Você está na página 1de 33

Teologia do Logos do

Judaísmo e os dois
poderes no céu

CURSO: Contexto Judaico (Israelita) do Novo Testamento


Nessa aula:
1. Logos/Meimra de Deus em Fílon e Targum
2. Filho do homem nos livros canônicos
3. Filho do homem em 1 Enoque e em 4 Esdras
4. Anjo Metatron em 3 Enoque
5. Teologia Judaica do Logos e os 2 poderes do céu
no NT
Logos/Meimra de Deus em Fílon e
Targum
A ideia do Logos em João
“No princípio era o Verbo, e o
Verbo estava com Deus, e o
Verbo era Deus.2 Ele estava no
princípio com Deus.3 Todas as
coisas foram feitas por ele, e
sem ele nada do que foi feito se
fez. (João 1:1-3)

É o prólogo de João uma maneira nova e única de ver Deus? Deus e sua
Palavra (Logos) são distintos, mas ambos divinos. Como pode ser isso? Será
que este é um conceito filosófico Grego (do Logos) no NT ou isso é
pensamento Israelita de João? O conceito do Logos é uma ideia muito
desenvolvida na filosofia Grega. Heráclito, Platão, Aristóteles, os Estóicos,
tudo isso contribuiu para o conceito de Logos na Antiguidade.
Logos Grego
O pensamento Grego tende a ser dualista. O
divino é espiritual, transcendente e perfeito.
Λόγος
O mundo é material, carnal e corruptível. logos
Assim, nessa lógica, Deus não pode se
envolver na criação do mundo físico.
palavra,
Em vez disso, o mundo material imperfeito pronúncia,
tem que ser criado por um ser intermediário narração,
chamado Logos ou Logoi (plural), mais tarde
chamado Demiurgos. Este Logos é o princípio coisa,
eterno, a razão divina, o elemento básico, a princípio,
ordem, e o fundamento de todas as coisas revelação,
criadas. O Logos está ligado ao Deus
supremo, mas é diferente. absoluta…
Logos em Fílon
“…a mais universal de todas as coisas é
Deus; e em segundo lugar a palavra
(Logos) de Deus” (Fílon, Interpretação
Alegórica, II, 86)

“Agora Bezalel, sendo interpretado,


significa Deus em sua sombra. Mas a
sombra de Deus é sua palavra (Logos),
que ele usou como um instrumento,
quando ele estava fazendo o mundo…”
(Fílon, Interpretação Alegórica, II, 96) Rendição artística de Fílon, séc. XVI, por
André Thévet

Fílon de Alexandria (Egito) foi um escritor Judeu do século 1 e um filósofo. Ele


muitas vezes expressa ideias Judaicas em termos Gregos.
Logos em Fílon
“Pai que criou o universo deu
o seu Arcangélico e mais
antigo Verbo (Logos) um dom
preeminente, repousar sobre
os limites de ambos e
separados que havia sido
criado do criador…”

Para Fílon o Logos é separado


do Pai (Criador). O Logos em
Fílon tem dupla natureza,
divina, no entanto criado.
Rendição artística de Fílon, séc. XVI, por
André Thévet
Logos em Fílon
“...E esta mesma palavra é continuamente um
suplente para o Deus imortal em nome da
corrida mortal, que está exposta a aflição e a
miséria; e é também o embaixador, enviado
pelo governante de todos, para a corrida de
assunto... Sendo incriado como Deus, nem
ainda criado como você, mas sendo no meio
entre estas duas extremidades…”(Fílon, Quem
é o herdeiro das coisas Divinas, 205-6)
Para Fílon, o Logos (a Palavra) não é apenas um
conceito abstrato impessoal dos filósofos Gregos.
Fílon sabia Hebraico (como visto em sua
explicação acerca de "Bezalel"), e ele devia estar
familiarizado com algumas ideias Judaicas acerca Rendição artística de Fílon, séc. XVI, por
André Thévet
do Logos/Meimra que vêm da tradição e da LXX.
Logos no Targum de Jerusalém
Gênesis 3:8 “E ouviram a voz do Senhor
Deus, que passeava no jardim pela viração
do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher
da presença do Senhor Deus, entre as
árvores do jardim”(Bíblia)

Gênesis 3:8 “E eles ouviram a voz da


palavra (Meimra) do Senhor Deus
andando no jardim no repouso do dia;
e Adão e sua mulher esconderam-se diante
do Senhor Deus entre as árvores do jardim”
(Targum de Jerusalém)

O Targum de Jerusalém (Pseudo Jonathan) é uma tradução


Targum Aramaico
da Torá para o Aramaico, produzido em Israel
aproximadamente nos séc. VII-VIII EC
Logos no Targum de Jerusalém

