Você está na página 1de 17

Noções Básicas de Transferência de Calor

A energia pode ser transferida de um sistema por


interações com a vizinhança através de:
! Calor

! Trabalho

Transferência de Calor: é energia em trânsito devido a


uma diferença de temperatura.

Deseja-se saber:
! Modos de transferência de calor

! Taxas de transferência de calor

Exemplo:

Ar frio
Q " Devido a diferença de
temperatura, ocorrerá uma
transferência de calor do
café para o ar. O estudo de
transferência de calor
determina os mecanismos
responsáveis pela
transferência de calor e as
taxas nas quais ela ocorre
(determinar a “velocidade”
Café quente com que o café esfria).

1
Modos de Transferência de Calor

a) Condução
T1
T1 > T2

Q
T2

Sólido ou fluido estacionário

b) Convecção
U Ts > T
T Fluido em movimento
Q

Ts

c) Radiação

Ondas eletromagnéticas
Não requer meio material para transmissão

2
Vamos estudar cada mecanismo com mais detalhes:
a) Condução
Transferência de energia devido ao movimento
randômico das moléculas
Altas temperaturas " Maior energia molecular
Equação que descreve a transferência de calor
por condução:
Lei de Fourier:
T1 dT
Q" ! k
Q’’ dx
T2
Fluxo de calor [W / m 2 ] na direção x.
L
k é a condutividade térmica [W / mK ] do material

Notas:
" Fluxo de calor é um vetor Q" ! Qx " i $ Q y " j $ Qz " k
dT dT dT
Qx " ! k ; Qy " ! k ; Qz " ! k
dx dy dz
Q" ! k grad T
O sinal negativo é porque energia é transferida
da temperatura mais alta para a mais baixa

T2<T1
Um material isolante térmico possui uma T 1
condutividade térmica baixa
Q”x
Taxa de transferência de calor [W]:

Q# x ! kA
dT L
Area A
dx x

3
Equação de Conservação de Energia
Vamos aplicar a 1a Lei da termodinâmica para um elemento de volume infinitesimal:

%U
! Q#entra Q#sai $ Q# gerado
%t

%U %mu %& c T
Variação da energia armazenada : ! ! dx dy dz
%t %t %t
%U %T
& c = constantes ! &c dx dy dz
%t %t

Q# gerado ! Q' ' ' dx dy dz


Taxa de geração de calor por unidade de volume
(ex: geração por energia elétrica, nuclear, etc)

Fluxo líquido: Q#entra Q#sai

Q#entra ! Q" x dy dz $ Q" y dx dz $ Q" z dx dy


Q#sai ! Q" x $ dx dy dz $ Q" y $ dy dx dz $ Q" z $ dz dx dy
% Q#y
Q # y $ dy ! Q # y $ dy
% y

dz % Q#x
dx Q # x $ dx ! Q # x $ dx
Q #x %x
dy
y

x
z Q#y
%Q'x' dydz %Q'y' dxdz %Q'z' dxdy
Q#entra Q#sai ! dx dy dz
%x %y %z

4
Fluxo líquido por unidade de volume :

Q#entra Q#sai %Q" x %Q" y %Q" z


! ! divQ"
dx dy dz %x %y %z

" Usando a Lei de Fourier: Q" ! k grad T

Q#entra Q#sai
! div Q" ! div( k grad T )
d(

Q#entra Q#sai % . %T + % . %T + % . %T +
! ,k %x ) $ %y ,k %y ) $ %z ,k %z )
dx dy dz %x - * - * - *

equação de %T
condução de calor: &c ! div ( k grad T ) $ Q' ' '
%t

%T % . %T + % . %T + % . %T +
&c ! k $ k $ k $ Q' ' '
%t %x ,- %x )* %y ,- %y )* %z ,- %z )*

& c %T % 2T % 2T % 2T Q' ' '


