Você está na página 1de 29

Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B.

do Nascimento
Capítulo 4
Flexão Pura

Flexão pura: Barras prismáticos


submetido à ação de dois conjugados
iguais e de sentido contrário, que atuam
em um mesmo plano longitudinal.

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-1


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Outros tipos de carregamentos
• Carregamento excêntrico:
carregamento axial o qual não passa
através da centróide produz forças
internas equivalente a uma força axial
e um momento.

• Carregamento transversal: Cargas


concentrada e transversal produz
forças internas equivalente a força de
cisalhamento e momento.

• Princípio de superposição: A tensão


normal devido a flexão pura pode ser
combinada com a tensão normal devido
ao carregamento axial e tensão de
cisalhamento, devido ao carregamento de
cisalhamento, para encontrar o estado
completo de tensão.

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-2


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Flexão pura de barra prismática
• Forças internas em uma seção transversal são
equivalente ao conjugado. O momento do
conjugado é o momento de flexão.

• Da estática, um conjugado M consiste de duas


forças iguais e opostas.
• A soma dos componentes de forças sobre um plano
é zero.

• O momento é a soma do conjugado sobre um eixo


perpendicular e zero sobre o eixo que estar o
plano.
• A soma das componentes e dos momentos dos
esforços elementares deve ser igual à soma das
componentes e dos momentos do conjugado M.
Fx = ∫ σ x dA = 0
M y = ∫ zσ x dA = 0
M z = ∫ − yσ x dA = M

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-3


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Deformação na flexão pura
Vigas com um plano de simetria em flexão pura:

• Membros com linhas de simetria

• Flexão uniformemente para a forma de um arco


circular

• O plano da seção transversal passa através do


centro do arco e no plano

• O comprimento do topo decresce e o da base


aumenta
• A superfície neutra existe e é paralela a superfície
superior e inferior e, e seu comprimento não se
altera

• As tensões e deformações são negativas (na


compressão) acima da linha neutra e positiva a
baixo (tração)
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-4
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Considerar um segmento de viga de comprimento L


Após a deformação, o comprimento da linha neutra
permanece L. As outras seções,

L′ = (ρ − y )θ
δ = L´− L = (ρ − y )θ − ρθ = − yθ
δ yθ y
εx = =− =− (strain varies linearly)
L ρθ ρ
c c
εm = or ρ=
ρ εm
y
εx = − εm
c

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-5


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

• Para material elástico


y
σ x = Eε x = − Eε m
c
y
= − σ m (stress varies linearly)
c

• Equilíbrio estático
• Do equilíbrio estático
y ⎛ y ⎞
Fx = 0 = ∫ σ x dA = ∫ − σ m dA M = ∫ − yσ x dA = ∫ − y⎜ − σ m ⎟ dA
c ⎝ c ⎠
σ σ σ I
0 = − m ∫ y dA M = m ∫ y 2 dA = m
c c c
• Primeiro, o momento em relação a Mc M
σm = =
linha neutra é zero. Portanto, a linha I S
neutra passa através da centróide. y
Substituting σ x = − σ m
c
My
σx = −
I
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-6
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Propriedades das seções de vigas
• Tensão normal máxima devido ao carregamento,
Mc M
σm = =
I W
I = momento de inércia da seção
I
W= = módulo resistente
c
Uma viga com momerto de inércia da seção
maior terá menor tensão
• Considerar uma viga com seção retangular,

I 121 bh 3 1 3 1
W= = = 6 bh = 6 Ah
c h2
Entre duas vigas com mesma área de seção
transversal, a viga com maior profundidade
terá maior resistência.

• Vigas metálicas são projetadas com grande


módulo resistente.
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-7
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-8


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Deformação em uma seção transversal
• Deformação devido ao momento M é quantificado
pela a curva da superfície neutra
1 ε σ 1 Mc
= m = m =
ρ c Ec Ec I
M
=
EI

• Através da seção transversal que permanecem


planas quando submetida ao momento fletor, as
deformações no plano não são nulos
νy νy
ε y = −νε x = ε z = −νε x =
ρ ρ

• A expansão acima da superfície neutra e


contração abaixo causa no plano de curvatura

1 ν
= = curvatura inelástica
ρ′ ρ
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-9
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Problema resolvido 4.2
SOLUÇÃO:
• Baseado na seção transversal, ,calcula-
se a localização da centróide e o
momento de inércia

Y =
∑ yA
∑A
(
I x′ = ∑ I + A d 2 )
• Aplica-se a fórmula de flexão elástica
para encontrar as tensões máximas de
tração e compressão,
Uma peça de máquina de ferro fundido Mc
fica submetida à ação do conjugado M σm =
I
de 3 kN.m. Sabendo-se que E=165GPa
e desprezando o efeito da curvatura • Cálculo da curvatura
das arestas do perfil, determinar: a) as
máximas tensões de tração e 1 M
=
compressão no perfil; b) o raio de ρ EI
curvatura da peça fletida.
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-10
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

