poder político.

“Fazemos tudo para ter uma


Recorde a 1.ª Edição em:
pcp-afarpa.blogspot.com
escola aberta à comunidade”
(Beatriz Castro)
ENVIE AS SUAS SUGESTÕES, CRÍTICAS e REFLEXÕES: Email: pcplordelo@gmail.com /Telm.: 964783409
2 A FARPA / Janeiro 2010 / 2.ª Série / N.º 1 A FARPA / Janeiro 2010/ 2.ª Série / N.º 1 7
EDITORIAL É preciso saber capitalizar o esforço de todos os interve-
nientes na construção de uma escola melhor e mais bem
Por isso, não convém pensar de antemão que a criação
dos novos pólos irão sanar, por completo, as lacunas
Após longa ausência, a Farpa regressa preparada para enfrentar os exigentes desafios que o existentes, até porque, o normal nestas situações é o
mundo hoje nos impõe. Sabemos de antemão, o quão adiamento daquilo se promete.
novamente, indo de encontro aos
difícil se torna angariar meios para suprir todas as Até ao seu aparecimento, ainda
anseios dos lordelenses e não só. carências com que a escola e não só se debatem. Por há um longo período de activida-
Pretendemos com esta publicação
criar um espaço aberto à reflexão, ao
NÃO ÀS PORTAGENS NA A42 isso mesmo, exige-se maior sacrifício a quem de direito
cabe o poder decisório.
de que não se pode descurar.
Como tal, não deveremos invocar
espírito crítico e à participação de A Organização da Cidade de Lordelo do Partido Comunista Português Não podemos dar-nos ao luxo de desperdiçar todo o constantemente “que agora não
todos quantos o queiram fazer, inde- emitiu um comunicado, no passado dia 24 de Novembro, onde manifes- esforço e capital humano que a comunidade desenvolve vale a pena” resolver os proble-
tou o seu protesto em relação à pretensão do Governo introduzir porta- neste âmbito. O desalento e a descrença nos políticos mas prementes, desculpando-nos
pendentemente das suas convicções, gens nas SCUT´s, em particular na A41 e A42, vias estruturantes para o devem dar o lugar ao dinamismo e à vontade férrea de com a construção destas novas
sempre com o mesmo espírito de desenvolvimento de Lordelo, por razões económicas, sociais e pela ine- em conjunto trabalharmos num sentido único. Por infra-estruturas.
abertura que nos caracteriza alicerça- xistência de reais alternativas. vezes, é nas pequenas coisas para uns e grandiosas para Se enveredarmos por essa via,
da na reflexão séria dos problemas Para o PCP/Lordelo, a região do Vale do Sousa não cumpre nenhum dos outros, que surgem grande parte dos conflitos. poderemos estar a criar condi-
que afectam o nosso povo. critérios definidos pelo anterior Governo: Quer queiramos, quer não, é normal que quem sente no ções para que, todos aqueles que
Após o feito histórico da CDU ter elei- - Índice do PIB igual ou superior a 90% da média nacional (a média da terreno as dificuldades quotidianas sejam as Associa- na comunidade desenvolvem um trabalho meritório, se
região é de 60%); ções, o corpo docente e toda a comunidade. sintam cada vez mais desalentados. FIM
to um deputado para a Assembleia de - Índice de poder de compra igual ou superior a 75% da média nacional
Freguesia de Lordelo, servirá esta (o poder de compra regional é de 65%)
publicação como órgão divulgador do - Tempo de percurso das vias alternativas que não ultrapasse uma per- Sessão da Assembleia de Freguesia de Lordelo de 26 de Dezembro 2009
trabalho que ali se efectuará pelo seu centagem superior a 130% do tempo de percurso de cada SCUT. (o tem-
representante. Cientes das responsa- po gasto no percurso alternativo é de 300% em relação ao tempo gasto Na sua primeira intervenção na Assembleia de Fregue- A bancada do PSD apresentou uma moção no mesmo
bilidades que tal tarefa acarreta, pelos troços da SCUT´s) sia, Miguel Correia, representante da CDU, colocou oito sentido, aprovada por unanimidade.
