Você está na página 1de 47

O Nudismo e a Psicologia

23 Janeiro 2017

Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e animal e os processos mentais (razão,
sentimentos, pensamentos, atitudes). O corpo e a mente são estudados pela psicologia de forma integrada e não
separadamente.

O Nudismo deve ser incorporado no estudo da Psicologia porque antes de tudo é também mental e não somente corpo despido.
O sufixo “ismo” na palavra já tem o significado de uma doutrina, e a Psicologia poderia contribuir para o entendimento a respeito
da nudez humana e as implicações psíquicas no indivíduo em que realiza transformações.

Como se processa essas transformações e como é o novo modo de vida após sentir a liberdade do corpo? Um estilo de vida que
se opõe radicalmente ao outro não provocaria choques de identidades? Como seria viver naturalmente e autêntico com o próprio
corpo se no meio social em que vivemos ainda não se consegue compreender que o Nudismo é ser livre dos disfarces?

Na dissertação de Mestrado na área de Antropologia de João Paulo Cordeiro Reis cita ele: “As mudanças que se operariam no
nível psicológico possuem relação direta com a exposição pública da nudez. A evidência do corpo nu tende a ser percebida como
um ato de coragem e aceitação de si, como prova definitiva da superação de um trauma gerado ainda na infância, mas que teria
sido ultrapassado a partir de um gesto considerado excessivamente problemático no contexto ocidental. Ao despir-se, o naturista
estaria rompendo com uma “cultura da vergonha”, criada para torná-lo medroso e submisso.”

Se a Psicologia tenta explicar o homem, podemos então afirmar que ela também evolui na proporção em que a ciência começa a
realizar novas descobertas acerca da nossa natureza. A Física Quântica começa a proporcionar diversas especulações sobre a
nossa constituição física e psíquica, a “Psicologia, até então lógica e pragmática, mesmo com sua inerente subjetividade, deverá
considerar novas postulações de acordo com as considerações e paradigmas quânticos” (Psicologia e Universo Quântico de
Adenáuer Novaes).
As perguntas são: Como a Psicologia irá explicar o psíquico sem considerar as constituições físicas? Será que os próprios
psicólogos e estudantes da área estão livres corporalmente a ponto de ter o entendimento mais preciso do psiquismo? Voltando
à monografia acima citada ele faz referência às máscaras sociais:

De acordo com os naturistas, a civilização teria corrompido o caráter do ser humano, tornando-o egoísta e distante dos valores
coletivos. De um estado original de pureza, ele teria sido levado à desconfiança e à malícia, tornando-se individualista e
competitivo.

Sua nudez, compreendida como a marca da pureza original, teria dado lugar à falsidade das roupas e das máscaras sociais, que
teriam a função de ocultar a verdadeira natureza das pessoas, criando múltiplos disfarces no contexto de uma sociedade
marcada pela desigualdade.

É diante desse quadro que o naturismo tende a ser considerado como uma via de acesso a um mundo mais igualitário e fraterno,
no qual o respeito pelo ser humano seria considerado um valor central. Contrapondo-se ao universo individualista e materialista
das “sociedades têxteis”, os naturistas buscariam inventar modelos diferenciados de percepção e conduta, estabelecendo
distinções marcadas entre o “nu” e o “vestido”.

No final do ano passado realizei uma palestra para alunos da Faculdade de Psicologia e até hoje nenhum mostrou interesse em
realizar seus trabalhos de conclusão de curso quando o assunto é “Nudismo/Naturismo”. Será que os nossos jovens não
entendem que o corpo tem a sua beleza e sabedoria? O movimento Nudista tem muito para ensinar, mas é preciso querer
aprender.

Por Evandro Telles, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/o-nudismo-e-a-psicologia2/

Atreva-se a ser você mesmo: o naturismo em questão


10 Fevereiro 2015

Em uma sociedade cada vez mais centrada no individualismo e no conceito de felicidade pessoal, muitos de nós
aspiramos a viver de acordo com nossos desejos mais profundos nos fechando particularmente para a reconquista
de nossas necessidades básicas.
Descubra o mundo deixe a natureza fazer a escolha do seu bem-estar e vitalidade, os caminhos por vezes são sinuosos e os
métodos são alternativos mas nos dá a oportunidade de nos desenvolvermos pessoalmente com a possibilidade de sermos nós
mesmos. O nu ao vivo é uma questão para estudar com grande interesse quando se aspira a superar as barreiras sociais para
renascer para a vida …

Seja você mesmo apenas

Se aceite e se abra para os outros, seu corpo não é seu inimigo deixe cair as barreiras, mas também, e sobretudo se toque com
as pontas dos dedos e você vai experimentar uma sensação de liberdade sem precedentes, o nu ao vivo é uma solução
extraordinária.

Experimente um estilo de vida aberto e criativo para curar a sua sensibilidade, para respeitar o meio ambiente e usando uma
abordagem diferente e original “o corpo”, o naturismo assume diferentes formas e todos federados para o mesmo impulso de ter
finalmente dado o passo, o da ousadia de ser você mesmo, sem restrições.

Compartilhe sua individualidade

O naturismo é acima de tudo, ser você mesmo, por si mesmo se aceitar e ser feliz, e também ser capaz de transmitir e
compartilhar a alegria da vida com aqueles que amamos, e o prazer do convívio de uma vida sob o signo da simplicidade junto a
Mãe Natureza é irrestrito.

Deixe seu corpo liberado para a carícia de uma brisa da manhã para os raios de um sol poente, para as ondas do mar com uma
areia coberta de conchas e também para proporcionar a sua mente, a serenidade permitindo o nosso interior encontrar os
caminhos da tranquilidade regenerativa. “Aprenda a ser feliz”

SOCNAT, é acima de tudo, a promessa de ser você, sem complexos ou temores. Conheça aquele segredo que se esconde
profundamente dentro de você.

Matéria original aqui, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/atreva-se-ser-voce-mesmo-o-naturismo-em-questao1/
Você ainda não experimentou o naturismo?
14 Fevereiro 2015

O nudismo e o naturismo são dois movimentos culturais que defendem a nudez social, privada e familiar, existindo
atualmente em vários países do mundo.

O nudismo é simples prática da nudez social, o naturismo é a prática da nudez junto à natureza. A nudez social tem se tornado
cada vez mais popular no mundo e também no Brasil.

Todo mundo já ouviu falar e quase todos, quase todos mesmo, mostram no mínimo curiosidade. E esse já é um grande passo!

Você já pensou que eles podem estar na mesma situação que você? Morrendo de vontade, mas com medo do que os outros
iriam pensar. E se “os outros”, de quem você tem tanto medo, pensarem exatamente como você? E se “os outros” já tiveram
essa experiência e não tiveram coragem de contar pra você, porque para eles VOCÊ pode ser um “dos outros”?
Não fique de fora do que a maioria já experimentou e aprovou! No próximo verão procure um clube ou praia ou mesmo um
grupo naturista (há vários deles espalhados pelo Brasil) leve a família e tenha apenas um arrependimento: NÃO TER
EXPERIMENTADO O NATURISMO ANTES.

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/voce-ainda-nao-experimentou-o-naturismo/

O Naturismo proporciona igualdade entre homens e


mulheres
6 Outubro 2015

Se você curte a Natureza, em plena liberdade e a vida ao ar livre de maneira saudável, sem malícia ou preconceitos,
então o naturismo é a sua opção ideal. Se você aceita esses princípios básicos, então já está disposto a tornar-se
um naturista.

O naturismo é a arte de utilizar ao máximo os agentes naturais (água, ar e sol) vivendo em harmonia com a natureza em plena
nudez comum com outras pessoas de ambos os sexos. Tem por fim não somente salvaguardar o equilíbrio entre homens e
mulheres da era moderna pelo contato pleno que proporciona com a Natureza, mas também favorecer o respeito mútuo entre os
dois sexos e fomentar uma maior consideração das leis naturais que regem o meio ambiente.

Infelizmente, o naturismo ainda é pouco divulgado no Brasil, embora já seja praticado por centenas de milhares de pessoas há
bastante tempo em muitos países. Esse movimento internacional, da cultura do corpo livre em contato com a Natureza nasceu
na Europa na década de 20 e hoje há naturistas espalhados pelos cinco continentes. A Federação Naturista
Internacional representa os interesses de associações regionais filiadas, de 22 países.
Além de fomentar uma agradável coexistência com a Natureza,
o naturismo ainda apresenta um aspecto muito importante nos dias atuais: Quando a malícia, a imoralidade e a pornografia
procuram por todos os meios nos subjugar, eis que surge como uma fórmula conciliadora, propondo a redescoberta do corpo nu
como algo natural desprovido de todo o mal. Até restrições religiosas são facilmente rejeitadas pelo simples argumento de que
tudo que Deus criou é perfeito, e não há razão para ser escondido, desde que isso aconteça de sã consciência em locais e
ocasiões apropriadas. Um dos méritos do naturismo é, de certa forma, também o de ter auxiliado no renascimento da cultura
humana através de um simples contato com a Natureza, num espírito amplo de muito respeito mútuo.

Nesse contexto se insere um exemplo clássico, embora um tanto polêmico, que certamente jamais poderia ser imaginado, hoje
em dia, em outras circunstâncias: a conscientização da mulher de que sua nudez num ambiente sadio e natural não faz dela um
objeto, mas a libera de preconceitos seculares, proporcionando-lhe igualdade com o homem.

O naturismo se propõe a ser o traço de união entre a civilização moderna e a Natureza, procurando auxiliar aqueles que vivem
na atual “civilização” a reapreciar as coisas naturais da vida. Basicamente, o naturismo se constitui num grande movimento
familiar em que homens, mulheres e crianças desfrutam de uma vida saudável em comum, em estreita comunhão com a
Natureza e longe da agitação diária.

