Você está na página 1de 13

ISSN 1413-389X Temas em Psicologia - 2010, Vol.

18, no 1, 57 – 69

Intervenções para a prevenção e redução de


comportamentos agressivos e a formação
de professores
Luciana Luizzi
Associação de Escolas Reunidas, Rio Claro

Tânia Maria Santana de Rose


Universidade Federal de São Carlos

Resumo
O estudo visou delinear metas norteadoras e habilidades a serem desenvolvidas na formação de
professores do Ensino Fundamental, tendo em vista a prevenção de comportamentos agressivos,
com base no alcance dos seguintes objetivos: analisar subsídios derivados de estudos sobre
intervenções cujos resultados se mostram positivos no sentido de contribuírem para a redução
da agressividade entre alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; propor
possibilidades de atuação dos professores e das habilidades requeridas. A análise envolveu a
identificação das características relativas às modalidades de prevenção, os objetivos, o
referencial teórico, estratégias e o impacto de cinco intervenções efetivas. Os resultados
indicaram a importância de os professores estarem capacitados para conduzir intervenções
universais e seletivas, com finalidades de prevenções primária e secundária, focalizadas no
fortalecimento da competência social dos alunos, habilidades de resolução de problemas
interpessoais, de manejo das emoções e autocontrole.
Palavras-chave: Violência na Escola, Problemas de Comportamento, Formação de
Professores, Habilidades Sociais, Manejo do Comportamento.

Interventions for preventing and reducing aggressive behavior


as part of teacher training

Abstract
This study seeks to outline guiding goals along with skills that should be developed in the
training of Elementary School teachers of the first cycle (1st to 4th grade), intending to prevent
and reduce aggressive behavior in schools. The first aim involved collecting and analyzing
information and data from studies derived from interventions with positive results in terms of
contributing to a reduction of aggressive behavior among Kindergarten and Elementary School
students. The second aim involved providing a set of suggestions for teachers to work on, and
skills that they should acquire. The analysis consisted of the identification of characteristics
related to types of prevention, general and specific aims, theoretical basis, teaching goals and
strategies, as well as the results of five programs that were considered effective. In terms of
violence reduction, the results of this analysis pointed out the importance of teachers being
empowered so that they can: carry out both universal and selective interventions, intended for
primary and secondary prevention, focused on enhancing the students’ social competence;
providing students with skills to solve interpersonal problems, and to deal and control their
emotions; and make adequate use of techniques of behavior management.
Keywords: School Violence, Behavior Problems, Teacher Training, Social Skills, Behavior
Management.

________________________________________
Endereço para correspondência: Departamento de Psicologia da UFSCar, Rodovia Washington Luís, km 235,
CEP: 13565-905 – São Carlos, SP. E-mail: Luciana luluizzi@yahoo.com.br, Tânia Maria
tmsrose@terra.com.br
58 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

Nos últimos anos, as escolas têm se convergentes sugere que os fatores de risco
mostrado cada vez mais preocupadas com associados à apresentação de
relação aos problemas de comportamento comportamentos agressivos podem ser
apresentados por alunos de diferentes faixas identificados com acurácia nos anos pré-
etárias. As principais queixas dos escolares e no início do primeiro ciclo do
professores referem-se ao aumento de Ensino Fundamental. Considera-se que
comportamentos antissociais, agressividade, certas características temperamentais da
atitudes desafiadoras e de enfrentamento, criança (impulsividade, irritabilidade, falta
desobediência, pouca concentração e de atenção) combinadas com estressores
engajamento em tarefas, hiperatividade e familiares e da comunidade (pobreza,
ausência de autorregulação por parte dos conflitos entre os pais e estilos parentais que
alunos. Ao mesmo tempo, professores reforçam a não obediência) favorecem que
relatam dificuldades para lidar de forma as crianças apoiem-se em comportamentos
efetiva com os alunos que apresentam esses agressivos para obter o que desejam.
problemas (Del Prette & Del Prette, 2001; Verifica-se que as práticas de socialização
Gomide, 2001; 2003; López, 2004; Marinho, das famílias de crianças com alto risco para
2003). apresentarem comportamentos agressivos
No presente estudo, pretendeu-se são caracterizadas por interações coercitivas
delinear uma proposta para a formação de e por um suporte parental inadequado para o
professores do primeiro ciclo do Ensino desenvolvimento de habilidades cognitivas,
Fundamental, pautada na identificação de sociais e da capacidade de regulação
possibilidades de atuação dos professores emocional das crianças. Além de as crianças
voltadas para a prevenção e remediação de de alto risco terem maior probabilidade de
comportamentos agressivos no contexto iniciar trajetória acadêmica com pobre
escolar. Procurou-se garantir que a proposta preparo para o envolvimento em tarefas
contivesse elementos que possibilitassem cognitivas, sociais e emocionais requeridas
uma intervenção do professor apoiada em no contexto escolar, uma parcela
sólida fundamentação teórica e prática e que significativa frequenta escolas com alta
fosse eficaz para reduzir a agressividade densidade de alunos não preparados para
entre crianças de alto risco na fase inicial da atender as exigências da fase inicial do
escolarização, para desviá-las de uma processo de escolarização, o que implica um
trajetória de comportamentos violentos e maior grau de dificuldade para que um
antissociais, bem como para melhorar o ensino efetivo seja garantido, e uma maior
ajustamento social e acadêmico.
probabilidade de essas crianças serem
A ênfase na prevenção da violência rejeitadas pelos colegas e de receberem
entre crianças que se encontram na primeira menos apoio dos professores (Coie &
e segunda infâncias apoia-se em Dodge, 1997; Patterson et al., 1989; Walker,
recomendações derivadas de estudos sobre o Colvin, & Ramsey, 1995).
desenvolvimento da agressão, entendido
como resultante da interação de múltiplas A segunda recomendação ressalta que
influências. A primeira recomendação as intervenções sejam dirigidas para a
refere-se à importância da identificação, o prevenção de comportamentos agressivos e
mais cedo possível, de crianças na primeira de uma trajetória de violência e delinquência
infância que apresentam alta frequência de e que sejam implementadas já no período da
problemas de comportamento antissocial e Educação Infantil e do primeiro ciclo do
violento. A literatura aponta que, quanto Ensino Fundamental.
mais cedo as crianças começam a exibir Há um consenso entre os estudiosos e
comportamentos agressivos, maior a profissionais da educação de que
probabilidade de que continuem intervenções preventivas junto a crianças na
apresentando tais problemas na segunda primeira e segunda infâncias têm maiores
infância, na adolescência e na idade adulta chances de ser bem-sucedidas do que as
(Coie & Dodge, 1997; Patterson, intervenções que ocorrem no período da pré-
DeBaryshe, & Ramsey, 1989; Tremblay, adolescência e adolescência (Newcombe,
2000). Um conjunto de evidências 1999; Peterson, 1995).
Prevenção de comportamentos agressivos 59

