Você está na página 1de 153

Dossiê

Educação, Educação Católica


e Tecnologia

Brasília, ano 41, n. 156, jun./set. 2018


Publicação Quadrimestral
Associação Nacional de Educação Católica do Brasil - ANEC

Conselho Superior
Ma. Irani Rupolo - Presidente
Me. Mario Sundermann - Vice-Presidente
Ma. Claudia Chesini - Secretária

Conselheiros
Dr. Gilberto Gonçalves Garcia
Me. Iranilson Correia de Lima
Profa. Ivanise Soares da Silva
Me. João Batista Gomes de Lima
Me. Joaquim Giovani Mol Guimarães
Dr. Josafá Carlos de Siqueira
Profa. Lioneide Brito da Silva
Dr. Maurício da Silva Ferreira
Profa. Márcia Edvirges Pereira dos Santos

Diretoria Nacional
Dr. Paulo Fossatti - Diretor Presidente
Dra. Adair Aparecida Sberga - Diretora 1ª Vice-Presidente
Me. Natalino Guilherme de Sousa - 2º Vice-Presidente
Es. Marli Araújo da Silva - Diretora 1ª Secretária
Es. Francisco Angel Morales Cano - Diretor 2º Secretário
Es. Roberto Duarte Rosalino - Diretor 1º Tesoureiro
Dr. Claudino Gilz - Diretor 2º Tesoureiro

Secretário Executivo
Es. James Pinheiro dos Santos

Presidente do Conselho Editorial


Dra. Adair Aparecida Sberga - Rede Salesiana de Escolas

Conselho Editorial
Dr. Geraldo Caliman - Universidade Católica de Brasília/Brasil
Dra. Maria Luisa Amorim Costa Bissoto - Centro Universitário Salesiano de São Paulo/Brasil
Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira - GPER - Serviços Educacionais/Brasil

Associação Nacional de Educação Católica do Brasil


SEPN Quadra 516, Bloco D, Lote 09. Edifício Via Universitas, 4º Andar – Asa Norte
CEP 70770-524 – Brasília/DF – Fone: (61) 3533-5050 – Fax: (61) 3533-5070
E-mail: revistaeducacao@anec.org.br – Home: http://revistas.anec.org.br
Publicação Quadrimestral
Associação Nacional de Educação Católica do Brasil - ANEC

Comitê Editorial
Dr. Adolfo Ignácio Calderón - Pontifícia Universidade Católica de Campinas/Brasil
Dra. Angela Ales Bello - Pontificia Università Lateranense/Vaticano
Dra. Azucena de la Concepcion Ochoa Cervantes - Universidad Autonoma de Queretaro/México
Dr. Carlo Nanni - Pontificia Università Salesiana/Itália
Dra. Cristina Costa Lobo - Universidade Portucalense Infante D. Henrique/Portugal
Dra. Elaine Conte - Universidade La Salle de Canoas/Brasil
Dra. Ivone Yared - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/Brasil
Dra. Jamylle Rebouças Ouverney - Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia da Paraíba/Brasil
Dra. Joana Paulin Romanowski - Pontifícia Universidade Católica do Paraná/Brasil
Dr. João Casqueira Cardoso - Universidade Fernando Pessoa/Portugal
Dra. Joelma Ana Gutiérrez Espíndula - Universidade Federal de Roraima/Brasil
Dr. Luiz Síveres - Universidade Católica de Brasília/Brasil
Dr. Marcos Sandrini - Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre/Brasil
Dr. Mario Sandoval - Universidade Católica do Chile/Chile
Dra. Marisa Claudia Jacometo Durante - Faculdade La Salle Lucas do Rio Verde/Brasil
Dra. Meire Silva Botelho de Oliveira - Faculdade Salesiana Dom Bosco e Universidade do
Estado do Amazonas/Brasil
Dr. Miguel Mahfoud - Universidade Federal de Minas Gerais/Brasil
Dra. Romilda Teodora Ens - Pontifícia Universidade Católica do Paraná/Brasil
Dr. Ronaldo Zacharias - Centro Universitário Salesiano de São Paulo/Brasil
Dra. Ruth Pavan - Universidade Católica Dom Bosco/Brasil
Dra. Sônia Maria de Souza Bonelli - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/Brasil
Dr. Wellington de Oliveira - Centro Universitário Teresa D’Ávila/Brasil

Equipe Editorial
Es. James Pinheiro dos Santos - Associação Nacional de Educação Católica/Brasil
Ma. Roberta Valéria Guedes de Limas - Associação Nacional de Educação Católica/Brasil
Ma. Tatiana da Silva Portella - Universidade Católica de Brasília/Brasil

Capa Responsável pela Editoração


Comunicação da ANEC Paulo César Borgi Franco

Traduções Suporte Editorial e Técnico


Carlos Mario Vásquez Es. James Pinheiro dos Santos

Endereço Eletrônico
revistaeducacao@anec.org.br

Associação Nacional de Educação Católica do Brasil


SEPN Quadra 516, Bloco D, Lote 09. Edifício Via Universitas, 4º Andar – Asa Norte
CEP 70770-524 – Brasília/DF – Fone: (61) 3533-5050 – Fax: (61) 3533-5070
E-mail: revistaeducacao@anec.org.br – Home: http://revistas.anec.org.br
SUMÁRIO
EDITORIAL

8 Editorial

DOSSIÊ

12 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Comunicação e o uso das novas mídias na educação
Communication and the use of new media in education
Comunicación y uso de nuevos medios en educación
Davi Kraner

23 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos


para reflexões
The digital teaching material in the perspective of integral education: clues for reflection
El material didáctico digital en la perspectiva de la educación integral: caminos para la reflexión
Gilson de Oliveira Cardoso e Lucia Maria Martins Giraffa

39 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada


na Universidade Católica do Salvador
The relationship between mobile technolog y and the continued evaluation methods at the
Catholic University of Salvador
La relación entre la tecnología móvil y los métodos de evaluación continuada en la
Universidad Católica de Salvador
Francis Karol Gonçalves de Almeida, Isa Beatriz da Cruz Neves e
Murilo Guerreiro Arouca

ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

52 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em


harmonia com as habilidades
Meaningful and effective learning: developing competency in harmony with the skills
Aprendizaje significativo y efectivo: desarrollando competencias en armonía con las habilidades
Christiano Corrêa Teixeira e Marcelo Figueiró
61 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico
productivo
A metodologia da pesquisa jurídica: proposta de um modelo pedagógico
produtivo
The methodolog y of legal research: proposal of a productive pedagogical model
Antonio Yesid Pedroza Estrada, Luis Beleño Chamorro e Martha María
Charris Balcázar

87 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da


Universidade Católica do Salvador (UCSal) comparativamente com o
Nordeste e o Brasil
The inequalities of access to Higher Education: students from the Catholic University of
Salvador (UCSal), compared to the Northeast and Brazil
Las desigualdades de acceso a la Educación Superior: los estudiantes de la Universidad
Católica de Salvador (UCSal), en comparación con el Nordeste y Brasil
Antônio Alberto Silva Freitas e Maurício da Silva Ferreira

110 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação


e a formação integral
Catholic Institutions of Higher Education: perspectives for integral education
and training
Instituciones de Educación Superior Católicas: perspectivas para la educación y
formación integral
Dirléia Fanfa Sarmento e Jardelino Menegat

128 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação


integrada como diferencial competitivo na gestão de instituições
de ensino
Educational marketing in focus: a reflection on integrated communication as a
competitive differential in the management of educational institutions
Marketing educativo en cuestión: una reflexión sobre la comunicación integrada
como diferencial competitivo en la gestión de instituciones de educación
Bianca Piquet da Cunha e Igor Gomes da Silva
RELATO DE EXPERIÊNCIA

141 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental


diante da problemática do bullying e a atuação psicopedagógica
The perception of teachers in the initial grades of Elementary School in the face of
bullying and psychopedagogical activity
La percepción de profesores de las series iniciales de Enseñanza Fundamental ante la pro-
blemática de bullying y la actuación psicopedagógica
Denise Bortoletto e Maria Tereza Arantes Linhares
EDITORIAL

Prezado(a) leitor(a),

A Revista de Educação ANEC se inclui no esforço concreto de realização


do planejamento estratégico da associação, centrado na concepção humanizado-
ra da educação. Para isso, está sempre atenta às preocupações, aos desafios, aos
questionamentos e aos saberes educativos. Também evidencia o compromisso
político, social e transformador no âmbito da Educação Básica e do Ensino
Superior, que se fundam na indissociabilidade entre ensino, pesquisa, extensão e
gestão das Instituições Católicas de Educação. O leitor tem acesso on-line gra-
tuito de todo conteúdo publicado.
Em seu segundo número de 2018, a Revista de Educação ANEC traz
o Dossiê: Educação, Educação Católica e Tecnologia. A proposição desse Dossiê é
apresentar propostas e possibilidades que instigam e desafiam todos os que tra-
balham com a educação. Sabemos o quanto o desenvolvimento tecnológico, nos
últimos anos, tem sido enorme, rápido e eficaz e que a tecnologia veio para aju-
dar os segmentos de negócio, estudos, pesquisas, além da sociedade em geral. E,
sem dúvida nenhuma, a tecnologia também está disponível para ser utilizada nas
salas de aula ao redor do mundo.
Na Seção Dossiê, temos como primeiro artigo, Comunicazione ed educa-
zione nell’era dei nuovi media, que quer ser um incentivo aos educadores que se
encontram no dilema de como “usar mídia digital” na ação educativa. Com
um método crítico-analítico de leitura de autores favoráveis ao uso da mídia
digital na aprendizagem escolar, emergem os seguintes pontos cruciais: o uso
da mídia digital de forma inadequada, que pode causar efeitos negativos nos
alunos, mas com o uso adequado a educação pode ter resultados muito posi-
tivos; os meios de comunicação que tem a intenção de aumentar os pontos de
acesso devem ser usados com um certo domínio e competência, caso contrário
dificultarão a aprendizagem. O uso de mídia digital na aprendizagem escolar
é desafiador e requer que os professores os utilizem para atualizar e melhorar
sua ação didática.
Continuamos nessa seção com a temática O material didático digital na perspec-
tiva da educação integral: caminhos para reflexões. Esse artigo apresenta o relato de uma
pesquisa que busca identificar os benefícios e os desafios decorrentes da utiliza-
ção do material didático digital em sala de aula, a fim de aprimorar o processo
educacional de uma escola particular da cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina.
Pretende também destacar evidências relacionadas à melhoria no desempenho

8 Editorial
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 8-11, jun./set. 2018
dos alunos, com a adoção de tais recursos, usando como indicadores as no-
EDITORIALAs reflexões e os relatos registrados podem contribuir para o
tas quantitativas.
desenvolvimento de novas ideias e de ações concretas, que correspondam aos
desafios de uma educação integral realizada em um cenário educacional caracte-
rizado pela cibercultura e pela ubiquidade, além de destacar o papel e a presença
do material didático digital.
O terceiro artigo dessa seção aprofunda A relação entre a tecnologia móvel
e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador, que reflete
as mudanças ocorridas nos métodos avaliativos das universidades e a poten-
cialidade dos ambientes virtuais de aprendizagem (AVA), proporcionando um
crescimento exponencial das tecnologias mobile, que se fazem cada vez mais
presentes na vida acadêmica dos discentes. A necessidade de uma participação
efetiva dos estudantes e de uma interação progressiva com os docentes esta-
beleceu, de forma decorrente, esse método de avaliação continuada, que per-
mite com o auxílio da tecnologia a realização de mais atividades em menores
espaços de tempo. Dessa forma, o objetivo do artigo é apresentar uma nova
perspectiva dos elos construídos entre a tecnologia móvel e os novos métodos
de avaliação continuada instituídos por algumas universidades do país.
Na Seção Artigos de Demanda Contínua, desponta como primeiro artigo
Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habi-
lidades, que reflete sobre a educação em vista da sua transformação, mudança e
utopia. O artigo afirma que precisamos nos reinventar no quesito da educação,
da cultura e da sociedade, de modo que a educação perpasse por toda sua ex-
tensão territorial, de forma instigante, significativa, atraente e eficaz, valorizan-
do quem ensina e quem aprende, apostando no protagonismo discente. Assim,
faz-se necessária uma reengenharia educacional ampla e propositiva, capaz de
atingir o país como um todo e de promover as reformas educativas tão sonhadas
pela população.
Nessa seção, temos um artigo internacional intitulado La metodología de la
investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo, realizado sob abor-
dagem qualitativa, bibliográfica e documental, utilizando a hermenêutica como
técnica descritiva e projetiva. Propõe-se a implementação de novos conteúdos
temáticos de cada um dos semestres em que o ensino do tema foi dividido em
programa de lei, utilizando como fio condutor as teorias de Carlos Sabino (1992).
Com esse trabalho, recomenda-se a nomeação de advogados com competência
em processos investigativos para liderar a metodologia da pesquisa jurídica, a
promoção de cursos para alunos de Direito, a realização de mais eventos acadê-
micos de pesquisa jurídica, aumentando as publicações científicas e apoiando o
profissional e, logisticamente, os processos de pesquisa do programa liderados
pelos advogados investigadores.

Editorial
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 8-11, jun./set. 2018 9
As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade
Católica do Salvador (UCSal) comparativamente com o Nordeste e o Brasil é um ou-
tro artigo dessa seção, o qual analisa o perfil socioeconômico e cultural dos
estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal). Esses estudantes
ingressaram no primeiro semestre de 2017, e, com base em algumas variáveis
sociodemográficas, como gênero, idade, etnia, renda familiar, escolaridade dos
pais e escola básica de origem, faz-se uma comparação do perfil dos estudantes
da UCSal com o perfil dos estudantes do Nordeste e do Brasil, tomando como
referência os resultados e os indicadores do ENADE. A partir dos dados,
analisa-se a influência dessas variáveis no acesso e na escolha das carreiras dos
estudantes no Ensino Superior.
Outro artigo dessa seção traz um aprofundamento sobre as Instituições de
Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral, cujas pers-
pectivas enfocam na educação e na formação integrais dos acadêmicos, que são
pautadas pela ética, pelo respeito à vida e pela construção de uma sociedade mais
justa e solidária. Os dados coletados por meio da análise documental e do ques-
tionário e analisados com base na técnica de análise de conteúdo indicam como
perspectiva para a oferta de um itinerário formativo que contribua para a educa-
ção e a formação integrais dos acadêmicos, a articulação entre ensino, pesquisa e
extensão, focalizando: a) a interação com a comunidade, o comprometimento e
a corresponsabilidade na melhoria do entorno, com atenção especial às questões
ambientais; b) a postura ética nos modos de atuação da IES; c) o ambiente ins-
titucional de acolhimento, cuidado e valorização dos atores da ação educativa; e
d) o fortalecimento do protagonismo pessoal e coletivo.
O último artigo dessa seção reflete o Marketing educacional em foco: uma re-
flexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo na gestão de instituições de
ensino e tem a perspectiva de compreender a dinâmica do mercado educacional,
que são fundamentais para que os gestores alinhem as instituições de ensino às
demandas de um mundo globalizado em constante processo de transformação
e inovação. Refletindo sobre a importância da comunicação integrada, que per-
mite a sinergia das ações da comunicação interna, institucional e mercadológica,
constata-se que seus resultados são evidenciados no comprometimento das pes-
soas no âmbito interno e na capacidade competitiva da instituição de ensino no
mercado, no âmbito externo.
Na Seção Relato de Experiênciam temos um artigo que investiga A per-
cepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do
bullying e a atuação psicopedagógica. A pesquisa analisa as percepções de professores
que atuam do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, em uma escola da rede pri-
vada de ensino de Uberlândia-MG, sobre a problemática do bullying. Os resul-
tados apontam que os professores compreendem conceitualmente o fenômeno
do bullying e suas formas de incidência nas escolas, sugerindo a atuação psico-

10 Editorial
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 8-11, jun./set. 2018
pedagógica e preventiva para auxiliar a escola a minimizar situações relacionadas
à prática do bullying, além de contribuir para a efetivação de uma sociedade
solidária e mais democrática.
Por meio de chamada pública para a submissão de artigos, conforme edital
nº 2/2018, divulgado no sítio da ANEC e nas redes sociais, recebemos 18 artigos.
O processo de avaliação deles foi realizado com a participação de 38 avaliadores,
oriundos de diversas instituições de Ensino Superior, com expertise em ensino,
pesquisa e extensão na referida temática apresentada. Concluídos os processos
de seleção e a avaliação, 9 artigos integram o presente número, que compõem e
complementam o Dossiê temático. Na capa e contracapa, figuram imagens de
livros que representam a Educação Católica em seus diversos aspectos.
Aos que contribuíram para a realização deste número, autores e avaliado-
res ad hoc, os nossos mais cordiais agradecimentos. Na oportunidade, manifesta-
mos nosso reconhecimento e nossa estima aos membros do Conselho Superior
e da Diretoria da ANEC pela confiança depositada no Comitê desta Revista,
que se dedica à Educação Católica do Brasil por meio da disseminação de ideias,
reflexões e formação científica.
Boa leitura!

Ir. Adair Aparecida Sberga


Editora-Chefe

Editorial
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 8-11, jun./set. 2018 11
DOSSIÊ

Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Davi Kraner1

Sommario: L’articolo è un incoraggiamento agli educatori che si trovano nel dilemma


“se utilizzare i media digitali” nell’agire didattico. Si parte dall’agire didattico che richiede
la capacità di controllo sulla comunicazione. Una comunicazione è didattica quando si
ha il controllo della voce, della mimica del volto, della gestualità e della prossemica. Con
un metodo di lettura critico-analitica degli autori che sono a favore dell’utilizzo di media
digitali nell’apprendimento scolastico emergono i seguenti punti cruciali: l’utilizzo dei
media digitali in modo non appropriato può provocare degli effetti negativi sugli stu-
denti; invece con un’educazione adeguata può avere dei risultati molto positivi; i mezzi
di comunicazione utilizzati con l’intenzione di aumentare i punti di accesso (per capire
meglio i contenuti) devono essere usati con una certa padronanza altrimenti ostacolano
l’apprendimento; l’utilizzo dei media digitali nell’apprendimento scolastico sono la sfida
sia per gli studenti sia per gli inseganti; si richiede l’utilizzo dei nuovi media agli inseg-
nanti per aggiornare e migliorare il loro agire didattico. Quindi con un approccio sereno
e critico si può migliorare l’apprendimento nelle scuole.
Parole chiave: Comunicazione. Media. Digitale. Didattica. Apprendimento.

Comunicação e o uso das novas mídias na educação

Resumo: O artigo é um incentivo para educadores que se encontram no dilema de


como “usar mídia digital” na ação educativa. Começa a partir da ação didática que
requer a capacidade de controlar a comunicação. Uma comunicação é didática quando
há controle da voz, expressões faciais, gestos e proxêmica. Com um método crítico-a-
nalítico de leitura de autores favoráveis ao uso da mídia digital na aprendizagem esco-
lar, emergem os seguintes pontos cruciais: o uso da mídia digital de forma inadequada
pode causar efeitos negativos nos alunos; com uma educação adequada pode haver
resultados muito positivos; os meios de comunicação utilizados com a intenção de
aumentar os pontos de acesso (para entender melhor o conteúdo) devem ser usados
com um certo domínio e competência, caso contrário dificultarão a aprendizagem. O
uso de mídia digital na aprendizagem escolar é desafiador tanto para os alunos quanto
para os professores, o que requer o uso de novas mídias para que os professores atua-

KRANER, D.

12 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
lizem e melhorem sua ação didática. Portanto, com uma abordagem reflexiva e crítica,
a aprendizagem pode ser eficaz e alcançar novos resultados nas escolas.
Palavras-chave: Comunicação. Mídia digital. Didática. Aprendizagem.

Communication and the use of new media in education

Abstract: The article is an incentive for educators who find themselves in the dilemma
of how to “use digital media” in educational action. It starts from didactic action that
requires the ability to control communication. Communication is didactic when there
is voice control, facial expressions, gestures and proxemics. With a critical-analytical
method of reading authors favoring the use of digital media in school learning, the
following crucial points emerge: inappropriate use of digital media can have negative
effects on students; instead, having a proper education can have very positive results;
the means of communication used with the intention of increasing the access points (to
better understand the content) should be used with a certain mastery and competence,
otherwise they will make learning difficult. The use of digital media in school learning
is challenging for both students and teachers, this requires the use of new media for tea-
chers to update and improve their didactic action. Therefore, with a reflexive and critical
approach, learning can be effective and achieve new results in schools.
Keywords: Communication. Digital media. Didactics. Learning.

Comunicación y uso de nuevos medios en educación

Resumen: El artículo es un estímulo para educadores que se encuentran ante el dilema


de cómo usar los medios digitales en la acción educativa. Comienza a partir de la acción
didáctica que requiere la capacidad de controlar la comunicación. Una comunicación
es didáctica cuando incluye control de la voz, expresiones faciales, gestos y proxémica.
Con un método crítico-analítico de lectura de autores favorables al uso de los medios
digitales en el aprendizaje escolar, emergen los siguientes puntos cruciales: el uso de los
medios digitales de forma inadecuada puede causar efectos negativos en los alumnos; en
su lugar, con una educación adecuada puede tener resultados muy positivos; los medios
de comunicación utilizados con la intención de aumentar los puntos de acceso (para
entender mejor el contenido) deben ser usados con un cierto dominio y competencia,
de lo contrario, dificultarán el aprendizaje. El uso de medios digitales en el aprendizaje
escolar es desafiante tanto para los alumnos como para los profesores, esto requiere el
uso de nuevos medios para que los profesores actualicen y mejoren su acción didáctica.
Por lo tanto, con un enfoque reflexivo y crítico, el aprendizaje puede ser eficaz y lograr
nuevos resultados en las escuelas.
Palabras clave: Comunicación. Medios digitales. Didáctica. Aprendizaje.

Introduzione

Sono cambiate molte cose nella scuola degli ultimi anni. Nell’insegnamen-
to, oggi, ci sono nuovi programmi, nuove metodologie, nuove tecnologie, ma

KRANER, D.
Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018 13
anche nuovi problemi. Subito emergono le due domande: Gli insegnanti sono
preparati per tutte queste novità? Gli studenti raggiungono risultati positivi? Sa-
ppiamo bene che l’agire didattico richiede la capacità di controllare la propria
voce e comunicare didatticamente. Secondo il professore e ricercatore italiano
Cesare Rivoltella2, una comunicazione è didattica quando si ha il controllo della
voce, della mimica del volto, della gestualità e della prossemica. La voce è sempre
accompagnata con le espressioni non verbali: la mimica del volto, la gestualità,
la prossemica, la capacità di fare uso del proprio corpo in relazione allo spazio
e alla posizione che gli altri corpi occupano. Per quanto riguarda i codici grafici,
cioè il testo scritto, il disegno, gli schemi, le immagini fisse e in movimento, le
mappe concettuali, secondo Rivoltella, sono un supporto e un complemento
con due funzioni:
a) moltiplicano dei punti di accesso al sapere e quindi presentano un con-
tenuto anche in modo cinestesico, corporeo, logico in modo che il desti-
natario lo comprenda più facilmente;
b) l’orientamento visivo della cultura occidentale centrata più sul visivo,
cioè far vedere come stanno le cose: con i codici tecnici, con lavagna, con
proiettore e con i codici grafo visivi, cioè con le immagini e con i grafici
(RIVOLTELLA, 2017).

La comunicazione didattica quindi richiede anche una certa padronanza


di utilizzo dei media digitali. Però proprio essi, i nuovi media, hanno riportato
anche nell’ambito dell’educazione dei veri disagi. Anzitutto si trovano in disagio
gli insegnati. Consapevoli di rimodificare i loro modelli d’insegnamento sono
incerti. Questa incertezza viene provocata anche dagli scienziati e dagli esperti
tecnologici stessi, tra i quali alcuni si fidano totalmente nelle nuove tecnologie
mentre altri rimangono critici e sospettosi. Gli studenti, sempre connessi con
social network, sperimentano nella vita reale il problema di socializzarsi, di re-
lazionarsi. Le ultime ricerche invece rivelano che siamo sempre più distratti e la
nostra capacità di concentrarsi su un’unica cosa è peggiorata. Le applicazioni, le
nuove tecnologie lampeggianti, possono essere un supporto che aiuta “aprire i
punti d’accesso”, o sono un ostacolo che ha deformato i nostri cervelli e com-
portamenti?

La quarta ondata

I mezzi di comunicazione che oggi si utilizzano per gestire un sistema


d’informazione e di rapporti interpersonali sono il prodotto di un processo
che è maturato attraverso quattro rivoluzioni della comunicazione nel corso
della storia umana. L’ultima fase, la più giovane, ovvero la “quarta tappa della
comunicazione” - come la definisce Giancarlo Livraghi, parafrasando Alvin

KRANER, D.

14 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
Toffler3 -, è Internet. Egli spiega che le “ondate” che avevano preceduto In-
ternet erano state la scrittura, la stampa, l’editoria, la radio e la televisione,
ciascuna delle quali aveva influenzato la cultura e la società in modo proprio
(LIVRAGHI, 2005).
Come nella storia ogni nuovo mezzo di comunicazione ha cambiato anche
le nostre relazioni e così ha cambiato anche i modelli di apprendimento, perché
le tecnologie della comunicazione erano sempre anche un supporto per insegna-
re. Però il problema è naturalmente all’inizio, perché non si conoscono le espe-
rienze precedenti e neppure si conoscono bene gli effetti negativi. La maggiore
conoscenza dei codici dei nuovi media e delle situazioni di alunni, nei confronti
con i nuovi media, potrebbe migliorare i modelli di apprendimento.
Non solo di fronte alle nuove tecnologie e ai nuovi media si chiede di
avere un approccio critico. Si richiede anche la criticità verso gli autori, che
con poca prudenza diffondono la propria tecno utopia. Alcuni autori, come
Pierre Lévy (1996, 1997, 2008), enfatizzano le potenzialità della rete, il ruolo
rivoluzionario del cyberspazio e la visione utopica dell’intelligenza collettiva,
rischiano però di ignorare la complessità dei contesti sociali, politici ed eco-
nomici. I testi di Lévy sono stati scritti in un momento storico di forti attese
sulla rete, con la sensazione che il mondo reale sarebbe scomparso da un mo-
mento all’altro. La realtà dell’evoluzione della rete, ci ha poi insegnato, che si
è interconnessa con il tessuto sociale reale con delle implicazioni non prive di
conseguenze. Se è vero che Internet nasce come progetto militare e per molti
aspetti continua ad essere usato per scopi bellici, è anche vero che la sua es-
pansione nel mondo scientifico prima, e in quello civile poi, ha portato una
delle più grandi rivoluzioni del secolo scorso (CASTELLS, 2006). Purtroppo
ai sogni utopistici di un Internet completamente libero è seguito il periodo di
grande espansione della rete grazie soprattutto al fenomeno della globalizza-
zione dei mercati degli anni Ottanta. Internet è diventato uno strumento ir-
rinunciabile per qualsiasi forma di business, ma è anche vero che Internet, con
la rivoluzione web 2.0 è diventato un mirabile strumento di moltiplicazione
dell’informazione e della comunicazione globale. Questi rapidi cambiamenti
non hanno lasciato indenni le istituzioni che si basavano su forme classiche di
comunicazione centralizzata che si sono viste bypassate nel loro ruolo di con-
trollori dell’informazione (CASTELLS, 2009). I cambiamenti apportati dalla
rete non sono solo sul versante della comunicazione ma hanno implicato una
ridefinizione del concetto di territorio, di comunità di governo e oggi sempre
di più si parla di “società in rete” (CASTELLS, 2008) indicando quasi che se
non si è in rete non si è nemmeno in società.
L’educazione nella “società in rete”, sembra essere sempre più indebolita. Un
esempio è raccontato da Maggie Jones4, giornalista statunitense. Secondo lei, pur-
troppo, oggi gli insegnanti e i genitori non hanno raggiunto una criticità sufficiente.

KRANER, D.
Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018 15
In un articolo sottolinea quanto gli insegnati e i genitori di oggi siano ingenui nella
educazione dei propri figli. Le ultime ricerche, condotte dall’Indiana University nel
2016, svelano che il maggior numero degli adolescenti di 14 e 18 anni guarda i video
porno (promossi da diverse applicazioni, come soprattutto Snapchat) e più di metà
dei loro genitori pensa che in realtà loro non lo facciano (JONES, 2018).
Le cuffie nelle orecchie dei giovani, che sono appiccicati sui loro smar-
tphone e sempre connessi in internet, sono diventate indispensabili supplementi
dell’abbigliamento. Questo stile, non solo per i giovani, è diventato una cosa
normale. Così oggi speso incontriamo in strada, in classe, a casa e in qualsiasi
altro posto le persone che si muovono isolati in una “bolla”. È “normale” che
mentre si studia, si parla con qualcuno, o si fanno altre attività, gestendo anche il
proprio smartphone. Il nostro cellulare oggi lampeggia in tutti i colori possibili
in qualsiasi posto ci troviamo. Ma questo è veramente “normale”? Cosa succede
oggi con i giovani che sono esposti su tutte queste applicazioni? Il problema è
che con tutti questi “impegni” sui nostri cellulari siamo sempre più distratti.
Come può uno studente concentrarsi a fare un compito, se è bombardato
dai messaggi di colore blu della chat su Facebook, dall’azzurro cinguettio su
Twitter, che lo invita di vedere un video, dal giallo-viola-blu icona di Instagram,
che mostra una bellissima foto del tempo reale? Snapchat è diventata l’applica-
zione più interessante per i giovani. La cosa che gli adolescenti adorano di più
sono i “streak” (la traccia): un cuore dorato per migliori amici, un cuore rosso
per migliori amici da due settimane di seguito, doppio cuore rosa dopo due mesi,
e così via. Tra gli adolescenti gli streak sono al centro del discorso. Ma diventa
preoccupante la loro convinzione: se perdi gli streak, perdi gli amici. Doppio
problema quindi: la distrazione e la prevalenza delle relazioni virtuali.
Per il giornalista francese Lorraine de Foucher, queste applicazioni sono
“pirati del cervello” e “pirati dell’attenzione”. Sostenendo la sua idea ci si riferis-
ce a un ex designer di Google, chiamato Harris. Egli afferma che la colpa non è
degli adolescenti distratti, ma delle aziende come Apple, Facebook e Google che
fanno di tutto per rubare il tempo libero del nostro cervello (FOUCHER, 2018).
In un esempio estremo può capitare se nella stessa aula l’insegnante e gli
alunni si trovano molto lontani uno dall’altro. In un primo luogo appaiono le diver-
genze a causa dei discorsi svolti nel cyberspazio. I discorsi svolti nel cyberspazio,
secondo Antonio Tursi5, sono determinati da due processi convergenti: “pubbli-
cizzazione del privato” e “privatizzazione del pubblico” (TURSI, 2011). Il primo
intende mostrare piccoli banali frammenti di vita quotidiana sulla piattaforma co-
mune. Gli utenti e i loro amici si pubblicizzano, mostrando al mondo intero tutti gli
aspetti della propria vita quotidiana (TURSI, 2011). Questo processo è iniziato già
prima di Internet quando si trattava dell’influenza dei media elettronici sull’identità
di gruppo (MEYROWITZ, 1993). Il secondo processo di privatizzazione eviden-
zia il fatto che, le persone possono essere contemporaneamente presenti in uno

KRANER, D.

16 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
spazio-tempo diverso. Tursi fa l’esempio di chiacchierate tramite il telefono mobi-
le, di scambi di messaggi o foto digitali: pur essendo in un luogo pubblico, è come
se si fosse “protetti da una bolla”, che esclude chi ci sta intorno. Altro esempio
è lo sviluppo urbanistico contemporaneo. Si costruiscono spazi di condivisione
che sono controllati dai proprietari e dalle loro esigenze private, un tipo di gated
communites – comunità recintate. Si creano spazi privati di gruppo come risultato
della privatizzazione difensiva dello spazio. La metropoli moderna così costruita,
rischia di diventare un insieme di spazi privati. Le vie e le piazze sono piene di tele-
camere per esercitare il regime di videosorveglianza (TURSI, 2011).
L’approccio critico verso i nuovi media, considerando i difetti che essi
provocano, diventa oggi indispensabile per comprendere il giovane e per essere
un educatore. Come i nuovi media sono diventati parte della nostra cultura, au-
tomaticamente sono diventati anche parte del nostro relazionarsi. I media quindi
sono diventati indispensabile supporto didattico.

Le quattro azioni didattiche favorite dai nuovi mezzi di


comunicazione

Nella situazione sovra descritta si deve ripensare come progettare la lezio-


ne, come gestirla e come valutarla. La necessità di aggiornare e adeguare i modelli
d’apprendimento alla cultura contemporanea è stata presente in tutte le epoche della
storia. La scuola deve garantire ai giovani la possibilità di utilizzare quei linguaggi e
quei dispositivi che sono una presenza normale nella loro vita. Di questo è convinto
anche Cesare Rivoltella6, per il quale è fondamentale rielaborare le quattro principali
azioni che le tecnologie didattiche favoriscono: 1) rappresentare, 2) comunicare, 3)
condividere e 4) produrre (GARAVAGLIA; RIVOLTELLA, 2017).
1) Rappresentare. La presentazione dei contenuti deve favorire gli studenti nel
comprendere meglio, nel facilitarne la comprensione. Ogni presentazione rischia di
ridurre il contenuto al banale e di perdere il senso profondo. Richard Mayer tratta di
cinque processi cognitivi per le rappresentazioni multimediali (MAYER, 2001):
i) selezionare le parole funzionali alla comprensione del contenuto;
ii) selezionare le immagini rilevanti per il processo della memoria visiva;
iii) organizzare le parole selezionate all’interno di modelli verbali;
iv) organizzare le immagini selezionate all’interno di modelli visivi;
v) integrare le rappresentazioni verbali e le rappresentazioni visuali.

I cinque processi cognitivi sono fondamentali per la presentazione multime-


diale dei contenuti. Ma ci vuole sempre molta attenzione per non aggiungere con
le nostre rappresentazioni, ulteriori difficoltà nella comprensione del contenuto.
Qualsiasi contenuto s’insegna, esso ha una “difficoltà intrinseca” non evitabile.
Importante è quindi facilitare l’acceso alla comprensione e non ostacolarla.

KRANER, D.
Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018 17
2) Comunicare. La comunicazione amministrativa della scuola si divide
in tre livelli: livello dell’aula (studente – insegnante), livello della scuola (l’inseg-
nante – il dirigente della scuola – i servizi amministrativi – le famiglie) e livello
territoriale (la scuola – le altre scuole – le altre agenzie formative). All’interno
di tutti questi tre livelli di comunicazioni ci sono quattro dimensioni che, con
i nuovi mezzi di comunicazione, devono essere continuamente aggiornate: in-
formativa, relazionale, esplorativa, partecipativa. La dimensione informativa
riguarda la disponibilità delle tecnologie digitali. Esse oggi dispongono di fare
le ricerche su internet nella classe in tempo reale e permettono la costruzione
di biblioteche e di cataloghi da condividere. La dimensione relazionale può
essere complementare con le applicazioni che sostengono la comunicazione
come: Skype, WhatsApp, Messenger, Google Drive ecc. Con i nuovi mezzi di
comunicazione si influisce anche sulla partecipazione nella classe (gli studenti
che utilizzano i nuovi media nella classe) e anche la partecipazione esterna
(partecipazione degli genitori e figli utilizzando dei blog di classe o piattafor-
me) (GARAVAGLIA; RIVOLTELLA, 2017, p. 265-266).
3) Condividere. I nuovi mezzi di comunicazione permettono l’interazione
tra soggetti. Tutti i contenuti possono essere condivisi non solo in classe ma
anche con un gruppo più ampio. I confini non sono più quelli fisici, ma quelli
professionali. In modo particolare si tratta di cloud, tra i quali i più comuni sono
Dropbox, Google Drive, Icloud, ecc. Quando si tratta di un lavoro del gruppo,
convergente verso un fine comune, attraverso la distribuzione dei compiti all’in-
terno del gruppo si parla di cooperazione. Quando invece si hanno intenzioni
competitive è collaborazione (GARAVAGLIA; RIVOLTELLA, 2017, p. 266).
4) Produrre. Gli autori di libro A Pedagogy of Multiliteracies. Learning
by Design, Cope e Calantzis, sono convinti che oggi bisogna includere tutti i
linguaggi (non limitare la scuola al solo alfabetismo tradizionale). Nel produr-
re cambiano i protagonisti, essi diventato gli studenti. Cambia anche il ruolo
dell’insegnante: lui diventa attivatore di competenze, riflessione metacognitiva,
accompagnamento attraverso chiarimenti, guida e attivatore di approfondimenti.
I contenuti prodotti attraverso nuovi media, poi vengono riflettuti da un’audien-
ce più larga. La produzione è un’occasione per rendere gli studenti maggiormen-
te autonomi nel costruire un vero progetto (COPE; KALANTZIS, 2016).
Le quattro azioni didattiche dipendono dalla capacità professionale degli
educatori. Non si tratta tanto della capacità di utilizzo dei nuovi media, quanto
della comunicazione didattica.

Pragmatica della comunicazione didattica

La pragmatica della comunicazione didattica collega insieme l’uso dei co-


dici e la costruzione dei significati con le attività in un certo contesto. Per quanto

KRANER, D.

18 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
riguarda la comunicazione didattica essa, secondo Rivoltella (vedi Immagine 1),
essa si distingue in quattro dimensioni: informativa, relazionale, esplorativa e
partecipativa (RIVOLTELLA, 2017, p. 79-83).
La dimensione informativa, riguarda la consegna e la ricezione del patri-
monio culturale. Oggi si cerca di evitare le unilateralità: l’istruzionismo e le le-
zioni frontale. La seconda è la dimensione relazionale con l’alunno. Si tratta della
convivenza di maestro e allievi, d’interazione profonda, d’informare con esem-
pio e testimonianza, d’insegnare a fare (tutorato, coaching, mentoring). Molto
comune diventa la didattica one-to-one (l’orientamento, lezione dialogica, le di-
verse forme di accompagnamento). Terza è la dimensione esplorativa. Si tratta
dell’attività outdoor (fuori della classe, come didattiche e viaggi d’istruzione) e
le attività indoor (problem solving, l’Adaptive Decision Making). L’ultima è la
dimensione partecipativa, dove si tratta dei metodi attivi (come la simulazione, le
role plaing, lo stage, i tirocini, clinic, summer school).

Immaggine 1. Le dimensione della comunicazione didattica.


Dimensioni Centratura Apprendimento Didattica
Informativa Contenuti, discipline Mnemonico Lezione frontale
Relazionale Esempio, testimonianza Imitativo Dialogo
Esplorativa Problemi, ambienti real life Per scoperta Visite didattiche, problem
solving, metodi investigativi
Partecipativa Situazioni immersive Esperienziale Metodi attivi, lavoro di gruppo
Fonte: Rivoltella (2017, p. 83)

In ogni caso, i media e le tecnologie, se migliorano l’apprendimento o


non, sono un’opportunità per lo studente e per l’insegnante. Opportunità per
lo studente perché hanno il carattere di multimedialità (dispongono che lo
studente utilizzando lo stesso dispositivo possa leggere testi, ascoltare musi-
ca, guardare video, navigare in internet), hanno una forma perfetta (piccoli,
leggeri, maneggevoli, portabili, connessi), sono autoriali (gli studenti possono
scattare foto, girare video, registrare voce, fare calcoli, comunicare) e perché
estendono i confini dell’aula. Opportunità per l’insegnante invece, è produrre
un ritorno riflessivo sulle sue pratiche (ripensa a come progetta la lezione, a
come la gestisce, a come valuta) e di agire professionale (modificare le sue cor-
nici mentali) (GARAVAGLIA; RIVOLTELLA, 2017).

Le sfide

Al conclusione di questa riflessione dobbiamo riferirci alle due domande


iniziali: “Gli insegnanti, sono preparati per tutta questa novità?” e “Avranno
gli studenti i risultati positivi?” Forse dobbiamo trasformarle e chiederci: Gli

KRANER, D.
Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018 19
insegnanti, sono preparati per educare? Più dei contenuti, dei nuovi program-
mi, delle nuove metodologie e delle nuove tecnologie, deve interessarci l’edu-
cazione stessa.
Abbiamo detto che i cellulari dei giovani lampeggiano, di tutti i colo-
ri possibili delle applicazioni odierne e che gli educatori spesso ricorrono al
vecchio metodo di vietare. Tutti sappiamo bene che oggi i divieti non porta-
no frutti. Essi ci chiudono gliocchi davanti ai grossi problemi. Oggi è inutile
vietare ai ragazzi di usare i cellulari, oppure di ritardare l’età di ingresso ai
social network, vietare di frequentare i siti dai contenuti sporchi (pornografici,
bellici o violenti) ecc. Più efficace sarà affrontare il problema, analizzando dei
contenuti e dei messaggi, analizzando dei modi e degli stili propagandistici,
mostrando delle conseguenze attraverso gli esempi concreti e dare le chiavi
per la lettura critica dei contenuti. Come dichiara Rivoltella (vedi Immagine 1),
bisogna essere attenti a tutte le quattro dimensioni: informativa, relazionale,
esplorativa e partecipativa.
Come un educatore può affrontare queste esigenze educative? La rispos-
ta viene bene spiegata da ciò che dice Rivoltella per il futuro dell’educazione.
Il futuro e le linee di tendenza, come sottolinea Rivoltella, sono tre: i modelli
costruttivi e collaborativi, interattivi e circolari; inclusione dei media e del-
le tecnologie e la comunicazione didattica “a largo spettro” (RIVOLTELLA,
2017, p. 71). Un ideale sarebbe avere la scuola dove gli studenti sono capaci
dell’approccio critico e creativo, e dove sanno produrre-creare e collaborare,
dove gli insegnanti sono capaci ridefinire le strategie didattiche includendo i
nuovi mezzi di comunicazione e così estendere la propria comunicazione con
la classe oltre lo spazio dell’aula, condividendo le proprie esperienze attraverso
i principali social network con gli altri colleghi (non limitandosi allo spazio e
luogo, ma solo alla professione). Più gli studenti saranno capaci di usare e di ri-
flettere i contenuti che si trovano in cyber spazio in modo critico, meno difetti
e meno distrazioni ci saranno.
In altre parole, la responsabilità di un educatore è il continuo aggiorna-
mento delle situazione e dei contesti nei quali i ragazzi oggi vivono e il continuo
approfondimento dei contenuti d’insegnamento. Si tratta di un processo conti-
nuo e dinamico. Gli educatori quindi non devono spaventarsi dalla doppia faccia
dei nuovi media, ma nemmeno fidarsi ingenuamente di essi. Devono essere nella
creativa collaborazione con i colleghi. Insieme con essi produrranno dei conte-
nuti, dei nuovi programmi, delle nuove metodologie usando le nuove tecnologie
per l’educazione efficace.

Recebido em: 12/03/2018


Revisado pelo autor em: 20/04/2018
Aceito para publicação em: 23/04/2018

KRANER, D.

20 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
Notas
1 Dottore in Scienze delle comunicazioni sociali (laureatosi nel 2017 alla Facoltà della Comu-
nicazione Sociale presso l’Università Pontificia Salesiana a Roma), assistente presso la Facoltà
di Teologia (http://www.teof.uni-lj.si) dell’Università di Lubiana (Slovenia), attualmente pos-
tulatore della causa di beatificazione del servo di Dio Danijel Halas (presunto martire). E-mail:
davidkraner@gmail.com
2 Pier Cesare Rivoltella è professore ordinario di Didattica presso l’Università Cattolica di Milano
dove dirige il CREMIT (Centro di ricerca sull’educazione ai media, all’informazione e alla tecno-
logia). È presidente nazionale della SIREM (Società italiana di ricerca sull’educazione mediale).
3 Alvin Toffler futurologo e scrittore statunitense, da anni studia i mezzi di comunicazione e il
loro impatto sulla cultura.
4 Maggie Jones è una giornalista statunitense. Per il New York Times si occupa di questioni
legate al genere, all’età e all’appartenenza etnica. Per scrivere questo articolo “La pornografia fa
scuola” ha intervistato per un anno decine di adolescenti in tutti gli Stati Uniti.
5 Antonio Tursi è ricercatore in Teoria della comunicazione e seguace del MacLuhan Program
in Culture and Technology. Oltre che di politica, si è occupato del rapporto tra mezzi di comu-
nicazione e arte.
6 Pier Cesare Rivoltella è professore ordinario di Didattica presso l’Università Cattolica di Milano
dove dirige il CREMIT (Centro di ricerca sull’educazione ai media, all’informazione e alla tecno-
logia). È presidente nazionale della SIREM (Società italiana di ricerca sull’educazione mediale).

Referências

CASTELLS, Manuel. Galassia internet. Milano: Feltrinelli, 2006.


______. La nascita della “società in rete”. Milano: Egea, 2008.
______. Comunicazione e potere. Milano: Università Bocconi Editore, 2009.
COPE, Bill; KALANTZIS, Mary (Eds.). A pedagogy of multiliteracies. Lear-
ning by Design. London: Palgrave, 2016.
DE FOUCHER, Lorraine. I pirati del cervello. Internazionale, n. 1239, p. 56-
58, 2018.
GARAVAGLIA, Andrea; RIVOLTELLA, Pier Cesare. Insegnare e apprendere
con le tecnologie. In: RIVOLTELLA, Pier Cesare; ROSSI, Pier Giuseppe (Eds.).
L’agire didattico. Manuale per l’insegnante. Brescia: ELS LA SCUOLA, 2017.
p. 259-271.
JONES, Maggie. La pornografia fa scuola. Internazionale, n. 1244, p. 38-46,
feb. 2018.
LÉVY Pierre. L’intelligenza collettiva. Per un’antropologia del cyberspazio.
Milano: Feltrinelli, 1996.
______. Il virtuale. Milano: Raffaello Cortina Editore, 1997.