Além disso, os indicadores socioeconómicos actuais só atestam o agra- questões ao presidente da Junta, Joaquim Mota, a saber: Sobre os outros pontos, o presidente disse que tudo está
entendemos que é nosso dever expli- vamento profundo da crise económica e social vivida na região, sendo
car e divulgar as nossas propostas e 1 - Quais as diligências que o Executivo da a fazer para resolver os problemas prometen-
por isso inaceitável a introdução de mais um custo para os empresários e Junta tomou para evitar a introdução de porta- do, por exemplo, a remodelação da EN209.
actividades em prol do desenvolvi- cidadãos. gens na A42? Relativamente à questão do auditório da Junta,
mento da nossa cidade. Lembra ainda a luta da população da região que se traduziu, entre outros 2 - Para quando a requalificação da estátua Joaquim Mota admitiu a inexistência de um
Este primeiro número irá incidir sobre actos, na entrega ao Primeiro-ministro de um abaixo-assinado com mais Ribeiro da Silva? regulamento, mas afirmou que esse espaço
um tema que entendemos ser de de 63 mil assinaturas, de uma marcha automóvel com muitas centenas 3 – Para quando a resolução da falta de esta- nunca estará disponível para iniciativas políti-
de viaturas e de um buzinão em muitos pontos do distrito do Porto com cionamento e passeios na EN209, nomeada- co-partidárias.
extrema importância para todos: a enorme adesão. O último buzinão teve lugar na rotunda dos produtos
educação. mente entre o edifício da Batalha e o edifício O Orçamento para 2010 foi aprovado com os
Estrela, no passado dia 22 de Dezembro. Servilor? votos favoráveis das bancadas do PSD e PS e
Assim, com as nossas limitações, ten- O PCP/Lordelo apoia a luta desenvolvida pela população e suas comis- 4 – É possível que a Junta de Freguesia possa a abstenção da CDU, que apresentou uma
taremos dar a conhecer aos lordelen- sões de utentes e estará sempre ao lado das populações e do desenvolvi- servir para certificar a situação de desempre- declaração de voto (ver blog do PCP/Lordelo:
mento da cidade de Lordelo e da região do Vale do Sousa. Miguel Correia
ses o actual estado das coisas numa go, impedindo que os lordelenses desempre- pcplordelo.blogspot.com).
(ver mais: pcp.lordelo.blogspot.com ou www.naoasportagensnasscuts.com)
altura de viragem em que o apareci- gados tenham, de 15 em 15 dias, se apresentarem na A propósito do relatório de actividades da Junta, Miguel
mento dos pólos educativos se apre- Junta de Freguesia de Rebordosa? Correia avançou com a ideia da organização, em Lorde-
senta como uma nova realidade. DEPUTADOS COMUNISTAS EM LORDELO 5 – Para quando a colocação ou recolocação das placas lo, de Olimpíadas Internacionais de Desporto, em parce-
toponímicas nas ruas de Lordelo? rias com cidades estrangeiras, aproveitando os espaços
Urge compreender as implicações que Durante o período de campanha eleitoral, a CDU/Lordelo promoveu 6 – Porque é que após a realização de cada feira não de desportivos existentes, nomeadamente, o Pavilhão Rota
esta realidade acarreta para a vida da diversas iniciativas, entre as quais, uma conferência sobre o tema das procede imediatamente à limpeza do local? de Móveis.