Gênesis 19:24 – “Então o Senhor fez chover


enxofre e fogo, do Senhor desde os céus,
sobre Sodoma e Gomorra.”(Bíblia)

Gênesis 19:24 – “E a palavra (Meimra) do


próprio Senhor tinha feito descer sobre o
povo de Sodoma e Gomorra... fogo de diante
do Senhor dos céus”
(Targum de Jerusalém)

O Targum de Jerusalém (Pseudo Jonathan) é uma tradução


Targum Aramaico
da Torá para o Aramaico, produzido em Israel
aproximadamente nos séc. VII-VIII EC
A ideia do Logos, Judaico?

Λόγος ‫דָּ בָּר‬ ‫מֵימ ְָּרא‬


logos davar meimra

palavra, pronúncia, narração, coisa, princípio,


revelação, absoluta…
Em João, na LXX e em Fílon o Logos é um agente e um instrumento
de criação de Deus. O Logos é tanto divino como criado; e que
coincide com o pensamento Grego. No entanto, Fílon também
mostra o Logos em termos pessoais (como a Meimra e Deus na
Bíblia), como governante, herdeiro, revelador, embaixador. Ele
anda e fala, ele tem uma vontade, ele se torna carne em João. Isto
não se alinha com o pensamento Grego.
A ideia do Logos, Judaico?

Λόγος ‫דָּ בָּר‬ ‫מֵימ ְָּרא‬


logos davar meimra

palavra, pronúncia, narração, coisa, princípio,


revelação, absoluta…
Na LXX o Logos é o equivalente direto de Davar - palavra,
discurso ou princípio de Deus na Bíblia Hebraica. Nos Targums,
Meimra expressa a mesma ideia da palavra de Deus, mas vai
além da tradução simples. Em Targums, Meimra é usado no lugar
de Deus como um eufemismo. Inúmeras vezes Meimra não é
apenas um agente da criação, mas um agente ativo das obras
divinas.
A ideia do Logos, Judaico?

Λόγος ‫דָּ בָּר‬ ‫מֵימ ְָּרא‬


logos davar meimra

palavra, pronúncia, narração, coisa, princípio,


revelação, absoluta…
O Logos de João não é uma ideia nova. João sabe do Logos Grego,
mas ele não limita seus Logos ao pensamento Grego. O Evangelho
de João descreve o Logos dentro de uma estrutura Judaica
presente na LXX, nos Targums, em Fílon, nas obras rabínicas. Isso
mostra que a Teologia Judaica do Logos foi abraçada por vários
tipos de Judeus, bem como escritores do Novo Testamento no
primeiro século.
Filho do Homem nos livros
canônicos
Filho do homem em Daniel
“Eu estava olhando nas minhas visões
noturnas, e eis que vinha com as nuvens
do céu um como filho de homem; e
dirigiu-se ao ancião de dias, e foi
apresentado diante dele.14 E foi-lhe dado
domínio, e glória, e um reino, para que
todos os povos, nações e línguas o
servissem; o seu domínio é um domínio
eterno, que não passará, e o seu reino
tal, que não será destruído. (Daniel 7:13-
14) Ilustração da Bíblia por Julius
Schnorr von Carolsfeld, séc. XIX

O filho do homem e o ancião de dias são claramente distintos. O filho do homem recebe
autoridade, poder, glória, o reino e é adorado. O filho do homem é eterno, o seu reino é
eterno.
Filho do Homem no NT
O filho do homem vindo sobre as
nuvens do céu (Dan 7:13) é a
imagem bíblica do Messias que
Jesus aplica a si mesmo diante de
Caifás, “…E vereis o Filho do homem
assentado à direita do Poderoso
vindo com as nuvens do céu.”
(Marcos 14:62)

O conceito do Filho do Homem é expresso


em livros não-canônicos Judaicos, como
em Enoque. Algumas partes do livro
apocalíptico Judaico de 1 Enoque é do séc.
Ilustração bíblica por Gerard
III AEC, e outras seções, do séc. I AEC. Hoet, séc. XVII
Filho do homem em
1 Enoque e em 4 Esdras
1 Enoque 48
“Naquele lugar, eu vi o poço da justiça; ele
era inesgotável, e ao seu redor havia
muitos poços de sabedoria. Todos os que
tinham sede bebiam deles e eram
saciados de sabedoria e moravam junto
aos Justos, aos santos e ao eleito.
E, naquela hora, o filho do homem era
mencionado diante do Senhor dos
espíritos, e o seu nome era referido
diante do ancião.”
Ilustração da Bíblia por Gerard
Filho do homem e o Senhor dos Hoet, século 17.