Paradoxalmente, os povos dos países de clima frio do hemisfério norte assimilaram melhor as idéias naturistas do que os povos
tropicais. Mas o Brasil, pelo privilégio de ter uma Natureza exuberante, verde e linda, além de desfrutar de um clima ideal para a
prática do naturismo, realmente tem tudo para entrar na comunidade naturista internacional. Já dispõe, portanto de toda infra-
estrutura necessária e nem a mentalidade latina ou a tradicional religiosidade de nosso povo servem de contra-argumento, pois
nossos co-irmãos latinos e católicos da Europa também já aderiram ao naturalismo e a opinião pública desses países está
aceitando e tolerando, gradativamente, mais esse saudável modo de vida.

A França é o país em que o naturismo alcançou a maior popularidade em todo o mundo, seguida de perto pela Alemanha, mais
recentemente a Itália, a Espanha e Portugal aderiram à idéia.
É interessante observar que nem as diferenças culturais e muito menos as ideologias opostas foram capazes de frear a volta
triunfal do ser humano à Natureza, pois hoje existem milhares de praticantes naturistas na Europa Ocidental e Oriental, bem
como na África, Estados Unidos e Austrália.

Por Hans Roland, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/o-naturismo-proporciona-igualdade-entre-homens-e-
mulheres2/

Ambição nua!
10 Maio 2017

Mais de metade dos britânicos gostaria de curtir férias estando nus… E os homens são duas vezes mais dispostos a
isso.
35% dos homens e 17% das mulheres frequentariam a praia nus; Mais de um terço dos nudistas mantém a prática em segredo
de amigos e colegas; Pesquisas on-line de praias nudistas na Europa subiram 52% desde janeiro.

Mais de metade dos britânicos agora consideraria tirar suas roupas para as férias de verão, revela nova pesquisa. Um
substancial 59 por cento daqueles questionados por um site de reserva iria em um feriado nudista, seja para tomar sol nu ou
visitar uma praia nudista – e os homens são duas vezes mais propensos a dizer que participariam.

Os resultados surgem como restaurantes nus são lançados na Austrália e no Reino Unido, e Madrid já anuncia um dia nacional
“sem maiô”.
Mais de um terço dos homens britânicos entrevistados na pesquisa Lastminute.com dizem que considerariam banhos de sol nus
neste ano e 14 por cento irão para um feriado nudista, em comparação com 17 por cento e seis por cento, respectivamente,
para as mulheres.

Cerca de oito por cento dos britânicos já aproveitaram um feriado nudista no passado. No entanto, um terceiro admitie que
mantém esse segredo de amigos, familiares e colegas.

Conseguir um bronzeado completo é a razão mais popular para descobrir tudo na praia, com 42 por cento dos votos, enquanto
21 por cento o fazem para “reconectar com a natureza” e um em cada cinco querem “sair da sua zona de conforto”.
Análise de dados de pesquisa on-line revela um aumento de 52 por cento no número de pesquisas de “melhores praias nudistas
na Europa” desde janeiro, enquanto as buscas de “praias nudistas” foram 23 por cento no mesmo período.

“Sabemos que as pessoas estão muito mais dispostas a tentar a nudez social. Por isso, é ótimo ter a confirmação de que mais e
mais de nós estão deixando ir de qualquer hang-ups e estão se sentindo confortáveis na pele em que estamos.”

“Para aqueles que visitam uma praia naturista / nudista pela primeira vez, o melhor conselho é relaxar, desfrutar da sensação do
sol, brisa e mar em todo o seu corpo e perceber que ninguém está preocupado com a aparência.”

Parece que os britânicos são mais aventureiros quando são mais jovens, com 52 por cento dos 18-24 anos de idade, dizendo que
considerariam um feriado nudista, tomar banhos de sol ou visitar uma praia nudista. Isso está em contraste com 38 por cento
dos britânicos com mais de 55 anos. Mas não são apenas as praias nudistas que são populares. Na verdade, é varandas de
quartos de hotel que vêm no topo da lista de lugares para pegar alguns raios de sol, com 30 por cento dos inquiridos admitir que
tomaram sol nus em um terraço.

Dez por cento nadaram sem roupas de banho uma piscina, e por oito por cento em uma floresta ou em um parque. Quando se
trata de atividades de praia, mais da metade dos britânicos dizem não ver nenhum mal em pessoas jogando vôlei, enquanto 40
por cento não vêem um problema com o futebol naturista.

Para aqueles que procuram uma diversão menos tradicional no lado da praia, a pesquisa revelou que mais de um em cada cinco
teve relações sexuais na praia e cerca de 16 por cento passaram mergulhando profundamente no mar.

Via Mail Online, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/turismo/ambicao-nua2/

Um elogio a nudez
8 Dezembro 2016

Compartilhe os benefícios e a beleza de ser naturista!


A nudez é beleza. O que poderia ser mais humano e mais bonito do que um corpo nu, livre de seus artifícios têxteis? , Estar nu
é ficar livre de preconceitos, oferecer ar e elementos naturais ao corpo, o nu ideal independe do corpo esta na mente do
observador.

A nudez é liberdade. Liberdade dos sentidos, a liberdade espiritual, aliberdade de convenções sociais. Nu, o ser humano ocupa
um lugar único num mundo de homens e mulheres. Nu mostramos a sociedade o que realmente somos ao contrario de quando
estamos vestidos. A nudez é considerada como uma transgressão das regras perante sociedade e, no entanto, coloca a
humanidade no centro da sociedade.

A nudez é frágil. Fragilidade para mostrar aos outros as suas falhas, imperfeições e as cicatrizes deixadas pela vida. Essa
fragilidade, belamente descritas por muitos escritores e psicólogos, rapidamente se transformou em força. Força para aceitar e
para ganhar aceitação, bem como cada um de nós é.

Quem nunca andou nu na chuva no meio da natureza, quem nunca experimentou a sensação de estar em harmonia com o meio
ambiente. Aqueles que nunca nadaram nus em um mar azul-turquesa, Aqueles que nunca tiveram uma festa com um grupo de
amigos todos completamente nus, nunca experimentou a plenitude dos sentidos.

Esta é a nudez que infunde prazer para naturistas. A nudez não é explicada, apenas se vive.Sozinho, a dois, em grupo.
Quem sabe um dia a nudez vira como uma coisa óbvia. Sem tentar forçar, as vezes vêm por acaso, na virada de um caminho,
numa reunião ou uma discussão.
E a partir deste dia você deixara de lado o que um dia oprimiu você, as ondas benéficas da nudez vai deixa-lo muito mais feliz. A
vergonha do corpo desaparece para dar lugar a alegria de viver. Fique nu! Compartilhe os benefícios e a beleza de
ser naturista!

Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/um-elogio-a-nudez/

Holandesa viaja pela Austrália vestida como veio ao


mundo
1 Novembro 2017

O objetivo é desmistificar o nudismo segundo ela. Inspirada num projeto que incentiva australianos a tirarem fotos
nus na natureza –o Get Naked Australia–, a jovem holandesa Sterre, 21 anos, resolveu viajar ‘nua’ pelos lugares
mais remotos da Austrália.

Projeto incentiva australianos a tirarem fotos nus na natureza Rapidamente a jovem virou um sucesso no Instagram, onde
publica fotos de cada lugar visitado –a maioria sem roupa e algumas até ousadas. Ela já tem mais de 75 mil seguidores na rede
social.

De acordo com Sterre, o objetivo é provar que “fazer nudismo não é sexual, nem estranho”. Mas alguns seguidores estão
criticando a jovem por usar as hastags #sexygirl e #sexy o que, segundo eles, contradiz com a proposta dela.
Em entrevista ao jornal “Daily Mail”, Sterre disse que “andar nua ainda deixas as outras pessoas desconfortáveis”. “É uma pena
que nem todas as pessoas vejam o nudismo de uma forma não-sexual”, acrescentou.

Mas nem tudo são flores na vida de um nudista. Sterre conta que uma noite foi picada por insetos, causando diversas manchas
vermelhas pelo corpo. Ela revelou ainda que pesquisa muito os lugares remotos antes de ir, mas que um dia foi surpreendida por
um homem. “Ele me viu olhando para trás, e o estranho era que eu não me sentia envergonhada porque estava nu, mas ele
sentiu-se envergonhado quando olhei para ele”. Confira todas as fotos em a.naked.girl no Instagram

Via Mail Online, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/holandesa-viaja-nua-pela-australia-vestida-como-veio-
ao-mundo/
Liberte-se para o Naturismo
9 Maio 2015

Como diz na música “Uma Noite e Meia” de Renato Rocketh, cantada por Marina Lima: “Vem chegando o verão, um
calor no coração, essa magia colorida, coisas da vida”.

Cada estação possui a sua magia, mas o verão parece mais propício para desnudar o corpo e nele sentir as energias da
natureza, é algo que não poderá ser falado porque cada pessoa poderá sentir de forma diferente. Lamentavelmente nesse país
tropical, cujos primeiros habitantes já andavam nus, a prática do Naturismo/Nudismo como agente de integração entre mente-
corpo ainda é desconhecida. Algumas pessoas me dizem que nunca serão naturista/nudista, não entendem que dito dessa forma
reflete um lado psicológico negativo do próprio corpo e consequentemente diante da vida. A civilização adestra o indivíduo a
viver na irrealidade e ele assume como se fosse real, ele sonha e quando acorda ainda sente os reflexos daquilo que sonhou.
Esse lado negativo não deixa aberturas para mudanças e evolução, assume uma postura intransigente, às vezes até arrogante
diante da sua natureza. O conflito entre social x natural não irá cessar nunca.
O mais correto seria dizer: “Não sou naturista/nudista, mas quem sabe algum dia!” Pelo menos abre-se uma porta para fazer
avaliações, estudar o assunto, realizar reflexões sobre si mesmo diante do universo. O historiador Viegas Fernandes da Costa ao
escrever sobre a sua experiência com a nudez social no artigo “Sobre a Nudez Social” coloca o dedo na ferida de uma sociedade
que recrimina o corpo e continua procedendo assim com o aval daqueles que ainda não compreenderam o que representa o
movimento naturista/nudista no mundo. Cita ele: “Sabemos, portanto, do quão transgressor pode se caracterizar o gesto de tirar
a roupa e conviver socialmente sem esta. Insisto lembrar que o caráter transgressor da nudez está relacionado com o contexto
social em que se insere, em nosso caso, a sociedade têxtil. A transgressão e ousadia do ato parece ainda maior quando se trata
de corpos que a sociedade classificou como “defeituosos ou deficientes”. Ou seja, que por alguma característica que manifesta,
afasta-se da imagem que temos de um corpo normal, construída em nosso imaginário.