comunidade. Sabemos que o tema é Cooperativas de Habitação, com a participação de Honório Novo, depu- 7 – O que pretende a Junta fazer para resolver a situação Foi ainda apresentado, pelo presidente da Câmara Muni-
vasto e não se esgota, daí que sirva tado à Assembleia da República pelo PCP, e Álvaro Pinto, sindicalista e de criação de lençóis de água, sobretudo em período de cipal de Paredes, o Projecto do Parque (2.º fase), sem
presidente da Junta de Freguesia de Parada de Todeia, e um lanche/ mau tempo, em diversos pontos da cidade, como por antes criticar fortemente um artigo publicado no Jornal
de base para um debate alargado no convívio com Jorge Machado, deputado comunista na Assembleia da exemplo, na ponte da Igreja ou na curva da EN 209 em de Notícias, em 19 de Dezembro, que se opunha ao
futuro por parte de todos os agentes República. frente à Rua José Dias Carneiro? anunciado mastro com a bandeira de Portugal (pode ler
envolvidos nesta área. 8 – Existe regulamento do funcionamento do auditório o artigo no blog do PCP/Lordelo).
Esperamos que não só este tema mas da Junta? Tal como na tomada de posse da Assembleia de Fregue-
todos os problemas com a qual a Nesta intervenção, antes do período da ordem dia, o sia de Lordelo, no passado dia 30 de Outubro, nesta
comunidade se debate num momen- eleito da CDU alertou para a circunstância de a sessão sessão ordinária da Assembleia de Freguesia, Celso
to difícil como o actual, este espaço ter começado uma hora de atraso e aludiu também ao Ferreira reafirmou que o milhão de euros previstos não
facto de não terem sido cumpridos os quesitos legais é só para o mastro, mas também para requalificar a zona
sirva como prova da intervenção polí-
pelos quais este órgão se deve reger, nomeadamente, no envolvente do Cruzeiro de Meda, em Lordelo.
tica qualificada do PCP e da CDU/ que concerne às normas pelos quais os deputados desta Assim, e ao contrário do que foi anunciado na Assem-
Lordelo, pois o nosso objectivo é ser- Assembleia devem ser convocados. bleia Municipal de Paredes e nos órgãos de comunica-
vir abnegadamente a nossa terra. Respondendo à primeira questão, o presidente da Junta ção social, em que supostamente ainda não se sabe o
disse ser contra as portagens na A42 e já ter chamado a local para esta obra, Celso Ferreira reafirmou publica-
O PCP/Lordelo Álvaro Pinto, Miguel Correia e Honório Novo (12 Setembro 2009) atenção aos órgãos competentes. O PCP/Lordelo emitiu mente, que a freguesia que vai acolher o mastro de 100
um comunicado sobre o tema, em Novembro passado. metros com a bandeira portuguesa é Lordelo.
6 A FARPA / Janeiro 2010 / 2.ª Série / N.º 1 A FARPA / Janeiro 2010/ 2.ª Série / N.º 1 3
Perante esta intransigência, a
Câmara cedeu e concordou que
Os pólos educativos
Todos os entrevistados têm
A Educação em Lordelo
alguns desses alunos continuas- expectativas positivas em rela- O Agrupamento Vertical das Escolas de Lordelo é cons- “Também disponibilizámos o polivalente para os janta-
sem em Parteira. Prometeu ain- ção ao aparecimento dos pólos tituído pelos seguintes estabelecimentos de ensino: res dos Expansivos, do Aliados, dos Escuteiros, do Car-
da, dois professores a tempo educativos mas, e usando as - EB1/JI de Corregais (R. da Abroeira); naval, do BTT 24 horas, etc. Há uma boa relação com as
inteiro e um de apoio, mas, palavras de Paula Silva, da - EB1 de Igreja (R. da Ribeira); entidades”, afiança Beatriz Castro.
segundo Laurinda Dias, a vice- Escola da Vila, “esperam para - EB1/JI de Moinhos (R. da Escola); A par destas mudanças, a directora do agru-
presidente da Associação, “tudo ver”. Contudo, esta nova reali- - JI de Parteira (R. dos Combatentes); pamento encetou uma série de requalificações
isto não se cumpriu” e lembra dade levanta algumas inquieta- - EB1 de Parteira (R. da Floresta); do espaço da Escola EB 2,3 com a preciosa
que “pedimos um contentor ções, sobretudo, no que con- - EB1/JI de Soutelo (R. Castro Araújo); ajuda de algumas empresas, da Junta de Fre-
Alguns alunos de Parteira estudam na EB1 Vila
para mais uma sala, mas disse- cerne ao problema dos trans- - EB1/JI de Vila (R. da Vila); guesia, da Câmara Municipal, mas sobretudo
ram-nos que estão à espera dos pólos educativos”. Este portes. Para a directora do agrupamento, “os novos - EB 2, 3 de Lordelo (EN209). dos pais, professores e alunos.