espíritos (Ancião de dias) são


claramente distintos nesta passagem.
1 Enoque 48
“Antes que fossem criados o sol e
os signos, e antes que fossem feitas
as estrelas do céu, o seu Nome era
pronunciado diante do Senhor dos
Espíritos. Ele será um cajado ao
justo para apoiá-los e para que não
caiam, e ele será a luz dos
Gentios…”

O Filho do homem foi chamado


antes da criação (pré-existente
Logos?). Luz das nações (Isa 49: 6) -
termo é aplicado a Jesus no Templo
(Lucas 2:32)
1 Enoque 48
“Todos os que habitam na Terra
cairão diante dele, o abençoarão e
gloficarão e cantarão canções em
nome do Senhor dos Espíritos.
Portanto o eleito e escondido,
subsistiu em sua presença, antes
que o mundo fosse formado, e para
sempre.”

Filho do Homem é adorado (assim como


em Dan 7), mas aqui, juntamente com o
Senhor dos Espíritos. Ele foi escolhido e
escondido (propositadamente encoberto)
antes da criação.
1 Enoque 48
Na Sua presença Ele existiu, e
revelou aos santos e aos justos a
sabedoria do Senhor dos espíritos;
pois Ele preservou o lugar dos
retos, porque eles iraram e
rejeitaram este mundo de
iniquidade, e detestaram todas as
suas obras e caminhos, no nome do
Senhor dos espíritos…

O conceito de Sabedoria (Hochmah /


Sofia) é por vezes personificado na
literatura do Segundo Templo, e muitas
vezes ligado ao Logos e ao Messias.
1 Enoque 69
E havia grande alegria entre eles, e
bendiziam, louvavam, e exaltavam,
porque o nome daquele Filho do
Homem tinha sido revelado a eles. E Ele
sentou-se no Trono de Sua Glória e o
julgamento total foi dado ao Filho do
Homem e Ele mandará os pecadores
serem retirados e exterminados da face
da Terra e aqueles que desviaram o
mundo.
O Filho do homem torna-se conhecido (seu
nome/natureza é revelada). Ele está sentado no
trono de glória no céu. Ao Filho do homem é dada
toda a autoridade para julgar a humanidade e Ilustração de Enoque da Bíblia De
para condenar os pecadores. Vos
1 Enoque 69
Serão aprisionados com correntes e
serão encerrados no lugar de sua
destruição, e todas as suas obras
desaparecerão da face da terra. E
daquele dia em diante não haverá nada
corruptível. Pois aquele filho do homem
surgiu, e sentou-se no Trono de Sua
glória, e todo o mal desaparecerá e será
retirado de diante dEle; e a palavra
daquele filho do homem será forte
diante do Senhor dos espíritos.

O Filho do homem tem poder, julga, e até


possui um trono no céu como Deus. Ilustração de Enoque da Bíblia De
Vos
4 Esdras 13
Eis que um vento surgiu do mar e despertou
todas as suas ondas. E olhei, e eis que este
vento fez algo parecido com a figura de um
homem subir do coração do mar. E olhei, e
eis que o homem voou com as nuvens do
céu; e onde quer que vire o rosto para olhar,
tudo sob seu olhar tremeu, e emitida de sua
boca, todos tudo o que foi emitido pela sua
boca, os que ouviram a voz derreteram
como cera que se derrete quando sente o
calor do fogo… Ilustração da Bíblia por Julius
Schnorr von Carolsfeld, séc. XIX

O 4º livro de Esdras, por vezes chamado segundo Esdras, foi escrito no final do séc. I
EC. Como em outros livros uma figura de aparência humana vem do mar e voa sobre as
nuvens. Este Filho do homem é uma figura temível. O poder de sua voz foi comparada
ao fogo.
4 Esdras 13

Depois destas coisas olhei, e eis que uma multidão inumerável de


homens estavam reunidos desde os quatro ventos do céu para
fazer a guerra contra o homem que veio do mar. E olhei, e eis que
ele esculpiu para si mesmo uma grande montanha, e voou em
cima dela ... quando viu o avanço da multidão se aproximando, ele
não levantou a mão, nem segurou uma lança ou qualquer arma de
guerra ... mas eu só vi como ele enviou-lhe da boca como se fosse
um rio de fogo. Todos esses foram mesclados, o rio de fogo e a
respiração de fogo e da grande tempestade, e caiu sobre a
multidão que foi preparada para lutar, e foram todos queimados.