KRANER, D.
Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018 21
______. Cyberdemocrazia. Saggio di filosofia politica. Milano: Mimesis, 2008.
LIVRAGHI, Giancarlo. La “quarta ondata” della comunicazione. L’infanzia di
un mondo nuovo. In: BASSAT, Luis; LIVRAGHI, Giancarlo. Il nuovo libro
della pubblicità. I segreti del mestiere. Milano: Il Sole 24 Ore, 2005.
MAYER, Richard E. Cognitive theory of multimedia learning. In: ______. (Ed.).
The cambridge handbook of multimedia learning. New York: Cambridge
University Press, 2001. p. 31-48.
MEYROWITZ, Joshua. Oltre il senso del luogo. Come I media elettronici
influenzano il comportamento sociale. Bologna: Baskerville, 1993.
RIVOLTELLA, Pier C. La comunicazione e le relazioni didattiche. In: RIVOL-
TELLA, Pier; ROSSI, Pier (Eds.). L’agire didattico. Manuale per l’insegnante.
Brescia: ELS LA SCUOLA, 2017. p. 71-86.
TURSI, Antonino. Politica 2.0. Blog, Facebook, Wikileaks: ripensare la sfera
pubblica. Milano: Mimesis, 2011.

KRANER, D.

22 Comunicazione ed educazione nel era dei nuovi media


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 12-22, jun./set. 2018
DOSSIÊ

O material didático digital na perspectiva da educação integral:


caminhos para reflexões
Gilson de Oliveira Cardoso1
Lucia Maria Martins Giraffa2

Resumo: Este artigo apresenta o relato de uma pesquisa que buscou identificar os
benefícios e os desafios decorrentes da utilização do material didático digital em sala de
aula, a fim de aprimorar o processo educacional de uma escola particular da cidade de
Rio do Sul, em Santa Catarina. Buscou-se também evidências relacionadas à melhoria
no desempenho dos alunos com a adoção de tais recursos e foram usadas como indi-
cadores as notas quantitativas. A condução metodológica contemplou levantamento
bibliográfico e registros históricos com o intuito de descobrir como foi desenvolvido
o processo de implantação do material didático digital naquele ambiente escolar. Espe-
ra-se que as reflexões e os relatos aqui registrados contribuam para o desenvolvimento
de novas ideias e ações concretas, que correspondam aos desafios de uma educação
integral realizada em um cenário educacional caracterizado pela cibercultura e pela ubi-
quidade, além de destacar o papel e a presença do material didático digital.
Palavras-chave: Material didático digital. Educação integral. Avaliação da aprendizagem.

The digital teaching material in the perspective of integral education: clues for
reflection

Abstract: This article presents the report of a research that sought to identify the be-
nefits and challenges arising from the use of digital teaching material in the classroom
in order to improve the educational process of a private school in the city of Rio do
Sul, in Santa Catarina. We also sought evidence related to the improvement in students’
performance with the adoption of such resources and used the quantitative notes as in-
dicators. The methodological approach included a bibliographical survey and historical
records in order to discover how the digital teaching material implantation process was
developed in that school environment. We hope that the reflections and reports recor-
ded here contribute to the development of new ideas and concrete actions that corres-
pond to the challenges of an integral education carried out in an educational scenario
characterized by cyberculture and ubiquity, as well as highlighting the role and presence
of digital teaching material.
Keywords: Digital teaching material. Integral education. Learning assessment.

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 23
El material didáctico digital en la perspectiva de la educación integral: caminos
para la reflexión

Resumen: Este artículo presenta el informe de una investigación que buscó identificar
los beneficios y desafíos derivados de la utilización del material didáctico digital en clase
para perfeccionar el proceso educativo de una escuela particular de la ciudad de Río do
Sul, en Santa Catarina. También buscamos evidencias relacionadas con la mejora en el
desempeño de los alumnos con la adopción de tales recursos y usamos como indicadores
las notas cuantitativas. La conducción metodológica contempló un estudio bibliográfico
y registros históricos a fin de descubrir cómo se desarrolló el proceso de implantación
del material didáctico digital en aquel ambiente escolar. Esperamos que las reflexiones y
los informes aquí registrados contribuyan para el desarrollo de nuevas ideas y acciones
concretas que correspondan a los desafíos de una educación integral, realizada en un es-
cenario educacional caracterizado por la cibercultura y la ubicuidad, además de destacar el
papel y la presencia del material didáctico digital.
Palabras clave: Material didáctico digital. Educación integral. Evaluación del aprendizaje.

Introdução

Com a disseminação da cibercultura (LÉVY, 1999), depara-se com possi-


bilidades e um novo espaço para se fazer educação, mas não nos moldes tradi-
cionais, sem aqui desmerecer ou imputar qualquer inferência negativa ao fato de
haver tradição ou adoção de recursos clássicos na escola (quadro, giz, slides ou
recursos analógicos, por exemplo). O ciberespaço estabelecido pela rede Inter-
net e seus serviços agrega alternativas para fazer educação de uma maneira que
ainda não se havia considerado. Logo, faz-se necessário repensar os formatos de
entrega dos recursos tradicionalmente utilizados no ambiente escolar.
No que tange ao material didático digital (MDD), faz-se importante sua
discussão em função do uso massivo de Tecnologias Digitais de Informação e
Comunicação (TDICs). Apesar de o contexto fora da escola incluir no cotidiano
das pessoas o uso de artefatos digitais para lazer, comunicação, pesquisa e consu-
mo, no ambiente escolar se observa ainda a predominância de recursos mais tra-
dicionais, como os livros impressos. Cabe salientar que não são feitas restrições
ao uso destes; ao contrário, destaca-se que agregar o uso de MDD pode facilitar
a interlocução com o conhecimento, visto que essas juventudes digitais possuem
muita familiaridade com o espaço digital, uma vez que sua fluência digital emer-
ge da sua imersão no mundo virtual.
Para aprofundar esse tema, no ano de 2015 foi realizada pelos autores uma
pesquisa3 que objetivava identificar benefícios e desafios decorrentes da utiliza-
ção do MDD em sala de aula para auxiliar o processo educativo de uma escola
particular da cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina. Além disso, buscava-se

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

24 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
observar se já existia, ou não, melhora no desempenho acadêmico dos alunos
após a utilização desse material, a partir da análise das notas quantitativas.
A referida pesquisa abordou o tema das TDICs a partir da visão de Belloni
(2001, p. 21), qual seja:

São o resultado da fusão de três grandes vertentes técnicas: a informá-


tica, as telecomunicações e as mídias eletrônicas. As possibilidades são
infinitas e inexploradas, e vão desde as “casas ou automóveis inteligen-
tes” até os androides reais e virtuais para finalidades diversas.

Tal cenário digital exige dos gestores educacionais uma preocupação com
a dimensão humana dos alunos e professores.

O MDD na sala de aula

Se a preocupação primeira fosse descrever o atual cenário histórico social,


uma das palavras mais adequadas seria mudança. É forte a percepção de que acon-
tecimentos, fatos e tecnologias utilizadas pelas pessoas mudam muito rapidamente.

Vive-se um período de transformações sem precedentes na histó-


ria da humanidade. Este tem recebido muitas denominações – Era
do conhecimento, sociedade do conhecimento, sociedade em rede,
sociedade da comunicação, para citar apenas alguns. O elemento
comum entre esses diferentes modos de nomear o cenário atual
refere-se ao papel central do conhecimento na organização social
e econômica atual, o que tende a redefinir a centralidade da insti-
tuição escolar. Sempre que a sociedade defronta-se com mudanças
significativas em suas bases sociais e tecnológicas, novas atribui-
ções passam a ser exigidas à escola (VIEIRA; PENIN, 2002, p. 13).

Nesse sentido é que se observa uma preocupação no campo educacional


em relação aos materiais pedagógicos e didáticos, que devem ser adequados a um
cenário cada vez mais tecnológico.
A importância da utilização dessas tecnologias justifica-se quando:

As sociedades contemporâneas já estão a exigir um novo tipo de


indivíduo e de trabalhador em todos os setores sociais e econô-
micos: um indivíduo dotado de competências técnicas múltiplas,
habilidade no trabalho em equipe, capacidade de aprender e de
adaptar-se a situações novas (BELLONI, 2001, p. 22).

Para orientar esse novo indivíduo, presume-se também um novo perfil de


professor, capaz de corresponder às expectativas da nova sociedade tecnológica
e seus atores.

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 25
Do livro e do quadro de giz à sala de aula informatizada e online a
escola vem dando saltos qualitativos, sofrendo transformações que
levam de roldão um professorado mais ou menos perplexo, que
se sente muitas vezes despreparado e inseguro frente ao enorme
desafio que representa a incorporação das TIC ao cotidiano esco-
lar. Talvez sejamos ainda os mesmos educadores, mas certamente
nossos alunos já não são os mesmos (BELLONI, 2001, p. 27).

Nesse sentido, Carneiro (2002, p. 32) complementa:

O paradigma educacional emergente requer a inserção de novas


práticas curriculares e metodologias inovadoras, para fazer frente
às necessidades de uma sociedade globalizada, que altera padrões
de vida das pessoas, seja na maneira de se comunicar, nas habilida-
des profissionais de atuação ou na forma de aquisição do conheci-
mento e do pensar.

A utilização do computador e de outras tecnologias como recurso de apren-


dizagem permite a criação de materiais didáticos que reúnem várias mídias4 e a am-
pliação do conhecimento de forma interativa. Os materiais digitais que se utilizam
dessas tecnologias possibilitam que, por meio dos recursos digitalizados, diversas
fontes de informações e de conhecimentos sejam criadas e socializadas.
Para Lévy (1999), digitalizar uma informação (um texto, uma imagem ou o
som) significa traduzi-la em números. Por exemplo, ao fazer com que um número
corresponda a cada letra do alfabeto, qualquer texto pode ser transformado em
uma série de números, ou uma imagem pode ser transformada em pontos (ou
pixels), que são descritos por dois números que especificam as coordenadas sobre
o plano e outros três números que analisam a intensidade de cada um dos com-
ponentes de sua cor. Isso explica porque há uma quantidade crescente de infor-
mações sendo digitalizadas e, cada vez mais, sendo produzidas diretamente dessa
forma. O acompanhamento de todas as novidades e a adequação ao que melhor
corresponda às necessidades educativas são um verdadeiro desafio. E como será
que a escola irá responder a esse desafio? Segundo Belloni (2001, p. 95):

Integrando as tecnologias de informação e comunicação ao co-


tidiano da escola, na sala de aula, de modo criativo, crítico, com-
petente. Isto exige investimentos significativos e transformações
profundas e radicais em: formação de professores; pesquisa volta-
da para metodologias de ensino; nos modos de seleção, aquisição e
acessibilidade de equipamentos, materiais didáticos e pedagógicos,
além de muita, muita criatividade.

Uma das preocupações que surgem com a utilização do MDD está rela-
cionada com o esgotamento dos sentidos e a perda da sensibilidade. O excesso

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

26 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
de informações e de estímulos pode dificultar a reflexão. Para que o estudante
utilize esse material de forma ativa e crítica em meio à rapidez e à mistura de
informações (verbais, visuais e sonoras), é necessário desenvolver as habilidades
cognitivas de modo simultâneo.
Atenta a essa problemática, desde o ano de 2013 a escola investigada na
pesquisa conta com o apoio de uma editora na implantação gradativa do MDD.
Atualmente, a editora dispõe de um ecossistema que reúne em um único espaço
os livros didáticos digitais, as atividades interativas, os livros de literatura e para-
didáticos, além de um sistema de gestão acadêmica e de um centro de formação
de professores. Em 2017, começou a desenvolver novas obras de literatura e de
apoio pedagógico aos professores, coordenadores e diretores. A editora lançou
também uma plataforma que conecta alunos, professores e familiares, divulga
e compartilha as realizações e as atividades pedagógicas das escolas com maior
agilidade e efetividade.

Considerações sobre o MDD apontadas pelos professores no


contexto da escola investigada

No início de 2014, a escola investigada iniciou o processo de implantação


do MDD com as turmas do 6º ano do Ensino Fundamental (EF) e do 1º ano do
Ensino Médio (EM). Tal processo ocorreu de modo gradativo, em duas novas
turmas a cada ano. No mês de setembro de 2014, os professores que utilizaram
o novo material em suas aulas fizeram alguns apontamentos práticos, que foram
encaminhados ao serviço de suporte da editora responsável. No fim de 2014,
um técnico entrou em contato com a escola a fim de compreender as situações
e propor alternativas que as solucionassem. Essa ação-trabalho resultou em um
relatório, no qual constam as seguintes questões que necessitavam de melhorias5:
• alguns links e vídeos não abrem; esse é um motivo de grande descon-
tentamento e desqualificação do material por parte dos alunos, pois
cada vez que um link ou vídeo não funciona é feito contato com a edi-
tora, sendo necessário que a unidade seja deletada e baixada novamente.
Com isso o estudante precisa sair da sala e perder aula;
• as senhas dos alunos precisam ser trocadas constantemente;
• dois alunos marcam as mesmas respostas em seus respectivos cadernos
interativos; um obtém a mensagem “parabéns”, enquanto o outro rece-
be a mensagem “reveja o conteúdo”;
• ao digitar a senha para acesso ao caderno interativo, geralmente é neces-
sário refazer a ação para que o sistema a reconheça;
• modificação no tempo do exercício determinado pelo professor;
• erros de grafia;

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 27
• o conteúdo do material digital é o mesmo do material impresso, o que
desmotivou os alunos para o uso do MDD. Os alunos utilizam mais o
impresso pela facilidade no transporte e manuseio;
• muitas atividades do caderno interativo são mecânicas e não levam o
estudante à reflexão.

Todas essas observações fizeram com que a equipe da editora trabalhasse no


aprimoramento do material elaborado. Nota-se que tais questões, de ordem práti-
ca, foram fáceis de solucionar. O real desafio da escola dizia respeito à capacitação
dos professores para encontrar a forma mais adequada e significativa para seus
alunos utilizarem o MDD. Por exemplo, o fato de os alunos preferirem o material
impresso ao digital reforçava a necessidade de desenvolver nos professores a capa-
cidade de estimulação e orientação para a utilização correta do MDD.
Belloni (2001) lembra dos “modos de aprendizagem mediatizada”, os
quais apontam a utilização cada vez maior das tecnologias de produção, estoca-
gem e transmissão de informações, bem como o redimensionamento do papel
do professor. “O professor tende a ser amplamente mediatizado, como pro-
dutor de mensagens inscritas em meios tecnológicos, destinadas a estudantes à
distância, e como usuário ativo e crítico e mediador entre estes meios e o aluno”
(BELLONI, 2001, p. 27).
Ainda Belloni (2001), no que se refere à elaboração de tecnologias peda-
gógicas, sugere a preocupação com as formas de apresentação dos conteúdos
didáticos, previamente selecionados e elaborados e com metodologias de ensino
e estratégias de utilização de materiais que potencializem ao máximo as possibi-
lidades de aprendizagem autônoma.
Também Davis e Grosbaum (2002) afirmam que os gestores precisam
trabalhar com os professores a concepção de escola que desejam implementar
e, de acordo com essa concepção, definir o projeto pedagógico da escola. Isso é
importante principalmente porque se notou que a maior parte dos professores
não possuía, até o momento da pesquisa, as mesmas habilidades e interesses pelo
MDD observados nos alunos. Tal contexto levou à busca por sua compreensão.

Imigrantes e nativos digitais

Termos comuns utilizados nos estudos sobre educação na atualidade são


“nativos digitais” e “imigrantes digitais”. Segundo Prensky (2001), usa-se o ter-
mo “nativo digital” para definir a geração que nasceu por volta da década de
1990 e que cresceu tendo a Internet como parte natural de seu ambiente cultural
e cognitivo. Computadores, celulares, videogames, webcams e várias outras tec-
nologias fazem parte do cotidiano dessa geração, passando do status de ferra-
mentas para o de linguagem comum.

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

28 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
Já o termo “imigrante digital” é utilizado para definir as gerações anterio-
res, formadas pelas pessoas que têm mais de 30 anos e que foram pegas já em
idade adulta pelo advento da Internet. Eles viram várias das tecnologias atuais
se desenvolverem e se incluírem em seu cotidiano. Os imigrantes sempre preci-
sarão fazer um esforço adicional para conseguir assimilar aquilo que os nativos
fazem com tanto conforto e facilidade, isto é, a capacidade de pensar e agir usan-
do as ferramentas inovadoras digitais.
É importante perceber essa distinção porque, em geral, professores imi-
grantes têm alunos nativos. Mais do que a diferença de geração, existe uma dife-
rença de linguagem. Quando se aprende uma língua estrangeira na infância, esse
aprendizado é arquivado em uma parte diferente do cérebro do que quando se
aprende uma língua já na idade adulta. Ou seja, além da diferença de linguagem,
ainda existe uma diferença na maneira como se processam e se armazenam as
informações.
O que se observa na prática, então, é que a maioria dos professores imi-
grantes tenta ensinar os alunos nativos usando a mesma linguagem com a qual
foi ensinada. Talvez não seja mais novidade afirmar que uma nova linguagem é
necessária; o que as escolas precisam aprender, então, é adaptar os conteúdos
curriculares a esse novo tipo de linguagem.

O desempenho acadêmico dos alunos no contexto investigado

A opção pela utilização do MDD fez parte de um momento de transição


da escola, quando foi realizado um grande investimento em tecnologias digitais.
O material utilizado pela escola observada é composto pelo livro digital e pelo
caderno interativo.
No contexto da investigação, o MDD alterou o modo como alunos e edu-
cadores percebem a sala de aula e os próprios processos de ensino e aprendiza-
gem. Sua utilização traz uma nova dinâmica para as aulas, em que o laboratório
de informática, conforme tendências que vêm sendo observadas em função do
ambiente ubíquo6, perde um pouco da sua importância e a sala de aula passa a
ser um ambiente multimídia, em que a tecnologia é incorporada às demais ferra-
mentas de forma natural.
O ciberespaço rodeia e envolve todo mundo; atualmente, com os disposi-
tivos móveis (tablets, smartphones e computadores portáteis), não existem mais
fronteiras físicas para o acesso à informação. Cria-se a ubiquidade da comuni-
cação, que permite ter o mundo na ponta dos dedos. Santaella (2013a, p. 22)
explica que:

Ao leve toque do seu dedo no celular, em quaisquer circunstâncias,


ele pode penetrar no ciberespaço informacional, assim como pode
conversar silenciosamente com alguém ou com um grupo de pes-

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 29
soas a vinte centímetros ou a continentes de distância. O que lhe
caracteriza é uma prontidão cognitiva ímpar para orientar-se entre
nós e nexos multimídia, sem perder o controle da sua presença e
do seu entorno no espaço físico em que está situado.

Os conceitos podem ser explorados pelos educadores usando tanto o con-


teúdo que é apresentado no livro digital quanto todo o conteúdo que é oferecido
pela Internet.
Tomando por base esses princípios, fez-se necessário compreender se, de
fato, a mudança observada no cotidiano das aulas resultaria em um efeito positi-
vo para alunos e professores. E isso só é possível a partir de uma avaliação siste-
matizada da aprendizagem e do MDD, além dos próprios docentes e discentes.

A avaliação desperta tanta resistência na maior parte das pessoas


porque, tradicionalmente, ela tem sido usada como um instrumento
de controle para adequar as características dos indivíduos às exigên-
cias de determinadas situações ou circunstâncias. Só que o problema
não é da avaliação, mas do uso que dela se faz. Na verdade, avaliar é
condição essencial de qualquer ato intencional. Se implementamos
algo, com determinados objetivos, como saber se os resultados es-
perados foram alcançados? (DAVIS; GROSBAUM, 2002, p. 104).

O processo de avaliação é um processo complexo, pois deve levar em


conta os diversos fatores que podem influenciar a aprendizagem dos alunos.
Existem hoje muitas concepções teóricas e muitas práticas distintas do que é
avaliar (DAVIS; GROSBAUM, 2002). Independente disso, o professor não ava-
lia o estudante apenas pelo seu desempenho em uma prova específica, pois ela é
só um instrumento a serviço da aprendizagem; antes, deve estar atento ao longo
de todo o percurso de determinado assunto ou aprendizado, a fim de mostrar
para cada estudante quais são os seus pontos fortes e fracos.
Segundo Davis e Grosbaum (2002, p. 77):

O sucesso de uma escola é medido pelo desempenho de seus alu-
nos. Se os alunos, cada um no seu ritmo, conseguem aprender con-
tinuamente, sem retrocessos, a escola é sábia e respeitosa. Se suas
crianças e jovens são frequentadores assíduos das aulas, seguros
de sua capacidade de aprender e interessados em aprender os pro-
blemas que os professores lhes propõem, ela está cumprindo o
papel de torná-los pessoas autônomas, capazes de aprender pela
vida toda. Se os alunos estão sabendo ouvir, discordar, discutir, de-
fender seus valores, respeitar a opinião alheia e chegar a consensos,
ela pode se orgulhar de estar formando cidadãos.

Espera-se que o processo de avaliação possua função diagnóstica para


o professor, permitindo que este identifique/compreenda o que o estudante

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

30 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
aprendeu, fornecendo informações acerca dos pontos fracos e fortes do aluno,
permitindo fornecer indicadores relacionados ao processo de ensino, possibi-
litando ao estudante autoanálise de seu progresso, informando-o sobre o que
ainda não está adequado e motivando-o para a aprendizagem.
O processo de avaliação da aprendizagem dos alunos na escola pesquisada
tem como objetivo:
• proporcionar ao estudante condições de fazer uma síntese das experiên-
cias educativas vividas durante certo período;
• promover a ação consciente e crítica para que professor e estudante
interajam no processo de ensino e aprendizagem;
• fornecer à direção e aos macroprocessos dados necessários ao processo
de planejamento escolar;
• disponibilizar ao corpo docente meios para melhorar a eficiência e a
eficácia de seu trabalho;
• possibilitar aos professores, pais e alunos diagnosticar e acompanhar o
seu progresso e estimular seu crescimento pessoal.

Nos processos para a avaliação do aproveitamento dos estudantes, os as-


pectos qualitativos preponderam sobre os quantitativos, ainda que, na investiga-
ção, tenham sido considerados apenas os quantitativos. Assim, em seu projeto
político-pedagógico-pastoral, a escola considera a avaliação de qualidade aquela
que apresenta:
• desenvolvimento pessoal - aprender a ser: desenvolver as condições
para a construção e o enriquecimento da identidade pessoal e coletiva.
É a aprendizagem síntese de todas as outras e implica o desenvolvi-
mento de si próprio. Passa pelo cultivo e desenvolvimento de todas as
potencialidades da pessoa;
• desenvolvimento intelectual - aprender a saber: desenvolver a pessoa
preparando-a para discernir e enfrentar as mudanças da sociedade em
constante transformação. É a aprendizagem relacionada ao domínio
dos instrumentos do conhecimento, compreensão e descoberta;
• desenvolvimento de aptidões - aprender a fazer: desenvolver a pessoa
para a aquisição de habilidades e competências práticas.

Quanto aos critérios de avaliação da aprendizagem, a orientação da es-


cola é que todo professor realize, a cada bimestre, ao menos: uma avaliação
com peso um, relacionada ao ser; duas avaliações com peso seis, ligadas ao
campo do saber; e duas avaliações com peso dois, relacionadas ao saber fazer.
No caso de as avaliações serem provas tradicionais, estas deverão conter no
mínimo três tipos de questões distintas (objetivas, dissertativas, lacuna, múl-
tipla escolha, relação etc.) e a indicação dos conhecimentos, das habilidades e

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 31
das atitudes que estão sendo avaliadas. Os alunos, cujas avaliações não atinjam
média sete, deverão obrigatoriamente participar do apoio pedagógico.
Quando o percentual de notas inferiores a sete for acentuado, o professor
deve organizar uma forma de fazer a retomada do conteúdo com toda a turma.
Os resultados da avaliação são comunicados às famílias no final de cada tri-
mestre no Informativo de Aproveitamento Escolar, contendo notas que podem
variar de um a dez.
Essas informações sobre a prática de avaliação servem para reforçar o fato
de que a observação das notas quantitativas dos alunos não pode servir como
uma fonte isolada de leitura ou interpretação de dados. Ela é uma ação impor-
tante e útil dentro do processo de adaptação da escola às tecnologias digitais e
que também está alinhada a um processo muito maior e significativo de avaliação
integral dos alunos e professores.
Conforme conceito apresentado pelo Centro de Referências em Educação
Integral (s/d, s/p)7:

A educação integral é uma concepção que compreende que a edu-


cação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as
suas dimensões – intelectual, física, emocional, social e cultural – e
se constituir como projeto coletivo, compartilhado por crianças,
jovens, famílias, educadores, gestores e comunidades locais.
A educação integral: é uma proposta contemporânea, porque, ali-
nhada às demandas do século XXI, tem como foco a formação
de sujeitos críticos, autônomos e responsáveis consigo mesmos e
com o mundo; é inclusiva, porque reconhece a singularidade dos
sujeitos, suas múltiplas identidades, e se sustenta na construção da
pertinência do projeto educativo para todos e todas; é uma pro-
posta alinhada à noção de sustentabilidade, porque se comprome-
te com processos educativos contextualizados e com a interação
permanente entre o que se aprende e o que se pratica; promove
a equidade ao reconhecer o direito de todos e todas de aprender
e acessar oportunidades educativas diferenciadas e diversificadas
a partir da interação com múltiplas linguagens, recursos, espaços,
saberes e agentes, condição fundamental para o enfrentamento das
desigualdades educacionais.

A proposta de uma educação fundamentada no desenvolvimento integral


do estudante deve ser assumida por todas as pessoas envolvidas nesse processo
(professores, gestores, família e autoridades). Porém, é a própria escola que deve
assumir o papel de articuladora das várias experiências educativas que os estu-
dantes podem fazer dentro ou fora dela, a partir de uma intencionalidade que
favoreça aprendizagens importantes para o seu desenvolvimento integral.
Cabe ainda ressaltar a relevância do conceito de educação integral para o
desenvolvimento do MDD quanto à noção de inclusão. Conforme já mencio-

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

32 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
nado, os recursos do MDD utilizados pela escola investigada favorecem, entre
outras coisas, o estudo colaborativo. O fato de algumas ferramentas e ativida-
des serem idênticas para todos os alunos não limita a capacidade inclusiva, uma
vez que o suporte de diferentes mídias representa a oportunidade de ampliar
conhecimentos por meio da troca e complementação de saberes e habilidades,
levando naturalmente ao desenvolvimento das diferentes dimensões da pessoa
do estudante.

O desempenho quantitativo dos alunos antes e depois da


utilização do MDD

A análise do desempenho quantitativo referente às notas dos estudantes
foi realizada nas turmas do 6º ano do EF ao 3º ano do EM. Cabe ressaltar que
o processo de implantação do MDD na escola foi gradativo, tendo iniciado em
2014 com as turmas do 6º ano do EF e 1º ano do EM. Em 2015, expandiu-se
para as turmas do 7º ano do EF e 2º ano do EM. Sendo assim, à época da pes-
quisa, as turmas do 8º e 9º ano do EF e do 3º ano do EM ainda não utilizavam
o MDD.
Foram observadas as notas bimestrais das disciplinas de Português, Ma-
temática, História e Geografia de todas as turmas ao longo de cinco anos antes
da utilização do MDD e também as notas a partir de sua utilização, nas turmas
que já haviam iniciado o processo. A escolha por essas disciplinas se deu pelo
fato de elas serem comuns a todas as turmas e os períodos observados. Fizeram
parte da análise apenas as notas dos alunos matriculados em todos os bimestres
observados. Aqueles que se tornaram alunos após o primeiro bimestre obser-
vado ou que deixaram de ser antes do último bimestre observado não foram
considerados.
A partir desses critérios, 96 alunos puderam ter suas notas observadas e
participaram desse estudo. Os dados coletados correspondem a um ano de uti-
lização do MDD e permitiram fazer dois tipos de observação diferentes e, por
ora, importantes: de cada estudante individualmente e das turmas entre si.
Quando observadas as notas individuais dos alunos, constatou-se que,
entre aqueles que utilizaram o MDD (53 alunos de quatro turmas diferentes),
30 (56,6%) apresentaram melhoras na média após a utilização do material, dos
quais: 9 apresentaram uma melhora de até 10% em seu rendimento; 9, uma me-
lhora entre 10,1 e 20%; e 12 alunos, uma melhora acima de 20%. Os demais, 23
alunos (43,4%), apresentaram uma média menor após a utilização, dos quais 19
alunos com uma diminuição de até 10% e 4 alunos com uma diminuição entre
10,1 e 20%.
Para efeito de comparação, observou-se também as notas das turmas que
não utilizaram o MDD (43 alunos de três turmas diferentes) durante o mesmo

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 33
período de utilização pelas outras turmas. Constatou-se que 12 alunos (28%)
apresentaram melhoras de até 10% na média, enquanto que 31 alunos (72%),
uma média menor, dos quais 25 tiveram uma diminuição de até 10%, e 6 alunos,
uma diminuição acima de 10%. Ou seja, enquanto, no mesmo período, alunos
que utilizaram o MDD e que apresentaram melhoras nas médias representam
56,6%, esse número desceu para 28% entre os que não utilizaram. E quando ob-
servados os alunos que apresentaram uma média menor, há 43,4% entre aqueles
que utilizaram o MDD e 72% entre os que não utilizaram. De modo simplifica-
do, tem-se a Tabela 1:

Tabela 1. Observação das médias após o início da utilização do MDD na escola.


Médias após o início da utilização do MDD na escola
Média maior Média menor
Alunos que utilizam o MDD 56,6% 43,4%
Alunos que não utilizam o MDD 28% 72,%
Fonte: elaborado pelos autores (2018)

Quando comparadas as quatro turmas que já utilizavam o MDD, notou-se


que metade (6º ano do EF e 1º ano do EM) apresentou melhoras de aproxima-
damente 20% nas médias e que metade (7º ano EF e 2º ano EM) apresentou di-
minuição de aproximadamente 5% nas médias após o início da utilização. Chama
a atenção nesse dado o fato de que as turmas que apresentaram diminuição nas
médias são aquelas que iniciaram o segundo ano de utilização do MDD, enquan-
to as que mostraram melhoras são as que utilizaram pelo primeiro ano o mesmo
material. Tal constatação demonstra indícios de que o desempenho acadêmico
dos alunos teve significativa melhora após o uso do MDD e também que alguns
ajustes eram necessários em função da problemática decorrente da utilização,
conforme indicado pelos professores.

Considerações finais

Fica claro, pelo relato apresentado, que o curto período de observação da


pesquisa não permitiu levantar algum dado estatístico efetivo quanto ao desem-
penho dos alunos ou mesmo justificativas e propostas de encaminhamentos. No
entanto, pretendeu-se auxiliar no processo de implantação do MDD, uma vez
que a própria editora responsável trabalhou em melhorias a partir de dados e
informações apresentadas pela escola, além de explicitar alguns dados e algumas
observações iniciais que poderão contribuir para reflexões futuras.
Foram trazidas algumas ideias que Davis e Grosbaum (2002) apontam
como importantes para aprender: a história pessoal do estudante deve ser con-
siderada; o autoconceito do estudante influi em sua capacidade de aprender; a

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

34 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
aprendizagem deve ser significativa; elogios são uma arma poderosa; as aprendi-
zagens precisam ser repetidas; a aprendizagem é mais sólida quando se conhe-
cem os erros.
Sendo assim, entende-se ser oportuno avançar na observação das mu-
danças no cotidiano das aulas após a utilização do MDD e saber os efeitos
positivos na aprendizagem. Nessa preocupação estão inseridas, além das notas
dos alunos, a correta utilização do MDD pelo professor; a didática adequada
para aproveitar todas as ferramentas e formas de interação; uma avaliação séria
e propositiva por parte da equipe pedagógica; e a preocupação de que o MDD
esteja a serviço da educação integral de todos os alunos, procurando possi-
bilidades de uma avaliação da aprendizagem sempre mais qualitativa, mesmo
quando da utilização do MDD.

Como educadores, somos geralmente preparados para avaliar so-


mente a aprendizagem dos alunos, lançamos, aqui, outro desafio:
avaliar a escola como um todo, buscando identificar como está
o seu funcionamento, isto é, como estão sendo desenvolvidas as
atividades que levam os alunos a aprenderem e a se tornar cida-
dãos. Como está o desempenho dos professores? A participação
dos pais? A gestão da escola? Quais fatores e situações que pre-
cisam ser mudados, pois estão insuficientes? Quais os que estão
bem e, por isso, precisam ser difundidos e servir de exemplo?
(FERNANDES, 2002, p. 115).

Essas observações da autora corroboram a ideia de que é necessário re-


forçar aos professores e aos gestores educacionais que a centralidade do seu
trabalho está no estudante e que a função da escola é garantir uma formação que
o considere na sua integralidade, proporcionando-lhe uma melhora na qualidade
de vida. Ressalta-se aqui a ideia de Fernandes (2002), ao comentar que, quando
se quer fazer uma avaliação consistente e coerente, não se pode limitar a avalia-
ção da aprendizagem. É preciso avaliar a escola e os fatores externos a ela, que
influenciam nesse processo.
Como auxílio nessa empreitada, abriu-se a possibilidade de uma pesquisa
stricto sensu, em âmbito de mestrado. No pré-projeto aprovado pela universidade
que acolherá a pesquisa, o autor pretende utilizar os conceitos e as ferramentas
presentes na abordagem do Design Thinking8 e também do Design Instrucional9
para investigar a utilização do MDD na perspectiva da educação integral.
Espera-se que a pesquisa contribua para melhorar a qualidade do proces-
so educativo e seja promotora de uma aprendizagem significativa, centrada na
educação integral e na integralidade da pessoa do estudante, além de levantar
algumas questões propositivas, por exemplo: como despertar a curiosidade dos
alunos para temas e tarefas cada vez mais complexos, com aparatos e tecnolo-
gias também complexos e, por vezes, longe do seu interesse? Como qualificar

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 35
os professores para trabalhar com os erros dos alunos e com as suas próprias
dificuldades diante das tecnologias digitais? Como receber a aprendizagem como
um processo desafiante, no qual as tarefas precisam ser interessantes e valer a
pena para professores e alunos? Como selecionar e adquirir materiais didáticos
e pedagógicos significativos nessa era da tecnologia? E como ser uma escola
propositiva que ensina a criticidade e a autonomia diante do esgotamento dos
sentidos e da perda da sensibilidade?
Muitas questões permanecem em aberto e, acredita-se, permanecerão
por bom tempo no contexto escolar, uma vez que é preciso rever conceitos,
currículos e, principalmente, formação dos professores. Tem-se uma escola
basicamente analógica na sua origem/formação que tem a urgência em se
adaptar para funcionar em um ambiente digital. É necessário fazer pontes
para construir novas metodologias, habilidades e competências. Uma das
alternativas é o uso de MDD. Porém, esses recursos, por si sós, não farão
as mudanças. É preciso de metodologias que auxiliem a transformar o co-
tidiano escolar e auxiliar os estudantes a ser partícipes da inovação que a
sociedade espera.

Recebido em: 19/01/2018


Revisado pelo autor em: 20/02/2018
Aceito para publicação em: 09/04/2018

Notas
1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Licenciado em Filosofia pela PUC-RS. Pós-graduado em Ges-
tão Estratégica de Pessoas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Pós-gra-
duado em Gestão Escolar pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Atualmente, exerce
a função de Coordenador de Pastoral Escolar e Universitária na cidade de Porto Alegre. E-mail:
gilsonoliveiracardoso@gmail.com
2 Pós-Doutorado pela Universidade do Texas (Austin) no College of Education. Doutorado
em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mes-
trado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).
Especialização em Análise de Sistemas pela PUC-RS. Possui graduações em: licenciatura ple-
na em Matemática e licenciatura curta em Ciências pela UFGRS. Professora titular da Escola
Politécnica-Computação da PUC-RS. Pesquisadora e professora permanente do Programa de
Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Escola de Humanidades da PUC-RS. Bolsista
CAPES. Líder ARGOS - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação a Distância da PU-
C-RS (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1961885168367047). E-mail: giraffa@pucrs.br
3 A utilização do material didático digital em uma escola particular: dados e observações iniciais
(CARDOSO, 2015).
4 Segundo Lima (2003), a palavra “mídia” deriva da palavra “meio”, do latim médius, significando
aquilo que está no meio ou entre dois pontos. A partir dessa definição e trazendo para o contexto
educativo, pode-se dizer que uma mídia educacional é um meio por meio do qual se transmite
ou se constrói conhecimentos. Entre as mídias utilizadas no processo de ensino e aprendizagem,

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

36 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
tem-se o material impresso, a televisão e o rádio. Além disso, há ainda a informática como uma
das principais mídias utilizadas na atualidade, tendo a particularidade de ser uma mídia multimí-
dia, uma vez que agrega recursos de diversos tipos.
5 Por questão didática, os apontamentos enviados pelos professores no relatório foram reorga-
nizados antes de comporem o presente artigo.
6 Segundo Santaella (2013b), ubiquidade é a possibilidade de mover-se por diferentes espaços de
maneira simultânea, independentemente do lugar físico em que se esteja. O indivíduo está sem-
pre presente e sempre ao alcance, via tecnologias digitais e móveis. Para a autora, a ubiquidade
tornou-se possível pela emergência do ciberespaço. Nessa ambiência, o ser humano adquire a
possibilidade de estar em mais de um lugar ao mesmo tempo.
7 “O Centro de Referências em Educação Integral é uma iniciativa da Associação Cidade Escola
em parceria com outras organizações não governamentais e com o apoio da União Nacional
dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e da Organização das Nações Unidas para a
Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para promover a pesquisa, o desenvolvimento, apri-
moramento e difusão gratuita de referências, estratégias e instrumentais que contribuam para a
formulação, gestão e avaliação de políticas públicas de Educação Integral no Brasil” (CENTRO
DE REFERÊNCIAS EM EDUCAÇÃO INTEGRAL, 2018).
8 Segundo Mootee (2013), Design Thinking é o conjunto de métodos e processos para abordar
problemas relacionados a futuras aquisições de informações, análise de conhecimento e propos-
tas de soluções. Como uma abordagem, é considerada a capacidade para combinar empatia em
um contexto de um problema, de forma a colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de
um projeto; criatividade para geração de soluções; e razão para analisar e adaptar as soluções ao
contexto.
9 Design instrucional é a ação intencional e sistemática de ensino que envolve o planejamento,
o desenvolvimento e a aplicação de métodos, técnicas, atividades, materiais, eventos e produtos
educacionais em situações didáticas específicas, a fim de promover, a partir de princípios de
aprendizagem e instrução conhecidos, a aprendizagem humana. Em outras palavras, define-se
design instrucional como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma
necessidade) de aprendizagem, desenhar, implementar e avaliar uma solução para esse problema
(FILATRO, 2008, p. 3).

Referências

BELLONI, Maria Luiza. O que é mídia-educação. Campinas: Autores Asso-


ciados, 2001. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, 78).
CARDOSO, Gilson de Oliveira. A utilização do material didático digital em
uma escola particular: dados e observações iniciais. 2015. Trabalho de Conclu-
são do Curso (Especialização em Gestão Escolar) – Universidade Católica Dom
Bosco, Campo Grande, 2015.
CARNEIRO, Raquel. Informática na educação: representações sociais do co-
tidiano. São Paulo: Cortez, 2002.
CENTRO DE REFERÊNCIAS EM EDUCAÇÃO INTEGRAL. O que é
educação integral? Centro de Referência em Educação Integral, 2018. Dispo-
nível em: <http://educacaointegral.org.br/conceito/>. Acesso em: 9 ago. 2018.

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.


O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018 37
DAVIS, Cláudia; GROSBAUM, Marta Wolak. Sucesso de todos, compromisso
da escola. In: VIEIRA, Sofia Lerche (Org.). Gestão da escola: desafios a en-
frentar. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 77-112
FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Avaliar a escola é preciso. Mas... que es-
cola? In: VIEIRA, Sofia Lerche (Org.). Gestão da escola: desafios a enfrentar.
Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 113-141
FILATRO, Andrea. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Edu-
cation do Brasil, 2008.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo:
Ed. 34, 1999. (Coleção TRANS).
LIMA, Venício. Sete teses sobre a relação mídia e política. 2003. (Mimeo).
MOOTEE, Idris. Design thinking for strategic innovation: what they can’t
teach you at business or design school. New Jersey: John Wiley & Sons, 2013.
PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants. NCB University Press,
v. 9, n. 5, oct. 2001.
SANTAELLA, Lucia. Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino
Superior, UNICAMP, v. 9, p. 19-28, 2013a.
______. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São
Paulo: Paulus, 2013b.
VIEIRA, Sofia Lerche; PENIN, Sonia T. Sousa. Refletindo sobre a função so-
cial da escola. In: VIEIRA, Sofia Lerche (Org.). Gestão da escola: desafios a
enfrentar. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 13-45.

CARDOSO, G.O.; GIRAFFA, L.M.M.

38 O material didático digital na perspectiva da educação integral: caminhos para reflexões


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 23-38, jun./set. 2018
DOSSIÊ

A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação


continuada na Universidade Católica do Salvador
Francis Karol Gonçalves de Almeida1
Isa Beatriz da Cruz Neves2
Murilo Guerreiro Arouca3

Resumo: Em virtude das mudanças ocorridas nos métodos avaliativos das universida-
des, a potencialidade dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) proporcionou
as tecnologias mobile um crescimento exponencial e cada vez mais presente na vida
acadêmica dos discentes. Considerando esse panorama, a avaliação continuada se coloca
como uma alavanca para a projeção dessa nova vertente educacional, que elucidou a
ideia do dispositivo móvel como uma tecnologia fundamental para auxiliar no processo
de ensino e aprendizagem. A necessidade de uma participação efetiva dos estudantes e
de uma interação progressivamente mais assídua com os docentes estabeleceu de forma
decorrente esse método de avaliação continuada, que permite a realização de mais ativi-
dades em menores espaços de tempo com o auxílio da tecnologia. Destaca-se que esse
objeto de estudo já é uma realidade que permeia o cenário acadêmico da maior parte das
instituições de ensino superior. Dessa forma, o presente artigo tem como objetivo apre-
sentar uma nova perspectiva dos elos construídos entre a tecnologia móvel e os novos
métodos de avaliação continuada instituídos por algumas universidades do nosso país.
Palavras-chave: Avaliação continuada. Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA). Tec-
nologias mobile.

The relationship between mobile technology and the continued evaluation me-
thods at the Catholic University of Salvador

Abstract: Due to the changes in the methods of evaluation of universities, the po-
tentiality of virtual learning environments (VLE) provided to the mobile technologies
an exponential growth and increasingly present in the academic life of the students.
Considering this scenario, the continuous evaluation is a lever for the projection of
this new educational strand, which elucidated the idea of the mobile device as a
fundamental technology to aid in the teaching and learning process. The need for an
effective participation of the students and a progressively more frequent interaction
with the teachers has consequently established this method of continuous assess-
ment, that allows the accomplishment of more activities in smaller time spaces with

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev.
Rev. Educ.,
Educ., Brasília,
Brasília, ano
ano 41,
41, n.
n. 156,
156, p.
p. 39-51,
39-51, jun./set.
jul./set. 2018
2018 39
the aid of technology. It is emphasized that this object of study is already a reality that
permeates the academic scene setting of most higher education institutions. Thus,
this article aims to grant a new perspective for the observation of the links built be-
tween mobile technology and new methods of continuous evaluation instituted by
some universities of our country.
Keywords: Continuous evaluation. Virtual Learning Environments (VLE). Mobile
technologies.

La relación entre la tecnología móvil y los métodos de evaluación continuada en la


Universidad Católica de Salvador

Resumen: En virtud de los cambios ocurridos en los métodos de evaluación de las


universidades, la potencialidad de los entornos virtuales de aprendizaje (AVA) pro-
porcionó a las tecnologías móviles un crecimiento exponencial cada vez más presente
en la vida académica de los estudiantes. En este panorama, la evaluación continuada
se plantea como promotora para la proyección de esta nueva vertiente educativa, que
elucidó la idea del dispositivo móvil como tecnología fundamental para auxiliar en el
proceso de enseñanza y aprendizaje. La necesidad de una participación efectiva de los
estudiantes y una interacción progresivamente más asidua con los docentes estableció
como resultante este método de evaluación continuada, que permite la realización de
más actividades en menores espacios de tiempo con el auxilio de la tecnología. Se des-
taca que ese objeto de estudio ya es una realidad que impregna el escenario académico
de la mayor parte de las instituciones de educación superior. El presente artículo tiene
como objetivo presentar una nueva perspectiva de los vínculos construidos entre la
tecnología móvil y los nuevos métodos de evaluación continuada instituidos por algu-
nas universidades de nuestro país.
Palabras clave: Evaluación continua. Ambientes Virtuales de Aprendizaje (AVA).
Tecnologías móviles.