SOLUÇÃO:
Com base na seção transversal calcula-se ao
centróide e momento de inércia

Area, mm 2 y , mm yA, mm3


1 20 × 90 = 1800 50 90 ×103
2 40 × 30 = 1200 20 24 ×103
3
∑ A = 3000 ∑ yA = 114 × 10

3
∑ yA 114 ×10
Y = = = 38 mm
∑A 3000

( ) (
I x′ = ∑ I + A d 2 = ∑ 12
1 bh3 + A d 2 )
( )(
1 90 × 203 + 1800 × 12 2 + 1 30 × 403 + 1200 × 182
= 12 12
)
I = 868 × 103 mm = 868 × 10-9 m 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-11


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
• Aplica-se a fórmula de flexão elástica
para encontrar as tensões máximas de
tração e compressão,

Mc
σm =
I
M c A 3 kN ⋅ m × 0.022 m σ A = +76.0 MPa
σA = =
I 868 × 10−9 mm 4
M cB 3 kN ⋅ m × 0.038 m
σB = − =− σ B = −131.3 MPa
I 868 × 10−9 mm 4

• Cálculo de curvatura
1 M
=
ρ EI
3 kN ⋅ m 1
= 20.95 × 10−3 m -1
(165 GPa )(868 ×10-9 m 4 )
=
ρ
ρ = 47.7 m

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-12


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Flexão de barras constituídas por vários materiais
• Considerando uma viga formada por
dois materiais E1 e E2 (compósito)
• A tensão normal varia linermente
y
εx = −
ρ
• Sabe-se que a variação da tensão nornal
é linear. E1 y E2 y
σ 1 = E1ε x = − σ 2 = E2ε x = −
ρ ρ
O eixo neutro não passa através da
centróide da seção da seção do centróide

• Forças elementares na seção são:


Ey E y
dF1 = σ 1dA = − 1 dA dF2 = σ 2 dA = − 2 dA
ρ ρ
My
σx = − • Define um transformada da seção
I
σ1 = σ x σ 2 = nσ x dF2 = −
(nE1 ) y dA = − E1 y (n dA) E
n= 2
ρ ρ E1

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-13


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Exemplo 4.2
SOLUTION:
• Transformar a barra numa seção
equivalente feita de latão

• Avaliar as propriedades da seção


transversal da seção transformada

• Calcular a tensão máxima da seção


transformada. Esta é a máxima tensão da
peça de latão da barra.

Bar is made from bonded pieces of • Determinar a máxima tensão na porção


steel (Es = 29x106 psi) and brass de aço da barra pela multiplicação da
(Eb = 15x106 psi). Determine the tensão máxima da seção trransformada
maximum stress in the steel and pelo o raio e o módulo de elasticidade.
brass when a moment of 40 kip*in
is applied.
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-14
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

SOLUTION:
• Transformar a barra em uma seção equivalente
feita inteiramente de lãtão.
Es 29 ×106 psi
n= = = 1.933
Eb 15 ×106 psi
bT = 0.4 in + 1.933 × 0.75 in + 0.4 in = 2.25 in

• Avaliar as propriedade da seção transformada


1 b h3 = 1 (2.25 in.)(3 in )3
I = 12 T 12
= 5.063 in 4

• Calcular as tensões máximas


Mc (40 kip ⋅ in )(1.5 in )
σm = = = 11.85 ksi
I 5.063 in 4

(σ b )max = σ m (σ b )max = 11.85 ksi


(σ s )max = nσ m = 1.933 ×11.85 ksi (σ s )max = 22.9 ksi

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-15


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4
Vigas de concreto armado
• Concrete beams subjected to bending moments are
reinforced by steel rods.
• The steel rods carry the entire tensile load below
the neutral surface. The upper part of the
concrete beam carries the compressive load.
• In the transformed section, the cross sectional area
of the steel, As, is replaced by the equivalent area
nAs where n = Es/Ec.
• To determine the location of the neutral axis,
(bx ) x − n As (d − x ) = 0
2
1 b x2 + n As x − n As d = 0
2

• The normal stress in the concrete and steel


My
σx = −
I
σc = σ x σ s = nσ x
Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-16
Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-17


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-18


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-19


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-20


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-21


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-22


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-23


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-24


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-25


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-26


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-27


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-28


Resistências dos Materiais Prof. José Wallace B. do Nascimento
Capítulo 4

Universidade Federal de Campina Grande/ Departamento de Engenharia Agrícola 4-29