problema leva a que, na mesma sala, estejam alunos do pólos terão melhores condições físicas, mas receio o Este último estabelecimento passou, este ano “Pedimos às empresas os materiais. Os pro-
2º, 3.º e 4º. anos. “As turmas mistas são sempre compli- problema da deslocalização, dos transportes, terá que lectivo, a ministrar novamente o ensino fessores e os alunos pintaram e arranjaram as
cadas”, desabafa Paula Silva. haver grande articulação. Vai ser uma fase de incutir secundário, depois de um interregno de 16 Beatriz Castro salas de aula e as casas de banho, os pais pin-
Além do problema das poucas salas de aula, os pais novas regras”. anos. As escolas de Corregais e de Soutelo não têm taram e colocaram cortinas e deram mobiliário e outros
identificam outras lacunas: a falta de rede, que impeça José Luís Rodrigues também concorda com a sua imple- associações de pais. materiais. Tínhamos uma escola decadente, agora não!”,
os alunos de saltarem para fora da escola, o piso degra- mentação, desde que não sejam esquecidos alguns deta- confessa.
dado do recreio, falta de balneários, para as aulas de lhes: dotação e manutenção de equipamentos, transpor- Beatriz Castro, o rosto do agrupamento escolar A Secretaria e a nova Biblioteca Escolar são dois espa-
Actividade Física, ou, como lembra Laurinda Dias, “a tes adequados, e principalmente, estreita comunicação No terceiro ano como directora do Agrupamento Verti- ços dignos de visita.
fotocopiadora que está avariada, mas ninguém a com- entre Câmara, docentes e dirigentes associativos, “senão cal das Escolas de Lordelo, Beatriz Castro rompeu com Apesar de todas estas melhorias, Beatriz Castro reco-
põe. Não deviam ser os pais a pagar isso! passamos os vícios actuais para uma casa um tempo onde a “escola era isolada, sem ligação aos nhece que ainda há muita coisa a fazer.
Vim do Luxemburgo há 20 anos e tudo era nova”. outros estabelecimentos e à comunidade envolvente” “Encomendamos aquecedores, queremos ter um por
pago pelo Estado, aqui pagamos tudo”! Estas preocupações são partilhadas por para um tempo de uma escola aberta e inclusiva, capaz cada sala. Precisamos de cacifos novos para os balneá-
Os alunos almoçam na cantina do Centro outros pais. Paula Moreira questiona mesmo de envolver todos os intervenientes do processo educati- rios (…) É preciso arranjar uma sala de reuniões para
Sócio-Educativo de Parteira. Mas, esta situa- se os pais estão preparados para os pólos vo, em especial, os pais. Associação de Estudantes, deve ser criada porque ainda
ção levanta um problema: o transporte entre educativos: “é preciso adaptação a novas Para isso, promove reuniões com os pais e com os não há.”
estas duas entidades não é feito nas melho- regras para que não se criem maus vícios. representantes dos estabelecimentos escolares do agru- Mas pensa resolver algumas lacunas, recorrendo ao
res condições, “vão todos amontoados na Quando apareceram os apartamentos, as pes- pamento com o objectivo de envolvê-los no processo orçamento privativo da Escola EB2,3, só possível pela
carrinha do Centro”, alertam as representan- soas punham a roupa a secar, a pingar para o educativo dos seus filhos. Este envolvimento concretiza angariação de dinheiro através de algumas actividades
tes dos pais. vizinho (…) parece-me que as pessoas ainda -se na participação dos pais nas actividades escolares, escolares, para além do obtido pelo aluguer do ginásio,
O Jardim de Infância de Parteira, situado na Paula Silva não estão vocacionadas para os pólos educa- nos colóquios e debates, ou na resolução de casos de cujo dinheiro passou a reverter para a Escola e não para
Rua dos Combatentes, paredes-meias com o tivos”. indisciplina ou de baixo rendimento escolar. Esta rela- um funcionário, como acontecia antes.