Introdução

O avanço da nanotecnologia viabilizou a aquisição de dispositivos móveis


cada vez menores e portáteis; desse modo, microprocessadores incrivelmente
potentes são integrados a dispositivos que “cabem na palma da mão”, de ma-
neira que estes possuem desempenho e alta capacidade. Esse advento tecnológi-
co permitiu que as atividades rotineiras, antes realizadas em lugares específicos,
como na residência ou no ambiente de trabalho, estivessem disponíveis não im-
porta o lugar e o momento.
A ideia de ter pequenos dispositivos extremamente avançados ao alcance
das mãos gerou diversas possibilidades, seja em relação à sua real aplicação e
utilização, seja em relação à proporção que esses dispositivos adquirem na vida
das pessoas. Dessa forma, cria-se um grande paradigma em torno da verdadeira
prerrogativa herdada da nova geração de tecnologias móveis. Esse paradigma

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

40 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
é o objeto de estudo de várias pesquisas e disciplinas encontradas em diversos
cursos de nível superior, dispondo de grande notoriedade nos cursos voltados à
tecnologia da informação.
Algumas tradicionais e consolidadas linguagens de programação, que, no
passado, eram utilizadas primordialmente para o desenvolvimento de sistemas
para a plataforma desktop, como o C++ e o JAVA, atualmente já estão presentes
no segmento de aplicações mobile, assim como grandes empresas, como a Mi-
crosoft e a Apple, já possuem seus respectivos frameworks e suas plataformas,
investindo alto no desenvolvimento desse ramo de aplicações. É indiscutível
que, nos dias atuais, o desenvolvimento de aplicações mobile cresce de forma
excepcional e amplia os seus horizontes relacionados à sua aplicabilidade e usa-
bilidade, principalmente diante do crescimento do número de ferramentas para
essa tendência tecnológica.
Os softwares, que outrora eram empregados em ambientes corporativos,
atualmente são difundidos em diversos segmentos de aplicações, constatando a
autonomia facultada pelos dispositivos móveis, os quais, por meio da sua ampla
abrangência e permissividade, foram precursores dessa disseminação e universali-
zação dos softwares modernos. Desse modo, o advento da conversão desse tipo
de tecnologia para a sua aplicação em vertentes educacionais passou a ser uma
questão de tempo e, hoje, encontra-se presente em diversos segmentos da esfera
acadêmica, revolucionando os inúmeros aspectos do processo de aprendizagem.
Na atual conjuntura, a presença de tecnologias móveis no contexto edu-
cacional é evidente. Porém, o conceito de que sua utilização está apenas vol-
tada para divulgação e transmissão de conteúdos acadêmicos se torna cada
vez mais trivial, tendo em vista que grandes instituições de Ensino Superior já
utilizam a tecnologia móvel no processo de seus métodos avaliativos. Essa é
uma abordagem recente que vem sendo adaptada por grande parte das univer-
sidades do nosso país, como UCSal, UFOP e UniFil.
Os métodos avaliativos, que, nos últimos séculos, vêm sendo realizados
por meio de exames, servem para avaliar a efetividade da aprendizagem, de for-
ma que esse é o padrão utilizado nas universidades e, por muitas vezes, feito
com a assistência do lápis e papel. Porém, devido à necessidade da aplicação
de exames mais eficazes com maior frequência, hoje, as Instituições de Ensino
Superior já dispõem do auxílio de softwares voltados a esse tipo de demanda
que estão disponíveis em várias plataformas, com maior enfoque na plataforma
mobile. Essa vertente educacional se tornou um grande desafio, pois as questões
da integração por meio dos sistemas e a compatibilidade com a metodologia de
ensino e com os métodos de avaliação das diversas disciplinas ainda não foram
respondidas de uma forma sólida.
As metodologias ativas de aprendizagem e os métodos de avaliação, por
sua vez, contribuem para a consolidação da tecnologia móvel nesse contexto,

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 41
tendo em vista que a inserção tecnológica propiciada por elas é fundamental para
a familiarização da plataforma mobile no âmbito educacional. Dessa forma, a
elaboração de avaliações realizadas nessa plataforma fica mais próxima da reali-
dade que já é vivida pelos estudantes, tanto na esfera educacional quanto no seu
cotidiano de modo geral.
Para a realização deste artigo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica com
enfoque em conteúdos publicados acerca dos métodos de avaliação continuada,
metodologias ativas, tecnologias móveis, bem como em estudos de autores que
abordam os impactos da tecnologia no ambiente educacional e na observação
de um projeto realizado por estudantes da Universidade Católica do Salvador.
Analisa-se a forma que a educação absorve as novas tendências tecnológicas e a
expansão da tecnologia móvel, destinando-se a observação do panorama educa-
cional diante dessas mudanças.

Integração de avaliações para a plataforma mobile

Com o surgimento de plataformas para o desenvolvimento de aplicações


mobile nativas que utilizam apenas uma linguagem de programação, ficou muito
mais fácil desenvolver sistemas multiplataforma. A versatilidade na codificação
dessas aplicações permite que a engenharia de software crie ainda mais soluções
para plataforma mobile. O Xamarin e o Appcelerator, respectivamente, plata-
forma e framework de desenvolvimento para criação de aplicativos nativos em
plataformas diferentes que utilizam uma mesma linguagem de programação, são
exemplos de ambientes utilizados pelos profissionais de tecnologia da informa-
ção para o desenvolvimento mobile de forma versátil e veloz. Essa tecnologia se
tornou fundamental para que essas aplicações fossem propagadas por diversos
segmentos, como as metodologias ativas e os métodos de avaliação continuada.
Para que os docentes possam utilizar a plataforma mobile com parâmetros
e subsídios suficientes para avaliar os discentes de forma eficaz, é necessário dis-
por de um ambiente que permita a flexibilidade na forma de construção das tare-
fas e avaliações para os assuntos abordados. Desse modo, não se trata apenas da
utilização dessa tecnologia em salas de aula, mas também da eficácia no processo
de avaliação. A comutação no ato de avaliar deve ser realizada de forma clara. “O
ato de avaliar, devido a estar a serviço da obtenção do melhor resultado possível,
antes de mais nada, implica a disposição de acolher” (LUCKESI, 2000, p. 6).
A integração dos exames destinados à avaliação de aprendizagem no Ensi-
no Superior se depara com um grande obstáculo para a sua plena utilização por
meio das tecnologias móveis, tendo em vista que a pluralidade de disciplinas e as
suas singularidades fazem com que essa integração seja uma tarefa extremamen-
te complexa. Entretanto, o desenvolvimento dessas tecnologias se torna cada
vez mais sensível à necessidade de rompimento dessa barreira, o que envolve

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

42 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
diretamente a adequação das tecnologias móveis para atender à singularidade e
à pluralidade das inúmeras disciplinas. “A emergência de novos cenários educa-
tivos levou-nos a tentar compreender os desafios e oportunidades da integração
de dispositivos móveis, como o telemóvel, no processo de ensino e aprendiza-
gem” (MOURA, 2010, p. vii).
A avaliação da aprendizagem, por sua vez, funciona como uma espécie de
diagnóstico que sinaliza se o ensino proposto tem sido eficiente. Desse modo,
é imprescindível que a metodologia utilizada também seja eficaz para o cumpri-
mento desse diagnóstico.

De fato, o ideal seria a inexistência do sistema de notas. A aprovação


ou a reprovação do educando deveria dar-se pela efetiva aprendizagem
dos conhecimentos mínimos necessários, com o consequente desen-
volvimento de habilidades, hábitos e convicções. Entretanto, diante da
intensa utilização de notas e conceitos na prática escolar e da própria
legislação educacional que determina o uso de uma forma de registro
dos resultados da aprendizagem, não há como, de imediato, eliminar
as notas e conceitos da vida escolar. Em função disso, é possível pe-
dagogicamente (não administrativamente) sanar esta dificuldade pelo
estabelecimento de conhecimentos, habilidades e hábitos mínimos a
serem adquiridos pelos educandos e pelo encaminhamento do ensino
a partir dessa definição (LUCKESI, 2011, p. 56).

Pensando no aprimoramento desse processo, os softwares vêm sendo


elencados como uma tentativa de reduzir a distância do processo avaliativo em
relação aos discentes, os quais, com esse auxílio, são capazes de ser avaliados
com mais constância e em um menor intervalo de tempo. Municiados de uma
interface progressivamente interativa e com a incorporação de seções voltadas
a avaliações, os AVAs também são projetados para ser suporte avaliativo das
disciplinas presenciais.
O maior obstáculo para a generalização desse intento se encontra nas ne-
cessidades específicas de alguns conglomerados de disciplinas, por exemplo, as
disciplinas da área de Exatas, principalmente as que apresentam cálculos em sua
ementa, considerando que estas necessitam de um ambiente com uma maior
liberdade na composição de suas avaliações.
A flexibilidade presente nas tecnologias móveis é a principal característica
pertencente ao sucesso dessa integração, pois a facilidade de acesso aos AVAs
garante a viabilidade desse processo. Segundo a 28ª edição da pesquisa anual do
uso de TI da Fundação Getúlio Vargas (FGV) realizada em 2017, já há 280 mi-
lhões de dispositivos móveis conectáveis à internet no Brasil (notebook, tablet
e smartphone), isto é, 1,4 dispositivo portátil por habitante. Ainda segundo a
pesquisa, em 2017, são 208 milhões de celulares inteligentes (smartphones) no
Brasil, ou seja, um por habitante (Gráfico 1).

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 43
Gráfico 1. Número de smartphones por habitante.

Fonte: Meirelles (2017).

Partindo dessa premissa, pode-se observar que os softwares que agregam


os AVAs estão ao alcance de todos. Desse modo, as avaliações presentes no
ambiente virtual podem ser facilmente integradas ao cotidiano dos usuários de
dispositivos móveis, permitindo que a expressão “mobile learning” esteja ainda
mais presente no panorama educacional.

Discute-se hoje o conceito de m-learning, aqui definido como o pro-


cesso de aprendizagem que ocorre apoiado pelo uso de dispositivos
móveis, tendo como característica fundamental a portabilidade dos
dispositivos e a mobilidade dos sujeitos, que podem estar física e
geograficamente distantes uns dos outros ou em espaços físicos for-
mais de educação, como a sala de aula (MOURA, 2010, p. 3).

Diante desse cenário, é possível perceber que essa expressão fomenta a


cultura da mobilidade, a qual não está apenas ligada a questões tecnológicas, mas
também a questões sociais e antropológicas. “Quanto mais as aplicações edu-
cacionais para dispositivos móveis possuírem características e funcionalidades
do mobile learning, mais se justifica a sua aplicação em contextos educativos”
(MOURA, 2012, p. 145).
Para que essa integração ocorra de forma eficaz, recursos tecnológicos
se fazem necessários para a expansão da metodologia de avaliação continuada,
assim como o desenvolvimento de aplicações educacionais com interfaces espe-
cíficas para essa metodologia é indispensável. “[…] a aprendizagem móvel pode

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

44 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
envolver os alunos em atividades educacionais, utilizando a tecnologia como
instrumento de promoção e mediação para a aprendizagem via dispositivos mó-
veis” (ANDRADE; ARAÚJO JUNIOR; SILVEIRA, 2017, p. 179). Dessa for-
ma, essas tecnologias também precisam oferecer suporte aos métodos de avalia-
ção continuada. Uma das iniciativas de maior destaque que agrega esse intento
na atualidade é a “Google for Education”.
Atualmente, são encontradas diversas interfaces voltadas a aplicações edu-
cacionais. A evolução tecnológica permite que os docentes tenham muito mais
liberdade para elucidar a criatividade na elaboração de atividades pertencentes a
aplicações desse segmento.
A denotação da palavra “criatividade” fica evidente quando se observam
as interfaces dos grandes exemplos de aplicações que possuem esse intento, por
exemplo, a gamificação, cuja interface voltada para jogos digitais traz à tona uma
evidência significativa da expansão dos elos existentes na fronteira entre a tec-
nologia e a educação.

Metodologias ativas

As metodologias ativas tiveram um papel fundamental para a inserção das


tecnologias móveis na educação, de modo que, no cenário atual, permeiam gran-
de parte das principais instituições de Ensino Superior do país. “Nas últimas
décadas do século XX, vivenciamos de forma intensiva a inserção das TIC em
diferentes setores sociais. Estas tecnologias potencializaram novas formas de
comunicação, de aprendizagem [...]” (LUCENA, 2016, p. 279).

A primeira década do século XXI é marcada por outra transforma-


ção tecnológica causada pela frequente utilização das tecnologias
móveis conectadas em redes. Os tablets, notebooks, smartphones
e outros dispositivos móveis têm possibilitado uma comunicação
desprendida de lugares fixos e que utiliza diferentes linguagens e
novos processos sociotécnicos próprios deste novo ambiente in-
formacional e da cultura da mobilidade (LUCENA, 2016, p. 279).

Nesse contexto, com o suporte da tecnologia, projetam-se as metodolo-


gias ativas de aprendizagem. “O fato de estarem caracterizadas como ativas está
relacionado com a aplicação de práticas pedagógicas para envolver os alunos,
engajá-los em atividades práticas, nas quais eles são protagonistas da sua apren-
dizagem” (VALENTE; ALMEIDA; GERALDINI, 2017, p. 463). Os estímulos
obtidos por meio dessas metodologias apresentaram uma grande evolução não
apenas para o processo de ensino e aprendizagem em sala de aula, mas também
para a interatividade no aprendizado fora desses ambientes educacionais, com o
auxílio da tecnologia.

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 45
Desafios e atividades podem ser dosados, planejados e acompa-
nhados e avaliados com apoio de tecnologias. Os desafios bem
planejados contribuem para mobilizar as competências desejadas,
intelectuais, emocionais, pessoais e comunicacionais (MORAN,
2015, p. 18).

Essas práticas são essenciais para a consolidação do dispositivo móvel


como uma ferramenta presente no processo de avaliação continuada, de modo
que a ampla possibilidade de aplicação das metodologias ativas por meio de
dispositivos móveis favorece a concepção de que a tecnologia móvel também
pode estar presente no ato avaliativo, oferecendo, assim, subsídios funcionais,
práticos e tecnológicos suficientes para que o processo ocorra. Dessa forma, as
metodologias ativas se projetam como objeto de fundamental importância para
essa integração.

Projeto “Best Practices e Lições Aprendidas”

O reitor da Universidade Católica do Salvador (UCSal), por intermédio do


Ato nº 94, de 31 de agosto de 2016, constituiu uma comissão de professores para
elaborar um novo modelo de avaliação para os cursos de graduação. Desse modo,
o modelo entrou em vigor em 2017 por meio do Ato nº 27, de 16 de maio, alteran-
do o seu modelo de avaliação de desempenho acadêmico discente para a adoção
do sistema de avaliação continuada, estabelecendo, no mínimo, a obrigatoriedade
da realização de três avaliações para cada unidade letiva, bem como a permissão
para o docente elaborar a dinâmica das avaliações (FERREIRA, 2016, 2017).
Com a aplicação do novo modelo de avaliação para os cursos de graduação
da UCSal em 2017, os alunos da disciplina de Gestão do Conhecimento 2017.2
desenvolveram o projeto “Best Practices e Lições Aprendidas”. O projeto teve
como objetivo a construção de um repositório virtual de boas práticas e lições
aprendidas com o propósito de melhorar o entendimento da avaliação continu-
ada de forma mais ampla, a fim de poder identificar as principais dificuldades
e necessidades encontradas pelos docentes e alunos do curso bacharelado em
Engenharia de Software da universidade, valendo-se também do conhecimento
obtido sobre as metodologias ativas que foram utilizadas para essa comutação.
A coleta de informações e de documentos, a elaboração dos modelos de
tarefa, agente, organização, projeto, conhecimento e comunicação e a pesquisa
descritiva quantitativa realizada com os alunos do curso propiciaram um melhor
aproveitamento no estudo de viabilidade do projeto. Dessa forma, foi possível
gerar a documentação necessária para a criação do repositório.
A pesquisa foi realizada entre os dias 11 e 15 de dezembro de 2017 com
a participação de alunos dos cursos bacharelado em Engenharia de Software,
Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Administração, Arquitetura e Enfer-

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

46 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
magem. A seguir, apresentam-se alguns dados obtidos por meio da pesquisa. O
questionário abrangia perguntas abertas e de múltipla escolha sobre a adoção do
novo modelo de avaliação continuada instituído na universidade.
Conforme pode ser verificado no Gráfico 2, cerca de 60% dos alunos ava-
liaram o novo sistema de avaliação continuada de forma positiva, não havendo
avaliação negativa para essa pergunta. Esses dados evidenciam a aprovação do
novo método de avaliação continuada pela maior parte dos alunos e da total au-
sência de reprovação a essa nova vertente educacional na UCSal.

Gráfico 2. O que você achou sobre o novo sistema de avaliação da universidade?

Fonte: elaborado pelos autores (2018).

Conforme pode ser notado no Gráfico 3, 81,8% dos alunos, de alguma


forma, diziam conhecer o sistema de avaliação continuada e apenas 18,2% di-
ziam não conhecer. Esses dados indicam o progresso na integração desse mé-
todo avaliativo e refletem a disseminação dessa nova vertente, resultando na
popularização do sistema.

Gráfico 3. Você já conhecia o sistema de avaliação continuada?

Fonte: elaborado pelos autores (2018).

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 47
Quando questionados em uma pergunta aberta sobre as dificuldades pre-
ponderantes relacionadas à adequação ao sistema avaliativo adotado, “Você teve
alguma dificuldade para se adequar ao novo sistema avaliativo?”, a grande maio-
ria não demonstrou ter encontrado dificuldade ou alguma resistência ao sistema,
assim como outros ressaltaram a flexibilidade oportunizada por meio das tecno-
logias móveis que foram adotadas como suporte dessa implantação.
Como se pode observar no Gráfico 4, existe uma notável busca por mais
instrução e perícia voltadas a esse método avaliativo, salientando a existência de
fatores e obstáculos que ainda impedem a plena concepção de aplicação do siste-
ma, tornando necessário alguns recursos auxiliares, como o repositório proposto
no projeto.

Gráfico 4. Você gostaria de dispor de uma base de dados com boas práticas e
lições aprendidas?

Fonte: elaborado pelos autores (2018).

Quando questionados sobre a relevância do AVA e das tecnologias móveis


no processo de viabilidade desse método avaliativo, os números foram enfáticos em
apontar para o primordial papel que o AVA e as tecnologias móveis desempenham
na implantação do método. Na avaliação constavam números de 0 a 5 para mensurar
o grau de relevância, em que 0 indicava que o objeto proposto não era relevante e 5
indicava que era extremamente relevante para o estudante questionado (Gráfico 5).
Observando os resultados obtidos por meio do questionário, percebe-se
que o sucesso na implantação dos métodos de avaliação continuada na UCSal
está atrelado diretamente ao suporte facultado pelas tecnologias móveis. Des-
taca-se a flexibilidade geográfica oportunizada por essas tecnologias para rea-
lização de avaliações fora do ambiente educacional, bem como a oportunidade
facultada aos professores para avaliar os alunos com maior constância.
Por meio da análise dos dados obtidos, também é importante ressaltar a
notória disseminação dos métodos de avaliação continuada, de modo que gran-
de parte dos estudantes questionados já conhecia ou já tinha ouvido falar desses
métodos antes da implantação realizada na UCSal.

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

48 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
Gráfico 5. Qual é a relevância do AVA e das tecnologias móveis?

Fonte: elaborado pelos autores (2018).

O questionário também evidenciou a necessidade da presença de instru-


ções destinadas aos estudantes sobre a comutação realizada, mesmo para aqueles
que já conheciam ou ouviram falar desses métodos. Desse modo, salienta-se a
importância da implementação do repositório proposto no projeto e da obser-
vação do projeto como um todo.

Considerações finais

Com o advento do método de avaliação continuada nas universidades,


as tecnologias móveis, aliadas a softwares cada vez mais eficientes, consoli-
dam-se como principais ferramentas facilitadoras para essa integração. Como
se pode analisar por meio do presente artigo, é de fundamental importância
que a evolução no processo avaliativo continue a angariar suporte de softwa-
res específicos para essa vertente, bem como é imprescindível a ampliação do
subsídio tecnológico voltado à resolução dos obstáculos que se manifestam
diante desse encargo.
Desse modo, é irrefutável que projetos, como o “Best Practices e Lições
Aprendidas”, são importantes para um primeiro contato com essa tendên-
cia educacional. O projeto foi muito importante, pois ajudou diretamente na
formação de uma concepção sólida sobre a comutação realizada no sistema
avaliativo da UCSal. Dessa forma, foi possível identificar os aspectos prepon-
derantes relacionados às necessidades, dificuldades e principais dúvidas dos
alunos, permitindo o registro dos dados e das informações coletados em um
repositório virtual. Tendo em vista as informações coletadas, pôde-se observar
que o corpo discente da universidade aprovou as mudanças implantadas e se
mostrou familiarizado com a maior parte das tecnologias utilizadas como su-
porte para essa integração, partindo da premissa de que estas, em sua maioria,
já fazem parte do cotidiano dos estudantes de nível superior de modo geral.

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 49
Recebido em: 30/03/2018
Revisado pelo autor em: 23/05/2018
Aceito para publicação em: 25/06/2018

Notas
1 Mestrado em Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social pela FVC. Cursou na con-
dição de aluna especial a disciplina: Construção de Indicadores no Desenvolvimento Humano,
no Doutorado em Família e Sociedade Contemporânea, na Universidade Católica de Salvador
(UCSal). Cursou as disciplinas Política Educacional Brasileira e Tópicos Especiais em Educação,
Comunicação e Tecnologias na condição de aluna especial no Mestrado em Educação e Contem-
poraneidade na UNEB em 2006.2 e 2007.2, respectivamente. Possui especialização em Gestão
Integrada em Qualidade e Certificação pelo Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE)
(2007), MBA em Gestão Educacional e Gestão de Projetos, especialização em Planejamento, Im-
plementação e Gestão de Educação a Distância, em andamento, pela Universidade Federal Flu-
minense (UFF). Graduação em bacharelado em Administração de Empresas pela Faculdade 2 de
Julho (2005). Tecnóloga em Logística pela UNIJORGE (2011). Atuou como coordenadora de
operações da educação a distância no UNIJORGE durante oito anos. Atualmente, é coordena-
dora do Centro de Ensino a Distância da UCSal, professora da Faculdade Castro Alves/UNIRB
e membro do GT-Grupo de Trabalho de EaD da ANEC. E-mail: karol.almeida@ucsal.br
2 Doutorado em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia
(UNEB). Mestrado em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia
(UFBA). Graduação em História pela Universidade Católica de Salvador (UCSal) e em Pedagogia
pela UNEB. Integra o Grupo de Pesquisa Comunidades Virtuais 2.0 da UFBA. Desenvolve pes-
quisas relacionadas ao processo de ensino e aprendizagem e tecnologias digitais, especialmente
games e aplicativos. Atuou como professora em cursos de graduação na UCSAL, na UNEB e na
Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Foi professora formadora do Programa
Um Computador por Aluno, no curso de História e Matemática (EAD/UNEB) e no curso de
Pedagogia Parfor (UFRB). Professora adjunta do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências
Profº Milton Santos da UFBA. E-mail: isabeatrizneves@gmail.com
3 Graduando em Engenharia de Software na Universidade Católica de Salvador (UCSal). E-mail:
murilo.arouca@ucsal.edu.br

Referências

ANDRADE, Marcos Vinícius Mendonça; ARAÚJO JUNIOR, Carlos Fernan-


do; SILVEIRA, Ismar Frango. Estabelecimento de critérios de qualidade para
aplicativos educacionais no contexto dos dispositivos móveis (M-Learning).
Ead em Foco, v. 7, n. 2, p. 178-193, set. 2017. Disponível em: <http://eadem-
foco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/466/262>. Acesso em: 24
maio 2018.
FERREIRA, Maurício da Silva. Ato nº 27, de 16 de maio de 2017. Institui a obri-
gatoriedade e cumprimento do modelo de avaliação de desempenho acadêmico
de discente da UCSal, vigente desde janeiro de 2017.1. Salvador, 2017. Disponível

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.

50 A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018
em: <http://noosfero.ucsal.br/articles/0011/1115/ato-n-27-de-16-de-maio-de-
-2017-avalia-o-de-desempenho-acad-mico.pdf>. Acesso em: 23 maio 2018.
______. Ato nº 94, de 31 de agosto de 2016. Constitui Comissão para elaborar
modelo de avaliação dos cursos de graduação a ser implantado a partir de 2017.
Salvador 2016. Disponível em: <http://noosfero.ucsal.br/articles/0009/3015/
ato-0094-cursos-de-gradua-o-da-ucsal-avalia-o.pdf>. Acesso em: 23 maio 2018.
LUCKESI, Carlos Cipriano. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem?
Revista Pátio, Porto Alegre, v. 4, n. 12, p. 6-11, 2000.
______. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed.
São Paulo: Cortez, 2011.
LUCENA, Simone. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. Educar em
Revista, Paraná, v. 1, n. 59, p. 277-290, mar. 2016. Disponível em: <http://www.
scielo.br/pdf/er/n59/1984-0411-er-59-00277.pdf>. Acesso em: 24 maio 2018.
MEIRELLES, Fernando. Tecnologia de Informação. In: PESQUISA ANUAL
DO USO DE TI, 28., 2017, São Paulo. Apresentação... São Paulo: Fundação
Getúlio Vargas, 2017. Disponível em: <http://eaesp.fgv.br/sites/eaesp.fgv.br/
files/pesti2017gvciappt.pdf>. Acesso em: 24 maio 2018.
MORAN, José. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOU-
ZA, Carlos Alberto de; MORALES, Ofelia Elisa Torres (Org.). Convergên-
cias midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa:
PROEX/UEPG, 2015. Vol. II. (Coleção Mídias Contemporâneas). Disponível
em: <http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudan-
do_moran.pdf>. Acesso em: 23 maio 2018.
MOURA, Adelina Maria Carreiro. Apropriação do telemóvel como ferra-
menta de mediação em mobile learning: estudos de caso em contexto edu-
cativo. 2010. 630 f. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Universidade
do Minho, Braga, 2010.
MOURA, Adelina Maria Carreiro. Mobile learning: tendências tecnológicas
emergentes. In: CARVALHO, Ana Amélia (Org.). Aprender na era digital:
jogos e mobile-learning. Santo Tirso: De Facto Editores, 2012. p. 127-147.
VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; GE-
RALDINI, Alexandra Flogi Serpa. Metodologias ativas: das concepções às prá-
ticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Campinas,
v. 17, n. 52, p. 455-478, jun. 2017. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.
br/index.php/dialogoeducacional/article/view/9900/12386>. Acesso em: 24
maio 2018.

ALMEIDA, F.K.G.K.; NEVEZ, I.B.C.; AROUCA, M.G.


A relação entre a tecnologia móvel e os métodos de avaliação continuada na Universidade Católica do Salvador
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 39-51, jun./set. 2018 51
ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo


competências em harmonia com as habilidades
Christiano Corrêa Teixeira1
Marcelo Figueiró2

Resumo: Escrever sobre educação é o mesmo que escrever sobre transformação, mu-
dança, utopia. O Brasil parece não aprender com a história e acumula equívocos edu-
cacionais desde sua descoberta. Precisamos nos reinventar no quesito educação, cultura
e sociedade. A luz no final do túnel representa a resistência dos brasileiros ávidos por
uma nação melhor, na qual a educação perpasse por toda sua extensão territorial, de for-
ma instigante, significativa, atraente e eficaz. Valorizando quem ensina e quem aprende,
apostando no protagonismo discente para transformar a nossa nação em um país de van-
guarda, no qual o ensino tenha qualidade, de verdade. Faz-se necessária uma reengenha-
ria educacional ampla e propositiva, capaz de atingir o país como um todo, promovendo
as reformas educativas tão sonhadas pela nossa população. Só dessa maneira vamos nos
candidatar a frequentar os mesmos índices educacionais das grandes potências mundiais.
Palavras-chave: Aprendizagem significativa. Protagonismo discente. Oficinas. Compe-
tências e habilidades.

Meaningful and effective learning: developing competency in harmony with the


skills

Abstract: Writing about education is the same as writing about transformation, chan-
ge, utopia. Brazil does not seem to learn from history, and accumulates educational
misunderstandings since its discovery. We need to reinvent ourselves in education,
culture and society. The light at the end of the tunnel represents the resistance of
the Brazilians eager for a better nation, where education permeates throughout its
territorial extension, in an exciting, meaningful, attractive and effective way. Valuing
who teaches and who learns, betting on the student protagonism to transform our
nation into a country of vanguard, where the teaching has quality, of truth. There is
a need for a broad and purposeful educational reengineering, capable of reaching the
country as a whole, promoting educational reforms so dreamed up by our population.
Only in this way will we apply to attend the same educational indexes of the great
world powers.
Keywords: Meaningful learning. Student leadership. Workshops. Competency and skill.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.

52 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018
Aprendizaje significativo y efectivo: desarrollando competencias en armonía
con las habilidades

Resumen: Escribir sobre educación es sinónimo de escribir sobre transformación,


cambio, utopía. Brasil parece que no aprende de la historia, y acumula equívocos educa-
tivos desde su descubrimiento. Necesitamos reinventarnos en el ámbito de la educación,
la cultura y la sociedad. Una luz al final del túnel, representa la resistencia de los brasi-
leños ávidos por una nación mejor, donde la educación esté presente en toda su exten-
sión territorial, de forma instigadora, significativa, atractiva y eficaz. Valorando a quien
enseña y a quién aprende, apostando en el protagonismo discente para transformar
nuestra nación en un país de vanguardia, donde la educación sea, verdaderamente, de
calidad. Se necesita una reingeniería educacional amplia y propositiva, capaz de alcanzar
al país como un todo, promoviendo las reformas educativas tan soñadas por nuestra
población. Sólo de esta manera vamos a frecuentar los mismos índices educativos de las
grandes potencias mundiales.
Palabras clave: Aprendizaje significativo. Protagonismo discente. Talleres. Competencias
y habilidades.

O ensino vem passando por diversos questionamentos. Pensamos que


esse seja um momento de fragilidade e, por conseguinte, perigoso. Modismos
podem ser referendados como solução, e incertezas correm o risco de serem
confirmadas como verdades. Em momentos de mudanças, devemos ter cautela.
No setor educacional, as tendências não sedimentadas e seus processos não pas-
sam por um tempo de experimentação que julgamos necessário. Pensamos que
esse possa ser o motivo pelo qual frequentamos os últimos lugares em avaliações
internacionais. Vivemos no país das reformas, consertando e reformulando uma
pseudopolítica nacional de educação que nunca atingiu o Brasil de modo efetivo,
contemplando algumas regiões em detrimento de outras. Assim, quando emerge
o assunto “reforma da educação”, perguntamos: reformar o quê? Será que a
colcha de retalhos em que se transformou a educação neste país está preparando
nossos jovens para o mundo? Corremos o risco do retrocesso, que nos deixará
cada vez mais distantes das nações desenvolvidas. Nós, brasileiros, merecíamos
algo melhor em se tratando de educação.
Segundo Paulo Freire (1996, p. 10):

A ideologia fatalista, imobilizante, que anima o discurso neolibe-


ral anda solta no mundo. Com ares de pós-modernidade, insiste
em convencer-nos de que nada podemos contra a realidade social
que, de história e cultural, passa a ser ou a virar “quase natural”.
Frases como “a realidade é assim mesmo, que podemos fazer?”
ou “o desemprego no mundo é uma fatalidade do fim do sécu-
lo” expressam bem o fatalismo desta ideologia e sua indiscutível
vontade imobilizadora.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.


Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018 53
O processo educativo está necessitando de uma oxigenação, uma reestru-
turação, visando adaptar outros métodos para uma nova geração de crianças e
jovens conectados ao mundo virtual. Nesse contexto, a informática deixa de ser
uma ferramenta e torna-se parte integrante da metodologia de ensino. O profes-
sor, que outrora era o detentor do conhecimento, necessita estar aberto ao novo,
transformando-se em um investigador, orientador, coordenador e, fundamental-
mente, pesquisador. Deve propor situações nas quais o aluno seja protagonista,
para que desenvolva sua autonomia e seja desafiado, mediante situações criati-
vas, a elaborar o raciocínio lógico. Para tanto, educadores e educandos precisam
aprender a aprender, ter capacidade de adaptação e facilidade de encarar o novo,
sem medo da mudança. Torna-se imprescindível preparar as novas gerações para
a vida, tendo em vista a quantidade de profissões que desapareceram e outras
que serão extintas com o passar do tempo. Os avanços tecnológicos tendem a
mudar as relações de trabalho, suprimindo alguns postos de emprego e opor-
tunizando novas funções para quem souber aproveitar as oportunidades sem
medo de ousar.
Esta reflexão pretende abordar a importância da aprendizagem significa-
tiva, na qual o conhecimento prévio do aluno é o ponto de partida para a ação
pedagógica. A educação é um longo caminho, o qual deve ser prazeroso, alegre,
divertido, eficiente, instigante, inovador e investigativo. Segundo Maria Montessori
(apud FARIA et al. 2012), a atividade do educando deve ser impulsionada pelo seu
próprio eu, e não pela vontade do educador. O aluno deve ser conscientizado a
ver a educação como um caminho para mudar de vida, abrir novos horizontes e
ascender socialmente. A utilização da educação escolar como instrumento de dou-
trinamento e replicador de discursos encontra sua instrumentalização naquilo que
Paulo Freire (1994) chama de educação bancária. Para o referido autor, a relação
educador-educando nessa concepção consiste em narrar, dissertar, transferir ou
depositar conhecimentos nos alunos. Não há a preocupação em desvendar as pala-
vras, torná-las inteligíveis aos alunos, significá-las, ou seja, construir conhecimento.
Falar da realidade como algo parado, estático, compartimentado e
bem comportado, quando não falar ou dissertar sobre algo com-
pletamente alheio à experiência existencial dos educandos vem
sendo, realmente, a suprema inquietação desta educação. A sua
irrefreada ânsia. Nela, o educador aparece como seu indiscutível
agente, como o seu real sujeito, cuja tarefa indeclinável é “encher”
os educandos dos conteúdos de sua narração. Conteúdos que são
retalhos da realidade desconectados da totalidade em que se en-
gendram e em cuja visão ganhariam significação. A palavra, nestas
dissertações, se esvazia da dimensão concreta que devia ter ou se
transforma em palavra oca, em verbosidade alienada e alienante.
Daí que seja mais som que significação e, assim, melhor seria não
dizê-la (FREIRE, 1994, p. 33).

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.

54 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018
Nesse modelo educacional, não há a preocupação em desenvolver nos
alunos a reflexão, o pensamento autônomo ou crítico. O que está no cerne des-
se modelo é a reprodução. O conhecimento não surge do nada e não acontece
por passe de mágica, mas nasce de experiências do cotidiano. De acordo com
Paulo Freire (1998), quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao
aprender. Quem ensina, ensina alguma coisa para alguém. Para que aconteça a
aprendizagem, é necessário que o aluno relacione o conhecimento anterior com
o novo. O professor não pode desprezar a bagagem trazida pelo aluno, pois essa
riqueza pode alavancar a construção do conhecimento. Conforme Celso Vas-
concelos (1992), conhecimento novo se constrói a partir do anterior.
O professor precisa entender como o aluno aprende, o que envolve o ato
de ensinar e os conceitos que perpassam pelas teorias de aprendizagem. Por não
serem aprofundados com a devida atenção que merecem, acabam não favore-
cendo quem ensina e não facilitando a aprendizagem dos educandos. O desen-
volvimento do campo cognitivo tem em Vygotsky (2016) e em Piaget (1986)
valiosas contribuições no âmbito educativo. Esses dois pesquisadores e suas te-
orias até hoje têm influência na educação. Os profissionais que trabalham na
área precisam não apenas compreender essas teorias, mas propor alternativas e
elaborar uma nova ressignificação para o que é estudado. Segundo Piaget (1986),
o sujeito (re)constrói o conhecimento por meio do processo de adaptação. Para
tal, é necessário que ocorra um desequilíbrio em seus esquemas mentais já esta-
belecidos, imposto pelo entorno, ou seja, externo ao sujeito. Então, na tentativa
de se reorganizar mentalmente, o sujeito, por meio dos processos concomitantes
de assimilação e acomodação, busca o reequilíbrio, a reorganização daquilo que
foi abalado. A assimilação consiste em uma “estruturação por incorporação da
realidade exterior às formas devidas à atividade do sujeito” (PIAGET, 1986, p.
20), ou seja, é exterior ao sujeito; todavia, não existe assimilação sem acomoda-
ção. Já a acomodação é como internamente o sujeito transforma aquilo que foi
assimilado. Sendo assim, podemos compreender que a acomodação é o “resulta-
do das pressões exercidas pelo meio [...], podemos então dizer que a adaptação
é um equilíbrio entre a assimilação e a acomodação” (PIAGET, 1986, p. 19), é
a construção de um novo conhecimento, fundamentado na reestruturação de
conhecimentos anteriores. Já Vygotsky (2016) destaca o papel do ambiente e
que as interações determinam o que a criança vai internalizar. Segundo Zoltan
Paul Dienes (apud ROSA NETO, 1989), as habilidades que um indivíduo possui
não aparecem de repente. São resultantes de um processo que ocorre por etapas.
É uma evolução do concreto para o abstrato, trabalhando habilidades e redes-
cobertas. A educação necessita de um salto de qualidade e eficácia. O papel do
educador na mediação da construção do conhecimento é fundamental, com uma
visão sistêmica do que está envolvido no processo de ensino e aprendizagem.
De acordo com Heloísa Lück (2009, p. 7):

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.


Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018 55
O caminho da qualificação da educação também passa pelo for-
talecimento do magistério não apenas com melhor remuneração,
mas também, e principalmente, pelo aumento da responsabilidade
dos professores perante as comunidades atendidas. Envolve, por-
tanto, a formação inicial e continuada dos educadores e a seleção
e retenção dos profissionais que demonstram capacidade para ga-
rantir o aprendizado de qualidade a todos.

Para o psicólogo educacional norte-americano David Ausubel (apud


GOULART, 2000), que adquiriu notoriedade por ter proposto o conceito de
aprendizagem significativa, quanto mais sabemos, mais aprendemos. O referido
autor dedicou sua vida acadêmica à pesquisa, propondo um ensino que faz sen-
tido ao aluno. O que os estudantes vão aprender de “novo” precisa se sustentar
em conhecimentos preexistentes, levando o aluno a refletir, relacionar, ampliar
e reconfigurar algumas ideias, proporcionado a chance da descoberta. Segundo
Ausubel (2000), ensinar sem levar em conta o que a criança já sabe é um esforço
em vão. Segundo Hélio Teixeira (2015, s/p), “a ocorrência da aprendizagem sig-
nificativa implica no crescimento e modificação do banco de informações que o
educando traz consigo”. Nesse modelo de aprendizagem, é possível diversificar
as abordagens do mesmo tema, proporcionando interpretações diferentes e uma
nova práxis educativa. Aprender significativamente e de maneira eficaz só ocorre
quando o aluno consegue relacionar uma coisa com a outra, partindo sempre de
uma situação que tenha potencial significativo de aprendizagem. Assim:
O sujeito-educando necessita reconhecer que o que está sendo
proposto pelo educador tem sentido, o afete de alguma forma, pois
a afetividade é que produzirá o desequilíbrio necessário para que
possa se efetivar a adaptação (TEIXEIRA, 2016, p. 59).

Contudo, em determinados conteúdos, torna-se necessária a memoriza-


ção, que também faz parte do processo educativo. No entanto, o que fora sim-
plesmente memorizado tem grande probabilidade de ser esquecido, ao passo
que o ensino com significação permanece vivo por mais tempo.
De acordo com Santomé (1998, p. 41):
A aprendizagem significativa ocorre quando as novas informações
e conhecimentos podem relacionar-se de uma maneira não-arbitrá-
ria com aquilo que a pessoa já sabe. No momento em que aquilo
que se está aprendendo pode entrar em relação e integrar-se a co-
nhecimentos já possuídos.

Estamos construindo uma mudança conceitual na forma de ensinar, aprender
e avaliar. A nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) propõe as orientações
norteadoras dos currículos da Educação Básica das escolas públicas e privadas do

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.

56 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018
país, estabelecendo os conteúdos essenciais, bem como as competências e habilida-
des que deverão ser desenvolvidas. Quando o aluno aprende de forma significativa,
ou seja, faz sentido o que está aprendendo, torna-se mais eficaz o desenvolvimento
das competências. Segundo Moretto (2012), competência não se alcança, mas desen-
volve-se. Competência é fazer bem o que se propõe fazer. Já habilidade é a aplicação
prática de determinada competência, visando à resolução de uma situação-problema.
Nas oficinas de ensino, podemos RECONHECER uma aprendizagem significativa,
o desenvolvimento de habilidades e de competências e suas aplicações práticas. Para
abordar uma situação complexa, pensamos que o educando necessita: I) compreen-
der, identificando as variáveis; II) planejar o caminho a seguir, projetando uma solu-
ção; III) executar o que foi planejado; e IV) analisar, de maneira crítica, os resultados
obtidos, estabelecendo uma analogia com experimentos já realizados.
Segundo Edgar Morin (2004, p. 16):
Devemos, pois, pensar o problema do ensino, considerando, por
um lado, os efeitos cada vez mais graves da compartimentação dos
saberes e da incapacidade de articulá-los, uns aos outros; por outro
lado, considerando que a aptidão para contextualizar e integrar é
uma qualidade fundamental da mente humana, que precisa ser de-
senvolvida, e não atrofiada

Quando o aluno aprende fazendo, que é o princípio das oficinas de ensino,


tende a assimilar e a compreender com mais facilidade as novas situações, pois
tem a possibilidade de refletir e corrigir os rumos da aprendizagem. Segundo
Maria Montessori (apud ROSA NETO, 1989), a curiosidade é um impulso para
aprender. Quando o aluno aprende a partir de atividades bem planejadas pelo
professor, constrói o conhecimento de forma significativa. O educando que se
desenvolve a partir dessa perspectiva compreende melhor o que está aprenden-
do, enfrenta os problemas com sabedoria e técnica, comunica-se e argumenta
com propriedade, elabora propostas e críticas, tem atitude, pois aprendeu a se
socializar e a trabalhar em grupo. A aprendizagem significativa pode se consu-
mar por meio da interdisciplinaridade, visando romper com uma fragmentação
equivocada em que as disciplinas não dialogam, o que Morin (2005) define como
paradigma simplificador. Assim:

pensamos que o conhecimento parcelado, fragmentado, triturado, pul-


verizado que impede uma visão do tecido no qual se dão as relações
humanas. O retalho em que se converteu o conhecimento humano
impede-nos de compreender o todo [...] (TEIXEIRA, 2016, p. 39).

Então é necessário que exista uma articulação entre as disciplinas. Só dessa


maneira conseguiremos formar o aluno como um todo, permitindo compreen-
der a realidade, provocando uma mudança comportamental.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.


Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018 57
De acordo com Vieira e Volquind (2002, p. 11):
Sobre Oficina de Ensino [...] Transportando para a linguagem pe-
dagógica, pode-se afirmar que se trata de uma forma de ensinar e
aprender, mediante a realização de algo feito coletivamente. Salienta-
-se que oficina é uma modalidade de ação. Toda oficina precisa pro-
mover a investigação, a ação, a reflexão; combinar o trabalho indivi-
dual e a tarefa socializada; garantir a unidade entre teoria e prática.

No atual momento educacional em que vivemos, o professor deve ser o


mediador do conhecimento, estabelecendo uma proposta criativa e significativa,
que deve ser planejada para um ambiente propício à aprendizagem. Segundo
Valente (1995), as mudanças que estão ocorrendo nos processos de aquisição
do conhecimento implicam alteração de postura dos profissionais em geral e,
portanto, requer o repensar dos processos educacionais. Partindo do que o aluno
já sabe, o educador pode estabelecer e atribuir significado e sentido às atividades
sugeridas. Em dado momento, quando o aluno passa a fazer relações, a aprendi-
zagem está se efetivando. Para isso, sempre que possível, os materiais concretos
devem ser utilizados. Esses materiais estimulam o raciocínio e a criatividade.
Quando o aluno é desafiado, formula hipóteses e arrisca algumas soluções. Nes-
se momento do debate, faz-se necessária a intervenção do educador, conduzin-
do o assunto de forma inteligente, possibilitando aos educandos a construção
dos conceitos. Quando esses fatores estão convergindo de forma livre e espon-
tânea, está nascendo a aprendizagem significativa. Trabalhar dessa forma requer
preparação das aulas, alunos motivados e professores que não tenham medo da
mudança, acreditem no novo e estejam constantemente revendo conceitos.
Finalizando, esse momento de reflexões teve a intenção de propor uma
maneira de ensinar mais democrática e dinâmica, na qual o professor vai ensinar
a aprender. Essa nova postura precisa estar internalizada na mente do educador,
fazendo parte das ações no cotidiano. As nossas crianças e os nossos jovens
precisam estar integrados nesses processos, não apenas como espectadores, mas
tendo a chance de poder interferir, contextualizar e reagir diante da realidade.
Se o aluno não construir um sentido real sobre o que está aprendendo, a apren-
dizagem não fará sentido. Quem gostaria de aprender sobre alguma coisa que
não lhe diz respeito? O educador precisa oportunizar uma maneira diferente de
contemplar os assuntos, buscando a atenção e o interesse dos alunos, algo mais
instigante do que se apresenta hoje, proporcionando algo que tenha sentido.
Não podemos reproduzir uma massa de pessoas que não questiona a realidade e
o porquê das coisas. A aprendizagem também se dá por tentativa e erro. Debate,
reflexão e ação precisam fazer parte do ambiente escolar. Existe luz no fim do
túnel, cabe a nós, educadores, mantê-la acesa e promover uma educação mais
voltada ao aluno, que seja significativa e efetiva.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.

58 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018
Recebido em: 17/10/2017
Revisado pelo autor em: 05/03/2018
Aceito para publicação em: 09/04/2018

Notas
1 Doutorando em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mes-
trado em Geografia pela UFRGS. Licenciatura em Geografia pela UFRGS. Professor de Ensino
Fundamental da Escola La Salle Pão dos Pobres, Porto Alegre/RS. Professor de Ensino Fun-
damental do Colégio Sinodal do Salvador, Porto Alegre/RS. Professor-Formador do programa
Escola da Terra (SECADI/MEC/UFRGS). E-mail: christiano.teixeira@lasalle.org.br.
2 Licenciado em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande
do Sul (PUC-RS). Especialista em Metodologia do Ensino de Matemática Ensino Fundamen-
tal e Médio pela Faculdade Porto-Alegrense (FAPA). Especialista em Gestão da Educação pela
PUC-RS. MBA em Gestão de Instituições Educacionais (incompleto) pela UNILASALLE de
Canoas/RS. Curso de Gestão e Liderança – Província Lassalista de Porto Alegre. 11º Curso
de Gestão Integrada em Formação de Gestores Educacionais pelo SINEPE/RS. Curso de
Gestão do Desempenho e Feedback pelo SINEPE/RS. Líder coach em Formação Rápida,
Prática e Eficaz pelo SINEPE/RS (2016). Diretor da Escola La Salle Pão dos Pobres. E-mail:
marcelo.figueiro@lasalle.org.br.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: intro-


dução aos parâmetros curriculares nacionais Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponí-
vel em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf>. Acesso em:
8 maio 2017.
FARIA, Ana Carolina Evangelista et al. Método Montessoriano: a importância
do ambiente e do lúdico na educação infantil. Revista Eletrônica da Faculda-
de Metodista Granbery, n. 12, p. 1-21, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://
re.granbery.edu.br/artigos/NDY2.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2018.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 23. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.
______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25.
ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 54 p.
______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São
Paulo: Paz e Terra, 1998.
GOULART, Iris B. Psicologia da educação: fundamentos teóricos - aplica-
ções à prática pedagógica. 7. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.
LÜCK, Heloisa. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curiti-
ba: Editora Positivo, 2009.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.


Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018 59
MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa. Porto Alegre:
Artmed, 1998.
MORETTO, Vasco Pedro. Educar para competências: o desafio do professor no
novo contexto social. Explicando o ENEM, São Paulo, p. 9-12, 2012. Disponí-
vel em: <https://www.phronesis.net.br/afes/conteudo-detalhes,466,texto,vas-
co-pedro-moretto-educar-para-competaencias-o-desafio-do-professor-no-no-
vo-contexto-social>. Acesso em: 3 maio 2017.
MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensa-
mento. Tradução de Eloá Jacobina. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.
______. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa.
Porto Alegre: Sulina, 2005.
PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. Tradução de Maria
Luísa Lima. 10. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986.
ROSA NETO, Ernesto. Didática da matemática. São Paulo: Editora Ática, 1989.
SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo
integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
TEIXEIRA, Christiano Corrêa. A geografia na educação do campo: pos-
síveis contribuições. 2016. 142 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Uni-
versidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em:
<http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/143009>. Acesso em: 12 mar. 2017.
TEIXEIRA, Hélio. Teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel.
18 nov. 2015. Disponível em: <http://www.helioteixeira.org/ciencias-da-apren-
dizagem/teoria-da-aprendizagem-significativa-de-david-ausubel/>. Acesso em:
12 mar. 2017.
VALENTE, José Armando. Informática na educação: conformar ou transfor-
mar a escola. Perspectiva, Florianópolis, UFSC/CED, NUP, n. 24, p. 41-49,
1995. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/arti-
cle/viewFile/10703/10207>. Acesso em: 5 maio 2017.
VASCONCELOS, Celso dos S. Metodologia dialética em sala de aula. Revista
de Educação AEC, Brasília, n. 83, abr. 1992.
VIEIRA, Elaine; VOLQUIND, Léa. Oficinas de ensino: O quê? Por quê?
Como? Porto Alegre: EdiPUCRS, 2002.
VYGOTSKY, Lev. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 14. ed.
São Paulo: Ícone, 2016.

TEIXEIRA, C.C.; FIGUERIRÓ, M.

60 Aprendizagem significativa e efetiva: desenvolvendo competências em harmonia com as habilidades


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 155, p. 52-60, jun./set. 2018
ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un


modelo pedagógico productivo
Antonio Yesid Pedroza Estrada1
Luis Beleño Chamorro2
Martha María Charris Balcázar3

Resumen: La metodología de la investigación jurídica, es un proceso con pasos lógi-


cos, que mediante un estudio sistemático, holístico, racional y falible, busca resolver los
problemas de las relaciones sociales del hombre con relación a su entorno, mediante la
creación de normas y actuaciones jurídicas. La presente investigación se realizó bajo el
enfoque cualitativo, de tipo bibliográfico, documental utilizando como técnica la her-
menéutica, descriptiva y proyectiva. Aumentar la productividad es fundamental para que
la Universidad Popular del Cesar (UPC) sea competitiva por la abundancia de oferta
en Valledupar de los programas de derecho. La materia Metodología de la Investiga-
ción en la UPC, se enseña como asignaturas independientes en cada uno de los siete
semestres, no existen planes de asignaturas. La enseñanza de las mismas es liderada
por profesionales de la Sociología, los abogados investigadores no se ocupan para su
instrucción. Se propone la implementación de nuevos contenidos temáticos de cada
uno de los semestres en que se dividió la enseñanza de la asignatura en el programa de
derecho utilizando como hilo conductor las teorías de Carlos Sabino (1992). Se reco-
mienda nombrar abogados con competencias en procesos investigativos para liderar la
asignatura metodología de la investigación jurídica, implementar cursos a los estudiantes
del programa de derecho sobre temáticas de redacción científica, realizar más eventos
académicos de investigación Jurídica, aumentar las publicaciones científicas, apoyar fi-
nanciera, profesional y logísticamente los procesos de investigación del programa que
lideren los abogados investigadores.
Palabras clave: Metodología de la investigación. Modelo pedagógico. Productividad.

A metodologia da pesquisa jurídica: proposta de um modelo pedagógico produtivo

Resumo: A metodologia da pesquisa jurídica é um processo com etapas lógicas, que,


por meio de um estudo sistemático, holístico, racional e falível, busca resolver os pro-
blemas das relações sociais do homem em relação ao seu meio, mediante a criação de
regras e ações judiciais. A presente investigação foi realizada com base em abordagem
qualitativa, bibliográfica e documental, utilizando como técnica a hermenêutica, a

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 61
descrição e a prospecção. Aumentar a produtividade é essencial para que a Universi-
dade Popular do Cesar (UPC) seja competitiva devido à abundância de oferta em Val-
ledupar (Colômbia) dos programas de Direito. O assunto Metodologia de Pesquisa na
UPC é ensinado como área independente em cada um dos sete semestres, pois não há
planos de assunto. O seu ensino é liderado por profissionais de Sociologia, visto que
os advogados investigadores não se aprofundam nessa área. Propõe-se a implemen-
tação de novos conteúdos temáticos de cada um dos semestres em que o ensino do
tema foi dividido em programa de Direito, utilizando como fio condutor as teorias de
Carlos Sabino (1992). Recomenda-se a nomeação de advogados com competência em
processos investigativos para liderar a metodologia da pesquisa jurídica, a realização
de cursos para alunos do curso de direito sobre temas de redação científica, a reali-
zação de mais eventos acadêmicos de pesquisa jurídica, o aumento das publicações
científicas, o apoio profissional e logístico dos processos de pesquisa do programa
liderados pelos advogados pesquisadores.
Palavras-chave: Metodologia de pesquisa. Modelo pedagógico. Produtividade.

The methodology of legal research: proposal of a productive pedagogical model

Abstract: The methodology of legal research, is a process with logical steps, which
through a systematic, holistic, rational and fallible, seeks to solve the problems of
social relations of man in relation to their environment, through the creation of ru-
les and legal actions. The present investigation was carried out under the qualitative,
bibliographic, documentary approach using hermeneutics as a technique, it is des-
criptive and projective. Increase productivity is essential for the Popular University
of Cesar (UPC) to be competitive because of the abundance of offer in Valledupar
(Colombia) of the right programs. The subject Research Methodology at the UPC, is
taught as independent subjects in each of the seven semesters, there are no subject
plans. The teaching of the same is led by professionals of Sociology, the investigating
lawyers are not occupied for their instruction. It is proposed the implementation of
new thematic contents of each of the semesters in which the teaching of the subject
was divided into the law program using as the guiding thread the theories of Carlos
Sabino (1992). It is recommended to appoint lawyers with competences in investi-
gative processes to lead the subject methodology of legal research, to implement
courses to students of the law program on scientific writing topics, to carry out more
academic events of legal research, to increase scientific publications, to support fi-
nancial, professionally and logistically the research processes of the program led by
the Research lawyers.
Keywords: Research methodology. Pedagogical model. Poductivity.

Introducción

La formación para la investigación, es un eje articulador, que propende


por hacer a través de la educación un estudiante cuestionador y crítico de su re-
alidad, que sea capaz de percibir la complejidad del mundo actual y hasta donde

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

62 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
sea posible, entender su compresión desde análisis holísticos e interdisciplinares.
La metodología de la investigación jurídica, a su vez, se puede entender como
un proceso con etapas secuenciales y lógicas, que a través de un estudio sistemá-
tico, holístico, racional y falible, busca resolver los problemas de las relaciones
sociales del hombre con relación a su entorno, mediante la creación de normas
y actuaciones jurídicas.
La investigación en el Programa de derecho de la Universidad Popular del
Cesar (UPC) no es el idóneo, esto se puede evidenciar por exiguo número de
publicaciones en revistas indexadas, así como la publicación de textos productos
de investigaciones en el programa de derecho, por lo que es poco probable que
la UPC sea referenciada en el contexto de la investigación jurídica en el ambiente
de los investigadores nacionales e internacionales. Por otro lado, los estudiantes
de derecho que aspiran a graduarse en gran cantidad de casos prefieran otra op-
ción de grado diferente a la elaboración de monografías como lo es la judicatura.
En el escenario descrito anteriormente es necesario investigar las cusas
probables que están originado la problemática descrita y como consecuencia se
busque una respuesta y una propuesta que transforme el panorama imperante,
que induzca a los estudiantes de derecho a interesarse por la investigación, y que
además, le sea útil para graduarse como abogado, aumentando la producción de
trabajos monográficos; por lo que esta investigación se basó principalmente en
el siguiente interrogante:
¿Cuál debe ser el contenido programático de la asignatura de Metodología
de la Investigación en derecho de la Universidad Popular del Cesar (UPC) para
convertirla en un modelo pedagógico productivo?
La investigación se realizó bajo el enfoque cualitativo, por lo que no se
postula hipótesis, debido a que una de las características fundamentales de las
investigaciones bajo este formato, es que las mismas, se pueden generar durante
el proceso. Se realizó una extensa búsqueda de información relacionada con la
temática en fuentes escritas, por lo que encaja en las investigaciones de tipo bi-
bliográfico o documental utilizando como técnica la hermenéutica. Asimismo,
se procedió describir el contenido de la asignatura de Metodología de la Investi-
gación en la UPC y del desarrollo actual de la asignatura, por lo que encaja, por
supuesto, dentro del tipo descriptivo en las investigaciones. Finalmente, se pro-
pone un nuevo modelo que potenciará la productividad jurídica en la UPC, es
decir, el aumento de la producción monográfica-investigativa en la universidad
con relación al número de estudiantes que aspiran a titularse como abogados,
por lo que se encuadra dentro de la investigación proyectiva.
Es de vital importancia la productividad jurídica si la UPC tiene el de-
seo o la necesidad de ser competitiva, sobre todo en el mundo posmoderno
globalizado con tanta oferta en Valledupar para los estudiantes que desean
estudiar derecho.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 63
Objetivos

General

Proponer nuevo contenido programático de la asignatura metodología de


la Investigación en derecho de la Universidad Popular del Cesar, para aumentar
la producción de proyectos de investigación y monografías.

Específicos

• Realizar un análisis de la problemática actual de la investigación jurídica


y proponer una aproximación teórica sobre la metodología de la inves-
tigación en derecho.
• Describir el contenido programático actual de la asignatura de meto-
dología de la Investigación en la carrera de derecho en la Universidad
Popular del Cesar.
• Proponer nuevo contenido programático de la asignatura de metodolo-
gía de la Investigación en la carrera de derecho en la Universidad Popu-
lar del Cesar que potencie la producción de proyectos de investigación
y monografías de grado.

Metodología

La investigación se realizó bajo el enfoque cualitativo, por lo que no se


postula hipótesis, tal como lo expresa Hernández Sampieri, Fernández Colla-
do y Baptista Lucio (2016), debido a que una de las características fundamen-
tales de las investigaciones bajo este formato, es que las mismas, se pueden
generar durante el proceso. Se realizó una extensa búsqueda de información
relacionada con la temática en fuentes escritas, por lo que encaja en las in-
vestigaciones de tipo bibliográfico o documental utilizando como técnica
la hermenéutica (HERNÁNDEZ SAMPIERI; FERNÁNDEZ COLLADO;
BAPTISTA LUCIO, 2016).
Se ejecuta, también, una descripción del contenido de la asignatura de
Metodología de la Investigación en la UPC y del desarrollo actual de la asig-
natura, por lo que encaja, por supuesto, dentro del tipo descriptivo en las
investigaciones.
Finalmente, se propone un nuevo modelo que propicie la productividad
jurídica en la UPC, es decir, el aumento de la producción monográfica-investiga-
tiva en la universidad con relación al número de estudiantes que aspiran a titular-
se como abogados, por lo que se encuadra dentro de la investigación proyectiva
(HURTADO DE BARRERA, 2010).

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

64 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
Contextualización

La ciencia

El filósofo Bunge (2013) define la ciencia, en el contexto de la investigaci-


ón, como una acción de la vida social; ya que ésta se aplica para el mejoramiento
de nuestro medio natural y artificial. La ciencia debe tener como objetivo fun-
damental el hombre en desarrollo de su sentido humano en sociedad; ya que la
misma entraña “una actividad productora de nuevas ideas” (BUNGE, 2013, p. 5).
El derecho como conocimiento se encarga de regular las relaciones so-
ciales; de buscar nuevas formas de perfeccionar el comportamiento interno de
una comunidad de humanos que se interrelacionan, libres, organizados y en
convivencia; limitados por unos acuerdos elevados a normas obligatorias. La
aproximación definitoria anterior podemos intentar concatenarla con lo pro-
puesto por Bunge para que en forma simple, intentar darle características de
ciencia al derecho. Pero la cuestión no es simple, debido a que la ciencia tiene
otros elementos a los que el derecho no puede responder categóricamente
como son las leyes científicas, la certeza, la demostración sistemática y de-
mostrativa de un fenómeno social o para el caso del derecho, jurídico. Ningún
suceso estudiado por el derecho puede arrojar el mismo resultado aunque se
relacionen los mismos elementos, ya que existe una variable inmanejable, el ser
humano.
Por lo anterior se debe estudiar al derecho dentro de una ciencia con carac-
terísticas diferentes a la denominada ciencia pura o fáctica; las ciencias sociales.

Las ciencias sociales

Investigar, estudiar, comprender y formular teorías de la forma cómo ac-


túan las personas con relación a su entorno, formas organizativas, conflictos,
sentimientos y pensamientos en general, de manera individual o colectiva es el
objeto de estudio de las ciencias sociales.
Para no adentrarnos en la discusión sobre si son o no ciencia, el cuerpo
de conocimientos que no cumplen con las normas de las llamadas ciencias duras
o formales. La ciencia “es el gran acto liberador que nos redime de la sociedad
cerrada” (GELLNER, 1984, p. 606). Una de las múltiples definiciones sobre
ciencia la enuncia Gellner (1984, p. 614):

[...] por “ciencia” se entiende un tipo de cognición que ha transfor-


mado radicalmente, cualitativamente, la relación del hombre con
las cosas: la naturaleza ha dejado de ser una referencia para pasar a
ser objeto de auténtico conocimiento y manipulación. La ciencia es
un sistema cognoscitivo peculiar con cierto misterioso mecanismo

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 65
interno que asegura su crecimiento sostenido y perpetuo, el cual ha
sido profundamente beneficio para los sistemas productivos hu-
manos y corrosivos para nuestros sistemas de legitimación social.

Bajo la concepción anterior las ciencias sociales, a pesar de no poseer es-


trictos esquemas de certeza y leyes científicas, le han permitido al hombre crecer
de manera constante y productiva asegurando unas mejores condiciones de vida
de él y en general de la sociedad. Tratando de identificar rasgos en las ciencias
sociales que caracterizan a la ciencia en general, Gellner (1984, p. 620) propone
los siguientes:

a) presencia de hipótesis bien articuladas y puesta a prueba siste-


mática de las mismas; b) medición cuantitativa precisa, y operacio-
nalización de los conceptos; c) observación meticulosa con arreglo
a métodos públicamente comprobables; d) estructuras conceptu-
ales complejas y rigurosas; é) paradigmas compartidos, al menos
por grandes comunidades académicas, que resisten a la prueba del
tiempo.

Es tarea de los investigadores sociales, sobre todo de los juristas, buscar la


identificación de estos rasgos en la investigación desde el derecho, con el propó-
sito de afianzar la confianza científica de la misma y aproximarnos a condiciones
de certeza en las propuestas de soluciones a los problemas sociales, presentadas
desde el derecho como constructor de normas, así como también, de soluciona-
dor de conflictos, necesidades y problemáticas del hombre.
La ciencia es un procedimiento con las características de ser: reflexivo,
sistemático, controlado y crítico, con unos propósitos:” descubrir, describir, ex-
plicar o interpretar los hechos, fenómenos, procesos, relaciones y constantes
o generalizaciones que se dan en un determinado ámbito de la realidad” (AN-
DER-EGG, 2011, p. 18). La realización de estos propósitos desde el ámbito
aplicativo del derecho, son objetivos específicos del modelo pedagógico que se
propone en esta investigación.

La investigación

Investigar es un hecho consustancial del ser humano. Este rasgo caracte-


rístico le permitió liderar la cadena de la supervivencia y dominación en el plane-
ta tierra. Indagar, averiguar, la explicación de una situación, hecho o fenómeno
que le acontece o lo rodea es una actividad que puede hacer cualquier persona,
pero en el ámbito de la ciencia se exigen unos protocolos o requisitos que se han
instituido a través del tiempo, en la búsqueda de alejar los prejuicios que arrastra-
mos como seres pensantes llenos de sentimientos, criterios y gustos; hablamos
de lo que conoce como el método científico.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

66 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
La investigación es un proceso desarrollado a través de una serie de
pasos secuenciales y lógicos para realizar una tarea o alcanzar un objetivo;
pero que debe ser controlado y sometido a una permanente comprobación y
contrastación empírica de los hechos, fenómenos o procesos que se investigan
(ANDER-EGG, 2011).
Para el caso del modelo propuesto para implementar en la UPC, se toma
esta perspectiva como básica. Ahora bien el método, se asume como una estrate-
gia cognitiva que: “indica el camino que se va a seguir en esa búsqueda, es decir,
los procedimientos a utilizar, expresado a través de las exigencias de las normas
y reglas genéricas de actuación científica”. El método es el mapa que indica un
supuesto lugar donde se encuentra el “tesoro”, pero para llegar a él debe prime-
ramente el investigador someterse a una serie de pruebas que debe cumplir hasta
salir avante de las mismas (ANDER-EGG, 2011, p. 20).

La investigación científica

La investigación científica integra un conjunto de actividades que permi-


ten la utilización del método científico, para entender, constatar, o reinventar el
conocimiento buscando la mejora del hombre y de su entorno. La naturaleza de
la investigación científica lleva implícita una variedad de tendencias, enfoques y
métodos productos de la diversidad de teorías que han regido en determinadas
circunstancias y épocas. El poder, la religión, la sexualidad son algunos de las
variables que han influido directamente en la investigación científica como mo-
tor transformador de la sociedad. En consecuencia, sólo el pensamiento libre, la
investigación libre, sin dogmas, sin un pretendido “pensamiento único”, en un
ambiente racional y democrático puede desarrollarse la investigación científica
y contribuir a la producción del conocimiento científico y a su función social
(MATÍAS CAMARGO, 2012).
La investigación científica tiene como tarea estructural: proponer nuevas
hipótesis y teorías a partir del estudio y análisis de la realidad existente para solu-
cionar los problemas de la sociedad. Es por esto que en la investigación jurídica,
o sea desde el derecho, se tiene claro el valor de la contribución de los métodos
científicos que le permiten exponer aportes innovadores asegurando, unas bases
que gocen de aceptación en las sociedades científicas.

La investigación social

Se habla de investigación social, cuando: “es referida a hechos, procesos o


acontecimientos que se dan en el ámbito de la sociedad, se trata de obtener co-
nocimientos de la realidad sobre la que se va a actuar, en función de propósitos
y objetivos prácticos” (ANDER-EGG, 2011, p. 23).

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 67
De forma más específica para Ander-Egg (2011, p. 25) la investigación
social es:

El proceso que, utilizando el método científico, permite obtener


nuevos conocimientos en el campo de la realidad social (investiga-
ción pura o básica) o bien estudiar una situación para diagnosticar
necesidades y problemas a efectos de aplicar los conocimientos
con fines prácticos (investigación aplicada o práctica.

La investigación en el campo del derecho es, necesariamente, de tipo social;


su esencia se aviene de las interrelaciones de las personas en comunidades y sus
condicionamientos o normas. La metodología de investigación jurídica implica un
proceso en dos escenarios: el de las normas, referentes a su creación, análisis y de-
rogación, es decir, el mundo de la dogmática jurídica, y la búsqueda de soluciones
a las problemáticas propias del hombre en relación con su entorno humano y am-
biental. El modelo que se propone busca establecer condiciones y procedimientos
que aseguren un aumento en la producción científica-social mediante monografías
y proyectos de investigación que se inserten en la cotidianidad de nuestra sociedad
proponiendo diferentes soluciones que sean efectivas, prácticas y desarrollables.

La investigación en el derecho

La investigación jurídica integra una serie de actividades que permiten la


identificación, caracterización, clasificación y registro de las fuentes de conoci-
miento de lo jurídico en sus aspectos sistemático y filosófico. Al respecto Fix-
-Zamudio (1995, p. 446) plantea que:

La investigación en el campo del derecho es una actividad intelec-


tual que pretende descubrir las soluciones jurídicas adecuadas para
los problemas que plantea la vida social de nuestra época, cada vez
más dinámica y cambiante, lo que implica también la necesidad de
profundizar en el análisis de dichos problemas, con el objeto de
adecuar el ordenamiento jurídico a dichas transformaciones socia-
les, aun cuando formalmente parezca anticuado.

Lo anterior, implica que al reajustar o rediseñar el ordenamiento jurídico


y todo el andamiaje del mismo, debe afectar prontamente la forma cómo se
imparte la enseñanza de la metodología de la investigación jurídica dentro de
las facultades de derecho de las Escuelas y Universidades. De no hacerlo así,
los estudiantes y egresados de Derecho tendrán deficiencias en el uso de la in-
vestigación jurídica como instrumento auxiliar en desarrollo de sus actividades
profesionales, poniéndolo en desventajas frente a otros profesionales que tengan
competencias en esta área.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

68 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
La formación investigativa en derecho, debe ser interdisciplinar permitién-
dole al futuro abogado formarse para el análisis crítico y reflexivo de la realidad
social e interpretar las leyes, producir habilidades investigativas orientadas a la
elaboración crítica del sistema jurídico y su aplicación en la realidad social, si-
tuándolo como actor y facilitador de los procesos de desarrollo y cambio social
(RODRÍGUEZ LARA, 2016).
Una de las situaciones conflictivas del derecho es lo que algunos auto-
res denominan “culto a la dogmática jurídica”. En este sentido, es importante
destacar que la investigación jurídica no puede quedar reducida solamente al
análisis de la dogmática jurídica de forma tal que se valore el derecho sólo desde
una perspectiva abstracta. De igual forma la solución al derecho, no puede estar
marcada únicamente por la creación o derogación de leyes, considerando sólo
la concepción positivista del derecho y la normatividad, descuidando el papel
histórico fundamental que tiene y ha tenido en la solución de los conflictos so-
ciales y en la construcción de nuevas formas y modelos de organización política,
económica y social (PÉREZ FUENTES, 2009).
Actualmente uno de los retos para el derecho, es fortalecer la enseñanza de
la investigación jurídica. En este sentido, se puede aplicar un modelo de apren-
dizaje del derecho que tome en cuenta a la investigación jurídica como un espa-
cio que enriquezca las posibilidades del estudiante de conocer el derecho por sí
mismo, identificando, planteando y formulando el problema objeto del conoci-
miento jurídico, analizando e interpretando normas, doctrinas y jurisprudencia
de los tribunales y buscando soluciones a estos mismos problemas (ÁLVAREZ
UNDURRAGA, 2003).

La metodología de la investigación jurídica

Según el Diccionario de la Lengua Española (s/d), la palabra metodología


tiene dos significados: a) Ciencia del método, y b) Conjunto de métodos que se
siguen en una investigación científica o en una exposición doctrinal.
En forma más amplia, la metodología de la investigación es una disciplina
que se encarga de estructurar, delimitar y sistematizar un agregado de técnicas,
métodos, procesos y procedimientos que se deben implementar en desarrollo de
una investigación, bajo los lineamientos del método científico, para la producci-
ón de nuevos conocimientos.
Expresa el profesor Salinas (2016, p. 7) que la metodología de la investi-
gación es:

El estudio sistemático, controlado, reflexivo y crítico de proposi-


ciones hipotéticas sobre las supuestas relaciones que existen entre
fenómenos naturales. O que es el proceso sistemático, lógico y or-
ganizado para adquirir conocimientos y resolver problemas, siendo

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 69
uno de sus objetivos, la capacitación o formación de las personas
para que puedan realizar investigaciones científicas, en forma lógi-
ca y ordenada.

Para Hernández Sampieri, Fernández Collado y Baptista Lucio (2016) la


metodología de la investigación científica son los diferentes pasos o etapas al lle-
var a cabo una investigación social, y muestra las actividades que un investigador
debe realizar en cada etapa de un estudio de investigación científica.
Proponemos una aproximación teórica a la definición de metodología de
la investigación jurídica o en el derecho como: un proceso con etapas o pasos
secuenciales y lógicos, que a través de un estudio sistemático, holístico, racional
y falible, que busca resolver los problemas de las relaciones sociales del hombre
con el entorno, mediante la creación de normas y actuaciones jurídicas, que lo
distinguen como:
1) Sistemático, ya que debe ordenar en forma lógica una serie de informa-
ción, doctrinas, saberes consuetudinarios y preceptos jurídicos, para estu-
diar un fenómeno jurídico-social.
2) Racional, debido a que persigue el uso del razonamiento lógico, argu-
mental para postular teorías, normas y decisiones jurídicas, como produc-
tos,
3) Holístico, pues, es menester analizar en conjunto, como un todo los pro-
blemas jurídicos que analiza, y no sólo a través del estudio independiente
e individual de las partes o situaciones fácticas que enfrenta; y finalmente,
4) Falible, porque evitará errores en el análisis o en la postulación del co-
nocimiento, manipula eficazmente todas las variables inmersas en una si-
tuación social particular o general.

Sin embargo, frente a las diferentes definiciones, hay que indicar que se
podrían presentar algunas falencias en el proceso metodológico jurídico, ya que
el mismo no goza de la rigurosidad de las ciencias fácticas y como consecuencias
el mismo: 1) no es metódico. No se emplean técnicas y procedimientos especí-
ficos instituidos, estandarizados para la obtención de conocimientos en formas
de leyes generales que se puedan aplicar en circunstancia similares produciendo
resultados similares, el conocimiento jurídico es cambiante depende de variables
que deben ser analizadas según el tiempo y el espacio. Por otro lado, 2) no es
totalmente objetivo, ya que la producción del conocimiento y de las fuentes del
mismo se desprenden casi siempre de la dialéctica del ser humano.

La productividad científica jurídica en la Universidad Popular del Cesar

La productividad es un concepto que describe la capacidad o el nivel de


producción por unidad de trabajo (DICCIONARIO DE LA LENGUA ES-

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

70 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
PAÑOLA, s/d). La producción de monografías de grado en la Universidad Po-
pular del Cesar (UPC) con relación al número de estudiantes que se gradúan en
derecho es reducido de acuerdo con la información aportada por el Centro de
Investigaciones Sociales y Jurídicas de Colombia (CEDISJ, 2017). El número de
trabajos de investigación jurídica que se aprueban como requisito para optar al
título de derecho no es el adecuado, los estudiantes prefieren la opción de hacer
la judicatura.
La judicatura, es uno de los requisitos legales para la obtención del título
de abogado, como alternativo de la tesis de grado, conforme lo establece la Ley
552 de 1999. El Decreto 1221 de 1990, mediante el cual se aprobó el Acuerdo
No 60 del Instituto Colombiano para el Fomento de la Educacion Superior
(ICFES), en su artículo 21 de los requisitos para obtener el título de abogado el
numeral 3ro estatuyó:

Haber elaborado monografía que sea aprobada, igual que el exa-


men de sustentación; de la misma o haber desempeñado, con pos-
terioridad a la terminación de estudios, durante un (1) año, conti-
nuo o discontinuo uno de los cargos previstos en las disposiciones
pertinentes o haber prestado el servicio jurídico voluntario regu-
lado por el Decreto 1862 de 1.989; o haber ejercido durante dos
(2) años la profesión en las condiciones señaladas en el artículo 31
del Decreto 196 de 1.971 (REPÚBLICA DE COLOMBIA, 1990).

El Decreto 3200 de 1979, artículo 23 establece cuales son las entidades y


funciones donde se puede realizar la judicatura por los estudiantes de derecho,
esta debe ser en cargos de planta remunerados o en también a través de contrato
laboral o de prestación de servicios de conformidad a la Ley 80 de 1993, de-
sempeñando funciones jurídicas en forma exclusiva y permanente o en jornada
ordinaria de trabajo durante un (1) año en forma continua o discontinua, a partir
de la terminación y aprobación del materias que integren el plan de estudios. De
igual forma, la judicatura se puede realizar en cargos ad - honorem durante nue-
ve (9) meses en forma continua o discontinua contabilizado el tiempo a partir de
la terminación y aprobación del plan de estudios, en jornada ordinaria de trabajo
de manera exclusiva (REPÚBLICA DE COLOMBIA, 1979).
Con respecto a la calidad de estos trabajos, según información del CEDISJ
(2017), el número de monografías calificadas con calificación de meritoria por
el departamento de derecho, es muy pequeño, y más ínfimo son las elevadas a
laureadas.
Es de vital importancia la productividad si la UPC tiene el deseo o la ne-
cesidad de ser competitiva, sobre todo en el mundo posmoderno globalizado
con tanta oferta en Valledupar para los estudiantes que desean estudiar derecho.
La competitividad le permite a las universidades afrontar favorablemente
la competencia en el entorno doméstico o en el internacional. Es la productivi-

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 71
dad, la que permite potenciarla capacidad competitiva. Aumentar la productivi-
dad en la producción científica jurídica en la UPC es fundamental si pretende su-
perar a la competencia local y regional; subir los índices de ponencias en eventos
nacionales e internacionales, aumentar las publicaciones en revistas indexadas o
arbitradas, publicar más libros productos de investigación y realizar eventos de
talla nacional e internacional son algunos de los objetivos que no dan espera.

Resultados

La Universidad Popular del Cesar, para efectos de tramitar la renovación


del registro calificado del programa de derecho, hizo y entregó a las autoridades
nacionales de Colombia correspondientes, el “Documento Maestro” el cual tuvo
un trámite de aprobación en forma secuencial ante las siguientes instancias: 1)
Ante el Consejo de Facultad, 2) luego ante el Consejo Académico, y 3) finalmen-
te, mediante acto administrativo emanado del Consejo Superior Universitario,
el que se implantaron cambios estructuras en el pensum de derecho, entre los
cambios efectuados se cambió la forma y la intensidad semestral de la asignatura
Metodología de la Investigación en Derecho, pasando de tres (3) semestres a
siete (7) semestres y de seis (6) a catorce (14) créditos. (CEDISJ, 2017)
La renovación del registro calificado fue aprobada en el año 2014 por el
Ministerio de Educación Nacional (MEN) de la República de Colombia. Este
registro calificado es según el MEN (2017), “la licencia que se otorga a un pro-
grama de Educación Superior cuando demuestra que reúne las condiciones de
calidad que la ley exige.”. Los cambios se empezaron a implementar en el primer
semestre del año 2016.
La asignatura Metodología de la Investigación en la UPC, se enseña como
asignaturas independientes en cada uno de los siete (7) semestres en que fue
dividida, pues, no existen planes de asignaturas por lo que los contenidos temá-
ticos no están definidos, así como tampoco su propósito, justificación, objetivos,
metodología, ni estrategias didácticas, por lo que no se observa continuidad en
el desarrollo de la misma. Las asignaturas son lideradas por profesionales de la
Sociología, igualmente ocurre respecto de las asesorías metodológicas de los tra-
bajos monográficos desarrollados por los estudiantes de derecho que pretenden
graduarse mediante esta opción. (CEDISJ, 2017),
Por otra parte, el CEDISJ (2017) aportó como documento soporte de lo
trabajado para el desarrollo temático de la asignatura Metodología de la Investi-
gación, lo concerniente a las denominadas metodología de la investigación I y II
un borrador en un archivo Word, elaborados por un profesor del departamento
de Sociología, en el que no se observa propósito, justificación, objetivos, meto-
dología, ni estrategias didácticas de las asignaturas.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

72 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
Adicionalmente, el número de publicaciones en revistas indexadas, así
como la publicación de textos productos de investigaciones en el programa de
derecho, es mínimo, por lo que es poco probable que la UPC sea referenciada
en el contexto de la investigación jurídica en el ambiente de los investigadores
nacionales e internacionales.
Otra información recabada permitió constatar que a los estudiantes de
derecho no se les enseña en ninguna asignatura, incluyendo metodología de la
investigación, a escribir y redactar escritos de investigación y de contenido cien-
tífico. Tampoco se constató, ya que no existe información al respecto, que se les
capacite en administración para la elaboración de las monografías de grado.

Discusión

En la problemática de la investigación jurídica en la UPC, según lo ob-


servado, se aprecian dificultades temáticas, lógicas, didácticas, metodológicas y
administrativas, que no motivan al estudiante de derecho para optar por la ela-
boración de la monografía como opción de grado, dentro de un tiempo racional,
cumpliendo con estándares de calidad superior respecto de los indicadores na-
cionales e internacionales, que aseguren una producción científica productiva, es
decir, aumentando los índices de investigación de la UPC.
Se propone la implementación de nuevos contenidos temáticos en cada
uno de los siete (7) semestres en que se dividió la enseñanza de la asignatura de
Metodología de la Investigación en el programa de derecho, tomando como hilo
conductor de las mismas, lo propuesto por Carlos Sabino sobre el proceso de
investigación.
Cabe acotar que en el proceso de conocimiento, existe la posibilidad de dis-
tinguir varias fases o momentos que muestran las sucesivas acciones que va desar-
rollando el investigador mientras trabaja. Se propone que el estudiante de derecho
de la UPC, siguiendo esta línea investigativa, implemente un proceso con una serie
de pasos para la construcción de su trabajo monográfico a través de la asignatura
de Metodología de la Investigación como hilo conductor. (SABINO, 1992)

Modelo epistemológico de la propuesta

El modelo que se propone está basado en líneas generales en la conceptuali-


zación que sobre la investigación propone Sabino (1992). Se busca que el estudian-
te, primeramente, sea guiado por un sendero en el que sea sensibilizado, incitado
a introducirse en el mundo de la investigación jurídica, como en una especie de
aventura que, además, le será muy útil en el ejercicio de su profesión; como se-
gundo paso del proceso, se necesita dotar al estudiante de derecho de la UPC, de
competencias para saber planificar la elaboración del trabajo de investigación, así

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 73
como su construcción literaria dentro de los formatos aceptados para la elaboraci-
ón de trabajos científicos en el contexto nacional e internacional; para finalmente,
llevarlo paso a paso en la construcción de los elementos que conforman una mo-
nografía de grado con estándares de calidad, innovación y proyección social.
El modelo propone una estructura que se divide en dos (2) tiempos que
abarcan el contenido de la asignatura de la Metodología de la Investigación Jurí-
dica en la UPC. El tiempo uno (1) denominado Introducción a la Metodología
de la Investigación Jurídica, que engloba el contenido de los tres primeros se-
mestres de enseñanza de la asignatura; y 2) El tiempo dos (2) llamado Productos
de la Investigación Jurídica, que tal como lo indica tiene la finalidad de guiar al
estudiante en un proceso de aprendizaje teórico y realización de productos de la
investigación Jurídica, los cuales deberán ser analizados, observados y aprobados
por la UPC a través del CEDISJ semestre a semestre con el objetivo de construir
el trabajo monográfico (Figura 1).

Figura 1. Estructura general de la propuesta de la metodología de la investigaci-


ón jurídica.

Fuente: elaborada pelos autores (2017).

Los momentos de la investigación aplicados a la metodología de la


investigación en la UPC

a) Momento proyectivo, en el que el estudiante de derecho aprende a or-


denar y sistematizar sus inquietudes, formula sus preguntas y elabora organiza-
damente los conocimientos y las problemáticas socio-jurídicas que le interesaría
estudiar de acuerdo con sus gustos, intereses y fortalezas académicas consti-
tuyendo su punto de partida; el estudiante - investigador se ocupa por definir qué
es lo que quiere saber y respecto a qué hechos. Es en este momento, se formulan
los problemas básicos de la investigación, se establece un plan de desarrollo del
proceso monográfico y se imparten conocimientos respecto a la redacción de
trabajos científicos.
b) Momento metodológico, el estudiante - investigador fija su estrategia ante
los hechos a estudiar, y formula un modelo operativo que le permita acercarse a su

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

74 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
objeto y conocerlo. En este segundo momento, es preciso encontrar métodos es-
pecíficos que permitan confrontar teoría y hechos. La preocupación mayor durante
toda esta fase es la de elaborar sistemas de comprobación lo más confiables posibles.
c) Momento técnico, este momento es una proyección del momento an-
terior, pero se considera separadamente porque la realización de trabajos que en
la práctica son bastante diferentes. En este espacio de la investigación se hace
necesario para el estudiante – investigador, abordar las formas y procedimien-
tos concretos que le permitan recolectar y organizar las informaciones que se
necesitan para la investigación jurídica. También, en esta fase debe incluirse, el
trabajo práctico de la obtención de los datos, pues durante ésta se redefinen y
ponen a punto las técnicas y los instrumentos que se emplean en la investigación.
d) Momento teórico, finalmente, cuando el estudiante - investigador dis-
pone de los datos que le proporcionan los objetivos en estudio, se proyecta la
elaboración los nuevos conocimientos jurídicos – sociales que es posible inferir
de los datos adquiridos. Se vuelve así de los hechos a la teoría, del objeto al suje-
to, cerrando el ciclo del conocimiento, aunque no definitivamente, pues la nueva
teoría alcanzada sólo puede concebirse como un superior punto de arranque
para el desenvolvimiento de nuevas investigaciones (Figura 2).

Figura 2. Momentos de la metodología de la investigación jurídica.

Fuente: elaborada pelos autores (2017).

Contenido general de los planes de estudio de cada una de las asignaturas

La propuesta contempla aspectos básicos del plan de estudio para cada


asignatura abarcando el siguiente contenido:
a) Descripción general de la asignatura: La investigación jurídica, como
actividad científica necesita de la aplicación del método científico. El abogado en

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 75
su ejercicio profesional busca obtener información para comprobar, desarrollar,
edificar o aprovechar el conocimiento; por lo que resulta fundamental aprehen-
der los métodos y técnicas de Investigación en su formación académica.
Con esta asignatura se pretende que el estudiante de derecho adquiera herra-
mientas efectivas en el ejercicio de su vida profesional. El aprendizaje del método
de investigación ayudará, al profesional del derecho, a proyectar y esbozar solucio-
nes jurídicas a las diferentes problemáticas que tiene nuestra sociedad contempo-
ránea, globalizada, e interconectada por los avances tecnológicos; lo que implica la
necesidad de profundizar en el análisis de los fenómenos jurídicos-sociales con el
objetivo de ajustar el marco legal a las circunstancias altamente cambiantes.
b) Propósito general de la asignatura: La asignatura Metodología de la
Investigación, tiene como propósito animar en los estudiantes la investigación
como una manera de apropiarse de conocimientos que puedan ser aprovechados
en su ejercicio profesional, en la búsqueda constante del conocimiento y en la
profundización de las temáticas que académicamente los motivan, así de manera
crítica, podrá explorar los diferentes campos de la disciplina, mirarlos a través del
lente de los conocimientos teóricos y prácticos que ha adquirido y que constan-
temente incorpora a partir de sus propias vivencias.
c) Justificación general de la asignatura: La investigación como estra-
tegia para la aprehensión de la realidad, reviste gran importancia en los procesos
de formación académica en tanto que posibilita obtener conocimientos con una
mirada integral, crítica y reflexiva frente a cada acontecimiento. Es por eso que
esta asignatura compromete la participación de los estudiantes en un proceso de
producción de conocimientos con estrategias metodológicas tales como la ob-
servación, la escritura, el diálogo, la problematización de textos y la interacción
con la realidad jurídica y/o social a través de la elaboración de escritos basados
en prácticas investigativas, de acuerdo con los intereses de cada estudiante; esto,
con el propósito de desarrollar competencias aplicables en proyectos de investi-
gación. De esta manera, la asignatura: metodología de la Investigación, se con-
vierte en un sistema conformado por unidades temáticas que procura la cons-
trucción de conocimiento y el desarrollo de competencias, tales como, el sentido
ético, el trabajo en equipo, el juicio analítico y crítico, la toma de decisiones y la
resolución de problemas, a partir de elementos teórico – prácticos.
d) Líneas estructurales de la asignatura: Se proponen dos tiempos ge-
nerales en el compás del desarrollo de la asignatura.
1. Tiempo I: Introducción a la Metodología de la Investigación Jurí-
dica: Comprende los tres primeros capítulos de la Asignatura: Seminario de Inves-
tigación I, Seminario de Investigación II, Seminario de Investigación III. Se quiere
introducir al estudiante en el mundo de la ciencia, del método científico, de la in-
vestigación en general; haciendo énfasis en los tipos de investigación cuantitativa,
cualitativa e instrumentos de investigación en el ejercicio del derecho.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

76 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
2. Tiempo II: Momentos de la Investigación Jurídica: Se proponen
cuatro momentos: Seminario de Investigación IV (Momento Proyectivo), Semi-
nario de Investigación V (Momento Metodológico), Seminario de Investigación
VI (Momento Técnico), Seminario de Investigación VII (Momento Teórico).
El propósito es que el estudiante aprehenda el contenido de cada uno de
los momentos propuestos dentro del desarrollo de la investigación jurídica y al
final de los mismos, el estudiante realice un producto, avalado por la UPC, den-
tro del proceso de construcción de su Monografía de grado.
e) Objetivo general de la asignatura: Proponer al estudiante herramien-
tas metodológicas que le permitan construir en el área Jurídica, informes acadé-
micos, escritos científicos, proyectos de investigación, y monografías de grado,
conforme a las normas que exige la Universidad Popular del Cesar.
Objetivos específicos de la asignatura.
1. Mostrar al estudiante la importancia de la investigación formativa y
científica, como pilar de su formación a lo largo de su vida.
2. Introducir al estudiante en el mundo de la ciencia, del método científico,
de la investigación en general; haciendo énfasis en los tipos de investigación
cuantitativa, cualitativa e instrumentos de investigación en el ejercicio del
derecho.
3. Identificar las fuentes de la investigación jurídica y su utilización en el
ejercicio profesional.
4. Proporcionar herramientas metodológicas, al estudiante, para que cons-
truya su proyecto de investigación científica y realice su monografía de grado.
f) Metodología general de la asignatura: Se propiciará la participación
activa y proactiva del estudiante, bajo la orientación y coordinación del docente,
buscando la construcción colectiva de saberes con una visión contemporánea de
la Metodología de Investigación Jurídica. Para cumplir con dicho propósito se
podrán utilizar:
1. Clases magistrales.
2. Resolución de problemas jurídicos.
3. Talleres jurisprudenciales y doctrinales.
4. Trabajo independiente del estudiante, seguimiento y valoración.
5. Lecturas analíticas.
6. Conferencias, seminarios, paneles, foros, congresos y conversatorios
disciplinarios e interdisciplinarios
7. Trabajo virtual.
8. Trabajo tutorial.
9. Cualquier otra actividad que se produzca a partir de las potencialidades
personales de cada estudiante que denote innovación o creatividad.
g) Estrategias didácticas: Como herramientas didácticas se utilizarán
las exposiciones grupales, lecturas dirigidas, talleres en clases y virtuales, foros,

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 77
videos documentales, películas y demás actividades pedagógicas planeadas por
el docente o por el estudiante, tanto para el trabajo académico presencial como
para el trabajo académico autónomo del estudiante.
Se promoverá la efectiva participación de los estudiantes como sujetos
activos del proceso pedagógico y su vinculación con la realidad nacional e inter-
nacional, su problemática y las alternativas de solución. Se podrá emplear como
recursos didácticos cualquiera que proponga el estudiante, además de: Medios
audiovisuales, textos y documentos impresos, ambientes virtuales, medios con-
vencionales, entre otros.
h) Referencias bibliográficas: La propuesta incluye las referencias bi-
bliográficas a recomendar a los estudiantes para complementar el estudio de las
asignaturas seminario de investigación I, II, IV, V, VI y VII.
i) Productos de investigación para la construcción de la monografía:
A partir de la asignatura seminario de investigación IV, el estudiante entra en una
etapa de realización de productos de investigación que deberá construir en el
trascurso del semestre para entregarlo al CEDISJ, como requisitos para la apro-
bación de su trabajo monográfico. Los productos propuestos son los siguientes:
i. En la asignatura seminario de investigación IV: Al finalizar el se-
mestre el estudiante deberá entregar al CEDISJ los siguientes productos para ser
evaluados de acuerdo con la normatividad vigente en la UPC.
• El título de la investigación jurídica.
• Las bases de la investigación jurídica.
• Formulación del problema de la Investigación.
• Objetivos: General y Específicos de la investigación.
• La Justificación y la delimitación de la investigación.
• Estado del Arte y marco teórico de la investigación.
ii. En la asignatura seminario de investigación V: Al finalizar el se-
mestre el estudiante deberá entregar al CEDISJ los siguientes productos para ser
evaluados de acuerdo con la normatividad vigente en la UPC.
• El Paradigma de la investigación jurídica.
• El diseño de la investigación jurídica.
• El diseño jurídico de la Investigación.
iii. En la asignatura seminario de investigación VI: Al finalizar el se-
mestre el estudiante deberá entregar al CEDISJ los siguientes productos para ser
evaluados de acuerdo con la normatividad vigente en la UPC.
• Descripción de la técnica de construcción de los instrumentos de reco-
lección de información de la investigación jurídica.
• Calculo de la población y muestra en la investigación jurídica.
• Entrega del instrumento de recolección de datos e información.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

78 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
iv. En la asignatura seminario de investigación VII: Al finalizar el se-
mestre el estudiante deberá entregar al CEDISJ los siguientes productos para ser
evaluados de acuerdo con la normatividad vigente en la UPC.
• El estudiante deberá entregar el informe final del proceso de la investi-
gación jurídica.
• Preparar la entrega de la monografía de grado de acuerdo con las nor-
mas de la UPC.
1) Contenido particular de los planes de estudio de cada una de las
asignaturas: Siguiendo lo propuesto en la parte general respecto del modelo
epistemológico, las líneas generales y los contenidos generales de los planes de
estudio, el contenido propuesto para cada una de las asignaturas en los diferentes
semestres, con el objetivo de aumentar la productividad investigativa y la elabo-
ración de trabajos monográficos, es el siguiente:
a) Objetivos Específicos Del Seminario De Investigación I
• Comprender los conceptos de conocimiento, estructura del conocimien-
to, tipos de conocimiento.
• Comprender el concepto de investigación científica como actividad y
como proceso de búsqueda de nuevos conocimientos.
• Ser capaz de organizar y trasformar la información para producir
conocimiento.
• Conocer el papel de la Investigación en la Universidad y su articulación
con el Sistema Nacional de ciencia, tecnología e innovación (SNCyT+I).

