Você está na página 1de 36

HOLOCAUSTO

Informação para estudantes


Uma introdução às áreas temáticas é essencial para um sentido da amplitude da história do
Holocausto. Os tópicos a seguir também fornecem um contexto para os eventos do
Holocausto: o antissemitismo, a vida judaica na Europa antes do Holocausto, as consequências
da Primeira Guerra Mundial e a ascensão nazi ao poder.

Hitler revê uma parada da


SA enquanto passa em
frente ao teatro de
Dortmund. —Mahn-und
Gedenkstaette
Steinwache Dortmund

1933–1938
Após a nomeação de Adolf Hitler como chanceler alemão em 30 de janeiro de 1933, o estado
nazi (também conhecido como o Terceiro Reich) tornou-se rapidamente um regime em que
os cidadãos não tinham direitos básicos garantidos. A ascensão nazi ao poder pôs fim à
República de Weimar, a democracia parlamentar alemã estabelecida após a Primeira Guerra
Mundial. Em 1933, o regime estabeleceu os primeiros campos de concentração,
aprisionando os seus oponentes políticos, homossexuais, Testemunhas de Jeová e outros
classificados como “perigosos”. Grande propaganda foi usada para espalhar os objetivos e
ideais racistas do Partido Nazi. Durante os primeiros seis anos da ditadura de Hitler, os judeus
alemães sentiram os efeitos de mais de 400 decretos e regulamentos que restringiam todos
os aspetos de suas vidas públicas e privadas.

Página 1 de 36
Adolf Hitler nomeado Chanceler
Adolf Hitler cumprimenta o Presidente Paul
von Hindenburg na Ópera Estatal. —
Federação Nacional dos Deportados e
Resistentes Internos e Patriotas

30 de janeiro de 1933
O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche
Arbeiterpartei; NSDAP), mais comumente conhecido como Partido Nazi, assume o controlo
do Estado alemão quando o presidente alemão Paul von Hindenburg nomeou o líder do
Partido Nazi Adolf Hitler como chanceler à frente de um governo de coligação. Os nazis e o
Partido Nacionalista Alemão (Deutschnationale Volkspartei; DNVP) são membros da
coligação.

No dia da sua nomeação como


chanceler alemão, Adolf Hitler
saúda uma multidão de alemães
entusiastas de uma janela do
prédio da Chancelaria. Berlim,
Alemanha, 30 de janeiro de 1933.
—Bayerische Staatsbibliothek

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Establishment of the Nazi Dictatorship
 Holocaust Encyclopedia article—Third Reich
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Propaganda
 New video overview of the Holocaust—The Path to Nazi Genocide

Página 2 de 36
Legislação alemã: decreto de fogo

Incêndio do Reichstag —British Movietone News Ltd.

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-events/1933-
1938/reichstag-fire-decree

TRANSCRIÇÃO
Aí vê-se o Reichstag, a casa do parlamento alemão em Berlim, que foi seriamente destruída
pelo fogo. O salão principal em que os deputados conduziram os seus debates sofreu mais
com a conflagração, e após as eleições gerais que estavam prestes a ocorrer, o parlamento
terá que encontrar um espaço temporário num outro lugar. As chamas não respeitam pessoas,
e a cadeira do Presidente Hindenburg também foi destruída. Hitler, agora chanceler, anunciou
que o fogo era obra de comunistas e pretendia ser o sinal de uma insurreição bolchevique em
todo o país. Em consequência, a Alemanha foi colocada sob um sistema de lei marcial, tendo
sido assinado um decreto que visa a destruição total do comunismo.

28 de fevereiro de 1933
No dia seguinte ao incêndio do prédio do parlamento alemão (Reichstag), o presidente
Hindenburg emite o decreto para a proteção do povo e do Reich.
Embora as origens do incêndio ainda não estejam claras, numa manobra de propaganda, o
governo de coligação (composto de nazis e nacionalistas) culpou os comunistas. Eles
exploraram o fogo do Reichstag para garantir a aprovação do Presidente Hindenburg para um
decreto de emergência, popularmente conhecido como o Decreto do Fogo do Reichstag, que
suspendeu os direitos individuais e o devido processo legal. O Decreto do Incêndio do
Reichstag permitiu que o regime prendesse e encarcerasse os opositores políticos sem
acusação específica, dissolver organizações políticas e suprimir publicações. Também deu ao

Página 3 de 36
governo central a autoridade para anular leis estaduais e locais e derrubar governos estaduais
e locais. O decreto foi um passo fundamental no estabelecimento da ditadura nazi. A
Alemanha tornou-se um estado policial no qual os cidadãos não desfrutavam de direitos
básicos garantidos e a SS, a guarda de elite do estado nazi, exercia uma autoridade crescente
através de seu controle sobre a polícia.

O prédio do Reichstag (parlamento alemão)


queimado em Berlim. Hitler usou o evento para
convencer o presidente Hindenburg a declarar
estado de emergência, suspendendo
importantes salvaguardas constitucionais.
Alemanha, 27 de fevereiro de 1933. —Bildarchiv
Preussischer Kulturbesitz

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Reichstag Fire
 Holocaust Encyclopedia article—Decree of the Reich President for the Protection of
the People and the State
 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Establishment of the Nazi Dictatorship
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Terror Begins

Estabelecimento do Campo de Dachau

Quartel e fábrica de munição no campo de


concentração de Dachau. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia da Administração
Nacional de Arquivos e Registos, College Park, MD

22 de março de 1933

Página 4 de 36
Fora da cidade de Dachau, na Alemanha, a SS (Schutzstaffel, Protection Squads) estabelece o
seu primeiro campo de concentração para encarcerar adversários políticos.
Entre 1933 e 1945, os campos de concentração (Konzentrationslager; KL ou KZ) foram uma
característica essencial do regime nazi. O número de prisioneiros encarcerados em Dachau
durante estes anos excedeu os 188.000. O número de prisioneiros que morreram no campo e
nos seus subcampos entre janeiro de 1940 e maio de 1945 era de pelo menos 28 mil, ao qual
aumentaram o número de pessoas que morreram entre 1933 e fins de 1939, além de um
número indeterminado de prisioneiros não registados. Dachau foi o único campo de
concentração a permanecer em operação durante todo o período do poder nazi. É improvável
que o número total de vítimas que morreram em Dachau seja conhecido.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Dachau
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Camps
 Holocaust Encyclopedia article—Concentration Camps, 1933–1939
 Holocaust Encyclopedia—Listen to eyewitness interviews
 Holocaust Encyclopedia—View animated map

