Você está na página 1de 6

Disc 7889UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO


Depto de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas
2018

SIGLA DA DISCIPLINA: ERP 5789


NOME DA DISCIPLINA: Perspectivas para a prática do cuidado na questão álcool e outras drogas
psicoativas

PROGRAMA/ÁREA: Enfermagem Psiquiátrica


Nº DA ÁREA: 22131
VALIDADE INICIAL (Ano/Semestre): 1º semestre de 2018
Nº DE CRÉDITOS: 02
Aulas Teóricas: 1 Aulas Práticas, Seminários e Outros: 1 Horas de Estudo: 1
DURAÇÃO EM SEMANAS: 12 ; 6/04 a 22/06
DOCENTE(S) RESPONSÁVEL(EIS): Profa. Dra. Margarita Antonia Villar Luis

PROGRAMA
OBJETIVOS:
 Conhecer referenciais teóricos utilizados no tratamento do uso de drogas psicoativas;
 Conduzir o participante a refletir sobre o processo de cuidar do usuário de drogas psicoativas
 Elaborar proposta de intervenção com base nos conhecimentos teóricos aprendidos.

Conteúdo

1. 6/04. Uma perspectiva geral sobre a atenção ao usuário de substâncias psicoativas.


. Costa,A.; Mota,D C B.; Paiva,F S.; Ronzani, T M. Desatando a trama das redes
assistenciais sobre drogas: uma revisão narrativa da literatura. Ciência & saúde
Coletiva, v. 20, nº 2, p. 395-406, 2015.

2. 13/04. A entrevista motivacional (MI) como método clinico para incentivar a motivação individual
para a mudança.
. Miller,R W.;Rollnick, Stephen. Ten things that Motivational Interviewing is Not.
Behavioural and Cognitive Psychoterapy, nº 37, p. 129-140, 2009.
. Figlie, N B.;Guimarães, L P. A entrevista motivacional: conversas sobre
mudança. Bol. Acad. Paulista de Psicologia, São Paulo. v. 34, nº87, p. 472-489,

3. 20/4. Leitura de textos. Modelo Transteórico (TTM) de mudança no tratamento da dependência


química
. Prochaska, J O,; Di Clemente, C C. Transtheoretical Therapy: Toward a More
Integrative Model of Change. Psychoterapy: Research and Practice, v. 19, nº 3, p.
276-288, 1982
. Prochaska, J O.; Di Clemente, C C; Norcross, J C. In Search of How People
Change. Applications to addictive behaviors. American Psychologist
(Psychological Association), v. 47, nº 9, p. 1102-1114, 1992.
. Szupszynski, K P Del R.; Oliveira, M da S. O modelo transteórico no tratamento
da dependência química. Psicologia Teoria e Prática, v. 10, nº 1, p.162-173, 2008.
4. 27/04. Modelo Transteórico (TTM) de mudança no tratamento da dependência química- Apresentação e
discussão dos textos
5. 4/05. Terapia Cognitivo-Comportamental no tratamento de problemas de adição.
. Silva, C J da.; Serra, A. Terapias Cognitiva e Cognitivo-Comportamental em
dependência química. Ver. Bras. Psiquiatr, V 26, Supl 1,p.35-39, 2004.
. Rangé, B P, Marlatt, A G. Terapia cognitivo-comportamental de transtornos de
abuso de álcool e drogas. Rev Bras Psiquiatr, v. 30, Supl 2, p.588-95, 2008.
6. 11. /05. Modelos de prevenção da recaída: Leitura dos textos
. Trigo, M. Terapia para a prevenção da recaída na dependência de substâncias: os
modelos de Alan Marlatt e Terence Gorski. Aplicações à nicotino-dependência.
Ver Port Clin Geral, V. 22, p.299-328,2006.
. Rigotto, S D.; Gomes, W B. Contextos de abstinência e de recaída da
dependência química. Psicologia teoria e Pesquisa, v. 18, nº 1. P. 95-106, 2002.
. Room, R.; Cullinan, S & Dietze, P. Influences on the drinking of heavier
drinkers: Interactional realities in seeking to ‘change drinking cultures’. v. 35, p
13-21, 2016.
. Ferreira, A C Z.; Czarnobay, J,; Borba, L O de,; Capistrano, F C,; Kalinke, L P,;
Maftum, M A. Determinantes intra e interpessoais da recaída de dependentes
químicos. Rev. Eletr. Enf. [ internet] 2016, disponível em:
http:/dx.doi.org/10.5216/ree.v18.34292.
7. 18/05. Modelos de prevenção da recaída: apresentação e discussão dos textos.

8. 25/05. Modelo de Redução de Danos.