Os especialistas concordam que a consequências negativas para a própria


identificação de crianças de risco e criança, sua família e amigos, bem como
programas de intervenção realizados antes para os professores, para o processo de
que a criança atinja os 10 anos de idade têm ensino e para a sociedade em geral (Walker
uma maior probabilidade de prevenir a & Sprague, 1999).
delinquência posterior. Consideram que, se o Os problemas de comportamento
problema de comportamento agressivo não é agressivo entre os alunos, além de
remediado até esse período da infância, ele consistirem nas principais queixas escolares,
torna-se mais resistente a tratamentos, visto absorvem muito da atenção e do esforço dos
que, com o decorrer do tempo, a criança professores (Hunter, 2003). Nas salas de
passa a envolver-se em uma estrutura aula, as estratégias disciplinares dirigidas
antissocial mais ampla (Mayer, 1995; para alunos agressivos têm sido ineficazes
Patterson, Reid, & Dishion, 2002). (Walker & Gresham, 1997), pois tendem a
Ao ingressarem na escola, as crianças enfatizar o manejo do comportamento do
que já se comportam agressivamente em aluno baseado em medidas punitivas. Em
relação a pais e familiares, em geral, geral, verifica-se que tais medidas são
continuam se comportando de maneira similares àquelas que favorecem o
semelhante nas relações com seus colegas e comportamento agressivo em casa, como o
professores. Nesse ambiente, elas uso quase exclusivo de práticas punitivas ou
apresentam de forma consistente e intensa coercitivas e o estabelecimento de regras e
condutas agressivas e violentas, de consequências inconsistentes para esse
manifestações de raiva, irritabilidade, tipo de comportamento (Mayer, 1995; Schiff
comportamentos desafiadores, birras, & BarGil, 2004).
insultos e recusa à obediência, representando Na literatura internacional, vêm sendo
uma ameaça para os seus colegas e destacadas as investigações sobre programas
professores e para si próprias. Além disso, de intervenção eficazes, apoiados na atuação
elas têm maiores chances de não ser bem- do professor e norteados por diferentes
sucedidas no cumprimento das exigências níveis de prevenção de comportamento
escolares, que incluem: tornar-se membro agressivo entre os escolares. Os resultados
aceito pelo grupo de pares, cooperar com revelam que vêm sendo verificados os
figuras de autoridade, seguir regras e rotina efeitos de intervenções voltadas para
da sala de aula, engajar-se nas atividades de prevenção primária de caráter universal e
aprendizado e desenvolver habilidades destinadas a todos os alunos de uma
acadêmicas no ambiente escolar (Walker, determinada turma ou escola; efeitos de
1998). intervenções seletivas norteadas pela
A literatura fornece evidências da prevenção secundária e dirigidas aos alunos
relação positiva entre a agressividade com alto risco de envolvimento em
apresentada por crianças pré-escolares e os comportamentos agressivos; e de
problemas de conduta e de ajustamento intervenções indicadas associadas à
social posterior, incluindo a delinquência e prevenção terciária e destinadas a alunos que
atos de violência na adolescência e idade apresentam sérias dificuldades devido ao
adulta. Crianças que demonstram intenso envolvimento com comportamentos
comportamento agressivo com alta agressivos (Schiff & BarGil, 2004).
frequência e intensidade também apresentam Em uma revisão recente de estudos
um alto risco de ter dificuldades escolares. nacionais sobre intervenções realizadas no
Elas frequentemente são rejeitadas pelos contexto escolar voltadas para a diminuição
pares, alcançam desempenhos acadêmicos da violência escolar, foi revelado serem
insatisfatórios e possuem mais chances de raros os trabalhos conduzidos por
abandono escolar e de ser encaminhadas professores dirigidos para a prevenção de
para serviços de educação especial (Coie & comportamentos agressivos na fase inicial
Dodge, 1997; Patterson et al., 1989; Walker da escolarização. Em geral, os estudos
et al., 1995). As manifestações de nacionais têm abordado as medidas
comportamentos agressivos trazem necessárias para um trabalho junto a
60 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