Boicote Antijudaico
Aviso público, emitido pelo Comité Central
para a Defesa contra Atrocidades Judaicas e
o Boicote, instruindo os alemães a
protegerem-se contra os judeus boicotando
empresas judaicas e profissionais judeus a 1
de abril de 1933. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Hans Levi

1 de abril de 1933

Página 5 de 36
Menos de 3 meses depois de chegar ao poder na Alemanha, a liderança nazi encena um
boicote económico visando empresas de propriedade de judeus e os escritórios de
profissionais judeus.
O boicote foi apresentado ao povo alemão como uma represália e um ato de vingança pela
má imprensa internacional contra a Alemanha desde a nomeação do governo de Hitler em
janeiro de 1933. Os nazis alegavam que judeus alemães e estrangeiros estavam espalhando
“histórias de atrocidades” para prejudicar a reputação da Alemanha. As Tropas de
Tempestade Nazi estavam ameaçadoramente diante de lojas de departamentos e
estabelecimentos retalhista de propriedade de judeus, e fora dos escritórios de profissionais
judeus, segurando cartazes e gritando slogans como "Não compre de judeus" e "Os judeus são
o nosso infortúnio".
Embora a campanha nacional de boicote tenha durado apenas um dia e tenha sido ignorada
por muitos alemães que continuaram a fazer compras em lojas de judeus e buscar os serviços
de profissionais judeus, o boicote marcou o início de uma campanha nacional pelo Partido
Nazi contra os judeus na Alemanha, o que culminaria no Holocausto.

Homens da SA com sinais de boicote


bloqueiam a entrada de uma loja de
propriedade de judeus. Os sinais diziam: "Os
alemães, defendam-se contra a propaganda
da atrocidade judaica, comprem apenas nas
lojas alemãs!" e "alemães! Defenda-se! Não
compre de judeus!" Berlim, Alemanha, 1 de
abril de 1933. - Administração Nacional de
Arquivos e Registos, College Park

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Boycott of Jewish Businesses
 Holocaust Encyclopedia article—Julius Streicher
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany
 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939
 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Establishment of the Nazi Dictatorship

Página 6 de 36
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Antisemitism

Lei para a Restauração da Função Pública Profissional

Carta notificando a Dra. Susanne Engelmann que


foi demitida do seu cargo docente em
conformidade com a nova Lei do Serviço Civil de 7
de abril de 1933. - Museu Memorial do Holocausto
nos EUA, cortesia de Peter Engelmann

7 de abril de 1933
O governo alemão emite a Lei para a Restauração do Serviço Civil Profissional (Gesetz zur
Wiederherstellung des Berufsbeamtentums), que exclui os judeus e outros oponentes
políticos dos nazis de todos os cargos de serviço civil. A lei inicialmente isenta aqueles que
trabalharam no serviço civil desde 1 de agosto de 1914, aqueles que eram veteranos da
Primeira Guerra Mundial, ou aqueles com pai ou filho mortos em ação na Primeira Guerra
Mundial.
O governo alemão também emite uma nova lei sobre a participação no bar, que determina a
expulsão de advogados não-arianos a 30 de setembro de 1933. Isentos desta disposição são
advogados judeus que exercem advocacia desde 1 de agosto de 1914, ou advogados judeus
que são veteranos alemães da Primeira Guerra Mundial.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939

Página 7 de 36
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany
 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Jewish Population in 1933
 Holocaust Encyclopedia article—World War I

Lei limita judeus em escolas públicas


Capa de um leitor da escola primária. O currículo escolar
sob os nazistas enfatizava o amor e a obediência a Hitler
(o Führer), a consciência racial e a preparação militar. -
Jung-Deutschland: Eine deutsche Fibel, por Otto
Zimmermann, B. Hemprich, M. Dalchow e Eugen
Osswald. Braunschweig: G. Westermann, 1935.

25 de abril de 1933
O governo alemão emite a lei contra a superlotação nas escolas e universidades, o que limita
drasticamente o número de estudantes judeus que frequentam escolas públicas.
Após a nomeação de Adolf Hitler como chanceler em janeiro de 1933, o governo em todos os
níveis - nacional, estadual e municipal - começou a adotar leis e políticas que restringiam cada
vez mais os direitos dos judeus na Alemanha. Esta nova lei limitou o número de estudantes
judeus em qualquer escola pública a não mais de 5% do total da população estudantil. De
acordo com o censo de 16 de junho de 1933, a população judaica da Alemanha era de cerca
de 500.000 pessoas de uma população total de 67 milhões ou menos de 0,8% do total. Em
1933, 75% de todos os estudantes judeus frequentavam escolas públicas gerais na Alemanha.
No entanto, as escolas públicas também desempenharam um papel importante na
disseminação de ideias nazis para jovens alemães. Os educadores ensinaram aos alunos o
amor por Hitler, a obediência à autoridade do Estado, o militarismo, o racismo e o

Página 8 de 36
antissemitismo. Em face da crescente perseguição nas escolas públicas, os judeus na
Alemanha voltaram-se cada vez mais para escolas particulares para seus filhos.
Um poema na cartilha retratada acima diz:
Meu führer (a criança fala)
Eu conheço-te bem e amo-te muito
Como pai e mãe.
Eu quero obedecer-lhe sempre
Como pai e mãe.
E quando eu crescer, vou-te ajudar
Como pai e mãe,
Você deveria sentir alegria por minha causa
Como pai e mãe!