Um grande exército de homens vem contra o Filho do homem, mas ele esculpe uma
montanha e a usa como um veículo voador. O Filho do homem luta com a boca
(palavra). Com um jato de fogo ele queima seus inimigos e os destrói.
Isaías 11
A imagem bíblica do Messias em Isaías é
aquele que julga com justiça. Ele não usa armas
para lutar contra os ímpios, mas sua respiração
e sua boca são armas mortais.

E ele se inspirará no temor do Senhor.


Não julgará pela aparência, nem decidirá
com base no que ouviu; mas com
retidão julgará os necessitados, com
justiça tomará decisões em favor dos
pobres. Com suas palavras, como se Ilustração da Bíblia por Julius
fossem um cajado, ferirá a terra; com o Schnorr von Carolsfeld, séc. XIX

sopro de sua boca matará os ímpios.


(Isaías 11:3-4)
Anjo Metatron
em 3 Enoque
Metatron em 3 Enoque

O terceiro livro de Enoque é um outro


exemplo do pensamento Judaico místico e
apocalíptico. Ele pertence ao séc. II EC, mas
porções podem ter sido escritas tão tarde
quanto o séc. V EC. Metratron é um
poderoso arcanjo na tradição Judaica. Ele é
chamado o anjo da presença de Deus e anjo
do Senhor. Seu nome incomum tem sido
interpretado do Grego μετὰ θρóνος (meta
Ilustração da Bíblia por Julius
Schnorr von Carolsfeld, século thronos), que significa "para além ou depois
19.
do trono“, mas isso é uma conjectura.
Em 3 Enoque, o Rabi Ismael (séc. I EC) alcança o céu e tem uma conversa
incrível com o anjo Metatron. Metatron tem 70 nomes baseados em nome
de Deus e algo mais.
Metatron em 3 Enoque
Metatron disse ao rabino Ismael, "Fora do amor que ele tinha
por mim, mais do que por todos os habitantes das alturas, o
Santo, bendito seja ele, fez para mim um majestoso manto ...
Fez para mim uma coroa real ... Colocou-a sobre minha cabeça,
e ele me chamou: "O YHWH menor" na presença de toda a sua
casa na altura, como está escrito: “Meu nome está nele.” (3
Enoque 12:1-5)
Metatron é o mais amado por Deus. Foi dado um
manto, uma coroa e era chamado de YHWH menor
(SENHOR/ADONAI) antes de tudo no céu. O próprio
nome de Deus está nele. Um anjo em Êxo. 23: 20-21
recebe poder incomum, para liderar, para julgar e
punir os Israelitas, porque o nome de Deus está nele.
Porque Deus colocou o seu nome 70 vezes em
Metatron, a ele é dado a glória e autoridade de Deus,
ele é o "menor YHWH”.
Teologia do Logos do Judaísmo e
os dois poderes no céu no NT
Logos Judaico e o NT
O Logos na teologia Judaica é desconhecido por muitos, porque tal
conceito foi ativamente suprimido durante o período rabínico. A ideia
de dois poderes no céu, os conceitos do Logos divino, Meimra como
agente de Deus, o Filho do Homem e anjos equiparado ao próprio
Deus são todas manifestações deste tipo de pensamento Judaico.
As crenças dos primeiros seguidores Judeus de
Jesus sobre o seu Senhor, sendo um ser humano
e divino ao mesmo tempo, vieram de uma
compreensão ampla de Deus no Judaísmo da
Antiguidade.

A imagem escatológica do Filho do Homem vindo sobre as nuvens


do céu; o Filho de Deus que compartilha a glória de Deus e está
sentado no trono tendo toda autoridade para julgar, vai muito além
de alguns textos bíblicos.
Daniel Boyarin
sobre o prólogo e João

“O quarto evangelho não é novo


ponto de partida da história do
Judaísmo, em seu uso da teologia
do Logos, mas apenas, em sua
Cristologia encarnada... Até ao vs
14, o prólogo Joanino é um
pensamento Israelita não-Cristão
perfeitamente clássico que tem sido
tecido de forma original na
narrativa cristológica da Prof. Daniel Boyarin, Univ. California,
Berkley
comunidade Joanina.”
Resumo da Aula
Se Jesus era visto como o Logos - o
início e a ordem, o agente pré-existente
de criação que se fez carne ou como a
Meimra, - o agente misterioso de Deus
que se relacionou com este mundo -
Jesus foi visto à luz dessas ideias pré-
existentes de Deus no mundo Judeu do
século 1.

A ideia de dois poderes no Céu era real no pensamento Judaico


do primeiro século. O Filho do Homem que fere seus inimigos
com sua respiração era a esperança de alguns Judeus no
primeiro século. Para outros, o segundo poder era um anjo
exaltado, a quem foi dada autoridade, que desde muito o nome
de Deus estava nele.