Digo isso de experiência própria, já que carrego em meu corpo as marcas de uma doença neuromuscular que me atrofiou os
membros inferiores e superiores, e provocou “deformidades” em minha coluna e tórax”. A prática do Naturismo/Nudismo é
provocativa na medida em que passamos também a refletir a inclusão do próprio corpo na natureza, aí começamos a pensar
sobre o meio-ambiente, sobre os valores sociais e sobre muitos outros assuntos. Desenvolvemos a percepção de como a
sociedade é neurótica! A dúvida que ainda carrego é que os psicólogos ainda tentam ajustar o indivíduo a essa sociedade. Penso
que esse ajuste só poderá ser feito em parceria com uma filosofia, e o Naturismo/Nudismo pode ser uma proposta muito
interessante.
Vou aguardar uma resposta da amiga e professora de Psicologia Maria Rita que me permitiu um espaço para realizar uma
palestra para seus alunos. Naturismo/Nudismo é uma proposta de uma vida diferente, um olhar com naturalidade e de se sentir
livre. Liberdade essa que também nos torna responsáveis porque estamos passando para futuras gerações uma nova perspectiva
que inclui o respeito e harmonia mesmo com as nossas diferenças. Os conceitos que temos da natureza humana são
verdadeiramente insignificantes e totalmente distorcidos, a ciência por meio da Física Quântica atesta isso, o físico alemão
Werner Heisenberg em 1927 propôs o Princípio da Incerteza. Experimentar o Naturismo/Nudismo até mesmo para fazer uma
reavaliação do próprio psiquismo, amplia as possibilidades de entendimento de como enxergamos o mundo material. É um
mergulho não só nas águas do mar, mas também para dentro de si mesmo. Tente, experimente, liberte-se.

Por Evandro Telles

Editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/liberte-para-o-naturismo1/

Holandesa viaja pela Austrália vestida como veio ao


mundo
1 Novembro 2017

O objetivo é desmistificar o nudismo segundo ela. Inspirada num projeto que incentiva australianos a tirarem fotos
nus na natureza –o Get Naked Australia–, a jovem holandesa Sterre, 21 anos, resolveu viajar ‘nua’ pelos lugares
mais remotos da Austrália.
Projeto incentiva australianos a tirarem fotos nus na natureza Rapidamente a jovem virou um sucesso no Instagram, onde
publica fotos de cada lugar visitado –a maioria sem roupa e algumas até ousadas. Ela já tem mais de 75 mil seguidores na rede
social.

De acordo com Sterre, o objetivo é provar que “fazer nudismo não é sexual, nem estranho”. Mas alguns seguidores estão
criticando a jovem por usar as hastags #sexygirl e #sexy o que, segundo eles, contradiz com a proposta dela.

Em entrevista ao jornal “Daily Mail”, Sterre disse que “andar nua ainda deixas as outras pessoas desconfortáveis”. “É uma pena
que nem todas as pessoas vejam o nudismo de uma forma não-sexual”, acrescentou.
Mas nem tudo são flores na vida de um nudista. Sterre conta que uma noite foi picada por insetos, causando diversas manchas
vermelhas pelo corpo. Ela revelou ainda que pesquisa muito os lugares remotos antes de ir, mas que um dia foi surpreendida por
um homem. “Ele me viu olhando para trás, e o estranho era que eu não me sentia envergonhada porque estava nu, mas ele
sentiu-se envergonhado quando olhei para ele”. Confira todas as fotos em a.naked.girl no Instagram

Via Mail Online, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/holandesa-viaja-nua-pela-australia-vestida-como-veio-
ao-mundo/

Veja 10 razões pelas quais você deve ficar nua mais


frequentemente
25 Janeiro 2015

Ficar nu é muitas vezes é visto como um ato que só deve ser reservado para o sexo e mesmo assim, para alguns
nem para o sexo! Muitas pessoas acreditam que estão mais confortáveis dentro de suas roupas. No entanto, ficar
nu com mais freqüência pode ter grandes benefícios para você. Aqui estão 10 grandes razões para você ficar nua
com mais frequência:
// ]]>

1. A nudez queima mais gordura.


Principal fonte do seu corpo de tecido adiposo marrom (BAT), ou as boas células de gordura, estão localizadas em torno de seus
ombros e pescoço.Quando seu corpo está exposto aos elementos mais frios, o BAT prolifera e, essencialmente, mata o tecido
adiposo branco, as células de gordura ruins. Então, não usar nenhuma roupa ajuda a promover a queima de gordura ruim e faz
você ficar mais saudável.

2. Você vai se sentir confortável com quem você é.


A auto-aceitação é difícil é muito dificil nos dias de hoje. Pergunte a qualquer um que você conhece e vera se eles estão felizes
com eles mesmos. Eles dirão que eles são muito gordos, não são bonitos, e vão encontrar todas as falhas que podem. Na
realidade, os outros não vêem isso. Eles vêem que você é linda. Quando você começa a ficar nu, você aprende a apreciar o seu
corpo e perceber o quão bonita você é realmente.

3. Você economiza dinheiro.


Estar nu mais frequentemente a fara economizar na compra de roupa nova, uma vez que você está vestindo nada durante uma
grande parte do tempo. Tenha cuidado quando você estiver em público, embora, você pode ter que colocar uma roupa!

4. Ela aumenta o seu sistema imunológico.


Estar nu e recebendo a exposição aos raios do sol, na verdade, aumenta os níveis de vitamina D do seu corpo. A vitamina D está
diretamente relacionada com o seu sistema imunológico. Quando você tem níveis ideais de vitamina D, o sistema imunológico de
seu corpo é impecável, e você estará melhor equipada para afastar os vírus, incluindo o resfriado comum e gripe. Então, vá
deitar nua na sua varanda ou no seu quintal.

5. Faz com que você encare seus medos de frente.


As pessoas hoje tremem quando você menciona as palavras “ficar nu.” Elas têm tanto medo que elas e as crianças de hoje são
tão fixadas na ideia de que elas devem usar uma camada sobre o corpo a fim de de lidar com a sua imagem corporal. No
entanto, quando você está nu, você encara com mais facilidade seus medos de imagem corporal e auto-aceitação,
experimentando alguns dos melhores momentos de sua vida.

6. Você vai se sentir melhor em suas roupas.


Quando você tiver que usar roupas (porque nem todo mundo ainda aceita a nudez em público), você vai começar a escolher a
roupa que acentua melhor as partes do seu corpo que você ama e a faça sentir mais confortável.
7. Você vai abraçar a vulnerabilidade.
Quando você se coloca lá fora, é uma reação natural ter medo e preocupação. No entanto, esta é uma oportunidade para se
abraçar e ser vulnerável. Ela permite que você pense e chegue à essência do que realmente importa e que é importante para
você?. Quando você tira fora todo o excesso, você está 100% verdadeira e disposta a assumir qualquer coisa que vier pela
frente.

8. Você vai mostrar ao mundo o seu “eu” verdadeiro


Hoje temos muitas maneiras de alterar à aparência de nossa imagem corporal verdadeira quando usamos roupas. Algumas
pessoas alteraram tanto à sua imagem que chegam a temer ficarem nuas mesmo com a pessoas que amam. Parece loucura que
isso poderia mesmo acontecer, no entanto, o aumento do uso de sutiãs que aumentam a mama e os produtos Spanx colocou
essa idéia na mente das mulheres. Isso tudo a faz se sentir confortável com sua imagem corporal de verdade?. Se uma pessoa
realmente te ama, então ela não deve amar você com base em sua imagem. Se eles fizerem isso, então você pode até mesmo
decidir que as leggings sempre tão desconfortáveis que sobem acima de sua cintura e marca todas as imperfeições pode não
valer a pena, afinal.

9. Você vai se divertir.


Bem, isso pode ir em todas as direções. Mas quando você estiver mais confortável com o seu corpo nu e vê-lo como sendo
lisonjeiro, então a vida será mais divertida. Você começa a perceber que você é linda e estará disposta a fazer mais coisas que
você provavelmente não teria feito de outra forma, com suas roupas.

10. Você pode ter relações sexuais com as luzes


acesas.
Muitas pessoas são auto-consciente sobre a maneira de olhar e decidem que menos iluminação melhor quando têm relações
sexuais. Não é nada novo.Se você pesquisa seus melhores amigos, você provavelmente vai chegar a esta conclusão
também. Eles podem dizer que sentem constrangidos durante o sexo, porque eles estão mais preocupados com o que seu
parceiro pensa do seu corpo do que apenas ter e apreciar o sexo incrível. Quando você se ama e aceita seu corpo como ele
realmente é, você também vai querer ver o seu parceiro no seu melhor.

O que você está esperando? Comece a passar mais tempo nua a partir de agora e comece a mudar a maneira de como você
pensa sobre o seu corpo.