Alunos de primeiro ano estudam numa sala de


aula numa escola pública em Hamburgo,
Alemanha, em junho de 1933. A aluna judia
Eva Rosenbaum (com o colarinho branco) está
sentada na mesa central à direita. A 12 de
dezembro de 1938, Eva partiu para a
Inglaterra no segundo Kindertransport. -
Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Eva Rosenbaum Abraham-Podietz

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates

 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939

 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Jewish Population in 1933

 Holocaust Encyclopedia article—German Jews during the Holocaust, 1939–1945

 Online Exhibition theme—Indoctrinating Youth

Queima de livros

Neste curta-metragem, um sobrevivente do


Holocausto, um autor iraniano, um crítico literário
norte-americano e dois historiadores de museus
Página 9 de 36
discutem a queima de livros nazis e por que os regimes
totalitários frequentemente têm como alvo a cultura,
particularmente a literatura. - Museu Memorial do
10 de maio de 1933
A 10 de maio de 1933, estudantes universitários queimaram mais de 25 mil livros "não-
alemães" na Praça da Ópera de Berlim. Cerca de 40.000 pessoas reúnem-se para ouvir Joseph
Goebbels fazer um discurso inflamado: "Não à decadência e à corrupção moral!"
Como parte de um esforço para alinhar as artes e cultura alemãs com as ideias nazis
(Gleichschaltung), estudantes universitários em cidades universitárias da Alemanha
queimaram milhares de livros que consideravam “não-alemães”, anunciando uma era de
censura estatal e controlo cultural. Estudantes lançaram livros saqueados principalmente de
bibliotecas públicas e universitárias para fogueiras com grande cerimónia, band-playing, e os
chamados "juramentos de fogo". Os estudantes procuraram purificar a literatura alemã de
"estrangeiros", especialmente judeus, e outras influências imorais. Entre os autores cujas
obras foram queimadas estava Helen Keller, uma americana cuja crença na justiça social a
encorajava a defender pessoas com deficiência, pacifismo, melhores condições para os
trabalhadores industriais e direitos de voto das mulheres.

Um membro da SA lança livros confiscados na fogueira


durante a queima pública de livros "não-alemães" na
Opernplatz em Berlim, a 10 de maio de 1933. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia da
Administração Nacional de Arquivos e Registos, College
Park, MD

TÓPICOS RELACIONADOS
 Special Focus—Nazi Book Burning
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Book Burning

Página 10 de 36
 Holocaust Encyclopedia article—Culture in the Third Reich: Overview
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Propaganda
 Holocaust Encyclopedia article—Immediate American Responses to the Nazi Book
Burnings
 Holocaust Encyclopedia—View historical film footage
 Bibliography—1933 Book Burnings
Lei para a “Prevenção de Progenitores com Doenças Hereditárias”

Slide de propaganda com dois médicos que


trabalham num asilo não identificado para doentes
mentais. A legenda diz: “A vida é apenas um fardo”.
Alemanha, 1934. - Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia de Marion Davy

14 de julho de 1933
O governo alemão aprova a “Lei para a Prevenção de Progenitores com Doenças Hereditárias”
(Gesetz zur Verhütung erbkranken Nachwuchses), que exige a esterilização forçada de certos
indivíduos com deficiências físicas e mentais. Esta nova lei fornece uma base para a
esterilização involuntária de pessoas com deficiências físicas ou mentais ou doença mental,
Roma (ciganos), "elementos sociais" e afro-alemães.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—The Biological State: Nazi Racial Hygiene, 1933–1939
 Holocaust Encyclopedia article—Law, Justice, and the Holocaust

Organização Central dos Judeus Alemães Formada


Julius Brodnitz, membro fundador do Reichsvertretung der deutschen
Juden. Berlim, Alemanha, 1933-1936. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Michael Brodnitz

Página 11 de 36
17 de setembro de 1933
As organizações judaicas alemãs estabeleceram a Organização Central dos Judeus Alemães
(Reichsvertretung der deutschen Juden) num esforço para melhor representar os interesses
dos judeus alemães através de uma resposta unificada à escala da perseguição nazi.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates

Lei dos editores

Um pedestre para para ler uma edição do


jornal antissemita Der Stuermer (O
atacante) numa vitrine de Berlim. O Der
Stuermer foi anunciado em vitrines perto
de pontos de autocarros, ruas
movimentadas, parques e cantinas de
fábricas em toda a Alemanha. Der
Stuermer serviu de porta-voz da
ideologia nazi e o seu editor era um
colaborador próximo de Hitler. Berlim,
Alemanha, provavelmente de 1930. —
Desconhecido ou não publicado
4 de outubro de 1933
A Lei dos Editores (Schriftleitergesetz) proíbe os não-arianos de trabalhar no jornalismo.
O Ministério de Propaganda da Alemanha (através da sua Câmara de Imprensa do Reich)
assumiu o controlo da Associação do Reich da Imprensa Alemã, a corporação que regulava a
entrada na profissão. Sob a nova Lei de Editores, a associação mantinha registos de editores
e jornalistas “racialmente puros”, e excluía judeus e pessoas casadas com judeus da profissão.
Funcionários do Ministério da Propaganda esperavam que editores e jornalistas, que tinham

Página 12 de 36
que se registar na Câmara de Imprensa do Reich para trabalhar no campo, seguissem
mandatos e instruções específicas proferidas pelo ministério. No parágrafo 14 da lei, o regime
exigia que os editores omitissem da publicação qualquer coisa “calculada para enfraquecer a
força do Reich no exterior ou em casa”.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany
 Holocaust Encyclopedia article—The Press in the Third Reich
 Holocaust Encyclopedia article—Writing the News

Lei contra “Criminosos Habituais Perigosos”


24 de novembro de 1933
O governo alemão aprova uma “Lei contra Criminosos Habituais Perigosos”. A nova lei permite
que os tribunais ordenem a prisão indefinida de “criminosos habituais” se considerarem a
pessoa perigosa para a sociedade. Também prevê a castração de criminosos sexuais.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1933: Key Dates

Caso Röhm
Retrato de Ernst Roehm, chefe de gabinete da SA. Berlim,
Alemanha, ca. 1934. - Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia da Administração Nacional de Arquivos
e Registos, College Park

Página 13 de 36
30 de junho de 1934
Hitler ordena uma violenta evacuação das principais lideranças da formação paramilitar do
Partido Nazi, a SA (Sturmabteilungen; Assault Destachments).
Pressionado por comandantes do exército alemão, cujo apoio ele precisaria para se tornar
presidente, Hitler dirige a SS para assassinar o chefe de gabinete da SA, Ernst Röhm, e os seus
principais comandantes. A SS também assassinou vários críticos conservadores do regime
nazi, incluindo o antecessor de Hitler como chanceler, o general Kurt von Schleicher. A pedido
de Hitler, o parlamento alemão (Reichstag) declara as mortes legais após o facto, com base
numa falsa acusação de que Röhm e os seus comandantes tinham planeado derrubar o
governo. Os assassinatos de 30 de junho a 2 de julho de 1934, ficaram conhecidos, mais tarde,
como "o caso de Röhm" ou "a noite das facas longas".