. Inglez-Dias, A,; Ribeiro, J M,;Bastos, F I,; Page, K. Políticas de redução de danos
no Brasil: Contribuições de um programa norte-americano. Ciência &Saúde
Coletiva, v.19, nº 1, p 147-157, 2014.
. Marlatt, G A,; Witkiewitz, K. Harm reduction approaches to alcohol use: Health
promotion, prevention, and treatment. Addictive Behaviors, v. 27, p 867-886,
2002.
7. 1/06. Discussão geral sobre os modelos: Práticas baseadas em evidências.

. Miller, W R,; Srensen, J L ,; Selzer, J A ,; Brigham, G S. Disseminating


evidence-based practices in substance abuse treatment: A review with suggestions.
Journal of Substance Abuse Treatment, v. 30, p 25-39, 2006.

8. 8/06. Leitura dos textos: Intervenção Breve enquanto estratégia de prevenção.


. Intervención Breve: Intervención Breve vinculada a ASSIST para el consumo
riesgoso y nocivo de sustancias: Manual para uso en atención primária.
Organización panamericana de la Salud/ Organización Mundial de la Salud, 2011.
. Spears, S,; Tillman, S,; Moss, C,; Gon-Guy, E,; Ramson, L,; Rawson, R A.
Another way of talking about substance abuse: Substance abuse Screening and
Brief Intervention in a Mental health clinic. Journal of Human Behaviour in the
Social Environment. v. 19, p 959-997, 2009.
. McCambridge, J & Cunningham, A. The early history of ideas on brief
interventions for alcohol. Addiction, v. 109, 538-546, 2013.
9. 15/06. Apresentação e discussão dos textos.
10. 22/06. Apresentação dos trabalhos

Avaliação
Será de acordo com a participação dos alunos, que no primeiro dia se dividirão em grupos de estudo
(duplas ou trios).
Nas aulas será apresentado pelos alunos o resumo dos artigos sobre tratamento; a primeira hora será
de discussão dos tópicos e todos os grupos tem de participar, haverá a seguir o fechamento com um
resumo que deverá ser elaborado pelo grupo seguido da apresentação para todos.
A última aula será reservada para cada grupo (dupla ou trio) apresentar um caso de usuário de SP, ou
usuário de SP e sua família (quando tiver) no qual aplicou os conhecimentos adquiridos, indicando o
modelo ou modelos que sustentaram a intervenção realizada.

BIBLIOGRAFIA:

Transtheorical Therapy:Toward a More Integrative Model of Change. Psychoterapy: Research and Practice, v.
19.nº 3, p. 276-288, 1982.
.Prochaska, J,O.; Di Clemente,; Norcross, J. C. In Search of How People Change. Applications to addictive
behaviours. American Psychologist-American Psychological Association, v. 47, nº 9, p. 1102-1114 ,1992.

Szupszynski, K. P. Del R.;Oliveira, M.da S. O modelo transteórico no tratamento da dependência química.


Psicologia Teoria e Prática, v. 10, nº 1, p. 162-173, 2008.

Prochaska, J,O.; Di Clemente,; Stages and processes of Self-Change of smoking: toward na integrative
modelo f change. Journal of Consulting and Clinical Psychology, v. 51, nº 3, p.390-395, 1983.

.Costa,A.; Mota,D C B.; Paiva,F S.; Ronzani, T M. Desatando a trama das redes assistenciais sobre drogas:
uma revisão narrativa da literatura. Ciência & saúde Coletiva, v. 20, nº 2, p. 395-406, 2015.

Williams, A V.; Meyer, E.; Pechansky, F Desenvolvimento de um jogo terapêutico para prevenção da recaída
e motivação para mudança em jovens usuários de drogas. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v. 23, nº4 p 407-414,
2007.
Alemi, F., Haack, M.R., Harge, A., Dill, R., Benson, L. Engaging client’s family and friends in online
counseling. Journal of Addictions Nursing, v.16, 47-55, 2005.

Alemi, F., Haack, M.R., Nemes, S., Weissman, L. Statical definition of relapse: case of family drug court.
Addictive Behaviors, v. 29, nº4, p. 685-698, 2004.

Passos, E H,; Souza. Redução de danos e Saúde Pública: Construções alternativas à Política Global de “Gerra
às Drogas”. Psicologia e Sociedade, v. 23, nº1, p. 154-162,2011.

Andrade, T de M. Redução de danos: um novo paradigma? p. 87-95. In Almeida, A.R.; Nery Filho, A.; Mac
Ral, E.; Tavares, L.A.; Ferreira, O.S. Drogas, tempos, lugares e olhares sobre seu consumo, Salvador:
EDUFBA; CETAD/UFBA, 2004.

Berlinger, G. As drogas: duplo circuito e dupla moral. p. 238-242. In Bioética Cotidiana. Brasília: Editora
Universidade de Brasília, 2004.