adolescentes com problemas de agressivos entre crianças na primeira e


comportamento (Ormeño & Williams, segunda infância.
2006). Nessa busca inicial foi encontrado o
Considerando-se que os estudos artigo de revisão de Leff, Power, Manz,
internacionais podem oferecer subsídios Costigan e Nabors (2001). O objetivo desse
relevantes para a identificação de estudo foi avaliar criticamente os programas
habilidades dos professores, necessárias para de intervenção que visassem prevenir e/ou
a condução de intervenções que visem reduzir a agressão de alunos no contexto
auxiliá-los a prevenir a escalada de escolar. Devido à sólida evidência na
agressividade entre crianças com alto risco literatura de que a agressão precoce leva a
de apresentar comportamentos agressivos, formas mais extremas de violência, o foco
pretendeu-se no presente estudo delinear da revisão de Leff et al. (2001) incidiu sobre
metas norteadoras e habilidades a serem estudos de prevenção escolar entre crianças
desenvolvidas na formação de professores
que se encontravam no período da pré-
do primeiro ciclo do Ensino Fundamental,
escola e nos primeiros anos do Ensino
tendo em vista a prevenção e redução de
Fundamental. Nesse estudo foram analisados
comportamentos agressivos.
os estudos que atenderam aos seguintes
Para tal, o primeiro objetivo consistiu critérios: a) uso de delineamento de grupo
em obter e analisar subsídios derivados de
experimental com designação randômica; b)
estudos sobre as finalidades e os tipos de
procedimentos de tratamento bem-
intervenções, cujos resultados mostram-se
documentados; treinamento uniforme para
positivos no sentido de contribuírem para a
os aplicadores e procedimentos de
redução da agressividade entre alunos da
monitoramento da integridade dos
Educação Infantil e do Ensino Fundamental.
tratamentos; c) obtenção de dados por
O segundo objetivo consistiu em propor
múltiplas medidas; d) os resultados
possibilidades de atuação dos professores e
das habilidades requeridas a partir das demonstraram confiabilidade e validade
contribuições e subsídios fornecidos pelos adequadas; e) uso de avaliação dos efeitos
estudos sobre intervenções efetivas para a em follow-up (no mínimo um follow-up seis
prevenção de comportamentos agressivos meses depois); e f) replicação conduzida por
durante a infância. investigadores diferentes.
O estudo de Leff et al. (2001) mostrou-
se apropriado para ser usado como
Método referencial principal do presente estudo
Inicialmente, foi feita a seleção de devido às seguintes características: incluir
estudos sobre intervenções realizadas no apenas estudos de intervenções conduzidas
contexto escolar e dirigidas para a prevenção no contexto escolar e dirigidas a alunos na
da agressividade e violência entre crianças, fase inicial do processo de escolarização;
tendo em vista a identificação de elementos apoiar-se em uma exaustiva revisão da
básicos das intervenções, tais como: literatura (periódicos e livros sobre o tema);
objetivos, resultados alcançados, estratégias apresentar detalhadamente critérios
e procedimentos de ensino utilizados. A metodológicos rigorosos para classificar os
seguir, com base no levantamento de programas selecionados como bem-
subsídios obtidos sobre as intervenções sucedidos; e descrever os resultados que
eficazes, foram analisadas a atuação dos mostram o amplo reconhecimento entre os
professores e as habilidades e os pesquisadores e profissionais da educação
conhecimentos requeridos para que sobre a eficácia desses programas.
conduzissem as intervenções preventivas em De um total de 34 programas avaliados
sala de aula. por Leff et al. (2001), cinco programas de
A primeira fase do estudo envolveu a intervenção para prevenção de
localização de estudos internacionais sobre comportamentos agressivos entre crianças
intervenções reconhecidas como eficazes para na primeira e segunda infâncias atenderam
garantir a prevenção de comportamentos aos critérios estabelecidos: 1) PATHS
Prevenção de comportamentos agressivos 61

(Promoting Alternative Thinking Strategies); Resultados


2) Second Step; 3) First Step to Success; 4)
Inicialmente, são apresentados os
Anger Coping Program; e 5) Brain Power
resultados referentes aos subsídios para o
Program.
delineamento da capacitação dos professores,
No presente estudo, esses cinco
derivados dos estudos sobre as intervenções
programas de intervenção foram objeto de
dirigidas para a prevenção primária e
análise. Dos artigos sobre os programas
secundária da violência e agressividade na
citados no estudo de Leff et al. (2001), dez
escola. Em seguida, são apresentados os
foram localizados e submetidos à análise:
Programa PATHS (artigos do Conduct resultados relativos à explicitação do
Problems Prevention Research Group, 1999; conjunto de habilidades requeridas para os
2000); Programa Second Step (artigos de professores implementarem intervenções
Grossman, Neckerman, Koepsell, Liu, universais e seletivas.
Asher, Beland, Frey, & Rivara, 1997; Frey, Na Tabela 1, são apresentadas as
Hirschstein, & Guzzo, 2000); Programa First características de cada uma das cinco
Step to Success (artigos de Hops, Walker, intervenções quanto ao tipo de prevenção-
Fleischman, Nagoshi, Omura, Skindrud, & alvo, aos objetivos referentes aos efeitos a
Taylor, 1978; Walker, Kavanagh, Stiller, serem alcançados junto aos alunos, às
Golly, Severson, & Feil, 1998; Walker, características dos participantes e
Severson, Feil, Stiller, & Golly; 1998); responsáveis pela condução e os resultados
Programa Anger Coping (artigos de alcançados.
Lochman, 1992; Lochman, Dunn, & Klimes- Pôde-se observar que dois programas
Dougan, 1993) e Programa Brain Power (PATHS e Second Step) envolveram
(artigo de Hudley & Graham, 1993). intervenções universais ou intervenções de
A obtenção e a análise de subsídios prevenção primária que visaram causar
derivados de estudos sobre as finalidades e impacto em todos os alunos da mesma
tipos de intervenções consideradas eficazes maneira sob as mesmas condições – no
envolveram a identificação das caso, que todos os alunos desenvolvessem
características de cada programa em termos e/ou aprimorassem as habilidades sociais
da natureza da prevenção, objetivos, requeridas na convivência com os colegas.
população-alvo e responsáveis pela O programa First Step to Success
condução da intervenção; resultados; compreendeu uma intervenção seletiva ou
fundamentação teórica que norteia a prevenção secundária, pois atuou somente
intervenção; e estratégias e procedimentos junto a crianças pré-escolares inseridas em
de ensino utilizados pelos professores junto escolas de Educação Infantil e com alto
aos alunos. risco de agressividade e fracasso escolar. Os
Os subsídios fornecidos pelos procedimentos foram aplicados a um aluno
programas analisados, conduzidos por por vez, individualmente elaborados e
professores, que eram referentes aos sintonizados para as necessidades
diferentes tipos de finalidades ou metas específicas de cada aluno. Os programas
preventivas foram utilizados para a Anger Coping e Brain Power foram
explicitação das metas que deveriam nortear considerados intervenções indicadas ou de
a capacitação dos professores, ou seja, das prevenção terciária, uma vez que se
finalidades das intervenções preventivas dirigiram a crianças que, apesar de se
para as quais eles deveriam ser capacitados e encontrarem no final do primeiro ciclo e no
tornarem-se capazes de implementar junto início do segundo ciclo do Ensino
aos alunos. As habilidades e os Fundamental, já manifestam sérias
conhecimentos dos professores a serem foco dificuldades devido à emissão de
da capacitação foram derivados dos comportamentos agressivos frequentes e
objetivos de ensino trabalhados junto aos intensos. Ambas as intervenções foram
alunos, bem como das estratégias, conduzidas por psicólogos e profissionais
procedimentos e atividades de ensino da educação especializados que trabalharam
utilizados pelos professores nas intervenções com os grupos de alunos fora do horário
dos programas analisados. escolar.
62 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

Tabela 1 - Tipo da intervenção, participantes, responsáveis, objetivos e resultados.