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1934: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Röhm Purge
 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Establishment of the Nazi Dictatorship

Morte do presidente alemão von Hindenburg

O presidente do Reich, Paul von Hindenburg, com o


chanceler do Reich, Adolf Hitler. 1933-1945. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA Museu Memorial do
Holocausto dos Estados Unidos, cortesia de Richard
Freimark, William O. McWorkman

Página 14 de 36
2 de agosto de 1934
O presidente alemão Paul von Hindenburg morre. Com o apoio das forças armadas alemãs,
Hitler torna-se presidente da Alemanha. Mais tarde, naquele mês, Hitler abole o cargo de
presidente e declara-se Führer do Reich e do povo alemão, além da sua posição como
chanceler. Nesta capacidade expandida, Hitler torna-se agora o ditador absoluto da
Alemanha; não há limites legais ou constitucionais para a sua autoridade.

Adolf Hitler saúda uma multidão do seu carro aberto durante o


desfile do Reichsparteitag (Dia do Partido do Reich) em
Nuremberg, logo após a morte do presidente alemão von
Hindenburg. Alemanha, setembro de 1934. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Richard Freimark

Hitler Abole o Gabinete do Presidente

Cartaz de Hitler com a legenda “Ein Volk, ein Reich, ein


Führer!” (Um Povo, um Império, um Líder). - Museu
Memorial do Holocausto nos EUA

Página 15 de 36
19 de agosto de 1934
Hitler abole o cargo de presidente e declara-se Führer do Reich e do povo alemão, além da
sua posição como chanceler. Nesta capacidade, as decisões de Hitler não estão vinculadas
pelas leis do Estado. Hitler torna-se agora o ditador absoluto da Alemanha; não há limites
legais ou constitucionais para a sua autoridade.
TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1934: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Germany: Establishment of the Nazi Dictatorship
 Holocaust Encyclopedia article—Third Reich: An Overview
 Online Exhibition—State of Deception: The Power of Nazi Propaganda

Proibição de organizações de testemunhas de Jeová

A família Kusserow era uma Testemunha de Jeová ativa


que distribuía literatura religiosa e dava aulas de estudo
da Bíblia em sua casa, convenientemente situada ao
longo de uma rota de autocarro. Durante os primeiros
três anos de domínio nazi, os agentes locais da Gestapo
vinham frequentemente procurar materiais religiosos
em casa. Em 1936, a pressão da polícia nazi aumentou
dramaticamente, resultando na prisão dos membros da
família que foram internados em campos de
concentração. A maior parte da família permaneceu
presa até o final da guerra. Bad Lippspringe, Alemanha,
ca. 1935. - Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Waltraud e Annemarie Kusserow Read more
about the Kusserow family.

1 de maio de 1935
O governo alemão proíbe as organizações das Testemunhas de Jeová. A proibição deve-se à
recusa das Testemunhas de Jeová em jurar lealdade ao Estado; as suas convicções religiosas
proíbem um juramento de lealdade ou serviço nas forças armadas de qualquer poder
temporal.
A partir de 1935, as Testemunhas de Jeová enfrentaram uma campanha nazi de perseguição.

Página 16 de 36
Também em 1935, a Alemanha reintroduziu o serviço militar obrigatório. Por se recusarem a
ser recrutados ou realizarem trabalhos relacionados com a guerra, e por continuarem a
realizar reuniões religiosas proibidas, centenas de Testemunhas de Jeová foram presas em
prisões e campos de concentração. Em 1936, cerca de 400 Testemunhas de Jeová foram
presas no campo de concentração de Sachsenhausen.
O número de Testemunhas de Jeová que morreu em campos de concentração e prisões
durante a era nazi é estimado em 1.000 cidadãos alemães e 400 de outros países, incluindo
cerca de 90 austríacos e 120 holandeses. (As Testemunhas de Jeová não-alemãs sofreram uma
percentagem consideravelmente maior de mortes do que os seus correligionários alemães.)
Além disso, cerca de 250 Testemunhas de Jeová foram executadas - a maioria depois de
julgadas e condenadas por tribunais militares - por se recusarem a servir nas forças armadas
alemãs.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1935: Key Dates
 Jehovah’s Witnesses: Victims of the Nazi Era
 Holocaust Encyclopedia article—Jehovah's Witnesses
 Holocaust Encyclopedia article—Non-Jewish Resistance: Overview
 Holocaust Encyclopedia article—Sachsenhausen
 Llisten to music—Stand Fast and Forward, You Witnesses!
 Bibliography—Jehovah’s Witnesses

Revisão do parágrafo 175

Trecho da página do Tag der Ausgabe


que inclui o texto do Parágrafo 175. -
Museu do Memorial do Holocausto
nos EUA

Página 17 de 36
28 de junho de 1935
O Ministério da Justiça alemão revê os parágrafos 175 e 175a do código penal alemão com a
intenção de 1) expandir a gama de ofensas criminais para abranger qualquer contacto entre
homens, seja físico ou em forma de palavra ou gesto, que poderia ser interpretado como
sexual; e 2) fortalecimento das penas para todas as violações da lei revista. A revisão facilita a
perseguição sistemática de homens homossexuais e fornece à polícia meios mais amplos para
processá-los.
Tradução do Parágrafo 175
Em 1935, o regime nazi reviu o parágrafo 175 do código penal alemão para tornar ilegal uma
gama muito ampla de comportamento entre os homens. Este é o texto da lei revista.
PARÁGRAFO 175
175. Um homem que cometer atos obscenos e lascivos com outro homem ou permitir-se ser
tão abusado por atos obscenos e lascivos, será punido com prisão. No caso de um participante
com menos de 21 anos de idade no momento da comissão do ato, o tribunal pode, em casos
especialmente leves, abster-se de punição.
175a. O confinamento numa cadeia não deve exceder dez anos e, em circunstâncias
atenuantes, a pena de prisão não inferior a três meses será imposta:
1. Sobre um homem que, com força ou com ameaça de perigo iminente para a vida e a
integridade física, obriga outro homem a cometer atos obscenos e lascivos com ele ou
obriga a outra parte a submeter-se a abusos por atos obscenos e lascivos;
2. Sobre um homem que, por abuso de uma relação de dependência em relação a ele,
em consequência de serviço, emprego ou subordinação, induz outro homem a
cometer atos obscenos e lascivos com ele ou a submeter-se a ser abusado por tais
atos;
3. Quando um homem que tenha mais de 21 anos de idade induzir outro homem com
menos de 21 anos de idade a cometer atos obscenos e lascivos com ele ou a submeter-
se a ser abusado por tais atos;
4. Sobre um homem que profissionalmente se envolve em atos lascivos com outros
homens, ou se submete a tal abuso por outros homens, ou se oferece para atos
obscenos e lascivos com outros homens.
175b. Os atos lascivos contrários à natureza entre seres humanos e animais serão
punidos com pena de prisão; a perda de direitos civis também pode ser imposta.