Por Bobbi Klein


Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/veja-10-razoes-pelas-quais-voce-deve-ficar-nu-mais-
frequentemente1/

Saiba como perder o medo de ficar nu


2 Outubro 2017

A gimnofobia é a aversão à nudez, que acarreta no medo de ficar nu, mesmo em situações onde isso é aceitável
socialmente, como o sexo.

Essa fobia geralmente nasce de um sentimento de inadequação que a pessoa tem em relação ao seu tipo físico, que não está de
acordo com o biotipo de beleza veiculado pela mídia. Para superar esse problema, há algumas maneiras que podem fazer a
pessoa se sentir mais à vontade consigo mesma.

Aceite-se e perca o medo de ficar nu

Para começar, questione-se, tentando descobrir de onde vem o seu medo de ficar nu. Há muita gente que houve, desde nova,
que “devemos cobrir nossas vergonhas”. Mas você consegue entender porque elas são vergonhosas? Tudo começa na sua mente
– assim que você ultrapassar essa barreira, uma porta será aberta.

Feito isso, tire um tempo pra você, para se admirar. Fique nu em frente ao espelho e se saboreie, observando todas as suas
qualidades e criando intimidade com você mesmo. Adicione uma dança a esses momentos, descontraia-se. Talvez não seja fácil
das primeiras vezes, mas não desista e aprenda a valorizar a beleza que tem.

Intimidade no sexo é fundamental

Depois que já tiver superado o medo de ficar nu sozinho, é hora de começar a dar os primeiros passos com sua parceira. Troque
a escuridão de sempre por luzes fracas, da cor que preferir. Além de criar um clima todo especial, esse jogo de luzes começará a
revelar sua nudez de uma maneira nova, recatada, mas que já vai dar um clima todo especial ao momento.
Nesse caso, o ambiente como um todo pode fazer toda a diferença. Não prepare só uma iluminação diferenciada, mas a
temperatura, por exemplo, ou o próprio lugar. Pense naquilo que o fará sentir mais seguro. Quanto mais você se sentir a
vontade em seu próprio habitat, mais natural será se despir.

Claro que você não deixará de ter vergonha do dia para a noite, tudo faz parte de um processo. Brincar com as toalhas também
é uma boa maneira de ir perdendo a vergonha de ficar pelado na frente do par. Na hora do romance, deixem cair, peça por
peça, sem pressão.

Mudanças no seu corpo podem originar o medo de ficar nu

Talvez você nunca teve problemas com a nudez e seu medo de ficar nu tenha aparecido depois de algum tempo. Pense e
descubra quando foi que isso aconteceu. É provável que ele tenha aparecido após uma mudança no seu corpo, como o ganho de
peso, por exemplo. Essa fobia aparece pelo entendimento de que sua parceira não o desejará mais devido a essa mudança.

É aí que entra o papel das companheiras e do diálogo na superação desse mal. Converse com sua cônjuge, compartilhando seu
anseios, pois é possível que ela esteja pensando que o problema seja referente ao corpo dela. Conversando vocês irão perceber
que seu relacionamento tem uma base mais sólida do que imaginavam.

Se, depois de todas essas tentativas, você ainda não tiver perdido o medo de ficar nu, é recomendável que se procure um
terapeuta ou psicólogo. Remédios que diminuem a ansiedade também tem efeito positivo. Mas lembre sempre que o importante
é se gostar e, a partir daí, dividir sua beleza com a parceira não será problema nenhum.

Via Fortissima, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/saiba-como-perder-o-medo-de-
ficar-nu/

O naturismo só faz bem a Saúde


20 Março 2016

Você já sabia? Ficar pelado é bom para a saúde!


Pense na primeira vez que sua mãe contou para você, que quando criança tirava toda a roupa, arrancava a fralda e saia
correndo pela casa todo peladinho.

Por que deixamos de pensar e de nos sentir assim e começamos a misturar o naturismo com sexismo, hedonismo, sacanagem e
outras restrições contra uma nudez saudável?

Assim como é normal uma criança querer ficar pelada, pode ser também normal para você! Além disso, o nudismo traz muitos
benefícios para a saúde. Vamos revê-los:

1. Benefícios psicológicos: A auto-aceitação é um problema muito grave em nossa sociedade, com os meios apresentando
determinados tipos de corpo que são consideradas atraentes e contribuindo para problemas como a anorexia e a bulimia. Parece
maluco ou contraditório mas, ficar pelado, enfrenta estas situações porque promove uma maior aceitação do nosso corpo, reduz
o stress, melhora a auto-estima e promove a superação de certos padrões de beleza. Pense como seria o “padrão” do corpo
perfeito quando você esta em uma praia ou comunidade nudista, acompanhado de tipo de corpo e idades? Você acaba
esquecendo todos esses preconceitos que danificam a visão de nós mesmos e que fazem que sintamos vergonha de estar um
pouco acima do peso, ter muitos pelos ou achar que está branco demais.
2. Benefícios físicos: Estudos da Sydney Ross Singer e Soma Grismaijer mostram que a roupa pode causar problemas de
saúde, restringindo o fluxo natural de sangue e prejudicando o sistema linfático, que é responsável pela eliminação de toxinas
causadoras de câncer. Por exemplo, as mulheres que usam sutiã mais de doze horas por dia, têm 21 vezes mais chances de
desenvolver câncer de mama do que aquelas que usam menos de 12 horas por dia. O mesmo acontece com o uso de cueca
apertada ou da calcinha, que às vezes ajuda o crescimento de bactérias na região.

3. Benefícios sociais: A nudez promove certa igualdade social, onde ninguém pode ser julgado pela forma do corpo, os cabelos
ou o preço da sua bolsa. A nudez gera sentimentos de unidade com os outros e uma interação social mais relaxada, onde as
pessoas começam a se relacionar com os outros em base a suas qualidades e não sua aparência.

Se você quer tentar como é essa sensação de liberdade, sentindo a água e o ar em torno de seu corpo, o que recomendo é
planejar suas próximas férias na praia de Abricó (zona oeste do Rio de Janeiro), Praia Do Pinho (Santa Catarina), Praia de
Tambaba (Paraíba), Massarandupió (Bahia) ou Praia Brava (São Paulo), as praias nudistas mais famosas do Brasil.

E, além disso, chega de pensamentos nudófobos, tais como “se fico nu, o mundo inteiro estará olhando para mim” ou “estar nu é
estar vulnerável. Se não tenho nenhuma roupa para esconder eventuais imperfeições, o que faço?”.
Como sempre, para se sentir bem e saudável, o melhor é “se soltar mais”, sem pensar em condicionamentos sociais!

Original aqui, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/o-naturismo-so-faz-bem-a-
saude1/
Croácia: o paraíso naturista
28 Novembro 2017

Na Croácia, o turismo é o setor mais dinâmico da economia atingida pela recessão. Mas o curioso é que, dos mais
de 10 milhões de visitantes que passam pelo país a cada ano, cerca de 15% são nudistas ou naturistas. Os turistas
desinibidos veem para conhecer o mais antigo campo de naturismo da Europa.

Os primórdios do naturismo na Croácia

Algumas décadas atrás eram apenas alguns nudistas nas margens do do Adriático que contribuíram significativamente para o
desenvolvimento do turismo em torno de sua costa. De fato, já na década de 30 do século passado alguns naturistas pioneiros já
mergulhavam nas suas margens.

Já no início da década de 60 do século passado, foram construídos na costa do Adriático centros naturistas oferecendo ao turista
mais conforto com várias opções de lazer. Com o passar dos anos foram construídos grandes complexos como resorts
naturistas.

Os anos noventa do século passado, no entanto, trouxe uma queda acentuada no numero de turistas naturistas, não só no
Adriático, mas em toda a Europa. Muitos alojamentos para naturistas no Adriático desativados e seus portões abertos ao público
em geral. Há alguns anos, renovado campo de Ladin Gaj em Umag, mas foi reaberto com um novo nome, “Parque Umag” e
perdeu o espirito naturista. No ano anterior ela foi renomeada e ex-centro naturista Monsena em Rovinj “Amarin”, e desde então
não serve mais naturistas.

Nos últimos anos, no entanto, a situação começou a mudar gradualmente. Enquanto em 2000 foram registradas 410.000
visitantes do acampamento naturista, no ano passado o numero de visitantes era de 505.000. Os naturistas gastam anualmente
cerca de 125 milhões de euros. Se você deduzir a despesa média de visitantes por dia, esta quantidade é maior do que o de
visitantes de parques de campismo convencionais. Então feriado naturista significa gastar mais dinheiro.
As opções atuais de férias naturista na Croácia

Hoje no litoral croata estão registrados onze campos, que são destinados naturistas, três outros parques de campismo são
reservados apenas uma parte para os naturistas. Cerca de 25.000 pessoas se hospedam nos campings, bangalôs e
apartamentos de hotel. A maioria dos centros naturistas podem ser encontrados em Istria . Os acampamentos locais têm
grande capacidade, por exemplo. Solaris (4000 pessoas) Ulika (3000 pessoas) – tanto em Porec, Istra naturistas em Funtana
(3.000 pessoas) ou Valalta em Rovinj (4.000 pessoas).

O maior acampamento naturista no Adriático é Koversada em Vrsar, que abriu os naturistas portas em 1963. Hoje, o complexo
do campo e bungalows tem capacidade para receber cerca de cinco mil visitantes e ainda é o local mais popular para naturistas
na costa da Croácia. A segunda área naturista no Adriático são as ilhas Kvarner de Krk e Cres . Acampamento konobe ,
Bunculuka , Politin e Baldarin (parte naturista), embora tenham capacidade significativamente menor, mas sua vantagem é a
sua localização em um belo ambiente natural.