Tipo da intervenção,
Programa participantes e Objetivos Resultados
responsáveis
1 - Prevenção universal (todas as Prevenir problemas de Efeitos significativos da intervenção do
PATHS crianças); conduta em uma amostra ponto de vista dos pares e dos
- Aplicada em sala de aula de crianças de alto risco, observadores: seguir regras, melhor
pelos professores; selecionadas quando atmosfera na sala de aula e mais
- Turmas de alunos de 1ª a 5ª ingressaram na escola. comportamento centrado na tarefa.
séries, totalizando 6.715 Esses resultados refletem fortes efeitos
participantes das atividades de prevenção no nível
universal sobre o comportamento em
sala de aula com reduções na agressão
e aumentos no autocontrole e no
engajamento em tarefas.

2 - Prevenção universal (todas as Verificar se o currículo de Mudanças nos escores não diferiram
Second Step crianças); prevenção da violência, significativamente entre as escolas
- Aplicada em sala de aula Second Step, leva a uma (controle e intervenção) para quaisquer
pelos professores; redução no das escalas de comportamento nos
- Turmas de 2 ª e 3ª séries, comportamento relatos dos pais ou professores. As
totalizando 790 participantes. agressivo e a um observações revelaram um declínio na
aumento no agressão física e um aumento no
comportamento pró- comportamento neutro/pró-social no
social entre os alunos. grupo de intervenção comparado ao
grupo controle. A maioria dos efeitos
persistiu por seis meses.

3 - Intervenção seletiva (uma Prevenir, por meio de Resultados indicam efeitos positivos no
First Step to criança por vez); uma intervenção tratamento para a maioria das crianças-
Success - Aplicada na sala de aula pelo precoce, o alvo. Houve redução na indicação de
professor e em casa pelo pelos desenvolvimento de comportamentos agressivos e aumento
pais, ambos com a orientação comportamentos no tempo de engajamento acadêmico
de um consultor; antissociais em pré- das crianças após a intervenção. Os
- Alunos de Educação Infantil escolares de risco, participantes, em geral, relatam níveis
que apresentavam desviando-os de elevados de satisfação com o
comportamentos agressivos, problemas de programa.
totalizando 46 participantes. ajustamento acadêmico
e social.

4 - Intervenção indicada aplicada Favorecer um melhor Verificaram-se melhoras na autoestima


Anger por um profissional da área de entendimento e e nos comportamentos agressivos e
Coping saúde mental e um especialista identificação do disruptivos de meninos agressivos.
Program em educação, fora do horário sentimento de raiva em Dados longitudinais apoiam a
escolar; meninos agressivos, manutenção de alguns efeitos do
- Pequenos grupos de meninos aumentar habilidades de tratamento em um estudo de
que cursavam a 4ª, 5ª e 6ª resolução de problemas seguimento de três anos.
séries e que já apresentavam e melhorar habilidades
comportamentos de interação social.
agressivos,totalizando 145
participantes.

5 - Intervenção indicada aplicada Por meio de uma Os participantes da intervenção


Brain Power por duas educadoras treinadas, intervenção atribuicional, atribuicional apresentaram: menor
Program fora do horário escolar; reduzir a tendência de probabilidade de supor intenção hostil
- Pequenos grupos de meninos meninos agressivos para aos pares nas simulações de
que cursavam a 4ª, 5ª ou 6ª interpretar intenções provocação ambígua, de apoiar a
séries e que já apresentavam hostis após provocações retaliação hostil sobre as medidas de
comportamentos ambíguas causadas por julgamento e de se engajar em
agressivos,toalizando 66 pares. comportamentos verbalmente hostis.
participantes. Esses participantes foram avaliados
como menos agressivos por seus
professores, depois da intervenção.
Prevenção de comportamentos agressivos 63

Tabela 2 - Fundamentos da intervenção, objetivos e estratégias de ensino e duração da


intervenção.
Duração da
Programa Fundamentos da intervenção Objetivos e estratégias de ensino
intervenção
PATHS Teoria desenvolvimental, considerando Professores conduziram lições de Duas a três
a interação de múltiplas influências intervenção sobre competência sessões por
sobre o desenvolvimento do social, focadas no autocontrole, na semana aplicadas
comportamento antissocial. Enfoca seis consciência emocional, no na sala de aula,
áreas: habilidades de resolução de reconhecimento de sentimentos, num total de 57
problemas e de enfrentamento nas relações com os pares e na lições.
emocional, relação com os pares, resolução de problemas.
atmosfera e currículo da sala de aula, Comportamentos apropriados são
desempenho acadêmico em leitura e emitidos e reforçados durante cada
relações entre a casa e a escola. lição.

Second Foco sobre habilidades de resolução Lições organizadas em três 30 lições, cada
Step de problemas interpessoais por meio unidades: treinamento de empatia, uma durando
do treino em processamento cognitivo para identificação de sentimentos; cerca de 35
para crianças, tais como identificar o controle do impulso, com ensino de minutos,
problema interpessoal e produzir estratégias de resolução de ensinadas uma ou
soluções não agressivas. problema; e manejo da raiva, com duas vezes por
estratégias de enfrentamento para semana.
situações de tensão.

First Step Fundamentado em procedimentos O programa contém três módulos: São necessários
to Success comportamentais e na perspectiva avaliação, intervenção na escola e de dois a três
desenvolvimental, descrevendo a intervenção em casa. As meses. É aplicada
trajetória de comportamentos habilidades ensinadas para as diariamente para
antissociais que leva a problemas de crianças são: aceitar limites, uma criança por
ajustamento, fracasso e abandono cooperar, compartilhar e resolver vez em uma sala
escolar, rejeição por pares e problemas. O componente escolar de pré-escola.
professores, delinquência juvenil, utiliza reforços contingentes
associação a uma gangue e violência quando a criança-alvo apresenta
interpessoal. comportamentos apropriados.

Anger Modelo sociocognitivo, o qual indica Estabelecimento de regras do Sessões


Coping que as crianças agressivas são grupo e reforços para o semanais de 45 a
geralmente sensíveis às dicas de cumprimento; uso de 60 minutos nas
interpretação hostil; pouco percebem autoafirmações para inibir o escolas, num total
sua própria agressividade e seu grau comportamento impulsivo; de 12-18 sessões
de relativa responsabilidade para o identificação de intenções em por quatro a cinco
conflito; consideram excessivamente situações de problemas sociais que meses.
soluções não verbais e despertam raiva; criação e análise
orientadas para a ação. de soluções e consequências para
essas situações.