Página 18 de 36
Tradução para o inglês por Warren Johannson e William Perry em "Homossexuais na Alemanha
nazi", Simon Wiesenthal Center Annual, vol. 7 (1990).

Depois de tomar o poder em 1933, os nazis perseguiram os homossexuais como parte da sua
chamada cruzada moral para purificar racial e culturalmente a Alemanha. Essa perseguição
variou da dissolução forçada de organizações homossexuais ao internamento de milhares de
indivíduos em campos de concentração. Os gays, em particular, estavam sujeitos a assédio,
prisão e até mesmo castração. Aos olhos dos nazis, os gays eram fracos e incapazes de serem
soldados, assim como não tinham filhos e, portanto, contribuíam para a luta racial pelo
domínio ariano.

Friedrich-Paul von Groszheim, que foi preso


em janeiro de 1937 sob o parágrafo 175.

TÓPICOS RELACIONADOS
 ID Card—Friedrich-Paul von Groszheim
 Holocaust Encyclopedia article—1935: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Persecution of Homosexuals in the Third Reich
 Special Focus Nazi—Persecution of Homosexuals
 Text of Paragraph 175
 Bibliography—Gays and Lesbians
 Curators Corner—Documenting Nazi Persecution of Homosexuals: The Josef Ko-
hout/Wilhelm Kroepfl Collection
 Collections Highlight—Do You Remember, When?

Página 19 de 36
Leis da Raça de Nuremberga

Texto da Lei de Cidadania do Reich de 15 de setembro de 1935


e a Lei para a Proteção do Sangue Alemão e Honra de 15 de
setembro de 1935 (Leis da Raça de Nuremberga). - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia da Administração
Nacional de Arquivos e Registos, College Park

15 de setembro de 1935
O parlamento alemão (Reichstag) aprova as Leis da Raça de Nuremberga.
As Leis da Raça de Nuremberga consistiam em duas leis: a Lei de Cidadania do Reich e a Lei
para a Proteção do Sangue Alemão e Honra Alemã. Uma sessão especial do Reichstag
controlada pelos nazis aprovou as duas leis na manifestação do partido em Nuremberga, na
Alemanha. Essas leis institucionalizaram muitas das teorias raciais que sustentam a ideologia
nazi e forneceram a estrutura legal para a perseguição sistemática dos judeus na Alemanha.
As Leis da Raça de Nuremberga não identificaram um “judeu” como alguém com
determinadas convicções religiosas, mas como alguém com três ou quatro avós judeus.
Muitos alemães que não praticaram o judaísmo ou que não o fizeram por muitos anos viram-
se ainda sujeitos à perseguição legal sob essas leis. Mesmo pessoas com avós judeus que se
converteram ao cristianismo poderiam ser definidas como judeus.

Leitura de sinais antissemitas, em alemão, "Juden


sind hier unerwunscht" (judeus são indesejados
aqui). Página
- Museu20 de 36
Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Hans Frankl
TÓPICOS RELACIONADOS
 Special Focus—Nuremberg Race Laws: Defining the Nation

 Holocaust Encyclopedia article—1935: Key Dates

 Holocaust Encyclopedia article—Translation: Nuremberg Race Laws

 Holocaust Encyclopedia article—Nuremberg Race Laws

 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany

 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939

 Holocaust Encyclopedia article—Law, Justice, and the Holocaust

 Resources to download—Law, Justice, and the Holocaust (PDFs)

Jogos Olímpicos Abertos em Berlim

Jogos Olímpicos de Berlim - Fox News

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1933-1938/summer-olympic-games-
open-in-berlin

Berlim abre a cortina ao maior espetáculo atlético na terra e a magnitude da exibição de


pompa da Alemanha seria a coroação de um rei. Mas hoje, os destinos políticos são
esquecidos quando a tocha olímpica em chamas é levada para o altar do estádio, o objetivo
da sua jornada de 1.000 milhas por corredores de revezamento de Atenas, local grego da
primeira Olimpíada há quase 3.000 anos. Depois, para a arena principal, onde uma multidão
de 110.000 espectadores aclama a chegada da procissão oficial, encabeçada pelo anfitrião
número um da Alemanha, o chanceler Hitler, que faz uma pausa para aceitar um tributo
Página 21 de 36
floral no meio do rugido reverberante da multidão. No desfile cerimonial que se segue, o
padrão americano passa orgulhosamente em revista à frente da formidável equipa do Tio
1 de agosto de 1936
Os Jogos Olímpicos de Verão abrem em Berlim, com a presença de atletas e espectadores de
vários países do mundo.
Os Jogos Olímpicos foram um sucesso de propaganda para o governo nazi, já que as
autoridades alemãs fizeram todos os esforços para retratar a Alemanha como um membro
respeitável da comunidade internacional. Eles removeram os sinais antijudaicos da exibição
pública e restringiram as atividades antijudaicas. Em resposta à pressão das delegações
olímpicas estrangeiras, a Alemanha também incluiu uma parte-judia, a esgrimista Helene
Mayer, na sua equipa olímpica. A Alemanha também levantou leis anti homossexualidade
para visitantes estrangeiros durante a duração dos jogos.