" Se k é constante: ! $ $ $
k %t %x 2 %y 2 %z 2 k
" Reg. Permanente, % 2T % 2T % 2T
sem geração de calor: $ $ !0 ou / 2T ! 0
%x 2 %y 2 %z 2

5
Condução de Calor Unidimensional em Regime Permanente

A equação de conservação de energia fica


simplesmente:

% 2T %T " T ( x) ! C1 x $ C2
!0 " ! C1
%x 2 %x Distribuição linear de
temperaturas
Condições de Contorno: x ! 0 " T ! T1
x ! L " T ! T2

T1 ! C2
5T T 2
T2 ! C1 L $ C2 " C1 !
T2 T1 " T ( x) ! 3 2 1 0 x $ T1
L 4 L 1

Taxa de transferência de calor através da parede:

Q# x ! kA
dT 6T T 7
! kA 2 1 ! 6T1 T2 7
kA
dx L L

Q# x !
kA
6T1 T2 7 A taxa de transferência de calor
é independente de x
L

6
Analogia com eletricidade:

Eletricidade: V1 V2 diferença de potencial


i!
R resistência elétrica

corrente elétrica

Q# !
T1 T2
Condução: L
Rcond onde Rcond !
kA

T1 k

Q# !
Rcond T1 T2
Q#
T1 T2
T2 L / kA
Q#
L

No caso de uma parede composta por diversos materiais:

L1 L2 L3
T1 R1 R2 R3
T2
T1
L1 L2 L3
onde R1 ! R2 ! R3 !
k1 A k2 A k3 A
T2

k1 k2 k3

O circuito equivalente fica:


T1 T2
Req = R1 + R2 + R3
Req (resistências em série)

Q# !
T1 T2 T1 T2
!
Req L L L
1
$ 2 $ 3
k1 A k 2 A k3 A

7
Nota: paredes compostas podem apresentar configuração série/paralelo.
LA LB LD RB
A B D
T1 RA RD
T2 T2
T1
C RC

LC
1 R A ! LA / k A A
Req ! RA $ $ RD
1 1 RB ! LB / k B A B
$
RB RC RC ! LC / kC AC
RD ! LD / k D A
Q# !
T1 T2
LA 1 L
$ $ D
kA A k A k A
B B
$ C C kD A
LB LC

Condução de Calor Radial


(unidimensional em coordenadas cilíndricas)

Em coordenadas, a equação de condução de calor em regime


permanente, sem fontes, fica:
T2
1 d 5 dT 2 T1 r
3k r 0!0
r dr 4 dr 1

Para obter a distribuição de temperatura, vamos integrar a


equação diferencial:

dT dT C1
kr ! C1 " ! " T (r ) ! C1 ln r $ C2
dr dr r

8
:r ! R1 " T ! T1
Condições de Contorno: 9
8r ! R2 " T ! T2

:T1 ! C1 ln R1 $ C2 5R 2 T1 T2
9 " T1 T2 ! C1 ln33 1 00 " C1 !
8T2 ! C1 ln R2 $ C2 4 R2 1 ln( R1 / R2 )

T1 T2
" C2 ! T2 C1 ln R2 ! T2 ln R2 !
ln( R1 / R2 )
T2 ln R1 T2 ln R2 T1 ln R2 $ T2 ln R2
! !
ln( R1 / R2 )
T2 ln R1 T1 ln R2
!
ln( R1 / R2 )

T1 T2 T ln R1 T1 ln R2
T (r ) ! ln r $ 2
ln( R1 / R2 ) ln( R1 / R2 )

T1 T2 5 r 2
T (r ) ! ln33 00 $ T2 "Distribuição de temperatura
ln( R1 / R2 ) 4 R2 1 logarítmica. Não é linear.