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACIÓN I
UNIDAD # 1
1. El conocimiento
1.1. Tipos de conocimiento
1.2.La investigación científica como actividad y como proceso
1.2.1. Ciencia
1.2.2. Investigación
1.2.3. Metodología
1.2.4. Teoría
1.2.5. Técnica
1.3. La aplicación de la investigación en la Universidad
1.3.1. ¿Por qué investigar?
UNIDAD # 2
2. Método científico.
2.1. Definición de método científico.
2.2. Elementos del método científico.
2.3. Etapas del método científico.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 79
2.4. Características del método científico.
2.5. Aplicación del método científico.
UNIDAD # 3
3. Los enfoques de investigación:
3.1. Enfoque cualitativo
3.2. Enfoque cuantitativo
3.3. Enfoque mixto
3.4. Similitudes y diferencias entre los enfoque cualitativo y cuantitativo
UNIDAD # 4
4. Nacimiento de un proyecto de investigación cualitativo cuantitativo o mixto
4.1. ¿Cómo se originan las investigaciones cuantitativas, cualitativas y mixtas?
4.2. Fuentes de ideas para una investigación
4.3. Como surge una idea de investigación

b) Objetivos específicos del seminario de investigación II


• El estudiante identificara la metodología más apropiada en la selección
de temas relacionados con la investigación jurídica.
• El estudiante adquirirá los elementos necesarios para desarrollar el pro-
tocolo de una investigación jurídica con las diferentes técnicas metodoló-
gicas aplicables al Derecho.
• El estudiante conocerá las líneas de investigación de la UPC para deter-
minar su tema de investigación.

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACIÓN II
UNIDAD # 1. El derecho como objeto de investigación.
1.1. Métodos de investigación jurídica.
1.1.1. Método Dogmático.
1.1.2. Método Iusnaturalista.
1.1.3. Método Sociológico.
1.2. Fuentes del conocimiento jurídico.
1.2.1. La ley.
1.2.2. La Jurisprudencia.
1.2.3. La doctrina jurídica.
1.2.4. La realidad de los problemas jurídicos.
1.3. Epistemología jurídica.
UNIDAD # 2. Metodología de la Investigación Jurídica.
2.1. Recopilación de información jurídica apropiada a la metodología
seleccionada.
2.2. Magnitud en la investigación jurídica.
UNIDAD # 3. La investigación en la Universidad Popular del Cesar.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

80 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
3.1. Políticas y estrategias del sistema de investigación de la Universidad
Popular del Cesar.
3.2. Líneas de investigación del programa de derecho en la UPC.
UNIDAD # 4. El tema de investigación.
4.1. La selección y definición del tema de investigación.

c) Objetivos específicos del seminario de investigación III


• El estudiante adquirirá conceptos administrativos relacionados con el
proceso general de la investigación jurídica.
• Sintetizar la estructura de una monografía en la UPC.
• Especificar las normas técnicas para la elaboración y defensa del trabajo
de grado.
• Introducir al estudiante en el proceso de la construcción de informes
científicos

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACIÓN III
UNIDAD # 1. Etapas básicas de la investigación.
1.1. La Planificación.
1.2. Ejecución.
1.3. El Análisis.
1.4. Presentación de los resultados.
UNIDAD #2. Estructura de la Monografía en la UPC.
2.1. Estructura del trabajo monográfico según normas de la UPC.
UNIDAD #3. Normas técnicas en la elaboración y defensa del tra-
bajo de grado.
3.1. Las Normas APA última edición.
3.2. El arte de la defensa de la presentación y defensa del trabajo de grado.
UNIDAD #4. El artículo científico.
4.1. Estructura del artículo científico.
4.2. Escritura del artículo científico.
4.3. El artículo científico en la investigación jurídica.

d) Objetivos específicos del seminario de investigación IV (momen-


to proyectivo)
• Describir el proceso de construcción del título en la investigación al
estudiante.
• Explicarle al estudiante como elaborar de los antecedentes de la investigación.
• Analizar las bases teóricas-jurídicas en el proceso de investigación.
• Identificar el problema de investigación en el ámbito jurídico.
• Explicar el proceso de elaboración de la justificación y delimitación de la
investigación.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 81
CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-
GACIÓN IV
UNIDAD # 1. El Título de la investigación Jurídica.
1.1. Líneas de Investigación en Derecho de la UPC.
1.2. Tipos de títulos.
1.3. Construcción del título de la monografía.
UNIDAD # 2. Antecedentes de la Investigación Jurídica.
2.1. La teorización.
2.2. Tipos de antecedentes de la investigación jurídica.
2.3. Estado del arte.
UNIDAD # 3. Bases teóricas jurídicas en la investigación Jurídica.
3.3. Definición y Clasificación.
UNIDAD # 4. Descripción de la situación problemática.
4.2. Formulación del problema.
4.3. Objetivos de la investigación jurídica.
UNIDAD # 5. La justificación y la delimitación en la investigación
jurídica.
5.1. La justificación.
5.2. La delimitación de la investigación.
UNIDAD # 6. Desarrollo de los productos del semestre.

e) Objetivos específicos del seminario de investigación V (momento


metodológico)
• Describir el diseño en el proceso de investigación jurídica.
• Explicar los aspectos básicos del diseño jurídico.

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACIÓN V
UNIDAD # 1. Orientación epistémica de la investigación Jurídica.
1.1. Paradigma de Investigación.
1.2. El Diseño de la Investigación Jurídica.
1.2.1. Tipos de diseño.
UNIDAD # 2. El diseño jurídico de la Investigación.
2.1. Fases del diseño jurídico.
2.2. Argumentos lógicos de interpretación de la norma.
UNIDAD # 3. Desarrollo de los productos del semestre.

f) Objetivos específicos del seminario de investigación VI (momen-


to técnico)
• Identificar las técnicas de recolección de información utilizadas en la
investigación jurídica.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

82 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
• Describir población y muestra en el proceso de investigación.
• Analizar la información obtenida en la investigación jurídica.

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACION VI
UNIDAD # 1. Técnicas de recolección de información de la inves-
tigación Jurídica.
1.1. Técnicas e instrumentos de recolección de información dependiendo
del tipo de investigación.
1.2. Diseño de los instrumentos de recolección de datos en la Investigaci-
ón Jurídica.
UNIDAD # 2. Población y Muestra la Investigación.
2.1. Técnicas para calcular población y muestra en la investigación.
2.2. El muestreo.
UNIDAD # 3. Desarrollo de los productos del semestre.

g) Objetivos específicos del seminario de investigación VII (mo-


mento teórico)
• Describir las secciones preliminares y de referencia utilizadas en el infor-
me de investigación jurídica.
• Explicar el proceso de análisis y discusión de los resultados de la investi-
gación.
• Explicar el proceso de elaboración de la introducción, conclusiones y
recomendaciones en el informe de la investigación jurídica.

CONTENIDO ESPECÍFICO DEL SEMINARIO DE INVESTI-


GACION VII
UNIDAD # 1. Esbozo del proceso de análisis de la información de
la investigación Jurídica.
1.1. El informe de investigación.
1.2. Secciones del informe de investigación.
Unidad # 2. Análisis y discusión de los resultados de la Investigación.
2.1. Análisis de los resultados.
2.2. La codificación.
2.3. Tabulación de los resultados.
2.4. Graficación de los resultados.
2.5. Técnicas jurídicas de análisis.
2.6. Discusión de los resultados.
UNIDAD # 3. Introducción, conclusiones y recomendaciones de la
Investigación.
3.1. La introducción.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 83
3.2. Conclusiones.
3.3. Recomendaciones.
UNIDAD # 4. Desarrollo de los productos del semestre.

Recomendaciones

• Las directivas académicas de la Universidad Popular del Cesar deben


procurar ocupar la planta de abogados docentes con competencias
en procesos investigativos, altamente calificados y con experiencia
investigativa para liderar la asignatura metodología de la investigaci-
ón jurídica en los diferentes semestres, motivando a os estudiantes,
mediante el suministro de herramientas metodológicas que despier-
ten la inquietud en el trabajo de campo, para el avance y desarrollo
científico.
• La Universidad Popular del Cesar UPC, a través del CEDISJ debería im-
plementar cursos a los estudiantes del programa de derecho, sobre: Re-
dacción literaria, redacción científica, elaboración de artículos y textos
científicos, estadísticas aplicada a la investigación de las ciencias sociales,
herramientas tecnológicas de investigación, entre otras.
• La Decanatura de la Facultad de Derecho, Ciencias Políticas y Sociales,
así como la Jefatura del programa de Derecho, deben liderar y gestionar
ante las directivas de la Universidad apoyo para la realización de eventos
académicos de investigación Jurídica del ámbito nacional e internacional
que faciliten las relaciones y la inserción de la UPC en los escenarios de
debates jurídicos.
• La Decanatura de la Facultad de Derecho, Ciencias Políticas y Sociales,
así como la Jefatura del programa de Derecho, deben liderar la afiliaci-
ón del programa y de sus investigadores en REDES internacionales de
investigaciones socio – jurídicas.
• La Decanatura de la Facultad de Derecho, Ciencias Políticas y Sociales,
así como la Jefatura del programa de Derecho, deben gestionar recur-
sos ante las autoridades académicas para aumentar las publicaciones, así
como la búsqueda de la indexación de las mismas.
• La Decanatura de la Facultad de Derecho, Ciencias Políticas y Sociales,
así como la Jefatura del programa de Derecho, deben apoyar financiera,
profesional y logísticamente los procesos de investigación del programa
que lideren los abogados investigadores en derecho.

Recebido em: 18/01/2018


Revisado pelo autor em: 15/03/2018
Aceito para publicação em: 11/04/2018

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

84 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
Notas
1 Doctor en Ciencias Políticas, Docente investigador de la Universidad Popular del Cesar y de la
Escuela Superior de Administración Pública, ESAP, Colombia. E-mail: yesithpedroza@hotmail.com
2 Doctor en Ciencias Políticas, Licenciado en Matemáticas y Física, Docente en educación me-
dia, Colombia. E-mail: lui-bc@hotmail.com
3 Magister en Gerencia de Empresas. Abogada, Administradora Pública, Colombia. E-mail:
marthacharrisacademico@hotmail.com

Referências

ÁLVAREZ UNDURRAGA, Gabriel. Importancia de la metodología de la in-


vestigación jurídica en la Formación de los estudiantes de derecho. La Sema-
na Jurídica, año 3, n 139, p. 317-330, 2003. Recuperado en: <http://www.
academia.edu/11330761/importancia_de_la_metodolog%C3%ADa_de_la_in-
vestigaci%C3%B3n_Jur%C3%ADdica_en_la_formaci%C3%B3n_de_los_es-
tudiantes_de_derecho_gabriel_%C3%A1lvarez_Undurraga_272_la_investiga-
ci%C3%B3n_jur%C3%ADdica>. Aceso en: 9 feb. 2016.
ANDER-EGG, Ezequiel. Aprender a investigar: nociones básicas para la in-
vestigación social. Córdoba: Brujas, 2011.
BUNGE, Mario. La ciencia. Su método y su filosofía. Pamplona: Laetoli, 2013.
CEDISJ - CENTRO DE INVESTIGACIONES SOCIALES Y JURÍDICAS.
Manual para Investigadores. Valledupar, Cesar: Universidad Popular del Ce-
sar, 2017
DICCIONARIO DE LA LENGUA ESPAÑOLA. Recuperado en: <http://
dle.rae.es/>. Aceso en: 12 ene. 2016.
FIX-ZAMUDIO, Hector. Metodología, docencia e investigación jurídica.
Distrito Federal, México: Porrúa S.A., 1995.
GELLNER, Ernest. El rango científico de las ciencias sociales. Revista Inter-
nacional de Ciencias Sociales, Epistemología de las Ciencias Sociales, v.
37, n. 4, p. 601-620, 1984.
HERNÁNDEZ SAMPIERI, Roberto; FERNÁNDEZ COLLADO, Carlos;
BAPTISTA LUCIO, Pilar. Metodología de la investigación. 6. ed. Distrito
Federal, México: McGraw-Hill, 2016.
HURTADO DE BARRERA, Jacqueline. El proyecto de investigación: Com-
prensión holística de la metodología y la investigación. Caracas: Quirón Edicio-
nes, 2010.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.


La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018 85
MATÍAS CAMARGO, Sergio Roberto. Tendencias y enfoques de la investigaci-
ón en derecho. Revista Electrónica Diálogos de Saberes, n. 36, p. 9-22, ene./
jun. 2012. Recuperado en: <http://www.unilibre.edu.co/dialogos/admin/uplo-
ad/uploads/Editorial%20Espa%C3%B1ol%20-%20No.%2036.pdf.2012>.
Aceso en: 17 sept. 2017.
REPÚBLICA DE COLOMBIA. Ministerio de Educación Nacional. SACES
- Sistema de aseguramiento de la calidad en educación superior. Recu-
perado en: <http://www.mineducacion.gov.co/sistemasdeinformacion/1735/
article-241150.html>. Aceso en: 17 sept. 2017.
______. Ministerio de Educación Nacional. Decreto nº 1221 de 1990. Diario
Oficial, Bogota, 12 jun. 1990 Colombia. Recuperado en: <https://www.mine-
ducacion.gov.co/1621/articles-103539_archivo_pdf.pdf>. Aceso en: 17 sept.
2017.
______. Ministerio de Educación Nacional. Ley nº 552 de 1999. Por la cual se
deroga el Título I de la Parte Quinta de la Ley 446 de 1998. Diario Oficial, Bo-
gotá, 1 ene. 2000. Recuperado en: <https://www.mineducacion.gov.co/1759/
articles-105014_archivo_pdf.pdf>. Aceso en: 17 sept. 2017.
______. Ministerio de Educación Nacional. Ley nº 80 de 1993. Por la cual se
expide el Estatuto General de Contratación de la Administración Pública. Dia-
rio Oficial, Bogotá, 28 oct. 1993. Recuperado en: <https://www.mineducacion.
gov.co/1621/articles-85593_archivo_pdf4.pdf>. Aceso en: 17 sept. 2017.
______. Ministerio de Justicia. Decreto nº 3200 de 1979. Por el cual se dictan
normas sobre la enseñanza del Derecho. Diario Oficial, Bogotá, 28 ene. 1980.
Recuperado en: <https://www.redjurista.com/Documents/decreto_3200_
de_1979_ministerio_de_justicia.aspx#/>. Aceso en: 17 sept. 2017.
PÉREZ FUENTES, Gisela Maria. Propuestas metodológicas para la investi-
gación jurídica aplicada. Prolegómenos Derechos y Valores, v. XII, n. 24, p.
43-57, 2009.
RODRÍGUEZ LARA, Inés. Un desafío para la formación investigativa del abo-
gado: la didáctica problemica e interdisciplinar. Jurídicas CUC, v. 12, n. 1, p.
105-114. 2016.
SABINO, Carlos. El proceso de investigación. Caracas: Panapo, 1992.
SALINAS, Pedro José. Metodología de la investigación científica. Metodolo-
giaecs, 18 sept. 2016. Recuperado en: <https://metodologiaecs.wordpress.
com/2016/09/18/metodologia-de-la-investigacion-de-pedro-jose-salinas/>.
Aceso en: 14 feb. 2016.

PEDROZA ESTRADA, A.Y.; BELEÑO CHAMORRO, L.; CHARRIS BALCÁZAR, M.M.

86 La metodología de la investigación jurídica: propuesta de un modelo pedagógico productivo


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 61-86, jun./set. 2018
ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

As desigualdades de acesso à Educação Superior: os


estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)
comparativamente com o Nordeste e o Brasil
Antônio Alberto Silva Freitas1
Maurício da Silva Ferreira2

Resumo: Analisa-se, neste artigo, o perfil socioeconômico e cultural dos estudantes da


Universidade Católica do Salvador (UCSal) que ingressaram no primeiro semestre de
2017 e, com base em algumas variáveis sociodemográficas, como gênero, idade, etnia,
renda familiar, escolaridade dos pais e escola básica de origem, faz-se uma comparação
do perfil dos alunos da UCSal com o perfil dos alunos do Nordeste e do Brasil, tomando
como referência os resultados e indicadores do ENADE, além de analisar a influência
dessas variáveis no acesso e na escolha das carreiras dos estudantes no Ensino Superior.
Os principais resultados da pesquisa revelam que, no Brasil, no Nordeste e na UCSal: as
mulheres são maioria e concentram a procura pelas áreas de menor prestígio social; há
uma preponderância de estudantes com idade de 18 a 24 anos; os estudantes brancos são
maioria no Brasil, ao passo que os estudantes mulatos e negros são maioria no Nordeste
e na UCSal, ingressando em áreas de menor prestígio como as Licenciaturas; há uma
preponderância de estudantes com renda até 3,9 salários mínimos e estão concentrados
em cursos de baixo status social; os estudantes do Nordeste e do Brasil são oriundos, na
sua maioria, da rede pública de ensino básico, e os da UCSal, da escola particular; os pais
dos alunos têm, na sua maioria, formação básica de ensino; e quanto mais elevados os
níveis de escolarização, maior é a procura por carreiras de maior prestígio.
Palavras-chave: Acesso à Educação Superior. Permanência no Ensino Superior. Ensino
Superior privado. Ensino Superior público. Perfil do aluno.

The inequalities of access to Higher Education: students from the Catholic Uni-
versity of Salvador (UCSal), compared to the Northeast and Brazil

Abstract: This article analyzes the socioeconomic and cultural profile of students
from the Catholic University of Salvador (UCSal), who entered the first semester of
2017 and, based on some socio-demographic variables such as gender, age, ethnicity,
family income, educational level of the parents and basic school of origin, a compa-
rison of the profiles of the students of the UCSal with the profile of the students
of the Northeast and of Brazil, taking as reference the results and indicators of the

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 87
ENADE, and the influence of these variables in the access is analyzed and career
choice of students in Higher Education.The main results of the research reveal that
in Brazil, in the Northeast and UCSal, women are the majority and concentrate the
demand in the areas of lesser social prestige; there is a preponderance of students
aged 18 to 24 years; white students are the majority in Brazil, while black and mulatto
students are majority in the Northeast and UCSal, entering areas of lower prestige
such as undergraduate degrees; there is a preponderance of students with incomes
up to 3.9 minimum salaries and are concentrated in courses of low social status; the
students of the Northeast and Brazil come mostly from the public elementary school
system and from the UCSal, from the private school; the parents of the students have
mostly basic education and the higher the levels of schooling, the greater the demand
for more prestigious careers.
Keywords: Access to Higher Education. Permanence in Higher Education. Private Hi-
gher Education. Public Higher Education. Student profile.

Las desigualdades de acceso a la Educación Superior: los estudiantes de la Uni-


versidad Católica de Salvador (UCSal), en comparación con el Nordeste y Brasil

Resumen: En este artículo se analiza el perfil socioeconómico y cultural de los estu-


diantes de la Universidad Católica de Salvador (UCSal), que ingresaron en el primer
semestre de 2017 y, con base en algunas variables socio demográficas como género,
edad, etnia, ingreso familiar, escolaridad de los padres y escuela básica de origen, se
hace una comparación del perfil de los alumnos de la UCSal con el perfil de los alum-
nos del Nordeste y de Brasil; tomando como referencia los resultados e indicadores
del ENADE, se analiza la influencia de esas variables en el acceso y elección de las
carreras de los estudiantes en la educación superior. Los principales resultados de
la investigación revelan que en Brasil, en el Nordeste y en la UCSal, las mujeres son
mayoría y concentran la demanda en áreas de menor prestigio social; hay una prepon-
derancia de estudiantes con edad de 18 a 24 años; los estudiantes blancos son mayoría
en Brasil, mientras que los estudiantes mulatos y negros son mayoría en el Nordeste
y en la UCSal, ingresando en áreas de menor prestigio como las Licenciaturas; hay
una preponderancia de estudiantes con renta hasta 3,9 salarios mínimos y están con-
centrados en cursos de bajo status social; los estudiantes del Nordeste y de Brasil
provienen, en su mayoría, de la red pública de educación básica y los de la UCSal,
de escuelas particulares; los padres de los alumnos tienen, en su mayoría, formación
básica de enseñanza y cuanto más elevados los niveles de escolarización, mayor es la
demanda de carreras de mayor prestigio.
Palabras-clave: Acceso a la Educación Superior. Permanencia en la Educación Superior.
Educación Superior Privada. Educación Superior Pública. Perfil del alumno.

Introdução

Dados do Sindicato das Mantenedoras do Ensino Superior (SEMESP,


2017) mostram que houve, no período de 2009 a 2015, um crescimento de 34%

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

88 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
nas matrículas do Ensino Superior do país, considerando as Instituições de En-
sino Superior (IES) públicas e privadas e os cursos presenciais e a distância. Em
2015, havia cerca de 6,08 milhões de alunos em instituições privadas (76%) e
1,95 milhão de alunos matriculados na rede pública de ensino (24%), totalizando
8,03 milhões de matrículas no Ensino Superior do país.
Apesar desse crescimento verificado nesse período, dados do SEMESP
(2017) indicam que, no Brasil, a taxa de escolarização líquida3 é de 18,1%, en-
quanto, nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, por exemplo, a taxa é de 41,61
e 57,38%, respectivamente.
O desafio do governo federal para acelerar o ritmo da expansão da Edu-
cação Superior, em sintonia com o Plano Nacional de Educação (PNE), é elevar
essa taxa para 33%, e a taxa bruta4, para 50%. Todavia, os entraves têm sido mui-
tos, relacionados, por um lado, à insuficiência de oferta de vagas no setor públi-
co, dificultando o acesso à Educação Superior de milhares de jovens, apesar do
crescimento desse setor, sobretudo na Rede Federal de Ensino5, e, por outro, às
condições socioeconômicas dos candidatos que ingressam no Ensino Superior
privado e à falta de uma base de formação dos estudantes, o que tem levado ao
aumento de vagas ociosas nesse setor.
A Bahia tem despontado no cenário nacional como um dos Estados
que mais tem expandido o seu Ensino Superior em relação aos demais Es-
tados do Nordeste. Dados do Censo da Educação Superior do INEP (2015)
indicam que existiam 120 IES em todo o Estado, entre as quais 110 perten-
ciam ao setor privado. Em relação às matrículas, dados do SEMESP (2017)
apontam que a Educação Superior na Bahia é responsável por 327 mil matrí-
culas em cursos presenciais (23% do total da região Nordeste). Desse total,
226 mil alunos estavam matriculados nas IES da rede privada (69%), e 101
mil, na rede pública (31%).
A expansão da Educação Superior privada na Bahia se explica por uma
demanda reprimida em decorrência do número crescente de alunos que con-
cluíram o Ensino Médio na idade própria (entre 15 e 17 anos) e da não absor-
ção de uma grande parte da demanda pelas universidades públicas (federal e
estadual). Apesar desse crescimento da Educação Superior na Bahia, a taxa de
escolarização líquida no Estado é de 10,9% (SEMESP, 2017), muito baixa se
comparada com outros Estados brasileiros. De acordo com esse mesmo do-
cumento, o Estado que apresenta a maior taxa de escolarização líquida no En-
sino Superior é o Distrito Federal, com 34,5%, seguido dos Estados de Santa
Catarina (25,9%), Paraná (23,3%), Mato Grosso (22,4%) e São Paulo (21,5%).
O Ensino Superior brasileiro enfrenta ainda o problema de evasão que
aflige grande parte das instituições e que explica, em parte, esse índice de es-
colarização baixa no Ensino Superior. Segundo Filho et al. (2007), as perdas
de estudantes que iniciam, mas não terminam seus cursos, são desperdícios

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 89
sociais, acadêmicos e econômicos. O Estado da Bahia tem os maiores índices
de evasão do Brasil e da região como um todo. Segundo informações do SE-
MESP (2017), a porcentagem anual de evasão dos cursos presenciais na Bahia
chegou a 23,3% na rede privada e 13,9% na rede pública. A microrregião do
Nordeste Baiano foi a que apresentou maior porcentagem de evasão (37,8%),
acima do Extremo Oeste Baiano (25,6%) e da Região Metropolitana de Salva-
dor (23,7%).
No Brasil, a taxa de evasão dos cursos presenciais atingiu, em 2015, o
índice de 28,6% na rede privada e de 18,4% na rede pública; se for considerada
a taxa de evasão dos ingressantes (que iniciam o 1º ano do curso), esse índice
sobe para 30,4%. Entre as IES privadas, as comunitárias e as confessionais
mostram uma taxa de evasão superior às demais, de acordo com esse mesmo
documento.
De um modo geral, as instituições públicas e privadas dão como prin-
cipal razão da evasão a falta de recursos financeiros para o estudante prosse-
guir nos estudos. No entanto, estudos recentes mostram que essa resposta,
embora verdadeira, é uma simplificação, uma vez que as questões de ordem
acadêmica, as expectativas do aluno em relação à sua formação e a satisfação
do estudante com a instituição constituem, na maioria das vezes, as princi-
pais fontes que acabam por desestimular a conclusão do curso por conside-
rar que o “sacrifício” investido na graduação não vale mais a pena (LOBO e
SILVA FILHO et al., 2007).
No Brasil, as diferenças educacionais e a restrição a níveis mais elevados
de escolarização ainda constituem fonte importante de desigualdade. A seletivi-
dade social deixa de fora a grande maioria dos jovens brasileiros e baianos de
18 a 24 anos do Ensino Superior, considerando a taxa de escolarização líquida
de 18,1 e 10,9%, respectivamente, no Brasil e na Bahia (SEMESP, 2017), seja
por dificuldades relacionadas ao seu histórico familiar e escolar, seja porque não
conseguem ingressar nos cursos de graduação em função de uma série de con-
dicionantes socioeconômicos e culturais que determinam, em grande parte, a
situação acadêmica desses jovens.
Na literatura, a desigualdade de acesso6 dos estudantes à Educação Supe-
rior, assim como a permanência nos cursos e carreiras escolhidas, é resultante
de uma extensa gama de fatores relativos ao ambiente familiar, ao status socio-
econômico, à escola frequentada na Educação Básica, a questões, como gênero,
idade, raça/cor, escola básica de origem, assim como a aspectos culturais. Se-
gundo Furlani et al. (1998), esse é um tema que vem ocupando pesquisadores há
algumas décadas, e muitas interpretações têm sido formuladas para compreen-
der a influência dessas variáveis nos sistemas de ensino. A democratização a ser
alcançada não se limita ao acesso dos diferentes grupos sociais a uma adequada
formação nos distintos níveis de ensino, mas é necessário garantir a qualidade

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

90 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
e a permanência dos estudantes em um sistema em que há elevados índices de
retenção e evasão (FURLANI, 1998; QUEIROZ, 2004; HENRIQUES, 2002;
2005; FREITAS; RAPOSO; ALMEIDA, 2007).
Para Bourdieu e Passeron (1982), o acesso à Educação Superior pressupõe
condições preexistentes, em especial capital cultural que é adquirido ao longo da
trajetória da vida escolar e que não se consegue de um momento para o outro.
Assim, nas possibilidades de ingressar na Educação Superior, lê-se o resultado
de uma seleção que se exerce em toda trajetória escolar e que é muito desigual
em função da origem socioeducativa dos alunos.
Glória (2003) chega a conclusões semelhantes em pesquisa realizada com
alunos e seus familiares, na qual evidenciou que as desigualdades culturais e es-
colares são fatores determinantes para o acesso dos alunos ao Ensino Superior,
indicando que são “[...] inquestionáveis a influência familiar e o peso das con-
dições sociais, econômicas e culturais sobre a definição de uma dada situação
escolar” (GLÓRIA, 2003, p. 65).
Também a idade dos estudantes pode guardar forte relação com o acesso
e a permanência nos cursos de graduação quando se faz uma correlação dessa
variável com o desempenho dos alunos, tanto na seleção que o estudante faz ao
ingressar no Ensino Superior quanto no desempenho durante o curso.
A maior parte das pesquisas que abordam a temática da democratização
do Ensino Superior tem ignorado a idade como uma variável explicativa im-
portante para o acesso à Educação Superior e a permanência dos alunos nela.
O estudo de Freitas, Raposo e Almeida (2007) demonstra que os alunos mais
novos apresentam índices superiores de envolvimento acadêmico em âmbito
da dimensão interpessoal. Ainda nesse estudo, os autores identificam relações
estatisticamente significativas entre a nota média e a idade dos alunos, indican-
do vantagens no desempenho dos estudantes mais velhos, se comparados aos
mais novos. Os autores consideram que isso pode estar relacionado à motiva-
ção dos estudantes mais maduros e à habilidade em utilizar enfoques apropria-
dos para estudar, tendo uma condição maior de superação de suas dificuldades,
do que os mais novos.
O gênero também representa uma dimensão importante na compreensão
das desigualdades sociais e no acesso à Educação Superior e na permanência
nela. Ao longo de sua história, as mulheres tiveram sua presença limitada no que
se refere à ocupação de espaços no mercado de trabalho. Apesar de profundos
e significativos avanços nas últimas décadas, ainda se percebem, hoje, resquícios
de antigos modelos nos quais as mulheres sofrem discriminação e preconceito
(GISI, 2006).
Estudo disponível sobre essa temática demostra a influência do gênero no
acesso ao Ensino Superior, especialmente nas escolhas dos cursos e das carreiras

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 91
profissionais, e analisa que tem havido uma feminização crescente da população
discente nas diversas áreas de conhecimento, além de apontar para uma progres-
siva procura pelo Ensino Superior e frequência nele por parte dos estudantes do
sexo feminino.
Segundo esse estudo, apesar de as mulheres serem minoritárias em cursos
tradicionalmente associados ao sexo masculino, como as Tecnologias, as Ciências
Exatas e a Informática, “a taxa de frequência dos estudantes do sexo feminino nes-
ses cursos é superior à correspondente aos estudantes do sexo masculino em cursos
tradicionalmente associados ao sexo feminino” (SAAVEDRA et al., 2004, p. 64).
Estudo de Henriques (2002) faz referência às desigualdades sociais no
Brasil, ancoradas, em grande parte, em diferenças de classes sociais e revela que
as mulheres negras precisam de uma vantagem de cinco anos de escolaridade
para alcançar a mesma probabilidade que os homens têm de obter um emprego
no setor formal. Esse estudo indica que a raça/cor passa a operar como um
elemento que afeta os indivíduos negros, nos diversos setores da vida social. Re-
vela ainda que, para as mulheres negras atingirem o mesmo padrão de mulheres
brancas, as quais têm de 4 a 7 anos de estudos, elas precisam de mais quatro anos
de instrução, ou seja, de 8 a 11 anos de estudos.
A pesquisa de Queiroz (2004) mostra que o destino de mulatos e negros
se constrói desde os anos mais remotos de escolarização, em geral por meio de
escolas públicas de baixa qualificação. Os poucos negros que chegam à universi-
dade, segundo a autora, tiveram uma formação escolar precária, em razão de sua
classe social modesta, o que os leva a ingressar nas carreiras menos concorridas
e de menor status social, normalmente as Licenciaturas, as quais, em regra geral,
estão associadas às ocupações de baixa remuneração.
No que se refere à discriminação dos estudantes negros durante a trajetó-
ria no Ensino Superior, Barbosa e Silva (2017) concluíram, em sua pesquisa, que
negros se encontram sub-representados na universidade em quase todas as ativi-
dades acadêmicas, principalmente naquelas ligadas à pesquisa, que é a atividade
de maior status no Ensino Superior. Segundo os autores, os negros têm cerca de
30% menos de participação nessas atividades do que os brancos.
O status socioeconômico é também uma variável importante que guarda
relação direta com o acesso e a evolução dos estudantes no sistema escolar.
Na literatura, são muito evidentes as diferenças no acesso a diferentes níveis
de ensino, segundo a renda familiar. Pesquisa realizada por Andrade e Dachs
(2007) mostra que, quanto maior a faixa de renda, maior é o acesso dos es-
tudantes a níveis mais elevados de escolarização. Para os autores, o principal
determinante do acesso à educação e da progressão dentro de padrões de
adequação, para uma relação entre idade, curso e série, é a renda familiar. O
ingresso sequencial de jovens no Ensino Superior tem ocorrido por grande

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

92 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
parcela de população mais rica. Nas camadas de menor renda, há um impor-
tante efeito cumulativo devido ao atraso e à evasão escolar, iniciado no Ensino
Fundamental e que leva a uma enorme diferença nos percentuais de acesso aos
níveis mais altos de escolarização.
Ao longo dos anos, os processos de seleção para ingresso no Ensino
Superior têm sido motivo de análises e estudos por parte de alguns autores,
por se constituírem em mecanismos de exclusão e pelos seus efeitos negativos
sobre a vida dos estudantes de menor status socioeconômico.
Segundo Catani e Oliveira (2003, p. 113), “os beneficiados são aqueles
candidatos preparados, aqueles que tiveram oportunidades educacionais, por-
tanto, os que possuem capital social e cultural”, indicando que os problemas
relacionados ao acesso à Educação Superior devem ser buscados também na
Educação Básica.
Um dos problemas maiores enfrentados por grande parte dos estudantes,
ao ingressarem na universidade, reside na qualidade do Ensino Fundamental e
Médio, do qual dependem para prosseguir os estudos. Apesar do aparente êxito
escolar de grande parte dos que frequentam esses níveis de ensino na rede pú-
blica, em função de medidas de flexibilização, aceleração e progressão por parte
do governo, essa situação não traduz a real formação dos alunos que, segundo
alguns autores, têm sofrido uma progressiva “exclusão do conhecimento” e cujo
efeito aparece com toda força quando o estudante ingressa no Ensino Superior
(ZAGO, 2006).
Pesquisas realizadas no Brasil sobre essa temática mostram que a conti-
nuidade de expansão do Ensino Superior depende, em grande parte, das pos-
sibilidades de incorporação de camadas sociais de menor poder aquisitivo, as
quais, historicamente, têm tido desigualdade de oportunidades de acesso ao
Ensino Superior (BRAGA; PEIXOTO; BOGUTCHI, 2001). Esse é um cami-
nho apontado pelos especialistas como uma possibilidade que as IES têm de
contribuir para uma maior democratização do acesso de estudantes a esse nível
de ensino, para que, assim, o Brasil aumente sua taxa de escolarização líquida
e atinja a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020 de elevar a
taxa líquida para 33%.
Diante do crescimento do Ensino Superior do Brasil e da Bahia e da flexi-
bilização de ingresso via vestibular7, principalmente na rede privada, para onde
afluem alunos, muitos dos quais não conseguiram ingressar nas universidades
públicas, e que, em regra, são pessoas que não tiveram acesso a uma boa Edu-
cação Básica, por falta de recursos financeiros para pagar uma boa escola parti-
cular, o primeiro passo é saber quem são esses alunos, tanto em relação ao seu
“background” familiar quanto à sua situação de aprendizagem; em seguida, é
necessário implementar políticas pedagógicas centradas no processo formativo,

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 93
visando reduzir as dificuldades apresentadas pelos que ingressam no Ensino Su-
perior e, consequentemente, assegurar não só o acesso aos cursos, mas também
a permanência desses alunos neles.
Portanto, esse tema constitui-se em um campo muito valioso de estudos
e de pesquisas e é de extrema importância para que as IES reflitam sobre sua
população discente, conheçam o perfil dessa população, sua trajetória, suas ex-
pectativas e aspirações, assim como as variáveis que interferem na sua seletivi-
dade, criando, assim, condições para que maiores níveis de sucesso possam ser
atingidos, tanto pessoal como institucional.
O processo educacional torna-se adequado quando são consideradas as
características dos alunos na sua complexidade de interações e relações; tal
conhecimento auxilia a universidade na elaboração de metodologias a serem
aplicadas ao ensino, o que facilitará uma melhor atuação do corpo docente no
processo de tomada de decisão para elaboração de planos de ensino e pro-
cedimentos didáticos que facilitem a aprendizagem, tendo em vista a própria
diversidade social dos que a frequentam. Eis aqui a originalidade e relevância
deste estudo.

Metodologia

Este trabalho foi tratado metodologicamente como estudo de caso e utili-


zou a base de dados do universo dos estudantes ingressantes na UCSal, no ano
de 2017, por meio da aplicação de um questionário com 30 questões abertas. O
questionário foi aplicado a 624 estudantes de 24 cursos de graduação, a saber:
Administração, Arquitetura, Biomedicina, Ciências Biológicas, Ciências Contá-
beis, Comunicação Social, Direito, Educação Física, Enfermagem, Engenharia
Civil, Engenharia de Software, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Filo-
sofia, Fisioterapia, Geografia, História, Letras, Matemática, Nutrição, Pedagogia,
Psicologia, Serviço Social e Teologia.
O processo de tabulação e de organização dos dados foi realizado por
meio do Sistema Acadêmico de Gestão Unificada (SAGU)8, mais especificamen-
te do módulo voltado para a gestão de processos seletivos. Os recursos disponi-
bilizados pelo sistema possibilitaram a apuração mais rápida dos dados, os quais,
posteriormente, foram transformados em gráficos por intermédio do uso de
ferramentas externas (Excel).
Foram selecionadas para análise neste trabalho algumas variáveis socio-
econômicas e demográficas que, na literatura, são mais comumente associadas
à seletividade social dos estudantes, como gênero, idade, raça/cor, sexo, ren-
da familiar, escolaridade dos pais e escola do ensino médio (MONTEIRO DE
FREITAS, 2005; QUEIROZ, 2004). Os resultados foram analisados de forma

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

94 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
comparativa não só com os próprios cursos de graduação da UCSal, para ver
similaridades e diferenças entre o perfil geral dos alunos e as tendências do perfil
deles por curso, mas com o perfil dos alunos do Nordeste e do Brasil.
Para fazer essa comparação, foi utilizado o banco de dados do Exame
Nacional do Desempenho dos Estudantes (ENADE), contendo os resultados
e indicadores do questionário socioeconômico aplicado aos alunos nos anos de
2014, 2015 e 2016, seguindo os ciclos avaliativos do SINAES e as áreas de ava-
liação do ENADE, englobando as três grandes áreas do conhecimento: Ciências
Exatas e Licenciaturas (2014); Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Humanas
(2015); e Ciências da Saúde e Agrárias (2016).
Para proceder à análise comparativa das variáveis selecionadas e analisar a
influência dessas variáveis no acesso ao Ensino Superior e nas escolhas dos cursos,
das áreas e das carreiras profissionais, a referência foi a pesquisa de Queiroz (2004).
No referido estudo, a autora classifica os cursos de graduação em cin-
co categorias: alto prestígio, médio alto prestígio, médio prestígio, médio baixo
prestígio e baixo prestígio. Tal categorização tem por objetivo perceber de que
modo algumas variáveis como gênero e raça/cor se associam para determinar a
inserção dos estudantes nas carreiras do Ensino Superior. Foram selecionadas
essas categorias e os cursos a ela relacionados, principalmente aqueles que têm
similaridade com os cursos da UCSal. São eles:
• Alto prestígio: Direito, Administração, Arquitetura, Engenharia Civil,
Engenharia Mecânica, Engenharia Química e Psicologia.
• Médio alto prestígio: Comunicação Social, Ciências Contábeis, Fisiote-
rapia, Enfermagem, Nutrição e Pedagogia.
• Médio prestígio: Educação Física, Letras, Matemática e Serviço Social.
• Médio baixo prestígio: Ciências Biológicas, História, Música e Filosofia.
• Baixo prestígio: Geografia.

Na UCSal, alguns dos cursos assinalados, além de serem oferecidos em


nível de Bacharelado, são também oferecidos como Licenciaturas, com ênfase na
formação de professores, o que é particularmente relevante no desenvolvimento
deste trabalho. São eles: Ciências Biológicas, Educação Física, Geografia, Letras,
Matemática, Música e Pedagogia.
Os resultados quantitativos, assim como as análises e as discussões apre-
sentadas ao longo deste trabalho, estão agrupados de forma a divulgar o que foi
coletado no universo dos estudantes da UCSal e que, comparado com a realidade
do Nordeste e do Brasil, pode se constituir em uma ferramenta valiosa na orien-
tação e elaboração de políticas de inclusão e de apoio pedagógico aos estudantes
universitários, oportunizando um melhor e mais adequado aprendizado e acom-
panhamento do curso pela população discente.

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 95
Resultados e discussão

Nesta seção, são analisados os dados e os principais resultados do perfil


dos alunos da UCSal, com enfoque em algumas variáveis sociodemográficas,
como gênero, idade, raça/cor, renda, escola de origem e escolaridade dos pais,
comparativamente com o Nordeste e o Brasil, analisando a influência dessas
variáveis no acesso dos alunos ao Ensino Superior e nas escolhas dos cursos e
das carreiras profissionais.

Gênero e acesso à Educação Superior

Em relação à presença de mulheres na Educação Superior, a pesquisa evi-


dencia que 53,69% do corpo discente da UCSal é do gênero feminino, e 43,31%,
do gênero masculino. Apesar de haver um certo equilíbrio entre pessoas do sexo
masculino e feminino, as mulheres na UCSal representam a maioria.
Na análise do perfil de alunos por curso de graduação da UCSal, verifica-se
situação análoga em alguns cursos. Há uma predominância de mulheres nos cursos
de Biomedicina (75%), Ciências Biológicas (70%), Fisioterapia (70%), Nutrição
(90,91%), Pedagogia (88,24%), Psicologia (100%) e Serviço Social (100%). Os cur-
sos de Direito, Arquitetura e Engenharia Química da UCSal, que são considera-
dos cursos de maior prestígio social, são também compostos, na sua maioria, por
mulheres (55,31, 86,67 e 66,67%, respectivamente), fato que demonstra que nem
sempre as mulheres se encontram em cursos de menor prestígio como, em regra,
defende-se na literatura (PASSOS, 1999; QUEIROZ, 2004).
As Ciências Exatas da UCSal ainda continuam sendo dominadas por ho-
mens. Verifica-se também presença majoritária de homens na UCSal nos cursos
de Engenharia Civil (65,71%), Engenharia de Softwares (100%), Engenharia
Mecânica (80%) e Administração (69,23%). No curso de Educação Física, cons-
tata-se situação análoga (86,67% de homens).
Esses dados da UCSal demonstram que, apesar de haver, de um modo
geral, uma participação maior do gênero masculino em carreiras que tradicio-
nalmente têm sido ocupadas por homens, como Administração, Engenharias,
Ciências Exatas e Tecnologia em geral, as mulheres são maioria não só nas áreas
de menor prestígio – neste caso, verifica-se, na presente pesquisa, a manutenção
de estereótipos de gênero associados à escolha de carreiras “femininas” –, mas
também em algumas carreiras de maior prestígio social, como Direito, Arquite-
tura e Engenharia Química. Em âmbito nacional, os indicadores do INEP apon-
tam na mesma direção e demonstram que as mulheres são em maior número no
Ensino Superior. Elas representam 57,1% do total de matriculados no Ensino
Superior brasileiro, tendência que se mantém no Nordeste, com 57,7% do total
de matrículas.

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

96 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
De um modo geral, a análise comparativa, considerando esses dados ge-
rais da UCSal, do Nordeste e do Brasil, reforça a tese de alguns autores mais
contemporâneos, nacionais e internacionais, que demonstram que, apesar de
historicamente a mulher ter sua presença limitada na ocupação de espaços rele-
vantes no mercado de trabalho, evidenciando uma ordem social muito repressiva
para o sexo feminino, houve, nos últimos anos, uma incorporação de grande e
crescente contingente de mulheres no Ensino Superior, superando, inclusive, a
participação masculina, mesmo em carreiras de maior prestígio social, ocupadas
tradicionalmente por homens (SAAVEDRA et al., 2004).

Idade e acesso à Educação Superior

A maioria dos estudantes ingressantes na UCSal tem idade até 20 anos


(70,83%), e 12,18%, de 21 a 24 anos. Apenas 16,98% possuem idade acima de
25 anos. A maioria absoluta dos estudantes que ingressaram na UCSal está na
idade própria, de 18 a 24 anos (83%), significando que os alunos da UCSal não
pertencem à população que tem distorção entre idade e série, fenômeno comum
e bastante acentuado na educação brasileira.
Em relação à realidade do Brasil, de acordo com dados do INEP (2017),
46,7% dos estudantes que frequentam o Ensino Superior têm idade até 25
anos. Chama a atenção, no entanto, o alto percentual de alunos que frequen-
tam o Ensino Superior com idade entre 26 e 33 anos (34%), evidenciando que
a média de idade do Ensino Superior é bastante elevada, o que reforça a tese
de que os estudantes ingressam tarde no Ensino Superior em decorrência,
dentre outros fatores, da defasagem entre série e idade na Educação Básica.
Esse fenômeno leva o Brasil a ter umas das mais baixas taxas de escolarização
bruta do mundo (relação entre o total de matrículas, independente da idade, e
o total da população entre 18 e 24 anos). Essa taxa, segundo dados do INEP
(2017), é de 32,6%, e o resultado é que 53% dos alunos do Ensino Superior
têm mais de 24 anos.
Na análise do perfil de alunos por curso de graduação da UCSal, o curso
que incorpora estudantes com médias de idade mais altas é o de Teologia. Ape-
nas 4,55% dos alunos nesse curso têm idade própria (até 24 anos), e a média
mais alta se localiza na faixa entre 25 a 40 anos (63,64%), seguido da média de
idade acima de 40 anos (31,82%). Há outros cursos da UCSal nos quais tam-
bém se verifica algum tipo de distorção, por exemplo, no curso de Matemática
(33,33% dos estudantes têm acima de 40 anos), Pedagogia (29,28%, mais de
25 anos), Serviço Social (21,43%, entre 31 a 40 anos), Psicologia (40%, de 31
a 40 anos), Letras (19,23%, acima de 25 anos), História (28,57%, de 31 a 40
anos), Filosofia (58,33%, de 25 a 30 anos) e Educação Física (26,67%, entre
31 e 40 anos).

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 97
Nesses cursos, ligados basicamente às Licenciaturas e que são considera-
dos de baixo e médio prestígio social, verifica-se maior defasagem de idade, o
que pode significar, por um lado, grande distorção entre série e idade na Edu-
cação Básica, com reflexos no Ensino Superior, ou, por outro lado, que muitos
alunos interromperam sua formação, voltando a estudar muitos anos depois. É
provável que os estudantes dos cursos noturnos da UCSal, onde as Licenciaturas
têm também grande representação, também puxem essa média para cima, já que
normalmente não tiveram condições de estudar na idade própria pela necessida-
de de começarem a trabalhar desde muito cedo. Esses estudantes, pelas razões
já mencionadas e por aquelas associadas às dificuldades de aprendizagem que
carregam desde a formação básica, em regra por terem frequentado escolas pú-
blicas de baixa qualidade, não conseguem ingressar na idade própria em carreiras
e cursos de maior prestígio social.
Os demais cursos, na sua maioria absoluta, são compostos de estudantes
que estão na idade própria, de 18 a 24 anos: Administração (69,28%), Arquitetu-
ra (66,67%), Biomedicina (100%), Ciências Biológicas (90%), Direito (92,28%),
Enfermagem (83,34%), Engenharia Civil (82,88%), Engenharia Mecânica e En-
genharia de Softwares (100%) e Nutrição (90,91%).
Associando a idade dos alunos com as carreiras escolhidas, verifica-se na
UCSal uma maior participação dos alunos mais novos nos cursos mais concor-
ridos e, portanto, de maior prestígio social, como Direito, Engenharias e alguns
cursos na área de Saúde, bem como uma maior participação dos alunos mais
velhos nas carreiras de menor prestígio, por exemplo, Letras, Serviço Social,
Pedagogia e as Licenciaturas, em geral, consideradas de médio e baixo prestígio
social, confirmando o que mostram alguns estudos nessa área (FREITAS; RA-
POSO; ALMEIDA, 2007).