Cidadãos alemães saudando Adolf Hitler na


abertura da 11ª Olimpíada em Berlim.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1936: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Nazi Olympics, Berlin 1936
 Holocaust Encyclopedia article—Inauguration of the Olympic Torch Relay
 Holocaust Encyclopedia—View historical film footage
 Bibliography—1936 Olympics
 Online Exhibition—The Nazi Olympics, Berlin 1936

Página 22 de 36
Jesse Owens Compete nos Jogos Olímpicos

O corredor olímpico americano Jesse Owens e


outros atletas olímpicos competem no décimo
segundo assalto do primeiro teste da corrida de
100 metros. Berlim, Alemanha, 3 de agosto de
1936. - Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia da Administração Nacional de Arquivos e
Registos, College Park

3 de agosto de 1936
Dezoito atletas negros representaram os Estados Unidos nas Olimpíadas de 1936. Afro-
americanos dominavam os populares eventos de atletismo. Muitos jornalistas americanos
elogiaram as vitórias de Jesse Owens e outros negros como um golpe no mito nazi da
supremacia "ariana". A censura à imprensa de Goebbels impediu os repórteres alemães de
expressar os seus preconceitos livremente, mas um importante jornal nazi rebaixou os atletas
negros referindo-se a eles como “auxiliares”.
Os atletas afro-americanos que competiram nas Olimpíadas de 1936 em Berlim conquistaram
14 medalhas. A contínua discriminação social e económica que os atletas negros enfrentaram
após regressarem aos Estados Unidos enfatizou a ironia da sua vitória na Alemanha racista.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1936: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—The Nazi Olympics Berlin 1936
 Holocaust Encyclopedia article—The Nazi Olympics Berlin 1936: African American
Voices and "Jim Crow" America
 Special Focus—Black History Month

Página 23 de 36
Abertura do Campo de Concentração de Buchenwald

Prisioneiros que estão durante uma chamada


de inspeção. Cada um usa um chapéu às riscas
e uniforme com cores, distintivos triangulares
e números de identificação. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Robert A.
Schmuhl

15 de julho de 1937
As autoridades da SS abrem o campo de concentração de Buchenwald para prisioneiros do
sexo masculino na Alemanha, centro-leste.
Juntamente com os seus muitos acampamentos satélites, Buchenwald foi um dos maiores
campos de concentração estabelecidos dentro das fronteiras alemãs. As mulheres não faziam
parte do sistema de acampamento de Buchenwald até ao final de 1943 ou início de 1944. Uma
cerca eletrificada de arame farpado, torres de vigia e uma cadeia de sentinelas equipadas com
metralhadoras automáticas cercavam o acampamento principal. As SS atiravam
frequentemente em prisioneiros nos estábulos do campo e enforcavam outros prisioneiros na
área do crematório.
A maioria dos primeiros internos de Buchenwald eram presos políticos. No entanto, em 1938,
no rescaldo da Kristallnacht, a SS alemã e a polícia enviaram quase 10.000 judeus para
Buchenwald, onde as autoridades do campo os submeteram a tratamentos
extraordinariamente cruéis e muitos morreram. As SS também internaram criminosos
reincidentes, Testemunhas de Jeová, ciganos e desertores militares alemães em Buchenwald.

Página 24 de 36
TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1937: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Buchenwald
 Holocaust Encyclopedia artifact—Prisoner Jacket
 Special Focus—Buchenwald Concentration Camp

Exposição antissemita abre em Munique


Autoridades nazis que participaram da abertura da
exposição "O Eterno Judeu" em Munique, veem um
segmento intitulado "A vestimenta judaica era uma
advertência contra a corrupção racial". À esquerda,
há um segmento intitulado "A usura e a vedação de
mercadorias sempre foram seu privilégio". - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia da
Administração Nacional de Arquivos e Registos,
College Park

8 de novembro de 1937
Josef Goebbels, ministro da propaganda do Reich, e Julius Streicher, editor do jornal
antissemita Der Stürmer (The Attacker) abrem a exposição antissemita Der Ewige Jude (O
Eterno Judeu) na biblioteca do Museu Alemão em Munique, Alemanha.
A exposição retratava imagens estereotipadas de judeus para ilustrar acusações de uma
conspiração mundial judaica contra a Alemanha e ligações entre o judaísmo e o comunismo.
Uma exposição itinerante foi exibida em Berlim, Viena e várias outras cidades alemãs. Mais
de 400.000 pessoas participaram da exposição.

Página 25 de 36
Anexação Alemã da Áustria
Vista do Loos Haus, um edifício público em
Viena, adornado com decorações e um grande
estandarte com uma frase de Hitler, "Aqueles
que têm o mesmo sangue pertencem ao mesmo
Reich!" Essas bandeiras foram penduradas em
toda a Áustria nas semanas que precederam o
plebiscito de 10 de abril sobre a incorporação da
Áustria ao Reich alemão. -Biblioteca do
Congresso

11 de março de 1938
Em 11 e 13 de março de 1938, as tropas alemãs invadem a Áustria e incorporam-na ao Reich
alemão, no que é conhecido como Anschluss.
Uma onda de violência de rua contra pessoas e bens judeus seguiu-se em Viena e outras
cidades do chamado Grande Reich Alemão durante a primavera, o verão e o outono de 1938,
culminando nos tumultos da Kristallnacht e na violência de 9-10 de novembro.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Austria
 Holocaust Encyclopedia article—German Prewar Expansion
 Holocaust Encyclopedia article—Kristallnacht

Página 26 de 36
Leis antijudaicas na Hungria
29 de maio de 1938
A Hungria adota leis e medidas antissemitas abrangentes, excluindo judeus de muitas
profissões.
As leis raciais húngaras aprovadas entre 1938 e 1941 foram inspiradas nas leis alemãs de
Nuremberga. As leis revertiam o status de igualdade de cidadania concedida aos judeus na
Hungria em 1867. Entre outras provisões, as leis definiam “judeus” nos chamados termos
raciais, proibiam o casamento entre judeus e não-judeus e excluíam os judeus da plena
participação em várias profissões. As leis também proibiam o emprego de judeus no serviço
civil e restringiam as suas oportunidades na vida económica.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Hungary before the German Occupation
 Holocaust Encyclopedia article—Nuremberg Laws
 Video—The Holocaust in Hungary: An Introduction

Conferência de Evian

A Conferência de Evian não ajuda refugiados [Silent],


Evian, França, 13 de julho de 1938. Delegados de 32 p
aíses reuniram-se no Hotel Royal em Evian, França, de
6 a 15 de julho de 1938, para discutir o problema dos
refugiados judeus. Os refugiados estavam
desesperados para fugir da perseguição nazi na
Alemanha, mas não podiam sair sem ter permissão
para se estabelecer noutros países. A Conferência de
Evian resultou em quase nenhuma mudança nas
políticas de imigração da maioria das nações
participantes. As grandes potências - os Estados
Unidos, a Grã-Bretanha e a França - opuseram-se à
imigração irrestrita, deixando claro que não
pretendiam tomar nenhuma medida oficial para aliviar
o problema dos refugiados judeus-alemães. -
Filmografia e Arquivo de Televisão da CULA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1933-1938/evian-conference
Página 27 de 36
6 de julho de 1938
De 6 a 15 de julho de 1938, delegados de 32 países e representantes de organizações de ajuda
aos refugiados participaram da Conferência Evian, em Evian, na França.
Discutiram opções para a acomodação de refugiados judeus fugindo da Alemanha nazi como
imigrantes noutras partes da Europa, Américas, Ásia e Austrália. Os Estados Unidos e a maioria
dos outros países, no entanto, não estavam dispostos a aliviar suas restrições de imigração.