Ao longo da Dalmácia há apenas três ilhas, em Pasman o acampamento Sovinje em Hvar, Vrboska e Mlaska em Sucuraj, tem
uma parte dedicada à naturistas. Embora as ilhas da Dalmácia oferecem um mínimo de oportunidades para naturismo
organizado lá os naturisas irão desfrutar das baías isoladas e muitos lugares calmos. No continente Dálmata atualmente não há
nenhum acampamento naturista.Os naturistas mais frequente nos últimos anos foram os alemães, austríacos, italianos e
eslovenos.

As medidas de segurança
Para entrar nas instalações naturistas são aplicadas regras bastante rígidas de acordo com a INF- Federação Naturista
Internacional. É estritamente proibido fotografar sem autorização das partes envolvidas. Durante o dia a nudez é obrigatória em
todas as áreas dos parques naturistas, roupas é necessário apenas a noite para o jantar, danças ou compras em lojas.

Os complexos naturistas tem expandido a gama de atividades de todos os tipos, especialmente para atrair a geração mais jovem
e novos fãs de naturismo. Significa equipar novas piscinas, centros esportivos, centros de saúde e opções de entretenimento.

Croácia

O Mar Adriático é conhecido por ter umas das mais belas costas do mundo. O turismo nas praias da Croácia é altamente
recomendável, pois permite-lhe desfrutar da beleza e tranquilidade da sua paisagem .As praias na Croácia se distinguem pela
sua beleza e, acima de tudo, pela sua tranquilidade. Portanto, elas são um destino popular para aqueles que querem combinar
turismo com a paz em um cenário de sonho.

A Croácia tem cerca de 5.000 quilómetros de costa, contando as ilhas como parte de sua superfície. Algumas praias são
nudistas, como os da península da Ístria ou Karvner, por isso são bem conhecidas no setor do turismo em todo o mundo.

A região da Istria que chama a atenção para algumas praias, como a Cvrerni OTOC e Koversada, que apesar de ter areia
artificial oferece um cenário incrível. Outra recomendada na península da Ístria é a praia Knegra, praia de nudismo cujo piso é
formado por uma combinação de areia e cascalho, o que lhe dá uma aparência mais rústica à paisagem.

A principal característica que se destaca em todas as praias da península da Ístria é as águas cristalinas, vegetação exuberante e
areia branca que dá a sensação de acariciar o solo Caribe.

A Croácia também oferece uma variedade de outras praias da região da Dalmácia, que incluem os bancos de areia. Um dos
principais centros turísticos é a praia Makarska, rodeado por um grande centro turístico onde os hotéis são mais elevados.
Makarska Beach é ideal para jovens turistas e seu ritmo e atividade. Outros igualmente belos destinos são Branje Beach e Praia
de Copacabana, onde o protagonista principal é a paisagem. Na Croácia as praias turismo é tão importante quanto
enriquecedora, pois permite uma ligação extraordinária com a natureza.

Na visão de muitos Croatas “O mais belo jardim da Europa” tem sido um destino atraente para naturismo há cinco décadas., o
naturismo deu seus primeiros passos em 1936, na ilha de Rab com a permissão das autoridades da cidade. Construção das
primeiras instalações até à data continuou com desenvolvimento e variedade de promoções oferecidas para os naturistas o que
tem feito aumentar o numero de turistas naturistas ano após ano.

A Croácia foi provavelmente o primeiro país turístico europeu a abrir as suas portas ao longo de décadas para naturistas. A longa
tradição de hospitalidade da população croata fizeram deste país um dos favoritos dos naturistas.

A Croácia pode realmente se orgulhar de sua beleza natural. Oito parques nacionais (Brijuni, Kornati e Mljet na costa e dos lagos
de Plitvice, Krka, Paklenica, Risnjak e Norte Velebit interior) e quase 10% de seu território protegido ambientalmente, rica
herança cultural, povo hospitaleiro e boa acessibilidade são importantes, mas nãos são as únicas atrações deste país.

A Croácia tem noventa mil quilômetros quadrados, dos quais dois terços são terra e um terço de água, é considerado como um
país de tamanho médio europeu com uma grande diversidade de ecossistemas naturais, um clima mediterrânico, Thousand
Islands são cidades ricas em patrimônio artístico e cultural que fazem da Croácia um destino turístico muito sugestivo. Das
muitas cidades medievais com o Palácio de Diocleciano histórica e cultural em monumentos individuais, a antiga cidade de
Trogir, Euphrasius Basílica em Porec, a Catedral de Sibenik ea cidade de Dubrovnik estão sob a proteção da Unesco.

A Croácia tem uma longa tradição de turismo naturista, ao longo dos anos ela criou a imagem ideal de uns dos destinos
preferidos pelos naturistas com complexos especializados para o naturismo, a especialização continua até hoje.

Via Revista Nudelot, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/turismo/croacia-o-paraiso-naturista/

Como o naturismo pode alavancar o turismo?


23 Janeiro 2015

Com apenas 8 praias oficiais o naturismo no Brasil ainda tem muito o que crescer
Em novembro a Prefeitura do Rio de Janeiro sancionou a lei que tornou a Praia do Abricó no Rio legalizada para a pratica do
naturismo, outras sete praias são elas, Olho de Boi no Rio de Janeiro, Tambaba na Paraíba, Massarandupió na Bahia, Barra Seca
no Espirito Santo e as Praias do Pinho, Galheta e Pedras Altas em Santa Catarina são oficiais por força de decreto ou leis
municipais, em qualquer outro ponto da costa em que o banhista tire a roupa ele pode ser preso por ato obsceno.

São Paulo sendo e estado mais populoso do Brasil ainda não tem uma faixa de litoral dedicada ao naturismo infelizmente, isto
sem contar outros estados que também poderiam ter áreas destinadas a pratica, a exemplo da França e de outros países
cidades de todo o mundo até mesmo as mais recatadas já perceberam que o naturismo é um filão para o mercado de turismo,
pois além de ter milhões de adeptos ele causa boa impressão mesmo junto aos que não praticam.
A ultima copa do mundo realizada no Brasil contribuiu para que aumentasse o numero de turistas estrangeiros na Praia do
Abricó, pois o numero de frequentadores naturistas mais que dobrou durante o mundial, estes turistas geralmente tem um poder
aquisitivo mais alto o que ajuda a injetar dinheiro na economia local.

A praia de Tambaba na Paraiba é o exemplo disto pois acabou contribuindo para o crescimento de todo o turismo no litoral sul do
estado da Paraiba e graças a praia naturista outras seis praias vizinhas à de Tambaba começaram a ser visitadas pelos turistas
muitos vindos do hemisfério norte. Com a chegada deles, o pequeno comércio local e o setor imobiliário também cresceram. O
segredo é fruto da coordenação entre as associações de naturistas e a prefeitura.

Para o professor universitário José Wagner, a educação provoca a mudança de comportamento. “Ninguém cria sem fazer
revolução. Naturismo é progredir”. Fizemos vários eventos sobre a questão de naturismo dentro das escolas, para que as
pessoas entendessem que Tambaba é algo ímpar em nosso planeta”, afirma.

Editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/turismo/como-o-naturismo-pode-alavancar-o-turismo2/

O Naturismo e a Terapia Corporal


23 Novembro 2016

Estar nu é um estado de espírito, onde o amor emana de uma forma etérea, fluidificando e contagiando
harmoniosamente.
O naturismo é a busca de você com você mesmo, é a liberdade incondicional, é ser natural sem o ego exacerbado, sem barreiras
e preconceitos, é estar integrado e inteirado com a natureza e o homem integral, socialmente, psicologicamente, interagindo
com as demais pessoas. Estar nu é um estado de espírito, onde o amor emana de uma forma etérea, fluidificando e contagiando
harmoniosamente.

A arte do corpo, com a terapia corporal, está para saúde vital como a natureza está para integração do homem e o yin-yang,
positivo-negativo, é a busca harmoniosa, é o resagate da inocência humana, deixando que uma força magnética seja despertada
e estimulada a promover a libertação dos hormônios, que dão coesão à vida, dando suporte à fisiologia e o equilíbrio de toda
função vital. O naturismo e a terapia corporal interagem perfeitamente, onde o toque corporal é feito sem malícia, com maestria
e sabedoria, com espiritualidade e amor.

O amor não tem sexualidade, é transcendental, transmuta o toque físico, indo além do conhecimento, enquanto o naturismo
também transcende o desejo físico,mas alcança mais sutis da força dinâmica, entrando no espaço, conectando o inconsciente
com o consciente, sem o ego exagerado e o preconceito, sem vaidades, ódios, somente com muito AMOR.

Por Edval – Massoterapeuta Holístico, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Compartilhar
Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/o-naturismo-e-a-terapia-
corporal/

Como ser naturista e não falhar na tentativa


22 Outubro 2017

É um modo de vida maravilhoso. É um presente. No entanto, para o naturista de primeira viagem, pode ser
complicado dar os primeiros passos. As dicas a seguir são do blog Asian American Naturist.

1- Uma das maiores dificuldades de um naturista iniciante é para que lado olhar? Na verdade, a maioria dos que iniciaram no
naturismo tende a olhar para o chão o tempo todo. Nosso conselho é olhar para o rosto. Faça contato com os olhos. As pessoas
conversam cara a cara, então manter uma conversa nua é basicamente o mesmo que ter uma com roupas. Seria bastante
estranho que alguém olhasse a virilha da pessoa com quem se conversa, com ou sem roupa.