prédio social, continua a sofrer de alguns problemas de Também Laurinda Dias, receia o problema do transporte ção da escola com os pais foi importante para impor Outro problema que preocupa a directora é a entrada da
insegurança e vandalismo, que podem ser resolvidos e o tempo que os alunos vão ter que esperar pelo auto- novas regras para o bom funcionamento do agrupamen- Escola EB 2,3: “é um perigo, não há passadeiras, os
com a instalação de uma nova vedação. carro, pois “é um problema quando chove”, e manifesta to, como por exemplo, o impedimento dos alunos e pais alunos saem a correr, quando chove é um pandemónio.
preocupação quanto à localização dos novos pólos: entrarem e saírem a qualquer hora dos estabelecimentos. Acho que isto é sobretudo uma questão política que
Ass. de Pais da Escola/JI de Vila “eles deviam antes avaliar onde há mais população “As pessoas acataram as novas regras, agora aplicam-se urge ser resolvida. Já falei à Junta de Freguesia e à
A Escola EB1 e JI de Vila sofre de alguns problemas de infantil e não fazer onde eles querem”! regras para resolver problemas, o que dantes não se Câmara sobre esta questão, mas nunca deram um prazo
higiene pública. O mais grave: a existência de ratos! José António Seabra mostra a sua preocupação relativa- fazia”. Dá outro exemplo: “os alunos indisciplinados em para uma nova entrada.”
“Houve desratização há pouco tempo e costuma haver mente ao destino das actuais Escolas EB1 e Jardins de vez de irem para casa de castigo prestam apoio à escola. Em relação aos outros estabelecimentos do agrupamen-
todos os anos, devido ao campo ao lado que não lim- Infância, considerando que estes estabelecimentos Limpam, ajudam na cantina, fazem trabalhos de jardina- to, esta professora lembra que “faltam cobertos em qua-
pam. Os ratos chegaram a roer algum material, mas não deviam ser aproveitados, dando um exemplo: “a escola gem, etc.”. Mas, como afirma esta responsável escolar, se todas os estabelecimentos, é preciso colocar alarmes
chegaram a ir para a cozinha!”, adianta Paula Silva, a de Corregais devia ser aproveitada para fazer um dos “não há uma receita, temos que envolver os pais”. nas Escolas” para combater os assaltos frequentes, como
presidente da Associação de Pais. Como se isto não pólos educativos, pois acho que tem condições e terreno Além dos pais, o agrupamento estabelece relações com acontece na Escola de Corregais.