Postal mostrando Evian-les-Bains na época da


Conferência Internacional de 1938 sobre
Refugiados. —USHMM, cortesia de Martin Smith

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Evian Conference
 Holocaust Encyclopedia article—Refugees
 Holocaust Encyclopedia article—German Jewish Refugees, 1933–1939

Lei sobre Alteração de Nomes Familiares e Pessoais


O passaporte alemão de Egon Israelski
(outubro de 1938) mostrando a sua
mudança de nome forçada para incluir o
nome do meio de Israel. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de
Annemarie Warschauer

Página 28 de 36
17 de agosto de 1938
A Ordem Executiva sobre a Lei da Alteração de Nomes Familiares e Pessoais requer que os
judeus alemães que tenham os primeiros nomes de origem “não-judaica” adotem um nome
adicional: “Israel” para os homens e “Sara” para as mulheres.
O governo exigia que os judeus se identificassem de formas que os separariam
permanentemente do resto da população alemã. Na nova lei de agosto de 1938, as
autoridades decretaram que, em 1º de janeiro de 1939, homens e mulheres judeus que
tivessem os primeiros nomes de origem “não-judaica” teriam que acrescentar “Israel” e
“Sara”, respetivamente, aos seus nomes. Todos os judeus alemães eram obrigados a
transportar bilhetes de identidade que indicavam a sua herança e, no outono de 1938, todos
os passaportes judaicos foram carimbados com uma letra vermelha identificadora “J”.
Enquanto os líderes nazis aceleravam os seus preparativos de guerra, a legislação antissemita
na Alemanha e na Áustria abriu caminho para uma perseguição mais radical aos judeus.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany
 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939

Acordo de Munique

Um acordo assinado na conferência de Munique,


em setembro de 1938, cedeu a Alemanha à região
dos Sudetos da Checoslováquia. O acordo foi
alcançado entre a Alemanha, a Itália, a Grã-
Bretanha e a França. A Checoslováquia não foi
autorizada a participar da conferência. Em março de
1939, seis meses depois de assinar o acordo de
Munique, Hitler violou o acordo e destruiu o estado
checo. - Filmografia e Arquivo de Televisão da CULA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1933-1938/munich-agreement

29 de setembro de 1938

Página 29 de 36
29–30 de setembro de 1938: Alemanha, Itália, Grã-Bretanha e França assinam o acordo de
Munique, pelo qual a Checoslováquia deve entregar as suas regiões fronteiriças e defesas (a
chamada região dos Sudetos) à Alemanha nazi. As tropas alemãs ocupam essas regiões entre
1 e 10 de outubro de 1938.
Hitler tinha ameaçado desencadear uma guerra europeia, a menos que os Sudetos, uma área
fronteiriça da Checoslováquia contendo uma maioria étnica alemã, fosse entregue à
Alemanha. Os líderes da Grã-Bretanha, França e Itália concordaram com a anexação alemã
dos Sudetos em troca de uma promessa de paz de Hitler. A Checoslováquia, que não
participou das negociações de Munique, concordou com uma pressão significativa da Grã-
Bretanha e da França.

Adolf Hitler saúda Neville Chamberlain após a chegada do primeiro ministro


britânico a Munique, Alemanha, a 29 de setembro de 1938. Chamberlain
(1869-1940), primeiro-ministro britânico de maio de 1937 a maio de 1940, foi
o principal expoente britânico do apaziguamento da Alemanha nazi, no final da
década de 1930. - Arquivos Nacionais e Administração de Registos, College
Park

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—German Prewar Expansion

Passaportes dos judeus alemães declarados inválidos

Cartão de identificação emitido a Marion


Basfreund e carimbado com um J vermelho para
Jude e o nome do meio adicionado de "Sara". -
Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Hilary Dalton

5 de outubro de 1938

Página 30 de 36
A 5 de outubro de 1938, o Ministério do Interior do Reich invalida todos os passaportes
alemães detidos pelos judeus. Os judeus devem entregar os seus passaportes antigos, que só
serão válidos depois que a letra "J" tiver sido carimbada nos mesmos.
O governo exigia que os judeus se identificassem de formas que os separariam
permanentemente do resto da população alemã. Numa lei de agosto de 1938, as autoridades
decretaram que, a 1 de janeiro de 1939, homens e mulheres judeus portadores de primeiros
nomes de origem “não-judaica” tinham que acrescentar “Israel” e “Sara”, respetivamente, aos
seus nomes. Todos os judeus alemães eram obrigados a levar bilhetes de identidade que
indicavam a sua herança e, no outono de 1938, todos os passaportes judaicos foram
carimbados com uma letra vermelha identificadora “J”. Enquanto os líderes nazis aceleravam
os seus preparativos de guerra, a legislação antissemita na Alemanha e na Áustria abriu
caminho a uma perseguição mais radical aos judeus.