2- Os naturistas entendem que a nudez não é de modo algum um convite à atividade sexual. Lembro-me de uma vez que estava
em um clube de nudismo onde vi um cara olhando para uma garota que tomava sol perto da piscina. Seu olhar era tão intenso
que parecia que raios laser lhe saíam dos olhos. Ele se aproximou dela cada vez mais, mas ela não o ignorou. Então eu relatei o
incidente, e quando eu falei com ela, ela me disse que não informou porque não queria que ele arruinasse seu dia. (Nota do
tradutor. Algo semelhante aconteceu na Praia Luna, onde dezenas de homens solteiros abordam as mulheres com desculpas tipo
chulas ” Ei você tem fogo?” Nossa recomendação, ao contrário do artigo é relatar as autoridades do local.

3- Se você for para qualquer clube ou praia naturista, investigue o local de antemão. Algumas praias podem ter um status legal
mas na realidade elas são ambíguas. (Nota do tradutor: no Chile, a única praia 100% naturista é a Playa Luna). Recomendamos
que você ligue antes de ir a algum clube naturista pois muitos rejeitam os homens desacompanhados por conta própria.

4- Seja amigável, mas não muito amigável. Seja sociável, mas aprenda a respeitar o espaço dos outros. Uma pessoa deitada em
uma cadeira de praia, com os olhos fechados, provavelmente não quer conversar. Nem é a idéia de ignorar todos e ir sozinho
para um lado da praia ou do clube. Um equilíbrio é o mais ideal.

5- Deixe o iPad, laptop ou celular em uma bolsa. A tecnologia tornou possível uma câmera em quase qualquer momento. As
fotos são totalmente proibidas a menos que você tenha o consentimento de todas as pessoas retratadas.

6- Sempre leve uma toalha. Na verdade, mais de uma. Uma para sentar e uma para secar.

7- Você precisa estar preparado. Bloqueador? Água? Cartão? Dinheiro? Óculos de sol?
8- Ereções. Muitas pessoas nunca tiveram problemas com isso. Na verdade, você provavelmente experimentará exatamente o
oposto. Você ficara muito nervoso para ter uma, mas se isso acontecer, não preste atenção. Enrole-se na sua canga ou deite de
bruços. Depois você vai se acostumar, não será uma preocupação numa próxima vez.

Via Playa Luna, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/como-ser-naturista-e-nao-falhar-na-tentativa/

Nada como o naturismo para “apagar” o complexo


adolescente
24 Maio 2016

A tradição naturista francesa está bem amadurecida.


Eles estão cada vez mais propensos a pisar em solo francês para saborear as alegrias do naturismo respeitoso e tolerante, mas
muitos jovens ainda são muito discretos em se desnudar. Eles ainda estão fazendo um balanço …

Uma geração envergonhada?

Se a prática do naturismo foi gradualmente democratizada depois de décadas de puritanismo, as gerações nascidas nos anos
1990 e 2000 tendem a se vestir. No entanto, o naturismo nunca excluiu os jovens, pelo contrário. Nu, as diferenças de idade,
riqueza e aparência vem moldando a personalidade dos adolescentes, muitas vezes desorientados. Nu, supõe-se que seja,
ignorar os complexos e outras imperfeições, que se tornam menores.

O naturismo impulsiona a confiança dos adolescentes.

Aproximar da mãe natureza , em grupos, para promover a auto-estima, o respeito pelos outros, mas também o respeito pelo
meio ambiente. Os fundamentos do naturismo não são facilmente assimilados pelos adolescentes. Na verdade, passado o tempo
da infância despreocupada, o jovem está sendo perturbado por alterações fisiológicas, e às vezes é terrivelmente complexado
com algumas imperfeições, eles tendem a exagerar. No entanto, essa é a essência do naturismo: aceitar seu corpo, recuperar a
confiança e aprender a relativizar.

A Associação de Jovens Naturistas da França (AJNF) busca constantemente promover este estilo de vida entre os jovens na faixa
dos 14-27 anos, organizando viagens temáticas, atividades culturais. “Tempos atrás seria impossível eu entrar numa piscina
sem usar uma roupa de banho, hoje dar um mergulho vestido como vim ao mundo me faz sentir bem melhor. O naturismo me
permitiu a confiar em mim, mudar a minha mentalidade “, diz Christopher, um membro da AJNF. O naturismo é remédio
milagroso contra as desordens dos adolescentes.

Via Leclapotis, editora N

Equipe OS NATURISTAS
Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/nada-como-o-naturismo-para-apagar-o-complexo-
adolescente1/

Saúde física e mental no naturismo


7 Janeiro 2017

A prática do naturismo proporciona várias experiências pessoais dificilmente relatadas por escrito.

Como para cada um existe uma forma de encarar o mundo, também no naturismo as pessoas vivenciam diferentemente cada
momento de vida proporcionado pela nudez social. O primeiro sentimento é o profundo sentido de liberdade em estar em
contato direto com a natureza, aguçando experiências como o inigualável prazer em sentir o vento batendo em todo o corpo e o
contato direto dos raios de sol.

A nudez acarreta autoestima corporal e psíquica, sendo uma terapia para a depressão e outros males da alma. A melhora pode
ser constatada no testemunho de frequentadores que mudaram sua vida com a partir da prática do naturismo. A segunda
particularidade é escancarar a vida para uma relação social mais fraterna, livrando-se de rótulos e armadilhas da sociedade
moderna que aprisionam a alma na hipocrisia dos homens.
Deixar sua patente, classe social ou título em casa ou no carro faz com que a vida seja mais leve e objetiva. A nudez proporciona
uma ação direta sobre a mente, resgatando valores adormecidos de igualdade perante cada ser vivo e sua relação com o
cosmos. A terceira constatação é física. A prática do naturismo revitaliza e aumenta a resistência do corpo a doenças.

A nudez induz a proteção de intempéries que o corpo havia já se desacostumado. Cobrir e abafar as partes íntimas é o principal
motivo causador de doenças na pele pela falta de exposição aos raios solares. Microorganismos proliferam rapidamente nos pés
e orgãos genitais causando doenças que se originam pela falta de oxigenação.

Assim como a exposição excessiva ao sol pode causar o câncer de pele, uma outra variedade da doença talvez mais
devastadora, se manifesta objetivamente pela falta de ação dos raios solares. Especialistas sempre alertaram as pessoas a se
proteger do sol para evitar o câncer de pele. Uma carta publicada pela revista científica British Medical Journal afirma que esse
conselho não deve ser levado ao extremo.

O professor Cedric Garland, da Universidade da Califórnia, afirma que a falta de sol reduz os níveis de vitamina D no organismo,
o que aumentaria os riscos de desenvolver câncer, entre eles, o de mama e o de próstata (fonte: “BBC on-line”).
Não há estatísticas, mas posso afirmar que a maioria da população brasileira é nudista pelo simples fato de as pessoas
cultivarem o hábito de estar parte do tempo nuas dentro de suas casas. É o que se constata conversando com simpatizantes do
naturismo que justificam assim sua opção. Explicando melhor: não é extremamente agradável depois de um dia de trabalho
exaustivo, tomar um banho e tirar a roupa em uma espécie de terapia de descanso e liberdade?

A diferença no naturismo é que fazemos isso socialmente com total respeito ao próximo e ao meio ambiente em paz e
fraternidade entre homens e mulheres vivendo nossa utopia possível, exatamente como viemos ao mundo e como também um
dia vamos deixá-lo.

Contribuição de: Laércio Júlio da Silva

Laércio Júlio da Silva é diretor da Federação Brasileira de Naturismo (FBrN) e presidente da Associação Goiana de Naturismo –
Goiasnat

“Não ande na minha frente, eu posso não te seguir. Não ande atrás de mim, pode ser que eu não te guie. Caminhe junto a mim
e seja meu amigo.” Albert Camus.

Via Gosto de Ler, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/saude-fisica-e-mental-no-
naturismo/

Dormir pelado te deixa mais rico, diminui estresse e faz


bem ao cérebro, diz estudos; veja
19 Setembro 2016

Pesquisas de grandes universidades chegam a conclusão que é importante dormir sem roupas.

Estudiosos afirmam que quem dorme pelado é mais saudável, mais rico e mais inteligente. Segundo eles, apesar de existiram
diversas estratégias por aí que instruam as pessoas a terem uma vida melhor, na verdade, a mais eficiente é dormir pelado por
um longo período de tempo.
A Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, explica que além de todos esses benefícios citados, quem dorme peladão
ainda consegue melhorar a qualidade do próprio sono e isso ajuda para que no dia seguinte a pessoa acorde consideravelmente
melhor e mais disposta para realizar as atividades do dia a dia.

Segundo o estudo, o cérebro passa a remover proteínas que são consideradas tóxicas – produzidas durante todo o dia – quando
a pessoa passa a ter um sono de qualidade. A ‘sujeira’ que é produzida pelos neurônios durante o dia precisa ser eliminada e,
para isso, somente um sono confortável e tranquilo consegue fazer.

Quando isso não acontece, as proteínas tóxicas permanecerão no cérebro e isso faz com que a pessoa não consiga processar
informações muito bem pela parte da manhã, além da criatividade é ser gradualmente perdida.

O estudo confirma que quem dorme sem roupa tem um sono de qualidade e isso contribui para que as pessoas amanheçam
mais inteligentes e saudáveis. Além disso, dormir peladão elimina o estresse, que aumenta o risco das pessoas terem doenças
vasculares, obesidade e depressão. Um bom descanso, sem roupa, contribui para evitar que isso aconteça. De acordo com um
estudo do U.S. National Institutes of Health, manter-se pelado durante o sono faz com que o metabolismo das pessoas seja
acelerado e o corpo passa a produzir gordura marrom – que queima gordura com mais rapidez, (300 vezes mais eficiente que
qualquer outra atividade do corpo).

Segundo um estudo realizado pela Universidade de Melbourne, na Austrália, quem dorme pelado é mais confiante. Essa
confiança gera sucesso no dia seguinte, além de fazer a pessoa se sentir bem e mais que dobrar o seu rendimento no que faz.
Ou seja, os peladões da cama são pessoas que já são ricas ou que tem grande propensão em se tornarem ricas, de acordo com
esse estudo. Pessoas confiantes são mais promovidas e ganham mais do que o que as outras ganham.