bastasse, há uma mina de água que brota junto ao muro para isso”. diversas instituições. A ADIL recebe postais de Natal Para solucionar todos estes problemas não se tem inibi-
do lado da Estrada Nacional que “cria muita bicharada”. oferecidos pelos alunos e bens alimentares recolhidos do de pedir ajuda. “Sempre que eu peço, a Câmara aju-
O mau estado do pavimento exterior e o espaço exíguo DIALÉCTICA DE ESFORÇOS pela escola. A Lord da, mas deviam ajudar
da cantina são outras duas situações, que preocupam a O resultado da análise das entrevistas realizadas obriga usufrui do espaço da A zona da entrada da Escola EB 2,3 preocupa a directora mais, para os pais não
Associação de Pais. a uma reflexão por parte de todos os agentes que lidam, escola para ministrar terem que dispor do
A conjugação de esforços entre pais, empresas e Câma- directa ou indirectamente, numa área tão sensível quan- cursos sem qualquer seu dinheiro. A Câma-
ra, permitiu fazer melhoramentos no edifício: adapta- to é a Educação. contrapartida financei- ra não quer investir
ções para deficientes motores, colocação de estores, É de primordial importância estabelecer parcerias e con- ra. A GNR tenta resol- muito por causa dos
pintura das salas e das paredes exteriores, entre outros. jugação de esforços entre poder político e a comunidade ver os problemas de novos pólos escola-
Paula Silva orgulha-se da sua escola ter sido pioneira na educativa. insegurança: “levam em res.” Também por par-
aquisição do computador Magalhães, mas ainda mais de Numa altura em que o país atravessa uma crise profunda determinadas situações te da Junta de Fregue-
todo o trabalho que os pais têm feito. Os pais ajudam na e transversal a todos os sectores, mais se exige um os alunos a casa, fazem sia “notou que não
requalificação da escola (“compramos um frigorífico e empenho redobrado na resolução dos problemas. a ronda ao fim-de- querem investir muito,
uma fotocopiadora que custou mais de 1300 euros”) e Sabemos que o esforço desenvolvido na educação não é semana na EB 2,3, até mas para pequenas
participam nas diversas actividades escolares (o S. Mar- por vezes reconhecido no imediato, no entanto, só atra- lhes cedemos a chave coisas há muita pronti-
tinho, o Natal, a Páscoa ou a festa do Final de Ano). vés dele poderemos ambicionar um futuro melhor. da escola para isso”. dão”.
4 A FARPA / Janeiro 2010 / 2.ª Série / N.º 1 A FARPA / Janeiro 2010/ 2.ª Série / N.º 1 5
INQUIETAÇÕES E ACTIVIDADES DOS PAIS Para este pai, há uma relação muito estreita entre a A vedação em mau estado e um terreno por limpar, jun- Esta amizade aliada à democracia interna, permitiu esta-
Associações de Pais e o Agrupamento que se manifesta, to ao recinto escolar, são situações que também têm belecer uma boa relação com pais e professores. Esta
Ass. de Pais da Escola EB 2, 3 por exemplo, na participação dos pais em preocupado os pais, que já solicitaram, atra- relação é importante para a solução dos pro-
José António Seabra, no quarto mandato diversas actividades: colóquios, construção vés da Associação, o apoio da Câmara e blemas que afectam a Escola.
como presidente da Associação de Pais da do Carro de Carnaval – “só damos a mão-de- aguardam mais desenvolvimentos. Alguns deles já resolvidos, como são os
Escola EB 2, 3 e Secundário, e com larga obra, o tema é da responsabilidade da Esco- Consciente que a Câmara Municipal não vai casos da sala de prolongamento ou das casas
experiência como representante dos pais, foi la” –, ou na intervenção nos casos de indisci- fazer obras de fundo por causa dos pólos de banho, que não tinham condições condig-
um dos que mais lutou para que fossem cria- plina. E vai mais longe, ao dizer que “com educativos, considera que “até lá as crianças nas, ou os casos da criação da Biblioteca e
das associações de pais nas escolas do agru- esta directora (Beatriz Castro) as coisas continuam a ter aulas e devem ter condições da construção de um coberto.
pamento. melhoraram muito e até tem havido relações minimamente aceitáveis”. Mas, subsiste um grande problema: o parque
Relativamente à “sua” escola, sente-se orgu- com as outras Associação de Pais”, pois há Os pais compraram vários equipamentos e de recreio sem condições que “fica enlamea-
lhoso de ter alcançado o número recorde de pelo menos uma reunião com todas as asso- suportam a manutenção dos mesmos e dos do quando chove”. Este problema já foi
sócios, cerca de 120 pais num universo de José António Seabra ciações, em que cada uma possa expor as restantes que já existiam, ao ponto de José Paula Moreira exposto à Câmara Municipal de Paredes,
cerca de 700, que pagam uma quota anual. suas inquietações. Luís Rodrigues confessar que “em dois “mas a resposta é sempre a mesma: para quê
Esta contribuição serve, entre outras coisas, para adqui- anos gastamos mais de 5 mil euros”. A Associação tem investir se vamos fazer os pólos educativos?”, lamenta.