"Taxa de transferência de calor:

Q #r ! k A
dT dT
! k 2; r L
dr dr

dT T T 1
! 1 2
dr ln( R1 / R2 ) r

9
2; L k
Q#r ! k 2; L " Q #r !
T1 T2
6T1 T2 7
ln( R1 / R2 ) ln( R2 / R1 )

Analogia com circuito elétrico:

<T
Q# !
Rcond

No caso de geometria cilíndrica:

ln 6R2 / R1 7
Rcond !
2; L k

Exercício:
Um forno de cozinha é construído com paredes de 50mm de espessura
de lã de vidro. O forno é um cubo com lado igual a 60 cm. Medições nas
paredes internas e externas em regime permanente indicam 200 oC e 80oC.
Estime a perda de energia. Condutividade térmica: kla de vidro = 0,038 W/(mK)

10
b) Convecção
A troca de calor por convecção envolve o mecanismo de
difusão de calor (movimento molecular aleatório) mais energia
transportada pelo movimento macroscópico do fluido.

U=
T=
Camada
limite
Fluxo de calor:
u T

Q" ! h6T T= 7
y térmica

As Camada limite Q” Ts > T=


hidrodinâmica
Taxa de transferência de calor:

Q# ! hA6T T= 7

h coeficiente de troca de calor


coeficiente de película
coeficiente de filme

h depende: "velocidade do fluido


"geometria da superfície
"propriedades do fluido
"tipo de escoamento

2 tipos de convecção:
"Natural: movimento do fluido não é causado por um agente externo.
Ex: gradientes de temperatura geram variações de densidade e
causam movimento.

"Forçada: bomba, ventilador, etc...

11
Analogia com eletricidade: Q# ! hA(T T= )

1 Rconv
Rconv !
hA
T T=

Alguns valores para h:


Gases: 2 - 25 W / m2 K
Convecção Natural
Líquidos: 50 - 1000 W / m2 K

Gases: 25 - 250 W / m2 K
Convecção Forçada
Líquidos: 50 - 20000 W / m2 K

A maioria das informações sobre coeficientes de troca de calor é empírica.


De uma forma geral:

h ! h ( x, & , k , c p , > , U = , L )
$!#!"
propriedades
posição geometria
do fluido velocidade
do escoamento

A dependência pode ser escrita de forma adimensional:


hx
5 x & U= x > c p 2 ! Nu x ? Número de Nusselt
hx k
! f3 , , 0
k 3L > k 01
4 & U= x
! Re x ? Número de Reynolds
>

> cp
! Pr ? Número de Prandtl
k

12
Exercícios
1 - Um chip de silício e o substrato de alumínio estão separados por
uma junta epoxi com 0,02 mm de espessura. O chip e o substrato
têm 10 mm de lado. As superfícies expostas são resfriadas com ar a
25oC com coeficiente de troca de calor de 100 W/(m2oC). Se o chip
dissipa 104 W/(m3), será que ele vai trabalhar abaixo da temperatura
permissível de 85oC em regime permanente?
k alumínio ! 238W / mK kepoxi ! 0,22W / mK

U h ! 100W / m 2 K
T= ! 25o C
chip
0,02mm junta epoxi
L = 8mm
substrato
h ! 100W / m K
2

T= ! 25o C

2 – Um tubo de cobre de parede fina transporta refrigerante a baixa


temperatura T i . O ambiente externo está a T . Calcule a resistência
térmica total do tubo, para um tubo de 10mm de diâmetro com
espessura de isolamento de (a) 0, (b) 5, (c) 10, (d) 20, e (e) 40mm.
O coeficiente de troca de calor externo é de 5W / m 2 K . O comprimento
do tubo é L = 10m.

13
c) Radiação
Radiação térmica é a energia emitida por todo corpo com
uma temperatura não nula.
- emitida por ondas eletromagnéticas
- não requer um meio material para transmissão como
condução e convecção.

O fluxo de calor por radiação emitido por uma superfície é


igual a:
T Temperatura absoluta
Q" # !" T 4
" Constante de Stefan-Boltzman
" # 5,67 %10$8W / m 2 K 4
! Emissividade (propriedade da superfície)
(0 & ! & 1)
Quando ! = 1, o fluxo de calor é máximo e o corpo é denominado de corpo negro.