Raça/cor e acesso à Educação Superior

Os alunos mulatos e negros são majoritários na UCSal, uma vez que a


soma dos percentuais dessas duas categorias é de 57,85% (40,38% de mula-
tos e 17,47% de negros). Os alunos brancos são minoria e pouco expressivos
(12,50%). Porém, é significativo o percentual de alunos que não quiseram decla-
rar a sua cor (27,24%).
Todos os cursos de graduação da UCSal têm percentual de mulatos aci-
ma de 30%, com destaque para os cursos de: Arquitetura (47,07%), Comuni-
cação (53,33%), Direito (51,98%), Filosofia (47,62%), História (48,15%), Ge-
ografia (41,67%), Enfermagem (33,33%), Biomedicina (38%), Engenharia
Civil (48,21%), Engenharia de Softwares (53,85%), Fisioterapia (50%), Nutrição
(29,41%), Letras (44,44%) e Pedagogia (42,22%).

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

98 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...


Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
Os cursos em que há maior predominância de negros são: Administração
(23,08%), Análise de Sistemas (30,73%), Educação Física (20,45%), Ciências Con-
tábeis (21,05%), Enfermagem (25,64%), História (29,63), (Geografia 25%), Gas-
tronomia (22,22%), Letras (25,93%), Nutrição (29,41%) e Pedagogia (44,44%).
A partir de tais dados, verifica-se grande incidência de mulatos nos cursos
da UCSal, inclusive nos de alto prestígio social, enquanto os negros ingressaram,
na sua maioria, nos de menor prestígio. Se considerar mulatos e negros juntos,
verifica-se grande incidência dessa população em alguns cursos da UCSal em
função da alta frequência de respostas na soma dessas duas categorias de aná-
lise: Enfermagem (58,97%), Nutrição (58,82%), História (77,78%), Geografia
(66,67%), Letras (70,37%) e Pedagogia (43,33%).
Esses dados mostram que negros e mulatos são majoritários na UCSal,
em parte representando um fenômeno natural, considerando que a cidade de
Salvador tem a sua população constituída, em sua maioria, por mulatos e negros
(79,48%) e apenas por 18,90% de brancos (IBGE, 2015). Apesar disso, a UCSal
tem tido papel importante na democratização do acesso dos estudantes ao Ensi-
no Superior na Bahia e em Salvador, possibilitando que maior número de negros
e mulatos ingressem na universidade, o que representa um grande avanço, já
que, historicamente, esses alunos, em geral, têm sido excluídos de níveis mais
avançados de escolarização.
Esses dados sobre a UCSal diferem, em parte, com a realidade encontrada
no Brasil (INEP, 2017), visto que os alunos brancos são maioria na Educação
Superior do Brasil, englobando o setor público e privado, com o percentual mé-
dio de 54,76%, considerando as três áreas do conhecimento avaliadas a cada ano
pelo ENADE. Os estudantes mulatos vêm em segundo lugar, com o percentual
médio de 33,20%, e os negros, em terceiro lugar, com 8,86%.
Se comparar a realidade da UCSal com a do Nordeste, observa-se maior
similaridade, considerando que grande parte dos estudantes que frequentam o
Ensino Superior público e privado nessa região é mulata (49,46% no Nordeste e
40,34% na UCSal). No Nordeste, os estudantes brancos aparecem em segundo
lugar (33,70%), enquanto, na UCSal, representam uma minoria (12,50%). No
Nordeste, os negros aparecem em último (3,63%), ao passo que, na UCSal, em
segundo lugar, com o percentual significativo de 17,47%.
Pela análise comparativa, o que se observa é que os alunos brancos são
maioria no Ensino Superior no Brasil e têm também presença expressiva na região
Nordeste. Os mulatos são maioria na UCSal e no Nordeste, mas ainda é muito
baixo o percentual de negros que frequenta o Ensino Superior no Brasil (8,86%),
no Nordeste (13,63%) e na UCSal (17,47%). Essa universidade se destaca com
maior presença de negros em relação à região Nordeste e ao Brasil como um todo.
No entanto, ao se associar o acesso dos estudantes do Ensino Superior e
os cursos e as carreiras escolhidos, verifica-se que os negros que tiveram acesso

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 99
à UCSal, na sua maioria, ingressaram nas carreiras de menor prestígio social,
muitas delas ligadas às Licenciaturas e, portanto, ao exercício do magistério, o
que reforça a tese de alguns autores que afirmam que os estudantes negros que
chegam à universidade, em função de terem tido uma formação escolar precária,
ingressam em cursos de baixo prestígio social e que, em geral, estão associados a
uma baixa remuneração (QUEIROZ, 2004).
Situação similar se observa no Brasil e no Nordeste, onde os negros pos-
suem maior representação nas áreas das Licenciaturas e das Ciências Exatas
(10,10% e 16,90%, respectivamente), ao passo que os brancos estão mais con-
centrados nas áreas das Ciências Sociais Aplicadas e áreas afins (59,50% no Bra-
sil e 39,40% no Nordeste).
Esses dados gerais mostram que, apesar dos avanços nessa área, o precon-
ceito e a discriminação ainda tornam o acesso diferenciado da população negra à
universidade e aos cursos e às carreiras profissionais. Quanto mais altos os níveis
de ensino, maior é a exclusão de parcelas consideráveis da população negra (HEN-
RIQUES, 2002; VIEIRA, 2002). Esse segmento é aquele que, frequentemente,
apresenta a mais elevada concentração de estudantes em cursos de médio e baixo
prestígio social. Na análise comparativa, a UCSal se destaca quando comparada
com a realidade do Nordeste e do Brasil, em razão de maior percentual de negros
no Ensino Superior, o que pode indicar uma contribuição, mesma que pequena,
na mudança no quadro social e histórico de Salvador e do Estado da Bahia, em
direção à superação de preconceitos e discriminação da população negra do acesso
ao Ensino Superior.
O desafio da UCSal é que, cada vez mais, haja maior presença de negros
nas carreiras mais concorridas e de maior prestígio da UCSal, por exemplo, no
curso de Direito, que tem apenas 16,42% de negros, Arquitetura (0%), Engenha-
ria Civil (12,50%) e Biomedicina (5,84%).

Renda e acesso à Educação Superior

Na análise da variável renda familiar, verifica-se que 65,55% dos alunos in-
gressantes na UCSal têm renda familiar de até 3,9 salários mínimos, 19,39%, de 4 a
9,9, 4,33%, de 10 a 19,9, e 2,40%, acima de 20 salários mínimos. O restante não sabe
informar (8,33%). Dessa forma, 26,12% têm renda superior a 3,9 salários mínimos.
Na análise por curso de graduação, considerando cada faixa salarial, obser-
vam-se algumas peculiaridades. Alguns cursos apresentam faixas de salários muito
baixas, por exemplo, o curso de Letras, no qual 36,62% dos alunos têm renda de
até 1 salário mínimo, seguido do curso de Matemática (33,33%) e Biomedicina
(31,25%). O curso de Nutrição tem 81,82% de estudantes com renda entre 1 e
1,9 salário mínimo, seguido de Ciências Contábeis (80%), Serviço Social (71,43%),
Enfermagem (41,67%), Pedagogia (41,18%), Educação Física (40%), Psicologia

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

100 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
(40%) e Fisioterapia (40%). Entre 2 e 2,9 salários mínimos, que é também uma
faixa de renda baixa, encontram-se os cursos de Fisioterapia (40%), Enfermagem
(33,33%), Engenharia de Softwares (29,41%) e Pedagogia (23,53%).
Na faixa intermediária, chamam a atenção os cursos de Psicologia e Mate-
mática, que têm grande percentual de estudantes com renda familiar na faixa de
3 a 3,9 salários mínimos (60% e 46,67%, respectivamente).
Nas faixas mais elevadas, destacam-se alguns cursos da UCSal que têm
alunos que apresentam percentuais significativos de renda entre 4 e 9,9 salários
mínimos, como Engenharia Mecânica (60%), Comunicação - Publicidade e Pro-
paganda (40%), Geografia (33%) e História (28,57%). Já acima de 10 salários
mínimos, aparecem os cursos de Geografia (22,22%), Ciências Biológicas (20%)
e Engenharia Mecânica (20%).
Na análise da realidade do Brasil, em relação à renda familiar dos estudan-
tes que frequentam o Ensino Superior, tomando como referência os resultados
do questionário do ENADE para os anos de 2014, 2015 e 2016, nas três áreas
do conhecimento analisadas, verifica-se que a parte majoritária dos estudantes
que frequentam o Ensino Superior no Brasil tem renda de até 4,5 salários míni-
mos (60,26%), melhor situação do que a encontrada na UCSal (65,55% possuem
renda de até 3,9 salários mínimos), significando que as famílias dos estudantes da
UCSal têm menor poder aquisitivo do que as famílias do Brasil em geral.
Se tomar como parâmetro a realidade do Nordeste, nas três áreas do co-
nhecimento analisadas e nos três anos em referência, verifica-se que a maioria
dos estudantes do Nordeste tem renda de até 3,5 salários mínimos (55,90%).
Avaliando as diferenças de perfil em relação às áreas do conhecimento
do Nordeste e do Brasil, constata-se que esses dados guardam entre si algumas
peculiaridades. Nas áreas das Licenciaturas e da Saúde, é maior o percentual de
estudantes que têm renda na faixa mais baixa até 3,5 salários mínimos (46,80% e
50,30%, respectivamente) do que a área de Ciências Sociais Aplicadas (35,30%).
No Nordeste, essa situação é ainda pior. As áreas das Licenciaturas e da Saúde
têm percentuais nessa faixa de 62,7% e 62,4%, respectivamente, enquanto, na
área das Ciências Sociais Aplicadas, esse percentual cai para 43,5%.
Analisando comparativamente a UCSal, o Nordeste e o Brasil, pode-se afir-
mar que a renda dos estudantes da UCSal, de um modo geral, é menor que a renda
dos estudantes do Brasil, mas é maior que a renda dos estudantes do Nordeste.
No Brasil e no Nordeste, os cursos das áreas de Ciências Sociais Aplicadas,
Engenharias e Ciências Exatas são um espaço favorável à presença de estudantes
de mais alto status socioeconômico. Na UCSal, embora isso também seja ver-
dade, há progressivamente uma procura de cursos de mais alto prestígio social
por estudantes das faixas de baixa e média de renda, como Direito, Arquitetura,
Geografia e Ciências Biológicas. O mesmo fenômeno ocorre com as carreiras
de menor prestígio social, como as Licenciaturas e alguns cursos na área das

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 101
Humanas, que abrigam estudantes de menor poder aquisitivo, tanto nas públicas
quanto nas privadas. Esses resultados reforçam a ideia de que há correlação posi-
tiva entre maiores faixas de renda familiar e níveis mais elevados de escolarização
e que essas faixas de renda mais elevadas estão associadas às carreiras mais con-
corridas e de maior prestígio social. Nesse sentido, pode-se afirmar que a forte
desigualdade de acesso ao Ensino Superior e a seletividade social estão fundadad
na hierarquia dos cursos universitários (ANDRADE; DACHS, 2007).

Escola de origem e acesso à Educação Superior

Analisando a questão que envolve a escolaridade básica dos estudantes,


nota-se que, embora haja um certo equilíbrio em relação à escola frequentada
na Educação Básica, a maior parte dos alunos ingressantes na UCSal cursaram
o Ensino Médio em escola particular (57,37%), enquanto 42,63%, em escola
pública. Esses estudantes vindos da rede pública estão concentrados em alguns
cursos da UCSal, nos quais, inclusive, representam a maioria, por exemplo: Ad-
ministração (61,53%), Biomedicina (68,75%), Enfermagem (75%), Filosofia
(91,67%), Letras (73,08%), Nutrição (72,73%), Pedagogia (70,50%), Serviço So-
cial (85,71%) e Teologia (90,91%).
Alguns cursos se destacam por congregarem alunos, na sua maioria ab-
soluta, provenientes do Ensino Médio da rede particular: Arquitetura (66,67%),
Ciência Biológicas (70%), Ciências Contábeis (100%), Direito (68,48%), Enge-
nharia Civil (62,86%), Engenharia de Softwares (82,35%), Engenharia Mecânica
(80%) e Engenharia Química (100%).
Em relação à realidade brasileira, considerando a média das três áreas do
Conhecimento do ENADE, nos três anos analisados, verifica-se situação opos-
ta, em que a maioria dos estudantes cursou o Ensino Médio em escola pública
(71,40%) e apenas 28,6% cursaram em escola particular. Na análise específica,
por área do conhecimento, a situação é semelhante, e, apesar de pequenas dife-
renças entre elas (é menor o percentual de alunos das Licenciaturas e das Ciên-
cias Exatas oriundos da escola particular do que os das Ciências Sociais Apli-
cadas e Ciências da Saúde), em termos gerais, há preponderância de um maior
número de estudantes oriundos da escola pública de ensino básico.
Na realidade do Nordeste, também se verifica situação análoga à do Brasil,
ou seja, a maioria dos estudantes que frequentam o Ensino Superior, em toda a
região, é oriunda da escola pública de ensino (62,33%), contra 39,20% que vie-
ram da escola particular. As áreas que congregam mais alunos da escola pública
são as da Licenciaturas e das Ciências Exatas (71,80%), enquanto a que congrega
menos é a da Saúde (54,90%).
Esses dados demonstram que a UCSal se encontra em situação favorável
em relação às outras IES do Brasil e do Nordeste, considerando que reúne mais

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

102 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
estudantes oriundos da rede privada de ensino e que, em tese, possui melhor
qualidade de ensino. Isso pode ser explicado pela presença desses estudantes em
cursos de maior prestígio social, por exemplo, nos cursos de Arquitetura, Di-
reito e Engenharias. É muito expressiva a presença de estudantes na UCSal que
vieram da rede pública de ensino e ingressaram nos cursos de menor prestígio,
como Letras, Pedagogia, Filosofia, Serviço Social, entre outros.
Os dados do Brasil e do Nordeste indicam maioria absoluta dos estudan-
tes egressos da rede pública de ensino e também guardam relação direta com a
“escolha” por carreiras de menor status social, como as áreas de Licenciaturas e
Ciências Exatas.
Esses dados gerais reforçam a tese de alguns autores que defendem que
a desigualdade de oportunidades de acesso ao Ensino Superior é construída de
forma contínua e durante toda a história escolar. Ingressar no Ensino Superior,
principalmente nas instituições e cursos mais concorridos, pressupõe, sem dúvi-
da, uma formação anterior favorável (ZAGO, 2006).

Escolaridade dos pais e acesso à Educação Superior

Os alunos da UCSal, na sua grande maioria, são filhos de pais que têm for-
mação básica de ensino: 20,68% dos pais têm Ensino Fundamental, e 40,30%,
Ensino Médio, perfazendo um total de 60,98% com Educação Básica. Apenas
37,58% dos pais dos alunos da UCSal possuem formação universitária, completa
ou não.
Os cursos de graduação, de um modo geral, seguem essa mesma di-
reção. Chamam a atenção os cursos de: Serviço Social, que têm 32,14% dos
pais de estudantes com Ensino Fundamental incompleto e 25% que nunca
frequentaram escolas; Teologia, que tem 68,18% de pais com Ensino Funda-
mental incompleto; os pais dos estudantes de Administração e Letras também
possuem Ensino Fundamental incompleto, com 30,77% em ambos os cursos.
O curso de Filosofia tem 29,17% de pais com Ensino Fundamental incom-
pleto e 41,67% que nunca frequentaram escolas. Os demais cursos têm estu-
dantes cujos pais possuem formação universitária (Ensino Superior, comple-
to ou não), tais como: Arquitetura (50%), Ciências Biológicas (55%), Direito
(47,33%), Comunicação (45%), Educação Física (50%), Engenharia (42,86%),
Engenharia de Softwares (50%), Engenharia Mecânica (70%), Engenharia
Química (64,17%) e Fisioterapia (55%).
A realidade do Brasil e do Nordeste também apresenta quadro semelhante
em termos da escolaridade dos pais dos estudantes que frequentam o Ensino
Superior. A maioria absoluta dos alunos do Ensino Superior do Brasil tem pais
apenas com formação básica de ensino (73,80%), enquanto 19,80% possuem
formação universitária. O restante (6,40%) nunca frequentou escolas. As áreas

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 103
que têm pais com escolaridade mais baixa são as Licenciaturas e as Ciências
Humanas. No Nordeste, a situação se mantém; assim, a maioria também possui
apenas formação básica de ensino no somatório das três áreas de conhecimento
(72,40%).
Os dados gerais mostram que há uma forte relação da escolaridade dos
pais com o perfil dos estudantes que frequentam o Ensino Superior e o acesso a
esse nível de ensino. Constata-se que, quanto mais elevada é a escolaridade dos
pais, maior é a procura por áreas e cursos com maior prestígio social, como a
área de Ciências Sociais Aplicadas (Arquitetura e Direito), as Engenharias e al-
guns cursos da área da Saúde (Fisioterapia e Educação Física). E, quanto menor
é a escolaridade dos pais, maior é a procura por áreas e cursos de mais baixo
prestígio social, como as Licenciaturas e as Ciências Humanas.

Considerações finais

A partir da coleta e da análise dos dados realizada ao longo deste trabalho,


foi possível concluir que os alunos ingressantes na UCSal, em 2017, são majo-
ritariamente, do sexo feminino; têm idade até 20 anos; são mulatos e negros;
possuem renda familiar até 3,9 salários mínimos; os principais responsáveis pelo
sustento da família são os pais; concluíram o Ensino Médio em escola particular
e são filhos de pais que têm formação básica de ensino.
Observou-se, na análise comparativa com dados do Nordeste e do Brasil,
que há muitas similaridades entre as três realidades, mas também algumas dife-
renças, quando se associam essas variáveis com o acesso e a escolha das carreiras
profissionais. A seguir, há uma síntese das principais similaridades e diferenças:
1. As mulheres são maioria na UCSal, no Nordeste e no Brasil, mas con-
centram a procura por carreiras de menor prestígio social, como as Licen-
ciaturas. Esses dados sinalizam para a manutenção da tendência de escolha
pelas mulheres das carreiras “femininas”. Contudo, na UCSal, os dados
apontam para a presença da maioria de mulheres não só nos cursos de
Letras, Pedagogia e Serviço Social, mas também em carreiras tradicional-
mente “masculinas”, de alto prestígio social, como Arquitetura, Direito e
Engenharia Civil.
2. Há uma concentração de estudantes com a idade até 24 anos na UCSal,
no Nordeste e no Brasil, demonstrando que os estudantes, de um modo
geral, frequentam o Ensino Superior na idade própria (18 a 24 anos). É,
no entanto, muito expressiva a presença de estudantes no Brasil que têm
idade entre 26 e 33 anos, com índices superiores a 34%. Esses alunos mais
velhos no Ensino Superior do Brasil reforçam a existência de grande de-
fasagem entre idade e série, desde a Educação Básica. Esses alunos mais
velhos estão concentrados, basicamente, nas áreas de menor concorrência,

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

104 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
como as Licenciaturas, de baixo e médio prestígio social, por não terem
condições de estudar na idade própria em função da necessidade de traba-
lharem desde muito cedo.
3. Os estudantes brancos são maioria no Brasil, seguido de mulatos e ne-
gros. No Nordeste, os mulatos são maioria, seguido de brancos e negros; na
UCSal, os mulatos são maioria, seguido de negros e brancos. No Nordeste
e no Brasil, os estudos sinalizam para uma tendência de os mulatos e negros
fazerem sua opção por carreira de mais baixo prestígio social. No entanto,
na UCSal, apesar dessa situação também existir, há uma tendência de mu-
latos e negros se inserirem também em cursos de médio e alto prestígio
social, o que coloca a universidade em uma situação levemente favorável
em relação às outras regiões do Brasil e ao Nordeste, onde é muito baixa a
participação dos negros no Ensino Superior.
4. Há uma concentração de estudantes com renda até 3,9 salários mínimos
na UCSal, no Nordeste e no Brasil. Os estudantes de mais alto poder aqui-
sitivo estão concentrados em cursos de maior prestígio social, enquanto
há uma preferência de alunos de classe média baixa por cursos de me-
nor prestígio social. Na UCSal, a exceção é o curso de Geografia, que é
considerado um curso de baixo prestígio e que congrega alunos de renda
bastante alta.
5. Os estudantes que frequentam o Ensino Superior no Nordeste e no
Brasil são oriundos, na sua maioria, da rede pública de ensino básico. Na
UCSal, entretanto, a maior parte frequentou a escola particular, embora
o percentual não seja grande, se comparado com os oriundos da escola
pública. Os estudantes da escola pública estão concentrados, em geral,
nos cursos de médio e baixo prestígio social, ao passo que os que vieram
da escola particular estão em cursos de alto prestígio social. Na UCSal, a
exceção é o curso de Administração, que é considerado um curso de alto
prestígio e que congrega alunos, na sua maioria, oriundos da escola pública
de ensino. Os cursos de Licenciaturas são exatamente aqueles que admi-
tem, em maior proporção, candidatos oriundos da rede pública.
6. Os pais dos alunos que frequentam o Ensino Superior na UCSal, no
Nordeste e no Brasil têm, na sua maioria, formação básica de ensino. Me-
nos de 1/3 possui formação universitária. Há uma forte relação da escola-
ridade dos pais com a escolha das carreiras e dos cursos profissionais dos
estudantes; dessa forma, quanto mais elevada é a escolaridade dos pais,
maior é a procura por cursos e áreas de maior prestígio social por parte
dos estudantes.

Com base nessas informações, importa destacar algumas ideias funda-


mentais. O acesso ao Ensino Superior não é apenas uma questão de meritocracia

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 105
e de ordem pedagógica, mas está diretamente relacionada à seletividade social
dos estudantes, ditada por fatores socioeconômicos e culturais que levam a uma
desigualdade de oportunidades de acesso ao Ensino Superior, construída de for-
ma contínua e ao longo da vida. A educação escolar, embora seja fundamental,
não é suficiente para garantir o acesso dos estudantes em instituições e cursos de
elevado prestígio social, uma vez que a escolha das carreiras é decorrente desses
fatores e da condição social, cultural e econômica da família e da história da es-
colarização dos estudantes.
Apesar desses condicionamentos que determinam, em grande parte, a vida
dos estudantes, existem diferenças significativas no modo como as instituições
participam do processo de reprodução social. No caso da Universidade Católica,
apesar de também sofrer os impactos e os determinantes impostos pela sociedade,
ela mostra, com esta pesquisa, que pode contribuir e colaborar para a construção
de uma sociedade menos desigual, por meio da democratização do acesso dos
estudantes à universidade e, principalmente, do acesso dos estudantes, social e
economicamente menos favorecidos, a cursos e carreiras de maior prestígio social.
Essa afirmação é respaldada pela constatação de que existe um grupo de estu-
dantes de baixa renda (mulatos, negros e filhos de pais com baixa escolaridade)
que teve a oportunidade de ingressar na UCSal e, mais importante, em alguns
cursos considerados de médio e alto prestígio social. São ainda pequenas parcelas
da população estudantil que estão conseguindo ultrapassar barreiras e contrariar
a ordem estabelecida, mas isso pode indicar um início de superação das restrições
decorrentes das clivagens sociais que se manifestam na educação brasileira.
Esses dados devem, no entanto, ser acompanhados de outros estudos e
pesquisas futuras que façam correlação de variáveis entre si e associem essas
informações ao rendimento dos estudantes durante o curso, com o objetivo
de verificar em que medida a universidade está contribuindo para que esses
estudantes tenham também um bom desempenho durante o curso, e não só no
momento dos processos seletivos para entrada na universidade, o que, de um
modo geral, tende a ser mais flexível e mais simplificado do que no passado.
Acredita-se que, com a universidade oferecendo um ensino de qualidade, por
meio da formação de valores e de um ambiente favorável de aprendizagem
com o fortalecimento de políticas e programas adequados de apoio aos estu-
dantes, eles possam ter acesso à universidade e também permanecer e concluir
o curso com êxito, apesar das condições de classe, gênero e etnia, que histori-
camente têm determinado, em grande parte, a vida desses estudantes. Eis aqui
o papel precípuo da universidade e o valor construtivo, dinâmico e transfor-
mador de suas ações.

Recebido em: 28/03/2018


Revisado pelo autor em: 11/05/2018
Aceito para publicação em: 18/05/2018

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

106 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
Notas
1 Doutorado e Mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especiali-
zação em Administração Escolar pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Gra-
duação em Letras pela UFBA. Graduação em Pedagogia pela Universidade Católica do Salvador
(UCSal). É professor de Pedagogia e coordenador da área de Avaliação Institucional da UCSal.
E-mail: a.albertofreitas@hotmail.com
2 Doutorado em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Mestrado em Teologia Moral
pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Graduação em Filosofia e Teologia. É reitor da Univer-
sidade Católica do Salvador (UCSal). E-mail: paramauricio@gmail.com
3 A taxa de escolarização líquida representa a razão entre o número de matrículas de alunos com
idade prevista para cursar determinada etapa de ensino e a população total na mesma faixa. Para o
Ensino Superior, a faixa de idade prevista para frequentar esse nível de ensino é de 18 a 24 anos.
4 A taxa de escolarização bruta representa a relação entre o total de matrículas, independente-
mente da idade, e o total da população entre 18 e 24 anos.
5 Dados do SEMESP (2017) mostram que houve um crescimento de 40% do número de vagas
ofertadas nas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), entre 2005 e 2013, como decor-
rência direta da abertura de novas instituições federais de Ensino Superior. Foram criadas 19
IFES nesse período, contemplando as quatro regiões do país.
6 Neste artigo, o termo “acesso” não se restringe à expansão de vagas nem ao mero ingresso dos
estudantes ao Ensino Superior, mas abrange a permanência dos estudantes no curso. Enfatiza-se
o acesso de segmentos historicamente excluídos por meio de ações que facilitem o seu ingresso.
7 Segundo a LDB nº 9.394/96, art. 44, inciso II, podem ingressar no Ensino Superior “[...]
candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em
processo seletivo” (BRASIL, 1996).
8 Sistema de Gestão Integrada (acadêmico, financeiro, administrativo, avaliação institucional).

Referências

ANDRADE, Cibele Yahi de; DACHS, José Norberto W. Acesso à Educação por
faixas etárias segundo renda e raça/cor. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 131, p.
399-422, maio/ago. 2007.
BARBOSA e SILVA, Leandro. Racismo Institucional e as oportunidades acadê-
micas na IFES. Revista Brasileira do Ensino Superior (REBES), v. 3, n. 3, p.
80-99, jul./set. 2017.
BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para
uma teoria do sistema de ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.
BRAGA, Mauro Mendes; PEIXOTO, Maria do Carmo; BOGUTCHI, Tânia.
Tendências de demanda pelo ensino superior: estudo de caso da UFMG. Cader-
nos de Pesquisa, n. 113, p. 129-152, jul., 2001.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e ba-
ses da educação nacional. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 107
CATANI, Afrânio Mendes; OLIVEIRA, João Ferreira. Acesso e permanência
no ensino superior: capacidades, competências e exclusão social. In: SEVERI-
NO, Antonio Joaquim; FAZENDA, Ivani. (Orgs.). Políticas educacionais: o
ensino nacional em questão. Campinas: Papirus, 2003. p. 113-126.
FREITAS, Helena Cristina; RAPOSO, Nicolau de Almeida; ALMEIDA, Lean-
dro. Adaptação do estudante ao ensino superior e rendimento acadêmico: um
estudo com estudantes do 1º ano de Enfermagem. Revista Portuguesa de
Pedagogia (RPP), ano 41, n. 1, p. 179-188, 2007.
FURLANI, Lucia Maria. A claridade da noite: os alunos do ensino superior
noturno. São Paulo: Cortez, 1998.
GISI, Maria Lourdes. A educação superior no Brasil e o caráter de desigualdade
do acesso e da permanência. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n.
17, p. 97-112, jan./abr. 2006.
GLÓRIA, Dília Maria Andrade. A escola dos que passam sem saber. Revista
Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n, 22, p. 62-76, jan./abr., 2003.
HENRIQUES, Ricardo. Gênero e raça no sistema de ensino. São Paulo: Ga-
ramond/UNESCO, 2002.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2015. Acesso em: <ht-
tps://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 15 abr. 2018.
INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Brasília, 20 out.
2015. Acesso em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-
-da-educacao-superior>. Acesso em: 15 abr. 2018.
______. Sinopses Estatísticas do Enade. Brasília, 16 maio 2017. Acesso em:
<http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-do-enade>. Acesso em: 15 abr.
2018.
LOBO e SILVA FILHO, Roberto et al. A evasão no ensino superior brasileiro.
Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 641-659, set./dez. 2007.
MONTEIRO DE FREITAS, Antônio Alberto da Silva. Acesso à Universidade:
os alunos do ensino superior privado. Estudos em Avaliação Educacional, v.
16, n. 31, p. 153-168 jan./jun. 2005.
PASSOS, Elizete. A resistência dos estereótipos sexistas no Ensino Superior nas
regiões Norte e Nordeste. Universidade e Sociedade, Brasília, v. 9, n. 20, 1999.
QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. O negro e a universidade Brasileira. HAOL,
n. 3, p. 73-82, 2004.

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.

108 As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018
SAAVEDRA, Luisa et al. Pontos de partida, pontos de chegada: impacto de
variáveis socioculturais no ingresso ao ensino superior. Sociedade e Cultura 6,
Cadernos do Noroeste, Série Sociologia, v. 22, n. 1-2, p. 63-84, 2004.
SEMESP - Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de En-
sino Superior no Estado de São Paulo. Mapa do Ensino Superior no Brasil.
São Paulo, 2017.
VIEIRA, Amélia. Programa “A Cor da Bahia”. Correio da Bahia, Salvador, jan.
2002.
ZAGO, Nadir. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estu-
dantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação,
v. 11, n. 32, p. 226-237, maio/ago. 2006.

FREITAS, A.A.S.; FERREIRA, M.S.


As desigualdades de acesso à Educação Superior: os estudantes da Universidade Católica do Salvador (UCSal)...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 87-109, jun./set. 2018 109
ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a


educação e a formação integral
Dirléia Fanfa Sarmento1
Jardelino Menegat2

Resumo: O artigo, resultado de um estudo de caso, focaliza as perspectivas para a


educação e a formação integrais dos acadêmicos pautadas pela ética, pelo respeito à
vida e pela construção de uma sociedade mais justa e solidária. Participaram do estudo
66 gestores que atuam em alguma das cinco Instituições de Ensino Superior de cunho
confessional e comunitário, situadas no Brasil e mantidas pelo Instituto dos Irmãos das
Escolas Cristãs (conhecidos como Irmãos Lassalistas). Os dados coletados por meio
da análise documental e do questionário e analisados com base na técnica de análise
de conteúdo indicam como perspectiva para a oferta de um itinerário formativo que
contribua para a educação e a formação integrais dos acadêmicos, a articulação entre
ensino, pesquisa e extensão, focalizando: a) a interação com a comunidade, o compro-
metimento e a corresponsabilidade na melhoria do entorno, com uma atenção especial
às questões ambientais; b) a postura ética nos modos de atuação da IES; c) um ambien-
te institucional de acolhimento, cuidado e valorização dos atores da ação educativa; d) o
fortalecimento do protagonismo pessoal e coletivo.
Palavras-chave: Ensino Superior. Educação Católica. Educação e formação integral.
Ensino, pesquisa e extensão.

Catholic Institutions of Higher Education: perspectives for integral education


and training

Abstract: The article, based on a Case Study, focuses on the perspectives for a com-
prehensive education and training of academics, guided by ethics, respect for life and
the construction of a more just and solidary society. Sixty-six managers who work in
one of the five Higher Education Institutions of confessional and community ori-
gin, located in Brazil, maintained by the Institute of Brothers of the Christian Schools
(known as the Lasallian Brothers) participated in the study. The data, collected through
documentary analysis and questionnaire, analyzed based on the Content Analysis Te-
chnique, indicate as a perspective for the formative itinerary offer, that contributes to
the education and the integral formation of the academics, the articulation between
teaching, research and extension, focusing on: a) interaction with the community, com-

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

110 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
mitment and co-responsibility in improving the surrounding area, with special attention
to environmental issues; b) the ethical attitude in the HEI’s action mode; c) an institu-
tional environment of reception, care and appreciation of educational action actors; d)
the strengthening of personal and collective prominence.
Keywords: Higher Education. Catholic Education. Education and integral education.
Teaching, research and extension.

Instituciones de Educación Superior Católicas: perspectivas para la educación


y formación integral

Resumen: El artículo, resultado de un estudio de caso, se centró en las perspectivas


para una formación académica integral, guiada por la ética, respeto a la vida y la cons-
trucción de una sociedad más justa y solidaria. Participaron en este estudio 66 directo-
res que actúan en alguna de las cinco Instituciones de Educación Superior de carácter
confesional y comunitario, ubicadas en Brasil, mantenidas por el Instituto de los Her-
manos de las Escuelas Cristianas (conocidos como Hermanos de La Salle). Los datos
obtenidos a través de un cuestionario y el análisis documental fueron evaluados por
medio de la Técnica de Análisis de Contenido y sirven como perspectiva para ofrecer
un itinerario formativo que contribuya a la formación y capacitación de los académicos,
la articulación entre docencia, investigación y extensión, centrándose en: a) interacción
con la comunidad, el compromiso y la corresponsabilidad en la mejora del entorno, con
especial atención a temas ambientales; b) la postura ética en las instituciones de educaci-
ón superior; c) un entorno institucional de acogida, cuidado y aprecio de los actores de
la acción educativa; d) el fortalecimiento del liderazgo personal y colectivo.
Palabras clave: Educación Superior. Educación Católica. Educación y formación inte-
gral. Docencia, investigación y extensión.

Introdução

As Instituições de Ensino Superior (IES), enquanto lócus privilegiado de


construção, difusão e socialização de conhecimentos, são desafiadas a propiciar
aos acadêmicos a educação e a formação que contemplem as dimensões pesso-
al-profissional. Portanto, não basta formar o profissional, é necessário educar
e formar a pessoa em sua integralidade. Educação e formação são conceitos
distintos, mas que se inter-relacionam. É por meio da educação que a pessoa se
humaniza e se desenvolve como ser humano em determinado contexto socio-
cultural, conforme indicam os pressupostos de Vygotsky (1998a, 1998b, 1998c).
De acordo com o que estabelece o capítulo IV do art. 43 da Lei de Di-
retrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/96), a Educação Superior
possui as seguintes finalidades:

I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito


científico e do pensamento reflexivo;

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 111
II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, ap-
tos para a inserção em setores profissionais e para a participação
no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua for-
mação contínua;
III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, vi-
sando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e
difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do
homem e do meio em que vive;
IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos
e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar
o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de
comunicação;
V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e
profissional e possibilitar a correspondente concretização, inte-
grando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estru-
tura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração;
VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente,
em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados
à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade;
VII - promover a extensão, aberta à participação da população,
visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação
cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição
(BRASIL, 1996).

Para os Lassalistas, a concepção de educação está em consonância com


a de formação, pois ela “quer ser mais do que cultivo da inteligência, mais que
ajustamentos sociais. Quer ser formação humana e cristã de qualidade, a partir
do fundamento e referencial de todo empreendimento humano e cristão: Jesus
Cristo” (PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, 2014, p. 17). Diante disso,
os Lassalistas primam pela educação humana e cristã de qualidade e pela for-
mação integral da pessoa, pautadas por princípios antropológicos, teológicos,
epistemológicos, pedagógicos, ético-morais, pastorais, políticos e socioculturais,
ecológicos, estético-expressivos e administrativos (PROVÍNCIA LA SALLE
BRASIL-CHILE, 2014).
Corroboramos a posição de Juliatto (2009, p. 40), quando o autor afirma que:

Numa sociedade em que a ciência e a técnica atingiram um grau


inédito de autonomia, não raro voltando-se contra o próprio ser
humano, a Universidade Católica, de acordo com a sua inspiração
evangélica, tem por missão construir um conhecimento que possa
ser colocado a serviço do humanismo cristão. É preciso, portanto,
com criatividade e audácia, “evangelizar os saberes” para re-huma-
nizar o mundo, re-encantar o ensino e re-criar o planeta. Este é o
grande desafio, a missão especial da Universidade Católica: con-
tribuir para que as experiências da fé e da racionalidade se entre-
cruzem e se fecundem mutuamente, produzindo frutos de amor e
justiça, de verdade e de solidariedade no mundo e na Igreja.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

112 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
Segundo Martínez Posada e Neira Sánchez (2015, p. 43):

Es necesario que la universidad se constituya en una comunidad


académica en la que la comunicación interpersonal y la capacita-
ción del sentido mismo del quehacer universitario posibiliten la
construcción de un aprendizaje y un conocimiento significativo;
que trascienda el academicismo, que supere el deseo de autosa-
tisfacción y auto entendimiento y que sitúe los saberes en pos de
la transformación cultural, económica, política y ambiental de los
sujetos y sus comunidades.

Diante do exposto, o artigo focaliza as perspectivas para a educação e a


formação integral dos acadêmicos, pautadas pela ética, pelo respeito à vida e
pela construção de uma sociedade mais justa e solidária, tendo como referência a
concepção de um conjunto de gestores que atuam em uma das cinco Instituições
de Ensino Superior Lassalistas, que são unidades de análise do estudo.
No próximo tópico, apresentaremos a abordagem metodológica adotada
para a realização do estudo.

Abordagem metodológica

O artigo é decorrente de uma pesquisa do tipo estudo de caso múltiplo,


cujo enfoque investigativo se direcionou para a responsabilidade social das IES
Lassalistas. Neste artigo, é feito um recorte nos dados atinentes à educação e à
formação integral dos acadêmicos. Para Yin (2005, p. 24), “o estudo de caso é
usado em muitas situações para contribuir ao nosso conhecimento dos fenôme-
nos individuais, grupais, organizacionais, políticos e relacionados”. Dessa forma,
“o ‘caso’ também pode ser algum evento ou entidade. [...] os estudos de caso têm
sido realizados sobre decisões, programas, processo de implementação e mudan-
ça organizacional” (YIN, 2005, p. 51). As unidades de análise da pesquisa foram
cinco IES Lassalistas situadas no Brasil, as quais representam o conjunto total de
IES mantidas pela Rede La Salle no país. Assim, a seleção foi por conveniência e
sem a utilização de amostra probabilística. Com base no previsto pela legislação
brasileira, as IES que constituem o campo de estudo são assim categorizadas:
a) quanto à administração e manutenção, são instituições privadas comunitárias
sem fins lucrativos; b) quanto à organização acadêmica, três são faculdades e
duas são centros universitários.
Na pesquisa qualitativa, os participantes do estudo possuem papel funda-
mental, pois são eles que concederão as informações. Dessa forma, conforme
destaca Yin (2005, p. 117):

Quanto mais o respondente auxiliar [...] mais o papel dele se apro-


ximará do papel de um “informante”, deixando de ser o de um

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 113
mero respondente. Informantes-chave são sempre fundamentais
para o sucesso de um estudo de caso. Essas pessoas não somente
fornecem ao pesquisador do estudo percepções e interpretações
sobre um assunto, como também podem sugerir fontes nas quais
se podem buscar evidências corroborativas ou contrárias – e pode-
-se iniciar a busca a essas evidências.

Nesse sentido, os participantes do estudo foram os gestores que atuavam
nessas IES. Entende-se por gestores aqueles que ocupam funções, como Reitor,
Diretor, Pró-Reitor Acadêmico, Pró-Reitor de Desenvolvimento, Diretor Ad-
ministrativo, Diretor Acadêmico, Coordenador(a) de Pós-Graduação lato sensu,
Coordenador(a) de Extensão, Coordenador(a) de Curso de Graduação, Coorde-
nador(a) Adjunto de Curso de Graduação, Coordenador(a) de Núcleo Acadêmi-
co, Coordenador(a) de Bolsas Sociais e Procurador(a) Institucional. Aceitaram
participar do estudo e responderam ao questionário 66 gestores, representando
57,4% do conjunto total de gestores que atuavam nas IES Lassalistas.
Os gestores situavam-se na faixa etária entre 30 e 79 anos, dos quais
39 (59,1%) eram do sexo masculino, e 27 (40,9%), do feminino. Além disso,
19 (28,8%) atuavam nas faculdades, e 47 (71,2%), em centros universitários.
O tempo de experiência desses gestores em IES variava entre 0 e 39 anos, e
na instituição Lassalista, entre 0 e 19 anos. No que se refere à formação ini-
cial (graduação), 66 (100%) gestores possuíam curso de graduação concluído.
Em relação à formação continuada em âmbito de pós-graduação lato sensu,
49 (74,2%) gestores já tinham concluído o curso de especialização, 1 (1,5%)
estava concluindo e 16 (24,2%) gestores não o iniciaram. Ainda em relação à
formação continuada (pós-graduação stricto sensu), no âmbito de mestrado, 52
(78,8%) já tinham concluído o curso, 2 (3%) estavam concluindo e 12 (18,2%)
não o iniciaram; já no âmbito de doutorado, 26 (39,4%) concluíram o curso, 12
(18,2%) estavam concluindo e 28 (42,4%) não o iniciaram. A coleta de dados
foi realizada por meio de um questionário (MARCONI; LAKATOS, 2006;
GIL, 2008; LAVILLE; DIONNE, 1999) com questões fechadas e abertas,
disponibilizado on-line, e por meio da análise documental (GODOY, 1995;
PÁDUA, 2004; APPOLINÁRIO, 2009) do Plano de Desenvolvimento Insti-
tucional (PDI) de cada uma das instituições investigadas. Esse documento é
considerado um instrumento fundamental para o planejamento e a gestão das
IES. Dessa forma, o PDI:

[...] é elaborado para um período de cinco anos, é o documento


que identifica a Instituição de Ensino Superior (IES), no que diz
respeito à sua filosofia de trabalho, à missão a que se propõe, às
diretrizes pedagógicas que orientam suas ações, à sua estrutura or-
ganizacional e às atividades acadêmicas que desenvolve e/ou que
pretende desenvolver (BRASIL, 2004, p. 2).

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

114 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
Para a análise das temáticas extraídas do material selecionado, utilizou-
-se a técnica de análise de conteúdo proposta por Bardin (1988). A análise
de conteúdo configura-se em um conjunto de técnicas que possibilita, por
meio de procedimentos sistemáticos de descrição do conteúdo, a realização
de inferências acerca da produção e/ou recepção de determinada mensagem
(BARDIN, 1988). No tópico seguinte, serão apresentadas reflexões relativas
aos dados coletados.

Pela educação e formação integrais

Os dados, coletados por meio da análise do PDI e do questionário, e ana-


lisados com base na técnica de análise de conteúdo, indicam como perspecti-
va, para a oferta de um itinerário formativo que contribua para a educação e a
formação integrais dos acadêmicos, a articulação entre o ensino, a pesquisa e a
extensão, focalizando: a) a interação com a comunidade, o comprometimento e
a corresponsabilidade na melhoria do entorno, com atenção especial às questões
ambientais; b) a postura ética nos modos de atuação da IES; c) um ambiente
institucional de acolhimento, cuidado e valorização dos atores da ação educativa;
d) o fortalecimento do protagonismo pessoal e coletivo.
A identidade e a missão Lassalistas, expressas nos PDIs de cada uma das
instituições estudadas, trazem, em sua essência, a evangelização por meio da
educação. De acordo com Cervantes (2006, p. 21):

La universidad católica-lasallista no se reconoce por prácticas re-


ligiosas excesivas ni por ser proselitista. Hoy día, las universidades
de inspiración cristiana reflejan un clima de humanismo cimentado
en la libertad y el respeto. La universidad lasallista es católica en su
origen e inspiración. Su propósito es definido y claro, y es suma-
mente respetuoso de otras opciones. La identidad de la universidad
católica es clara y expresa ya que, sólo desde identidades definidas,
es posible el diálogo con las diversas culturas y disciplinas.

Dessa forma, Franz (2006, p. 36) é enfático ao afirmar a importância do


conhecimento, por parte dos colaboradores, da missão e do modo de fazer edu-
cação dos Lassalistas:

Claramente, la gente reconoce a una institución lasallista no sólo


por los letreros de la entrada, sino también por la forma de interac-
ción de individuos dentro de la institución. La hospitalidad, la ho-
nestidad y ambiente de apoyo a los alumnos prosperan en lugares
de este tipo. Para conservar una abundancia de tales características,
continuamente debemos dar los pasos necesarios para asegurarnos
de que las instituciones lasallistas demuestren valores y acciones
apropiadas, tanto en lo general como en lo profundo.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 115
É consenso entre os gestores pesquisados que os projetos pedagógicos
dos cursos ofertados nas IES Lassalistas têm como base, além das dimensões
específicas de cada área da futura profissão e as demandas da contempora-
neidade, o ideário educativo Lassalista, que se constitui em um diferencial em
cada um desses cursos, distinguindo-os daqueles oferecidos por outras IES.
Destaca-se a existência de componentes curriculares direcionados à forma-
ção ética, à cidadania, ao protagonismo individual e coletivo, à educação em
direitos humanos e ao voluntariado. Tais componentes perpassam os vários
projetos de curso, contribuindo para a formação integral e a consolidação da
articulação entre o ensino, a pesquisa, a extensão e o compromisso com o
bem-estar coletivo.
Para que os acadêmicos possam ter uma educação de qualidade e forma-
ção integral, faz-se necessário que aqueles que atuam como mediadores nesse
processo estejam qualificados. Nesse sentido, desde os que recebem as pessoas
na entrada da instituição até o mais alto nível gerencial institucional, todos são
compreendidos como educadores. No que se refere explicitamente ao professor,
os Lassalistas o consideram:

[...] um mediador, animador e organizador da aprendizagem e da


construção de saberes e de sentidos. Sua principal missão é au-
xiliar os educandos a atingirem aprendizagens significativas e se
desenvolverem de maneira integral e integradora. Conhece, acolhe
e cuida dos educandos, dando respostas às suas necessidades, que
favorecem o seu desenvolvimento pessoal, em comunhão com as
famílias; estabelece relação dialógica, de cooperação e de respeito
com os educandos e com os outros educadores; está em constante
processo de formação para se desenvolver, cada vez mais, como
pessoa e qualificar sua práxis pedagógica, tornando-se mais eficaz e
eficiente no processo de ensino e de aprendizagem, bem como no
testemunho de vida e na fidelidade aos princípios orientadores las-
salistas (PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, 2014, p. 23).