Brain Teoria atribuicional da agressão, Composto por atividades para: Duas sessões
Power segundo a qual meninos agressivos identificação e entendimento de semanais de 40-
Program mostram distorções atribuicionais ao intenção e ambiguidade em 60 minutos cada,
perceber seus pares como agindo com interações interpessoais, prática num total de 12
intenção hostil, particularmente em em fazer atribuições, avaliação de sessões.
situações de ambiguidade causal. seus resultados e tomada de
decisão sobre como responder a
uma incerteza atribuicional.

Os resultados quanto aos efeitos obtidos observou-se o aumento de comportamentos


indicaram que os objetivos dos programas centrados na tarefa e de seguimento de
foram alcançados. No programa PATHS regras e a redução de comportamentos
64 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

agressivos. Dados do programa Second Step uma criança por vez, ou seja, o professor
indicaram redução da agressão física e trabalhou com um aluno em sala de aula por
aumento dos comportamentos neutros e pró- um período de cerca de três meses e contou
sociais do grupo de intervenção. No com o apoio dos pais em casa, ambos sob
programa First Step to Success houve supervisão e acompanhamento de um
decréscimo de comportamentos agressivos e consultor.
aumento no tempo de engajamento A intervenção do First Step to Success
acadêmico por parte das crianças que apoia-se em procedimentos de oferta de
participaram da intervenção. No programa recompensas contingentes à apresentação de
Anger Coping verificou-se diminuição dos desempenhos estabelecidos para o aluno. A
comportamentos agressivos e elevação da cada dia do treino há um critério de
autoestima dos participantes. Os resultados desempenho aceitável a ser alcançado pela
do programa Brain Power apontaram criança, e o alcance do mesmo é seguido
mudanças positivas em aspectos cognitivos pela obtenção de pontos positivos,
após a intervenção, como a menor recompensas dos pais e dos professores.
probabilidade de os participantes atribuírem A intervenção Anger Coping visou que
hostilidade à intenção dos pares e de se as crianças melhorassem suas percepções de
engajarem em comportamentos verbalmente agressividade e as interpretações dos eventos
agressivos. que levam a atos hostis, de modo que
A Tabela 2 contém as descrições dos explorassem soluções mais adaptativas para
fundamentos das intervenções, os principais a resolução de problemas interpessoais. As
objetivos e estratégias de ensino utilizados atividades realizadas com o grupo
pelos responsáveis pela aplicação dos envolveram discussões, role-play, vídeo,
programas, bem como a duração das estabelecimento de regras, uso de
referidas intervenções. autoafirmações, identificação de problemas
A Tabela 2 indica que os programas interpessoais e busca de soluções. No
PATHS e Second Step, dirigidos para todos programa Brain Power as sessões de
os alunos, utilizaram como estratégia um intervenção envolveram grupos formados
conjunto de lições sistemáticas cujo objetivo por meninos agressivos e não agressivos
foi o desenvolvimento do autocontrole, a buscando treiná-los a não inferir intenções
consciência e comunicação das emoções, o hostis aos pares, reduzindo, assim, os níveis
treinamento de empatia, comportamentos de agressão.
pró-sociais e habilidades de comunicação, o Ainda na Tabela 2, constatou-se que as
controle dos impulsos, o manejo de raiva e a durações das intervenções são bastante
busca de soluções não agressivas para variáveis: desde o mínimo de 12 sessões
problemas interpessoais. Os procedimentos referentes ao programa Brain Power até o
de ensino envolveram discussões em grupos, máximo de 57 sessões relativas à
uso de vídeos, histórias, casos reais, intervenção do programa PATHS.
dramatizações, literatura, dilemas A seguir, são apresentados os
interpessoais, role-play, demonstrações e resultados referentes às possibilidades de
práticas das habilidades para ilustrar as atuação dos professores e às habilidades
situações e habilidades-alvo, uso dos envolvidas nas diferentes intervenções
conceitos e habilidades em outras situações dirigidas à prevenção e à remediação da
fora da sala de aula. Os professores violência no contexto escolar. Os subsídios
receberam treinamento antes da intervenção fornecidos pelo exame dos programas de
e supervisões de um consultor durante a fase intervenção indicaram que um importante
de implementação. elemento a ser considerado é a natureza das
O foco do programa First Step to intervenções e suas implicações para a
Success foi os professores e os pais formação de professores.
ensinarem a criança-alvo a se relacionar Na sequência, são apresentados os
apropriadamente com os colegas e a se resultados referentes às metas ou finalidades
engajar adequadamente nas atividades das modalidades de intervenções indicadas
escolares, a aceitar limites, cooperar, nos estudos examinados como de
compartilhar e resolver problemas responsabilidade dos professores e eficazes
interpessoais. A intervenção dirigiu-se a para a redução da violência na escola, bem
Prevenção de comportamentos agressivos 65

como os resultados quanto às habilidades e escolares, a aceitar limites, cooperar,