Radiação incidente:

q"inc # q"ref * q"trans * q"abs


q"ref q"trans q"abs
+1# * *
q"inc q" q"inc
#"inc
!
#) #( #'
refletividade transmissividade absortividade

14
Um caso especial, que ocorre com freqüência, envolve a troca
de radiação entre uma superfície pequena a Ts e uma
superfície isotérmica, muito maior, que envolve completamente
a menor. Se a superfície considerada apresenta ',#,!
(superfície cinza), o fluxo líquido de transferência de calor por
radiação a partir da superfície é dado por:

Q"rad # !"TS4 $ '"Tviz4 # !"(TS4 $ Tviz4 )

Ar

Transferência
de Calor por
Convecção
Vizinhança a
temperatura Tviz
Superfície de emissividade !
e área A a uma temperatura Ts

Exercício: Uma tubulação contendo vapor atravessa uma sala na qual o ar e as


paredes estão à temperatura de 25oC. O diâmetro externo do tubo é 70mm, a
sua temperatura na superfície e emissividade são 200oC e 0,8 respectivamente.
Se o coeficiente associado com a transferência de calor por convecção natural
da superfície para o ar é 15W/m2K, qual a taxa de transferência de calor da
superfície por unidade de comprimento da tubulação?

15
CONDUÇÃO EM REGIME TRANSIENTE
Análise concentrada

-Gradientes de temperatura no sólido são desprezíveis

-Exemplo:
Balanço de energia no sólido
E% a # $ E% s
t 0 T=Ti, t- T=T
dT
T=T(t) )cV #$ hAs .T $ T /
dt #$"$ $! $
#$"$ ! Calor perdido por convecção
taxa variação
T < Ti energia armazenada

0
Definindo, 0 > T $ T + d # dT ) cV d 0
dt dt + # $0
hA s dt

Utilizando separação de variáveis e integrando de t = 0 (0 = 0 i ) :


) cV 0i
ln #t
hA s 0
1
0i T $ T 8 2 hA 5 ;
+ # # exp :,$4 s
7t =
0 Ti $ T 9 3 ) cV 6 < (t
#&"&!&
?

Capacidade 0/0i
térmica
) cV '
Def. : ( t > # Rt Ct
hA s Resist.
convecção

t* t*
Calor Q# 1 0
qdt # hAs 1 0
0dt 0 t
transferido 8, 2,$t 5,;,
num tempo t*: + Q # )cV0 i :,1$ exp4, 7,=,
9, 3,( t 6,<,

16
-Adimensionalização da equação para a
distribuição de temperaturas
hAst ht hL k t hL 't
# # c # c 2 # BiFo
)cV )cLc k )c L2c k Lc
Bi Fo

0 T $T
+ # # exp($BiFo)
0
&& i Ti $ T
Significado físico dos adimensionais:
Bi - razão entre resistência térmica à condução e
resistência térmica à convecção
Fo - tempo adimensional. Fornece uma medida da eficiência
relativa com a qual um sólido conduz e armazena energia
térmica (qcond~kL2@T/L, Ea ~)cL3!T/t)

-A condição para a utilização do método é: Bi=hLc/k < 0,1,


onde Lc é um comprimento característico (p.ex. V/A)

Exemplo:Uma junção de termopar esférica é usada para medir a


temperatura numa corrente de gás. O coeficiente de convecção entre
a junção e o gás é 400 W/m2K. A condutividade térmica é 20 W/mK,
o calor específico 400 J/kgK e a densidade vale 8500 kg/m3. Calcule
o diâmetro necessário para que o termopar tenha a constante de
tempo de 1s. Se a junção está a 25 0C e o gás a 200 0C, quanto tempo
levará para que a junção chegue a 199 0C?

gás Ti=25 0C

17