Via Blasting News, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/saude-e-bem-estar/sua-saude/dormir-pelado-te-deixa-mais-
rico-diminui-estresse-e-faz-bem-ao-cerebro-diz-estudos-veja1/

O naturismo
16 Novembro 2016

Há alguns anos atrás tive algumas experiências com a prática do naturismo, as quais gostaria de relatar aqui,
tecendo algumas reflexões a respeito.

Em 2002 conheci a Praia do Pinho, em Camboriú, Santa Catarina. Antes disso, eu havia somente caminhado por alguns
quilômetros, praia adentro, sem roupa alguma, em Trancoso, no sul da Bahia, um ano antes. Depois da experiência em
Trancoso, decidi que no ano seguinte eu iria à mais tradicional e antiga praia de naturismo do Brasil: a Praia do Pinho.

A preparação para este tipo de passeio e, desafio, costuma ser cercada de mitos, fantasias, ansiedade e curiosidade. Muita coisa
geralmente ocorre nos arredores de nosso corpo quando ele está nu na presença de outras pessoas. Principalmente se forem
várias outras pessoas. A nudez pública é um tabu. Nossos genitais são áreas sagradas, muito bem delimitadas e separadas do
resto de nosso corpo quando o assunto é privacidade. Áreas totalmente privadas, completamente fechadas ao público.
Impublicáveis, por definição. O que, por sua vez, não impede a prática de torná-las públicas. Sim, existe a publicidade da nudez.
Esta, contudo, está restrita a espaços também muito bem delimitados.
Resumindo: genitais não desfilam por aí, sua aparição não está banalizada. Um genital aparecendo é sempre motivo de
constrangimento e sinal de que algo muito sagrado socialmente foi violado. E o sujeito exposto é aquele que fica também
exposto socialmente: exposto a hostilidades e sanções. Ficar nu é ficar desprotegido. E isso, em público, somente a urgência
extrema ou o amor é que podem contornar.

Primeira coisa a fazer era planejar a viagem. Avaliar todas as possibilidades. Saber se de fato teríamos coragem de expor nossos
frágeis corpos ao olhar público. Comecei então a freqüentar na internet os sites referentes à prática do naturismo. Uma das
coisas que mais me tranqüilizavam era ler o código de ética da Federação Brasileira de Naturismo. Não me darei ao trabalho de
recortar o que minha memória pensa que leu por lá. Prefiro ficar com o auto-engano, se for o caso. Mas posso dizer que o tom
todo do que eu lia nesse código me trazia muita segurança. Percebi que o esforço todo dos naturistas é o da promoção da
aceitação de nossos corpos, com todas as suas possíveis “imperfeições” (entre aspas justamente pelo caráter valorativo do
termo).

Boa parte do empenho dos naturistas é o de, justamente, naturalizar a nudez em público. Torná-la o mais espontânea e natural
possível. E isso tudo feito também com a proposta de um código moral até bastante severo para com possíveis manifestações de
hostilidade (velada ou não) e não-aceitação dos corpos nus dos outros. Há uma promoção constante de comportamentos que
visem o não reparar nos corpos dos outros e não comentar pretensos “defeitos”. É uma escola constante de auto e hetero
aceitação daquilo que é fonte de muitos bloqueios e traumas, de muito sentimento de inferioridade, os quais acabam apartando
muitas pessoas de importantes convívios sociais e afetivos. E estes últimos, sabemos, costumam constituir boa parte de nosso
bem-estar psicológico, de nossa saúde.

Conforme fui lendo a respeito do que era o naturismo, mais adquiria confiança para poder cometer a “loucura” de ser exposto,
de se deixar mostrar, em toda a vulnerabilidade. Mas é, mesmo assim, sempre interessante relatar as sensações das primeiras
experiências. Não sei se esta recomendação ainda permanece, mas àquela época o incentivo era o do naturismo em família
tradicional. Ou seja: casais, com ou sem filhos. Homens desacompanhados não eram permitidos. Fui com minha companheira da
época. Ficaríamos cinco dias em uma pousada, dentro da praia. Cinco dias sem ver roupa.

Chegamos à recepção, pegamos as chaves e, ainda vestidos, subimos para o quarto. No caminho, claro, cruzamos com algumas
pessoas nuas. Entramos no quarto e guardamos nossas malas. O próximo passo era um pouco mais difícil. Queríamos respeitar
as regras do local e pensamos: agora não podemos mais descer vestidos. Era isso o que parecia, pois no caminho havíamos
cruzado somente com pessoas nuas. Não queríamos desrespeitá-las. Então nos despimos totalmente, respiramos fundo, abrimos
a porta e descemos.

Nunca saltei de paraquedas, mas a sensação era a de bastante falta de algo, de onde se segurar, de referências, de anteparos
que nos separássemos do mundo. A primeira sensação foi a de “queda livre”. “Orbitei” – sim, pois toda queda livre é, de certo
modo, uma forma de entrar em órbita. O restaurante estava a uns 70 metros. Fomos caminhando, devagar, sentindo o vento e a
presença das pessoas em nossas entranhas. O mundo me invadia pela pele, totalmente exposta. Menos separação entre eu e
mundo. Menos barreiras de contato, logo maior o risco e inevitável a emoção do momento. Nesta pequena caminhada, cruzando
com várias outras pessoas nuas, desfrutei, senti prazer. Era uma pequena aventura da qual me sentia capaz sem entrar em
desespero. Mas eu me sentia também muito branco, sem cor impressa na pele, apesar de não ser o caso. Era um neófito do
naturismo, saindo de sua casca do ovo. Um filhote totalmente frágil desta prática.

A chegada ao restaurante, contudo, foi meio frustrante e constrangedora. Um garçon alto, com cara de canastrão, e totalmente
vestido, veio nos atender. Não sabíamos onde enfiar nossos branquelos órgãos genitais. Sentamos, e assim pudemos nos
proteger melhor. Logo veio nossa refeição. Comemos, bebemos e observamos o que podíamos em volta: as pessoas no bar (a
maioria totalmente nua) e a praia, pela janela, já em final de tarde. O clima era agradável, a sensação era de paz. A praia
estava muito bonita com o sol já pedindo para se por ali por volta das cinco horas da tarde.
Descemos à praia e ali tudo já correu muito naturalmente. Estávamos totalmente nus, abraçados pela beleza do mar, do vento e
da tranqüilidade das outras pessoas que também estavam nuas. Minha sensação era a de que eu havia chegado ao cume de
uma montanha mágica. Aquilo era outro mundo, habitado por outros seres. A escalada havia valido a pena. Muita paz reinava
em torno da minha nudez. Todos nus na companhia uns dos outros, e sem medo de ser hostilizado ou diminuído, faz parecer
mesmo que estamos em outro mundo. É uma espécie de estado alterado de consciência, já que o mundo parece ter sido virado
de cabeça pra baixo ou posto pelo avesso. A nudez é o avesso da indumentária.

Os corpos, em sua maioria, eram repletos de normalidade, ou seja, de “imperfeições”, de desenhos, texturas, cores, volumes e
proporções, os quais não cumpriam os ideais de beleza propagados pelos meios de comunicação de massa e a moda. A minha
sensação era a de que tantos corpos e genitálias nus produziam um mar vivo de peles aos olhos. Tudo muito mais vivo,
vulnerável, animal. O corpo humano nu: retrato da fragilidade. A história de nossa espécie está inevitavelmente ligada às
roupas. Elas surgem junto com a humanidade. Não possuem somente a função de resguardo moral. Também protegem
fisicamente. Os órgãos sexuais humanos são muito expostos e frágeis. Roupas funcionam como proteção.

E se as roupas surgem juntamente com a humanidade, penso que o mais natural não é ficar nu. Pelo contrário, o mais natural é
ficar vestido. Não há nada mais artificial do que ficar pelado, do que reunir pessoas para ficarem juntas e nuas. Porém, o que é
ou não natural, é o que menos importa diante dos benefícios pessoais que tive ao fazer naturismo. Gostei e muito. E o que mais
gostei foi de como me senti tranqüilo com meu corpo, com a minha nudez e das outros. Dividir fragilidades e imperfeições,
aceitá-las, em si e nos outros, é uma experiência terapêutica, de libertação, de cultivo de auto-estima. Há muito respeito em
campos naturistas, por si e pelos outros. A nudez humana é fragilizante. Isso naturalmente impõe o respeito.

Os corpos são diferentes, mas a minha impressão é de que, nus, esta diferença fica menos ressaltada. Veja por exemplo o caso
dos biquinis. Seu corte, de modo geral, ressalta os glúteos. A totalidade corporal se perde no assombro dessa faixa pequena,
dessa parte, sobre a qual impera uma guerra sem fim. Segundo as leis da Psicologia da Gestalt, podemos dizer que a visão de
corpos nus impõe uma outra percepção, a de uma totalidade do seguimento da pele, a qual ultrapassa a moldura de biquinis,
maiôs e calções de banho. Estes últimos impõem uma óptica do detalhe filtrado culturalmente. O nudismo, por sua vez, impõe a
óptica da totalidade e da expressão surpreendente e animalesca das genitálias. Sim, sua exposição bota por terra os padrões
que antes eram tão cultuados. Um glúteo perfeito pode deixar de ter expressão ou sentido diante da exposição abrupta de uma
vulva ou mamilos e seios inesperados.