aos conhecimentos requeridos do professor compartilhar e resolver problemas
para ensinar aos alunos o que é considerado interpessoais.
relevante em cada modalidade de
intervenção.
Dado que os subsídios referentes às
metas preventivas dos programas analisados
Discussão
indicaram que aqueles nos quais os A proposta do estudo pressupunha que
professores foram os responsáveis as a identificação de programas eficazes em
intervenções tiveram a finalidade de termos de prevenção e redução da
prevenção universal (no caso dos programas agressividade contribuiria para fortalecer o
PATHS e Second Step) e de prevenção entendimento do papel crucial da escola no
secundária (no caso do programa First Step encaminhamento da problemática da
to Success), foi proposto que a capacitação violência e evidenciar as implicações para a
dos professores fosse norteada pela ênfase formação de professores.
em uma atuação dirigida tanto para um Considera-se que os resultados do
trabalho de natureza universal, tendo em presente trabalho possibilitaram a obtenção
vista a prevenção primária, quanto para um de um conjunto de elementos relevantes para
trabalho de natureza seletiva, visando uma subsidiar a discussão e proposição de
prevenção secundária. medidas eficazes para o enfrentamento da
O conjunto de habilidades do professor problemática da agressividade no contexto
para desenvolver um trabalho de prevenção escolar. O estudo evidenciou que crianças na
universal com ênfase no ensino de segunda infância beneficiam-se de
habilidades sociais, habilidades de programas pautados em uma perspectiva de
resolução de problemas sociais e prevenção universal que atendem a todos os
habilidades de autocontrole, que foram alunos já no primeiro ciclo do Ensino
derivadas dos objetivos e procedimentos de Fundamental. Esse efeito é visível,
ensino usados pelos professores nos estudos principalmente, nas escolas com alta
examinados, foi o seguinte: estabelecer o densidade de alunos expostos a fatores de
seguimento das regras e garantir a risco de comportamentos agressivos, como
adaptação às rotinas escolares por parte dos indicam os efeitos do PATHS e do Second
alunos; descrever e ensinar formas internas Step.
e externas de expressão de sentimentos; Intervenções universais são
ensinar a diferença entre sentimentos e particularmente úteis para a prevenção,
comportamentos; descrever e ensinar o enquanto intervenções seletivas são mais
conceito de empatia e sua importância nas aplicáveis à remediação de distúrbios bem
interações sociais; descrever, ensinar e estabelecidos e que se mostraram resistentes
estimular habilidades sociais positivas e a esforços anteriores de mudança de
habilidades de comunicação adequadas; comportamento. Walker et al. (1995)
descrever, ensinar e estimular habilidades consideram que as intervenções universais
de autocontrole e de resolução de são mais prováveis de ser aceitas pelos
problemas sociais; e descrever, ensinar e professores, já que todos os alunos são
estimular habilidades adequadas de manejo expostos da mesma maneira. Intervenções
da raiva. seletivas têm a desvantagem de tratar
O conjunto de habilidades determinados alunos de uma maneira
compreendidas como relevantes para a especial, a qual é diferente do acordo com os
realização de um trabalho de prevenção outros alunos. Embora possa ser altamente
secundária, junto a uma determinada criança efetiva e seja recomendada para o uso com
que já apresenta padrões de comportamento padrões de comportamento agressivo, uma
agressivo, deve ter como foco o uso de intervenção seletiva tende a estigmatizar e
princípios de aprendizagem e técnicas de rotular os alunos que são expostos a ela
modificação de comportamentos para (Walker et al., 1995).
ensinar o aluno-alvo a se relacionar Intervenções universais têm seu maior
apropriadamente com os colegas e a se impacto entre os alunos que já começaram a
engajar adequadamente nas atividades exibir um padrão de comportamento
66 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

agressivo. Algumas vezes, a exposição Prevention Research Group, 1999; 2000;


sistemática a uma intervenção desse tipo é Frey et al., 2000; Mayer, 1995; Grossman et
suficiente para orientá-los e desviá-los de al., 1997; Hops et al., 1978; Patterson et al.,
uma trajetória negativa. Assim, o modo mais 2002; Walker, Kavanagh et al., 1998;
apropriado de julgar a efetividade de uma Walker, Severson et al., 1998).
intervenção universal é avaliar a extensão na Com base nos resultados, pode-se
qual ela reduz a taxa esperada de problemas destacar que o encaminhamento da
entre grupos de alunos (isto é, na sala de aula complexa tarefa da escola de prevenir e
ou escola). Por sua vez, intervenções seletivas reduzir a agressividade exigiria a adoção de
são apropriadamente avaliadas em termos de intervenções dirigidas a todos os alunos já
quão efetivas elas são em alterar o no primeiro ciclo do Ensino Fundamental,
comportamento de um aluno em particular. principalmente em escolas com um alto
Dessa forma, julgamentos sobre a eficácia de número de alunos de risco de problemas de
intervenções seletivas são feitos usualmente comportamento, bem como a adoção de
caso a caso (Walker et al., 1995). intervenções seletivas e indicadas.
Duas razões indicam que a aplicação Os resultados do presente estudo
integrada das intervenções universal e evidenciam a importância e a viabilidade de
seletiva deve proporcionar um efeito aditivo. uma nova frente de atuação dos professores
Primeira: é improvável que os efeitos das com a finalidade de auxiliar na tarefa de
intervenções seletivas com crianças e prevenir e reduzir comportamentos
famílias se generalizem para o contexto agressivos, no contexto escolar, promovendo
escolar e de sala de aula sem oferecer um a competência social e fornecendo apoio
suporte para a apresentação dessas novas protetivo para os alunos que se encontram na
habilidades adquiridas na escola. Segunda: fase inicial do processo de escolarização.
uma intervenção universal com o propósito Em termos de diretrizes para a formação
de promover o desenvolvimento da básica e/ou continuada de professores, os
competência social em todas as crianças subsídios derivados dos programas
deve levar a uma melhor atmosfera da sala possibilitaram a identificação de
de aula, a qual apoia a melhoria das relações competências e habilidades requeridas para
interpessoais de todos os alunos. os professores conduzirem intervenções
Reciprocamente, uma intervenção mais universais e seletivas.
intensiva com crianças de alto risco, nessas Em primeiro lugar, destaca-se a
mesmas salas de aula, pode tornar mais fácil relevância de os professores terem pleno
manter as crianças respondendo à entendimento tanto dos referenciais teórico e
intervenção universal (Conduct Problems empírico que norteiam as atividades
Prevention Research Group, 2000). preventivas e de redução de comportamentos
Os programas PATHS, Second Step e agressivos quanto do fato de que práticas
First Step to Success foram dirigidos a inadequadas de socialização favorecem que
alunos de Educação Infantil e do primeiro as crianças ingressem na escola com baixo
ciclo do Ensino Fundamental. Os resultados preparo para as tarefas sociais, emocionais e
positivos verificados nos estudos que cognitivas que lhes são exigidas. As metas e
examinam o impacto desses programas em os componentes dos programas são
termos de redução da agressividade fundamentados nas contribuições advindas
confirmam o forte entendimento atual na
dos estudos empíricos recentes sobre o
literatura da importância de ser dada ênfase
desenvolvimento da agressão e dos fatores a
à Educação Infantil e ao primeiro ciclo do
ela relacionados. Nesse sentido, os
Ensino Fundamental para a inserção de
medidas que visem reduzir a problemática programas levaram em conta os múltiplos
da violência na escola. Os efeitos dos três fatores de risco associados à agressão na
programas referidos demonstram a segunda infância e mobilizaram fatores
possibilidade de reduzir a chance de que protetivos com potencial de aumentar as
alunos com alto risco para problemas de chances de alteração de uma trajetória de
comportamento na segunda infância passem risco de delinquência e de comportamentos
a apresentar problemas mais sérios e antissociais mais severos para uma trajetória
crônicos na adolescência (Conduct Problems de ajustamento social e sucesso acadêmico.
Prevenção de comportamentos agressivos 67