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany
 Holocaust Encyclopedia article—Examples of Antisemitic Legislation, 1933–1939

Kristallnacht
(por ocasião da violência conjunta dos nazis em toda a Alemanha e Áustria contra os judeus
e as suas propriedades na noite de 9 a 10 de novembro de 1938)

Johanna Gerecther Neumann descreve a


Kristallnacht em Hamburgo - Museu Memorial do
Holocausto nos EUA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1933-1938/kristallnacht

9 de novembro de 1938

Página 31 de 36
Autoridades do Partido Nazi, membros da SA e da Juventude Hitleriana realizam uma onda de
massacres violentos contra os judeus em toda a Grande Alemanha. Os desordeiros destruíram
centenas de sinagogas, muitas delas queimadas à vista dos bombeiros e do público alemão e
saquearam mais de 7.000 empresas de propriedade de judeus e outros estabelecimentos
comerciais. Os cemitérios judaicos tornaram-se um objeto particular de profanação em muitas
regiões. Quase 100 residentes judeus na Alemanha perderam a vida na violência. Nas semanas
que se seguiram, o governo alemão promulgou dezenas de leis e decretos destinados a privar
os judeus das suas propriedades e meios de subsistência, mesmo quando a intensificação da
perseguição do governo procurava forçar os judeus a saírem da vida pública e forçar a sua
emigração do país.
Após os massacres, a implementação da política antijudaica alemã foi gradualmente
concentrada nas mãos da SS. Assim, a Kristallnacht figura como um ponto de viragem essencial
na perseguição da Alemanha nazi aos judeus, que culminou no Holocausto, a tentativa de
aniquilar os judeus europeus durante a guerra.

Demolição das ruínas da sinagoga


Tempelgasse após a sua destruição durante a
Kristallnacht. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de
Dokumentationsarchiv des
Oesterreichischen Widerstandes

TÓPICOS RELACIONADOS

 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates


 Holocaust Encyclopedia article—Kristallnacht
 Special Focus—Kristallnacht
 Bibliography—Kristallnacht
 Artifact from the Permanent Exhibition

Página 32 de 36
Reflexão de um estudante americano

Robert Harlan descreve a sua jornada, depois da


Kristallnacht, para ajudar os pais de um amigo judeu
cuja casa foi saqueada. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Lois Harlan

11 de novembro de 1938
"Então, aqui estou nos arredores de Frankfurt, sentado em num comboio e com destino a
Würzburg, onde não sei o que me espera."
Robert Harlan, estudando um semestre no exterior na Universidade de Marburg,
testemunhou a Kristallnacht. Viajando de comboio para ajudar os pais de um amigo judeu cuja
casa foi saqueada, Harlan reflete que "a América, a terra da liberdade, ainda tem muito
significado, penso eu".

TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Kristallnacht
 Special Focus—Kristallnacht
 Bibliography—Kristallnacht
 First Person Podcast—Gerald Liebenau: Memories of Kristallnacht
 Artifact Highlight from the Permanent Exhibition
Página 33 de 36
Exclusão de judeus da vida económica alemã

Fotografia pré-guerra dos proprietários de


negócios judeus David e Janka Penner na sua
loja de produtos secos. Em 1940, David e Janka
deixaram Berlim, indo para a Bélgica e a França.
Eles foram então internados separadamente
pela polícia francesa antes de fugirem para o
norte da África. Berlim, Alemanha, 1932-1928 -
Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Ilona Penner Blech

12 de novembro de 1938
A 12 de novembro de 1938, o governo alemão emite o Decreto sobre a Eliminação dos Judeus
da Vida Económica (Verordnung zur Ausschaltung der Juden aus dem deutschen
Wirtschaftsleben). O decreto impede os judeus de operarem lojas de varejo, agências de
vendas e de exercerem uma atividade comercial. A lei também proíbe os judeus de vender
bens ou serviços num estabelecimento de qualquer tipo.
Durante os primeiros seis anos da ditadura de Hitler, de 1933 até a eclosão da guerra em 1939,
os judeus sentiram os efeitos de mais de 400 decretos e regulamentos que restringiam todos
os aspetos das suas vidas públicas e privadas. Muitas dessas leis nacionais foram emitidas pela
administração alemã e afetaram todos os judeus. Mas as autoridades estaduais, regionais e
municipais, agindo por conta própria, também promulgaram uma série de decretos de
exclusão nas suas próprias comunidades. Assim, centenas de indivíduos em todos os níveis de
governo em todo o país estiveram envolvidos na perseguição de judeus quando conceberam,
discutiram, redigiram, adotaram, executaram e apoiaram a legislação antijudaica. Nenhum
canto da Alemanha foi deixado intocado.

Arthur Lewy confere com um cliente na sua


tabacaria
Páginaem Berlim.
34 de 36 Arthur e sua família sofreram
crescente agitação antissemita nos anos seguintes
à ascensão nazi ao poder em 1933. Arthur foi
preso em 1938; embora ele tenha sido
TÓPICOS RELACIONADOS
 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates
 Holocaust Encyclopedia article—Antisemitic Legislation 1933–1939
 Holocaust Encyclopedia article—Anti-Jewish Legislation in Prewar Germany

Primeiro transporte infantil chega à Grã-Bretanha

Criança refugiada, parte de um transporte


infantil (Kindertransport), logo após a
chegada a Harwich. Grã-Bretanha, 2 de
dezembro de 1938. —Bibliotheque Historique
de la Ville de Paris

2 de dezembro de 1938
Em desespero, milhares de pais judeus mandam os seus filhos desacompanhados para o
exterior, esperando encontrar refúgio da perseguição nazi.
Kindertransport (Transporte Infantil) era o nome informal de uma série de esforços de resgate
(organizados por grupos comunais judeus na Alemanha e na Áustria) que levaram milhares de
crianças judias refugiadas à Grã-Bretanha entre 1938 e 1940. Os pais ou responsáveis não
puderam acompanhar as crianças. O primeiro Kindertransport chegou a Harwich, Grã-
Bretanha, a 2 de dezembro de 1938, trazendo cerca de 200 crianças de um orfanato judeu em
Berlim que tinha sido destruído no massacre da Kristallnacht. Eventualmente entre 9.000 e

Página 35 de 36
10.000 crianças foram resgatadas via Kindertransport. A maioria dessas meninas e meninos
nunca mais veria os seus pais, que foram assassinados durante o Holocausto.

TÓPICOS RELACIONADOS Chegada a Grã-Bretanha

 Holocaust Encyclopedia article—1938: Key Dates


 Holocaust Encyclopedia article—Kindertransport, 1938–1940
 Holocaust Encyclopedia—View more photographs
 Holocaust Encyclopedia—Listen to oral histories
 Holocaust Encyclopedia article—Children during the Holocaust

Tradução de LEARN ABOUT THE HOLOCAUST - TIMELINE OF EVENTS


https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-events/1933-1938

Página 36 de 36