E os naturistas, obviamente, também têm seus tabus. A maioria jamais reconhecerá que a excitação sexual existe e
desempenha papel relevante em sua prática. Lembro de algumas conversas que tive com alguns deles. Muitos diziam que
praticavam o naturismo em função da sensação de liberdade (geralmente liberdade física) de estar mais leve sem roupas, pois
elas não seriam naturais, já que “ninguém nasceu vestido”e, portanto, não seriam saudáveis. Alguns chegavam inclusive a
argumentar, por exemplo, que roupas prendiam a circulação sanguínea.

Eu não deixava de perguntar: “O fato de estar sem roupa em meio a tantas pessoas sem roupa não lhe desperta qualquer tipo
de excitação sexual? Ver pessoas sem roupa, e muitas, possuidoras de atrativos sexuais, também não é prazeroso?”. A maioria
das respostas era negativa. Gostavam de ressaltar que este componente praticamente inexistia. Salientavam a liberdade e o
prazer de sentir a água do mar, o sol e o vento no corpo todo. Não tenho dúvidas, isso também pode ser muito prazeroso. Mas
aí me surgia uma outra pergunta: “Então por que não fazer isso somente em meio a pessoas íntimas ou em uma praia deserta,
por exemplo? Se você fosse cego, viria aqui expor-se nu em meio a estranhos? Não há prazer em ver e mostrar os genitais
publicamente? E este prazer, o qual vocês relatam, não possui qualquer componente sexual?”. Alguns sofisticavam sua
argumentação, outros nem disso eram capazes. Os primeiros iam além: “Há uma sensação muito grande de liberdade, de
natureza, e por que não dividir isso com outras pessoas, mesmo desconhecidas, que se sentem da mesma forma?”.

E aí reside uma concepção muito comum ao senso comum: a de que a natureza é sempre boa, suave e saudável. Havia algumas
pessoas que portavam uma pulseira, promocional da praia, na qual era bem legível: 100% natural. Mas se fosse tudo natural,
não haveria problema algum com ereções explícitas, masturbações, ou seja, qualquer ato sexual ostensivo e público, além das
atividades fisiológicas que devem ser feitas junto ao vaso sanitário. O ideal romântico de recuperar nosso estado de natureza
perdido, se levado à sério, implica em significativas dificuldades sociais. Mas isso é como o senso comum se expressa: de modo
geralmente confuso e equivocado. Assim acaba se falando muita coisa contraditória e, no final das contas, sem sentido; ou
somente com o sentido que serve a determinados interesses, os quais menos prezam pela verdade do que pela preservação de
seus domínios de ação e poder.

Mas quero encerrar este artigo, ressaltando o que percebi de saudável na prática naturista. Uma prática em que, dentro dos
limites os quais pude vivenciar, as pessoas são amiúde levadas a exercitar o respeito, a delicadeza, a tolerância com diferenças
corporais, podendo aceitar e acolher uma dimensão tão repleta de traumas: a da nossa imagem corporal. Esta que, muitas
vezes, gera diversas representações importantes para nossa própria auto-imagem. Finalizo, deixando bem claro que o naturismo
foi uma experiência da qual não me esqueço e que me fez muito bem. Recomendo a todos que tenham curiosidade ou desejo de
praticá-lo.

Por Adriano Facioli, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/o-naturismo1/

Fotógrafa encoraja pessoas a amarem seus corpos com


a ajuda do naturismo
13 Novembro 2017

“Eu queria fotografar uma comunidade que representasse a igualdade da imagem corporal, aparência, sexualidade
e gênero”, conta a fotógrafa. “O naturismo foi perfeito para isso”.
Segundo Amelia, sua primeira incursão no naturismo foi assistir a um dia de roupa opcional em um clube no Reino Unido. Ela
conheceu uma família que a convidou para um piquenique em que todos estavam nus, antes de ser apresentada para a
comunidade em geral.

“Foi uma experiência bastante assustadora, e tudo se acumula na sua cabeça, mas é como se fosse tirar um curativo: uma vez
que as roupas estão fora, você é livre. É realmente muito divertido, refrescante e libertador”, diz a fotógrafa.

Embora Amelia seja conhecida principalmente por seu trabalho com moda –já fotografou para a Vogue, Tatler e Vanity Fair–, ela
diz que este seu último trabalho lançado lhe permite explorar um lado diferente do corpo humano.

A fotógrafa Amelia Allen afirma que seu novo livro, “Naked Britain” (“Grâ-Bretanha Nua”, em tradução livre), é uma exploração
comemorativa do corpo humano, com foco no movimento crescente do naturismo no Reino Unido.
“Passei a maior parte da minha carreira fotografando modelos convencionalmente bonitos e esteticamente agradáveis ??que
costumam exibir roupas”, explicou a fotógrafa ao site Refinery29.

Exatamente por isso, segundo Amelia, que ela foi atraída pelo naturismo: queria desanexar seu trabalho dos ideais corporais e
estéticos, e focar nos direitos das mulheres e na liberdade que vem com a aceitação de do corpo exatamente do jeito que ele é.

Via Refinery29, editora N

Equipe OS NATURISTAS

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/fotografa-encoraja-pessoas-a-amarem-seus-corpos-
com-a-ajuda-do-naturismo/

Naturismo no território das emoções


5 Agosto 2015

Após o II ENNN Encontro Norte Nordeste de Naturismo que durou quatro dias, tendo como lema “Espiritualidade,
Solidariedade e Compromisso”; e em torno disso muitas atividades que considero importantes de serem
mencionadas nesse texto.
Necessário esclarecer que “Espiritualidade” não tem nada a ver com religião, crenças, Deus, Santos ou Profetas. Espiritualidade é
um caso de amor maior do indivíduo em relação ao cosmos. Você toca na folha estará ao mesmo tempo tocando nas estrelas, é
a universalidade sem fragmentos, é sentir o pulsar da vida em todas as direções, não há norte nem sul, não há fronteiras. No dia
em que a espiritualidade tocar o homem não poderão existir guerras, violência, afrontas, porque o outro será um espelho que
reflete ele mesmo.

Diariamente tínhamos um momento para reflexão dos elementos da natureza, fogo, terra, água e ar. No primeiro dia, uma
fogueira foi acesa e a Rayssa fez abertura do evento de forma brilhante, louvando o “fogo” que em nosso corpo representa o
coração, símbolo da paixão, do amor e da energia que nos faz movimentar. Todos os participantes mentalizaram o que deveria
colocar para o universo, seus pedidos, anseios, desejos e provavelmente orações. Mas tudo de forma silenciosa em respeito às
crenças individuais, que é um dos preceitos do Naturismo.
No segundo dia “a terra” com representação artística do amigo Jorge Bandeira, que deitou o seu corpo na terra molhada pelas
chuvas que não dava trégua, mas foi bom que tenha sido assim em reconhecimento da nossa adaptação à natureza, não ao
contrário. Antes da sua exposição, Jorge pede que tenhamos em mente as crianças ali presentes e o amigo Miguel que luta
contra o câncer e sempre esteve em defesa do Naturismo na praia de Massarandupió. Deita numa posição fetal e os
participantes colocam um punhado de terra sobre o seu corpo, e nada mais foi dito. Percebem a significância? É o encontro da
vida e da morte, é a vida se manifestando da terra, vivida por uma criança que hoje luta e o seu final, coberta de onde surgiu. É
o encontro dos opostos, é a vida que morre ou surge? É seu início ou fim? É a igualdade de todos os seres que vivem, é o direito
de viver com dignidade. Não contive tamanha emoção e meus olhos lacrimejaram.

No terceiro dia, “a água” foi o terceiro elemento, exaltada a sua importância para a manifestação da vida, circulante em todo
nosso organismo, além de nascermos por meio desse elemento. Todos passaram por uma fonte de água e ali se banharam. À
noite foi o lançamento do livro “Naturismo – Um Corpo Não Fragmentado” em que tive a oportunidade de realizar uma breve
apresentação, sem muita delonga por ver o cansaço de muitos que já tinham ido à praia, passado o dia em reuniões. Percebi a
inconveniência de realizar uma palestra com muitos detalhes.
O ponto alto do evento mais uma vez partiu da encenação do Jorge Bandeira de um texto escrito por Plínio Marcos (1935-1999),
mostrando o índio transformado num mendigo, sem vida em seu olhar, sem alma e esperança. Culpa de quem? Dos que os
tiraram das suas terras, mas também dos que calaram por medo, dos que nada fizeram para impedir a ganância, dos nossos
antepassados e de cada um de nós que ficamos sentados, acomodados vendo passivamente o extermínio do homem nu, tirado à
força de seu habitat, da terra e do seu lar. Culpa de quem? Mais uma vez pergunto. Por incrível que pareça encontro um dedo
apontado em minha própria direção. Isso é consciência, Naturismo e Natureza andam de mãos dadas e antes de tudo, é um
compromisso com a vida. (Edson Medeiros).

No quarto dia, encerramento com reverência ao “Ar”. A respiração, o reconhecimento que o corpo tem a sua própria sabedoria, o
ar inspirado tem que ser solto, ninguém poderá reter como se um objeto fosse porque se for retido cessa a vida, tem que ser
equilibrado, nem mais nem menos. Lembra-nos que a vida é uma fluidez e não estática, um constante dar e receber, que não
somos donos de coisa alguma, só estamos usufruindo. Naturalmente surge a “gratidão”, que não é uma atitude e sim um
sentimento. Não é que se tenha que agradecer a alguém, é andar no peito com a gratidão por todas as coisas e por todos que
encontramos nessa passagem pela vida afora.

Algumas pessoas chegaram quando estávamos finalizando essa atividade ainda perguntaram: “Perdi alguma coisa?”

Sim, perdeu tudo, quem não participou perdeu muito.

Obrigado, as lições foram muitas. Aprendi que o Naturismo é também território das emoções.

Por Evandro Telles , Editora N

Fonte: http://osnaturistas.com/noticias/naturismo-no-territorio-das-emocoes1/