Em segundo lugar, destaca-se a conduzidos por professores no contexto de


importância de os professores estarem sala de aula. Del Prette e Del Prette (2005)
capacitados a promover as habilidades fornecem uma sólida fundamentação sobre
sociais básicas dos alunos no contexto da as habilidades de resolução de problemas
sala de aula, bem como de entenderem a sua interpessoais, autocontrole, regulação das
importância para a prevenção e redução de emoções, empatia, manejo de raiva e
comportamentos agressivos. Os programas controle de impulsos, bem como propõem
examinados tiveram como principal meta a atividades e dinâmicas adequadas para o
promoção da competência social dos alunos ensino e a prática de tais habilidades.
de risco, de forma a favorecer uma
convivência saudável com os colegas e
profissionais da escola, devido ao Considerações Finais
entendimento de que o processo inicial de Em termos de formação de professores,
socialização de crianças de alto risco não os resultados do presente estudo destacam,
beneficia a aprendizagem de regulação de além do envolvimento dos professores em
comportamentos agressivos e de resolução atividades preventivas universais dirigidas
de problemas interpessoais de maneiras mais para todos os alunos, a possibilidade de o
adequadas. Dessa forma, o foco da atuação professor conduzir intervenções seletivas
dos professores junto aos alunos nos dirigidas a alunos já com grau severo de
programas de prevenção universal foi o comportamentos agressivos no final da pré-
aumento da competência social e emocional escola e nas séries iniciais do Ensino
e o desenvolvimento das habilidades de Fundamental. O foco dessas intervenções é a
autocontrole, consciência e regulação redução dos comportamentos inadequados e
emocional, de comunicação e sociais o fortalecimento dos comportamentos
relacionadas aos pares, além da resolução de adequados, voltado para a apresentação das
problemas interpessoais, manejo de raiva, habilidades acadêmicas e sociais que são
controle dos impulsos e empatia. esperadas no ambiente escolar: aceitar
Em terceiro lugar, ressalta-se a limites, seguir regras, cooperar, compartilhar
relevância de os professores estarem e colaborar com o professor na aplicação de
capacitados a adotar abordagens de ensino estratégias de manejo do comportamento.
que sejam adequadas à aprendizagem das Podem-se destacar quatro
habilidades sociais. Verificou-se que os recomendações decorrentes do presente
programas de prevenção universal se estudo: necessidade de uma ampla
fundamentam em uma abordagem de ensino divulgação e valorização no nosso meio
com ênfase no uso de histórias, vídeos, casos educacional do conhecimento disponível
ilustrativos de apresentação e não sobre a implementação de programas de
apresentação das habilidades-alvo, de prevenção universal e de prevenção
oportunidades para os alunos discutirem, secundária, que se mostram como medidas
praticarem as habilidades e solucionarem eficazes para interromper a progressão da
conjuntamente problemas interpessoais, agressividade na infância e oferecem
referentes a situações propícias para exporem benefícios individuais e sociais
seus sentimentos e pontos de vista e se consideráveis; necessidade de a escola
engajarem na utilização das habilidades-alvo. enfrentar a violência, assumindo uma
As intervenções indicadas baseiam-se perspectiva preventiva por meio da
em contribuições advindas dos princípios de promoção de alternativas à agressão que
aprendizagem e requerem um domínio do sejam construtivas e favoreçam o
manejo de contingências de reforçamento ajustamento social e o sucesso acadêmico
por parte dos professores. Nesse sentido, os dos alunos ainda no primeiro ciclo do
estudos nacionais que vêm sendo realizados Ensino Fundamental; importância de que o
por Del Prette e Del Prette (1998; 2001; conhecimento sobre as competências gerais
2005) na área de habilidades sociais na requeridas dos professores para a condução
infância oferecem contribuições relevantes de um trabalho de prevenção e redução de
para o planejamento de programas de comportamentos seja utilizado como
aprimoramento das habilidades sociais de norteador para um trabalho mais específico
alunos na segunda infância que podem ser na formação básica e na formação
68 Luizzi, L., & Rose, T. M. S.

continuada de professores; relevância de Gomide, P. I. C. (2003). Estilos parentais e