rir equipamento para Escola, como por exemplo, a tele- Ass. de Pais da Escola EB1 da Igreja uma conta aberta na Casa Stop para poder responder às Para alcançar os seus objectivos, a Associação nunca se
visão ou o aquário que compraram no ano passado. Apesar da Escola EB1 da Igreja ser o estabelecimento solicitações dos professores, pois “quando os professo- inibiu de pedir ajuda. “Somos conhecidos como os
Mas, lamenta: “muitas vezes sinto-me só e às vezes mais recente do parque escolar de Lordelo, tem lacunas res não têm para onde se virar, viram-se para a Associa- pedintes”, diz Paula Moreira, em tom de brincadeira,
tenho que recorrer a pessoas de fora para me ajudar”. estruturais que a Associação de Pais procura colmatar. ção”. “pedimos materiais, tintas, móveis, a várias empresas e
Por isso alerta: “é preciso que os pais participem mais, Uma delas é a falta de cantina. É por isso, que esta esco- No ano lectivo passado, entre as várias actividades pro- à Câmara e com a ajuda dos pais conseguimos resolver
pois preocupam-se mais quando acontece algo ao seu la do 1.º Ciclo, é a única de Lordelo que recebe as refei- movidas pela Associação, destaca-se a ida ao Rivoli, no todos os pequenos problemas”.
filho e menos quando ele faz algo de errado na escola”. ções confeccionadas por uma empresa privada, a qual Porto, assistir à peça de teatro “Alice no País das Mara- Além disso, promovem diversas actividades ao longo do
Dá o exemplo da alimentação e da tendência para os entrega as refeições em doses individuais às 10h da vilhas” de Filipe La Féria. A Associação financiou o ano, onde angariam fundos, que lhes permitiu adquirir
alunos se queixarem da comida. Apesar de reconhecer manhã para ser servida às 12h. Esta situação já levou transporte, os pais os bilhetes. Outra actividade relevan- diversos equipamentos: televisão, leitor de DVD, apare-
que há barulho a mais na cantina, a qualida- alguns pais a queixarem-se. te, foi a Festa de Final de Ano Lectivo, reali- lho de som para a Biblioteca e uma fotoco-
de das refeições está assegurada, pois alguns As refeições para os 57 alunos que almoçam zada no auditório da Fundação “A Lord”, piadora. A manutenção e reparação da foto-
pais, de vez em quando, de surpresa, almo- na Escola são servidas num espaço que mais que resultou na realização de um filme em copiadora são da responsabilidade dos pais.
çam na escola e concluem que “a comida é não é do que um contentor, que além do DVD. Também esta actividade contou uni-
razoável e a escola dispõe de tudo a nível de refeitório, tem algum equipamento adquirido camente com os pais, nem sequer o espaço Ass. de Pais Escola EB1 de Parteira
alimentação e muito mais barato que lá fora. pela Associação de Pais. Para José Luís foi gratuito: “Tivemos que pagar 250 euros Depois de ter estado inactiva durante algum
Era interessante haver mais pais interessados Rodrigues, o presidente da Associação, “este mais IVA à Lord, o que é injusto para uma tempo, a Associação de Pais da Escola EB1
em almoçar na cantina”. Este dirigente asso- contentor veio resolver um problema mas instituição sem fins lucrativos”, critica. Para de Parteira está recuperar a sua actividade.
ciativo admite que os pais estão atentos a trouxe outros”, como por exemplo, o facto este dirigente associativo, devia haver mais “Ainda estamos a formar a Associação”,
esta situação, mas “caem no mesmo erro e da potência instalada no quadro eléctrico ser articulação entre Câmara, Agrupamento e confessa Paula Silva, a presidente.