Azmitia (2006, p. 6), quando se refere ao papel das IES Lassalista, faz
o seguinte alerta: “a proposta universitária lassalista não deve refugiar-se num
ensinamento neutro, numa ciência que não serve em nada para ninguém”. O
compromisso social nas IES Lassalistas expressa-se por meio:

[...] de la cultura, la ciencia y la tecnología al servicio de la sociedad


[...] el compromiso del lasallismo en el campo universitario es antes
que nada con la asimilación crítica, la trasmisión y la creación de la
cultura, con la apropiación, la trasmisión y la producción de la cien-
cia y de la tecnología. Igualmente lo es con el diálogo entre la ciencia
y la fe, con la síntesis entre la fe y la cultura, y con los demás valores
de que se ocupa el presente estudio (RUIZ LÓPEZ, 1987, p. 115).

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

116 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
No que se refere à relação com a comunidade, o comprometimento e a cor-
responsabilidade na melhoria do entorno, o gestor 19 menciona a responsabilidade
social universitária e a articulação de ações de ensino, pesquisa e extensão como ele-
mentos fundamentais para a formação de cidadãos conscientes. Juliatto (2009, p. 28),
ao refletir sobre o papel do ensino, da pesquisa e da extensão nas IES, salienta que:

A universidade católica, em razão de sua identidade confessional,


traduz nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, seu modo
peculiar de anunciar a mensagem cristã. Evangelizar significa, ao
mesmo tempo, testemunhar e anunciar o Evangelho, isto é, viver e
proclamar as exigências da mensagem cristã. Jesus ordenou a seus
discípulos que fossem pelo mundo afora, pregando o Evangelho,
anunciando a todos os povos, raças e culturas a sua mensagem de
amor ao próximo. A ordem de Jesus – “Ide e evangelizai a toda
criatura” – não tem apenas uma conotação geográfica e cultural
que engloba todas as regiões e raças do mundo, mas também uma
referência a todas as classes e ambientes sociais, incluindo o mun-
do dos intelectuais e o ambiente universitário.

De acordo com o gestor 38, é necessário o “compromisso com a forma-


ção integral dos universitários, buscando alternativas para desenvolver a solida-
riedade e a formação a partir de valores humanos e cristãos”. Nesse sentido, a
comunidade educativa, no entender do gestor 38, é um “espaço de convivência,
de ensino e de aprendizagem, e de vivência da fé, da fraternidade e do serviço”.
Esses valores Lassalistas fazem parte dos princípios filosóficos do instituto e
possuem como fundamento:

[...] hacer las cosas con una actitud cristiana, es decir, humana, ver-
daderamente libre, ética, con la mayor cualificación o perfección
posibles, buscando la promoción de la dignidad de las personas, el
bien de sus grupos y el mejoramiento de la sociedad y del medio
natural humano que nos ha sido dado, en actitud de alabanza al
autor de las cosas y de los hombres (RUIZ LÓPEZ, 1987, p. 113).

Para Ruiz López (187, p. 119): “El espíritu de fe es núcleo de donde ema-
nan los valores lasallistas y su razón de ser [...] es decir, una vida con un conjunto
de actitudes y comportamientos orientados por el Evangelio”. A fé nos remete
à ideia de espiritualidade, e, conforme esclarece Pierce (2006, p. 27), “o primeiro
erro ao tentar definir ou entender a espiritualidade é confundi-la com religião ou
devoção”. O termo “espiritualidade”, para Murad (2008, p. 126), “traduz tanto
o caminho existencial de evolução espiritual de uma pessoa quanto a dimensão
mística da fé e da religião”. As práticas confessionais podem ser uma das formas
de trabalhar a espiritualidade, mas, conceituada amplamente, a espiritualidade é
um modo de a pessoa ser e de se colocar no mundo.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 117
A espiritualidade:

Se caracteriza por possuir elementos comuns a todas as grandes


religiões como o amor, o respeito à vida em todas as suas manifes-
tações, o livre-arbítrio, a esperança, a fé, a honestidade, a integra-
ção, a verdade, a bondade, a beleza, a igualdade, a fraternidade e a
liberdade (BURKHARD; MOGGI, 2004, p. 21).

Assim, a espiritualidade é uma dimensão antropológica, própria da pessoa,


independentemente da religiosidade praticada e atribuída às religiões. Conforme
Torres Serrano (2006, p. 64):

Vivir según el espíritu del cristianismo, [...] implica poseerlo y esto


a través de un conocimiento de las máximas del evangelio, de ver-
dades necesarias para la salvación y de un ejercicio de las virtudes,
de la puesta en marcha de valores humanos-cristianos. Vivir según
este espíritu es un trascender no fuera de la historia, sino desde
ella. Implica entonces asumir este mundo, es decir ser honestos
con la realidad, cargar con ella; implica encargarse de la realidad,
encarnarse en ella, vivir también como ciudadanos del mundo y
no fuera de él; implica hacerse cargo de la realidad, ser co-respon-
sable, co-participe de su desarrollo integral, histórico y trascen-
dente. Responsabilidad vivida por amor eficaz y último a los seres
humanos, especialmente a los más vulnerables, pero también por
obediencia y fidelidad a la voluntad última de Dios: la instauración
de su reinado.

Para Hengemüle (2006, p. 51):

De modo general, nuestras universidades tienen que garantizar una


presencia cristiana en la enseñanza superior. Ser mediación dialogan-
te entre la Iglesia y las diferentes áreas del mundo de la cultura, ser
la voz de la Iglesia para hablar a este mundo, pero ser también los
oídos de la Iglesia para escuchar lo que este mundo tiene que decirle.
Les cabe contribuir para la construcción de la síntesis entre la fe, la
cultura y la vida; ayudar a iluminar asuntos planteados por la ciencia
y por la tecnología; y con los resultados de su investigación puestos a
disposición, ayudar a responder a los problemas actuales.

Com base no exposto por Torres Serrano (2006) e Hengemüle (2006), a


vivência da espiritualidade como dimensão antropológica do ser humano preci-
sa ser contemplada em ambientes e processos educativos instituídos pelas IES
Lassalistas. A fraternidade enquanto valor Lassalista ultrapassa a ideia e o âmbito
das relações interpessoais, da filantropia ou do mero assistencialismo. De acordo
com Ruiz López (1987, p. 117), “El fundamento de la fraternidad lasallista está
en el reconocimiento de que todos tenemos un solo Padre, Dios, al cual nos

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

118 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
parecemos porque fuimos creados a su imagen y semejanza, y tenemos por Her-
mano mayor a Jesucristo, el hijo de Dios”. Tal concepção sobre a fraternidade
vai requerer que “cada miembro de la comunidad universitaria se relacione con
los otros en cuanto personas [...] cualquiera que sea la función o el nivel que ten-
ga. [...] el centro del quehacer educativo universitario es la persona humana” (RUIZ
LÓPEZ, 1987, p. 117, grifo do autor). Nesse sentido:

La universidad católica educa la dimensión más profunda del ser


humano, la espiritual-religiosa, la única que puede guiar al univer-
sitario en la búsqueda del sentido fundamental de su vida. Esta es
una gran responsabilidad, ya que la credibilidad en todos los demás
aspectos de la universidad, desde el deportivo y el académico, hasta
las instalaciones (CERVANTES, 2006, p. 17).

Ao assumir esse compromisso identitário da evangelização, “se espera de


los profesionales universitarios una mirada particular de la realidade, pero sobre
todo un compromiso con esta” (MARTÍNEZ POSADA; NEIRA SÁNCHEZ,
2015, p. 43). Portanto:

La universidad debe transcender su dinámica académica a una so-


cial, en la cual los conocimientos interpelen esa realidad de los jó-
venes pero que a su vez les permita responder en tiempo y espacio
concreto a las demandas – retos, necesidades, exigencias (MARTÍ-
NEZ POSADA; NEIRA SÁNCHEZ, 2015, p. 44).

Conforme o gestor 14, “Desenvolver integralmente o estudante, formar


um profissional cidadão” não significa negligenciar a formação com conheci-
mentos técnicos requeridos e necessários para o exercício de determinada pro-
fissão, como afirma o gestor 23: “A formação dos alunos com boa formação éti-
ca e técnica é o ponto alto”, tornando, de acordo com o gestor 38, o “indivíduo
mais crítico e consciente, capaz de compreender seu papel na sociedade e atuar
efetivamente na perspectiva de transformá-la”.
A reflexão apresentada por Juliatto remete à posição do gestor 21, quan-
do diz: “Além do ensino de teorias e técnicas, se propõe a contribuir para uma
sociedade mais igualitária e mais justa, com respeito a culturas, ideologias e cren-
ças, bem como do meio ambiente”. Já o gestor 37 enfatiza que a IES possui a
“consciência de que é formadora de opinião e difusora de valores e princípios
que podem balizar o comportamento humano na sociedade”. Nessa perspectiva,
assim se expressa o gestor 8:

Habilitar pessoas para o exercício de atividades laborais que exigem


formação educacional e treinamento profissional especializado
em nível superior. Nesse sentido, talvez a maior responsabilidade
social da IES seja desenvolver, no limite das atuais possibilidades

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 119
científicas, a capacitação cognitiva, emocional e as habilidades pes-
soais de quem se sente vocacionado. A responsabilidade social da
universidade é assumir de forma consequente o objetivo didáti-
co-pedagógico de tornar cada uma dessas vocações compatíveis
com as exigências sociais, mercadológicas e éticas do respectivo
exercício profissional que o acadêmico almeja exercer.

Já o gestor 60 enfatiza que:

O momento atual em que vivemos impõe cada vez mais a neces-


sidade de uma reestrutura nas mais diversas áreas empresariais da
nossa sociedade; não podendo excluir-se disso as Instituições de
Ensino. Cabem, hoje, ações de responsabilidade social, ambiental e
de cidadania, trazendo para dentro das salas de aulas e laboratórios
os desafios e problemas pertinentes à sociedade e, em contraparti-
da, fornecendo para a mesma, material humano e ideias capazes de
promover a sua sustentabilidade de forma equânime.

Para assegurar as características e especificidades da Educação Superior,


Aguayo (2005, p. 154) salienta elementos peculiares que caracterizam a identidade
das IES Lassalistas, tais como “su trato con la gente, en su manera de ejercer su
profesión, en su modo de hablar etc. – por los rasgos que la distinguen de otras”.
Dessa forma, os Lassalistas compreendem o ambiente das comunidades educa-
tivas enquanto “espaços institucionais nos quais a Missão Educativa Lassalista é
desempenhada” (PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, 2014, p. 8).
Outro elemento fundamental destacado pelos gestores que influencia no
processo formativo dos acadêmicos é a postura ética nos modos de atuação
das IES. Ao se falar em ética, partilham-se as definições de Ponchirolli (2009) e
Teixeira (1998). Para Ponchirolli (2009, p. 19), a ética é compreendida como “o
conjunto das práticas morais de uma determinada sociedade, ou, como os prin-
cípios que dão rumo a estas práticas”. Já para Teixeira (1998, p. 212):

[...] a ética tem a ver com os comportamentos e a tomada de deci-


sões, ou seja, as escolhas efetuadas face a uma pluralidade de hipó-
teses, tendo como pano de fundo o conceito de moralidade aplica-
do aos negócios. Seja como resposta às decisões de indivíduos que
usam as suas posições institucionais (gestores, nomeadamente) em
proveito próprio, ou aos prejuízos que algumas organizações pro-
vocam ao nosso ambiente social e natural, ou aos sofrimentos que
impõem a empregados e gestores, a verdade é que o crescimento
acelerado das preocupações de ordem ética está relacionado com
as organizações e é uma tendência importante na nossa época.

A postura ética e a transparência nas ações estão alicerçadas em três premissas


estruturantes: a coerência entre os princípios da instituição e sua atuação, a gestão

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

120 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
democrática e a comunicação das ações institucionais. De acordo com 50 (75,8%)
gestores, as IES Lassalistas possuem um modo de atuação pautado pela ética e pela
transparência. Consideram haver coerência entre os princípios institucionais e as
ações desenvolvidas. Essa coerência indica, segundo esse conjunto de gestores, a
existência de um comprometimento coletivo dos colaboradores de cada IES, inde-
pendentemente de sua função, com a missão, a visão e os princípios institucionais.
Pode-se perceber que, associados à ética, outros valores são assumidos
pelas IES Lassalistas brasileiras e explicitados no PDI de cada uma delas, como
os de cunho humanitário: inspiração e vivência cristã-lassalistas, valorização das
pessoas, exercício da cidadania fraterna e solidária, respeito à diversidade e à
vida, solidariedade, valorização do ambiente para as relações interpessoais e sus-
tentabilidade ambiental. Tendo por base os dados analisados, é possível perceber
que os Lassalistas buscam concretizar tais valores em todas as suas ações na
comunidade educativa, local onde atuam, contemplando-os em suas políticas,
seus programas e seus projetos institucionais e pedagógicos. As cinco evidên-
cias mais enfatizadas pelo conjunto de gestores são: projetos interdisciplinares
envolvendo a comunidade; programas, projetos e ações voltados à ação com
pessoas em situação de vulnerabilidade social e à conscientização da necessidade
de preservar o meio ambiente; a Pastoral Universitária; e os programas de bolsas
de estudos que beneficiam o acesso de estudantes carentes à educação.
Tais ações são socializadas e difundidas por meio de documentos (o balan-
ço social, por exemplo) e diversos canais de comunicação direcionados à comu-
nidade interna e externa (página institucional on-line, boletins, notícias e repor-
tagens divulgadas na mídia e periódicos).
A gestão democrática adotada nas IES Lassalistas, primando por várias
instâncias de participação (conselhos, colegiados de curso, agremiações estudan-
tis, avaliação institucional, grupos de trabalho, entre outras), contribui para que
o planejamento institucional seja elaborado de forma coletiva e a sua efetivação
seja divulgada em vários níveis. Dessa forma, as comunidades educativas par-
tilham seus desafios e conquistas, no seu interior e também entre elas (fóruns,
seminários, assembleias e encontros dos dirigentes das IES Lassalistas), colabo-
rando para a consolidação da cultura de rede.
Conforme mencionado, há também por parte das IES a preocupação com
a formação ética dos acadêmicos, a qual se consolida por meio da oferta de com-
ponentes curriculares que tenham como centralidade tal dimensão, por exemplo,
a disciplina Ética, comum a vários cursos. Igualmente, há uma ênfase na educa-
ção em direitos humanos e no exercício da cidadania.
Por fim, os gestores sugerem que as IES possuem papel essencial para a for-
mação de pessoas e profissionais que desenvolvem e cultivam valores e os mate-
rializam em ações em prol de uma sociedade melhor. Os gestores citam ações que
indicam a inserção e a relação das IES com a comunidade, como: a integração com

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 121
a Casa Convívio dos Idosos; as escolas públicas (atividades desenvolvidas por alunos
dos cursos de licenciatura); a Cruz Vermelha; participação no Projeto Rondon. Além
disso, citam a existência de projetos interdisciplinares que proporcionam a relação
entre os professores, os acadêmicos e a comunidade, tais como: núcleos e escritórios
modelo dos cursos prestando serviço (Núcleo de Ação Comunitária, Clínicas Inte-
gradas, Núcleo de Práticas Jurídicas, Núcleo de Arte e Cultura); ações de educação e
saúde; inclusão social por meio de cursos e palestras à população do entorno; proje-
tos e eventos sociais educativo-culturais; ações comunitárias sobre aspectos jurídicos
e contábeis; ações para a terceira idade e visita dos acadêmicos a aldeias indígenas.
Os gestores também salientam o trabalho conjunto com instituições es-
pecíficas, as quais direcionam seu fazer para a inclusão das pessoas com neces-
sidades especiais, tais como o Instituto Benjamin Constant, a Associação de
Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e o Instituto Nacional de Educação
dos Surdos (INES). No que se refere às pessoas em situação de vulnerabilidade
social, eles citam: ações direcionadas ao diagnóstico das condições sociais das
pessoas; a oferta de cursos de extensão gratuitos à população carente (curso de
barbeiros); projetos sociais desenvolvidos pelos profissionais da área de Educa-
ção Física; o incentivo ao trabalho voluntário, estabelecendo-se parceria com ou-
tras organizações e segmentos da comunidade (pastorais, conselhos municipais,
comissões de bairros) para a efetivação de projetos sociais; a oferta de creche
comunitária com atendimento gratuito para crianças de famílias carentes; a ava-
liação socioeconômica dos alunos mais necessitados; e as atividades da Pastoral
Universitária (Dia da Responsabilidade Social, Voluntariado, Natal Solidário).
Diferentemente de outras tipologias organizacionais, são as instituições
educativas, desde a Educação Básica até a Educação Superior, que possuem a
finalidade de educar e formar, dando continuidade ao processo educativo que
deve ter seu início no contexto familiar.

Considerações finais

O cerne das IES Lassalistas é a evangelização por meio da educação, por-


tanto todos os que são partícipes convivem e/ou interagem nas comunidades
educativas, de forma direta ou indireta, e se constituem foco dessa educação e
formação. Na concepção dos Lassalistas, a educação é compreendida:

[...] como direito fundamental da pessoa humana, um itinerá-


rio intencionado e sistemático de humanização, aprendizagem e
crescimento permanente, que dá unidade e sentido à vida. Nesse
processo, os educandos lassalistas são convidados a serem prota-
gonistas do próprio desenvolvimento, aprendendo a ser, conhe-
cer, conviver, fazer, colaborar e inovar (PROVÍNCIA LA SALLE
BRASIL-CHILE, 2014, p. 20).

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

122 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
Diante disso, o fazer educativo da obra de João Batista de La Salle não se
limita à simples instrução e a cumprir programas, tampouco pode ser um reflexo
aparente dos “valores” sociais que a sociedade de consumo transmite sem pu-
dor. A ação educativa, hoje, pretende oferecer educação integral e integradora
aos educandos. Portanto,

[...] La educación al servicio se traduce en esa entrega desautorizada


en la cual el educador llega hasta sacrificar sus intereses personales
en beneficio de la formación de los educandos, ‘muere’ frente a su
propia imagen y frente a su ego, para que sus educandos puedan
crecer, aun hasta superarlo; paradójicamente, esta es una forma de
perder ganando [...]. El servicio educativo lasallista es ante todo
servicio educativo. El servicio educativo en toda la Universidad
se produce por medio de la formación en los valores superiores
de la cultura y por medio de la promoción del espíritu científico y
tecnológico (RUIZ LÓPEZ, 1987, p. 114).

O compromisso social nas IES Lassalistas expressa-se por meio:

[...] de la cultura, la ciencia y la tecnología al servicio de la sociedad


[...] el compromiso del lasallismo en el campo universitario es antes
que nada con la asimilación crítica, la trasmisión y la creación de la
cultura, con la apropiación, la trasmisión y la producción de la cien-
cia y de la tecnología. Igualmente lo es con el diálogo entre la ciencia
y la fe, con la síntesis entre la fe y la cultura, y con los demás valores
de que se ocupa el presente estudio (RUIZ LÓPEZ, 1987, p. 115).

Nessa perspectiva, a identidade e a missão Lassalistas das IES trazem em


sua essência a evangelização por meio da educação, pois:

La universidad católica educa la dimensión más profunda del ser


humano, la espiritual-religiosa, la única que puede guiar al univer-
sitario en la búsqueda del sentido fundamental de su vida. Esta es
una gran responsabilidad, ya que la credibilidad de nuestra pro-
puesta fundamental se asienta sobre la credibilidad en todos los de-
más aspectos de la universidad, desde el deportivo y el académico,
hasta las instalaciones (CERVANTES, 2006, p. 17).

Ao falar em atores da ação educativa, há presente todos aqueles que, em


uma IES Lassalista, de forma direta ou indireta, são corresponsáveis pelo pro-
cesso educativo (dirigentes institucionais, pessoal técnico-administrativo, pro-
fessores, acadêmicos e comunidade externa). Já com relação ao ambiente insti-
tucional, ele é compreendido como resultante da articulação harmoniosa entre
as estruturas físicas (espaços educativos, equipamentos etc.), organizacionais
(estrutura e modo de gestão) e normativas (dispositivos legais externos e inter-

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 123
nos que regulam o fazer na instituição), e os modos de relação que as pessoas
estabelecem nesse ambiente favorecem ou dificultam o alcance da missão, dos
princípios (valores) e dos objetivos de determinada instituição. O cuidado com
todos os integrantes das comunidades educativas se traduz na busca constante
do respeito pelo ser humano em suas múltiplas dimensões.
Desde o ingresso do acadêmico no Ensino Superior, as IES precisam pro-
por espaços e tempos para que ele possa assumir, cada vez mais, o seu desenvol-
vimento pessoal e profissional, compreendendo que:

O Educando Lassalista, considerado em seu nível de desenvolvi-


mento pessoal, é sujeito da própria aprendizagem e responsável
por ela; é protagonista no processo de apropriação, construção
e reconstrução do conhecimento; é criativo e empreendedor na
resolução dos problemas quotidianos; é cidadão de direitos e de
deveres; um ser em constante busca de sentido na construção do
seu projeto de vida. Na perspectiva de sua formação lassalista, o
educando é convidado e desafiado a: contribuir protagonicamente
na construção de uma sociedade mais justa, fraterna e solidária;
crescer na consciência democrática e cidadã; viver em equilíbrio e
harmonia com a natureza, buscando a sustentabilidade socioam-
biental; crescer no espírito de fé e zelo, na relação filial com Deus e
nas relações fraternas; discernir sua vocação enquanto resposta ao
chamado que Deus lhe dirige ao serviço do próximo (PROVÍN-
CIA LA SALLE BRASIL-CHILE, 2014, p. 24).

No Ensino Superior, o êxito acadêmico está relacionado ao nível de


autonomia, comprometimento e tomada de decisão por parte dos acadêmicos.
Dessa forma, todo o processo formativo, cuja estrutura está fundamentada em
premissas pedagógicas que se materializam por meio da matriz curricular dos
cursos e dos seus modos de efetivação no cotidiano, deve mobilizar o prota-
gonismo individual e coletivo. A extensão, articulada ao ensino e à pesquisa,
constitui-se em um espaço de excelência para o fortalecimento do protago-
nismo discente, na medida em que viabiliza a aproximação e a inserção dos
acadêmicos no contexto social.
Por fim, os valores da fé, da fraternidade e do serviço, que caracterizam
os Lassalistas, tendo a educação como lócus de ação, faz com que a essência das
IES Lassalistas tenha como pedra basilar a educação e a formação integrais que
mobilizam o conjunto de atores da ação educativa a se engajarem e a assumir o
compromisso em prol de um mundo em que as pessoas possam viver com dig-
nidade e que seus direitos sejam respeitados.

Recebido em: 16/03/2018


Revisado pelo autor em: 11/05/2018
Aceito para publicação em: 16/05/2018

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

124 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
Notas
1 Pós-doutorado em Educação pela Universidade do Algarve (Portugal). Pós-doutorado em
Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutorado em Educação pela Uni-
versidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS). Professora do Programa de Pós-graduação
da Universidade La Salle (Canoas/RS). E-mail: dirleia.sarmento@unilasalle.edu.br
2 Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutorado em
Educação pela Universidade La Salle (Canoas/RS). Doutorado em Administração pela Univer-
sidad de la Empresa, do Uruguai. Professor do Programa de Pós-graduação da Universidade
Católica de Petrópolis. E-mail: jardelino.menegat@lasalle.org.br

Referências

AGUAYO, Enrique. Misión contemporánea de la universidad La Salle: ser lugar


de convivencia de los hombres. In: FRANZ, Craig (Ed.). Reflexiones sobre la
educación superior lasallista. Moraga: International Association of Lasallian
Universities, 2006. p. 150-166.
APPOLINÁRIO, Fabio. Dicionário de metodologia científica: um guia para
a produção do conhecimento científico. São Paulo, Atlas, 2009.
AZMITIA, Oscar. PERLA - Projeto Educativo Regional Lassalista Latino-Ame-
ricano. Caderno MEL, n. 31, p.1-45, 2006.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1988.
BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e
bases da educação nacional. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 23 dez
1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>.
Acesso em: 14 jan. 2018.
______. Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI: diretrizes para ela-
boração. Brasília: SAPIENS/DESUP/SESU/MEC. 2002.
BURKHARD, Daniel; MOGGI, Jair. Como integrar liderança e espiritua-
lidade: a visão espiritual das pessoas e das organizações. Rio de Janeiro: Else-
vier, 2004.
CERVANTES, José. El futuro de la universidad católica ante la postmodernidad.
In: FRANZ, Craig (Ed.). Reflexiones sobre la educación superior lasallista.
Moraga: International Association of Lasallian Universities, 2006. p. 16-29.
FRANZ, Craig. Fieles a una visión, inquebrantables por un sueño. In: ______.
(Ed.). Reflexiones sobre la educación superior lasallista. Moraga: Interna-
tional Association of Lasallian Universities, 2006. p. 30-47.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 125
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Pau-
lo: Atlas, 2008.
GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista Ad-
ministração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.
HENGEMÜLE, Edgar. La universidad lasaliana. In: FRANZ, Craig (Ed.). Re-
flexiones sobre la educación superior lasallista. Moraga: International Asso-
ciation of Lasallian Universities, 2006. p. 48-58.
JULIATTO, Clemente Ivo. Pastoral Universitária: a Universidade Católica a ser-
viço da evangelização. Rev. Pistis Prax., Teol. Pastor., Curitiba, v. 1, n. 1, p.
27-52, jan./jun. 2009.
LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de me-
todologia de pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul
Ltda., 1999.
MARCONI, Marina; LAKATOS, Eva. Técnicas de pesquisa: planejamento e
execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e
interpretação dos dados. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
MARTÍNEZ POSADA, Jorge; NEIRA SÁNCHEZ, Fábio O. La educación su-
perior y el lasallismo. In: SANCHÉZ NEIRA, Orlando; RIVERA VENEGAS,
Juan Carlos (Eds.). La educación superior en perspectiva lasallista. Bogotá:
Universidad de La Salle, 2015. p. 33-46.
MURAD, Afonso. Gestão e espiritualidade. São Paulo: Paulinas, 2008.
PÁDUA, Elisabete Matallo. Metodologia de pesquisa: abordagem teórico-
-prática. Campinas: Papirus, 2004.
PIERCE, Gregory. Espiritualidade no trabalho. Campinas: Versus Edito-
ra, 2006.
PONCHIROLLI, Osmar. Ética e responsabilidade social empresarial. 1. ed.
Curitiba: Juruá, 2009.
PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE. Proposta Educativa Lassalista.
Porto Alege: La Salle, 2014.
RUIZ LÓPEZ, Luis. Elementos para un marco conceptual del Centro de Inves-
tigaciones Lasallistas. Revista de la Universidad De La Salle, Bogotá, v. 7, n.
14, p. 111-132, 1987.
TEIXEIRA, Sebastião. Gestão das organizações. Lisboa: Editora McGraw-
-Hill, 1998.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.

126 Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018
TORRES SERRANO, Juan Manuel. La comprensión del “Lasallismo” en con-
texto universitario: aproximación a dos vías de interpretación. Revista de La
Universidad De La Salle, n. 42, p. 63-73, 2006.
VYGOTSKY, Lev S. La modificacion socialista del hombre. In: BLANCK,
Guillermo (Ed.). La genialidad y otros textos inéditos. Buenos Aires: Edito-
rial Amagesto, 1998a. p. 109-125.
______. El problema del desarrollo cultural del niño. In: BLANCK, Guillermo
(Ed.). El problema del desarrollo cultural del niño y otros textos inéditos.
Buenos Aires: Editorial Amagesto, 1998b. p. 31-55.
______. El papel del ambiente en el desarrollo del niño. In: BLANCK, Guil-
lermo (Ed.). La genialidad y otros textos inéditos. Buenos Aires: Editorial
Amagesto, 1998c. p. 13-36.
YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e método. 3. ed. Porto Alegre:
Bookman, 2005.

SARMENTO, D.F.; MENEGAT, J.


Instituições de Ensino Superior Católicas: perspectivas para a educação e a formação integral
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 110-127, jun./set. 2018 127
ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a


comunicação integrada como diferencial competitivo na gestão
de instituições de ensino
Bianca Piquet da Cunha1
Igor Gomes da Silva2

Resumo: Compreender a dinâmica do mercado educacional é fundamental para que


os gestores possam ajustar suas instituições de ensino às demandas de um mundo glo-
balizado em constante processo de transformação e inovação. Nesse sentido, deve-se
conceber o planejamento estratégico focado nas oportunidades e ameaças do mercado
educacional, mediante a realização prévia de diagnóstico que permita assertividade das
ações propostas nas estratégias de comunicação e marketing. Uma efetiva comunicação
com os diversos públicos da instituição (stakeholders) é parte essencial desse processo,
a fim de garantir uma boa percepção dos aspectos intangíveis da instituição de ensino,
como marca, reputação, valores e qualidade dos serviços ofertados. Sendo assim, o pre-
sente artigo propõe aos gestores e educadores uma reflexão sobre a importância da co-
municação integrada como fator competitivo na gestão das instituições de ensino, visto
que permite a sinergia das ações da comunicação interna, institucional e mercadológica.
Os resultados desse processo de integração são refletidos no comprometimento das
pessoas no âmbito interno e na competitividade da instituição de ensino no mercado,
no âmbito externo.
Palavras-chave: Marketing educacional. Comunicação integrada. Gestão da marca. Ges-
tão do conhecimento. Capital intelectual.

Educational marketing in focus: a reflection on integrated communication as a


competitive differential in the management of educational institutions

Abstract: Understanding the dynamics of the educational market is fundamental so


that the managers can adjust their educational institutions to the demands of a globali-
zed world in constant process of transformation and innovation. In this sense, strategic
planning focused on the opportunities and threats of the educational market must be
conceived, by means of the previous diagnosis that allows assertiveness of the actions
proposed in the communication and marketing strategies. Effective communication
with the various stakeholders is an essential part of this process, in order to guarantee a
good perception of the intangible aspects of the educational institution, such as brand,

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

128 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
reputation, values and the quality of services offered. Thus, this article proposes to
managers and educators a reflection on the importance of integrated communication
as a competitive factor in the management of educational institutions, since it allows
the synergy of the actions of internal, institutional and marketing communication. The
results of this integration process are reflected in the commitment of the people in the
internal scope, and in the competitiveness of the educational institution in the market,
in the external scope.
Keywords: Educational marketing. Integrated communication. Branding. Knowledge
management. Intellectual capital.

Marketing educativo en cuestión: una reflexión sobre la comunicación integrada


como diferencial competitivo en la gestión de instituciones de educación

Resumen: Comprender la dinámica del mercado educativo es fundamental para que


los gestores puedan ajustar sus instituciones de educación a las demandas de un mundo
globalizado en constante proceso de transformación e innovación. En este sentido, se
debe concebir la planificación estratégica enfocada en las oportunidades y amenazas
del mercado educativo, mediante la realización previa de diagnóstico que permita la
asertividad de las acciones propuestas en las estrategias de comunicación y marketing.
Una efectiva comunicación con los diversos públicos de la institución (stakeholders) es
parte esencial de este proceso, a fin de garantizar una buena percepción de los aspectos
intangibles de la institución de enseñanza, como marca, reputación, valores y la calidad
de los servicios ofrecidos. Por tanto, el presente artículo, propone a los gestores y edu-
cadores una reflexión sobre la importancia de la comunicación integrada como factor
competitivo en la gestión de las instituciones de educación, ya que permite la sinergia
de las acciones de comunicación interna, institucional y mercadológica. Los resultados
de este proceso de integración se reflejan en el compromiso de las personas en el ám-
bito interno, y en la competitividad de la institución de enseñanza en el mercado, en el
ámbito externo.
Palabras clave: Marketing educativo. Comunicación integrada. Gestión de la marca.
Gestión del conocimiento. Capital intelectual.

Introdução

Para se tornarem mais competitivas no mercado, as instituições de ensino


têm adotado, cada vez mais, ações de comunicação e marketing em seus plane-
jamentos estratégicos. Com o intuito de refletir sobre essa importante dimensão
da gestão educacional, o presente artigo propõe uma discussão sobre como a
integração da comunicação interna, institucional e mercadológica pode otimizar
os recursos humanos e financeiros de uma instituição de ensino, aumentando,
assim, sua competitividade por melhores resultados. Para fins de organização
da leitura, o texto foi elaborado em tópicos temáticos, com fundamentação te-
órica fundamentada na revisão bibliográfica de renomados pesquisadores que
discutem as estratégias de comunicação e marketing, bem como na análise do-

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 129
cumental de relatórios gerenciais de instituições de ensino e na prática de anos
de experiência profissional nesse segmento, para uma reflexão sobre como tais
estratégias são importantes na gestão de instituições de ensino.
No primeiro tópico, faz-se uma apresentação dos fundamentos do marke-
ting e sua aplicação no segmento educacional, apontando o potencial dessa
ferramenta estratégica de gestão, quando adotada qualitativamente pelas insti-
tuições de ensino, a fim de que se possa aprimorar seus processos internos e
externos. Ressalta-se ainda a importância do alinhamento institucional e o com-
prometimento das pessoas nesse processo para uma efetiva comunicação com o
público-alvo em todas as suas dimensões.
Posteriormente, no segundo tópico, discute-se a importância de utilizar
ferramentas estratégicas de diagnóstico e análise de mercado para fins de elabo-
ração do planejamento organizacional, evidenciando as prioridades do plano es-
tratégico e a necessidade de integração dos processos para alcançar os resultados
e os objetivos institucionais. De maneira específica, é apresentada a ferramenta
de análise FOFA (também conhecida como Matriz SWOT), na qual é possível
mapear as forças e as fraquezas da organização no ambiente interno, bem como
as oportunidades e as ameaças do ambiente externo, a fim de elaborar ações que
contemplem as tendências de mercado e o perfil do novo consumidor dos ser-
viços e produtos educacionais.
No terceiro tópico, após análise de mercado e elaboração do diagnóstico
organizacional, propõe-se uma reflexão importante sobre como a integração da
comunicação (interna, institucional e mercadológica) pode se tornar um fator
competitivo na gestão das instituições de ensino. Ainda, são realizados apon-
tamentos relevantes que poderão ser implementados nos respectivos planos de
ação das instituições de ensino.
Por fim, nas considerações finais, são retomadas algumas reflexões perti-
nentes que foram apresentadas no artigo, na qual se evidencia a importância das
ações integradas de comunicação e marketing no planejamento estratégico das
instituições de ensino. Além do planejamento, o comprometimento das pessoas
e a resiliência na aplicação das estratégias propostas são fatores determinantes
para se alcançar a competitividade e os resultados almejados.

Fundamentos do marketing educacional

Associado diretamente às estratégias do mercado para obter vantagens


competitivas, o marketing está presente em todos os setores da sociedade. Se, na
década de 1950, no período pós-guerra, ele foi considerado um dos principais
responsáveis pelo desenvolvimento industrial e pelo crescimento das empresas,
não há como pensar em sucesso sem que suas ferramentas de pesquisa, gestão e
ação estejam vinculadas.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

130 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
Entre suas possibilidades, o marketing está muito além das campanhas
publicitárias e do merchandising3, como muitos, por ingenuidade ou desatuali-
zação, deduzem. Suas estratégias estão associadas ao interesse do mercado em
obter vantagens competitivas, e suas ações gerenciais têm, entre tantas outras,
a missão de elaborar, divulgar, distribuir e consolidar produtos e serviços que
tenham valor, tangível ou não, a seu público. Suas possibilidades e suas ferra-
mentas estão amplamente sendo utilizadas por todos os ramos da sociedade a
fim de conquistar seus objetivos.
Conforme destaca a Associação Americana de Marketing (s/d, s/p), o
objetivo do marketing é “criar, comunicar, distribuir e efetuar a troca de ofertas
que tenham valor para consumidores, clientes, parceiros e a sociedade como um
todo”. Assim, torna-se vital para as empresas do mundo globalizado e responsá-
vel, entre outros muitos objetivos, cuidar da reputação, valorização e visibilidade
de uma marca no mercado; quem planeja, cuida e pensa nas necessidades e nos
anseios de seu público e nas propostas para atendê-lo.
Valendo-se de técnicas e possibilidades das áreas de Exatas, como Admi-
nistração e Estatística, e de Humanas, como Comunicação Social, suas ações de-
vem estar em contínua manutenção, reformulação e inovação para que se adapte
e supere as dificuldades, bem como em constante transformação do mercado,
para manter, assim, a sustentabilidade do negócio.
O marketing educacional, por consequência, é a prática de marketing
aplicada às instituições de ensino, ou seja, tem sua atenção e seu empenho
voltados à comunidade acadêmica/educativa – estudantes, educadores, famí-
lias, parceiros – e ainda para a mídia, com o objetivo de garantir a excelência
educacional. Assim, a gestão da marca (branding) dessa modalidade tende a
atingir os seguintes objetivos: alinhar qualitativamente a imagem e a identidade
corporativa; promover, coordenar, motivar e valorizar a instituição educativa;
garantir a captação, retenção, fidelização dos clientes; aprimorar e dar visibi-
lidade às propostas, aos valores e aos serviços ofertados; fortalecer o relacio-
namento com os públicos; destacar as tendências do mercado, as questões
culturais e de responsabilidade social; adequar as ações às necessidades e aos
anseios do público; cuidar dos objetivos econômicos/financeiros; estreitar o
contato com a mídia etc.
Mas qual é o motivo da difícil aplicação desses critérios em uma instituição
de ensino? Diversos são os aspectos que interferem nesse processo: cultura iso-
lacionista; conflito de egos; pessoas desinteressadas; falta de punho da gerência;
falta de comunicação; falta de planejamento das ações; desinteresse em compar-
tilhar as metas; não conhecimento – por falta de informação ou desmotivação
– dos propósitos empresariais etc. (ENDO, 2003; KUNSCH, 2003). De alguma
maneira, todos acabam remetendo a estratégias de marketing aplicadas de ma-
neira equivocada.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 131
A aplicação das estratégias de marketing educacional ainda é pouco
consolidada no Brasil, sendo presente apenas em algumas escolas
com tino ampliado de seu negócio. O que se percebe na comuni-
cação desse segmento é o uso de muitas frases de efeito e imagens
bonitas, mas sem consistência. É importante que os atributos reais
da instituição não sejam menosprezados em detrimento de inven-
ções, maquiagem ou adjetivos. Empresas atentas a essa necessidade
estão obtendo êxito em sua comunicação (MARTINS, 2011, s/p).

Destaca-se também a comunicação integrada, que “precisa ser entendida
como uma filosofia capaz de nortear e orientar toda a comunicação que é gerada
na organização, como um fator estratégico para o desenvolvimento organizacio-
nal na sociedade globalizada” (KUNSCH, 2003, p. 179). Esse campo leva em
consideração uma visão macro e estratégica que converge em diversas áreas da
comunicação, entre elas, a interna, a institucional e a mercadológica.
No estudo “Comunicação no marketing”, Marques e Craveiros (2008)
ressaltam a comunicação como direito fundamental do cidadão e como fator
dinâmico de um desenvolvimento sustentável e diferenciador, determinante para
o progresso de todas as áreas do conhecimento, sendo imprescindível para a
sustentabilidade e o sucesso dos negócios e até do próprio desenvolvimento
humano.
Nesse sentido, as pessoas passam a ter centralidade no processo de comu-
nicação e gestão das instituições de ensino, visto que acumulam informações e
experiências essenciais para a manutenção da qualidade dos serviços ofertados.
A gestão do conhecimento está ligada à preocupação da empresa de co-
nhecer melhor suas potencialidades, suas especificidades, suas oportunidades
e, especialmente, seus desafios. Conforme reflexões da Sociedade Brasileira de
Gestão do Conhecimento (SBGC, s/d), em uma empresa, o processo de gestão
deve envolver uma gama de setores e profissionais, todos cientes da realidade e
das metas institucionais, compartilhando experiências em prol de objetivos em
comum.
As pessoas formam o capital intelectual da instituição. Cada um dos co-
laboradores é dotado de experiências e de conhecimento tácito. Assim, para a
empresa, tão importante quanto treinar essas pessoas para o exercício da função
e repassar dados, informações e conhecimentos explícitos para a profissionaliza-
ção dos serviços oferecidos, está o valor em ouvi-las, em promover a troca, um
bom relacionamento, compartilhar. Isso é comunicação!
As pessoas “são fornecedoras de conhecimento, habilidades e competên-
cias e, sobretudo, o mais importante, aporte para as organizações: a inteligência
que proporciona decisões racionais e que imprime significado e rumo aos obje-
tivos globais” (CHIAVENATO, 2010, p. 10).
A valorização das pessoas nas instituições de ensino é fator determinan-
te para a excelência no atendimento e no relacionamento com os públicos es-

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

132 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
tratégicos. O foco em relacionamento é considerado por muitos estudiosos da
comunicação como uma evolução da modalidade. As estratégias fundamentam
suas potencialidades no ser humano – ideais, dilemas, anseios. Centraliza-se na
missão de fidelizar, de formar uma relação contínua, de criar fãs, defensores e
divulgadores da marca. O público, ao se identificar com que lhe é oferecido,
adota o ideal, que vai além dos produtos/serviços.
O planejamento de relacionamento deve ser racionalmente articulado com
base em informações organizacionais concretas orientadas pela cultura, pela
proposta, pelos valores e pelos perfis de clientes.

As pessoas constituem o principal ativo da organização. As or-


ganizações bem-sucedidas estão percebendo que podem crescer,
prosperar e manter sua continuidade se forem capazes de oti-
mizar o retorno sobre os investimentos de todos os parceiros.
E quando uma organização está voltada para as pessoas, sua fi-
losofia global e sua cultura organizacional passam a refletir essa
crença (CHIAVENATO, 2010, p. 11).

O próprio sentido denotativo da palavra “relacionamento” traz como sig-


nificado a ideia de convivência, de reciprocidade, de ligação, quer afetiva, quer
profissional. Seguindo essa lógica, o sucesso de uma instituição, seja qual for sua
atuação, é investir na valorização de seu relacionamento e de suas respectivas
estratégias e ações que visem a esse objetivo.

Análise de mercado e diagnóstico organizacional

Antes de iniciar qualquer projeto pessoal ou profissional, ou mesmo plano


simples ou de grande porte, é preciso fazer um bom planejamento, algo estrutu-
rado, em que se analisem todas as variáveis, haja bases documentais, cronogra-
mas, tramites de execução e gerenciamento. Esse processo auxiliará ao longo da
execução e do gerenciamento da ação.
Um passo primordial na elaboração de um plano de ação estratégico é a rea-
lização de uma pesquisa diagnóstica do ambiente e sua posterior análise gerencial.
Conforme apontamentos de diversos autores, mais profundamente em
reflexões provocadas por Kunsch (2003) e Endo (2003), o indicado é que se faça
uma apuração aprofundada sobre uma série de questões que envolvem: cultura
organizacional (missão, visão de futuro, crenças e valores); proposta pedagógica
e seus serviços; marco referencial; estruturas jurídica, física, organizacional; ges-
tão de pessoas, organograma e relacionamento; posicionamento e market share
(participação de uma empresa no mercado); custo versus benefício (mensalidades,
salários); aplicação de responsabilidade social; incentivo ao empreendedorismo e
inovação; auditoria de imagem; gestão da comunicação etc.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 133
A análise da concorrência e das principais tendências do mercado educa-
cional é fundamental nesse processo, visto que permite elaborar um planejamen-
to estratégico que atenda às demandas do mercado com base em informações
fundamentadas em dados confiáveis.
Para a etapa seguinte, é aconselhável a organização dos quesitos apurados
em tópicos em uma ferramenta de avaliação conhecida como Matriz FOFA (ou
SWOT, em inglês), sigla que reúne as Fraquezas, Oportunidades, Forças e Ame-
aças do campo de atuação de quem a emprega.
Sua montagem prática consiste na organização das informações apuradas
em um quadro predeterminado, no qual se identificam fatores internos e exter-
nos que afetam a organização e seus mercados, bem como os diferenciais com-
petitivos e as áreas em que se pode investir. A pesquisa pode considerar ainda
variáveis de “atratividade” e “competitividade”. Assim, o resultado documental
deve ser base de qualquer processo decisório (Quadro 1).

Quadro 1. Diagnóstico organizacional (modelo de matriz SWOT).


Matriz FOFA / SWOT
Ambiente externo Fraquezas Fortalezas
* Menos atratividade Mais atratividade
Ambiente interno
Ameaças Sobrevivência Manutenção
Menos competitividade
Oportunidades Crescimento Desenvolvimento
Mais competitividade
Fonte: adaptado de Kotler e Keller (2012) e Oliveira (2006).