estudos sobre a formação de professores comportamento anti-social. In A. Del
voltada para a prevenção da agressividade e Prette e Z. Del Prette (Orgs.).
de pesquisas sobre os efeitos de intervenções Habilidades Sociais, Desenvolvimento e
conduzidas por professores que visem a Aprendizagem – Questões Conceituais,
prevenção e redução de comportamentos Avaliação e Intervenção (pp. 21-60).
agressivos. Campinas: Alínea.
Grossman, D. C., Neckerman, H. J.,
Referências Koepsell, T. D., Liu, P., Asher, K. N.,
Beland, K., Frey, K., & Rivara, F. P.
Coie, J. D., & Dodge, K. A. (1997).
(1997). Effectiveness of a violence
Aggression and antisocial behavior. In
prevention curriculum among children in
W. Damon (Ed.) & N. Eisenberg (Vol.
elementary school: A randomized
Ed.). Handbook of Child Psychology:
controlled trial. JAMA – Journal of the
Social, emotional, and personality
American Medical Association, 277 (20),
development (v. 3, pp. 779-862). 5th
1605-1611.
Edition. New York: Wiley.
Hops, H., Walker, H. M., Fleischman, D. H.,
Conduct Problems Prevention Research
Nagoshi, J. T., Omura, R. T., Skindrud,
Group (1999). Initial impact of the Fast
K., & Taylor, J. (1978). CLASS: A
Track prevention trial for conduct
standardized in-class program for acting-
problems: II. Classroom effects. Journal
out children. II. Field test evaluations.
of Consulting and Clinical Psychology,
Journal of Educational Psychology, 70
67 (5), 648-657.
(4), 636-644.
Conduct Problems Prevention Research
Hudley, C., & Graham, S. (1993). An
Group (2000). Merging universal and
attribuitional intervention to reduce peer-
indicated prevention programs: The Fast
directed aggression among African-
Track model. Addictive Behaviors, 25
American boys. Child Development, 64,
(6), 913-927.
124-138.
Del Prette, A., & Del Prette, Z. A. P. (1998).
Hunter, L. (2003). School psychology: a
Desenvolvimento interpessoal e educação
public health framework. III. Managing
escolar: o enfoque das habilidades
disruptive behavior in schools: the value
sociais. Temas em Psicologia, 6 (3), 205-
of a public health and evidence-based
215.
perspective. Journal of School
Del Prette, A., & Del Prette, Z.A.P. (2001). Psychology, 41 (1), 39-59.
Psicologia das relações interpessoais:
Leff, S. S., Power, T. J., Manz, P. H,
Vivências para o trabalho em grupo. 2ª
Costigan, T., & Nabors, L. A. (2001).
ed. Petrópolis: Vozes.
School-based aggression prevention
Del Prette, A., & Del Prette, Z. A. P. (2005). programs for young children: Current
Psicologia das habilidades sociais na status and implications for violence
infância: Teoria e prática. Petrópolis: prevention. School Psychology Review,
Vozes. 30 (3), 344-362.
Frey, K. S., Hirschstein, M. K., & Guzzo, B. Lochman, J. E. (1992). Cognitive-behavioral
A. (2000). Second Step: Preventing intervention with aggressive boys: Three
aggression by promoting social year follow-up and preventive effects.
competence. Journal of Emotional and Journal of Consulting and Clinical
Behavioral Disorders, 8 (2), 102-112. Psychology, 60 (3), 426-432.
Gomide, P. I. C. (2001). Efeitos das práticas Lochman, J. E., Dunn, S. E., & Klimes-
educativas no desenvolvimento do Dougan, B. (1993). An intervention and
comportamento anti-social. In M. L. consultation model from a social
Marinho e V. E. Caballo (Orgs.). cognitive perspective: A description of
Psicologia Clínica e da Saúde (pp. 33- the Anger Coping Program. School
53). Londrina: UEL, Granada: APICSA. Psychology Review, 22 (3), 458-471.
Prevenção de comportamentos agressivos 69

López, F. (2004). Problemas afetivos e de Schiff, M., & BarGil, B. (2004). Children
conduta na sala de aula. In C. Coll, A. with behavior problems: improving
Marchesi & J. Palacios (Orgs.). elementary school teachers’ skills to keep
Desenvolvimento Psicológico e these children in class. Children and
Educação: Transtornos de Youth Services Review, 26 (2), 207-234.
desenvolvimento e necessidades
Tremblay, R. E. (2000). The development of
educativas especiais (pp. 113-146). Porto
aggressive behavior during childhood:
Alegre: Artmed.
What have we learned in the past century?
Marinho, M. L. (2003). Comportamento International Journal of Behavioral
agressivo infantil: Questões teóricas e de Development, 24 (2), 129-141.
pesquisa. In A. Del Prette & Z. Del Prette
Walker, H. M. (1998). First steps to prevent
(Orgs.). Habilidades Sociais,
antisocial behavior. Teaching
Desenvolvimento e Aprendizagem –
Exceptional Children, 30 (4), 16-19.
Questões conceituais, Avaliação e
Intervenção (pp. 61-81). Campinas, SP: Walker, H. M., Colvin, G., & Ramsey, E.
Alínea (1995). Antisocial behavior in schools:
Strategies and best practices. Pacific
Mayer, G. R. (1995). Preventing antisocial
Grove, CA: Brooks/Cole.
behavior in the schools. Journal of
Applied Behavior Analysis, 28 (4), 467- Walker, H. M., & Gresham, F. M. (1997).
478. Making schools safer and violence free.
Intervention in School and Clinic, 32 (4),
Newcombe, N. (1999). Psicopatologia do
199-204.
desenvolvimento. In N. Newcombe,
Desenvolvimento Infantil: A abordagem Walker, H. M., Kavanagh, K., Stiller, B.,
de Mussen (pp. 456-481). 8ª ed. Porto Golly, A., Severson, H. H., & Feil, E. G.
Alegre: Artes Médicas. (1998). First Step to Success: An early
intervention approach for preventing
Ormeño, G. R. & Williams, L. C. A. (2006).
school antisocial behavior. Journal of
Intervenção precoce com crianças
Emotional and Behavioral Disorders, 6
agressivas: Suporte à família e à escola.
(2), 66-80.
In H. H. Guilhardi & N. C. Aguirre.
Sobre comportamento e cognição: Walker, H. M., Severson, H. H., Feil, E. G.,
Expondo a variabilidade. (Vol. 17, pp. Stiller, B., & Golly, A. (1998). First Step
168-182). Santo André: ESETec. to Success: Intervening at the point of
school entry to prevent antisocial
Patterson, G. R., DeBaryshe, B. D., &
behavior patterns. Psychology in the
Ramsey, E. (1989). A developmental
Schools, 35 (3), 259-269.
perspective on antisocial behavior.
American Psychologist, 44 (2), 329-335. Walker, H. M., & Sprague, J. R. (1999). The
path to school failure, delinquency, and
Patterson, G. R., Reid, J., & Dishion, T.
violence: Causal factors and some
(2002). Antisocial Boys (A. C. Lima & G.
potential solutions. Intervention in
V. M. Rocha, Trad.). Santo André:
School and Clinic, 35 (2), 67-73.
ESETec.
Peterson, R. L. (1995). Learners with
emotional or behavioral difficulties. In
M. C. Wang, M. C. Reynolds, & H. J.
Walberg (Orgs.). Handbook of special Enviado em Abril de 2009
and remedial education: Research and Revisado em Dezembro de 2009
practice (pp. 243-280). 2nd Edition. New Aceite final em Janeiro de 2010
York, USA: Elsevier Science Ltda. Publicado em Dezembro de 2010

Nota dos autores:


Luciana Luizzi – Associação de Escolas Reunidas (Asser) de Rio Claro, SP.
Tânia Maria Santana de Rose – Departamento de Psicologia Universidade Federal de São Carlos, SP.