dão autorização para os filhos saírem. Uns José Luís Rodrigues insuficiente para aguentar todos os equipa- Associações, para que se resolvessem pro- Paula Silva Para esta mãe, os principais problemas da
vão almoçar a casas mas outros não… Vejo-os a comer mentos, pois “a escola foi dimensionada para uma coisa blemas, em simultâneo, que muitas vezes, Escola EB1 prendem-se com as condições
bolos e outras coisas do género à porta do Mini-Preço. e agora é outra”. Este contentor, que serve de cantina são comuns nas várias escolas do agrupa- físicas do estabelecimento. A falta de salas
Eles deviam ser educados em casa”. provisória, não tem ligação coberta com o edifício da mento. de aula não permitiu, que no ano lectivo
Uma das obras que ainda deseja realizar, é a construção Escola, nem o recreio tem qualquer tipo de cobertura. anterior, os alunos que terminaram o último
de uma cobertura no portão da Escola. “Antes do Celso Foi, por isso, que teve duas reuniões com o Vereador Ass. de Pais da Escola EB1/JI de Moinhos ano do Jardim de Infância de Parteira,
Ferreira se candidatar pela primeira vez à Câmara em Pedro Mendes, a 1ª em Setembro 2008, a 2ª em Novem- Paula Moreira, a presidente da Associação pudessem ser todos colocados na Escola
2005, queríamos fazer um coberto para a entrada finan- bro 2009, sobre esta e outras questões. “Nós propuse- de Pais da EB1/JI de Moinhos orgulha-se de EB1.
ciado pelo Mini-Preço. O Celso ficou a saber e disse-me mos fazer o coberto e a Câmara só arranjava os mate- pertencer a “um grupo de pessoas amigas” Alguns alunos teriam que ser colocados na
para nós não avançar com isso, prometeu fazer altera- riais, o Sr. Vereador aceitou e prometeu arranjar os em que “cada um faz aquilo em que se sente Escola da Vila!
ções na EN 209 em frente à Escola e uma nova entrada. materiais. Até hoje”, informa. à vontade. Tomamos decisões por maioria, Esta situação gerou protestos por parte de
Mas ainda nada se fez”. Seabra confessa-se arrependido Também a caldeira, que está há mais de um ano a fun- quem não concorda assume a decisão do Laurinda Dias alguns pais, que reivindicaram a permanên-
de ter acreditado no actual presidente da Câmara. cionar a 20 ou 25%, não aquece minimamente as salas. grupo e respeita aquilo que foi acordado”. cia dos seus filhos em Parteira.

População pré-escolar, de acordo com a faixa etária População escolar do 1.ª ciclo do ensino básico População escolar /percursos qualificantes População escolar no ensino básico (2º e 3º
Estabelecimento Turmas 3 anos 4 anos 5 anos Total Estabelecimento Turmas 1.º ano 2.º ano 3.º ano 4.º ano Total Tipo de Curso Tur- Alunos ciclos) e ensino secundário.
EB1 Corregais 4 21 20 20 22 83 mas Ano/Nível de ensino Turmas Alunos
JI de Corregais 2 9 22 14 45
Curso Educação e 2 39
JI de Moinhos 2 18 20 12 50 EB1 Igreja 4 22 20 20 22 84 Formação (CEF) 5.º ano (2.º ciclo) 6 144
EB1 Moinhos 5 29 39 22 23 113 Curso Profissional 1 17 6.º ano (2.º ciclo) 5 115
JI de Parteira 2 19 19 22 60
7.º ano (3.º ciclo) 5 135
JI de Soutelo 2 12 24 14 50 EB1 Parteira 3 25 13 22 5 65 População escolar - formação de adultos 8.º ano (3.º ciclo) 4 102
JI de Vila 2 14 11 13 38 EB1 Soutelo 4 18 36 24 28 106 Tipo de Curso Turmas Alunos 9.º ano (3.º ciclo) 5 118
Educação e Forma- 3 47 10.º ano (Secundário) 2 49
Totais 11 72 96 75 243 EB1 Vila 6 20 21 22 44 107
ção de adultos
Totais 26 135 149 130 144 558 Alfabetização 1 21 Totais 27 663
Fonte: Projecto Educativo do Agrupamento (PEA) - 2009/2013