A construção da matriz proporciona um resumo executivo das questões-


-chave. Assim, a organização pode enxergar como e onde suas potencialida-
des “podem ser mais bem aproveitadas, ofensiva e defensivamente, assim como
onde suas fraquezas deixam vulneráveis às mudanças no mercado ou às ações de
concorrente” (HOOLEY; PIERCY; NICOULAUD, 2010, p. 31).
Em síntese, as fraquezas e as fortalezas são aspectos de cunho interno e
controláveis pela instituição. Os pontos fortes – atividades e serviços produtos
de destaques – criam, assim, condições vantajosas e favoráveis, contribuindo
para a sua “atratividade”; já os pontos fracos são prejudiciais e evidenciam que
será preciso agir ali para sanar tais fragilidades apuradas.
Nesse sentido, as ameaças e as oportunidades são variáveis externas e que
não podem ser diretamente controladas, pois suas causas e consequências estão
intimamente relacionadas à “competitividade”. Se, de um lado, as oportunidades
abrem as portas para possibilidades de crescimento, desde que a organização
opte e tenha condições de seguir esse rumo, do outro lado, é preciso que a insti-
tuição se mobilize para amenizar a influência das ameaças.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

134 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
As fontes de informações dessa auditoria podem advir de relatórios dos
canais de ouvidoria da instituição (Fale Conosco, atendimento de telemarke-
ting, redes sociais e secretaria), do marketing direto por meio das reuniões entre
educadores e responsáveis/alunos e dos funcionários, por meio de pesquisas
e contatos realizados por instituições competentes, além de dados disponíveis
nos sítios eletrônicos e físicos disponibilizado por instituições governamentais,
estatísticos, ONGs etc.
Em uma análise ainda mais criteriosa, os gestores podem, literalmente,
dar pontos para cada um dos critérios elencados. Notas, por exemplo, de 1 a 4,
significando, respectivamente, uma média ruim, regular, mediana ou alta, tanto
para a atratividade quanto para a competitividade. A soma destes aponta para
um caminho a seguir para cada um dos campos: sobrevivência, manutenção,
crescimento ou desenvolvimento.
Em síntese, a sobrevivência e a manutenção, geralmente, envolvem medi-
das mais complexas e urgentes, pois refletem a predominância de pontos fracos
internos e ameaças externas. Assim, recomenda-se que os gestores concentrem-
-se em sanar essas debilidades, valendo-se de investimentos nos seus pontos
fortes como estratégia de defesa para que não sejam necessárias medidas mais
drásticas, como redução de custos.
Em perspectiva mais positiva, destaca-se o rumo do crescimento e de-
senvolvimento das ações institucionais, pois estas apontam as potencialidades
da instituição e também as oportunidades do mercado. Assim, evidenciam as
áreas e os projetos que podem ser ampliados, os produtos e os serviços que
podem ser lançados, os processos que podem ser implementados ou reforça-
dos etc.
Com base na análise de mercado e no diagnóstico organizacional, conse-
gue-se evidenciar quais ações mais relevantes devem ser priorizadas no planeja-
mento estratégico da instituição de ensino, a fim de integrar ações e processos
para a melhoria constante dos resultados.

Comunicação integrada como fator competitivo na gestão das


instituições de ensino

Falar de comunicação integrada é ampliar a visão para um plano panorâ-


mico, pois, mesmo que, a princípio, segmente-se a comunicação em categorias,
como a interna, a institucional e a mercadológica, todas estão intimamente rela-
cionadas e agregam ainda ações trabalhadas em outras áreas, como marketing de
valores, de relacionamento; gestão de pessoas, gestão da marca (branding) etc.
De antemão, é preciso compreender que cada instituição tem sua realidade
(cultura, identidade, stakeholder), e, assim, as estratégias precisam ser executadas
de forma personalizada.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 135
Comunicação institucional

Rischbieter (2015, p. 28), ao citar Kunsch, afirma que “a comunicação


institucional enfatiza os aspectos relacionados com a missão, visão, os valores e
a filosofia da organização, contribuindo para o desenvolvimento do subsistema
institucional, compreendido pela junção desses atributos”.
Uma instituição carrega consigo proposta, valores, perspectivas; então são
essas as experiências que devem ser evidenciadas em todas as ações organizacio-
nais e que devem ser propagadas e compartilhadas com o seu público.
Para um plano eficiente de comunicação e marketing, é preciso que a ima-
gem e a identidade da instituição estejam efetivamente em consonância.
De acordo com Marchiori (2008, p. 242):

A identidade é fonte de significado e experiência, envolve cul-


tura. [...] Assim, a identidade é formada e mantida pelas pessoas
que estão dentro da empresa e ali compartilham valores, crenças,
além de discutirem e determinarem os caminhos que a empresa
deseja seguir.

Porém, conforme reforça a jornalista Ana Endo (2003, p. 118), “entre a


definição da identidade e a sua assimilação cultural pelos públicos diversos existe
um longo caminho a ser percorrido”, pois toda a interação com o público – alu-
no, pais, educadores, colaboradores, comunidade, imprensa – “transmite uma
imagem, que pode ou não estar de acordo com a identidade pretendida”.
Assim, um grande objetivo da comunicação integrada é fazer com que
a identidade institucional esteja em consonância com sua imagem, com que as
pessoas percebam e compartilhem; ou ainda articular ações e estratégias para
que essas peças se encaixem.
Ao apresentar os benefícios do marketing educacional, que se adequam
bem às potencialidades da comunicação institucional, Kotler (apud COBRA;
BRAGA, 2004, p. 8) afirma: “Aumentar o nível de profissionalização da ins-
tituição; tornar transparente a qualidade dos serviços prestados; auxiliar na
melhoria do produto ou serviço oferecido; melhorar a satisfação dos diversos
públicos [...]”.
A comunicação institucional investe no relacionamento, e, nesse processo,
estão inseridos os seguintes instrumentos: identidade e imagem corporativa, que
englobam qualidade de ensino e processos escolares – pedagógico e administra-
tivo, material didático, capacitação de profissionais, estratégias de relacionamen-
to, sistema de avaliação (curricular, metodológica, supervisão) e feedback etc.,
marketing social, esportivo, de sustentabilidade, cultural e empreendedorismo,
comunicação –, relações públicas, jornalismo, assessoria de imprensa, publicida-
de e propaganda.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

136 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
Comunicação interna

A comunicação interna reforça três aspectos essenciais: “é fundamental


para os resultados do negócio, é um fator humanizador das relações de traba-
lho e consolida a identidade da organização junto aos seus públicos internos”
(MATOS, 2009, p. 100).
Para Chiavenato (2010, p. 41), pensar no futuro da organização “implica
preocupação em educar, treinar, motivar, liderar as pessoas [...] incutindo-lhes o
espírito empreendedor e oferecendo-lhes uma cultura participativa ao lado de
oportunidades de plena realização pessoal.” E, assim, fazer com que “as pessoas
passem a trabalhar para uma causa da organização e não a organização em si”.

A organização indica os objetivos que pretende alcançar, focalizan-


do a missão e a visão, e oferece oportunidades de crescimento pro-
fissional que fortaleçam seu negócio. Organizações bem-sucedidas
proporcionam às pessoas um ambiente de trabalho acolhedor e
agradável, com plena autonomia e liberdade para escolher a manei-
ra de realizar seu trabalho (CHIAVENATO, 2010, p. 41).

Percebe-se, assim, uma ênfase especial no processo de gestão de pesso-


as, do conhecimento, do capital intelectual, que envolve ações de treinamento
e qualificação dos colaboradores da instituição no objetivo de agregar valores
positivos aos clientes, atendendo às suas necessidades e às dos demais parceiros
dessa empreitada.
Inúmeros são os estudiosos e profissionais do ramo que ressaltam que a
satisfação dos funcionários é fundamental para conquistar a satisfação do clien-
te. Como Gilson Honorato (2004, p. 25) afirma: “Torna-se difícil satisfazer os
desejos e as necessidades dos clientes externos sem a satisfação dos internos,
pois é a partir destes que as relações com os clientes serão duradouras”. Se-
gundo Giuliani (apud CAZELA; COVESI FILHO; FERREIRA, 2003, p. 40),
“para conquistar o cliente, qualquer empresa tem que primeiro conquistar seus
colaboradores, ou seja, seus funcionários, os clientes internos, estes devem ter a
absoluta certeza de que a empresa acredita neles”.

Identifica-se que com o diálogo as pessoas tendem a chegar a um


consenso de ideias e opiniões passivamente, porque visam a atingir
um objetivo comum. Entende-se também que é por intermédio
dele que ocorre efetivamente a comunicação, que objetiva integrar
e harmonizar os relacionamentos entre os agentes (REVISTA DE
ADMINISTRAÇÃO, 2003, p. 117).

Devem estar integrados no plano de ação estratégias que pensem nos pro-
cessos comunicativos, nas mídias internas e nas redes formais, entre outras.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 137
Comunicação mercadológica

A comunicação mercadológica apresenta e dá visibilidade a venda/aceita-


ção/adoção de seus produtos e serviços por meio de estratégias persuasivas de
negócio, favorecendo a aceitação do que está sendo ofertado.

Além de dominar o conceito sobre o novo produto e seus concor-


rentes, o comunicador deve traçar um planejamento estratégico,
equilibrando seu orçamento nas diferentes formas de comunicação,
para identificar melhor seus públicos-alvo, traçar os objetivos de co-
municação, desenvolver as mensagens, selecionar os canais de divul-
gação e promoção, decidir sobre o composto promocional, mensu-
rar os resultados e administrar o processo de marketing integrado
(ENDO, 2003, p. 121).

De modo interligado, envolve ações conhecidas, como: publicidade, marke-
ting direto, venda pessoal, promoção de vendas, merchandising etc. O plano de
ação precisa considerar ainda a relação dos recursos físicos e humanos e dos
conhecimentos específicos para os projetos a serem articulados; a pontuação das
dificuldades previstas; a planilha de orçamento de custo versus investimento etc.
É necessária uma análise de equilíbrio para que a instituição consiga enxer-
gar a diferença entre custos, gastos e investimento. Essa auditoria é importante
para que a instituição perceba o retorno das ações implementadas, pondere o
que pode ser redirecionado e aplique onde gera retorno.

Considerações finais

Na atual conjuntura, o marketing se enquadra entre os principais mecanis-


mos para cuidar da reputação, valorização, visibilidade de uma marca no merca-
do e, por consequência, obter vantagens competitivas. Essa ferramenta estratégi-
ca de gestão organizacional está presente em todos os setores da sociedade, e as
instituições de ensino começam a se valer dessa potencialidade para atingir seus
objetivos organizacionais.
Ações planejadas e inteligentes são as primeiras características do marke-
ting, principalmente, nesse caso, por se tratar das estratégias e ações voltadas a
um serviço primário essencial para a sociedade: educação e formação. Não se
trata de vender educação, pois seu valor é intangível – seu preço está atrelado à
experiência do cliente em relação à característica do ensino, ao conhecimento do
professor, ao atendimento etc.
Compreender e pôr em prática conceitos gerenciais de marketing educacional
na instituição vai muito além da preocupação com retorno financeiro. Essa modali-
dade preocupa-se com a formação integral do aluno, com um bom relacionamento

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

138 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
da instituição com todos os seus públicos, com mudanças positivas em âmbito glo-
bal. Mais do que clientes, buscam-se parceiros, defensores fiéis da marca. Buscam-se
também a sustentabilidade e a lucratividade dos negócios; só que mais que vender
um serviço, há a missão de contribuir para a construção de um mundo mais justo e
igualitário mediante a oferta de serviços educacionais de qualidade.
Não se alongando em definições, o presente trabalho apresentou, entre ou-
tros conceitos, o de comunicação integrada e algumas de suas áreas, a fim de que
se mobilize a percepção de que não adianta realizar ações isoladas e pontuais,
pois estas se limitaram a gerar resultados igualmente momentâneos. O sucesso
institucional depende de ações racionais, planejadas e contínuas, a fim de que os
objetivos sejam assimilados, internalizados e agreguem valor à marca. Enfim, não
existe fórmula mágica, e sim muito trabalho, disposição, planejamento e parceria.

Recebido em: 29/06/2018


Revisado pelo autor em: 01/08/2018
Aceito para publicação em: 08/08/2018

Notas
1 Especialização em Marketing Educacional pela Universidade Católica de Brasília (UCB) (2012).
Bacharel em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo pela Universidade Estácio de Sá
(2009). E-mail: piquet.bianca@gmail.com
2 Mestrado em Marketing pelo Emerson College. Pós-graduação em Inovação e Competitivi-
dade pela University of Miami. Graduação em Comunicação Social e Filosofia pela Pontifícia
Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas). Atuou como diretor de comunicação e
marketing da Universidade Católica de Brasília (UCB) e do grupo educacional salesianos. É pro-
fessor em cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de gestão, inovação, empreendedoris-
mo e marketing. Como consultor, atende a demandas do SEBRAE Nacional, ONU, UNESCO,
Internexus Consultoria e Universidade Corporativa do Brasil. E-mail: igorg@ucb.br
3 Merchandising: estratégia mercadológica feita nos pontos de venda ou outro canal, com obje-
tivo de exibir uma marca, um produto ou um serviço no mercado a fim de influenciar o público
a consumir.

Referências

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE MARKETING. Disponível em: <https://


www.ama.org/>. Data de acesso: 5 abr. 2018.
CAZELA, Moises Miguel; COVESI FILHO, Ricioti; FERREIRA, Jonatas Danilo.
EndoMarketing: aproximando empresas e empregadores. Anuário da Produção
Acadêmica Docente, Anhanguera Educacional S.A., v. II, n. 3, p. 285-296, 2008.
COBRA, Marcos; BRAGA, Ryon. Marketing educacional: ferramentas de
gestão para instituições de ensino. São Paulo: Cobra Editora, 2004.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.


Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018 139
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos hu-
manos nas organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
ENDO, Ana Claudia Braun. A gestão da comunicação integrada em instituições
de ensino confessionais sem fins lucrativos. Revista de Educação do Cogei-
me, v. 12, n. 23, p. 117-124, dez. 2003.
GOMES DA SILVA, Igor. Planejamento e Marketing Educacional. Univer-
sidade Católica de Brasília, 2012. Disponível em: <https://moodle2.catolicavir-
tual.br/course>. Acesso em: 20 abr. 2018.
HONORATO, Gilson. Conhecendo o marketing. Barueri: Ed. Manole, 2004.
HOOLEY, Graham; PIERCY, Nigel; NICOULAUD, Brigitte. Estratégia de
marketing e posicionamento competitivo. São Paulo: Pearson Pratice Hall, 2011.
KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. 14.
ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2012.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de relações públicas na
comunicação integrada. São Paulo: Summus, 2003.
MARCHIORI, Marlene. Cultura e comunicação organizacional: um olhar
estratégico sobre a organização. 2. ed. São Caetano do Sul: Difusão, 2008.
MARQUES, Filipe Emanuel Fernandes Coimbra; CRAVEIRO, Rui Pedro Sal-
gado Monteiro Soares. Comunicação no marketing. Coimbra: Instituto Poli-
técnico de Coimbra, 2008.
MARTINS, Sergio. Marketing educacional. Estado de Minas, Belo Horizonte,
MG, 28 abr. 2011.
MATOS, Gustavo Gomes de. Comunicação empresarial sem complicação:
como facilitar a comunicação na empresa, pela via da cultura e do diálogo. 2 ed.
São Paulo: Editora Manole, 2009.
OLIVEIRA, Djalma de P. Rebouças. Planejamento estratégico: conceitos,
metodologia, práticas. São Paulo: Atlas, 2006.
PIQUET, Bianca. Comunicação integrada. 2012. Monografia (Especialização
em Marketing Educacional) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2012.
RISCHBIETER, Sophia. Comunicação e cultura organizacional. Centro de
Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.
REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO. Frederico Westphalen: Universidade Re-
gional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, 2003.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO. Dispo-
nível em: <http://www.sbgc.org.br/>. Acesso em: 20 abr. 2018.

CUNHA, B.P.; SILVA, I.G.

140 Marketing educacional em foco: uma reflexão sobre a comunicação integrada como diferencial competitivo...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 128-140, jun./set. 2018
RELATO DE EXPERIÊNCIA

A percepção de professores das séries iniciais do Ensino


Fundamental diante da problemática do bullying e a atuação
psicopedagógica
Denise Bortoletto1
Maria Tereza Arantes Linhares2

Resumo: O presente trabalho objetiva investigar as percepções de professores que atu-


am do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental em uma escola da rede privada de ensino
de Uberlândia-MG sobre a problemática do bullying. Participaram do estudo 24 profes-
sores que atendem, em média, 450 alunos. Os dados foram coletados por meio de uma
entrevista semiestuturada e analisados de maneira qualitativa. Os resultados sugerem que
os professores compreendem conceitualmente o fenômeno do bullying, bem como suas
formas de incidência nas escolas. Sugere-se que a atuação psicopedagógica, especialmente
em uma perspectiva preventiva, pode auxiliar a escola a minimizar situações relacionadas à
prática do bullying, bem como contribuir com a efetivação de uma sociedade democrática.
Palavras-chave: Psicopedagogo escolar. Bullying. Ações preventivas.

The perception of teachers in the initial grades of Elementary School in the face
of bullying and psychopedagogical activity

Abstract: The present study aims to investigate the perceptions of teachers who work
from the 1st to 5th year of elementary school in a private school in Uberlândia-MG
school about the problem of Bullying. Participated in the study twenty-four teachers
attended an average of 450 students. Data were collected through a semi-structured in-
terview and analyzed in a qualitative way. The results suggest that teachers conceptually
understand the phenomenon of bullying, as well as their forms of incidence in schools.
It is suggested that the psychopedagogical activity, especially in a preventive perspective,
can help the school to minimize situations related to the practice of Bullying, as well as
contribute to the realization of a democratic society.
Keywords: School psychopedagogue. Bullying. Preventive actions.

La percepción de profesores de las series iniciales de Enseñanza Fundamental


ante la problemática de bullying y la actuación psicopedagógica

Resumen: El presente trabajo pretende investigar las percepciones de profesores


que actúan del 1º al 5º año de Enseñanza Fundamental en una escuela de la red pri-

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 141
vada de educación de Uberlândia-MG sobre la problemática de Bullying. Participaron
del estudio 24 profesores que atienden en promedio 450 alumnos. Los datos fue-
ron recolectados a través de una entrevista semi-estratificada y analizados de manera
cualitativa. Los resultados sugieren que los profesores entienden conceptualmente el
fenómeno de bullying, así como sus formas de incidencia en las escuelas. Se sugiere
que la actuación psicopedagógica, especialmente en una perspectiva preventiva, puede
ayudar a la escuela a minimizar situaciones relacionadas con la práctica de Bullying, así
como contribuir con la construcción de una sociedad democrática.
Palabras clave: Psicopedagogo escolar. Bullying. Acciones preventivas.

Introdução

Na atualidade, muito se fala e muito se ouve sobre o bullying. Essa é uma


problemática que atinge, de modo geral, a todos os segmentos da sociedade.
Relatos no contexto do trabalho, nas relações sociais ou nas escolas podem ser
regularmente encontrados nas mídias, nas redes sociais e nos diferentes meios
de comunicação, como na televisão e no rádio. De maneira geral, observando o
cotidiano escolar, esse é um problema que afeta qualquer escola em algum grau.
Todavia, no senso comum, as pessoas parecem compreender, de maneira super-
ficial, o bullying e ciberbullying, o que muitas vezes dificulta o desenvolvimento
de boas estratégias para lidar com esse fenômeno.
No que se refere ao ambiente escolar, o fenômeno do bullying não é atual.
Todavia, apenas a partir da década de 1970, conforme esclarece Fante (2005),
estudos sobre a temática passaram a ser realizados. No contexto educacional
brasileiro, no início da década de 1980 surgiram as primeiras pesquisas acadêmi-
cas que versavam sobre a o fato de as pessoas se preocuparem com a violência
no ambiente escolar (SPÓSITO, 2001).
Na atualidade, o bullying é visto como um problema crônico nas escolas.
Constitui, segundo Canavez (2015), uma problemática da escola na contempo-
raneidade. As suas manifestações acarretam sérias consequências tanto para víti-
mas quanto para os agressores.
A palavra “bullying” é de origem inglesa, derivada do verbo “to bully”
e significa “intimidar”. Muito embora a temática seja foco de estudos recentes
dos pesquisadores, a literatura à respeito desse tema informa, de maneira ampla,
a respeito do aspecto conceitual. Bullying, no contexto educacional, pode ser
compreendido como um:

[...] conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas, que


acontecem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais alu-
nos contra outro(s), causando dor, angústia e sofrimento, e execu-
tadas dentro de uma relação desigual de poder, tornando possível a
intimidação da vítima (LOPES NETO, 2005 p. 165).

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

142 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
No mesmo sentido, encontra-se que o bullying também pode ser especi-
ficado como:

[...] um conjunto de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas que


ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos
contra outro(s), causando dor, angústia e sofrimento. Insultos, inti-
midações, apelidos cruéis, gozações que magoam profundamente,
acusações injustas, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam
e infernizam a vida de outros alunos levando-os à exclusão, além de
danos físicos, morais e materiais, são algumas das manifestações do
comportamento bullying (FANTE, 2005, p. 28-29).

E ainda verifica-se que pode ser entendido como:

[...] um comportamento ligado à agressividade física, verbal ou psi-


cológica. É uma ação de transgressão individual ou de grupo, que
é exercida de maneira continuada por parte de um indivíduo ou de
um grupo de jovens definidos como intimidadores nos confrontos
com a vítima (CONSTANTINI, 2004, p. 69).

Identifica-se, em estudo internacional, que o:

Bullying é toda agressão verbal, física, eletrônica, virtual e/


ou psicológica, exercida de maneira intencional e continuada,
por um indivíduo ou grupo, num contexto de desequilíbrio de
poder (real ou percepcionado) entre agressor(es) e vítima(s)
(VENTURA; VICO; VENTURA, 2016).

Ainda se tratando do aspecto conceitual, a Associação Brasileira Multipro-


fissional de Proteção à Infância e à Adolescência (ABRAPIA) define o bullying
como o comportamento que:

[...] compreende todas as formas de atitudes agressivas, in-


tencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente,
adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando
dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de
poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o
desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tor-
nam possível a intimidação da vítima (ABRAPIA apud NUNES;
HERMANN; AMORIM, 2009, p. 3651).

Conforme a Lei nº 13.185, que institui o Programa de Combate à Intimi-


dação Sistemática (Bullying), em seu artigo 1º:

[...] considera-se intimidação sistemática (bullying) todo ato de vio-


lência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 143
motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma
ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, cau-
sando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de
poder entre as partes envolvidas (BRASIL, 2015).

Silva (2010, p. 23-24) descreve como formas e atitudes agressivas e ofen-


sivas direcionadas a uma pessoa ou grupo de pessoas como ações de natureza:

VERBAL: Insultar, ofender, xingar, fazer gozações, colocar ape-


lido pejorativo, fazer piadas ofensivas, zoar. FÍSICO E MATE-
RIAL: Bater, chutar, espancar, empurrar, ferir, beliscar, roubar,
furtar ou destruir os pertences da vítima, atirar objetos contra as
vítimas. PSICOLÓGICA E MORAL: Irritar, humilhar, ridiculari-
zar, excluir, isolar, ignorar, desprezar, fazer pouco caso, discrimi-
nar, difamar, aterrorizar, ameaçar, chantagear, intimidar, tiranizar,
perseguir, dominar, passar bilhetes e desenhos entre os colegas de
caráter ofensivo, fazer intrigas, fofocas ou mexericos (mais comuns
entre as meninas). SEXUAL: Abusar, violentar, assediar, insinuar.

Conforme os conceitos apresentados pelos autores, em síntese, o bullying


pode ser entendido como um ato intencional constituído por ações físicas e/ou
psicológicas que podem ocorrer frequentemente nas escolas, em todas as etapas da
escolarização (CONSTANTINI, 2004; FANTE, 2005; FANTE; PEDRA, 2008;
LOPES NETO, 2005; SILVA, 2010; VENTURA; VICO; VENTURA, 2016).
Tendo a possibilidade da ocorrência desse fenômeno, fez-se necessário um
trabalho de pesquisa no contexto educacional investigado. Na ocorrência dessas
práticas e na tentativa de minimizá-las, torna-se imprescindível uma atuação pre-
ventiva dos profissionais que nela atuam, tais como o orientador educacional, o
psicólogo escolar ou o psicopedagogo (BASSEDAS et al., 1996; NUNES et al.,
2007; SOUZA, 2002). O trabalho em uma perspectiva preventiva em psicopeda-
gogia constitui aqui o foco de discussão.

A natureza preventiva do trabalho psicopedagógico e a


manifestação do bullying no contexto escolar

Ao atuar nas instituições educativas, o psicopedagogo tem como objetivo


principal ampliar a compressão da realidade educacional por meio de uma prática
sustentada teoricamente em estudos da área. Sua função é compreender, de ma-
neira ampla e aprofundada, as múltiplas faces da escola em suas diferentes dimen-
sões, tais como cognitiva, afetiva, social e relacional (BOSSA, 1994; SCOZ, 2001;
WEISS, 2004). Nesse contexto, encontra-se o fenômeno do bullying, e trabalhar
no sentido preventivo constitui uma das maneiras de assegurar a formação cidadã
dos alunos, bem como da moral e da ética, priorizando o bem-estar social.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

144 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
Conforme esclarece Weiss (2004), a psicopedagogia busca a melhoria das
relações com a aprendizagem, assim como a qualidade na construção da própria
aprendizagem de alunos e educadores. Em sua atuação na escola, o psicopeda-
gogo não pode perder de vista o educando como aquele que constrói sua relação
com a aprendizagem. Nesse sentido, uma complexidade de fatores interfere no
processo de aprendizagem, inclusive o fato de praticar ou ser vítima de atos de
bullying. Ao perceber que a dificuldade de aprendizagem pode ser advinda dos
atos de bullying, por exemplo, faz-se necessário que o grupo, a instituição e os
professores organizem ações no sentido de tentar novos rumos e buscar alter-
nativas viáveis de ação.
Assim, o psicopedagogo pode auxiliar no planejamento de ações que tor-
nem a educação uma prática de inclusão social, de formação da cidadania e
de constituição dos sujeitos sociais. Ao trabalhar com temáticas, tais como o
bullying nas escolas, professores, alunos, pais e a comunidade escolar como um
todo têm a oportunidade de possibilitar que as pessoas se tornem conscientes e
sujeitas de sua própria história.
Dessa maneira, na escola:

[...] é indispensável uma relação respeitosa entre alunos e professo-


res, de forma a garantir possíveis trocas de ambas as partes e liber-
dade de expressão aos alunos. Muitas escolas promovem atividades
e jogos em grupo, como rodas de conversas, nas quais os alunos
possam expor suas ideias sobre diferentes assuntos, incluindo vio-
lência, preconceito e exclusão (GUARESCHI; SILVA, 2008, p. 77).

No que se refere à atuação dos professores em relação à problemática do


bullying, Fante e Pedra (2008) sugerem que estes podem desempenhar um im-
portante papel na prevenção. Algumas estratégias, nesse sentido, são indicadas
aos professores, tais como a observação dos comportamentos dentro e fora de
sala de aula; o acompanhamento do rendimento escolar, visto que as vítimas
de bullying podem ter queda no seu desempenho acadêmico; o incentivo de
ações que envolvam a solidariedade, a generosidade e o respeito às diferenças
por meio de conversas, de trabalhos didáticos e até de campanhas de incentivo
à paz e à tolerância; o estabelecimento de um ambiente favorável à comunica-
ção entre alunos; a investigação de todos os casos que os alunos reclamarem
ou denunciarem.
Diante do exposto até aqui, compreende-se que ações preventivas rela-
cionadas ao bullying no contexto escolar envolvem ir além de campanhas em
determinados períodos do ano, ou grupos de apoio na escola ou fora dela, ou
ainda atos de repressão. Dessa forma, faz-se necessário o investimento em ações
de formação continuada dos professores, no sentido de estimular práticas peda-
gógicas que viabilizem o trabalho em torno da inclusão, da promoção do saber

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 145
de modo integrado, da consolidação dos direitos humanos, do incentivo ao diá-
logo e do respeito às diferenças, de modo a favorecer a transformação efetiva da
escola e, consequentemente, da sociedade.
Com essa intenção, o presente trabalho foi idealizado com o objetivo de
investigar as percepções de professores que atuam do 1º ao 5º ano do Ensino
Fundamental em uma escola da rede privada de ensino de Uberlândia-MG sobre
a problemática do bullying. Foram entrevistados 24 professores das séries cita-
das, entre os meses de julho e setembro de 2017.

Metodologia

O presente estudo é de caráter qualitativo, o que, segundo Trivinos (1987),


é realizado com a intenção de compreender melhor a realidade e propor alterna-
tivas para mudanças. Por isso, é necessário compreender e analisar a realidade. O
estudo teve como objetivo principal investigar as percepções quanto ao bullying
de professores do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede
privada de ensino de Uberlândia-MG. Os dados empíricos foram coletados entre
os meses de julho e setembro de 2017. Utilizou-se como instrumento de coleta
de dados uma entrevista semiestruturada. Trivinos (1987, p. 146) indica como
principais características de uma entrevista semiestruturada: “apoiar-se em teo-
rias e hipóteses que se relacionam com o tema da pesquisa; descrever e explicar
os fenômenos analisados para sua melhor compreensão; que o aluno/pesquisa-
dor seja atuante no processo de coleta de informações”. A entrevista foi elabo-
rada pelas autoras. Nela constam informações de identificação, como idade, série
em que atua, número de alunos atendidos e as seguintes perguntas: “Você sabe o
que é o bullying e como ele se configura em sua sala de aula? Dê dois exemplos.”
e “Você observa em sua sala ações relacionadas ao bullying? Quais?”.
Os dados foram categorizados conforme os estudos encontrados na lite-
ratura da área, que foi revista brevemente por meio de uma pesquisa bibliográfi-
ca, de caráter exploratório, em livros e artigos científicos sobre a temática, inde-
xados na base de dados Scielo. O termo de busca foi bullying nas séries iniciais
do Ensino Fundamental. O período foi limitado entre os anos de 2000 e 2017.

Resultados e discussão

Os participantes do estudo foram 24 professores que atuavam do 1º ao


5º ano do Ensino Fundamental com idade entre 25 e 55 anos e que atendiam
aproximadamente 450 alunos, em 25 turmas (em média, cada turma contava
com aproximadamente 20 alunos).
Na primeira questão da entrevista, foi solicitado aos participantes que rela-
tassem suas compreensões sobre o aspecto conceitual e sobre a configuração em

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

146 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
sala de aula por meio de dois exemplos. Os dados indicam que os participantes
compreenderam conceitualmente o bullying. Isso fica perceptível ao categorizar
as respostas e encontrar as definições apresentadas pelos participantes. A se-
guir, aleatoriamente, foram selecionadas as respostas de alguns dos professores:
“Bullying se refere a atitudes agressivas, intencionais [...] praticadas por um ou
mais alunos contra outros. É qualquer tipo de violência física ou psicológica
sofrida por crianças ou adultos”; “Bullying é uma ação intencional, violenta,
repetitiva. Consiste em agressões verbais e/ou físicas. É uma ação gratuita e
humilhante, que persiste ao longo do tempo”; “Bullying é quando o agressor
intimida a vítima, humilha”; “Quando algum aluno é exposto por apresentar
alguma deficiência, limitação ou alguma característica que é acentuada por ou-
tros de maneira negativa, pejorativa, de modo a rebaixar, prejudicar, fazê-lo se
sentir inferior”; “É quando uma pessoa é agredida verbalmente e/ou fisicamente
por causa de sua cor de pele, corpo, sexualidade, raça, religião etc. Configura-se
bullying quando as agressões ocorrem mais de uma vez”; “O bullying é toda
ação desrespeitosa que pode ocorrer dentro de um grupo durante as relações
interpessoais e que pode trazer graves consequências em vários aspectos, por
exemplo, o desinteresse pelos estudos, dificuldades para aprender”; “Bullying é
qualquer ato ou fala de uma pessoa que desqualifique, desrespeite, exclui, inibe,
oprime o outro”.
Ocorre que muitos participantes apresentaram respostas semelhantes a
outros e suas definições não foram aqui citadas. A resposta mais recorrente en-
tre os participantes foi: “O bullying caracteriza-se por atos e violência física,
verbal ou psicológica, de forma intencional e repetitiva, sem alguma motivação
aparente, adotados por um ou mais alunos contra outro, causando dor, angústia
e sofrimento”.
De maneira geral, suas concepções revelam um conceito semelhante ao
apresentado pela literatura da área e estão relacionadas com formas de agressão
física, psicológica, verbal às pessoas mais vulneráveis ou que demonstram maior
fragilidade. Essas ações ocorrem de maneira sistemática e contínua e causam
dor, sofrimento, exclusão e até dificuldades no processo de aprender (CONS-
TANTINI, 2004; FANTE, 2005; SILVA, 2010).
Ainda referente à primeira questão, verificou-se que os participantes indi-
caram formas de configuração do bullying em sala de aula. Essas ações foram
categorizadas em quatro categorias, conforme o estudo de Silva (2010), a saber:
verbal; física e material; psicológica e moral; sexual.
Como exemplos, nessas categorias verificaram-se como respostas principais:
• Categoria 1: verbal. Foram considerados os atos relacionados a insultos,
agressões verbais, comentários depreciativos, apelidos pejorativos, piadas
preconceituosas, difamação, calúnia, espalhar boatos, “zoação”, insultos.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 147
• Categoria 2: física e material. São entendidas como as agressões físicas,
os danos materiais e as brincadeiras constrangedoras.
• Categoria 3: psicológica e moral. São compreendidas como as agressões
psicológicas, as provocações, o isolamento, a discriminação em função
das diferenças de raça, credo ou classe social ou até mesmo por não
conseguir aprender os conteúdos escolares.
• Categoria 4: sexual. Foram as respostas relacionadas à exclusão em fun-
ção da orientação sexual.

Na realidade investigada, os dados revelam maior incidência de atos rela-


cionados às categorias verbal, psicológica e moral. Tal realidade percebida neste
estudo também pode ser vista em outros já realizados no contexto nacional (COS-
TANTINI, 2004; NUNES; HERMAN; AMORIM, 2009; SILVA; ROSA, 2013).
Na segunda questão, os participantes foram conduzidos a refletir sobre a sua
realidade e a indicar suas percepções quanto a possíveis ações que ocorreram em
seu espaço de atuação. Os dados revelam que, em 11 das 24 turmas investigadas,
aconteceram ações relacionadas ao bullying, como: fazer comentários depreciati-
vos dos colegas relacionados à raça ou às características pessoais; xingar; excluir
colegas da brincadeira; fazer fofocas e críticas destrutivas dos colegas; esconder
objetos pessoais e deixar o colega procurando; tratar com indiferença; perseguir;
ser o último a ser escolhido em função de uma deficiência; criticar de forma nega-
tiva; dar apelidos; agredir fisicamente; perseguir um aluno; hostilizar; ser precon-
ceituoso com o jeito ou com a cultura da pessoa; enfatizar a dificuldade de apren-
dizagem do colega; ser agressivo e intolerante às diferenças; caluniar; não aceitar o
colega; fazer comentários pejorativos; ter intolerância com o jeito de ser do colega;
apelidar ou fazer brincadeiras que ridicularizam; fazer comentários que denigrem
o colega. Esses dados também podem ser localizados em estudos já empenhados
por outros pesquisadores (COSTANTINI, 2004; FANTE; PEDRA, 2008; LO-
PES NETO, 2005; NUNES; HERMAN; AMORIM, 2009; SPÓSITO, 2001).
Em 13 das 24 turmas investigadas, os professores não perceberam a exis-
tência de ações relacionadas ao bullying. A não ocorrência se justifica pelo fato,
segundo os entrevistados, de que os alunos eram solidários, abertos ao diálogo
e capazes de resolver os conflitos de maneira amistosa. Além disso, o fato de a
professora agir preventivamente, promover reflexões com grupo de alunos na
tentativa de resolver as situações de conflito, dialogar e buscar a cooperação pa-
receu minimizar as possíveis ações relacionadas ao bullying.
Percebe-se ainda, por meio do relato dos participantes, que a consciência
quanto aos direitos e aos deveres dos alunos e a busca pela convivência perme-
ada pelo respeito e pela tolerância às diferenças também contribuem para esse
processo. Esses dados parecem diferir daqueles encontrados em alguns estudos
que indicam uma ocorrência maior nas escolas investigadas. Uma hipótese para

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

148 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
esse achado pode estar relacionada com o fato de a escola pesquisada adotar
práticas preventivas como uma diretriz da filosofia do seu sistema de ensino, o
sistema preventivo salesiano. Por ser uma escola religiosa, adota em suas ações
princípios cristãos. Conforme esclarece o projeto político-pedagógico pastoral
da instituição, as ações da comunidade escolar se tornam relevantes não apenas
no que se diz respeito aos aspectos relacionados ao planejamento e à avaliação
de atividades pedagógicas, mas, principalmente, à idealização de ações que valo-
rizem a formação humano-cristã, ou melhor, apoiando-se nos ensinamentos de
Dom Bosco, favorecendo “a formação do bom cristão e do honesto cidadão”
(BOSCO, 1983).
Em síntese, os dados encontrados neste estudo parecem ser semelhantes
aos verificados em outras instituições investigadas. No que se refere à conceituação
do bullying, os participantes revelaram concepções semelhantes àquelas apresen-
tadas na literatura da área (CONSTANTINI, 2004; FANTE, 2005; SILVA, 2010).
Quanto às formas de configuração do bullying em sala de aula, os participantes
indicaram ações relacionadas ao bullying que foram categorizadas em quatro cate-
gorias, conforme o estudo de Silva (2010). São elas: verbal; física e material; psico-
lógica e moral; e sexual. No que diz respeito aos possíveis atos que ocorreram nas
salas de aulas dos participantes, em 11 das 24 turmas investigadas observaram-se
relatos de bullying e em 13 delas não houve a incidência dessas práticas.

Considerações finais

Conforme sugere a literatura da área, o bullying pode ser compreendido


como uma ação que envolve violência física ou psicológica, que se dá de forma
intencional e repetitiva. Na maioria das vezes, segundo os professores entrevis-
tados neste estudo, a intimidação normalmente se dá de forma velada e exige
deles atenção constante e acompanhamento sistemático de todos os alunos. Em
termos de legislação brasileira, em fevereiro de 2016, entrou em vigor em todo o
território nacional a Lei nº 13.185/2015, que instituiu o Programa de Combate à
Intimidação Sistemática (Bullying). Essa lei federal estabelece como responsabi-
lidade das escolas a promoção de medidas de conscientização, prevenção, diag-
nóstico e combate ao bullying, tendo o diálogo e a prevenção como principais
instrumentos de combate ao bullying e ao cyberbullying. Dessa forma, faz-se
necessário empreender esforços em estudos com a intenção de compreender
esses fenômenos nas escolas, o que justifica o estudo aqui relatado.
Entretanto, o fato de constituir leis não assegura que de fato o bullying e
o cyberbullying serão combatidos das escolas. É preciso então modificar o olhar
da comunidade escolar como um todo, de modo que o combate ao bullying deva
ser uma prioridade, pois as práticas de intimidação que constituem o bullying
podem trazer prejuízos a todos que fazem parte da instituição.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 149
No contexto investigado, os dados levantados sugeriram semelhanças com
outros estudos já realizados no país, ou seja, a incidência da prática de bullying en-
tre os alunos nas escolas, nas séries iniciais do Ensino Fundamental (COSTANTI-
NI, 2004; FANTE; PEDRA, 2008; LOPES NETO, 2005; NUNES; HERMAN;
AMORIM, 2009; SILVA; 2010; SILVA; ROSA, 2013; SPÓSITO, 2001).
Como formas de intervenção psicopedagógica em reação a essa problemáti-
ca, podem-se constituir dois focos de atuação: um trabalho de natureza preventiva
e outro de resolução das questões apresentadas pela realidade. Ao trabalhar de
maneira preventiva, o psicopedagogo tem como foco de atenção, especialmente, a
escola como um todo. De acordo com Fagali e Vale (2002), grande parte da apren-
dizagem é realizada no interior da instituição, é dada na relação com o professor,
com o conteúdo e com o grupo social escolar em sua integralidade.
Dessa maneira, em relação ao bullying nas escolas, estratégias psicopeda-
gógicas podem ser desenvolvidas com os professores, no sentido de formação
continuada; com os alunos, no sentido preventivo; e com a família, a fim de me-
lhor esclarecer sobre a temática. Por meio de exposições orais sobre o assunto,
de reflexões, de recursos artísticos, dinâmicas de grupo, dentre outros recursos, o
tema pode ser trabalhado nas escolas. Assim, a atuação do psicopedagogo ocor-
re com a intencionalidade de instrumentalizar interventiva e preventivamente o
fenômeno aqui apresentado e minimizar seus efetivos negativos.
Nesse sentido:

Para prevenir e enfrentar o bullying ou qualquer outro tipo de vio-


lência que ocorre no contexto escolar, não se deve partir de receitas
prontas e fechadas, pois cada escola possui uma realidade específica,
onde são construídas relações diferenciadas entre os seus membros.
Sendo assim, o bullying também irá se apresentar de formas diferen-
tes em cada contexto, não devendo, portanto, ser avaliado de modo
descontextualizado (FREIRE; AIRES, 2012, p. 57).

Há ainda que se considerar o alerta feito nos estudos realizados por Silva
e Rosa (2013), Trevisol e Campos (2016) e Ventura, Vico e Ventura (2016), que
enfatizam a necessidade de inserir, de forma clara nos programas de cursos de
formação de professores, temáticas relacionadas à identificação, à prevenção e
ao combate ao bullying.
Em síntese, é possível sugerir que a prática de bullying no ambiente escolar
ou em qualquer outro ambiente é um problema que traz consequências negativas
para todos. Na instituição escolar, as vítimas, as famílias e até mesmo os próprios
agressores podem ser prejudicados caso vivenciem situações de intimidações sis-
temáticas. Assim, tem-se entendimento que a conscientização e a criação de um
ambiente adaptativo na escola, além de formar os professores continuamente, po-
dem ser consideradas como estratégias positivas a fim de prevenir esses problemas.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

150 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
Por fim, espera-se que este estudo possa ter contribuído para a reflexão
dos participantes, bem como para a ampliação de dados já apresentados em ou-
tras pesquisas sobre o tema. Espera-se ainda que os resultados pontuais aqui si-
nalizados possam conduzir a reflexões sobre as temáticas da vida em sociedade,
tais como a defesa dos direitos sociais, a cidadania, a justiça e a liberdade, com o
repúdio a toda e qualquer forma de preconceito. Em trabalhos futuros, tem-se a
expectativa de se poder desenvolver estratégias de enfrentamento em relação às
situações de bullying ora levantadas neste trabalho.

Recebido em: 20/02/2018


Revisado pelo autor em: 23/03/2018
Aceito para publicação em: 11/06/2018

Notas
1 Mestrado em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas
(UNICAMP) (2011). Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela União Edu-
cacional de Minas Gerais (2005). Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Uber-
lândia (UFU) (2003). Atuou como orientadora educacional no Instituto Teresa Valsé da Rede
Salesiana Brasil e como docente em curso de graduação e pós-graduação em instituições privadas
de Uberlândia-MG. E-mail: debortoletto@yahoo.com.br
2 Psicopedagoga. Atua como Orientadora Educacional/Psicopedagoga na Educação Infantil e
do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental. E-mail: mtalinhares@gmail.com

Referências

BASSEDAS, Eulalia et al. Intervenção educativa e diagnóstico psicopeda-


gógico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
BRASIL. Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015. Institui o Programa de
Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). Diário Oficial [da] União, Bra-
sília, DF, 9 nov. 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
ato2015-2018/2015/lei/l13185.htm>. Acesso em: 29 jan. 2018.
BOSCO, João. A pedagogia de Dom Bosco através de seus escritos. São
Paulo: Editora Salesiana, 1983.
BOSSA, Nádia. A psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
CANAVEZ, Fernanda. A escola na contemporaneidade: uma análise crítica do
bullying. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 19, n. 2, p. 271-278,
ago. 2015.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 151
CONSTANTINI, Alessandro. Bullying, como combatê-lo?:prevenir e enfren-
tar a violência entre jovens. Tradução de Eugênio Vinci de Morais. São Paulo:
Itália Nova Editora, 2004.
FAGALI, Eloisa; VALE, Zelia. Psicopedagogia institucional aplicada: a
aprendizagem escolar dinâmica e construção na sala de aula. 7. ed. São Paulo:
Vozes, 2002.
FANTE, Cleo. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e
educar para a paz. Campinas: Versus, 2005.
FANTE, Cleo; PEDRA, José Augusto. Bullying escolar: perguntas e respostas.
Porto Alegre: Artes Médicas, 2008.
FREIRE, Alane; AIRES, Januária. A contribuição da psicologia escolar na pre-
venção e no enfrentamento do bullying. Revista Psicologia Escolar e Educa-
cional, v. 16, n. 1, p. 55-60, jan./jun. 2012.
GUARESCHI, Pedrinho; SILVA, Michele (Coords.). Bullying mais sério do
que se imagina. 2. ed. Porto Alegre: Mundo Jovem/EDIPUCRS, 2008.
LOPES NETO, Aramis. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes.
Jornal de Pediatria, v. 81, n. 5 suppl., p. 164-172, 2005.
NUNES, Liliane et al. A psicologia e a psicopedagogia no cotidiano escolar:
percursos históricos e possibilidades de atuação. Olhares & Trilhas, ano VIII,
n. 8, p. 27-35, 2007.
NUNES, Mayara; HERMAN, Talita; AMORIM, Cloves. Um estudo sobre
bullying na cidade de Curitiba. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCA-
ÇÃO, 9.; ENCONTRO SUL-BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3.,
2009, Curitiba. Anais... Curitiba: Champagnat, 2009. p. 3648-3658.
SCOZ, Beatriz. Psicopedagogia e realidade escolar. 9. ed. Petrópolis: Vozes,
2001.
SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de
Janeiro: Objetiva, 2010.
SILVA, Elizângela; ROSA, Ester. Professores sabem o que é bullying?: um tema
para a formação docente. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 17,
n. 2, p. 329-338, dez. 2013.
SOUZA, Regina. O psicólogo e a educação, uma relação possível. In: HOPS-
TEIN, Graciela; SOUZA, Regina; URANI, André. A práxis na formação de
educadores infantis. Rio De Janeiro: DP&A, 2002.
SPÓSITO, Marilia Pontes. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar
no Brasil. Revista Educação e Pesquisa, v. 27, n. 1, p. 87-103, 2001.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.

152 A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018
TREVISOL, Maria Teresa; CAMPOS, Carlos. Bullying: verificando a compreen-
são dos professores sobre o fenômeno no ambiente escolar. Psicologia Esco-
lar e Educacional, Maringá, v. 20, n. 2, p. 275-283, ago. 2016.
TRIVINOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências so-
ciais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
VENTURA, Alexandre; VICO, Beatriz; VENTURA, Rosângela. Bullying e for-
mação de professores: contributos para um diagnóstico. Ensaio: Avaliação Po-
líticas Públicas Educacionais, Rio de Janeiro, v. 24, n. 93, p. 990-1012, dez.
2016.
WEISS, Maria Lucia. Psicopedagogia clínica: uma visão diagnóstica dos pro-
blemas de aprendizagem escolar. Rio de Janeiro, DP&A, 2004.

BORTOLETTO, D.; LINHARES, M.T.A.


A percepção de professores das séries iniciais do Ensino Fundamental diante da problemática do bullying...
Rev. Educ., Brasília, ano 41, n. 156, p. 141-153, jun./set. 2018 153