Deslandes, S.F.; Mendonça, E. A.; Caiaffa, W.T.; Doneda, D. As concepções de risco e de prevenção segundo
a ótica dos usuários de drogas injetáveis. Cad. Saúde Pública. v. 18, nº 1, p. 144-151, 2002.

Fornilli, Katerine, Haack, M.R. (2005). Promoting early intervention for substance use disorders through
interdisciplinary education for health professionals. Journal of Addictions Nursing, 16(3), 153-160, 2005.

Marlatt, G.A., Donovan, D.M. (org). Prevenção de Recaída. Estratégias de manutenção no tratamento de
comportamentos aditivos (2ª.Ed.), Porto Alegre: Artmed, 2009.

Santos, C.E.dos; Costa Rosa, A. A experiência da toxicomania e da reincidência a partir da fala dos
toxicômanos. Estudos de Psicologia. Campinas, vol.24, n.4, p.487-502, 2007.

Schenker, M., Minayo, M.C.S. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão
da literatura. Cad.de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.20, n.3, p.649-654, 2004.

Silva, C J da.; Serra, A. Terapias Cognitiva e Cognitivo-Comportamental em dependência química. Ver.


Bras. Psiquiatr, v. 26, Supl 1,p.35-39, 2004.
Rangé, B P, Marlatt, A G. Terapia cognitivo-comportamental de transtornos de abuso de álcool e drogas.
Rev Bras Psiquiatr, v. 30, Supl 2, p.588-95, 2008.

Miller,R W.;Rollnick, Stephen. Ten things that Motivational Interviewing is Not. Behavioural and Cognitive
Psychoterapy, v.37, p. 129-140, 2009.
Figlie, N B.;Guimarães, L P. A entrevista motivacional: conversas sobre mudança. Bol. Acad. Paulista de
Psicologia, São Paulo. v. 34, nº87, p. 472-489,

Trigo, M. Terapia para a prevenção da recaída na dependência de substâncias: os modelos de Alan Marlatt e
Terence Gorski. Aplicações à nicotino-dependência. Ver Port Clin Geral, v. 22, p.299-328, 2006.

. Rigotto, S D.; Gomes, W B. Contextos de abstinência e de recaída da dependência química. Psicologia teoria
e Pesquisa, v. 18, nº 1. P. 95-106, 2002.

Ferreira, A C Z.; Czarnobay, J,; Borba, L O de,; Capistrano, F C,; Kalinke, L P,; Maftum, M A.
Determinantes intra e interpessoais da recaída de dependentes químicos. Rev. Eletr. Enf. [ internet] 2016,
disponível em: http:/dx.doi.org/10.5216/ree.v. 18.34292.

Inglez-Dias, A,; Ribeiro, J M,;Bastos, F I,; Page, K. Políticas de redução de danos no Brasil: Contribuições de
um programa norte-americano. Ciência &Saúde Coletiva, v. 19, nº 1, p 147-157, 2014.

Marlatt, G A,; Witkiewitz, K. Harm reduction approaches to alcohol use: Health promotion, prevention, and
treatment. Addictive Behaviors, v. 27, p 867-886, 2002.

Miller, W R,; Srensen, J L ,; Selzer, J A ,; Brigham, G S. Disseminating evidence-based practices in substance


abuse treatment: A review with suggestions. Journal of Substance Abuse Treatment, v. 30, p 25-39, 2006.

Intervención Breve: Intervención Breve vinculada a ASSIST para el consumo riesgoso y nocivo de
sustancias: Manual para uso en atención primária. Organización panamericana de la Salud/ Organización
Mundial de la Salud, 2011.

Spears,S,; Tillman, S,; Moss, C,; Gon-Guy, E,; Ramson,L,; Rawson, R A. Another way of talking about
substance abuse: Substance abuse Screening and Brief Intervention in a Mental health clinic. Journal of
Human Behaviour in the Social Environment. V. 19, p 959-997, 2009.

McCambridge, J & Cunningham, A. The early history of ideas on brief interventions for alcohol. Addiction,
v. 109, 538-546, 2013.
Purshouse,R C,; Brennan, A,; Rafia, R,; Latimer, N R,; Archer, R J,; Collin, A R,; Preston, L R,; Meier, P.
Modelling the cost-Effectiveness of alcohol Screening and Brief Interventions in Primary Care in England.
Alcohol and Alcoholism, v. 48,nº 2, p 180-188, 2013.

Junqueira, B M A de.; Rassool, G H,; Santos, M A dos,; Pillon, S C. The impact of an educational program in
brief intervention for alcohol problems on undergraduate nursing students: a Brazilian context. Journal of
Addictions Nursing, v. 26, nº3, p 129-135, 2015.

Room, R,;Callinan, S; Dietze,P Influences of heavier drinkers: Interactional realities in seeking to ‘change
drinking cultures’. Drug and Alcohol Review. v. 35,p 13-21, 2016.

Você também pode gostar